CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA"

Transcrição

1 0 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA ANA PAULA PEREIRA FLORES A TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA APLICADA AO GERENCIAMENTO LOGÍSTICO: PANORAMA ATUAL DE CASOS E APLICAÇÕES LINS/SP 2º SEMESTRE/2014

2 1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA ANA PAULA PEREIRA FLORES A TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA APLICADA AO GERENCIAMENTO LOGÍSTICO: PANORAMA ATUAL DE CASOS E APLICAÇÕES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins Prof. Antonio Seabra, para obtenção do Título de Tecnólogo(a) em Logística. Orientador: Prof. Me Euclides Reame Junior LINS/SP 1º SEMESTRE/2014

3 2 ANA PAULA PEREIRA FLORES A TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA APLICADA AO GERENCIAMENTO LOGÍSTICO: PANORAMA ATUAL DE CASOS E APLICAÇÕES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins Prof. Antonio Seabra, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Tecnólogo(a) em Logística sob orientação do Prof. Euclides Reame Junior. Data de aprovação: / / Euclides Reame Junior Silvio Ribeiro Sandro da Silva Pinto

4 A TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA APLICADA AO GERENCIAMENTO LOGÍSTICO: PANORAMA ATUAL DE CASOS E APLICAÇÕES Ana Paula Pereira Flores 1 Euclides Reame Junior 2 1,2 Acadêmicos do Curso de Tecnologia Logística da Faculdade de Tecnologia de Lins Prof. Antônio Seabra - Fatec, Lins-SP, Brasil 3 Docente do Curso de Tecnologia Logística da Faculdade de Tecnologia de Lins Prof. Antônio Seabra - Fatec, Lins-SP, Brasil. 3 RESUMO A Identificação por Radiofrequência é uma tecnologia utilizada para identificar, rastrear e gerenciar desde produtos e documentos até animais ou mesmo indivíduos, sem contato e necessidade de um campo visual. Ela pode ser aplicada em uma série de situações: segurança e controle de acessos, controle de tráfego de veículos, identificação pessoal, rastreamento animal, identificação de objetos. Nas operações logísticas pode ser utilizada na manufatura e distribuição, proporcionando mais visibilidade, rastreamento e sincronização da cadeia de suprimentos, com total confiabilidade. Diante deste cenário, apresenta-se este trabalho. Ele foi desenvolvido por intermédio de uma expressiva revisão bibliográfica apresentando dados concretos familiarizando sobre esse assunto ainda pouco explorado. O objetivo é expor um panorama atual desta tecnologia dentro do âmbito da gestão logística, apresentando ao leitor situações reais de organizações que fazem uso dela. O resultado apresentado expõe que tal tecnologia agiliza todos os processos internos e externos da área logística. Sua justificativa deve-se a possibilidade de potenciais ganhos de eficiência, trazendo hoje em dia percepções anteriormente mencionadas apenas no imaginário de grandes empresários. Palavras chaves: Logística. Tecnologia de Informação. Identificação por Radiofrequência. ABSTRACT The Radio-frequency identification is a technology used to identify, track and manage from products and documents to animals or even individuals without contact and necessity of a visual field. It can be applied in several situations like: security and access control, vehicle traffic control, personal identification, animal tracking, object identification. In logistics operations Radio-frequency identification can be used in the manufacture and distribution providing more visibility, tracking and the synchronization of the supply chain with complete reliability. Faced with this scenario we present this paper. It was developed through an expressive bibliographic review presenting concrete data acquainting on this subject shortly explored. The purpose of this study is to expose a current panorama of this technology within the scope of logistics management, introducing to the reader real situations of organizations who use it. The result presented exposes that this technology streamlines all internal and external processes of logistics area. Its justification is due to the possibility of potential efficiency gains, bringing nowadays perceptions previously mentioned only in the imagination of great entrepreneurs. Keywords: Logistics. Information Technology. Radiofrequency Identification.

5 4 INTRODUÇÃO A logística constitui o serviço onde recursos são orientados para a consecução de determinada organização do fluxo de produtos entre clientes e fornecedores (FIGUEREDO, FLEURY e WANKE (2003, p.35). De acordo com o Concil of Logistic Management (apud BALLOU, 2006, p.27) é o processo de planejar, implantar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do consumidor. O mesmo autor ainda descreve que logística é um processo que envolve todas as atividades necessárias para disponibilizar bens e serviços aos consumidores quando e onde estes quiserem adquiri-los. Já Ballou (2006) descreve que o valor da logística é diretamente ligado ao tempo e o lugar, sendo que o produto ou serviço não tem valia se não estiver disponível ao consumidor quando ele quiser e onde ele quiser consumir. Em um outro entendimento, os autores Figueredo, Fleury e Wanke (2009) afirmam que a logística é uma ferramenta gerencial, capaz de agregar valor por meio dos serviços prestados. Os mesmos autores descrevem que as mudanças econômicas e tecnológicas estão transformando a visão empresarial sobre logística, uma vez que esta deixou de ser vista como um centro de custos, mas sim como uma atividade estratégica, uma ferramenta gerencial, fonte potencial de vantagem competitiva. Ainda os autores anteriores destacam que conforme as novas tendências econômicas tornam a Logística mais complexa. Potencialmente mais cresce a importância da utilização das tecnologias de informação. Entres as várias tecnologias utilizadas, uma delas, a identificação por radiofrequência transforma-se cada vez mais em uma expressiva ferramenta de apoio e suporte para a operacionalização das atividades logísticas de forma geral. A identificação por radiofrequência é um método de identificação que armazena e transmite dados através de sinais de rádio, permitindo que possa criar um histórico do produto e ou bem. Com a necessidade de agilizar e automatizar processos e tarefas as empresas possibilitam a implantação da identificação por radiofrequência. Assim, dentro deste cenário, o artigo tem como objetivo descrever essa tecnologia, suas vantagens e desvantagens além de aplicações práticas em empresas, demonstrando como a etiqueta inteligente já está revolucionando o mercado expondo o mesmo por meio de uma referência bibliográfica, com uma pesquisa aplicada, qualitativa e exploratória, analisando os dados para gerar conhecimento para soluções práticas a problemas específicos apresentando ao final dois casos práticos que vivenciam a aplicação dessa nova tecnologia. 1. ENTENDENDO SOBRE LOGÍSTICA O deslocamento de mercadorias das mais diversas naturezas sempre foi um desafio para o homem desde a antiguidade. Nesta época já estavam presentes conceitos que mais tarde viriam a incorporar a definição da ciência logística. Hara (2005), apresenta a logística como sendo oriunda do radical grego logos, que significa razão e implica na arte de calcular e manipular os detalhes de uma operação. A logística tem sua origem no sistema militar à medida que as guerras eram longas e fazia-se necessário grandes e constantes deslocamentos de recursos bélicos assim como materiais para abastecer, transportar e alojar as tropas. Pozo (2004), destaca que a partir do momento em que os militares começaram a perceber o poder estratégico que o sistema logístico possuía, deu-se mais atenção ao serviço de apoio que as equipes prestavam no sentido de deslocamento de distribuição de equipamentos, armazenagem, suprimentos e socorro médio nas batalhas.

6 5 Logística é o processo de gerenciamento estratégico da compra, do transporte e da armazenagem de matérias-primas, partes e produtos acabados (além dos fluxos de informação relacionados) por parte da organização e de seus canais de marketing, de tal modo que a lucratividade atual e futura sejam maximizadas mediante a entrega de encomendas com o menor custo associado. (CHRISTOPHER, 2007, p.3). A logística refere-se à responsabilidade de projetar e administrar sistemas para controlar o transporte e a localização geográfica dos estoques de materiais, produtos inacabados e produtos acabados pelo menor custo total. (BOWESOX; CLOSS; COOPER, 2007, p 24) Segundo Dornier etal (2000), logística gere os fluxos entre as funções de um negócio, e essa competência não é mais somente a entrada de matérias-primas ou os fluxos de saída de bens acabados, atualmente esse conceito engloba todas as movimentações de produtos e informações. De acordo com Martins e Laugeni (2006), a logística tem foco na movimentação de materiais, informações, finanças que ocorrem entre os fornecedores da cadeia de suprimentos e busca a melhora do fluxo através de técnicas, modelos matemáticos, softwares, T.I., objetivando assim a satisfação do consumidor. A logística é vital para os consumidores, para as organizações e para a economia em geral, por uma multiplicidade de razões, nomeadamente por haver uma grande dispersão geográfica de fornecedores e clientes, com a consequente necessidade de compatibilização da oferta com a procura, proporcionando aos clientes os bens e serviços que precisam assegurando às empresas o escoamento da sua produção, para além, como é obvio, do abastecimento de matérias-primas e outros inputs utilizados nas operações de produção. (Moura, 2006, p.16). Em conformidade com os conceitos expostos, entende-se que logística é uma competência multidisciplinar, pois envolvem-se vários agentes, responsáveis desde a captação da matéria-prima, até a entrega ao consumidor final, e pode ir além se considerar o fluxo inverso de material e informação, sendo que todos os esforços visam o atendimento ao cliente, da forma mais satisfatória e eficiente. Para ser bem operacionalizada, a logística está dividida em dois grupos de atividades. São eles: primárias e de apoio. 1.2 GRUPOS DE ATIVIDADES LOGÍSTICAS Primárias As atividades primárias são consideradas as atividades-chaves para todo o processo logístico à medida que são as que contribuem com a maior parcela do custo logístico total e são essenciais para a coordenação e o cumprimento do processo. De acordo com Ballou (2006) essas atividades são consideradas primárias porque contribuem com a maior parcela do custo e nível de serviço ou elas são essenciais para coordenação e o cumprimento da tarefa logística. As atividades de transporte, manutenção de estoques e processamento de pedidos são as atividades logísticas primárias, sendo que as mesmas são essenciais para que o produto ou serviço cheguem aos clientes no local, no momento e da forma pretendida. O transporte, em grande parte das empresas, é a atividade da logística mais importante pelo fato de ser responsável pela maior fatia dos custos logísticos. Conforme Kotler e Armstrong (2003), ao escolher o meio de transporte para um produto, às empresas devem levar em conta muitos aspectos: velocidade, confiabilidade, disponibilidade e custo, entre outros.

7 A manutenção do estoque está ligada ao gerenciamento dos níveis de estoque conforme a necessidade da empresa. Para com Kotler e Armstrong (2003), os níveis de estoque também afetam o grau de satisfação do cliente. O principal problema é manter um equilíbrio cuidadoso entre um estoque grande demais e pequeno demais. O estoque grande demais resulta em custos mais altos que o necessário, e possível obsolescência dos produtos. O estoque pequeno demais resulta em produtos esgotados, expedições ou produções de emergência onerosas, e insatisfação dos clientes. O processamento de pedidos é a atividade primária logística que tem função de determinar o tempo necessário para a entrega, ou seja, após a aprovação do pedido deve haver um processamento com rapidez e precisão. De acordo com Ballou (1993), em comparação com os custos de transporte e de manutenção de estoques o custo da atividade de processamento de pedidos é consideravelmente baixo. Estas atividades para serem realizadas a contento precisam receber o suporte de atividades adicionais que são as chamadas atividades de apoio Apoio 6 Como o nome sugere, estas são as atividades que dão o suporte indispensável às atividades primárias, para que seja atendido, na plenitude, o objetivo da redução de distâncias entre a demanda e a produção, para atingir a satisfação dos clientes. Ballou (2006) destaca que apesar de transportes, manutenção de estoques e processamento de pedidos serem os principais ingredientes que contribuem para a disponibilidade e a condição física de bens e serviços, há uma série de atividades adicionais que apoia estas atividades primárias. São consideradas atividades da logística de apoio a armazenagem, manuseio de materiais, embalagem de proteção, obtenção, programação e manutenção da informação. A armazenagem tem como função proporcionar a disponibilidade de produtos para atender a demanda do mercado, dando apoio ao transporte. O armazenamento de materiais é uma atividade especializada e consiste em armazenar adequadamente os materiais para que seja possível sua rápida recuperação e a manutenção dos níveis de qualidade para que a entrega seja facilitada. (MARTINS; LAUGENI, 2006, p ). O manuseio de materiais é a movimentação dos produtos no local de armazenagem. Segundo Rosenbloon (2002), o manuseio de materiais envolve todas as atividades e equipamentos ligados à acomodação e movimentação de produtos em área de armazenamento. A embalagem de proteção é escolhida conforme a necessidade de acondicionamento do produto e pelo modo de transporte que for utilizado. A embalagem, segundo Arnold (1999), deve identificar o produto, conter e proteger o produto e contribuir para a eficiência da distribuição física. Para Dornier etal (2000), a obtenção é a atividade da logística responsável por disponibilizar o produto para o processo logístico e Ballou (1993), destaca que enquanto a obtenção trata do fluxo de entrada, a programação de produtos se responsabiliza pelo fluxo de saída, objetivando primariamente a quantidade a ser produzida de maneira a garantir o atendimento de uma demanda. Ching (1999), cita que a manutenção de informação é a base de dados para o planejamento e controle de todo o processo logístico. Bowersox e Closs (2001) destacam que o desafio na logística atual está em integrar o transporte, o estoque, o desenvolvimento de novos produtos, a produção flexível e o serviço ao cliente para alcançar uma total integração organizacional, combinando uma

8 variedade de capacidades em novas unidades organizacionais. Para as empresas atingirem os objetivos empresariais logísticos, faz-se necessário o suporte da tecnologia da informação. 2.0 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 7 De acordo com Turban e Volonino (2013, p. 8): O conjunto de sistemas computacionais utilizados por uma organização recebe o nome de tecnologia da informação (TI). A TI, em uma definição mais básica, refere-se ao lado tecnológico de um sistema de informação. Segundo Rezende e Abreu (2001), T. I. são recursos tecnológicos e computacionais para geração e uso da informação. Para Cruz (2000), T.I. é todo e qualquer dispositivo que tenha capacidade para tratar dados e ou informações tanto de forma sistêmica como esporádica, que esteja aplicado no produto que esteja aplicado no processo. A T.I. tem se tornado essencial nos dias de hoje, faz com que as empresas invistam cada vez mais em tecnologias e sistemas de informação. Segundo Laudon e Laudon (2010), as organizações buscam seis objetivos quando investem em T.I.: excelência operacional; novos produtos; serviços e modelos de negócios; relacionamento com clientes e fornecedores; suporte para tomada de decisões; geração de vantagem competitiva; e sobrevivência. À medida que as novas tendências econômicas tornam a Logística mais complexa e potencialmente mais cara, cresce a importância da utilização das T.I. (FLEURY; WANKE; FIGUEREDO, 2009, p.31). Para Caxito (2011) a aplicação dessas tecnologias tem permitido que as empresas redefinem seus mercados, produtos e serviços, além de oferecer o diferencial competitivo necessário as organizações em seu ambiente de competitivo, mostrando qual foco a empresa deve ter ao definir seu caminho. A transferência e o gerenciamento eletrônico de informações proporcionam uma oportunidade de reduzir os custos logísticos mediante sua melhor coordenação. Além disso, permite o aperfeiçoamento do serviço baseando-se principalmente na melhoria da oferta de informações aos clientes. (FLEURY; WANKE; FIGUEREDO, 2009, p.286). A T.I. inovou a logística, aprimorando verticalmente a qualidade das operações, também colabora para a redução de custos e ainda viabiliza o relacionamento com o cliente, possibilitando a fidelização deste gerando vantagem competitiva perante a concorrência, que devido a globalização, dá ao consumidor mais opções, e acirra de forma feroz essa disputa. Segundo Foina (2006), o objetivo principal da TI está em garantir a qualidade do fluxo e agilizar a tomada de decisão de informações, mas para isso deve atentar a alguns pontos: a) estabelecer o conjunto de informação estratégica; b) atribuir responsabilidades pelas informações; c) identificar, otimizar e manter o fluxo de informações corporativas; d) mecanizar os processos manuais; e) organizar os fluxos de informação para apoio às decisões gerenciais. A tecnologia da informação pode ajudar todos os tipos de empresas a melhorarem a eficiência e eficácia de seus processos de negócios, tomada de decisões gerenciais e colaboração de grupos de trabalho e com isso pode fortalecer suas

9 posições competitivas em um mercado em rápida transformação. (O BRIEN, 2004, p.3). As empresas estão sempre a procura de ter uma eficiência maior em suas operações buscando a lucratividade, a partir disso os administradores podem contar com a tecnologia da informação para chegar a um nível elevado de eficiência e produtividade nas operações. O modelo de negócio da empresa mostra como a empresa produz, entrega e vende um produto ou serviço a fim de criar valor. Existem administradores que não tem a disponibilidade da informação certa na hora para tomar sua decisão. Também existem aqueles que se apoiam em fatores não palpáveis. O resultado dessa falta de percepção e informação é a produção insuficiente ou a produção excessiva, a má colocação de recursos e tempos de resposta, isso tudo eleva o custo e pode gerar a perda de clientes. Atualmente, com as novas tecnologias os administradores podem ter acesso às informações e dados em tempo real, proveniente do próprio mercado. De acordo com Bertaglia (2003), hoje a T.I. é parte integrante da empresa e quem não enxergar isso terá seu futuro extremamente comprometido, e grande parte das organizações não percebem a importância de usá-la como elemento importante de suporte na luta pela competitividade. A T.I. aplicada na logística permite a evolução do processo com qualidade, sendo que uma T.I. eficiente promove soluções mais rápidas à medida que as informações fluem com maior rapidez. Gasnier e Banzato (2008), definem T.I., a partir de um ponto de vista aplicado à logística, como sendo um instrumento facilitador no processo de tomada de decisão, possibilitando a integração e a troca de informações entre as atividades que compõem a cadeia de valor uma empresa, ou seja, as chamadas atividades primárias que tratam desde a entrada do pedido até a entrega ao cliente e as atividades secundárias que provêm à infraestrutura e a tecnologia para viabilizar o atendimento ao cliente. Também através da T.I. a logística utiliza-se da identificação por radiofrequência - RFID que auxilia a empresa na redução dos custos em uma maior agilidade nos processos e consequentemente em uma maior satisfação dos clientes. 3. IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA 3.1 CONCEITOS A identificação por radiofrequência ou RFID é um método de identificação automática através de sinais de rádio, recuperando e armazenando dados remotamente através de dispositivos denominados etiquetas RFID. No entendimento de Glover e Bhatt (2007), RFID é a abreviação de identificação por radiofrequência identificação por radiofrequência. Tecnologia de identificação que utiliza frequência de rádio ou variações de campo magnético para comunicação entre componentes. Identificação por radiofrequência (radio frequency identification RFID): a RFID é uma tecnologia que utiliza etiquetas eletrônicas (chips) em vez de código de barras para identificar objetos ou itens. As etiquetas RFID podem ser anexadas ou incluídas em embalagens, objetos físicos, animais ou seres humanos. Os leitores de RFID leem e identificam as informações de entrada a partir das etiquetas via onda de rádio. (TURBAN, VOLONINO, 2013, p. 44). Santana (2005), conceitua RFID como sendo um sistema de identificação por radiofrequência, mas que diferentemente do sistema de código de barras, cujos códigos gráficos são lidos por um feixe de luz, a tecnologia RFID utiliza ondas de rádio para a 8

10 transmissão das informações, e ainda, o que motivou o investimento em tecnologia que utiliza ondas de rádio foi a necessidade de capturar informações de produtos que estivessem em movimento e juntou-se a isso a necessidade de identificação em ambientes insalubres. Para Mota (2006), RFID é uma tecnologia que utiliza ondas de radiofrequência para transmitir dados. A RFID é um tipo de tecnologia de identificação automática, uma vez que objetos podem ser etiquetados e identificados de forma estruturada. Santini (2008), destaca que a tecnologia RFID é oriunda dos sistemas de radares utilizados pelos britânicos na Segunda Guerra Mundial para identificação de aviões amigos e inimigos, porém as etiquetas de radiofrequência começaram a ser desenvolvidas por alguns centros de pesquisas, capitaneados pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), na década de 1980, onde surgiu o Código Eletrônico de Produtos EPC (Electronic Product Code), que definiu a arquitetura que utiliza os recursos proporcionados pelos sinais de radiofrequência. Ainda de acordo com Santini (2008), nas décadas de 50 e 60 cientistas dos Estados Unidos, Europa e Japão divulgaram pesquisas a respeito de como a energia de radiofrequência poderia ser utilizada para identificar objetos em diversas situações, sendo que a primeira utilização comercial do sistema RFID foi através de sistemas antifurto, o que ocasionou o surgimento das tags, que são etiquetas eletrônicas que fazem parte do sistema RFID até hoje. Oliveira, Nogueira e Brito (2008) destacam que os sistemas RFID atuam quando uma tag entra no campo de atuação antena do leitor que a energiza. Ao término da energização da tag forma-se o sinal de radiofrequência que permite o envio de dados para a antena do leitor que capta o sinal. Segundo Hessel e Azambuja (2009), basicamente o funcionamento da tecnologia de RFID consiste em três componentes: etiqueta, leitor e antenas. O leitor normalmente estará ligado a um computador central, ou outro dispositivo, que possua inteligência para processar os dados coletados pela etiqueta. A etiqueta ou tag é um pequeno objeto que pode ser colocado em uma pessoa, animal, produto ou documento. Contém microchips e um sistema de antena que lhe permite responder aos sinais de rádio enviados por uma base transmissora. As tags são tipicamente compostas externamente por um microchip, para armazenamento e computação, e uma antena para comunicação. A memória da tag pode ser de leitura apenas, de uma escrita e várias leituras, ou totalmente regravável (MOTA, 2006, p.6) O leitor ou reader é considerado o cérebro do sistema RFID por ser o responsável pela ligação das tags com os sistemas externos de processamento de dados. De acordo com Santini (2008), todo e qualquer reader tem como dispositivo de entrada uma antena. A antena ativa o tag através de um sinal de rádio, para o envio ou troca de informações. O sistema possui o seguinte funcionamento: um aparelho com função de leitura envia, por meio de uma antena, sinais de radiofrequência em busca de objetos a serem identificados. No momento em que um objeto é atingido pela radiação, ocorre o acoplamento entre ele e a antena, o que possibilita que os dados armazenados no objeto sejam recebidos pelo leitor. Este trata a informação recebida e envia ao computador. O acoplamento na maioria dos sistemas de RFID é eletromagnético (backscatter) ou indutivo (HESSEL, AZAMBUJA, 2009, pg. 14) Para Glover e Bhatt (2007), o sistema de identificação por frequência por de rádio utiliza basicamente os seguintes componentes: tag, que no caso é anexado ao item a ser 9

11 rastreado; leitor, que reconhece os identificadores e lê as informações armazenadas; antena e sistema de comunicação, o qual se comunica com o leitor através de um software chamado middleware. De acordo com Teixeira e Oliveira (2008), o middleware é um equipamento parecido com um computador que processa, filtra e trata os dados obtidos pelos leitores RFID. Possuem interfaces de comunicação com a rede, para que os dados possam ser utilizados nas aplicações, suportando comunicação com diversos leitores.. Segundo Sikander (2013), a utilização de sistemas RFID requer: 1. Hardware RFID selecionar as tags, leitores e antenas; colocar as tags nos produtos; instalar e configurar os leitores e antenas nos armazéns e depósitos; 2. Infra-estrutura de software coletar e gerenciar dados dos leitores RFID e integrar os dados em sistemas de suporte às decisões. Para Hessel e Azambuja (2009) o alto grau e dinamismo no processo de aquisição de informações, sem impor grandes barreiras à entrada de dados, dá ao RFID uma grande oportunidade de mercado, especialmente em aplicações voltadas ao atendimento de necessidades específicas dos processos de manufaturas industriais. 3.2 OBJETIVOS Os sistemas RFID são essenciais para qualquer cadeia de suprimentos. Possuem como objetivos o controle do fluxo de produtos por toda a cadeia de suprimentos de uma empresa, permitindo o seu rastreamento desde a sua fabricação até o ponto final da distribuição. Para Glover e Bhatt (2007), o objetivo dessa tecnologia é melhorar a eficiência no rastreamento e localização dos produtos, além de oferecer benefícios para quem tenha necessidade de registrar bens físicos. A informação do RFID está disponível em tempo real, por exemplo, em um ambiente industrial pode-se localizar com precisão diversos elementos do processo produtivo, como insumos, equipamentos e pessoas através deste sistema de rastreamento e localização. Pode-se obter dados de levantamentos de atividades e realizar um acompanhamento preciso podendo reajustar metas ou decisões a qualquer momento. De acordo com Glover e Bhatt (2007), a identificação por radiofrequência pode ser utilizada nos mais diversos tipos de negócios e com diversos objetivos, significando uma automação mais rápida com estoques contínuos e precisos, empresas podem compartilhar informações com parceiros, alem de ter informações sobre a localização e as condições dos itens do início ao fim da cadeia de produção. Atualmente o código de barras ainda é o meio mais utilizado pelas empresas para realizar o controle das entradas e saídas dos produtos. Se comparado ao código de barras o RFID apresenta-se mais eficiente à medida que pode ler as informações das tags sem uma linha de visão ou de um posicionamento específico. De acordo com Nishida (2008), o código de barras é uma boa solução para coleta de informações em processos bem estruturados e projetados, onde se tem acesso direto ao produto. Já as tags RFID são mais eficientes na coleta de informações de recursos móveis (sem visão direta) e de processos de negócios não estruturados, oferecendo para estes ambientes um controle sistemático e eficiente. O RFID completa as funções do código de barras através de suas etiquetas inteligentes oferecendo a vantagem de fornecer informações em tempo real auxiliando na tomada de decisões. A utilização do RFID é bastante ampla, especialmente na área de logística e retaguarda, em carretas ou mesmo em caixas de despacho de produtos e, em breve, também na interface com o consumidor, especialmente na área de vendas. Esta tecnologia deverá conviver por muito tempo com o código de barras. (SANTANA, 2005, p.11). 10

12 11 A tecnologia RFID não tem como objetivo substituir por completo o código de barras, porém se apresenta como um método de identificação que pode ser utilizado onde o código de barras não consegue ser usado atendendo estas necessidades ainda não satisfeitas por outras tecnologias de identificação, ou seja, a RFID não é a substituta do código de barras, mas sim uma tecnologia que vem para ocupar espaços ainda vagos no mercado, simplificando a logística, ajudando a reduzir desperdícios, limitar roubos, gerir inventários e como consequência aumentar a produtividade, a satisfação dos clientes e os resultados positivos. Fica evidente que a tecnologia RFID é muito versátil e oferece, sem dúvida, inúmeras possibilidades de aplicação, tais como segurança, identificação pessoal, sistema antirroubo, controle de acesso, controle de pessoas, controle de tráfego de veículos, identificação de objetos, controle de produtos farmacêuticos, indústria de automóveis e rastreamento animal, sendo que sua utilização na logística proporciona não somente uma rastreamento mas também uma sincronização na cadeia de suprimentos e, com isso, uma maior confiabilidade nos processos. 3.3 VANTAGENS E DESVANTAGENS DO RFID Segundo Santana (2005), a principal vantagem do uso do RFID é realizar a leitura sem o contato e sem a necessidade de uma visualização direta do leitor com a Tag. É possível, por exemplo, colocar a Tag dentro de um produto e realizar a leitura sem ter que desempacotá-lo, ou ainda, aplicar a Tag em uma superfície que posteriormente será coberta por tinta. O tempo de resposta é muito baixo, menos que 100 ms, e o custo dos equipamentos apresentaram uma significativa queda nos últimos anos. A RFID deve ser vista como um método adicional de identificação, utilizado em aplicações onde o código de barras e outras tecnologias não atendam a todas as necessidades, podendo ser utilizada sozinha ou em conjunto com outro método de identificação. A tecnologia RFID oferece, sem dúvidas, inúmeras possibilidades de aplicação, apresentando assim pontos positivos como sistemas de rastreamento e identificação de produtos, animais e pessoas. Santana (2005) elenca algumas das principais vantagens da utilização do RFID: A) Capacidade de armazenamento, leitura e envio de dados para etiquetas ativas; b) Detecção sem necessidade da proximidade da leitora para o reconhecimento dos dados; c) Durabilidade das etiquetas com possibilidade de reutilização; d) Contagens instantâneas de estoque, facilitando os sistemas empresariais de inventário; Glover e Bhatt (2007), destacam que uma vantagem única é a possibilidade de alguns identificadores serem regravados inúmeras vezes, utilizado muito em contêiner, por exemplo. Para Martins (2005), a grande vantagem do RFID é a sua capacidade de obter maior número de informações, identificando vários itens ao mesmo tempo, não exigindo leitura em linha, o que representa no caso de uma aplicação num supermercado, uma redução de custos operacionais na hora do check-out das compras. Segundo Nogueira Filho (2005), alguns dos maiores benefícios da utilização de identificadores RFID são: a) rapidez e confiança na transmissão dos dados aumentam as vendas e reduzem as faltas; b) elevado grau de controle e fiscalização aumenta a segurança e evita furtos;

13 c) possibilidade de leitura de muitas etiquetas de RFID de forma simultânea e captação de ondas à distância evita perdas com manuseio do produto; d) identificação sem contato nem visão direta do produto, possibilita a leitura desta identificação em ambientes hostis; Todas estas vantagens acimas descritas giram em torno das três principais características da tecnologia RFID: durabilidade das tags, precisão na transmissão de dados e realização da leitura sem a necessidade de contato. Apesar de apresentar muitas vantagens o sistema RFID também apresenta obstáculos. Santana (2005) cita alguns: a) O custo elevado da tecnologia RFID em relação aos sistemas de código de barras; b) O preço final dos produtos, pois a tecnologia não se limita apenas ao microchip anexado ao produto; c) O uso de materiais metálicos e condutivos pode afetar o alcance de transmissão das antenas; A padronização das frequências utilizadas para que os produtos possam ser lidos por toda a indústria, de maneira uniforme. De acordo com Santana (2005) outra desvantagem é a invasão da privacidade por causa da monitoração das etiquetas coladas nos produtos. Para esses casos existem técnicas, de custo ainda elevado, que bloqueiam a funcionalidade do RFID automaticamente quando o consumidor sai da loja. Para Nogueira Filho (2005), as principais desvantagens da utilização da tecnologia RFID são: a) monitoramento indevido de pessoas (quebra de privacidade ou assaltos).uma alternativa é a criação de um mecanismo que desligue a etiqueta de RFID após a compra, ou que seja facilmente removível; b) dependência da orientação para efetivar leitura. Uma alternativa é o desenvolvimento de sistemas de leitores múltiplos que cubram todas as orientações; c) bloqueio de sinal por substâncias metálicas, líquidas ou corpo humano. Uma pessoa ou algum metal pode interromper o sinal de radiofreqüência impedindo um leitor de buscar informações em um identificador; d) alto investimento, porém, com a adesão das grandes corporações, a tendência é ter os preços dos componentes do sistema em queda; padronização falta ainda um padrão mundial para o EPC a ser aceito e adotado em todas as regiões. O sistema RFID pode ser aplicado em diversos segmentos. Etiquetas de radiofrequência podem ser utilizadas em diversas áreas e operações por apresentar flexibilidade, confiabilidade, ser um meio eletrônico rápido para identificar, rastrear e até gerenciar uma série de itens. (GLOVER E BHATT, 2007). Dentre as mais variadas aplicações, destacam-se as seguintes: a) gestão de inventário e gestão da cadeia de abastecimento; b) transporte e distribuição; c) industrial e produção; d) segurança e controle de acesso; e) hospitalares, farmacêuticas, biométricas, financeiras. Em relação às aplicações da RFID, de acordo com Glover e Bhatt (2007), os varejistas utilizam para controlar roubos, aumentar a eficiência nas cadeias de fornecimento e para melhorar o planejamento da demanda. Fabricantes de remédios fazem uso para combater a falsificação e reduzir os erros no preenchimento de receitas. Entre os segmentos com maior crescimento na utilização do sistema RFID pode-se citar o uso em bovinos. Conforme Agrosoft (2009), o sistema de identidade bovina vem crescendo no Brasil e no exterior, para melhor controle do gado e rastreamento da carne. 12

14 13 4. METODOLOGIA O método que foi utilizado no desenvolvimento deste trabalho é a revisão bibliográfica. Segundo Santos e Candeloro (2006), a revisão bibliográfica pode ser chamada de referencial teórico e de revisão de literatura. Ela consiste na opinião de vários autores sobre um determinado assunto. É importante que nesta fase seja feita a junção entre uma ideia e outra, contrapondo ou concordando quando for preciso. Também é necessário que sejam feitas citações diretas e indiretas. A natureza do trabalho foi uma pesquisa aplicada, segundo Vilaça (2010), os objetivos da pesquisa aplicada são influenciados por diferentes fatores que incluem: visões de ciência e conhecimento, natureza do objeto pesquisado, compreensões de hipóteses ou variáveis, necessidades reais, características do contexto de estudo. Foi feito uma abordagem por pesquisa qualitativa e exploratória, com o objetivo de levantar dados e familiarizar-se com um assunto ainda pouco explorado, analisando dados indutivamente, com levantamento bibliográfico a partir de material já publicado, como livros, artigos, internet, entre outros, expondo dois casos como exemplo. 5.0 CASOS E APLICAÇÕES 5.1 SISTEMAS DE INFRAESTRUTURA E MONITORAMENTO DE CARGAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Segundo Nassar e Vieira (2013) um dos maiores gargalhos de uma cadeia logística é o transporte, sendo apontados três categorias de problemas comumente encontradas em relação ao monitoramento e controle de cargas. São eles: a) dificuldade de monitoramento do trajeto; b) a demora no repasse das informações à empresa por parte do motorista; c) atrasos e troca de lotes. Todos os problemas apresentados podem ser solucionados por um sistema identificador de radiofrequência. Assim, diante deste cenário, criou-se o Sistema de Infraestrutura e Monitoramento de Cargas do Estado de Santa Catarina - SIMCESC, ainda em fase de testes tendo como objetivo de reconhecer veículos a certa distância, parados ou em movimento, se baseando em quatro módulos de operação, sendo eles: Cadastro de cargas, Monitoramento da carga, Postos de controle, e Gerenciamento da carga. Houve sucesso em sua implementação do sistema, fazendo um cadastro concreto de dados do motorista ao veículo, monitorando os dados com os portais de leitores de RFID, possibilitando um monitoramento exato em cada ponto onde a carga passou, sem distúrbios. Controle de pesagem do caminhão com cruzamento de dados anteriormente cadastradas nas etiquetas. A utilização do RFID no sistema de infraestrutura e monitoramento de cargas do estado de Santa Catarina, trouxe vantagens relacionadas a rapidez de informações, ao registro mais eficaz de informações e uma otimização para a logística. 5.2 ESTUDO DE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE RFID NO ARMAZÉM DO DEPÓSITO DE SUBSISTÊNCIA DA MARINHA NO RIO DE JANEIRO O DepSubMRJ abrange os processos de recebimento, movimentação, armazenagem, separação e expedição, trabalhando com os materiais desde o recebimento do item, sua movimentação e armazenagem até a separação e a expedição do pedido. A partir disso, foi feito um estudo de viabilidade levantando todos os itens do deposito, com o

15 objetivo de saber se a carga tem como característica absorver, transmitir ou refletir os sinais emitidos pelo leitor. O deposito apresentou um ambiente favorável para a implantação do RFID. Segundo Barbosa etal (2011), a implantação das etiquetas inteligentes trouxe potenciais benefícios nas atividades relacionadas, otimizando tempo e futuros erros, trazendo segurança para seus processos. No recebimento de materiais, constatou-se que com a etiqueta ganha-se tempo eliminando a conferencia, e na contagem de caixas. Na movimentação, permite uma leitura rápida e segura, podendo abranger várias caixas ao mesmo tempo. Na armazenagem irá facilitar sua identificação, localização, promovendo um melhor monitoramento e gerenciamento. Na separação, com o auxílio de empilhadeiras inteligentes, a tecnologia RFID garantirá o controle da operação eliminando erros na coleta. A expedição conseguirá ser automática e simultânea, eliminando a necessidade de conferencia, todos os setores apresentados podem ser executados por apenas um funcionário/turno, reduzindo custos de mão-de-obra. Apesar do elevado custo para a implementação do RFID, foram apresentados dados que comprovam que ele se pago ao passar dos anos, levando em consideração uma significante redução de mão-de-obra. O trabalho verificou que a tecnologia oferece funcionalidades únicas a DepSubMRJ, portando entendeu-se viável, fornecendo funcionalidades não disponíveis em outros dispositivos, dentre muitas oportunidades ele proporcionara ganhos financeiros satisfatórios. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo geral desse trabalho foi apresentar de uma forma concreta e exploratória, dados para familiarizar sobre essa nova tecnologia que vem para agilizar, automatizar e otimizar tempo na cadeia logística. Ao longo do trabalho pode-se verificar que apesar do caminho que ainda se tem pela frente, ela pode trazer imensos benefícios dentre eles: a maior lucratividade, menor perda de tempo e mais geração de renda. O sistema RFID é composto por três partes básicas: middleware, identificador e um leitor, porém outros componentes podem agregar o sistema, como: banco de dados, sistemas de manipulação de dados e sistemas gerenciais. Seu campo tecnológico é muito amplo, permitindo o uso para identificação humana até sistemas de pagamento automático, seu desenvolvimento permite uma redução de custos significante, apesar de sua implementação apresentar um custo alto, a partir de sua operacionalização os benefícios diluem os custos. Concluindo a RFID é uma tecnologia que está em constante mudança, estudo e desenvolvimento para se adequar cada vez mais aos consumidores, ela tem muito a acrescentar e espera-se que ela evolua cada vez mais, e seja aplicável aos diversos segmentos existentes. 14

16 15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGROSOFT. Sistema de identidade bovina ganha mercado no Brasil e no exterior. Disponível em: <http://www.agrosoft.org.br/agropag/ htm>. Acesso em: 19 nov ARNOLD, J. R. T. Administração de materiais. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial. São Paulo: Artmed Editora S.A., BALLOU, R. H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, 1993 BARBOSA, M. J. P.; CARMO, S. R. R. F. L.; LOPES, S. A. L. Estudo de viabilidade de implantação de RFID no armazém do deposito de subsistência da marinha no rio de janeiro. Belo Horizonte, MG, Disponível em: < Viabilidade-de-Implanta%C3%A7%C3%A3o-de-RFID-no-Armaz%C3%A9m-do-Dep%C3%B3sito-de- Subsist%C3%AAncia-da-Marinha-no-Rio-de-Janeiro pdf > Acesso em: 02 out.2014 BERTAGLIA, P. R. Logística e gerenciamento de cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva, BOWERSOX, D.; CLOSS, D.; COOPER, M. B. Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística. Rio de Janeiro: Elsevier, BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J. Logística empresarial: processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, CAXITO, F. Logística: Um enfoque prático. São Paulo: Saraiva, 2011 CHING, H. Y. Gestão de estoques na cadeia logística integrada: supply chain. São Paulo: Atlas, CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos. 2 ed. São Paulo: Thompson Learning, CRUZ, T. Sistemas de Informações Gerencias: tecnologia da informação e a empresa do século XXI. São Paulo: Atlas, DORNIER, P., ERNST, R. FENDER, M. e KOUVELIS, Panos Logística e Operações Globais: texto e casos. São Paulo: Editora Atlas, FOINA, P. R. Tecnologia de informação: planejamento e gestão. 2 ed. São Paulo: Atlas, FLEURY, P. F. WANKE, P. FIGUEIREDO, K. F. Logística Empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo: Editora Atlas S.A., FIGUEREDO, Kleber Fossati et al. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Planejamento do Fluxo de Produtos e dos Recursos. São Paulo: Editora Atlas S.A., GLOVER, B.; BHATT, H. Fundamentos de RFID: teoria em prática. Rio de Janeiro: Alta Books, GASNIER, D.; BANZATO, E. Tecnologia da Informação aplicada à Logística. Disponível em: <http://www.revistafluxo.com.br/arquivo/agosto_2002/index_expertise2.php>. Acesso em: 22 nov HARA, C. M. Logística, armazenagem, distribuição, trade marketing. Campinas: Alínea, HESSEL, F. ; AZAMBUJA, M. Implementando RFID na cadeia de negócios: tecnologia a serviço da excelência. Porto Alegre: EDIPUCRS, KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de marketing. 9 ed. São Paulo: Prentice Hall, LAUDON, K.; ; LAUDON, J. Sistemas de Informações Gerenciais: estudo e ensino. São Paulo: Pearson Pretice, MARTINS, G. D. A. Estudo de caso - Uma estratégia de pesquisa. São Paulo: Atlas, MARTINS, V. A. RFID (Identificação de radiofrequência). In teleco: Disponível em: <http://www.teleco.com.br/tutorealrfid/default.asp>. Acesso em: 23 nov MARTINS, P. G.; LAUGENI, F. P. Administração da Produção. São Paulo: Saraiva, MOTA, R.P.B. Extensões ao protocolo de comunicação EPCGlobal para tags Classe 1 utilizando autenticação com criptografia de baixo custo para segurança em identificação por radiofrequência f. Dissertação (Mestrado em ciência da computação) Universidade Federal de São Carlos, Programa de pós-graduação em ciência da computação, São Carlos, Disponível em: < 1106/Publico/DissRPBM.pdf>. Acesso em: 20 jan MOURA, B. Logística: Conceitos e Tendências. Lisboa: Centro Atlântico, NOGUEIRA FILHO, C.C.C. Tecnologia RFID aplicada à logística f. Dissertação (Mestrado em logística) Pontifica Universidade Católica do Rio de Janeiro, Programa de pós-graduação em Engenharia Industrial da PUC-Rio, Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.maxwell.vrac.pucrio.br/7642/7642_1.pdf>. Acesso em: 20 jan NISHIDA, J. K. Identificação por radiofrequência (RFID). Dissertação (Bacharelado). Engenharia Elétrica Telemática. Universidade do Sul de Santa Catarina, Florianópolis SC, Junho, NASSAR, E.; VIEIRA, H. L. M. A aplicação de RFID na logística: um estudo de caso do Sistema de Infraestrutura e Monitoramento de Cargas do Estado de Santa Catarina. Florianópolis, SC, 2013.

17 Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s x &script=sci_arttext> Acesso em: 02 out O BRIEN, J. Sistema de informação: as decisões na era da informática. 2 ed. São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, E. C. L.; NOGUEIRA, V. P.; BRITO S. R.; Controle de Fluxo de Automóveis com RFID. Engenharia da Computação em Revista, Amazônia, Disponível em: <http://www3.iesam-pa.edu.br/ojs/index.php/computacao/article/view/168/158> Acesso em 20 nov POZO, H. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem logística. 3 ed. São Paulo: Atlas, REZENDE, D. A., ABREU, A. F. Tecnologia da Informação: aplicada a sistemas de informação empresarias. São Paulo: Atlas 2001 ROSENBLOON, B. Canais de marketing: uma visão gerencial. São Paulo: Atlas, SANTANA, S. R. M. Rfid- Identificação por frequência. Monografia apresentada à Faculdade de Tecnologia da Baixada Santista, Disponível em: <http://www.wirelessbrasil.org.wirellesbr/colaboradores/sandra_santana/rfid_01.html> Acesso em: 20 nov SANTINI, A. G. RFID: conceitos, aplicabilidades e impactos. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, SANTOS, V.; CANDELORO, R. J. Trabalhos acadêmicos: uma orientação para a pesquisa e normas técnicas. Porto Alegre: AGE, SIKANDER, J. Cadeia de suprimentos no varejo com recursos RFID. Disponível em: <http://msdn.microsoft.com/>. Acesso em 22 nov TEIXEIRA, E. D. OLIVEIRA, S. M. Identificação por radiofrequência: tecnologia passiva por identificação de veículos. São Paulo: Faculdade de Tecnologia IBTA, TURBAN, E.; VOLONINO, L.. Tecnologia da Informação para Gestão: em busca do melhor desempenho estratégico e operacional. Porto Alegre: Bookman, VILAÇA, M. L. C. Pesquisa e Ensino: Considerações e Reflexões Revista Escrita. Volume 1. Número 2. Maio- Agosto de Disponível em: <http://www.uniabeu.edu.br/publica/index.php/re/article/viewfile/26/pdf_23> Acesso em: 29 nov

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br Graduado em Sistemas de Informação FASAM Mestrado em andamento em Ciência da Computação INF/UFG PRIMEIROS PASSOS Surgiu na Segunda Guerra

Leia mais

ESTUDO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA

ESTUDO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESTUDO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA Camila de Brito Miranda 1 ; Rafaela do

Leia mais

Introdução à tecnologia RFID

Introdução à tecnologia RFID Sumário Como surgiu a tecnologia RFID... 2 Como funciona?... 2 Quais os benefícios e onde utilizar o sistema de RFID... 4 Utilização proposta... 4 Etapas para leitura de dados via RFID... 5 Diagrama de

Leia mais

A APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA RFID NAS DIFERENTES ÁREAS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA-CBMSC

A APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA RFID NAS DIFERENTES ÁREAS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA-CBMSC A APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA RFID NAS DIFERENTES ÁREAS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA-CBMSC Angelo João Heinzen Miguel 1 RESUMO Este artigo trata da tecnologia RFID (Radio Frequency Identification),

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico

A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico Avenida Prudente de Morais, 290 4º andar Cidade Jardim (31) 2531 0166 contato@idel.com.br www.idel.com.br 1 Palestrante Mac

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE RFID

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE RFID BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE RFID Aldo Ventura da Silva * RESUMO O presente trabalho teve como objetivo mostrar o funcionamento do sistema de RFID, visando seu histórico, e principais atributos, assim servindo

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição

Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição Whitepaper Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição ÍNDICE A Tecnologia RFID simplifica os Processos de Negócio 2 O que é RFID? 2 Como funciona a Tecnologia RFID 2 Vantagens

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

O que é RFID? Fernando Xavier Maio/2007

O que é RFID? Fernando Xavier Maio/2007 Fernando Xavier Maio/2007 Agenda :: Contexto :: RFID :: Elementos :: Funcionamento :: Benefícios :: Barreiras :: Mercado :: Usos :: Questões :: Segurança :: Mitos Contexto :: Dificuldade na identificação

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

CONTROLE DO FLUXO DE PESSOAS UTILIZANDO IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA

CONTROLE DO FLUXO DE PESSOAS UTILIZANDO IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA CONTROLE DO FLUXO DE PESSOAS UTILIZANDO IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA Matheus Stephano B. Moreira¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil matheus_sbm@hotmail.com,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3 Brasil EPC Código Eletrônico de Produto Volume 3 A implementação do código eletrônico de produto (EPC) e da tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID), promete importantes benefícios aos consumidores

Leia mais

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência RFID RFID - Identificação por Radiofreqüência Sistema de Identificação por Radio Frequência O que é RFID? Objetivo e utilidade similares ao código de barras; Composto por 3 elementos: Uma antena; Um leitor;

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

Localização de veículos em chão de fábrica usando tecnologia RFID

Localização de veículos em chão de fábrica usando tecnologia RFID Localização de veículos em chão de fábrica usando tecnologia RFID José Lourenço Lemos Netto, Mauricio Duarte (Orientador), Bacharelado em Ciência da Computação Centro Universitário Eurípedes de Marília,

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

APLICAÇÃO DO SISTEMA RFID NO CONTROLE DE ACESSO DE VEICÚLOS EM CONDOMÍNIOS

APLICAÇÃO DO SISTEMA RFID NO CONTROLE DE ACESSO DE VEICÚLOS EM CONDOMÍNIOS APLICAÇÃO DO SISTEMA RFID NO CONTROLE DE ACESSO DE VEICÚLOS EM CONDOMÍNIOS Cryslaine Cinthia Carvalho Naascimento (UFERSA) crys_cinthia@hotmail.com KALIANY DIAS DE FREITAS (UFERSA) kakadias123@hotmail.com

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Básico do RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

Básico do RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Básico do RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Organização da apresentação 1. História; 2. Funcionamento do sistema RFID; 3. Aplicações. Organização da apresentação 1. História; 2. Funcionamento

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

A TECNOLOGIA RFID E OS BENEFÍCIOS DA ETIQUETA INTELIGENTE PARA OS NEGÓCIOS

A TECNOLOGIA RFID E OS BENEFÍCIOS DA ETIQUETA INTELIGENTE PARA OS NEGÓCIOS A TECNOLOGIA RFID E OS BENEFÍCIOS DA ETIQUETA INTELIGENTE PARA OS NEGÓCIOS Cláudio Gonçalves Bernardo * RESUMO: Este artigo apresenta a Tecnologia de Identificação por Radiofreqüência e o Código Eletrônico

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID A Identificação por Rádiofrequência permite a uma organização capturar, mover e gerenciar informações de e para cada ponto de atividade dentro do negócio

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Entendendo a Tecnologia RFID

Entendendo a Tecnologia RFID Entendendo a Tecnologia RFID Como o próprio nome sugere a identificação por radiofreqüência é uma tecnologia de identificação automática que utiliza ondas eletromagnéticas como meio para capturar as informações

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Medição de alcance de transponders RFID na Empresa Fockink Panambi

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Apresentação. Delimitação da Ação:

Apresentação. Delimitação da Ação: Apresentação Órgão: Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins TRE-TO E-mail para contato: fmourafe@tre-to.jus.br Nome do Trabalho: Gestão de Ativos de TI com a tecnologia Radio Frequency Identification

Leia mais

RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS NA CADEIA PRODUTIVA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DOS DESAFIOS E LIMITAÇÕES DA TECNOLOGIA

RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS NA CADEIA PRODUTIVA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DOS DESAFIOS E LIMITAÇÕES DA TECNOLOGIA RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS NA CADEIA PRODUTIVA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DOS DESAFIOS E LIMITAÇÕES DA TECNOLOGIA Claudia Aparecida Di Maio 1 ; Evandro Luiz de Oliveir 2, Prof a. Drª Miroslava Hamzagic

Leia mais

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda Supply Chain Management e TI aplicada à Logística 24 de Junho de 2004 SCM e Ti aplicada à Logística Cenário de Competição... Operações Globalizadas Operações Integradas Introdução LOGÍSTICA Tecnologia

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Considerações do mundo real. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE

Considerações do mundo real. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE Considerações do mundo real Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE 2 Benefícios e oportunidades com RFID 3 Benefícios e oportunidades com RFID São os benefícios

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM ISSN 1984-9354 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM Darciane Alves Justino (Fac. Redentor) Eduardo Barbosa Bernardes

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

TECNOLOGIA DE ENDEREÇAMENTO: OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS LOGÍSTICOS EM ARMAZÉNS

TECNOLOGIA DE ENDEREÇAMENTO: OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS LOGÍSTICOS EM ARMAZÉNS TECNOLOGIA DE ENDEREÇAMENTO: OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS LOGÍSTICOS EM ARMAZÉNS Alfredo Nazareno Pereira Boente, DSc. 1 Luis Otavio de Marins Ribeiro, MSc. 2 José Mauro Baptista Bianchi, MSc. 3 Resumo Diante

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking.

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking. MÉTODOS DE ORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE PICKING NA GESTÃO LOGÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA REDE SUPERMERCADISTA DO RIO GRANDE DO SUL Jessica de Assis Dornelles (Unipampa ) jessica-dornelles@hotmail.com

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias

Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias São Paulo, 21 de setembro de 2010 Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias e Dario Thober Centro de Pesquisas von Braun Centro de Pesquisa sem fins lucrativos Soluções inovadoras

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES Nathalia Maciel Rosa (UEPA) nathmrosa@gmail.com Thais Souza Pelaes (UEPA) thaispelaes@gmail.com

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

APLICAÇÕES DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RADIO FREQUÊNCIA (RFID) NA PESQUISA E PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

APLICAÇÕES DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RADIO FREQUÊNCIA (RFID) NA PESQUISA E PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA APLICAÇÕES DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RADIO FREQUÊNCIA (RFID) NA PESQUISA E PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA Luciano Vieira Koenigkan 1 Marcelo Gonçalves Narciso 2 RESUMO: Este artigo mostra o que vem a ser

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Coletores de Rádio Frequência PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Coletores de Rádio Frequência PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Coletores de Rádio Frequência PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA Introdução Com um mercado cada vez mais competitivo a automação dos processos é primordial; Uma central de

Leia mais

Influencia da Tecnologia da Informação no controle de estoques: estudo de caso

Influencia da Tecnologia da Informação no controle de estoques: estudo de caso Influencia da Tecnologia da Informação no controle de estoques: estudo de caso Elaine Cristina Lucas Graduanda em Administração Stefânia Aparecida Belute Queiroz Especialista em Gestão Empresarial e professora

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA FASA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA Lorena Palma Araújo RA nº. 20350584

Leia mais