Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2"

Transcrição

1 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: EXERCÍCIOS 1. Aumentos na demanda de produtos monopolizados sempre resultarão em preços mais elevados? Explique. Um aumento na oferta com que se defronta um monopsonista sempre resultaria em preços mais baixos? Explique. Como ilustrado na Figura 10.4b do livro, o aumento da demanda não resulta necessariamente em preços mais elevados. Sob as condições apresentadas na Figura 10.4b, o monopolista oferta diferentes quantidades ao mesmo preço. Da mesma forma, o aumento da oferta com que se defronta o monopsonista não resulta necessariamente em preços mais baixos. Suponha que a curva de despesa média se desloque de DMe 1 para DMe, conforme ilustrado na Figura 10.1; tal deslocamento implica o deslocamento da curva de despesa marginal de DMg 1 para DMg. A curva DMg 1 interceptava a curva de valor marginal (curva de demanda) em 1, resultando em um preço P; a curva DMg intercepta a curva de valor marginal em, resultando no mesmo preço P. Preço DMg 1 DMe 1 DMg P DMe VMg 1 uantidade Figura A empresa Caterpillar Tractor é uma das maiores produtoras de tratores agrícolas do mundo. Ela contrata você para aconselhá-los em sua política de preços. Uma das coisas que a empresa gostaria de saber é qual seria a provável redução de vendas após um aumento de 5% nos preços. ue dados você necessitaria conhecer para poder colaborar com a empresa? Explique porque tais fatos são importantes. Por ser um grande produtor de equipamentos agrícolas, a Caterpillar Tractor possui poder de mercado e, portanto, deve levar em consideração a curva de demanda ao estabelecer os preços de seus produtos. Na qualidade de conselheiro, você deveria se concentrar na determinação da elasticidade da demanda de cada produto. Há três fatores importantes a serem considerados. Primeiro; quão similares são os produtos oferecidos pelos concorrentes da Caterpillar? Se eles forem substitutos próximos, 10

2 um pequeno aumento no preço da Caterpillar poderá induzir os consumidores a transferir sua demanda para os concorrentes. Em segundo lugar, qual é a idade dos tratores existentes? Com um grupo de tratores mais antigos, um aumento de 5% no preço induz a uma diminuição menor na demanda. Finalmente, dado que os tratores são um insumo de capital para a produção agrícola, qual é a lucratividade esperada no setor agrícola? Caso haja uma expectativa de queda da renda agrícola, o aumento nos preços dos tratores deve levar a um declínio da demanda maior do que se esperaria considerando apenas as informações sobre vendas passadas e preços. 3. Uma empresa monopolista defronta-se com uma elasticidade da demanda constante de -.0. A empresa tem um custo marginal constante de $0 por unidade e estabelece um preço para maximizar o lucro. Se o custo marginal subisse 5%, o preço estabelecido pela firma também subiria 5%? Sim. A regra de preço do monopolista, expressa como uma função da elasticidade da demanda pelo seu produto, é: ou, alternativamente: P CMg 1 = P CMg P = 1 1+ E d Neste exemplo, E d = -,0, de modo que 1/E d = -1/; desta forma, o preço deveria ser determinado a partir da seguinte expressão: 11 E D CMg P = = CMg 1 Portanto, se o CMg aumenta em 5%, o preço também deve aumentar em 5%. uando CMg = $0, temos P = $40. uando o CMg aumenta para $0(1,5) = $5, o preço aumenta para $50 apresentando um crescimento de 5%. 4. Uma empresa defronta-se com a seguinte curva de receita média (demanda): P = 100-0,01 Onde é a produção semanal e P é o preço, medido em centavos por unidade. A função de custo da empresa é expressa por C = Supondo que a empresa maximize seus lucros: a. uais serão, respectivamente, em cada semana, seu nível de produção, seu preço e seu lucro total? O nível de produção que maximiza o lucro pode ser obtido igualando-se a receita marginal ao custo marginal. Dada uma curva de demanda

3 linear na forma inversa, P = 100-0,01, sabemos que a curva de receita marginal deve ter uma inclinação duas vezes maior que a curva de demanda. Logo, a curva de receita marginal da empresa é RMg = 100-0,0. O custo marginal é simplesmente a inclinação da curva de custo total. A inclinação de CT = é 50; logo, o CMg é igual a 50. Fazendo RMg = CMg, pode-se determinar a quantidade maximizadora de lucros: 100-0,0 = 50, ou =.500. Inserindo a quantidade maximizadora de lucros na função de demanda inversa, determina-se o preço: P = (0,01)(.500) = 0,75. O lucro é igual à receita total menos o custo total: π = (75)(.500) - ( (50)(.500)), ou π = $35 por semana. b. O governo decide arrecadar um imposto de $0,10 por unidade de um determinado produto. uais deverão ser, respectivamente, o novo nível de produção, o novo preço e o novo lucro total, em conseqüência do imposto? Suponha, inicialmente, que o imposto seja pago pelos consumidores. Tendo em vista que o preço total (incluindo o imposto) que os consumidores estariam dispostos a pagar não se altera, a função de demanda é: P* + T = 100-0,01, ou P* = 100-0,01 - T, onde P* é o preço recebido pelos ofertantes. Dado que o imposto eleva o preço de cada unidade, a receita total do monopolista diminui em T, e a receita marginal, que corresponde à receita obtida de cada unidade adicional, diminui em T: RMg = 100-0,0 - T onde T = $0,10. Para determinar o nível de produção que maximiza os lucros após a cobrança do imposto, iguale a receita marginal ao custo marginal: 100-0,0-10 = 50, ou =.000 unidades. Inserindo na função de demanda, obtém-se o preço: P* = (0,01)(.000) - 10 = $0,70. O lucro é igual à receita total menos o custo total: π = ( 70)(.000) [(50)(.000) )] = centavos, ou $100 por semana. 1

