PRODUÇÃO INTEGRADA ESTRATÉGIAS DE PLANEAMENTO DE PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO INTEGRADA ESTRATÉGIAS DE PLANEAMENTO DE PRODUÇÃO"

Transcrição

1 PRODUÇÃO INTEGRADA ESTRATÉGIAS DE PLANEAMENTO DE PRODUÇÃO Fiabilidade centrada no operador Jorge Mauricio Rui Sequeira

2 Fiabilidade Centrada no Operador Operator Driven Reliability (ODR)

3 Technology Vision 2020 The U.S. Chemical Industry A Fiabilidade dos equipamentos tem que ser melhorada. Os sistemas de informação devem evoluir da monitorização para a função de controlo e predição. As instalações fabris devem operar com raras paragens não programadas devidas a avaria dos equipamentos. Os sistemas de informação da manutenção devem possuir um conhecimento profundo dos equipamentos, resultados analíticos da sua operação, exploração e manutenção. Essas informações devem estar disponíveis permanentemente e de uma forma actualizada Technology Vision 2020 The U.S. Chemical Industry

4 ODR Apresentação Operator Driven Reliability: Introdução Processo Tecnologia (Software de apoio à decisão & Colectores de dados) Cultura Benefícios

5 ODR Introdução Introdução

6 Definição ODR Introdução ODR é uma metodologia aplicada globalmente por uma Empresa, centrada no trabalho de equipa por forma a optimizar a operação dos equipamentos e melhorar as funções da operação e manutenção local. O ODR tem um impacto directo na eficiência dos equipamentos, contribuindo para uma optimização da produção e um retorno de curto prazo no investimento associado à sua implementação. O ODR incorpora a combinação de acções associadas à manutenção e à produção tendo como objectivo melhorar os resultados de exploração das unidades produtivas.

7 ODR Introdução Estratégia/Filosofia (RCM, RBM, TPM, FMEA ) Manutenção Preventiva Manutenção Condicionada Fiabilidade Centrada no Operador (ODR) Procedimentos na operação dos equipamentos Manutenção de 1º escalão pelo Operador Operação de 1ª escalão pela Manutenção

8 ODR Introdução Fiabilidade é a probabilidade que um equipamentos ou sistema desempenha as funções requeridas de uma forma satisfatória, dentro de condições pré definidas e por um período de tempo definido; é medida como o Tempo Médio entre Avarias (MTBF); é o período ou a probabilidade de funcionamento sem problemas dentro de condições previamente definidas. Society for Maintenance & Reliability Professionals A Disponibilidade é uma função da Fiabilidade Disponibilidade = MTBF (MTBF+MTTR) MTBF Mean Time Between Failure (Tempo médio entre Avarias) MTTR Mean Time To Repair (Tempo Médio para Reparação)

9 ODR Introdução Overall Equipment Effectiveness = OEE Availability x Performance Rate x Quality Rate Total Time Net Available Time Operating Time Downtime Losses Scheduled Downtime Losses Planned Maintenance Lunches & Breaks Meetings, Holidays Major Breakdowns Setup / Adjustments Tooling & Startup Losses Availability = Operating Time x100% Net Available Time Net Operating Time Performance Losses Idling and Minor Stoppages Speed Losses Performance Efficiency = Net Operating Time x100% Operating Time Effective Operating Time Quality Losses Quality Defects & Rework Quality Rate = Effective Operating Time x100% Net Operating Time

10 ODR Introdução Modos de Falha 3 estudos 6 perfis de falha 29-68% das falhas ocorrem na infância 14-42% das falhas são aleatórias 71-82% de todas as falhas ocorrem aleatoriamente ou na infância UAL 1968 = 4 % Bromberg 1973 = 3 % US Navy 1982 = 3 % Bathtub UAL 1968 = 2 % Bromberg 1973 = 1 % US Navy 1982 = 17 % Worst Old UAL 1968 = 5 % Bromberg 1973 = 4 % US Navy 1982 = 3 % Slow Ageing UAL 1968 = 7 % Bromberg 1973 = 11 % US Navy 1982 = 6 % Best New UAL 1968 = 14 % Bromberg 1973 = 15 % US Navy 1982 = 42 % Constant UAL 1968 = 68 % Bromberg 1973 = 66 % US Navy 1982 = 29 % Worst New Probabilidade de Falha condicional v/s Tempo

11 ODR Processo Processo

12 ODR Processo - 10 Passos Passo 1 - Avaliação Passo 2 - Preparação Passo 3 - Automatização Passo 4 - Implementação Passo 5 - Detecção Passo 6 - Análise Passo 7 - Prevenção & Correcção Passo 8 - Verificação e Eliminação Passo 9 - Padronização Passo 10 - Reavaliação

13 ODR Processo - Passo 1 - Avaliação Necessidade de compreender o estado actual da Operação, Manutenção e as práticas e processos da Fiabilidade Compreender a organização, funções e cultura entre Departamentos Identificar necessidades inter Departamentos Identificar situações reais associadas a falhas nos processos de fiabilidade, operação e manutenção Identificar programas existentes (TPM, RCM, RBM, etc.) Obter o registos dos Activos de Produção

14 ODR Processo - Passo 1 - Avaliação SKF Reliability Systems Operator Driven Reliability (ODR) Assessment Strongly Agree = 3 Agree = 2 Partly Agree = 1 Disagree = 0 Not Understood Not Applicable Category Two Operator Involved Maintenance I know why (technically) which type of maintenance is done. I don t need training on equipment performance, function and failure. I have the correct level of technical information at hand to support my knowledge here. With this knowledge I am able to review the maintainers completed preventative & predictive task sheets which I am required to sign off on before we take equipment back into our custodianship. I keep copies I am involved in the a) pre-handover (shutdown, cleaning, preparation) of equipment and b) the turnover to ourselves from maintenance after maintenance. We have structured/standardised methods for documenting the acceptance of equipment post maintenance work as a part of our Standard Operating Procedures (SOP s). For our critical equipment these acceptances/tests are rigorous and mandatory.

15 ODR Processo - Passo 1 - Avaliação

16 ODR Processo - Passo 1 - Avaliação Is there a Defined Technical Integrity/Inspection Program at your plant? Is there a Defined Predictive (Condition Monitoring) Maintenance Program at your plant? Is there a Defined Performance/Efficiency Monitoring Program at your plant? Yes No Yes No Yes No Is your production considered to be a) Continuous or b) Batch?

17 ODR Processo - Passo 2 - Preparação Compreender os objectivos estratégicos com a implementação do ODR Identificar regulamentos, procedimentos e manuais associados à Indústria Identificar as ovelhas ranhosas (avarias críticas) para acção imediata Realizar um estudo de criticidade dos equipamentos baseado nas estratégias: Reliability Centered Maintenance (RCM) Risk Based Maintenance (RBM) Failure Modes Effects Analysis (FMEA)

18 ODR Processo - Passo 3 - Automatização Definir os fluxos de informação e identificar ligações automáticas entre CMMS ou ERP Identificar as necessidades de equipamentos de recolha de dados (PDA) Definir como introduzir as condições de detecção de anomalias e alarmes

19 ODR Processo - Passo 4 - Implementação Definir e acordar: Objectivos do Programa ODR Áreas chave e resultados esperados Objectivos Indicadores Chave de Desempenho (KPI s) Comunicação Programas paralelos (TPM/RCM) Equipamentos e Pontos de registo Procedimentos (arranque, etc.) Definir acção Piloto e área de implementação

20 ODR Processo - Passo 4 - Implementação (cont.) Formação dos Operadores Envolvimento da Gestão Funções elementares da Manutenção, Fiabilidade e Gestão de Activos da Produção Hardware e Software Formação da Manutenção e Gestão Envolvimento da Gestão Hardware e Software

21 ODR Processo - Passo 5 - Detecção O Operador é treinado na operação do hardware e do Software e desenvolve as rotinas de inspecção ODR

22 ODR Processo - Passo 6 - Análise Os dados registados são comparados com pontos de alerta e alarme prédefinidos

23 ODR Processo - Passo 7 Prevenção e Correcção Se os dados registados estão em alarme, o Operador deverá efectuar uma avaliação e decidir se deve tomar uma acção preventiva e/ou correctiva ou ainda, uma análise mais especializada A acção é implementada

24 ODR Processo - Passo 8 - Verificação e Eliminação Caso o ODR seja implementado para funcionar com outros sistemas ou programas, o Passo 3 deverá ser tido em conta. Exemplos de Automatização devem ser formalizados: Planeamento Manutenção CMMS) Fiabilidade RCFA & Dados CoMo) Operação Desempenho, Segurança, Ambiente)

25 ODR Processo - Passo 9 - Padronização Caso outros dados ou obervações sejam registados pelo programa ODR, deve ser criado um processo formal de integração. Exemplos: Operação (monitorização de parâmetros de processo) Fiabilidade/Segurança (integridade técnica/programa de conformidade)

26 ODR Processo - Passo 10 - Reavaliação A reavaliação possui 2 componentes essenciais: Reavaliação Operacional Formalizar os resultados (Custos/Ganhos/Economias) Calcular o Retorno do Investimento (ROI) Rever Resultados Chave de Áreas Rever Indicadores Chave de Desempenho (KPI s) Rever mudanças estratégicas nos Objectivos da Companhia Sustentabilidade Rever os processos de Automatização e Fluxos Rever as temáticas associadas a Recursos Humanos (Formação, Descrição de Funções)

27 ODR Processo Projecto Estratégico da Manutenção Estratégia Tecnologia Portátil Histórico, Configuração dos Pontos e Decisões Identificação Tarefas do Operador Percursos Organizados Acção imediata em caso de Alarme Recolha de Tarefas Engenharia da Fiabilidade

28 ODR Tecnologia Tecnologia

29 ODR Tecnologia Estratégia Manutenção

30 ODR Tecnologia É preciso trabalhar de uma forma mais inteligente Aumentar as acções Proactivas Monitorização da Condição - utilizando objectivos tecnológicos Implementação formal de inspecção subjectivas (sensorial) (ver, ouvir, sentir)

31 ODR Cultura Cultura

32 ODR Cultura Política Competência Preconceito Desconfiança Inércia

33 ODR Cultura Verificações planeadas da manutenção Operadores não gostam de escrever coisas... Contadores de histórias Pressuposta motivação Insegurança na acção

34 ODR Cultura O ponto de vista da manutenção... Eles vão arranjar desculpas para não o fazerem." O que eles só querem é produzir. Não querem saber se o equipamento aguenta!" Eles não têm a experiência ou conhecimentos de como são os equipamentos..."

35 ODR Cultura A visão da Gestão é preciso encontrar os culpados?

36 ODR Cultura Os pessoas por vezes opõem-se à mudança porque acreditam que já atingiram um domínio completo do que fazem hoje. As pessoas geralmente comportam-se como são

37 ODR Cultura Reconhecimento e respeito Cortesia e cooperação Franqueza e justeza Entusiasmo

38 ODR Benefícios Benefícios

39 ODR Benefícios Benefícios: Geral Mais olhos a observar os sistemas Melhoria dos resultados de monitorização e detecção precoce de avarias Promoção proactiva da análise de falhas Operadores mais atentos e motivados para a acção Execução mais rápida de acções operacionais Definição de oportunidades contínuas para melhorias

40 ODR Benefícios Benefícios: menos papel Validação de dados Fácil acesso ao histórico (inspecções, tendências e alarmes) Dados claros Alertas e Alarmes imediatos ao Operador Integração fácil com sistemas de apoio à decisão (idss) Rastreabilidade

41 ODR Benefícios Benefícios: Resultados Equipamentos a funcionarem sem problemas Níveis de produção mais elevados Melhoria da qualidade do produto Redução de custos da manutenção Ambiente Proactivo Alianças interdepartamentais Mudança para uma cultura de fiabilidade

42 ODR- Exemplo de sucesso Refinaria A monitorização da temperatura de um rolamento torna-se numa actividade de monitorização de rotina de um operador; Operador nota a temperatura da bomba 15ºC mais alta; Curiosamente o operador repara que a causa da variação da temperatura da máquina é que o sistema de liquido de refrigeração apresenta uma fuga; A manutenção realizou a reparação, procedendo à reparação da fuga.

43 ODR Caso de Sucesso Operador Evita Perda de Produção (Downtime) (14 Maio, 2002) Durante a rotina No. 2 da Máquina de Papel, João, operador, encontrou a pressão do tubo de silicone do rolo da 1ªprensa abaixo do nível recomendado. Apercebeu-se de que a pressão estava excessivamente baixa e poderia acontecer o papel partir e enrolar-se à volta da 1ª prensa. João alertou a manutenção. Miguel, que é técnico de manutenção, voltou a colocar o tubo de silicone à pressão correcta. Em resultado desta acção, João evitou um mais que provável enrolamento do papel à volta da 1ª Prensa. Esse enrolamento poderia ter custado cerca de sete horas de downtime.o possivel custo desse downtime seria à volta de 100,000 Euros. Durante as suas inspecções, João utilizou software e um aparelho para recolha dos dados. Pedro, outro dos operadores da máquina, desenhou no programa vários niveis de alerta e de alarme para varios pontos de inspecção. A rotina, assim como o programa e o colector para recolha de dados, são parte de um programa de Fiabilidade baseada no operador..

Daniel Gaspar. A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão

Daniel Gaspar. A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão Daniel Gaspar A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão Leiria, 2 de Junho de 2004 Introdução Evolução Estratégia Organização Modelos de gestão 2 3 Quando a manutenção e o sistema de informação

Leia mais

Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco

Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco Edição de 201 Organização CIPROMEC

Leia mais

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar O que é a Manutenção? Conjunto de acções conduzidas com o fim de manter em condição aceitável as instalações e o equipamento fabril de forma a assegurar a regularidade da produção, a sua qualidade e a

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

Plano de Manutenção de Conversores de Frequência

Plano de Manutenção de Conversores de Frequência Plano de Manutenção de Conversores de Frequência N.M.F. Pinto*, J.P.S. Catalão**, C.M.P. Cabrita** * ABB (Asea Brown Boveri), S.A. Estrada de Eiras, Nº126 R/C 3020-199 Coimbra Telf: +351 239 495 258; fax:

Leia mais

Otimização geral de processos (OEE) Fabian Prehn Campinas Setembro 2014

Otimização geral de processos (OEE) Fabian Prehn Campinas Setembro 2014 Otimização geral de processos (OEE) Fabian Prehn Campinas Setembro 2014 Agenda Agenda Futuro da produção farmacêutica Future of pharmaceutical production Compressão como principal ponto no processo de

Leia mais

Controlo de Custos e Orçamentos em Manutenção

Controlo de Custos e Orçamentos em Manutenção SEMINÁRIO TÉCNICO www.iirangola.com De uma forma geral bastante satisfatório quer em termos de apresentação, a clareza na transmissão das matérias até à organização Nazaré Teixeira Directora Técnica de

Leia mais

PRIMAVERA INDUSTRY. Uma solução para as PME industriais

PRIMAVERA INDUSTRY. Uma solução para as PME industriais PRIMAVERA INDUSTRY Uma solução para as PME industriais PRIMAVERA INDUSTRY Uma solução para as PME industriais produtivos de modo a garantir uma maior qualidade dos produtos sujeitos a fabrico, ao menor

Leia mais

Service Support & Delivery based on ITIL's Best Practices. Telbit. Aveiro. 12 de Julho de 2007. Carlos Vieira

Service Support & Delivery based on ITIL's Best Practices. Telbit. Aveiro. 12 de Julho de 2007. Carlos Vieira Service Support & Delivery based on ITIL's Best Practices Telbit Aveiro 12 de Julho de 2007 Carlos Vieira Breve Introdução ao SM :: Objectivos Assegurar que as necessidades de negócio de uma organização

Leia mais

Wonderware Mobile Solutions & CBM (Condition Based Monitoring )

Wonderware Mobile Solutions & CBM (Condition Based Monitoring ) Wonderware Mobile Solutions & CBM (Condition Based Monitoring ) Fabiano A. Sant Ana Sales Manager Wonderware Brasil MIMOSA?! O que é? Depende aonde M I M O S A achinery nformation anagement pen ystem lliance

Leia mais

Manutenção Efetiva e Competitiva

Manutenção Efetiva e Competitiva Manutenção Efetiva e Competitiva Marcelo Albuquerque de Oliveira (1) Resumo Existem várias técnicas para gerenciamento de manutenção disponíveis, com uma gama de alternativas, facilidades e complexidades.

Leia mais

Gestão e Controle de Energia Building Technologies

Gestão e Controle de Energia Building Technologies Gestão e Controle de Energia Copyright Siemens Switzerland Ltd. All rights reserved. Índice Empresa e Organização 3 Performance e Sustentabilidade em Edifícios 6 Produtos, Soluções e Serviços 10 Gestão

Leia mais

ESTUDO DE CASO EM GERENCIAMENTO DE PRODUÇÃO: EFICIÊNCIA/OEE.

ESTUDO DE CASO EM GERENCIAMENTO DE PRODUÇÃO: EFICIÊNCIA/OEE. artigo gerenciamento de produção ESTUDO DE CASO EM GERENCIAMENTO DE PRODUÇÃO: EFICIÊNCIA/OEE. Luis Phillipe F. Machado (luis.machado@techplus.com.br), Coordenador de Projetos; e Samarone Guimarães Ruas

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA ÍNDICE MANUTENÇÃO PRIMAVERA 4 MÓDULOS CONSTITUINTES 4 CADASTRO 4 Entidades 5 Localizações 8 MATERIAIS 11 Sobresselentes, Consumíveis,

Leia mais

Gestão Lean da Manutenção Aplicada a Equipamentos de Transporte de Granéis Sólidos

Gestão Lean da Manutenção Aplicada a Equipamentos de Transporte de Granéis Sólidos Luís Filipe Neves Couto Licenciatura em Ciências de Engenharia e Gestão Industrial Gestão Lean da Manutenção Aplicada a Equipamentos de Transporte de Granéis Sólidos Dissertação para obtenção do Grau de

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

GESTÃO DE MANUTENÇÃO. Curso Instrumentação Industrial

GESTÃO DE MANUTENÇÃO. Curso Instrumentação Industrial GESTÃO DE MANUTENÇÃO Curso Instrumentação Industrial Parte I Professor Fábio Chaves 02/02/15 1 AGENDA Evolução da Manutenção Terminologia da Manutenção Conceitos de Manutenção, Defeito e Falha Tipos de

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os Formação Interempresas 2016 11 Formação Interempresas 2016 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os desperdícios,

Leia mais

A influência da manutenção industrial no Índice Global de Eficiência (OEE)

A influência da manutenção industrial no Índice Global de Eficiência (OEE) Ana Patrícia Ribeiro de Almeida Pires Martins Licenciatura em Ciências de Engenharia e Gestão Industrial A influência da manutenção industrial no Índice Global de Eficiência (OEE) Dissertação para obtenção

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

OPTIMIZAÇÃO DO MTTR SIEMENS ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO

OPTIMIZAÇÃO DO MTTR SIEMENS ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO OPTIMIZAÇÃO DO MTTR 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO SIEMENS ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO 1 PORTFÓLIO Asset Performance Management Optimização de Energia Serviços de Consultoria para optimização da eficiência

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO 1 GESTÃO DA MANUTENÇÃO 1. INTRODUÇÃO; 2. METODOLOGIA 5 S ; 3. TEORIA DA MANUTENÇÃO; 4. ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE; 5. TPM TOTAL PRODUCTIVE MAINTENANCE; 6. MANUTENÇÃO AUTONOMA; 7.

Leia mais

ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE OBRAS DE ARTE BASEADA NUMA ANÁLISE DE RISCO SEGUNDO A FMEA Bridge maintenance strategy based on FMEA Risk Analysis

ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE OBRAS DE ARTE BASEADA NUMA ANÁLISE DE RISCO SEGUNDO A FMEA Bridge maintenance strategy based on FMEA Risk Analysis ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE OBRAS DE ARTE BASEADA NUMA ANÁLISE DE RISCO SEGUNDO A FMEA Bridge maintenance strategy based on FMEA Risk Analysis Resumo Marta Duarte Alves Engenheira Civil MSc Eng. Construção

Leia mais

Formação Interempresas 2015 2.º semestre

Formação Interempresas 2015 2.º semestre Formação Interempresas 2015 2.º semestre 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam

Leia mais

Preparação para certificação de uma empresa pela ABNT ISO 55000

Preparação para certificação de uma empresa pela ABNT ISO 55000 Preparação para certificação de uma empresa pela ABNT ISO 55000 AES Tietê Empresa de geração de energia do Grupo AES Brasil Operação e manutenção de 9 usinas hidrelétricas e 3 pequenas centrais hidrelétricas

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MESTRADO EM GESTÃO E ESTRATÉGIA INDUSTRIAL Tese de mestrado sobre: A GESTÃO DA MANUTENÇÃO EM PORTUGAL Júri de apreciação da dissertação:

Leia mais

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 20120717 REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 1. Refer: Gestor da Infraestrutura Ferroviária 2. Caracterização da Actividade de Manutenção

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE MANUTENÇÃO. Como Elaborar e Controlar um Plano de. Garanta a Fiabilidade e a Segurança dos Equipamentos e das Instalações

GESTÃO DE MANUTENÇÃO. Como Elaborar e Controlar um Plano de. Garanta a Fiabilidade e a Segurança dos Equipamentos e das Instalações 3ª EDIÇÃO SEMINÁRIO Revisto e Actualizado Como Elaborar e Controlar um Plano de GESTÃO Garanta a Fiabilidade e a Segurança dos Equipamentos e das Instalações O evento foi criativo, inovador, e deu-nos

Leia mais

Introduction to Network Design and Planning

Introduction to Network Design and Planning Introduction to Network Design and Planning Joao.Neves@fe.up.pt 1 In the Beginning... The project of a Network was the result of the inspiration of a guru or an "artist" (after all was considered an art...)

Leia mais

Reunião Anual do Colégio de Indústria da Ordem dos Farmacêuticos

Reunião Anual do Colégio de Indústria da Ordem dos Farmacêuticos Generalidades Enquadramento regulamentar Origens das mudanças Tipos de mudanças Processo de controlo de modificações Notificação Avaliação Implementação Clientes, fornecedores e autoridades Mudanças rápidas

Leia mais

MANUTENÇÃO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA. UM CASO NA INDÚSTRIA DE ENERGIA ELÉCTRICA E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

MANUTENÇÃO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA. UM CASO NA INDÚSTRIA DE ENERGIA ELÉCTRICA E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MANUTENÇÃO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA. UM CASO NA INDÚSTRIA DE ENERGIA ELÉCTRICA E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL JOÃO CATALÃO Professor Auxiliar Departamento de Engenharia Electromecânica (UBI) catalao@ubi.pt

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO MES PARA MELHORIA DE PRODUTIVIDADE EM UMA LINHA DE FABRICAÇÃO DE COMPRESSORES DE ELETRODOMÉSTICOS

IMPLANTAÇÃO DO MES PARA MELHORIA DE PRODUTIVIDADE EM UMA LINHA DE FABRICAÇÃO DE COMPRESSORES DE ELETRODOMÉSTICOS IMPLANTAÇÃO DO MES PARA MELHORIA DE PRODUTIVIDADE EM UMA LINHA DE FABRICAÇÃO DE COMPRESSORES DE ELETRODOMÉSTICOS Débora Padovani 1 Carlos Frajuca 2 João Sinohara da Silva Sousa 3 As importantes transformações

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de ENERGIAS RENOVÁVEIS PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Organização Industrial Escolas Proponentes / Autores Escola Profissional de

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

KnitMaster. Monitorização em tempo real, planeamento e controlo de qualidade para a indústria das malhas. PT folheto do produto

KnitMaster. Monitorização em tempo real, planeamento e controlo de qualidade para a indústria das malhas. PT folheto do produto KnitMaster Monitorização em tempo real, planeamento e controlo de qualidade para a indústria das malhas A BMSvision tem o prazer de apresentar o KnitMaster, o sistema de monitorização desenvolvido e configurado

Leia mais

Prognos SMART OPTIMIZATION

Prognos SMART OPTIMIZATION Prognos SMART OPTIMIZATION A resposta aos seus desafios Menos estimativas e mais controlo na distribuição A ISA desenvolveu um novo software que permite o acesso a dados remotos. Através de informação

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

SIMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE MANUTENÇÃO CORRETIVA E O IMPACTO EM UM SISTEMA PRODUTIVO.

SIMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE MANUTENÇÃO CORRETIVA E O IMPACTO EM UM SISTEMA PRODUTIVO. SIMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE MANUTENÇÃO CORRETIVA E O IMPACTO EM UM SISTEMA PRODUTIVO. CAMILA RODRIGUES VIEIRA MACHADO (pitagoras) camilarvm@hotmail.com SAMARA LOPES BARBOSA (pitagoras) samaralb@hotmail.com

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de

Leia mais

Gestão e Metodologia da construção de um edifício. Nuno Filipe Ferreira Barbosa Pereira. Dissertação para a obtenção do Grau Mestre em

Gestão e Metodologia da construção de um edifício. Nuno Filipe Ferreira Barbosa Pereira. Dissertação para a obtenção do Grau Mestre em Gestão e Metodologia da construção de um edifício Nuno Filipe Ferreira Barbosa Pereira Dissertação para a obtenção do Grau Mestre em Engenharia Civil Fevereiro 2008 RESUMO 1. INTRODUÇÃO A Indústria da

Leia mais

SGI. Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO

SGI. Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO SGI Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO CONHECE OS CUSTOS DE IMPRESSÃO DA SUA ORGANIZAÇÃO? O actual contexto mundial torna central a necessidade de reequacionar gastos a todos

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN LISBOA 9 de Novembro de 2011 A PROCURA INCESSANTE DO EMAGRECIMENTO 1 INTRODUÇÃO HOJE EM DIA A MAIOR PARTE DAS ORGANIZAÇÕES ACTUA MAIS NUMA LÓGICA DE SOBREVIVÊNCIA. O

Leia mais

Otimização de máquinas de papel da SKF

Otimização de máquinas de papel da SKF Otimização de máquinas de papel da SKF Aumentando a eficiência e a produtividade global das máquinas O Poder do Conhecimento em Engenharia Operação mais rápida e eficiente Nunca foi tão difícil operar

Leia mais

Estratégia de Manutenção e Gestão de Ativos como Fator de Garantia Operacional em Aciarias. Ricardo Sodré, MSc, PMP. ArcelorMittal Tubarão

Estratégia de Manutenção e Gestão de Ativos como Fator de Garantia Operacional em Aciarias. Ricardo Sodré, MSc, PMP. ArcelorMittal Tubarão Estratégia de Manutenção e Gestão de Ativos como Fator de Garantia Operacional em Aciarias Ricardo Sodré, MSc, PMP. ArcelorMittal Tubarão Cenário Siderurgia Visão AMT Mercado favorável Pessoal experiente

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) -

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

SalesMove Microsoft CRM 4.0

SalesMove Microsoft CRM 4.0 SalesMove Microsoft CRM 4.0 Gestão de Paragens POT Manual de Utilizador Projecto Paragens POT Manual de Utilizador Índice Criação de caso no CRM... 3 Separador General... 3 Separador POT... 4 Descrição

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

Escritórios de Barcelona: 143 Sobreático 08011 Barcelona - Espanha Telefone +34 937 247 477

Escritórios de Barcelona: 143 Sobreático 08011 Barcelona - Espanha Telefone +34 937 247 477 Perfil Corporativo Configuração, Implementação e Integração de Sistemas Aplicacionais de Negócio: Fundada em 1989 Presença directa em Portugal e Espanha +100 Clientes de média/grande dimensão, em vários

Leia mais

Agradecimentos. Gostaria ainda de agradecer à Viroc S.A., pois afinal forneceu-me a ideia e o material para poder elaborar este trabalho.

Agradecimentos. Gostaria ainda de agradecer à Viroc S.A., pois afinal forneceu-me a ideia e o material para poder elaborar este trabalho. Agradecimentos Gostaria de agradecer ao meu orientador, pela paciência, dedicação e ajuda que me prestou, pois devido à vida profissional que tenho, nem sempre fui o melhor orientando. Gostaria ainda de

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Gestão de Equipamentos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Instalação e Manutenção de Equipamentos Escolas Proponentes / Autores ETAP

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SILiAmb Felisbina Quadrado (binaq@apambiente.pt) Manuel Lacerda (manuel.lacerda@apambiente.pt) XIII CONFERENCIA DE DIRECTORES IBEROAMERICANOS DEL AGUA Foz

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática - Ramo Redes e Multimédia. 1ª ano / 2ª semestre

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática - Ramo Redes e Multimédia. 1ª ano / 2ª semestre Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática - Ramo Redes e Multimédia Bibliografia: 1ª ano / 2ª semestre - Basic Concepts and Taxonomy of Dependable and Secure Computing,

Leia mais

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM Manutenção e A MANUTENÇÃO O PILAR ESSENCIAL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS Não seria excelente se existisse um sistema de manutenção que reparasse o seu equipamento antes de ele avariar? Sim, pois quando os equipamentos

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança SQS Software Quality Systems SQS Portugal Apresentação A SQS Portugal - Software Quality Systems, é uma empresa especializada em ajudar os seus clientes

Leia mais

Manual Pedagógico PRONACI Manutenção. Autor: Mário Brito / Eurisko Estudos, Projectos e Consultoria, S.A.

Manual Pedagógico PRONACI Manutenção. Autor: Mário Brito / Eurisko Estudos, Projectos e Consultoria, S.A. Manual Pedagógico PRONACI Manutenção Autor: Mário Brito / Eurisko Estudos, Projectos e Consultoria, S.A. Eurisko Estudos, Projectos e Consultoria, S.A. PRONACI Programa Nacional de Qualificação de Chefias

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Procon Engineering Ltd

Procon Engineering Ltd Procon Engineering Ltd (Engloba: Defiant - Negretti - Inflo - Lintvalve) DETECÇÃO ACÚSTICA DE FUGAS DE VAPOR EM CALDEIRAS aumentando a utilidade e a eficácia da sua caldeira Sistema Procon de Detecção

Leia mais

2.3. Sistemas de Informação

2.3. Sistemas de Informação 2.3. Sistemas de Informação 2.3.1. Sistema Comecemos por observar como definem diversos autores o que será um sistema, sistema é um conjunto complexo de inúmeras partes que interagem (MAXIMIANO, Antonio

Leia mais

agradecimentos À Professora Doutora Sameiro Carvalho por ter assumido a responsabilidade de ser coorientadora científica.

agradecimentos À Professora Doutora Sameiro Carvalho por ter assumido a responsabilidade de ser coorientadora científica. agradecimentos Infelizmente não me é possível agradecer toda a colaboração concedida por todos aqueles que contribuíram com informação e tempo para a compilação deste trabalho. Quero, contudo, expressar

Leia mais

TRAINING THE ESSENTIALS

TRAINING THE ESSENTIALS 1 st RESEARCH METHODOLOGY SCHOOL What needs to be done? Esta edição pretende ser uma proposta de formação metodológica avançada suplementar para estudantes de pós-graduação, investigadores e profissionais

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

PHC Qualidade CS. Gestão da qualidade de forma rápida e abrangente

PHC Qualidade CS. Gestão da qualidade de forma rápida e abrangente Descritivo PHC Qualidade CS PHC PHC Qualidade CS Gestão da qualidade de forma rápida e abrangente Controlo dos procedimentos e documentação relativos à gestão da qualidade, com o máximo detalhe e com melhorias

Leia mais

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção 1. SI na Construção. Introdução 2. ERP 3. BIM 4. Outras aplicações

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Manutenção SGM Cia. Vale do Rio Doce CVRD

Sistema de Gerenciamento da Manutenção SGM Cia. Vale do Rio Doce CVRD Sistema de Gerenciamento da Manutenção SGM Cia. Vale do Rio Doce CVRD VISÃO DA MANUTENÇÃO DA CVRD Ser considerada referência pelos resultados da gestão de manutenção, reconhecida pela excelência de suas

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução...

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

PlantMaster. Manufacturing Execution System (MES) PT folheto do produto (plásticos)

PlantMaster. Manufacturing Execution System (MES) PT folheto do produto (plásticos) PlantMaster Manufacturing Execution System (MES) O PlantMaster é um sistema MES avançado para controlo da produção. O PlantMaster monitoriza e sincroniza actividades de produção desde operações independentes

Leia mais

Performance Measurement Dashboard. António Almeida INESC Porto. VFF project. Holistic, extensible, scalable and standard Virtual Factory Framework

Performance Measurement Dashboard. António Almeida INESC Porto. VFF project. Holistic, extensible, scalable and standard Virtual Factory Framework Performance Measurement Dashboard António Almeida INESC Porto VFF project Holistic, extensible, scalable and standard Virtual Factory Framework Agenda 1. Motivações e Desafios 2. Projeto Virtual Factory

Leia mais

Gestão de Empresas de Contabilidade

Gestão de Empresas de Contabilidade Gestão de Empresas de Contabilidade Pensada especificamente para as Empresas de Contabilidade, esta solução ARTSOFT permite-lhe o controlo total da gestão, a dois níveis: o trabalho da sua empresa e a

Leia mais

Palavras-chave: desaerador, água de alimentação, oxigênio dissolvido, medidor portátil de oxigênio.

Palavras-chave: desaerador, água de alimentação, oxigênio dissolvido, medidor portátil de oxigênio. O SEU DESAERADOR TEM A PERFORMANCE ESPERADA? Antonio Sergio B. Neves 1, Francisco A. Passos 2 Abstract The dissolved oxygen is the most important corrosion control parameter in the boiler feedwater. The

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO. Como Elaborar e Controlar um. Para Garantir a Fiabilidade e Segurança das Instalações 4ª EDIÇÃO CURSO

PLANO DE MANUTENÇÃO. Como Elaborar e Controlar um. Para Garantir a Fiabilidade e Segurança das Instalações 4ª EDIÇÃO CURSO 4ª EDIÇÃO CURSO Como Elaborar e Controlar um PLANO DE MANUTENÇÃO Para Garantir a Fiabilidade e Segurança das Instalações LUANDA 17 e 18 de NOVEMBRO de 2014 8 Razões para participar neste Curso Saber quais

Leia mais

MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção. Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Prof. Sérgio Augusto Lucke

MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção. Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Prof. Sérgio Augusto Lucke MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção 1 Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Ementa 1. Manutenção Corretiva: características básicas,

Leia mais

GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista

GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista RESUMO O documento PAS 55 é uma especificação disponível publicamente, que foi emitida em 2004 pela British

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Global Energy Meter - G.E.M.

Global Energy Meter - G.E.M. Global Energy Meter - G.E.M. Solução de Monitorização de Consumos de Energia Elétrica Reduzir o consumo de energia é visto hoje em dia como algo positivo e necessário não só para o ambiente mas também

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

Predição de Falhas no Apoio à Decisão na Gestão da Manutenção

Predição de Falhas no Apoio à Decisão na Gestão da Manutenção Predição de Falhas no Apoio à Decisão na Gestão da Manutenção Maria Prudência G. Martins, Armando L. F. Leitão Departamento de Gestão Industrial ESTiG Instituto Politécnico de Bragança Quinta de Santa

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais