ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS"

Transcrição

1 ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS Márcia Francine Bento 1, Marcelo Sato Yamauchi 1, Paulo Carrara 1,3, Cindy Santiago Tupiniquim 1 e Luis Mochizuki 1,2 1 USP/Escola de Educação Física e Esporte, Laboratório de Biomecânica, São Paulo, SP; 2 USP/Escola de Artes, Ciências e Humanidades, São Paulo, SP, 3 UP/ Faculdade de Desporto, Porto, Portugal. Resumo: O objetivo deste estudo foi analisar os diferentes tipos de saltos e relacionar seus parâmetros cinemáticos. Para esta análise, foi filmada a prova de salto sobre a mesa do campeonato Brasileiro Juvenil em São Paulo, Foram realizadas três ANOVAs: 1) entre ângulo de abordagem (trampolim e mesa) e o gênero, onde o feminino abordou o trampolim com ângulo menor no trampolim e maior na mesa; 2) entre o tipo de salto e as variáveis angulares, onde o tipo de salto não afetou o ângulo de abordagem no trampolim ou na mesa; e 3) entre a postura e as variáveis angulares, onde a postura não afetou o ângulo de abordagem na mesa, mas afetou o ângulo de abordagem no trampolim somente no salto grupado em relação ao estendido. Palavras Chave: salto, ginástica, biomecânica. Abstract: The aim of this paper was to analyze different types of vaults performed and to relate its kinematics parameters. For this analysis, it was filmed the men and women Brazilian Junior table vault Competition, in São Paulo, Three ANOVAs were made: 1) between approach angle (springboard and table) and gender, where the female one approached the springboard with lesser angle and bigger angle in the table; 2) between the type of jump and angular variable, where the type of jump did not affect the angle of approaching to the springboard or the table; and 3) between body position and the angular variable, where the body position did not affect the angle of approaching in the table, but only affected the angle of approaching in springboard in the tuck jump in relation to the layout one. Key Words: vault, gymnastics, biomechanics. INTRODUÇÃO A Ginástica Artística (GA) contém diferentes tipos de provas, entre elas a de salto sobre a mesa, tanto para o masculino como para o feminino. O salto é executado a partir da corrida até o trampolim, ocorre a abordagem do trampolim até a mesa (primeiro vôo), e em seguida à abordagem na mesa, o término do salto com a aterrisagem em pé (segundo vôo) [1]. A posição corporal na abordagem ao trampolim e na mesa de salto é fundamental para a melhor transferência de momento entre segmentos corporais e para o melhor aproveitamento das propriedades elásticas do trampolim e da mesa de salto. Essa abordagem na mesa de salto para a realização do salto é variada, assim temos passagens sobre a mesa de salto na forma de reversão, no estilo Tsukahara e no estilo Yurchenko [2] (Figura 1). Em estudo sobre a relação dos tempos de vôo e parâmetros cinemáticos do salto, foi verificada a relação entre medidas temporais e cinemáticas com o tempo de duração do segundo vôo. Concluiu-se que a eficiência do segundo vôo foi determinada pelo primeiro vôo. O primeiro vôo foi influenciado pelos ângulos de entrada no trampolim, possivelmente devido aos diferentes tipos de abordagem, sugerindo mais investigações deste parâmetro [3]. Desta forma, será que a variação do tipo de salto é fator determinante ao nível de rendimento dos ginastas nesta prova? Em virtude disto, o objetivo deste estudo é analisar a relação entre os tipos de saltos (diferentes abordagens no trampolim e mesa) e os seus parâmetros cinemáticos.

2 MATERIAIS E MÉTODOS Foram filmadas as provas masculina e feminina de salto sobre a mesa do Campeonato Brasileiro Juvenil de Ginástica Artística, que aconteceu no estado de São Paulo em Desta forma, foram filmados 22 saltos masculinos e 29 saltos femininos na amostra deste estudo. Instrumentos Foi utilizada uma câmera digital (Sony Inc.) com velocidade de abertura de 1/100s e freqüência de amostragem de 30 Hz, que foi apoiada sobre um tripé e mantida fixa durante a filmagem. A distância da posição da câmera e a mesa de salto foi de aproximadamente 5 m. Foram utilizadas as dimensões angulares da mesa de salto para a calibração dos ângulos de medida. Em função da frequência de amostragem utilizada, podem haver limitações na determinação dos ângulos estudados, por isso selecionamos apenas para digitalização as articulações do tornozelo e quadril. Após a calibração do sistema, o erro estimado para a reconstrução dos ângulos de interesse foi de 2. Análise das imagens As imagens foram transferidas para um PC Pentium IV 2,2 GHz por meio de uma placa de captura de imagens de 128 Mbytes. Em seguida foram selecionadas as imagens de interesse: a) instante de contato do pé com o trampolim (pontos anatômicos articulação do tornozelo e quadril) e b) instante de contato das mãos sobre a mesa de salto (pontos anatômicos articulação do ombro e quadril). Uma alternativa para determinar o ângulo de entrada seria observar também a flexão da articulação do joelho, mas devido ao movimento, foi mais claro identificar a articulação do quadril. Para cada imagem, foram digitados manualmente os pontos para a determinação dos ângulos de calibração do sistema (ângulos retos existentes no perfil lateral da mesa de salto) e os pontos de interesse no corpo dos atletas. Para digitação e determinação de ângulos, utilizamos rotinas desenvolvidas no Matlab 6.5. Figura 1 Os tipos de entrada sobre a mesa de salto. Na parte superior está a entrada em reversão, no centro a entrada no estilo Tsukahara e na parte inferior a entrada no estilo Yurchenko. Variáveis de estudo As variáveis selecionadas para o estudo foram ângulo de entrada no trampolim, definido como o ângulo de inclinação do vetor ponta do pé-quadril com o chão (horizontal do sistema); ângulo de entrada na mesa de salto, definido como o ângulo de inclinação do vetor ombro-quadril em relação a vertical; posição de colocação das mãos sobre a mesa, definido pelo ângulo de inclinação do vetor que parte do centro da mesa de salto até o ponto de colocação da mão sobre a mesa em relação ao chão.

3 O teste post hoc Tukey HSD indicou que as Análise dos resultados Para relacionar os tipos de salto com os ângulos de entrada, foram utilizados modelos de regressão linear múltipla. Aplicamos a análise de variância ANOVA para comparar os valores dos parâmetros estudados entre os tipos de salto e postura dos grupos masculino e feminino. Para diferenças encontradas, foi usado o teste Tukey. mulheres entraram com ângulo menor no trampolim (p=0,03) e maior na mesa (p=0,003). A ANOVA foi aplicada para verificar o efeito do tipo de salto (tsukahara, yurchenko ou reversão) nas variáveis angulares. O tipo de salto não afetou o ângulo de entrada para o trampolim (F (2,48) =1,8, p=0,17) ou o ângulo de entrada para a mesa (F (2,48) =0,2, p=0,76). A ANOVA foi aplicada para verificar o RESULTADOS efeito da postura (grupado, carpado ou estendido) nas variáveis angulares. A postura afetou o ângulo A ANOVA foi utilizada para verificar o efeito do grupo (masculino ou feminino) nas variáveis angulares. O gênero influenciou o de entrada para o trampolim (F (2,48) =3,8, p=0,02) e o não afetou o ângulo de entrada para a mesa (F (2,48) =2,4, p=0,09). ângulo de entrada para o trampolim (F (1,49) =4,5, p=0,03) e o ângulo de entrada para a mesa (F (1,49) =9,7, p=0,003). Tabela 1 - Média e desvio padrão das variáveis angulares mensuradas. Grupo Tipo de saltos postura Posições (graus) Trampolim Mesa de salto Reversão Grupado 55,3±26,5 105,7±12,8 Carpado 67,3±30,5 94,5±7,0 Feminino n=29 Masculino n=22 Tsukahara Yurchenko Reversão Tsukahara Yurchenko Estendido - - Grupado 43,5 115,1 Carpado 71,7±23,2 102,7±11,8 Estendido 109,9 101,6 Carpado 106,1 107,5 Estendido 63,4±15,4 102,1±10,5 Grupado 64,4 86,8 Carpado 87,3±31,4 90,5±4,0 Estendido - - Carpado - - Estendido 80,6±27,1 93,8±8,6 Carpado - - Estendido 85,6±19,2 98,7±5,0

4 O teste post hoc Tukey HSD indicou que para um salto na postura grupada o ângulo de entrada no trampolim é menor do que na postura estendida (p=0,02) e que não houve diferença de ângulo de entrada no trampolim para as posturas estendida e carpada (p=0,11). DISCUSSÃO O primeiro resultado de nosso estudo foi que as mulheres entraram com ângulo menor no trampolim e maior na mesa. Considerando que o tempo de 2º vôo é o principal preditor do tempo do 1º vôo [3], e a eficiência deste está relacionada à velocidade de saída do trampolim [4], é possível que a variação da velocidade entre os dois gêneros tenha ocasionado o ajuste nos ângulos de abordagem, de modo a garantir a realização do salto. Em um bom salto, o decréscimo de 7% na velocidade horizontal causaria uma redução de 13% na distancia do 2 o vôo, e um similar decréscimo na velocidade vertical, produzindo um redução de 25% na distancia do 2 o vôo [5]. Correlações significantes indicaram que a velocidade horizontal na saída do trampolim determinou o resultado do salto mas também o contato na mesa e a direção mais vertical na saída da mesa [6]. No entanto, são necessários mais estudos que relacionem as variáveis velocidade e ângulos de abordagem para podermos afirmar tal justificativa. O segundo resultado de nosso estudo foi que o tipo de salto não afetou o ângulo de abordagem no trampolim e na mesa. O ângulo de saída da mesa determina a variação horizontal ou vertical no deslocamento do segundo vôo; quanto maior for a aceleração vertical, maior tempo útil para realizar as acrobacias na fase aérea [7]. Ao observar que para o segundo vôo não há penalização para o deslocamento horizontal, mas somente para o vertical [1], consideramos que os ginastas sejam treinados para sempre procurar alcançar o ângulo que melhor permita seu deslocamento vertical, independentemente do tipo de salto ou postura adotada. Em um estudo realizado com finalistas olímpicos do sexo masculino com o mesmo propósito, observou pequenas diferenças no angulo de saída do trampolim e pequena variação angular. O ângulo de contato do trampolim foi idêntico para o salto tsukahara e reversão, e o angulo de abordagem de entrada e de saída da mesa diferiram entre os dois tipos, mas estes não foram comparáveis pelo fato dos critérios de análise terem sido diferenciados [8]. Embora os resultados tenham sido similares em ambos estudos, as amostras eram bem diferentes, pois em detrimento da homogeneidade de atletas finalistas olímpicos do estudo citado acima, a nossa amostra foi composta de atletas juvenis com níveis técnicos diferenciados. Razão pela qual a média utilizada no resultado de diferentes posturas em um mesmo tipo de salto possa ter igualado a situação uniforme que encontramos quando analisamos um mesmo nível de dificuldade dentro de diferentes tipos de saltos. Corroborando com essa hipótese, o terceiro resultado do nosso estudo foi que a postura não afetou o ângulo de entrada para a mesa. O salto grupado teve menor ângulo de entrada no trampolim que o salto estendido e que

5 não houve diferença de ângulo de entrada no trampolim para saltos carpado e estendido. Independentemente do tipo de salto, a posicao grupada é a que menos exige do ginasta em capacidades físicas ou técnicas, por isso possui menor valor do que as outras posições [1]. Este menor apuramento técnico dos ginastas que realizaram o salto nesta posição pode estar relacionado à variação angular encontrada para esta postura. Devemos ainda considerar as diferentes faixas etárias entre o sexo feminino (12 a 15 anos) e o masculino (14 a 18 anos) bem como suas diferenças antropométricas e dinâmicas nos momentos de força. CONCLUSÃO Não houve relação entre os tipos de salto e os ângulos de abordagem do trampolim e da mesa, sendo esses apenas influenciados por diferentes posturas e gênero, sugerindo assim estudos que analisem estas variáveis levando em consideração as diferenças antropométricas, técnicas e capacidades fisicas dos ginastas. [4] Takei Y. A comparison of techniques used in performing the men s compulsory gymnastic vault at the 1988 Olympics. International journal of sport biomechanics. 1991; 7: [5] Dainis A. A model for gymnastics vaulting. Medicine and Science in Sports and Exercise. 1981; 13(1): [6] Takei Y. Techniques used in performing handspring and salto forward tucked in gymnastic vaulting. International journal of sport biomechanics. 1988; 4: [7] Mochizuki L, Amadio AC. Aplicações de conceitos de Biomecânica na Ginástica Artística. In Nunumora & Nista-Piccolo (Eds.) Compreendendo a Ginástica Artística. Phorte: [8] Dillman CJ, Cheetham PJ, Smith SL. A kinematics analysis of men s Olympic long horse vaulting. International journal of sport biomechanics. 1985; 1: dos autores: REFERÊNCIAS [1] Fédération Internationale de Gymnastique (FIG). Code of Points: [2] Prassas S. Vaulting mechanics. In, Spiros Prassas & Kostas Gianikellis (Eds.) Applied Proceedings of XX International Symposium on Biomechanics in Sports? Gymnastics; p [3] Mochizuki L, Tupiniquim C, Serrão JC, Amadio AC. Análise biomecânica do salto sobre o cavalo: relação entre tempo de vôo e parâmetros cinemáticos do salto. XICBB; 2005.

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

Um breve histórico da GA

Um breve histórico da GA Ginástica Artística Um breve histórico da GA Séc. XIX Alemanha O nome que mais se destaca na história da formação da ginástica moderna foi do alemão Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852), grande nacionalista

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística

A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Educação Física e Esporte Campus de Ribeirão Preto A competição nos clubes e federações: Ginástica Artística Myrian Nunomura Nadia 1976 http://www.youtube.com/watch?v=4m2yt-pikec

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

SALTO EM E M DISTÂNCIA

SALTO EM E M DISTÂNCIA SALTO EM DISTÂNCIA Salto em Distância O salto em distancia é uma prova de potência, sua performance está diretamente relacionada com a velocidade de impulso O saltador deve produzir o máximo de velocidade

Leia mais

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO DE MINI-TRAMPOLIM

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO DE MINI-TRAMPOLIM CÓDIGO DE PONTUAÇÃO * * * * MINI-TRAMPOLIM 2001/2004 1 MINI-TRAMPOLIM A. REGRAS GERAIS 1. COMPETIÇÃO INDIVIDUAL 1.1. Uma competição de Mini-Trampolim consiste em três saltos (3 elementos técnicos). 1.1.1.

Leia mais

AVALIAÇÃO CINEMÁTICA EM EQUINOS APÓS ELEVAÇÃO DO TALÃO OU PINÇA

AVALIAÇÃO CINEMÁTICA EM EQUINOS APÓS ELEVAÇÃO DO TALÃO OU PINÇA 1 AVALIAÇÃO CINEMÁTICA EM EQUINOS APÓS ELEVAÇÃO DO TALÃO OU PINÇA LARISSA DA SILVA BOMFIM 1, JAQUELINE BIZI 1, JOÃO PEDRO BORGES BARBOSA 1, RAFAELA ESPERANZA BAPTISTA 1, EUGÊNIO NARDIN NETO 1, LINA MARIA

Leia mais

INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS.

INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS. INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS. ELISANGELA M ISENSEE, VANESSA ANTHEWITZ, ANDRIZE R COSTA, RAFAEL KREMER Faculdade Metropolitana de Blumenau

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

FILTROS NA ANÁLISE CINEMÁTICA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

FILTROS NA ANÁLISE CINEMÁTICA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior FILTROS NA ANÁLISE CINEMÁTICA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais O sinal verdadeiro e o ruído Fundamentos sobre filtros Filtros digitais: - Médias móveis - Butterworth - Chebyshev

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION VOLUME 3 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2007 ANÁLISE DAS REPETIÇÕES MÁXIMAS ESTIMADAS ATRAVÉS DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA Daiane Graziottin Borges 1 Jacqueline Souza Oliveira 2 João Paulo Manochio Riscado

Leia mais

PROF. Ms. GUSTAVO CELESTINO MARTINS PROF. Dr. GUANIS DE BARROS VILELA JUNIOR

PROF. Ms. GUSTAVO CELESTINO MARTINS PROF. Dr. GUANIS DE BARROS VILELA JUNIOR PROF. Ms. GUSTAVO CELESTINO MARTINS PROF. Dr. GUANIS DE BARROS VILELA JUNIOR PASSOS PARA DIGITALIZAÇÃO NO SKILLSPECTOR Realizar a filmagem com os procedimentos metodológicos adequados; Transferir a filmagem

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA VERIFICAR A INFLUÊNCIA DO CICLISMO NOS ASPECTOS CINEMÁTICOS NA CORRIDA DO TRIATHLON.

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA VERIFICAR A INFLUÊNCIA DO CICLISMO NOS ASPECTOS CINEMÁTICOS NA CORRIDA DO TRIATHLON. PROPOSTA METODOLÓGICA PARA VERIFICAR A INFLUÊNCIA DO CICLISMO NOS ASPEOS CINEMÁTICOS NA CORRIDA DO TRIATHLON. Carina Helena Wasem Fraga 1, Leonardo de Los Santos Bloedow 1, Felipe Carpes 2, Leonardo Alexandre

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014

REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA TV SERGIPE 2014 NÍVEL I MASCULINO E FEMININO Nº Elementos Descrição Valor 1. Postura de Posição estendida com braços elevados apresentação 2. Rolamento p/ frente

Leia mais

METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL

METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL Fábio H. A. Okazaki; Priscila M. Caçola; Victor H. A.Okazaki; Ricardo W. Coelho UFPR / PR CECOM

Leia mais

Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil

Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil Yukio Asano, Ricardo; Neto, João Bartholomeu; Bueno Godinho Ribeiro, Daniele; Soares Barbosa, Avelino;

Leia mais

ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA. Parâmetros Gerais

ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA. Parâmetros Gerais ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO FUNDÃO ANO LECTIVO 2011 / 2012 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA Plano de unidade didáctica Ginástica acrobática (complemento da

Leia mais

BANCO DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS DE AERONAUTAS BRASILEIROS DO SEXO MASCULINO

BANCO DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS DE AERONAUTAS BRASILEIROS DO SEXO MASCULINO Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais - UNIFA 203 BANCO DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS DE AERONAUTAS BRASILEIROS DO SEXO MASCULINO Sérgio Bastos Moreira 1 RESUMO O Brasil carece de informações

Leia mais

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Detecção e estimação de sinais Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Aline da Rocha Gesualdi Mello, José Manuel de Seixas, Márcio Portes de Albuquerque, Eugênio Suares Caner, Marcelo Portes

Leia mais

Inserção de novas tecnologias em conjunto com aulas experimentais de cinemática MRU e MRUV

Inserção de novas tecnologias em conjunto com aulas experimentais de cinemática MRU e MRUV Inserção de novas tecnologias em conjunto com aulas experimentais de cinemática MRU e MRUV Insertion of new technologies in experimental classes on kinematics - uniform motion and uniformly accelerated

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL

LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL Janair Honorato Alves (jhalves1@bol.com.br) UNIFAN Mosiah Araújo Silva (mosiaharaujo@hotmail.com) CAMBURY PALAVRAS-CHAVE: Lesões musculoesqueléticas; Futebol

Leia mais

Efeito Doppler. Ondas eletromagnéticas para detecção de velocidade. Doppler Effect. Electromagnetic waves for speed detention

Efeito Doppler. Ondas eletromagnéticas para detecção de velocidade. Doppler Effect. Electromagnetic waves for speed detention Efeito Doppler Ondas eletromagnéticas para detecção de velocidade Doppler Effect Electromagnetic waves for speed detention Helton Maia, Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba, Curso Superior

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento Medicina Esportiva da reabilitação ao alto rendimento K4b 2 - Ergoespirômetro Portátil Precisão e confiança em qualquer lugar O K4b 2 é o pioneiro e ainda líder de mercado como sistema portátil para análise

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES MOTORAS FUNDAMENTAIS EM CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO

AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES MOTORAS FUNDAMENTAIS EM CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES MOTORAS FUNDAMENTAIS EM CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO JORGE LOPES CAVALCANTE NETO DAYSE CÁSSIA ALVES MEDEIROS MÁRCIA RAFAELLA GRACILIANO DOS SANTOS VIANA Universidade

Leia mais

Versão 1.00. Referenciais de FORMAÇÃO. Natação. Grau

Versão 1.00. Referenciais de FORMAÇÃO. Natação. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Natação Grau I Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Natação Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa de

Leia mais

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência

Leia mais

ANÁLISE DA MARCHA HUMANA

ANÁLISE DA MARCHA HUMANA ANÁLISE DA MARCHA HUMANA Luiz Carlos de Queiroz Faculdade de Engenharia Química de Lorena FAENQUIL Departamento de Engenharia Química Rodovia Itajubá Lorena, km 74,5, Lorena SP, Brasil, CEP 12600-000,

Leia mais

Metodologia biomecânica baseada em processamento de imagens: aplicações no esporte

Metodologia biomecânica baseada em processamento de imagens: aplicações no esporte Metodologia biomecânica baseada em processamento de imagens: aplicações no esporte Laboratório rio de Biomecânica e Instrumentação - LABIN Faculdade de Ciências Aplicadas Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

MEC - Ginástica ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3

MEC - Ginástica ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 I FASE DE ANÁLISE... 4 1. MÓDULO 1 ANÁLISE DA MODALIDADE DESPORTIVA EM ESTRUTURA DO CONHECIMENTO... 4 1.1 Cultura Desportiva... 8 1.2 Habilidades motoras... 10 1.2.1 Ginástica de

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE FORÇA, VELOCIDADE EM CATEGORIAS DE BASE NO FUTEBOL

CORRELAÇÃO ENTRE FORÇA, VELOCIDADE EM CATEGORIAS DE BASE NO FUTEBOL UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE-UNESC UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA CRICIÚMA, SANTA CATARINA CORRELAÇÃO ENTRE FORÇA, VELOCIDADE EM CATEGORIAS

Leia mais

VIII Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 12 a 14 de agosto de 2014 Campinas, São Paulo

VIII Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 12 a 14 de agosto de 2014 Campinas, São Paulo VIII Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 VARIABILIDADE FENOTÍPICA DA CONFORMAÇÃO CORPORAL DE EQUÍDEOS DAS RAÇAS BRASILEIRO DE HIPISMO, BRETÃO POSTIER E JUMENTO BRASILEIRO Letícia

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

Atletismo O ARREMESSO DO PESO

Atletismo O ARREMESSO DO PESO Atletismo O ARREMESSO DO PESO A maior característica do lançamento do peso, é a de ser reservada para pessoas fortes, em todas as épocas. Tanto isto é verdade, que os povos antigos praticavam o arremesso

Leia mais

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma habilidade motora - o largar e pontapear sem ressalto - em precisão. Nuno Amaro 1,2, Luis Neves 1,2, Rui Matos 1,2,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS Kamila Karoliny Ramos de Lima 1, Josimar dos Santos Medeiros 2. Resumo Entre as principais doenças de evolução

Leia mais

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Autores Angelo Casali de Moraes - Eng. Florestal - UFV (angelo.moraes@ufv.br) Luciano José Minette - Eng. Florestal UFV (minette@ufv.br)

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O DIA MUNDIAL SEM CARRO SETEMBRO/ OUTUBRO DE 2007 JOB939 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Levantar junto à população da área em estudo opiniões relacionadas

Leia mais

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO.

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. Resumo *João Paulo Ferreira Dantas **José Carlos de B. V. Filho Os objetivos deste

Leia mais

Forma de Captura de Imagens Digitais:

Forma de Captura de Imagens Digitais: Forma de Captura de Imagens Digitais: - Câmaras Digitais. -Videografia. - Scanner Normal. - Scanner plano B/P (tons de cinza). - Scanner plano Colorido. - Scanner plano profissional. - Scanner de tambor.

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009 Recebido em: 1/3/211 Emitido parece em: 23/3/211 Artigo inédito UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 29 Leandro

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL XX CONGRESSO BRASILEIRO DE FÍSICA MÉDICA SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM MEDICINA OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR

CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009 CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR Thiago Vinicius Krzesinski Guanis

Leia mais

Desporto como religião: o problema da escolha. Rui Matos Subdiretor da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais PhD em Motricidade Humana

Desporto como religião: o problema da escolha. Rui Matos Subdiretor da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais PhD em Motricidade Humana Desporto como religião: o problema da escolha Rui Matos Subdiretor da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais PhD em Motricidade Humana Introdução No Desporto, como na Religião, muitas vezes o difícil

Leia mais

= + + = = + = = + 0 AB

= + + = = + = = + 0 AB FÍSIC aceleração da gravidade na Terra, g 0 m/s densidade da água, a qualquer temperatura, r 000 kg/m 3 g/cm 3 velocidade da luz no vácuo 3,0 x 0 8 m/s calor específico da água @ 4 J/(ºC g) caloria @ 4

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES WILLIAM ALVES DE VELLOSO VIANNA ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA

19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA 19 Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE CINÉTICA E CINEMÁTICA DO SALTO A PARTIR DA POSIÇÃO ORTOSTÁTICA Autor(es) GABRIELA MARGATO Orientador(es) GUANIS DE BARROS VILELA JÚNIOR Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE Regulamento Específico por Modalidade 1 FESTIVAL/COMPETIÇÃO DE GINÁSTICA ARTÍSTICA E GINÁSTICA RÍTMICA DO G.D.V Ginástica Artística: Feminino Objetivo Estimular a

Leia mais

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Diego Ferreira dos Santos 1, Eduardo Tavares Costa 2, Marco Antônio Gutierrez 3 1,2 Departamento de Engenharia Biomédica (DEB),Faculdade de

Leia mais

Anais do IV Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte

Anais do IV Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte ÍNDICE DE SIMETRIA DA FORÇA DE REAÇÃO VERTICAL DE EXERCÍCIOS NO JUMP FIT Gabriela Fischer Mestranda PPGCMH. Paulo Eduardo Schiehll Mestre pelo PPGCMH. Thiago Côrrea Duarte LAPEX - ESEF UFRGS. Jefferson

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 2015 9º ANO 3º Ciclo do Ensino Básico

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 2015 9º ANO 3º Ciclo do Ensino Básico INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 2015 9º ANO 3º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova final do 3º

Leia mais

A ATUAÇÃO DO BRASIL NA MISSÃO DE PAZ NO TIMOR LESTE

A ATUAÇÃO DO BRASIL NA MISSÃO DE PAZ NO TIMOR LESTE 1º Ten Al BERNARDINO GOMES JÚNIOR A ATUAÇÃO DO BRASIL NA MISSÃO DE PAZ NO TIMOR LESTE RIO DE JANEIRO 2008 G633a Gomes Júnior, Bernardino. A atuação do Brasil na missão de paz no Timor Leste /. - Bernardino

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR, EM DIFERENTES PERÍODOS DO CICLO MENSTRUAL

AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR, EM DIFERENTES PERÍODOS DO CICLO MENSTRUAL AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR, EM DIFERENTES PERÍODOS DO CICLO MENSTRUAL Cristovão Humberto Lucena Bezerra Graduado em Educação Física. Universidade Potiguar UnP. E-mail: cristovao@unp.br Jose Fernandes

Leia mais

denominado Influências recíprocas e universalização dos conceitos ginásticos, segundo Langlade e Langlade (1970).

denominado Influências recíprocas e universalização dos conceitos ginásticos, segundo Langlade e Langlade (1970). A Ginástica!#"$ A história da Ginástica confunde-se com a história do homem. A Ginástica entendida por Ramos (1982: 15) como a prática do exercício físico vem da Pré-história, afirma-se na Antigüidade,

Leia mais

Palavras-chave: Biomecânica, cinemática, análise digital, ciclismo, 2D e 3D.

Palavras-chave: Biomecânica, cinemática, análise digital, ciclismo, 2D e 3D. A PEDALADA EM CICLISMO: ESTUDO DAS DIFERENÇAS CINEMÁTICAS ENTRE A ANÁLISE DIGITAL DE IMAGEM 2D E 3D Vitor Milheiro 1 ; Hugo Louro 1 ; Ana Conceição 1 ; Marco Branco 1 ; João Brito 1 ; 1 Escola Superior

Leia mais

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS.

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. Leandro Mateus Pagoto Spigolon 1, João Paulo Borin 1, Gerson dos Santos Leite 1, Carlos Roberto Pereira Padovani 2, Carlos

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR

ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR ENSINO FUNDAMENTAL COORDENADORA SANDRA MARA KUCHNIR 2014 EDUCAÇÃO FÍSICA EDUCAÇÃO FÍSICA PRODUÇÃO CULTURAL DA SOCIEDADE EXPRESSADA ATRAVÉS DO MOVIMENTO EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDOS EDUCAÇÃO FÍSICA EIXOS ESPORTE

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 19 de janeiro. 2016. Programa Nacional Código Base (Adaptado)

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 19 de janeiro. 2016. Programa Nacional Código Base (Adaptado) PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016 Versão 19 de janeiro. 2016 Índice Introdução... 3 I - Estrutura Técnica do Programa... 3 a) Tempo e música... 4 b) Categorias e

Leia mais

Conferência de Imprensa. Museu da Pedra de Cantanhede 24 de Fevereiro de 2012

Conferência de Imprensa. Museu da Pedra de Cantanhede 24 de Fevereiro de 2012 Conferência de Imprensa Museu da Pedra de Cantanhede 24 de Fevereiro de 2012 Agenda - Introdução - Caracterização da Modalidade - Caracterização dos Eventos - Ranking dos Ginastas Participantes - Equipas

Leia mais

Modalidades esportivas Sesc

Modalidades esportivas Sesc Faça sua carteira COMERCIÁRIO: TITULAR: CPTS atualizada, Comp. de residência, GFIP (Guia de Recolhimento e Informações do FGTS), Taxa CONVENIADOS: TITULAR: Comp.de residência, documento que comp. de vínculo

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS FEVEREIRO DE 2008 JOB294 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Levantar junto à população da área em estudo opiniões relacionadas

Leia mais

MetaTrader 4/5 para Android. Guia de Utilização

MetaTrader 4/5 para Android. Guia de Utilização 1 MetaTrader 4/5 para Android Guia de Utilização 2 Conteúdo Como baixar o aplicativo MT4/ 5 App para Android... 3 Como logar à uma conta Real ou criar uma conta Demo... 3 1. Cotações... 4 a. Como adicionar

Leia mais

REGULAMENTO GERAL CAMPEONATO BRASILEIRO ESCOLAR GINÁSTICA ARTÍSTICA - 2016

REGULAMENTO GERAL CAMPEONATO BRASILEIRO ESCOLAR GINÁSTICA ARTÍSTICA - 2016 REGULAMENTO GERAL CAMPEONATO BRASILEIRO ESCOLAR DE GINÁSTICA ARTÍSTICA - 2016 0 Sumário TÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO... 2 Seção I Organização e Execução:... 2 TÍTULO II - PERÍODO DE REALIZAÇÃO...

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E TESTES EXPERIMENTAIS DE UMA TRAÇADO- RA GRÁFICA COMPUTADORIZADA PARA DESENHO SOBRE SUPERFÍ- CIE VERTICAL : NOVOS RESULTADOS

DESENVOLVIMENTO E TESTES EXPERIMENTAIS DE UMA TRAÇADO- RA GRÁFICA COMPUTADORIZADA PARA DESENHO SOBRE SUPERFÍ- CIE VERTICAL : NOVOS RESULTADOS DESENVOLVIMENTO E TESTES EXPERIMENTAIS DE UMA TRAÇADO- RA GRÁFICA COMPUTADORIZADA PARA DESENHO SOBRE SUPERFÍ- CIE VERTICAL : NOVOS RESULTADOS Jorge Luiz Fontanella Universidade Católica de Petrópolis Rua

Leia mais

ATIVIDADE PARA O IDOSO. Prof. Dr. Denilson de Castro Teixeira

ATIVIDADE PARA O IDOSO. Prof. Dr. Denilson de Castro Teixeira ATIVIDADE PARA O IDOSO Prof. Dr. Denilson de Castro Teixeira O MOVIMENTO HUMANO Movimento é vida Maneira concreta de estarmos presentes no mundo Interação com o ambiente, com as pessoas e consigo mesmo

Leia mais

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD VOLLEYBALL Voleibol Escola Dr. Costa Matos 2013/14 Ana Fernandes 8ºD REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem Criado por William Morgan (Professor EF do Springfield College of the YMCA

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 43 A 50 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte RECEBIDO EM: 00-00-0000 ACEITO EM: 00-00-0000 ARTIGO ORIGINAL MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM

Leia mais

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR Silvano Kruchelski Especialista em Didática do ensino Superior PUCPR Secretaria Municipal do Esporte e Lazer/ Programa Curitibativa Curitiba

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

ANALYSIS OF MUSCULAR INJURIES INDICES IN SOCCER ATHLETES OF INTERNATIONAL SPORT CLUB IN SANTA MARIA/NOVO HORIZONTE - RS 1

ANALYSIS OF MUSCULAR INJURIES INDICES IN SOCCER ATHLETES OF INTERNATIONAL SPORT CLUB IN SANTA MARIA/NOVO HORIZONTE - RS 1 Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 6, n. 1, 2005. 81 ANÁLISE DOS ÍNDICES DE LESÕES MUSCULARES EM ATLETAS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE INTERNACIONAL DE SANTA MARIA / NOVO 1

Leia mais

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem.

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem. INTRODUÇÃO O ensino da educação física no 1º nível de ensino joga um papel importante no desenvolvimento das diferentes qualidades físicas, assim como das diversas habilidades motoras dos educandos. Através

Leia mais

EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

Leia mais

Seqüência de Desenvolvimento

Seqüência de Desenvolvimento Seqüência de Desenvolvimento Motor, Padrões Fundamentais de Movimento e TGMD-2 2Test Seqüência de Desenvolvimento Motor q (GALLAHUE & OZMUN, 1998) Seqüência de Desenvolvimento Motor (TANI, MANOEL, KOKUBUM

Leia mais

O ALCANCE DE ATAQUE E BLOQUEIO E A PERFORMANCE DE ATLETAS DE VOLEIBOL FEMININO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE 2006

O ALCANCE DE ATAQUE E BLOQUEIO E A PERFORMANCE DE ATLETAS DE VOLEIBOL FEMININO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE 2006 O ALCANCE DE ATAQUE E BLOQUEIO E A PERFORMANCE DE ATLETAS DE VOLEIBOL FEMININO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE 2006 Natalia Kopp 1 ; Fábio Heitor Alves Okazaki 2 ; Victor Hugo Alves Okazaki 3 ; Birgit Keller

Leia mais

PROF. Ms. GUSTAVO CELESTINO MARTINS PROF. Dr. GUANIS DE BARROS VILELA JUNIOR

PROF. Ms. GUSTAVO CELESTINO MARTINS PROF. Dr. GUANIS DE BARROS VILELA JUNIOR PROF. Ms. GUSTAVO CELESTINO MARTINS PROF. Dr. GUANIS DE BARROS VILELA JUNIOR ANTES DE INICIAR O SKILLSPECTOR Realizar a filmagem; Passar a filmagem para o computador; Utilizar um programa de edição de

Leia mais

Dissertação de Mestrado. A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho de Santa Maria da Feira

Dissertação de Mestrado. A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho de Santa Maria da Feira UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Mestrado em Ensino da Educação Física no Ensino Básico e Secundário Dissertação de Mestrado A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho

Leia mais

Professor: Natação com coletes salva vidas.

Professor: Natação com coletes salva vidas. Plano de aula n : 01 Data: 07/08/ dezembro Natação com coletes salva vidas. Demonstrar aos alunos a maneira correta de utilização e ajustes do material em beneficio de uma maior segurança. Local amplo

Leia mais

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO PROJETO TREINAMENTO OLÍMPICO DE PÓLO AQUÁTICO PROCESSO: 58701.000695/2010-92 SLIE: 1000.112-33 Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos - CBDA ATIVIDADES DO PROFESSOR

Leia mais

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia Joelho O joelho é a articulação intermédia do membro inferior, é formado por três ossos:

Leia mais

Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias.

Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Orientador: Lúcio A. C. Jorge Palestrante: Agostinho B. R. da Silva Introdução Embrapa Instrumentação

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Agradecimentos Um trabalho destes só é possível com a colaboração, participação e esforço conjugado de um elevado

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

EFEITO DA IDADE RELATIVA NO FUTEBOL FEMININO: ANÁLISE DA COPA DO MUNDO SUB-17, DA FIFA

EFEITO DA IDADE RELATIVA NO FUTEBOL FEMININO: ANÁLISE DA COPA DO MUNDO SUB-17, DA FIFA VOLUME 7 NÚMERO 1 Janeiro/ Junho 2011 EFEITO DA IDADE RELATIVA NO FUTEBOL FEMININO: ANÁLISE DA COPA DO MUNDO SUB-17, DA FIFA Marcela Lencastre de Almeida 1 Alexandre Palma 2 Resumo: O objetivo do presente

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

UMA ALTERNATIVA DE ABORDAGEM DA GINÁSTICA NA ESCOLA 1

UMA ALTERNATIVA DE ABORDAGEM DA GINÁSTICA NA ESCOLA 1 PALESTRAS UMA ALTERNATIVA DE ABORDAGEM DA GINÁSTICA NA ESCOLA 1 AN ALTERNATIVE APPROACH TO SCHOOL GYMNASTICS Keith Russell * Myrian Nunomura ** RESUMO O autor (Keith Russell) apresenta uma forma de integrar

Leia mais