O que é uma empresa rural?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é uma empresa rural?"

Transcrição

1 Contabilidade Rural Prof. João Marcelo O que é uma empresa rural? É aquela que explora a capacidade produtiva do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agrícolas. Estas atividades podem ser divididas em: Produção vegetal atividade agrícola Produção animal atividade zootécnica Indústrias rurais atividade agroindustrial 1

2 Atividade Agrícola pode ser dividida em: Culturas hortícola e forrageira Cereais (feijão, milho, soja, arroz, etc.) Hortaliças (verduras, tomate, pimentão, etc.) Tubérculos (batata, mandioca, cenoura, etc.) Plantas oleaginosas (mamona, amendoim, etc.) Especiarias (cravo, canela, etc.) Fibras (algodão, pinho, etc.) Floricultura, forragens, plantas industriais, etc. Atividade Agrícola pode ser dividida em: Arboricultura: Florestamento (eucalipto, pinho, etc.) Pomares (manga, laranja, maçã, etc.) Vinhedos, olivais, seringais, etc. 2

3 Atividade zootécnica (criação de animais) apicultura (criação de abelhas) avicultura (criação de aves) cunicultura (criação de coelhos) pecuária (criação de gado) piscicultura (criação de peixes) ranicultura (criação de rãs) sericultura (criação de bicho-da-seda) e outros pequenos animais Atividade agroindustrial beneficiamento de produto agrícola (arroz, café, milho) transformação de produtos zootécnicos (mel, laticínios, casulos de seda) transformação de produtos agrícolas (cana-de-açúcar em álcool e aguardente; soja em óleo; uvas em vinho e vinagre; moagem de trigo e milho) 3

4 Exercício Social Na regra geral ele vai de 01/01 à 31/12 Para efeito gerencial na atividade agrícola se aconselha seguir o período de colheita ou de reprodução dos animais ou aves. Exemplo: Colheita da plantação de cana-de-açúcar Quando a vaca dá cria ao bezerro ou de seu desmame Quando há diversos produtos, precisamos verificar o de maior influência sobre o resultado. O PESO DO AGRONEGÓCIO NO BRASIL 25% DO VALOR DA PRODUÇÃO BRASILEIRA; 37% DO TOTAL DOS EMPREGOS NO PAÍS; 42% DAS EXPORTAÇÕES EM 2003 US$ 30,7 bi; US$ 25,9 BILHÕES DE SUPERÁVIT EXTERNO Fonte: ABAG Associação Brasileira de Agronegócios 4

5 METAS DE CRESCIMENTO ATÉ 2010 (CONGRESSO BRASILEIRO DE AGRIBUSINESS JUN/2003) 3,9% aa DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA EM 2003=6% PRODUÇÃO DE 142 MILHÕES/TON.GRÃOS - EM 2003=122,2 T A PRODUÇÃO CHEGARÁ A US$ 53,9 BILHÕES (US$ 30,7 NA AGRICULTURA E US$ 23,2 NA PECUÁRIA) US$ 28 BILHÕES DE SUPERÁVIT NA BALANÇA COML EM 2004, COM CRESCIMENTO DE 4,3% aa NAS EXPORTAÇÕES CRESCIMENTO DE 5,7% DA RENDA PER CAPITA NO CAMPO (2,1% NO SETOR URBANO) 9 Gestão Rural e a Contabilidade Cabem as seguintes tarefas na gestão rural: Decidir o quê produzir Decidir sobre o quanto produzir Estabelecer o modo como vai produzir Controlar a ação desenvolvida Avaliar os resultados obtidos 5

6 Finalidade das atividades contábeis Orientar as operações agrícolas e pecuárias; Medir o desempenho econômico-financeiro da empresa e de cada atividade produtiva individualmente; Controlar as transações financeiras; Fonte: meus_servicos/contabilidade/menu_contabilidade_rural.htm Finalidade Apoiar as tomadas de decisões no planejamento da produção, das vendas e dos investimentos; Auxiliar as projeções de fluxos de caixa e necessidades de crédito; Permitir a comparação da performance da empresa no tempo, e desta com as outras empresas; Fonte: nt.br/meus_servicos/contabilidade/menu_contabilidade_rural.htm 6

7 Finalidade Conduzir as despesas pessoais do proprietário e de sua família; Justificar a liquidez e capacidade de pagamento da empresa junto aos agentes financeiros e outros credores; Usar informações para a declaração do IR; Fonte: meus_servicos/contabilidade/menu_contabilidade_rural.htm Pessoa Física X Pessoa Jurídica Pessoa Física: é a pessoa natural, é todo ser humano. Sua existência termina com sua morte. Sua escolha se dá pelos benefícios da tributação e a dispensa de manter organizada escrituração contábil; Pessoa Jurídica: é decorrente da união de indivíduos, por meio de contrato formalizado junto a junta comercial, podem ter fins lucrativos ou não. 7

8 Pessoa Física X Pessoa Jurídica Empresário pode ser: Autônomo, sem registro na junta; Empresário Individual, com inscrição na junta; Sociedade Empresária, inscrita na junta comercial (S/A, Ltda ou etc.) Personagens de possíveis Associações na exploração Proprietário da terra, que participa no negócio com o capital fundiário; Empresário, que participa com o capital de exercício, explorando o negócio agropecuário independente de ser o não proprietário da terra; 8

9 Fatores de produção nas Empresas Rurais A Terra; O Capital; O Trabalho. A Terra Fator de produção mais importante para as atividades rurais é a terra, pois na terra se aplicam os capitais e se trabalha para obter a produção. (Crepaldi, 2011) 9

10 Capital sobre a terra As benfeitorias (galpões, aramados, galinheiros, pocilgas, terraços etc.); Os animais de produção (bovinos de cria, bovinos de leite, suínos, aves) e os animais de serviços (bois de serviço, cavalos e asininos); As máquinas e implementos agrícolas; Os insumos agropecuários (adubos, sementes, inseticidas, fungicidas, sais minerais, vacinas etc.) Tipos de capital Associação na exploração Capital fundiário: terra, edifícios e edificações rurais, benfeitorias e melhoramentos na terra, cultura permanente, pastos, etc. Capital de exercício: gado para reprodução, animais de trabalho, equipamentos, trator e etc. 10

11 Peculiaridades no setor agrícola Dependência do clima (Determina épocas de plantio, tratos culturais, colheitas, escolha de variedades e espécies, vegetais e animais. Correlação tempo de produção versus tempo de trabalho (as atividades agropecuária desenvolve-se, em algumas de suas fases, independentemente da existência do trabalho físico imediato). Peculiaridades no setor agrícola Dependência de condições biológicas (irreversibilidade do ciclo produtivo, ou seja, não se pode alterar a seqüência da produção, interromper o desenvolvimento de uma lavoura de milho pra se obter soja, por exemplo) 11

12 Peculiaridades no setor agrícola Terra como participante da produção (como é importante, deve-se conhecê-la e analisá-la em suas condições químicas, físicas, biológicas e topográficas). Estacionalidade da produção (não existe fluxo continuo, nem as atividades são dependentes uma da outra) Peculiaridades no setor agrícola Incidência de Riscos (defendem de fatores como clima, ataque de pragas, moléstias e pelas flutuações dos preços de seus produtos); Produtos não uniformes (Dificuldade de obter produtos uniformes, tamanho, qualidade) 12

13 Peculiaridades no setor agrícola Alto Custo de saída e/ou entrada (algumas explorações exigem altos investimentos em benfeitorias e máquinas e, conseqüentemente, condições adversas de preços e mercado devem ser suportadas a curto prazo, pois o prejuízo, ao abandonar a exploração, poderá ser maior). Personalidades econômicas O proprietário da terra, participa com o capital fundiário; O empresário, que participa com o capital de exercício, explorando o negócio. 13

14 Combinação das duas personalidades Investidor agropecuário com a propriedade da terra; Parceria; Arrendamento; Comodato; Condomínio 14

VALOR JUSTO DOS ATIVOS BIOLÓGICOS EM EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO

VALOR JUSTO DOS ATIVOS BIOLÓGICOS EM EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO VALOR JUSTO DOS ATIVOS BIOLÓGICOS EM EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO DAYANE CRISTINA DOS REIS PEIXOTO DOS SANTOS cacteixeira@hotmail.com DRUMOND ERIKA DE ANDRADE ARRUDA LIMA cacteixeira@hotmail.com DRUMOND ADRIANA

Leia mais

A CONTABILIDADE RURAL NO DESENVOLVIMENTO DO AGRONEGÓCIO

A CONTABILIDADE RURAL NO DESENVOLVIMENTO DO AGRONEGÓCIO 9 A CONTABILIDADE RURAL NO DESENVOLVIMENTO DO AGRONEGÓCIO Dalva Custódio Faria; Elislara Montovani; Sebastião Magalhães Marques Acadêmicos do da Faculdade Cenecista de Varginha FACECA Professor Ms. Fábio

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

Ementário do Curso Técnico em AGROPECUÁRIA Campus Nilo Peçanha - Pinheiral

Ementário do Curso Técnico em AGROPECUÁRIA Campus Nilo Peçanha - Pinheiral Ementário do Curso Técnico em AGROPECUÁRIA Campus Nilo Peçanha - Pinheiral Disciplina: Agroindústria EMENTA: Introdução à Agroindústria; Importância das boas práticas de fabricação- BPF s. Valor nutricional

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE AGRONOMIA

CURRÍCULO DO CURSO DE AGRONOMIA 48 CURSO DE AGRONOMIA COORDENADOR DO CURSO DE AGRONOMIA Valterley Soares Rocha vsrocha@ufv.br Catálogo de Graduação 2002 49 ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro-Agrônomo desempenhar as atividades profissionais

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2012

ESTRUTURA CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2012 ESTRUTURA CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2012 Disciplinas em Seqüência Aconselhada Créditos Carga Per. Obrigatórias Aula Trab. Tot. Horária Ideal 0110113(5) Introdução à Engenharia Agronômica

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CUSTO HITÓRICO X VALOR JUSTO E OS IMPACTOS NA PECUÁRIA BOVINA MARCELA FERNANDA DA SILVA Piracicaba, SP. 2010

Leia mais

GRADE CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2014

GRADE CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2014 GRADE CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2014 Disciplinas em Seqüência Aconselhada Créditos Carga Per. Obrigatórias Aula Trab. Tot. Horária Ideal 0110113(5) Introdução à Engenharia Agronômica 2

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br AGRONOMIA COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 65 Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR UPF

DIAGNÓSTICO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR UPF MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR DIAGNÓSTICO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR UPF Entidade/Empresa Nº Contrato 1. DADOS DO BENEFICIÁRIO: Nome: ; Nº da DAP: ; Situação:

Leia mais

2.2 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0: Códigos e denominações

2.2 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0: Códigos e denominações (continua) A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA 01 AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS RELACIONADOS 01.1 Produção de lavouras temporárias 01.11-3 Cultivo de cereais 0111-3/01 Cultivo

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

Dezembro/2014 Belo Horizonte - MG

Dezembro/2014 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Dezembro/2014 Belo Horizonte - MG 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados Gerais do PIB do Agronegócio

Leia mais

A empresa rural. Agronegócio. e-tec Brasil/CEMF/Unimontes Escola Técnica Aberta do Brasil. Edson Marcos Viana Porto Valdeir Dias Gonçalves

A empresa rural. Agronegócio. e-tec Brasil/CEMF/Unimontes Escola Técnica Aberta do Brasil. Edson Marcos Viana Porto Valdeir Dias Gonçalves Escola Técnica Aberta do Brasil Agronegócio A empresa rural Edson Marcos Viana Porto Valdeir Dias Gonçalves Ministério da Educação Escola Técnica Aberta do Brasil Agronegócio A empresa rural Edson Marcos

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

A Metrologia na Gestão da Segurança a dos Alimentos e os Impactos sobre as Exportações. Visão do Campo

A Metrologia na Gestão da Segurança a dos Alimentos e os Impactos sobre as Exportações. Visão do Campo A Metrologia na Gestão da Segurança a dos Alimentos e os Impactos sobre as Exportações Visão do Campo METROALIMENTOS 2008 24/09/2008 José Luiz Viana de Carvalho OBJETIVOS Barreiras não-tarifárias Boas

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA MEMBROS DA CÂMARA DE ENSINO DO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Sérgio Hermínio Brommonschenkel - Presidente Coordenadores de curso Agronomia (AGN) - Eveline Mantovani Alvarenga

Leia mais

A AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL A seção A abrange a exploração ordenada dos recursos naturais vegetais e animais em

A AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL A seção A abrange a exploração ordenada dos recursos naturais vegetais e animais em A AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL A seção A abrange a exploração ordenada dos recursos naturais vegetais e animais em ambiente natural e em ambiente protegido. Compreende as

Leia mais

O Inova Agro é parte do Plano Inova Empresa

O Inova Agro é parte do Plano Inova Empresa O Inova Agro é parte do Plano Inova Empresa Orçamento de contratação 2013-14: R$ 32 bilhões............ Objetivos: Fomentar e apoiar planos de negócios de inovação, através do uso coordenado dos instrumentos

Leia mais

ENGENHARIA AGRONÔMICA - USP

ENGENHARIA AGRONÔMICA - USP Apresentação ENGENHARIA AGRONÔMICA - USP A Agronomia está intimamente ligada à produção de alimentos, sejam estes de origem animal ou vegetal. Compete ao Engenheiro Agrônomo produzir, conservar, transformar

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Prefácio à décima terceira edição, xv. Prefácio à primeira edição, xvii

Prefácio à décima terceira edição, xv. Prefácio à primeira edição, xvii Prefácio à décima terceira edição, xv Prefácio à primeira edição, xvii 1 Atividade rural conceitos básicos, 1 1 Empresas rurais, 2 1.1 Atividade agrícola, 2 1.2 Atividade zootécnica (criação de animais),

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 No ano de 2013, as exportações 1 do Estado de São Paulo somaram US$ 56,32 bilhões (23,3% do total nacional), e as importações 2,

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL Palestrante: SONIA SEGATTI Economista e Executiva de Gestão em Contabilidade Rural Nível Fiscal e Gerencial 1 A Deus coube criar a vida. Aos agricultores cabe preservar

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira

Daniel Latorraca Ferreira Daniel Latorraca Ferreira Os desafios das diversificação Custos e DRE das URTEs Primeira análises de viabilidade econômica Considerações Finais Os desafios da diversificação Novos mercados 1 - Análise

Leia mais

Conheça o Senar/MS. Negócio Educação, informação e conhecimento em agronegócio.

Conheça o Senar/MS. Negócio Educação, informação e conhecimento em agronegócio. Conheça o Senar/MS Missão Realizar Educação Profissional e Promoção Social das pessoas do meio rural, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e para o desenvolvimento sustentável do País. Visão

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS Página: 001 / 052 S ECONÔMICAS A 01 011 0111-3 0111-3/01 0111-3/02 0111-3/03 0111-3/99 0112-1 0112-1/01 0112-1/02 0112-1/99 0113-0 0113-0/00 0114-8 0114-8/00 0115-6 0115-6/00 0116-4 0116-4/01 0116-4/02

Leia mais

001 O que se considera como atividade rural, nos termos

001 O que se considera como atividade rural, nos termos ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 001 O que se considera como atividade rural, nos termos da legislação tributária? Consideram se como atividade rural a exploração das atividades agrícolas, pecuárias,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC CAMPUS VIDEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO EMPRESARIAL E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO GABRIELE CIVIERO

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC CAMPUS VIDEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO EMPRESARIAL E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO GABRIELE CIVIERO UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC CAMPUS VIDEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO EMPRESARIAL E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO GABRIELE CIVIERO ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA NAS ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS VIDEIRA,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Júlio Cézar Pessanha Rangel Júnior Relatório de Viagem ao estado do Mato Grosso do Sul Relatório de visitas à Embrapa Gado de Corte e propriedades da região Uberlândia

Leia mais

DECRETO N 28.745, DE 06 DE JUNHO DE 2007

DECRETO N 28.745, DE 06 DE JUNHO DE 2007 DECRETO N 28.745, DE 06 DE JUNHO DE 2007 * Publicado no DOE em 08/06/2007. Altera o Decreto n.º 24.569, de 31 de julho de 1997, com suas alterações, que consolida e regulamenta a legislação do ICMS, e

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

CENTRO LATINOAMERICANO Y CARIBEÑO DE DEMOGRAFÍA (CELADE) CÓDIGOS RAMA DE ACTIVIDADES BRASIL 1960

CENTRO LATINOAMERICANO Y CARIBEÑO DE DEMOGRAFÍA (CELADE) CÓDIGOS RAMA DE ACTIVIDADES BRASIL 1960 CENTRO LATINOAMERICANO Y CARIBEÑO DE DEMOGRAFÍA (CELADE) CÓDIGOS RAMA DE ACTIVIDADES BRASIL 1960 QUESITO X RAMO E CLASSE DE ATIVIDADE Antes de codificar êste quesito, o codificador deve observar as respostas

Leia mais

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas Seminário de Avaliação de Impacto sobre as Adaptações da Agricultura Dakar, 26 a 29 de abril de 2011 Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas KLEBER SANTOS Brasília, 27 de abril de 2011

Leia mais

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais;

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais; RESOLUÇÃO Nº 4.226, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre ajustes nas normas de financiamento de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2013.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE FORMIGA UNIFOR/MG INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E EXATAS WESLLEY GUISSONI DE FARIA

CENTRO UNIVERSITARIO DE FORMIGA UNIFOR/MG INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E EXATAS WESLLEY GUISSONI DE FARIA 0 CENTRO UNIVERSITARIO DE FORMIGA UNIFOR/MG INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E EXATAS WESLLEY GUISSONI DE FARIA A NOVA ERA DA CONTABILIDADE PARA OS PRODUTORES RURAIS: NOVIDADES, VANTAGENS E DESVANTAGENS

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS - IFSULDEMINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS - IFSULDEMINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS - IFSULDEMINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO Regulamento 2ª Olimpíada Brasileira de Agropecuária OBAP 1.

Leia mais

Preservação Ambiental Na faixa de servidão da LINHA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

Preservação Ambiental Na faixa de servidão da LINHA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA Preservação Ambiental Na faixa de servidão da LINHA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA Linha de Transmissão A Linha de Transmissão é responsável por conectar a usina IACO às subestações do Sistema Interligado Nacional,

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA 1. Agricultura no Brasil: Breve histórico - Brasil Colônia: monocultura da cana se destacava como produto principal,

Leia mais

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014 Programa ABC Banco do Brasil Safra 2013/2014 Balanço da Safra 2012/2013 Plano Safra 2012/2013 Crédito Rural - Desembolsos R$ 61,5 bilhões CRESCIMENTO de 28% em relação à safra anterior R$ 6,5 bilhões acima

Leia mais

Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar

Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar 1- PROJETO: Projeto Hora de Plantar 2- INTRODUÇÃO e JUSTIFICATIVA : A distribuição de sementes e mudas, através do Projeto Hora de Plantar, pela

Leia mais

Políticas Públicas de Soberania e Segurança Alimentar: aportes a partir da experiência brasileira Mariana Santarelli Instituto Brasileiro de Análises

Políticas Públicas de Soberania e Segurança Alimentar: aportes a partir da experiência brasileira Mariana Santarelli Instituto Brasileiro de Análises Políticas Públicas de Soberania e Segurança Alimentar: aportes a partir da experiência brasileira Mariana Santarelli Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econônicas IBASE BREVE HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

Colegiado de Administração

Colegiado de Administração -1- UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ Colegiado de Administração MANUAL DE Administração de Agronegócios 3º Edição Revista e Atualizada Prof. Esp. Oscar Dirceu Bühler CRA PR 8585 -2-2010 by Bühler Capa:

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Seções CNAE 2.0 - subclasses Divisões Grupos Classes Subclasses (Fiscal) A - 01.. 03 - Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura 3 12 34 122 B -

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas de de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2014. O Banco Central

Leia mais

LIVRO DAS COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

LIVRO DAS COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS LIVRO DAS COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS CENTRO PAULA SOUZA - Nº 2, 2008, VERSÃO ELETRÔNICA Governador José Serra Secretário de Desenvolvimento Geraldo Alckmin Presidente do Conselho Deliberativo Yolanda Silvestre

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento O BB em Mato Grosso Agências 571 Posição em Agosto/2011 Terminais de Autoatendimento Municípios com Presença do BB 267 Correspondentes 202 Número de Municípios com Presença do BB 897 126 102 PABs + PAEs

Leia mais

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos Saneamento Básico na Área Rural Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos MSc. Lilian F. de Almeida Martelli São Carlos, 30 de Outubro de 2013 BRASIL: o Celeiro do mundo Destaque na produção agrícola

Leia mais

Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média)

Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média) Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média) 0111-3/01 Cultivo de arroz 0111-3/02 Cultivo de milho 0111-3/03 Cultivo de trigo 0111-3/99 Cultivo

Leia mais

SISTEMAS AGROFLORESTAIS

SISTEMAS AGROFLORESTAIS SISTEMAS AGROFLORESTAIS O que é Sistema Agroflorestal? Sistema agroflorestal é uma forma de uso da terra na qual se combinam espécies arbóreas lenhosas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas

Leia mais

Projeto CNA/SENAR/IBRE-FGV 1

Projeto CNA/SENAR/IBRE-FGV 1 Projeto CNA/SENAR/IBRE-FGV 1 Apresentação do trabalho Fluxograma do Estudo Relatório do Estudo Base de Microdados do Censo Agropecuár io 2006 Enquadráveis nas normas do Pronaf (Bacen) Não Enquadráveis

Leia mais

20. Agricultura: sempre uma safra de boas notícias Supersafra de grãos bate recorde

20. Agricultura: sempre uma safra de boas notícias Supersafra de grãos bate recorde 20. Agricultura: sempre uma safra de boas notícias Supersafra de grãos bate recorde A produção brasileira de grãos 2000-2001 bateu o recorde nacional superando a marca das 100,3 milhões de toneladas. De

Leia mais

PRINCIPAL CULTURA X ASSISTIU CANAL RURAL ÚLTIMOS 7 DIAS

PRINCIPAL CULTURA X ASSISTIU CANAL RURAL ÚLTIMOS 7 DIAS PROJETO PÉ DE MILHO PRINCIPAL CULTURA X ASSISTIU CANAL RURAL ÚLTIMOS 7 DIAS De acordo com os dados do Ipsos Marplan 2013, da amostra pesquisada que assiste tv aberta/paga e tem como principal cultura abaixo,

Leia mais

ANEXO 02 Tabela de Atividades dos Usos do Solo.

ANEXO 02 Tabela de Atividades dos Usos do Solo. Residencial, Comercial, Serviços, Atividades Especiais e Atividades Primárias USO RESIDENCIAL R.1 Residencial Tipo I Residencial unifamiliar R.2 Residencial Tipo II Residencial multifamiliar horizontal

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA. PRÉ-REQUISITO e/ou CO-REQUISITO (CR)

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA. PRÉ-REQUISITO e/ou CO-REQUISITO (CR) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA Quadro 1- Matriz curricular do curso de zootecnia DISCIPLINA 1º Período Introdução à Zootecnia Nenhum 24 08 32 NC OB Exercício da Profissão de Zootecnista Nenhum

Leia mais

RETENÇÃO DO JOVEM NO CAMPO E GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO CONSEQUÊNCIA DE SUA CAPACITAÇÃO TÉCNICA

RETENÇÃO DO JOVEM NO CAMPO E GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO CONSEQUÊNCIA DE SUA CAPACITAÇÃO TÉCNICA RETENÇÃO DO JOVEM NO CAMPO E GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO CONSEQUÊNCIA DE SUA CAPACITAÇÃO TÉCNICA SILVA, Eduardo José da Discente Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva NOGUEIRA, Luiz Claudio

Leia mais

Incentivos Fiscais. Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins. Secretaria da Indústria e do Comércio

Incentivos Fiscais. Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins. Secretaria da Indústria e do Comércio Incentivos Fiscais Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins Secretaria da Indústria e do Comércio março de 2012 1 Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins Lei nº

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Agronegócio Sul-mato-grossense

Agronegócio Sul-mato-grossense Agronegócio Sul-mato-grossense (cenário atual, perspectivas e desafios) Eduardo Riedel Presidente do Sistema Famasul Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul Sistema Sindical

Leia mais

Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária-SNPA

Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária-SNPA Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária-SNPA Embrapa Sede 08 Centros Nacionais de Temas Básicos 13 Centros Nacionais de Produtos 15 Centros Ecorregionais de Pesquisa Agroflorestal ou Agropecuária 03

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SIPOV. Helena Pan Rugeri Engª Agrº Fiscal Federal Agropecuário

Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SIPOV. Helena Pan Rugeri Engª Agrº Fiscal Federal Agropecuário Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SIPOV Helena Pan Rugeri Engª Agrº Fiscal Federal Agropecuário DEFESA AGROPECUÁRIA Áreas de atuação: 1 - INSUMOS: sementes, fertilizantes, agrotóxicos,

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE NA GESTÃO DAS PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE SARANDI - RS

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE NA GESTÃO DAS PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE SARANDI - RS UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CAMPUS SARANDI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARMANDO FAVRETTO A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE

Leia mais

Classificação e caracterização de sistemas de produção familiares do Semi- Árido com ênfase nas perdas inerentes ao processo produtivo

Classificação e caracterização de sistemas de produção familiares do Semi- Árido com ênfase nas perdas inerentes ao processo produtivo Classificação e caracterização de sistemas de produção familiares do Semi- Árido com ênfase nas perdas inerentes ao processo produtivo Maria do Carmo Ramos Fasiaben 1,2,*, Hércules Antonio do Prado 3,

Leia mais

Pag. 1 18/03/2016 10:58:06. 2 - Bambuí 1 - Livros. adicional

Pag. 1 18/03/2016 10:58:06. 2 - Bambuí 1 - Livros. adicional 2 - Bambuí 1 - Livros Pag. 1 001.42 - Métodos de pesquisa 1 3 0 003 - Sistemas 1 5 0 005.1 - Programação, engenharia de software 3 13 0 005.369 - Programas específicos 1 1 0 100 - Filosofia e Psicologia

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF O QUE É O PGPAF? Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL BIODIESEL O que é? O biodiesel pode ser produzido a partir de qualquer óleo vegetal - tal como soja, girassol, canola, palma ou mamona -, assim como a partir de gordura

Leia mais

X Censo Agropecuário Questionário Geral

X Censo Agropecuário Questionário Geral MUNICÍPIO X Censo Agropecuário Questionário Geral 0 IDENTIFICAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DO ESTABELECIMENTO AGROPECUÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NO SETOR 0 - UF 0 - MUNICÍPIO 0 - DISTRITO 0 - SUBDISTRITO

Leia mais

L A T I N A M E R I C A

L A T I N A M E R I C A SAFRA 2008 2009: TENDÊNCIAS E DESAFIOS DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Engº Agrº José Otavio Menten Diretor Executivo ANDEF Associação Nacional de Defesa Vegetal 01/10/2008 ABMR / SP SAFRA 2008 2009 TENDÊNCIAS E

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 3 500 3 336 3 000 valores em milhares de euros 2 500 2 000 1 500 1 000 1 367 1 279 727 500

Leia mais

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES CURITIBA Setembro 2015 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ CARLOS ALBERTO RICHA - Governador SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL SILVIO MAGALHÃES BARROS - Secretário INSTITUTO PARANAENSE DE

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

Agropecuária 1. Federal. SEADE 153. 1 Este item está baseado na publicação do Censo Agropecuário 1995/96, número 26, Distrito

Agropecuária 1. Federal. SEADE 153. 1 Este item está baseado na publicação do Censo Agropecuário 1995/96, número 26, Distrito Agropecuária 1 O, desmembrado do Estado de Goiás, possui uma área de 5.794 km 2. Situado no Planalto Central, suas altitudes variam de 750 a 1.340 metros, com topografia suave, predominando superfícies

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O CAMPONES E OS SETORES COMERCIAIS NA REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE- SP.

AS RELAÇÕES ENTRE O CAMPONES E OS SETORES COMERCIAIS NA REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE- SP. AS RELAÇÕES ENTRE O CAMPONES E OS SETORES COMERCIAIS NA REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE- SP. Fátima Rotundo da Silveira Facultade de Ciências e Tecnologia UNESP- Presidente Prudente 1. INTRODUÇÃO Com o aumento

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO VALE DO JURUENA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CUSTO DE PRODUÇÃO DO GADO DE CORTE FAZENDA ÁGUA DA SERRA JUINA/2013 AJES - FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

A nova redação dos artigos 95 e 96 do Estatuto da Terra

A nova redação dos artigos 95 e 96 do Estatuto da Terra A nova redação dos artigos 95 e 96 do Estatuto da Terra O Arrendamento Rural e a Parceria Agrícola, Pecuária, Agro-Industrial e Extrativa a cada dia ganham mais importância em nosso meio tendo em vista

Leia mais

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 RELATÓRIO TÈCNICO Técnico: João Adolfo Kasper Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 Objetivo: Realizar o 5º Levantamento da Safra 2004/2005 sendo a 3ª avaliação para as culturas, Arroz Sequeiro, Milho

Leia mais

El Sistema Cooperativo Agrario como Herramienta para la Inserción Competitiva de la Agricultura Familiar en los Mercados

El Sistema Cooperativo Agrario como Herramienta para la Inserción Competitiva de la Agricultura Familiar en los Mercados El Sistema Cooperativo Agrario como Herramienta para la Inserción Competitiva de la Agricultura Familiar en los Mercados O que é Agricultura Familiar no Brasil Lei 11326 Art. 3o Para os efeitos desta Lei,

Leia mais

Agronegócios: momento e perspectivas.

Agronegócios: momento e perspectivas. Agronegócios: momento e perspectivas. Perfil das propriedades rurais brasileiras. Familiares Patronais Região Estabelecimentos Familiares (a) Norte 380.895 Nordeste 2.055.157 Centro-Oeste 162.062 Sudeste

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.org.br

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.org.br GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.org.br Porto Alegres GEOGRAFIA AGRÁRIA PÁG. 117 a 129 do livro. 375 a 388 Em 1970, a revolução verde foi um verdadeiro boom na produção de alimentos. Hoje,

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Novembro/2013

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Novembro/2013 MATO GROSSO - Novembro/2013 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.344.084 3.224.679 1.686.704 641.603 1.774.382 8.671.453 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.007,21 R$ 1.530,19

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Modelos agrícolas no mundo

Modelos agrícolas no mundo Modelos agrícolas no mundo O que é agricultura? A agricultura, termo de origem latina que significa arte de cultivar os campos, é uma atividade desenvolvida há milhares de anos. Seu principal objetivo

Leia mais