PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO DA QUALIDADE"

Transcrição

1 Pág.: 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes e as atividades relativas à identificação, avaliação e desenvolvimento da competência das pessoas, por meio de ações de treinamento e conscientização. 2. DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Manual de Gestão da Qualidade Manual de Funções 3. RESPONSABILIDADE / AUTORIDADE Responsável Representante da Direção Coordenador da Qualidade Técnico de Segurança Líderes das Áreas Encarregado de Pessoal Ação Analisar e aprovar os treinamentos/ações que forem julgados procedentes; Mobilizar os recursos necessários para o cumprimento dos treinamentos/ações aprovados. Detectar, juntamente com os líderes de cada área, a necessidade de treinamento/ações para o pessoal da Empresa; Designar um profissional capacitado para ministrar os treinamentos práticos quando for o caso. Realizar o programa de segurança voltado para obra em que se encontram residentes; Realizar treinamentos admissionais de segurança; Cumprir requisitos do programa PCMAT (Programa de Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção); Inspecionar condições de segurança da obra / funcionários. Treinar e aperfeiçoar os mestres e encarregados nos PES; Detectar juntamente com os mestres e encarregados a necessidade de treinamento/ações; Planejar os treinamentos/ações das equipes de produção nos PES conforme o planejamento da obra e designar o responsável para o mesmo; Solicitar, entrevistar e selecionar os candidatos, fazendo a seleção profissional dentre os candidatos; no caso do Escritório Central o Gerente do setor; Promover a integração do funcionário após a admissão; Comunicar ao Setor Pessoal que o funcionário está sendo demitido da empresa; em caso do Escritório Central, a comunicação poderá ser via oral; Encaminhar o funcionário para o Setor Pessoal; Programar as férias juntamente com o funcionário a melhor data para tirar férias; Informar ao Setor Pessoal do Escritório Central, 30 dias antes das férias programadas. Recolher os cartões de ponto e calcular as horas trabalhadas; Conferência dos documentos do candidato; Encaminhar a contratação, após autorização do responsável da Obra; Encaminhar o funcionário para fazer exame médico admissional e

2 Pág.: 2 de 8 Responsável Setor Financeiro demissional; Ação Informar ao Líder da Área, mensalmente, quais ou seus funcionários tem férias a vencer ou vencidas; Elaborar os Avisos de Férias dos funcionários programadas para o mês a vencer; Encaminhar para o Setor Financeiro o Recibo de Férias para que seja providenciado o cheque de pagamento das férias do funcionário; Convocar o funcionário para receber o pagamento das suas férias vencidas, portando a sua CTPS; Encaminhar cópia dos documentos correlatos para o Encarregado do Pessoal do Escritório Central; Conferência dos documentos encaminhados pela obra ou setor do escritório; Registrar o funcionário; Processar a rescisão do funcionário; Efetuar o pagamento do funcionário ou homologar no sindicato; Encaminhar para o Setor Financeiro o TRCT e GRFC; Calcular o fechamento da Folha de Pagamento; Informar ao Setor Financeiro os valores da GFIP e GPS. Preparar e encaminhar o cheque do pagamento do funcionário para o setor pessoal; Emitir os cheques de pagamento das férias dos funcionários, conforme recibos recebidos. 4. DESCRIÇÃO 4.1. Admissão O Engenheiro Residente, Auxiliar de Engenharia e Mestre de Obra são os responsáveis por fazer a entrevista com os candidatos indicados pelo Encarregado, Mestre ou Gerente do Setor (EC), tomando como base o Manual de Funções verificando os requisitos mínimos para a função em questão. Caso o candidato cumpra os requisitos, o Engenheiro Residente, o Auxiliar de Engenharia ou o Mestre de Obra informa os documentos que deverão ser apresentados, de acordo com a Lista de Documentos para Contratação, observando a data limite que é até o dia 20 de cada mês. O candidato é encaminhado ao escritório para apresentação da documentação à Encarregada de Pessoal. Após a verificação dos documentos, e estando os mesmos corretos, encaminha para realização do exame médico conforme definido no PCMSO. NOTA: Caso o candidato não apresente Certificado de Escolaridade é realizado um Teste de Avaliação Admissional. Caso o Funcionário atenda às demais exigências e não se enquadre na exigência de escolaridade, isso não será empecilho para sua contratação. Este será conscientizado sobre a possibilidade de ingressar nas turmas de aprendizado oferecido pelo SESI desde que seja iniciada uma nova turma.

3 Pág.: 3 de 8 Sendo o candidato aprovado no exame médico, ou seja, apto para exercer a função, o Encarregado de Pessoal dá prosseguimento à contratação com o ASO do candidato. Não sendo aprovado no exame médico, ou seja, não apto para exercer a função, o candidato deve ser recusado. O Encarregado de Pessoal providenciará o cadastramento do funcionário no sistema informatizado Alterdata e impressão dos documentos legais para assinatura. Após a assinatura o funcionário é encaminhado para a obra a qual será alocado ou para o setor, no caso do escritório. O processo é finalizado através do arquivamento dos documentos. No final de cada mês, será realizado um levantamento dos funcionários admitidos para que seja apresentados pela equipe de segurança a integração e treinamento de acordo com a função de cada um, incluindo a política da qualidade Identificação e Avaliação de Competências As competências necessárias para atuar de forma eficaz e eficiente nas diversas funções / cargos na empresa são definidas no Manual de Funções. Tais competências são definidas e revisadas pelo Líder de cada área e aprovadas pela Diretoria. Quando da seleção de um novo empregado ou para movimentação para uma nova função / cargo, o candidato é avaliado quanto ao atendimento destas competências, pelo Líder da Área. O atendimento às exigências é avaliado e não é imprescindível que o candidato atenda a todas as exigências, sendo que as competências não atendidas servem de orientação para as ações de treinamento, conscientização e desenvolvimento. Quando funcionários de empresas terceirizadas os mesmos serão avaliados através da Ficha de Inspeção dos serviços e os funcionários através da Ficha de Avaliação de competência de Empreiteiros. As habilidades são avaliadas na entrevista de seleção e, quando não for possível identificá-las claramente, estas são reavaliadas ao final do tempo de experiência. O registro das competências é realizado pelo Encarregado de Pessoal e/ou pelo Líder da Área, respectivamente nos formulários Registro de Competências e Habilidades Transferência e Demissão de Funcionários Toda transferência realizada na primeira quinzena do mês deverá ser comunicada até o dia 10 para que o funcionário inicie os trabalhos a partir do dia 16. Para segunda quinzena a transferência deverá ser realizada até o dia 25 sendo o início dos trabalhos no dia 01 do mês subseqüente. O responsável pela obra utilizada o formulário Solicitação ao Departamento Pessoal e encaminhar para o Encarregado de Pessoal. Os líderes das áreas devem comunicar mensalmente até o dia 20 de cada mês ao Encarregado de Pessoal a relação dos funcionários que serão desligados da empresa. O Encarregado de Pessoal deverá ser consultado antes de ser demitido qualquer funcionário, para verificação se há algum impedimento legal ou restrição à, a consulta será feita 48 horas antes do aviso.

4 Pág.: 4 de 8 Ao receber o funcionário, o Encarregado de Pessoal entrega-lhe o Aviso Prévio assinado e obtém a sua assinatura na segunda via e o encaminha para fazer o Exame Médico Demissional, sendo aprovado no Exame Médico o funcionário poderá ser demitido, caso contrário, deverá ser encaminhado ao INSS. Caso necessário, o Setor de RH deve programar a homologação junto ao Sindicato ou DRT Delegacia Regional do Trabalho, assim encaminhará o funcionário para ser submetido aos exames demissionais conforme PCMSO da empresa e prepara a documentação: aviso prévio, TRCT (Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho), GFIP (Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social), CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social), SD (seguro desemprego). Estando todos os documentos em ordem e exame médico aprovado, informa à Tesouraria para reservar a verba e procede a quitação. fim arquiva a documentação devidamente assinada e homologada Folha de Pagamento Todo dia 15 de cada mês o Encarregado de Pessoal, faz a emissão da Folha de Adiantamento Quinzenal para os funcionários que fizeram a opção de receber por quinzena. Até o dia 25 de cada mês, o Encarregado de Pessoal recolhe as informações dos cartões de ponto eletrônico no campo. Os responsáveis pelas obras encaminham, para o Encarregado de Pessoal, até o dia 25 do mês a produtividade dos funcionários. De posse dessas informações, o encarregado realiza a contagem das horas normais, extras, faltas, produtividade, atrasos e atestados. O encarregado de Pessoal elabora a Folha de Pagamento fazendo as conferências e ajustes necessários para finalizá-la. Após fechamento da folha, emite os contra cheques e envia para as obras e encaminha para o financeiro a relação de depósito para ser encaminhada ao banco e providencias de pagamento. Todo dia 05 do mês, impreterivelmente, o Encarregado de Pessoal encaminha para o Setor Financeiro as seguintes guias: GFIP e GPS Férias O Encarregado de Pessoal informa mensalmente ao Responsável pela Obra e Diretora Financeira (para funcionários do escritório) quais os funcionários que estão com férias vencidas ou a vencer, indicando o dia e mês de vencimento das férias; O Responsável pela Obra e Diretora Financeira programa, juntamente com o funcionário, o período das férias e informa ao Setor do Pessoal com 30 dias de antecedência do gozo das férias. Com a programação em mãos, o Setor do Pessoal, elabora o Aviso de Férias e encaminha o Recibo de Férias para o Setor Financeiro juntamente com folha de pagamento do mês para a devida programação de pagamento bancário ou emissão do respectivo cheque; O Encarregado de Pessoal encaminha o Aviso de Férias aos responsáveis pela obra para assinatura ou pega diretamente com o funcionário no caso do escritório Levantamento das Necessidades de Treinamento e outras Ações

5 Pág.: 5 de 8 O levantamento das necessidades de treinamento é realizado para um período de um ano e identifica as potencialidades e pontos a serem desenvolvidos, e que devem ser aprimorados e superados através de treinamento, desenvolvimento, conscientização etc. As necessidades que surjam durante esse tempo levam a uma revisão do levantamento. Esta identificação leva em consideração os seguintes itens: Observação do no desempenho da função; Aquisição de competências, tendo como base o perfil definido no Manual de Funções; Implantação de melhorias e ações para atingimento de objetivos e metas; Tratamento de não-conformidades; Elaboração ou revisões de documentos normativos; Disponibilização de treinamentos no mercado que sejam de interesse da empresa. O levantamento é registrado na Solicitação de Desenvolvimento de Pessoal SDP apenas para treinamentos externos. O Coordenador da Qualidade divulga o período de realização da identificação de necessidade de treinamento e desenvolvimento. O Líder da Área convoca o para discutir e consolidar a identificação das necessidades de treinamento e desenvolvimento, enviando ao Coordenador da Qualidade todas as Solicitações de Desenvolvimento de Pessoal - SDP devidamente preenchidas referentes à sua área de atuação. O Coordenador também consolida o levantamento das necessidades de treinamento anual. Um dos Diretores aprova as SDP s pertinentes Treinamentos e outras Ações O Líder da Área define os participantes para o treinamento/ações; se não houver SDP aprovada, providencia aprovação. O Coordenador da Qualidade realiza a inscrição dos participantes ou montagem da turma e executa o processo para treinamentos/ações externos. Em seguida informa ao participante sobre a realização do treinamento/ações. Cabe ainda ao Coordenador providenciar apoio logístico para treinamentos/ações, quando estes recursos forem de responsabilidade da empresa. Ex: preparação do local, recursos audiovisuais, lanche, cópia do material didático, lista de presença, avaliação do treinamento. O Líder da Área realiza o treinamento nos documentos normativos específicos de cada área. Depois de realizado o treinamento, o Líder da Área envia ao Coordenador da Qualidade cópia do certificado do treinamento, no caso de treinamentos externos. O Coordenador mantém os registros de cada treinamento. Para os treinamentos internos são registrados em Lista de Presença, enquanto que os treinamentos externos são registrados por meio de Certificados emitidos pelas entidades realizadoras Avaliação de Eficácia

6 Pág.: 6 de 8 São preenchidas na SDP a avaliação da eficácia dos treinamentos/ações. Nos casos de treinamentos só serão registradas os que tiverem carga horária acima a partir de 8 horas. No caso de treinamentos em documentos normativos, a eficácia dos mesmos é realizada por meio de auditorias internas que verificam o nível de conhecimento dos es e terceiros acerca dos documentos, bem como pelo acompanhamento dos indicadores de processo da área, quando pertinente. Caso o treinamento seja identificado como não eficaz, o é re-treinado ou outra ação é definida na SDP. O Coordenador da Qualidade agenda com o Líder da Área a avaliação da eficácia de treinamento do e mantém os registros Requisitos Mínimos para cada Cargo A empresa mantém uma listagem de requisitos mínimos para exercer cada função, identificado no Manual de Funções (documento de referência) que contempla: Responsabilidades: define as atribuições da função, incluindo as atividades para a qualidade. Competência e Habilidades: são habilidades, competências, ou conhecimentos que o ocupante do cargo deve possuir para que possa atingir adequadamente o resultado esperado. Os requisitos considerados foram: o Escolaridade: formação escolar adquirida em curso regular podendo ser de nível fundamental, médio ou superior. Para profissões regulamentadas, são os requisitos definidos em lei. o Experiência: tempo de atividade profissional envolvendo atividades desenvolvidas em cargos precedentes, que permita adquirir conhecimentos para exercer as funções. o Cursos/Treinamentos Complementares: conhecimentos, habilidades ou competências adquiridas em cursos/treinamentos realizados interna ou externamente a empresa, com o objetivo de atender necessidades específicas ou complementares a formação acadêmica. Essa listagem deve ser considerada como referência no momento de cada contratação da empresa e para auxiliar nos levantamentos de necessidades de treinamentos. 4.9 Penalidades Haverá três tipos de penalidades para diferentes situações, sendo elas: Advertência escrita o te, consumo ou comércio de álcool ou drogas; o Tratamento agressivo com outros es; o Recusa de seguir orientações propostas para melhoria das situações de segurança;

7 Pág.: 7 de 8 o o Não utilizar os equipamentos de proteção individual, desrespeitar normas de segurança ou outros atos não-conformes anteriormente orientados que comprometam sua segurança ou a dos seus colegas; Comportamento inadequado. Suspensão temporária o Reincidir nos termos tratados acima; o Colocar-se em situações de risco eminente após ser orientado/treinado. 5. CONTROLE DE REGISTROS Identificação Armazenamento Proteção Recuperação Solicitação de Desenvolvimento de Pessoal - SDP Lista de Presença Avaliação de competência de empreiteiros Armário da Sala de RH ordem alfabética Tempo de retenção Descarte 02 anos Sala do RH data 02 anos Sala do RH empresa Certificados Armário do RH Registro de Competências Habilidades Armário do RH Até o final da prestação do serviço Teste de Avaliação Admissional Armário do RH Aviso de Suspensão Armário do RH/ do funcionário Advertência Armário do RH/ do funcionário 6. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão Data de Emissão 00 01/04/2010 Emissão inicial. Motivo

8 Pág.: 8 de 8 Revisão Data de Emissão Motivo 01 15/10/2010 Revisão do manual de funções e inserido Teste de Avaliação Admissional 02 13/12/2011 Inclusão do formulário Solicitação ao Setor Pessoal /02/2011 Inclusão do auxiliar de engenharia, requisitos para admissão e do formulário Aviso de Suspensão /05/2012 Inclusão do formulário para avaliação de funcionários de empreiteiros 05 18/10/2012 Inserção de responsabilidades para técnico de segurança no item 3; inserção do item 4.9 Penalidades; Inserção controle de registro Aviso de Suspensão e Advertência, bem como os respectivos anexos. 7. ANEXOS Lista de Documentos para Contratação Solicitação de Desenvolvimento de Pessoal (SDP) Lista de Presença Avaliação de competência de empreiteiros Registro de Competências e Habilidades Manual de Funções Teste de Avaliação Admissional Solicitação ao Setor Pessoal Aviso de Suspensão Advertência Elaborado / revisado por: Aprovado para uso: Nilta Robélia 18 / 10 /_2012 Data Assinatura 18 / 10 /_2012 Data

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Versão: 07 Folha: 1 de 6 Processo: Recrutamento & Seleção, Movimentação e Treinamento de Pessoal Alterar logomarca 1. OBJETIVO: Identificar as competências necessárias para as funções que compõe a grade

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos 1º Edição 01/2016 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - RECRUTAMENTO E SELEÇÃO CAPÍTULO II - TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO III CARGOS & SALÁRIOS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS CAPÍTULO

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026 1/7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão dos Indicadores 02 Revisão geral do documento 03 Item 4.1: Foi inserida uma aprovação final da Diretoria após o Gestor

Leia mais

RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS. Responsável Seqüência Etapa do processo

RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS. Responsável Seqüência Etapa do processo Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Planejamento e Administração PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ RESUMO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO DOS

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ.

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ. 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as diretrizes para a realização de auditorias internas no SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DA ABCZ (SGI) tendo por base todos os requisitos previstos no MANUAL DO SGI

Leia mais

Esta política define:

Esta política define: Esta política define: OBJETIVO ABRANGÊNCIA DEFINIÇÕES SOLICITAÇÃO DE CONTRATAÇÃO E APROVAÇÕES RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ADMISSÃO SALÁRIO ADMISSIONAL INTEGRAÇÃO OBJETIVO Definir uma política

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

MANUAL DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO

MANUAL DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO MANUAL DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO SUMÁRIO 1 Introdução... 03 2 Objetivos...03 3 Diretrizes...03 4 Processo...03 4.1 Atividade I...03 4.2 Atividade II...04 4.3 Atividade III...05 5 Responsabilidades...06

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

Código: MAP-DILOG-005 Versão: 00 Data de Emissão: 01/12/2013

Código: MAP-DILOG-005 Versão: 00 Data de Emissão: 01/12/2013 Código: MAP-DILOG-005 Versão: 00 Data de Emissão: 01/12/2013 Elaborado por: Gerência de Instalações Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios e os procedimentos para o planejamento,

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerências da ESJUD Aprovado por: Escola do Poder Judiciário 1 OBJETIVO Estabelecer as diretrizes que norteiam a capacitação no

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO 1 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO PORTARIA Nº 3.214 DE 08/06/78 - NR7 (com redação dada pela Portaria nº 24 de 29/12/94 e Portaria nº 8 de 08/05/96) DO OBJETO A Norma Regulamentadora

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO Art. 1º A monitoria é uma atividade acadêmica, no âmbito da graduação, que pretende oferecer ao aluno experiência de iniciação à docência. 1º A monitoria

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

Regulamento Projeto interdisciplinar

Regulamento Projeto interdisciplinar Regulamento Projeto interdisciplinar 1 Apresentação O presente manual tem como objetivo orientar as atividades relativas à elaboração do Projeto Interdisciplinar (PI). O PI é o estudo sobre um tema específico

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Regional de São Paulo. Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Regional de São Paulo. Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Departamento Regional de São Paulo GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUIA DO ALUNO Cubatão SP SUMÁRIO página 1. O QUE É ESTÁGIO SUPERVISIONADO?

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

Estabelecer critérios para a padronização do PCMSO visando obter a uniformização dos documentos nas áreas na UNIDADE LOGÍSTICA.

Estabelecer critérios para a padronização do PCMSO visando obter a uniformização dos documentos nas áreas na UNIDADE LOGÍSTICA. 1 1 OBJETIVO Estabelecer critérios para a padronização do PCMSO visando obter a uniformização dos documentos nas áreas na UNIDADE LOGÍSTICA. 2 USUÁRIOS Componentes do SESMT Local Componentes do SESMT Corporativo

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 4 Programa Controle MÇdico de SaÉde Ocupacional PCMSO Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

REGULAMENTO DE SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

REGULAMENTO DE SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE PESSOAL 1 OBJETIVO Definir as premissas para captação, seleção e contratação de recursos humanos, objetivando suprir as demandas das vagas previstas no Instituto Sócrates Guanaes ISG, incluídas aquelas oriundas

Leia mais

EDITAL Nº 02/2015 - CONSEPE

EDITAL Nº 02/2015 - CONSEPE EDITAL Nº 02/2015 - CONSEPE A Direção da Faculdade Herrero torna públicos os procedimentos e normas para inscrição e seleção de Monitores 2015/1. Este Edital está em conformidade com a RESOLUÇÃO Nº 11/2010

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL Página: 1/7 Classificação: ( ) Provisão de (X) Aplicação de ( ) Manutenção de ( ) Desenvolvimento de ( ) Monitoração de ÍNDICE 1 OBJETIVO 2 ABRANGÊNCIA 3 REFERÊNCIA 4 DEFINIÇÕES 5 S E RESPONSABILIDADES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 119/2010/CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 119/2010/CONEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 119/2010/CONEPE Aprova as Normas de Estágio Curricular Obrigatório

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS Este material tem o objetivo de fornecer aos comitês regionais e setoriais do PGQP, e a seus franqueados, informações atualizadas sobre o SAG e orientações para a

Leia mais

Manual dos processos de abertura de vaga, recrutamento e seleção e admissão

Manual dos processos de abertura de vaga, recrutamento e seleção e admissão T Manual dos processos de abertura de vaga, recrutamento e seleção e admissão Processos e Conformidade Janeiro/2015 Rev. 0 3/16/2015 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA...3 3. DESENHO (Abertura de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977.

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO N o 18, DE 10.02.72, DO CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27.03.72. CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO HENRIQUE SANTILLO PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT Responsáveis: Ludmilla Sequeira Barbosa e Rosana

Leia mais

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA ESTALEIRO ENSEADA 1/5 TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA 1. Objetivo Este procedimento estabelece a sistemática de levantamento de competências, promoção da conscientização e treinamento. 2. Aplicação

Leia mais

ANEXO II DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO

ANEXO II DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO ANEXO II NORMAS ESPECÍFICAS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - MODALIDADE BACHARELADO DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO Art.

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE ADMISSÃO 1ª Versão 2 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO 2 - VISÃO SISTÊMICA

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para cadastrar, convocar, encaminhar e monitorar voluntários no Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro.

Estabelecer critérios e procedimentos para cadastrar, convocar, encaminhar e monitorar voluntários no Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro. CADASTRAR, CONVOCAR, ENCAMINHAR E MONITORAR VOLUNTÁRIOS Proposto por: Equipe da Divisão de Apoio aos Programas de Promoção da Cidadania (DIAPP) Analisado por: Departamento de Ações Pró- Sustentabilidade

Leia mais

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação Data: 06/06/2003 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável à

Leia mais

QUESTÃO DE REVISÃO. a) controle. b) detecção. c) distorção inerente. d) relevante

QUESTÃO DE REVISÃO. a) controle. b) detecção. c) distorção inerente. d) relevante TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AUDITORIA CONTÁBIL PROF.º: AILTON NÓBREGA QUESTÃO DE REVISÃO 01. O planejamento adequado, a designação apropriada de pessoal

Leia mais

EDITAL PARA MONITORIA PERÍODO DE MARÇO DE 2015 A JULHO DE 2015

EDITAL PARA MONITORIA PERÍODO DE MARÇO DE 2015 A JULHO DE 2015 EDITAL PARA MONITORIA PERÍODO DE MARÇO DE 2015 A JULHO DE 2015 A pró-reitora do UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que as inscrições para o concurso interno de monitoria

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO. Projeto Monitoria CAp 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO. Projeto Monitoria CAp 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO Projeto Monitoria CAp 2014 1. Definição O Projeto Monitoria CAp é uma ação institucional que abre mais um espaço de aprendizagem

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

Verificação do Cumprimento e Avaliação dos Indicadores do Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Indústria da Construção

Verificação do Cumprimento e Avaliação dos Indicadores do Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Indústria da Construção Verificação do Cumprimento e Avaliação dos Indicadores do Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Indústria da Construção JUSTIFICATIVA O método de verificação e avaliação dos

Leia mais

APROVA PROCEDIMENTOS DE ADMISSÃO DE EMPREGADOS DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

APROVA PROCEDIMENTOS DE ADMISSÃO DE EMPREGADOS DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. APROVA PROCEDIMENTOS DE ADMISSÃO DE EMPREGADOS DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. RESOLUÇÃO Nº: 025 DO SESCOOP/PR 08/07/2004. SUMÁRIO Finalidade 1. Da Finalidade 2. Da Admissão 3. Da Carteira de Trabalho

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO EXECUTIVO DE RECURSOS HUMANOS DO RIO DE JANEIRO

ESTATUTO DO GRUPO EXECUTIVO DE RECURSOS HUMANOS DO RIO DE JANEIRO 1. OBJETIVOS Revisão aprovada em plenário em 22 de setembro de 2011 1.1 Fomentar a troca de conhecimento, experiência e informações sobre políticas e práticas de Recursos Humanos. 1.2 Contribuir para o

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Regulamento de Estágios Estágios Não Obrigatórios Remunerados (ENOR) e Estágios Curriculares Obrigatórios (ECO) de alunos dos cursos superiores da Universidade Positivo. Aprovado pela Resolução n o 53

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

GESTÃO DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO Manual de Procedimentos

GESTÃO DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO Manual de Procedimentos GESTÃO DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO Manual de Procedimentos SUMÁRIO 1 Introdução... 03 2 Objetivos...03 3 Diretrizes...03 4 Processo...03 4.1 Treinamento de Integração...03 4.2 Treinamento Comportamental...04

Leia mais

Breve contextualização

Breve contextualização Breve contextualização O esocial é o instrumento de unificação da prestação das informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas e tem por finalidade padronizar

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Data de emissão: Associação Paulista de Gestão Pública - APGP Elaborado por: Aprovado por: Francis da Silva Recursos Humanos Diretoria Geral // Sumário

Leia mais

P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 1

P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 1 P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 1 PROGRAMA DE MONITORIA DA CHRISFAPI P R O G R A M A D E M O N I T O R I A D A C H R I S F A P I 2 SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 04 2. O

Leia mais

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6 1 OBJETIVO PÁG: 1 de 6 Estabelecer os princípios básicos para o uso de protetores auditivos na CP SOLUÇÕES. Facilitar a administração de todas as etapas para atender ao disposto no PCA Programa de Conservação

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009 Versão: 2 Pág: 1/5 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 13/10/2009 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 01/06/2006 Emissão inicial 05/06/2007 Primeira Revisão Elaborado: 05/06/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Revisado: 05/06/2007

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO - Nº 0009-2016. CARGO: Técnico de Nível Superior Comprador / Comércio Exterior MANAUS.

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO - Nº 0009-2016. CARGO: Técnico de Nível Superior Comprador / Comércio Exterior MANAUS. COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO - Nº 0009-2016 CARGO: Técnico de Nível Superior Comprador / Comércio Exterior MANAUS SENAI - Amazonas O Departamento de Gestão de Pessoas do Sistema Federação das Indústrias

Leia mais

Fatec de São Carlos. A Faculdade de Tecnologia de São Carlos será a última parte envolvida a assinar o termo de compromisso e demais documentos.

Fatec de São Carlos. A Faculdade de Tecnologia de São Carlos será a última parte envolvida a assinar o termo de compromisso e demais documentos. Memo 04/15 Coordenação São Carlos, 26 de Fevereiro de 2015. Orientações Gerais aos Discentes Assunto: Estágio obrigatório e não obrigatório O estágio é regulamentado pela legislação através da LEI DO ESTÁGIO

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES NORMAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA UFPel CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Monitoria, vinculado à Seção de Apoio Estudantil da Coordenadoria de Assuntos Estudantis e Comunitários,

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO 1ª Versão 2 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO 2

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: 031395948-01 ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº 118-01/0299-153.

APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: 031395948-01 ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº 118-01/0299-153. APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: 031395948-01 ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº 118-01/0299-153.092/00453-01-01 INSCRITO PELA A EMPRESA SINDOSCON SINDICATO DA INDÚSTRIA DE

Leia mais

Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio FAN - CEUNSP SALTO. Campus V

Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio FAN - CEUNSP SALTO. Campus V Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio FAN - CEUNSP SALTO Campus V Regulamento Interno de Estágio Supervisionado e ou Trabalho Pedagógico Supervisionado FAN-CEUNSP-SALTO -Campus V O presente

Leia mais

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA PROCEDIMENTO PARA ENTREGA DE DOCUMENTOS PARA ACESSO Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) Segue procedimento que deverá ser seguido exatamente como orientado para que o serviço contratado seja

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Engenharia de Automação Industrial

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Engenharia de Automação Industrial CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET-MG UNIDADE ARAXÁ COORDENAÇÃO DE PROGRAMA DE ESTÁGIO - 3ºGRAU ESTÁGIO SUPERVISIONADO Engenharia de Automação Industrial GUIA DO ESTAGIÁRIO CEFET-MG

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO

CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO GERÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO Contratação de Empresas de Consultoria para Prestação de

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo.

Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo. 1/8 1. OBJETIVO Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO DHO Desenvolvimento Humano Organizacional; SISTEMA RUBI Sistema operacional

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 086/2012

REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 086/2012 REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 086/2012 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) comunica a realização de Processo Seletivo nº. 086/2012 sob contratação em regime CLT (Consolidação das

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO INTERNO Nº 03/2013

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO INTERNO Nº 03/2013 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO INTERNO Nº 03/2013 A Diretora de Recursos Humanos do Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde IABAS, no uso das atribuições conferidas pela Legislação em vigor, considerando

Leia mais

Controle de Documentos da Qualidade. Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial

Controle de Documentos da Qualidade. Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial Pág.: 1/19 Controle de alterações Revisão Data Local da Revisão Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial Item 5.5 Unificação dos itens 5.5.2 e 5.5.4, em função da exclusão da lista de Distribuição de documentos

Leia mais

AVISO DE SELEÇÃO Nº 05/2014

AVISO DE SELEÇÃO Nº 05/2014 AVISO DE SELEÇÃO Nº 05/2014 1. CARGO: Gerente de Contabilidade 2. LOTAÇÃO: SESI/CE Serviço Social da Indústria 3. DESCRIÇÃO SINTÉTICA: Gerir, planejar, organizar, e avaliar as atividades da Área de Contabilidade

Leia mais

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para rotinas de Departamento Pessoal. 2. DEFINIÇÕES TRCT: Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho. DP: Departamento Pessoal; DP Central: Departamento Pessoal de

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

www.cpsol.com.br MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

www.cpsol.com.br MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATANTE: (Nome da Contratante), com sede em (...), na Rua (...), nº.

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade Programa da Qualidade Página 1/20 ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade REVISADO POR RUBRICA DATA Nome: Renato César Vieira de sousa / /

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO CURSOS DE EXTENSÃO: Caracterizados como um conjunto articulado de ações pedagógicas, de caráter teórico e/ou prático, presencial ou à distância,

Leia mais

Câmara Municipal dos Barreiros

Câmara Municipal dos Barreiros Barreiros, 30 de Abril de 2010 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ofício nº 006/2010 SCI EXMO. SR. JOSÉ GERALDO DE SOUZA LEÃO M.D. Presidente da Câmara de Vereadores dos Barreiros NESTA O Coordenador do Sistema

Leia mais

PROCEDIMENTO POP XX RECOLHIMENTO DE ALIMENTOS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO REGISTRO DAS REVISÕES

PROCEDIMENTO POP XX RECOLHIMENTO DE ALIMENTOS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO REGISTRO DAS REVISÕES PÁGINA: 1 de 7 CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA/SETOR Nº DE CÓPIAS REGISTRO DAS REVISÕES N.º REVISÃO DATA ALTERAÇÃO SUGERIDA POR: 00 Emissão inicial do documento - ELABORADO POR: Assinatura: Data: REVISADO

Leia mais

COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS FORMAS DE AQUISIÇÃO/CONTRATAÇÃO LICITAÇÃO:

COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS FORMAS DE AQUISIÇÃO/CONTRATAÇÃO LICITAÇÃO: COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Quase todas as despesas das Unidades são realizadas através de compras ou contratações de serviços. Elas são classificadas de acordo com a forma de aquisição/contratação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Departamento de Engenharia. Administração e Finanças para Engenharia. Departamento de Pessoal (DRH)

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Departamento de Engenharia. Administração e Finanças para Engenharia. Departamento de Pessoal (DRH) Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Administração e Finanças para Engenharia Departamento de Pessoal (DRH) Grupo: Thahenne O. Ribeiro Paulo Victor M. Cordeiro Eduardo Borges

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA CARAGUAPREV Regulamenta as atribuições do Serviço de Saúde Ocupacional da Divisão de Medicina e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética no Uso de Animais, da MercoLab Laboratórios Ltda. O conselho de pesquisa

Leia mais

A ONLY ONE tem como missão proporcionar aos seus clientes soluções simples e eficazes na terceirização de Serviços Gerais e Recursos Humanos.

A ONLY ONE tem como missão proporcionar aos seus clientes soluções simples e eficazes na terceirização de Serviços Gerais e Recursos Humanos. INSTITUCIONAL A ONLY ONE tem como missão proporcionar aos seus clientes soluções simples e eficazes na terceirização de Serviços Gerais e Recursos Humanos. Um líder não surge apenas da qualidade dos serviços

Leia mais

Assunto. esocial. Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

Assunto. esocial. Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 34/2013 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

Processo de Homologação de Tipo Aeronave, Motor e Hélice

Processo de Homologação de Tipo Aeronave, Motor e Hélice Gerência de Programas Gerência de Engenharia Gerência de Regulamentação Gerência de Inspeção e Produção 01 REUNIÃO DE FAMILIARIZAÇÃO Reunião para estabelecer parceria com o requerente. É uma oportunidade

Leia mais

EDITAL PROGRAMA SAÚDE E CIDADANIA: CONSTRUINDO UMA REDE SOCIAL DE PROMOÇÃO SAÚDE. SELEÇÃO DE BOLSISTA PARA O PROGRAMA DE EXTENSÃO

EDITAL PROGRAMA SAÚDE E CIDADANIA: CONSTRUINDO UMA REDE SOCIAL DE PROMOÇÃO SAÚDE. SELEÇÃO DE BOLSISTA PARA O PROGRAMA DE EXTENSÃO EDITAL PROGRAMA SAÚDE E CIDADANIA: CONSTRUINDO UMA REDE SOCIAL DE PROMOÇÃO SAÚDE. SELEÇÃO DE BOLSISTA PARA O PROGRAMA DE EXTENSÃO No uso de suas atribuições, torna-se público o edital de seleção de alunos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO.GRH.01 01 1/9 1. OBJETIVO Descrever e fornecer informações quanto às atribuições, responsabilidades e pré-requisitos que constituem as funções da organização, e o levantamento da necessidade e realização

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. Av. Conselheiro Aguiar, nº 4635, salas 407/408, Boa Viagem, Recife/PE 81-3325.0725 81-8639.0762

MANUAL DO CLIENTE. Av. Conselheiro Aguiar, nº 4635, salas 407/408, Boa Viagem, Recife/PE 81-3325.0725 81-8639.0762 MANUAL DO CLIENTE Av. Conselheiro Aguiar, nº 4635, salas 407/408, Boa Viagem, Recife/PE 81-3325.0725 81-8639.0762 www.hvrcontabil.com.br contato@hvrcontabil.com.br INTRODUÇÃO Este manual tem como finalidade

Leia mais

Impresso em 28/08/2015 13:38:28 (Sem título)

Impresso em 28/08/2015 13:38:28 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 17/09/2014 Verificado por Mercio Sobrinho em 17/09/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 18/09/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Educação Profissional Cursos Técnicos. Regulamento de Estágio Supervisionado

Educação Profissional Cursos Técnicos. Regulamento de Estágio Supervisionado Educação Profissional Cursos Técnicos Regulamento de Estágio Supervisionado CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento de Estágio Supervisionado refere-se à formação do aluno

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE CAMPINA GRANDE ESCOLA SUPERIOR DE AVIAÇÃO CIVIL COORDENAÇÃO DE TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DE PSICOLOGIA CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. O TCC é uma atividade acadêmica de natureza científica, técnica, filosófica e ou artística com

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais