ANALISE DE RISCO E SEGUROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANALISE DE RISCO E SEGUROS"

Transcrição

1 \\ \ \ 1\\ 111 \11 \11\ 1\ 11\ 1111\ \1111 \ \1111\\ r ANALISE DE RISCO E SEGUROS UM CASO PRÁTICO DE USO DE FERRAMENTAS DE SIMULAÇÃO DE RISCO NA SUBSCRIÇÃO DE APÓLICES DE SEGURO MARCO SIMONOVITCH v ~ SÃO PAULO, SETEMBRO DE 1997

2 r ANALISE DE RISCO E SEGUROS UM CASO PRÁTICO DE USO DE FERRAMENTAS DE SIMULAÇÃO DE RISCO NA SUBSCRIÇÃO DE APÓLICES DE SEGURO Banca Examinadora Prof.: Pierre Jacques Ebrlicb Prof.: Antônio Carlos Manfredini C. Oliveira Prof.: João Carlos Douat SÃO PAULO, SETEMBRO DE 1997

3 , ANALISE DE RISCO EM SEGUROS UM CASO PRÁTICO DE USO DE FERRAMENTAS DE SIMULAÇÃO DE RISCO NA SUBSCRIÇÃO DE APÓLICES DE SEGURO Dissertação de Mestrado Submetida à Escola de Administração de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas Como requisito para a obtenção do grau de Mestre em Administração de Empresas Área de Concentração: IMQ - Informática e Métodos Quantitativos Por Marco Simonovitch Orientador: Prof. PierreJacques Ehrlich São Paulo, setembro de 1997?~,... ~ FundaçãO Getulio Vaorg~5 ~'".. ~ ~ Esco'- de Administração ~..'p "-FGV de Empresas de São paulo... _, Biblioteca ~.1 I \11\\\\\\\\11\1\1\

4 de Mministração d~/ J;"-'1la 'í-:es.:;s t..)~f:o r 3l:!t") r. -' -- I I '"\ \ L-J

5 SIMONOVITCH, Marco. ANÁLISE DE RISCO EM SEGUROS UM CASO PRÁTICO DE USO DE FERRAMENTAS DE SIMULAÇÃO DE RISCO NA SUBSCRIÇÃO DE APÓLICES DE SEGURO. São Paulo: EAESP/FGV, p. (Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso MBA - Master in Business Administration da EAESP/FGV, Área de Concentração: IMQ - Informática e Métodos Quantitativos). Resumo: A revisão de conceitos trata do tema risco e análise de risco, sob o aspecto teórico, definindo e explorando as dimensões dadas pelos estudiosos do assunto e pelos profissionais de seguro, dando conceitos de risco e técnicas de gestão de risco. Apresenta na seção prática um estudo de caso de subscrição de apólice de um grande lote de automóveis, derivado de uma situação real, modelando o problema e aplicando o método da simulação como ferramenta de análise de risco para problemas de incerteza na indústria de seguros. Palavras - Chave: Risco - Análise de Risco - Modelagem Quantitativa - Simulação - Seguros - Função Utilidade 11

6 DEDICATÓRIAS À minha querida esposa Debora, cujo apoio permitiu que eu chegasse ao fim desta jornada e cujo reencontro, que precedeu nosso casamento, significou um recomeço, cheio de projetos e perspectivas, dos quais este curso é parte integral. À minha mãe, que mesmo nos momentos mais difíceis jamais deixou de acreditar em meu potencial, sendo indulgente com as minhas falhas e ao mesmo tempo dando força para que eu pudesse continuar a enfrentar meus desafios profissionais e pessoais. Aos meus avós Jacques Alhadeff, que incutiu em mim o gosto pela cultura e pelo aprendizado e Marcos Simonovitch, que a despeito de não termos nos conhecido moldou meu caráter de forma indelével, arraigando as convicções acerca do valor do trabalho, do esforço e da obstinação diante da dificuldade. 111

7 AGRADECIMENTOS Ao amigo Luís Alberto Mendes Rodrigues por ter sido sempre um mentor intelectual e um exemplo de excelência profissional. A Jorge Paulo Lemman, por ter possibilitado, através da Fundação Estudar, que um sonho se realizasse, acreditando neste aluno. Ao amigo Marcelo Blay, que obteve papel fundamental na decisão de cursar o MBA Ao amigo Ricardo Lachac cuja contribuição foi fundamental para obtenção de dados. A Sandra Menezes e sua equipe, do departamento de estatísticas de automóvel da seguradora, que tiveram a gentileza e a paciência de tabular e apurar dados especialmente para este trabalho a despeito de suas rotinas atarefadas. IV

8 ABERTURA Este trabalho visa a exploração do conceito de risco, primeiro de um ponto de vista geral, em seguida do ponto de vista do mercado segurador, com suas particularidades e em seguida explora uma situação real, na forma de um estudo de caso, na qual procuramos responder a algumas perguntas relacionadas com risco, análise de risco e gestão de risco: Como definir o risco? Como quantificar o risco? Quais as aleatoriedades envolvidas? Quais as ferramentas disponíveis? Quais as conclusões possíveis? Quais as atitudes frente ao risco? Como se proteger contra o risco? Quais as incertezas? A fim de dar ao leitor um panorama do problema enfrentado descreveremos rapidamente a situação geradora do estudo de caso por nós usado. Essencialmente oferecemos a subscrição, ou seja, a oportunidade de emitir uma apólice de 1800 automóveis por um período de 4 anos. Percebemos que, a despeito da razoabilidade do receio da seguradora em aceitar exposição ao risco por um período tão longo (4 anos), uma vez que a mesma somente aceitava contratos de até três anos, não encontrávamos uma explicação racional. Nos deparamos com o problema de como modelar e avaliar, sob o ponto de vista da seguradora, as conseqüências de um contrato de prazo tão longo. Nos perguntamos como poderíamos endereçar o problema de modo a confirmar ou negar a nossa hipótese de trabalho de que o contrato mais longo seria mais lucrativo do que os contratos de seguro mais curtos. Como deveríamos modelar o problema, quais variáveis escolher, como classificá-las, v

9 de que dados partir, que ferramentas utilizar e, sobretudo, como interpretar um resultado que deveria nortear a decisão de subscrição ou não do risco, em outras palavras, aceitação ou recusa do risco, se fôssemos o segurador ou, por outro lado, como poderíamos convencer o segurador da vantagem do negócio como corretores apresentando uma oportunidade à seguradora. Vale ressaltar que a postura da seguradora, a despeito de sua aparente falta de recursos para modelar as chances do futuro pode estar respaldada pela intuição e esta intuição não é necessariamente ruim, muito pelo contrário, a intuição educada pode e deve ser usada no processo decisório. A intuição bruta, por sua vez, sem suporte de motivos racionais, esta sim deve ser evitada. De qualquer maneira, o simples negociar de condições para o seguro proposto ou ainda a intuição expressa pela seguradora, certa ou errada, não tem o poder de comunicar a estrutura e as variáveis do problema. Ao longo deste trabalho modelaremos o problema e tentaremos extrair do modelo conclusões acerca de nossa hipótese de trabalho. No caso da seguradora, os decisores devem possuir acesso à urna certa sensibilidade ao problema de subscrição que, mesmo não expressa em termos formais, analisa a situação de maneira satisfatória. De acordo com D. Hertz (1983, p.2) urna das grandes vantagens da análise de risco é a capacidade deste instrumento de comunicar o problema decisório dentro da organização. A intuição, ainda que lapidada é de cunho pessoal e trata aspectos importantes do problema de maneiras não visíveis ao observador externo. Os. atuários dizem que se o futuro se realizar de acordo com o que demonstra o passado, pode-se esperar isto ou aquilo. Porém se o futuro não repetir o passado, o que fazer? Sobretaxar o risco e perder o negócio dado ao seu prazo longo e alta incerteza. Descartar a análise pura e simplesmente porque não possui elementos para trabalhar com o futuro e prevê-lo perfeitamente ou tentar modelar o problema e buscar insights no futuro, segundo dados do passado e estimativas do comportamento dos parâmetros das premissas pertinentes. Escolhemos a última opção. Nos defrontamos com a dúvida acerca do método para estimar a distribuição das previsões de resultados VI

10 e estabilidade dos mesmos. Escolhemos a abordagem da análise de risco e dispersão de resultados em relação ao valor esperado, através de simulação, testando o futuro e buscando nele as possibilidades de ganho ou perda (HERTZ, 1983, p.2, 3 e 4). vii

11 índice DEDICATÓRIAS ih AGRADECIMENTOS iv ABERTURA v llitrodução 1 O&rnTNOS 1 APLICAÇÃO 2 REVISÃO DE CONCEITOS 4 DEFINIÇÕES DE RISCO 4 ANÁLISE DE RISCO E PENSAMENTO ESTRATÉGICO 8 DEFINIÇÃO DE ANÁLISE DE RISCO 9 O SIGNIFICADO DE INCERTEZA E RISCO 10 CRITÉRIOS COMUNS DE DECISÃO 11 NATUREZA DO RISCO 12 ~TRODUÇÃO 12 O QUE É RISCO? 13 MEDIDAS DE RISCO NO MERCADO SEGURADOR 14 IDENTIFICAÇÃO DO RISCO 15 MENSURAÇÃO DO RISCO 15 AVALIAÇÃO E REAVALIAÇÃO DO RISCO 16 VANTAGENS DA ANÁLISE DE RISCO 18 ASPECTOS BÁSICOS DA ANÁLISE DE RISCO 18 ~TRODUÇÃO 18 O QUE É ANÁLISE DE RISCO? 18 POLÍTICA DE DECISÃO E CONCEITO DE EFICIÊNCIA 20 RISK-SHARING E FUNÇÃO UTILIDADE 21 O QUE FAZER EM RELAÇÃO AO RISCO - MÉTODOS DE GESTÃO 27 PROCESSO DE GESTÃO DE RISCO 29 REGRAS DE GESTÃO DE RISCO 30 CARACTERÍSTICAS DO RISCO E TIPO DE INSTRUMENTO DE GESTÃO 30 ELEMENTOS DE UM RISCO SEGURÁVEL 31 CONCEITOS BÁSICOS NA TAXAÇÃO DE SEGUROS 32 SIMULAÇÕES - FUNDAMENTOS CIENTÍFICOS E ESTATÍSTICOS 32 DEF~IÇÃO DAS VARIÁVEIS 36 PIOR x MELHOR CENÁRIO CONTRA SIMULAÇÕES 37 viii

12 WHAT -IF ANALISYS x SIMULAÇÕES ANÁLISE DA DECISÃO X SIMULAÇÃO UM CASO PRÁTICO 39 DESCRIÇÃO A DESCRIÇÃO DA CONSULTA FEITA À SEGURADORA OS RAMOS ENVOLVIDOS REGRAS DE INDENIZAÇÃO OS NÚMEROS ENVOLVIDOS Os PRÊMIOS DE SEGURO ENVOLVIDOS OS PRAZOS ENVOLVIDOS PARÂMETROS DAS PREMISSAS ASD~CULDADESAPRESENTADASPELASEGURADORA ABORDAGEM PROPOSTA O USO DE SIMULAÇÃO ROTEIRO DE ESTRUTURAÇÃO E MODELAGEM DO PROBLEMA A QUESTÃO DO PRAZO DO SEGURO E TRATAMENTO DO TEMPO CONCLUSÕES BmLIOGRAFIA 61 ANEXOS 63 O CONTEXTO EM QUE SURGIU O CASO NOTA EXPLICATIVA PARA OS RELATÓRIOS DO CRYSTAL BALL RELATÓRIOS CRYSTAL BALL - TAXIS NACIONAIS - DADOS ORIGINAIS RELATÓRIOS DO CRYSTAL BALL - ESTRANGEIROS PASSEIO PREMISSAS ESPECÍFICAS DE TAXIS NACIONAIS - DADOS ORIGINAIS PREMISSAS ESPECÍFICAS DE ESTRANGEIROS DE PASSEIO PREMISSAS GERAIS PARA TODAS AS SIMULAÇÕES DIAGRAMA DETALHADO DO MODELO DE SIMULAÇÃO DEFINIÇÃO DOS TERMOS DE TAXAÇÃO DE SEGUROS ix

13 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Discorrer sobre as dimensões do risco, análise de risco, ferramentas e aplicações no mercado de seguros. Uso de ferramentas de simulação e crítica dos resultados obtidos. Análise da pertinência da modelagem de simulação às situações vividas no mercado de seguros, mais precisamente no caso proposto como objeto de estudo. A parte teórica visa a construção de uma base conceitual sobre a qual analisaremos os resultados da parte prática, ou numérica, na qual os conceitos de risco, incerteza, variabilidade, distribuições estatísticas e aleatoriedade serão fundamentais para a estruturação do modelo e posterior julgamento dos resultados obtidos. Que fique claro, no entanto que as dimensões abordadas do risco extrapolam as estritamente relacionadas com seguros sendo que quando discorremos sobre os métodos de gestão de risco, assumimos que alguns deles implicarão em uso do dispositivo seguro, outros implicam em outras estratégias. No caso de uma seguradora, de maneira análoga as decisões também podem ser evitar, transferir, reter ou partilhar. (VAUGHAM e VAUGHAM, 1996, p.lo). O nosso estudo de caso assume retenção completa do risco pela seguradora, mas isto não é regra inquebrantável, como atestam os dispositivos de co-seguro e resseguro. Mais especificamente, no caso real aqui proposto, desejamos julgar a decisão de subscrição do risco proposto, sob o ponto de vista de decisão pura, ou seja, aceitar o risco ou não e sob o ponto de vista da qualidade da decisão de aceitação do risco, ou seja, esperança de ganhos ou perdas, perda máxima provável, ganho máximo provável, distribuição de probabilidade de perda, distribuição de probabilidade de ganho. Se não pudermos julgar de maneira categórica que possamos pelo menos comparar os resultados obtidos por meio de análise de dominância.

14 Além destas medidas procuraremos analisar a adequação desta decisão de aceitação, aceitação condicionada ou rejeição do risco à carteira da seguradora como um todo, utilizando as saídas do modelo de simulação para análise não somente do negócio proposto mas também da aplicabilidade do conceito de função utilidade e aversão a risco (individual, grupal, corporativa ou dos acionistas) (RAIFF A, 1970.cap. 8). Os objetivos deste trabalho são: Analisar o fator risco de forma geral buscando sua natureza e definições Analisar risco sob o ponto de vista do mercado segurador Discorrer sobre as diferentes formas de gestão de risco Discorrer sobre ferramentas para julgamento e mensuração de risco Julgar vantagens e desvantagens das formas alternativas Escolher e implementar um modelo de mensuração de risco Concluir a partir do modelo desenvolvido sobre as características do negócio proposto APLICAÇÃO Os conceitos de risco desenvolvidos neste trabalho permitem uma organização da percepção de risco e suas dimensões bem como contemplam as técnicas básicas de gestão de risco como ferramentas de convivência com o mesmo. Os critérios de freqüência e severidade nos ajudam a escolher os instrumentos de gestão e o estudo de caso, além de nos propiciar urna eventual resposta para as incertezas apontadas pela seguradora, nos permite estruturar um problema de decisão, sujeito a incertezas, definindo parâmetros das premissas (Assumption Parameters), parâmetros externos e variáveis de decisão, equações representativas do modelo e previsões (EHRLICH,1997). David Hertz ( 1983, p.2) em seu texto, admite que um dos papéis principais da análise de risco é gerar entre os decisores urna visão estruturada do problema decisório e facilitar a comunicação do mesmo. 2

15 A aplicação dos modelos de simulação permite projetar para o futuro as incertezas presentes nos parâmetros das premissas, tentando, após um grande número de interações, descrever as distribuições de probabilidades da previsão desejada ou, no nosso caso específico, valor esperado da aceitação do risco de seguro por períodos de 1, 2, 3 e quatro anos buscando insights acerca de como poderia ser o futuro em termos probabilísticos. Em nosso caso específico desejamos obter uma visão de resultado esperado no futuro, em função de variáveis aleatórias escolhidas pela pertinência e que nos permitam julgar os riscos inerentes à uma "aposta" de 4 anos, dando a dispersão esperada dos resultados (ganhos ou perdas). 3

16 REVISÃO DE CONCEITOS DEFINiÇÕES DE RISCO Risco é a condição em que há a possibilidade de um desvio adverso em relação a um resultado desejado (V AUGHAM e VAUGHAM, 1996, p.5 ). Risco pode ser definido como a possibilidade de uma perda financeira significativa. Por trazer em si o perigo financeiro, o risco deve ser avaliado cuidadosamente (JABLONOWSKI, 1996). " De maneira geral risco pode ser definido como a probabilidade de ocorrência de um evento desfavorável" (BRIGHAM e GAPENSKI, 1993, p. 172). " Risco de investimento está relacionado à probabilidade de obtenção de retornos inferiores aos retornos esperados. Quanto maior a chance de retomo baixo ou negativo mais arriscado o investimento" (BRIGHAM e GAPENSKI, 1993, p. 172). David Hertz ( 1983, p. 41 ) adota o desvio padrão de uma medida em relação a sua média como sendo a medida para mensuração do risco. Demonstra a dispersão de um estimador em relação a sua principal medida de tendência central. Quanto maior o desvio padrão, maior a probabilidade de que as observações reais estejam distantes da média. Em outras palavras, grandes desvios padrão, grande variabilidade em relação à média esperada. O desvio padrão portanto mede o risco, entendido como variabilidade do estimador escolhido ao redor da média. A vantagem do desvio padrão sobre a variância está no fato de que este é expresso na mesma dimensão do estimador e desta maneira sua interpretação é intuitiva. Para efeito deste trabalho adotaremos a definição de D. HERTZ do desvio padrão como medida do risco. Eugene F. Brigham e Louis C. Gapenski (1993, p. 150) também adotam o desvio padrão como medida de risco. 4

17 David Hertz (1983, p.l), como descrito acima, enfatiza o aspecto de risco como conseqüência da variabilidade dos resultados efetivos em relação ao resultado esperado (em geral a média esperada). Outros autores abordam o problema de outra maneira. Howard Raiffa (1970, capo 8) aborda a incerteza e o risco sob o ponto de vista da função utilidade e da aversão ao risco. Na abordagem deste autor as decisões sob incerteza são realizadas em função da aversão ou tolerância a risco, característica modelada por Howard Raiffa (1970, capo 8) através da função utilidade. Esta aversão ou tolerância a risco podem ser verificados de forma empírica bem como descritos por funções que modelam de maneira aproximada as decisões ao perfil de aceitação de risco do decisor. A análise deixa de ser objetiva e direta (no sentido de distribuição de resultados versus probabilidades de ocorrência) e passa a ser realizada em função de um fator de aversão a risco que determina as combinações de potencial de perda e potencial de ganho que maximizam a utilidade individual ou grupal. As combinações podem estar localizadas sobre a curva de utilidade (Ótimo de Pareto) (RAIFFA,1970, p.218) bem como nas áreas cuja utilidade é inferior às combinações existentes sobre a curva descrita pela função de utilidade(portanto rejeitadas). A relevância desta análise está no fato de que passamos a ver o problema sob o ponto de vista das utilidades particulares dos decisores. Os problemas propostos passam a poder ser decompostos em subconjuntos que satisfaçam aos decisores que partilham o risco, na medida de seus desejos de assunção de risco. 5

18 Do ponto de vista gráfico teríamos: Curvas da Função de Utilidade - Risco Avesso; Risco Tolerante e Risco Neutro Y> Potencial de Perda Curva C (Decisor Tolerante (200;-1000) ao Risco) Curva A ( Decisor Indiferente ao Risco) : (1.000;-200) Curva B (Decisor Avesso ao Risco) X> Potencial de Ganho Otto R. Bekman e Pedro Luiz Q. Costa Neto (1980,cap. 5) seguem o mesmo caminho de Howard Raiffa (1970, capo 8), apresentando inclusive exemplos de funções de utilidade. Entre eles o de uso mais comum é a função exponencial u(x) = 1- e- vx onde V (gama) é um parâmetro não nulo, obtido empiricamente e representativo do perfil de aceitação de risco do decisor. Neste tipo de situação, descrita pela função exponencial, a aversão ao risco é constante, independente do capital do decisor (perder 1 de um capital de 5 é igual a perder 200 de um capital de 1000). R(X)= V (coeficiente de aversão arisco). Um outro exemplo apresentado por Otto R. Bekman e Pedro Luiz O. Costa Neto (1980, p. 70 e 71) é o da função logarítmica, cuja vantagem sobre a função anterior reside na incorporação do capital do decisor para a derivação da curva de utilidade. 6

19 Temos portanto que: u(x) = In (x + á) onde á(alfa) = eqüivale ao capital do decisor. Se tivermos, como de fato temos que, r(x) = l/(x+á) (coeficiente de aversão ao risco) (BEKMAN e COSTA NETO,1980, p. 70 e 71) quanto maior o capital á(alfa) menor será a aversão ao risco e conseqüentemente teremos uma aversão ao risco não constante (quanto maior o capital menor a aversão e vice versa). Esta função eventualmente nos dá pistas sobre o porque de urna loteria com 50% de probabilidade de ganhar 10 unidades monetárias ou perder 5 unidades monetárias provavelmente seria aceita enquanto uma loteria com 50% de probabilidade de ganhar unidades monetárias ou perder unidades monetárias seria rejeitada. Poderíamos usar um problema de seguro proposto por Otto R. Bekman e Pedro Luiz O. Costa Neto ( 1980, p. 79) para demonstrar o funcionamento e a aplicação da função logarítmica da utilidade. Se tivermos um segurado com capital á(alfa) desejando segurar contra perda total um bem de valor X, com probabilidade de ocorrência desta perda total de p poderíamos dizer que ao adquirir o seguro o segurado estará vendendo uma loteria indesejável (trocando incerteza pelo equivalente certo) por um preço negativo. Sendo V o valor máximo que o segurado está disposto a pagar pelo seguro temos que para o segurado: á - V> [á - X,p; á,l-p] In (á - V) > p In (á - X) + (l-p) á - V > (á - X)Pá l - P V < á - (á - X)Pá l - P = á [1- «á In á -X)/ á)p] No caso da seguradora o capital 13 (beta) é muito superior a X, sendo o coeficiente de aversão a risco igual a r(x) = 1 / (X + 13). Se considerarmos que X é um valor ínfimo se comparado ao capital 13 teremos que: R(X) == 1 /13 C> 13 In [1- p(l_e l1p )] 7

20 No exemplo numérico proposto temos: p = á = X = p = 0,01 teríamos que V == 690,70 - Valor máximo pago pelo segurado (equivalente certo) pela cobertura de seguro. C= Valor mínimo aceito pela seguradora = Este exemplo demonstra que há uma área de superposição entre o valor máximo a pagar aceito pelo segurado e o valor mínimo aceitável pela seguradora para retenção do risco. ANÁLISE DE RISCO E PENSAMENTO ESTRA TÉGICO A análise de risco pode ser vista como tendo dois papéis principais, segundo os comentários de David Hertz (1979), Howard Raiffa( 1968) e Howard Thomas (1972) citados por David Hertz (1983,p.l). Em primeiro lugar esta abordagem permite a estruturação do processo de decisão e em segundo lugar fornece um conjunto de técnicas de avaliação do valor de diferentes decisões. O texto de David Hertz (1983, capo 1) reafirma a convicção de que há forte relação entre análise de risco e decisões estratégicas dentro do ambiente de negócios. O processo de modelagem necessário para a análise de risco, notadamente a simulação, exige a estruturação do problema, obrigando o executivo a debruçar-se sobre o problema, esclarecendo-o, formulando-o em função de características reais e facilitando a comunicação entre os vários agentes decisores na organização. 8

21 DEFINiÇÃO DE ANÁLISE DE RISCO David Hertz (1983, p.4 e 19) usa o termo Análise de Risco para métodos cujo objetivo é desenvolver uma compreensão abrangente e consciente do risco associado com urna variável de previsão (VPL, Lucro, etc.). Ainda segundo D. HERTZ, análise de risco é um veículo para examinar os dados que circundam um problema de decisão, à luz de todas as incertezas envolvidas. A análise de risco é uma importante maneira de planejar, entender e agir sobre a incerteza. (HERTZ, 1983,p.19 e 20) Em Risk Management Magazine, M. JABLONOWSKI (1996) aponta a necessidade de uso de métodos probabilísticos para o dimensionamento e melhor compreensão pelos gerentes das dimensões e efeitos dos riscos incorridos. Sugere ainda que se use dados estatísticos sempre que os mesmos estejam a disposição mas na falta destes o autor dá a entender também que uma probabilidade subjetiva é melhor do que a falta de informação. Propõe também o uso de várias técnicas para separar o evento de perdas acidentais em vários componentes. Isto é importante quando há probabilidades para diferentes eventos ou segmentos de um evento mas não para o evento objeto da análise. Desta maneira se construiria urna árvore onde os ramos descreveriam os eventos intermediários e suas interseções de probabilidades, ficando visível e quantificável o evento final objeto do estudo. Como o evento do ramo final ( mais a direita) pressupõe que todos os eventos intermediários ocorram podemos calcular o resultado final multiplicando as diversas probabilidades. O autor descreve a seguir o papel das simulações quando nos deparamos com árvores de decisão mais complexas. Estas simulações usam as probabilidades como inputs (parâmetros das premissas). E assim como advoga David Hertz (1983, p.29) a simulação permite urna melhor visão do risco associado a uma determinada exposição do que obteríamos usando os resultados derivados de uma árvore de decisão. 9

22 Se até este ponto havíamos citado D. HERTZ como estudioso da análise de risco, aproveitamos a oportunidade para citar gestores de risco que confirmam as limitações da prática atual, seja nos negócios em geral, seja no setor de seguros. Em Risk Management Magazine, M. JABLONOWSKI (1996) descreve com o nome de PRA - Probabilistic Risk Analysis um método semelhante ou virtualmente idêntico ao proposto por D. HERTZ. Mais ainda, a preocupação inserida na escrita de um artigo como o ora apresentado mostra que a alegação de que existe um mito da precisão atuarial não é leviana, é na verdade uma expressão, entre outras coisas, da limitação de sofisticação da análise de risco em muitos setores, inclusive empresas de seguro. O mesmo autor dá um exemplo onde é mencionado que uma empresa deve segurar os riscos que são exposições não aceitáveis. Para mensurar e formalizar esta diretriz a empresa precisa estar capaz de julgar o tamanho da exposição. A análise de risco busca exatamente isto. As simulações podem gerar a distribuição de probabilidades da variável escolhida (previsão), no caso, perda ou ganho financeiro, enquanto o método de árvores de decisão permite uma melhor visualização dos ramos em que pode haver alguma atividade redutora de risco. o SIGNIFICADO DE INCERTEZA E RISCO Em Risk Analysis and Its Applications, D. HERTZ (1983, p.3), descreve risco tanto como incerteza quanto o resultado desta incerteza. Risco diz respeito à falta de previsibilidade acerca da estrutura, resultados e conseqüências em urna situação de decisão. Risco está portanto associado aos conceitos de sorte como probabilidade de perda ou ruína. LINDLEY (1971), citado por HERTZ (1983, p.l), aponta ainda a diferença entre eventos estatísticos e eventos não estatísticos. Os primeiros são capazes de grande repetição enquanto os segundos são únicos. Freqüentemente os agentes decisores precisam lidar com eventos não estatísticos e desta maneira tomam decisões baseadas 10

23 em probabilidades subjetivas, fruto de seus julgamentos pessoais ou grupais. A despeito de não serem probabilidades objetivas, como ocorre em nosso problema de seguros, as probabilidades subjetivas não invalidam, pelo contrário, contribuem para a análise das incertezas envoltas nas decisões (HERTZ,1983, p.3 e 31). Em Risk Management Magazine, P. YEDINSKY (1996) prevê em seu artigo "Taking the Gamble Out of Risk - The Role of Risk Modeling" que os dias de cálculo de risco através de adivinhação estão contados. É apontado o paradoxo de que ao contrário dos gerentes financeiros, o pessoal de seguros aparentemente tem urna maior propensão a evitar o uso da modelagem urna vez que o negócio de seguros é por natureza um negócio defensivo e os gerentes deste ramo em geral buscam "defender a fortaleza ao invés de aumentar a dimensão da batalha". O autor observa também que a indústria de seguros tem sido relutante em usar modelagem de risco. Aparentemente, como pudemos observar a partir das leituras de artigos e livros, é ainda muito freqüente a falta, por parte de gerentes e empresas, de urna abordagem sistemática de modelagem de risco. A modelagem de risco, tal como definida na Wharton Risk Management Home Page é " Efetivamente entender os riscos envolvidos nas atividades de urna organização" Vale ressalvar que a modelagem de risco, seja ela simulação, teoria da decisão, cenários ou what-if analysis, é um instrumento de apoio a decisão e não um decisor e desta maneira as saídas do modelo ou previsões servem para ajudar a lidar com e visualizar as incertezas mas o ônus continua sobre o decisor. Critérios Comuns de decisão Segundo D. HERTZ os mais comuns são NPV, IRR, Payback, Valor Esperado e Taxa de Retomo Ajustada ao Risco. VE - Valor Esperado - Medida de resultado definida pelo decisor. Não leva em consideração o valor ao longo do tempo ou taxas de desconto. O resultado de nossa 11

24 simulação no estudo de caso apresentado é um exemplo de resultado expresso em Valor Esperado. NPV - Net Present Value (Valor Presente Líquido) - Medida de valor presente de fluxos de caixa futuros descontados pelo custo de capital do projeto (BRIGHAM e GAPENSKI, 1993, p.392). IRR - Internal Rate of Retum (Taxa Interna de Retorno) - É a taxa de desconto que toma iguais os valores presentes dos fluxos financeiros futuros positivos e negativos (BRIGHAM e GAPENSKI, 1993, p. 394). Em outras palavras, é a taxa de desconto que força o NPV a se igualar a zero. Payback - Prazo esperado de tempo necessário para recuperar o investimento original. (BRIGHAM e GAPENSKI, 1993, p. 389). Taxa de Retomo Ajustada ao Risco - A despeito da arbitrariedade deste critério, ele aparentemente é o mais usado. É uma taxa de retomo com adição de um prêmio de risco, expresso em pontos percentuais, que apropria o risco do projeto ou decisão. A arbitrariedade reside no fato deste prêmio de risco não estar baseado em qualquer critério objetivo. A eventual abordagem que poderia explicar este comportamento recorrente é a teoria da utilidade. NATUREZA DO RISCO INTRODUÇÃO Decisões são arriscadas na medida em que seus resultados são de dificil previsão e as conseqüências da decisão errada implicam em altas perdas. No ambiente de negócios os agentes decisores poderiam optar por transferir não apenas os riscos puros, aqueles onde somente há possibilidade de perda ou não perda, 12

25 tais como incêndio, inundações e outros acidentes da natureza mas também os riscos especulativos, ou seja, aqueles em que ao contrário do risco puro, há também a possibilidade de ganho, como é o caso das atividades econômicas que visam lucro. Estariam no entanto abrindo mão da variabilidade como um todo, tanto das perdas potenciais inerentes à atividade econômica como da variabilidade dos resultados superiores às expectativas. O segurador, se houvesse algum que aceitasse tais riscos, cobraria o potencial de lucro para garantir contra o potencial de prejuízo. Este comentário é relevante para que vejamos como a análise de risco vai além do uso por seguradores e como a mesma é usada para que diferentes agentes e organizações possam fundamentar suas decisões racionais de políticas de investimento e decisão. A transferência de risco para uma seguradora, no caso dos riscos puros é urna forma de gestão de risco (transferir). Uma outra forma é a partilha de riscos, da qual dois bons exemplos são o consórcio Airbus e os fundos mútuos de investimento. Mais uma vez a análise de H. RAIFF A sobre a função utilidade e aversão ao risco explica porque eventualmente empresas partilham, de maneira não diretamente proporcional perdas e ganhos potenciais de projetos que individualmente não seriam retidos por nenhum dos parceiros. Abordaremos este ponto mais adiante. o QUE É RISCO? Segundo citação de Rothkopf do WEBSTER'S Third International Dictionary, risco é a possibilidade de perda, ferimento, desvantagem ou destruição. Outra visão de risco é a de incerteza acerca da variabilidade de um resultado esperado. Para os técnicos da área de seguros os riscos podem ser, como já assinalado mais atrás, riscos puros, nos quais há perda ou não perda, ou riscos especulativos nos quais há perdas ou ganhos. As ações da natureza bem como as catástrofes e os acidentes são riscos puros, freqüentemente passíveis de tratamento securitário e freqüentemente são eventos estatísticos. As decisões de investimento ou urna simples aposta são via de regra riscos especulativos, com potencial de perda ou de ganho e em geral menos adequados para tratamento através de seguro. Pode-se dizer que os homens de negócio ou empreendedores (do inglês businessmen) somente tem interesse em 13

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Novembro/2001 SUMÁRIO: I) Introdução II) Análise Comparada III) Projeções e Conclusões Francisco Galiza Consultor e Mestre

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

24/10/2009. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

24/10/2009. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos conceitos e tipificação Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 1

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

CAPÍTULO 9 RISCO E INCERTEZA

CAPÍTULO 9 RISCO E INCERTEZA CAPÍTULO 9 9 RISCO E INCERTEZA 9.1 Conceito de Risco Um fator que pode complicar bastante a solução de um problema de pesquisa operacional é a incerteza. Grande parte das decisões são tomadas baseando-se

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com TEORIA DO RISCO LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com 1 TARIFAÇÃO (FERREIRA, 2002) Diversos conceitos e metodologias envolvidos no cálculo do preço pago

Leia mais

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O objetivo deste trabalho é estudar um modelo simples de comportamento e equilíbrio das seguradoras. Nesta discussão, são

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA Métodos para Análise de Fluxos de Caixa A análise econômico-financeira e a decisão

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados Os cálculos para análise econômica de um projeto E&P, devem considerar que os dados empregados são imprecisos e sem certeza da ocorrência dos resultados esperados, apesar de estarem

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 03

Luciano Silva Rosa Contabilidade 03 Luciano Silva Rosa Contabilidade 03 Resolução de três questões do ICMS RO FCC -2010 Vamos analisar três questões do concurso do ICMS RO 2010, da FCC, que abordam alguns pronunciamentos do CPC. 35) Sobre

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

CREDITRISK+: Implementação da Modelagem Estatística de Risco de Crédito e Cálculos Alternativos Através da Transformada Rápida de Fourier no R.

CREDITRISK+: Implementação da Modelagem Estatística de Risco de Crédito e Cálculos Alternativos Através da Transformada Rápida de Fourier no R. CREDITRISK+: Implementação da Modelagem Estatística de Risco de Crédito e Cálculos Alternativos Através da Transformada Rápida de Fourier no R. M. A. S. Sanfins a 1 & T. M. Clark a 2 a Universidade Federal

Leia mais

Bases Técnicas das Empresas Securitárias

Bases Técnicas das Empresas Securitárias Bases Técnicas das Empresas Securitárias Francisco de Assis Braga Risco e Seguro - Definições Básicas - Probabilidade de dano - é a freqüência relativa de perdas no longo prazo. - Risco - é a incerteza

Leia mais

dissertação. 2 Credibilidade total, em linhas gerais, seria a capacidade de representar o comportamento

dissertação. 2 Credibilidade total, em linhas gerais, seria a capacidade de representar o comportamento 13 1 Introdução Esta dissertação é o estudo de um problema estatístico de classificação que diz respeito à precificação de seguros de automóveis. Devido às particularidades deste ramo, a formação dos contratos,

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade e Inovação da Universidade católica. Docente da UNOESTE e Fatec

Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade e Inovação da Universidade católica. Docente da UNOESTE e Fatec Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 126 MODELAGEM PARA NEGÓCIOS SUSTENTAVEIS. Moisés da Silva Martins Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008. Estabelece regras para estruturação e envio da nota técnica atuarial da carteira de automóveis

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Administração Financeira PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 12/08/2015 Administração Financeira Prof.

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS Gerenciamento de Riscos em Projetos Apresentação Fernando Simon fsimonbr@gmail.com.br Sócio proprietário da AFS Solutions www.afssolutions.com.br Consultor em Gerenciamento de Riscos em Projetos Docente

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO 1. OS CRITÉRIOS DE DECISÃO Dentre os métodos para avaliar investimentos, que variam desde o bom senso até os mais sofisticados modelos matemáticos, três

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Técnicas e Ferramentas de Mercado O termo risco é proveniente da palavra risicu ou riscu, em latim, que significa ousar (to dare, em inglês). Costuma-se entender risco como possibilidade

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Como estabelecer Valores e Grau de relevância de Riscos de acordo com as Vulnerabilidades do Negócio

Como estabelecer Valores e Grau de relevância de Riscos de acordo com as Vulnerabilidades do Negócio Como estabelecer Valores e Grau de relevância de Riscos de acordo com as Vulnerabilidades do Negócio Paulo Ayres CIA Gerente de Riscos e Auditoria Interna Grupo RBS Como estabelecer Valores e Grau de relevância

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) 1 Sumário: 1) Introdução

Leia mais

2 Conceitos de Capital

2 Conceitos de Capital Capítulo 2 Conceitos de Capital 2 Conceitos de Capital Este capítulo tem como objetivo definir o capital na visão da instituição, interligando-o aos riscos existentes nas operações das mesmas. Além disso,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO

PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO Cálculo e interpretação do Payback Desvantagens do Payback Vantagens do Payback Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

Análise de Viabilidade para Estruturação de Loteamentos

Análise de Viabilidade para Estruturação de Loteamentos A LDUARTE ENGENHARIA, em parceria com a EXECUT Consultoria & Treinamentos, traz a Salvador, Aracaju e Fortaleza o curso Análise de Viabilidade para Estruturação de Loteamentos. Este curso tem como pilares

Leia mais

Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade. Lupércio França Bessegato

Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade. Lupércio França Bessegato Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade Lupércio França Bessegato Introdução Roteiro Tabela de Retorno e Árvore de Decisão Critérios para Tomada de Decisão Exemplos de Aplicação Referências

Leia mais