TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM"

Transcrição

1 VERDADEIRO? FALSO? TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? A EDUCAÇÃO PODE ME PREJUDICAR VERDADEIRO? FALSO? APRENDO SEMPRE DE FORMA CONSCIENTE

2 ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM Podemos concordar que aprendemos em todos os espaços nos quais interagimos; as famílias em suas múltiplas formas, a relação com os nossos semelhantes, na comunidade, nos centros de ensino, no local de trabalho, nas organizações e redes sociais que integramos, nas organizações políticas, quando formamos parte de alguma, na cidade em que vivemos etc. Paulo Federigui nos recorda que quando nos referimos à aprendizagem, em geral a tendência é crer que a formação/aprendizagem é sempre positiva. No entanto, há processos de aprendizagem que podem prejudicar e inclusive destruir as pessoas, diz Federigui. Nesse sentido pode-se falar de dano educativo, tanto físico, como mental, ou de infelicidade. Aprendemos tanto de forma consciente como inconsciente de nosso entorno. Portanto, aprendemos através de conteúdos específicos, como também através da forma como funciona o próprio espaço de aprendizagem (qualquer que seja este), ou a atmosfera da aprendizagem. A aprendizagem não é um assunto teórico-racional que envolve apenas o intelecto, mas também nossos sentimentos, emoções e vivências. Uma aproximação ampla à noção de aprendizagem se refere a tudo o que uma pessoa aprende, consciente ou inconscientemente, ao ser parte de um processo, em um âmbito concreto, e tanto poderá ser benéfico como contraproducente O QUE E O COMO Estamos partindo da base de que aprendemos tanto através do intercâmbio de reflexões conceituais e de experiências práticas, como da forma em que se efetua o intercâmbio. Trabalhar conscientemente no contexto de aprendizagem é um desafio metodológico que parte do reconhecimento de que os espaços de gestão-aprendizagem são múltiplos, e que neles vamos nos transformando. O que queremos dizer com isso? Nossa experiência nos indica que podemos aprender, por exemplo, a negociar tanto a través de um curso, como participando de uma experiência de negociação de sucesso, ou frustrada (que também nos deixa ensinamentos), mas também da acumulação de certezas de que a negociação é possível. Tudo o que aprendemos consciente ou inconscientemente nos transforma de forma benéfica ou contraproducente, pois o que aprendemos não é neutro nem necessariamente bom. Se através da experiência se aprende que a resolução de um conflito leva à supressão de uma das partes, então estou aprendendo de forma vivencial que a resolução de uma divergência passa pela imposição de uma posição sobre outra. As mudanças trazem transformações internas e externas, e com isso queremos dizer que basicamente aprendemos na prática e através de vivências, aprendemos do debate e do diálogo, do confronto de diferentes perspectivas e do exercício de estratégias de cooperação e negociação.

3 Estamos acostumadas a trabalhar mais nos que, do que nos como, e muitas vezes é através desses últimos que se expressam de forma implícita as discriminações, os estereótipos, os preconceitos e as exclusões. Dentro do sistema educativo, nos espaços formais de educação, pensaríamos que pelo menos o discurso da não discriminação deveria estar mais presente que em outros âmbitos. Mas nas instituições educativas, embora não conscientemente, é onde se produz muitas vezes a interiorização de atitudes e comportamentos preconceituosos e discriminatórios contra a diversidade. Onde aprendemos tão efetivamente a manter condutas e atitudes preconceituosas ou discriminatórias, ou racistas? Nascemos assim? Ou as vamos introjetando ao longo de nossa vida nos diversos espaços de aprendizagem? As pessoas aprendem a discriminar em todos os espaços. Para educar sem discriminar, é necessário ter consciência sobre a discriminação presente na vida cotidiana. Quando nos referimos à discriminação, referimo-nos àquela parte da humanidade que tem permanecido excluída da participação em temas de interesse público e que não desfruta de uma cidadania plena. O termo discriminação denota todo tipo de diferenciação, exclusão ou restrição baseada em gênero, raça, cor, ascendência, linhagem, origem nacional ou étnica, orientação sexual, status social, religião, idade, deficiências, etc. Ao perpetuar a idéia da existência de seres humanos superiores a outros seres humanos, dos homens superiores às mulheres, de uma raça superior a outra, dos ricos superiores aos pobres, a educação reforça a noção de poder e legitima a discriminação e a opressão, gerando assim a violência. É por isso que nos interessa deixar claro que a forma de funcionar, os mecanismos, normas e procedimentos que acontecem em um espaço de interação, são tão importantes como o que se debate e o que nele se constrói.

4 Educação para a inclusão Referir-nos a Educação para a inclusão, leva-nos necessariamente a mencionar o conceito de EXCLUSÃO SOCIAL. O conceito de exclusão social é multidimensional. A falta de recursos econômicos não é a única razão pela qual pessoas ou grupos são excluídos, mas há outros fatores que intervêm e afetam a capacidade de participar de forma efetiva da vida social, econômica, política e cultural. A exclusão social se associa à idéia de pobreza, mas não é sinônimo de pobreza. É uma situação mais complexa, que se manifesta nas sociedades através dos padrões recorrentes nas relações sociais, que impedem a indivíduos e grupos o acesso aos recursos, serviços, atividades e instituições vinculadas ao exercício de direitos e de cidadania. Para corrigir os processos que produzem e reproduzem a exclusão social, é necessária uma abordagem integral, que permita conquistar simultaneamente maiores graus de inclusão. Ou seja, que torne possível a aquisição de ativos econômicos, políticos, sociais e culturais, que permitam estabelecer relações dentro da comunidade em igualdade de condições, sem discriminação por sexo, raça/etnia, idade, origem social, identidade sexual, etc. Também requer integrar a vivência subjetiva da situação de exclusão social, fortalecendo a auto-estima, a autonomia pessoal e o sentimento de pertencer a uma comunidade, a uma cidade. A noção habitualmente utilizada de empoderamento se refere à ampliação da liberdade para optar e escolher, e ao aumento da autoridade e poder das pessoas em situação de pobreza, das mulheres e de todos aqueles que vivem em relações de subordinação ou são excluídos socialmente, sobre os recursos e decisões que afetam sua vida. exclusão primária e exclusão secundária A falta de acesso à educação é a exclusão primária e a mais óbvia e que significa a violação de um direito humano. Mas há outras formas mais sutis de discriminação que levam à exclusão, e é desse aspecto mais profundo da discriminação ao qual quero me referir, e mais especialmente na forma de intersecção em que se concretiza.

5 A exclusão simbólica exercida através dos diferentes códigos culturais significa uma exclusão secundária, baseada em outras variáveis tais como gênero, raça-etnia, origem social, orientação sexual, local de origem ou procedência, etc. Esta necessidade de elaborar o conceito de educação para a inclusão, surge então da constatação de múltiplas identidades e discriminações existentes na realidade atual, e do papel que a educação desempenha em torno a esta realidade em diferentes espaços de aprendizagem. E aquele que poderia desempenhar. A necessidade de descrever e analisar esta segunda forma de exclusão ao direito à educação nos leva a considerar o binômio igualdade/diferença. IGUALDADE-DIFERENÇA FALSA DICOTOMIA O OPOSTO À DIFERENÇA É A HOMOGENEIZAÇÃO. Os sistemas educativos do século XX homogeneizaram, isto é, não levaram em conta as diferenças. Não foram capazes de compreender ou assumir a multi-dimensionalidade dos seres humanos. Não compreenderam ainda que a diferença é o que nos faz iguais. Nós educadores e educadoras, formadores/as de opinião, devemos buscar aprofundar o significado do pertencimento étnico/racial e de gênero, para a urgente elaboração de alternativas pedagógicas que garantam o direito à igualdade e à equidade.. São necessárias mudanças internas profundas naqueles que intervêm nesses processos de formação-aprendizagem, pois do contrário reproduzem-se inevitavelmente atitudes discriminatórias. A discriminação não é um problema do grupo discriminado, mas sim um problema de toda a sociedade, e se isso não for assumido nesses termos não poderá ser resolvido. A invisibilidade dos grupos que sofrem a discriminação é um dos fatores que a perpetua; Nós, mulheres sabemos que muitas vezes somos INVISÍVEIS e a mesma coisa acontece com a população negra, indígena, etc. E a situação de invisibilidade também parece natural para a maioria da sociedade, inclusive acaba por se introjetar no próprio grupo discriminado, como algo inevitável. É natural que a mulher ganhe menos por trabalho igual que o homem...

6 Alguns fatores para pensar na hora de superar a discriminação: * SER CONSCIENTES E ACEITAR QUE TODOS E TODAS DISCRIMINAMOS, INCLUSIVE COMO EDUCADORES/AS; NÃO É UMA COISA QUE OS OUTROS FAZEM * SER CONSCIENTES DE QUE TRANSMITIMOS ESSAS CONDUTAS PELO MENOS INCONCIENTEMENTE * NO ÃMBITO EDUCATIVO LEVAR EM CONTA O QUE DIZ UM DOCENTE EM UMA PESQUISA REALIZADA NO BRASIL: NÃO ESTAMOS PREPARADOS PARA LIDAR COM QUESTÕES POLÊMICAS COMO ETNIAS, PRECONCEITOS, DISCRIMINAÇÕES, ETC. * COMO SE PROMOVE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO E DEMAIS DISCRIMINAÇÕES? HÁ QUE DESAPRENDER! ALGUNS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Somos educadores e educadoras, aprendizes nesta tarefa de transformar a realidade e pensar outro mundo. Isto produz tensões que é preciso reconhecer para trabalhar a partir delas. É um enorme desafio construir uma educação democrática imersos em uma sociedade injusta, em uma sociedade regulada por regras de mercado, influenciados por valores que produzem esta sociedade injusta. Como construir uma cultura de paz em um mundo violento onde os meios de comunicação produzem sistematicamente a idéia de violência? Há que ensinar a complexidade das crises planetárias e desenvolver a consciência de que todos os seres humanos somos uma mesma comunidade de destino. A educação deve facilitar o desenvolvimento de uma ética do gênero humano que nos leve a uma verdadeira cidadania planetária. Edgar Morin

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais

Declaração dos Mecanismos das Mulheres da América Latina e do Caribe frente ao 58º Período de Sessões da Comissão do Status da Mulher (CSW)

Declaração dos Mecanismos das Mulheres da América Latina e do Caribe frente ao 58º Período de Sessões da Comissão do Status da Mulher (CSW) Declaração dos Mecanismos das Mulheres da América Latina e do Caribe frente ao 58º Período de Sessões da Comissão do Status da Mulher (CSW) Cidade do México, México 7 de fevereiro de 2014 Nós, ministras

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS SOBRE DIVERSIDADE E INCLUSÃO

GLOSSÁRIO DE TERMOS SOBRE DIVERSIDADE E INCLUSÃO GLOSSÁRIO DE TERMOS SOBRE DIVERSIDADE E INCLUSÃO Acessibilidade Condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações,

Leia mais

convicções religiosas...

convicções religiosas... apresenta Cartilha O termo DISCRIMINAR significa separar; diferenciar; estabelecer diferença; distinguir; não se misturar; formar grupo à parte por alguma característica étnica, cultural, religiosa etc;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

Seminário Valores da Convivência na vida pública e privada

Seminário Valores da Convivência na vida pública e privada Seminário Valores da Convivência na vida pública e privada Diversidade e Identidade Reinaldo Bulgarelli 23 e 24 de junho reinaldo@txaiconsultoria.com.br Reinaldo Bulgarelli Reinaldo Bulgarelli é sócio-diretor

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (E.A) NAS UNIVERSIDADES

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (E.A) NAS UNIVERSIDADES EDUCAÇÃO AMBIENTAL (E.A) NAS UNIVERSIDADES A crise ambiental não é crise ecológica, mas crise da razão (Enrique Leff). CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA DA E.A. EDUCAÇÃO AMBIENTAL É PREVENÇÃO! CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Assuntos prioritários

Assuntos prioritários CONFINTEA VI Assuntos prioritários Documento Público do Conselho Internacional de Educação de Pessoas Adultas (ICAE) Após uma intensa consulta entre seus membros e redes, o Conselho Internacional de Educação

Leia mais

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta Unidade veremos como os Direitos Humanos

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Conhecimentos Gerais 01) A Política

Leia mais

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #11 - agosto 2014 - Não quero s o a negra a m e pr s s eu e n ta min Respostas r pais. So perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. h u a n ra a m cis o t r a a?

Leia mais

Para além m daquilo que se percebe: a/cor na saúde

Para além m daquilo que se percebe: a/cor na saúde Para além m daquilo que se percebe: a importância da raça/cor a/cor na saúde Fernanda Lopes Programa de Combate ao Racismo Institucional DFID, OPAS, PNUD O direito à saúde De acordo com a OMS a saúde é

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte

Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte Preâmbulo A Conferência Geral da UNESCO, 1. Recordando que, na Carta das Nações Unidas, os povos proclamaram sua fé nos direitos

Leia mais

POLÍTICA DE EQUIDADE DE GÊNERO E DIVERSIDADE

POLÍTICA DE EQUIDADE DE GÊNERO E DIVERSIDADE POLÍTICA DE EQUIDADE DE GÊNERO E DIVERSIDADE Brasília, fevereiro de 2014 Conteúdo 1. Objetivo... 3 2. Princípios... 4 3. Diretrizes... 5 4. Responsabilidades... 6 5. Conceitos... 7 6. Disposições Gerais...

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa Karla Giacomin, MD, PhD Roteiro Seminário Preâmbulo Envelhecimento ativo Cuidado Habilidades e competências Ferramentas da gestão 2003 Estatuto do

Leia mais

Seminário A Mulher e a Mídia

Seminário A Mulher e a Mídia Para analisar o papel da mulher como produtora de notícia e o tratamento dispensado pela mídia às mulheres, quando elas são a notícia, realizou-se na cidade no Rio de Janeiro, em junho de 2004, o seminário

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Antirracismo e Não Discriminação

Antirracismo e Não Discriminação Antirracismo e Não Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA

TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA TERMO DE ORIENTAÇÃO ATUAÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS EM ABORDAGEM SOCIAL NA RUA Este Termo de Orientação tem por objetivo orientar o trabalho de assistentes sociais ao realizarem, em sua intervenção profissional,

Leia mais

Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano

Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano Conclusões do Encontro do Laicato Dominicano História OP Quatro elementos foram tomados como pontos de reflexão e ação para os dois primeiros anos. Um dos pontos ou aspetos sobre o qual trabalhar é a compaixão.

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE Ana Paula Cavalcanti e Renata Cristine de Sá Pedrosa Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco FACP/UPE paulacav@cnen.gov.br Introdução

Leia mais

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora)

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS I MÓDULO IV Discutir sobre a educação das relações étnico-raciais na escola,

Leia mais

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA

CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Escola Superior Dom Helder Câmara CARTILHA SOBRE RACISMO E INVIOLABILIDADE DE DOMICÍLIO DAS POPULAÇÕES CIGANAS, NÔMADES E DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA Introdução A Constituição da República Federativa

Leia mais

coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - eg o. m r e é r q Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - eg o. m r e é r q Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. o coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - Sou d advoga Será a que e é nã p o r consigo e q u e sou n m pr eg r eg o a?. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

PRECONCEITO, ESTEREÓTIPO E DISCRIMINAÇÃO

PRECONCEITO, ESTEREÓTIPO E DISCRIMINAÇÃO PRECONCEITO, ESTEREÓTIPO E DISCRIMINAÇÃO ESTEREÓTIPO : categoria favorável ou desfavorável que é partilhada por um grupo social ou cultural e que se refere a características pessoais, especialmente a traços

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO

RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO Adriana Rosicléia Ferreira CASTRO Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/ UERN - CAMEAM Pós-graduanda em Psicopedagogia

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

COMO PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO SE RELACIONAM COM OS PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM

COMO PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO SE RELACIONAM COM OS PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO SE RELACIONAM COM OS PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1 Alunas: Marina Passos e Luciana Oliveira Orientador: Marcelo Andrade Introdução O projeto de pesquisa que apresentamos

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AOS DESAFIOS ESCOLARES

O COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AOS DESAFIOS ESCOLARES O COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AOS DESAFIOS ESCOLARES Berenice Lurdes Borssoi 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE bereborssoi@bol.com.br RESUMO: O intenso processo de mudanças originadas

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE FIGUEIREDO,Lilia Márcia de Souza 1 ZANZARINI, Maria Pinheiro FERRO, Sônia Maria Pinheiro A educação sexual, teoricamente, é iniciada nas famílias. As crianças são educadas

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL P á g i n a 123 A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Fábio de Melo BANDEIRA (Esp./UEG) (fabiobandeira@ueg.br) Ludimilla Ribeiro de ALMEIDA (UEG/G) (lu_dimilla22@hotmail.com)

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI.

OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI. OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI. Sabrina Silveira Silva Universidade Federal de Uberlândia\FACIP sabrinasilveiramgsasa@hotmail.com Luciane Ribeiro Dias

Leia mais

Escola de Todos. Sergio Meresman Equipe de Deficiência e Desenvolvimento Inclusivo Instituto Interamericano de Deficiencia e Desenvolvimento Inclusivo

Escola de Todos. Sergio Meresman Equipe de Deficiência e Desenvolvimento Inclusivo Instituto Interamericano de Deficiencia e Desenvolvimento Inclusivo Escola de Todos Sergio Meresman Equipe de Deficiência e Desenvolvimento Inclusivo Instituto Interamericano de Deficiencia e Desenvolvimento Inclusivo Se minha única ferramenta é um martelo, tudo vai me

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica. Gestão democrática. Maria Madselva Ferreira Feiges Consultora Técnica do MEC

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica. Gestão democrática. Maria Madselva Ferreira Feiges Consultora Técnica do MEC Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Gestão democrática Maria Madselva Ferreira Feiges Consultora Técnica do MEC Só a participação cidadã é capaz de mudar o país (Betinho) A educação é

Leia mais

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória PRECONCEITO RACIAL O QUE É PRECONCEITO? Preconceito é um juízo pré-concebido, que se manifesta numa atitude discriminatória, perante pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. O preconceito

Leia mais

EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE

EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE INTRODUÇÃO Aflânia Dantas Diniz de Lima UFRPE aflanialima@hotmail.com Jackson Diniz Vieira UFRPE Jacksondv.sb@hotmail.com

Leia mais

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E AS VIOLÊNCIAS NAS ESCOLAS: DIMENSÕES DA COMPLEXIDADE DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E AS VIOLÊNCIAS NAS ESCOLAS: DIMENSÕES DA COMPLEXIDADE DA PRÁTICA PEDAGÓGICA POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E AS VIOLÊNCIAS NAS ESCOLAS: DIMENSÕES DA COMPLEXIDADE DA PRÁTICA PEDAGÓGICA EYNG, Ana Maria (ana.eyng@pucpr.br) PUCPR GISI, Maria Lourdes (maria.gisi@pucpr.br) PUCPR

Leia mais

GESTOR COMUNITÁRIO DA EDUCAÇÃO: UMA FIGURA PARA FORTALECER O CARÁTER DEMOCRÁTICO DO CONSELHO ESCOLAR

GESTOR COMUNITÁRIO DA EDUCAÇÃO: UMA FIGURA PARA FORTALECER O CARÁTER DEMOCRÁTICO DO CONSELHO ESCOLAR 1 GESTOR COMUNITÁRIO DA EDUCAÇÃO: UMA FIGURA PARA FORTALECER O CARÁTER DEMOCRÁTICO DO CONSELHO ESCOLAR Renata Pierini Ramos Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Aparecido Conti Mestrado em Educação Linha de

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

Destaque Documento Base Parágrafo

Destaque Documento Base Parágrafo DOCUMENTO BASE NACIONAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DE EJA DO TOCANTINS Destaque Documento Base Parágrafo 1. Diante do quadro diagnóstico que se apresenta da educação de jovens e adultos (EJA)

Leia mais

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 A prática da cidadania constitui um processo

Leia mais

Gênero no processo. construindo cidadania

Gênero no processo. construindo cidadania Gênero no processo de educação: construindo cidadania Kátia Souto Jornalista e Executiva Nacional da União Brasileira de Mulheres A educação tem caráter permanente. Não há seres educados e não educados.

Leia mais

Nós e Eles : uma abordagem ecológica da Educação Inclusiva

Nós e Eles : uma abordagem ecológica da Educação Inclusiva Nós e Eles : uma abordagem ecológica da Educação Inclusiva David Rodrigues Prof. Universitário Presidente da Pró-Inclusão: Associação Nacional de Docentes de Educação Especial (Portugal) Viseu, Março,

Leia mais

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL PACÍFICO, Juracy Machado/UNIR 1 RESUMO: O texto aborda a temática das diferenças étnico-raciais e socioculturais presentes também nas escolas de educação

Leia mais

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

Audiência Pública. Questões socioeconômicas e territorialidade. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Seminário

Audiência Pública. Questões socioeconômicas e territorialidade. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Seminário Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Seminário Diversidade nas escolas: preconceito e inclusão Audiência Pública Questões socioeconômicas e territorialidade Timothy D. Ireland UNESCO

Leia mais

JUSTIÇA RESTAURATIVA COMO UM MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS

JUSTIÇA RESTAURATIVA COMO UM MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS Cristina Telles Assumpção Meirelles Cecília Assumpção Célia Bernardes Heloise Pedroso Marta dos Reis Marioni Monica Cecília Burg Mlynarz Violeta Daou Vania Curi Yazbek - Coordenadora da Equipe APRENDER

Leia mais

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável Raphael Azeredo Vinícius Fox Drummond Cançado Trindade Só nos sustentamos em pé porque estamos ligados uns aos outros. A inspiradora frase de Candido

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador

O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador O COTIDIANO DO EDUCADOR: INSPIRAÇÕES FREIREANAS Coordenadora: Isabel Cristina Nacha Borges Expositoras: Clarice Dirshnabel e Cristina Maria Salvador O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA POSSIBILIDADE

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COMO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO Schirley de Fátima Rietow Artur Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná. Atual aluna de especialização em Gestão

Leia mais

Educação escolar indígena: diagnósticos, políticas públicas e projetos UNIDADE 2

Educação escolar indígena: diagnósticos, políticas públicas e projetos UNIDADE 2 Educação escolar indígena: diagnósticos, políticas públicas e projetos Educação escolar indígena: um projeto étnico ou um projeto étnico-político? Educação escolar indígena: Proposta de discutir o problema

Leia mais

Eu gostaria de falar agora de assédio sexual, que é uma forma bastante

Eu gostaria de falar agora de assédio sexual, que é uma forma bastante DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO, PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DO HIV-AIDS: A PERSPECTIVA DA OIT * Cleopatra Doumbia-Henry ** Eu gostaria de falar agora de assédio sexual, que é uma forma bastante

Leia mais

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem.

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem. RESENHA Artigo: ARROYO, M. G. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens adultos populares? Revej@ - Revista de Educação de Jovens e Adultos, V. I; 2007. Estamos diante de um texto que problematiza

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização. EDUCADOR SOCIAL: PROFISSÃO E PERFIL HUMANIZADO, UMA ESPERANÇA PARA A EDUCAÇÃO SOCIAL. Nara Rosana Godfried Nachtigall 1 Este artigo se constitui

Leia mais

O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS

O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS O FUTURO SE FAZ COM A CONSCIENTIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS Fabiana Maria das Graças Soares de Oliveira 1 Com o tema O Futuro se faz com a conscientização das Diferenças 2, a Federação Nacional das APAEs, em

Leia mais

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil.

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. Universidade Federal de Santa Catarina julianacmuller@hotmail.com Ficamos sabendo pelo narrador que as novas aventuras fizeram

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

Um Guia para Usar a Carta da Terra na Educação

Um Guia para Usar a Carta da Terra na Educação Um Guia para Usar a Carta da Terra na Educação VERSÃO 1 2 de abril de 2009 Desenvolvido por Earth Charter International Favor enviar comentários para info@earthcharter.org I. INTRODUÇÃO A Carta da Terra

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM COMUNIDADES PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO BIBLIOTECÁRIO

A IMPORTÂNCIA DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM COMUNIDADES PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO BIBLIOTECÁRIO A IMPORTÂNCIA DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM COMUNIDADES PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO BIBLIOTECÁRIO Lidia Eugenia Cavalcante lidia@ufc.br Universidade Federal do Ceará Área 4. Gestión de la Información

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA

O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA Resumo BELADELLI, Ediana Maria Noatto 1 - CTESOP ORO, Maria Consoladora Parisotto 2 - CTESOP BASTOS, Carmem Célia Barradas Correia 3 -

Leia mais

ESCOLA, GUETO SOCIAL, PRODUTORA DA DIFERENÇA

ESCOLA, GUETO SOCIAL, PRODUTORA DA DIFERENÇA ESCOLA, GUETO SOCIAL, PRODUTORA DA DIFERENÇA Mirian de Albuquerque Aquino Universidade Federal da Paraíba Brasil A educação pode ser pensada como uma prática social que permite a condição de vivermos como

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE 19 EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE Alexandre do Nascimento - FAETEC - RJ Resumo No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação,

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

Fundamentos Socioculturais e Diversidades

Fundamentos Socioculturais e Diversidades NATURALIZAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Fundamentos Socioculturais e Diversidades MÓDULO III Prof.: MSc. Getulio Ribeiro Histórias da Infância e do Mundo Adulto Da Infância à Melhor Idade

Leia mais

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS.

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. cibdo@yahoo.com.br Cristiane Barbosa de Oliveira * (PQ) Neusa Maria John Scheid (PG). Palavras-Chave: Educação

Leia mais

RELAÇÕES RACIAIS E EDUCAÇÃO: VOZES DO SILÊNCIO

RELAÇÕES RACIAIS E EDUCAÇÃO: VOZES DO SILÊNCIO RELAÇÕES RACIAIS E EDUCAÇÃO: VOZES DO SILÊNCIO GONÇALVES, Vanda Lucia Sa 1 e MULLER, Maria Lucia Rodrigues 2 Palavras chaves: educação, relações raciais, professores Introdução Este texto traz parte dos

Leia mais

Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson

Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson Legislação Constituição Federal Art. 5 Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se

Leia mais

DECLARAÇÃO DE MADRI. A não-discriminação e a ação afirmativa resultam em inclusão social

DECLARAÇÃO DE MADRI. A não-discriminação e a ação afirmativa resultam em inclusão social DECLARAÇÃO DE MADRI A não-discriminação e a ação afirmativa resultam em inclusão social Aprovada em Madri, Espanha, em 23 de março de 2002, no Congresso Europeu de Pessoas com Deficiência, comemorando

Leia mais

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS.

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. Michele Ignacio Pires Orientadora: Profª Drª Aura Helena Ramos

Leia mais

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE COLINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E.M.E.F. CEL. JOSÉ VENÂNCIO DIAS EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ninguém educa ninguém. Ninguém se educa sozinho. Os homens se educam em

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO Maria Sebastiana Gomes Mota¹ Francisca Elisa de Lima Pereira² Resumo: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Módulo 2. Valores e princípios

Módulo 2. Valores e princípios Módulo 2. Valores e princípios Para o bem-estar de uma sociedade é necessário que existam normas compartidas que orientam o comportamento de seus integrantes. Todo ser humano se rege por valores próprios,

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM Andreza Magda da Silva Dantas Escola.E.E.M.Fc. Sá Cavalcante Paulista PB andreza_magda@hotmail.com Introdução Zelga Dantas de

Leia mais

CURRÍCULO, IDENTIDADE E DIFERENÇA: A PARTIR DE UM ESTUDO DE CASO

CURRÍCULO, IDENTIDADE E DIFERENÇA: A PARTIR DE UM ESTUDO DE CASO CURRÍCULO, IDENTIDADE E DIFERENÇA: A PARTIR DE UM ESTUDO DE CASO Brucce Sanderson Prado de Freitas 1, Élida Gonçalves Santos 1 e Rodolph Delfino Sartin 1 1 Graduandos em Ciências Biológicas - Licenciatura

Leia mais