Portais Governamentais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portais Governamentais"

Transcrição

1 Equipe: Alexandre Serra Barreto Ivana Correa de Oliveira Hubert Chamone Gesser Patrícia Zimath GOVERNO ELETRÔNICO Prof. Dr. Hugo Cesar Hoeschl Tania Cristina D Agostini Bueno UFSC CTC - PPGEP

2 Sumário Introdução Fundamentos Teóricos Políticas de Viabilização do E-gov Brasil Japão EUA Regulamentação no Brasil Proposta SC Estado Digital Análise de Sites Serviços oferecidos Federais Brasil e Exterior Estaduais Brasil e Exterior Municipais Brasil e Exterior Prêmio E-gov Considerações Finais Bibliografia

3 Introdução Origem: na década de 70 Processos internos e melhoria dos controles O setor público está vendo a Sociedade da Informação como uma oportunidade para promover reformas sociais, culturais e econômicas. As redes de informação permitem racionalizar as atividades do setor público e operar os serviços de forma mais eficiente.

4 Introdução O que é E-Gov? Forma de utilizar as tecnologias da informação e das telecomunicações, integradas em rede, a fim de prover serviços e informações para toda a sociedade, a qualquer hora e em qualquer lugar, fortalecendo a democracia.

5 PARA QUE SERVE O E-GOVERNO Informações e serviços; Prestação de contas com maior transparência; Ensino à distância, manutenção de bibliotecas; Estímulo ao e-procurement (aquisições via rede) Estímulo ao e-business.

6 PARA QUE SERVE O E-GOVERNO GESTÃO PÚBLICA EFICIENTE G2G G2C G2B

7 O DESENVOLVIMENTO DO E-GOVERNO 1ª etapa: Difusão de informações (Websites); 2ª etapa: Adequação dos sites para receber sugestões, reclamações e dados dos usuários; 3ª etapa: Prestação de serviços públicos (exemplo: pagamento de contas); 4ª etapa: Reunião dos sites em um único portal.

8 MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO Razões Novas tecnologias de Informação Governos mais democráticos; Exigências dos usuários (Gestão Participativa) O uso da Internet agiliza a participação popular (Transparência) Aumento da relação governante/eleitor (Qualidade no voto)

9 PANORAMA MUNDIAL DO E-GOV Cresce associado a duas idéias: GESTÃO PARTICIPATIVA GESTÃO EFICIENTE As iniciativas tem ocorrido de forma descentralizada (departamental); Tem sido mais usado para a divulgação de decisões tomadas; Consulta popular é pouco disseminada no poder executivo.

10 DIFICULDADES / LIMITAÇÕES UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO À INFORMAÇÃO Nem todos tem acesso às novas tecnologias (Internet). FEEDBACK Ganho de credibilidade (responder denúncias e sugestões). SIMPLIFICAÇÃO E CONHECIMENTO DAS INFORMAÇÕES Informações disseminadas em diversos sites (desorganização). NATUREZA DAS INFORMAÇÕES Definição da informação pública e controle da veracidade.

11 RECOMENDAÇÕES UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO À INFORMAÇÃO Lugares públicos para consulta popular (info-quiosques). FEEDBACK Interação via e suporte técnico para acolher resultados. SIMPLIFICAÇÃO E CONHECIMENTO DAS INFORMAÇÕES Organização das informações em árvores de diretórios. NATUREZA DAS INFORMAÇÕES Criação de legislação que defina qual é a informação pública.

12 PANORAMA DO E-GOV NO BRASIL Nos Municípios 72% das prefeituras com mais de habitantes usam a Internet para a prestação de serviços e informações à população; A qualidade da informação varia conforme o site, e poucas prefeituras prestam serviços em tempo real; Capitais e regiões metropolitanas apresentam estágios mais avançados de E-Gov (recebem dados dos usuários); Os pequenos municípios não dispõem sequer de sistemas administrativos informatizados.

13 PANORAMA DO E-GOV NO BRASIL Nos Estados Somente dois estados não tem sites ou portais de governo. Nos demais estados se observa muita variação no grau de desenvolvimento dos sites e portais. Alguns concentram-se em informações históricas, geográficas e de turismo e hotelaria. Outros prestam serviços on-line podendo ser considerados como tendo nível internacional de qualidade.

14 AVALIAÇÃO DO MINISTÉRIO DA FAZENDA PNAFE Programa Nacional de Apoio à Administração Fiscal para os Estados Brasileiros A quantidade e a abrangência dos serviços prestados pela administração tributária é maior no Brasil do que nos EUA e em países europeus. Vantagens para o contribuinte e para o fisco (Internet).

15 A INCLUSÃO DIGITAL PREMISSAS A exclusão digital aprofunda a exclusão socioeconômica; Necessita de políticas públicas de modo articulado nas 3 esferas de governo; Necessidade do controle social dos recursos públicos destinados à inclusão digital; Suas ações devem estimular o acesso universal e a simplificação dos sistemas computacionais.

16 A INCLUSÃO DIGITAL A ELABORAÇÃO DE SITES Devem garantir acessibilidade e governabilidade; Devem garantir todas as informações explicativas relacionadas à prestação de um serviço; Devem ser constantemente avaliados por indicadores de qualidade; Deve haver integração das iniciativas federais, estaduais e municipais (evitar duplicidade de esforços e recursos)

17 A INCLUSÃO DIGITAL OS TELECENTROS São iniciativas que garantem o acesso público às tecnologias de informação; Devem ir além da capacitação e treinamento; Devem ser geridos com a participação efetiva da comunidade; Devem contar com lideranças comunitárias para sustentar seu funcionamento e dinamização.

18 Políticas de Viabilização do e-gov Brasil Japão EUA

19 Políticas de Viabilização (Brasil) A política de e-gov no Brasil, publicação da SLTI/MPOG, setembro de 2001.

20 Políticas de Viabilização (Brasil) Contexto sócio-econômico brasileiro: 9 milhões de usuários de internet, 5,3% da pop. 62,5 milhões de linhas telefônicas, 62% fixas e 38% celulares, 39% pop. têm acesso à telefonia,

21 Políticas de Viabilização (Brasil) Provedores concentram-se nos centros urbanos, Limitação de acesso e custo de telefonia são barreiras de acesso à internet, Custo elevado de equip. informática, principalmente se considerada a RPC, Ausência de linhas de crédito adequadas a pessoal de baixa renda e estudantes,

22 Políticas de Viabilização (Brasil) Baixo nível de escolaridade da pop. brasileira, acarretando dificuldades na utilização de novas tecnologias.

23 Políticas de Viabilização (Brasil) Naquela época, o Brasil já dispunha dos seguintes serviços ao cidadão, via internet: Entrega IR, Emissão de CND, Divulgação editais compras, Cadastramento de fornecedores do gov., Matrícula escolar no ensino básico,

24 Políticas de Viabilização (Brasil) Acompanhamento de processos judiciais, Acesso a indicadores sócio-econômicos e aos censos, Informações sobre aposentadorias e pensões, Programas de ensino à distância,

25 Políticas de Viabilização (Brasil) Envio de mensagens pelo correio em quiosques públicos, Informações sobre os programas do gov. federal.

26 Políticas de Viabilização (Brasil) Diagnóstico do contexto: O diagnóstico dos especialistas do MPOG evidenciou a necessidade de uma política integrada e abrangente, para a consolidação do já obtido, e para a obtenção da universalização de acessos e serviços.

27 Políticas de Viabilização (Brasil) Resultando: Formulação de uma política de TI voltada para a administração pública, Desenvolve-se em paralelo às outras políticas, tais como a sociedade da informação do MCT.

28 Políticas de Viabilização (Brasil) Assim, o programa e-gov visa atuar em três frentes: Interação com o cidadão, Integração com parceiros e fornecedores, Melhoria da gestão pública.

29 Políticas de Viabilização (Brasil) Linhas de Ação: Oferta na internet de todos os serviços prestados ao cidadão, Ampliar acesso à informação por parte do cidadão, Promover a convergência e integração de redes e bancos de dados governamentais, Promover avançada infra-estrutura de comunicações e serviços,

30 Políticas de Viabilização (Brasil) Utilizar o poder de compra do gov. federal para a obtenção de custos menores e a otimização do uso de redes de comunicação, Estimular o acesso a internet por meio de pontos de acesso nas instituições públicas e comunitárias, Concorrer para o fortalecimento da competitividade sistêmica da economia.

31 Políticas de Viabilização (Brasil) Metas (implementação até 2003): Definição e publicação da oferta de serviços e informações na internet (todos os órgãos), Cartão do cidadão, Call-Center integrado ao portal de serviços e ouvidoria do governo federal,

32 Políticas de Viabilização (Brasil) Ouvidoria vinculada à Pres. da República Viabilização de pagamentos eletrônicos, Catálogo de informações na internet de órgãos, administradores e spf, Implantação da Rede Implantação da Rede Multiserviço, em âmbito nacional,

33 Políticas de Viabilização (Brasil) Implantação do pregão eletrônico de compras do governo federal, Pontos Eletrônicos de Presença (PEP), Informatização das ações educacionais (até 2006), Rede nacional de saúde (SUS, doações, portal de saúde, call-center, tele-medicina),

34 Políticas de Viabilização (Brasil) Sistema integrado de segurança, Incentivos para ampliação de acessos à internet, Portal do micro e pequeno agricultor, Portal de apoio ao emprego, Aplicação para micro e pequenos exportadores,

35 Japão Lei Básica de Formação da Sociedade em Rede Lei Básica de Formação da Sociedade da Informação e das Telecomunicações em Rede, de 6 de janeiro de 2001.

36 Políticas de Viabilização (Japão) Art 1º. O propósito dessa lei é promover medidas para a formulação e concretização de uma Avançada Sociedade da Informação e das Telecomunicações em rede de forma intensiva e expedita.

37 Políticas de Viabilização (Japão) Art. 2º. "A Sociedade Avançada da Informação e das Telecomunicações em rede é a sociedade na qual o povo pode se desenvolver por ele mesmo, de forma criativa e vigorosa, em todos os campos e atividades, por meio da aquisição, troca e transmissão de uma gama de informações e conhecimentos em escala global, de forma livre e segura através da internet e de outras redes de informações e telecomunicações avançadas.

38 Políticas de Viabilização (Japão) (Identificação dos papéis que cabem aos governos Estaduais e locais e ao setor privado) Art. 7º. Setor privado: papel principal, Governos: Implementação de medidas que tornem o ambiente favorável ao setor privado, incluindo regulamentação e solução de conflitos.

39 Políticas de Viabilização (Japão) (Digitalização da Administração) Art. 20. Para os objetivos almejados por essa lei, é preciso que sejam estabelecidas medidas para a digitalização da administração, incentivando o uso de internet e outras redes avançadas nos trabalhos dos governos estaduais e locais, de forma a conferir conveniência e acessibilidade ao povo, assim como simplificar e dar transparência à administração pública.

40 Políticas de Viabilização (Japão) (Comitê Decisório)Art. 25. Para a promoção dos objetivos dessa lei, são criados, no Gabinete do primeiro ministro japonês, os strategic-headquaters.

41 Políticas de Viabilização (Japão) (Headquarters) Art. 35. Os headquarters devem desenvolver políticas prioritárias, envolvendo: (i) As políticas básicas e medidas para a concretização da sociedade em tela, (ii) medidas para rapidamente promover a formação das mais avançadas informática e telecomunicações do mundo,

42 Programa e-japan 2002 Programa e-japan 2002, de 26 de junho de 2001 I - Diretrizes Básicas: (1) Promoção da infraestrutura para a internet de alta e de ultra-alta velocidade, (2) Digitalização da educação escolar e reforço das políticas de RH para a transformação do Japão, até 2005, em uma superpotência em RH para TI,

43 Programa e-japan 2002 (3) Melhoria de conteúdo na internet, (4) Promoção dos Governos Eletrônicos em todas as esferas, (5) Ênfase em atividades internacionais, de forma a que o Japão tenha papel central na grande revolução da TI, tornando-se o grande Hub asiático para internet.

44 Programa e-japan 2002 Infra-estrutura para o e-gov: Para a consolidação do e-gov, as bases para a digitalização da circulação de documentos entre governos e cidadãos serão desenvolvidas incluindo os órgãos certificadores digitais. Além disso o governo central vai dar apoio aos governos locais, para que estes estejam pari-passo em termos de e-gov.

45 Programa e-japan 2002 Conceito de e-gov : Um governo eletrônico é um meio de reforma da administração pública, capacitando transações administrativas entre governos, cidadãos e empresas por meio de documentos disponíveis on-line, e a troca e utilização de informações instantaneamente entre governos central e locais, pelas redes de informação.

46 Programa e-japan 2002 Conceito de e-gov: Isso não significa apenas dispor os serviços existentes on-line, Antes, envolve a o planejamento e racionalização de processos e produtos oferecidos pela administração pública,

47 Programa e-japan 2002 Conceito de e-gov: O e-gov permitirá a qualquer pessoa utilizar os serviços dos governos centrais e locais sem restrições e constrangimentos, de forma confortável e conveniente e revitalizará as atividades empresariais. Os serviços administrativos deverão estar disponíveis 24 horas na internet.

48 Programa e-japan 2002 Conceito de e-gov: Assim, o e-gov formará a infra-estrutura social a partir da qual toda a população japonesa poderá fruir dos benefícios da revolução em TI.

49 Programa e-japan 2002 Metas e-gov: O governo deverá lidar com as informações eletrônicas de maneira tão natural quanto com as dispostas em papel, até Administração pública deve ser reformada de forma intensiva de forma a digitalizar documentos, promover a eliminação de papéis e trocar e utilizar documentos por meio das redes de informação.

50 Programa e-japan 2002 Linhas de ação e-gov, até 2003: Disponibilização eletrônica de informações administrativas, Preenchimento de formulários e pagamento de taxas eletrônicos, Criação de sistemas de autenticação e certificação públicos e governamentais,

51 Programa e-japan 2002 Criação do e-gov suprimentos, Administração sem papel, Suporte aos e-gov locais, Voto eletrônico em eleições locais, Disseminação no setor público e privado do uso de indicadores de desempenho no desenvolvimento de sistemas,

52 Programa e-japan 2002 Introdução de pesquisa em TI no setor público, Coordenação e acompanhamento das medidas propostas.

53 Programa e-japan 2002 Futuro Desejado: O governo e o setor privado reunirão esforços para poder atingir até 2005, e demonstrar ao povo e ao mundo, que o Japão constitui-se na mais avançada nação do mundo em TI. O projeto inclui a disponibilização de internet de alta velocidade e sem fio em distritos urbanos e a disseminação de terminais móveis, os e-shopping malls, que conferirão ao povo a impressão real de uma revolução em TI.

54 Políticas de Viabilização (EUA) Estratégia de e-gov dos EUA, de 27 de fevereiro de 2002: (situação atual) Contexto dos investimentos governamentais em TI ($48 bilhões em 2002 e $52 bi em 2003): Mais de 60% dos usuários de internet interagem com sites governamentais do EUA,

55 Políticas de Viabilização (EUA) Os investimentos americanos em TI governamental do passado, agencycentered, resultaram em mais de sites e 35 milhões de páginas. Contudo, essa visão acabou por limitar os ganhos de produtividade governamentais e a capacidade de servir aos cidadãos,

56 Políticas de Viabilização (EUA) Proposta: a intenção é promover um e-governo citizen-centered. As intenções principais do governo são: Facilitar serviços e interação dos cidadãos com o governo, Melhorar a eficiência do governo, Melhorar a resposta do governo aos anseios da população.

57 Políticas de Viabilização (EUA) Uma estratégia identificou tópicos para tratamento inter-agências por parte do e-gov, significando ganhos esperados de bilhões de dólares em 24 meses, ao eliminar tarefas redundantes, excesso de papel e a ineficiência em geral.

58 Políticas de Viabilização (EUA) A estratégia visa atender quatro grandes grupos de consumidores de serviços: Cidadãos, Empresas, Intergovernamentais, Intragovernamentais.

59 Políticas de Viabilização (EUA) Melhoria de produtividade (problemas): Avaliação de performance de agências centrada em processos, Utilização de TI para automação de processos existentes sem a consideração de possíveis reformulações,

60 Políticas de Viabilização (EUA) Ilhas de automação (agências) ineptas para a integração de serviços, Resistência a mudanças organizacionais e orçamentárias nas agências,

61 Políticas de Viabilização (EUA) O governo definiu planos táticos para tratar essas dificuldades que poderiam nublar os ganhos a serem obtidos com as futuras ações de e-gov, a serem concretizados num horizonte de 24 meses.

62 Políticas de Viabilização (EUA) Iniciativas selecionadas (Cidadãos): Ponto de acesso Recreação.gov Assistência governamental on-line, Acesso on-line à linhas de crédito, USA serviços ao cidadão (CRM interagências), EZ tax filing,

63 Políticas de Viabilização (EUA) Iniciativas selecionadas (Empresas): Processo legislativo on-line, Expansão de produtos tributários eletrônicos para os empregadores, Venda on-line de ativos do governo, Portal de auxílio às operações de exportação,

64 Políticas de Viabilização (EUA) Ponto de acesso à informações sobre obrigações empresariais, Consolidação das informações de saúde,

65 Políticas de Viabilização (EUA) Iniciativas selecionadas (Governos): Ponto de informações e de dados geoespaciais, e-grants, Portal de assistência a desastres e crises, Wireless SAFECOM, e-vital,

66 Políticas de Viabilização (EUA) Iniciativas selecionadas (eficiência governamental interna): e-training, Ponto único de recrutamento, Integração de Recursos Humanos, e-pagamento, e-travel,

67 Políticas de Viabilização (EUA) De maneira geral, as iniciativas devem representar a economia e utilização racional de recursos federais, a melhoria na qualidade e tempo de resposta do governo federal às necessidades dos cidadãos e na redução de processos ineficazes e redundantes.

68 Políticas de Viabilização (EUA) As melhorias não virão da automatização dos processos atuais, mas sim da transformação da maneira como o governo interage com cidadãos e empresas.

69 Políticas de Viabilização A partir dos programas de Brasil, Japão e EUA, observa-se: O programa e-japan tem possibilidade de envolver os governos central e locais no processo,

70 Políticas de Viabilização Os planos brasileiro e americano são bastante similares considerando-se as linhas de ação, guardadas as respectivas necessidades de cada país, No Brasil enfrenta-se o desafio da inclusão digital de forma mais agravada,

71 Políticas de Viabilização Apesar de nossa condição sócio-econômica desfavorável em relação às superpotências, nosso e-gov apresenta estágio atual de desenvolvimento muito similar, em certos casos até mais avançado do que os de Japão e EUA.

72 Análise de sites (EUA) EUA (FirstGov.gov) FirstGov é um website de pesquisa amigável e acesso grátis projetado para centralizar a busca de informações oriundas dos websites governamentais das esferas local, estadual e federal e das agências federais dos EUA. É o seu primeiro click para o governo dos EUA.

73 Análise de sites (EUA) O FirstGov é o catalisador do crescimento do governo eletrônico americano. O trabalho a ele relacionado transcende os limites tradicionais de esferas de governo, pois o enfoque é global, conectando o mundo com as informações e serviços do governo americano (pres. Bush).

74 Análise de sites (EUA) O FirstGov é uma iniciativa interagências administrada pela Adm. de Serviços Gerais dos EUA (GSA). Entrou em funcionamento em 22/09/2000. O portal é de propriedade do povo dos EUA (pres. Bush).

75 Análise de sites (EUA) Definição: FirstGov é uma ferramenta amigável de acesso grátis projetada para prover a centralização de informações governamentais.

76 Análise de sites (EUA) Objetivo: prover um serviço grátis, permitindo à comunidade global acessar de forma fácil e e rápida as informações do gov. americano na internet. Para tal, ele oferece uma poderosa ferramenta de pesquisa e um index de informações dos governos.

77 Análise de sites (EUA) O FirstGov possui links e ferramentas de pesquisa que permitem a busca em mais de 51 milhões de páginas dos governos federal, estadual e tribais e de nações estrangeiras. Ele tem encorajado as agências a organizarem seus portais por grupos de usuários ou tópicos, ao invés de vinculados a cada uma das agências.

78 Análise de sites (EUA) O portal auxilia os usuários e fazerem negócios com o governo, de forma on-line, por telefone, por ou pessoalmente. Basta o usuário escolher o grande subportal de negócios (cidadãos, negócios e governo).

79 Análise de sites (EUA) Política de administração e links do FirstGov: A administração do portal avalia todos os links sugeridos usando os seguintes critérios:

80 Análise de sites (EUA) - O site recomendado é mantido ou patrocinado por entidade governamental? - Ele provê informações e serviços governamentais oficiais? - Ele complementa informações disponíveis no FirstGov?

81 Análise de sites (EUA) - O site é de grande interesse público? - O conteúdo é relevante, útil e impositivo para cidadãos, empresas e servidores públicos? - As informações contidas parecem ser acuradas e atuais?

82 Análise de sites (EUA) - A abordagem do site em relação à privacidade pessoal de informações é consistente com as políticas públicas correlatas? - O site é amigável?

83 Análise de sites (EUA) -O site recomendado possui uma ou algumas das seguintes características altamente desejáveis? Cruza agências ou limites intergovernamentais;

84 Análise de sites (EUA) Permite aos usuários a realização de transações on-line; Provê meios dos usuários interagirem diretamente com o governo, identificando fones, endereços, s e instruções;

85 Análise de sites (EUA) Provê aos cidadãos informações sobre performance de serviços governamentais; Provê informações e serviços úteis à sociedade, tais como endereços, mapas, serviços para a terceira idade, turismo nacional etc.

86 Análise de sites (EUA) O FirstGov pode estabelecer link com qualquer site governamental disponível ao público, desde que esteja sob a direção da agência responsável pelo site; Estabelece links com os governos estaduais e locais;

87 Análise de sites (EUA) Pode estabelecer links com sites criados por agências quase-governamentais e parceiros do setor público e privado; Em ocasiões raras apresenta links com sites não patrocinados ou sob responsabilidade dos governos, desde que eles ofereçam informações governamentais de forma não disponível no site oficial;

88 Análise de sites (EUA) Obs: Em relação aos últimos o governo dos EUA não se responsabiliza pelos serviços ou informações prestadas ao público.

89 Análise de sites (Alemanha) Portal deutschland.de: deutschland.de deve representar para a sociedade da informação o que Made in Germany representa no contexto da alta tecnologia e qualidade dos produtos alemães (Uwe Karsten porta-voz gov. alemão).

90 Análise de sites (Alemanha) O portal oferece em cinco línguas distintas uma coleção representativa de importantes referências alemãs. Abrange informações sobre educação, saúde, cultura, mídia, esportes, Estado, Turismo, economia e ciência.

91 Análise de sites (Alemanha) Incorpora em si uma lista de portais alemães e outros links. Inicialmente 1000 links, podendo chegar a outros 1000 com o tempo.

92 Análise de sites (Alemanha) Houve a decisão consciente por parte do grupo multisetorial responsável pela idealização do portal de torná-lo operacionalmente independente do Gov. Federal.

93 Análise de sites (Alemanha) Política de administração e links do deutschland.de: É um portal considerado independente O governo federal, representado por seu escritório de informações e imprensa, é cliente do prestador dos serviços do portal.

94 Análise de sites (Alemanha) O cliente não influencia o trabalho dos editores do portal. O executante dos serviços é uma jointventure vencedora da espécie de licitação realizada (Arge deutschland.de).

95 Análise de sites (Alemanha) Arge deutschland.de: Ponton-Lb Gmbh (Hanover), empresa média com vasta experiência em internet e responsável pela gerência dos sistemas de edição, projeto, programação e software.

96 Análise de sites (Alemanha) T-Systems (Berlim), subsidiária da gigante Deutsch Telekom, é responsável por projetar, ajustar, operar e manter os servidores, bancos de dados e firewalls. Além disso opera o sistema de atendimento de s multilíngue.

97 Análise de sites (Alemanha) Características exigidas pelo cliente: - Qualidade assegurada de conteúdo, - Projeto moderno e amigável e sisetams de pesquisa eficientes, - Call-center de s com capacidade de atendimento global,

98 Análise de sites (Alemanha) Comitê de aconselhamento é o responsável pelo adequado, neutro e apropriado pontode vista apresentado no conteúdo. O Comitê pode ser chamado para dirimir disputas Comitê deve apontar soluções de grande aceitação por parte da sociedade.

99 Análise de sites (Alemanha) Comitê é formado por pessoas públicas, servidores públicos, e especialistas.

100 Regulamentação no Brasil Resolução nº 7, de 29 de Julho de 2002; Elaborada pelo Comitê Executivo do Governo Eletrônico Casa Civil da Presidência da República; Estabelece regras e diretrizes para os sites na internet da Administração Pública Federal.

101 Resolução nº de Julho 2002 As diretrizes tratam: da estrutura das informações dos sites; do seu controle e monitoramento; dos mecanismos de interação com os usuários; da identidade visual e da segurança dos sites.

102 Estrutura das Informações dos Sites Domínios gov.br e mil.br (exceto ensino e pesquisa); A estrutura deve privilegiar a prestação de serviço ao cidadão; O conteúdo de maior valor deve ser destacado na parte superior da página; Dispor o conteúdo agregado por assunto, sendo vedado o agrupamento por estrutura organizacional; Utilizar padrões técnicos que não exijam equipamentos de grande performance ou programas pouco difundidos;

103 Estrutura das Informações dos Sites Adotar estratégia de navegação que propicie rapidez de acesso, uso intuitivo dos comandos e funções; Linguagem simples e direta, com conteúdos claros, simples, atuais e verdadeiros; Imagens apenas quando associadas diretamente ao órgão ou serviço; Declarar o nome da unidade ou servidor responsável pelo atendimento das mensagens recebidas.

104 Controle e Monitoramento Utilizar páginas específicas com orientações para os casos de devolução de mensagem de erro; Manuseio e manutenção dos serviços e informações independente de técnicos especializados; Medição do tráfego de usuários no site; Pesquisa on-line sobre a qualidade dos serviços e informações prestadas; Utilizar cookies somente com a autorização dos usuários.

105 Interação com os Usuários É obrigatória a existência de um serviço de comunicação direta do usuário com o órgão fale conosco 5 dias úteis para resposta às solicitações; Respostas disponibilizadas em uma página de questionamentos mais freqüentes ; As mensagens recebidas devem ser classificadas e analisadas estatisticamente.

106 Identidade Visual Cabe à Secretaria de Comunicação do Governo da Presidência da República a definição da identidade visual dos sites. Considera-se Identidade Visual o conjunto de marcas, símbolos e ícones.

107 Segurança dos Sites A infra-estrutura dedicada à prestação dos serviços Web deve ser isolada da rede interna da organização; Planos de contingências visando o restabelecimento do ambiente e dos serviços no caso de falhas e incidentes de segurança; Não podem ser usados provedores externos na prestação de serviços sigilosos ou que exponham a privacidade do usuário.

108 Segurança dos Sites Registro de eventos e acessos monitorados constantemente; Adotados procedimentos de auditoria interna; O serviço de certificação dos sites só pode ser feito por Autoridades Certificadoras integrantes do ICP-Brasil; Documentação técnica dos sites deve ser mantida.

109 Resolução nº de Julho 2002 Prazo para Regulamentação As organizações têm até o final do ano de 2002 para adaptarem seus sites ao novo modelo.

110 Análise de Sites Governos Pesquisados: 7 governos federais sendo Brasil, Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Portugal, Argentina e Chile; 25 governos estaduais brasileiros e do Distrito Federal; 6 governos estaduais de outros países, sendo 4 nos Estados Unidos, um no México e outro na Austrália; 3 governos municipais brasileiros e 2 de outros países.

111 Fonte: The Public Services Provided By Brazilian Government Over The Internet Autores: Jorge Calmon Moniz de Bittencourt Filho e Elizabeth Loiola - Universisdade Federal da Bahia - Escola de Administração - Núcleo de Pós- Graduação em Administração, 04/2001

112 Análise de Sites Taxonomia Proposta Nível 1 Sites de baixa atratividade e interatividade, apresentando basicamente informações institucionais e de divulgação do governo, num nível inicial de presença na Internet; Nível 2 Sites de baixa atratividade e interatividade, apresentando um pequeno número de serviços on-line; Nível 3 Sites de média atratividade e interatividade, apresentando um número significativo de serviços on-line; Nível 4 - Sites de alta atratividade e interatividade, apresentando informações de grande interesse do público, constantemente atualizadas e muitos serviços on-line.

113 Análise de Sites Os Serviços de Governos Federais

114 Governos Federais Portais Governamentais

115 Portal de Serviços Portais Governamentais RECEITA FEDERAL PREVIDÊNCIA SOCIAL ComprasNet

116 Governos Federais Nível 4 Portais Governamentais

117 Governos Federais Nível 4 Portais Governamentais

118 Governos Federais Nível 4 Portais Governamentais

119 Governos Federais Nível 3 Portais Governamentais

120 Governos Estaduais As Melhores Práticas no Brasil Portais Governamentais Nível 3 => Cinco Estados www. XX. gov.br Bahia Minas Gerais Paraná Pernambuco São Paulo

121 Governos Estaduais Portais Governamentais

122 Governos Estaduais Portais Governamentais Inscrição nos vestibulares das universidades estaduais; emissão de certidões negativas e consulta à legislação estadual; Acesso ao site de serviços públicos Sacnet em totens distribuídos nos pontos de maior circulação de pessoas.

123 Governos Estaduais Portais Governamentais

124 Governos Estaduais Portais Governamentais Informações georeferenciadas e agrícolas; Decreto do governo estadual obriga que os órgãos publiquem suas atividades na Internet.

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas Governo Eletrônico Capítulos 1, 2 e 3 do Livro Verde Leandro Carioni Cenário Futuro E-business E-Group E-Commerce E-Government

Leia mais

A Política de Governo Eletrônico no Brasil

A Política de Governo Eletrônico no Brasil REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Política de Governo Eletrônico no Brasil Brasília, Brasil Setembro de

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

Modernização da Gestão e Tecnologia

Modernização da Gestão e Tecnologia Modernização da Gestão e Tecnologia Gestão Municipal? i. Economicidade e Eficiência: reduzir custos e ampliar a receita que é de direito do ente municipal ii. Processos: etapas de realização e fluxo de

Leia mais

Proposta de Metodologia para a Avaliação dos websites do Governo Federal

Proposta de Metodologia para a Avaliação dos websites do Governo Federal Proposta de Metodologia para a Avaliação dos websites do Governo Federal Espartaco Madureira Coelho maio/2001 Introdução A partir da leitura do artigo Assessing E-Government: The Internet, Democracy and

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Sobre o Movimento é uma ação de responsabilidade social digital pais (família), filhos (jovem de 6 a 24 anos), escolas (professores e diretores)

Sobre o Movimento é uma ação de responsabilidade social digital pais (família), filhos (jovem de 6 a 24 anos), escolas (professores e diretores) 1 Sobre o Movimento O Movimento é uma ação de responsabilidade social digital; Visa a formação de usuários digitalmente corretos Cidadania Digital, através de uma campanha de conscientização direcionada

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015 Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 1 A Ouvidoria do DNPM, órgão de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral, foi criada por meio do Decreto nº 7.9, de

Leia mais

Tecnologia nos Municípios Brasileiros

Tecnologia nos Municípios Brasileiros PREFEITURA DE ITABORAÍ SECRETARIA DE FAZENDA ASSCT&I & (COBRA/BANCO DO BRASIL) DIRETORIA DE SISTEMAS INTEGRADOS Tecnologia nos Municípios Brasileiros O TERMO CIDADE DIGITAL Uma Cidade Digital muitas vezes

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal

Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal A Fundação Escola Nacional de Administração Pública (Enap) torna público o regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal.

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 Em março, a Ouvidoria recebeu 2.362 manifestações, distribuídas conforme gráfico abaixo. Também foram respondidas 220 mensagens dirigidas ao Ministério por meio do

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil

Governo Eletrônico no Brasil Governo Eletrônico no Brasil João Batista Ferri de Oliveira Natal, 18 de Setembro de 2009 II Simpósio de Ciência e Tecnologia de Natal Estrutura da apresentação Estrutura organizacional Diretrizes Principais

Leia mais

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz Avanços do trabalho desenvolvido no âmbito do Ciclo de Debates sobre Relações Público-Privadas e Compras Públicas Estaduais 13 de novembro de 2014 Relações

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

A TCI BPO. Nossos diferenciais competitivos:

A TCI BPO. Nossos diferenciais competitivos: Varejo e-commerce A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências e

Leia mais

AME. Levando mais saúde para o cidadão. Junho 2009. PROCERGS - Centro de Soluções em Governo Eletrônico. Prêmio CONIP de Excelência

AME. Levando mais saúde para o cidadão. Junho 2009. PROCERGS - Centro de Soluções em Governo Eletrônico. Prêmio CONIP de Excelência PROCERGS - Centro de Soluções em Governo Eletrônico AME Levando mais saúde para o cidadão Prêmio CONIP de Excelência Categoria: Administração Pública Eficiente e Eficaz - Aplicações Voltadas para o Cidadão

Leia mais

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.506, de 31 de julho de 1991; Decreto nº 15.813, de 24 de abril de 1992; Lei nº 15.738, de

Leia mais

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA PROJETO AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes Outubro de 2005 Justificativa A grande expansão da estratégia

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE Termo de Referência para Contratação de Serviço de Consultoria (Pessoa Jurídica) para Reestruturação do Portal da Transparência

Leia mais

Dados Abertos, Transparência e Acesso à Informação Brasília, dezembro 2013

Dados Abertos, Transparência e Acesso à Informação Brasília, dezembro 2013 Dados Abertos, Transparência e Acesso à Informação Brasília, dezembro 2013 II Seminário sobre a Lei de Acesso à Informação e Encontro sobre Credenciamento e Segurança da Informação CONTEXTO G2C Brasil

Leia mais

Soluções. para o seu cliente mais importante. Governo

Soluções. para o seu cliente mais importante. Governo Soluções para o seu cliente mais importante. Governo A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

PROJETO CIDADE DIGITAL. CIDADE ONLINE e Internet para todos

PROJETO CIDADE DIGITAL. CIDADE ONLINE e Internet para todos PROJETO CIDADE DIGITAL CIDADE ONLINE e Internet para todos 2 PROJETO CIDADE DIGITAL CIDADE(nome da cidade) ONLINE e Internet para todos 3 CONCEITO Em termos técnicos, uma CIDADE DIGITAL é a interconexão

Leia mais

Transparência Pública. Controladoria-Geral da União - CGU

Transparência Pública. Controladoria-Geral da União - CGU Transparência Pública Controladoria-Geral da União - CGU Transparência Pública Edward L V Borba Coordenador-Geral de Cooperação Federativa e Controle Social edward.borba@cgu.gov.br Secretaria de Transparência

Leia mais

A TCI BPO. Focada na customização e desenvolvimento de soluções específicas para apoiar e dar suporte à Indústrias, a TCI BPO faz uso do contingente:

A TCI BPO. Focada na customização e desenvolvimento de soluções específicas para apoiar e dar suporte à Indústrias, a TCI BPO faz uso do contingente: Serviços A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências e práticas

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS?

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? Apresentação Histórico Estratégia de comunicação e políticas para promoção do municipalismo forte e atuante A atuação da Confederação Nacional de Municípios na comunicação pública

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

VALIDAÇÃO DO PRÊMIO CEARÁ DE CIDADANIA ELETRÔNICA 2013

VALIDAÇÃO DO PRÊMIO CEARÁ DE CIDADANIA ELETRÔNICA 2013 VALIDAÇÃO DO PRÊMIO CEARÁ DE CIDADANIA ELETRÔNICA 2013 ABRIL/2013 PROGRAMAÇÃO 1. OBJETIVO, OBJETO E PÚBLICO ALVO 2. CARACTERÍSTICAS 3. CATEGORIAS E COMISSÕES 4. CRITÉRIOS 5. FASES 6. FORMULÁRIO 7. VENCEDORES

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

Portal Cidadão - Governo

Portal Cidadão - Governo Portal Cidadão - Governo A Certisign Manaus Recife Brasília Goiânia Belo Horizonte São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre A Certisign Pioneira no mercado Certificação na América Latina Única com foco exclusivo

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 Breve histórico 1986 - Plano Nacional de Bibliotecas Universitárias Programa de Aquisição Planificada de Periódicos 1990

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Videoconferências Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 PAUTA Orientações sobre o processo de pactuação para o ano de 2015; Abertura do

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Governo Orientado por Serviços

Governo Orientado por Serviços Governo Orientado por Serviços Qual a Sociedade da Informação que Queremos? Uso das tecnologias da informação e da comunicação na administração pública - combinado com mudanças organizacionais e novas

Leia mais

Existem 109 questões nesta pesquisa

Existem 109 questões nesta pesquisa FASE 2: ANÁLISE DO WEBSITE INSTRUÇÕES Leia atentamente todas as questões Explore o website em avaliação, procurando pelas questões propostas Depois, responda cada questão Algumas questões precisam de informações

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA4007 EDITAL Nº 3/2010 1. Perfil: no. 1 Sol e Praia 3. Qualificação educacional: Pós-graduação em turismo, geografia, educação ambiental, recreação

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação Gestão da Tecnologia da Informação A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br.

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br. 2015 Confederação Nacional de Municípios CNM. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons: Atribuição Uso não comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços.

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. FRANCISCO JOSÉ COELHO BEZERRA Gestor de Registro de Preços Fortaleza 26 a 28/11/2014 SORAYA QUIXADÁ BEZERRA Gestora

Leia mais

DEMONSTRATIVO FÍSICO FINANCEIRO

DEMONSTRATIVO FÍSICO FINANCEIRO SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDEN - SEPLAN DEMONSTRATIVO FÍSICO FINANCEIRO PROGRAMA : 008 - POLÍTICAS DE ADMINISTR E REFORMA DO ESTADO Objetivo : Dinamizar a gestão pública, aprimorando a máquina administrativa,

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

Sobre as Medidas Imediatas (Curto Prazo) de Apoio aos. Estrangeiros Residentes no Japão

Sobre as Medidas Imediatas (Curto Prazo) de Apoio aos. Estrangeiros Residentes no Japão Sobre as Medidas Imediatas (Curto Prazo) de Apoio aos Estrangeiros Residentes no Japão (Tradução Provisória) 30 de janeiro de 2009 Escritório do Gabinete O mercado financeiro e de capitais global passa

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014

PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014 PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA EDITAL N 002/2014 Abertura de prazo para solicitação de serviços pelas entidades cadastradas no Projeto Serviços e Cidadania e sediadas em Curitiba e Região Metropolitana O

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

Sistemas para o. Controle Externo. Tribunais de Contas. nos. Diagnóstico da situação atual

Sistemas para o. Controle Externo. Tribunais de Contas. nos. Diagnóstico da situação atual nos Sistemas para o Controle Externo Tribunais de Contas Diagnóstico da situação atual nos Sistemas para o Controle Externo Tribunais de Contas Diagnóstico da situação atual Dezembro/2012 OBJETIVO ESTRATÉGICO

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

PRÊMIO AMBIENTAL É INCENTIVO ÀS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS E AO DESENVOLVIMENTO TÉCNICO-GERENCIAL

PRÊMIO AMBIENTAL É INCENTIVO ÀS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS E AO DESENVOLVIMENTO TÉCNICO-GERENCIAL PRÊMIO AMBIENTAL É INCENTIVO ÀS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS E AO DESENVOLVIMENTO TÉCNICO-GERENCIAL Já estão abertas as inscrições para o 2º Benchmarking Ambiental Brasileiro no site: www.maisprojetos.com.br/bench.

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008)

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) 1 INTRODUÇÃO 1.1Compete à Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel atuar com publicidade na adoção das medidas necessárias para

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

com parceiros na produção de informações e conhecimento, compartilhamento de trabalhos com vistas a alavancar os resultados e abolir duplicidades.

com parceiros na produção de informações e conhecimento, compartilhamento de trabalhos com vistas a alavancar os resultados e abolir duplicidades. TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de consultoria especializada para desenvolvimento dos serviços técnicos necessários à elaboração da metodologia para a estruturação da Rede de Parceiros para o

Leia mais