INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 189,de 17 de novembro de CONSULTA PÚBLICA OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para Empresa de Instalação de Sistemas de Armazenamento Aéreo de Combustíveis (SAAC) e Sistemas de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis (SASC) em Posto Revendedor de Combustíveis, Regulamento de Avaliação da Conformidade para Empresa de Instalação para Postos de Abastecimento de Gás Natural Veicular (GNV) e Regulamento de Avaliação da Conformidade para Comissionador para Postos de Abastecimento de Gás Natural Veicular (GNV) ORIGEM: Inmetro/MDIC O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL Inmetro, no uso de suas atribuições, conferidas pela Lei nº 5.966, de 11 de dezembro de 1973, e tendo em vista o disposto nos artigos 3 o e 5 o, da Lei n o 9.933, de 20 de dezembro de 1999; Considerando o disposto na Resolução CONAMA n o 273, de 29 de novembro de 2000; Considerando que as instalações e os sistemas de armazenamento de derivados de petróleo e outros combustíveis configuram-se como empreendimentos potencialmente ou parcialmente poluidores e geradores de acidentes ambientais; Considerando que os vazamentos de derivados de petróleo e outros combustíveis podem causar contaminação subterrânea e superficial, do solo e do ar; Considerando os riscos de incêndio e explosões, decorrentes desses vazamentos, principalmente, pelo fato de que essas instalações, geralmente, localizam-se em áreas densamente povoadas; Considerando a necessidade de regulamentar o segmento de Instalação de Sistemas de Abastecimento Aéreo de Combustível e Sistemas de Abastecimento Subterrâneo de Combustível em Posto Revendedor; Considerando a necessidade de regulamentar o segmento de Empresa de Instalação para Postos de Abastecimento de Gás Natural Veicular (GNV); Considerando a necessidade de regulamentar o segmento de Comissionador para Postos de Abastecimento de Gás Natural Veicular (GNV), de modo a estabelecer regras equânimes e de conhecimento público, resolve baixar as seguintes disposições: Art. 1º - Disponibilizar, no site propostas de texto do Regulamento de Avaliação da Conformidade para Empresa de Instalação de Sistemas de Armazenamento Aéreo de Combustíveis (SAAC) e Sistemas de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis (SASC) em Posto Revendedor de Combustíveis, do Regulamento de Avaliação da Conformidade para Empresa de Instalação para Postos de Abastecimento de Gás Natural Veicular (GNV) e do Regulamento de Avaliação da Conformidade para Comissionador para Postos de Abastecimento de Gás Natural Veicular (GNV) Art. 2º - Declarar aberto, a partir da data da publicação desta Portaria, o prazo de 30 (trinta) dias para que sejam apresentadas sugestões e críticas relativas ao RAC. Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

2 Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Divisão de Programas de Avaliação da Conformidade DIPAC Rua Santa Alexandrina 416 8º andar Rio Comprido Rio de Janeiro RJ / / / Art. 4º - Declarar que, findo o prazo estipulado no artigo 2º desta Portaria, o Inmetro se articulará com as entidades representativas do setor que tenham manifestado interesse na matéria, para que indiquem representantes nas discussões posteriores, visando à consolidação do texto final. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. ARMANDO MARIANTE CARVALHO JUNIOR Presidente do Inmetro

3 REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA EMPRESA DE INSTALAÇÃO DE SAAC E SASC EM POSTO REVENDEDOR SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Documentos Complementares 3. Definições e Siglas 4. Licença para o uso da Marca de Conformidade 5. Identificação da Conformidade 6. Mecanismo de Avaliação da Conformidade 7. Reconhecimento das Atividades de Avaliação da Conformidade 8. Obrigações da Empresa Licenciada 9. Obrigações do OAC Anexo A - Marca da Conformidade Anexo B - Critérios para a Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade do Instalador Anexo C - Procedimentos Operacionais para o Instalador de SAAC Anexo D - Procedimentos Operacionais para o Instalador de SASC 1 OBJETIVO Este Regulamento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade de Empresa de Instalação de SAAC e SASC, em postos revendedores de combustíveis, definidos conforme a Resolução 273 do CONAMA. Este RAC não contempla Bases de Distribuição com tanques montados in loco ou postos de revenda de GNV. 2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES NBR Armazenagem de líquidos inflamáveis e combustíveis (Parte 1 Armazenagem em tanques estacionários) SAAC. NBR Postos de serviço - Manuseio e instalação de tanques subterrâneos de combustíveis. NBR Postos de Serviço - Instalação do SASC - Sistema de armazenamento subterrâneo de combustíveis NBR Detecção de vazamento em postos de serviço NBR Posto de Serviço - Seleção de equipamentos e sistemas para instalações subterrâneas de combustíveis. NBR Sistema de Drenagem Oleosa NBR Posto de Serviço - Instalações elétricas NBR ISO Sistemas da Qualidade. Resolução CONAMA - 29 de novembro de ABNT ISO/IEC Guia 2 - Normalização e Atividades Relacionadas - Vocabulário Geral. 3 DEFINIÇÕES E SIGLAS Para fins deste RAC, são adotadas as definições de 3.1 a 3.12, complementadas pelas contidas na ABNT ISO/IEC Guia 2. OAC - Organismo de Avaliação da Conformidade Acreditado

4 SBAC - Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Contratante Pessoa jurídica solicitante da instalação de SAAC ou SASC Instalador Empresa de Instalação de SAAC e SASC em Posto Revendedor, solicitante de avaliação da conformidade para ser capacitada a executar os serviços, conforme estabelecido neste RAC Instalador de SAAC Pessoa jurídica, capacitada para executar os serviços de instalação aérea de tanques e demais componentes para o armazenamento de combustíveis, conforme estabelecido neste RAC e certificada pelo OAC Instalador de SASC Pessoa jurídica, capacitada para executar os serviços de instalação subterrânea de tanques e demais componentes para o armazenamento de combustíveis, conforme estabelecido neste RAC Marca de Conformidade Marca de identificação da Certificação, de acordo com o Anexo A, indicando existir um nível adequado de confiança de que os serviços de instalação foram executados em conformidade com este RAC Memorial Descritivo Documento fornecido pelo Instalador contendo a descrição das características de execução dos serviços, de acordo com o item 3.1.3, do Anexo C deste RAC Organismo de Avaliação da Conformidade Acreditado - OAC Organismo de Certificação de Sistema Acreditado- -OCS SAAC - Sistema de Armazenamento Aéreo de Combustível Conjunto de tanques pré fabricados, tubulações e acessórios, interligados e ao ar livre SASC - Sistema de Armazenamento Subterrâneo de Combustível Conjunto de tanques, tubulações e acessórios, interligados e enterrados SAO Sistema de separação de água e óleo SSMA - Segurança, Saúde e Meio Ambiente Disciplinas relacionadas ao controle das perdas humanas, materiais e ao meio ambiente. 4 LICENÇA PARA O USO DA MARCA DE CONFORMIDADE Documento emitido com base em princípios e políticas adotados no âmbito do SBAC, onde um Organismo de Avaliação da Conformidade Acreditado - OAC, licencia a um Instalador de SAAC ou SASC, mediante um contrato, o uso da marca de conformidade em seus serviços, de acordo com este RAC A licença para uso da Marca da Conformidade, deve conter, no mínimo, os seguintes dados: a) razão social, nome fantasia (quando aplicável), endereço completo e CNPJ do Instalador de SAAC ou SASC licenciado; b) número da licença para o uso da Marca da Conformidade, data de emissão e validade da licença; c) nome do OAC e n o de registro; d) Cláusula de declaração das responsabilidades: A licença para o uso da Marca de Conformidade, bem como sua utilização sobre os serviços, não transfere, em nenhum caso, a responsabilidade do licenciado para o Inmetro ou para o OAC.

5 5 IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE A identificação da conformidade, no âmbito do SBAC, de Empresa de Instalação de SAAC ou SASC em posto revendedor de combustíveis, tem por objetivo indicar que seus serviços estão em conformidade com este RAC A identificação da conformidade dos serviços de instalação deve ser feita através da emissão de Certificado de Conformidade expedido pelo OAC. 6 MECANISMO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE O modelo utilizado para avaliação da conformidade dos serviços para a Empresa de Instalação de SAAC ou SASC em posto revendedor de combustíveis, é a certificação, sendo adotado em modelo único para a obtenção da licença para uso da marca de conformidade, conforme estabelecido neste RAC e seus Anexos. 6.1 Auditoria Inicial O Instalador deve solicitar ao OAC a avaliação de sua conformidade apresentando a documentação pertinente aos serviços, de acordo com os requisitos estabelecidos neste RAC e em seus anexos Após análise e aprovação da documentação, o OAC, de comum acordo com o Instalador, programa a realização da auditoria inicial do Sistema de Gestão da Qualidade, conforme os requisitos estabelecidos no Anexo B deste RAC A apresentação de Certificado de Sistema da Qualidade emitido no âmbito do SBAC, tendo como referência as normas NBR ISO 9001:2000, e sendo este Certificado válido, isentará o Instalador das avaliações do Sistema da Qualidade previstas neste RAC Neste caso, o OAC deve analisar os relatórios emitidos pelo OCS e os registros dos itens de B.1.5 a B.1.11 do Anexo B. 6.2 Requisitos para Manutenção da Licença A manutenção da licença para o uso da marca de conformidade é responsabilidade exclusiva do OAC, que para isso planeja novas auditorias, para constatar se as condições tecno-organizacionais que deram origem à concessão inicial da licença estão sendo mantidas O OAC deve programar e realizar, no mínimo, uma auditoria por ano do Sistema de Gestão da Qualidade, conforme os requisitos estabelecidos no Anexo B deste RAC, em cada empresa licenciada, podendo haver outras, desde que haja deliberação da Comissão de Certificação do OAC, baseada em evidências que as justifiquem. Este item não se aplica uma vez atendido o requisito estabelecido em , não invalidando o cumprimento do item anualmente. 7 OBRIGAÇÕES DA EMPRESA LICENCIADA Acatar todas as condições estabelecidas nas respectivas normas técnicas relacionadas no item 2 deste RAC, nas disposições legais e nas disposições contratuais referentes ao licenciamento, independentemente de sua transcrição Facilitar ao OAC os trabalhos de auditoria e acompanhamento previstos neste RAC Manter as condições técnico-organizacionais que serviram de base para a obtenção da licença para o uso da Marca da Conformidade O Instalador de SAAC ou SASC, tem responsabilidade técnica, civil e penal referente aos serviços por ele executados, bem como por todos os documentos referentes à certificação, não havendo hipótese de transferência desta responsabilidade.

6 7.5 - Emitir documento comprobatório para o posto de abastecimento, a fim de caracterizar que a instalação de SAAC ou SASC realizada atende aos critérios constantes neste RAC. 8 OBRIGAÇÕES DO OAC Implementar o Programa de Avaliação da Conformidade, previsto neste RAC, dirimindo obrigatoriamente as dúvidas com o Inmetro Utilizar o sistema de banco de dados, fornecido pelo Inmetro, para manter atualizadas as informações acerca dos serviços certificados Notificar imediatamente ao Inmetro, a suspensão, extensão, redução e cancelamento da certificação, através do anteriormente citado sistema de banco de dados Submeter ao Inmetro para análise e aprovação, os Memorandos de Entendimento, no escopo deste RAC, estabelecidos com outros OAC. 9 USO INDEVIDO DA IDENTIFICAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO O Instalador de SAAC ou SASC acreditado que fizer o uso indevido da identificação da conformidade, estará sujeito às penas previstas na Lei de Propriedade Industrial n o 9279/96. Anexo A A.1 - MARCA DE CONFORMIDADE ORGANISMO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE ACREDITADO Registro do Organismo

7 Anexo B B.1 - REQUISITOS PARA A AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTALADOR B Análise crítica do contrato B Controle dos documentos B Aquisição de materiais e insumos B Identificação e rastreabilidade dos serviços B Controle do processo dos serviços realizados B Controle dos equipamentos de inspeção, medição e ensaios B Inspeção e ensaios dos serviços realizados B Controle dos serviços não conformes B Ações corretivas e preventivas B Termo de entrega dos serviços B Controle de registros de qualidade dos serviços B.2 - LEIS, REGULAMENTOS E POLÍTICAS INTERNAS B O Instalador deve garantir: B A divulgação das Normas Técnicas da ABNT, atualizadas, aplicáveis na instalação e manutenção de empreendimentos previstos na Resolução 273 do CONAMA, a todos os funcionários envolvidos na execução dos serviços. B.2.3- A divulgação da legislação ambiental, aplicável, a seus funcionários. B.2.4- O cumprimento das Normas Reguladoras do Ministério do Trabalho, com especial ênfase para: a) NR-4 - SESMT; b) NR-5 - CIPA; c) NR-6 - EPI - Equipamento de Proteção Individual; d) NR-7 - PCMSO - Saúde Ocupacional; e) NR-9 - PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais; A existência das Políticas Internas de Qualidade, Segurança, Saúde e Meio-Ambiente e a divulgação das mesmas a todos os funcionários. B.3 - TREINAMENTO B O corpo técnico do Instalador deverá ser composto em caráter permanente de pelo menos um profissional formado em engenharia, com experiência mínima de 2 anos na execução de instalações de abastecimento de combustíveis derivados de petróleo e álcool. B O Instalador de SAAC ou SASC deve possuir um programa de treinamento para a capacitação de sua mão-de-obra, sobre os aspectos de condicionamento técnico e físico. B O Programa de Treinamento e Reciclagem deve cobrir no mínimo os seguintes tópicos:

8 a) Políticas de Qualidade, Segurança, Saúde e Meio Ambiente; b) Características Técnicas dos Componentes do SAAC e SASC; c) Procedimentos operacionais para a instalação de SAAC e SASC; d) Procedimentos de Controle de Qualidade; e) Avaliação e controle de riscos inerentes a instalação de SAAC e SASC; e.1- trabalho em área classificada (trabalho em atmosferas potencialmente explosivas) e.2- trabalho em ambiente confinado e.3- trabalho em altura e.4- trabalho em rede elétrica de baixa tensão e.5- trabalho à quente e.6- escavações e demolições f) Uso do EPI; g) Procedimentos de Emergência. B Os treinamentos realizados pelo Instalador de SAAC ou SASC, devem ser evidenciados quando exigidos. Anexo C REQUISITOS OPERACIONAIS PARA O INSTALADOR DE SAAC C.1 - PROCEDIMENTOS C Os procedimentos previstos nas leis e regulamentos, especialmente aqueles relacionados às normas técnicas, devem ser apresentados em procedimentos escritos, bem como devem cobrir as instruções normativas e de segurança, a cada tarefa relacionada à instalação do SAAC. C No mínimo, os seguintes procedimentos escritos devem estar disponíveis no local de realização dos serviços: a) Recebimento do tanque de armazenamento conforme NBR ; b) Preparação da base para recebimento do tanque; c) Preparação da bacia de contenção conforme norma NBR , com piso impermeável; d) Montagem e Instalação de tanques aéreos conforme NBR ; e) Instalação de tubulações e acessórios conforme NBR e NBR ; f) Instalação de sistema de detecção de vazamento conforme NBR quando aplicável; g) Instalação elétrica conforme NBR ; h) Avaliação ambiental e interfaces com empresas de remediação de solo - regulamento técnico especifico; i) Descarte de resíduos e solo contaminado - regulamento técnico especifico; j) Sistema de drenagem oleosa conforme NBR C Além de disponibilizar os procedimentos, o Instalador deve garantir que os mesmos sejam seguidos durante a realização dos serviços, através de um sistema de Permissão para Serviços. A Permissão para Serviços deve: C Indicar as ferramentas, instrumentos e os procedimentos utilizados para a execução dos serviços;

9 C Possibilitar a avaliação dos riscos no local e garantir que as medidas de controle sejam tomadas, com registro de todas as situações não conformes ou potencialmente perigosas; C Garantir que os controles sejam gerenciados pelo Responsável Técnico, com os devidos endossos dos envolvidos na obra; C Os procedimentos específicos de cada tarefa devem estar disponíveis na obra. C.2 - TESTES E ENSAIOS C O Instalador do SAAC deve manter o registro de todos relatórios de testes e ensaios realizados durante a execução dos serviços, incluindo: a) Teste de Estanqueidade do Tanque - pré-instalação, conforme NBR ; b) Teste de Estanqueidade do SAAC, conforme NBR C Os relatórios de testes e ensaios, deverão atender aos procedimentos do Sistema de Gestão da Qualidade, descritos no Anexo B, tais como, marca e modelo dos instrumentos utilizados, fim de escala ou sensibilidade de medição do equipamento, precisão, data da última calibração e laboratório. C.3 - DOCUMENTAÇÃO E REGISTROS C O Instalador de SAAC deve manter na obra, os seguintes registros referentes ao SAAC, seguindo os padrões estabelecidos no ANEXO B, tais como os procedimentos de rastreabilidade do serviço, registros de não-conformidades, ações corretivas e preventivas e demais procedimentos estabelecidos: C Cópia da Licença Ambiental de Instalação (Resolução CONAMA Nº. 273); C Cópias das Notas Fiscais de compra dos seguintes equipamentos: a) tanques; b) bombas; c) sistema de detecção de vazamento e/ou medição de nível; d) filtros. C Memorial descritivo dos serviços: a) desenhos atualizados, refletindo a situação real da instalação (como realizada). Os desenhos devem estar em escala de 1:100 e devem possuir o carimbo e assinatura do responsável técnico pela instalação; b) esquema da instalação aérea e subterrânea (01 planta), indicando posicionamento dos tanques, ilhas de bombas / filtros e as rotas das linhas de produto. A planta deve indicar os produtos a que se destinam a instalação, os diâmetros e especificação das linhas e as especificações básicas dos principais componentes (volume dos tanques e norma de construção, modelos das bacias de contenção, etc.); c) rotas dos circuitos elétricos e de controle (01 planta) referentes ao SAAC (incluindo bombas de abastecimento). A planta deve indicar os diâmetros das tubulações, suas especificações e a designação dos circuitos (medição de nível, monitoramento de vazamento, força); d) esquema do sistema de captação e armazenamento de resíduos líquidos, indicando o posicionamento das canaletas de coleta de produto, das caixas separadoras e suas interligações (rotas de tubulação), dos poços de monitoramento e dos tanques de óleo queimado, bem como de quaisquer outras fontes poluidoras em potencial; e) esquema de instalação dos sistemas de detecção de vazamento e medição de nível, que deve indicar os modelos dos equipamentos e componentes, o número de sondas e o esquema unifilar de ligação elétrica e de controle;

10 f) lista de equipamentos, indicando a especificação de cada equipamento ou componente (volume, norma de fabricação, modelo, fabricante, diâmetros e materiais de construção), com as respectivas quantidades; C Relatório de Conformidade - Inspeção de Qualidade: a) Certificado de Qualidade e Laudo de Estanqueidade fornecidos pelo fabricante do tanque; b) Ficha de Acompanhamento do tanque devidamente preenchida; c) Laudo de estanqueidade do sistema composto por tanques, linhas e conexões, realizado préviamente à operação indicando o manômetro utilizado no teste devidamente calibrado em laboratório pertencente à Rede Brasileira de Calibração - RBC. C O Instalador de SAAC deve fornecer ao Contratante, juntamente com a nota fiscal de fatura dos serviços, os seguintes documentos: a) Relatórios de Conformidade (3.1.4); b) Desenhos atualizados; c) Nota de remessa / nota fiscal de descarte de resíduos se aplicável; d) ART; C O Instalador deve obter do Contratante, um Termo de Aceitação, que incluirá o recibo dos documentos acima. O Termo de Aceitação deve ser mantido arquivado pelo Instalador por um período mínimo de 5 (cinco) anos, juntamente com os demais Relatórios / Certificados. Anexo D REQUISITOS OPERACIONAIS PARA O INSTALADOR DE SASC D.1 - PROCEDIMENTOS D Os procedimentos previstos nas leis e regulamentos, especialmente aqueles relacionados às normas técnicas, devem ser apresentados em procedimentos escritos, bem como devem cobrir as instruções normativas e de segurança, a cada tarefa relacionada à instalação do SASC. D No mínimo, os seguintes procedimentos escritos devem estar disponíveis no local de realização dos serviços: a) Recebimento de tanques de armazenamento conforme NBR ; b) Retirada de tanques; c) Instalação de tanques subterrâneos conforme NBR ; d) Instalação de tubulações e acessórios conforme NBR ; e) Quebra da pista de abastecimento - procedimento próprio do Instalador; f) Pavimentação da pista de abastecimento procedimento próprio do Instalador; g) Instalação de sistema de detecção de vazamento conforme NBR quando aplicável; h) Instalação elétrica conforme NBR ; i) Avaliação ambiental e interfaces com empresas de remediação de solo - regulamento técnico especifico; j) Descarte de resíduos e solo contaminado - regulamento técnico especifico;

11 k) Sistema de drenagem oleosa conforme NBR D Além de disponibilizar os procedimentos, o Instalador deve garantir que os mesmos sejam seguidos durante a realização dos serviços, através de um sistema de Permissão para Serviços. A Permissão para Serviços deve: D Indicar as ferramentas, instrumentos e os procedimentos utilizados para a execução dos serviços; D Possibilitar a avaliação dos riscos no local e garantir que as medidas de controle sejam tomadas, com registro de todas as situações não conformes ou potencialmente perigosas; D Garantir que os controles sejam gerenciados pelo Responsável Técnico, com os devidos endossos dos envolvidos na obra; D Os procedimentos específicos de cada tarefa devem estar disponíveis na obra. D.2 - TESTES E ENSAIOS a) Teste de Estanqueidade do Tanque - pré-instalação, conforme NBR ; b) Teste de Estanqueidade do SASC, conforme NBR D Os relatórios de testes e ensaios, deverão atender aos procedimentos do Sistema de Gestão da Qualidade, descritos no Anexo B, tais como, marca e modelo dos instrumentos utilizados, fim de escala ou sensibilidade de medição do equipamento, precisão, data da última calibração e laboratório. D.3 - DOCUMENTAÇÃO E REGISTROS D O Instalador de SASC deve manter na obra, os seguintes registros referentes ao SASC, seguindo os padrões estabelecidos no ANEXO B, tais como os procedimentos de rastreabilidade do serviço, registros de não-conformidades, ações corretivas e preventivas e demais procedimentos estabelecidos: D Cópia da Licença Ambiental de Instalação (Resolução CONAMA Nº. 273); D Cópias das Notas Fiscais de compra dos seguintes equipamentos: a) tanques; b) bombas; c) sistema de detecção de vazamento e/ou medição de nível; d) filtros D Memorial descritivo dos serviços: a) desenhos atualizados, refletindo a situação real da instalação (como realizada). Os desenhos devem estar em escala de 1:100 e devem possuir o carimbo e assinatura do responsável técnico pela instalação. b) esquema da instalação subterrânea (01 planta), indicando posicionamento dos tanques, ilhas de bombas / filtro e as rotas das linhas de produto. A planta deve indicar os produtos a que se destinam a instalação, os diâmetros e especificação das linhas e as especificações básicas dos principais componentes (volume dos tanques e norma de construção, modelos das câmaras de contenção, etc.); c) rotas dos circuitos elétricos e de controle (01 planta) referentes ao SASC (incluindo bombas de abastecimento). A planta deve indicar os diâmetros das tubulações, suas especificações e a designação dos circuitos (medição de nível, monitoramento de vazamento, força);

12 d) esquema do sistema de captação e armazenamento de resíduos líquidos, indicando o posicionamento das canaletas de coleta de produto, das caixas separadoras e suas interligações (rotas de tubulação), dos poços de monitoramento e dos tanques de óleo queimado, bem como de quaisquer outras fontes poluidoras em potencial; e) esquema de instalação dos sistemas de detecção de vazamento e medição de nível, que deve indicar os modelos dos equipamentos e componentes, o número de sondas e o esquema unifilar de ligação elétrica e de controle; f) lista de equipamentos, indicando a especificação de cada equipamento ou componente (volume, norma de fabricação, modelo, fabricante, diâmetros e materiais de construção), com as respectivas quantidades; D Relatório de Conformidade - Inspeção de Qualidade: a) Certificado de Qualidade e Laudo de Estanqueidade fornecidos pelo fabricante do tanque; b) Ficha de Acompanhamento do tanque devidamente preenchida; c) Laudo de estanqueidade do sistema composto por tanques, linhas e conexões, realizado previamente à operação indicando o manômetro utilizado no teste devidamente calibrado em laboratório pertencente à Rede Brasileira de Calibração - RBC. D O Instalador de SASC deve fornecer ao Contratante, juntamente com a nota fiscal de fatura dos serviços, os seguintes documentos: a) Relatórios de Conformidade (3.1.4); b) Desenhos atualizados; c) Nota de remessa / nota fiscal de descarte de resíduos se aplicável; d) ART; D O Instalador deve obter do Contratante, um Termo de Aceitação, que incluirá o recibo dos documentos acima. O Termo de Aceitação deve ser mantido arquivado pelo Instalador por um período mínimo de 5 (cinco) anos, juntamente com os demais Relatórios / Certificados. REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA EMPRESA DE INSTALAÇÃO PARA POSTOS DE ABASTECIMENTO DE GÁS NATURAL VEICULAR (GNV) SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Documentos Complementares 3. Definições 4. Licença para o uso da Marca de Conformidade 5. Identificação da Conformidade 6. Mecanismo de Avaliação da Conformidade 7. Reconhecimento das Atividades de Avaliação da Conformidade 8. Obrigações da Empresa Licenciada9. Obrigações do OACC Anexo A Marca da Conformidade

13 Anexo B Critérios para a Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade do Instalador Anexo C Procedimentos Operacionais para o Instalador 1. OBJETIVO Este Regulamento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade de Instalador para sistema de abastecimento de gás natural veicular, definidos conforme a Resolução 273 do CONAMA. Este RAC não contempla instalações de abastecimento de combustíveis líquidos. Este RAC se aplica nas instalações localizadas após ao conjunto de medição e/ou reguladora da concessionária. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES NBR Critérios de Projeto, Montagem e Operação de Postos de Gás Combustível Comprimido. NBR ISO 9.001:2000 Sistemas da Qualidade. Resolução 273 CONAMA 29/11/00. NIT DICOR 021 Uso de laboratório pelo OACC. ABNT ISO/IEC Guia 2:1998 Normalização e Atividades Relacionadas Vocabulário Geral. 3. DEFINIÇÕES E SIGLAS Para fins deste RAC, são adotadas as definições de 3.1 a 3.9, complementadas pelas contidas na ABNT ISO/IEC Guia 2. SBAC Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade OACC Organismo de Avaliação da Conformidade Credenciado 3.1. Identificação da Conformidade Marca de identificação da Avaliação da Conformidade, indicando existir um nível adequado de confiança de que os serviços de instalação foram executados em conformidade com este RAC Licença para uso da Marca da Identificação da Conformidade Documento, emitido de acordo com os critérios estabelecidos pelo Inmetro, com base nos princípios e políticas adotadas no âmbito do SBAC, pelo qual um OACC outorga a um solicitante, mediante um contrato, o direito de usar a Identificação da Conformidade nos relatórios e documentos técnicos, resultantes de seus serviços de instalação, de acordo com este RAC Memorial Descritivo Documento fornecido pela empresa responsável pelos serviços de instalação, contendo a descrição das características de execução dos serviços.

14 3.4. Instalador Empresa de Instalação de Postos de Abastecimento de GNV, solicitante de avaliação da conformidade para ser capacitada a executar os serviços de instalação, conforme estabelecido neste RAC Sistema de abastecimento de gás natural veicular São os equipamentos e acessórios integrantes do sistema de abastecimento veicular 3.6. Memorando de Entendimento Ato que formaliza o reconhecimento das atividades de Avaliação da Conformidade. 3.7 Organismo de Avaliação da Conformidade Credenciado Organismo público, privado ou misto, sem fins lucrativos, de terceira parte, credenciado pelo INMETRO, de acordo com os critérios por ele estabelecidos, com base nos princípios e políticas adotadas no âmbito do SBAC. 3.8 Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Organismo público, privado ou misto, sem fins lucrativos, de terceira parte, credenciado pelo INMETRO, de acordo com os critérios por ele estabelecidos, com base nos princípios e políticas adotadas no âmbito do SBAC. 3.9 Gás natural veicular- GNV É o gás natural, utilizado como combustível automotivo. 4. LICENÇA PARA O USO DA MARCA DE CONFORMIDADE 4.1 Documento emitido pelo Inmetro, com base nos princípios e políticas adotados no âmbito do SBAC, pelo qual um OACC, outorga à um Instalador, mediante um contrato, a licença para o uso da marca de conformidade em seus serviços, de acordo com este RAC A licença para uso da Marca da Conformidade, deve conter, no mínimo, os seguintes dados: - razão social, nome fantasia, endereço completo e CNPJ do Instalador licenciado; - número da licença para o uso da Marca da Conformidade, data de emissão e validade da licença; - nome do OACC e n o de registro O Instalador tem responsabilidade técnica, civil e penal referente aos serviços por ele executados, bem como a todos os documentos referentes à certificação, não havendo hipótese de transferência desta responsabilidade.

15 4.4. A licença para o uso da Marca de Conformidade, bem como sua utilização sobre os serviços, não transfere, em nenhum caso, a responsabilidade do licenciado para o INMETRO ou para o OACC O INMETRO é responsável pelo credenciamento do OACC, pelo acompanhamento do programa de avaliação da conformidade e pela implementação do programa de verificação da conformidade O OACC é responsável pela implementação do programa de avaliação da conformidade definido neste RAC. 5. IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE 5.1.A identificação da conformidade, no âmbito do SBAC, do Instalador, tem por objetivo indicar que seus serviços estão em conformidade com este RAC A identificação da conformidade dos serviços de instalação deve estar conforme o Anexo A deste RAC. 6. MECANISMO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE O modelo utilizado para avaliação da conformidade do Instalador, é a certificação, sendo adotado em modelo único para a obtenção da licença para uso da marca de conformidade, conforme estabelecido neste RAC. 6.1 Auditoria Inicial O Instalador deverá solicitar ao OACC a avaliação da sua conformidade apresentando a documentação pertinente aos serviços, de acordo com os requisitos estabelecidos neste RAC. Após análise e aprovação da documentação, o OACC, de comum acordo com o Instalador, programa a realização da auditoria inicial do Sistema de Gestão da Qualidade, conforme os requisitos estabelecidos nos anexos B e C deste RAC. A apresentação de Certificado de Sistema da Qualidade emitido no âmbito do SBAC, tendo como referência as normas NBR ISO 9001 : 2000, e sendo esta certificação válida, isentará o detentor deste certificado das avaliações do Sistema da Qualidade previstas no anexo B, não isentando-o da avaliação prevista dos requisitos do anexo C. Nesse caso, o OACC deve analisar os relatórios emitidos pelo OCS, os registros de controle de processo e os registros avaliados. 6.2 Manutenção A manutenção da licença para o uso da marca de conformidade é responsabilidade exclusiva do OACC, que para isso planeja novas auditorias, para constatar se as condições tecnoorganizacionais que deram origem à concessão inicial da licença estão sendo mantidas. O OACC deve programar e realizar, no mínimo, uma auditoria por ano do Sistema de Gestão da Qualidade, conforme os requisitos estabelecidos nos anexos B e C, deste RAC.

16 7. OBRIGAÇÕES DA EMPRESA LICENCIADA 7.1. Acatar todas as condições estabelecidas nas respectivas normas técnicas relacionadas no item 2 deste RAC, exceto os requisitos estabelecidos na norma NBR ISO 9.001:2000 Sistemas da Qualidade, de acordo com o item 6.1, nas disposições legais e nas disposições contratuais referentes ao licenciamento, independentemente de sua transcrição Facilitar ao OACC os trabalhos de auditoria e acompanhamento previstas neste RAC. 7.3 Manter as condições técnico-organizacionais que serviram de base para a obtenção da licença para o uso da Marca da Conformidade. 7.4 O instalador tem responsabilidade técnica, civil e penal referente aos serviços por ele executados, bem como por todos os documentos referentes à certificação, não havendo hipótese de transferência desta responsabilidade. 8. OBRIGAÇÕES DO OACC 8.1. Implementar o Programa de Avaliação da Conformidade, previsto neste RAC, conforme os requisitos aqui estabelecidos, dirimindo obrigatoriamente as dúvidas com o INMETRO Utilizar o sistema de banco de dados, fornecido pelo INMETRO, para manter atualizadas as informações acerca dos Instaladores certificados Notificar imediatamente ao Inmetro, a suspensão, extensão, redução e cancelamento da certificação, através do anteriormente citado sistema de banco de dados Submeter ao Inmetro para análise e aprovação, os Memorandos de Entendimento, no escopo deste RAC, estabelecidos com Organismos de outros países. 9. USO INDEVIDO DA IDENTIFICAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO O Instalador certificado que fizer o uso indevido da identificação da conformidade, estará sujeito às penas previstas na Lei de Propriedade Industrial n o 9279/96. Anexo A A-1 Marca da Conformidade

17 1 ORGANISMO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE CREDENCIADO 2 3 Legenda: 1 Local da Instalação; 2 Número e data do certificado; 3 Identificação do Instalador de GNV.

18 Anexo B Critérios para a Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade do Instalador 1- REQUISITOS PARA AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE QUALIDADE DA EMPRESA Os itens estão associados aos requisitos da versão 9001:1994, mas esta norma foi substituída pela versão Abaixo a correlação entre os requisitos conforme versão ISO 9001: Sistema de gestão da qualidade (itens 4.1 e 4.2)\ 1.2 Responsabilidade da Direção (tens 5.3, 5.4 e 5.5) 1.3 Gestão de recursos (itens 6.2, 6.3 e 6.4) 1.4 Realização do produto (itens 7.1, 7.2, 7.4, 7.5, 7.6) 1.5 Medição, análise e melhoria (itens 8.1, 8.2.3, 8.2.4, 8.3, 8.4, Termo de entrega dos serviços 2- LEIS, REGULAMENTOS E POLÍTICAS INTERNAS 2.1- O Instalador deve garantir: A divulgação das Normas Técnicas da ABNT, atualizadas, aplicáveis na instalação e manutenção de empreendimentos previstos na Resolução 273 do CONAMA, a todos os funcionários envolvidos na execução dos serviços A divulgação da legislação ambiental, aplicável, a seus funcionários O cumprimento das Normas Reguladoras do Ministério do Trabalho, com especial ênfase para: a) NR-4 SESMT; b) NR-5 CIPA; c) NR-6 EPI Equipamento de Proteção Individual; d) NR-7 PCMSO Saúde Ocupacional; e) NR-9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais; A existência das Políticas Internas de Qualidade, Segurança, Saúde e Meio-Ambiente e a divulgação das mesmas a todos os funcionários. 3- TREINAMENTO 3.1- O Instalador de GNV para Postos de Abastecimento deve possuir um programa de treinamento para a capacitação de sua mão-de-obra, sobre os aspectos de condicionamento técnico e físico.

19 3.2- O Programa de Treinamento e Reciclagem deve cobrir no mínimo os seguintes tópicos: a) Políticas de Qualidade, Segurança, Saúde e Meio Ambiente; b) Características Técnicas dos Componentes do GNV; c) Procedimentos operacionais para a instalação do GNV; d) Procedimentos de Controle de Qualidade; e) Avaliação e controle de riscos inerentes a instalação de GNV; e.1- trabalho em área classificada (trabalho em atmosferas potencialmente explosivas) e.2- trabalho em ambiente confinado e.3- trabalho em altura e.4- trabalho em rede elétrica de baixa tensão e.5- trabalho à quente f) Uso do EPI; g) Procedimentos de Emergência Os treinamentos realizados pelo instalador de GNV, devem ser evidenciados quando exigidos. ANEXO C Procedimentos Operacionais para o Instalador de GNV. O Instalador deve planejar e desenvolver os procedimentos operacionais para a realização de suas atividades. As atividades compreendem todos os itens que envolvem o funcionamento do sistema, desde o projeto elétrico e mecânico, montagem das instalações até o ensaio hidrostático do sistema de GNV. Os procedimentos devem fornecer de forma simples e clara, as informações necessárias para a execução da instalação de forma segura. Deverão, portanto refletir as instruções normativas e de segurança. O Instalador deve manter procedimentos documentados referentes à instalação, relativos aos critérios técnicos e processos estabelecidos na NBR , os quais devem estar disponíveis no local de realização dos serviços. C.1.Procedimentos Devem ser detalhadas pela instaladora os seguintes processos do sistema de GNV: 1. Projetos mecânicos e elétricos; 2. Montagem mecânica e elétrica.

20 3. Ensaios das instalações; 4. Qualificação do pessoal. C.2. Documentos A instaladora deve manter registro dos processos de instalação e montagem do sistema de GNV. Estes registros devem estar disponíveis em seus arquivos. O instalador deve emitir atestado da conformidade que os serviços executados estão de acordo com os requisitos estabelecidos neste RAC. C.2.1.Registro dos Serviços: Além de disponibilizar os registros referentes aos processos estabelecidos em C.1, a Instaladora deve também manter os seguintes registros: 1. Avaliação de riscos de segurança de trabalho no local; 2. Ações a serem tomadas, considerando as situações não conformes; 3. Registro do ensaio hidrostático. C.2.2.Documentação para rastreabilidade: Para possibilitar procedimentos de rastreabilidade do serviço de instalação de GNV, e facilitar ações corretivas e preventivas no posto de abastecimento, a Instaladora deve disponibilizar as seguintes documentações: 1. Cópia das Notas Fiscais de compra dos materiais /acessórios para linhas de gás: a) Tubos, válvulas e conexões; b) Suportes e acessórios; 2. Certificado de conformidade de materiais ou componente cuja certificação seja compulsória; 3. Declaração de conformidade do fabricante de materiais ou componente citados na NBR cuja certificação não seja compulsória (Norma de fabricação, modelo, fabricante e diâmetros); 4. Desenhos atualizados das instalações mecânica e elétrica, refletindo a situação final da montagem.

21 REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA COMISSIONADORES PARA POSTOS DE ABASTECIMENTO DE GÁS NATURAL VEICULAR (GNV) SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Documentos Complementares 3. Definições 4. Licença para o uso da Marca de Conformidade 5. Identificação da Conformidade 6. Mecanismo de Avaliação da Conformidade 7. Reconhecimento das Atividades de Avaliação da Conformidade 8. Obrigações da Empresa Licenciada 9. Obrigações do OACC Anexo A - Marca da Conformidade Anexo B - Critérios para a Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade do Comissionador Anexo C - Procedimentos Operacionais para o Comissionador 1. OBJETIVO Este Regulamento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade do comissionador do sistema de abastecimento de gás natural veicular, definidos conforme a Resolução 273 do CONAMA. Este RAC não contempla as instalações de abastecimento de combustíveis líquidos. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES NBR Critérios de Projeto, Montagem e Operação de Postos de Gás Combustível Comprimido. NBR ISO 9.001:2000 Sistemas da Qualidade. Resolução CONAMA - 29/11/00. NIT - DICOR Uso de laboratório pelo OACC. ABNT ISO/IEC Guia 2: Normalização e Atividades Relacionadas - Vocabulário Geral. 3. DEFINIÇÕES E SIGLAS Para fins deste RAC, são adotadas as definições de 3.1 a 3.9, complementadas pelas contidas na ABNT ISO/IEC Guia 2. SBAC Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade OACC Organismo de Avaliação da Conformidade Credenciado 3.1. Identificação da Conformidade Marca de identificação da Avaliação da Conformidade, indicando existir um nível adequado de confiança de que os serviços de instalação foram executados em conformidade com este RAC Licença para uso da Marca da Identificação da Conformidade Documento, emitido de acordo com os critérios estabelecidos pelo Inmetro, com base nos princípios e políticas adotadas no âmbito do SBAC, pelo qual um OACC outorga a um solicitante, mediante um contrato, o direito de usar a Identificação da Conformidade nos

22 relatórios e documentos técnicos, resultantes de seus serviços de instalação, de acordo com este RAC Memorial Descritivo Documento fornecido pela empresa responsável pelos serviços de instalação, contendo a descrição das características de execução dos serviços Comissionador Empresa solicitante de avaliação da conformidade para ser capacitada a executar os serviços de comissionamento, conforme estabelecido neste RAC Comissionamento São as atividades que compreendem todos os itens que envolvem o funcionamento do sistema, desde o ensaio de estanqueidade incluindo a verificação de toda a montagem das instalações, até o ajuste dos parâmetros dos acessórios e equipamento e treinamento dos operadores, para garantir a operação segura do sistema de GNV Sistema de abastecimento de gás natural veicular São os equipamentos e acessórios integrantes do sistema de abastecimento veicular 3.7. Memorando de Entendimento Ato que formaliza o reconhecimento das atividades de Avaliação da Conformidade Organismo de Avaliação da Conformidade Credenciado Organismo público, privado ou misto, sem fins lucrativos, de terceira parte, credenciado pelo INMETRO, de acordo com os critérios por ele estabelecidos, com base nos princípios e políticas adotadas no âmbito do SBAC Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Organismo público, privado ou misto, sem fins lucrativos, de terceira parte, credenciado pelo INMETRO, de acordo com os critérios por ele estabelecidos, com base nos princípios e políticas adotadas no âmbito do SBAC Gás natural veicular- GNV É o gás natural, utilizado como combustível automotivo. 4. LICENÇA PARA O USO DA MARCA DE CONFORMIDADE 4.1. Documento emitido pelo Inmetro, com base nos princípios e políticas adotados no âmbito do SBAC, pelo qual um OACC, outorga à um Comissionador, mediante um contrato, a licença para o uso da marca de conformidade em seus serviços, de acordo com este RAC A licença para uso da Marca da Conformidade, deve conter, no mínimo, os seguintes dados: - razão social, nome fantasia, endereço completo e CNPJ do Comissionador licenciado; - número da licença para o uso da Marca da Conformidade, data de emissão e validade da licença; - nome do OACC e n o de registro O Comissionador tem responsabilidade técnica, civil e penal referente aos serviços por ele executados, bem como a todos os documentos referentes à certificação, não havendo hipótese de transferência desta responsabilidade A licença para o uso da Marca de Conformidade, bem como sua utilização sobre os serviços, não transfere, em nenhum caso, a responsabilidade do licenciado para o INMETRO ou para o OACC O INMETRO é responsável pelo credenciamento do OACC, pelo acompanhamento do programa de avaliação da conformidade e pela implementação do programa de verificação da conformidade.

23 4.6. O OACC é responsável pela implementação do programa de avaliação da conformidade definido neste RAC. 5. IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE 5.1.A identificação da conformidade, no âmbito do SBAC, do Comissionador, tem por objetivo indicar que seus serviços estão em conformidade com este RAC A identificação da conformidade dos serviços de instalação deve estar conforme o Anexo A deste RAC. 6. MECANISMO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE O modelo utilizado para avaliação da conformidade do Comissionador, é a certificação, sendo adotado em modelo único para a obtenção da licença para uso da marca de conformidade, conforme estabelecido neste RAC. 6.1 Auditoria Inicial O Comissionador deverá solicitar ao OACC a avaliação da sua conformidade apresentando a documentação pertinente aos serviços, de acordo com os requisitos estabelecidos neste RAC. Após análise e aprovação da documentação, o OACC, de comum acordo com o Comissionador, programa a realização da auditoria inicial do Sistema de Gestão da Qualidade, conforme os requisitos estabelecidos nos anexos B e C deste RAC. A apresentação de Certificado de Sistema da Qualidade emitido no âmbito do SBAC, tendo como referência as normas NBR ISO 9001 : 2000, e sendo esta certificação válida, isentará o detentor deste certificado das avaliações do Sistema da Qualidade previstas no anexo B, não isentando-o da avaliação prevista dos requisitos do anexo C. Nesse caso, o OACC deve analisar os relatórios emitidos pelo OCS, os registros de controle de processo e os registros avaliados. 6.2 Manutenção A manutenção da licença para o uso da marca de conformidade é responsabilidade exclusiva do OACC, que para isso planeja novas auditorias, para constatar se as condições tecnoorganizacionais que deram origem à concessão inicial da licença estão sendo mantidas. O OACC deve programar e realizar, no mínimo, uma auditoria por ano do Sistema de Gestão da Qualidade, conforme os requisitos estabelecidos nos anexos B e C, deste RAC. 7. OBRIGAÇÕES DA EMPRESA LICENCIADA 7.1. Acatar todas as condições estabelecidas nas respectivas normas técnicas relacionadas no item 2 deste RAC, exceto os requisitos estabelecidos na norma NBR ISO 9.001:2000 Sistemas da Qualidade, de acordo com o item 6.1, nas disposições legais e nas disposições contratuais referentes ao licenciamento, independentemente de sua transcrição Facilitar ao OACC os trabalhos de auditoria e acompanhamento previstas neste RAC Manter as condições técnico-organizacionais que serviram de base para a obtenção da licença para o uso da Marca da Conformidade O comissionador tem responsabilidade técnica, civil e penal referente aos serviços por ele executados, bem como por todos os documentos referentes à certificação, não havendo hipótese de transferência desta responsabilidade.

24 8. OBRIGAÇÕES DO OACC 8.1. Implementar o Programa de Avaliação da Conformidade, previsto neste RAC, conforme os requisitos aqui estabelecidos, dirimindo obrigatoriamente as dúvidas com o INMETRO Utilizar o sistema de banco de dados, fornecido pelo INMETRO, para manter atualizadas as informações acerca dos Comissionadores certificados Notificar imediatamente ao Inmetro, a suspensão, extensão, redução e cancelamento da certificação, através do anteriormente citado sistema de banco de dados Submeter ao Inmetro para análise e aprovação, os Memorandos de Entendimento, no escopo deste RAC, estabelecidos com Organismos de outros países. 9. USO INDEVIDO DA IDENTIFICAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO O Comissionador certificado que fizer o uso indevido da identificação da conformidade, estará sujeito às penas previstas na Lei de Propriedade Industrial n o 9279/96. Anexo A A-1 Marca da Conformidade 1 ORGANISMO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE CREDENCIADO 2 3 Legenda: 1 - Local da Instalação; 2 - Número e data do certificado; 3 - Identificação do Comissionador de GNV.

25 Anexo B Critérios para a Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade do Comissionador 1 REQUISITOS PARA AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE QUALIDADE DA EMPRESA Os itens estão associados aos requisitos da versão 9001:1994, mas esta norma foi substituída pela versão Abaixo a correlação entre os requisitos conforme versão ISO 9001: Sistema de gestão da qualidade (itens 4.1 e 4.2)\ 1.2 Responsabilidade da Direção (tens 5.3, 5.4 e 5.5) 1.3 Gestão de recursos (itens 6.2, 6.3 e 6.4) 1.4 Realização do produto (itens 7.1, 7.2, 7.4, 7.5, 7.6) 1.5 Medição, análise e melhoria (itens 8.1, 8.2.3, 8.2.4, 8.3, 8.4, Termo de entrega dos serviços 2- LEIS, REGULAMENTOS E POLÍTICAS INTERNAS 2.1- O Comissionador deve garantir: A divulgação das Normas Técnicas da ABNT, atualizadas, aplicáveis na instalação e manutenção de empreendimentos previstos na Resolução 273 do CONAMA, a todos os funcionários envolvidos na execução dos serviços A divulgação da legislação ambiental, aplicável, a seus funcionários O cumprimento das Normas Reguladoras do Ministério do Trabalho, com especial ênfase para: f) NR-4 - SESMT; g) NR-5 - CIPA; h) NR-6 - EPI - Equipamento de Proteção Individual; i) NR-7 - PCMSO - Saúde Ocupacional; j) NR-9 - PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais; A existência das Políticas Internas de Qualidade, Segurança, Saúde e Meio-Ambiente e a divulgação das mesmas a todos os funcionários. 3- TREINAMENTO 3.1- O Comissionador de GNV para Postos de Abastecimento deve possuir um programa de treinamento para a capacitação de sua mão-de-obra, sobre os aspectos de condicionamento técnico e físico O Programa de Treinamento e Reciclagem deve cobrir no mínimo os seguintes tópicos: a) Políticas de Qualidade, Segurança, Saúde e Meio Ambiente; b) Características Técnicas dos Componentes do GNV; c) Procedimentos operacionais para a instalação do GNV; d) Procedimentos de Controle de Qualidade; e) Avaliação e controle de riscos inerentes a instalação de GNV; e.1- trabalho em área classificada (trabalho em atmosferas potencialmente explosivas) e.2- trabalho em ambiente confinado e.3- trabalho em altura e.4- trabalho em rede elétrica de baixa tensão e.5- trabalho à quente f) Uso do EPI; g) Procedimentos de Emergência.

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 130, de 31 de julho de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 075, de 15 de maio de 2003. O PRESIDENTE DO

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Portaria n.º 093, de 12 de março de 2007.

Portaria n.º 093, de 12 de março de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 093, de 12 de março de 2007.

Leia mais

PCP 006 Componentes dos Sistemas de Descarga e de Abastecimento de Combustíveis.

PCP 006 Componentes dos Sistemas de Descarga e de Abastecimento de Combustíveis. rev 02 02/02/2016 Aprovado por PAG 1 / 16 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação dos componentes dos sistemas de descarga e de abastecimento de combustíveis,

Leia mais

Portaria n.º 385, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 385, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 385, de 23 de outubro de

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 185,de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 231, de 30 de junho de 2008. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 231, de 30 de junho de 2008. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 231, de 30 de junho de 2008.

Leia mais

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis.

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis. rev 06 06/01/2016 Aprovado por PAG 1 / 10 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação da conformidade do produto tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis,

Leia mais

Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007.

Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007.

Leia mais

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos Complementares 3 Siglas e Definições 4 Condições Gerais 5 Mecanismo de Avaliação da Conformidade 6 Alterações

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria n.º 186, de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo atender as Resoluções CONAMA Nº 237/1997, 273/2000 e 319/2002, Norma Técnica da ABNT NBR 14973:2004, bem como outras normas da Associação Brasileira

Leia mais

Certificação de Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

Certificação de Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado Pág. Nº 1/26 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... 3. 4. Referências... 3. 5. Definições... 3

SUMÁRIO. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... 3. 4. Referências... 3. 5. Definições... 3 Página 1 de 28 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 5 7. Condições gerais... 5 7.1 Autorização

Leia mais

Portaria n 230, de 17 de agosto de 2009.

Portaria n 230, de 17 de agosto de 2009. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n 230, de 17 de agosto de 2009.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 013, de 13 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

PAINEL Meio Ambiente

PAINEL Meio Ambiente PAINEL Meio Ambiente TEMA Uma década de legislação ambiental para o segmento de Postos de Serviço: Realidade e Expectativas Título A atuação dos setores de distribuição e revenda de combustíveis e da indústria

Leia mais

Portaria n.º 040, de 29 de janeiro de 2007. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 040, de 29 de janeiro de 2007. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 040, de 29 de janeiro de

Leia mais

Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007.

Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007.

Leia mais

Certificação de Artigos Escolares

Certificação de Artigos Escolares Pág.: 1/44 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Clider Silva Gerente Técnico Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 19/09/2014 1. OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer as diretrizes

Leia mais

Certificação de reatores eletrônicos para lâmpadas fluorescentes

Certificação de reatores eletrônicos para lâmpadas fluorescentes 1/26 Palavras-chave: Certificação, reatores. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Referências 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 298, de 27 de julho de 2010

Portaria n.º 298, de 27 de julho de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 298, de 27 de julho de 2010

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Portaria n.º 601, de 17 de dezembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 601, de 17 de dezembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 601, de 17 de dezembro de 2015. CONSULTA

Leia mais

REGISTRO DO PRODUTO, SELO DE IDENTIFICAÇÃO,

REGISTRO DO PRODUTO, SELO DE IDENTIFICAÇÃO, INTERFACE PROCESSO NÚMERO REVISÃO 02 TÍTULO : CERTIFICAÇÃO E USO DE LICENÇA, CERTIFICAÇÃO/MARCAS DE CONFORMIDADE. DATA DE APROVAÇÃO INICIAL 08/04/2013 REVISÃO ATUAL 09/12/2013 APROVAÇÃO FÁBIO CAMPOS FATALLA

Leia mais

Portaria n.º 450, de 03 de outubro de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 450, de 03 de outubro de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 450, de 03 de outubro de 2014. CONSULTA

Leia mais

Portaria n.º 79, de 03 de fevereiro de 2011.

Portaria n.º 79, de 03 de fevereiro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 79, de 03 de fevereiro de

Leia mais

Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 282, de 07 de agosto de 2008. CONSULTA PÚBLICA. OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para Etanol Combustível

Portaria n.º 282, de 07 de agosto de 2008. CONSULTA PÚBLICA. OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para Etanol Combustível Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 282, de 07 de agosto de 2008

Leia mais

Portaria nº 457, de 01 de dezembro de 2010.

Portaria nº 457, de 01 de dezembro de 2010. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 457, de 01 de dezembro de

Leia mais

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014.

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 334, de 24 de agosto de 2010. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 334, de 24 de agosto de 2010. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 334, de 24 de agosto de 2010.

Leia mais

COMPLEMENTO. INTERRUPTORES E/OU DISJUNTORES A CORRENTES DIFERENCIAIS E RESIDUAIS PARA USO DOMÉSTICO E ANÁLOGO IDR s e DDR s (RCCB S e RCBO S)

COMPLEMENTO. INTERRUPTORES E/OU DISJUNTORES A CORRENTES DIFERENCIAIS E RESIDUAIS PARA USO DOMÉSTICO E ANÁLOGO IDR s e DDR s (RCCB S e RCBO S) COMPLEMENTO INTERRUPTORES E/OU DISJUNTORES A CORRENTES Doc: 702-CRC-008 Revisão: 02 Página: 1/19 Elaborado por: Laércio dos Santos Verificado por: Karen Carolina Martins Nelson Coelho Aprovado por: Nelson

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM PRODUTOS

INSTITUTO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM PRODUTOS PROCEDIMENTO PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE MAMADEIRAS E BICOS DE MAMADEIRAS SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos Complementares 3 Siglas 4 Definições 5 Codificação da Certificação 6 Mecanismo de Avaliação

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

ALFREDO CARLOS ORPHÃO LOBO Presidente do Inmetro em Exercício

ALFREDO CARLOS ORPHÃO LOBO Presidente do Inmetro em Exercício MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 31, de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Atos Administrativos. PREFEITURA DE JACOBINA/BA www.sitiosoficiais.org/ba/prefeitura/jacobina JACOBINA, BAHIA SEGUNDA-FEIRA 28 DE MAIO DE 2012

Atos Administrativos. PREFEITURA DE JACOBINA/BA www.sitiosoficiais.org/ba/prefeitura/jacobina JACOBINA, BAHIA SEGUNDA-FEIRA 28 DE MAIO DE 2012 2 Atos Administrativos 3 Condicionantes Comprar madeira devidamente legalizada, e com Certificação Ambiental; Nas operações de corte de madeira, utilizardispositivo empurrador e guia de alinhamento; Devido

Leia mais

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 348, de 03 de outubro de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 159, de 29 de junho de 2006.

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

DE COMBUSTÍVEIS POST

DE COMBUSTÍVEIS POST POSTOS E SISTEMAS RET ETALHIST ALHISTAS AS DE COMBUSTÍVEIS ROTEIRO PARA POST OSTOS JÁ EXISTENTES PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS CADASTRO 2001

Leia mais

Portaria n.º 308, de 03 de julho de 2014.

Portaria n.º 308, de 03 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 308, de 03 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Requisitos e procedimentos para expedição do Licenciamento Ambiental de postos de combustíveis instalados/localizados e/ou a serem

Leia mais

Portaria n.º 439, de 21 de agosto de 2012.

Portaria n.º 439, de 21 de agosto de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 439, de 21 de agosto de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Leia mais

Regulamento de Certificação de Brinquedos

Regulamento de Certificação de Brinquedos Pág.: 1/31 Elaboração Análise Crítica Aprovação Priscilla Siqueira Marques Representante da Direção Clider Adriane de Sousa Silva Gerente de Certificação Fabio Eduardo de Freitas Barbosa Executivo Sênior

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

QUALINSTAL Maio 2016. Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis

QUALINSTAL Maio 2016. Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis QUALINSTAL Maio 2016 Treinamento para Auditores Especialidade Gases Combustíveis Estrutura Requisitos Responsabilida des Regras Gerais Gestão Qualidade Saúde e segurança Meio ambiente Técnicos Responsabilidade

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012.

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 481, de 07 de dezembro de 2010.

Portaria n.º 481, de 07 de dezembro de 2010. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 481, de 07 de dezembro de

Leia mais

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H

PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PRINCIPAIS FALHAS EM AUDITORIAS DO PBQP-H PARA COMEÇAR......A VERSÃO 2012 VERSÃO 2012 A versão 2012 do SiAC incluiu alguns requisitos, antes não verificados em obras. São eles: 1. Indicadores de qualidade

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos;

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 027, de 09 de fevereiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 341, de 24 de setembro de

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 31 - NORMA REGULAMENTADORA DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS PORTARIA N.º 30, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 Divulgar para consulta pública a proposta de texto de criação da Norma Regulamentadora N. º 31 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. A SECRETÁRIA

Leia mais

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP Página: 1/7 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares da

Leia mais

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROJETO BÁSICO GESER Nº 04/07 FISCALIZAÇÃO DA OBRA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de fiscalização

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

Portaria n.º 83, de 03 de abril de 2006.

Portaria n.º 83, de 03 de abril de 2006. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 83, de 03 de abril de 2006.

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 387, de 23 de outubro de

Leia mais

CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO NA ÁREA DE SEGURANÇA VEICULAR

CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO NA ÁREA DE SEGURANÇA VEICULAR CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO NA ÁREA DE SEGURANÇA VEICULAR NORMA Nº: NIT-DIOIS-002 APROVADA EM JUL/2011 Nº 01/13 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 57, DE 17.10.2014 - DOU 20.10.2014

RESOLUÇÃO ANP Nº 57, DE 17.10.2014 - DOU 20.10.2014 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 57, DE 17.10.2014 - DOU 20.10.2014 A DIRETORA-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no

Leia mais

Portaria n.º 9, de 14 de janeiro de 2016 CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 9, de 14 de janeiro de 2016 CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 9, de 14 de janeiro de 2016 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe

Atividades objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe PARECER ÚNICO SUPRAM TM/AP PROTOCOLO Nº 081530/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 02532/2004/002/2009 LI AMPLIAÇÃO DEFERIMENTO Outorga Portaria Nº 570/2008 Poço tubular Deferida

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio QSP Informe Reservado Nº 43 Fevereiro/2005 ISO/IEC 17050-2 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio Tradução livre especialmente preparada para

Leia mais

Portaria n.º 54, de 1 de fevereiro de 2016.

Portaria n.º 54, de 1 de fevereiro de 2016. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 54, de 1 de fevereiro de 2016. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 347, de 11 de julho de 2013. CONSULTA

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-0 APROVADA EM MAR/20 Nº 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI O CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso de suas atribuições e competências que lhe foram concedidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentadas

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

Competências Pessoais em Atmosferas Explosivas

Competências Pessoais em Atmosferas Explosivas Competências Pessoais em Atmosferas Explosivas - Unidade de Competência EX 001 Aplicação dos princípios básicos de proteção em atmosferas explosivas Esquema de Certificação Julho de 2015 Página 1 de 10

Leia mais

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação Data: 06/06/2003 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável à

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 595, de 17 de dezembro de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS Página 1 de 16 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 02/06/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os requisitos para o Programa

Leia mais

zeppini@zeppini.com.br www.zeppini.com.br Estrada Sadae Takagi, 665 CEP 09852-070 Fone (11) 4393-3600 Fax (11) 4393-3609 Zeppini Comercial Ltda

zeppini@zeppini.com.br www.zeppini.com.br Estrada Sadae Takagi, 665 CEP 09852-070 Fone (11) 4393-3600 Fax (11) 4393-3609 Zeppini Comercial Ltda + Sideraço Industrial do Brasil Ltda Rua Francisco Reis, 785-3º Distrito Industrial CEP 88311-710 Itajaí - SC Fone (47) 3341-6700 Fax (47) 3341-6717 vendas@sideraco.com.br www.sideraco.ind.br Zeppini Comercial

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais