ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA"

Transcrição

1 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 1 ANÁLISE EXPERIMENTAL DA SECAGEM DE ARGILA W.A. Lehmkuhl, T.S. Possamai, D.S. Weber, V. Fornazieri, V.P. Nicolau Universidade Federal de Santa Catarina / Campus Universitário - Trindade Centro Tecnológico / Depto. De Engª. Mecânica / labcet RESUMO A etapa de secagem deve estar sincronizada com o processo de queima, caso contrário, a secagem se torna o gargalo para o aumento da produção. O objetivo deste trabalho é, então, apresentar um estudo do processo de secagem de argila com diferentes condições de preparo e avaliação experimental das principais variáveis de processo envolvidas. Estes dados servirão de entradas e parâmetros para a futura elaboração de um programa de simulação computacional que servirá como ferramenta de projeto e análise de secadores. Palavras-chave: Secagem, otimização, cerâmica vermelha. INTRODUÇÃO Na indústria de cerâmica vermelha o processo de secagem se segue após as etapas de extrusão e/ou prensagem. Após a regulagem de alguns secadores contínuos do tipo túnel (Cerâmica Heinig SC e Cerâmica Candelária RS) percebeu-se como algumas variáveis do processo (temperatura, umidade relativa e ventilação) influenciam a curva de secagem, o percentual de peças com defeitos e o rendimento térmico de um secador. Porém muito pouco se conhece sobre a influência que os parâmetros de preparação da massa cerâmica e conformação das peças têm sobre o desempenho do processo de secagem de uma maneira geral. O trabalho de Vieira (1), Feitosa e Monteiro mostra que o enfraquecimento da massa argilosa pela adição de areia reduz a quantidade de água necessária à conformação de uma peça e, portanto, reduz também sua retração. No entanto, trabalhos mostrando como a carga de compactação, a granulometria e a quantidade de água no preparo da massa influenciam o processo de secagem são difíceis de encontrar. Deseja-se, neste trabalho, investigar a influência destes parâmetros e contribuir com

2 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 2 esta linha de investigação. Para tanto, foi montado um aparato experimental e realizados diversos ensaios de secagem, com diferentes condições de preparo da massa cerâmica, que são comparados através de gráficos. Os dados obtidos constituem ainda resultados preliminares e deverão ser validados através da realização de um número maior de ensaios. MATERIAIS E MÉTODOS Inicialmente foram reunidas algumas argilas disponíveis que, após completa secagem, foram moídas individualmente, peneiradas em equipamento apropriado, e separadas de acordo com a espécie e granulometria da argila obtida. Figura 1 - Equipamento para peneiramento. Em seguida foi selecionada uma das argilas disponíveis, de cor cinza, utilizada por empresas cerâmicas de Criciúma-SC, para a realização deste primeiro conjunto de testes. Foram preparadas amostras em formato de disco cilíndrico, com 63 mm de diâmetro e cerca de 2 mm de altura. Estas amostras foram preparadas com massas de granulometrias diferentes [,297 1,19mm], conteúdos iniciais de umidade diferentes [1 2%] e cargas de compactação diferentes [1 toneladas na prensagem]. Cada tipo gerado de amostra foi posteriormente levado ao aparato experimental para a determinação de sua curva de secagem.

3 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 3 Aparato experimental É constituído por uma estufa com ventilação interna e controlador programável de temperatura, uma balança posicionada sobre o teto da estufa e uma bandeja para colocação das amostras. A bandeja é acoplada à balança através de um fio inextensível que perpassa o teto da estufa por um pequeno orifício. O aparato experimental conta ainda com um medidor de umidade relativa e um dispositivo de controle de umidade absoluta. Figura 2 Aparato experimental Uma vez que o objetivo é de se investigar a influência dos parâmetros de preparação da massa cerâmica, a estufa foi regulada para operar com umidade relativa de 3% e temperatura constante de 9 C para todos os ensaios. RESULTADOS O primeiro parâmetro considerado foi o percentual inicial de água. Como a medida da retração de secagem de uma peça depende não só da natureza da argila, mas também do percentual de água eliminado, a maior ou menor retração obtida por cada peça pode modificar as características de secagem das mesmas. Foram

4 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 4 realizados ensaios com massas preparadas com 1 e 2% de umidade, mantendo constantes a granulometria e a carga de compactação. Na indústria é usual se retirar peças dos secadores com teor de umidade em torno de 3%. Observando a fig. 3, pode-se ter a impressão de que as curvas de secagem obtidas são paralelas e, portanto, têm a mesma taxa de secagem. Para efeito de comparação, foi alterado o eixo das abscissas de uma das curvas de tal forma que os pontos iniciais das duas curvas coincidissem, permitindo a verificação do andamento do processo de secagem, mostrado na fig. 4. Conteúdo de Umidade (%) ,4 mm x 2% x 1 ton,4 mm x 1% x 1 ton Figura 3 Curva de secagem obtida Conteúdo de Umidade (%) ,4 mm x 2% x 1 ton,4 mm x 1% x 1 ton Figura 4 Curva de secagem com passo de tempo

5 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR Tomando-se as derivadas das funções referentes às curvas de secagem acima, se obtêm as taxas do processo de secagem. Como já se era esperado, a amostra feita com a massa contendo 2% de umidade apresentou a maior taxa inicial de secagem, em números absolutos [g/h], mostrado na fig.. Porém, ao se dar um passo de tempo no eixo das abscissas para coincidir o percentual inicial de água das duas curvas, a resposta no gráfico das taxas de secagem indica que a variação percentual do conteúdo de umidade da amostra preparada com 1% de água é ligeiramente maior. Estas curvas tendem a convergir para um valor de cerca de 3%/h, como mostrado na fig ,4 mm x 1% x 1 ton,4 mm x 2% x 1 ton - d(m)/dt Figura Taxas de secagem absolutas [gramas de água/h] ,4 mm x 1% x 1 ton,4 mm x 2% x 1 ton d(%)/dt ,2,4,6, 1 1,2 1,4 1,6 1, 2 Figura 6 Taxas percentuais de secagem [% de umidade/h]

6 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 6 O segundo parâmetro variado foi a granulometria, mantido os demais constantes. Este parâmetro mostrou uma influência relativamente pequena, dentro da faixa de valores analisados [,297 1,19 mm], pois as curvas são praticamente paralelas. Conteúdo de Umidade (%) ,297 mm x 2% x 1 ton,297 mm x 2% x 1 ton Figura 7 - Influência da granulometria [mm] Este resultado já era esperado uma vez que durante a mistura e a prensagem da massa úmida, os grãos se unem dando origem a uma massa mais homogênia. O efeito prático observado é um ligeiro aumento da taxa de secagem para a granulometria mais fina, no início do processo, mostrado na fig ,19 mm x 2% x 1t,297 mm x 2% x 1t - d(m)/dt Figura Taxa absoluta de secagem [gramas de água/h]

7 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 7 O terceiro parâmetro considerado foi é carga de compactação. Nos ensaios realizados com amostras feitas com argila de granulometria de,9 mm, os resultados apontam para um decréscimo na taxa de secagem à medida que a carga de compactação aumenta, com efeito maior no início do processo, como mostrado nas fig. 9 e. Conteúdo de Umidade (%) ,9 mm x 2% x 3 ton,9 mm x 2% x ton Figura 9 - Influência da carga de compactação 4 4,9 mm x 2% x 3 ton,9 mm x 2% x ton 3 - d(m)/dt Figura Taxas absolutas de secagem [gramas de água/h] Pode ocorrer de a massa preparada não ficar perfeitamente homogênea, e também se percebe que durante a prensagem uma pequena quantidade de água é perdida em contato com o molde. Por isso, muitas vezes ocorre de uma massa

8 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR preparada com, por exemplo, 2% de água, produzir amostras com percentuais de umidades ligeiramente diferentes e as curvas de secagem não partirem exatamente do mesmo ponto, como nas fig. 7 e 9. CONCLUSÃO A amostra feita com a massa contendo 2% de umidade apresentou maior taxa inicial de secagem, em números absolutos [g/h], em comparação com a amostra de 1%. Porém, em termos percentuais, a variação do conteúdo de umidade da amostra preparada com 1% de água é ligeiramente maior do que a de 2%. Estas taxas tendem a convergir para um valor de cerca de 3%/h. Para um menor valor, tanto de granulometria como da carga de compactação da amostra, é observado um ligeiro aumento da taxa de secagem, principalmente no início do processo. Os valores obtidos nos gráficos para as taxas absolutas de secagem ou para as taxas percentuais de secagem podem servir de base para estimativas iniciais de parâmetros utilizados em programas de simulação computacional. Agradecimentos especiais a RedeGásEnergia e ao Laboratório de Ciências Térmicas da UFSC. REFERÊNCIAS 1. C. M. F. Vieira, H. S. Feitosa, S. N. Monteiro, Avaliação da Secagem de Cerâmica Vermelha Através da Curva de Bigot, Cerâmica Industrial, (1), Janeiro/Fevereiro, (23). 2. D. A. Brosnan, G. C. Robinson, Introduction to Drying of Ceramics with Laboratory Exercises, The American Ceramic Society (23). 3. Más, E. Qualidade e Tecnologia em Cerâmica Vermelha, Editora Pólo Produções LTDA, São Paulo, 22.

9 2 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 9 EXPERIMENTAL ANALYSIS OF CLAY DRYING ABSTRACT The clay drying procedure must be synchronized with the clay firing procedure, otherwise it may become a limitation to the production enhance. This paper presents a study of clay drying prepared under different conditions and the experimental evaluation of main variables of process. The obtained data and parameters will be used in a computational simulation program which will serve as project and analysis tool of dryers. Special thanks to RedeGásEnergia for financial support. Key-Words: Drying process, optimization, ceramics

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA.

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE VÁCUO NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA. Mello, Roberta Monteiro de (1) ; Oliveira, Amando Alves de (1)

Leia mais

Granulometria. Marcio Varela

Granulometria. Marcio Varela Granulometria Marcio Varela Granulometria Definição: É a distribuição, em porcentagem, dos diversos tamanhos de grãos. É a determinação das dimensões das partículas do agregado e de suas respectivas porcentagens

Leia mais

Eixo Temático ET-06-003 - Recuperação de Áreas Degradadas CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA BIORRETENÇÃO EM LOTES RESIDENCIAIS

Eixo Temático ET-06-003 - Recuperação de Áreas Degradadas CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA BIORRETENÇÃO EM LOTES RESIDENCIAIS 318 Eixo Temático ET-06-003 - Recuperação de Áreas Degradadas CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA BIORRETENÇÃO EM LOTES RESIDENCIAIS Mayco Sullivan Araújo de Santana RESUMO Para implantar

Leia mais

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4 DNIT Janeiro/2013 NORMA DNIT 164/2013-ME Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE IN- FRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP

INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP 1 INFLUÊNCIA DA GRANULOMETRIA E TEMPERATURA DE QUEIMA SOBRE O GRAU DE DENSIFICAÇÃO DE ARGILAS DA REGIÃO DE MARTINÓPÓLIS SP S. R. Teixeira, F. C. Dias, A. E. Souza, G. T. Almeida Santos, M. A. L. Nobre

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO GRANULOMÉTRICA, MÓDULO DE FINURA E TEOR DE FINOS EM MATERIAIS GRANULARES

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO GRANULOMÉTRICA, MÓDULO DE FINURA E TEOR DE FINOS EM MATERIAIS GRANULARES Método de Ensaio Folha : 1 de 5 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Documento a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem 6_ Execução do ensaio 7_ Resultados 8_ Anexo A 1_ OBJETIVO 1.1_ Esta recomendação

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH

PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH Nos últimos anos, graças a um trabalho contínuo de pesquisa e desenvolvimento, as linhas de moagem a seco passaram por uma grande evolução, tanto é que hoje,

Leia mais

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 RESUMO: A ocorrência da cavitação em bombas hidráulicas traz consequências negativas

Leia mais

Agregados - determinação da perda ao choque no aparelho Treton

Agregados - determinação da perda ao choque no aparelho Treton MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

k dt = (1) Em que: U= teor de água do produto no tempo t, b.s. Ue= teor de água de equilíbrio, b.s. t= tempo em horas k = constante

k dt = (1) Em que: U= teor de água do produto no tempo t, b.s. Ue= teor de água de equilíbrio, b.s. t= tempo em horas k = constante DETERMINAÇÃO DAS CURVAS DE SECAGEM DE FOLHAS DE PATA-DE-VACA (Bauhinia forficata) 1 Victor Correa Viana 1,3 ; Ivano Alessandro Devilla 2,3 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisador Orientador, UEG 3 Curso de Engenharia

Leia mais

Melhore o seu produto, otimizando matériasprimas. produtivos

Melhore o seu produto, otimizando matériasprimas. produtivos Melhore o seu produto, otimizando matériasprimas e processos produtivos Matérias-Primas Cerâmicas Otimize suas jazidas Determine a localização da Jazida Registre a área a ser pesquisada Proceda a legalização

Leia mais

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA 1. Introdução a) Quantificação do vapor d água na atmosfera. b) Importância da quantificação da umidade atmosférica: - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para

Leia mais

Sistema de Monitoramento de Poços Tubulares

Sistema de Monitoramento de Poços Tubulares Sistema de Monitoramento de Poços Tubulares Pedro Antonio Roehe Reginato 1, Marcos Imério Leão 1, Fernando Pons da Silva 2, Carlos Alvin Heine 3 1 DHH/IPH/UFRGS (imerio@iph.ufrgs.br; pedro.reginato@ufrgs.br)

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UMA ARGILA PARA USO EM CERÂMICA VERMELHA Auro Tanaka 1, José Marques Luiz, Rafael Fontebasso 1. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, UNESP Univ. Estadual

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria

Leia mais

Comparação da câmara de secagem spray de 3 estágios com a câmara tradicional de 2 estágios.

Comparação da câmara de secagem spray de 3 estágios com a câmara tradicional de 2 estágios. Relatórios Técnicos TECNOLOGIA DE SECAGEM DE LEITE Av. Pueyrredón 524-6to PISO (C1032ABS) Buenos Aires, Argentina Tel/Fax: (54-11) 4963 8282 / 9577 1 TECNOLOGIA DE SECAGEM DE LEITE. CÂMARA DE SECAGEM SPRAY

Leia mais

ARGAMASSAS MISTAS COM A UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ARGAMASSAS MISTAS COM A UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ARGAMASSAS MISTAS COM A UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Márcio Costa Ferreira Itapeva - São Paulo - Brasil

Leia mais

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva 1 Fornalhas em secadores cascata 1 Por: Luís César da Silva Para a realização do processo de secagem artificial quase sempre é necessário aumentar o potencial de secagem do ar. Nesse caso, faz-se necessário

Leia mais

DECANTAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVAGEM DE BATATAS DA LINHA DE BATATAS-FRITAS

DECANTAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVAGEM DE BATATAS DA LINHA DE BATATAS-FRITAS DECANTAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVAGEM DE BATATAS DA LINHA DE BATATAS-FRITAS Webber Tavares de CARVALHO; Manoel Soares SOARES JÚNIOR; Flávio Alves da SILVA Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos. Endereço

Leia mais

AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE MEDIÇÃO DE JUNTAS DE CABEÇOTE

AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE MEDIÇÃO DE JUNTAS DE CABEÇOTE ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-OA04 AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE MEDIÇÃO DE JUNTAS DE CABEÇOTE Granuzzio

Leia mais

GRANULOMETRIA DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP*

GRANULOMETRIA DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP* GRANULOMETRIA DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP* ARARY MARCONI** IBRAHIM OCT AVIO ABRAHÃO** RESUMO Os parâmetros propostos por Folk e Ward (SUGUIO, 1973), diâmetro médio (Mz), desvio padrão gráfico

Leia mais

Micro-ambientes marítimos: método para sua definição. Marítime microenvironment: method for its definition

Micro-ambientes marítimos: método para sua definição. Marítime microenvironment: method for its definition Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.12, p.93-99, Outubro, 2008 Micro-ambientes marítimos: método para sua definição Marítime microenvironment: method for its definition Sônia S. F. Bretanha 1 & André

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Cerâmica Novagres Ltda c) Setor/Atividades:

Leia mais

O MATERIAL. O Material. O Uso. Propriedades. Fabricação. Transporte. Produto Final. Distribuição. Reciclagem. Distribuidores

O MATERIAL. O Material. O Uso. Propriedades. Fabricação. Transporte. Produto Final. Distribuição. Reciclagem. Distribuidores CICLO DE VIDA MDF O MATERIAL O MDF (Medium-density fiberboard) é um material fabricado pela aglutinação de fibras de madeira (eucalipto ou pinus) com resinas sintéticas e outros aditivos. Possui como características

Leia mais

Pierre Alexandre Charles Burban. Apreçamento de opções exóticas: Uma abordagem pela simulação de Monte-Carlo. Dissertação de Mestrado

Pierre Alexandre Charles Burban. Apreçamento de opções exóticas: Uma abordagem pela simulação de Monte-Carlo. Dissertação de Mestrado Pierre Alexandre Charles Burban Apreçamento de opções exóticas: Uma abordagem pela simulação de Monte-Carlo Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia de

Leia mais

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL)

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) 1. RELATÓRIO DE SONDAGEM 1.1 Objetivos O presente relatório tem por objetivo descrever os critérios e procedimentos adotados na execução dos serviços de sondagem geotécnica

Leia mais

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 Janaína Terhorst Pizutti 2, José Antônio Santana Echeverria 3, João Paulo Avrella 4, Ricardo Zardin

Leia mais

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY )

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY ) ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO EXPEDITO ( SPEEDY ) DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...4 5. APARELHAGEM E MATERIAL...4

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA.

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. Informe Número: 435 Data: 07/02/2014 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os valores de custos

Leia mais

Uso de Simulação Computacional para Análise de Iluminação Natural

Uso de Simulação Computacional para Análise de Iluminação Natural VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA Edson Kurokawa (*) Engenheiro Civil pela UFG e Mestre em Engenharia de Produção pela UFSC. Trabalha

Leia mais

MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA

MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE UTILIZAÇÃO DA MADEIRA DE EUCALIPTO PARA SERRARIA MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA Cláudio Renck

Leia mais

III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS

III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS Ioana Nicoleta Firta (1) Engenheira Hidráulica, pela Universidade Técnica de

Leia mais

Massas cerâmicas para telhas: características e comportamento de queima (Ceramic bodies for roofing tiles: characteristics and firing behavior)

Massas cerâmicas para telhas: características e comportamento de queima (Ceramic bodies for roofing tiles: characteristics and firing behavior) Cerâmica 49 (2003) 245-250 245 Massas cerâmicas para telhas: características e comportamento de queima (Ceramic bodies for roofing tiles: characteristics and firing behavior) C. M. F. Vieira, T. M. Soares,

Leia mais

ANÁLISE DE DIFERENTES MODELOS DE ATRIBUIÇÃO DE NOTAS DA AVALIAÇÃO INTEGRADORA (AVIN) DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO UNICENP

ANÁLISE DE DIFERENTES MODELOS DE ATRIBUIÇÃO DE NOTAS DA AVALIAÇÃO INTEGRADORA (AVIN) DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO UNICENP ANÁLISE DE DIFERENTES MODELOS DE ATRIBUIÇÃO DE NOTAS DA AVALIAÇÃO INTEGRADORA (AVIN) DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO UNICENP Flavia Viviani Tormena ftormena@unicenp.edu.br Júlio Gomes jgomes@unicenp.edu.br

Leia mais

siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos

siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos COMPORTAMENTO DE SOLOS siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos ALESSANDER C. MORALES KORMANN* BERNARDO P.J.C.N. PERNA** O presente trabalho traz um estudo do comportamento de um solo

Leia mais

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber. É aplicável para leite fluido in natura ou

Leia mais

SMG SILICONES MINAS GERAIS LTDA.

SMG SILICONES MINAS GERAIS LTDA. SMG SILICONES MINAS GERAIS LTDA. SENHOR USUÁRIO, Esperamos que as informações contidas nesse boletim sejam de utilidade em seu processo industrial. Dúvidas aparecerão. Entre em contato com nosso departamento

Leia mais

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO Thiago Brito P. de Souza 1, Marcelo Melo da Costa, Thiago

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE FONTOURA XAVIER SECRETARIA DO PLANEJAMENTO LOCAL: AVENIDA 25 DE ABRIL ASSUNTO: PROJETO DE CAPEAMENTO ASFÁLTICO ÁREA TOTAL: 4.935,75 m² PROJETO BÁSICO

Leia mais

Resistividade de Materiais Condutores

Resistividade de Materiais Condutores Roteiro Experimental n 2 da disciplina de Materiais Elétricos vidade de Materiais Condutores COMPONENTES DA EQUIPE: NOTA: Data: / / 1. OBJETIVOS: Estimar a resistividade do material a partir das suas dimensões;

Leia mais

Rio de Janeiro - Brasil Julho - 2011

Rio de Janeiro - Brasil Julho - 2011 PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGÉTICA EN LADRILLERAS ARTESANALES DE AMERICA LATINA PARA MITIGAR EL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE FORNO CERÂMICO TIPO CATENÁRIA DESENVOLVIDO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja 53 Marcos César Colacino 1 ; Carolina Maria Gaspar de Oliveira 2 RESUMO A antecipação da colheita da soja resulta em uma grande quantidade de vagens verdes

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO.

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. ANÁLISE DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E TÉRMICAS DE TIJOLOS SOLO-CIMENTO COM E SEM ADIÇÃO DO PÓ DA FIBRA DE COCO. Luiz Cláudio Ferreira da Silva José Ubiragí de Lima Mendes Rasiah Ladchumananandasivam Universidade

Leia mais

UMIDADE ÓTIMA DE COMPACTAÇÃO DE SOLO-CIMENTO PARA DIFERENTES TRAÇOS

UMIDADE ÓTIMA DE COMPACTAÇÃO DE SOLO-CIMENTO PARA DIFERENTES TRAÇOS UMIDADE ÓTIMA DE COMPACTAÇÃO DE SOLO-CIMENTO PARA DIFERENTES TRAÇOS Cristiane Zuffo da Silva(1); Evandro Marcos Kolling (2); Tobias Jun Shimosaka (3); Ney Lysandro Tabalipa (4); Caroline Angulski da Luz

Leia mais

Otimização do Processo de Moagem de Engobes Cerâmicos para Produção de Revestimento

Otimização do Processo de Moagem de Engobes Cerâmicos para Produção de Revestimento Otimização do Processo de Moagem de Engobes Cerâmicos para Produção de Revestimento V.S. Nandi a,b, O.R.K. Montedo b * a Cerâmica Novagres Ltda, Rodovia Genésio Mazon, SC 445, km 19, 88840-000, São Pedro,

Leia mais

MECANISMOS FÍSICOS EM MÊS EXTREMO CHUVOSO NA CIDADE DE PETROLINA. PARTE 3: CARACTERÍSTICAS TERMODINÂMICAS E DO VENTO

MECANISMOS FÍSICOS EM MÊS EXTREMO CHUVOSO NA CIDADE DE PETROLINA. PARTE 3: CARACTERÍSTICAS TERMODINÂMICAS E DO VENTO MECANISMOS FÍSICOS EM MÊS EXTREMO CHUVOSO NA CIDADE DE PETROLINA. PARTE 3: CARACTERÍSTICAS TERMODINÂMICAS E DO VENTO Roberta Everllyn Pereira Ribeiro 1, Maria Regina da Silva Aragão 2, Jaqueline Núbia

Leia mais

CONTROLE DE PRODUTO NÃO CONFORME. Aprovação: Olavo R. Tomasini

CONTROLE DE PRODUTO NÃO CONFORME. Aprovação: Olavo R. Tomasini Aprovação: Olavo R. Tomasini CONTROLE DE PRODUTO NÃO Código: PR 19 Revisão: 03 Página: 1 de 7 Data: 10/10/09 Arquivo: PR 19_03.doc Rubrica: 1 OBJETIVO Estabelecer a sistemática adotada para a identificação,

Leia mais

Concreto - ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos RESUMO 0 PREFÁCIO ABSTRACT 1 OBJETIVO SUMÁRIO 2 REFERÊNCIAS

Concreto - ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos RESUMO 0 PREFÁCIO ABSTRACT 1 OBJETIVO SUMÁRIO 2 REFERÊNCIAS MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR Entre nós o procedimento de compactação em escala reduzida em relação ao Proctor tradicional foi divulgado pelo Engº Carlos de Souza Pinto (1965), para obtenção de CP s na aplicação

Leia mais

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Prof. Fernando A. M. Marinho 2010 Teor de Umidade nos Vazios (adensamento) Índice de Vazios 3 2.5 2 1.5 1 S = 100% e = wg s Tensão

Leia mais

Combustibilidade no Estado Inicial, Estado Final e após Envelhecimento.

Combustibilidade no Estado Inicial, Estado Final e após Envelhecimento. 1 de 12 Descrição da Natureza da Revisão Atual Incluído Estado Final no título e inserido Item 05, Item 6.3 e croquis do Item 09. 1 OBJETIVO Verificar a velocidade de queima de materiais testados isoladamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COEFICIENTE DE ATRITO PARA LIGA DE ALUMÍNIO AA6351 PELO MÉTODO DO TUBO CÔNICO EM COMPARAÇÃO COM SIMULAÇÃO NUMÉRICA 1

AVALIAÇÃO DO COEFICIENTE DE ATRITO PARA LIGA DE ALUMÍNIO AA6351 PELO MÉTODO DO TUBO CÔNICO EM COMPARAÇÃO COM SIMULAÇÃO NUMÉRICA 1 AVALIAÇÃO DO COEFICIENTE DE ATRITO PARA LIGA DE ALUMÍNIO AA6351 PELO MÉTODO DO TUBO CÔNICO EM COMPARAÇÃO COM SIMULAÇÃO NUMÉRICA 1 Alex Fabiano Bueno 2 Vinícius Martins 3 Paulo Ricardo Böesch Júnior 4 Alexsandro

Leia mais

Reciclagem de resíduo proveniente da produção de papel em cerâmica vermelha. Recycling of waste from the paper production into red ceramic

Reciclagem de resíduo proveniente da produção de papel em cerâmica vermelha. Recycling of waste from the paper production into red ceramic ISSN 1517-7076 Revista Matéria, v. 13, n. 1, pp. 220 227, 2008 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo10987 Reciclagem de resíduo proveniente da produção de papel em cerâmica vermelha PINHEIRO,

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA 1 ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA LOCALIZAÇÃO: Avenida Jacob Wagner Sobrinho NOVA BOA VISTA / RS JUNHO DE 2013 1 2 1.0 INTRODUÇÃO

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS PLANOS DE RETIRADA DO ESCORAMENTO REMANESCENTE NAS DEFORMAÇÕES DAS LAJES DE CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DOS PLANOS DE RETIRADA DO ESCORAMENTO REMANESCENTE NAS DEFORMAÇÕES DAS LAJES DE CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DOS PLANOS DE RETIRADA DO ESCORAMENTO REMANESCENTE NAS DEFORMAÇÕES DAS LAJES DE CONCRETO ARMADO Lineker B. Hoffmann (1) ; Lucas Z. Monteiro (2) ; Luis Otávio C. de Araújo (3) ; Pedro Vinicius

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIPPG Coordenadoria de Pesquisa e Estudos Tecnológicos COPET RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia.

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia. ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE (CAV) E VOLUME DE AR VARIÁVEL (VAV) MULTIZONAS OPERANDO EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO César Augusto Gomes dos Santos Jorge Emanuel

Leia mais

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONCEITOS GERAIS : A curva S representa graficamente o resultado da acumulação das distribuições percentuais, parciais, relativas à alocação de determinado fator de produção (mão de obra, equipamentos

Leia mais

Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento

Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento Leandro do Nascimento Silva leandro.nasciment o@vmetais.com.b r Patrick Pena Gomes patrick.gomes@csn.c om.br Hélio de Paiva Amorim

Leia mais

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009

Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas. Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de processo: algumas ferramentas estatísticas Linda Lee Ho Depto Eng de Produção EPUSP 2009 Controle estatístico de Processo (CEP) Verificar estabilidade processo Coleção de ferramentas

Leia mais

Agregados - determinação da abrasão Los Angeles RESUMO 0 PREFÁCIO ABSTRACT 1 OBJETIVO SUMÁRIO 2 REFERÊNCIAS

Agregados - determinação da abrasão Los Angeles RESUMO 0 PREFÁCIO ABSTRACT 1 OBJETIVO SUMÁRIO 2 REFERÊNCIAS MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais 5 Equipamentos e Técnicas Experimentais De acordo com Castro (2007), quando as propriedades reológicas são determinadas em laboratório, diz-se que se está realizando ensaios de reometria. Para isso, existem

Leia mais

HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 3. 1) TEMA: Calibração de medidores de vazão de tipo orifício.

HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 3. 1) TEMA: Calibração de medidores de vazão de tipo orifício. 3 HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 3 ) TEMA: Calibração de medidores de vazão de tipo orifício ) OBJETIOS: Introdução de métodos de medidas de vazão com medidores do tipo orifício e sua calibração 3) FUNDAMENTOS:

Leia mais

MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO

MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n. 653, de 16 de maio de 1985 Publicado no DOERJ de 10 de junho de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS Local: Rua Pedro Azelin da Silva Trecho: Entre a Rua 09 de Julho e a Rua Ernesto Ferreira Maia Área: TRECHO 01:

Leia mais

Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda

Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda 1 Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda P. Ortega, UFSC; P. Bernardini, UFSC e L.A, Torres, TRACTEBEL Resumo- O presente

Leia mais

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja O farelo integral ou semi integral obtido através do processo de extrusão vem ganhando cada vez mais espaço em

Leia mais

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Helton José Alves, Fábio Gomes Melchiades, Anselmo Ortega Boschi* Laboratório de Revestimentos Cerâmicos

Leia mais

Ministério da Educação Campus de Ponta Grossa da UTFPR LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO/CETEM ROTEIRO DE AULA PRÁTICA DE FUNDIÇÃO

Ministério da Educação Campus de Ponta Grossa da UTFPR LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO/CETEM ROTEIRO DE AULA PRÁTICA DE FUNDIÇÃO Nome dos membros da equipe: TEMA: OBJETIVOS: (a) GERAL Ministério da Educação ROTEIRO DE AULA PRÁTICA DE FUNDIÇÃO CARACTERIZAÇÃO DE AREIAS BASE DE SÍLICA PARA USO EM FUNDIÇÃO FORMULAR UM RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

USO DE MATÉRIAS PRIMAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PARA FORMULAÇÃO DE FAIANÇA PARA APLICAÇÃO DE ESMALTE

USO DE MATÉRIAS PRIMAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PARA FORMULAÇÃO DE FAIANÇA PARA APLICAÇÃO DE ESMALTE USO DE MATÉRIAS PRIMAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PARA FORMULAÇÃO DE FAIANÇA PARA APLICAÇÃO DE ESMALTE E. M. Carlos 1 ; R. B. Assis 2 ; R. F. Sousa 1 ; J. K. D. Santos 1 ; J. U. L. Mendes 1 ; C.

Leia mais

ESTUDO GRANULOMÉTRICO DA PLATAFORMA INTERNA N DO RN, ENTRE GALINHOS E PORTO DO MANGUE

ESTUDO GRANULOMÉTRICO DA PLATAFORMA INTERNA N DO RN, ENTRE GALINHOS E PORTO DO MANGUE Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Análise da Eficiência de Empresas de Comércio Eletrônico usando Técnicas da Análise Envoltória de Dados

Análise da Eficiência de Empresas de Comércio Eletrônico usando Técnicas da Análise Envoltória de Dados Guerreiro A. Alexandra dos Santos Guerreiro Análise da Eficiência de Empresas de Comércio Eletrônico usando Técnicas da Análise Envoltória de Dados Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como

Leia mais

Título: Autores: INSTITUIÇÃO: UFCG OBJETIVOS Gerais Específicos MATERIAIS E MÉTODOS Materiais Solos -

Título: Autores: INSTITUIÇÃO: UFCG OBJETIVOS Gerais Específicos MATERIAIS E MÉTODOS Materiais Solos - Título:UTILIZAÇÃO DE SOLO-CIMENTO NA FABRICAÇÃO DE TIJOL Autores: C.R.S. Morais, R.L. Rodrigues, D.S.G. Lima, M.R. Patrício, G.A. Neves crislene@dema.ufpb.br, ricalirodrigues@yahoo.com.br, danengematl@bol.com.br,

Leia mais

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO Anderson Fanchiotti da Silva, Deyvson Martins Fanti, Diego Serra, Everton Moreira Chaves, Fabiano Botassoli, Hedylani N. F. Corsini, Patrik Mantovani de Oliveira,

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

Artigos científicos / Scientific articles

Artigos científicos / Scientific articles Artigos científicos / Scientific articles Rev. Ibirapuera, São Paulo, n. 1, p. 20-25, jan./jun. 2011 Obtenção e caracterização de artefatos de cimento com adição de cinzas pesadas de carvão mineral Cláudia

Leia mais

Material Fresado: Uma Opção Sustentável

Material Fresado: Uma Opção Sustentável Material Fresado: Uma Opção Sustentável Autores: Thalita Ramalho de Carvalho Msc. Danilo Fernandes de Medeiros Instituição Centro Universitário Planalto do Distrito Federal - UNIPLAN 19 a 21 maio 2014

Leia mais

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS.

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. - FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. Máquinas Para Agroindústrias METALÚRGICA LTDA ME A empresa Metalúrgica Maggisan foi fundada no ano de

Leia mais

MOINHOS PENDULARES MOLOMAX

MOINHOS PENDULARES MOLOMAX MOINHOS PENDULARES MOLOMAX Web: http://www.manfredinieschianchi.com - Email: sales@ms-plants.it 1/14 Os Moinhos Pendulares MOLOMAX são empregados para a moenda de matérias-primas de vários tipos, peso

Leia mais

Acompanhamento de um Projeto Didático

Acompanhamento de um Projeto Didático Acompanhamento de um Projeto Didático Carlos Eduardo de Brito Novaes carlos.novaes@usp.br Universidade de São Paulo, Escola Politécnica Av. Professor Luciano Gualberto, travessa 3, n 380 05508-010 São

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO DA POTENCIALIDADE DA UTILIZAÇÃO DA MISTURA DE CINZA DE BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR E RESÍDUOS DE PNEUS NA CONFECÇÃO DE CONCRETOS E PAVERS PARA PAVIMENTAÇÃO

Leia mais

ESTUDO DA ESPACIALIDADE DO LIMITE DE PLASTICIDADE E DA MASSA ESPECIFICA APARENTE SECA EM UM SOLO MANEJADO SOB PLANTIO DIRETO RESUMO

ESTUDO DA ESPACIALIDADE DO LIMITE DE PLASTICIDADE E DA MASSA ESPECIFICA APARENTE SECA EM UM SOLO MANEJADO SOB PLANTIO DIRETO RESUMO ESTUDO DA ESPACIALIDADE DO LIMITE DE PLASTICIDADE E DA MASSA ESPECIFICA APARENTE SECA EM UM SOLO MANEJADO SOB PLANTIO DIRETO Ródney Ferreira Couto 1 ; Elton Fialho dos Reis 2 ; Antônio Lazaro Ferreira

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO

TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO RETIFICAR SUPERF. CÔNICAS E CILÍNDRICAS EXTERNAS DEFINIÇÃO: É utilizar uma retificadora portátil, presa no carro superior do torno, cujo rebolo, em rotação, age como ferramenta,

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

(11) Número de Publicação: PT 104707 A. (51) Classificação Internacional: B66C 13/08 (2006.01) B66F 9/04 (2006.01)

(11) Número de Publicação: PT 104707 A. (51) Classificação Internacional: B66C 13/08 (2006.01) B66F 9/04 (2006.01) (11) Número de Publicação: PT 104707 A (51) Classificação Internacional: B66C 13/08 (2006.01) B66F 9/04 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2009.08.04 (30) Prioridade(s):

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 Samara Correa Gomes Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA Edgar Della Giustina (1) (edgar.giustina@pr.senai.br), Luis Carlos Machado (2) (luis.machado@pr.senai.br) (1) Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Manual de Instruções e Operação Moinhos USI-180

Manual de Instruções e Operação Moinhos USI-180 USIFER A Solução em Moagem Indústria Metalúrgica Ltda. Rua Vêneto, n 969 Bairro Nova Vicenza CEP 95180-000 Farroupilha RS Fones: (54) 3222 5194 Vendas (54) 3261 7356 Fábrica e-mail: usifermoinhos@usifermoinhos.com.br

Leia mais

Figura 3.1 Curva de compactação

Figura 3.1 Curva de compactação 3. Compactação O estudo da técnica e controle da compactação é relativamente recente e tem sido desenvolvido principalmente para a construção de aterros. A compactação é um processo no qual se visa melhorar

Leia mais

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Artigo publicado na revista Lumiere Electric edição nº 166 Aplicações de investimentos dentro das empresas sempre são questionadas

Leia mais

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador R Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA. Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

Estudo do comportamento do gesso-α com a adição de ácidos graxos

Estudo do comportamento do gesso-α com a adição de ácidos graxos Estudo do comportamento do gesso-α com a adição de ácidos graxos Maria Carolina de Albuquerque Feitosa Bolsista de Iniciação Científica, Engenharia de Minas, UFPE João Alves Sampaio Orientador, Engenheiro

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO DA UMIDADE E DA TEMPERATURA EM ESTUFA PARA O CULTIVO EM AMBIENTE PROTEGIDO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO DA UMIDADE E DA TEMPERATURA EM ESTUFA PARA O CULTIVO EM AMBIENTE PROTEGIDO IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO DA UMIDADE E DA TEMPERATURA EM ESTUFA PARA O CULTIVO EM AMBIENTE PROTEGIDO Fabiano Peretti 1 ; Ana Julia Rampanelli Eleodoro 2 ; Raul Fernandez Sales 3 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE Método de ensaio L9.226 MAR/92 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Documentos complementares...1 3 Aparelhagem...1 4 Execução

Leia mais