4 Observação: O preço ao consumidor com o imposto é $0,80. O monopolista recebe $0,70. Portanto, o consumidor e o monopolista pagam, cada um, $0,05 do imposto. Se o imposto fosse pago pelo monopolista, em vez de ser pago pelo consumidor, o resultado seria idêntico. A função de custo do monopolista seria dada por: CT = T = (50 + T) A inclinação da função de custo é (50 + T), de modo que CMg = 50 + T. Igualando o CMg à receita marginal obtida no item (a): 100-0,0 = , ou =.000. Logo, o resultado é o mesmo, independente de quem paga o imposto ao governo. A carga do imposto se reflete no preço do bem. 5. A tabela a seguir mostra a curva de demanda com a qual se defronta um monopolista que produz com um custo marginal constante igual a $10. Preço uantidade a. Calcule a curva da receita marginal da empresa. Para calcular a curva de receita marginal, primeiro devemos derivar a curva de demanda inversa. A curva de demanda inversa intercepta o eixo dos preços ao nível de 7. A inclinação da curva de demanda inversa é dada pela variação no preço dividida pela variação na quantidade. Por exemplo, uma redução no preço de 7 para 4 gera um aumento na quantidade de 0 para. Portanto, a inclinação é 3 e a curva de demanda inversa é P = 7 1, 5. A curva de receita marginal associada a uma curva de demanda linear é uma linha com o mesmo intercepto da curva de demanda inversa e uma inclinação duas vezes maior. Portanto, a curva de receita marginal é RMg =

5 b. uais são, respectivamente, o nível de produção e o preço capazes de maximizar o lucro da empresa? ual é o lucro da empresa? A produção que maximiza o lucro do monopolista é dada pelo ponto em que a receita marginal é igual ao custo marginal. O custo marginal é constante e igual a $10. Igualando a RMg ao CMg, podemos determinar a quantidade maximizadora de lucros: 7 3 = 10, ou = 5,67. Para determinar o preço que maximiza os lucros, podemos usar o valor de obtido acima na equação de demanda: P = 7 (1,5)(5,67) = $18,5. A receita total é dada pela multiplicação do preço pela quantidade: RT = (18,5)(5,67) = $104,83. O lucro da empresa é igual à receita total menos o custo total; o custo total, por sua vez, é igual ao custo médio multiplicado pelo nível de produção. Dado que o custo marginal é constante, o custo variável médio é igual ao custo marginal. Ignorando a existência de custos fixos, o custo total é 10,ou 56,67, e o lucro é 104,83 56,67 = $48,17. c. uais seriam, respectivamente, o preço e a quantidade de equilíbrio em um setor competitivo? O equilíbrio de uma indústria competitiva caracteriza-se pela igualdade entre preço e custo marginal. Igualando o preço ao custo marginal de 10: 7 1,5 = 10 = 11,3 P = 10. Observe o aumento na quantidade de equilíbrio relativamente à solução de monopólio. d. ual seria o ganho social se esse monopolista fosse obrigado a praticar um nível de produção e preço de equilíbrio competitivo? uem ganharia ou perderia em conseqüência disso? O ganho social advém da eliminação do peso morto. O peso morto, neste caso, é igual ao triângulo acima da curva de custo marginal constante, abaixo da curva de demanda, e entre as quantidades 5,67 e 11,3; ou, numericamente: (18,5-10)(11,3-5,67)(0,5)=$4,10. Os consumidores capturam esse peso morto, além do lucro do monopolista de $48,17. Os lucros do monopolista são reduzidos a zero, e o excedente do consumidor aumenta em $7,7. 6. Uma empresa tem duas fábricas, cujos custos são dados por: Fábrica1: C = 1( 1)

6 Fábrica : C = ( ) 0 A empresa se defronta com a seguinte curva de demanda: P = onde é a produção total, isto é, = 1 +. a. Faça um diagrama desenhando: as curvas de custo marginal para as duas fábricas, as curvas de receita média e de receita marginal, e a curva do custo marginal total (isto é, o custo marginal da produção total = 1 + ). Indique o nível de produção maximizador de lucros para cada fábrica, a produção total e o preço. A curva de receita média é a própria curva de demanda, P = No caso de uma curva de demanda linear, a curva de receita marginal apresenta o mesmo intercepto da curva de demanda, mas uma inclinação duas vezes maior: RMg = Em seguida, determine o custo marginal de se produzir. Para calcular o custo marginal da produção na FÁBRICA 1, derive a função de custo com relação a : dc 1 ( 1 ) d = 0. 1 Analogamente, o custo marginal na FÁBRICA é dc ( ) d = 40. Rearrumando as equações de custo marginal na forma inversa e somando-as horizontalmente, obtém-se o custo marginal total, CMg T : CMg CMg 3CMg 1 T = + = + =, ou CMg T =. 3 O lucro máximo corresponde ao ponto em que CMg T = RMg. A Figura 10.6.a apresenta os valores ótimos da produção de cada fábrica, da produção total e do preço. 15

7 800 Preço Capitulo 10: Poder de Mercado: Monopólio e Monopsônio 700 CMg CMg 1 CMg T 600 P M RMg D 1 T uantidade Figura 10.6.a b. Calcule os valores de 1,,, e P que maximizam os lucros. Calcule a produção total que maximiza o lucro, isto é, tal que CMg T = RMg: 40 3 = , ou = 30. Em seguida, observe a relação entre CMg e RMg para um monopólio com múltiplas fábricas: RMg = CMg T = CMg 1 = CMg. Sabemos que, para = 30, RMg = (10)(30) = 400. Portanto, CMg 1 = 400 = 0 1, ou 1 = 0 e CMg = 400 = 40, ou = 10. Para calcularmos o preço de monopólio, P M, devemos inserir o valor de na equação de demanda: P M = (5)(30), ou P M = 550. c. Suponha que o custo da mão-de-obra aumente na Fábrica 1 mas permaneça inalterado na Fábrica. De forma a empresa deveria ajustar (isto é, aumentar, reduzir ou deixar inalterada): a produção da Fábrica 1? A produção da Fábrica? A produção total? E o preço? 16

8 Um aumento nos custos da mão-de-obra levará a um deslocamento horizontal do CMg 1 para a esquerda, levando o CMg T a também se deslocar para a esquerda (dado que este é a soma horizontal de CMg 1 e CMg ). A nova curva do CMg T intercepta a curva da RMg a uma quantidade menor e uma receita marginal maior. Para um nível mais elevado da receita marginal, é maior do que o nível original. Dado que T diminui e aumenta, 1 deve cair. Dado que T cai, o preço deve aumentar. 7. Uma empresa fabricante de medicamentos possui monopólio sobre um novo remédio patenteado. O produto pode ser produzido por qualquer uma dentre duas fábricas disponíveis. Os custos de produção para as duas fábricas são, respectivamente: CMg 1 = 0 + 1, e CMg = A estimativa da demanda do produto é P = 0-3( 1 + ). ual a quantidade que a empresa deveria produzir em cada fábrica e a que preço ela deveria planejar vender o produto? Primeiro, observe que apenas o CMg é relevante, pois a curva de custo marginal da primeira fábrica se encontra acima da curva de demanda. Preço 30 CMg = CMg 1 = RMg Figura 10.7 Isso significa que a curva de demanda se torna P = 0-3. Para uma curva de demanda linear inversa, sabemos que a curva de receita marginal tem o mesmo intercepto vertical, porém, duas vezes a inclinação, ou RMg = 0-6. Para determinar o nível de produção que maximiza os lucros, iguale a RMg ao CMg : 0-6 = , ou = = 0,91. D 17

