ESTUDO VISCOSIMÉTRICO DE COPOLÍMEROS EM BLOCOS À BASE DE POLI (GLICOL PROPILÊNICO) E POLI (GLICOL ETILÊNICO)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO VISCOSIMÉTRICO DE COPOLÍMEROS EM BLOCOS À BASE DE POLI (GLICOL PROPILÊNICO) E POLI (GLICOL ETILÊNICO)"

Transcrição

1 ESTUDO VISCOSIMÉTRICO DE COPOLÍMEROS EM BLOCOS À BASE DE POLI (GLICOL PROPILÊNICO) E POLI (GLICOL ETILÊNICO) R.T. da Costa, M.C. Delpech, F.M.B. Coutinho Instituto de Química da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IQ/UERJ) RJ, Brasil A viscosimetria é um procedimento experimental simples e pouco oneroso, que pode fornecer informações valiosas sobre o volume hidrodinâmico e a conformação de macromoleculas em solução, num determinado solvente, em uma dada temperatura. Os parâmetros viscosimétricos podem ser matematicamente calculados por extrapolação gráfica, cuja execução experimental é mais demorada. Em contrapartida, é possível a determinação por um único ponto. Neste trabalho, os dois métodos de cálculo, empregando uma série de seis equações, foram utilizados em soluções de copolímeros em bloco à base de poli(glicol propilênico) e poli(glicol etilênico), com diferentes percentuais de poli(glicol etilênico), tendo isopropanol e tetra-hidrofurano (THF) como solventes, a 25 C. Os valores de viscosidade intrínseca e de algumas constantes indicaram que os solventes foram bons. Verificou-se também que o método de cálculo por um único ponto foi válido, apresentando um baixo percentual de erro para os sistemas estudados, sendo possível assim, reduzir o tempo de análise. Palavras-chave: viscosimetria, determinação viscosimétrica por um único ponto, copolímeros em bloco, viscosidade intrínseca. INTRODUÇÃO A viscosimetria é um procedimento que pode ser desenvolvido em qualquer laboratório, devido à facilidade do método e também pelos equipamentos utilizados serem simples [1]. Este método fornece informações sobre tamanho e conformações macromoleculares em sistemas infinitamente diluídos [2], nos quais se tem a viscosidade intrínseca [η] como parâmetro diretamente relacionado. Várias 10116

2 equações matemáticas são encontradas na literatura para determinar os parâmetros viscosimétricos de um polímero em solução diluída a uma determinada temperatura por extrapolação gráfica [3-5]. As equações mais utilizadas são as de Huggins (1), Kraemer (2), Schulz-Blaschke (3), Solomon-Ciuta (4) e Deb-Chantterjee (5) [6-10], nas quais as equações 1 a 3 são dependentes das constantes K índice da respectiva equação. η sp /C = [η] H + K H [η] H 2 C (1) ln η r /C = [η] K - K H [η] K 2 C (2) η sp /C = [η] SB + K SB [η] SB η sp (3) [η] SC = [2 (η sp - ln η r )] 1/2 /C (4) [η] DC =(3ln η r +3/2 η sp 2-3η sp ) 1/3 /C (5) As equações (4) e (5) são independentes de constantes e podem ter sua viscosidade intrínseca determinada por um único ponto [11,12], não sendo necessária a extrapolação gráfica [6-10]. A equação de Schulz-Blaschke (3) também pode ser determinada através de um único ponto quando se utiliza K SB = 0,28, encontrado na literatura para alguns sistemas diluídos [6-10,14]. Neste trabalho, os valores dos parâmetros viscosimétricos obtidos por extrapolação gráfica e por um único ponto foram determinados para amostras de copolímeros em bloco de poli(glicol propilênico) e poli(glicol etilênico) com diferentes percentuais desse último, em dois solventes: isopropanol e tetra-hidrofurano (THF). Este estudo tem por objetivo validar a determinação do método por um único ponto, mais rápido. MATERIAIS E MÉTODOS Foram utilizados quatro tipos de amostras diferentes neste estudo, onde cada uma delas apresenta uma variação no percentual de poli(glicol etilênico) no copolímero de: 0%, 7%, 20% e 25%. As determinações viscosimétricas foram realizadas a 25 ± 0,1 ºC, em isopropanol e THF. A concentração das soluções foi de 10117

3 7% (v/v) para todas as amostras, utilizando o viscosímetro Ubbelohde 0B para as diluições em THF e o viscosímetro Ubbelohde 1B para as diluições em isopropanol. A determinação experimental foi realizada pela contagem do tempo de eluição do solvente puro, da solução das amostras e de cinco diluições de cada. Na determinação por um único ponto, o menor valor de diluição foi escolhido para os cálculos. RESULTADOS E DISCUSSÃO As Tabelas 1 e 2 mostram os dados experimentais obtidos para as amostras em isopropanol e em tetra-hidrofurano (THF), respectivamente. A Figura 1 apresenta a relação entre log η sp e log c[η] obtido para as amostras diluídas em isopropanol. A Figura 2 apresenta a relação entre log η sp e log c[η] obtido para as amostras diluídas em THF. A relação linear entre esses dois parâmetros indica que todas as determinações foram realizadas em regime newtoniano, o que é válido para as determinações. Dados viscosimétricos obtidos por extrapolação gráfica foram determinados através da aplicação das Equações (1), (2) e (3). As Figuras 3 e 4 mostram a relação linear obtida pela Equação de Huggins para as amostras diluídas em isopropanol e em THF, respectivamente. As Tabelas 3 e 4 apresentam os valores de viscosidade intrínseca obtidos em isopropanol e em THF, respectivamente, calculados empregando-se todas as equações. As Tabelas 5 e 6 mostram as constantes viscosimétricas obtidas para as amostras diluídas em isopropanol e em THF, respectivamente. As Tabelas 7 e 8 apresentam as diferenças percentuais ( %) obtidas para os valores de viscosidade intrínseca calculado por extrapolação gráfica, nas diluições em isopropanol e THF respectivamente, pelas equações de Kraemer e Schulz- Blaschke e por um único ponto pelas equações de Schulz-Blaschke, Solomon-Ciuta e Deb-Chantterjje, utilizando como referência a viscosidade intrínseca de Huggins, mais empregada na literatura [10,14,15]

4 Tabela 1. Dados experimentais para soluções de isopropanol (0% EG) C (g/dl) η r η sp η red η inh Solução mãe 5,22 1,303 0,303 0,058 0,051 Diluição 1 4,35 1,249 0,249 0,057 0,051 Diluição 2 3,73 1,211 0,211 0,056 0,051 Diluição 3 3,26 1,183 0,183 0,056 0,051 Diluição 4 2,89 1,159 0,159 0,055 0,051 Diluição 5 2,61 1,169 0,169 0,065 0,060 (7% EG) C (g/dl) η r η sp η red η inh Solução mãe 6,34 1,303 0,303 0,048 0,042 Diluição 1 5,28 1,247 0,247 0,047 0,042 Diluição 2 4,53 1,211 0,211 0,046 0,042 Diluição 3 3,96 1,180 0,180 0,045 0,042 Diluição 4 3,51 1,160 0,160 0,045 0,042 Diluição 5 3,17 1,141 0,141 0,044 0,042 (20% EG) C (g/dl) η r η sp η red η inh Solução mãe 6,33 1,518 0,518 0,082 0,066 Diluição 1 5,27 1,422 0,422 0,080 0,067 Diluição 2 4,52 1,353 0,353 0,078 0,067 Diluição 3 3,96 1,305 0,305 0,077 0,067 Diluição 4 3,51 1,266 0,266 0,076 0,067 Diluição 5 3,17 1,236 0,236 0,074 0,067 (25% EG) C (g/dl) η r η sp η red η inh Solução mãe 6,03 1,338 0,338 0,056 0,048 Diluição 1 5,02 1,278 0,278 0,055 0,049 Diluição 2 4,31 1,235 0,235 0,055 0,049 Diluição 3 3,77 1,203 0,203 0,054 0,049 Diluição 4 3,35 1,177 0,177 0,053 0,049 Diluição 5 3,01 1,157 0,157 0,052 0,048 C= concentração; η r = viscosidade relativa; η sp = viscosidade específica; η red = viscosidade reduzida; η inh = viscosidade inerente; tempo de eluição do solvente t 0 = 52,04s 10119

5 Tabela 2. Dados experimentais para as soluções de THF (0% EG) C (g/dl) η r η sp η red η inh Solução mãe 6,39 1,399 0,399 0,062 0,052 Diluição 1 5,32 1,324 0,324 0,061 0,052 Diluição 2 4,56 1,272 0,272 0,060 0,052 Diluição 3 3,99 1,235 0,235 0,059 0,052 Diluição 4 3,55 1,202 0,202 0,057 0,052 Diluição 5 3,19 1,177 0,177 0,055 0,051 (7% EG) C (g/dl) η r η sp η red η inh Solução mãe 5,98 1,424 0,424 0,071 0,059 Diluição 1 4,98 1,345 0,345 0,069 0,059 Diluição 2 4,27 1,290 0,290 0,068 0,059 Diluição 3 3,74 1,250 0,250 0,067 0,059 Diluição 4 3,32 1,219 0,219 0,066 0,059 Diluição 5 2,99 1,195 0,195 0,065 0,059 (20% EG) C (g/dl) η r η sp η red η inh Solução mãe 6,19 1,731 0,731 0,118 0,089 Diluição 1 5,15 1,588 0,588 0,114 0,090 Diluição 2 4,42 1,487 0,487 0,110 0,090 Diluição 3 3,86 1,415 0,415 0,107 0,090 Diluição 4 3,43 1,366 0,366 0,106 0,091 Diluição 5 3,09 1,317 0,317 0,102 0,089 C= concentração; η r = viscosidade relativa; η sp = viscosidade específica; η red = viscosidade reduzida; η inh = viscosidade inerente; tempo de eluição do solvente t 0 = 125,11s. 0,2 log nsp ,8-0,6-0,4-0,2 0-0,2-0,4-0,6-0,8 0% EG 7% EG 20% EG 25% EG Linear (0% EG) Linear (20% EG) Linear (7% EG) Linear (25% EG) log C[n] -1 Figura 1. Relação entre log η sp e log c[η] obtido para soluções de isopropanol 10120

6 0,4 0,2 log n sp 0-0,8-0,7-0,6-0,5-0,4-0,3-0,2-0,1-0,2 0-0,4-0,6-0,8-1 log C[n] (0% EG) (7% EG) (20% EG) Linear ((0% EG)) Linear ((0% EG)) Linear ((7% EG)) Linear ((20% EG)) Figura 2. Relação entre log η sp e log c[η] obtido para as soluções de THF Huggins 0,09 0,08 0,07 n red 0,06 0,05 0,04 0, C (g/dl) 0% EG 7% EG 20% EG 25% EG Linear (0% EG) Linear (7% EG) Linear (20% EG) Linear (25% EG) Figura 3. Relação linear obtida pela Equação de Huggins para soluções de isopropanol 10121

7 Huggins 0,14 0,12 0,1 0,08 0,06 0,04 0, (0% EG) (7% EG) (20% EG) Linear ((0% EG)) Linear ((7% EG)) Linear ((20% EG)) Figura 4. Relação linear obtida pela Equação de Huggins para soluções de THF Tabela 3. Valores de viscosidade intrínseca calculada para todas as equações referentes às soluções de isopropanol Amostra [η] H [η] K [η] SB [η] SB [η] SC [η] DC (0% EG) 0,052 0,051 0,052 0,053 0,054 0,050 (7% EG) 0,040 0,042 0,041 0,042 0,042 0,044 (20% EG) 0,067 0,067 0,069 0,069 0,069 0,071 (25% EG) 0,049 0,049 0,049 0,049 0,049 0,047 Valores obtidos através da determinação por um único ponto

8 Tabela 4. Valores de viscosidade intrínseca calculada para todas as equações referentes às soluções de THF Amostra [η] H [η] K [η] SB [η] SB [η] SC [η] DC (0% EG) 0,052 0,052 0,053 0,052 0,054 0,049 (7% EG) 0,060 0,059 0,061 0,061 0,061 0,061 (20% EG) 0,087 0,090 0,091 0,093 0,093 0,094 Valores obtidos através da determinação por um único ponto. Tabela 5. Constantes viscosimétricas para as amostras diluídas em isopropanol Amostra K H K K K SB K H + K K (0% EG) 0, ,380 0,440 (7% EG) 0, ,593 0,750 (20% EG) 0, ,346 0,533 (25% EG) 0, ,413 0,499 Tabela 6. Constantes viscosimétricas para as amostras diluídas em THF Amostra K H K K K SB K H + K K (0% EG) 0, ,440 0,590 (7% EG) 0, ,380 0,500 (20% EG) 0, ,400 0,

9 Tabela 7. Diferenças percentuais ( %) obtidas para os valores de viscosidade intrínseca calculado por extrapolação gráfica, nas diluições em isopropanol Amostra K SB SB SC DC (0% EG) -1,92 0 1,92 3,85-3,85 (7% EG) 5,00 2,50 5,00 5,00 10,00 (20% EG) 0 2,99 2,99 2,99 5,97 (25% EG) ,08 Valores obtidos através da determinação por um único ponto. % = [100 ([η]/ [η] H )] 100 Tabela 8. Diferenças percentuais ( %) obtidas para os valores de viscosidade intrínseca calculado por extrapolação gráfica, nas diluições em THF Amostra K SB SB SC DC (0% EG) 0 1,92 0 3,84-5,76 (7% EG) -1,67 1,67 1,67 1,67 1,67 (20% EG) 3,44 4,59 6,89 6,89 8,04 Valores obtidos através da determinação por um único ponto. % = [100 ([η]/ [η] H )] De um modo geral, valores da constante de Huggins menores do que 0,5 e valores negativos da constante de Kraemer denotam bons solventes e valores de K H maiores do que 0,5 e valores positivos de K K indicam que o solvente não é bom. Quanto maior for o valor de viscosidade intrínseca, mais a cadeia macromolecular está estendida e melhor será o solvente [1,6,7]. Pode-se observar, pelos dados obtidos nas Tabelas 3 a 6, os solventes são equivalentes em termos de qualidade e que estão no limite entre o bom e o mau-solvente. A Tabela 3 mostra que os valores da viscosidade intrínseca calculados por ambos os métodos são bem próximos, o que pode ser confirmado pela diferença de 10124

10 valores percentuais baixa, observada na Tabela 7, com exceção para os valores obtidos através da Equação de Deb-Chantterjje (E). Já a Tabela 8, mostra valores semelhantes ao da Tabela 7, onde a Equação de Deb-Chantterjje (E) também apresenta valores percentuais um pouco mais altos que os demais. Os menores valores percentuais foram observados para as equações de Schulz-Blaschke o que sugere que ela seja a mais adequada para as determinações por um único ponto. Por extrapolação gráfica essa equação mostrou que o valor de K SB = 0,28, não se enquadra no sistema estudado. CONCLUSÕES O método de determinação da viscosidade intrínseca por um único ponto, mostrou-se apropriado para os copolímeros em bloco à base de poli(glicol propilênico) e poli(glicol etilênico), com diferentes percentuais de poli(glicol etilênico), tanto em isopropanol quanto em tetra-hidrofurano (THF), a 25 C. A equação de Schulz-Blaschke mostrou-se a mais apropriada tanto em isopropanol quanto em THF, por outro lado a equação de Deb-Chanterjee foi a que apresentou a maior variação percentual para os dois solventes estudados. Foi verificado que as constantes de Huggins obtidas para todas as amostras, em ambos os solventes, apresentaram valores equivalentes em termos de qualidade e que estão no limite entre o bom e o mau-solvente, indicando que, tanto o isopropanol quanto o THF são solventes ainda razoáveis para os copolímeros em bloco à base de poli(glicol propilênico) e poli(glicol etilênico), a 25 C. Esse resultado foi confirmado pelos valores iguais a zero da constante de Kraemer, que também indicam dissolução razoável, uma vez que valores negativos indicam bons solventes. Entretanto, comparando-se os valores de viscosidade intrínseca, pôde-se notar que o THF é ainda um melhor solvente para os copolímeros em bloco à base de poli(glicol propilênico) e poli(glicol etilênico) do que o THF, pois forneceu os maiores valores de viscosidade intrínseca, para todas as amostras, com exceção da amostras com 0% de EG, que se mostraram com valores iguais para ambos os solventes estudados. REFERÊNCIAS 1. Tager, A. Physical chemistry of polymers, Mir Publishers, Moscow (1972)

11 2. Oliveira, C. M. F.; Andrade, C. T.; Delpech, M. C. Properties of poly(methyl methacrylate-g-propylene oxide) in solution, Polymer Bulletin. 26 (1991) 657. Disponível em: acesso em: 17de março de Huggins, M. L. J. American Chemical Society. 64, p.2716 (1942) 4. Kraemer, E. O. Industry of engineer Chemistry, 30, p.1200 (1938) 5. Schulz, G. V; Blaschke, F. J. Prakt. Chem., 158, p.130 (1941) 6. Delpech, M. C.; Coutinho, F. M. B.; Habibe, M. E. S. Bisphenol A-based polycarbonates:characterization of commercial samples, Polymer Testing, 21, p.155 (2002). Disponível em: acesso em: 22 de julho de Delpech, M. C.; Coutinho, F. M. B.; Habibe, M. E. S. Viscosimetric study of ethylene-cyclic olefin copolymers, Polymer Testing, 21, p.411 (2002). Disponível em: acesso em: 21 de setembro de Schoff, C. K. Polymer Handbook, John Wiley and Sons Inc, New York (1999) 9. Abdel-Azim, A. A.; Atta, A. M.; Farahat, M. S.; Boutros, W. Y. Polymer, 39, p.6827 (1998). Disponível em: acesso em: 21 de setembro de Delpech, M. C., Oliveira C. M. F. Polymer Testing, 24 (2005), p Disponível em: acesso em: 25 de janeiro de Solomon, O.F.; Ciuta, I. Z. - J. Appl. Polym. Sci.; 6, p.683 (1962) 12. Deb P. C. and Chantterjee, S. R. Indian J. Appl. Chem.; 31, p.121 (1968) 10126

12 13. Khan, H. U.; Gupta, V. K.; Bhargava, G. S. Determination of intrinsic viscosity of high polymers through a single specific viscosity measurement, Polymer Community, 24, p.191 (1983). 14. Mello, I. L.; Delpech, M. C.; Coutinho, F. M. B.; Albino, F. F. M.; Santos, S. M. Viscosimetric Study of high-cis polybutadiene in cyclohexane solution at 30 C, Polymer Bulletin, 55, (2005). Disponível em: acesso em: 25 de janeiro de Mello, I. L.; Coutinho, F. M. B.; Delpech, M. C.;Albino, F. F. M.; Santos, S. M. Polibutadieno alto-cis: estudo viscosimétrico em tolueno e ciclo-hexano, Polímeros, Mar 2006, vol.16, no.1, p Disponível em: acesso em: 25 de janeiro de VISCOSIMETRIC STUDY OF BLOCK COPOLIMERS BASED ON POLY (GLICOL PROPYLENE) AND POLY (GLICOL ETHYLENE) ABSTRACT Viscosimetry is a simple and inexpensive experimental procedure, which can provide valuable information about polymer chains conformation in a solvent, in a given temperature. The viscosimetric parameters can be mathematically calculated by graphic extrapolation, which, however, demands long periods of time. On the other hand, it is possible to determine the parameters by employing a single point, which reduce the time of analysis. In this work, the two calculation methods were performed, using six equations. The systems consisted of solutions of block copolymers based on poly (glicol propylene) and poly (glicol ethylene), with different contents of poly (glicol ethylene) segment, employing isopropanol and tetrahydrofuran (THF) as solvents, at 25 C. The values of intrinsic viscosity and some constants which indicate the quality of solvent were determined. The single point calculation method was valid for the systems studied. Keywords: viscosimetry, single point determination, block copolymers, intrinsic viscosity

ESTUDO DO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE POLIETILENO DE ALTA MASSA MOLAR PROCESSADO COM PERÓXIDO DE DICUMILA

ESTUDO DO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE POLIETILENO DE ALTA MASSA MOLAR PROCESSADO COM PERÓXIDO DE DICUMILA ESTUDO DO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE POLIETILENO DE ALTA MASSA MOLAR PROCESSADO COM PERÓXIDO DE DICUMILA Marisa C G Rocha 1*, Lorena R C Moraes 1 (M), Jorge M Futigami 1, Nancy I A Acevedo 1 1 - Instituto

Leia mais

Determinação de Massas Moleculares de Polímeros

Determinação de Massas Moleculares de Polímeros Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos absolutos a) Massa molecular média em número - Análise de grupos terminais - Elevação ebulioscópica - Depressão crioscópica - Abaixamento da pressão de

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DE MISTURAS LÍQUIDAS BINÁRIAS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO CAPILAR DE CANNON-FENSKE

DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DE MISTURAS LÍQUIDAS BINÁRIAS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO CAPILAR DE CANNON-FENSKE REVISTA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DE MISTURAS LÍQUIDAS BINÁRIAS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO CAPILAR DE CANNON-FENSKE Daniel Tostes Oliveira Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

DEGRADAÇÃO DE POLICLOROPRENE POR PROCESSO FOTO-FENTO. ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO SOLVENTE

DEGRADAÇÃO DE POLICLOROPRENE POR PROCESSO FOTO-FENTO. ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO SOLVENTE DEGRADAÇÃO DE POLICLOROPRENE POR PROCESSO FOTO-FENTO. ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO SOLVENTE Adonilson R. Freitas, Adley F. Rubira, Edvani C. Muniz * GMPC Grupo de Materiais poliméricos e Compósitos Departamento

Leia mais

ANÁLISE DA ENERGIA NA DESCARGA POR BARREIRA DIELÉTRICA EM GÁS METANO

ANÁLISE DA ENERGIA NA DESCARGA POR BARREIRA DIELÉTRICA EM GÁS METANO ANÁLISE DA ENERGIA NA DESCARGA POR BARREIRA DIELÉTRICA EM GÁS METANO Janilo Pereira Saraiva*, Lucas Gurgel Praxedes*, Wilfredo Irrzabal Urruchi, Marcos Massi. Departamento de Física - ITA - CTA * Bolsista

Leia mais

ESTUDO DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA VARIÁVEL EM CILINDROS VAZADOS COM CONDIÇÕES DE CONTORNO DUPLAMENTE CONVECTIVAS

ESTUDO DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA VARIÁVEL EM CILINDROS VAZADOS COM CONDIÇÕES DE CONTORNO DUPLAMENTE CONVECTIVAS Proceedings of the 11 th Brazilian Congress of Thermal Sciences and Engineering -- ENCIT 006 Braz. Soc. of Mechanical Sciences and Engineering -- ABCM, Curitiba, Brazil, Dec. 5-8, 006 Paper CIT06-0346

Leia mais

1 Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO, Rio de Janeiro RJ; florenciogomes@uezo.rj.gov.br

1 Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO, Rio de Janeiro RJ; florenciogomes@uezo.rj.gov.br OBTENÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE COMPÓSITOS DE VERNIZ POLIÉSTER COM VERMICULITA ORGANOFÍLICA Bruno S. Andrade 1 (M), Elaine V. D. G. Líbano 1, Florêncio G. de Ramos Filho 1 *. 1 Fundação Centro Universitário

Leia mais

Metodologia para a Determinação da Correlação entre Tensão Superficial e Viscosidade Cinemática de Soluções Asfaltênicas em Solventes Polares

Metodologia para a Determinação da Correlação entre Tensão Superficial e Viscosidade Cinemática de Soluções Asfaltênicas em Solventes Polares Metodologia para a Determinação da Correlação entre Tensão Superficial e Viscosidade Cinemática de Soluções Asfaltênicas em Solventes Polares Roberto Rodrigues Coelho Bolsa PCI Antonio Rodrigues Campos

Leia mais

Análise de Tendências de Extremos para o Planalto Central

Análise de Tendências de Extremos para o Planalto Central Análise de Tendências de Extremos para o Planalto Central Luiz André R. dos Santos 1, Fábio Cunha Conde 1, Danielle Barros Ferreira 1, Andrea Malheiros Ramos 1 1 Instituto Nacional de Meteorologia INMET

Leia mais

EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA

EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA EFEITO DA EXPOSIÇÃO DA MADEIRA DE PUPUNHA A ÁGUA E A PRODUTOS QUÍMICOS: ANÁLISE TERMO- MECÂNICA Ana L. F. S. d Almeida 1, José R. M. d Almeida 2 * 1 Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Instituto de Química. Relatório referente á prática de condutividade de eletrólitos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Instituto de Química. Relatório referente á prática de condutividade de eletrólitos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Instituto de Química Relatório referente á prática de condutividade de eletrólitos Márcio Ferreira Porto Alegre, de março de 2001 Sumário: O estudo apresentado

Leia mais

INTRODUÇÃO. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.6, N.11; 2010 Pág. 1

INTRODUÇÃO. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.6, N.11; 2010 Pág. 1 ESTUDO DO COMPORTAMENTO TERMODINÂMICO DE PROPRIEDADES DO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR DA MISTURA TERNÁRIA ACETONA-METANOL- ÁGUA ATRAVÉS DE SIMULAÇÕES DO SEU PONTO DE ORVALHO José Izaquiel Santos da Silva,

Leia mais

PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS

PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO... PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS Adalberto Leandro Faxina Manoel Henrique Alba Sória

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB

ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB Brunela Bonatto Milli 1, Danielly Cristina Gripa 2, George Simonelli 3, Victor Matheus Alves 4 1. Graduada em Engenharia Química pela Faculdade

Leia mais

OS EFEITOS DA POLARIDADE DAS LIGAÇÕES NAS MOLÉCULAS ORGÂNICAS DOS HALOGENETOS DE ALQUILA

OS EFEITOS DA POLARIDADE DAS LIGAÇÕES NAS MOLÉCULAS ORGÂNICAS DOS HALOGENETOS DE ALQUILA OS EFEITOS DA POLARIDADE DAS LIGAÇÕES NAS MOLÉCULAS ORGÂNICAS DOS HALOGENETOS DE ALQUILA Natalia Soares Quinete Bolsista de Inic. Científica, Eng. Química, UFF Peter Rudolf Seidl Orientador, Químico industrial,

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE TiO 2 POR MEIO DA TÉCNICA DE ESPECTROSCOPIA DE LUMINESCÊNCIA

ESTUDO DO EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DE TiO 2 POR MEIO DA TÉCNICA DE ESPECTROSCOPIA DE LUMINESCÊNCIA ESTUD D EFEIT D TRATAMENT TÉRMIC DE Ti 2 PR MEI DA TÉCNICA DE ESPECTRSCPIA DE LUMINESCÊNCIA Rafael Inocêncio de Andrade Bitencourt * IC, Deborah Dibbern Brunelli PQ Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell).

Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell). Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell). Oscar José Smiderle 1 ; Moises Mourão Jr 1 ; Francisco Joaci de Freitas Luz 1. 1 Pesquisador Embrapa Roraima CP 133 CEP 691-97 Boa Vista

Leia mais

ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA

ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA R. DIAS 1, L. A. DA COSTA 1, R.A.F. MACHADO 1, J. WILMSEN 1, T. CZIZEWESKI 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Química

Leia mais

DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM A equação de equilíbrio, para o problema elastodinâmico, é:

DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM A equação de equilíbrio, para o problema elastodinâmico, é: DIFERENÇA FINITA DE QUARTA ORDEM PARA INTEGRAÇÃO EXPLÍCITA NO DOMÍNIO DO TEMPO DE PROBLEMAS ELASTODINÂMICOS L. A. Souza 1 e C. A. Moura 2 1 Instituto Politécnico / UERJ Caixa Postal 97282 28601-970 Nova

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 1 ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA W.A. Lehmkuhl, T.S. Possamai, D.S. Weber, V. Fornazieri, V.P. Nicolau Universidade Federal de Santa Catarina / Campus

