Modelo de Negócios CANVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo de Negócios CANVAS"

Transcrição

1 CANVAS Como transformar suas ideias em bons negócios

2 AUTOR EDUARDO VILAS BOAS Sócio da Empreende; Doutorando na FEA-USP; Experiência na área de Administração, com ênfase em Empreendedorismo, atuando principalmente nos seguintes temas: empreendedor, intraempreendedorismo, plano de negócios e comportamento empreendedor; Autor dos livros: Empreenda antes dos 30, Ganhe Dinheiro na Internet; Responsável pela elaboração do Plano de Negócios de empresas de diferentes portes e setores.

3 AGENDA 1. O que é 2. Canvas (9 blocos) 3. Conclusão

4 MODELO DE NEGÓCIOS O que é

5 MODELO DE NEGÓCIOS O descreve o racional de como uma organização cria, entrega e captura valor. Fonte: Business Model Generation Uma solução com vantagens para resolver um problema

6 MODELO DE NEGÓCIOS O deve ser: Simples Relevante Fácil de ser entendido Completo

7 MODELO DE NEGÓCIOS O CANVAS

8 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS Template para pensar estrategicamente o modelo de um negócio novo ou já existente.

9 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS Template para pensar estrategicamente o modelo de um negócio novo ou já existente Foi proposto inicialmente por Alexander Osterwalder no livro Business Model Generation

10 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

11 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

12 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

13 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

14 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

15 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

16 PROPOSTA DE VALOR Descreve o conjunto de produtos e serviços que cria valor para um Segmento de Clientes específico

17 PROPOSTA DE VALOR Descreve o conjunto de produtos e serviços que cria valor para um Segmento de Clientes específico Foco nos benefícios que a empresa oferece aos consumidores

18 PROPOSTA DE VALOR Descreve o conjunto de produtos e serviços que cria valor para um Segmento de Clientes específico. Foco nos benefícios que a empresa oferece aos consumidores A oferta pode ser nova, disruptiva, ou similar, com algum benefício ou atributo a mais.

19 PROPOSTA DE VALOR Que Valor a empresa entrega para o cliente?

20 PROPOSTA DE VALOR Que Valor a empresa entrega para o cliente? Que problema a empresa resolve ou que necessidade a empresa satisfaz?

21 PROPOSTA DE VALOR Que Valor a empresa entrega para o cliente? Que problema a empresa resolve ou que necessidade a empresa satisfaz? O que a empresa oferece para cada Segmento de Cliente?

22 PROPOSTA DE VALOR QUANTITATIVA QUALITATIVA

23 PROPOSTA DE VALOR QUANTITATIVA Preço Redução de custo Redução do risco Conveniência/Usabilidade Acessibilidade

24 PROPOSTA DE VALOR QUALITATIVA Novidade Desempenho Design Marca Customização Ter o trabalho feito

25 PROPOSTA DE VALOR QUANTITATIVA Preço Redução de custo Redução do risco Conveniência/Usabilidade Acessibilidade QUALITATIVA Novidade Desempenho Design Marca Customização Ter o trabalho feito

26 PROPOSTA DE VALOR Relevância Como o produto resolve o problema do consumidor ou melhora sua situação Valor Benefícios específicos que são entregues aos clientes Diferenciação Porque o cliente ideal deve comprar de você e não do concorrente

27 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

28 SEGMENTOS DE CLIENTES Para quem a empresa está criando valor?

29 SEGMENTOS DE CLIENTES Para quem a empresa está criando valor? Quem serão os clientes mais importantes?

30 SEGMENTOS DE CLIENTES Para quem a empresa está criando valor? Quem serão os clientes mais importantes? Quais são os clientes típicos?

31 SEGMENTOS DE CLIENTES Para quem a empresa está criando valor? Quem serão os clientes mais importantes? Quais são os clientes típicos? Separe os clientes por segmentos

32 SEGMENTOS DE CLIENTES Tipos de segmentos:

33 SEGMENTOS DE CLIENTES Tipos de segmentos: Massa Um grande grupo que representa somente um segmento

34 SEGMENTOS DE CLIENTES Tipos de segmentos: Massa Um grande grupo que representa somente um segmento Nicho Específico, grupo de consumidores especializado

35 SEGMENTOS DE CLIENTES Tipos de segmentos: Massa Um grande grupo que representa somente um segmento Nicho Específico, grupo de consumidores especializado Segmentado Grupos de consumidores diferentes

36 SEGMENTOS DE CLIENTES Tipos de segmentos: Massa Um grande grupo que representa somente um segmento Nicho Específico, grupo de consumidores especializado Segmentado Grupos de consumidores diferentes Diversificado Vários segmentos não relacionados

37 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

38 CANAIS Como a empresa se comunica com cada Segmento de clientes?

39 CANAIS Como a empresa se comunica com cada Segmento de clientes? Como a empresa chega a cada Segmento de clientes?

40 CANAIS Como a empresa se comunica com cada Segmento de clientes? Como a empresa chega a cada Segmento de clientes? Canais de comunicação, distribuição e vendas

41 CANAIS Despertar o interesse pelos produtos e serviços

42 CANAIS Despertar o interesse pelos produtos e serviços Ajudar na avaliação da Proposta de Valor

43 CANAIS Despertar o interesse pelos produtos e serviços Ajudar na avaliação da Proposta de Valor Permitir que os consumidores comprem

44 CANAIS Despertar o interesse pelos produtos e serviços Ajudar na avaliação da Proposta de Valor Permitir que os consumidores comprem Entregar a Proposta de Valor para o cliente

45 CANAIS Despertar o interesse pelos produtos e serviços Ajudar na avaliação da Proposta de Valor Permitir que os consumidores comprem Entregar a Proposta de Valor para o cliente Oferecer suporte após a compra.

46 CANAIS Por que canal cada Segmento de Clientes deseja ser atingido?

47 CANAIS Por que canal cada Segmento de Clientes deseja ser atingido? Como eles são atingidos atualmente?

48 CANAIS Por que canal cada Segmento de Clientes deseja ser atingido? Como eles são atingidos atualmente? Como os canais estão integrados?

49 CANAIS Por que canal cada Segmento de Clientes deseja ser atingido? Como eles são atingidos atualmente? Como os canais estão integrados? Como podemos integrar nossos canais?

50 CANAIS Por que canal cada Segmento de Clientes deseja ser atingido? Como eles são atingidos atualmente? Como os canais estão integrados? Como podemos integrar nossos canais? Qual canal é mais eficiente? Qual é o melhor? Qual tem o melhor custo-benefício?

51 CANAIS Por que canal cada Segmento de Clientes deseja ser atingido? Como eles são atingidos atualmente? Como os canais estão integrados? Como podemos integrar nossos canais? Qual canal é mais eficiente? Qual é o melhor? Qual tem o melhor custo-benefício? Como o seu produto se integra à rotina dos consumidores?

52 CANAIS Por que canal cada Segmento de Clientes deseja ser atingido? Como eles são atingidos atualmente? Como os canais estão integrados? Como podemos integrar nossos canais? Qual canal é mais eficiente? Qual é o melhor? Qual tem o melhor custo-benefício? Como o seu produto se integra à rotina dos consumidores? Como medir qual é o melhor canal?

53 Parceiro Próprio Direto CANAIS Tipos de canal Força de vendas Venda pela internet IndiretoLoja própria de parceiros Distribuidor

54 CANAIS 1. Consciência Fases do canal

55 CANAIS Fases do canal 1. Consciência 2. Avaliação

56 CANAIS Fases do canal 1. Consciência 2. Avaliação 3. Compra

57 CANAIS Fases do canal 1. Consciência 2. Avaliação 3. Compra 4. Entrega

58 CANAIS Fases do canal 1. Consciência 2. Avaliação 3. Compra 4. Entrega 5. Pós vendas

59 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

60 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Como a empresa se relaciona com cada Segmento de Clientes

61 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Pensar em: Aquisição de consumidores

62 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Pensar em: Aquisição de consumidores Retenção de consumidores

63 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Pensar em: Aquisição de consumidores Retenção de consumidores Produtos agregados (upselling)

64 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Que tipo de relacionamento cada Segmento de Clientes espera que você mantenha com eles?

65 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Que tipo de relacionamento cada Segmento de Clientes espera que você mantenha com eles? Que tipo de relacionamento existe hoje?

66 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Que tipo de relacionamento cada Segmento de Clientes espera que você mantenha com eles? Que tipo de relacionamento existe hoje? Quanto custa esse relacionamento?

67 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Que tipo de relacionamento cada Segmento de Clientes espera que você mantenha com eles? Que tipo de relacionamento existe hoje? Quanto custa esse relacionamento? Como esse relacionamento se integra com o resto do seu modelo de negócios?

68 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Assistência pessoal

69 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Assistência pessoal Assistência pessoal dedicada

70 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Assistência pessoal Assistência pessoal dedicada Self-service

71 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Assistência pessoal Assistência pessoal dedicada Self-service Serviços automatizados

72 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Assistência pessoal Assistência pessoal dedicada Self-service Serviços automatizados Comunidades

73 RELACIONAMENTO COM CLIENTES Assistência pessoal Assistência pessoal dedicada Self-service Serviços automatizados Comunidades Co-criação

74 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

75 FLUXO DE RECEITAS O caixa que a empresa gera de cada um dos Segmentos de Clientes (o custo deve ser subtraído da receita para gerar o lucro)

76 FLUXO DE RECEITAS O caixa que a empresa gera de cada um dos Segmentos de Clientes (o custo deve ser subtraído da receita para gerar o lucro) Cada Segmento de Clientes pode gerar um ou mais Fluxos de Receitas

77 FLUXO DE RECEITAS O caixa que a empresa gera de cada um dos Segmentos de Clientes (o custo deve ser subtraído da receita para gerar o lucro) Cada Segmento de Clientes pode gerar um ou mais Fluxos de Receitas Cada Fluxo de Receitas deve ter mecanismos de precificação diferenciados

78 FLUXO DE RECEITAS Dois tipos diferentes de Receitas: Receitas de transação Geradas de pagamentos de clientes feitos uma única vez

79 FLUXO DE RECEITAS Dois tipos diferentes de Receitas: Receitas de transação Geradas de pagamentos de clientes feitos uma única vez Receita recorrente Gerada de pagamentos recorrentes para entregar valor ao cliente ou oferecer suporte pós compra

80 FLUXO DE RECEITAS Por qual valor os consumidores querem realmente pagar?

81 FLUXO DE RECEITAS Por qual valor os consumidores querem realmente pagar? Por qual valor eles pagam atualmente?

82 FLUXO DE RECEITAS Por qual valor os consumidores querem realmente pagar? Por qual valor eles pagam atualmente? Como eles pagam atualmente?

83 FLUXO DE RECEITAS Por qual valor os consumidores querem realmente pagar? Por qual valor eles pagam atualmente? Como eles pagam atualmente? Como eles gostariam de pagar?

84 FLUXO DE RECEITAS Por qual valor os consumidores querem realmente pagar? Por qual valor eles pagam atualmente? Como eles pagam atualmente? Como eles gostariam de pagar? Em quanto cada Fluxo de Receitas colabora com os resultados gerais?

85 FLUXO DE RECEITAS Por qual valor os consumidores querem realmente pagar? Por qual valor eles pagam atualmente? Como eles pagam atualmente? Como eles gostariam de pagar? Em quanto cada Fluxo de Receitas colabora com os resultados gerais? Como isso pode mudar no futuro?

86 FLUXO DE RECEITAS Venda de produto/serviço

87 FLUXO DE RECEITAS Venda de produto/serviço Pagamento por utilização

88 FLUXO DE RECEITAS Venda de produto/serviço Pagamento por utilização Assinatura

89 FLUXO DE RECEITAS Venda de produto/serviço Pagamento por utilização Assinatura Empréstimo/Aluguel/Leasing

90 FLUXO DE RECEITAS Venda de produto/serviço Pagamento por utilização Assinatura Empréstimo/Aluguel/Leasing Licenciamento

91 FLUXO DE RECEITAS Venda de produto/serviço Pagamento por utilização Assinatura Empréstimo/Aluguel/Leasing Licenciamento Taxa de corretagem

92 FLUXO DE RECEITAS Venda de produto/serviço Pagamento por utilização Assinatura Empréstimo/Aluguel/Leasing Licenciamento Taxa de corretagem Propaganda

93 FLUXO DE RECEITAS Mecanismos de precificação Preço fixo Lista de preços fixos Características do produto Segmento de mercado Quantidade Preço dinâmico Negociação Gestão da rentabilidade Mercado em tempo real Arremate

94 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

95 RECURSOS-CHAVE São os recursos que permitem à empresa criar e oferecer a Proposta de Valor, atingir mercados, manter relacionamentos com os Segmentos de Clientes e gerar receitas

96 RECURSOS-CHAVE São os recursos que permitem à empresa criar e oferecer a Proposta de Valor, atingir mercados, manter relacionamentos com os Segmentos de Clientes e gerar receitas Recursos podem ser físicos, financeiros, intelectuais ou humanos

97 RECURSOS-CHAVE São os recursos que permitem à empresa criar e oferecer a Proposta de Valor, atingir mercados, manter relacionamentos com os Segmentos de Clientes e gerar receitas Recursos podem ser físicos, financeiros, intelectuais ou humanos Podem ser adquiridos ou alugados pela empresa ou adquiridos por parceiros estratégicos

98 RECURSOS-CHAVE Que Recursos essenciais sua Proposta de valor precisa?

99 RECURSOS-CHAVE Que Recursos essenciais sua Proposta de valor precisa? Canal de distribuição?

100 RECURSOS-CHAVE Que Recursos essenciais sua Proposta de valor precisa? Canal de distribuição? Relacionamento com consumidores?

101 RECURSOS-CHAVE Que Recursos essenciais sua Proposta de valor precisa? Canal de distribuição? Relacionamento com consumidores? Fluxo de receitas?

102 RECURSOS-CHAVE Físicos

103 RECURSOS-CHAVE Físicos Intelectuais

104 RECURSOS-CHAVE Físicos Intelectuais Humanos

105 RECURSOS-CHAVE Físicos Intelectuais Humanos Financeiros

106 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

107 ATIVIDADES-CHAVE As atividades/ações mais importantes que a empresa precisa fazer para o seu modelo de negócios funcionar

108 ATIVIDADES-CHAVE Quais Atividades-chave sua Proposta de valor requer?

109 ATIVIDADES-CHAVE Quais Atividades-chave sua Proposta de valor requer? Canal de distribuição

110 ATIVIDADES-CHAVE Quais Atividades-chave sua Proposta de valor requer? Canal de distribuição Relação com consumidores

111 ATIVIDADES-CHAVE Quais Atividades-chave sua Proposta de valor requer? Canal de distribuição Relação com consumidores Fluxo de receitas

112 ATIVIDADES-CHAVE Produção

113 ATIVIDADES-CHAVE Produção Solução de problemas

114 ATIVIDADES-CHAVE Produção Solução de problemas Plataforma/Network

115 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

116 PARCEIROS-CHAVE A rede de fornecedores e parceiros que fazem o modelo de negócios funcionar

117 PARCEIROS-CHAVE A rede de fornecedores e parceiros que fazem o modelo de negócios funcionar As alianças podem servir para otimizar o modelo de negócios, reduzir o risco, ou adquirir recursos

118 PARCEIROS-CHAVE Aliança estratégica entre não competidores

119 PARCEIROS-CHAVE Aliança estratégica entre não competidores Competidores: parceria estratégica entre competidores

120 PARCEIROS-CHAVE Aliança estratégica entre não competidores Competidores: parceria estratégica entre competidores Joint venture para desenvolver novos negócios

121 PARCEIROS-CHAVE Aliança estratégica entre não competidores Competidores: parceria estratégica entre competidores Joint venture para desenvolver novos negócios Comprador-fornecedor para garantir fornecimento confiável

122 PARCEIROS-CHAVE Quem são seus parceiros-chave?

123 PARCEIROS-CHAVE Quem são seus parceiros-chave? Quem são seus fornecedores-chave?

124 PARCEIROS-CHAVE Quem são seus parceiros-chave? Quem são seus fornecedores-chave? Que recursos-chave você adquire de parceiros?

125 PARCEIROS-CHAVE Quem são seus parceiros-chave? Quem são seus fornecedores-chave? Que recursos-chave você adquire de parceiros? Que atividades-chave os parceiros desempenham?

126 PARCEIROS-CHAVE Motivos para fazer parceria Otimização e economia de escala

127 PARCEIROS-CHAVE Motivos para fazer parceria Otimização e economia de escala Redução do risco e incerteza

128 PARCEIROS-CHAVE Motivos para fazer parceria Otimização e economia de escala Redução do risco e incerteza Aquisição de recursos ou atividades especiais

129 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

130 ESTRUTURA DE CUSTOS Descreve todos os custos para operar o modelo de negócios

131 ESTRUTURA DE CUSTOS Após definir as atividades, parceiros e recursos é possível calcular os custos envolvidos no modelo de negócios

132 ESTRUTURA DE CUSTOS Após definir as atividades, parceiros e recursos é possível calcular os custos envolvidos no modelo de negócios Alguns modelos de negócios são mais baseados na estrutura de custos do que outros

133 ESTRUTURA DE CUSTOS Quais são os custos mais importantes para o seu modelo de negócios?

134 ESTRUTURA DE CUSTOS Quais são os custos mais importantes para o seu modelo de negócios? Quais recursos-chave são mais caros?

135 ESTRUTURA DE CUSTOS Quais são os custos mais importantes para o seu modelo de negócios? Quais recursos-chave são mais caros? Quais atividades-chave são mais caras?

136 ESTRUTURA DE CUSTOS Cost-driven

137 ESTRUTURA DE CUSTOS Cost-driven Value-driven

138 ESTRUTURA DE CUSTOS Custos fixos

139 ESTRUTURA DE CUSTOS Custos fixos Custos variáveis

140 ESTRUTURA DE CUSTOS Custos fixos Custos variáveis Economias de escala

141 ESTRUTURA DE CUSTOS Custos fixos Custos variáveis Economias de escala Economia de escopo

142 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS

143 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS 1. Desenhe o Canvas em um pôster

144 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS 1. Desenhe o Canvas em um pôster 2. Coloque o pôster na parede

145 MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS 1. Desenhe o Canvas em um pôster 2. Coloque o pôster na parede 3. Esboce o seu modelo de negócio

146 MODELO DE NEGÓCIOS Conclusão

147 MODELO DE NEGÓCIOS Auxilia o empreendedor a entender a sua proposta de valor Permite entender a empresa como um todo O Canvas é uma ferramenta que pode auxiliar todos os empreendedores O seu deve evoluir com o tempo

148 Eduardo Vilas Boas.

Instruções para elaboração de TCC PROPOSTA DE NEGÓCIOS

Instruções para elaboração de TCC PROPOSTA DE NEGÓCIOS INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMAS CERTIFICATES Instruções para elaboração de TCC PROPOSTA DE NEGÓCIOS Estas instruções para elaboração de TCC do tipo Proposta de Negócio possuem dois tópicos:

Leia mais

Formação de Empreendedores Aula 5 Estratégia e Modelos de Negócio

Formação de Empreendedores Aula 5 Estratégia e Modelos de Negócio Formação de Empreendedores Aula 5 Estratégia e Modelos de Negócio FELIPE AUGUSTO PEREIRA felipe.pereira@live.estacio.br @felipeunu Recife, 2012 1 Objetivos da Aula Compreender conceitos de estratégia Compreender

Leia mais

NEGÓCIOS... Estratégia. Business Model Canvas. Inteligência Estratégica aplicada a Negócios de TI através do Business Model Canvas.

NEGÓCIOS... Estratégia. Business Model Canvas. Inteligência Estratégica aplicada a Negócios de TI através do Business Model Canvas. Alexandra Hütner, M.Sc. Inteligência Estratégica aplicada a Negócios de TI através do Business Model Canvas. Alexandra Hütner, M.Sc. Nossa programação: 21/05: 17h20 às 18:40 22/05: 11h00 às 11h50 Alexandra

Leia mais

soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos

soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos O quadro do modelo de negócios O Business Model Canvas (Quadro do Modelo de Negócios)

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET. Disciplina: NEGÓCIOS NA INTERNET

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET. Disciplina: NEGÓCIOS NA INTERNET TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina: NEGÓCIOS NA INTERNET Inovação em Modelo de Negócio Fonte: (OSTERWALDER, 2011) Modelo de negócios Descreve a lógica de criação, entrega e captura de valor

Leia mais

MODELO DE NEGÓCIOS - CANVAS. Slides Autor: Thiago Oliveira de Paiva Twitter: @ThiagoPaiva Blog: www.modelodenegocios.tumblr.com

MODELO DE NEGÓCIOS - CANVAS. Slides Autor: Thiago Oliveira de Paiva Twitter: @ThiagoPaiva Blog: www.modelodenegocios.tumblr.com MODELO DE NEGÓCIOS - CANVAS Slides Autor: Thiago Oliveira de Paiva Twitter: @ThiagoPaiva Segmentos de Clientes As empresas agrupam os clientes em segmentos com necessidades, costumes ou outro atributo

Leia mais

Teoria e Prática. MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS Business Model Canvas (BMC)

Teoria e Prática. MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS Business Model Canvas (BMC) Você arriscaria desenvolver um produto ou software/serviço sem verificar com seu potencial cliente o que ele deseja? Se ele compra? Teoria e Prática MODELO DE NEGÓCIOS CANVAS Business Model Canvas (BMC)

Leia mais

Modelo de CANVAS. Alexander Osterwalder

Modelo de CANVAS. Alexander Osterwalder Modelo de CANVAS Alexander Osterwalder Ferramenta de criação e gestão de modelos de negócio, simples e visual, que permite simplificar e reunir todos os pontos-chave do novo negócio ou negócio pré-existente.

Leia mais

Preparação para seleção do Projeto de Empreendimento. Da ideia à prática

Preparação para seleção do Projeto de Empreendimento. Da ideia à prática Preparação para seleção do Projeto de Empreendimento Da ideia à prática Informações Gerais Grandes ideias surgem há todo momento. Mas como colocá-las em prática? Será tão simples? Muitos ignoram o processo

Leia mais

w w w. v a l i d a n d o i d e i a s. c o m. b r

w w w. v a l i d a n d o i d e i a s. c o m. b r Oficina de Modelagem de Negócios Express 30 MINUTOS DE MUITO CONTEÚDO 30 MINUTOS DE MÃO NA MASSA 1. O que é um Modelo de Negócios 2. Os 09 Componentes do Modelo de Negócios 3. Montando um Business Model

Leia mais

MODELOS DE NEGÓCIOS PARA STARTUPS

MODELOS DE NEGÓCIOS PARA STARTUPS MODELOS DE NEGÓCIOS PARA STARTUPS Aprenda a aplicar os conceitos de Business Model Canvas e Lean Startup na sua empresa 1 MODELOS DE NEGÓCIOS PARA STARTUPS Aprenda a aplicar os conceitos de Business Model

Leia mais

METODOLOGIAS PARTICIPATIVAS PARA FUNDAMENTAR PROJETOS

METODOLOGIAS PARTICIPATIVAS PARA FUNDAMENTAR PROJETOS 1 METODOLOGIAS PARTICIPATIVAS PARA FUNDAMENTAR PROJETOS Ciclo dos projetos socioambientais Elaboração de projetos e captação de recursos Fundos Terceiro setor Implementação dos projetos socioambientais

Leia mais

Modelos de Negócios Digitais

Modelos de Negócios Digitais Modelos de Negócios Digitais O que é um modelo de negócio? Um Modelo de Negócios descreve a lógica de criação, entrega e captura de valor por parte de uma organização. Definição do negócio da empresa Negócio

Leia mais

Análise SWOT seguindo a metodologia do BMG

Análise SWOT seguindo a metodologia do BMG Análise SWOT seguindo a metodologia do BMG Análise SWOT (abreviatura das palavras em inglês Strong, Weakness, Opportunities e Threats) é uma análise ambiental que consiste em levantar pontos internos e

Leia mais

Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR. Imagens: depositphotos.com. Roberto Dias Duarte

Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR. Imagens: depositphotos.com. Roberto Dias Duarte Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR Imagens: depositphotos.com www.robertodiasduarte.com.br facebook.com/imposticida contato@robertodiasduarte.com.br Nossa "prosa" SPED

Leia mais

Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013

Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013 Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013 O modelo de negócios canvas (MNC), criado pelo finlandês Alex Osterwalder a partir de sua tese de doutoramento, revolucionou a forma com projetos e

Leia mais

www.agenciadecocriacao.com.br 2

www.agenciadecocriacao.com.br 2 1 www.agenciadecocriacao.com.br 2 www.agenciadecocriacao.com.br www.agenciadecocriacao.com.br 4 Ignoramos nossas Ideias... www.agenciadecocriacao.com.br 5 www.agenciadecocriacao.com.br 6 www.agenciadecocriacao.com.br

Leia mais

Roteiro do Plano de Negócio

Roteiro do Plano de Negócio Roteiro do Plano de Negócio 1. Componentes do Plano de Negócios a) Resumo Executivo b) A organização Visão estratégica/modelo de negócio c) Análise de mercado d) Planejamento de marketing - produto ou

Leia mais

Faça você mesmo seu modelo de gestão Canvas, seguindo um guia de 7 passos

Faça você mesmo seu modelo de gestão Canvas, seguindo um guia de 7 passos Faça você mesmo seu modelo de gestão Canvas, seguindo um guia de 7 passos Pesquisas revelam que 45% da receita de uma organização são gerados pelos melhores gestores da empresa.você quer desenhar a sua

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

Engenheiro de Computação (UNICAMP) MSc., PMP, CSM Gerente de Projetos (Kryptus) Co-fundador do InovaGP 7 anos de experiência em projetos (P&D, TI,

Engenheiro de Computação (UNICAMP) MSc., PMP, CSM Gerente de Projetos (Kryptus) Co-fundador do InovaGP 7 anos de experiência em projetos (P&D, TI, Engenheiro de Computação (UNICAMP) MSc., PMP, CSM Gerente de Projetos (Kryptus) Co-fundador do InovaGP 7 anos de experiência em projetos (P&D, TI, embarcados) Gestão de Projetos e Mercado Palestra XV SEE

Leia mais

A METODOLOGIA CANVAS PARA O DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

A METODOLOGIA CANVAS PARA O DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A METODOLOGIA CANVAS PARA O DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Daniel dos Santos Mello¹ dsmello@bb.com.br Rogério Dionisio Haboski² rogeriodh@hotmail.com Wagner Luiz Jensen³ wagner_jensen@yahoo.com.br

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO. Prof. Líslei Rosa de Freitas

PESQUISA DE MERCADO. Prof. Líslei Rosa de Freitas PESQUISA DE MERCADO Prof. Líslei Rosa de Freitas Pontos importantes Todas as decisões sobre novos empreendimentos contêm um certo grau de incerteza, tanto em relação à informação nas quais estão baseadas,

Leia mais

PAESTRA: OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO. Novembro/2012 Fortaleza- CE

PAESTRA: OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO. Novembro/2012 Fortaleza- CE PAESTRA: OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO Novembro/2012 Fortaleza- CE Currículo do Palestrante Estudou no CMF no período de 1974-1980. saindo como reservista pelo CFR (3º. Sgt). Ingressou na EFOMM CIAGA (1981).

Leia mais

Canvas e Elevator Pitch: como uma organização cria, entrega e captura valor. Poli.Design

Canvas e Elevator Pitch: como uma organização cria, entrega e captura valor. Poli.Design Canvas e Elevator Pitch: como uma organização cria, entrega e captura valor Poli.Design Canvas O que e um Modelo de Nego cio? Um modelo de Nego cio descreve a lo gica que cada organizac a o cria, distribue

Leia mais

MODELAGEM DE NEGÓCIOS CANVAS

MODELAGEM DE NEGÓCIOS CANVAS MODELAGEM DE NEGÓCIOS CANVAS Uma nova maneira de desenvolver o seu negócio... Leal alex.leal @ ba.sebrae.com.br (75) 3321 2153 NOSSO CONTEÚDO A empresa e suas visões As diferenças entre o Canvas e o Plano

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

Visões de Negócio / Visão de Negócio

Visões de Negócio / Visão de Negócio Visões de Negócio / Visão de Negócio Bibliografia Eriksson, H-E; Penker, M. Business Modeling with UML: Business Patterns at work, John Wiley, 2000 Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Gestus

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Nº Candidatura: / Data de entrega: / / 1 O Concurso de Ideias Empreendedoras de Oliveira de Azeméis Empreendedorismo em idade escolar é uma iniciativa do Contrato Local de Desenvolvimento

Leia mais

Modelos de Negócio Alinhando a Estratégia de Negócios e a Arquitetura Empresarial

Modelos de Negócio Alinhando a Estratégia de Negócios e a Arquitetura Empresarial Modelos de Negócio Alinhando a Estratégia de Negócios e a Arquitetura Empresarial Henk Jonkers, Dick Quartel e Remco Blom Sumário executivo Embora a estratégia de negócios deva ser a base de qualquer mudança

Leia mais

Seu negócio é competitivo?

Seu negócio é competitivo? Seu negócio é competitivo? BARREIRA COMPETITIVA EMBUTIDA ESTRUTURA DE CUSTOS DISRUPTIVA CUSTO DE TROCA 1 RECEITA ANTES DA DESPESA 0 ESCALABILIDADE LOVEMARKS RECEITA RECORRENTE onde está a competitividade

Leia mais

Uma lente de aumento WKS MODELOS DE NEGÓCIO INOVADORES AULA 1

Uma lente de aumento WKS MODELOS DE NEGÓCIO INOVADORES AULA 1 Uma lente de aumento O que se vê... O que está intrínseco... Proposta de Valor Conveniência/usabilidade Redução de Risco Novidade Desempenho Customização Performance Acessibilidade Preço Design Getting

Leia mais

Gestão de Performance por KPIs

Gestão de Performance por KPIs Gestão de Performance por KPIs Henrique Brodbeck Diretor, Brodbeck Consultores em Informática Henrique Brodbeck Brodbeck Consultores em Informática e UFRGS Business Intelligence - BI Termo guarda-chuva

Leia mais

GESTÃO PÉ NO CHÃO. Resultados da pesquisa online realizada com mais de 100 escritórios de advocacia

GESTÃO PÉ NO CHÃO. Resultados da pesquisa online realizada com mais de 100 escritórios de advocacia GESTÃO PÉ NO CHÃO Resultados da pesquisa online realizada com mais de 100 escritórios de advocacia Consultoria especializada no desenvolvimento integral de escritórios de advocacia Nos últimos meses publicamos

Leia mais

Empreenda (Quase) Sem Dinheiro

Empreenda (Quase) Sem Dinheiro Empreenda (Quase) Sem Dinheiro Prof. Dr. José Dornelas www.planodenegocios.com.br Bem-vindoà versão de demonstração do curso Empreenda (Quase) Sem Dinheiro! Vocêpoderá conferir alguns vídeos do curso antes

Leia mais

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Apresentação Valdecir de Oliveira Pereira Diretorde Desenvolvimento valdecir@grvsoftware.com.br www.grvsoftware.com.br GRV Software

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Parceria XTH & Bahia Partners. Informações Gerais aos Interessados

Parceria XTH & Bahia Partners. Informações Gerais aos Interessados Parceria XTH & Bahia Partners Informações Gerais aos Interessados 04/08/2009 2 Conteúdo 1. O que é a Bahia Partners (BP)?... 3 2. Por que a XTH se aliou a BP?... 3 3. Por que a XTH e a BP fecharam parcerias

Leia mais

Inovação. Maria José Sousa

Inovação. Maria José Sousa Inovação 2 Inovação Difusão e adopção 3 Difusão da Inovação Um conceito de difusão: Processo através do qual uma inovação é comunicada através de canais específicos, ao longo do tempo, entre os membros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

DESAFIOS. (Autor desconhecido)

DESAFIOS. (Autor desconhecido) QUEM É O EMPREENDEDOR? POR QUE SER EMPRESÁRIO? DEFINIÇÕES DE EMPREENDEDORISMO O empreendedor é motivado pela autorealização, desejo de assumir responsabilidades e independência. Considera irresistível

Leia mais

Uma lente de aumento WKS MODELOS DE NEGÓCIO INOVADORES

Uma lente de aumento WKS MODELOS DE NEGÓCIO INOVADORES Uma lente de aumento O que se vê... O que está intrínseco... Proposição de Valor Conveniência/usabilidade Acessibilidade Novidade Redução de Risco Customização Preço Performance Redução de Custo Getting

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

A Inteligência Empresarial

A Inteligência Empresarial A Inteligência Empresarial A produtividade do Conhecimento deve ser, portanto, a preocupação central dos administradores do século XXI. Conhecimento, inovação e empreendedorismo formam, assim, um tripé

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Business Administration - CBA Ricardo Corrêa PLANO DE NEGÓCIO: EMPRESA DE ENVIDRAÇAMENTO DE SACADAS. São Paulo 2013 Ricardo Corrêa PLANO DE NEGÓCIO:

Leia mais

A Gestão do Conhecimento para o sucesso no atendimento ao cliente

A Gestão do Conhecimento para o sucesso no atendimento ao cliente A Gestão do Conhecimento para o sucesso no atendimento ao cliente É um fato. Se você não oferecer a seus clientes ou funcionários a opção de auto-atendimento na web, você já ficou para trás. Os benefícios

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

TRANSFORMANDO SUA IDEIA EM UM NEGÓCIO

TRANSFORMANDO SUA IDEIA EM UM NEGÓCIO TRANSFORMANDO SUA IDEIA EM UM NEGÓCIO DANIEL GOMES 2015 CENTRO EMPREENDEDOR SUMÁRIO 1 Introdução... 3 O que é este guia?... 3 O que não falamos nesse guia?... 4 Quem é o Autor?... 4 Para quem é esse guia?...

Leia mais

MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc.

MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc. 1 OBJETIVOS: Conduzir

Leia mais

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE ABRAÃO ALMEIDA FELIPE SZMYHIEL RIBEIRO MAYCON DOS SANTOS NUNES PAULO EDUARDO DEININGER MESSIAS ALVES

FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE ABRAÃO ALMEIDA FELIPE SZMYHIEL RIBEIRO MAYCON DOS SANTOS NUNES PAULO EDUARDO DEININGER MESSIAS ALVES FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE ABRAÃO ALMEIDA FELIPE SZMYHIEL RIBEIRO MAYCON DOS SANTOS NUNES PAULO EDUARDO DEININGER MESSIAS ALVES PLANO DE NEGÓCIO - MAAPS São Paulo 2009 FACULDADE CARLOS DRUMMOND

Leia mais

Transformação Organizacional: como transformar as operações (parte 2)

Transformação Organizacional: como transformar as operações (parte 2) RIO DE JANEIRO SÃO PAULO BRASÍLIA BELO HORIZONTE Transformação Organizacional: como transformar as operações (parte 2) Transformando as Operações Novos modelos de negócio Novos produtos, serviços e experiências

Leia mais

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos por Mario Trentim em http://blog.mundopm.com.br/2013/01/21/pmo-de-sucesso-precisa-terfoco/ Caro amigo leitor, que tal

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Canvas do Modelo de Negócio

Canvas do Modelo de Negócio Módulo 4 - Programa Empreenda Com Propósito, por Silvia Pahins Canvas do Modelo de Negócio adaptado de Alex Ostarwalder (2014) Parcerias Atividades-chave Proposta de Valor Relacionamento com clientes Segmento

Leia mais

Novos Tempos - Novas Oportunidades - Novo Negócios

Novos Tempos - Novas Oportunidades - Novo Negócios Novos Tempos - Novas Oportunidades - Novo Negócios O que é a Câmara? Câmara de Comércio do Mercosul e União Latino América 01 A Câmara de Comércio do Mercosul e União Latino América (CCM-ULA) é uma Instituição

Leia mais

Lean Startup. Julio Beles Lussari (ESIC) julio@juliolussari.com.br

Lean Startup. Julio Beles Lussari (ESIC) julio@juliolussari.com.br Lean Startup Julio Beles Lussari (ESIC) julio@juliolussari.com.br Resumo: O presente artigo acadêmico visa o estudo sobre a metodologia Lean Startup, as ferramentas para colocá-la em prática e suas metodologias

Leia mais

O MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR EDITORIAL CEARENSE COM O AUXÍLIO CANVAS

O MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR EDITORIAL CEARENSE COM O AUXÍLIO CANVAS XXVIENANGRAD O MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR EDITORIAL CEARENSE COM O AUXÍLIO CANVAS Lucas Lopes Ferreira de Souza Felipe Gerhard Paula Sousa Elnivan Moreira de Souza Jocasta Saraiva Sousa FOZDOIGUAÇU,2015

Leia mais

Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira

Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira Dicas fundamentais para você decidir pelo curso ideal para a sua qualificação profissional 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> A importância da

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2003-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2003-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

O que fazer com os resultados do meu QEMP?

O que fazer com os resultados do meu QEMP? Nome: Alex Carvalho Introdução A Clinton Education desenvolveu o QEMP (Quociente Empreendedor), uma ferramenta de avaliação autoadministrada que auxiliar empreendedores e intraempreendedores no entendimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS. Heloise Helene Thomas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS. Heloise Helene Thomas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS Heloise Helene Thomas Criação do Modelo de Negócios para a Empresa de Gastronomia Ardhemia Thomas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

3 Administração de Materiais

3 Administração de Materiais 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Não está gostando do jogo? Mude-o!

Não está gostando do jogo? Mude-o! WHITE PAPER Não está gostando do jogo? Mude-o! Entenda o mercado de Provedores de Serviços e descubra novas maneiras de aumentar os lucros, reduzir os custos, lançar novos serviços e muito mais; com informações

Leia mais

Diferenciação de Valor

Diferenciação de Valor Diferenciação de Valor 1 Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias Sucesso para as empresas significa aumento de faturamento, acesso a novos mercados, aumento das margens de lucro, entre outros

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Curso de Capacitação de Agentes Gestores em APLs ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Prof. Gustavo Martins Porto Alegre, abril 2012 Estudo Dirigido Estratégia Competitiva A partir dos conceitos e

Leia mais

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior G estão escolar: não há diretor de qualquer instituição de ensino que não esteja às voltas com esta questão, hoje. Um cenário

Leia mais

ENCONTRO DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO PROJETO DE ORGANIZAÇÃO

ENCONTRO DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO PROJETO DE ORGANIZAÇÃO ENCONTRO DE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO PROJETO DE ORGANIZAÇÃO Tema Anual: Startups no Rio de Janeiro. Objetivos Gerais: O objetivo principal deste projeto é avaliar o conhecimento teórico adquirido durante

Leia mais

CURITIBA, FEVEREIRO DE

CURITIBA, FEVEREIRO DE PLANO DE NEGÓCIO CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004 2 PLANO DE NEGÓCIO Odilio Sepulcri 1. Introdução: Antes de implementar novas atividades ou alternativas econômicas no sistema de produção, seja para a sua mudança

Leia mais

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do da AJES A - APRESENTAÇÃO 1. A empresa 1.1. Aspectos Gerais 1.1.1. História da empresa (da fundação a atualidade) 1.1.2. Visão, Missão e

Leia mais

Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo 20

Leia mais

Especialização em Negócios e Finanças

Especialização em Negócios e Finanças Especialização em Negócios e Finanças Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Nova Turma -->Turma02 *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em

Leia mais

1. O Contexto do SBTVD

1. O Contexto do SBTVD CT 020/06 Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2006 Excelentíssimo Senhor Ministro Hélio Costa MD Ministro de Estado das Comunicações Referência: Considerações sobre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Leia mais

Curso de canvas FazINOVA. www.fazinova.com.br

Curso de canvas FazINOVA. www.fazinova.com.br Curso de canvas FazINOVA O que é um Canvas? Business Model Canvas é uma ferramenta de modelagem de negócios ou projetos: novos, inovadores ou já existentes. Canvas vs. Plano de Negócio Não exclui um plano

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro I Curso Planejamento e Educação Financeira Uma parceria Órama e Dinheirama. Planejamento Financeiro Por Sandra Blanco Consultora de Investimentos da Órama, mais de anos de mercado,

Leia mais

Por que escolher a Oplay Logística?

Por que escolher a Oplay Logística? Por que escolher a Oplay Logística? Porque a Oplay Logística tem soluções completas e inovadoras que a sua empresa precisa. Porque a Oplay Logística oferece serviços diferenciados desenhados de acordo

Leia mais

SC.Invest Modelo de Negócios para Plataforma de Governo Eletrônico

SC.Invest Modelo de Negócios para Plataforma de Governo Eletrônico Universidade Federal de Santa Catarina em Engenharia e Gestão do Conhecimento Disciplina de Governo Eletrônico SC.Invest Modelo de Negócios para Plataforma de Governo Eletrônico Professores: Aires Rover,

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio 1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO Mauricio Sampaio Definições e Conceitos Visão Missão Administração Estratégica Planejamento Estratégico

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

Gestão através do uso de Indicadores e Metas

Gestão através do uso de Indicadores e Metas Gestão através do uso de Indicadores e Metas Reflexão Pra onde Caminha a sua Empresa? x Reflexão Pra onde A Cadeia Caminha de Valor... a sua Empresa? Cliente Definição do Projeto Resp. Canteiro, materiais

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento

ÍNDICE. Eficiência no atendimento em clínicas e hospitais -EBOOK- 3 - Introdução. 4 - O que os clientes esperam de um bom atendimento Eficiência no em clínicas e hospitais ÍNDICE 3 - Introdução 4 - O que os clientes esperam de um bom 6-5 dicas para gerar eficiência no -EBOOK- Produzido por CM Tecnologia 11 - Conclusão 12 - Sobre a CM

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO

CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO CHAMADA PARA PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO RAIAR Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS TECNOPUC Parque Científico e Tecnológico da PUCRS Porto Alegre,

Leia mais

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Sejam bem-vindos Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Curso 5 dias 1º 2º 3º 4º 5º Curso 10 dias OBJETIVOS 1º Apresentação do curso, empreendedorismo e CCE's 2º Cenário macroeconômico,

Leia mais

Políticas. Melhorar a conformidade Conformidade das práticas 75.0. Melhorar o desempenho económico Desempenho global por resposta social 75.

Políticas. Melhorar a conformidade Conformidade das práticas 75.0. Melhorar o desempenho económico Desempenho global por resposta social 75. Melhorar a conformidade Conformidade das práticas 75.0 Conformidade dos registos 75.0 Melhorar o desempenho económico Desempenho global por resposta social 75.0 Satisfazer as necessidades e espectativas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial

Leia mais

Plano de Negocio Sistemas Security

Plano de Negocio Sistemas Security Plano de Negocio Sistemas Security GOIÂNIA,05/12/2015 A Empresa A Sistema Security nasceu da idéia de Alunos do Senac quando cursavam o último período do curso de segurança da Informaçao. Área de Atuação

Leia mais

Gestão Estratégica. Gestão Estratégica

Gestão Estratégica. Gestão Estratégica DIAGNÓSTICO: Visão Macro Gestão Estratégica Aula 5 Diagnóstico marcopereira@usp.br AMBIENTE INTERNO SETOR DE NEGÓCIOS MACROAMBIENTE DIAGNÓSTICO: Visão Macro Externo Diagnóstico Interno O DEI tem como objetivo

Leia mais

ECONÔMICAS E PROFISSIONAIS

ECONÔMICAS E PROFISSIONAIS MAPA DE PERSPECTIVAS ECONÔMICAS E PROFISSIONAIS 2016 Worldwide leaders in specialist recruitment ÍNDICE EDITORIAL METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO PERFIL DOS ENTREVISTADOS O CENÁRIO MACROECONÔMICO INVESTIMENTO

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira.

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Silvanda de Jesus Aleixo Ferreira 0201002501 Belém-PA

Leia mais

MECÂNICA PRASS: REPARADORA VEICULAR 24HORAS.

MECÂNICA PRASS: REPARADORA VEICULAR 24HORAS. MECÂNICA PRASS: REPARADORA VEICULAR 24HORAS. Estela Rögelin Prass 1 Evandro Boneberg Prass 2 Amilto Müller 3 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo, apresentar um plano de negócio, os estudos e análise

Leia mais