PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS"

Transcrição

1 PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO... PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO PERMANENTE DE LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS Adalberto Leandro Faxina Manoel Henrique Alba Sória Glauco Tulio Pessa Fabbri Departamento de Transportes, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, Paula Ana Furlan Departamento de Transportes, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, Leni Figueiredo Mathias Leite Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo A. M. de Mello (Cenpes-Petrobras-PDAB-LPE), Rio de Janeiro, Resumo Os objetivos desta pesquisa são () avaliar os efeitos da borracha moída e do resíduo de óleo de xisto sobre propriedades reológicas de ligantes asfálticos virgens nas temperaturas de ocorrência de deformação permanente e () avaliar como a temperatura influencia os efeitos dos componentes. Os efeitos das proporções de borracha e de óleo resultaram antagônicos. A borracha tende a aumentar os valores de G*, η* e G*/senδ e a reduzir os valores de δ, enquanto o óleo tende a reduzir G*, η* e G*/senδ e a aumentar δ. O aumento da temperatura destaca o efeito positivo da borracha e reduz o efeito negativo do óleo sobre a rigidez e a elasticidade. Superfícies de respostas indicam as proporções ideais de asfalto, borracha e óleo para a formulação de ligantes asfalto-borracha que atendam ao parâmetro de deformação permanente da especificação Superpave (G*/senδ). Palavras-chave: propriedades reológicas, deformação permanente, ligante asfalto-borracha, resíduo de óleo de xisto, experimentos com misturas, superfície de resposta. Introdução A modificação de ligantes asfálticos com borracha moída proporciona um produto com maior rigidez e maior elasticidade. Tais alterações das propriedades reológicas se refletem no aumento da parcela de resistência à deformação permanente das misturas asfálticas atribuída ao ligante asfáltico. São obtidos materiais com desempenho superior nas temperaturas associadas à deformação permanente, mas a trabalhabilidade normalmente é prejudicada. A melhoria do desempenho do ligante asfáltico está diretamente relacionada à concentração de borracha moída, mas somente até um dado valor, já que a viscosidade nas temperaturas de mistura e compactação pode atingir níveis impraticáveis. A adição de óleos aromáticos ao ligante asfáltico é uma alternativa para reduzir a viscosidade durante as operações de usinagem e de compactação, melhorando a trabalhabilidade. Por outro lado, os óleos aromáticos reduzem a consistência do ligante asfáltico à temperatura ambiente, prejudicando sua qualidade e reduzindo o desempenho das misturas asfálticas. Embora os óleos aromáticos sejam voláteis, apenas uma pequena porção volatiliza durante as operações de construção e durante a vida útil da camada asfáltica. A seleção de proporções adequadas de óleo extensor é crucial na obtenção de asfaltos-borracha de boa qualidade para uso em pavimentação. Por ser um óleo aromático, o resíduo de óleo de xisto pode atuar como óleo extensor. Entretanto, deve ser adicionado em proporções adequadas, dependendo da concentração de borracha e da consistência do ligante asfáltico de base, a fim de produzir asfaltos-borracha que

2 FAXINA et al. assegurem a combinação de trabalhabilidade e bom comportamento mecânico. Sob essa ótica, o problema da adição de óleos extensores ao ligante asfáltico se reduz a um problema típico de dosagem. Nesta pesquisa, apenas as propriedades reológicas fundamentais de ligantes asfálticos virgens, relacionadas à deformação permanente, foram usadas para avaliar a viabilidade técnica do uso desse óleo como óleo extensor em ligantes asfalto-borracha. Para abordar o problema, foi utilizada a técnica estatística de experimentos com misturas (Cornell, ), considerando restrições nas proporções dos componentes (ligante asfáltico, borracha moída e resíduo de óleo de xisto) e variáveis de processo (temperatura e tempo de processamento). Com base nos modelos de regressão, foram feitas análises de efeitos dos componentes e de superfícies de resposta utilizando um pacote estatístico comercial. Ligantes asfálticos virgens foram submetidos a ensaios em regime oscilatório de cisalhamento, em um reômetro de tensão controlada, em que foram obtidos valores de módulo complexo (G*), ângulo de fase (δ) e viscosidade complexa (η*) e calculados os valores do parâmetro de deformação permanente G*/senδ, nas temperaturas de,,, 7, 7 e C. Os efeitos da borracha moída e do resíduo de óleo de xisto foram avaliados e proporções adequadas de modificadores foram selecionadas, com base no limite da especificação Superpave para G*/senδ. Complementarmente, avaliou-se o quanto a temperatura de ensaio afeta o efeito dos componentes sobre as propriedades avaliadas. Objetivos Os objetivos desta pesquisa são (a) monitorar as propriedades viscoelásticas de ligantes asfalto-borracha modificados com resíduo de óleo de xisto, no espectro de temperaturas em que deformações permanentes podem ocorrer em pavimentos asfálticos, (b) obter regressões estatísticas dos efeitos dos componentes (ligante asfáltico, borracha moída e resíduo de óleo de xisto) e das variáveis de processo (temperatura e tempo de processamento) e, com base nos modelos ajustados, (c) avaliar os efeitos dos componentes sobre as propriedades viscoelásticas dos ligantes asfálticos, (d) definir limites para as proporções dos componentes visando compor asfaltos-borracha cujas propriedades atendam ao requisito da especificação Superpave relativo ao parâmetro de deformação permanente e (e) entender como a temperatura de ensaio influencia os efeitos dos componentes. Delineamento do Experimento Os ligantes asfálticos avaliados foram selecionados com base em um experimento delineado por meio da técnica estatística de experimentos com misturas (Cornell, ), com restrições nas proporções dos componentes e com variáveis de processo. Chamando de x o teor de ligante asfáltico, de x o teor de borracha moída e de x o teor de resíduo de óleo de xisto, as restrições impostas, em porcentagem, foram: x, x e x. A Figura a ilustra o simplex e a região delimitada para o experimento, em que estão indicadas as misturas projetadas. As variáveis de processo incluídas foram a temperatura (T) e o tempo (t), nos níveis máximo e mínimo, arbitrados em 7 e C e 9 e min, respectivamente. A rotação foi fixada em. rpm. As variáveis de processo foram aplicadas apenas às misturas que contêm borracha (Figura b). As misturas projetadas foram: --, 9--9, --, 9--, --, 9--9, 7--, 7-- e --9, em que o primeiro número corresponde ao teor de ligante asfáltico, o segundo, ao teor de borracha moída e o terceiro, ao teor de resíduo de óleo de xisto. (x ) (x ) (x ) (x ) (x ) (x ) (a) Figura (a) Simplex do experimento, região delimitada e misturas escolhidas; (b) detalhe da região experimental, com as misturas escolhidas e as variáveis de processo. (b)

3 PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO... Materiais Empregados A borracha, cuja composição granulométrica é mostrada na Tabela, foi fornecida pela Artgoma S.A., de São Paulo, SP, obtida da trituração de pneus de veículos pesados (tratores, caminhões e ônibus). O ensaio de termogravimetria indicou a presença de,% de polímeros e plastificantes,,% de negro de fumo e,% de material inorgânico na composição química da borracha. O CAP /, com classificação PG 7-, foi empregado como ligante asfáltico de base. O resíduo de óleo de xisto, tipo AR-, conforme ASTM D, foi fornecido pela Unidade de Negócios da Industrialização do Xisto (SIX-Petrobras), de São Mateus do Sul, PR. Tabela Composição granulométrica da borracha moída. Abertura da peneira, mm,9,9,,97,7, 7 Fundo % passada 99, 9,7,99,,, Procedimento Experimental Preparação dos ligantes asfálticos As misturas asfalto-borracha e asfalto-borrachaóleo foram preparadas em misturador de alto cisalhamento (marca Silverson, modelo LRT), a. rpm, nas temperaturas e tempos de mistura especificados no delineamento do experimento. As misturas asfalto-óleo foram preparadas em misturador de baixo cisalhamento (marca Ika Labortechnik, modelo RW), a rpm, ºC e min. Por razões práticas, o ligante asfáltico de base e as misturas asfalto-óleo não foram submetidos aos níveis de temperatura e de tempo aplicados às outras misturas, mas a modelagem foi realizada assumindo-se que todas as misturas foram submetidas ao planejamento fatorial ². Na modelagem foram consideradas, portanto, misturas. Ensaios de caracterização física dos ligantes asfálticos Os ensaios de caracterização reológica foram executados de acordo com a ASTM D 77-, a,,, 7, 7 e C, a rad/s, em regime de cisalhamento oscilatório, empregando um reômetro Rheometrics modelo SR-. Somente algumas amostras foram submetidas à varredura de tensão, para a determinação da região de viscoelasticidade linear, uma vez que se verificou, durante os ensaios, que os níveis de tensão no limite da viscoelasticidade linear seriam razoavelmente maiores que o nível usado ( Pa). Uma distância entre placas de,7 mm foi usada para compensar o tamanho máximo das partículas de borracha. Para avaliar o efeito do aumento da distância entre placas de para,7 mm, algumas amostras foram testadas em ambas as configurações. Concluiu-se que as diferenças provocadas pela variação da distância entre placas não foram superiores à variabilidade inerente dos resultados dos ensaios. Análise Estatística A Tabela apresenta os modelos de regressão para G* e δ, apenas a C, e para o parâmetro G*/senδ, nas temperaturas de,,, 7, 7 e C. As Figuras e mostram os gráficos de efeitos dos componentes e as superfícies de resposta para G* e δ, respectivamente. As Figuras e mostram, respectivamente, os efeitos dos componentes e as superfícies de resposta para G*/senδ, nas seis temperaturas de ensaio. Por economia de espaço, a análise estatística será apresentada apenas na condição (, ) das variáveis de processo (7 C e 9 min). A análise estatística para η* não será apresentada, já que η* é combinação linear de G*. Análise dos Resultados A Figura a mostra que o efeito das proporções de borracha e de óleo sobre G* a C é antagônico: a borracha aumenta G* enquanto o óleo reduz, ambos com tendência aproximadamente linear. Esse gráfico sugere que quantidades menores de borracha e maiores de óleo têm influência menor sobre a resposta. Considerando a direção adotada para a análise, o efeito do óleo em reduzir os valores de G* (,7 kpa para cada % de óleo adicionado) é mais intenso que o efeito da borracha (, kpa/%) no aumento de G*. Quando a temperatura de ensaio aumenta de para C, a proporção de borracha mantém a tendência de aumentar os valores de G*, ao passo que a proporção de óleo mantém a tendência de reduzir os valores de G*. O efeito da proporção de ambos os modificadores se mantém antagônico e com uma tendência aproximadamente linear. Como mencionado anteriormente, concentrações menores de borracha e maiores de óleo têm efeito menos intenso sobre G* nas seis temperaturas. Embora os efeitos dos modificadores mantenham suas tendências ao longo da faixa de temperaturas de ensaio, a intensidade dos efeitos muda. À medida que a temperatura aumenta, a intensidade do efeito da borracha de aumentar os valores de G* diminui e a intensidade do efeito do óleo de diminuir os valores de G* também diminui. A Tabela mostra a variação média dos valores de G* provocada pelo aumento de % nas proporções de borracha e de óleo em seus respectivos intervalos de variação. Na tabela, o sinal positivo indica que os valores de G* aumentam e o sinal negativo significa que a resposta diminui.

4 FAXINA et al. Tabela Modelos de regressão para as propriedades monitoradas. Propriedade Modelo de regressão R² (%) n G* (kpa) ºC =,x + 7,x +,x 9,x x 7,x x 7,x x,x x T 7,9x x T +,x x x T 99, 7,9x x t +,x x x t,x x Tt + 9,7x x Tt δ (graus) C =,x,x +,x +,x x +,x x x + 7,x t,x x t 9, 7 G*/senδ (kpa) ºC = x + x + 7x 99x x x x x x x T + + x x x T 9x x Tt 9, 7 G*/senδ (kpa) ºC = x + 9x + x x x x x 7x x 9x x T x x T + 7x x x T x x t + 7x x x t 99,9 7 x x Tt + 9x x Tt G*/senδ (kpa) ºC = x + x + 9x x x x x 9x x x x T x x Tt 9, 7 G*/senδ (kpa) 7ºC =,x +,x +,x x x,x x 9,x x,x x T,9x x t +,7x x x t 9, 7 G*/senδ (kpa) 7ºC =,x +,x +,x 9,x x,x x x,x x T 9,7 7 G*/senδ (kpa) ºC =,x +,x +,x 7,x x,7x x x 9,7 7 x : proporção de CAP; x : proporção de borracha; x : proporção de óleo; T: temperatura; t: tempo; n: número de determinações empregadas na regressão. G* virgem C (kpa) -, -,,, (a) Componentes,,,, (b),,,, Figura (a) Efeitos dos componentes; (b) superfície de resposta para G*, a C. Delta virgem C (graus) , -,,, (a) Componentes 7 7,,, Figura (a) Efeitos dos componentes; (b) superfície de resposta para δ, a C. (b)

5 PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO... 7 Tabela Variação média dos valores de G* para um aumento de % na concentração de borracha e de óleo para diferentes temperaturas. Temperatura ( C) Efeito da borracha (kpa) Efeito do óleo (kpa) +,, +,7, +,,7 7 +,, 7 +,, +,7, Como mostrado na Tabela, o efeito do óleo na redução dos valores de G* é maior que o da borracha no aumento do valor de G*, para temperaturas de até próximas de 7 C, mas essa discrepância se reduz com o aumento da temperatura. Acima de 7 C, as intensidades dos efeitos da borracha e do óleo na variação dos valores de G* são similares em magnitude, mas opostas. O efeito da proporção de ligante asfáltico também muda com a temperatura: para temperaturas menores, o aumento da concentração de ligante asfáltico contribui com o aumento de G*, mas, com o aumento da temperatura, o aumento da proporção de ligante asfáltico reduz os valores de G*. A Figura b mostra a superfície de resposta para G* a ºC. Quando os três componentes interagem, o efeito da proporção de ligante asfáltico é inexpressivo (curvas de nível verticais, indicando que o aumento da proporção de ligante asfáltico praticamente não afeta a resposta) e os valores de G* aumentam da direita para a esquerda, da região onde figuram misturas com proporções altas de óleo e baixas de borracha para a região com misturas com proporções altas de borracha e baixas de óleo. Mas essa tendência não é observada em todas as temperaturas. A ºC, o efeito da borracha sobre G* não é tão intenso quanto para outras temperaturas (as curvas de nível são praticamente paralelas ao lado asfalto-borracha) e o efeito do óleo é predominante. A partir de ºC, a tendência verificada para a ºC se mantém: o efeito da proporção de ligante asfáltico diminui e os efeitos das proporções de borracha e de óleo predominam. Como a Figura a mostra, os efeitos da borracha e do óleo sobre δ a C são também antagônicos: a borracha reduz os valores de δ enquanto o óleo aumenta os valores de δ. Os efeitos da borracha e do óleo exibem tendência aproximadamente linear. Considerando a direção adotada para a análise, o efeito do óleo em aumentar os valores de δ é menos intenso que o efeito da borracha em diminuí-lo. Com o aumento da temperatura de para ºC, a proporção de borracha mantém sua tendência de diminuir os valores de δ, ao passo que a proporção de óleo mantém sua tendência de aumentar os valores de δ. Os efeitos de ambos permanecem antagônicos com o aumento da temperatura. O efeito da borracha mostra tendência aproximadamente linear para as temperaturas de, e ºC e uma tendência aproximadamente parabólica para as temperaturas de 7, 7 e ºC. Para essas três últimas temperaturas, concentrações baixas de borracha apresentam um efeito discreto de reduzir δ. O óleo exibe um efeito aproximadamente linear para as seis temperaturas. Embora os efeitos dos modificadores tenham mantido suas tendências com o aumento da temperatura, a intensidade dos efeitos dos componentes varia, como também observado para os valores de G*. À medida que a temperatura aumenta, a intensidade do efeito da borracha de diminuir os valores de δ diminui ligeiramente. Por outro lado, a intensidade do efeito do óleo em aumentar os valores de δ aumenta de até 7ºC e diminui de 7 até ºC. A Tabela mostra a variação média dos valores de δ provocada pelo aumento de % nas proporções de borracha e óleo em seus respectivos intervalos de variação. Na tabela, o sinal positivo indica que os valores de δ aumentam e o negativo, que a resposta diminui. O efeito da borracha de reduzir os valores de δ é maior que o efeito do óleo de aumentá-los, para todas as temperaturas de ensaio. O efeito da concentração de ligante asfáltico se mantém com o aumento da temperatura: à medida que aumenta a proporção de ligante asfáltico, os valores de δ também aumentam, mas a intensidade do seu efeito diminui com a temperatura, como observado para os outros componentes. A Figura b mostra a superfície de resposta para δ a C. As curvas de nível são aproximadamente paralelas ao lado asfalto-óleo, indicando que o aumento da proporção de óleo não afeta expressivamente a resposta, para qualquer proporção de borracha. A concentração de borracha é a principal responsável pela redução dos valores de δ. Essa tendência foi notada em todas as outras temperaturas de ensaio.

6 FAXINA et al. G*/sen virgem C (kpa) 7 Componentes G/send virgem C (kpa),,,, (a),,,, (b) G*/sen virgem C (kpa),,,, (c) G/send virgem 7 C (kpa),,,, (d) 7, G*/sen virgem 7 C (kpa) G/send virgem C (kpa),,,,,,,,,,,, (e) (f) Figura Efeitos dos componentes para G*/senδ, a (a), (b), (c), (d) 7, (e) 7 e (f) C. Conforme indicado pela Figura, os efeitos da proporção de borracha e de óleo sobre o parâmetro G*/ senδ são também antagônicos, como já observado para G* e δ: a borracha aumenta os valores de G*/senδ e o óleo os diminui. Com o aumento da temperatura, a borracha mantém sua tendência de aumentar a resposta e o óleo, a de diminuí-la. Os efeitos de ambos os modificadores apresentam tendência aproximadamente parabólica, para todas as temperaturas de ensaio, mas podem ser aproximados por uma tendência linear, sem grandes prejuízos para a análise. Outra vez, menores proporções de borracha e maiores de óleo, aparentemente, têm efeitos menos expressivos sobre a resposta. O efeito da proporção de ligante asfáltico muda em função da temperatura: com o aumento da temperatura, o ligante asfáltico deixa de aumentar G*/senδ e passa a diminuí-lo.

7 PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO... 9 Tabela Variação média dos valores de δ para um aumento de % na concentração de borracha e de óleo para diferentes temperaturas. Temperatura ( C) Efeito da borracha (grau) Efeito do óleo (grau), +,, +,9, +,9 7,9 +,7 7,9 +,,7 +, Embora os efeitos dos modificadores mantenham suas tendências com o aumento da temperatura de ensaio, a intensidade desses efeitos muda, como também observado para G* e δ. Como G*/senδ é um parâmetro calculado com base nos valores de G* e δ, a maneira pela qual G*/senδ é afetada pelas proporções de borracha e de óleo pode ser inicialmente interpretada como resultante da ponderação dos efeitos médios dos dois modificadores. De fato, a forma pela qual essa relação é calculada força o parâmetro de deformação permanente a ser uma combinação nãolinear de G*. Como δ não varia em um intervalo amplo, o efeito de senδ sobre G* é pequeno. Isso explica a semelhança entre o formato dos gráficos de efeitos de componentes de G*/senδ e G*. A Tabela mostra a variação média de G*/senδ provocada pelo aumento de % nas proporções de borracha e de óleo em seus respectivos intervalos de variação. Na tabela, o sinal positivo indica que os valores de G*/senδ aumentaram e o negativo, que diminuíram. Como esperado, o efeito da temperatura sobre G*/senδ é similar ao efeito da temperatura sobre G*, ou seja, com o aumento da temperatura, a intensidade do efeito da borracha em aumentar G*/senδ diminui e a intensidade do efeito do óleo em diminuir G*/senδ também diminui. A diminuição da intensidade do efeito do óleo sobre os valores de G*/ senδ com o aumento da temperatura revela que a temperatura reduz o efeito negativo do aumento da concentração de óleo sobre a resistência à deformação permanente do ligante asfáltico. Como mostra a Tabela, de até aproximadamente 7ºC, o efeito do óleo em reduzir G*/senδ é maior que o efeito da borracha em aumentar G*/senδ. A partir de 7ºC, os efeitos de ambos os modificadores apresentam intensidade pequena e equivalente. Na extensão em que o parâmetro G*/senδ consegue detectar a parcela de resistência atribuída ao ligante asfáltico sobre a resistência à deformação permanente das misturas asfálticas e na extensão em que o parâmetro de deformação permanente da especificação Superpave, desenvolvida para ligantes asfálticos nãomodificados, consegue detectar a resistência à deformação permanente de ligantes asfaltos-borracha, é possível concluir que a temperatura não elimina o efeito positivo da borracha sobre a resistência à deformação permanente e reduz o efeito negativo do óleo. Tabela Variação média dos valores de G*/senδ para aumento de % na concentração de borracha e de óleo para diferentes temperaturas. Temperatura ( C) Efeito da borracha (kpa) Efeito do óleo (kpa) +,7, +,, +,, 7 +,, 7 +,, +,,

8 FAXINA et al. A Figura mostra as superfícies de resposta para G*/senδ nas seis temperaturas. O efeito da proporção de ligante asfáltico é pouco expressivo. Para todas as temperaturas, G*/senδ aumenta da direita para a esquerda, indicando que as misturas com proporções maiores de borracha e menores de óleo apresentam maiores valores desse parâmetro. Nas temperaturas de e C, valores de G*/senδ menores que kpa não figuram na região experimental. Já nas temperaturas de, 7, 7 e C, valores de G*/senδ menores que kpa são observados. A C, as misturas não-admissíveis são compostas por proporções baixas de borracha e intermediárias de óleo e estão localizadas à direita da região experimental. À medida que a temperatura de ensaio aumenta, o número de misturas não-admissíveis também aumenta. A 7 C, as misturas não-admissíveis são compostas por proporções de baixas a intermediárias de borracha e de intermediárias a altas de óleo. A 7 e a C, em linhas gerais, as misturas não-admissíveis são as compostas por proporções de baixas a intermediárias de borracha e quaisquer proporções de óleo. À medida que a concentração de borracha aumenta, proporções de óleo mais altas passam a ser aceitáveis. 7,,, (a),,, (b),,,,, (c),,, (d) 7,,, (e),,, (f) Figura Superfícies de resposta para G*/senδ, a (a), (b), (c), (d) 7, (e) 7 e (f) C.

9 PROPRIEDADES REOLÓGICAS RELACIONADAS À DEFORMAÇÃO... Como mostrado pela análise das superfícies, o óleo pode ser prejudicial à resistência à deformação permanente, mas apenas em algumas condições: para temperaturas mais altas (a partir de C) e quando empregado em proporções de intermediárias a altas, no caso em que proporções de borracha de baixas a intermediárias são utilizadas. Para condições normais, em que são adicionadas proporções altas de borracha, mesmo proporções altas de óleo são aceitáveis. Uma vez mais, é importante lembrar que essas conclusões se baseiam em duas hipóteses: que o parâmetro G*/senδ é uma boa ferramenta para detectar a resistência à deformação permanente de misturas asfálticas e que o parâmetro de deformação permanente da especificação Superpave, desenvolvido para ligantes asfálticos não-modificados, consegue detectar a resistência à deformação permanente dos ligantes asfalto-borracha. Conclusões As seguintes conclusões foram obtidas da análise de efeito dos componentes: Os efeitos da proporção de borracha moída e de resíduo de óleo de xisto sobre G*, δ e G*/senδ são antagônicos: a borracha aumenta os valores de G* e G*/senδ e diminui δ, ao passo que o óleo diminui os valores de G* e G*/ senδ e aumenta δ. Essa tendência se manteve nas seis temperaturas de ensaio adotadas. As tendências verificadas para G*/senδ são similares a G*, já que o termo senδ apresenta efeito pouco expressivo sobre G*. Embora os efeitos das proporções dos modificadores sobre G*, δ e G*/senδ mantenham suas próprias tendências nas temperaturas avaliadas, a intensidade dos efeitos das proporções dos modificadores varia. A temperatura diminui a intensidade do efeito da borracha em aumentar G* e G*/senδ e em diminuir δ. A temperatura diminui a intensidade do efeito do óleo em diminuir G* e G*/ senδ e aumenta a intensidade do efeito do óleo em aumentar os valores de δ, de a 7ºC, e a reduz, de 7 a ºC. O efeito do óleo em reduzir G* é maior que o efeito da borracha em aumentá-lo nas temperaturas de ºC a 7ºC, entretanto, essa diferença diminui com o aumento da temperatura. Para temperaturas acima de 7ºC, as intensidades da borracha e do óleo na variação dos valores de G* são similares em magnitude, mas opostas. O efeito da borracha em reduzir δ é maior que o efeito do óleo em aumentá-lo, para todas as temperaturas de ensaio. De ºC até aproximadamente 7ºC, o efeito do óleo na redução de G*/senδ é maior que o efeito da borracha no aumento desse parâmetro e, a partir de 7ºC, os efeitos de ambos os modificadores apresentam intensidade pequena e equivalente. A temperatura de ensaio não elimina o efeito positivo da borracha moída sobre a resistência à deformação permanente e reduz o efeito negativo do resíduo de óleo de xisto. Da análise de superfícies de resposta, as seguintes conclusões foram obtidas: A ºC, o efeito da borracha sobre G* não é tão intenso quanto nas outras temperaturas e o efeito do óleo de xisto parece prevalecer. A partir de ºC, os valores de G* aumentam da direita para a esquerda, ou seja, da região onde figuram misturas com proporções altas de óleo e baixas de borracha para a região onde figuram misturas com proporções altas de borracha e baixas de óleo. O aumento da proporção de óleo não afeta expressivamente os valores de δ, qualquer que seja a concentração de borracha. A proporção de borracha é a principal responsável pelos valores de δ. Essa tendência foi verificada para todas as temperaturas de ensaio. Para todas as temperaturas, as misturas com proporções maiores de borracha e menores de óleo apresentam maiores valores de G*/senδ. Nas temperaturas de e ºC, valores de G*/senδ menores que kpa não figuram na região experimental. Nas temperaturas de, 7, 7 e ºC, G*/senδ menores que kpa são observados. À medida que a temperatura de ensaio aumenta, o número de composições não-admissíveis também aumenta. O resíduo de óleo de xisto pode ser prejudicial à resistência à deformação permanente, mas somente em condições específicas: para temperaturas de ensaio mais altas (acima de ºC) e quando empregado em proporções de intermediárias a altas, no caso em que proporções de borracha de baixas a intermediárias são utilizadas. Para condições normais, em que são adicionadas proporções altas de borracha, mesmo proporções altas de resíduo de óleo de xisto são aceitáveis. Agradecimentos Os autores agradecem à SIX-Petrobras pelo fornecimento do resíduo de óleo de xisto, ao Cenpes-Petrobras por disponibilizar o laboratório para o preparo das amostras, à Artgoma S.A. pelo fornecimento da borracha moída, ao Centro de Reologia e Processamento de Polímeros por disponibilizar o laboratório para a execução dos ensaios e à Fapesp pelo fornecimento de bolsa de doutorado ao primeiro autor. Referências Bibliográficas ANDERSON D. A. et al. Physical properties of asphalt cement and the development of performance-related specifications. Association of Asphalt Paving Technologists, v., p. 7-, 99. ANDERSON D. A. et al. Binder characterization and evaluation: volume physical characterization. Report SHRP A-9, 99.

10 FAXINA et al. BAHIA, H. U.; ANDERSON, D. A. Strategic highway research program binder rheological parameters: background and comparison with conventional properties. Transportation Research Record, n., p. -9, 99. CORNELL, J. A. Experiments with mixtures: design, models, and the analysis of mixture data. rd. ed. New York: John Wiley,.

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA Jean Pier Vacheleski 1, Mauro Leandro Menegotto 2, RESUMO: Com o grande número de pneus descartados surge

Leia mais

Introdução à Reologia

Introdução à Reologia Introdução à Reologia O que é Reologia? η Faixa do Comportamento Reológico dos Materiais Reologia: O estudo das deformações e fluxo da matéria. Faixa de comportamento dos materiais Sólido ---------Líquido

Leia mais

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO Prof. Engº Pery C. G. de Castro Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO 1 CONCEITO DE RECICLAGEM DE PAVIMENTOS É um processo que visa a melhorar as características de rolamento e a estrutura do

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO Diego Rodrigo Queiroz Alves de Souza 1 ; Leandro Assis de Oliveira 2 ; Gabriela Fontes Deiró Ferreira 3

Leia mais

2 - LIGANTES ASFÁLTICOS

2 - LIGANTES ASFÁLTICOS 9 2 - LIGANTES ASFÁLTICOS 2.1 - INTRODUÇÃO Os asfaltos, materiais aglutinantes de cor escura, são derivados do petróleo, sendo que o elemento predominante é o betume (99,5%). Betume, muitas vezes usado

Leia mais

Prof. Jacques de Medina. Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ

Prof. Jacques de Medina. Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Prof. Jacques de Medina Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Prof. Jacques de Medina COPPE/UFRJ Avaliação do comportamento de dois trechos experimentais, sob ação de tráfego real na Rodovia BR 040 - Trecho

Leia mais

ESTUDO REOLÓGICO DE MÁSTIQUES COM FÍLER DE RESÍDUO DE BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS E ESCÓRIA DE ACIARIA

ESTUDO REOLÓGICO DE MÁSTIQUES COM FÍLER DE RESÍDUO DE BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS E ESCÓRIA DE ACIARIA ESTUDO REOLÓGICO DE MÁSTIQUES COM FÍLER DE RESÍDUO DE BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS E ESCÓRIA DE ACIARIA Renee Lauret Cosme Jamilla Lutif ESTUDO REOLÓGICO DE MÁSTIQUES COM FÍLER DE RESÍDUO DE BENEFICIAMENTO

Leia mais

Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS

Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS Estudo comparativo de deformação permanente de CBUQ S confeccionados COM LIGANTES ASFÁLTICOS DIVERSOS Elaborado por: Eng. José Carlos M. Massaranduba - Diretor Técnico - GRECA Asfaltos Eng. José Antonio

Leia mais

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC 33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC APLICAÇÃO DE RECICLAGEM A FRIO COM ESPUMA DE ASFALTO NA RESTAURAÇÃO DA BR-29 NO TRECHO ENTRE ELDORADO DO SUL E PORTO ALEGRE Marcelo Archanjo Dama 1 Fernando

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II CBUQ Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Dosagem Marshall O primeiro procedimento de dosagem

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ACIDEZ DA SOLUÇÃO DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA EFICIÊNCIA DA COAGULAÇÃO

INFLUÊNCIA DA ACIDEZ DA SOLUÇÃO DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA EFICIÊNCIA DA COAGULAÇÃO INFLUÊNCIA DA ACIDEZ DA SOLUÇÃO DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA EFICIÊNCIA DA COAGULAÇÃO Di Bernardo Luiz (*),Paes Conceição Rogéria Aparecida, Di Bernardo Angela S Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Mariana Santos de Siqueira Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

José Carlos Moura Massaranduba

José Carlos Moura Massaranduba José Carlos Moura Massaranduba PNEUS INSERVÍVEIS GRAVE PASSIVO AMBIENTAL Principais características: Alta viscosidade (maior recobrimento no agregado) Menor susceptibilidade térmica Aumento da elasticidade

Leia mais

ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA

ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA Petrus Ferreira de Souza Orientadora: Elba Gomes dos Santos Resumo A presença de óleos em efluentes, pode se bastante

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE POLIETILENO DE ALTA MASSA MOLAR PROCESSADO COM PERÓXIDO DE DICUMILA

ESTUDO DO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE POLIETILENO DE ALTA MASSA MOLAR PROCESSADO COM PERÓXIDO DE DICUMILA ESTUDO DO COMPORTAMENTO REOLÓGICO DE POLIETILENO DE ALTA MASSA MOLAR PROCESSADO COM PERÓXIDO DE DICUMILA Marisa C G Rocha 1*, Lorena R C Moraes 1 (M), Jorge M Futigami 1, Nancy I A Acevedo 1 1 - Instituto

Leia mais

Bancada de visualização de escoamentos: maquetes

Bancada de visualização de escoamentos: maquetes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Bancada de visualização de escoamentos: maquetes RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS

HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS Histórico da evolução das Usinas de Asfalto. USINAS VOLUMÉTRICAS. USINAS BATCH ou GRAVIMÉTRICAS. USINAS DRUM MIX FLUXO PARALELO. USINAS CONTRA FLUXO O processo volumétrico

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES PTR 2388 TRANSPORTE E MEIO AMBIENTE SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO 14/ABR/2016 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES RECICLAGEM

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE FLUIDOS NÃO NEWTONIANOS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO DE STORMER

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE FLUIDOS NÃO NEWTONIANOS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO DE STORMER Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE FLUIDOS NÃO NEWTONIANOS ATRAVÉS DO VISCOSÍMETRO DE STORMER CATEGORIA:

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 Samara Correa Gomes Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

4 PRODUÇÃO DO LIGANTE ASFALTO-BORRACHA - FATORES INTERVENIENTES E ESPECIFICAÇÕES

4 PRODUÇÃO DO LIGANTE ASFALTO-BORRACHA - FATORES INTERVENIENTES E ESPECIFICAÇÕES 57 4 PRODUÇÃO DO LIGANTE ASFALTO-BORRACHA - FATORES INTERVENIENTES E ESPECIFICAÇÕES 4.1 - INTRODUÇÃO O processo úmido consiste na incorporação da mistura da borracha de pneus moída com o ligante asfáltico

Leia mais

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com ASFALTO ADICIONADO COM GRANULADO DE BORRACHA IN SITU. Procuramos uma rodovia estadual

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, v.13, Série B. n.3, p. 20-33. A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF Pedro Henrique Drummond Pecly Universidade

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL Cesar Aparecido da Silva 1 RESUMO O Brasil por ser um grande produtor de oleaginosas e ao mesmo tempo possuir um déficit energético no que se refere

Leia mais

REDUÇÃO DE DERIVA DE HERBICIDAS COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO

REDUÇÃO DE DERIVA DE HERBICIDAS COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO REDUÇÃO DE DERIVA DE HERBICIDAS COM USO DE ADJUVANTE E DIFERENTES PONTAS DE PULVERIZAÇÃO Taffaréu Oliveira Agostineti (PIBIC/CNPq), Marco Antonio Gandolfo (Orientador), e-mail: agostineti@outlook.com Universidade

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG 29 a 31 de outubro de 2014 Local: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Leia mais

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano

Encontro e Exposição Brasileira de tratamento de superficie III INTERFINISH Latino Americano Medidas de Aderência pelo Método Pull-Off Aspectos Práticos Não Abordados em Norma Rodolpho C. D.Pereira, Jeferson Leite Oliveira, Walter Andrade de Souza, Bruno Pacheco Silva, Isabel Cristina P. Margarit

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

Aspectos da Reometria

Aspectos da Reometria Aspectos da Reometria Aula 2 Prof. Hamilton Viana A lei básica A medida de viscosidade dos líquidos requer: definição dos parâmetros envolvidos no fluxo. Devem-se encontrar condições adequadas de teste

Leia mais

Ambos têm os algarismos 7854 seguidos, a potência de dez apenas moverá a vírgula, que não afeta a quantidade de algarismos significativos.

Ambos têm os algarismos 7854 seguidos, a potência de dez apenas moverá a vírgula, que não afeta a quantidade de algarismos significativos. ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Os algarismos significativos são os algarismos que têm importância na exatidão de um número, por exemplo, o número 2,67 tem três algarismos significativos. Se expressarmos o número

Leia mais

ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1

ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1 ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1 Geannina Terezinha Dos Santos Lima 2, Pedro Goecks 3, Cristiane Dos Santos 4, Gabriela Blatt 5, Diorges Lopes 6, Cristina Pozzobon

Leia mais

COMPORTAMENTO À FADIGA DA MATRIZ DE AGREGADO FINO DE MISTURAS ASFÁLTICAS PREPARADAS COM LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS DE MESMO GRAU DE DESEMPENHO

COMPORTAMENTO À FADIGA DA MATRIZ DE AGREGADO FINO DE MISTURAS ASFÁLTICAS PREPARADAS COM LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS DE MESMO GRAU DE DESEMPENHO COMPORTAMENTO À FADIGA DA MATRIZ DE AGREGADO FINO DE MISTURAS ASFÁLTICAS PREPARADAS COM LIGANTES ASFÁLTICOS MODIFICADOS DE MESMO GRAU DE DESEMPENHO Javier Yesid Mahecha Nuñez Adalberto Leandro Faxina COMPORTAMENTO

Leia mais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais 5 Equipamentos e Técnicas Experimentais De acordo com Castro (2007), quando as propriedades reológicas são determinadas em laboratório, diz-se que se está realizando ensaios de reometria. Para isso, existem

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UMA ARGILA PARA USO EM CERÂMICA VERMELHA Auro Tanaka 1, José Marques Luiz, Rafael Fontebasso 1. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, UNESP Univ. Estadual

Leia mais

Investigação do Dano Mecânico e do Dano aos Raios Ultravioleta em Geotêxteis Expostos a Condições de Campo

Investigação do Dano Mecânico e do Dano aos Raios Ultravioleta em Geotêxteis Expostos a Condições de Campo Investigação do Dano Mecânico e do Dano aos Raios Ultravioleta em Geotêxteis Expostos a Condições de Campo Carlos Vinicius dos Santos Benjamim OBER S.A. Indústria e Comércio Benedito de Souza Bueno Departamento

Leia mais

MONITORAMENTO DA EXPANSÃO DE POLIURETANAS POR TÉCNICAS DE ANÁLISE DE IMAGEM

MONITORAMENTO DA EXPANSÃO DE POLIURETANAS POR TÉCNICAS DE ANÁLISE DE IMAGEM MONITORAMENTO DA EXPANSÃO DE POLIURETANAS POR TÉCNICAS DE ANÁLISE DE IMAGEM E. T. S. ALVES 1, G. B. RODRIGUEZ 2, M. K. LENZI 2, P. H. H. ARAÚJO 1, M. C. B. COSTA 3, R. A. IHABUINSKI 2, L. F. L. LUZ Jr.

Leia mais

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação 16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação Profa. Dra. Liedi Bariani Bernucci Professora Titular Coordenadora do Laboratório de Tecnologia de Pavimentação

Leia mais

8. MISTURAS ASFÁLTICAS

8. MISTURAS ASFÁLTICAS 8. MISTURAS ASFÁLTICAS CONCEITUAÇÃO Produtos obtidos em usina, a quente ou a frio, envolvendo agregados e ligantes asfálticos, adequadamente. CLASSIFICAÇÃO Pré misturados a quente (PMQ) - Temperatura 121

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL

FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL 1 FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL EXECUÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO Vladimir de Souza Amorim Caruaru - 2010 2 FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA

Leia mais

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES 1.1. OBJECTO Os adjuvantes para as argamassas ou betões devem obedecer às condições técnicas gerais relativas a materiais e elementos de construção e ainda aos vários documentos que lhe são aplicáveis.

Leia mais

Efeito de Solventes e Lubrificantes Residuais sobre as Propriedades Térmicas de Compósitos de Aplicação Aeroespacial

Efeito de Solventes e Lubrificantes Residuais sobre as Propriedades Térmicas de Compósitos de Aplicação Aeroespacial Anais do 14 Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA-XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, Outubro, 20 a 23, 2008. Efeito de Solventes

Leia mais

siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos

siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos COMPORTAMENTO DE SOLOS siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos ALESSANDER C. MORALES KORMANN* BERNARDO P.J.C.N. PERNA** O presente trabalho traz um estudo do comportamento de um solo

Leia mais

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO PAINEL: MATERIAIS ALTERNATIVOS AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO ROSÂNGELA MOTTA Laboratório de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Engenharia de Transportes

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Protocolo 066/2010 FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E ETENSÃO 1. Instruções 1 Deverão ser entregues 2 (duas) cópias impressas e 1 (uma) cópia via e-mail (na extensão.doc), encaminhados para

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

Wander Omena Gerente de P&D,I

Wander Omena Gerente de P&D,I Wander Omena Gerente de P&D,I Século XX Misturas Quentes CAP, AMP e AMB Misturas Frias Emulsões e Emulsões com Polímeros { { Século XXI } Misturas Mornas CAP e AM São misturas asfálticas usinadas e

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA 1 ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA LOCALIZAÇÃO: Avenida Jacob Wagner Sobrinho NOVA BOA VISTA / RS JUNHO DE 2013 1 2 1.0 INTRODUÇÃO

Leia mais

EFICIÊNCIA COM A SUBSTITUIÇÃO DO SULFATO DE ALUMÍNIO PELO SULFATO FÉRRICO E OTIMIZAÇÃO DO TRABALHO OPERACIONAL.

EFICIÊNCIA COM A SUBSTITUIÇÃO DO SULFATO DE ALUMÍNIO PELO SULFATO FÉRRICO E OTIMIZAÇÃO DO TRABALHO OPERACIONAL. EFICIÊNCIA COM A SUBSTITUIÇÃO DO SULFATO DE ALUMÍNIO PELO SULFATO FÉRRICO E OTIMIZAÇÃO DO TRABALHO OPERACIONAL. Adriana Martins Peres Borba Bacharel em Química pelo Instituto de Química da UNESP - Araraquara.

Leia mais

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Mansani Silva Gomes, Fernanda; Barbosa Matos, Danielle; de O. Correia, Bárbara Meirelle; Silva, Gabriel Francisco da; Almeida

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q.

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. Inter.: PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA. 1. PESQUISA: Os logradouros contemplados com a pavimentação asfáltica deverão ser objeto de análise

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA REUTILIZAÇÃO DE BORRACHA DE PNEUS INSERVÍVEIS EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROF. DR. JOSÉ LEOMAR FERNANDES JÚNIOR Departamento de Transportes - STT Escola de Engenharia de São Carlos - USP 1 Resíduos

Leia mais

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda.

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. Linha de Todas as fotos, ilustrações e especificações estão baseadas em informações vigentes na data da aprovação desta publicação. A Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. se reserva ao direito de alterar

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 2013 MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 2013 MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA MÓDULO 4 4.4 - PROCEDIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÃO AÉREA Nas instalações aéreas devem ser considerados os seguintes aspectos: Resistência à raios UV e intempéries; O tipo de suportação da tubulação;

Leia mais

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms O uso da Calculadora Científica (Casio fx) fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms Prof. Ms. Renato Francisco Merli 2013 1 Sumário 1. Antes de Começar... 2 2. Cálculos Básicos... 8 3. Cálculos

Leia mais

EXPERIMENTO 08 REOLOGIA - VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS. b) Reagentes. - Óleo mineral; - Biodiesel; - Mel ou melado.

EXPERIMENTO 08 REOLOGIA - VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS. b) Reagentes. - Óleo mineral; - Biodiesel; - Mel ou melado. ŀ EXPERIMENTO 08 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS ENGENHARIA DE ALIMENTOS/ENGENHARIA QUÍMICA DISCIPLINA: FÍSICO-QUÍMICA EXPERIMENTAL PROFESSOR: JACIR DAL

Leia mais

Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação

Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 07.502 Versão nº 1 Sikagard 186 Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Reologia Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios

Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Reologia Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Reologia Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios 1-) Questão Comente sobre os seguintes personagens científicos,

Leia mais

[3] VSL, Sistema VSL de Proteção de LAJES, Sistemas VSL de Engenharia S.A., Rio de Janeiro, Brasil.

[3] VSL, Sistema VSL de Proteção de LAJES, Sistemas VSL de Engenharia S.A., Rio de Janeiro, Brasil. A análise aqui executada permite, com base nos exemplos aqui apresentados, recomendar que o dimensionamento das lajes lisas de concreto, com índice de esbeltez usuais, obedeça aos seguintes critérios:

Leia mais

4 Análise experimental

4 Análise experimental 4 Análise experimental No estudo do comportamento de membranas de materiais hiperelásticos há a necessidade de se escolher leis constitutivas que descrevam da melhor forma possível as propriedades do material.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO

DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE BAGÉ DEPARTAMENTO DE PROJETOS MEMORIAL DESCRITIVO REPAVIMENTAÇÃO EM PAVIMENTOS COM PEDRA IRREGULAR, PARALELEPÍPEDO, BLOCOS DE CONCRETO E CBUQ. 2015 APRESENTAÇÃO Trata o

Leia mais

Autor: Diretoria de Planejamento e Pesquisa / IPR Processo: 50.607.002.350/2006-53

Autor: Diretoria de Planejamento e Pesquisa / IPR Processo: 50.607.002.350/2006-53 NORMA DNIT 095/2006 - EM DNIT Cimentos asfálticos de petróleo - Especificação de material MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO.

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. Luiz Cláudio Ferreira da Silva José Ubiragí de Lima Mendes Rasiah Ladchumananandasivam Universidade

Leia mais

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - III PROJETO DA MISTURA RECICLADA A QUENTE

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - III PROJETO DA MISTURA RECICLADA A QUENTE Prof. Engº Pery C. G. de Castro Revisado em outubro de 2009 PARTE - III PROJETO DA MISTURA RECICLADA A QUENTE 1 ORIENTAÇÃO PARA PROJETO DA MISTURA RECICLADA A QUENTE 1) Definição das porcentagens dos materiais;

Leia mais

CAP. 3 - EXTENSÔMETROS - "STRAIN GAGES" Exemplo: extensômetro Huggenberger

CAP. 3 - EXTENSÔMETROS - STRAIN GAGES Exemplo: extensômetro Huggenberger CAP. 3 - EXTENSÔMETOS - "STAIN GAGES" 3. - Extensômetros Mecânicos Exemplo: extensômetro Huggenberger Baseia-se na multiplicação do deslocamento através de mecanismos de alavancas. Da figura: l' = (w /

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul PESQUISA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE DE MISTURAS ASFÁLTICAS PRODUZIDAS NA ATUALIDADE NO SUL DO BRASIL E IMPACTOS NO DESEMPENHO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS. MANUAL DE OPERAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

Pavimentação - imprimação

Pavimentação - imprimação MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico

Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico Wilber Feliciano Chambi Tapahuasco Universidade Federal do Pampa, Alegrete-RS, Brasil,

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

Probabilidade - aula I

Probabilidade - aula I e 27 de Fevereiro de 2015 e e Experimentos Aleatórios e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Entender e descrever espaços amostrais e eventos para experimentos aleatórios. Interpretar

Leia mais

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO Qualidade Confiança Tradição Inovação Tecnologia ÍNDICE Por que a TIGRE escolheu o Sistema Aquatherm para o Brasil? 05 Características técnicas 06 Instruções de instalação

Leia mais

Este trabalho apresenta a abordagem geotécnica da concepção

Este trabalho apresenta a abordagem geotécnica da concepção Artigo Técnico II Por Clóvis Benvenuto e Marco Aurélio Cipriano Modelo reológico de comportamento de resíduos e aterros sanitários, segundo critérios de projeto e operação atuais no Brasil Clóvis Benvenuto

Leia mais

INFLUÊNCIA DA RIGIDEZ DO SISTEMA MÁQUINA-FERRAMENTA- DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO-PEÇA NA OPERAÇÃO DE TORNEAMENTO

INFLUÊNCIA DA RIGIDEZ DO SISTEMA MÁQUINA-FERRAMENTA- DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO-PEÇA NA OPERAÇÃO DE TORNEAMENTO INFLUÊNCIA DA RIGIDEZ DO SISTEMA MÁQUINA-FERRAMENTA- DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO-PEÇA NA OPERAÇÃO DE TORNEAMENTO Hidekasu Matsumoto 1 1 (autor para correspondência) Unesp/Ilha Solteira/Departamento de engenharia

Leia mais

Ligações Químicas. Profa. Daniela Becker

Ligações Químicas. Profa. Daniela Becker Ligações Químicas Profa. Daniela Becker Referências Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 2, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais, Pearson Prentice

Leia mais

Palavras-chave: Microtomografia; Imagem; Morfometria; Ossos.

Palavras-chave: Microtomografia; Imagem; Morfometria; Ossos. MORFOLOGIA DA ESTRUTURA INTERNA DE OSSOS: MICROTOMOGRAFIA POR RAIOS X G. Carvalho J.R.C. Pessôa F. V. Vidal J.T. Assis Resumo A Microtomografia Computadorizada (CT) é uma técnica de ensaio não destrutivo,

Leia mais

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli O contexto do debate A idéia da construção de indicadores de resultados para projetos vem ganhado força entre

Leia mais

ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA

ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA ANÁLISE DA BIODEGRADABILIDADE DE TINTA FLEXOGRÁFICA R. DIAS 1, L. A. DA COSTA 1, R.A.F. MACHADO 1, J. WILMSEN 1, T. CZIZEWESKI 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Química

Leia mais

Linear Solver Program - Manual do Usuário

Linear Solver Program - Manual do Usuário Linear Solver Program - Manual do Usuário Versão 1.11.0 Traduzido por: Angelo de Oliveira (angelo@unir.br/mrxyztplk@gmail.com) 1 Introdução Linear Program Solver (LiPS) é um pacote de otimização projetado

Leia mais

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 Janaína Terhorst Pizutti 2, José Antônio Santana Echeverria 3, João Paulo Avrella 4, Ricardo Zardin

Leia mais

ENSAIO PRELIMINAR UTILIZANDO CULTURAS DE DAPHNIA SIMILIS, PARA A DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE REPRODUÇÃO, SEGUNDO A EQUAÇÃO DE MALTHUS

ENSAIO PRELIMINAR UTILIZANDO CULTURAS DE DAPHNIA SIMILIS, PARA A DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE REPRODUÇÃO, SEGUNDO A EQUAÇÃO DE MALTHUS ENSAIO PRELIMINAR UTILIZANDO CULTURAS DE DAPHNIA SIMILIS, PARA A DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE REPRODUÇÃO, SEGUNDO A EQUAÇÃO DE MALTHUS Roberta Vendramini do Nascimento*, Laís Donini Abujamara*, Laura Fernandes

Leia mais

Ferramentas Básicas da Qualidade

Ferramentas Básicas da Qualidade PRO 2712 CONTROLE DA QUALIDADE 1 Ferramentas Básicas da Qualidade PRO 2712 CONTROLE DA QUALIDADE 2 AS SETE FERRAMENTAS BÁSICAS DA QUALIDADE Diagrama de Pareto Diagrama de Causa-e-Efeito Lista de Verificação

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Os géis inicial e final também foram obtidas com o Viscosímetro Fann modelo 35A.

Os géis inicial e final também foram obtidas com o Viscosímetro Fann modelo 35A. AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES REOLÓGICAS E DE FILTRAÇÕES DE FLUÍDOS DE PERFURAÇÃO ARGILOSO Thaís Pereira Cavalcanti 1 ; Rodrigo César Santiago 2 ; Ulisses Roque de Alburquerque 1 ; Keila Regina Santana 2

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES DE CURA NO DESENVOLVIMENTO DA RESISTÊNCIA DE CIMENTOS ALUMINOSOS

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES DE CURA NO DESENVOLVIMENTO DA RESISTÊNCIA DE CIMENTOS ALUMINOSOS INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES DE CURA NO DESENVOLVIMENTO DA RESISTÊNCIA DE CIMENTOS ALUMINOSOS Rúbia M. Bosse (1) ; Mariane de Pieri (2) ; Raphael Coelli Ivanov (3) Caroline Angulski da Luz (4) ; (1) Universidade

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO.

ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM, COM VISTAS A MELHORAR O SEU DESEMPENHO. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T0 A24 ESTUDO DOS COMPONENTES DA MISTURA PARA CONCRETO COMPACTADO COM ROLO (CCR) DE BARRAGEM,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE BETUMES MODIFICADOS CRM SUJEITOS A ENVELHECIMENTO ARTIFICIAL

CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE BETUMES MODIFICADOS CRM SUJEITOS A ENVELHECIMENTO ARTIFICIAL CARACTERIZAÇÃO REOLÓGICA DE BETUMES MODIFICADOS CRM SUJEITOS A ENVELHECIMENTO ARTIFICIAL INÊS ANTUNES DOUTORANDA EM INVESTIGAÇÃO DA UNIVERSITÀ DEGLI STUDI DI PARMA, ITÁLIA FELICE GIULIANI PROFESSOR ASSOCIADO

Leia mais

EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE

EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE MARCELO MELO BARROSO (1) Doutorando do programa de Pós-Graduação em Engenharia Hidráulica

Leia mais

Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO

Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMAS CERTIFICATES Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO I - APRESENTAÇÃO Estas instruções possuem como propósito: a) Estruturar processo de elaboração

Leia mais

ESTUDO DE INCORPORAÇÃO DO LODO CENTRIFUGADO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA PASSAÚNA EM MATRIZES DE CONCRETO, COM DOSAGEM DE 3%

ESTUDO DE INCORPORAÇÃO DO LODO CENTRIFUGADO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA PASSAÚNA EM MATRIZES DE CONCRETO, COM DOSAGEM DE 3% ESTUDO DE INCORPORAÇÃO DO LODO CENTRIFUGADO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA PASSAÚNA EM MATRIZES DE CONCRETO, COM DOSAGEM DE 3% HOPPEN, C.; PORTELLA, K. F.; ANDREOLI, C. V.; SALES, A.; JOUKOSKI, A.; Estudo

Leia mais

VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA.

VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA. VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA. T. C. PARENTE 1, R.V.SAWAKI 1, J.E.C. ALEXANDRE 2, A.C. LIMA 3,

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt)

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) Pavimentos de Infraestruturas de Transportes Dimensionamento expedito 1/14 1 Acções (tráfego)

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Metodologia em Estudos Clínicos

Metodologia em Estudos Clínicos Metodologia em Estudos Clínicos Gabriela Stangenhaus Livre Docente - USP Prof. Adjunto - UNICAMP Pesquisa Científica e Estudos Clínicos Pesquisa Científica Aquisição de novo conhecimento Pesquisa Científica

Leia mais

2. Materiais empregados

2. Materiais empregados COMPORTAMENTO MECÂNICO DE MISTURAS ASFÁLTICAS DE GRADUAÇÃO DESCONTÍNUA (GAP GRADED) Silvrano Adonias Dantas Neto 1, Márcio Muniz de Farias 2,Jorge C. Pais 3 Copyright 2006, Instituto Brasileiro de Petróleo

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais