PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H"

Transcrição

1 PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H

2 PARA COMEÇAR......A VERSÃO 2012

3 VERSÃO 2012 A versão 2012 do SiAC incluiu alguns requisitos, antes não verificados em obras. São eles:

4 1. Indicadores de qualidade sustentáveis no canteiro de obras da empresa, como, por exemplo, a geração de resíduos e consumo de água e energia; VERSÃO 2012

5 2. Itens de saúde e segurança ocupacional no canteiro de obras; VERSÃO 2012

6 3. A necessidade de atendimento aos requisitos regulamentares e estatutários. VERSÃO 2012

7 O ACONTECEU? QUE

8 A partir dessa revisão, as maiores falhas ocorridas em auditorias são relacionadas a esses requisitos antes não abordados, principalmente os requisitos estatutários. São eles:

9 1. Comunicação prévia ao Ministério do Trabalho; 2. Livro de inspeção do Ministério do Trabalho; REQUISITOS LEGAIS

10 3. PPRA, PCMSO e PCMAT construtora e empreiteiros; 4. ASO dos funcionários da construtora e empreiteiros; REQUISITOS LEGAIS

11 5. CIPA; 6. Treinamento NR 35 Trabalho em altura; REQUISITOS LEGAIS

12 7. Treinamento NR10 Eletricistas; 8. Destinação adequada dos Resíduos Sólidos; REQUISITOS LEGAIS

13 9. ART em nome da construtora que está se certificando; 10. Alvará de construção; - Placa da obra, conforme requisitos CREA; REQUISITOS LEGAIS

14 11. Ficha de distribuição de EPI; 12. Cumprimento da NR18. REQUISITOS LEGAIS

15 PONTOS CRÍTICOS QUE SÃO REQUISITOS ESPECÍFICOS DA OBRA

16 RASTREABILIDADE Todos os materiais cuja qualidade não possa ser assegurada por meio de medição e monitoramento realizados antes da sua aplicação, devem ter sua rastreabilidade controlada, tais como:

17 1. Concreto: Mapa de concretagem, controle tecnológico; RASTREABILIDADE

18 2. Bloco: Mapa de alvenaria, controle tecnológico; RASTREABILIDADE

19 3. Aço: Laudo rastreável à entrega (lote, NF) Certificação compulsória, sendo obrigatória a verificação da respectiva marca do INMETRO ou da rastreabilidade dos ensaios constantes dos laudos; RASTREABILIDADE

20 OBRA A falha mais comum que ocorre durante a auditoria em obra, é o controle dos materiais e serviços, tais como:

21 1. Serviços controlados: - Procedimentos e formulários de inspeção para as % mínimas estabelecidas em cada nível (40% nível B e 100% nível A); - 50% de serviços aplicados; - ¼ de serviços em execução no dia da auditoria. OBRA

22 2. Materiais controlados: - Procedimentos e formulários de inspeção para as % mínimas estabelecidas em cada nível (50% nível B e 100% nível A); - 50% de materiais aplicados; - ¼ de materiais armazenados ou sendo aplicados no dia da auditoria. OBRA

23 Além do controle dos serviços e materiais controlados podemos apontar as seguintes falhas ocorridas em obra: 1. Procedimentos de execução de serviços que não declaram exatamente o que está sendo executado; OBRA

24 2. Falta de registros de não conformidades ocorridas durante execução da obra ou recebimento do material; OBRA

25 3. Falta de verificação dos dispositivos de medição; OBRA

26 4. Armazenamento inadequado dos materiais controlados; OBRA

27 5. Falta de treinamentos relacionados a execução do serviço. OBRA

28 COMPRAS Uma das principais falhas do processo de compras são:

29 1. Qualificação e avaliação dos fornecedores de serviços: Além da qualificação e avaliação dos fornecedores de materiais controlados, deve ser realizada a qualificação dos fornecedores de serviço controlado, laboratórios, serviços de projetos e serviços de engenharia; COMPRAS

30 2. Especificações de aquisição: Os documentos de aquisição devem descrever claramente o que está sendo comprado, contendo especificações técnicas (contrato, pedido de compra etc). COMPRAS

31 PROJETO A falha mais comum relacionada a projeto é a interpretação do item ao e do item 7.3.8, tais como:

32 1. Projetos de responsabilidade da construtora (7.3.1 ao 7.3.7): - Projetos elaborados na construtora ou contratados; - Planejamento, entradas, saídas, análise crítica, verificação, controle de revisões e validação. PROJETO

33 2. Projetos fornecidos pelo cliente (7.3.8): - Análise crítica. Uma outra falha é a exclusão desses itens do escopo do sistema de gestão da qualidade. PROJETO

34 PROCESSOS RELACIONADOS AO CLIENTE A principal falha relacionada a este item do SiAC é a evidência da análise crítica dos requisitos relacionados à obra:

35 1. Existem obras com requisitos viabilizados pela própria construtora (incorporação); PROCESSOS RELACIONADOS AO CLIENTE

36 2. Existem obras com requisitos pré determinados (requisitos clientes, licitações etc). Além destes itens a falta de Monitoramento da Satisfação do Cliente é algo que gera muitas discussões em auditorias. PROCESSOS RELACIONADOS AO CLIENTE

37 RECURSOS HUMANOS Na área de Recursos Humanos as principais falhas são:

38 1. Descrição de cargos que não condizem com a realidade da empresa; RECURSOS HUMANOS

39 2. Falta da comprovação das competências (escolaridade, treinamento, habilidade, qualificação profissional e experiência). RECURSOS HUMANOS

40 GESTÃO DA QUALIDADE As falhas encontradas no processo de gestão da qualidade são:

41 1. Manual da Qualidade: Não conter o nível pretendido para a certificação, referência à norma auditada e sua revisão, informações que contradizem os procedimentos existentes; GESTÃO DA QUALIDADE

42 2. Controle de documentos: Documentos obsoletos disponíveis nos locais de uso; GESTÃO DA QUALIDADE

43 3. Controle de registros: Controle dos formulários e não dos registros, registros armazenados em locais diferentes do indicado em procedimento; GESTÃO DA QUALIDADE

44 4. Auditoria interna: Falha no cumprimento da frequência de realização das auditorias, falta de definição das competências para os auditores. GESTÃO DA QUALIDADE

45 5. Não conformidade: Falta de registros de não conformidade, falta de identificação de materiais ou serviços considerados não conformes; GESTÃO DA QUALIDADE

46 6. Ação corretiva: Falta de registros de ações corretivas, análise de causa inadequada, definições de ações de correção e não corretivas; GESTÃO DA QUALIDADE

47 7. Ação preventiva: Falta de registros de ações preventivas; GESTÃO DA QUALIDADE

48 8. Objetivos da qualidade: Falta de medição dos objetivos da qualidade; GESTÃO DA QUALIDADE

49 9. Análise Crítica pela Direção: Falta de definição da frequência de realização da análise crítica, falta de análise crítica das entradas definidas pelo SiAC, falta de resultados de saídas definidas pelo SiAC. GESTÃO DA QUALIDADE

50 DIREÇÃO A direção da empresa é a base de toda construção do Sistema de Gestão da Qualidade. As principais falhas ocorridas são:

51 1. Falta de comprometimento; DIREÇÃO

52 2. Falta de definição das responsabilidades, autoridades e comunicação; DIREÇÃO

53 3. Objetivos da qualidade, planejamento do SGQ, condução da análise crítica pela direção, disponibilização de recursos. DIREÇÃO

54 CONHEÇA TEMPLUM CONSULTORIA ONLINE

55 IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO E QUALIDADE COM RAPIDEZ E BAIXO CUSTO. TAMBÉM PARA A PEQUENA EMPRESA.

56 PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO EXTREMAMENTE RÁPIDO DÚVIDAS RESOLVIDAS NA HORA ATÉ 70 % MAIS BARATO QUE A CONSULTORIA TRADICIONAL CERTIFICAÇÃO GARANTIDA EM CONTRATO

57 ENTRE EM CONTATO CONOSCO TEMPLUM.COM.BR

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1

Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1 Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1 Fase 2 Fase 1 Fase 2 De 1 a 5 1,5 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0

Leia mais

PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES

PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES PBQP-H O que é PBQP-H? O PBQP-H (Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat), é um instrumento do governo federal que tem como meta organizar

Leia mais

RELATÓRIO SUMÁRIO DO PROCESSO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA

RELATÓRIO SUMÁRIO DO PROCESSO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA 1 - OBJETIVO O Tecpar está disponibilizando este Relatório Sumário da Gráfica e Editora Posigraf S/A. à sociedade para que emitam seus comentários e questionamentos. A divulgação tem o objetivo de proporcionar

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

01. Quais são os exames especificados na NR7 que devem ser realizados e que geram ASO:

01. Quais são os exames especificados na NR7 que devem ser realizados e que geram ASO: 01. Quais são os exames especificados na NR7 que devem ser realizados e que geram ASO: 01. Quais são os exames especificados na NR7 que devem ser realizados e que geram ASO: Admissional, Periódico, de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PCMAT

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PCMAT ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PCMAT Autor DEOGLEDES MONTICUCO, profissional com mais de 50 anos de atuação na Indústria da Construção, Automobilística, Colonização, Comércio, Educação e Consultoria, nas áreas

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional PCMSO Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1 - Do Objeto e Campo de Aplicação Item 9.1 da NR 9 alterado pelo art. 1º da Portaria SSST nº 25 - DOU 30/12/1994 - Republicada

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral)

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 10 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 08/06/29 Emissão Inicial OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO ELABORAÇÃO Nome

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MODELO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NOME DA EMPRESA PERÍODO Dia / Mês / Ano a Dia / Mês / Ano 1 SUMÁRIO 3 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 4 4 OBJETIVO GERAL CONDIÇÕES PRELIMINARES 5 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Manual de Gestão Integrado MGI Elaborado por: Representante

Manual de Gestão Integrado MGI Elaborado por: Representante 1/32 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 01 Alteração do nome onde passa a ser chamado de e a devida adequação os requisitos das normas ISO 14001:2004

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Compreender a importância do PCMSO como instrumento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes medidas de controles já existentes 04/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE - SIAC - NÍVEL C - EDIFICAÇÕES Empresa:

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE - SIAC - NÍVEL C - EDIFICAÇÕES Empresa: 4. (b) Foi definido claramente o(s) subsetore(s) e tipo(s) de obra abrangido(s) pelo Sistema de Gestão da Qualidade. Não foi definido o subsetor e o tipo de obra abrangido pelo Sistema de Gestão pela Qualidade.

Leia mais

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002.

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. 1 Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. Norma NBR ISO 9001:2000 Esta norma é equivalente à ISO 9001:2000.

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho. Automação e Proteção. WWW.AMBIENTALQVT.COM.BR AMBIENTAL@AMBIENTALQVT.COM.BR

Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho. Automação e Proteção. WWW.AMBIENTALQVT.COM.BR AMBIENTAL@AMBIENTALQVT.COM.BR Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho. Automação e Proteção. WWW.AMBIENTALQVT.COM.BR AMBIENTAL@AMBIENTALQVT.COM.BR GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. AUTOMAÇÃO E PROTEÇÃO. A Ambiental Qualidade

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho Site da Vega Construtora www.vegaconstrutora.com.br Canteiros de Obras Obras GYN e BSB Atividades Palestras DDS CIPA Áreas de Vivencias Ordem e Limpeza Sinalização Equipamentos de

Leia mais

Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) 20

Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) 20 capítulo 1 O trabalho e a segurança do trabalho 1 Da pré-história à industrialização 2 O trabalho na era industrial 4 Primeira Guerra Mundial 5 Segunda Guerra Mundial 6 Transição da era industrial para

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6 1 OBJETIVO PÁG: 1 de 6 Estabelecer os princípios básicos para o uso de protetores auditivos na CP SOLUÇÕES. Facilitar a administração de todas as etapas para atender ao disposto no PCA Programa de Conservação

Leia mais

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Informações gerais sobre a prática Título Implantação da Norma Iso 9001:2008 no Departamento de Distribuição de Processos

Leia mais

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade A norma NP EN ISO 9001:2008 O que é a norma? É um conjunto de requisitos que uma organização tem de respeitar para implementar e manter eficazmente um Sistema de Gestão da Qualidade.

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

A definição do escopo trata-se de um processo onde é realizada uma descrição detalhada do projeto e do produto a ser desenvolvido;

A definição do escopo trata-se de um processo onde é realizada uma descrição detalhada do projeto e do produto a ser desenvolvido; Aula 08 1 2 A definição do escopo trata-se de um processo onde é realizada uma descrição detalhada do projeto e do produto a ser desenvolvido; A preparação do escopo é fundamental para o sucesso do projeto,

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO O PROGRAMA É UM DOCUMENTO TÉCNICO - LEGAL PODER CONSTITUINTE DE DIREITO; DECIFRADOR DE DÚVIDAS MATERIAIS; DESCOMPASSO

Leia mais

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento:

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/2007

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H,WHQVH5HTXLVLWRVGR 6LVWHPDGH4XDOLILFDomRGH(PSUHVDVGH

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 1 PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 2 PPRA Desde 1994, por exigência legal, as empresas são obrigadas a montar o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais). Esse programa foi definido pela

Leia mais

Adaptação do trabalho ao trabalhador!

Adaptação do trabalho ao trabalhador! Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e seu trabalho, equipamento e ambiente e, particularmente, a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO (Issai 40 - Introdução) 1. A NBA 40 tem como objetivo ajudar os Tribunais de Contas a elaborar, estabelecer

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Amandio Pires Júnior 1, Sérgio Gonçalves Dutra 2, José Marcos de Lima 3, Maximillian Latorraca Barbosa 3 e Jean Louis Belot 4 Nº5 / 2016

NOTA TÉCNICA. Amandio Pires Júnior 1, Sérgio Gonçalves Dutra 2, José Marcos de Lima 3, Maximillian Latorraca Barbosa 3 e Jean Louis Belot 4 Nº5 / 2016 NOTA TÉCNICA Nº5 / 2016 Janeiro de 2016 Publicação de difusão científica e tecnológica editada pelo Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e dirigida a profissionais envolvidos com o cultivo e beneficiamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001/2000 SENAI - PR, 2002 CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 Trabalho elaborado pela Diretoria de Educação e Tecnologia do Departamento Regional do SENAI - PR, através do LABTEC - Laboratório

Leia mais

Rafael Galupo e Souza

Rafael Galupo e Souza Eng. Rafael Galupo Rafael Galupo e Souza Engenharia de produção mecânico Especialização em Eng. de Segurança do Trabalho MBA em Gestão Empresarial Perícia Trabalhista e Insalubridade Auditor e consultor

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Construção e Energias Renováveis. Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Construção e Energias Renováveis. Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Construção e Energias Renováveis Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

PERÍCIA X AUDITORIA PLANEJAMENTO PERÍCIA AUDITORIA ESCOPO DO TRABALHO PERÍCIA AUDITORIA. Departamento de Ciências Contábeis.

PERÍCIA X AUDITORIA PLANEJAMENTO PERÍCIA AUDITORIA ESCOPO DO TRABALHO PERÍCIA AUDITORIA. Departamento de Ciências Contábeis. PERÍCIA X AUDITORIA Prof Geraldo de Oliveira geraldodeoliveira@hotmail.com.br (27)9972.5760-32235100 PLANEJAMENTO Prevê o tempo a ser alocado, a quantidade de horas, o valor financeiro, forma de pagamento

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

Em caso de serviços específicos possui equipes diferenciadas para cada atendimento.

Em caso de serviços específicos possui equipes diferenciadas para cada atendimento. A ROMEC é conhecida por sua experiência em assessoria e consultoria em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente. Conta com uma equipe multidisciplinar de profissionais altamente capacitados e oferecemos assessoria

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade. Marcelo Sakamori

Gerenciamento da Qualidade. Marcelo Sakamori Gerenciamento da Qualidade Marcelo Sakamori Qualidade Qual das Obras seguintes cumprem os requisitos de qualidade? Qualidade Fonte: SINDICOND, 2014 Qualidade Fonte: ARCHITECTURALDIGEST, 2014 Qualidade

Leia mais

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 1 pág de 16 Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 2 pág de 16 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

QUALINSTAL Maio 2016. Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis

QUALINSTAL Maio 2016. Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis QUALINSTAL Maio 2016 Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis Estrutura Requisitos Responsabilida des Regras Gerais Gestão Qualidade Saúde e segurança Meio ambiente Técnicos Responsabilidade

Leia mais

Data Versão Descrição Autor

Data Versão Descrição Autor Sistema de Controle de Pedidos SISCOP Versão 1.0 Termo de Abertura Versão 2.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 16/08/2010 2.0 Desenvolvimento do Termo de Abertura Adriano Marra Brasília,

Leia mais

Regulamento de Compras :

Regulamento de Compras : Regulamento de Compras : Capítulo I: das Disposições Gerais Artigo 1º. O presente Regulamento estabelece normas para a contratação de obras e serviços e compras, no âmbito da Associação Fundo de Incentivo

Leia mais

PALESTRA Treinamentos e documentos utilizados pela Aterpa para atender a NR 12

PALESTRA Treinamentos e documentos utilizados pela Aterpa para atender a NR 12 PALESTRA Treinamentos e documentos utilizados pela Aterpa para atender a NR 12 PALESTRANTE Guaraci Silva da Fonseca, engenheiro e Gerente de QSMR da Construtora Aterpa SA 12.112 As manutenções preventivas

Leia mais

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho V FORUM - NR 32 São Paulo 09.06.2010 Noeli Martins auditora fiscal do trabalho médica do trabalho PORTARIA MTE 3214/78-33 Normas Regulamentadoras NR 01 Disposições Gerais NR 02 Inspeção Prévia NR 03 Embargo

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

A Aplicabilidade de Alvenaria Estrutural em Edificações Residenciais de Alto Padrão. André Bezerra Coordenador de Obras MPD engenharia Ltda.

A Aplicabilidade de Alvenaria Estrutural em Edificações Residenciais de Alto Padrão. André Bezerra Coordenador de Obras MPD engenharia Ltda. A Aplicabilidade de Alvenaria Estrutural em Edificações Residenciais de Alto Padrão Palestrante: André Bezerra Coordenador de Obras MPD engenharia Ltda. 27 anos de atuação na construção civil. Iniciou

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE S AMBIENTAIS Importância PPRA O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores;

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO PGMQ - TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pelo INMETRO Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais, internacionais ou regulamentos

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Norma CNEN NE 1.28 Resolução CNEN 15/99 Setembro / 1999 QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Resolução CNEN 15/99 Publicação:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17

MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17 MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17 Rev. Descrição Data Elaborado Aprovado Aprovado Aprovado 6 7 8 9 Modificados os seguintes itens: 4.1 atualizado o Organograma. 4.2.2.2 e 4.2.2.3 mencionado o envio de cópias

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 189,de 17 de novembro de 2004. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 03

PROVA ESPECÍFICA Cargo 03 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 03 QUESTÃO 41 De acordo com a NR-01 da Portaria 3.214/78 MTE DISPOSIÇÕES GERAIS, as Normas Regulamentadoras NR relativas à segurança e medicina do trabalho são de observância

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRAFO 145kV - ENERGIZADO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes e as atividades relativas à identificação, avaliação e desenvolvimento da competência das pessoas, por meio de ações de treinamento e conscientização.

Leia mais

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para:

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para: Manual da Qualidade A norma recomenda: o escopo do sistema de gestão da qualidade, incluindo detalhes e justificativas para quaisquer exclusões os procedimentos documentados estabelecidos para o sistema

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 17021

ABNT NBR ISO/IEC 17021 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO/IEC 17021 Primeira edição 19.03.2007 Válida a partir de 19.04.2007 Versão corrigida 03.09.2007 Avaliação de conformidade Requisitos para organismos que fornecem auditoria

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

Fórum Nordeste sobre Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção João Pessoa, 23 e 24 de fevereiro de 2016

Fórum Nordeste sobre Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção João Pessoa, 23 e 24 de fevereiro de 2016 sobre Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção João Pessoa, 23 e 24 de fevereiro de 2016 O X da questão: como ter um PCMAT proativo Profª. Nelma Mirian Chagas de Araújo (IFPB /

Leia mais

Modelo de Questionário para identificar e mapear ativos e Infraestruturas Críticas da Informação e suas interdependências

Modelo de Questionário para identificar e mapear ativos e Infraestruturas Críticas da Informação e suas interdependências Modelo de Questionário para identificar e mapear ativos e Infraestruturas Críticas da Informação e suas interdependências 1. A que setor pertence o ativo de informação? a) Energia; b) Comunicações; c)

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer procedimentos para controle e uso de EPI - Equipamentos de Proteção Individual 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2.1. Esta NP (Normas e Procedimentos) é aplicável no âmbito

Leia mais

Lynda Arnold Nursing, 1997

Lynda Arnold Nursing, 1997 Para melhor ou para pior, minha vida tomou um novo rumo no dia em que uma agulha contaminada perfurou minha mão. estou contando minha história em nome de todas as enfermeiras que enfrentam este risco diariamente,

Leia mais