9 O preço é determinado pela utilização da quantidade maximizadora de lucros na equação de demanda: P = 0 3(0,91) = 17,3. 8. Um dos casos mais importantes de aplicação da legislação antitruste neste século foi o que envolveu a empresa Aluminum Company of America (Alcoa) em Naquela época, a Alcoa controlava cerca de 90% da produção de alumínio primário nos EUA e tinha sido acusada de estar monopolizando o mercado. Em sua defesa, a Alcoa afirmou que, embora ela realmente controlasse uma grande parte do mercado de alumínio primário, o mercado do alumínio secundário (isto é, alumínio produzido a partir da reciclagem de sucata) era responsável por, aproximadamente, 30% da oferta total de alumínio, sendo que muitas empresas competitivas se encontravam atuando na reciclagem. Em decorrência disso, ela não possuía muito poder de monopólio. a. Elabore uma argumentação clara a favor da posição da Alcoa. Embora a Alcoa controlasse em torno de 90% da produção de alumínio primário nos Estados Unidos, a produção de alumínio secundário pelos recicladores respondia por 30 % da oferta total de alumínio. Portanto, com um preço mais alto, uma proporção muito maior da oferta de alumínio viria de fontes secundárias. Essa afirmação é verdadeira porque há uma grande oferta potencial na economia. Portanto, a elasticidade-preço da demanda para o alumínio primário da Alcoa é muito mais elevada (em valor absoluto) do que esperaríamos, dada a posição dominante da Alcoa na produção de alumínio primário. Em muitos casos, outros metais como o cobre e o aço são substitutos possíveis para o alumínio. Novamente, a elasticidade da demanda com a qual a Alcoa se defronta poderia ser maior do que esperaríamos. b. Elabore uma argumentação clara contra a posição da Alcoa. Apesar de ter uma capacidade limitada para aumentar seus preços, a Alcoa poderia obter lucros de monopólio através da manutenção de um preço estável em nível elevado o que era possibilitado pela limitação da oferta potencial de alumínio. Além disso, tendo em vista que o material usado na reciclagem era produzido originalmente pela Alcoa, a empresa poderia exercer um controle monopolístico efetivo sobre a oferta secundária de alumínio, através da consideração dos efeitos de sua produção sobre essa oferta. c. A sentença proferida em 1945 pelo Juiz Learned Hand é considerada "uma das opiniões judiciais mais importantes de nosso tempo". Você sabe qual foi a sentença do Juiz Hand? A decisão do Juiz Hand foi contrária à Alcoa, mas não envolveu qualquer determinação no sentido de que a empresa abandonasse alguma de suas fábricas nos Estados Unidos. As duas medidas tomadas pelo tribunal foram as seguintes: (1) proibiu-se que a Alcoa participasse do leilão de duas fábricas de alumínio primário construídas pelo governo durante a ª Guerra Mundial (que foram compradas pela Reynolds and 18

10 Kaiser) e () ordenou-se que a empresa se desfizesse de sua subsidiária canadense, que passou a se chamar Alcan. 9. Um monopolista defronta-se com a curva de demanda P = 11 -, onde P é medido em dólares por unidade e é medido em milhares de unidades. O monopolista tem um custo médio constante de $6 por unidade. a. Desenhe as curvas de receita média e de receita marginal e as curvas de custo médio e de custo marginal. uais são, respectivamente, o preço e a quantidade capazes de maximizar os lucros do monopolista? ual será o lucro resultante? Calcule o grau de poder de monopólio da empresa utilizando o índice de Lerner. Dado que a demanda (receita média) pode ser descrita como P = 11 -, sabemos que a função da receita marginal é RMg = Também sabemos que se o custo médio é constante, então, o custo marginal é constante e igual ao custo médio: CMg = 6. Para calcular o nível de produção que maximiza os lucros, iguale a receita marginal ao custo marginal: 11 - = 6, ou =,5. Isto é, a quantidade que maximiza os lucros é igual a.500 unidades. Insira essa quantidade na equação de demanda, a fim de determinar o preço: P = 11 -,5 = $8,50. O lucro é igual à receita total menos o custo total, π = RT - CT = (RM)() - (CM)(), ou π = (8,5)(,5) - (6)(,5) = 6,5, ou $6.50. O grau de poder de monopólio é dado pelo Índice de Lerner: P CMg P 8,5 6 = = 0,94. 8,5 19

11 Preço Lucro CMe = CMg 4 RMg D = RMe Figura 10.9.a b. Um órgão de regulamentação governamental define um preço teto de $7 por unidade. uais serão, respectivamente, a quantidade produzida e o lucro da empresa? O que ocorrerá com o grau de poder de monopólio? Para determinar o efeito do preço teto na quantidade produzida, insira o preço teto na equação de demanda. 7 = 11 -, ou = O monopolista optará pelo preço de $7 porque este é o preço mais elevado que ele pode cobrar, e este preço ainda é maior do que o custo marginal constante de $6, resultando em lucro de monopólio positivo. O lucro é igual à receita total menos o custo total: π = (7)(4.000) - (6)(4.000) = $ O grau de poder de monopólio é: P CMg P 7 6 = = 0, c. ual é o preço teto que possibilita o nível mais elevado de produção? ual será este nível de produção? ual será o grau do poder de monopólio da empresa para este preço? Se a autoridade reguladora definisse o preço abaixo de $6, o monopolista preferiria encerrar as atividades em vez de produzir, pois ele não conseguiria cobrir seus custos médios. Para qualquer preço acima de $6, o monopolista produziria menos do que as unidades que seriam produzidas em um setor competitivo. Portanto, a agência reguladora deveria estabelecer um preço teto de $6, fazendo, assim, com que o monopolista se defrontasse com uma curva de demanda horizontal efetiva até o nível de produção = Para assegurar um nível de produção positivo (tal que o monopolista não seja indiferente entre 130

12 produzir unidades ou encerrar as atividades), o preço teto deveria ser estabelecido em $6 + δ, onde δ é um valor pequeno. Sendo assim, é o nível máximo de produção que a agência reguladora pode extrair do monopolista utilizando um preço teto. O grau de poder de monopólio é P CMg 6 + δ 6 δ = = 0 quando δ 0. P A empresa Michelle s Monopoly Mutant Turtles (MMMT) tem direito exclusivo de venda para as camisetas modelo Mutant Turtle nos EUA. A demanda dessas camisetas é expressa por = /P. O custo total da empresa a curto prazo é CTCP = , e seu custo total a longo prazo é expresso por CTLP = 6. a. ue preço deverá ser cobrado pela MMMT para haver maximização do lucro no curto prazo? ue quantidade será vendida e qual o lucro gerado? Seria melhor encerrar as atividades da empresa a curto prazo? A MMMT deveria oferecer camisetas suficientes para que RMg = CMg. No curto prazo, o custo marginal é a mudança no CTCP como resultado da produção de outra camiseta, ou seja, CMgCP = 5, a inclinação da curva de CTCP. A demanda é: 10, 000 =, P ou, na forma inversa, P = 100-1/. A receita total (P) é 100 1/. Derivando RT com relação a, obtemos RMg = 50-1/. Igualando RMg e CMg para determinar a quantidade maximizadora de lucros: 5 = 50-1/, ou = 100. Inserindo = 100 na função de demanda para determinar o preço: P = (100)(100-1/ ) = 10. Dados o preço e a quantidade, pode-se calcular o lucro, igual à receita total menos o custo total: π = (10)(100) - (000 + (5)(100)) = -$ Embora o lucro seja negativo, o preço está acima do custo variável médio de 5 e, portanto, a empresa não deveria encerrar suas atividades no curto prazo. Dado que a maior parte dos custos da empresa são fixos, a empresa perderia $.000 se nada fosse produzido, enquanto que, produzindo a quantidade ótima, ela perde apenas $ b. ue preço deverá ser cobrado no longo prazo pela MMMT? ue quantidade será vendida e qual o lucro gerado? Seria melhor encerrar as atividades da empresa a longo prazo? 131

13 No longo prazo, o custo marginal é igual à inclinação da curva de CTLP, que é 6. Igualando a receita marginal ao custo marginal de longo prazo, obtém-se a quantidade que maximiza os lucros: 50-1/ = 6 ou = 69,44 Inserindo = 69,44 na equação de demanda, obtém-se o preço: P = (100)[(50/6) ] -1/ = (100)(6/50) = 1 Portanto, a receita total é $833,33, o custo total é $416,67 e o lucro é $416,67. Logo, a empresa deveria permanecer em atividade. c. Podemos esperar que o custo marginal da MMMT no curto prazo seja menor do que seu custo marginal no longo prazo? Explique. No longo prazo, a MMMT precisa substituir todos os fatores fixos. Portanto, podemos esperar que o CMgLP seja maior do que o CMgCP. 11. Suponha que você produza pequenos aparelhos que são vendidos em um mercado perfeitamente competitivo por um preço de mercado de $10 por unidade. Estes aparelhos são produzidos em duas fábricas, uma em Massachusetts e outra em Connecticut. Devido a problemas trabalhistas em Connecticut, você é forçado a aumentar os salários naquela fábrica, de modo que seus custos marginais crescem na fábrica em questão. Em resposta a isso, você deveria deslocar a produção e produzir mais em sua fábrica de Massachusetts? Não, a produção não deveria ser deslocada para a fábrica de Massachusetts. Por outro lado, a produção da fábrica de Connecticut deveria ser reduzida. A maximização de lucros por uma empresa com múltiplas fábricas requer que a produção de cada fábrica seja planejada de forma a satisfazer as duas condições a seguir: - Os custos marginais de produção em cada fábrica devem ser iguais. - A receita marginal associada à produção total deve ser igual ao custo marginal de cada fábrica. Tais condições podem ser resumidas pela seguinte expressão: RMg=CMg 1 =CMg = CMg T, onde o subscrito indica a fábrica. Nesse exemplo, a empresa possui duas fábricas e opera em um mercado perfeitamente competitivo. Sabemos que, em um mercado perfeitamente competitivo, P = RMg. Logo, a alocação ótima da produção entre as duas fábricas deve ser tal que: P = CMg c ( c ) = CMg m ( m ), onde os subscritos indicam a localização da fábrica (c para Connecticut, etc.). Os custos marginais de produção aumentaram em Connecticut, mas permaneceram constantes em Massachusetts. Logo, o nível de m que satisfaz CMg m ( m ) = P não se alterou. 13

14 P MC M MC C MC C P=MR C C Figura O emprego de auxiliares de ensino (DMes) pelas principais universidades poderia ser caracterizado como monopsônio. Suponha que a demanda por DMes seja W = n, onde W é o salário (base anual), e n é o número de DMes contratados. A oferta de DMes é dada por W = n. a. Se a universidade tirasse proveito de sua posição monopsonista, quantos DMes ela contrataria? ue salário elas pagariam? A curva de oferta corresponde à curva de despesa média. Dada a curva de oferta W = n, a despesa total é Wn = 1.000n + 75n. Derivando a função de despesa total com relação ao número de DMes, a curva de despesa marginal é n. Enquanto um monopsonista, a universidade igualaria o valor marginal (demanda) à despesa marginal de modo a determinar o número de DMes a ser contratado: n = n, ou n = 105,5. Inserindo n = 105,5 na curva de oferta, obtém-se o salário: (75)(105,5) = $8.909 anualmente. b. Por outro lado, se as universidades se defrontassem com uma oferta infinita de DMes para um salário anual de $10.000, quantos DMes elas contratariam? Se o número de DMes é infinito para um salário de $10.000, a curva de oferta é horizontal a esse nível. A despesa total é (10.000)(n), e a despesa marginal é Igualando o valor marginal à despesa marginal: n = , ou n = A empresa Dayna s Doorstops, Inc. (DD), é monopolista no setor industrial de limitadores de abertura de portas. Seu custo é C = , e sua demanda é P =

15 a. ue preço a empresa DD deveria cobrar para maximizar lucros e qual a quantidade que seria, então, produzida? uais seriam, respectivamente, os lucros e o excedente do consumidor gerados pela DD? Com o objetivo de maximizar seus lucros, a DD deveria igualar a receita marginal ao custo marginal. Dada uma demanda de P = 55 -, a função de receita total, P, é Derivando a receita total com relação a, obtém-se a receita marginal: drt RMg = = 55 4 d Analogamente, o custo marginal é obtida derivando-se a função de custo total com relação a : dct CMg = = 5 d Igualando CMg e RMg, obtém-se a quantidade maximizadora de lucros, 55-4 = - 5, ou = 10. Inserindo = 10 na equação de demanda, obtém-se o preço ótimo: P = 55 - ()(10) = $35. O lucro é igual à receita total menos o custo total: π = (35)(10) - (100 - (5)(10) + 10 ) = $00. O excedente do consumidor é dado pela multiplicação de 1/ pela quantidade maximizadora de lucros, 10, e pela diferença entre o intercepto da demanda (o preço máximo que qualquer indivíduo está disposto ao pagar) e o preço de monopólio: CS = (0,5)(10)(55-35) = $100. b. ual seria a quantidade produzida se a DD atuasse como um competidor perfeito, tendo CMg = P? ue lucro e que excedente do consumidor seriam, respectivamente, gerados? Sob competição perfeita, o lucro é máximo no ponto em que o preço é igual ao custo marginal (onde preço é dado pela curva de demanda): 55 - = -5 +, ou = 15. Inserindo = 15 na equação de demanda, obtém-se o preço: P = 55 - ()(15) = $5. O lucro é igual à receita total menos o custo total: π = (5)(15) - (100 - (5)(15) + 15 ) = $15. O excedente do consumidor é 134

16 CS = (0,5)(55-5)(15) = $5. c. ual é a perda bruta decorrente do poder de monopólio no item (a)? O peso morto é dado pela área abaixo da curva de demanda, acima da curva de custo marginal, e entre as quantidades de 10 e 15; em termos numéricos: DWL = (0,5)(35-15)(15-10) = $50. d. Suponha que o governo, preocupado com o alto preço dos limitadores de abertura de portas, defina um preço máximo de $7. De que forma isto afetaria o preço, a quantidade, o excedente do consumidor e o lucro da DD? ual seria a perda bruta? Com a fixação de um preço teto, o preço máximo que a DD pode cobrar é $7,00. Note que, quando o preço teto é fixado acima do preço competitivo, o preço teto é igual à receita marginal para todos os níveis de produção, até o ponto correspondente ao nível de produção competitiva. Inserindo o preço teto de $7,00 na equação de demanda, obtém-se a quantidade de equilíbrio: 7 = 55 -, ou = 14. O excedente do consumidor é CS = (0,5)(55-7)(14) = $196. O lucro é π = (7)(14) - (100 - (5)(14) + 14 ) = $15. O peso morto é $,00, que é equivalente à área de um triângulo: (0,5)(15-14)(7-3) = $ e. Agora suponha que o governo defina um preço máximo de $3. De que forma isto afetaria o preço, a quantidade, o excedente do consumidor e o lucro da DD? ual seria a perda bruta? uando o preço teto é fixado abaixo do preço competitivo, a DD deve reduzir sua produção. Igualando receita marginal e custo marginal, pode-se calcular o nível de produção que maximiza os lucros: 3 = - 5 +, ou = 14. Dado um preço teto de $3, o lucro é π = (3)(14) - (100 - (5)(14) + 14 ) = $96. O consumidor aufere um excedente sobre 14 unidades. Logo, o excedente do consumidor é igual ao excedente obtido no item d, isto é, $196, acrescido do valor economizado em cada unidade do produto, isto é, CS = (7-3)(14) = $56. Portanto, o excedente do consumidor é $5. O peso morto é o mesmo de antes: $,00. f. Finalmente, considere um preço máximo de $1. De que forma isto afetaria a quantidade, o excedente do consumidor, o lucro da DD e a perda bruta? 135

17 Se o preço máximo for fixado em $1, a produção cairá ainda mais: 1 = 0,5 +, ou = 8,5. O lucro é π = (1)(8.5) - (100 - (5)(8,5) + 8,5 ) = -$7,75. O consumidor aufere um excedente sobre 8,5 unidades, que é equivalente ao excedente do consumidor associado ao preço de $38 (38 = 55 - (8,5)), isto é, (0,5)(55-38)(8,5) = $7,5 acrescido do valor economizado em cada unidade do produto, isto é, (38-1)(8,5) = $1. Portanto, o excedente do consumidor é $93,5. O excedente total é $65,50, e o peso morto é $84,50. *14. Existem 10 famílias na cidade de Lake Wobegon, Estado de Minnesota, cada uma delas apresentando uma demanda de energia elétrica de = 50 - P. O custo total de produção de energia elétrica da empresa Lake Wobegon Electric (LWE) é CT = a. Se os reguladores da LWE desejarem se assegurar de que não exista perda bruta neste mercado, qual o preço que forçarão a LWE a cobrar? ual seria a produção neste caso? Calcule o excedente do consumidor e o lucro da LWE para este preço. Para resolver o problema do regulador, deve-se inicialmente determinar a demanda de mercado por energia elétrica em Lake Wobegon. A quantidade demandada no mercado é a soma das quantidades demandas por cada indivíduo, para cada nível de preço. Graficamente, a demanda de mercado é obtida pela soma horizontal das demandas de cada família; matematicamente, ela é dada por: 10 = = 10(50 P) = P P = 50 0, M i 1 i= 1 Com o objetivo de evitar a ocorrência de um peso morto, os reguladores devem igualar o preço ao custo marginal. Dada a função de custo total CT = 500+, o custo marginal é CMg = 1 (inclinação da curva de custo total). Igualando o preço ao custo marginal, e resolvendo para a quantidade: 50-0,1 = 1, ou = 490. O lucro é igual à receita total menos o custo total: π = (1)(490) - ( ), = -$500. O excedente do consumidor é: CS = (0,5)(50-1)(490) = 1.005, ou $1.00,50 por família. 136

18 b. Se os reguladores desejarem se assegurar de que a LWE não tenha prejuízo, qual seria o preço mais baixo que poderiam impor? Para este caso, calcule a produção, o excedente do consumidor e o lucro. Existiria alguma perda bruta? Se desejam se assegurar de que a LWE não tenha prejuízo, os reguladores devem permitir que a empresa cobre um preço igual ao custo médio de produção, dado por CT 500 CMe = = +1 Para determinar o preço e a quantidade de equilíbrio, devemos, inicialmente, igualar o preço ao custo médio: ,1 = + 1 e resolver para a partir da equação quadrática resultante: 0, = 0. Observação: se + b + c = 0, então b b ac = ± 4. a Usando a fórmula quadrática: 49 ± 49 (4)(0,1)(500) =, (0,1) Há duas soluções: 10,4 e 479,6. Cabe observar que, para uma quantidade de 10,4, a receita marginal é maior do que o custo marginal, de modo que a empresa seria incentivada a produzir mais para incrementar seus lucros. Além disso, cabe ressaltar que a maior quantidade produzida resulta em um preço mais baixo e, consequentemente, em um maior excedente do consumidor. Portanto, =479,6 e P=$,04. Dado esse nível de quantidade e preço, o lucro é zero (ignorando erros de arredondamento)). O excedente do consumidor é CS = (0,5)(50 -,04)(479,6) = $ e o peso morto é DWL = (,04-1)( ,6)(0,5) = $5,40. c. Kristina sabe que a perda bruta é algo que essa pequena cidade poderia perfeitamente dispensar. Ela sugere que seja cobrado de cada família um valor fixo simplesmente pela ligação elétrica e, posteriormente, seja cobrado um preço por unidade de eletricidade fornecida. Então, a LWE poderia atingir seu ponto de retorno, cobrando o preço que você calculou no item (a). ual seria o valor fixo que cada família deveria pagar para que o plano de Kristina pudesse funcionar? Por que você poderia ter certeza de que nenhuma família se recusaria a pagar, preferindo ficar sem o fornecimento de energia elétrica? 137

19 O custo fixo é $500. Se cada família pagasse $50, a empresa cobriria seu custo fixo e poderia cobrar um preço igual ao custo marginal. Sabemos que, com o preço igual ao custo marginal, o excedente do consumidor por família seria $1.00,50, que é maior do que o valor fixo total pago; logo, as famílias estariam dispostas a pagar um valor fixo de $ Um monopolista defronta-se com a seguinte curva de demanda: = 144/P onde é a quantidade demandada e P é o preço. Seu custo variável médio é CVMe = 1/, e seu custo fixo é 5. a. uais são, respectivamente seu preço e quantidade maximizadores de lucros? ual é o lucro resultante? Com o objetivo de maximizar seu lucro, o monopolista escolhe o nível de produção para o qual a receita marginal seja igual ao custo marginal. Rescrevendo a função de demanda como uma função de, podemos expressar a receita total em função de e, então, calcular a receita marginal: 144 = P P 144 = P = 144 = 1 R = P* = 1 * = 1 R RMg = = 0,5* 1 = 6 O custo marginal é obtido a partir da função de custo total, dada pela soma dos custos fixos e variáveis. Sabemos que o custo fixo é 5 e o custo variável é igual ao custo variável médio multiplicado por ; logo, o custo total e o custo marginal são dados por: CT = 5 + * = 5 + CT CMg = 1 3 = Igualando receita e custo marginal, podemos determinar o nível de produção que maximiza os lucros: 6 = 3 = 4. e, por fim, calcular o preço e o lucro: 3 138

20 P = 1 1 = = $6 4 Π = P* CT = 6*4 ( ) = $11 b. Suponha que o governo regulamente o preço de modo que o mesmo não possa ultrapassar $4 por unidade. ual será a quantidade produzida e o lucro do monopolista? O preço teto causa um truncamento da curva de demanda com que o 144 monopolista se defronta ao nível de P=4 ou = = 9. Portanto, se o 16 monopolista produz 9 unidades ou menos, o preço deve ser $4. Com a imposição do preço teto, a curva de demanda apresenta duas partes: $4, se 9 P = 1/ 1, se > 9 Logo, a receita total e a receita marginal também devem ser consideradas em duas partes: 4, se 9 RT = 1/ e 1, se > 9 $4, se 9 RMg = 1/ 6, se > 9 Para calcular o nível de produção que maximiza os lucros, iguale a receita marginal ao custo marginal, de modo que, para P = 4, 4 = 3, ou = 8, ou = 7,11. 3 Se o monopolista produz um número inteiro de unidades, o nível de produção maximizador de lucros é 7 unidades, o preço é $4, a receita é $8, o custo total é $3,5, e o lucro é $4,48. Há uma escassez de duas unidades, dado que a quantidade demandada ao preço de $4 é 9 unidades. c. Suponha que o governo queira definir um preço teto que seja capaz de induzir o monopolista a produzir a maior quantidade possível. ual seria este preço? Se o objetivo é maximizar a produção, o preço teto deve ser fixado de modo que a demanda seja igual ao custo marginal: 1 3 = = 8 e P = $4,4 A curva de receita marginal do monopolista é dada por uma linha horizontal com intercepto no nível do preço teto. Visando maximizar seu lucro, a empresa deve produzir no ponto em que o custo marginal é igual à receita marginal, o que resulta em uma quantidade de 8 unidades. 139

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6.

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6. Capítulo : Concorrência Monopolística e Oligopólio Pindyck & Rubinfeld, Capítulo, Oligopólio :: EXERCÍCIOS. Suponha que, após uma fusão, todas as empresas de um setor monopolisticamente competitivo se

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros Microeconomia Estruturas de mercado Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos Maximização de s Receita Marginal, Custo Marginal e Maximização de s PINDYCK, R. e RUINFELD, D. Microeconomia.

Leia mais

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá caros(as) amigos(as), Hoje, venho comentar as questões de Microeconomia e Finanças Públicas do último concurso aplicado pela FGV, onde essas disciplinas foram cobradas. É o concurso para Assessor Técnico

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de evitar a ocorrência de arbitragem. Explique de que

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS Capítulo 2: O Básico sobre a Oferta e a Demanda Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS 1. Considere um mercado competitivo no qual as quantidades anuais demandadas e ofertadas

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

Estrutura Tarifária de Energia Elétrica

Estrutura Tarifária de Energia Elétrica Estrutura Tarifária de Energia Elétrica A Estrutura Tarifária de Energia Elétrica II: Teoria de precificação e metodologia regulatória Cristiano Silva Silveira Bloco 1 Microeconomia aplicada à precificação

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014 Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira USP 28 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Discrim. & conc. monop. 28 de julho de 2014

Leia mais

L S L D L. 30 40 50 Figura 9.1.a. L = 80-10 w.

L S L D L. 30 40 50 Figura 9.1.a. L = 80-10 w. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 9, Mercados Competitivos :: EXERCÍCIO 1. Em 1996, o Congresso dos EUA discutiu se o salário mínimo deveria subir de $4,25 para $5,15 por hora. Algumas pessoas sugeriram que

Leia mais

Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2

Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2 Microeconomia 1 - Teoria da Firma - Parte 2 Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas, 2015 DECON/UFPEL Rodrigo Nobre Fernandez Microeconomia 1 / 30 Minimização de Custos 1 Suponha que a firma escolhe um certo nível

Leia mais

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio:

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio: Monopólio Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp.

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp. A empresa e o mercado Fernando Branco Ano lectivo 2003-2004 Trimestre de Inverno essão 4 A empresa produz para servir os seus clientes (o mercado). Não há uma teoria geral para prescrever as decisões óptimas

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 26-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 26-03-2012 João Correia da Silva (joao@fe.u.t) 1. A EMPRESA 1.1. Tecnologia de Produção. 1.2. Minimização do Custo. 1.3. Análise dos Custos. 1.4. Maximização do Lucro.

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

E struturas de M ercado

E struturas de M ercado E struturas de M ercado 1 INTRODUÇÃO Exploramos nos capítulos anteriores os fatores determinantes da oferta e da demanda dos agentes individuais e do mercado. Agora, passaremos a examinar a determinação

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de Passo Fundo - RS

Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de Passo Fundo - RS Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de asso Fundo - RS Eduardo Belisário Finamore 1 Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar a visão da teoria econômica sobre

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 18, Externalidades::EXERCÍCIOS 1. Diversas empresas se instalaram na região oeste de uma cidade, depois que a parte leste se tornou predominantemente utilizada por residências

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá pessoal, No Ponto 27 (www.pontodosconcursos.com.br/artigos3.asp?prof=238), eu comentei as 10 (questões 41 a 50) primeiras questões de Economia e Finanças Públicas do ICMS/RJ 2011. Agora, comento as

Leia mais

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

Custos de Produção. Capítulo 5

Custos de Produção. Capítulo 5 Capítulo 5 Custos de Produção Quando um aqüicultor decide se engajar na produção, os requerimentos de recursos e o preço desses recursos devem ser determinados. Os recursos têm muitos usos, mas quando

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 29-03-2012 João Correia da ilva (joao@fe.u.t) 2. Estruturas de Mercado 2.1. Concorrência Perfeita. 2.2. Monoólio. 2 CONCORRÊNCIA PERFEITA O modelo de concorrência erfeita

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que a taxa de juro seja de 10%. Qual é o valor de um título com cupom que paga $80 por ano, durante cada um dos próximos 5

Leia mais

Capítulo 3: Comportamento do consumidor

Capítulo 3: Comportamento do consumidor Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Consumidor :: EXERCÍCIOS 1. Neste capítulo, não foram consideradas mudanças nas preferências do consumidor por diversas mercadorias. Todavia, em determinadas situações,

Leia mais

Economia para concurseiros

Economia para concurseiros Olá senhores, é com muita satisfação que me faço presente nesta coluna com intuito daqueles ocupam o lugar em que eu estava há muito pouco tempo atrás e estão, com certeza, próximos da vitória. Espero

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Lista 3 Somente os ímpares Entrega 03/05/2006 CAPÍTULO 11 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS E PODER DE MERCADO

Lista 3 Somente os ímpares Entrega 03/05/2006 CAPÍTULO 11 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS E PODER DE MERCADO Lista 3 Somente os ímpares Entrega 03/05/2006 CAPÍTULO 11 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS E PODER DE MERCADO QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Suponhamos que uma empresa possa praticar uma discriminação perfeita de preços

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página de 4 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS. Em muitos setores oligopolísticos, as mesmas empresas concorrem

Leia mais

Efeito de substituíção

Efeito de substituíção Efeito de substituíção Y Recta orçamental 2 Y3 óptimo do consumidor X, Y = Bens Y1 Y2 Recta orçamental 1 Y 0 X2 X3 X1 Efeito rendimento P Efeito de substituíção P2 P1 0 X2 X1 QX X Para bens normais, existe

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli Objetivos da atividade Destacar assuntos relacionados ao estudo da economia notadamente no ambiente empresarial e de comércio externo. Rever conceitos e definições.

Leia mais

Capítulo 5. Custo de Produção

Capítulo 5. Custo de Produção Capítulo 5 Custo de Produção 1. Custos de Produção i. Conceito: os custos de produção são os gastos realizados pela empresa na aquisição dos fatores fixos e variáveis que foram utilizados no processo produtivo;

Leia mais

Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Os Custos de Produção Prof.: Antonio Carlos Assumpção Tópicos Discutidos Medição de Custos: Quais custos considerar? Custos no Curto Prazo Custos no Longo Prazo Mudanças Dinâmicas nos Custos:

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO. Profª Graciela Cristine Oyamada

CUSTOS DE PRODUÇÃO. Profª Graciela Cristine Oyamada CUSTOS DE PRODUÇÃO Profª Graciela Cristine Oyamada Curva de Oferta Teoria da Firma Teoria da Produção (relações entre a quantidade produzida e as quantidades de insumos utilizados) Teoria dos Custos de

Leia mais

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que um fabricante de cadeiras esteja produzindo a curto prazo, situação em que o equipamento é fixo. O fabricante sabe que, à medida que

Leia mais

Microeconomia II Nuno Moutinho moutinho@fep.up.pt Gab. 614

Microeconomia II Nuno Moutinho moutinho@fep.up.pt Gab. 614 Monopólio - Barreiras à entrada estruturais (legais) As barreiras estruturais decorrem das características dos mercados (tecnológicas, económicas ou legais) (i) economias de escala: o mercado (em termos

Leia mais

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira 1 5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira CONCEITO DE ELASTICIDADE E ELASTICIDADE DA DEMANDA. Elasticidade é a alteração percentual em uma variável, dada uma variação percentual

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

Pessoal, César Frade. 3-(Gestor-2001 ESAF) Entre as afirmações abaixo, indique aquelas que são Falsas (F) e as que são Verdadeiras (V).

Pessoal, César Frade. 3-(Gestor-2001 ESAF) Entre as afirmações abaixo, indique aquelas que são Falsas (F) e as que são Verdadeiras (V). Pessoal, Tenho um grupo de estudos com muito material para vocês se divertirem. Disponibilizo, inclusive, o primeiro capítulo do livro que estou fazendo. Associem-se a ele acessando o link http://groups.google.com.br/group/macroeconomiaafrf.

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Quais são as quatro premissas básicas sobre as preferências individuais? Explique

Leia mais

PARTE I MERCADO: OFERTA X DEMANDA

PARTE I MERCADO: OFERTA X DEMANDA Introdução à Microeconomia PARTE I MERCADO: OFERTA X DEMANDA Prof. Marta Lemme IE/UFRJ 1º SEMESTRE 2011 O MERCADO Concorrência Perfeita Outros Mercados Oligopólio Monopólio Oligopsônio Monopsônio FALHAS

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito PROAC / COSEAC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2008 e 1 o semestre letivo de 2009 CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br Curso para Concursos Módulo de Microeconomia Sumário 1. Introdução 2 2. Demanda e Oferta 8 3. Teoria do Consumidor 36 4. Teoria da Firma 52 5. Estruturas de Mercado 70 6. Questões de Concursos 85 7. Gabarito

Leia mais

Estratégia empresarial e gestão de custos

Estratégia empresarial e gestão de custos Estratégia empresarial e gestão de custos Marcello Lopes dos Santos* A empresa e seu ambiente Uma adequada formação de preço de venda é uma questão crucial para que uma empresa possa sobreviver e crescer,

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA o semestre letivo de 005 e 1 o semestre letivo de 006 CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito Verifique se este caderno contém: INSTRUÇÕES AO CANDIDATO PROVA

Leia mais

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio.

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio. 1) O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é o da escassez. Explique porque, citando pelo menos um exemplo. A escassez é o problema fundamental da Economia, porque, dadas as necessidades

Leia mais

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6

Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 O odelo de Fatores Específicos Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 Obs.: Estas notas de aula não foram submetidas a revisão, tendo como única finalidade a orientação da apresentação em classe. Comentários

Leia mais

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio TEXTO PARA DISCUSSÃO DGE-08/00 Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio Carlos Osório, Paulo Maçãs Julho 00 Departamento de Gestão e Economia (DGE) Universidade da Beira Interior Pólo das

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida.

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. DEZ PRINCIPIOS DE ECONOMIA - Lista 1 GABARITO LISTAS 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. Exemplos de tradeoffs incluem tradeoffs em relação ao tempo (como estudar

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais:

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais: 1 Noções de Economia 1. Microeconomia A Ciência Econômica, conhecida como ciência da escassez, parte do princípio que as necessidades humanas são ilimitadas, enquanto que os recursos necessários para que

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

ESD 126 ESD 126 Mercados Econômicos de Energia

ESD 126 ESD 126 Mercados Econômicos de Energia Mercados Econômicos de Energia Características da Demanda Elétrica Demanda de Eletricidade em Hokkaido 5 de março de 2001 Cortesia da Hokkaido Electric Power Co., Inc.: Utilização permitida Dois Dias em

Leia mais

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados Estruturas de Mercado 17. Concorrência Monopolística Número de Firmas? Muitas firmas Tipo de Produto? Uma firma Poucas firmas Produtos diferenciados Produtos idênticos Monopólio Oligopólio Competição Monopolística

Leia mais

Curvas de oferta e demanda

Curvas de oferta e demanda Curvas de oferta e demanda Uma das definições de "curva de demanda" (procura) é a seguinte: "A curva de demanda é uma construção teórica ue nos diz uantas unidades de um determinado bem de consumo os consumidores

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MAKENZIE entro de iências Sociais e Aplicadas urso de Economia Economia Internacional I Prof. Vladimir ernandes Maciel 1ª Lista Questões para Estudo 1. Qual a diferença entre

Leia mais

ESTRUTURAS DE MERCADO

ESTRUTURAS DE MERCADO ESTRUTURAS DE MERCADO Introdução A concorrência é uma forma de organizar os mercados que permite determinar os preços e as quantidades de equilíbrio. Incentivo: Meio de estimular a competição Lucro: Motivo

Leia mais

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária.

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária. A Sensibilidade da Demanda a Preços Um preço P mais baixo tende a aumentar a quantidade demandada Q0 A elasticidade Preço da demanda mede a sensibilidade da quantidade em relação ao preço, ou seja: Elasticidade

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Christian Luiz da Silva Eugênio Stefanelo

Christian Luiz da Silva Eugênio Stefanelo 1 Ambiente Econômico Christian Luiz da Silva Eugênio Stefanelo Introdução O objetivo deste primeiro capítulo é apresentar conceitos básicos sobre mercado (oferta e demanda) e a formação de preços em mercados

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Economia

Capítulo 1: Introdução à Economia 1 Capítulo 1: Introdução à Economia Conceito de Economia Problemas Econômicos Fundamentais Sistemas Econômicos Curva (Fronteira de Possibilidades de Produção. Conceito de Custos de Oportunidade Análise

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá caros(as) amigos(as), ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 Seguem abaixo os comentários das questões do concurso para AFTE/RJ (vulgo fiscal do ICMS/RJ ), aplicado pela FGV em Abril de 2011. Já

Leia mais

OFERTA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

OFERTA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS OFERTA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS Após a análise das principais características da demanda (que é o lado do consumidor), serão agora abordados alguns aspectos da oferta (que é o lado do produtor), que é

Leia mais

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos.

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. EXTERNALIDADE: São é conseqüência de algo que um agente realiza e afeta outro. Pode ser positiva

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Exercícios livro Gestão de Redes de Suprimentos

Exercícios livro Gestão de Redes de Suprimentos Exercícios livro Gestão de Redes de Suprimentos CAPÍTULO 6 Avaliação de desempenho e alinhamento de incentivos na rede global de suprimentos... 2 1. EXERCÍCIO EXEMPLO. Fabricante de CD s... 2 2. 2a 2b.

Leia mais

Noções de Economia. Módulo I

Noções de Economia. Módulo I Rede de Ensino LFG Curso Preparatório para Agente da Polícia Federal - Noções de Economia 1 Noções de Economia Módulo I 1. Microeconomia Conceitos fundamentais A Ciência Econômica é também conhecida como

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira Unidade II MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira Receita Total A receita é o valor em moeda que o produtor recebe pela venda de x unidades do produto produzido e

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: REVIÃO 1. uponha que um clima excepcionalmente quente ocasione um deslocamento para a direita da curva de demanda de sorvete. Por que o preço de equilíbrio

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES

MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES MATERIAL DIDÁTICO A REALIDADE DOS SISTEMAS DE EQUAÇÕES Prof. ANTONIO ROBERTO GONÇALVES Aprendizagem de Conceitos Se você precisa encontrar o volume de um silo de milho, a distância percorrida por um carro

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais