Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco"

Transcrição

1 CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco Edição de 201 Organização CIPROMEC ISEL 1

2 Índice Organização Âmbito do ciclo de cursos Destinatários Condições de Acesso Metodologia Horário Local Inscrição Modalidades de desconto (valido para ambas as formações) Plano da 1ª Formação Curso Avançado em Fiabilidade, Disponibilidade e Manutibilidade Plano da 2ª Formação Curso Avançado em Segurança Funcional e Analise de Risco 6 8 2

3 Organização CIPROMEC ISEL Âmbito do ciclo de cursos No sentido de procurar responder às solicitações do mercado, o Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) através do CIPROMEC, encontra-se a organizar duas formações, uma na área Fiabilidade e Manutenção, e outra na área da Segurança Funcional e Analise de Risco. Destinatários Quadros com actividade nas áreas da manutenção de instalações e equipamentos. Quadros com actividade na área da análise de sistemas tecnológicos. Quadros técnicos com interesse na área. Condições de Acesso Como condições de acesso, exige-se alguns conhecimentos básicos no domínio das probabilidades e estatística, embora esteja previsto nos respectivos programas, uma aula introdutória para revisão de conceitos que se julguem necessários para uma melhor compreensão das matérias abordadas em cada curso. O número máximo de inscrições por módulo e em cada formação é de 20 formandos por módulo. Metodologia O método de ensino do curso baseia-se na exposição de conceitos teóricos recorrendo, sempre que possível, a exemplos práticos por parte do formador. Em ambas as formações, e no final de cada módulo, os formandos serão submetidos a avaliação teórica, caso pretendam receber o certificado de formação, embora caso não o desejem, poderão ser emitidos certificados de frequência para o efeito. Em ambas as formações existe um sistema de avaliação facultativo composto por um teste no final de cada módulo. Cada teste cobre a matéria do módulo que terminou e a sua nota é expressa numa escala de 0 a 20 valores. Aos participantes que completem as provas de avaliação com êxito, será atribuído um Diploma com a classificação obtida. Aqueles que optarem por não realizar os testes, será atribuído um Certificado de Frequência. Em qualquer dos casos, a atribuição de Diploma ou Certificado, pressupõe a frequência assídua das sessões, podendo haver uma tolerância de 1 falta por sessão. No final da formação serão emitidos os Diplomas e Certificados de Frequência, aos participantes que tiverem frequentado no mínimo, 80% das sessões. 1 1 Valido apenas para inscrição integral em cada uma das formações

4 Horário 1ª Formação - 05 de Abril a 16 de Maio / dia Regime Pós-laboral dias / semana (5ª f., 6ª f., Sábado) (75 ) 2ª Formação - 17 de Maio a 29 de Junho / dia Regime Pós-laboral dias / semana (5ª f., 6ª f., Sábado) (56 ) Local Sala de formação: (sala a designar posteriormente) Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) Rua Conselheiro Emídio Navarro, Lisboa Inscrição Formação 1: Curso Avançado em Fiabilidade, Disponibilidade e Manutibilidade Preço base: 697 euros Preço/módulo: 102,50 euros Formação 2: Curso Avançado em Segurança Funcional e Analise de Risco Preço base: 598 euros Preço/módulo: 98,70 euros Modalidades de desconto (valido para ambas as formações) - Alunos do ISEL:10% - Antigos alunos ISEL: 10% - Inscrição na totalidade dos módulos: 12% - Duas ou mais inscrições: 15%. - Condições de empresa a partir da 2ª inscrição (contactar organização para mais informações) Data limite de pagamento: 1 semana antes da data de início de cada formação

5 5

6 Plano da 1ª Formação Curso Avançado em Fiabilidade, Disponibilidade e Manutibilidade Módulos Conceitos fundamentais sobre fiabilidade Fiabilidade e vida dos componentes Fiabilidade de sistemas Análise e prevenção de falhas Desenvolvimento da formação Conteúdos Programáticos Conceito e definição da fiabilidade. Fiabilidade intrínseca e demonstrada. Requisitos de fiabilidade. Optimização: fiabilidade vs desempenho e custos. Fiabilidade e ciclo de vida do produto. Conceito e definição da fiabilidade/função de Sobrevivência. Fiabilidade intrínseca e demonstrada. Fiabilidade e desempenho. Trade-off Fiabilidade/Desempenho/Custos. Fiabilidade e ciclo de vida do produto. Probabilidade condicional e fiabilidade de missão. Fiabilidade do componente: densidade de probabilidade de falha; taxa de avarias; função de fiabilidade geral, componentes/sistemas reparáveis versus componentes/sistemas não reparáveis. Tempo médio de avaria e tempo médio entre avarias (MTBF): Conceito de censura. Tipos de censura em sistemas não reparáveis. Método de estimação para dados censurados. Método de Kaplan-Meir. Leis de vida dos componentes (curvas de mortalidade): mortalidade infantil, vida útil e desgaste. Análise de fiabilidade em vida útil (taxa de avarias constante): distribuição exponencial negativa; teorema de Drenick; inutilidade da manutenção preventiva. Análise de fiabilidade em período de desgaste: distribuições Normal, Lognormal e de Weibull; Interesse da manutenção preventiva. Análise da fiabilidade em mortalidade infantil. Análise do sistema-série e paralelo. Diagramas lógicos vs diagramas físicos. Diagramas de blocos. Taxa de avarias equivalente. Fiabilidade Estrutural e Operacional. Noção de Redundância. Redundância activa. Nível de redundância vs ganho de fiabilidade. Inconstância da taxa de avarias. Estados e probabilidades de estados do sistema. Sistemas-paralelo restritos (m em n). Sistemas complexos. Distribuições Binomial e de Poisson. Estimação pontual. Método da Máxima Verosimilhança em sistemas não reparáveis. Estimação pontual do parâmetro dos modelos Poisson/Exponencial. Aplicações ao cenário com reposição de componentes e à gestão de stocks (cálculo de sobresselentes). Sistemas combinados. Análise do sistema-standby. Sistemas tolerantes à falha e sistemas de protecção. Causas de não-fiabilidade. Minimização da falha. Projecto determinístico vs. projecto fiabilístico. Tolerância ao dano: importância do programa de manutenção e da inspecção não destrutiva. Criticidade de falha. Análise de Modos e Efeitos de Falha (AMEF) ou Failure Mode, Effect and Criticality Analysis (FMECA). Análise de árvore de falha (FTA) (Fault Tree Analisys). Árvore de detecção de avarias. Árvore de acontecimentos. Gráficos de intensidade de falhas (Sistemas reparáveis). Gráfico de Duane. Teste de tendências para a Intensidade de Falhas (ROCOF). Teste de Laplace. N.º Horas Fiabilidade e manutenção Função de um equipamento, Manutenção centrada na fiabilidade (RCM). Fiabilidade e manutenção preventiva. Manutenção preventiva Optimizada (PMO). Conceitos de MTBF (tempo médio entre avarias), Manutenção correctiva. MTTR (tempo médio para reparação) e MWT (tempo médio de espera). Determinação de indicadores de fiabilidade e manutibilidade de uma linha de produção. Introdução aos conceitos sobre fiabilidade humana. Testes de THERP e SHERPA. Normas internacionais em fiabilidade. 8 6

7 Disponibilidad e e a sua integração conceptual. Manutibilidade e manutenção Conceito de Disponibilidade. Critérios sobre políticas de manutenção. Eficiência operacional de um equipamento (OEE Overall Equipment Efficiency). Indicadores de eficiência: Disponibilidade, Performance e Qualidade. Causas de eficiência reduzida. Disponibilidade Máxima, Disponibilidade Operacional, Disponibilidade Intrínseca, Disponibilidade Realizada. Indisponibilidade. Disponibilidade versus fiabilidade. Disponibilidade em contexto geral. Conceito de Manutibilidade. Processos de deterioração. Ciclo de uma intervenção de manutenção curativa. Descreve-se a função Normal logarítmica (LogNormal) como descritora dos tempos de manutenção. Facilidade de manutenção, tempos de operação de manutenção, qualidade de concepção e custos de manutenção. Formas de Manutenção: Planeada e não planeada; preventiva, correctiva e curativa; sistemática, condicionada e inspectiva. Manutenção preventiva sistemática. Manutenção preventiva On Condition. Potencial de manutenção programada. Manutenção correctiva e suas consequências. Interesse da manutenção preventiva. Inutilidade da manutenção preventiva para sistemas sem deterioração, caracterizados por tempo entre avarias sem memória - Função sem memória (Exponencial negativa). Intervalos de tempo entre intervenções de manutenção preventiva sistemática com base nos critérios custo mínimo e Intervalos entre inspecções em manutenção preventiva condicionada. Manutibilidade e disponibilidade. Normas sobre Manutibilidade. Manutibilidade como prevenção organizada. Requisitos de Manutibilidade. HORAS DE FORMAÇÃO TOTAL: Horas 7

8 Plano da 2ª Formação Curso Avançado em Segurança Funcional e Analise de Risco Desenvolvimento da formação Módulos Conteúdos Programáticos N.º Horas Conceitos RAM C Conceitos de Fiabilidade, disponibilidade e manutibilidade. Introdução e conceitos fundamentais de RAMS. Noções fundamentais em diagramas de blocos 1 Segurança funcional Introdução aos conceitos de segurança funcional. Normas internacionais aplicáveis. Níveis SIL (Níveis de Integradidade de Segurança). Princípio ALARP (As Low As Reasonably Praticable). Desenvolvimento e aplicação de sistemas de segurança. Análise e aplicação de casos práticos. 16 FMEA / FMECA Conceito da análise FMEA e FMECA. Selecção do tipo de FMEA / FMECA. Equipa FMEA / FMECA. Tipos e causas de falhas mais comuns. Tabelas de severidade, ocorrência e detecção. Ordenação de falhas. RPN Risk Priority Number. Análise de casos práticos 2 HAZOP Conceito das análises HAZOP. Planeamento e aplicação da HAZOP a processos contínuos, descontínuos (BATCH) e sequenciais. Aplicação da HAZOP a alterações e modificações de processos. Análise e aplicação de casos práticos. Hazard Analysis Introdução ao método PHA (Preliminary Hazard Analysis). Metodologia PHA. Análise e aplicação de casos práticos. IHA (Interface), SHA (System), SSHA (Sub-system), FHA (Function), O&SHA (Operational & Support). Relatório Hazard log. FTA Introdução ao método das Árvores de Falhas (Fault Tree Analysis). Metodologia FTA. Análise e aplicação de casos práticos. 2 ETA Introdução ao método dos Eventos de Falhas (Event Tree Analysis). Metodologia ETA. Análise e aplicação de casos práticos 2 HORAS DE FORMAÇÃO TOTAL: 56 Horas 8

9 Mais informações CIPROMEC ISEL Ricardo Santos Telf. (21) Telm:9760 9

Formação Manutenção: Curso de Segurança Funcional e Análise de risco

Formação Manutenção: Curso de Segurança Funcional e Análise de risco CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Formação Manutenção: Curso de Segurança Funcional e Análise de risco Edição de 2013 Organização Índice Organização 2 Âmbito

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar O que é a Manutenção? Conjunto de acções conduzidas com o fim de manter em condição aceitável as instalações e o equipamento fabril de forma a assegurar a regularidade da produção, a sua qualidade e a

Leia mais

15 de Junho a 7 de Julho Lisboa MOTIVAÇÃO Conhecer a informação que utilizamos diariamente, os seus processos de gestão e procedimentos directamente com ela associados, constituem formas de melhor compreendermos

Leia mais

Cursos para Quadros de Empresas (monitoria de Rui Assis) 2015/16

Cursos para Quadros de Empresas (monitoria de Rui Assis) 2015/16 para Quadros de Empresas (monitoria de Rui Assis) 2015/16 Estes cursos apoiam-se no software EXCEL e podem contemplar casos adaptados à realidade de cada empresa Área: Gestão Operacional 1. Análise Económica

Leia mais

CICLO DE FORMAÇÕES CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Em parceria com as empresas/entidades:

CICLO DE FORMAÇÕES CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Em parceria com as empresas/entidades: CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS CICLO DE FORMAÇÕES 2012 Em parceria com as empresas/entidades: c/a participação de formadores da EDP 1 Conteúdo Ciclo de

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho ÍNDICE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 3 INSCRIÇÕES E NÚMERO

Leia mais

Análise RAM (Reliability Analysis System)

Análise RAM (Reliability Analysis System) (Reliability Analysis System) (Reliability, Availability and Maintainability) uma Análise RAM em um O modelo de análise das 5 forças de Porter exemplifica a realidade atual do mundo corporativo, no qual

Leia mais

GESTÃO DE MANUTENÇÃO. Como Elaborar e Controlar um Plano de. Garanta a Fiabilidade e a Segurança dos Equipamentos e das Instalações

GESTÃO DE MANUTENÇÃO. Como Elaborar e Controlar um Plano de. Garanta a Fiabilidade e a Segurança dos Equipamentos e das Instalações 3ª EDIÇÃO SEMINÁRIO Revisto e Actualizado Como Elaborar e Controlar um Plano de GESTÃO Garanta a Fiabilidade e a Segurança dos Equipamentos e das Instalações O evento foi criativo, inovador, e deu-nos

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

OPTIMIZAÇÃO DO MTTR SIEMENS ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO

OPTIMIZAÇÃO DO MTTR SIEMENS ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO OPTIMIZAÇÃO DO MTTR 10º CONGRESSO NACIONAL DE MANUTENÇÃO SIEMENS ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO 1 PORTFÓLIO Asset Performance Management Optimização de Energia Serviços de Consultoria para optimização da eficiência

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

Módulo 4 DISPONIBILIDADE E CONFIABILIDADE DE ATIVOS DE TRANSPORTES

Módulo 4 DISPONIBILIDADE E CONFIABILIDADE DE ATIVOS DE TRANSPORTES Módulo 4 DISPONIBILIDADE E CONFIABILIDADE DE ATIVOS DE TRANSPORTES Análise da Vida Útil do Ativo MAXIMIZAR o Tempo de Operação dos equipamentos pela contenção das causas fundamentais das falhas. Qualificar

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática - Ramo Redes e Multimédia. 1ª ano / 2ª semestre

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática - Ramo Redes e Multimédia. 1ª ano / 2ª semestre Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática - Ramo Redes e Multimédia Bibliografia: 1ª ano / 2ª semestre - Basic Concepts and Taxonomy of Dependable and Secure Computing,

Leia mais

agradecimentos À Professora Doutora Sameiro Carvalho por ter assumido a responsabilidade de ser coorientadora científica.

agradecimentos À Professora Doutora Sameiro Carvalho por ter assumido a responsabilidade de ser coorientadora científica. agradecimentos Infelizmente não me é possível agradecer toda a colaboração concedida por todos aqueles que contribuíram com informação e tempo para a compilação deste trabalho. Quero, contudo, expressar

Leia mais

Controlo de Custos e Orçamentos em Manutenção

Controlo de Custos e Orçamentos em Manutenção SEMINÁRIO TÉCNICO www.iirangola.com De uma forma geral bastante satisfatório quer em termos de apresentação, a clareza na transmissão das matérias até à organização Nazaré Teixeira Directora Técnica de

Leia mais

Curso de Especialização em

Curso de Especialização em Curso de Especialização em CÁLCULO FINANCEIRO OBJECTIVOS A liberalização dos mercados financeiros, a crescente concorrência entre instituições financeiras, a inovação e diversificação ao nível dos serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

ANEXO. Proposta de Glossário Relacionada com a Gestão e Análise do Risco

ANEXO. Proposta de Glossário Relacionada com a Gestão e Análise do Risco ANEXO Proposta de Glossário Relacionada com a Gestão e Análise do Risco (Excerto adaptado 1 do trabalho elaborado pelo Grupo de Análise dos Riscos da Comissão Nacional Portuguesa das Grandes Barragens

Leia mais

Catálogo de Formação Inter-Empresas

Catálogo de Formação Inter-Empresas Catálogo de Formação Inter-Empresas QTEL 2015 Índice Quem Somos...Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL...Pág. 5 Formação em Ambiente.Pág. 6 Formação em Inovação..Pág. 9 Formação em Qualidade Pág. 13 Formação

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE OBRAS DE ARTE BASEADA NUMA ANÁLISE DE RISCO SEGUNDO A FMEA Bridge maintenance strategy based on FMEA Risk Analysis

ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE OBRAS DE ARTE BASEADA NUMA ANÁLISE DE RISCO SEGUNDO A FMEA Bridge maintenance strategy based on FMEA Risk Analysis ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE OBRAS DE ARTE BASEADA NUMA ANÁLISE DE RISCO SEGUNDO A FMEA Bridge maintenance strategy based on FMEA Risk Analysis Resumo Marta Duarte Alves Engenheira Civil MSc Eng. Construção

Leia mais

Capítulo I Introdução à gestão da manutenção Capítulo II Terminologia, definições e conceitos

Capítulo I Introdução à gestão da manutenção Capítulo II Terminologia, definições e conceitos Prefácio XIII Nota do Autor XV Capítulo I Introdução à gestão da manutenção 1 1.1. A manutenção 2 1.2. A gestão 4 1.3. Gestão da manutenção 5 1.4. Custos de manutenção 7 1.5. Software de gestão da manutenção

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

DOSSIER II EDIÇÃO DO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS. 4 de Maio a 12 de Outubro

DOSSIER II EDIÇÃO DO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS. 4 de Maio a 12 de Outubro DOSSIER II EDIÇÃO DO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS 4 de Maio a 12 de Outubro Índice 1. Denominação 2. Objectivos 3. Destinatários 4. Avaliação 5. Conteúdo Programático 6. Programa indicativo

Leia mais

Predição de Falhas no Apoio à Decisão na Gestão da Manutenção

Predição de Falhas no Apoio à Decisão na Gestão da Manutenção Predição de Falhas no Apoio à Decisão na Gestão da Manutenção Maria Prudência G. Martins, Armando L. F. Leitão Departamento de Gestão Industrial ESTiG Instituto Politécnico de Bragança Quinta de Santa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Desenvolvimento de Ferramentas para a aplicação da metodologia RAMS a equipamentos industriais

Desenvolvimento de Ferramentas para a aplicação da metodologia RAMS a equipamentos industriais Desenvolvimento de Ferramentas para a aplicação da metodologia RAMS a equipamentos industriais Ludovico Morais Licenciado em Engenharia Mecânica pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Dissertação

Leia mais

Catálogo de Formação Inter-Empresas

Catálogo de Formação Inter-Empresas Catálogo de Formação Inter-Empresas QTEL 2016 Índice Quem Somos...Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL...Pág. 5 Formação em Ambiente.Pág. 6 Formação em Inovação..Pág. 11 Formação em Qualidade Pág. 15 Formação

Leia mais

Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8

Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8 Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade

Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade Celso Luiz Santiago Figueiroa Filho, MSc Eng Alberto Magno Teodoro

Leia mais

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA.

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO 1 GESTÃO DA MANUTENÇÃO 1. INTRODUÇÃO; 2. METODOLOGIA 5 S ; 3. TEORIA DA MANUTENÇÃO; 4. ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE; 5. TPM TOTAL PRODUCTIVE MAINTENANCE; 6. MANUTENÇÃO AUTONOMA; 7.

Leia mais

Regulamento de Formação Inicial, Especializada, Contínua e Pós-Graduada

Regulamento de Formação Inicial, Especializada, Contínua e Pós-Graduada 1. Missão, Política e Estratégia da Entidade Num mundo em permanente mutação onde a investigação científica e o desenvolvimento das ciências ocupa um lugar determinante, a formação contínua ao longo da

Leia mais

Curso em Energias Renováveis Avaliação e Tecnologia Pós-Graduação

Curso em Energias Renováveis Avaliação e Tecnologia Pós-Graduação Curso em Energias Renováveis Avaliação e Tecnologia Pós-Graduação Curso em Energias Renováveis Avaliação e Tecnologia Formação Avançada Setembro de 2008 a Março de 2009 Instalações da Universidade Católica

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança de Máquinas

Pós-Graduação em Segurança de Máquinas Pós-Graduação em Segurança de Máquinas Área de Formação Segurança Objectivo - Reconhecer quais as obrigações legais na aquisição, alteração e uso de equipamentos; - Reconhecer quais os referenciais normativos

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Gestão da Formação. > Formação Pedagógica Inicial de Formadores 101. > Formação Pedagógica Contínua de Formadores 102

Gestão da Formação. > Formação Pedagógica Inicial de Formadores 101. > Formação Pedagógica Contínua de Formadores 102 > Formação Pedagógica Inicial de Formadores 101 > Formação Pedagógica Contínua de Formadores 102 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 103 > Avaliação da Formação 104 Gestão da Formação 99 Calendário

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA ECTS Controlo Estatístico do Processo Doutora Florbela Correia 32 4 Gestão da Qualidade Mestre José Carlos Sá 24 4 Informática Aplicada a Qualidade

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

Certificação da Qualidade ISO 9001 : 2003

Certificação da Qualidade ISO 9001 : 2003 Certificação da Qualidade ISO 9001 : 2003 DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 3ª, 4ª e 5ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h00 às 13h00 e das

Leia mais

FORMAÇÃO NP EN ISO 9001:2008 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AS RESPOSTAS SOCIAIS

FORMAÇÃO NP EN ISO 9001:2008 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AS RESPOSTAS SOCIAIS FORMAÇÃO N EN ISO 9001:2008 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ARA AS RESOSTAS SOCIAIS A IZONE Knowledge Systems promove o curso de Formação N EN ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da para as Respostas Sociais,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO DINSTITUTO SUPERIOR CURSOS PARA EXECUTIVOS E GESTÃO BANCÁRIA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO Início: 29 de Setembro de 2005 INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS Laura Caldeira Índice 1. Conceitos de segurança estrutural 2. Conceitos de risco 3. Utilização de sistemas de classificação 4. Considerações finais 2 1. Conceitos

Leia mais

Daniel Gaspar. A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão

Daniel Gaspar. A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão Daniel Gaspar A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão Leiria, 2 de Junho de 2004 Introdução Evolução Estratégia Organização Modelos de gestão 2 3 Quando a manutenção e o sistema de informação

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO I DA ADMISSÃO, DURAÇÃO E FREQUÊNCIA ARTIGO 1.º 1. O presente Regulamento estabelece as regras aplicáveis aos Cursos de Pós-Graduação promovidos conjuntamente pela

Leia mais

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional Tolerância a Faltas Sistema Computacional Sistema computacional: Formado por um conjunto de componentes internas Contém um estado interno Está sujeito a um conjunto de entradas, ou estímulos externos Tem

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO. Como Elaborar e Controlar um. Para Garantir a Fiabilidade e Segurança das Instalações 4ª EDIÇÃO CURSO

PLANO DE MANUTENÇÃO. Como Elaborar e Controlar um. Para Garantir a Fiabilidade e Segurança das Instalações 4ª EDIÇÃO CURSO 4ª EDIÇÃO CURSO Como Elaborar e Controlar um PLANO DE MANUTENÇÃO Para Garantir a Fiabilidade e Segurança das Instalações LUANDA 17 e 18 de NOVEMBRO de 2014 8 Razões para participar neste Curso Saber quais

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

Serviços Tecno Consultores em Formação. Serviços Tecnológicos MAPFRE Consultores em Engenharia e Formação

Serviços Tecno Consultores em Formação. Serviços Tecnológicos MAPFRE Consultores em Engenharia e Formação Serviços Tecno Consultores em Formação Consultores em Engenharia e Formação Plano de Formação 2014 Índice Curso Intensivo sobre Segurança no Trabalho para atualização de CAP s 4 Curso Intensivo sobre Segurança

Leia mais

Manutenção Preditiva e Pró-Activa. Filosofias Alternativas ou Complementares. Estudo de Caso

Manutenção Preditiva e Pró-Activa. Filosofias Alternativas ou Complementares. Estudo de Caso INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Departamento de Engenharia Mecânica Manutenção Preditiva e Pró-Activa. Filosofias Alternativas ou Complementares. Estudo de Caso Flávio Manuel Casqueiro Santos

Leia mais

Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar

Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar Curso de Formação Avançada Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar Em colaboração com 9 de Maio a 21 de Junho de 2008 Instituto Superior de Agronomia / Universidade Técnica

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development luanda www.letstalkgroup.com 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE Gestão da Formação 14

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

Análise dos Modos de Avaria de um Sistema de Alimentação de Emergência para um Centro de Informática

Análise dos Modos de Avaria de um Sistema de Alimentação de Emergência para um Centro de Informática Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Análise dos Modos de Avaria de um Sistema de Alimentação de Emergência para um Centro de Informática Maria Luísa Soares de Azevedo Vaz Matos Dissertação

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fotografia Digital e Pós-produção de imagem. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER O "Curso de Fotografia

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 20120717 REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 1. Refer: Gestor da Infraestrutura Ferroviária 2. Caracterização da Actividade de Manutenção

Leia mais

ISO 31000:2009 A GESTÃO DO RISCO E AS NORMAS ISO. ONS/APQ Organismo de Normalização Setorial / Associação Portuguesa para a Qualidade

ISO 31000:2009 A GESTÃO DO RISCO E AS NORMAS ISO. ONS/APQ Organismo de Normalização Setorial / Associação Portuguesa para a Qualidade PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM SAÚDE A GESTÃO DO RISCO E AS NORMAS ISO ISO 31000:2009 CT180 GESTÃO DO RISCO ONS/APQ Organismo de Normalização Setorial / Associação Portuguesa para a Qualidade

Leia mais

Catálogo de Formação Intra-Empresas

Catálogo de Formação Intra-Empresas Catálogo de Formação Intra-Empresas QTEL 2015 Índice Quem Somos.....Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL.....Pág. 5 Formação em Ambiente....Pág. 6 Formação em Gestão e Logística..Pág. 7 Formação em Inovação

Leia mais

A influência da manutenção industrial no Índice Global de Eficiência (OEE)

A influência da manutenção industrial no Índice Global de Eficiência (OEE) Ana Patrícia Ribeiro de Almeida Pires Martins Licenciatura em Ciências de Engenharia e Gestão Industrial A influência da manutenção industrial no Índice Global de Eficiência (OEE) Dissertação para obtenção

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

Segurança de sistemas de comando. Paradigma da norma EN 13849-1 versus EN954-1

Segurança de sistemas de comando. Paradigma da norma EN 13849-1 versus EN954-1 Segurança de sistemas de comando Paradigma da norma EN 13849-1 versus EN954-1 EN ISO 13849-1:2008 (ISO 13849-1:2006) Segurança de máquinas - Partes dos sistemas de comando relativos à segurança - Parte

Leia mais

MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE

MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE PREFÁCIO Dado o elevado padrão da tecnologia atual, medidas que asseguram a confiabilidade são indispensáveis. Devido à problemática da confiabilidade ainda ser pouco

Leia mais

Fundação LIGA. Instituição academicamente adscrita à. Universidade Fernando Pessoa

Fundação LIGA. Instituição academicamente adscrita à. Universidade Fernando Pessoa Pós-Graduação Consultoria em Acessibilidades Fundação LIGA Instituição academicamente adscrita à Universidade Fernando Pessoa Objectivos A presente pós-graduação tem como objectivo a identificação das

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais ÍNDICE CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS... 3 OBJECTIVOS...

Leia mais

Análise de Fiabilidade de um Sistema de Alimentação de Emergência para um Centro de Informática

Análise de Fiabilidade de um Sistema de Alimentação de Emergência para um Centro de Informática Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Análise de Fiabilidade de um Sistema de Alimentação de Emergência para um Centro de Informática Maria Luísa Soares de Azevedo Vaz Matos VERSÃO PROVISÓRIA

Leia mais

Regulamento Interno de Formação

Regulamento Interno de Formação Regulamento Interno de Formação AR01/0 2012-07-24 9 Introdução A FRONTWAVE concretiza actualmente um dos objectivos principais da sua missão (derivada da sua própria génese e espelhada através do seu objecto

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

TPM. José Pedro A. R. Silva

TPM. José Pedro A. R. Silva CICLOS DE FORMAÇÃO EMPRESARIAL Metodologias Avançadas para a Indústria e Serviços TPM José Pedro A. R. Silva 1 CICLOS DE FORMAÇÃO EMPRESARIAL Ciclo de formação e treino em Lean TPM Ciclo de formação e

Leia mais

Sistemas Solar Fotovoltaicos (Projectista)

Sistemas Solar Fotovoltaicos (Projectista) Sistemas Solar Fotovoltaicos (Projectista) DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª e 4ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h00 às 13h00 e das

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais. Curso de Línguas e Humanidades 2º ANO (11º ANO)

PLANIFICAÇÃO ANUAL. MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais. Curso de Línguas e Humanidades 2º ANO (11º ANO) PLANIFICAÇÃO ANUAL MACS Matemática Aplicada às Ciências Sociais Curso de Línguas e Humanidades º ANO (º ANO) Ano Lectivo 0/05 Planificação º Ano - MACS º Período Número de Aulas Previstas 0 Apresentação

Leia mais

Necessidade e Disponibilidade de Materiais de Manutenção (

Necessidade e Disponibilidade de Materiais de Manutenção ( Necessidade e Disponibilidade de Materiais de Manutenção ( Um caso de estudo na Brisa ( Paulo José de Oliveira Reis Ferreira de Mira Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Mecânica Orientadores:

Leia mais

DESTINATÁRIOS Engenheiros e técnicos com interesse e/ou responsabilidades profissionais na área da gestão ambiental e/ou desenvolvimento de produtos.

DESTINATÁRIOS Engenheiros e técnicos com interesse e/ou responsabilidades profissionais na área da gestão ambiental e/ou desenvolvimento de produtos. Curso: Introdução à Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) como ferramenta de Gestão Ambiental e de Ecodesign 15 Outubro 26 Novembro 2011 (sábados de manhã) Organização: Escola Superior de Biotecnologia - Universidade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLINAR: 500 Matemática Aplicada às Ciências Sociais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLINAR: 500 Matemática Aplicada às Ciências Sociais ANO: 11º ANO LECTIVO : 008/009 p.1/7 CONTEÚDOS MODELOS MATEMÁTICOS COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Compreender a importância dos modelos matemáticos na resolução de problemas de problemas concretos. Nº. AULAS

Leia mais

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA

DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DEMOCRACIA E GESTÃO AUTÁRQUICA DURAÇÃO / COMPONENTE / DIPLOMA CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA I Edição 2014 30 Horas lectivas / Teórica / Curso de Formação Avançada COORDENAÇÃO Coordenação Científica Prof.

Leia mais

Acção de Formação Contabilidade Geral - Primavera v8

Acção de Formação Contabilidade Geral - Primavera v8 Acção de Formação Contabilidade Geral - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos Regulamento n.º 663/2010 Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º Missão e Objectivos O CEAGP tem por missão propiciar uma formação generalista, de nível

Leia mais

Empreendedorismo e Organização da Empresa. Público-Alvo

Empreendedorismo e Organização da Empresa. Público-Alvo Empreendedorismo e Organização da Empresa Público-Alvo Formandos que pretendam adquirir um conjunto de conhecimentos e competências na área empresarial, que lhes permita alargar a sua compreensão e posterior

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO AVALIAÇÃO DE BENS IMOBILIÁRIOS EDIÇÃO Nº01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Avaliação de Bens Imobiliários. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER No final da formação, os participantes deverão

Leia mais

II Curso de E-learning

II Curso de E-learning Associação Portuguesa dos Técnicos de Natação Complexo de Piscinas Municipais de Rio Maior Estradas das Marinhas 2040 Rio Maior II Curso de E-learning O Técnico de Manutenção de Piscinas de Uso Colectivo

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais