Manual de Gestão Integrado MGI Elaborado por: Representante

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Gestão Integrado MGI Elaborado por: Representante"

Transcrição

1 1/32 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001: Alteração do nome onde passa a ser chamado de e a devida adequação os requisitos das normas ISO 14001:2004 e OHSAS 18001: Adequação do sistema atual aos requisitos do PBQP h:2012 Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Vendas Roberto Saghi Júnior Controladoria Kellen Coração Administrativo Financeiro Carina Dorta Superintendente Davi Maneta Fábrica Carlos Reis Industria Nivaldo Planejamento / Orçamento Adriano Rezende Gestão de Contratos Ricardo Abreu Tecnologia da Informação Marcos Monteggia Desenvolvimento de Produtos Cristiano da Silva Fernandes Vendas (Eletromecânica) Gustavo Melquen Gestão de Contratos (Eletromecânica) Eduardo Braia

2 2/32 Índice 1. Apresentação da Empresa Escopo do Sistema e Referência Normativa Escopo Referência Normativa Requisitos normativos não aplicáveis neste manual Termos e Definições Termos Definições Sistema de Gestão Integrado Requisitos Gerais Identificação dos processos para o Sistema de Gestão Integrado e sua aplicação por toda empresa Recursos e informações necessárias para apoiar a operação e o monitoramento dos processos Controle de Processos Externos Requisitos de Documentação Generalidades (Requisitos de Documentação) Manual de Gestão Integrado Controle de Documentos Controle de Registros Controle Operacional Responsabilidade da Direção Comprometimento da Direção Foco no Cliente, na identificação de perigo e risco ocupacional e na identificação de aspecto e impacto ambiental Foco no Cliente Identificação de Perigos, Avaliação de Riscos e Definição de Controles Identificação dos Aspectos e Impacto Ambientais, Entendimento e Determinação dos Aspectos Significativos que possamos Controlar ou Influenciar 5.3 Política de Gestão Integrada Planejamento Objetivos do Sistema de Gestão Integrado Objetivos da Qualidade nos Canteiros de Obra Planejamento do Sistema de Gestão Integrado Requisitos Legais e outros Responsabilidade, Autoridade e Comunicação Responsabilidade e Autoridade Representante da Direção Comunicação, Participação e Consulta Análise Crítica pela Direção Generalidades Entradas para a Análise Crítica Saídas da Análise Crítica Gestão de Recursos 19 Pág

3 3/ Provisão de Recursos Recursos Humanos Generalidades Competência, Treinamento e Conscientização Infra Estrutura Ambiente de Trabalho Avaliação do Atendimento a Conformidade aos Requisitos Legais e outros Preparação e Resposta à Emergências Realização do Produto Planejamento da Realização do Produto ou do Serviço Plano de Qualidade da Obra Planejamento da Execução da Obra Plano de Qualidade Processos Relacionados a Clientes Determinação de Requisitos Relacionados ao Produto ou ao Serviço Análise Crítica dos Requisitos Relacionados ao Produto ou ao Serviço Comunicação com o Cliente e com as partes interessadas Projeto e Desenvolvimento Planejamento de projeto e desenvolvimento Entradas de projeto e desenvolvimento Saídas de projeto e desenvolvimento Análise crítica de projeto e desenvolvimento Verificação de projeto e desenvolvimento Validação de projeto e desenvolvimento Controle de alterações de projeto e desenvolvimento Análise crítica do projeto fornecido pelo cliente Aquisição Processo de Aquisição Processo de Qualificação de Fornecedores Processo de avaliação de Fornecedores Informações de Aquisição Materiais Controlados Serviços Controlados Serviços Laboratoriais Serviços de Projetos e Serviços Especializados de Engenharia Verificação do Produto Adquirido Produção e Fornecimento de Serviço Controle de Produção e Fornecimento de Serviço Controle de serviços de Execução Controlados Validação dos Processos de Produção e Fornecimento de Serviço Identificação e Rastreabilidade Propriedade do Cliente Preservação do Produto Controle de Dispositivos de Medição e Monitoramento 29

4 4/32 8. Medição, Análise e Melhoria Generalidades Medição e Monitoramento Satisfação dos Clientes e dos colaboradores Auditoria Interna e Externa Medição e Monitoramento de Processos Inspeção, Medição e Monitoramento de materiais e Serviços Controlados da Obra e do Produto Controle de Produto Não Conforme e Situações Não Conformes de Saúde e Segurança e descontrole de Impactos Ambientais Análise de Dados Melhorias Melhoria Contínua Ação Corretiva Ação Preventiva 32 ANEXOS: Anexo 1 Fluxograma macro da interação dos processos; Anexo 2 Política de Gestão Integrada; Anexo 3 Objetivos e Metas Lista de Indicadores da SINER; Anexo 4 Organograma; Anexo 5 Designação do RD (Representante da Direção); Anexo 6 Estabelecimento da Alta Direção; Anexo 7 Matriz de Responsabilidades.

5 5/32 1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Inovação é a palavra chave para as empresas atenderem as necessidades do mercado atual e para sobreviverem no século XXI. É através da inovação, que possibilitamos novas perspectivas para as empresas competirem no mercado e contribuírem para o desenvolvimento econômico e social do país. Assim, em 1990 nasce de uma visão empreendedora e futurística, uma empresa que viria a ser, uma das principais organizações de soluções de energia do país. Esta empresa se chama Siner e até hoje vem realizando serviços especializados em equipamentos de baixa, média e alta tensão para geração, transmissão, distribuição e controle de energia. Com seus 23 anos de muitas glórias e vitórias, participa de um momento histórico do nosso país com progresso sustentável, setorial e empresarial. 2. ESCOPO DO SISTEMA E REFERENCIA NORMATIVA 2.1 Escopo Projeto e Desenvolvimento, Fabricação, Instalação, Manutenção de Sistemas e Painéis Elétricos. Em função das estratégias de divisão de negócios, a SINER decide dividir a organização em três empresas distintas sem alterar seu escopo. Esta nova estrutura foi necessária em virtude de manter melhor controle operacional e financeiro sobre si mesma. São elas: SINER ENGENHARIA E COMERCIO LTDA. / CNPJ: / SINER ELETROMECANICA E COMERCIO LTDA. / CNPJ: / SINER SERVICE COMERCIAL LTDA. / CNPJ: / Estas empresas possuem o mesmo sistema de gestão definidos na documentação que compõem este manual dispensando assim geração de documentos independentes para cada organização. Caso no futuro uma das empresas deixar de compor esta estrutura, a mesma será desvinculada desta documentação. Estrategicamente esta sendo incluído neste manual diretrizes da norma PBQP h, as quais devem ser inicialmente implementadas pela SINER ELETROMECANICA E COMERCIO LTDA nas obras que estiverem sob seu controle e em seguida para as outras duas empresas do grupo. 2.2 Referência normativa ABNT NBR ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. ABNT NBR ISO 9000:2005 Sistemas de gestão da Qualidade Fundamentos e vocabulário.

6 6/32 ABNT NBR ISO 14001:2004 Sistema da Gestão Ambiental Requisitos com Orientação para uso. ABNT NBR ISO 14004:2007 Diretrizes Gerais Sobre Princípios, Sistemas e Técnicas de Apoio. OHSAS 18001:2007 Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Requisitos. OHSAS 18002:2008 Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Diretrizes para a Implementação. PBQP h 2012 Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat. Consideramos ainda em nosso processo normas técnicas específicas para o desenvolvimento do escopo citado acima. 2.3 Requisitos normativos não aplicáveis neste Manual Não existem requisitos da NBR ISO 9001:2008, da ISO 14001:2004, OHSAS 18001:2007 ou do PBQPh:2012 que sejam considerados não aplicáveis. 3. TERMOS E DEFINIÇÕES 3.1 Termos FVM Ficha de Verificação de Material FVS Ficha de Verificação de Serviço IES Instrução de Execução de Serviço MGI Manual de Gestão Integrado PQO Plano da Qualidade da Obra PO Procedimento Operacional PS Procedimento Sistêmico R Registros do Sistema (formulários) SGI Sistema de Gestão Integrado 3.2 Definições

7 7/32 Tabela de correlação ISO e OHSAS X ISO 9001, PBQP h e Manual de Gestão Integrado MGI Requisitos ISO e OHSAS Requisitos da ISO 9001 e PBQP h com as seções do Manual MGI 4.1 Requisitos gerais Escopo Requisitos Gerais Responsabilidade e Autoridade 4.2 Política de SGSST (Sistema de Gestão de Saúde e Segurança no Trabalho) Política de SGA (Sistema de Gestão Comprometimento da Direção Política Melhoria Contínua Ambiental) 4.3 Planejamento 5.4 Planejamento Identificação de perigos, avaliação de riscos e determinação de controles Aspectos ambientais Foco no requisito do Cliente, na identificação de perigo e risco ocupacionais e nos aspectos e impactos ambientais Determinação de Requisitos Relacionados ao Produto Análise Crítica dos Requisitos Relacionados ao Produto Requisitos legais e outros Foco no requisito do Cliente, na identificação de perigo e risco ocupacionais e nos aspectos e impactos ambientais Requisitos Legais e outros Determinação de Requisitos Relacionados ao Produto Objetivos metas e programas Objetivos do SGI Objetivos da Qualidade nos canteiros de obra Melhoria Contínua 4.4 Implementação e operação 7 Realização do Produto Recursos, funções, responsabilidades, 5.1 Comprometimento da Direção

8 8/32 prestações de contas e autoridades Responsabilidade e Autoridade Representante da Direção Provisão de Recursos Recursos Humanos 6.3 Infra estrutura 6.4 Ambiente de Trabalho Competência, treinamento e conscientização Generalidades Competência, Conscientização e Treinamento Comunicação, participação e consulta Comunicação, Participação e Consulta Comunicação com o Cliente e partes interessadas Documentação Requisitos de documentação Generalidades Controle de documentos Controle de Documentos Controle operacional Controle Operacional Planejamento da Realização do Produto 7.2 Processos relacionados a clientes Identificação e Rastreabilidade Propriedade do Cliente Preservação do Produto Preparação e resposta à emergências Preparação e Resposta a Emergências Controle de Produto Não Conforme e Situações Não Conforme de Saúde e Segurança e descontrole de Impactos ambientais 4.5 Verificação 8 Medição, Análise e Melhoria 7.6 Controle de Dispositivos de Medição e Monitoramento Medição e monitoramento do desempenho Generalidades (Medição e Análise e Melhoria) Satisfação do Cliente Medição e Monitoramento de Processos

9 9/ Medição e Monitoramento de Produto 8.4 Análise de Dados Avaliação do Atendimento a Requisitos legais e Outros Avaliação do Atendimento a Conformidade aos Requisitos Legais e outros Medição e Monitoramento de Processos Medição e Monitoramento de Produto Investigação de incidentes, nãoconformidades, ação corretiva e ação preventiva 8.3 Controle de Produto Não Conforme e Situações Não Conforme de Saúde e Segurança e descontrole de Impactos ambientais Ação Corretiva Ação Preventiva Controle de registros Controle de Registros Auditoria interna Auditoria Interna e Externa 4.6 Análise pela Direção 5.1 Comprometimento da Direção 5.2 Foco no requisito do Cliente, na identificação de perigo e risco ocupacionais e nos aspectos e impactos ambientais 5.6 Análise Crítica pela Direção Melhoria Contínua 4. SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO 4.1 Requisitos Gerais O Sistema de Gestão Integrado foi estabelecido, documentado, implementado e possibilita sua melhoria continua através do gerenciamento da qualidade dos produtos e serviços, do reconhecimento dos perigos e avaliação dos riscos das atividades rotineiras e não rotineiras ou aquelas que possam influenciar ou serem influenciadas e do levantamento dos aspectos ambientais que venham a ser considerados significativos, garantindo a saúde e segurança dos colaboradores e o devido controle dos impactos ambientais. Adotamos como principio de melhoria, a metodologia conhecida como ciclo PDCA.

10 01/ /07/ /32 Manual de Gestão Integradoo MGI d Plan (Planejar): Estabelecerr os objetivos e processos necessários para atingir resultados, de acordo com os requisitos e políticass da organização; Do (Fazer): Implementar os processos e executar as atividades planejadas; p Check (Checar): Monitorarr e medir processos e produtos, de d acordo com políticas, objetivos e requisitos estabelecidos e relatar os resultados; e Act (Agir): Realizar ações de melhoria aoo SGI. Figura 1: Sistema de Gestão Integrado baseado em processo SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO -SGI MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE, DA SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL E DO MEIO AMBIENTE Clientes, colaboradores e outras partes interessadas Requisitos do sistema e da Política Entradas Gestão de Recursos Análise, melhoria e responsabilidade da Alta Direção Verificação, medição, avaliação a e ações Planejamento e realização do processo suas atividades e controles operacionais Clientes, colaboradores e outras partes interessadas Satisfação, Saúde e Segurança e Meio Ambiente ESCOPO: Projeto e Desenvolvimento, o, Fabricação, Instalação e Manutenção de Sistemas e Painéis Elétricos saídas Esta abordagem de processo, apresentada na Figura 1, é aplicada no desenvolvimento, implementação e melhoria da eficácia do SGI, com a intençãoo de buscar a satisfação do cliente, a saúde e segurança do colaborador e a prevenção do meio ambiente, através do atendimento dos requisitos legais e outros requisitos aplicáveis Identificação dos Processos para o Sistema de Gestão da Qualidade e sua Aplicação por toda a Empresa. Cópia Controlada - Aprovada conforme o Original - REPRODUÇÃR ÇÃO PROIBIDA

11 11/32 Definimos um fluxograma macro da interação dos processos (conforme anexo 1 Fluxograma Macro da Interação dos Processos), o qual representa a interação das áreas com seus devidos processos e atividades. Para que esta interação seja plena, implementamos as regras definidas em nosso Manual de Gestão Integrado MGI, nos Procedimentos Sistêmicos PS, nos Procedimentos Operacionais PO, nos Planos da Qualidade de Obras PQO, nas Instruções de Execução dos Serviços IES e nos Registros que podem ser do tipo R (Registro), FVM (Ficha de Verificação de Material) e FVS (Ficha de Verificação de Serviço), os quais geram evidencias do controle que temos sobre as atividades, e subseqüentemente garantem a qualidade dos nossos produtos e serviços, a saúde e segurança de nossos colaboradores e o controle sobre os aspectos e impactos ambientais. As informações geradas nestes processos são incorporadas para manutenção e a melhoria contínua do SGI Recursos e Informações Necessárias para Apoiar a Operação e o Monitoramento dos Processos. O conjunto de documentação implementada garante que sejam: Identificados quais os recursos necessários para cada processo; Definidos os canais de comunicação para disseminação da informação; Promovidas informações interna e externa sobre os processos; Coletados dados quando da execução dos processos; Definidos os métodos para monitorar, medir e analisar os processos, assim como, ações necessárias para atingir os resultados planejados e a melhoria contínua do SGI Controle de Processos Externos Quando há necessidade de contratação de serviços de apoio ou terceirização de processos externos, os mesmos são realizados por fornecedores devidamente qualificados conforme definido no item Processo de Aquisição deste manual. 4.2 Requisitos de Documentação Generalidades (Requisitos de Documentação) A Documentação de nosso SGI inclui: Declaração documentada da nossa Política de Gestão Integrada, assim como, definição dos objetivos e metas pertinentes a mesma; Escopo do SGI (conforme sessão 2.1 Escopo, deste MGI); Fluxograma Macro da Interação dos Processos (conforme Anexo 1 do MGI); ;

12 12/32 Procedimentos Sistêmicos PS; Planos da Qualidade das Obras PQO; Procedimentos Operacionais PO; Instruções de Execução de Serviços IES; Planos Emergenciais; Registros do SGI R, Fichas de Verificação de Materiais FVM; Fichas de Verificação de Serviços FVS, e; Outros documentos e registros legais ou exigidos pelos padrões normativos adotados (conforme sessão 2.2 Referência normativa, deste MGI). Figura 2: Estrutura de documentação do Sistema de Gestão Integrado Manual de Gestão Integrado Este MGI foi estabelecido e é mantido de forma a descrever a interação entre os principais elementos e processos do nosso SGI e as atividades ligadas aos mesmos. Possui referência a Procedimentos Sistêmicos PS`s e a Anexos, os quais complementam este manual Controle de Documentos O procedimento sistêmico PS 01 Controle de Documentos foi estabelecido e é mantido para controlar toda a documentação envolvida no funcionamento efetivo do SGI. Este controle se faz no âmbito da elaboração, analise, atualização, alteração, revisão, aprovação e re aprovação de documentos antes de sua emissão por colaborador autorizado ou responsável, onde tais documentos

13 13/32 sejam disponibilizá los e se mantenham devidamente identificados e legíveis e que possam ser prontamente localizados nos seus locais de uso. Este procedimento também estabelece os devidos controles para documentos de origem externa, os quais recebem identificação adequada e distribuição controlada, assim como os devidos controles para documentos considerados obsoletos de modo a prevenir sua utilização não intencional Controle de Registros O procedimento sistêmico PS 02 Controle de Registros estabelece controles necessários no âmbito da identificação, armazenamento, proteção, recuperação, retenção, disposição e descarte dos registros do sistema. A sistemática aplicada aos registros, garantem que os mesmos se mantenham permanentemente legíveis, identificáveis e rastreáveis e sejam mantidos para evidenciar a conformidade com os requisitos do SGI e a efetiva operação dos processos, das atividades, dos produtos e dos serviços executados Controle Operacional Os procedimentos Operacionais (PO`s), foram estabelecidos para determinar como são definidas as operações e as atividades associadas a perigos identificados ou a aspectos ambientais significativos e os devidos controles operacionais (aplicáveis as atividades, produtos, serviços, equipamentos existentes e os que venham a ser adquiridos, incluindo a gestão de mudanças), a fim de gerenciar os riscos e os impactos ambientais resultantes destas atividades, visando assegurar que as mesmas sejam executada, comunicadas aos colaboradores e as partes interessadas e que estejam em conformidade com o compromisso assumido na Política de Gestão Integrada, a fim de atingir os objetivos e metas estabelecidos e o devido cumprimento dos requisitos legais e outros requisitos determinados. Temos ainda estabelecido o procedimento sistêmico PS 07 Gestão de Saúde/Segurança no Trabalho e Aspecto/Impacto Ambiental o qual contempla as principais ferramentas utilizadas pelo sistema, com foco e compromisso na eliminação dos perigos ou minimização dos riscos, a preservação da poluição evitando ou minimizando os impactos ambientais, obtendo assim a melhoria continua do SGI. 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO 5.1 Comprometimento da Direção

14 14/32 A Alta Direção da SINER (conforme Anexo 6 Estabelecimento da Alta Direção) compromete se no envolvimento do SGI determinando e tornando disponível em tempo hábil recursos apropriados para estabelecê lo, implementá lo, mantê lo e melhorá lo continuamente. Para tanto transfere responsabilidades e autoridades aos seus colaboradores os quais garantem a comunicação e o entendimento dos requisitos do cliente, dos requisitos legais e outros requisitos quando do desenvolvimento de seus processos e atividades. A eficácia do SGI poderá ser observada mediante a implementação das seções 5.3 Política de Gestão Integrada, 5.4 Planejamento, Responsabilidade e Autoridade, 5.6 Análise Critica pela Alta Direção, 6.1 Provisão de Recursos, 6.2 Recursos Humanos, 6.3 Infra Estrutura e 6.4. Ambiente de Trabalho. 5.2 Foco no Cliente, na Identificação de Perigo e Risco Ocupacional e na Identificação de Aspecto e Impacto Ambiental Foco no Cliente A Alta Direção da SINER toma decisões gerenciais e executa as atividades com o objetivo de aumentar a satisfação dos clientes. Para tanto, realiza pesquisas de satisfação do cliente, gerencia os indicadores de desempenhos, analisa a eficiência de seus processos além de tratar as informações provenientes de clientes como fontes de possíveis ações corretivas, preventivas ou de melhoria. Por meio de seus processos (seções 5.6 Análise Critica pela Alta Direção, Determinação de Requisitos Relacionados ao Produto ou ao Serviço e Satisfação dos Clientes e dos colaboradores), assegura que os requisitos dos clientes como também os requisitos estatutários e regulamentares (quando existirem) são determinados e atendidos Identificação de Perigos, Avaliação de Riscos e Definição de Controles A SINER estabelece o procedimento sistêmico PS 08 Análise Preliminar de Perigos e Riscos, no qual definimos as diretrizes e critérios para identificação contínua de perigos, avaliação dos riscos e determinação dos controles relacionados à segurança e saúde dos colaboradores, definindo o nível de mitigação e o risco residual. Quando uma atividade acontecer sem que exista a análise preliminar de perigo previamente avaliada (atividade não rotineira), deve ser aplicado às diretrizes e os critérios do PO 010 Análise de Risco ao Pé da Atividade. Quando da análise de perigo e risco são considerados os requisitos legais e outros requisitos aplicáveis.

15 15/ Identificação dos Aspectos e Impacto Ambientais, Entendimento e Determinação dos Aspectos Significativos que possamos Controlar ou Influenciar. A SINER estabelece o procedimento sistêmico PS 09 Identificação dos Aspectos e Impactos Ambientais, no qual definimos as diretrizes e critérios para identificação contínua dos Aspectos Ambientais, entendimento dos Impactos Ambientais relacionados que possamos controlar e aqueles que possamos influenciar (sendo estes adversos ou benéficos), definindo para tanto o seu nível de significância. Quando uma atividade acontecer sem que exista a análise preliminar de aspecto previamente avaliada (atividade não rotineira), deve ser aplicado as diretrizes e os critérios do PO 030 Realizar Comunicação Organizacional. Quando da análise de perigo e risco são considerados os requisitos legais e outros requisitos aplicáveis. 5.3 Política de Gestão Integrada A Alta Direção da SINER defini, autoriza e assegura que sua Política de Gestão Integrada (conforme Anexo 2 Política de Gestão Integrada) é apropriada ao escopo (seção 2.1.) e garante a sua comunicação, desdobramento, seu entendimento aos colaboradores e esteja disponível ás partes interessadas. Esta é analisada criticamente (seção 5.6.) objetivando sua manutenção e adequação. 5.4 Planejamento Objetivos do Sistema de Gestão Integrado A Alta Direção da SINER estabelece e mantém seus Indicadores de Desempenho (conforme Anexo 3 Objetivos e Metas Lista de Indicadores da SINER), a fim de demonstrar a capacidade de implementação do sistema, incluindo ainda aqueles necessários para atender os requisitos do produto ou serviço. Estes indicadores são coerentes com a Política de Gestão Integrada e mensuráveis, são estabelecidos para as funções e níveis pertinentes de modo a gerarmos dados para uma análise critica (medição, avaliação e tomada de decisão) que demonstre a adequação e eficácia do SGI Objetivos da Qualidade nos Canteiros de Obra A fim de garantir a devida aderência a Política Nacional de Resíduos Sólidos, estaremos implementando indicadores de desempenho voltados a sustentabilidade dos canteiros das obras. Estes indicadores estarão sendo definidos no Anexo 3 Objetivos e Metas Lista de Indicadores da SINER no ambito da geração dos resíduos e consumo de água e luz.

16 16/ Planejamento do Sistema de Gestão Integrado A Alta Direção entende que o planejamento é fundamental para a plena implementação da Política de Gestão Integrada e para o estabelecimento e manutenção do SGI, desta forma, estaremos considerando quando do planejamento do sistema os requisitos citados nas seções 4, os objetivos e metas, os requisitos legais, outros requisitos subscritos por nós ou pelas partes interessadas, a identificação dos perigos e avaliação dos riscos com relação à saúde e segurança dos colaboradores, a identificação dos aspectos e impactos ambientais significativos, a definição de programas e controles operacionais, as opções tecnológicas para desenvolver nossos produtos e serviços e os requisitos financeiros, humanos e administrativos necessários para garantir as operações e atividades de forma controlada Requisitos Legais e Outros A Alta Direção da SINER mantém uma sistemática específico (sistema SOGI, módulo LIRA) para identificar e acessar os requisitos legais aplicáveis e outros requisitos subscritos por ela, relacionados aos perigos e riscos de saúde e segurança ocupacional e a meio ambiente associados aos processos e atividades. Este procedimento prevê o uso de serviços profissionais contratados para atualização e acompanhamento dos requisitos legais pertinentes, incluído a análise de como a obrigação legal se relaciona aos perigos de saúde e segurança ocupacional identificados na empresa. Os requisitos legais aplicáveis e outros requisitos subscritos pela empresa são levados em consideração nas etapas de estabelecimento, implementação e manutenção das atividades, produtos e serviços relacionados ao SGI. A SINER assegura a comunicação das informações aplicáveis sobre os requisitos legais e outros requisitos de saúde e segurança ocupacional aos colaboradores que trabalham sob seu controle e às partes interessadas pertinentes, por meio dos veículos de comunicação disponíveis, tais como: intranet, informativos, folhetos, cartilhas, palestras, faixas, comunicados, painéis de gestão a vista, reuniões, dentre outros. 5.5 Responsabilidade, Autoridade e Comunicação Responsabilidade e Autoridade A Alta Direção e os gestores assumem a responsabilidade da prestação de contas e gestão dos processos conforme planejado na seção e assumem o comprometimento de assegurar uma interação adequada entre os processos, disponibilizando recursos (humanos, habilidades especializadas, infra estrutura, tecnologia, administrativo e financeiro), transferindo quando

17 17/32 oportuno responsabilidades e autoridades aos cargos hora determinados, objetivando assim que os requisitos do sistema sejam atingidos. Entendemos que todos os colaboradores são responsáveis pela implementação e manutenção do SGI descrito neste manual e nos demais procedimentos que integram o sistema de gestão, desta forma é delegado a cada colaborador a responsabilidade e autoridade individual pertinente a sua atividade de maneira a garantir a qualidade do produto ou serviço, realizando o de forma segura e de modo a preservar o meio ambiente, garantindo assim os devidos controles dos processos que atuam ou interagem. As autoridades no âmbito da estrutura hierárquica da SINER podem ser observadas no Organograma (conforme Anexo 4 Organograma) e as responsabilidades no âmbito da gestão dos processos podem ser observadas na Matriz de Responsabilidades (conformeaanexo 7 Matriz de Responsabilidades) Representante da Direção A Alta Direção da SINER delega responsabilidade e autoridade ao Representante da Direção RD (conforme Anexo 5 Designação do RD), de modo que o mesmo assegure que os processos necessários para o SGI sejam estabelecidos, implementados, mantidos e melhorados, por meio de auditorias e reuniões de Análise Crítica com a Alta Direção (conforme seção 5.6.), objetivando a melhoria continua. O Representante da Direção deve relatar o desempenho do SGI à Alta Direção sempre que necessário ou quando for solicitado, garantindo a conscientização dos colaboradores para com os requisitos do cliente, da saúde e segurança e do meio ambiente quando estes estiverem executando suas atividades. Esta responsabilidade pode incluir a ligação com partes externas em assuntos relacionados ao SGI Comunicação, Participação e Consulta A Alta Direção da SINER assegura o estabelecimento de processos para a comunicação interna (Painéis de Gestão a Vista, Banner`s, Intranet, Quadros, e mail, reuniões, documentos e procedimentos) entre os vários níveis e funções da empresa, com terceiros e outros visitantes no local de trabalho e quando do monitoramento e investigação do SGI ou quando do recebimento de documentação (incluindo registros) e resposta a comunicações pertinentes oriundas de partes interessadas externas a fim de garantir a eficácia do SGI. Esta comunicação tem como objetivo a participação e consulta dos trabalhadores e as partes interessadas, enfatizando principalmente a divulgação da Política de Gestão Integrada, dos requisitos dos Clientes, dos perigos e riscos das

18 18/32 atividades, dos aspectos e impactos ambientais significativos identificados, escopo do SGI e dos objetivos, metas e seus resultados. 5.6 Análise Crítica pela Alta Direção Generalidades São realizadas análises críticas periodicamente pela Alta Direção, para assegurar sua contínua pertinência, adequação, suficiência e eficácia. Estas Análises são realizadas conforme defini o PO 013 Análise Critica pela Alta Direção e incluem avaliações dos processos, dos procedimentos e serviços, avaliação de oportunidades de melhoria, necessidades de alterações do SGI, da Política de Gestão Integrada e seus objetivos Entradas para a Análise Crítica A complexidade e conteúdo das análises criticas pela Alta Direção, abrangem os temas abaixo, e são entendidos como dados de entrada: Ações voltadas a auditorias internas e externas; Satisfação dos clientes, dos colaboradores e das partes interessadas, reclamações, avaliações ou outras informações advindas dos mesmos; Análise da pertinência e adequação da Política de Gestão Integrada, seus Objetivos e Metas. Desempenho dos processos do SGI e conformidade dos produtos e serviços fornecidos; Resultados de não conformidades, ações corretivas e ações preventivas; Resultados e acompanhamento das ações de análises criticas anteriores pela Alta Direção; Atendimento aos requisitos legais e outros requisitos subscritos; Comunicação com partes interessadas incluindo reclamações, resultados de participação e consulta; Situação das investigações de incidentes; Programas de saúde e segurança ocupacional e meio ambiente; Avaliação e validação do orçamento Budget ; Mudanças relevantes que possam afetar o SGI, e; Recomendações para melhoria Saídas da Análise Crítica As saídas devem ser consistentes com o comprometimento da melhoria contínua onde abrangem, conclusões dos assuntos de Análise Crítica Pela Direção incluindo decisões e ações relativas a: Melhoria Contínua e a eficácia do SGI e seus processos;

19 19/32 Melhoria do produto e serviço quando comparados aos requisitos do cliente; Necessidade que prover recursos (financeiros, administrativos ou humanos) suficientes para garantir a implementação do SGI, e; Adequação da Política de Gestão Integrada e seus objetivos e metas. 6. GESTÃO DE RECURSOS 6.1 Provisão de Recursos A SINER assumi a responsabilidade e a prestação de conta com relação a saúde e segurança dos seus colaboradores, com a qualidade de seus produtos e serviços e com o meio ambiente determinando seu orçamento Budget a fim de identificar e prover recursos para as necessidade de investimentos assegurando os meios apropriados para garantir o estabelecimento, implementação, manutenção e controle efetivo do SGI. Disponibiliza os recursos humanos suficientes para os processos e serviços, os recursos para a saúde e segurança dos mesmos, os controles dos aspectos ambientais significativos, as tecnologias adequadas (hardware ou software), a infra estrutura, a comunicação adequada e matérias de apoio apropriados para o desenvolvimento dos processos e atividades e os recursos financeiros para atender os objetivos e metas, incluindo treinamentos e qualificações específicas aos colaboradores, objetivando assim aumentar a satisfação dos clientes e das partes interessadas mediante o atendimento de seus requisitos, e a melhoria contínua e eficaz do SGI. 6.2 Recursos Humanos Generalidades A SINER assegura que todos os colaboradores que desenvolvem atividades dentro do SGI que afetam a qualidade do produto ou do serviço ou que possam causar impacto na saúde e segurança dos trabalhadores ou no meio ambiente, possuam competências suficientes em educação e formação apropriada, em treinamentos, em habilidades e experiências necessárias para o bom desempenho de sua atividade, assim como, conscientização quanto aos perigos e riscos e aos aspectos e impactos ambientais advindos de suas tarefas, objetivando garantir que os requisitos solicitados pelo cliente ou partes interessadas sejam executados de forma controlada Competência, Treinamento e Conscientização As competências, treinamentos e conscientizações necessárias para cada colaborador em exercer sua função dentro do SGI, estão determinadas nas Descrições de Cargos. A SINER possui controle quanto as evidências de competências determinadas, ou seja, os registros associados destas competências para cada colaborador (educação e formação, treinamento,

20 20/32 habilidade e experiência) que desempenha uma atividade dentro do SGI. Quando uma ou mais destas competências não possuírem documentos formais que comprovem sua existência, a SINER proverá outras ações para formalizar tal necessidade de competência, assim como, sua eficácia perante nossos critérios de avaliação. 6.3 Infra Estrutura A Alta Direção da SINER determina, provê e mantém infra estrutura suficiente para o desenvolvimento dos programas e atividades do SGI e para alcançar a conformidade com os requisitos do produto e serviço fornecidos, com a saúde e segurança de seus colaboradores, com os aspectos e impactos ambientais significativos, com outras necessidades de infra estrutura e para as suas operações entre elas, equipamentos e sistemas de informação (hardware ou software), considerando para tanto, quando aplicável, as edificações, a adequação às instalações e o espaço de trabalho, a aquisição ou manutenção de equipamentos do processo produtivo e serviços de apoio como transporte, comunicação ou informática. Os recursos necessários para manter a infra estrutura são identificados, planejados e disponibilizados conforme Budget ou quando da necessidade eventual emergencial. 6.4 Ambiente de Trabalho Quando do planejamento dos processos são efetuadas avaliações dos ambientes de trabalho, considerando para tanto os programas PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), o PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) e outros programas de gestão a fim de garantir que os colaboradores estejam sendo monitorados quanto sua saúde através dos exames preventivos previstos. São identificados os agentes físicos, químicos, biológicos os aspectos ergonômicos, riscos mecânicos derivados de ausência de proteções de máquinas e equipamentos e assuntos correlatos, visando preservar a segurança e a saúde dos colaboradores e eliminar possíveis interferências na qualidade do produto ou serviço. 6.5 Avaliação do Atendimento a Conformidade aos Requisitos Legais e outros A Alta Direção da SINER realiza a avaliação através do sistema SOGI (módulo LIRA, disponibilizado em ambiente WEB) e também a partir da analise do monitoramento e medições advindas dos controles operacionais (conforme Medição e monitoramento de processos e Medição e monitoramento de produto) que demonstraram o desempenho e o atendimento aos requisitos legais aplicáveis e a outros requisitos subscritos por ela e mantém os registros dos resultados destas

21 21/32 avaliações nas analises criticas. Em função dos resultados desta avaliação poderão ser estabelecidos planos de ação específicos. 6.6 Preparação e Resposta à Emergências A Alta Direção da SINER através do seu procedimento sistêmico PS 06 Plano de Atendimento à Emergência, define a metodologia para a identificação potencial de emergências e resposta a tais situações. Este procedimento estabelece os mecanismos para responder às situações de emergência, incluindo ações para prevenção e/ou mitigação das conseqüências adversas ou benéficas que possam ter sobre o SGI. Procedimentos que envolvem abandono e outras ações emergenciais são testados periodicamente e quando exeqüível, envolvendo as partes interessadas pertinentes. Estes testes são executados, analisados e revisados quando necessário após sua execução, em particular após os testes periódicos planejados e após alguma ocorrência de situações de emergência, sejam elas no âmbito da segurança ocupacional ou impacto ambiental. 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.1 Planejamento da Realização da Obra ou do Produto ou do Serviço A SINER desenvolve seus processos, planejando a realização da obra ou do produto ou o fornecimento do serviço, considerando os requisitos do cliente de modo que os processos e atividades aconteçam de forma controlada, determinando as fases para as realização, verificação, validação, monitoramento, medição, inspeção, critérios para aceitação e ensaios (quando aplicável), estabelecendo ainda os parâmetros e as medidas de controle das atividades que estão associadas aos perigos e riscos ocupacionais identificados e aos aspectos e impactos ambientais significativos, visando assegurar que tais atividades sejam executadas de forma controlada (conforme 4.2.5) e conduzidas em conformidade com a política, com os objetivos e metas do SGI. A área de gestão de contratos ou gestão de serviços determina tal planejamento (utilizando para tanto software especifico para o planejamento da realização das etapas produtivas e administrativas) Plano da Qualidade da Obra Para as obras, é elaborado um Plano da Qualidade da Obra PQO, documento este que é consistente com os outros requisitos do Sistema de Gestão Integrado e com as características da obra. Este PQO é constituído dos seguintes tópicos, quando aplicável: Escopo da obra; Estrutura organizacional (Organograma da obra);

22 22/32 Cronograma de execução da obra; Projeto e infra estrutura do Canteiro; Relação das FVM (Fichas de Verificação de Materiais); Relação das FVS (Fichas de Verificação de Serviços); Relação dos equipamentos e dispositivos de medição e monitoramento críticos à Qualidade da obra; Programa de treinamento da obra, incluindo procedimentos operacionais, instruções técnicas, instruções de segurança, instruções de trabalho, instruções de execução de serviços etc.); Objetivos específicos para a obra; e Definição do destino dos resíduos produzidos pela obra que geram impactos no meio ambiente embasados na Política Nacional de Resíduos Sólidos e outras políticas aplicáveis neste âmbito. Esses resíduos e seus efeitos podem ser sólidos, líquidos, gasosos ou sonoros Planejamento da Execução da Obra Plano da Qualidade da Obra A SINER planeja, executa, controla (por meio de verificação, monitoramento, medição, inspeção e atividades de ensaio os processos executivos de modo a validá los) e registra as fases de execução da obra definidas no cronograma. 7.2 Processos Relacionados a Clientes Determinação de Requisitos Relacionados a Obra ou ao Produto ou ao Serviço Os requisitos dos clientes são identificados quando da preparação da proposta técnica e comercial, que é encaminhada ao cliente e posteriormente validada pelo recebimento do pedido ou outro documento similar que concretiza o negocio. São identificados todos os requisitos do cliente para o desenvolvimento da obra, do produto ou do serviço e para a realização das atividades de forma controlada seja no âmbito da qualidade, da segurança ou do meio ambiente (conforme 4.2.5), incluindo requisitos não declarados pelo cliente mas necessários (requisitos estatutários, regulamentares, legais e outros aplicáveis), assim como, requisitos de entrega e pós venda como garantias, obrigações contratuais, manutenções, serviços suplementares e etc. (conforme 7.5.2) Análise Crítica dos Requisitos Relacionados a Obra ou ao Produto ou ao Serviço Foram estabelecidos métodos para fazer uma análise crítica de riscos/viabilidade (Pré projeto) de forma adequada e oportuna dos requisitos relacionados a obra ou ao produto ou serviço e aos processos produtivos pertinentes as atividades. Atividades estas que possuem controle no âmbito da qualidade, da segurança e do meio ambiente (conforme 4.2.5), esta análise é realizada antes da

23 23/32 SINER assumir o compromisso de fornecimento. A proposta técnica e comercial é disponibilizada de tal forma que retrata detalhes dos requisitos, estabelece prazos e valores factíveis para este fornecimento, assim como as garantias e possíveis riscos. Quando apropriado ou requisitado pelo cliente é disponibilizado um Data Book ou Manual de Uso, como documentação complementar da obra ou do produto ou serviços fornecido Comunicação com o Cliente e com as partes interessadas A comunicação com o cliente é feita inicialmente pela área comercial onde se desenvolve a proposta técnica e comercial, posteriormente administrada pela área de gestão de contratos e serviços e as áreas de projeto e qualidade, assim como demais áreas quando necessário, que podem estar interagindo de forma a manter e estabelecer os requisitos determinados (incluindo emendas, aditivos, reclamações ou outras tratativas). A comunicação que envolve outras partes interessadas (colaboradores, fornecedores, terceiros, vizinhos, visitantes, autoridades publicas e etc.), é realizada conforme sessão Comunicação Interna, onde podem envolver informações relevantes aos perigos e riscos ocupacionais, assim como, aos aspectos e impactos ambientais associados as nossas operações e atividades, de forma a proporcionar tanto a coleta quanto a disseminação destas informações. 7.3 Projeto e Desenvolvimento Planejamento de projeto e desenvolvimento A SINER planeja e controla o projeto e o desenvolvimento de suas obras, produtos ou serviços através do estabelecimento de seus procedimentos e sistemáticas, onde são determinadas as fases, etapas e estágios destas atividades operacionais (conforme 4.2.5). São estabelecidas as análises críticas, as verificações, as validações (aprovações) e as alterações por profissionais qualificados aos quais são delegadas as responsabilidades e autoridades para tanto. Todo este gerenciamento é realizado pelo gestor de contratos pertinente a obra ou produto ou serviços em questão o qual assegura a comunicação eficaz entre os diferentes grupos, áreas e processos envolvidos. Quando ocorrem alterações no projeto, estas são atualizadas e controladas por emissão de revisão dos documentos (desenhos, projetos e outros) ou por meio de carimbos de controle e ao final a preparação do As Built Entradas de projeto e desenvolvimento A SINER garante que os requisitos do cliente serão considerados quando do recebimento de uma solicitação representada por uma especificação técnica enviada pelo próprio cliente ou analisada em

24 24/32 campo por sua equipe com ajuda e orientação do cliente, considerando nesta oportunidade as atividades operacionais inerentes (conforme 4.2.5), os requisitos de funcionamento, desempenho da obra, do produto ou serviço com relação a suas necessidades, os requisitos estatutários, regulamentares, normativos, legais aplicáveis, prazos e garantias. Conforme sessão deste manual, os requisitos de entrada são analisados quanto seus riscos, viabilidade e suficiência em atender as necessidades do cliente considerando as melhores soluções (tecnicamente e comercialmente), de forma transparente e objetiva, não gerando ambigüidade quando de sua interpretação ou entendimento e não conflitante entre si Saídas de projeto e desenvolvimento A SINER garante que os requisitos de entrada determinados conforme sessão deste manual sejam atendidos, garante ainda informações apropriadas para aquisição de materiais e serviços necessários para a execução da obra, produto ou serviço, assim como, a indicação dos dispositivos regulamentares e legais aplicáveis ao escopo do fornecimento de forma a deixar claro os critérios de aceitação e as características essenciais para seu uso seguro e apropriado, e quando alterações deste projeto surgirem, que sejam controladas conforme sessão deste manual, de maneira que sejam verificadas antes de sua liberação ou disponibilização ao cliente. Quando apropriado ou requisitado pelo cliente é disponibilizado um Data Book, contendo documentação complementar e As Built. Neste Data Book esta estabelecido as especificações e características do produto as previsões de ações preventivas de manutenção e de segurança, objetivando o seu uso adequado e seguro Análise crítica de projeto e desenvolvimento A SINER analisa criticamente o projeto e seu desenvolvimento em fases, estágios e atividades operacionais apropriados (conforme 4.2.5), estas são realizadas por profissionais qualificados, aos quais são delegadas as responsabilidades e autoridades para verificar e avaliar a capacidade da SINER de atender os requisitos estabelecidos conforme sessão e planejados conforme deste manual. Quando desta análise for identificado um problema ou uma necessidade de alteração deste projeto (7.3.2, 7.3.3, e 7.3.8), ações de alteração devem ser implementadas conforme sessão deste manual Verificação de projeto e desenvolvimento A SINER verifica o projeto e o desenvolvimento de seu produto ou serviço conforme fases, estágios e atividades operacionais pré determinados conforme sessão de maneira a assegurar que as

25 25/32 saídas deste projeto e desenvolvimento do produto ou serviço estejam atendendo os requisitos do cliente Validação de projeto e desenvolvimento A SINER valida o projeto e o desenvolvimento de sua obra, produto ou serviço conforme fases, estágios e atividades operacionais pré determinados conforme sessão de maneira a assegura que o resultante destes processos possam atender os requisitos de entrada e a aplicação especificada ou pretendida pelo cliente. Na hipótese de projetos inovadores e com características particulares, esta validação poderá demandar outros recursos, tais como: Realização de simulação por softwares; Confecção de maquetes; Ensaios e simulações laboratoriais e etc Controle de alteração de projeto e desenvolvimento Quando alterações de projeto e desenvolvimento da obra, produto ou serviço ocorrerem e demandarem a necessidade de reavaliar o projeto assim como as fases, estágios e atividades operacionais inerentes (conforme 4.2.5), estas serão devidamente identificadas, analisadas, verificadas e validadas (aprovadas) antes de sua implementação, considerando para tanto a avaliação de seu efeito quanto a não descaracterização da aplicação especificada Análise crítica de projeto fornecidos pelo cliente Quando a SINER recebe o projeto do cliente, este é analisado criticamente (desenhos, memoriais, especificações técnicas, projetos e outros), pelos seus colaboradores e especialistas de forma a garantir a correta execução da obra ou produto ou serviço, e caso ocorra durante esta análise a necessidade de adequação ou quaisquer outras ações de melhoria, estas necessidades serão devidamente comunicadas ao cliente a fim de garantir as modificações e/ou adaptações necessárias para a execução do projeto (conforme 4.2.5), modificação e/ou adaptação estas que deverão abastecer os requisitos de projeto e desenvolvimento conforme 7.3.1, e Aquisição Processo de Aquisição A SINER estabelece sistemática para qualificar, avaliar, cadastrar e reavaliar fornecedores de materiais e serviços que impactam no sistema de SGI, esta sistemática envolve ainda os procedimentos de determinação de cadastramento, de compra e recebimento das matérias ou

26 26/32 componentes controlados, dos serviços controlados, serviços laboratoriais, serviços de projeto especializados de engenharia e a locação de equipamentos que sejam considerados críticos para o atendimento das exigências do cliente. O tipo e extensão destes controles estarão de acordo com os requisitos especificados de aquisição e das atividades operacionais inerentes (conforme 4.2.5). Quando a SINER opta por terceirizar a execução de alguns processos (contratação de recursos humanos para Engenharia e Service), garante que estes profissionais seguem as sistemáticas operacionais internas de forma a assegurar o controle da execução desses processos de maneira a atender os requisitos do cliente, os requisitos estatutários e regulamentares definidos Processo de Qualificação de Fornecedores A SINER estabelece critérios para qualificar (pré avaliar e selecionar), seus fornecedores de maneira evolutiva, considerando para tanto a capacidade destes fornecedores em atender os requisitos especificados nos pedidos de aquisição e o devido atendimento as formalidades legais da legislação vigente. As empresas já qualificadas pelo PBQP h Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat ou PSQ Programas Setoriais de Qualidade ou SBAC Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade ou SINAT Sistema de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores, poderão ser dispensadas do processo de pré avaliação e seleções e forem consideradas como qualificadas por estas entidades Processo de Avaliação de Fornecedores A SINER estabelece critérios para avaliação dos seus fornecedores e reavaliação do desempenho dos seus fornecimentos. Para os fornecedores de materiais ou componentes considerados não conformes perante uma PSQ, este fornecedor será automaticamente vetado do nosso cadastro e só poderá retornar a condição de fornecedor quando sua situação for revertida nesta PSQ Informações de Aquisição As informações de aquisição das matérias primas, componentes e serviços se darão quando da emissão do pedido de compra gerado através do sistema informatizado, onde as informações descrevam de forma clara e completa a matéria prima, componente ou serviços a ser adquirido, incluindo onde apropriado requisito para: Estabelecimento de sistemáticas para aprovação da matéria prima, componente ou serviço adquirido;

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Procedimento Sistêmico N⁰ do procedimento: PS 01

Procedimento Sistêmico N⁰ do procedimento: PS 01 1/ 6 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento 01 Adequação aos processos Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 02 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026 1/7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão dos Indicadores 02 Revisão geral do documento 03 Item 4.1: Foi inserida uma aprovação final da Diretoria após o Gestor

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001/2000 SENAI - PR, 2002 CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 Trabalho elaborado pela Diretoria de Educação e Tecnologia do Departamento Regional do SENAI - PR, através do LABTEC - Laboratório

Leia mais

QUALINSTAL Maio 2016. Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis

QUALINSTAL Maio 2016. Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis QUALINSTAL Maio 2016 Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis Estrutura Requisitos Responsabilida des Regras Gerais Gestão Qualidade Saúde e segurança Meio ambiente Técnicos Responsabilidade

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA).

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental HOJE EM DIA as empresas estão VIVNCIANDO um ambiente de incertezas e sofrem pressões constantes

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA NO TURISMO DE AVENTURA TDA RAFTING & EXPEDIÇÕES SUMÁRIO SEÇÃO 0 - INTRODUÇÃO SEÇÃO DESCRIÇÃO 1 Informações sobre a TDA Rafting & Expedições 2 Apresentação do Manual

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PARA COMEÇAR......A VERSÃO 2012 VERSÃO 2012 A versão 2012 do SiAC incluiu alguns requisitos, antes não verificados em obras. São eles: 1. Indicadores de qualidade

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H,WHQVH5HTXLVLWRVGR 6LVWHPDGH4XDOLILFDomRGH(PSUHVDVGH

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 014

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 014 1/ 14 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão integral do PO, Indicadores e adequação dos registros e padrões. 02 Adequação as normas ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:2007

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2015

ABNT NBR ISO 9001:2015 ABNT NBR ISO 9001:2015 Sistema de Gestão da Qualidade Requisitos Terceira edição: 30/09/2015 Válida a partir de: 30/10/2015 Tradução livre fiel ao original - uso exclusivo para treinamento 1 NORMA BRASILEIRA

Leia mais

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002.

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. 1 Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. Norma NBR ISO 9001:2000 Esta norma é equivalente à ISO 9001:2000.

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 10 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 08/06/29 Emissão Inicial OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO ELABORAÇÃO Nome

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Procedimento Sistêmico N⁰ do procedimento: PS 03

Procedimento Sistêmico N⁰ do procedimento: PS 03 1/ 5 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 01 Adequação as normas ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:2007, inclusão das auditorias de manutenção e alteração

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14 ANEXO I PSI Índice 1. FINALIDADE... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. FREQUÊNCIA DE REVISÃO... 4 4. PORTAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 4 5. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 5.1. Segurança da Informação... 4 5.2. Confidencialidade...

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para a aplicação da ABNT NBR ISO 9001:2008 na gestão municipal

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para a aplicação da ABNT NBR ISO 9001:2008 na gestão municipal DEZEMBRO/2010 Proj 25.000.05-07 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para a aplicação da ABNT NBR ISO 9001:2008 na gestão municipal Sede: Rio de Janeiro

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

ELBI ELÉTRICA INDUSTRIAL LTDA. Data 17-08-11. ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 PARTICIPANTES NOME EMPRESA ASSINATURA

ELBI ELÉTRICA INDUSTRIAL LTDA. Data 17-08-11. ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 PARTICIPANTES NOME EMPRESA ASSINATURA ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 JOSÉ FRANCISCO JOSÉ CARLOS MÁRCIO FLÁVIO LEANDRO EDUARDO WENDER CHRISÓSTOMO ALINE M O DUARTE ASSUNTOS ABORDADOS: 1- RESULTADOS DA AUDITORIA INTERNA N.13:

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 006/2014 EMENTA: Aprova Normas da Política de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Padrão de Desempenho 1 V2 Avaliação e Gestão de Riscos e Impactos Socioambientais

Padrão de Desempenho 1 V2 Avaliação e Gestão de Riscos e Impactos Socioambientais Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 ressalta a importância da gestão do desempenho socioambiental durante o ciclo de vida de um projeto. Um sistema eficaz de avaliação e gestão socioambiental é um processo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ.

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ. 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as diretrizes para a realização de auditorias internas no SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DA ABCZ (SGI) tendo por base todos os requisitos previstos no MANUAL DO SGI

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XI GRUPO ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 01/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI I FINALIDADE Instituir a Metodologia

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional Nome do procedimento: 1/ 6 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Engenharia e Operações

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTO DE ENSINO COM BASE NA ABNT NBR ISO 14001:2004

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTO DE ENSINO COM BASE NA ABNT NBR ISO 14001:2004 Porto Alegre/RS 23 a 26/11/201 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTO DE ENSINO COM BASE NA ABNT NBR ISO 14001:2004 RESUMO Claudia Adriana Kohl (*), Cristine Santos de Souza da Silva, Caroline Lobato

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:53:30 (Sem título) IDENTIFICAÇÃO, ACESSO E MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS

Impresso em 26/08/2015 10:53:30 (Sem título) IDENTIFICAÇÃO, ACESSO E MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 30/12/2014 Verificado por Fernando Cianci em 06/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 06/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE. ArcelorMittal Inox Brasil

MANUAL DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE. ArcelorMittal Inox Brasil MANUAL DA QUALIDADE 1/32 SUMÁRIO 0 INTRODUÇÃO... 3 0.1 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA...3 0.2 HISTÓRICO...4 1 SISTEMA INTEGRADO DA QUALIDADE... 4 1.1 OBJETIVO...4 1.2 ESCOPO CERTIFICAÇÃO...4 2 NORMAS DE REFERÊNCIAS...

Leia mais

SGI, SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO. INTEGRANDO SGA, SGQ, SGRS E OHSAS EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA.

SGI, SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO. INTEGRANDO SGA, SGQ, SGRS E OHSAS EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA. SGI, SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO. INTEGRANDO SGA, SGQ, SGRS E OHSAS EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA. Felippe Pires de Araujo, Paulo R. C. Leone n Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Engenharias,

Leia mais

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA ESTALEIRO ENSEADA 1/5 TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA 1. Objetivo Este procedimento estabelece a sistemática de levantamento de competências, promoção da conscientização e treinamento. 2. Aplicação

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 20/11/28 Página 1 de 14 - MONITORAMENTO, MEDIÇÃO E MENSURAÇÃO DE DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 20/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Manual de Integração (SSO) saúde e segurança ocupacional Data da Revisão 18/12/2013

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Manual de Integração (SSO) saúde e segurança ocupacional Data da Revisão 18/12/2013 1/5 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Gestão de Contratos Service/Qualidade Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Administrativo

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 17021

ABNT NBR ISO/IEC 17021 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO/IEC 17021 Primeira edição 19.03.2007 Válida a partir de 19.04.2007 Versão corrigida 03.09.2007 Avaliação de conformidade Requisitos para organismos que fornecem auditoria

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Compreender a importância do PCMSO como instrumento

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

ISO/TS 16949 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Sistema de Gestão de Qualidade

ISO/TS 16949 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Sistema de Gestão de Qualidade ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949 Segunda edição 2002-03-01 Sistema de Gestão de Qualidade Requisitos específicos para aplicação da ISO 9001:2000 para produção automotiva e organizações pertinentes de

Leia mais

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria Módulo 4 Conceitos e Princípios de Auditoria NBR: ISO 14001:2008 Sistemas da Gestão Ambiental Requisitos com orientações para uso NBR:ISSO 19011: 2002 Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015. AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV.

PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015. AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV. PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015 AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV.: CK AX0003/00-Q5-RL-1001-15 2 ÍNDICE PÁG. 1 - INTRODUÇÃO...

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 014

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 014 1/ 14 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão integral do PO, Indicadores e adequação dos registros e padrões. 02 Adequação as normas ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:2007

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.6 Programa de Gerenciamento de Risco e Plano de Ação de Emergências Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.6

Leia mais

Embora a condução de análise crítica pela direção

Embora a condução de análise crítica pela direção A análise crítica pela direção como uma ferramenta para a melhoria de desempenho A análise crítica pela direção é um requisito obrigatório para as organizações certificadas pela norma NBR ISO 9001 e para

Leia mais

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi Revisão da ISO 9001:2015 Fernanda Spinassi Requisito 4 Contexto da Organização Está mais claramente definida a obrigação de monitorar e analisar criticamente as questões externas e internas da organização

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17

MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17 MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17 Rev. Descrição Data Elaborado Aprovado Aprovado Aprovado 6 7 8 9 Modificados os seguintes itens: 4.1 atualizado o Organograma. 4.2.2.2 e 4.2.2.3 mencionado o envio de cópias

Leia mais

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S 200 D I F E R E N C I A D O S Sistema de Gestão Unificado - Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacional.. Baseado no padrão C&Z4003 que reúne os

Leia mais