1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5. TERMINOLOGIA

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5. TERMINOLOGIA"

Transcrição

1 Aprovado ' Elaborado por Andrea Gaspar/BRA/VERITAS em 04/11/2014 Verificado por Cristiane Muniz em 04/11/2014 Aprovado por Andrea Gaspar/BRA/VERITAS em 19/11/2014 ÁREA GRH Tipo Procedimento Regional Número 37 Título TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA. Selecione o verificador do Documento: Cristiane Muniz/BRA/VERITAS Andrea Gaspar04/11/2014 ÍNDICE: SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5. TERMINOLOGIA 6. DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE COMPETÊNCIA, TREINAMENTO E CONSCIENTIZAÇÃO 6.1 DEFINIÇÃO DAS COMPETÊNCIAS 6.2 IDENTIFICAÇÃO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO 6.3 TREINAMENTOS 1

2 6.4 CONSCIENTIZAÇÃO DOS COLABORADORES DO BUREAU VERITAS BRASIL 6.5 PLANEJAMENTO DOS TREINAMENTOS 6.6 EFICÁCIA DE TREINAMENTO 7. REGISTROS 8. REVISÃO 9. ANEXOS ANEXO 1 NECESSIDADES DE TREINAMENTO ANEXO 2 FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE TREINAMENTO ANEXO 3 LISTA DE PRESENÇA TREINAMENTO DE AMBIENTAÇÃO ANEXO 4 DECLARAÇÃO DE RECEBIMENTO DO CÓDIGO DE ÉTICA ANEXO 5 LISTA DE PRESENÇA - TREINAMENTO DO CÓDIGO DE ÉTICA ANEXO 6 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO DO PROGRAMA BV AÇÃO ANEXO 7 GRADE DE TREINAMENTOS 2

3 TEXTO DO PROCEDIMENTO: 1. OBJETIVO Estabelecer e manter sistemática para definição de competência, treinamento e conscientização dos colaboradores do BUREAU VERITAS BRASIL, de forma a garantir que as atividades desempenhadas nos diversos segmentos de negócio da empresa, sejam realizadas respeitando a qualidade, a segurança, o meio ambiente e a saúde. 2. APLICAÇÃO Este procedimento se aplica ao processo de competência, treinamento e capacitação do BUREAU VERITAS BRASIL. 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 3.1 Cabe a Gerência de Recursos Humanos elaborar, implementar, aprovar e manter atualizado este documento. 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA O presente procedimento foi baseado nos seguintes documentos: a) Norma ABNT NBR ISO 9001: 2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos; b) Norma ABNT NBR ISO 14001: Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso; c) OHSAS 18001: Occupational health and safety management systems specification; d) PR 81 - Estrutura da Documentação; e) Norma ABNT NBR ISO 10015:2001 Gestão da qualidade - Diretrizes para treinamento 5. TERMINOLOGIA 3

4 BU (BUSINESS UNIT) Unidade de Negócio. BUDGET Metas de receitas e despesas acordadas entre a Direção Geral e os responsáveis das Diretorias, para um determinado ano. BUREAU VERITAS BRASIL Todos os escritórios e atividades do BUREAU VERITAS e TECNITAS no Brasil. DIRETORIA DE QHSE Diretoria do BUREAU VERITAS BRASIL de Qualidade, Segurança, Saúde & Meio Ambiente. GERÊNCIA DE QHSE Gerência do BUREAU VERITAS BRASIL de Qualidade, Segurança, Saúde & Meio Ambiente. PMP PERFORMANCE MANAGEMENT PROCESS Sistemática anual de avaliação de desempenho dos colaboradores do BUREAU VERITAS BRASIL. TREINAMENTO COAHING Treinamento realizado com profissionais experientes com o objetivo de auxiliar no desenvolvimento do um profissional iniciante. TREINAMENTO ON THE JOB Treinamento de profissionais experientes com o objetivo de auxiliar na transmissão de conhecimento técnico/comportamental. ZIG (ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANING) Sistema Integrado de Informações da Empresa. 6. DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE COMPETÊNCIA, TREINAMENTO E CONSCIENTIZAÇÃO 6.1 DEFINIÇÃO DAS COMPETÊNCIAS Devem ser definidas as competências requeridas para os colaboradores que executam ou desenvolvem serviços no BUREAU VERITAS BRASIL, através dos Diretores ou Gerentes de cada área, descrevendo a competência mínima necessária para desempenho das atividades. A competência necessária para os colaboradores pode ser definida em conjunto com o RH, quando necessário. Para determinadas funções a competência requerida é definida nos requisitos contratuais. As competências de cada função por BU estão descritas nos procedimentos de Organização e Funcionamento de cada área, no 4

5 sistema Lotus Notes, de acordo com o Anexo As competências necessárias para as funções das atividades marítimas e industriais da Diretoria Marítima e Industrial seguem padrão internacional estabelecido pela sede do BUREAU VERITAS BRASIL de qualificação técnica para cada nível de senioridade. Para a área marítima é utilizada a ferramenta disponível no BVPortal - BVQualif, onde ficam armazenadas as qualificações, treinamentos e registros dos colaboradores. De mesmo modo, para a área industrial é utilizada o sistema Siebel. Além disso, os colaboradores que trabalham em contratos com a Petrobrás são qualificados com aplicação de avaliação teórica e prática pelo cliente, disponibilizando os resultados em seu site próprio na internet As informações dos colaboradores devem ser mantidas atualizadas pelo Recursos Humanos. Informações relacionadas aos colaboradores devem ser enviadas para o Recursos Humanos para armazenamento, quando aplicável. Registros de treinamentos específicos de contratos devem ser controlados pelos gestores correspondentes. 6.2 IDENTIFICAÇÃO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO A identificação das necessidades de treinamento, é realizada anualmente através das entrevistas individuais com os colaboradores durante a avaliação de desempenho PMP. A avaliação de desempenho normalmente é realizada no mês de março, considerando o desempenho do ano anterior Outras necessidades de treinamento podem ser identificadas durante o ano, uma vez que em função de novos contratos/ serviços, pode ser necessário à realização de treinamentos específicos para os colaboradores participantes do novo contrato/ serviços Para contratos de terceirização (fornecimento de mão-de-obra) a identificação de necessidades de treinamento é estabelecida de acordo com as especificidades técnicas do contrato. Para os colaboradores alocados nestes contratos a avaliação de desempenho não é mandatória Com base no PMP, na estratégia da organização, na situação atual e na importância de sua atividade, a Gerência de Recursos Humanos consolida a identificação das necessidades de treinamento em uma planilha em formato Excel de Necessidades de Treinamento, conforme anexo As necessidades identificadas durante o ano em função de novos contratos/ serviços também são alimentadas na mesma 5

6 planilha de TREINAMENTOS Os treinamentos no BUREAU VERITAS BRASIL estão divididos em 4 (quatro) categorias: a) Treinamento Interno; b) Treinamento de Coaching; c) Treinamento na Função (On the Job); d) Treinamento Externo TREINAMENTO INTERNO Os treinamentos internos do BUREAU VERITAS BRASIL são sub-divididos em 3 (três) categorias: a) Técnico/ Atividade; b) Treinamento dos Processos do BUREAU VERITAS BRASIL; c) BV Ação - Treinamentos Elaborados pelo BV e ministrado aos clientes TREINAMENTO TÉCNICO/ ATIVIDADE São treinamentos realizados pelas BUs em função da necessidade técnica/atividade a ser desempenhada pelo colaborador. Os registros destes treinamentos ficam sob responsabilidade de cada BU. Como sugestão pode ser utilizado o modelo, Lista de Presença Treinamento de Ambientação / Outros (Formulário GRH 60A), que se encontra na base Lista de Formulários no Lotus Notes TREINAMENTOS DOS PROCESSOS DO BUREAU VERITAS BRASIL Os treinamentos dos processos do BUREAU VERITAS BRASIL são divididos em: a) Treinamento de Ambientação; b) Código de Ética. 6

7 TREINAMENTO DE AMBIENTAÇÃO Os colaboradores recém contratados pelo BUREAU VERITAS BRASIL, passam por um treinamento de ambientação. Este treinamento tem como objetivo integrar o novo colaborador a empresa O Treinamento de Ambientação está disponibilizado para os colaboradores através de acesso a intranet ou CD para os funcionários que não possuem acesso a Rede do BV O treinamento pode ser feito de duas maneiras: Presencial: O treinamento é realizado nos Escritórios Regionais pela Área de Recursos Humanos ou multiplicador local da Regional. Auto Estudo: É entregue um CD no momento da admissão de cada novo colaborador com o conteúdo auto explicativo do treinamento completo de ambientação do grupo BV O Treinamento de Ambientação é subdividido em 4 (quatro) módulos que abordam os seguintes tópicos: a) Quem somos (Nossa História, Missão, Valores, Código de Ética e Conduta, BV no Brasil e no mundo, Estrutura Organizacional/Atividades do Grupo); b) Recursos Humanos (Remuneração, Benefícios, Canais de Comunicação e etc.); c) Sistema de Qualidade (Política, Sistema, Manuais, Responsabilidades, Procedimentos Regionais e Certificação); d) A ambientação e treinamento em SMS tem duração de 1,5 horas e abrange os principais aspectos de Segurança, Meio Ambiente e saúde Ocupacional Os registros do Treinamento de Ambientação (Presencial ou Auto Estudo) são mantidos pela Gerência de Recursos Humanos, que utiliza o formulário "Lista de Presença Treinamentos" (no treinamento presencial) e o formulário "Declaração de Recebimento do Treinamento de Ambientação, Código de Ética e QSMS" (auto estudo) TREINAMENTO CÓDIGO DE ÉTICA 7

8 O treinamento tem como objetivo informar ao novo colaborador as regras e princípios de ética fundamentais, compatíveis com os procedimentos internos da Empresa O colaborador ao ingressar na Organização, recebe o Código de Ética via CD ou livreto. Neste momento o colaborador deve assinar a Declaração de Recebimento (idem ao item ) que fica armazenada na pasta individual do colaborador sob responsabilidade da Gerência de Recursos Humanos O treinamento pode ser feito de duas maneiras: Presencial: O treinamento é realizado nos Escritórios Regionais pela Área de Recursos Humanos ou multiplicador local da Regional. Auto Estudo: É entregue um CD no momento da admissão de cada novo colaborador com o conteúdo auto explicativo do treinamento completo de código de ética do grupo BV Os parceiros do BUREAU VERITAS BRASIL (fornecedores e subcontratados) são cadastrados no ZIG, recebendo um automático do BUREAU VERITAS BRASIL contendo o Código de Ética. Após o envio, os s são automaticamente armazenados no endereço Os registros do Treinamento do Código de Ética (Presencial ou Auto Estudo) são mantidos pela Gerência de Recursos Humanos, que utiliza os formulários para treinamento presencial e Declaração de Recebimento do Código ou Lista de Presença - Treinamento de Código de Ética para auto estudo PROGRAMA BV AÇÃO O programa BV AÇÃO é um treinamento disponibilizado para os colaboradores exclusivos do BUREAU VERITAS BRASIL, proveniente de um número específico de vagas do calendário anual de treinamentos presenciais elaborados para clientes O colaborador se candidata a determinado treinamento, preenchendo formulário de inscrição, conforme Anexo 3, disponibilizado no Sistema Lotus Notes Lista de Formulários. Este formulário é acessível à todos os Colaboradores. As 8

9 etapas do fluxo de aprovação deve ser de acordo com o item A Gerência de Recursos Humanos administra as inscrições e define os indicados após análise O calendário dos cursos oferecidos, o formulário de inscrição e o regulamento do programa estão disponibilizados na intranet do BUREAU VERITAS BRASIL, no endereço Os registros das solicitações e da análise são mantidos pela Gerência de Recursos Humanos TREINAMENTO DE COACHING Este tipo de treinamento tem como objetivo o planejamento e aprendizado de determinado assunto técnico/comportamental através de encontros com profissionais mais experientes com o objetivo de auxiliar no desenvolvimento do tema identificado Esta modalidade de treinamento constitui-se em um compromisso de desenvolvimento entre um colaborador mais experiente e o profissional em desenvolvimento. Esta ferramenta é utilizada entre o colaborador e seu gerente imediato, não gerando evidência formal de realização TREINAMENTO ON THE JOB (TREINAMENTO NA FUNÇÃO) Este tipo de treinamento tem como objetivo a transmissão de determinado conhecimento técnico/comportamental através do acompanhamento da execução das atividades junto à profissional mais experiente Esta ferramenta é utilizada entre o Colaborador e outro membro da Equipe mais experiente não gerando evidência formal de realização TREINAMENTO EXTERNO Os treinamentos externos ministrados por Instituições de ensino, são solicitados através do preenchimento do formulário Solicitação de Treinamento, de acordo com o Anexo 3, disponibilizado no Sistema Lotus Notes Lista de Formulários. 9

10 A primeira etapa do fluxo de aprovação é iniciada pelo Solicitante (Gestor / Coordenador), que após o preenchimento do formulário é o responsável por analisar a viabilidade de realização do treinamento. O treinamento solicitado deve estar alinhado com a estratégia do negócio. O Solicitante encaminha a "Solicitação de Treinamento" original, devidamente assinada para o Diretor Executivo responsável pela BU A segunda etapa do fluxo de aprovação é realizada pelo Diretor Executivo. O mesmo recebe a "Solicitação de Treinamento" devidamente assinada pelo Solicitante e analisa a viabilidade de realização do treinamento. O treinamento solicitado deve estar alinhado com a estratégia do negócio. Caso a Solicitação de Treinamento seja aprovada, o Diretor Executivo encaminha a Solicitação de Treinamento original, devidamente assinada para o GRH A terceira etapa do fluxo de aprovação é realizada pelo GRH. O mesmo recebe a Solicitação de Treinamento já aprovada pelo Diretor Executivo e analisa a viabilidade de realização do treinamento. O treinamento solicitado deve estar alinhado com a estratégia do negócio. O GRH encaminha a "Solicitação de Treinamento" original, devidamente assinada para o área requisitante Caso a solicitação do treinamento não seja aprovada a Gerência de Recursos Humanos, devolve a solicitação para a área requisitante Aprovado o treinamento, uma cópia da solicitação é enviada para a área solicitante efetuar a inscrição do colaborador e pagamento do curso Os registros do formulário de Solicitação de Treinamento são armazenados na Gerência de Recursos Humanos. 6.4 CONSCIENTIZAÇÃO DOS COLABORADORES DO BUREAU VERITAS BRASIL 10

11 6.4.1 A conscientização dos colaboradores é realizada através do treinamento de ambientação; de informações disponíveis na intranet; de envio de e de quadro de avisos localizados em cada andar, no hall de entrada Podemos citar como assuntos abordados nas ações de conscientização do BUREAU VERITAS BRASIL: Política de QSMS, aspectos ambientais, perigos de segurança e saúde e situações de emergência, além de outros Os colaboradores que possuem acesso ao Sistema Lotus Notes recebem s constantemente. A mesma informação pode estar disseminada também nos quadros de aviso dos andares Os registros relativos às ações de conscientização são mantidos pela Gerência de Recursos Humanos. 6.5 PLANEJAMENTO DOS TREINAMENTOS As Diretorias do BUREAU VERITAS BRASIL juntamente com a Direção Geral definem anualmente o orçamento de treinamento Com o orçamento aprovado e a identificação das necessidades de treinamento (advindas do processo de avaliação anual do colaborador), a Diretoria de Organização e Estratégia confronta ambas as informações e valida as prioridades para investimento no exercício corrente Os treinamentos disponibilizados ficam relacionados em planilha e é mantida pela Gerência de Recursos Humanos Todos os treinamentos realizados devem ser consolidados em uma planilha formato Excel de "Treinamento Realizados", conforme anexo 4, pelo GRH. Todas as evidências de tais treinamentos também serão arquivadas por esse setor e deverão ser encaminhadas até 03 meses após sua realização para o controle da área de GRH. 6.6 EFICÁCIA DE TREINAMENTO A verificação da eficácia dos treinamentos realizados é medida : De forma indireta a longo prazo, para verificar a melhoria da produtividade e do desempenho no trabalho, com base na 11

12 evolução do conceito obtido pelo colaborador, na avaliação de desempenho PMP segundo PR 32 - Avaliação de Desempenho A curto prazo, para verificar os métodos e recursos adotados, através da Avaliação de Reação, segundo formulário GRH61- "Avaliação de Reação - Eficácia de Treinamento" A avaliação de reação será aplicada aleatoriamente a critério do GRH. O resultado será considerado satisfatório quando for obtido mínimo de 75% de aprovação. Caso o resultado seja menor que 75%, a área responsável pelo treinamento deve ser comunicada para ações necessárias Se o resultado da avaliação de reação for inferior que 75%, a mesma deverá ser aplicada novamente. Caso o resultado continue inferior a 75%, o colaborador deverá realizar um reforço do treinamento e outros testes alternativos poderão ser aplicados A eficácia de treinamento de reciclagem é realizada da mesma forma, segundo itens e REGISTROS Na aplicação deste procedimento serão gerados os seguintes registros: NECESSIDADES DE TREINAMENTO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE TREINAMENTO LISTA DE PRESENÇA TREINAMENTO DE AMBIENTAÇÃO DECLARAÇÃO DE RECEBIMENTO DO CÓDIGO DE ÉTICA LISTA DE PRESENÇA - TREINAMENTO DO CÓDIGO DE ÉTICA FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO DO PROGRAMA BV AÇÃO FORMULÁRIO AVALIAÇÃO DE REAÇÃO - EFICÁCIA DE TREINAMENTO TREINAMENTOS REALIZADOS 12

13 8. REVISÃO Revisão 00 em 21/07/ Revisão do procedimento para incluir os Sistemas de Gestão de Meio Ambiente, Segurança, Saúde e Responsabilidade Social. Revisão 01 em 11/06/2007 Revisão total de texto, inclusão dos itens 6.3 e 6.4 e dos Anexos 1, 2, 3 e 4. Adequação ao procedimento PR 81 Estrutura da Documentação. Revisão 02 em 03/09/2009 Revisão das versões das normas em Documentos de Referência e no texto do item Revisão 03 em 24/06/2010 Revisão do item e 6.1.2, inclusão do item e anexo 2. Revisão 04 em 26/05/ Revisão dos itens 4 letra e, e 6.2.4, e , , revisão de todo item 6.6 e 7. Revisão 05 em 06/09/ Revisão do item , 6.3.4, e 7, alteração do item 6.5.3, inclusão do item e inclusão dos anexos 3 e 4. Revisão 06 em 20/03/ Revisão dos itens 3.2, d, , inclusão dos itens e Revisão 07 em 04/11/ Revisão do item ANEXOS ANEXO 1 NECESSIDADES DE TREINAMENTO 13

14 14

15 ANEXO 2 FORMULÁRIO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS 15

16 16

17 ANEXO 3 FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE TREINAMENTO 17

18 18

19 ANEXO 4 TREINAMENTOS REALIZADOS 19

20 20

Impresso em 26/08/2015 10:53:30 (Sem título) IDENTIFICAÇÃO, ACESSO E MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS

Impresso em 26/08/2015 10:53:30 (Sem título) IDENTIFICAÇÃO, ACESSO E MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 30/12/2014 Verificado por Fernando Cianci em 06/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 06/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5. TERMINOLOGIA 6. DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE DOCUMENTAÇÃO

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5. TERMINOLOGIA 6. DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE DOCUMENTAÇÃO Aprovado ' Elaborado por Andrea Gaspar/BRA/VERITAS em 06/12/2013 Verificado por Cristiane Muniz em 06/12/2013 Aprovado por Denis Fortes/BRA/VERITAS em 06/12/2013 ÁREA GRH Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DAS ROTINAS ADMINISTRATIVAS_ZIG

2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DAS ROTINAS ADMINISTRATIVAS_ZIG Aprovado ' Elaborado por Luana Gomes/BRA/VERITAS em 21/10/2013 Verificado por Luis Fernando em 22/10/2013 Aprovado por Marcio Pereira/BRA/VERITAS em 22/10/2013 ÁREA M&O Tipo Instrução Administrativa Número

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 10:28:51 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 10:28:51 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE CONTROLE DE REGISTROS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE CONTROLE DE REGISTROS Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 05/02/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 05/02/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 14/02/2013 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Impresso em 01/09/2015 15:46:32 (Sem título)

Impresso em 01/09/2015 15:46:32 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 24/08/2015 Verificado por Fernando Cianci em 25/08/2015 Aprovado por Ricardo Fontenele/BRA/VERITAS em 25/08/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Fernando Cianci19/10/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 87 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS

Fernando Cianci19/10/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 87 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 19/10/2015 Verificado por Cintia Kikuchi em 19/10/2015 Aprovado por Ricardo Fontenele/BRA/VERITAS em 19/10/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

SUMÁRIO. Daniel Bortolin02/02/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 80 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS

SUMÁRIO. Daniel Bortolin02/02/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 80 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS Aprovado ' Elaborado por Daniel Bortolin/BRA/VERITAS em 02/02/2015 Verificado por Cintia Kikuchi em 02/02/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 02/02/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

6.3 Plano de Ação 4 6.4 Registros de Auditoria 4

6.3 Plano de Ação 4 6.4 Registros de Auditoria 4 Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 10:26:39 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 10:26:39 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA

1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 16/10/2015 Verificado por Fernando Cianci em 16/10/2015 Aprovado por Ricardo Fontenele/BRA/VERITAS em 16/10/2015 ÁREA QHSE Tipo MANUAL Número 01.11

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos 1º Edição 01/2016 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - RECRUTAMENTO E SELEÇÃO CAPÍTULO II - TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO III CARGOS & SALÁRIOS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS CAPÍTULO

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Versão: 07 Folha: 1 de 6 Processo: Recrutamento & Seleção, Movimentação e Treinamento de Pessoal Alterar logomarca 1. OBJETIVO: Identificar as competências necessárias para as funções que compõe a grade

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 20/11/28 Página 1 de 14 - MONITORAMENTO, MEDIÇÃO E MENSURAÇÃO DE DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 20/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento estabelece o processo de Gerenciamento de Contratadas. ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3.

SUMÁRIO. Este procedimento estabelece o processo de Gerenciamento de Contratadas. ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. Procedimento de Gestão Denominação: Gerenciamento de Contratadas OGX PG.SMS.009 SUMÁRIO Este procedimento estabelece o processo de Gerenciamento de Contratadas. ÍNDICE 1 Objetivo: 3 2 Aplicação e Alcance:

Leia mais

6.1AVALIAÇÃO INICIAL 6.2CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES 6.3 NOTAS, CONCEITOS, MEDIDAS E CRITÉRIOS DA AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES.

6.1AVALIAÇÃO INICIAL 6.2CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES 6.3 NOTAS, CONCEITOS, MEDIDAS E CRITÉRIOS DA AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES. Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 02/09/2014 Verificado por Jose Eduardo em 08/09/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 08/09/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO HENRIQUE SANTILLO PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE PERFIL E TREINAMENTO VAPT VUPT Responsáveis: Ludmilla Sequeira Barbosa e Rosana

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SPI-702-R00 LEVANTAMENTO E ATUALIZAÇÃO DO RELATÓRIO GERENCIAL DE INFORMAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL 04/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 13 de abril de 2016. Aprovado, Tiago

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na Modalidade

Leia mais

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA ESTALEIRO ENSEADA 1/5 TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA 1. Objetivo Este procedimento estabelece a sistemática de levantamento de competências, promoção da conscientização e treinamento. 2. Aplicação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-500-R00 ARQUIVAMENTO DE PROCESSOS NA SGP

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-500-R00 ARQUIVAMENTO DE PROCESSOS NA SGP MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-500-R00 ARQUIVAMENTO DE PROCESSOS NA SGP 02/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 03 de fevereiro de 2016. Aprovado, Carolina dos Santos Costa 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

EDITAL 001/2011 EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAIS PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES

EDITAL 001/2011 EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAIS PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES EDITAL 001/2011 EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAIS PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES ABRIL 2011 A CEMEPOL - EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAS, nos termos do Estatuto da Empresa Júnior de

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS GUIA PREENCHIMENTO FORMULÁRIO

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS GUIA PREENCHIMENTO FORMULÁRIO UNIVERSIDADE DE RIO VERDE PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS GUIA PREENCHIMENTO FORMULÁRIO GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRENCHIMENTO DO FORMULÁRIO Com o objetivo de facilitar o preenchimento

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Data de emissão: Associação Paulista de Gestão Pública - APGP Elaborado por: Aprovado por: Francis da Silva Recursos Humanos Diretoria Geral // Sumário

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-503-R01 GESTÃO DE DEMANDAS DE TI DA SGP

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-503-R01 GESTÃO DE DEMANDAS DE TI DA SGP MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-503-R01 GESTÃO DE DEMANDAS DE TI DA SGP 06/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 17 de junho de 2016. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS

INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS INFORMAÇÕES AOS COMITÊS E FRANQUEADOS Este material tem o objetivo de fornecer aos comitês regionais e setoriais do PGQP, e a seus franqueados, informações atualizadas sobre o SAG e orientações para a

Leia mais

ABERTURA DE PROJETOS PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO. Normas e Procedimentos NP04

ABERTURA DE PROJETOS PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO. Normas e Procedimentos NP04 PROCEDIMENTOS PARA ABERTURA DE PROJETO Normas e Procedimentos NP04 I - INSTRODUÇÃO A FUSP na qualidade de Entidade de Apoio quanto à gestão administrativa-financeira dos recursos destinados aos projetos

Leia mais

EDITAL Nº 001/2013 PARA SELEÇÃO AO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM DOCÊNCIA NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL - MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

EDITAL Nº 001/2013 PARA SELEÇÃO AO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM DOCÊNCIA NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL - MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE CURRÍCULO E EDUCAÇÃO INTEGRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÀO

Leia mais

EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES JUNHO 2015 A CHRONOS JR - EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, nos termos do Estatuto da Empresa Júnior do

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-503-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-503-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-503-R00 ACOMPANHAMENTO DOS INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇO DE AEROPORTOS CONCEDIDOS 08/2014 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 11 de agosto de 2014. Aprovado, Fabio

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

EDUCAR E PESQUISAR HISTÓRICO. Data Revisão Descrição Elaborado por: Aprovado por:

EDUCAR E PESQUISAR HISTÓRICO. Data Revisão Descrição Elaborado por: Aprovado por: Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz EDUCAR E PESQUISAR HISTÓRICO Data Revisão Descrição Elaborado por: Aprovado por: 00 Emissão Inicial 10/03/2012 01 Alteração do Formato Ângela Maria Ribeiro

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA GESTÃO DO TRABALHO FRENQUENTLY ANSWER QUESTIONS (FAQ S) ATIVIDADES PARA FORMAÇÃO

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA GESTÃO DO TRABALHO FRENQUENTLY ANSWER QUESTIONS (FAQ S) ATIVIDADES PARA FORMAÇÃO PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA GESTÃO DO TRABALHO FRENQUENTLY ANSWER QUESTIONS (FAQ S) ATIVIDADES PARA FORMAÇÃO 1 FORMAÇÃO 1.1 O que é formação? Todas atividades relacionadas ao processo de educação, que

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA 08 20/06/2013 28/06/2013 LOGÍSTICA FSL DANIEL DE SOUZA SANTIAGO FSL SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS AMBIENTAIS SUSTENTÁVEIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS AMBIENTAIS SUSTENTÁVEIS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS AMBIENTAIS SUSTENTÁVEIS Instruções para preenchimento da Planilha de Pontuação do

Leia mais

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ.

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ. 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as diretrizes para a realização de auditorias internas no SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DA ABCZ (SGI) tendo por base todos os requisitos previstos no MANUAL DO SGI

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL Página: 1/7 Classificação: ( ) Provisão de (X) Aplicação de ( ) Manutenção de ( ) Desenvolvimento de ( ) Monitoração de ÍNDICE 1 OBJETIVO 2 ABRANGÊNCIA 3 REFERÊNCIA 4 DEFINIÇÕES 5 S E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

PROCESSO SELETIVO N 02-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

PROCESSO SELETIVO N 02-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PROCESSO SELETIVO N 02-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A unidade nacional do Sescoop Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo, personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026 1/7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão dos Indicadores 02 Revisão geral do documento 03 Item 4.1: Foi inserida uma aprovação final da Diretoria após o Gestor

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Manual dos processos de abertura de vaga, recrutamento e seleção e admissão

Manual dos processos de abertura de vaga, recrutamento e seleção e admissão T Manual dos processos de abertura de vaga, recrutamento e seleção e admissão Processos e Conformidade Janeiro/2015 Rev. 0 3/16/2015 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA...3 3. DESENHO (Abertura de

Leia mais

MANUAL DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO

MANUAL DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO MANUAL DE TREINAMENTO & DESENVOLVIMENTO SUMÁRIO 1 Introdução... 03 2 Objetivos...03 3 Diretrizes...03 4 Processo...03 4.1 Atividade I...03 4.2 Atividade II...04 4.3 Atividade III...05 5 Responsabilidades...06

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Definição do Escopo Escopo O escopo do projeto define o que precisa ser feito. Isso se refere a todo o trabalho que deve ser realizado com a finalidade de produzir todas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1.2. QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DOS EMPREGADOS DESIGNADOS PARA O SERVIÇO

TERMO DE REFERÊNCIA 1.2. QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DOS EMPREGADOS DESIGNADOS PARA O SERVIÇO TERMO DE REFERÊNCIA FONTE DE RECURSO: CONVÊNIO 4500023751 CENTRO DE CUSTOS: 1060815 FONTE: 000121 NATUREZA DE GASTO: 68 OBJETO: Suporte técnico em Ambientes Virtuais de Aprendizagem Moodle; OBJETIVO GERAL:

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Monteiro Wilma Marques de Oliveira Silvia Helena Correia Vidal Denise Andrade Araújo Wilma Marques de Oliveira HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

SITE - INFORMAÇÕES DE FRANQUIA

SITE - INFORMAÇÕES DE FRANQUIA SITE - INFORMAÇÕES DE FRANQUIA PROJETO As lojas Havaianas foram idealizadas para oferecer aos consumidores uma experiência completa com a marca. O modelo de franquia foi adotado porque acreditamos que

Leia mais

SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS

SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS SANTA MARIA FATECIENS 2008 Este manual tem por finalidade apresentar as especificações detalhadas da aplicação de Cadastro de Funcionários,

Leia mais

Capacitação. Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD

Capacitação. Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD Capacitação Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD Introdução Referencial legal Conceitos básicos da sistemática de avaliação de desempenho Objetivos e benefícios da avaliação de desempenho Quem está

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Ponto de Vista da Mercer A avaliação 360 é um elemento vital para o desenvolvimento da liderança e planejamento de talentos Identifica pontos fortes e áreas de desenvolvimento

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online PSICOPEDAGOGIA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na Modalidade

Leia mais

Impresso em 28/08/2015 13:38:28 (Sem título)

Impresso em 28/08/2015 13:38:28 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 17/09/2014 Verificado por Mercio Sobrinho em 17/09/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 18/09/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerências da ESJUD Aprovado por: Escola do Poder Judiciário 1 OBJETIVO Estabelecer as diretrizes que norteiam a capacitação no

Leia mais

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA FICHA DE INSCRIÇÃO 8 ª EDIÇÃO Prefeitura Municipal de Nome do(a) Prefeito(a) Endereço CEP UF Telefone Fax E-mail Responsável pelas informações (nome e

Leia mais

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL APROVADA na 15ª reunião do Conselho Superior realizada em 12/04/2004 REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL Art. 1º - O presente texto institucionaliza e regulamenta as atividades

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS Aprovado através da Resolução nº 06/CMS/2010, de 09 de março de 2010, Ananindeua PA Capítulo I DO CADASTRAMENTO

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. 11 4963-5400 / 11 4963-6242 www.gruposec.com.br

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. 11 4963-5400 / 11 4963-6242 www.gruposec.com.br APRESENTAÇÃO COMERCIAL Porque o GrupoSec? Grande parte do combustível das empresas são os seus colaboradores. Para contratá-los e mantê-los treinados e eficientes é trabalhoso e custa caro? E se dissermos

Leia mais

EDITAL PPGMPEP/UFRGS 001/2015

EDITAL PPGMPEP/UFRGS 001/2015 EDITAL PPGMPEP/UFRGS 001/2015 O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO torna público que receberá inscrições de candidatos ao processo seletivo para o nível de Mestrado

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 008 2014. OBJETO: Credenciamento de Examinadores

ATO CONVOCATÓRIO 008 2014. OBJETO: Credenciamento de Examinadores ATO CONVOCATÓRIO 008 2014 OBJETO: Credenciamento de Examinadores O INSTITUTO QUALIDADE MINAS, pessoa jurídica de Direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de

Leia mais

DIRETORIA EXECUTIVA DE GENTE E GESTÃO II PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS DE IES REGULAMENTO

DIRETORIA EXECUTIVA DE GENTE E GESTÃO II PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS DE IES REGULAMENTO DIRETORIA EXECUTIVA DE GENTE E GESTÃO II PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS DE IES REGULAMENTO 1. Das disposições preliminares O Programa de Especialização em Gestão de Negócios em Instituição

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS 1. Objetivo POP-L02 Página 1 de 12 Estabelecer as diretrizes para o controle de todos documentos e dados do Sistema de Gestão da Qualidade, de modo a garantir a rastreabilidade e padronização dos processos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO INTERNO Nº 03/2013

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO INTERNO Nº 03/2013 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO INTERNO Nº 03/2013 A Diretora de Recursos Humanos do Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde IABAS, no uso das atribuições conferidas pela Legislação em vigor, considerando

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2014 CEAD-UNB

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2014 CEAD-UNB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2014 CEAD-UNB A Diretora do Centro de Educação a Distância da Universidade de

Leia mais

MBA EM GESTÃO PÚBLICA

MBA EM GESTÃO PÚBLICA EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO PÚBLICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL Nº 35/2013 SELEÇÃO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO RESERVA DE TÉCNICOS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL

EDITAL Nº 35/2013 SELEÇÃO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO RESERVA DE TÉCNICOS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL EDITAL Nº 35/2013 SELEÇÃO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO RESERVA DE TÉCNICOS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL O Instituto Agropolos do Ceará, CNPJ 04.867.567/0001-10, torna

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

Resumo Gestão de Pessoas por Competências

Resumo Gestão de Pessoas por Competências Resumo Gestão de Pessoas por Competências A coordenação técnica e acompanhamento especializado para a realização do projeto são realizados pela consultora e professora Sonia Goulart, da SG Educação Empresarial.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 086/2012

REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 086/2012 REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 086/2012 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) comunica a realização de Processo Seletivo nº. 086/2012 sob contratação em regime CLT (Consolidação das

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NA PEQUENA E MÉDIA EMPRESA. PÚBLICO ALVO - Técnicos, Tecnólogos e Engenheiros ligados a Micro, Pequena e Média Empresa.

ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NA PEQUENA E MÉDIA EMPRESA. PÚBLICO ALVO - Técnicos, Tecnólogos e Engenheiros ligados a Micro, Pequena e Média Empresa. ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NA PEQUENA E MÉDIA EMPRESA São Paulo, 07 a 10 de maio PÚBLICO ALVO - Técnicos, Tecnólogos e Engenheiros ligados a Micro, Pequena e Média Empresa. OBJETIVO As pequenas, micro e

Leia mais

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Versão 5.0 dezembro 2010 Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Sumário 1. Objetivos 2. Conceitos 3. Referências 4. Princípios 5. Diretrizes

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE ASTRONOMIA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2016 CBAt

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2016 CBAt EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2016 CBAt A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CBAt, associação civil de natureza desportiva, sem fins econômicos, com sede na Rua Jorge Chammas, 310, Vila

Leia mais

EDITAL PROPP Nº 143, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014.

EDITAL PROPP Nº 143, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. EDITAL PROPP Nº 143, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. O PRÓ-REITOR DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO, da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições, torna pública a abertura

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR. Suporte: SISTEMA DE GESTÃO EDUCACIONAL VIRTUALCLASS. EMAIL: suporte@virtualclass.com.br Skype: suportetisoebras

MANUAL DO PROFESSOR. Suporte: SISTEMA DE GESTÃO EDUCACIONAL VIRTUALCLASS. EMAIL: suporte@virtualclass.com.br Skype: suportetisoebras SISTEMA DE GESTÃO EDUCACIONAL VIRTUALCLASS MANUAL DO PROFESSOR Suporte: EMAIL: suporte@virtualclass.com.br Skype: suportetisoebras Nas unidades: Departamento de Tecnologia e Informação DTI Responsáveis

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

Manual de Noções Básicas de Cobrança

Manual de Noções Básicas de Cobrança Este manual tem como finalidade explicar o que é uma cobrança através de boleto bancário, o que a constitui e outras informações pertinentes a mesma. Para maiores informações entre em contato com o gerente

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES Fluxo e Detalhamento

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES Fluxo e Detalhamento CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES Fluxo e Detalhamento ICSS 2013 1 2 Índice 1 FLUXO DO PROCESO DE CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA... 4 2 DETALHAMENTO DO

Leia mais

Versão 1.0 2013 Todos os direitos reservados. www.jordaoengenharia.com.br

Versão 1.0 2013 Todos os direitos reservados. www.jordaoengenharia.com.br Versão 1.0 2013 Todos os direitos reservados. www.jordaoengenharia.com.br O Programa de P&D da Aneel foi instituído pela Aneel em 1999, e posteriormente foi regulamentado pela Lei 9.991 de 2000, tendo

Leia mais

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL SECRETARIA DE NAVEGAÇÃO AÉREA CIVIL Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR EDITAL Nº 04/2016 SENAV/SAC-PR A Secretaria de Navegação

Leia mais