VOLUME DOIS PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFIA TOPOGRÁFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VOLUME DOIS PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFIA TOPOGRÁFICA"

Transcrição

1 VOLUME DOIS PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFIA TOPOGRÁFICA A Cartografia Topografia é provavelmente o mais conhecido e o mais usado tipo de Cartografia do mundo. A razão disso é o desejo que o homem tem de conhecer a " terra aonde pisa" seja esta de natureza local, estadual, regional, nacional ou mundial. Ele quer saber sobre as planícies e montanhas, os rios e estradas, as cidades e os campos, tudo isso através dos nomes adequados e correctos, padrões que permitam a continuidade de uma folha topográfica a outra, além de exigir que o trabalho seja tão bonito quanto uma obra de arte e exiba uma precisão científica extraordinária. A popularidade das cartas topográficas vem da sua utilidade no planejamento de quase qualquer actividade sobre a face da terra. Localidade correta das feições é importante para a colonização, a construção de vias e obras, as operações militares, o controle de áreas para a cobrança de impostos, e muitas outras actividades. E ademais, toda a produção cartográfica é feita com o objectivo de comunicar. Mesmo que seja um livro em separado, este volume é diretamente relacionado ao primeiro, o qual é aconselhável para que o leitor se familiarize com os Princípios de Cartografia Básica ou, pelo menos, anote mentalmente os tópicos já apresentados nos primeiros sete capítulos: Capítulo 1: A Natureza da Cartografia; ciência ou arte; os grandes componentes Capítulo 2: A História da Cartografia; os órgãos mapeados brasileiros; o processo moderno de produção de cartas Capítulo 3: A Comunicação Cartográfica; a teoria de informação Capítulo 4: A Projeção UTM; coordenadas geográficas; coordenadas UTM Capítulo 5: Escala; medição planimétrica Capítulo 6: Simbolização; características das cartas topográficas Capítulo 7: Conclusão do Volume Um (1) Para enfatizar a continuidade existente entre os volumes um (1) e dois (2), os capítulos seguintes são enumerados a partir do número oito. Eles desenvolvem vários assuntos essenciais para o entendimento de cartas topográficas, principalmente aquele que o usuário não seja um não engenheiro cartógrafo. Alguns tópicos são clássicos da geografia, uma das ciências que mais aproveitam a cartografia topográfica. Capítulo 8: Curvas de Nível Capítulo 9: Perfil Topográfico e Outras Representações do Relevo Capítulo 10: Direção e Orientação Capítulo 11: Topografia, Geodesia e O Uso de Fotografias Aéreas na Cartografia Topográfica; Capítulo 12: O Ensino da Cartografia Capítulo 13: Leitura e Interpretação de Cartas Topográficas Capítulo 14: Conclusão do Volume Dois (2) Logicamente, alguns desses tópicos são importantes para os volumes Três e Quatro, sobre os Princípios de Cartografia Temática. (III) e os Princípios de Cartografia Espacial (IV). E tudo isso serve para destacar as interligações entre todas as divisões e tópicos do grande conjunto que é a cartografia. 1

2 Capítulo 8 A TERCEIRA DIMENSÃO EM CARTAS TOPOGRÁFICAS 8.1 INTRODUÇÃO: ALTITUDE, RELEVO E PONTOS COTADOS Dois dos aspectos mais importantes dentre as características físicas de uma área são a altitude e o relevo. A Altitude é o resultado da diferença vertical entre um ponto de referencia (normalmente o nível de mar) e um outro ponto objectivo. Isto fornece a cota de ponto, ou seja, sua altitude acima do nível do mar. Altitude e cota são independentes da geomorfologia; portanto, uma cota de 800 metros tanto pode ocorrer numa zona plana ou inclinada, num vale ou num cume. O que importa e a distancia vertical até o nível do mar. O mapeamento de altitudes e uma das principais preocupações dos cartógrafos. Relevo é o resultado da diferença vertical relativa (altura) entre vários pontos contidos numa área especifica, e não se refere a altitudes e cotas. Portanto, zonas com relevo plano ou acidentado podem acontecer tanto nas grandes altitudes quanto abaixo do nível do mar. É o relevo, e não tanto as cotas exactas, que é o principal interesse dos geógrafos e de muitos outros usuários das cartas topográficas. Relevo e altitude são distintos, porém bem interligados e recebem nas cartas topográficas a mesma representação, a qual e feita por meio de curvas de nível. As varias outras maneiras de representa-los estão discutidos no Capítulo 11. Na pratica, a medição de altitudes de pontos é um pouco complexa, devido à curvatura da superfície do planeta; este assunto será tratado no Capítulo 11. Porem, para o presente capítulo somente é necessário o conceito de altitude como a simples distância vertical entre um ponto e o nível do mar. Os pontos específicos, que possuem suas cotas medidas, são marcados nas cartas topográficas com o valor escrito horizontalmente ao lado de um pequeno "X" ou triângulo, (Ver a Figura 6.5a que mostra um ponto trigonométrico no rodapé de uma carta topográfica). A variedade de símbolos indica os diversos métodos de medição de cotas, cada qual oferecendo certas vantagens e certo grau de precisão, os quais serão estudados no capítulo 11. Por enquanto, neste capítulo, as cotas são tratadas como valores bem exactos. Nas cartas topográficas, as cotas especificas são encontradas principalmente nos cumes das elevações, em cruzamentos de estradas, ou em planícies onde existam poucas curvas de nível. Elas podem expressar qualquer altitude em metros (ou pés) inteiros. 8.2 CARACTERÍSTICAS DAS CURVAS DE NÍVEL Introdução Um dos aspectos mais importantes das características físicas de uma área é o relevo. São várias as maneiras de representá-lo e algumas estão discutidas ao final deste capítulo A tradição histórica favorece o uso de curvas de nível para a representação da altitude e do relevo. É importante notar que estas curvas são apenas um exemplo do conceito técnico cartográfico de "isolinhas", que são contínuas formadas de pontos de mesmo valor; no caso do relevo, os valores são cotas acima do nível do mar medidas em metros (ou pés). As curvas de nível não são marcadas no terreno, porém podem ser identificadas e representadas cartograficamente. Com ligeiras modificações de vocabulário, as regras a serem apresentadas neste capítulo para curvas de nível podem ser adaptadas para isóbaras (pressão barométrica), isoietas (precipitação) isodapanos (linhas que mostram o total constante de custos industriais) e muitos outros tipos de isolinhas. Define-se como curva de nível uma linha traçada no mapa que representa outra linha imaginária na superfície da terra situada a uma elevação constante acima ou mais abaixo de um plano de referência determinado. Se uma pessoa quisesse andar sobre uma curva de nível não poderia ir nem para cima nem para baixo; ela sempre andaria num mesmo nível, até fazer uma volta completa mesmo se tivesse que dar uma volta completa em um continente. O plano de referência ou o ponto zero a partir do qual mede-se as elevações e, portanto, as curvas de nível, é geralmente o nível médio do mar, que é o ponto equidistante entre as marés oceânicas mais altas e as mais baixas. Nessa marca média a costa oceânica pode ser considerada como a curva de nível de valor zero, a partir da qual se medem todas as demais. Estas curvas devem obedecer certas normas a serem estudadas neste capítulo. Em sua forma mais sucinta, são resumidas "Dez Mandamentos das Curvas de Nível": 1. Todos os pontos de uma curva de nível têm a mesma elevação acima do nível do mar. 2. Os dois extremos de uma curva de nível eventualmente se encontram sem que a linha dessa curva de nível durante todo o seu percurso se junte ou atravesse uma outra curva de nível. 3. Curvas de nunca se bifurcam, ou cruzam entre si (excepto em situações muito especiais de penhascos, saltos, falhas geológicas profundas, etc., que merecem símbolos especiais). 2

3 4. Curvas de nível sempre atravessam horizontalmente declives. 5. O terreno de um lado da curva de nível sempre é mais alto que o terreno do outro lado da mesma curva de nível, em outras palavras, a parte alta do terreno fica sempre de um lado só da curva de nível. Portanto o lado de dentro de uma curva de nível "fechada" é o lado mais alto do terreno, (menos em depressões que tem um símbolo especial). 6. O lado alto de uma curva de nível é o lado baixo da próxima curva, isto é, o terreno entre curvas é mais alto que uma curva e mais baixo que a outra. 7. Hachuras em curvas de nível apontam o lado baixo da curva. (se usa geralmente para depressões e penhascos) 8. Quando uma curva de nível é atravessada por uma estrada, uma caminho, etc., esta estrada tem um declive para cima ou para baixo. 9. Curvas de nível têm reentrâncias em forma de v onde são atravessadas por drenagens. (Os "V" são a expressão horizontal dos pequenos vales de drenagem). 10. Curvas de nível muito próximas uma das outras representam declives mais acentuados do que curvas afastados entre si, quando tiradas na mesma escala e com as mesmas equidistâncias verticais entre as linhas. Figura 8.1 Exemplo de equidistancia entre curvas de nivel Equidistância das curvas de nível As curvas de nível devem espaçar-se por igual mediante medidas verticais. A este espaço, ou seja, à distância vertical entre as curvas de nível, denomina-se "equidistância" das curvas de nível. Mede-se a equidistância das curvas de nível (10 metros na Figura 8.1) verticalmente e nunca na direção horizontal. Os cumes das colinas raramente coincidem com as equidistância das curvas de nível. Eles frequentemente são indicados mediante elevações auxiliares conhecidas. Observe que as elevações das três colinas da Figura 8.2 estão indicadas por essas elevações auxiliares conhecidas. No mapa elas são marcadas com um pequeno "X" indicando a altura do ponto. A equidistância das curvas de nível varia desde alguns metros em mapas de grande escala e de regiões relativamente planas, até varias centenas ou milhares de metros em mapas de pequena escala e de regiões montanhosas (compare as equidistância nas Figuras 4.5; 4.8; e 7.22). 3

4 Figura Os espaços horizontais entre as curvas de nível de um mapa indicam o tipo e o grau de declinação Figura 8.2a - Formações Escarpadas e Formações Suaves VISÃO OBLIQUA - Uma pendente que fica mais íngreme (mais inclinada) para cima é uma pendente cóncava VISÃO OBLIQUA (VISTA OBLIQUA) - As curvas de nível com espaços pequenos entre si indicam um declive escarpada (íngreme) VISTA DE MAPA (acima) - As curvas de nível com espaços largos entre si indicam um declive suave VISTA DE PERFIL (acima, baixo) - As curvas de nível com espaços iguais entre si indicam declinação uniforme VISTA DE MAPA (acima) - Nota-se que as curvas de nível estão mais juntas na parte abrupta do declive e mais separadas na parte suave VISTA DE PERFIL (acima, baixo) Figura 8.2b - Formação côncava Figura 8.2c - Formação Convexa 4

5 8.2.3 Efeitos de Drenagem A drenagem de uma região exerce grande influência sobre as formas de relevo; a água que escorre sobre a superfície do terreno produz erosão nas rochas menos duras caracterizando-o por vales e cumes. Os desenhos "B" e "C" da Figura 8.3 mostram os efeitos da erosão sobre a colina lisa do desenho "A". Observe que a drenagem faz "reentrâncias" nas curvas de nível. VISÃO OBLIQUA - Uma pendente que fica menos íngreme (mais inclinada) para cima é uma pendente convexa Figura A erosão Fluvial está evidente nas curvas de nível A Figura 8.4 mostra um modelo típico de vale e cume. Observe que as curvas de nível que cruzam os cursos d'água formam um "V" cuja ponta está voltada para direção das cabeceiras, ou seja, para dentro do morro horizontalmente. VISTA DE MAPA (acima) - Nota-se que as curvas de nível estão mais separadas na parte suave e mais juntas na parte abrupta do declive VISTA DO PERFIL (acima, baixo) Quando as curvas são mais próximas horizontalmente indicam uma diferença vertical em uma menor distância planimétrica, portanto, uma maior inclinação do terreno (compare lados A e B na Figura 8.2b). Além dos declives constantes, há declives que se suavizam na descida, formando superfícies côncavas (Figura 8.2b). Por outro lado, a Figura 8.2c mostra declives convexas, nos quais aumenta a inclinação na descida. O entendimento destes aspectos facilitará muito a leitura do relevo em cartas topográficas. Figura V's e U's nas curvas de nível As curvas de nível dobram nos vales formando um "V" cujo vértice é o fundo desse vale encravado em uma planície ou montanha que é o caso da Figura 8.3. Nas interfluviais (entre a drenagem), as curvas normalmente são mais suaves, assemelhando-se à letra "U". Dependendo da geologia e da climatologia (pluviosidade), estas formas em U podem ser muito estreitas em zonas erodidas, ou bastante largas em zonas com pouca drenagem definida. Portanto as curvas de nível são intimamente 5

6 relacionadas com o meio ambiente, e podem informar o leitor sobre várias características da região Depressões Quando uma curva de nível leva pequenos traços (chamados hachuras) que a circundam toda pelo lado de dentro, ela indica uma baixada fechada ou depressão, ou seja um lugar inteiramente circundado por terreno mais alto que ele. O símbolo cartográfico é denominado "curva de nível de depressão". A Figura 8.5 mostra duas depressões profundas J e K. Figura 8.5a - Depressões (Vista Obliqua) Figura 8.5b - Depressões (Vista de Mapa) Figura 8.5c Perfil [não feita ainda] 6

7 Quando a depressão está no cume de uma colina, (como a cratera de um vulcão) a primeira "curva de nível de depressão" (a mais alta) está a mesma altitude da curva de nível normal mais alta, que rodeia a depressão (observe J na Figura 8.7) onde a primeira curva de nível da depressão (a mais alta) tem uma elevação de 180 metros. O terreno entre a curva de nível de depressão de 180 e o da curva de nível normal de 180 tem mais de 180 m de altitude, porém menos de 190. As curvas de nível de depressão dentro da baixada diminuem proporcionalmente à equidistância existente entre as curvas de nível. O fundo da depressão encontra-se a 163 metros de elevação, segundo indica a elevação auxiliar. A depressão K não está num cume, portanto está entre duas curvas normais, uma mais alta que a outra. Neste caso, a primeira curva de depressão tem o mesmo valor normal inferior, como se vê no perfil (Figura 8.5c) Na Figura 8.5a local L é uma pequena baixada que pode ser definida como um ponto baixo na linha do cume da montanha entre J e M. Portanto não é uma depressão e não leva hachuras. Quando há uma elevação dentro de uma depressão, a primeira curva de nível que indica um pequeno monte ou colina leva hachuras em seu exterior, e tem o mesmo valor que a depressão na qual está localizada. Por exemplo a curva de nível de depressão na Figura 8.6 está a uma elevação de 230 m. Dentro da depressão há uma colina com uma curva de nível de 230 m com hachuras em sua parte externa, indicando assim uma elevação no terreno. O terreno entre a curva de nível normal de 230 m e o da curva de nível de depressões é mais alto que 230 m, porém mais baixo que 240 m. As curvas de nível dentro da base da colina aumentam proporcionalmente à equidistância das curvas de nível existentes, que neste caso é de 10 m. Observa-se que neste caso há três (3) curvas com a mesma altura de 230 m, para interpretar melhor as curvas de nível dentro das depressões é bom recordar que todas as hachuras seguem na direção da base da colina. Figura 8.6a - Simbolo para uma colina numa depressão 7

8 Figura 8.6b - Símbolo para uma colina numa depressão Valores e variações de curvas de nível Geralmente, cada quinta curva de nível a partir da de valor zero é indicada por uma linha mais grossa que o usual. Esta linha é denominada "curva de nível mestra" ou "índice" e tem um valor que é múltiplo de cem. No caso de equidistância de 40 metros, as curvas índices são de cotas de 200, 400, 600 metros de altitude, ou seja, múltiplos de 200 (5x40 m). Isto é o normal para as cartas topográficas brasileiras na escala 1: Na escala de 1: com equidistância de 20 metros, as curvas de mestras são de cem em cem metros. As curvas de nível situadas entre as curvas de nível índice são chamadas "curvas de nível intermediárias" (Figura 8.7). As curvas de nível índice ajudam na leitura das elevações, proporcionando maior rapidez na identificação do valor da curva e geralmente são fornecidos os valores das elevações da mesma. São escritos "dentro" (ao lado da curva) da linha, em contraste com os valores dos pontos específicos com suas cotas escritas horizontalmente (Leste - Oeste) ao lado do "X" do ponto. Por convenção, quase sempre se escreve o valor de da curva em tal posição para que o leitor fique vendo para cima da colina quando ler a cota, mesmo se for necessário girar a carta para ler o número direito Figura 8.7a - Curvas de Nível Indice e Intermediárias 8

9 Figura 8.8a - Curvas de Nível Suplementares Figura 8-8b - Curvas de Nível Suplementares As curvas de nível devem espaçar-se de tal forma que demonstrem da melhor maneira o contorno do terreno. De vez em quando é necessário prover uma equidistância de uma curva de nível que demonstre uma variação nas elevações dentro da equidistância da curva existente. Este tipo de curva de nível é denominada "curva de nível suplementar" ou "auxiliar". Observe a Figura 8.8 onde as colinas pequenas, que tem uma equidistância menor que os 20 m normais, foram indicados mediante linhas pontilhadas para curvas de nível suplementares. A depressão no canto sudeste foi melhor representada com a adição da curva de nível suplementar "menos 10 m". A curva de nível suplementar de 10 metros que circunda a base da colina principal indica claramente ao leitor do mapa onde se efectua a separação entre planície costeira e as colinas de maior elevação. Outras curvas de nível suplementares de 30 e 110 metros mostram as mudanças de declives que não foram 9

10 indicadas pela equidistância das curvas de nível anteriormente existente. Os elementos que foram criados pelo homem exigem frequentemente símbolos especiais, dos quais estão indicados na Figura 8.9. Observe a estrada que foi construída através do terreno montanhoso. Contudo, ela varia menos de 20m em toda a sua extensão. Isso foi conseguido fazendo-se correntes ou colocando aterros nos locais apropriados. Locais P, R e T estão onde se fez aterros para que a estrada permaneça no nível. Foram feitos aterros nas partes baixas com esse mesmo propósito. Observe os símbolos convencionais que indicam um aterro na estrada. Todas as curvas de nível, excepto as mais baixas, desaparecem não apresentam continuidade ao chegar no aterro. O restante dos símbolos indica-se por hachuras, lembre-se que eles vão na direção da base da colina. A depressão feita artificialmente no lado oposto do aterro se indica como uma bacia regular, excepto a parte que está localizada ao lado do aterro, onde somente estão presentes as hachuras que simboliza. O Ponto Q indica corte vertical o que equivale a dizer que foi retirado parte do terreno para que o caminho permanecesse a uma elevação constante. Observe que todas as curvas de nível que simbolizam o corte unem-se em única linha curva sustentadora (Q) a qual indica uma escarpa vertical ou, neste caso, um corte quase vertical. Ponto S indica um corte, porém não tão íngreme como o de B' e já é possível desenhar cada curva de nível individualmente. As curvas de nível retas igualmente espaçadas indicam o local onde se fez o corte. Figura Relevo com influência humana (a, b) 10

11 8.3 INTERPOLAÇÃO E EXTRAPOLAÇÃO PARA CURVAS DE NÍVEL O processo chamado "Interpolação " consiste na estimativa de valores entre dois outros conhecidos, baseado em proporções simples, ao longo de um declive suposto uniforme. A Figura 8.10 mostra como calcular graficamente a cota do ponto B, baseada no declive uniforme entre os pontos A e C. A mesma resposta (260 metros) poderia ser determinada usando os pontos A e D. Matematicamente, a interpolação da cota de "B" é calculada pela fórmula: Cota B = A + AB / AC (cota C- cota A). Onde AB/AC é a proporção da distância entre A e B, dividida pela distáncia entre A e C Por exemplo: Cota B = 200m + 2,4cm / 8,0cm x (400m - 200m) = 200m + 0,3 x 200m = = 260m Esta fórmula se aplica quando ponto B é o ponto intermediário e ponto C é mais alto que A. Este procedimento é o mesmo usado para calcular coordenadas geográficas, mas com uma diferença importante: O cálculo de coordenadas é baseado na geometria de curvatura da Terra e, portanto, é uma "medida exacta". Porém, a interpolação resulta em "medidas aproximadas" porque baseia na suposição que o declive é uniforme entre os pontos A e C. Também Na Figura 8.10 (lado direito) há uma demonstração de como um declive entre outros pontos D e F não é necessariamente uniforme. São desenhados quatros declives (platô, uniforme, irregular e vale), mas obviamente são infinitos as variações possíveis. Se as cotas A e C fossem 120 e 160 metros, os valores de E 1 E 2 E 3 e E 4 nos respectivos declives seriam 157m, 150m, 141m e 122 metros. Portanto, vê-se que é possível que o valor B em qualquer posição entre A e C possa assumir qualquer valor entre 120,1 metros e 159,9 metros, sem violar nenhum dos mandamentos e normas sobre curvas de nível. Porém, o valor mais lógico baseado em bom senso e interpolação, é o valor correspondente ao declive uniforme, especialmente se observar no mapa que as curvas de nível na área são relativamente suaves e com distâncias planimétricas uniformes entre as outras curvas, como se vê no lado esquerdo da Figura Quando se vai interpolar a altura de um ponto (por exemplo, ponto F entre cotas B (100m) e cota C (200m) na Figura 8.11) é necessário saber a equidistância entre as curvas (100 metros) e a distância planimétrica entre elas, (passando pelo ponto F) e a distancia da curva menor até o ponto F. Neste caso, mede-se as distâncias planimetricas BC e BF, medida pela linha perpendicular às curvas de nível. No caso de ponto F, é uma linha reta: No caso do ponto G é mais complicados. Figura Exemplos de declives possíveis entre duas cotas 11

12 Figura Exemplos de interpolação entre curvas de nível Para medir a cota do ponto H é possível basear-se tanto nas medidas dos segmentos retos quanto na medida da linha curva, que é um procedimento mais difícil. Na prática, nos casos mais difíceis como do ponto H aplica-se o bom senso na seleção das medidas e também lembrar que as interpolações são estimativas e que têm menor precisão nas zonas de relevo irregular. Assim, no caso da Figura 8.11, é possível confiar que as cotas dos pontos E, F, e G são 150 metros. Esta também é a cota dos pontos H, I, J e K, porém a suposição de declives uniformes não é tão forte para aquela área mais irregular. De todas, a cota do ponto J é a mais duvidosa devido ao penhasco muito próximo. Se este área J é de grande importância, devem ser feitos mais estudos por fotointerpretação, reconhecimento no campo ou topográfica. Com o uso de interpolação é possível encontrar pontos em qualquer valor escolhido (no exemplo a seguir a cota escolhida é de 225 metros). Principalmente calcula-se a proporção correta, neste caso, é de 25% da distância entre as duas curvas de nível que demarcam o limite mínimo (200m) e máximo (300). Assim, entre os tres pontos L, M, e N, o que tem 225 metros (por interpolação) é o ponto "N" que está a 3 mm dos 12 mm entre as curvas de 200 e 300 metros, iniciando da cota 200m. Identificando mais pontos, pode-se des enhar a curva de nível suplementar, de 225m. Para estimar a cota do ponto "U" no cume do morro,não pode haver interpolação, pois, não é localizado um ponto que tenha um valor maior conhecido. 12

13 Contudo, é possível estimar o valor de "U" supondo que o declive entre as cotas C D continua até o cume. Realmente existem vários declives entre cotas C e D (ver as áreas Q,R,S e T na Figura 8.11) Usando o bom senso, os declives das áreas R e T são eliminados por serem mais afastados do ponto U. No declive Q ao norte de U são feitas medidas CD e DU. Em uma proporção DU/CD, determina-se que DU é 3/7 (42%) da distância planimétrica CD. Então pode-se supor que o ponto "U" é mais alto do que a cota D por uma quantidade de 42% de equidistância das curvas. Neste caso, 42 metros (isto é 42%x100m) é somado a 300 metros (cota de D) para dar o valor de 342m para ponto "U". Pelo mesmo processo no lado sul do morro na área de declive S, o resultado é 333m. Ambos os valores são válidos pois são estimativas. Este processo se chama extrapolação. Extrapolação e interpolação são dois processos estimativas muito úteis em todas as ciências, especialmente as que utilizam isolinhas e gráficos com linhas de correlação. Não são limitados a correlações lineares; servem também para curvas geométricas, logarítmicas, quadrados, senos, e quaisquer outros que podem ser descritos pela matemática. Por ter valores máximos e mínimos conhecidos, a interpolação é geralmente menos arriscada que a extrapolação. Figura Quatro representações da altimetria de uma área Figura 8.12a - Pontos alimétricos e drenagem Desenho de Curvas de Nível Manualmente (nota: as curvas desenhadas por métodos fotogramétricos são um caso a parte; ver capítulo 11) Saber desenhar isolinhas manualmente e não por fotogramétrica (como está representada no capítulo 11) é um dever profissional, pois frequentemente as medidas de campo são poucas e formam somente o esqueleto do mapa final. Algumas disciplinas, como topografia e engenharia cartográfica, são mais exigentes que outras, mas todas devem lembrar que as únicas cotas de completa confiança se não houve erros no acto de medi-los são aqueles pontos medidos no campo. Todos os outros pontos desenhados a mão são estimativas por interpolação ou extrapolação. A fidelidade de uma carta com curvas de nível somente pode ser comprovada por comparações com o terreno real, que necessita visitas ao campo ou fotografias aéreas. Figura 8.12b - Relevo " mínimo" (baseado em "a") A Figura 8.12 tem quatro representações da mesma área. A letra "A", mostra os pontos de controle fornecidos ao mapeador. Mesmo com bom senso e a interpolação entre estes poucos pontos não sairá uma única carta correta sem referência ao terreno verdadeiro. São milhares de desenhos possíveis. Os três desenhos (B, C e D) são "impecáveis" no sentido de não quebrar nenhum dos dez mandamentos, embora representam relevos altamente diferentes. Somente a letra D é fiel ao terreno real, como se pode ver nas seguintes figuras: 13

14 cauteloso de interpolação pelo desenho lógico por decimais. É importante para agrimensores e qualquer profissional que pretenda fazer mapas de relevo no campo. Baseado na matemática simples esse método permite esboçar com considerável precisão as curvas de nível segundo as anotações tomadas no terreno e sem necessidade de fazer uma linha de nivelarão para cada curva de nível. As curvas de nível devem ser traçadas sobre as folhas da prancheta no terreno, porém é possível,e também permissível, agregar curvas de nível a folha no gabinete uma vez que o agrimensor tenha terminado seu trabalho. Figura 8.12c - Relevo actual (baseado em fotogrametria) Este desenho lógico de curvas de nível é baseado no princípio de que as curvas nível estão igualmente espaçadas ao longo de uma inclinação uniforme, como é demostrado na Figura Caso sejam conhecidas as elevações de uma inclinação linha º é possível traçar as curvas de nível dividindo a elevação em partes iguais. O agrimensor tem a responsabilidade de indicar a elevação a cada mudança da inclinação e convenciona-se que assim foi feito no desenho da curva de nível, através do qual é possível espaçar as mesmas de forma equidistante, entre cada elevação auxiliar. O procedimento para fazer desenhos lógicos de curva de nível segundo método por decimais deve ser realizado de forma sistemática. Para obter-se melhores resultados pode-se dividi-lo nas 5 fases seguintes: 1. Determinação de elevação de todos encontros ou confluência fluviais. 2. Estabelecimento dos pontos onde as curvas de nível cruzam as correntes 3. Desenho das linhas de crista Figura 8.12d - Relevo exagerado (baseado em "a") A dificuldade de manualmente desenhar curvas de nível corretas obrigou o desenvolvimento de vários métodos com melhores precisões. O mais usado por razões económicas qualitativas e de tempo é a fotográmetria. A topografia pode fornecer maior precisão porém é limitado à uma área relativamente pequena devido ao seu custo. (No capítulo 11 há noções básicas da fotogrametria e topografia). Um outro método é o uso 4. Estabelecimento dos pontos em que as curvas de nível cruzam as cristas 5. Desenho das curvas de nível conectando pontos de igual elevação, arranjando a direção do caimento d água como guia para as linhas que unem os pontos. Este procedimento está detalhado na publicação de IAGS (19--) 14

15 Figura 8.13a (mapa) As curvas de nível com equidistância ao longo da linha AB indicando pendente uniforme (mapa) Figura 8.13b (perfil) - Vista de perfil da colina indica uma pendente uniforme entre os pontos A e B nota-se uma mudança de pendente entre os pontos B e C. 8.4 CONCLUSÃO Curva de nível e outras isolinhas são uns dos símbolos mais úteis e utilizados na cartografia. A grande maioria das linhas traçadas em cartas topográficas são curvas de nível, impressos em cor Sé pia (Marron). São estas linhas que dão a marca característica das cartas topográficas, mostrando precisamente a topografia (altitudes e relevo) que é tão importante para fins de planeamento agrícola, militar, de transporte e infra-estrutura e para pesquisas científicas. São úteis para fazer perfis e para combinar com outros métodos de representar o relevo, que será o assunto do próximo capítulo. 15

PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFÍA TOPOGRÁFICA

PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFÍA TOPOGRÁFICA PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFÍA TOPOGRÁFICA VOLUME No. 2 (Capitulos 8 a 14) da Série PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFÍA VERSÃO PRELIMINARIA 03/2002 Editor Coordenador: Paul S. Anderson 1 PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFÍA TOPOGRÁFICA

Leia mais

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO META Apresentar perfis topográficos, mostrando as principais formas geomorfológicas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar os principais

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM Constituída pelo conjunto de superfícies que, através de canais e tributários, drenam a água da chuva, sedimentos e substâncias dissolvidas para um canal principal

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Nas cartas topográficas o relevo é representado através de curvas de níveis e pontos cotados com altitudes referidas ao nível médio do mar (datum vertical) Ponto Cotado - é a projeção

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFÍA BÁSICA

PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFÍA BÁSICA PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFÍA BÁSICA VOLUME No. 1 (Capitulos 1 a 7) da Série PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFÍA Editor Coordenador: Paul S. Anderson Incluindo Capítulos Traduzidos do Livro Maps, Distortion and Meaning

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação geometria e medidas Guia do professor Experimento Curvas de nível Objetivos da unidade 1. Desenvolver experimentalmente a ideia de projeção ortogonal; 2. Aprimorar a capacidade de visualização e associação

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO Alessandro de Araújo Cardoso 1,4, Erivelton Campos Cândido 2,4, Daisy Luzia Caetano do Nascimento 2,4, Homero Lacerda 3,4

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 5 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien, Fabrício e Rogério SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

Disciplina: Topografia II

Disciplina: Topografia II Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia II O relevo da superfície terrestre é uma feição contínua e tridimensional. Existem diversas maneiras

Leia mais

CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG

CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG Por muito tempo, estudou-se o mundo usando modelos como mapas e globos. Aproximadamente nos últimos trinta anos, tornou-se possível colocar estes modelos dentro de computadores

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 08 a Aula INFORMAÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Experimento. O experimento. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. O experimento. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Geometria e medidas O experimento Experimento Curvas de nível 1. 2. 3. Objetivos da unidade Desenvolver experimentalmente a ideia de projeção ortogonal; Aprimorar a capacidade de visualização e associação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL Cap. 01 - Mapas e Seções Geológicas GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA Antes que se comece a estudar

Leia mais

Levantamento. Levantamento altimétrico:

Levantamento. Levantamento altimétrico: Levantamento planimétrico trico: projeção plana que não traz informações acerca do relevo do terreno levantado; somente acerca de informações relativas à medições feitas na horizontal. Levantamento altimétrico:

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO CAPÍTULO 4 PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO Planejamento da Exploração 43 APRESENTAÇÃO A localização e o tamanho dos pátios de estocagem, a posição dos ramais de arraste e a direção de queda das árvores são

Leia mais

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Topografia e Cartografia Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli 1. Introdução a Topografia. 1.1. Definição. Como seria uma cidade se os donos de propriedades

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 06 Cotagem em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO Cotas são elementos de Desenho Técnico

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares;

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares; 1 - ELEMENTOS DE TOPOGRAFIA Definição: É o conjunto de técnicas aplicadas ao terreno, cujo objeto é o estabelecimento das cartas e das plantas. Conforme a etimologia da palavra, topografia é a arte de

Leia mais

Cartografia e Prospeção

Cartografia e Prospeção Cartografia e Prospeção Prospeção Consiste na atividade de pesquisa de entradas de cavidades no terreno. Antes de se abordar o terreno deve efetuar-se um trabalho de casa que nos forneça o máximo de informação

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

TOPOGRAFIA. Áreas e Volumes

TOPOGRAFIA. Áreas e Volumes TOPOGRAFIA Áreas e Volumes A estimativa da área de um terreno pode ser determinada através de medições realizadas diretamente no terreno ou através de medições gráficas sobre uma planta topográfica. As

Leia mais

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA 47 CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA Este capítulo se refere ao estudo das estruturas geológicas rúpteis e do resultado de sua atuação na compartimentação morfoestrutural da área. Para tanto, são

Leia mais

ORIENTAÇÃO. Para a orientação recorremos a certas referências. A mais utilizada é a dos pontos cardeais: Norte Sul Este Oeste

ORIENTAÇÃO. Para a orientação recorremos a certas referências. A mais utilizada é a dos pontos cardeais: Norte Sul Este Oeste 1 ORIENTAÇÃO A orientação é o processo que permite determinar a nossa posição na superfície terrestre e a direcção a tomar para atingirmos um local para onde nos queiramos dirigir. Para a orientação recorremos

Leia mais

Modelagem Digital do Terreno

Modelagem Digital do Terreno Geoprocessamento: Geração de dados 3D Modelagem Digital do Terreno Conceito Um Modelo Digital de Terreno (MDT) representa o comportamento de um fenômeno que ocorre em uma região da superfície terrestre

Leia mais

Formas de representação:

Formas de representação: 1 Formas de representação: Curvas de Nível Perfil Topográfico Carta Hipsométrica Maquete de Relevo 2 CURVAS DE NÍVEL São isolinhas de altitude, ou seja linhas que representam todos os pontos de igual altitude

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DOCENTES (2009/2010) 2009/2010 Ana Paula Falcão Flôr Ricardo

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

Definições dos Parâmetros úteis para o uso de V e E

Definições dos Parâmetros úteis para o uso de V e E Anexo 1 Definições dos Parâmetros úteis para o uso de V e E 133 134 Definições dos parâmetros úteis para o uso de V e E Definição das situações a, b, c, e d da construção a construções situadas no interior

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

A arte de conceber, de levantar, de redigir e de divulgar os mapas.

A arte de conceber, de levantar, de redigir e de divulgar os mapas. CARTOGRAFIA Cartografia (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. Joly (1990, p. 7) considera a cartografia como:

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado.

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO II UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA III 7.5

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

2. (UFRN) Analise a figura abaixo e assinale a opção que corresponde, respectivamente, às coordenadas geográficas dos pontos X e Z.

2. (UFRN) Analise a figura abaixo e assinale a opção que corresponde, respectivamente, às coordenadas geográficas dos pontos X e Z. Lista de exercícios de Coordenadas Geográficas Professor: Jair Henrique 1.Examine atentamente as sentenças a seguir e assinale o grupo das que lhe parecerem corretas. 1 - Paralelamente ao Equador ficam

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

Introdução à Topografia

Introdução à Topografia Topografia Introdução à Topografia Etimologicamente a palavra TOPOS, em grego, significa lugar e GRAPHEN descrição, assim, de uma forma bastante simples, Topografia significa descrição do lugar. O termo

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

Medição de vazão. Capítulo

Medição de vazão. Capítulo Capítulo 5 Medição de vazão V azão é o volume de água que passa por uma determinada seção de um rio dividido por um intervalo de tempo. Assim, se o volume é dado em litros, e o tempo é medido em segundos,

Leia mais

Em nossos trabalhos de identificação

Em nossos trabalhos de identificação Divulgação Como endereçar seu armazém João Alves Neto Em nossos trabalhos de identificação de armazéns e centros de distribuição (CDs), somos, por vezes, chamados a ajudar na criação de um sistema de localização

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

Os caracteres de escrita

Os caracteres de escrita III. Caracteres de Escrita Os caracteres de escrita ou letras técnicas são utilizadas em desenhos técnicos pelo simples fato de proporcionarem maior uniformidade e tornarem mais fácil a leitura. Se uma

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

GEOGRAFIA. 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser

GEOGRAFIA. 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser GEOGRAFIA 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser determinada a declividade do terreno e pode ser traçado seu perfil. Observe a figura.

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

PERSPECTIVA LINEAR DEFINIÇÕES E TEOREMAS

PERSPECTIVA LINEAR DEFINIÇÕES E TEOREMAS Figura 64. Tapeçaria da sala de actos do Governo Civil de Bragança (800 cm x 800 cm). Luís Canotilho 2000. A geometria é também aplicada ao simbolismo humano. No presente caso as formas geométricas identificam

Leia mais

Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS

Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS META Apresentar o sistema UTM como forma de localização dos elementos terrestres e a composição das

Leia mais

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA Elaboração e Organização Andréia Medinilha Pancher Histórico Séculos XV, XVI, XVII cartógrafos representavam os objetos do seu meio ambiente de forma

Leia mais

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 Sérgio Cortizo 1 5 de agosto de 2.007 RESUMO: É apresentada uma interpretação matemática da Resolução CONAMA nº 303 no que diz respeito à demarcação das Áreas de

Leia mais

TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO DOS MILITARES USADAS NO BRASIL

TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO DOS MILITARES USADAS NO BRASIL 94 TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO DOS MILITARES USADAS NO BRASIL Prof. Dr. Pedro da Costa Guedes Vianna (Professor Dr. do Departamento de Geociências-UFPB) João Filadelfo de Carvalho Neto (Acadêmico do curso de

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 31 CARTOGRAFIA: ESCALAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 31 CARTOGRAFIA: ESCALAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 31 CARTOGRAFIA: ESCALAS 0 10 20 30 40 km 1? 1 000 000 (ou 1 cm representa 10 km) A 10 20 30 40 30 40 50 B 50 50 40 40 30 30 20 20 10 0 0 10 A 50 50 B Edificações Estrada de ferro

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS Módulo 05 Projeto de Móveis CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 05 Aula 03 Assuntos a serem abordados: 04. Desenhos que Compõem um Projeto de Detalhamento de

Leia mais

INTRODUÇÃO E OBJETIVO DO JOGO

INTRODUÇÃO E OBJETIVO DO JOGO Instruções O K2 é a segunda maior montanha do mundo (depois do Monte Evereste) com uma altura de 8.611 metros acima do nível do mar. Também é considerada uma das mais difíceis. O K2 nunca foi conquistado

Leia mais

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA ESCALA

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA ESCALA CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA ESCALA ESCALA Mapa representação convencional que apresenta elementos do mundo real reduzidos de acordo com uma proporção estabelecida previamente Proporção entre os elementos representados

Leia mais

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2013-1 Objetivos Conhecer o professor e o curso Importância do ENADE Iniciação Científica Importância da Topografia Conhecer mais sobre a Terra O que é topografia

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA APOSTILA 4

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA APOSTILA 4 Gerência da Construção Civil, Geomática e Meio Ambiente Professor: Cristiano Nascimento APOSTILA 4 Desenho Técnico Topográfico (Instrumental e Normas) DESENHO TÉCNICO TOPOGRÁFICO (INSTRUMENTAL E NORMAS)

Leia mais

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 TOPOGRAFIA 08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 levantamento pontos planimétricos, altimétricos ou planialtimétricos pontos de apoio (partir destes ) Projeção ΔX = D. sen Az ΔY = D. cos Az TÉCNICAS

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Escalas Gráficas e Numéricas 1.1. Definição No desenho arquitetônico, a necessidade de representar espacialmente objetos e seus detalhes através de desenhos, fez

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

AQUISIÇÃO DE DADOS. Topografia. Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG aplicado ao Meio Ambiente 2011

AQUISIÇÃO DE DADOS. Topografia. Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG aplicado ao Meio Ambiente 2011 AQUISIÇÃO DE DADOS Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG aplicado ao Meio Ambiente 2011 Topografia 1.1. Conceitos 1.2. Elementos da Planta Topográfica 1.3. Estudo das

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS OBJECTIVO O objectivo desta disciplina é a aprendizagem de métodos e técnicas de aquisição de dados que possibilitem a determinação das coordenadas cartográficas de um conjunto

Leia mais

Topografia TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL

Topografia TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL Licenciatura em Engenharia Civil 1º Ano 2º Semestre Topografia Ano Lectivo 2004/2005 TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL Trabalho

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

GEOGRAFIA E FÍSICA. Primeiro ano integrado EDI 1 e INF 1-2009

GEOGRAFIA E FÍSICA. Primeiro ano integrado EDI 1 e INF 1-2009 GEOGRAFIA E FÍSICA Primeiro ano integrado EDI 1 e INF 1-2009 Instruções: Leia atentamente cada questão para resolvê-la com segurança. A marcação do gabarito deverá ser feita com caneta de tinta azul ou

Leia mais

Conjuntos Numéricos. É um subconjunto de números naturais que possuem exatamente dois divisores: o número 1 e ele mesmo. { }

Conjuntos Numéricos. É um subconjunto de números naturais que possuem exatamente dois divisores: o número 1 e ele mesmo. { } CURSO: ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO PROFESSOR: ALEXANDRE RIBEIRO ANDRADE MÓDULO 1: MATEMÁTICA APLICADA NA ASTRONOMIA NÁUTICA Apostila 1: Sistema de Unidades utilizadas na Navegação e na Astronomia,

Leia mais

Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES

Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES Geotecnologias Planejamento e Gestão AULA 05 Fundamentos de Geodésia Geodésia - Definição: Geodésia é a ciência de medida e mapeamento das variações temporais da superfície da Terra, considerando seu campo

Leia mais

No âmbito do projecto para elaboração

No âmbito do projecto para elaboração >>Boletim do IGeoE N.º 72 Novembro 2010 Levantamento de dados de aeródromos, heliportos e rádio Introdução No âmbito do projecto para elaboração do Manual VFR (Visual Flight Rules), responsabilidade do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 02

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 02 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Aula 02 Prof. Dr. Guttemberg da Silva Silvino Introdução Topografia Definição de Topografia

Leia mais

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 200784 Topografia I PLANO DE ENSINO Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE ENSINO: 1. TOPOGRAFIA: Definições, Objetivos e Divisões.

Leia mais

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Nome: Janet Strauss, Consultora do World Fisheries Trust Relatório Relativo ao Mês de: Março de 2006 Resumo Executivo Entre 6 e 26 de março de 2006,

Leia mais

Desenho Técnico Sumário

Desenho Técnico Sumário Sumário 1 Introdução... 3 2 Classificação dos desenhos... 3 3 Formatos e tipo de papel... 6 4 Letras e Algarismos... 7 5 Escalas... 7 6 Carimbo ou Legenda... 8 7 Simbologia... 9 8 - Linhas e Traçados...

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

PERCURSOS DE ORIENTAÇÃO PARA CRIANÇAS

PERCURSOS DE ORIENTAÇÃO PARA CRIANÇAS DOCUMENTOS DE APOIO AO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO E ESCOLAS DE ORIENTAÇÃO DOS CLUBES DA MODALIDADE CADERNO DIDÁCTICO Nº 2 PERCURSOS DE ORIENTAÇÃO PARA CRIANÇAS Recomendações Percursos Balizados Percursos

Leia mais

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA O termo Geodésia, em grego Geo = terra, désia = 'divisões' ou 'eu divido', foi usado, pela primeira vez, por Aristóteles (384-322 a.c.), e pode significar tanto

Leia mais

1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO. Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos

1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO. Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos 1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos Conceitos Objectivos/ Competências Agricultura controlada 3º Ciclo 8º Ano Geografia Território

Leia mais

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W José Waldomiro Jiménez Rojas, Anderson Fonini. Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

1.1. Viagens com GPS. Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra.

1.1. Viagens com GPS. Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra. 1.1. Viagens com GPS Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra. O que é o GPS? Como funciona o GPS? Qual é a precisão do GPS? O sistema de satélites do

Leia mais