Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas"

Transcrição

1 Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte, Campo Grande MS 1. INTRODUÇÃO A pastagem é a base da pecuária de corte e leite e, portanto, deve apresentar alta produtividade, valor nutricional, palatabilidade e longevidade. Assim, deve-se promover o manejo adequado para evitar a degradação das pastagens. Em caso de degradação, deve-se adotar alguns procedimentos e técnicas para recuperação ou renovação das mesmas, como alternativas mais sustentáveis. Define-se como pastagem degradada, aquela que está produzindo abaixo de 50% do seu potencial produtivo em relação às condições edafoclimáticas do local onde foi implantada e da espécie ou cultivar da forrageira utilizada. A degradação das pastagens é um dos maiores problemas da pecuária brasileira, afetando diretamente a sustentabilidade do sistema produtivo. O problema torna-se evidente quando, por exemplo, consideram-se as fases de recria e engorda de bovinos de corte, nas quais a produtividade de carne de uma pastagem degradada está em torno de 3 arrobas/ha/ano, enquanto que numa pastagem em bom estado pode-se atingir, em média, 16 arrobas/ha/ano. De forma geral, estima-se que cerca de 80% dos 117 milhões de hectares de pastagens cultivadas no Brasil (IBGE, 2006) apresentem algum estágio de degradação. As pastagens degradadas, além de produzirem forragem em pouca quantidade e de baixo valor nutricional, durante o período seco, são as primeiras a diminuírem a produção e as últimas a reiniciarem o crescimento, potencializando ainda mais a falta de forragem nesta época do ano. 1

2 A falta de forragem para a alimentação dos animais durante algum período do ano afeta a produção pecuária, promovendo perdas sucessivas e resultando em uma pecuária de ciclo longo, com baixa produção de carne de baixa qualidade e, consequentemente, um sistema com baixa rentabilidade. Estima-se que apenas 10% do total de animais abatidos são precoces, com idade de abate de até 32 meses, sendo que o restante (90%) sofre restrição alimentar em alguma fase da vida. A grande maioria das pastagens é implantada inadequadamente, além de mal manejada e explorada de forma extrativista, favorecendo o início do processo de degradação. Como principais fatores envolvidos na degradação das pastagens, destacam-se: a) Espécies ou cultivares de forrageiras inadequadas às condições de clima, solo e nível tecnológico adotado; b) Uso de semente de baixa qualidade e de taxa de semeadura insuficiente; c) Preparo de solo e técnica de plantio/semeadura inadequada; d) Ausência de práticas conservacionistas, o que leva à erosão do solo; e) Falta de fertilização na formação e na manutenção das pastagens; f) Manejo inadequado da carga animal; g) Ausência de práticas de prevenção e controle de pragas, doenças e invasoras. Para a exploração de uma pecuária de corte de forma sustentável, a recuperação das pastagens, em algum momento, torna-se inevitável. Existem duas grandes alternativas para recuperação ou renovação das pastagens, sendo diretamente ou por meio de sistemas integrados de produção, ou seja, utilizando a integração lavoura-pecuária (ilp) ou a integração lavoura-pecuária-floresta (ilpf). Os sistemas de ilpf consistem na produção de carne, leite, grãos, fibras, energia e madeira, em consórcio, sucessão ou rotação na mesma área, buscando efeitos sinérgicos, potencializadores ou complementares, visando a sustentabilidade do agronegócio. Portanto, a utilização desses sistemas, nas 2

3 situações em que é possível a sua adoção, passa a ser de grande importância para a recuperação de áreas degradadas, tanto de pastagens como de lavouras. A recuperação das pastagens diretamente é recomendada quando o diagnóstico das condições edafoclimáticas, de infra-estrutura, de mão-de-obra e financeiras do sistema de produção não forem favoráveis para adotar-se sistemas de ilp, sendo que, neste caso, todos os custos do investimento com a recuperação são amortizados pela produção animal, com menor rentabilidade. Entretanto, a recuperação das pastagens, por meio da ilp, é recomendada quando o diagnóstico for favorável para a produção de grãos, fibra, energia, entre outras. Neste sistema, grande parte dos investimentos para a recuperação das pastagens é amortizada pela produção das lavouras. Com a introdução dos sistemas de ilp, além da intensificação e maior eficiência do uso da terra, são gerados benefícios ao meio ambiente, tais como: preservação da vegetação nativa e maior seqüestro de carbono, aumento da matéria orgânica do solo e redução da erosão, além de melhoria das condições microclimáticas e do bem-estar animal. Quanto aos benefícios econômicos gerados pela diversificação do sistema de produção, destacam-se: a redução dos custos de produção, aumento de produtividade e a diminuição do risco inerente à agropecuária. A produtividade de carne de uma pastagem recuperada com ilp pode atingir cerca de 30 arrobas de carne/ha/ano, quando são consideradas somente as fases de recria e engorda de bovinos. 2. PRODUÇÃO DE CARNE BRASILEIRA E SEU POTENCIAL O Brasil possui, atualmente, um rebanho de 176,6 milhões de bovinos (ANUALPEC, 2010) e uma área de 190 milhões de hectares com pastagens (IBGE, 2006), sendo 117 milhões de hectares com pastagens cultivadas e 73 milhões de hectares com pastagens nativas. A lotação média é de 0,93 animal/ha/ano, com uma produção total de carne de 3

4 7,8 milhões de toneladas, resultando em uma produtividade de apenas 41 kg de carne/ha/ano ou 44 kg de carne/animal/ano, que corresponde a 88 kg de peso vivo por animal/ano e um ganho médio de 241 g/animal/dia. O potencial de produtividade da pecuária de corte na ilp, em ciclo completo (Tabela 1), cria, recria e engorda, considerando-se uma lotação de 3,0 animais/ha/ano e produtividade de 230 kg de carne/ha/ano ou 76,6 kg de carne/animal/ano, que corresponde a um ganho médio diário de 420 g/animal/dia, ou seja, um aumento na produtividade de 5,47 vezes a média atual. Tabela 1. Índices zootécnicos médios da pecuária de corte em pastagem degradada comparada com pastagem recuperada com ilp Índices Pastagem degradada Pastagem recuperada com ilp Natalidade 60% 85% Mortalidade até a desmama 8% 2,7% Taxa de desmama 54% 80% Peso na desmama Mortalidade pós-desmama 4% 1% Idade à 1 a cria 4 anos 2 anos Intervalo entre partos 21 meses 12 meses Idade de abate 4,0 anos 1,5 ano Taxa de abate ou desfrute 17% 40% Lotação 0,9 animal/ha 3,0 animais/ha Ganho PV/animal/dia 246 g 420 g Ganho PV/animal/ano 90 kg 153 kg 4

5 Produção de carne/ha/ano 42 kg 230 kg Ciclo da Pecuária Tardia Precoce Qualidade de carne Baixa Alta Rentabilidade Baixa Alta Fonte: Adaptado de Kichel & Kichel (2002). Com a ilp, na fase de recria e engorda, é possível aumentar a lotação para 4 a 5 animais/ha, média ano, produtividade de 450 kg de carne/ha/ano ou 30 arrobas/ha/ano. Isto equivale a 110 kg de carne/animal/ano ou 220 kg de peso vivo por animal/ano, correspondendo a um ganho médio de 600 g/animal/dia. Estes ganhos de peso vivo podem variar, tanto pela espécie ou cultivar da forrageira (Tabela 2), quanto em decorrência da genética, sanidade e suplementação animal, condições climáticas, manejo das pastagens, fertilidade do solo e nível de adubação das pastagens, dentre outros. Tabela 2. Estimativa do potencial de desempenho animal, em ganho médio diário de peso vivo (GMD), proporcionado pelas principais forrageiras perenes e anuais, utilizando animais de recria e engorda, sem considerar o ganho compensatório, com boa oferta de forragem durante todos os dias do ano Forrageira GMD (g) Brachiaria humidicola 400 B. decumbens 480 B. brizantha cv. Xaraés 480 B. brizantha cv. Marandu 500 B. brizantha cv. Piatã 550 5

6 Andropógon 550 Massai 600 Tanzânia 700 Mombaça 700 Tifton 750 Sorgo forrageiro/pastejo 900 Milheto 950 Aveia e Azevém Com adoção das tecnologias disponíveis e qualificação da mão-de-obra em todos os níveis da pecuária de corte, pode-se obter um grande aumento na produção nacional de carne bovina. Na Tabela 3, seguem exemplos de sistemas de produção e seus respectivos índices zootécnicos. Tabela 3. Produtividade de sistemas de produção de carne de ciclo completo, em relação à taxa de lotação, taxa de desfrute e produtividade de carne (kg/ha/ano) Sistema Lotação (cab/ha) Taxa de Produtividade desfrute (%) (k (kg/ha/ano) 1. Pastagem degradada 0, Pastagem melhorada 1, Pastagem intensiva 2, Suplementos 2, Confinamento 2, Integração ilp 3,

7 7. 6+Recria e engorda 5, Pastagem irrigada 9, Como exemplo, considerando-se a meta brasileira assumida na COP-15, em 2009, de aumentar a área com sistemas de ilpf em 4,0 milhões de hectares, até 2020, como estratégia de recuperação de pastagens degradadas, sendo que 50% da área ficaria disponível para pastagem e os outros 50% para lavoura, anualmente; esses sistemas contariam com pecuária de corte em ciclo completo de cria, recria e engorda, em pastagem recuperada com o cultivo da soja e, admitindo-se uma produtividade de carne de 230 kg/ha/ano, poderia-se atingir uma produção anual de t, ou seja, cerca de 283% a mais de carne do que a mesma área com pastagem degradada (30 kg de carne/ha/ano) e ainda liberando 2 milhões de hectares para a produção de grãos, sem a necessidade de abertura de novas áreas. É importante ressaltar que apenas uma pequena proporção do rebanho de corte está em áreas de pastagens com razoável reposição de nutrientes. Uma proporção menor ainda recebe alguma suplementação alimentar para terminação. Verifica-se então, que cerca de 90% dos animais abatidos são criados exclusivamente em pasto ou com uma pequena suplementação em períodos críticos, com idade de abate entre 36 e 50 meses. Antes de qualquer tomada de decisão para escolher o melhor sistema de produção ou tecnologia a ser adotada, deve-se realizar um bom diagnóstico da propriedade. 3. DIAGNÓSTICO DA PROPRIEDADE Segundo Kichel et al. (2010), o diagnóstico da propriedade engloba a identificação detalhada da fazenda, sua área total, localização, clima predominante, tipo(s) de solo, infra-estrutura, capacidade de transporte e logística, insumos, mão-de-obra, sistema de produção atual e tecnologias 7

8 adotadas, tipos de culturas e animais, produtividades, custos de produção e rentabilidade. Deve-se levar em conta a aptidão natural da propriedade em relação aos sistemas de produção predominantes na região. Para a pecuária de corte e leite existente (cria, recria ou engorda), deve-se observar o potencial genético do rebanho, os manejos adotados (reprodutivo, sanitário e nutricional), os índices zootécnicos médios obtidos, os custos médios de produção (kg de peso vivo ou carne), a quantidade de animais por categoria, e a lotação das pastagens, em animais e UA/ha/ano. Quanto às pastagens existentes, deve-se registrar as tecnologias utilizadas na formação, recuperação e/ou renovação de pastagens, o número e tamanho das divisões, o sistema de pastejo utilizado (contínuo, alternado ou rotacionado), a altura de pastejo adotada, a distribuição de aguadas, principais pragas e controles, principais invasoras e controle, topografia e tipo de solo, suscetibilidade à erosão e controle, uso de leguminosas, idade e períodos de exploração das pastagens, áreas degradadas, áreas em degradação e áreas em bom estado. 4. RECUPERAÇÃO E RENOVAÇÃO DE PASTAGENS Recuperar uma pastagem consiste no restabelecimento da produção de forragem de acordo com o interesse econômico, mantendo-se a mesma espécie ou cultivar. Renovar uma pastagem consiste no restabelecimento da produção da forragem com a introdução de uma nova espécie ou cultivar, em substituição àquela que está degradada. As técnicas agronômicas desenvolvidas para a recuperação e renovação das pastagens objetivam o restabelecimento da biomassa das plantas em um período de tempo determinado, com custo econômico viável para o produtor. A análise de solo é de fundamental importância, tanto para a implantação de uma pastagem como para uma cultura anual, porque por intermédio dela pode- 8

9 se conhecer o grau de deficiência ou desequilíbrio de nutrientes essenciais ao desenvolvimento de cada cultura. Conhecidas as quantidades de nutrientes no solo e as exigências nutricionais da cultura, para alcançar uma produtividade desejada, podem ser adicionados os insumos (calcário, adubos) nas quantidades necessárias, para se obter uma produtividade mais econômica, tanto para fins de correção como de manutenção. Também, em função da análise de solo, pode-se escolher a espécie ou espécies mais produtivas a serem mantidas ou trocadas. De forma geral, podem ser divididos em dois os sistemas de recuperação e renovação de pastagens, quais sejam: recuperação ou renovação com o uso de agricultura, ou seja, integração lavoura-pecuária, e recuperação ou renovação direta da pastagem. Neste trabalho será abordada somente a integração lavourapecuária Sistemas de recuperação e renovação de pastagens com a integração lavoura-pecuária (ilp) Não existe o melhor sistema de ilp e sim as melhores condições para a adoção de certo sistema de ilp, que é determinado pelo diagnóstico realizado na região e na propriedade, de acordo com os objetivos do proprietário e da disponibilidade e qualificação da mão-de-obra nos níveis gerencial e operacional. O tempo de exploração da lavoura ou pecuária vai depender do sistema de ilp adotado, podendo-se utilizar a pecuária por um mês até cinco anos e retornar novamente com a lavoura, utilizando a mesma por cinco meses a cinco anos e assim sucessivamente. Em regiões com clima e solo favoráveis para a lavoura de grãos, pode-se utilizar a pecuária por seis meses a um ano e a lavoura, por dois a cinco anos. Os objetivos do uso da pastagem são: rotação de culturas, aumentar a produção de palhada para o plantio direto, redução de pragas, de doenças e de riscos climáticos. Em regiões com clima e solo desfavoráveis para as lavouras de grãos, deve-se utilizar a lavoura por um ano e a pecuária por dois a cinco anos. Nesse 9

10 caso, as lavouras de grãos têm por principal objetivo, recuperar as pastagens degradadas, aumentando a produtividade e a qualidade das forrageiras e potencializando a produtividade e a lucratividade da pecuária. Algumas alternativas são: a) Recuperação ou renovação da pastagem com plantio de lavoura em monocultivo por um ou mais anos e, após, implantação do pasto na safra ou safrinha, em monocultivo ou consorciado. b) Plantio consorciado das lavouras de grãos com forrageiras na safra ou safrinha. c) Exploração das pastagens por um ou mais anos e retorno com lavoura de grãos Benefícios esperados com o uso da ilp Esperam-se benefícios de ordem econômica, ambiental, social e agronômica/zootécnica com a implantação da tecnologia de ilp, tais como: a) Incremento anual, com menor custo, na produção de grãos e produtos de origem animal, sem a incorporação de novas áreas e desmatamento, particularmente, no Cerrado e no bioma Amazônico. b) Aumento da competitividade da carne bovina no mercado nacional e internacional, com produção, a pasto, de carcaças de melhor qualidade. c) Aumento da produtividade de grãos, carne, leite e fibras, especialmente, pelos integrantes das pequenas e médias propriedades rurais. d) Recuperação do solo com custos mais baixos, uma vez que o lucro obtido com a cultura amortiza os gastos da recuperação da pastagem. e) Facilidade de renovação da pastagem: em geral, nos plantios de culturas anuais, o preparo do solo é mais intensivo, com o uso de herbicidas, proporcionando uma redução no potencial de sementes 10

11 de invasoras no solo, possibilitando a troca de espécie forrageira, principalmente, entre as espécies de Brachiaria. f) Melhoria nas propriedades físicas, químicas e biológicas do solo: com a rotação de lavoura e pecuária, evitando-se a monocultura, eliminam-se camadas compactadas de solo, adoção de práticas de conservação do solo, bem como a incorporação de resíduos animais (principalmente esterco), raízes e palhadas dos cereais e da forrageira, estimulando a vida do solo pela adição de material orgânico. g) Redução de pragas e doenças, pela quebra dos seus ciclos, bem como redução da infestação de plantas invasoras e, consequentemente, reduzindo o uso de agrotóxicos. h) Aproveitamento de adubo residual: parte do fertilizante aplicado à lavoura permanece no solo sendo, depois, aproveitado pela pastagem. i) Maior eficiência na utilização de máquinas, equipamentos e mãode-obra na fazenda, com otimização do uso por um maior período de tempo no ano. j) Diversificação do sistema produtivo (pastagens e cultivos): a empresa pode utilizar tanto as fases de cria, recria e engorda, como a produção de grãos, propiciando maiores garantias contra os riscos climáticos e flutuações de mercado. k) Fixação do homem no campo, tanto pela necessidade de mão-deobra como pela melhoria da renda do produtor e produtividade do trabalho, aumentando a oferta de emprego. l) Inserção social pela geração de trabalho, renda e estímulo à qualificação profissional. m) Melhoria na qualidade de vida do produtor e de sua família. 11

12 n) Aumento da produtividade do negócio agropecuário, tornando o sistema sustentável em todos os seus termos, econômico, social e ambiental Principais requisitos para adoção da ilp Identificam-se duas situações distintas para a implantação da ilp, aquela em que a agricultura é introduzida nas áreas de pastagens e aquela em que a pecuária é introduzida nas áreas de lavouras de grãos Introdução de agricultura em áreas de pastagens Para a produção de grãos em áreas de pastagens, considerando-se que esta é uma atividade de maior risco e requer uma maior especialização por parte dos produtores, os principais requisitos são: a) Solos favoráveis para a produção de grãos, em áreas de clima propício. b) Infra-estrutura mínima para a produção de grãos: máquinas, equipamentos e instalações. c) Acesso à entrada de insumos, escoamento de produtos e capacidade de armazenamento. d) Recursos financeiros para os investimentos na produção. e) Domínio da tecnologia requerida para a produção. f) Assistência técnica. g) Possibilidade de arrendamento da terra ou de parceria com produtores tradicionais de grãos. No caso do emprego de lavouras para recuperação e renovação de pastagens, os custos podem, em anos normais, serem amortizados total ou parcialmente, já no primeiro ano de cultivo. Redução na quantidade de insumos, nas operações de preparo e conservação do solo, e, a partir do segundo ano, possibilita, também, obter margens positivas. 12

13 Introdução de pecuária em áreas de lavouras de grãos Para a produção pecuária em áreas de lavoura de grãos, os principais requisitos são: a) Infra-estrutura mínima para pecuária: pastagens, curral, cercas, cochos, aguadas e outros. b) Recursos financeiros para os investimentos na atividade. c) Domínio das tecnologias requeridas para o sistema. d) Assistência técnica. e) Possibilidade de arrendamento da terra e/ou parceria com produtores tradicionais de pecuária de corte. f) Disponibilidade de animais na região. A exploração intensiva da atividade de pecuária de corte, principalmente, na recria e engorda de animais cruzados, em solos corrigidos, com manejo sanitário e nutricional adequados, poderá apresentar maior rentabilidade, com menor risco, quando comparada com a produção de soja, milho, feijão, arroz, sorgo e outras Pontos importantes a serem considerados na ilp Espécies/cultivares mais indicadas para a produção de grãos em ilp Utilizar as espécies/cultivares de ciclo precoce a médio, principalmente, quando consorciadas com as forrageiras tropicais, possibilitando a implantação de lavouras ou pastagens em safrinha Espécies/cultivares de forrageiras perenes mais indicadas para a integração lavoura-pasto Tem por objetivo principal a rotação de culturas e a produção de palhada para o plantio direto. As mais indicadas são: Brachiaria ruziziensis, Brachiaria decumbens, Brachiaria brizantha cv. Marandu e B. brizantha cv. Piatã. 13

14 Espécies/cultivares de forrageiras perenes mais indicadas para a ilp Tem por objetivo principal a produção de carne e leite, a rotação de culturas e produção de palhada para o plantio direto. As mais indicadas são: Brachiaria brizantha cvs. Piatã, Xaraés e Maradu; Brachiaria ruziziensis; Panicum sp. cvs. Massai,Tanzânia, Aruana e Mombaça Qualidade e quantidade de sementes de forrageira para a ilp Deve-se utilizar semente de melhor qualidade, com alta pureza e germinação, baixa dormência e, de preferência, tratadas com fungicida e inseticida. A taxa de semeadura a ser utilizada depende dos seguintes fatores: espécie ou cultivar, objetivo de utilização, condições de clima, solo, ocorrência de pragas e invasoras, equipamento disponível e sistema de plantio. De modo geral, deve-se aumentar a taxa de semeadura em 20 a 40% para semeadura na safra e aumentar de 40 a 60 %, na safrinha, onde os riscos climáticos são maiores. O aumento da taxa de semeadura tem como objetivo garantir um estabelecimento mais uniforme. Para a pecuária, proporciona maior produtividade de forragem, antecipa a utilização pelos animais, favorecendo uma maior produtividade de carne e leite. Para a lavoura subsequente, uma boa formação da pastagem favorece a cobertura do solo mais uniforme, minimiza a formação de touceiras, facilitando o processo de dessecação e de plantio direto da cultura (ALMEIDA et al., 2009) Manejo da pastagem O manejo das pastagens adotado em sistemas tradicionais visa, além da produtividade, a longevidade das mesmas. Na ilp, o manejo deve ser mais intensivo, pois ávida útil da pastagem é menor, em decorrência da rotação com a lavoura. Assim, os solos apresentam maior fertilidade e o potencial de produção forrageiro é maior, podendo-se reduzir a altura de pastejo e os dias de descanso. Está prática estimula um maior perfilhamento das plantas, minimizando a formação de grandes touceiras e aumentando o ganho animal. 14

15 4.3. Sistemas de produção da pecuária bovina em ilp Em propriedades que adotam a ilp, os sistemas mais indicados são: recria e engorda, produção de leite, dupla aptidão e produção de matrizes e reprodutores Desempenho bioeconômico de um sistema de ilp realizado na Embrapa Gado de Corte, em Campo Grande-MS Na Tabela 4 é apresentado um sistema de ilp desenvolvido na Embrapa Gado de Corte, no período de outubro de 2006 a setembro de Esse sistema consiste em dividir a área da fazenda em quatro módulos, sendo que cada módulo é utilizado por 10 meses, com lavouras de grãos e 14 meses, com pastagens. Nos módulos com lavoura, 100% da área é cultivada com soja na safra (verão), sendo que, na safrinha (outonoinverno), metade dessa área é cultivada com milho consorciado com forrageiras e a outra metade, formada com pastagem das mesmas forrageiras. Nos módulos com pastagem, esta é utilizada durante todo ano. Assim, a área da fazenda ocupada com pastagens no inverno (julho a outubro) é de 100%, e no verão (outubro a março) é de 50%. As forrageiras utilizadas foram: capim-piatã, no 1º e 2º anos, e capim-mombaça, no 3º e 4º anos. A área onde foi realizado o experimento era utilizada com pastagem de Brachiaria decumbens, com produtividade média de na recria de bovinos. 15

16 Tabela 4. Produtividades de soja, milho e carne, obtidas no período de outubro de 2006 a setembro de 2010 Ano Out Out-2007 Out-2008 Out-2009 Set Set Set Set Setor Soja Soja Soja Soja ,1 66,2 46, , ,2 49, ,0 64, ,2-26,7 52, Total ,2 45,1 130,0 46,7 55,9 101,5 0, ,0 76 Os resultados médios obtidos de produtividade da cultura da soja, milho safrinha e carne, no período de outubro de 2006 a setembro de 2010 (Tabela 5) foram de: 58 sc/ha/ano, 37,7 sc/ha/ano e respectivamente. A pastagem foi utilizada para recria e engorda de bovinos, que entraram no experimento com peso vivo de 170 a 200 kg e, após um ano de pastejo, saíram da área com 370 a 400 kg de peso vivo médio, com ganho médio diário de 548 g/animal. A lotação média obtida nos quatro anos foi de 4,71 animais de recria e engorda/ha/ano ou 3,3 UA/ha/ano, a lotação máxima foi obtida no último ano com 5,7 animais/ha ou 4 UA/ha/ano Tabela 5. Produtividades de soja, carne e milho, obtidas no período de outubro de 2006 a setembro de 2010 Setor Soja (sc/ha) Carne Milho (sc/ha) 1 130,2 60,1 96, ,2 67, ,0 59, ,5 64,7 54,2 Média/ano 58,0 31,4 37,7 16

17 Na Tabela 6, são apresentados os resultados de rentabilidade do sistema de ilp conduzido na Embrapa Gado de Corte, sendo que foram utilizadas as produtividades médias de carne, soja e milho, obtidas em quatro anos de pesquisa. Em relação aos custos de produção e receita bruta do sistema, foram utilizados os valores obtidos no ano de 2009/2010. Para efeito de cálculo, foram utilizados os valores de mercado da arroba de carne, saca de soja e saca de milho, praticados no mês de setembro de 2010, por ocasião do encerramento do experimento. Para o sistema com pastagem degradada, foram obtidos dados médios da região. Tabela 6. Resultados obtidos em sistema de ilp conduzido na Embrapa Gado de Corte em comparação à pastagem degradada Atividade Receita Receita Produtividade Custo bruta líquida por ha/ano (R$/ha/ano) (R$/ha/ano) (R$/ha/ano) Soja 58 sc 1.200, ,00 970,00 Milho safrinha 37,7 sc 570,00 592,00 33,20 Pastagem com ilp 1.361, , ,00 Pastagem 280,00 360,00 80,00 degradada A receita líquida por atividade, obtida em uma fazenda que utiliza o sistema de ilp acima descrito, em uma área de ha, sendo que na safra, com 500 ha de lavoura de soja e 500 ha de pastagem, e na safrinha, com 250 ha com milho, 250 ha com pasto novo e 500 ha com pasto de 1 ano, seria de: 500 ha de soja x R$ 970,00 = R$ , ha milho safrinha x R$ 33,20 = R$ 8.300, ha de pastagem x R$ 1.464,00 = R$ ,00 A receita liquida total seria de R$ ,00 em ha de exploração com ilp, media anual de R$ 1.225,30/ha, sendo que a rentabilidade da lavoura de grãos seria de R$ 986,60/ha/ano e da pecuária de corte, de R$ 1.464,00/ha/ano. 17

18 Para cada R$ 1,00 de receita líquida obtida com a cultura da soja, a pecuária de corte proporcionou R$ 1,50 com a recria e engorda de animais. Os animais foram abatidos aos dois anos de idade, com 60 dias de confinamento, sendo que em sistemas extensivos os mesmos são abatidos, em média, com quatro anos de idade. No sistema de ilp, pode-se aumentar a produtividade em 7,85 vezes ou 685% e a lucratividade em 18,3 vezes ou 1.730%, com redução no uso de pesticidas, tanto para as lavouras quanto para a pecuária de corte. Além da alta produtividade e qualidade da carne, o sistema permite reduzir a emissão de gases de efeito estufa por kg de carne, aumentando os níveis de matéria orgânica no solo, mostrando ser um sistema altamente sustentável. 18

19 5. BIBLIOGRAFIA I SIMBOV I Simpósio Matogrossense de bovinocultura de corte ALMEIDA, R.G.; COSTA, J.A.A.; KICHEL, A.N.; ZIMMER, A.H. Taxas e métodos de semeadura de capim-piatã em safrinha. Campo Grande: Embrapa Gado de Corte, p. (Comunicado Técnico, 113). ANUALPEC. Anuário da pecuária brasileira São Paulo: AgraFNP, p. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo agropecuário: tabela 559, número de estabelecimentos e área dos estabelecimentos agropecuários por utilização das terras, primeiros resultados de 2006, pastagens. [2006]. Disponível em: < Acessado em: 30 abr KICHEL, A. N. A soja no sistema integração agricultura x pecuária. In: CONGRESSO DE TECNOLOGIA E COMPETITIVIDADE DA SOJA NO MERCADO GLOBAL, 2000, Cuiabá. Anais... Cuiabá: Fundação MT, p KICHEL, A. N.; ALMEIDA, R. G.; COSTA, J. A. A.; ZIMMER, A. H. Diagnóstico da propriedade e implantação de sistemas de ILP. In: ENCONTRO DE PLANTIO DIRETO NO CERRADO, 10., 2009, Dourados. Anais... Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste; APDC, p CD-ROM. KICHEL, A. N.; KICHEL, A. G. Sistemas extensivos e intensivos de produção de carne. In: SIMPÓSIO DE PECUÁRIA: Novos Conceitos na Produção Bovina, 2., 2002, Lavras. Anais... Lavras: NEPEC/UFLA, p KICHEL, A. N.; MIRANDA, C. H. B. Integração agro-pecuária em sistema plantio direto. In: ENCONTRO NACIONAL DE PLANTIO DIRETO NA PALHA, 9., 2004, Chapecó. Anais... Chapecó: FEBRAPDP, p KICHEL, A N.; MIRANDA, C. H. B. Sistemas de integração de pecuária e lavoura como formas de otimização do processo produtivo. Campo 19

20 Grande: Embrapa Gado de Corte, p. (Embrapa Gado de Corte. Comunicado Técnico, 74). KICHEL, A. N.; MIRANDA, C. H. B.; TAMBOSI, S. A. Produção de bovino de corte com integração agricultura x pecuária. In: SIMPÓSIO DE FORRAGICULTURA E PASTAGEM, 1., 2000, Lavras, MG. Anais... Lavras, MG: UFLA, p

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA: SUSTENTABILIDADE DA AGROPECUÁRIA

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA: SUSTENTABILIDADE DA AGROPECUÁRIA PROGRAMA DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA PARA A INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA Armindo Neivo Kichel Cesar Heraclides Behling Miranda INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA: SUSTENTABILIDADE DA AGROPECUÁRIA Ministério

Leia mais

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Ademir H. Zimmer Júlio Salton Armindo N. Kichel Engº. Agrsº. Pesquisadores Embrapa Gado de Corte e Agropecuária Oeste

Leia mais

Integração Lavoura- pecuária- Floresta = ilpf

Integração Lavoura- pecuária- Floresta = ilpf Integração Lavoura- pecuária- Floresta = ilpf O Futuro da Agropecuaria Brasileira Armindo Neivo Kichel. Eng.Agrônomo, M.Sc. Pesquisador da Embrapa Gado de Corte Bebedouro- SP, dia 21 de Setembro de 2012

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

Projeto Agrisus 1084-13

Projeto Agrisus 1084-13 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Projeto Agrisus 1084-13 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA OCUPADA COM SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA

Leia mais

Caracterização das Principais Modalidades de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária na Região Centro-Sul de Mato Grosso do Sul

Caracterização das Principais Modalidades de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária na Região Centro-Sul de Mato Grosso do Sul ISSN 1679-043X Dezembro, 2014 125 Caracterização das Principais Modalidades de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária na Região Centro-Sul de Mato Grosso do Sul ISSN 1679-043X Dezembro, 2014 Empresa

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

Adubaçã. ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens. (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems)

Adubaçã. ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens. (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems) Adubaçã ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems) Alberto C. de Campos Bernardi Pecuária brasileira: 220 milhões de hectares

Leia mais

artigos 92 Revista UFG / Dezembro 2012 / Ano XIII nº 13

artigos 92 Revista UFG / Dezembro 2012 / Ano XIII nº 13 artigos INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA: ALTERNATIVA PARA INTENSIFICAÇÃO DO USO DA TERRA Lourival Vilela 1, Geraldo B. Martha Jr 2, Robélio Leandro Marchão 3 1. Pesquisador da Embrapa Cerrados. E-mail:

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. VII Congresso

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ...

Quadro 1 Ganho de peso de novilhos (g / cab / d) em pastejo de forrageiras de acordo com a época do ano. ... ... ... Falar em suplementar bovinos de corte, com grãos, nas águas, normalmente é tido como antieconómico. No entanto, sabendo utilizar tal suplementação, é uma alternativa de manejo interessante que pode contribuir

Leia mais

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida XXIII FÓRUM ABAG INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA Maringá, 18 de maio de 2012. João Kluthcouski joaok@cnpaf.embrapa.br Produtividade (kg ha -1 ) Evolução da

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Júlio Cézar Pessanha Rangel Júnior Relatório de Viagem ao estado do Mato Grosso do Sul Relatório de visitas à Embrapa Gado de Corte e propriedades da região Uberlândia

Leia mais

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Universidade de São S o Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Zootecnia Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Prof. Dr. Moacyr Corsi Eng Agro.

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

(67) 3471-1173 / (67) 9643-1999 e-mail: agro.neri@hotmail.com

(67) 3471-1173 / (67) 9643-1999 e-mail: agro.neri@hotmail.com Inscrição CNPJ.: 18.603.382/0001-03 - Inscrição Estadual: 28.389.383-4 VIABILIDADE DE IRRIGAÇÃO X BOVINOCULTURA DE CORTE A distribuição de água de maneira artificial em pastagens por meio de irrigação

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

Gestão de propriedades rurais

Gestão de propriedades rurais Gestão de propriedades rurais Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT Gestão e Planejamento A gestão empresarial

Leia mais

ILPF. Integração Lavoura-Pecuária-Floresta. Experiências da Embrapa Agrossilvopastoril

ILPF. Integração Lavoura-Pecuária-Floresta. Experiências da Embrapa Agrossilvopastoril ILPF Integração Lavoura-Pecuária-Floresta Experiências da Embrapa Agrossilvopastoril Maurel Behling Eng.º Agr.º, D. Sc. Solos em Nutrição de Plantas Pesquisador Sistemas Integrados de Produção Tópicos

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola Primeiro e Pecuário Relatório de Avaliação Nacional PAP 2013/2014 sobre Mudanças Climáticas ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Nelson

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso Leitõezinhos se alimentam na mãe até os 22 dias de idade, quando seguem para engorda Diversificação, sustentabilidade e dinheiro no bolso Cooperativa em São Gabriel do Oeste, MS, tem faturamento quatro

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui.

bovinos de corte A resposta para o X da sua questão está aqui. bovinos de corte A resposta para o da sua questão está aqui. índice Linha Campo Linha PSAI Linha Branca Linha Araguaia Núcleos Rações Linha Phós Aditivos 6 11 12 16 17 21 24 26 2 A Premix está comprometida

Leia mais

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO 13º Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO José Eloir Denardin Embrapa Trigo AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO DENARDIN, 2012 CONFERÊNCIA DE ABERTURA OBJETIVOS

Leia mais

UNIVERISDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS DE CURITBANOS CURSO DE CIÊNCIAS RURAIS

UNIVERISDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS DE CURITBANOS CURSO DE CIÊNCIAS RURAIS UNIVERISDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS DE CURITBANOS CURSO DE CIÊNCIAS RURAIS ANÁLISE DE CUSTO DIFERENTES REGIMES ALIMENTARES DE BOVINOS DA RAÇA HEREFOD TERMINADOS EM SISTEMA DE CONFINAMENTO E SEMI-CONFINAMENTO

Leia mais

Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens

Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens PARANÁ 71 municípios 27 extensionistas 306 propriedades assistidas SANTA CATARINA 16 municípios 04

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas Seminário de Avaliação de Impacto sobre as Adaptações da Agricultura Dakar, 26 a 29 de abril de 2011 Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas KLEBER SANTOS Brasília, 27 de abril de 2011

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL JOÃO GARIBALDI ALMEIDA VIANA; VICENTE C. P. SILVEIRA; ADRIANA FERREIRA VARGAS; UFSM SANTA MARIA - RS - BRASIL joaogaribaldi@brturbo.com.br

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica Sistemas de Produção Cenários para a Pecuária de Corte Amazônica Centro de Sensoriamento Remoto e Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Aliança da terra Virginia Tech Woods Hole

Leia mais

Experiência da Embrapa em avaliação de impactos da pesquisa agropecuária

Experiência da Embrapa em avaliação de impactos da pesquisa agropecuária Experiência da Embrapa em avaliação de impactos da pesquisa agropecuária Antonio Flavio Dias Avila INPE, São José dos Campos, 12 de julho de 2006 Avaliação dos impactos da pesquisa da Embrapa: multidimensionalidade

Leia mais

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas Moacyr Bernardino Dias-Filho Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA www.diasfilho.com.br Conceito

Leia mais

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Audiência Pública Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Cadeia produtiva do leite

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

Suplementação de Bovinos de corte

Suplementação de Bovinos de corte Suplementação de Bovinos de corte Leonardo de Oliveira Fernandes Professor da FAZU Pesquisador da EPAMIG leonardo@epamiguberaba.com.br FAZU/EPAMIG Brasil POTENCIAL DAS PASTAGENS 0,6 a 0,8 kg/bovino/dia

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este trabalho tem por objetivo apresentar indicadores

Leia mais

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014 Programa ABC Banco do Brasil Safra 2013/2014 Balanço da Safra 2012/2013 Plano Safra 2012/2013 Crédito Rural - Desembolsos R$ 61,5 bilhões CRESCIMENTO de 28% em relação à safra anterior R$ 6,5 bilhões acima

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

GRANJA FONTE NATAL. 1. Dados da Propriedade. 2. Histórico.

GRANJA FONTE NATAL. 1. Dados da Propriedade. 2. Histórico. GRANJA FONTE NATAL 1. Dados da Propriedade A pequena propriedade denominada Granja Fonte Natal está localizada na Depressão Central do Estado as margens da BR-290, Km. 272, no Município de Cachoeira do

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Dr. Guilherme Cunha Malafaia Embrapa Gado de Corte Estruturação do Debate A Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte e seus Agentes;

Leia mais

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA*

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* SENE. G. A. 1 ; JAYME. D. G.²; BARRETO. A. C. 2 ; FERNANDEZ. L. O. 3, OLIVEIRA. A. I. 4 ; BARBOSA. K. A.

Leia mais

BOI DE CICLO CURTO DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA. Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011

BOI DE CICLO CURTO DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA. Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011 DIA DE CAMPO ESTÂNCIA ANNA SOPHIA Baixada Cuiabana, 17 de junho de 2011 BOI DE CICLO CURTO Adilson de Paula Almeida Aguiar FAZU/CONSUPEC adilson@consupec.com.br (034) 3313-8316/(034) 9972-7838 INTRODUÇÃO

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE OVINOS E CAPRINOS NO BRASIL. Villarroel, A.B.S. 1, Souza, D.A. 2

PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE OVINOS E CAPRINOS NO BRASIL. Villarroel, A.B.S. 1, Souza, D.A. 2 PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE OVINOS E CAPRINOS NO BRASIL Villarroel, A.B.S. 1, Souza, D.A. 2 Introdução O objetivo deste trabalho é apresentar e discutir assuntos relacionados com sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo 103 Trigo no Brasil começa nos Cerrados Márcio Só e Silva Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo dos anos, tem procurado opções de culturas para melhorar, tanto agronomicamente quanto economicamente,

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Larissa Silva Melo 2, Ramon Costa Alvarenga 3. 1 Trabalho financiado pela

Leia mais

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos Saneamento Básico na Área Rural Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos MSc. Lilian F. de Almeida Martelli São Carlos, 30 de Outubro de 2013 BRASIL: o Celeiro do mundo Destaque na produção agrícola

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGROSSILVIPASTORIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa.

cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGROSSILVIPASTORIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa. Benefícios sócios cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGRSSILVIPASTRIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa.br PREMISSAS DE MANEJ DE FLRESTAS, APPS E RL Reflorestamentos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS Tomás Lérisson da Silva Augusto Hauber Gameiro 1. INTRODUÇÃO A semente forrageira tem amparo legal conforme a Lei n o 10.711, de 05 de agosto de 2003

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

ESTUDO BRA 2015. Estudo de Caso sobre os Projetos Pilotos de Boas Práticas Pecuárias no Cerrado e Pantanal

ESTUDO BRA 2015. Estudo de Caso sobre os Projetos Pilotos de Boas Práticas Pecuárias no Cerrado e Pantanal ESTUDO BRA 2015 Estudo de Caso sobre os Projetos Pilotos de Boas Práticas Pecuárias no Cerrado e Pantanal Organização Fabio Ramos Coordenação editorial e entrevistas Fabio Ramos Revisão de textos Thaís

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

Tecnologias para uma agricultura de baixa emissão de carbono Contextualização do Plano e Programa ABC

Tecnologias para uma agricultura de baixa emissão de carbono Contextualização do Plano e Programa ABC Tecnologias para uma agricultura de baixa emissão de carbono Contextualização do Plano e Programa ABC Paulo Roberto Galerani Eng. Agro Pesquisador Adaptado de: Luiz Adriano Maia Cordeiro Eng.Agr., D.S.,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Produção de Leite a Pasto

Produção de Leite a Pasto Produção de Leite a Pasto Levar o gado ao pasto e não o pasto ao gado Menor custo, redução da mão-de-obra Mais saúde para os animais Menor impacto ambiental Maior rentabilidade PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

Leia mais

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu.

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu. O Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) no Município de Ituiutaba MG Laíza Castro Brumano Viçoso Bolsista de IC/ FAPEMIG - Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: laizabrumano@hotmail.com

Leia mais