OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL"

Transcrição

1 XX CONGRESSO BRASILEIRO DE FÍSICA MÉDICA SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM MEDICINA OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL Claudio Domingues de Almeida

2 Introdução Atualmente, existem dois métodos de captura de imagem utilizados na mamografia digital. Mamografia digital direta, DR Mamografia digital computadorizada, CR

3 Introdução De acordo com o programa de rastreamento do câncer de mama do Reino Unido, o risco de câncer induzido pelos raios X em mamografia é de aproximadamente 1 em para a Dose Glandular Média (DGM) de 1 mgy. Por existir esse risco, é necessário determinar a DGM recebida pelas pacientes e buscar a sua otimização.

4 Introdução Em 2009, o trabalho de Coutinho mostrou a tendência de doses elevadas nos sistemas com digitalizador CR. Comparado com o sistema filme-écran, o sistema CR usou 20% mais dose na mama. Quando os sistemas filme-écran são substituídos por CR, nem sempre as técnicas radiográficas são otimizadas. A questão é: ao reduzir a dose como ficará a qualidade da imagem?

5 Introdução Nos sistemas digitais, o contraste na imagem é afetado pelo ruído que, depende da dose de radiação na mama. A capacidade de detectar as lesões pode ser melhorada através do aumento dos valores de dose uma vez fixada a qualidade do feixe de raios X. O parâmetro que melhor descreve a capacidade de detecção é a Razão Contraste-Ruído, CNR CNR = VMP A VMP 2 DP A + DP 2 B 2 B VMP Valor médio de pixel DP Desvio padrão Diminuindo o ruído

6 Introdução Razão Contraste Ruído - CNR CNR relativa a espessura de 50 mm de PMMA Protocolo Europeu Espessura (mm) PMMA MAMA CNR relativa (%) > > > > > > > 90

7 Justificativa O número de equipamentos de mamografia digital vem aumentando no Brasil e o sistema CR é a maioria. Assim, pode-se considerar de grande importância a implantação de processos de otimização da qualidade da imagem e da dose.

8 Objetivo Desenvolver um método de otimização que estabeleça as condições ideais de operação do sistema de mamografia digital que possa garantir imagens clínicas com qualidade para o diagnóstico doses que não ultrapassem os níveis de referência

9 Materiais e Método O estudo foi realizado em duas fases (HU-UFRJ) tamanho da amostra definição das variáveis estudadas metodologia de medidas metodologia de análise dos resultados Espessura da mama comprimida, idade e padrão mamário 1ª Fase: Coleta de dados das pacientes N = 83 (150 imagens) Técnica radiográfica (kv/anodo/filtro/mas) Testes de controle de qualidade e dosimetria (DGM) Avaliações: mamógrafo, digitalizador de imagem CR, monitores e placas de imagem (IP) Medidas da resposta do detector, análise de ruído e razão contraste-ruído (CNR) 1ª Fase: avaliação dos critérios da qualidade das imagens clínicas

10 Materiais e Método Para técnicas radiográficas variadas foram medidos: limiar de detalhe-contraste e razão contraste-ruído (CNR) Determinação da CNR alvo Seleção da técnica radiográfica para otimização através das medidas da CNR e DGM Cálculo do mas e da CNR para a otimização das técnicas Seleção das técnicas radiográficas para otimização Ajuste do mamógrafo para as técnicas otimizadas e novas medidas da CNR e DGM para confirmar os valores calculados

11 Materiais e Método Espessura da mama comprimida, idade e padrão mamário 2ª Fase: Coleta de dados das pacientes após ajuste do mamógrafo N= 84 (159 imagens) Técnica radiográfica (kv/anodo/filtro/mas) 2ª Fase: avaliação dos critérios de qualidade das imagens clínicas

12 Materiais e Método Cálculo de K i, DGM e CNR para as técnicas radiográficas usadas para as imagens das pacientes Tratamento estatístico dos dados das duas fases

13 Resultados Número de pacientes a. Fase 56,6 ± 10,1 2a. Fase 54,8 ± 10,3 Idade média (anos) a. Fase 2a. Fase Idade (anos) Espessura da mama comprimida (mm) Distribuição das idades das pacientes avaliadas na 1ª. e na 2ª. Fase média ± DP (p=0,12) Distribuição da idade média em função da espessura média da mama comprimida. Número de mamas a. Fase 50 ± 10,0 2a. Fase 53 ± 10, Espessura da mama comprimida (mm) Número de mamas em função da espessura média da mama comprimida média ± DP (p=0,02)

14 Resultados Distribuição do padrão mamário médio calculado pelo método de Beckett e Kotre e classificado pelos radiologistas em função da espessura média da mama comprimida 4 Padrão mamário médio Beckett e Kotre Média OBS.: 1, 2 e Espessura da mama comprimida (mm) Mamas com padrão glandular do tipo 1 e 2: pelo método subjetivo - 76,7% método de cálculo - 79,5% Percentual de mamas para cada padrão de densidade do tecido mamário. Percentual de mamas (%) a. Fase 2a. Fase Padrão mamário

15 Resultados Limiar de contraste relativo para contraste-detalhe com espessura de 0,1 mm em função do CNR e CNR alvo. Limiar de Contraste % CNR Alvo = 7,6 R = 0,94 23% ,5 4,0 4,5 5,0 5,5 6,0 6,5 7,0 7,5 8,0 8,5 9,0 9,5 10,0 10,5 11,0 11,5 CNR Espessura de PMMA (mm) Espessura equivalente da mama (mm) kv Anodo/Filtro mas Espessura de ouro (µm) CNR Cr (%) Mo/Mo 63 1,040 10,12 15, Mo/ Mo 40 1,490 8,58 22, Mo/Mo 90 1,105 10,88 16, Mo/Mo 32 1,501 8,28 22, Mo/Rh 280 1,467 8,57 22, Rh/Rh 80 2,500 3,77 37, Rh/Rh 125 1,869 5,16 28, Rh/Rh 320 1,973 6,37 30,02 CNR = VMP A VMP 2 DP A + DP 2 B 2 B

16 Resultados Valores de mas utilizando o Controle Automático de Exposição - CAE medidos para várias espessuras de PMMA na técnicas de: Rotina, Calculado e após ajuste do mamógrafo. Espessura (cm) Técnica radiográfica Valores mas PMMA MAMA kv Anodo/Filtro Rotina Calculado Ajustado Mo/Mo Mo/Mo Mo/Mo Mo/Mo Mo/Mo Mo/Rh Rh/Rh

17 Resultados Valores de DGM medidos utilizando: CAE de rotina medido com a técnica otimizada sugerido pelo Protocolo Europeu DGM (mgy) Tecnica de Rotina Técnica Otimizada Protocolo Europeu Espessura equivalente da mama (mm)

18 Resultados Valores de CNR medidos utilizando: CAE da rotina calculados para CNR alvo medido com a técnica otimizada Tecnica de Rotina Calculada para CNRotimizada Técnica Otimizada 9 CNR 8 7 CNR alvo Espessura equivalente da mama (mm)

19 Resultados Kerma no ar de entrada na mama obtida em mamas com variadas espessuras a. Fase 13,1 ± 4,9 2a. Fase 11,8 ± 4,6 Ki (mgy) Espessura da mama (mm)

20 Resultados Doses glandulares médias obtidas para as mamas das pacientes. DGM (mgy) 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 1a. Fase 2,9 ± 0,9 2a. Fase 2,5 ± 0,8 Protocolo Europeu 2,0 1,0 0, Espessura da mama (mm)

21 Resultados Razão contraste-ruído, CNR, obtidas na 1ª. fase, na 2ª. fase, e propostas para CNR otimizada a. Fase 9,6 ± 1,4 2a. Fase 7,8 ± 1,1 CNR otimizada CNR Espessura equivalente da mama (mm)

22 Resultados 30 Valores de CNR relativa obtidas na 1ª. e 2ª. fase e as sugeridas pelo Protocolo Europeu. Frequência a. FASE Espessura (mm) CNR relativa (%) PMMA Mama 1a. Fase 2a. Fase Protocolo Europeu CNR Frequência a. FASE CNR

23 Resultados Pontuação dos critérios de qualidade alcançados na primeira e segunda fase. Índice de Critério de Critério Imagem (ICI) 1a. Fase 2a. Fase A1 Adequada compressão da mama 0,99 1,00 A2 Mamilo paralelo ao filme 0,79 0,82 A3 Visibilização completa do parênquima mamário 0,94 0,92 B1 Visibilização da linha da pele 0,99 1,00 B2 Visibilização das estruturas vasculares através do parênquima denso 0,99 1,00 B3 Visibilização dos ligamentos de Cooper 0,99 1,00 B4 B5 As microcalcificações representam lesão verdadeira? (se houver lesão) A opacidade representa lesão verdadeira? (se houver lesão) 0,69 0,69 0,51 0,53 B6 O tecido glandular está adequadamente claro 0,97 1,00 C1 Contraste adequado 0,98 1,00 C2 Definição das estruturas 0,99 1,00 C3 Saturação correta nas áreas claras 0,97 1,00 C4 Saturação correta nas áreas escuras 0,98 1,00 C5 Imagem sem ruído 0,97 0,98 C6 Imagem sem artefatos 0,32 0,38 TOTAL 0,78 0,79 Não ocorreu diferença estatisticamente significativa na qualidade da imagem entre os dois grupos ( p = 0,10 ).

24 Mamas com espessuras semelhantes (60 mm) e padrão mamário quase que inteiramente substituídos (<25% glandular) Fase 1ª. 2ª. DGM (mgy) 3,5 2,5 CNR 8,9 7,0 pontuação média em todos os critérios (%) ª. fase 2ª. fase

25 Discussão Neste estudo, o valor da CNR alvo correspondente à qualidade aceitável da imagem foi determinado como sendo 7,6. Young e Oduko, para um sistema similar ao usado neste estudo, encontraram a CNR alvo de 8,3, valor este sugerido pelo Protocolo da AIEA. Em outro trabalho realizado exatamente com o mesmo sistema do presente estudo, Young e Oduko encontraram a CNR alvo de 7,6, que corresponde a 91% do sugerido pelo Protocolo da AIEA e que, para alcançar a CNR alvo de 8,3 os valores aceitáveis de DGM seriam ultrapassados.

26 Discussão Na 2ª. fase o valor de DGM foi reduzido em: 18,6% para mamas entre 40 e 60 mm de espessura, 22,6% para mamas com espessura inferior a 40 mm, 13,2% para as de espessura superior a 60 mm. Para todas as espessuras a DGM alcançou redução de 14,5%.

27 Conclusão Este estudo estabeleceu um método de otimização das condições de operação para os sistemas de mamografia digital tendo como base: o valor da dose glandular média (DGM) aceitável, a razão contraste-ruído (CNR) e o indicador de qualidade das imagens clínicas.

28

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

Otimização da dose e da qualidade da imagem em mamografia digital

Otimização da dose e da qualidade da imagem em mamografia digital Otimização da dose e da qualidade da imagem em mamografia digital Claudio Domingues de Almeida IRD/CNEN claudio@ird.gov.br Atualmente, existem dois métodos de catura de imagem utilizados na mamografia

Leia mais

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

Leia mais

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR)

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) XXX CONGRESSO PARAIBANO DE GINECOLOGIA VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) Norma Maranhão norma@truenet.com.br EVOLUÇÃO

Leia mais

Validação. Revalidação

Validação. Revalidação NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Validação Revalidação 1) Médico Responsável pelo Serviço 1.1. Membro Titular do CBR, SBM ou FEBRASGO. 1.2. Título de Especialista em

Leia mais

NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA

NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Validação Revalidação (versão atualizada: 27.03.15) O Programa de Certificação de Qualidade em Mamografia do CBR, para

Leia mais

Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada

Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES XX (XXXX) XX-XX Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada E. W. Martins; M. P. A. Potiens Gerência

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE EM TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA

CONTROLE DE QUALIDADE EM TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR CONTROLE DE QUALIDADE EM TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA Rosangela Requi Jakubiak

Leia mais

TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0531_26_03_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0531_26_03_2012.html Page 1 of 6 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Institui o Programa Nacional de

Leia mais

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed FÍSICA DO RX Cristina Saavedra Almeida fisicamed O QUE É RADIAÇÃO Pode ser gerada por fontes naturais ou por dispositivos construídos pelo homem. Possuem energia variável desde valores pequenos até muito

Leia mais

Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM).

Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Legislações - GM Ter, 27 de Março de 2012 00:00 PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). O MINISTRO

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE SISTEMAS DIGITAIS

CONTROLE DE QUALIDADE DE SISTEMAS DIGITAIS CONTROLE DE QUALIDADE DE SISTEMAS DIGITAIS Marcel Zago Botelho Físico da STAFF - Soluções em Física Médica e Radioproteção Especialista em Física do Radiodiagnóstico ABFM Supervisor de Radioproteção CNEN

Leia mais

Avaliação da qualidade da imagem e da dose glandular média em mamografia digital.

Avaliação da qualidade da imagem e da dose glandular média em mamografia digital. BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES 03-1A (2015) 01-17 Avaliação da qualidade da imagem e da dose glandular média em mamografia digital. N. W. Lima a ; I. Q. Borba a ; M. Anés a ; J. M. Goulart

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

MAMOGRAFIA COM ÉCRAN-FILME PARÂMETROS A SEREM AVALIADOS CRITÉRIOS DE DESEMPENHO* (IAEA, 2008) FREQUÊNCIA MÍNIMA

MAMOGRAFIA COM ÉCRAN-FILME PARÂMETROS A SEREM AVALIADOS CRITÉRIOS DE DESEMPENHO* (IAEA, 2008) FREQUÊNCIA MÍNIMA MAMOGRAFIA COM ÉCRAN-FILME PARÂMETROS A SEREM AVALIADOS CRITÉRIOS DE DESEMPENHO* (IAEA, 2008) FREQUÊNCIA MÍNIMA Levantamento radiométrico QUADRIANUAL/ Na aceitação e quando houver no equipamento ou no

Leia mais

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Introdução Na Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET), diferentemente dos exames de Raio-x ou CT, a emissão da radiação é realizada diretamente

Leia mais

Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada. Fernando Mecca

Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada. Fernando Mecca Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada Fernando Mecca Quais são os parâmetros testados? qualidade da imagem ruído da imagem e homogeneidade número de TC resolução espacial espessura da imagem

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial NR 07-PCMSO-Quadro II-Parâmetros para Monitorização PORTARIA SIT nº 223/2011-DOU:

Leia mais

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico Tomografia Computadorizada I Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04 Sistema Tomográfico Podemos dizer que o tomógrafo de forma geral, independente de sua geração, é constituído

Leia mais

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui O Desenvolvimento e o funcionamento da glândula mamária são presididos pelo lobo anterior da hipófise, com o ovário na função

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E APLICAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE DE QUALIDADE EM UM SERVIÇO DE MAMOGRAFIA

IMPLANTAÇÃO E APLICAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE DE QUALIDADE EM UM SERVIÇO DE MAMOGRAFIA 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 IMPLANTAÇÃO E APLICAÇÃO DE UM

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA José Luís Esteves Francisco Comissão Nacional de Mamografia SBM CBR FEBRASGO Ruffo de Freitas Júnior Presidente Nacional da Soc. Bras. De Mastologia Rede Goiana de Pesquisa

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital Professor Paulo Christakis 1 Em sistemas digitais de imagens médicas, as mudanças não se apresentam somente no

Leia mais

4 Experimentos Computacionais

4 Experimentos Computacionais 33 4 Experimentos Computacionais O programa desenvolvido neste trabalho foi todo implementado na linguagem de programação C/C++. Dentre as bibliotecas utilizadas, destacamos: o OpenCV [23], para processamento

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS Prof. Homero Schiabel 6. FORMAÇÃO DE IMAGENS POR RAIOS X A Radiografia 2 fatores fundamentais: padrão de intensidade de raios-x transmitido através

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA outubro a dezembro / 2010 / n 4 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Este quarto boletim de 2010 apresenta os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

Prof. AGUINALDO SILVA

Prof. AGUINALDO SILVA Caro aluno e colega de profissão, disponibilizo este material mas caso tenha interesse em usá-lo favor não alterar os slides e não retirar os meus créditos. Obrigado e bons estudos!!! Direitos autorais

Leia mais

A limiarização é uma das abordagens mais importantes de segmentação de imagens. A limiarização é um caso específico de segmentação.

A limiarização é uma das abordagens mais importantes de segmentação de imagens. A limiarização é um caso específico de segmentação. Limiarização A limiarização é uma das abordagens mais importantes de segmentação de imagens. A limiarização é um caso específico de segmentação. O princípio da limiarização consiste em separar as regiões

Leia mais

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho Aluno : Aristófanes Corrêa Silva Professor : Paulo Cezar Carvalho Setembro/2001 Tópicos 1ª Fase Projeto VISMED Estimativa de Volume Pulmonar 2ª Fase Aquisição da Imagem Tomografia computadorizada Dicom

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES DOSE PACIENTE E CONTROLE DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA VINÍCIUS SAITO MONTEIRO

Leia mais

Estrutura do Curso...

Estrutura do Curso... Radiologia Digital Aula 2 Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Estrutura do Curso... 1. Introdução à Radiologia Digital 2. A imagem digital e etapas de PDI 3. Equipamento - Detectores

Leia mais

O Processamento Radiográfico

O Processamento Radiográfico O Processamento Radiográfico O primeiro estágio da formação da imagem latente é a absorção de fótons de luz pelos íons de brometo de prata. Não conseguimos distinguir os grãos modificados devido à luz

Leia mais

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO 1 DEFIJI Semestre2014-1 Ótica Lentes Esféricos Prof. Robinson 10:07:19 1 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO INTRODUÇÃO Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças

Leia mais

Protecção contra radiações em gastroenterologia

Protecção contra radiações em gastroenterologia Protecção contra radiações em gastroenterologia O uso de radiação ionizante em gastroenterologia está em transição. No passado, gastroenterologistas realizavam uma variedade de intervenções envolvendo

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Unidade Discadora Telefônica - Para Monitoramento Remoto Até 5 Números Código: AFDISC A unidade discadora telefônica para monitoramento remoto, código AFDISC é um equipamento que deve ser instalado em

Leia mais

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1 TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 A prevenção, a detecção e o tratamento do câncer de mama (CM) formam hoje o grande objetivo para a melhoria da saúde

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA Rosangela da Silveira CORRÊA, Ruffo FREITAS-JÚNIOR, João Emílio PEIXOTO, Maria Eugênia da Fonseca LEMOS, Rosemar Macedo de Sousa RAHAL Programa de

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Radioproteção em Dosimetria IRD/CNEN Quem é o (sico médico?

Leia mais

Avaliação Situacional da Qualidade dos Serviços de Mamografia do Estado de Minas Gerais

Avaliação Situacional da Qualidade dos Serviços de Mamografia do Estado de Minas Gerais Avaliação Situacional da Qualidade dos Serviços de Mamografia do Estado de Minas Gerais Geórgia S. Joana 1, Maurício de Oliveira 1, Maurício C. de Andrade 1, Adriana C. Z. Cesar 1, Márcio A. Oliveira 1,2,

Leia mais

DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012

DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012 INTERAÇÃO LASER-TECIDO DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012 1 INTERAÇÃO LUZ-TECIDOS Reflexão Espalhamento Transmissão Refração Absorção Ar Tecido Absorção

Leia mais

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes

VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes AR COMPRIMIDO ASPIRAÇÃO IMAGIOLOGIA TRATAMENTO HIGIENE Eficiência no decorrer dos procedimentos na

Leia mais

3 Materiais e Métodos

3 Materiais e Métodos 3 Materiais e Métodos Este capítulo apresenta as etapas experimentais e os materiais usados neste trabalho, assim como os equipamentos e as técnicas envolvidas no mesmo. 3.1. Materiais e Preparação de

Leia mais

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER MANFRED RONALD RICHTER 1. Princípios Radiografia Industrial OBJETIVO Verificação da existência de descontinuidades internas em materiais opacos pelo uso das radiações X ou (gama), que incidem em um dado

Leia mais

Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico

Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico III Congresso Nacional dos Profissionais das Técnicas Radiológicas Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico Luciano Santa Rita Oliveira http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES As incidência complementares são realizadas para esclarecer situações suspeitas detectadas nas incidências

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA

Leia mais

APLICAÇÃO DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO ESPECIAIS PARA CONTROLE DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

APLICAÇÃO DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO ESPECIAIS PARA CONTROLE DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO APLICAÇÃO DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO ESPECIAIS PARA CONTROLE DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CRISTIANE JORDÃO DE CARVALHO HONDA Dissertação apresentada como parte

Leia mais

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA UD 5 CONTROLE DE QUALIDADE

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA UD 5 CONTROLE DE QUALIDADE UD 5 CONTROLE DE QUALIDADE Qualidade É o grau de adequação do produto às suas especificações. Grau de perfeição a atingir. Pode-se também dizer que ela é a melhor forma de atender às necessidades do consumidor,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em relação à produção, à emissão e à interação dos raios X com a matéria, julgue os itens a seguir. 41 O deslocamento de elétrons da camada M para a camada K produz radiação característica. 42 Bremsstrahlung,

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS E CONTROLE DA QUALIDADE DE SISTEMAS DE RADIOLOGIA COMPUTADORIZADA PARA MAMOGRAFIA. Frederico Ladeia Alvarenga

ANÁLISE DE PARÂMETROS E CONTROLE DA QUALIDADE DE SISTEMAS DE RADIOLOGIA COMPUTADORIZADA PARA MAMOGRAFIA. Frederico Ladeia Alvarenga ANÁLISE DE PARÂMETROS E CONTROLE DA QUALIDADE DE SISTEMAS DE RADIOLOGIA COMPUTADORIZADA PARA MAMOGRAFIA Frederico Ladeia Alvarenga Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

dose integral nos pacientes? EDILSON LOPES PELOSI (SP) 09:10-09:45 O uso das novas tecnologias está aumentando a

dose integral nos pacientes? EDILSON LOPES PELOSI (SP) 09:10-09:45 O uso das novas tecnologias está aumentando a Mini simpósio:radioproteção Coordenador(a): ROBERTO SALOMON DE SOUZA (RJ) 08:00-08:35 Acidentes em radioterapia LAURA FURNARI (SP) 08:35-09:10 Prevenção de exposições acidentais no uso da alta tecnologia

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

GE Alpha ST/RT. Simples e compacto. Do jeito que você precisa.

GE Alpha ST/RT. Simples e compacto. Do jeito que você precisa. GE Alpha ST/RT Simples e compacto. Do jeito que você precisa. Há mais de 40 anos, a GE Healthcare tem desenvolvido soluções em mamografia que atendem às necessidades de seus clientes em diferentes segmentos

Leia mais

Palavras-chave: Microtomografia; Imagem; Morfometria; Ossos.

Palavras-chave: Microtomografia; Imagem; Morfometria; Ossos. MORFOLOGIA DA ESTRUTURA INTERNA DE OSSOS: MICROTOMOGRAFIA POR RAIOS X G. Carvalho J.R.C. Pessôa F. V. Vidal J.T. Assis Resumo A Microtomografia Computadorizada (CT) é uma técnica de ensaio não destrutivo,

Leia mais

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Documento técnico No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Índice 1. Introdução 3 2. O quebra-cabeça da sensibilidade de luz 3 3. Não seja enganado! 5 4. Como fazer a escolha mais inteligente

Leia mais

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Justificação.

Leia mais

PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE.

PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE. PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE. Caracterização da situação anterior Em 2013, a Secretaria de Saúde Pública de Campo Grande (SESAU) detectou déficit de profissionais ginecologistas/obstetras

Leia mais

Princípios Tomografia Computadorizada

Princípios Tomografia Computadorizada Princípios Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Histórico 1917 - Randon imagens projetadas > reproduziu 1967 Hounsfield >primeiro protótipo tipo Tomografia 1971 - H. Inglaterra > primeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. 88) O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE torna pública, nos termos do artigo

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS ICESP PROMOVE CURSO: TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA

FACULDADES INTEGRADAS ICESP PROMOVE CURSO: TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA FACULDADES INTEGRADAS ICESP PROMOVE CURSO: TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA ARTIGO CONTROLE DE QUALIDADE EM MAMÓGRAFO CONVENCIONAL E DIGITALIZADO Estudantes: Cleidiane da Silva Penha Luciana Tatielle de Andrade

Leia mais

1 Introdução maligno metástase

1 Introdução maligno metástase 1 Introdução Câncer é o nome dado a um conjunto de doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres

4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres 4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres 4.1. Introdução Neste Capítulo são apresentados os resultados obtidos no estudo da influência da diluição da atmosfera precursora de metano por gases

Leia mais

6 Efeito do Tratamento Térmico nas Propriedades Supercondutoras e Microestruturas de Multicamadas Nb/Co

6 Efeito do Tratamento Térmico nas Propriedades Supercondutoras e Microestruturas de Multicamadas Nb/Co 6 Efeito do Tratamento Térmico nas Propriedades Supercondutoras e Microestruturas de Multicamadas Nb/Co Com objetivo de observar a possibilidade da formação de nanopartículas de Co por tratamento térmico,

Leia mais

4.2. Técnicas radiográficas especiais

4.2. Técnicas radiográficas especiais SEL 5705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (III. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) 4.2. Técnicas radiográficas especiais 4.2.1. Abreugrafia Chapa, em

Leia mais

MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA E MICROANÁLISE QUÍMICA PMT-5858

MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA E MICROANÁLISE QUÍMICA PMT-5858 MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA E MICROANÁLISE QUÍMICA PMT-5858 1ª AULA Introdução Óptica Eletrônica Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin (PMT-EPUSP) PMT-5858 - TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE

Leia mais

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA Em um amostra, quando se têm os valores de uma certa característica, é fácil constatar que os dados normalmente não se distribuem uniformemente, havendo uma

Leia mais

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA Resumo Em lides que envolvem a apuração de áreas e divisas de imóveis, as atividades de conferência normalmente

Leia mais

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas Segmentação de Imagens de Placas Automotivas André Zuconelli, Manassés Ribeiro Instituto Federal Catarinense - Campus Videira. Técnico em Informática, turma 2010 Rodovia SC, Km 5 Bairro Campo Experimental

Leia mais

MESA REDONDA: O papel do MFC na Saúde Suplementar. A Experiência da Saúde da Família na CASSI GRAÇA MACHADO DIRETORA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

MESA REDONDA: O papel do MFC na Saúde Suplementar. A Experiência da Saúde da Família na CASSI GRAÇA MACHADO DIRETORA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO MESA REDONDA: O papel do MFC na Saúde Suplementar A Experiência da Saúde da Família na CASSI GRAÇA MACHADO DIRETORA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO A SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias

UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias Departamento de Sistemas e Computação FURB Curso de Ciência da Computação Trabalho de Conclusão de Curso 2013/2 UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias Acadêmico: Jackson Krause

Leia mais

O USO DO PROTETOR DE OLHOS PARA REDUÇÃO DA DOSE VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO

O USO DO PROTETOR DE OLHOS PARA REDUÇÃO DA DOSE VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR O USO DO PROTETOR

Leia mais

Tópicos Imagens Médicas Ultrassonografia Ultrassonografia Ultrassonografia Doppler Ecocardiografia Doppler espectral fluxo a cores

Tópicos Imagens Médicas Ultrassonografia Ultrassonografia Ultrassonografia Doppler Ecocardiografia Doppler espectral fluxo a cores Tópicos Imagens Médicas Prof. João Luiz Azevedo de Carvalho, Ph.D. Aula na disciplina Processamento de Imagens Universidade de Brasília 17 de novembro de 2011 http://pgea.unb.br/~joaoluiz/ joaoluiz@pgea.unb.br

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE ENQUALAB-2008 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo REMESP 09 a 12 de junho de 2008, São Paulo, Brasil DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE Alex

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

Tecnologia do sistema. UVIScan - detectar o perigo.

Tecnologia do sistema. UVIScan - detectar o perigo. UVIScan Se suas instalações merecem uma proteção de acordo com os mais altos padrões, valerá a pena analisar nosso UVIScan Under Vehicle Inspection System (Sistema de Inspeção Sob Veículos). Nosso sistema

Leia mais

Estudo de doses glandulares médias e na entrada da pele em mamógrafos na cidade de São Paulo Tânia A. C. Furquim

Estudo de doses glandulares médias e na entrada da pele em mamógrafos na cidade de São Paulo Tânia A. C. Furquim Estudo de doses glandulares médias e na entrada da pele em mamógrafos na cidade de São Paulo Tânia A. C. Furquim Fernanda C. Salvador Linda V. E. Caldas Projeto FAPESP: Intercomparação dosimétrica entre

Leia mais

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Otimização da Análise e Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Autores: Maria Lucia Nana Ebisawa Irita Dra. Maria de Fátima Magon Prof. Dra. Yvone Mascarenhas

Leia mais

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE

Leia mais

Forma de Captura de Imagens Digitais:

Forma de Captura de Imagens Digitais: Forma de Captura de Imagens Digitais: - Câmaras Digitais. -Videografia. - Scanner Normal. - Scanner plano B/P (tons de cinza). - Scanner plano Colorido. - Scanner plano profissional. - Scanner de tambor.

Leia mais

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ANÁLISE METROLÓGICA DE

Leia mais

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico:

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Frente aos potenciais riscos envolvidos na exposição à radiação ionizante e com a reocupação de manter um controle transparente

Leia mais

5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão

5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão 5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão Considerando o tamanho nanométrico dos produtos de síntese e que a caracterização por DRX e MEV não permitiram uma identificação da alumina dispersa

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TEMA Ensaio de aderência de revestimentos de argamassa, gesso e cerâmica. OBJETIVO Analisar o grau de aderência dos revestimentos utilizados, em relação à norma técnica

Leia mais

Princípios Físicos em Raio-X

Princípios Físicos em Raio-X Serviço de Informática Instituto do Coração HC FMUSP Princípios Físicos em Raio-X Marco Antonio Gutierrez Email: marco.gutierrez@incor.usp.br 2010 Formas de Energia Corpuscular (p, e -, n, α, β, ) Energia

Leia mais

Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada

Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada Trabalho apresentado no XXXV CNMAC, Natal-RN, 2014. Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada Sandro R. Fernandes Departamento de Educação e Tecnologia, Núcleo de

Leia mais

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Rafael Dattinger Acadêmico Dalton Solano dos Reis - Orientador Roteiro Introdução/Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Detecção e estimação de sinais Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Aline da Rocha Gesualdi Mello, José Manuel de Seixas, Márcio Portes de Albuquerque, Eugênio Suares Caner, Marcelo Portes

Leia mais

Exemplos de Exercícios da Cadeira Gestão de Projectos. Qualidade e Manutenção. Ano Lectivo 2006/2007

Exemplos de Exercícios da Cadeira Gestão de Projectos. Qualidade e Manutenção. Ano Lectivo 2006/2007 Exemplos de Exercícios da Cadeira Qualidade e Manutenção Ano Lectivo 2006/2007 1. Gestão da Qualidade 1.1 28 de Junho de 2000 (6 valores) Um fabricante de placas gráficas de computadores especificou que

Leia mais

Aula4 MICROSCOPIA ELETRÔNICA. Fabiana Silva Vieira. META Explicar as técnicas de microscopia eletrônica de transmissão e de varredura.

Aula4 MICROSCOPIA ELETRÔNICA. Fabiana Silva Vieira. META Explicar as técnicas de microscopia eletrônica de transmissão e de varredura. Aula4 MICROSCOPIA ELETRÔNICA META Explicar as técnicas de microscopia eletrônica de transmissão e de varredura. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: entender o funcionamento do microscópio eletrônico.

Leia mais

1ª PARTE - PERGUNTAS E RESPOSTAS

1ª PARTE - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCLARECIMENTO DE DÚVIDAS Nº 003/LCIC/2012 28/02/2012 PREGÃO ELETRÔNICO N 009/DALC/SEDE/2011 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE 180 (CENTO E OITENTA) EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO DE BAGAGEM DE MÃO,

Leia mais

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia VII Encontro Nacional para o Controle do Câncer de Colo do Útero e de Mama QUALIDADE DA MAMOGRAFIA A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia Objetivo - Roteiro Descrever as

Leia mais