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX G. S. Machado 1, M. L. N. M. Melo 1, C. A. Rodrigues 1. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá gustavosouza_unifei@yahoo.com.br

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

ELECTRONIC SUPPLEMENTARY INFORMATION

ELECTRONIC SUPPLEMENTARY INFORMATION Electronic Supplementary Material (ESI) for Physical Chemistry Chemical Physics. This journal is the Owner Societies 2014 ELECTRONIC SUPPLEMENTARY INFORMATION The effect of the cation alkyl chain branching

Leia mais

ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL DE IOGURTE NATURAL COM POLPA DE ABACAXI BASE MEL

ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL DE IOGURTE NATURAL COM POLPA DE ABACAXI BASE MEL ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL DE IOGURTE NATURAL COM POLPA DE ABACAXI BASE MEL Francisca Clara Pereira FERREIRA 1, Yaroslávia Ferreira PAIVA 1, Roana Beatriz Carvalho Braga de ALMEIDA 1, Ângela Regina

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO Diego Rodrigo Queiroz Alves de Souza 1 ; Leandro Assis de Oliveira 2 ; Gabriela Fontes Deiró Ferreira 3

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA.

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. Mello, Roberta Monteiro de (1) ; Oliveira, Amando Alves de (1)

Leia mais

Determinação de Material Orgânica no Solo por Espectrometria no Visível

Determinação de Material Orgânica no Solo por Espectrometria no Visível REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO I EDIÇÃO NÚMERO 2 DEZEMBRO DE 2002 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação. Por. Ana Margarida Nisa Vintém

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação. Por. Ana Margarida Nisa Vintém UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação Relatório de estágio apresentado à Universidade Católica Portuguesa para obtenção do

Leia mais

As propriedades coligativas não dependem da natureza química do soluto, mas apenas do número de partículas do soluto presente em relação ao total.

As propriedades coligativas não dependem da natureza química do soluto, mas apenas do número de partículas do soluto presente em relação ao total. ula: 17 Temática: Propriedades Coligativas das Soluções s propriedades coligativas não dependem da natureza química do soluto, mas apenas do número de partículas do soluto presente em relação ao total.

Leia mais

ESTUDO DO DESEMPENHO DE EMBALAGENS METÁLICAS PARA ACONDICIONAMENTO DE CAFÉ SOLÚVEL

ESTUDO DO DESEMPENHO DE EMBALAGENS METÁLICAS PARA ACONDICIONAMENTO DE CAFÉ SOLÚVEL Industrialização ESTUDO DO DESEMPENHO DE EMBALAGENS METÁLICAS PARA ACONDICIONAMENTO DE CAFÉ SOLÚVEL Sílvia Tondella DANTAS - ITAL/CETEA, e-mail: silviatd@ital.org.br Jozeti A. Barbutti GATTI - ITAL/CETEA

Leia mais

METODOLOGIA DE MONITORAÇÃO DO PONTO H NO PROCESSO DE MONTAGEM DE BANCOS DE PASSAGEIRO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

METODOLOGIA DE MONITORAÇÃO DO PONTO H NO PROCESSO DE MONTAGEM DE BANCOS DE PASSAGEIRO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA METODOLOGIA DE MONITORAÇÃO DO PONTO H NO PROCESSO DE MONTAGEM DE BANCOS DE PASSAGEIRO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Cyro Alves Borges Junior, DSc UERJ - Departamento de Engenharia Mecânica, Rua São Francisco

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DE CONTROLE NA GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS SUJEITOS A PICOS DE DEMANDA

APLICAÇÃO DA TEORIA DE CONTROLE NA GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS SUJEITOS A PICOS DE DEMANDA APLICAÇÃO DA TEORIA DE CONTROLE NA GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS SUJEITOS A PICOS DE DEMANDA Ricardo Ferrari Pacheco Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós Graduação em Engenharia

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA MORGANA MARTINS

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA MORGANA MARTINS UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA MORGANA MARTINS O EFEITO DO EXERCICIO FISICO SOBRE AS ENZIMAS ANTIOXIDANTES PLASMÁTICAS EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE SINDROME DE DOWN Tubarão 2007 MORGANA MARTINS O

Leia mais

Viscosimetria de soluções diluídas. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Viscosimetria de soluções diluídas. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br de soluções diluídas Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br Viscosidade em líquidos * A viscosidade pode ser descrita como sendo a resistência que o fluido impõe

Leia mais

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP Maria Cecilia Manoel Universidade de São Paulo maria.manoel@usp.br Emerson

Leia mais

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Agradecimentos Um trabalho destes só é possível com a colaboração, participação e esforço conjugado de um elevado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

Palavras-chave: Carbeto de silício; Porosidade; Processamento digital de imagens, método de Arquimedes.

Palavras-chave: Carbeto de silício; Porosidade; Processamento digital de imagens, método de Arquimedes. MEDIDA DE POROSIDADE EM SIC ATRAVÉS DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Vinicio C. da Silva 1* (D), Marília G. Diniz 1, José B. de Campos 1 e Celio A. Costa Neto 2 1 - Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

COMPARAÇÃO DE SONDAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE DA CANA EM DUAS SAFRAS SAMPLES PROBES COMPARISON FOR SUGARCANE ANALYSIS ON TWO SEASON

COMPARAÇÃO DE SONDAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE DA CANA EM DUAS SAFRAS SAMPLES PROBES COMPARISON FOR SUGARCANE ANALYSIS ON TWO SEASON COMPARAÇÃO DE SONDAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE DA CANA EM DUAS SAFRAS SAMPLES PROBES COMPARISON FOR SUGARCANE ANALYSIS ON TWO SEASON Leonardo Lucas Madaleno (1) Reginaldo Soares Santos (2) Juliana Freire

Leia mais

A VISCOSIDADE DE ÓLEO CRU

A VISCOSIDADE DE ÓLEO CRU 4 o PDPETRO, Campinas, SP 3.1.0174-1 1 A VISCOSIDADE DE ÓLEO CRU Andreia Amaro de Lima (UFRJ) 1, Marco Antonio Farah (PETROBRAS) 2, Krishnaswamy Rajagopal (UFRJ) 1, 1 Laboratório de Propriedades do Petróleo,

Leia mais

MONITORAMENTO DA EXPANSÃO DE POLIURETANAS POR TÉCNICAS DE ANÁLISE DE IMAGEM

MONITORAMENTO DA EXPANSÃO DE POLIURETANAS POR TÉCNICAS DE ANÁLISE DE IMAGEM MONITORAMENTO DA EXPANSÃO DE POLIURETANAS POR TÉCNICAS DE ANÁLISE DE IMAGEM E. T. S. ALVES 1, G. B. RODRIGUEZ 2, M. K. LENZI 2, P. H. H. ARAÚJO 1, M. C. B. COSTA 3, R. A. IHABUINSKI 2, L. F. L. LUZ Jr.

Leia mais

PARÂMETROS DE INFLUÊNCIA NA ESTABILIDADE DO DOSÍMETRO FRICKE

PARÂMETROS DE INFLUÊNCIA NA ESTABILIDADE DO DOSÍMETRO FRICKE IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR PARÂMETROS DE INFLUÊNCIA

Leia mais

Micro-ambientes marítimos: método para sua definição. Marítime microenvironment: method for its definition

Micro-ambientes marítimos: método para sua definição. Marítime microenvironment: method for its definition Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.12, p.93-99, Outubro, 2008 Micro-ambientes marítimos: método para sua definição Marítime microenvironment: method for its definition Sônia S. F. Bretanha 1 & André

Leia mais

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Maria Angélica Araújo Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação

Leia mais

PROBLEMAS RELACIONADOS A MÁQUINAS ROTATIVAS

PROBLEMAS RELACIONADOS A MÁQUINAS ROTATIVAS PROBLEMAS RELACIONADOS A MÁQUINAS ROTATIVAS BERTON JR, J.; ROBERTO, S. B. RESUMO A presente pesquisa consiste no estudo dos problemas do comportamento de máquinas rotativas, tendo em vista a grande utilização

Leia mais

PERFIL DE ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CICLO II A RESPEITO DO USO DE RECURSOS DE INFORMÁTICA PELO PROFESSOR PARA AUXÍLIO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO

PERFIL DE ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CICLO II A RESPEITO DO USO DE RECURSOS DE INFORMÁTICA PELO PROFESSOR PARA AUXÍLIO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

EMENTA DA DISCIPLINA

EMENTA DA DISCIPLINA X Química Analítica QUI04-09501 Introdução ao Laboratório de Química 30 01 Analítica TEÓRICA LABORATÓRIO 02 30 TOTAL 02 30 11) CO-REQUISITO 12) CÓDIGO Ao final da disciplina o aluno deverá ser capaz de

Leia mais

SÍNTESE DE POLI(METACRILATO DE METILA) GEL VIA ATRP UTILIZANDO O MÉTODO CORE-FIRST

SÍNTESE DE POLI(METACRILATO DE METILA) GEL VIA ATRP UTILIZANDO O MÉTODO CORE-FIRST SÍNTESE DE PLI(METACRILAT DE METILA) GEL VIA ATRP UTILIZAND MÉTD CRE-FIRST Marcos R. Mauricio 1, Gizilene M. de Carvalho 1, Adley F. Rubira 1* 1* Universidade Estadual de Maringá/ Departamento de Química/

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DO CONTROLE PROPORCIONAL DA TEMPERATURA DO PROCESSO CONTÍNUO DE NITRAÇÃO DA CELULOSE

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DO CONTROLE PROPORCIONAL DA TEMPERATURA DO PROCESSO CONTÍNUO DE NITRAÇÃO DA CELULOSE MELAGEM E IMULAÇÃ CNRLE RRCINAL A EMERAURA RCE CNÍNU E NIRAÇÃ A CELULE Aline Cardoso Anastácio 1, Luiz Carlos de Queiroz 1, Escola de Engenharia de Lorena-Universidade de ão aulo/epartamento de Engenharia

Leia mais

ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL

ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL ESTUDO TERMOGRAVIMÉTRICO DA POLIACRILONITRILA COM O PLASTIFICANTE GLICEROL Carlos A. R. Brito Júnior 1*, Luiz C. Pardini 2, Nilton P. Alves 3, Robson R. Fleming 1 1 Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Métodos de determinação da Massa Molecular

Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos absolutos a) Massa molecular média em número - Análise de grupos terminais - Elevação ebulioscópica - Depressão crioscópica - Abaixamento da pressão de

Leia mais

Utilização do método de viscometria para determinação da massa molecular de asfaltenos

Utilização do método de viscometria para determinação da massa molecular de asfaltenos Utilização do método de viscometria para determinação da massa molecular de asfaltenos Luciano Dyballa Estagiário, Engenharia Química, UFRJ Ian Hovell Orientador, Engenheiro Químico, Ph. D. Roberto Rodrigues

Leia mais

Palavras-chave: Queima de carbono, Coeficiente de difusão, Mecanismos de controle da combustão

Palavras-chave: Queima de carbono, Coeficiente de difusão, Mecanismos de controle da combustão MÉTODO ALTERNATIVO PARA DETERMINAR O COEFICIENTE DE DIFUSÃO DE E O SEU USO PARA DETERMINAR O MECANISMO DE CONTROLE DA QUEIMA DE CARBONO Francisco José dos Santos UNESP-IGCE-Departamento de Física Cx.P.178-135-

Leia mais

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: REDES NEURAIS APLICADAS EM INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS DE FABRICAÇÃO DE FIBRAS DE POLIÉSTER. AUTORES: Lívia Maciel

Leia mais

In ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA DETERMINAÇÃO DA RAZÃO DA MISTURA ÁLCOOL-GASOLINA POR SENSORIAMENTO ÓPTICO

In ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA DETERMINAÇÃO DA RAZÃO DA MISTURA ÁLCOOL-GASOLINA POR SENSORIAMENTO ÓPTICO 4 o PDPETRO, Campinas, SP 4.4.0464 1 In ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA DETERMINAÇÃO DA RAZÃO DA MISTURA ÁLCOOL-GASOLINA POR SENSORIAMENTO ÓPTICO Rafael T. Takeishi 1, Edmilton Gusken, Henrique

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES MICROBIOLÓGICAS EM UMA PIZZARIA SITUADA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: um estudo de caso.

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES MICROBIOLÓGICAS EM UMA PIZZARIA SITUADA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: um estudo de caso. AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES MICROBIOLÓGICAS EM UMA PIZZARIA SITUADA NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: um estudo de caso. N.O.C. Teixeira 1, E.A.S. Rissato 2 1-Instituto Federal do Triângulo Mineiro Campus Uberlândia,

Leia mais

Improvements on attendance system of an worker s agency in Ponta Grossa PR through the study of sizing the number of attending cashiers

Improvements on attendance system of an worker s agency in Ponta Grossa PR through the study of sizing the number of attending cashiers Melhorias no sistema de atendimento de uma agencia do trabalhador da cidade de Ponta Grossa-PR através do estudo de dimensionamento do número de caixas de atendimento Gabriela Maurien Rodrigues UTFPR PG)

Leia mais

Introdução à Reologia

Introdução à Reologia Introdução à Reologia O que é Reologia? η Faixa do Comportamento Reológico dos Materiais Reologia: O estudo das deformações e fluxo da matéria. Faixa de comportamento dos materiais Sólido ---------Líquido

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS IX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - Iniciação Científica 03 a 06 de julho de 2011 Maringá, Paraná, Brasil PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS MIRANDA

Leia mais

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA Edgar Della Giustina (1) (edgar.giustina@pr.senai.br), Luis Carlos Machado (2) (luis.machado@pr.senai.br) (1) Faculdade de Tecnologia

Leia mais

ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR

ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR ANÁLISE DA PRESENÇA DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS ÁGUA DO LAGO IGAPÓ DO MUNICÍPIO DE LONDRINA- PR VENANCIO, M. M 1.; FIORI, B. C 1.; DA SILVA, C. V 2. 1 Acadêmicas do Curso de Ciências Biológicas da Faculdade

Leia mais

Aplicação de algoritmos genéticos para ajuste de modelos regressores não lineares com grande número de parâmetros 1. Introdução

Aplicação de algoritmos genéticos para ajuste de modelos regressores não lineares com grande número de parâmetros 1. Introdução 15 Aplicação de algoritmos genéticos para ajuste de modelos regressores não lineares com grande número de parâmetros 1 Kamila Lacerda de Almeida 2, Mariana Tito Teixeira 3, Roney Alves da Rocha 4 Resumo:

Leia mais

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Mansani Silva Gomes, Fernanda; Barbosa Matos, Danielle; de O. Correia, Bárbara Meirelle; Silva, Gabriel Francisco da; Almeida

Leia mais

MODELAGEM DAS CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DE SENSORES INDUTIVOS

MODELAGEM DAS CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DE SENSORES INDUTIVOS MODELAGEM DAS CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DE SENSORES INDUTIVOS MODELING OF GEOMETRIC CHARACTERISTICS OF INDUCTIVE SENSORS Chatrean José Kedrovski Júnior¹; Diego Rodigheri Melek 2 ; Wyllyan Valentim Leal

Leia mais

MARIA LUZIA MENDES ANGELINI REDUÇÃO DE IMPACTOS AOS INDICADORES DE QUALIDADE DE UMA EMPRESA ALIMENTÍCIA

MARIA LUZIA MENDES ANGELINI REDUÇÃO DE IMPACTOS AOS INDICADORES DE QUALIDADE DE UMA EMPRESA ALIMENTÍCIA MARIA LUZIA MENDES ANGELINI REDUÇÃO DE IMPACTOS AOS INDICADORES DE QUALIDADE DE UMA EMPRESA ALIMENTÍCIA Poços de Caldas / MG 2014 MARIA LUZIA MENDES ANGELINI REDUÇÃO DE IMPACTOS AOS INDICADORES DE QUALIDADE

Leia mais

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA JULIANA S. ZANINI 1, VALÉRIA D. A. ANJOS 2, LUCIANO ARMILIATO 3, ERNESTO QUAST 4 N o 10229 Resumo Neste

Leia mais

SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA

SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA SISTEMAS COM AMORTECIMENTO NÃO-PROPORCIONAL NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA Zacarias Martin Chamberlain Pravia Professor - Faculdade de Engenharia e Arquitetura - Universidade de Passo Fundo/UFP zacarias@upf.br

Leia mais

Resumos do V CBA - Outras temáticas

Resumos do V CBA - Outras temáticas Cálculo da área de floresta necessária para mitigar o impacto ambiental de uma indústria gráfica: comparação entre a metodologia emergética e a análise de energia bruta Forest area calculation to mitigate

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE FLUIDOS NÃO NEWTONIANOS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO DE STORMER

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE FLUIDOS NÃO NEWTONIANOS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO DE STORMER Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE FLUIDOS NÃO NEWTONIANOS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO DE STORMER CATEGORIA:

Leia mais

Reciclagem de latas de alumínio usando fusão em forno elétrico à indução

Reciclagem de latas de alumínio usando fusão em forno elétrico à indução Estudos tecnológicos - Vol. 3, n 1:01-11 (Jan/Jun 2007) ISSN 1808-7310 Reciclagem de latas de alumínio usando fusão em forno elétrico à indução Guilherme Ourique Verran Dr., Professor do Departamento de

Leia mais

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água V Fórum Regional de Agroecologia e VIII Semana do Meio Ambiente Pensar Globalmente, Agir localmente e utilizar ecologicamente 08 a 10 de novembro de 2012 Patogenesia de Rhus toxicodendron na água MARIANE

Leia mais

Serão os resultados iguais? Comparação E-OBS vs SPAIN02

Serão os resultados iguais? Comparação E-OBS vs SPAIN02 Serão os resultados iguais? Comparação E-OBS vs SPAIN02 M. J. Carvalho, J. Teixeira and A. Rocha CESAM Centro de Estudos do Ambiente e do Mar Physics Department University of Aveiro Correspond to: mariajcarvalho@ua.pt

Leia mais

Realizando a sua avaliação utilizando-se materiais de referência certificados

Realizando a sua avaliação utilizando-se materiais de referência certificados Realizando a sua avaliação utilizando-se materiais de referência certificados Foram medidos dois materiais de referência certificados (MRCs) do Laboratório de Fluidos do Inmetro (LAFLU/Inmetro), nas temperaturas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS VISANDO O APRENDIZADO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS VISANDO O APRENDIZADO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS VISANDO O APRENDIZADO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR Patrícia Oliveira de Souza Escola de Engenharia Industrial e Metalúrgica de Volta Redonda da UFF Av. dos Trabalhadores

Leia mais

SISTEMA PARA OTIMIZAR O ATENDIMENTO DE ENCOMENDAS EM FÁBRICAS PROCESSADORAS DE CASTANHA DE CAJU

SISTEMA PARA OTIMIZAR O ATENDIMENTO DE ENCOMENDAS EM FÁBRICAS PROCESSADORAS DE CASTANHA DE CAJU SISTEMA PARA OTIMIZAR O ATENDIMENTO DE ENCOMENDAS EM FÁBRICAS PROCESSADORAS DE CASTANHA DE CAJU Autor(es) Pedro F. Adeodato de Paula Pessoa E-mail: pedro@cnpat.embrapa.br Vínculo: Centro Nacional de Pesquisa

Leia mais

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante.

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante. Cultivando o Saber 195 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 Avaliação do potencial antioxidante do extrato obtido a partir da beterraba

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL E BURNOUT EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ

ESTRESSE OCUPACIONAL E BURNOUT EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ - FRANCINE MILENE ROMÃO ESTRESSE OCUPACIONAL E BURNOUT EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ I t a j a í / SC 2009 FRANCINE MILENE

Leia mais

Determinação da Relação Entre a Pressão de Vapor e a Temperatura

Determinação da Relação Entre a Pressão de Vapor e a Temperatura Determinação da Relação Entre a Pressão de Vapor e a Temperatura Flávio Faccin, Pablo Ricardo Barrera, Paulo Cezar dos Santos QUI03319 - Físico-Química Experimental I - Grupo 62 UFRGS - Universidade Federal

Leia mais

Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025.

Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025. Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025. Computational development tool for equipament control according to ISO/IEC 17025. Heloisa de Campos

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA LINHA D ÁGUA EM UMA SEÇÃO DE TRANSIÇÃO DE UM CANAL COM MOVIMENTO GRADUALMENTE VARIADO, EM FUNÇÃO DA DECLIVIDADE DOS TALUDES. Rejane

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS Maurício Bagueira de Vasconcellos Azeredo Laboratórios

Leia mais

Viabilidade da Geração Própria de Energia Elétrica em Unidades de Beneficiamento de Madeira de Pequeno Porte

Viabilidade da Geração Própria de Energia Elétrica em Unidades de Beneficiamento de Madeira de Pequeno Porte Scientific Electronic Archives Volume 5 p. 57-62 2014 Viabilidade da Geração Própria de Energia Elétrica em Unidades de Beneficiamento de Madeira de Pequeno Porte Availability of Own Electricity Generation

Leia mais

MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I

MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I Iraci Martínez Pereira Gonçalves *, Sergio Ricardo Pereira Perillo * Rubson Pereira da

Leia mais

Modelagem Matemática e Interdisciplinaridade como Estratégia de Aprendizado Significativo: Solução de um Circuito em série RLC.

Modelagem Matemática e Interdisciplinaridade como Estratégia de Aprendizado Significativo: Solução de um Circuito em série RLC. [~][/~][~][/~][~] [/~][~] [/~] Modelagem Matemática e Interdisciplinaridade como Estratégia de Aprendizado Significativo: Solução de um Circuito em série RLC. Ramos, G. B. G.; Gonzaga, B.R. Coordenadoria

Leia mais

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO RESFRIAMENTO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS EM AERONAVES

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO RESFRIAMENTO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS EM AERONAVES SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO RESFRIAMENTO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS EM AERONAVES Rafael Bernardo Cardoso de Mello IC rafael@redecasd.ita.br Divisão de Engenharia Aeronáutica Cláudia Regina de Andrade PQ - claudia@mec.ita.br

Leia mais

ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS

ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS SANTOS A.R.L. (1), SILVA F.S. (1), FREITAS B.M. (2), TAVARES D.Y.S. (3), MARTINS M. M. (1) PEREIRA W.W. (1)

Leia mais

Manual de Docência para a Disciplina de Análise Matemática II

Manual de Docência para a Disciplina de Análise Matemática II Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciência e Tecnologia Manual de Docência para a Disciplina de Análise Matemática II Número de horas do programa: 90 horas Número de horas semanal: 6 horas Número

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE MANUFATURA CELULAR NAS EMPRESAS DA REGIÃO DE PIRACICABA/SP

UM ESTUDO SOBRE AS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE MANUFATURA CELULAR NAS EMPRESAS DA REGIÃO DE PIRACICABA/SP UM ESTUDO SOBRE AS CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE MANUFATURA CELULAR NAS EMPRESAS DA REGIÃO DE PIRACICABA/SP Nelson Carvalho Maestrelli Universidade Metodista de Piracicaba, Faculdade de Engenharia Mecânica

Leia mais

Paulo Eduardo Silva Martins¹, Marília Moura de Salles Pupo², Nailson Lima Santos¹, Elcides Rodrigues da Silva¹, Marco Antônio Franco Lemos Filho¹

Paulo Eduardo Silva Martins¹, Marília Moura de Salles Pupo², Nailson Lima Santos¹, Elcides Rodrigues da Silva¹, Marco Antônio Franco Lemos Filho¹ AVALIAÇÃO DOS MODELOS DE NRTL E RAOULT UTILIZANDO DADOS EXPERIMENTAIS DE EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR DE COMPOSTO BINÁRIO ÁLCOOL ALÍLICO E ACETONITRILA SOB DIFERENTES TEMPERATURAS Paulo Eduardo Silva Martins¹,

Leia mais

PROJETO DE ESTABILIZADORES DE SISTEMAS DE POTÊNCIA POR POSICIONAMENTO PARCIAL DE PAR DE PÓLOS COMPLEXOS CONJUGADOS

PROJETO DE ESTABILIZADORES DE SISTEMAS DE POTÊNCIA POR POSICIONAMENTO PARCIAL DE PAR DE PÓLOS COMPLEXOS CONJUGADOS PROJETO DE ESTABILIZADORES DE SISTEMAS DE POTÊNCIA POR POSICIONAMENTO PARCIAL DE PAR DE PÓLOS COMPLEXOS CONJUGADOS CARLOS HENRIQUE COSTA GUIMARÃES GLAUCO NERY TARANTO SERGIO GOMES JR. NELSON MARTINS COPPE/UFRJ

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014. Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU)

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014. Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU) 1 XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU) MODELO DE INDICADORES PARA A BIBLIOTECA FCA/UNICAMP Modalidade da apresentação:

Leia mais

Indicadores de desempenho essenciais para projetos

Indicadores de desempenho essenciais para projetos Indicadores de desempenho essenciais para projetos Sérgio Fernando, SCJA, PMP Gerente de Projetos Memora Processos Inovadores Ltda Distrito Federal, Brasil E-mail: sergio.muniz@memora.com.br RESUMO Como

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E TESTES EXPERIMENTAIS DE UMA TRAÇADO- RA GRÁFICA COMPUTADORIZADA PARA DESENHO SOBRE SUPERFÍ- CIE VERTICAL : NOVOS RESULTADOS

DESENVOLVIMENTO E TESTES EXPERIMENTAIS DE UMA TRAÇADO- RA GRÁFICA COMPUTADORIZADA PARA DESENHO SOBRE SUPERFÍ- CIE VERTICAL : NOVOS RESULTADOS DESENVOLVIMENTO E TESTES EXPERIMENTAIS DE UMA TRAÇADO- RA GRÁFICA COMPUTADORIZADA PARA DESENHO SOBRE SUPERFÍ- CIE VERTICAL : NOVOS RESULTADOS Jorge Luiz Fontanella Universidade Católica de Petrópolis Rua

Leia mais

Aula 4 PROPRIEDADES COLIGATIVAS. Glauber Silva Godoi

Aula 4 PROPRIEDADES COLIGATIVAS. Glauber Silva Godoi Aula 4 PROPRIEDADES COLIGATIVAS META Transmitir para o aluno o conceito de propriedades coligativas e suas aplicações. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: entender o significado do termo propriedades

Leia mais

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA JOÃO RAFAEL FREITAS DA SILVA INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

Leia mais

VARIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DO ARROZ DE TERRAS ALTAS INFLUENCIADOS PELA SECA METEOROLOGICA EM GOIÁS

VARIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DO ARROZ DE TERRAS ALTAS INFLUENCIADOS PELA SECA METEOROLOGICA EM GOIÁS VARIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DO ARROZ DE TERRAS ALTAS INFLUENCIADOS PELA SECA METEOROLOGICA EM GOIÁS Kathleen L. FERNANDES 1,2, Diego S. FERNANDES 1,3, Alexandre B. HEINEMANN 4 1 UEG UnU Palmeiras de Goiás

Leia mais

Thiago Rezende Pinto. Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Thiago Rezende Pinto. Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Thiago Rezende Pinto Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Programa de Pósgraduação em Engenharia

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA TOSCANA ADICIONADA DE EXTRATO DE PRÓPOLIS

ELABORAÇÃO E ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA TOSCANA ADICIONADA DE EXTRATO DE PRÓPOLIS ELABORAÇÃO E ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA TOSCANA ADICIONADA DE EXTRATO DE PRÓPOLIS V.B. Viera 1, N. Piovesan 1, K.I.B. Moro 1, A.S. Rodrigues 1, G. Scapin 1, E. H. Kubota 1 1 Departamento de Pós-Graduação

Leia mais

Análise da incorporação do gerenciamento de riscos em projetos de delineamento de experimentos

Análise da incorporação do gerenciamento de riscos em projetos de delineamento de experimentos Análise da incorporação do gerenciamento de riscos em projetos de delineamento de Eduardo da Silva Oliveira (Unifei) edu@yahoo.com.br Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. (Unifei) sanches@unifei.edu.br

Leia mais