Sistemas para o. Controle Externo. Tribunais de Contas. nos. Diagnóstico da situação atual

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas para o. Controle Externo. Tribunais de Contas. nos. Diagnóstico da situação atual"

Transcrição

1 nos Sistemas para o Controle Externo Tribunais de Contas Diagnóstico da situação atual

2

3 nos Sistemas para o Controle Externo Tribunais de Contas Diagnóstico da situação atual Dezembro/2012

4 OBJETIVO ESTRATÉGICO Contribuir para o fortalecimento da transparência das contas públicas e dos Tribunais de Contas. INICIATIVA Apoiar o desenvolvimento e o aprimoramento de sistemas de informação pelos Tribunais de Contas. RESPONSABILIDADE Edilberto Carlos Pontes Lima Vice-Presidente de Tecnologia da Informação do IRB Conselheiro do TCE-CE RESPONSABILIDADE TÉCNICA José Auriço Oliveira Analista de Controle Externo do TCE-CE Raimir Holanda Filho Analista de Controle Externo do TCE-CE

5 SUMÁRIO LISTA DE GRÁFICOS...7 LISTA DE QUADROS...8 APRESENTAÇÃO...9 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E OBJETIVO METODOLOGIA UTILIZADA NA PESQUISA RESULTADOS DO DIAGNÓSTICO CONCLUSÃO ANEXO...45 ANEXO CÓPIA DO OFÍCIO CIRCULAR/IRB N.º 30/ GABPR...47

6

7 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Tribunais que participaram do levantamento. Gráfico 2 Tribunais que possuem sistema automatizado referente ao Planejamento Governamental. Gráfico 3 Tribunais que possuem sistema automatizado referente à Execução Orçamentária. Gráfico 4 Tribunais que possuem sistema automatizado referente à Execução Orçamentária de acordo com o novo plano de contas. Gráfico 5 Tribunais que possuem sistema automatizado referente à Contabilidade. Gráfico 6 Tribunais que possuem sistema de Contabilidade com novo plano de contas. Gráfico 7 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Licitações. Gráfico 8 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Contratos e Convênios. Gráfico 9 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Atos de Pessoal. Gráfico 10 Tribunais que possuem sistema automatizado referente à Folha de Pagamento. Gráfico 11 Tribunais que possuem sistema automatizado referente à Gestão Fiscal (LRF). Gráfico 12 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Obras. Gráfico 13 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Receitas. Gráfico 14 Quantidade de sistemas automatizados por Tribunais de Contas. Gráfico 15 Quantidade de sistemas automatizados por área de controle externo. 7

8 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Relação dos Tribunais que participaram do levantamento. Quadro 2 Tribunais que possuem sistema de Planejamento Governamental. Quadro 3 Tribunais que podem ceder o sistema de Planejamento Governamental. Quadro 4 Relação dos Tribunais que possuem sistema de Execução Orçamentária. Quadro 5 Tribunais que podem ceder o sistema de Execução Orçamentária. Quadro 6 Tribunais que possuem sistema de Contabilidade. Quadro 7 Relação dos Tribunais que podem ceder o sistema de Contabilidade. Quadro 8 Tribunais que possuem sistema de Licitações. Quadro 9 Relação dos Tribunais que podem ceder o sistema de Licitação. Quadro10 Tribunais que possuem sistema de Contratos e Convênios. Quadro 11 Tribunais que podem ceder o sistema de Contratos e Convênios. Quadro 12 Tribunais que possuem sistema de Atos de Pessoal. Quadro 13 Tribunais que podem ceder o sistema de Atos de Pessoal. Quadro 14 Relação dos Tribunais que possuem sistema de Folha de Pagamento. Quadro 15 Tribunais que podem ceder o sistema de Folha de Pagamento. Quadro 16 Relação dos Tribunais que possuem sistema de Gestão Fiscal (LRF). Quadro 17 Relação dos Tribunais que podem ceder o sistema de Gestão Fiscal (LRF). Quadro 18 Relação dos Tribunais que possuem sistema de Obras. Quadro 19 Tribunais que podem ceder o sistema de Obras. Quadro 20 Tribunais que possuem sistema de Receitas. Quadro 21 Tribunais que podem ceder o sistema de Receitas. 8

9 APRESENTAÇÃO

10

11 APRESENTAÇÃO Quem não sabe medir, não sabe gerenciar. Com a frase do célebre Peter Drucker, apresentamos este brilhante trabalho desenvolvido por técnicos do Tribunal de Contas do Estado do Ceará, sob a orientação e coordenação do conselheiro Edilberto Carlos Pontes Lima, vice-presidente de Tecnologia da Informação do Instituto Rui Barbosa. Esta ação é resultado da gestão participativa que sublinha o IRB como associação de estudos e pesquisas de todos os Tribunais de Contas do Brasil. Em especial nas últimas duas décadas, a Tecnologia da Informação passou de área meio a coluna de sustentação de qualquer instituição, seja privada ou pública. O investimento maciço em T.I. é essencial para o aprimoramento do trabalho das áreas meio e fim, para a celeridade processual, uniformização de procedimentos e sistemas de medição, fundamentais para o sucesso de qualquer gestão. Previsto no Planejamento Estratégico do IRB, o presente diagnóstico é a primeira ação do Objetivo Geral nº 7, que visa promover a produção e a difusão dos conhecimentos técnicos de Controle Externo. A meta final é assegurar que 100% dos Tribunais de Contas disponibilizem informações sobre contas públicas no Portal Nacional e na Rede, até dezembro de Poderemos verificar no presente estudo que este ainda é um caminho longo a ser percorrido. A heterogeneidade entre procedimentos e bancos de dados ainda é abissal. Em contrapartida, são evidentes a evolução em relação a anos anteriores e o desejo constante de aperfeiçoamento, tanto na área técnica quanto por seus gestores. O presente diagnóstico é apenas a primeira contribuição do Instituto Rui Barbosa para que nossas Cortes de Contas rumem por este caminho do aprimoramento tecnológico com vistas à melhoria de nossos serviços para a sociedade. Severiano Costandrade Aguiar Presidente do IRB 11

12

13 INTRODUÇÃO

14

15 INTRODUÇÃO O presente relatório refere-se à atividade Levantar a situação atual de informatização dos Tribunais de Contas com relação aos sistemas para controle externo, componente da iniciativa Apoiar o desenvolvimento e o aprimoramento de sistemas de informação pelos Tribunais de Contas do planejamento estratégico do IRB. O levantamento realizado buscou identificar a existência de sistemas de informação para controle externo, a possibilidade de cessão para outros Tribunais de Contas e as características técnicas desses sistemas, tais como: documentação técnica, plataforma tecnológica, linguagem e arquitetura de desenvolvimento, ambiente de desenvolvimento integrado, banco de dados, sistema operacional e forma de transferência de dados. No escopo do levantamento, foi verificado junto aos Tribunais de Contas a existência de sistemas de informação para controle externo referentes a: planejamento governamental, execução orçamentária, contabilidade, licitações, contratos e convênios, atos de pessoal, folha de pagamento, gestão fiscal (LRF), obras e referente a receitas. O resultado das informações levantadas são apresentadas aqui de forma sintética, utilizandose de recursos gráficos, e representam um diagnóstico da atual disponibilidade de sistemas de informação para controle externo nos Tribunais de Contas. Este relatório está organizado em quatro capítulos, a saber, (1) apresentação e objetivo; (2) Metodologia Utilizada na Pesquisa; (3) Apresentação do Diagnóstico; e (4) Conclusão. Como atividades futuras, estão previstos o desenvolvimento de uma solução para integração dos tribunais que não tenham sistemas referentes a controle externo, verificado no diagnóstico; a disponibilização de um sistema de captação das informações, a criação de um banco de dados central com as informações de controle externo captadas e o desenvolvimento de sistemas de consultas no Portal para divulgação das informações do banco de dados. 15

16 Esse conjunto de ações contribuirão certamente para um melhor desempenho dos Tribunais de Contas e representarão um significativo avanço quanto à disponibilização e compartilhamento de informações de Controle Externo. Edilberto Carlos Pontes Lima Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Ceará Vice-Presidente de Tecnologia da Informação do IRB 16

17 1 CONTEXTUALIZAÇÃO E OBJETIVO

18

19 1. CONTEXTUALIZAÇÃO E OBJETIVO Este relatório de diagnóstico é o produto gerado pelo levantamento da situação atual de informatização dos Tribunais de Contas com relação aos sistemas para controle externo, em cumprimento ao plano de ação 2012/13 do Planejamento Estratégico do Instituto Rui Barbosa (IRB), no item Apoiar o desenvolvimento e o aprimoramento de sistemas de informação pelos tribunais de contas, sob responsabilidade do Conselheiro do TCE-CE, Edilberto Carlos Pontes Lima. Esta iniciativa visa contribuir para o fortalecimento da transparência das contas públicas e dos Tribunais de Contas do Brasil. O objetivo deste produto consiste em contribuir para o atingimento da meta de assegurar que 100% dos Tribunais de Contas disponibilizem informações sobre contas públicas no portal nacional e na rede, até dezembro de

20

21 2 METODOLOGIA UTILIZADA NA PESQUISA

22

23 2. METODOLOGIA UTILIZADA NA PESQUISA Para a realização do levantamento, foram relacionados todos os 33 Tribunais de Contas existentes no país. Foi elaborado um questionário contendo 11 (onze) perguntas a respeito dos sistemas de informações relativo ao controle externo, contemplando as seguintes áreas: Planejamento Governamental; Execução Orçamentária; Contabilidade; Licitações; Contratos e Convênios; Atos de Pessoal; Folha de Pagamento; Gestão Fiscal (LRF), Obras e Receitas. Para cada sistema foram solicitadas as seguintes informações: possibilidade de cessão; existência de documentação; Identificação da plataforma, linguagens de desenvolvimento, arquitetura de desenvolvimento, ambiente de desenvolvimento integrado, banco de dados, sistema operacional e qual a forma de transferência de dados. Na fase de execução do levantamento, os Tribunais receberam, por meio do Ofício Circular/IRB N.º 30/ GABPR de 09/10/2012 da presidência do IRB (anexo I), a solicitação de que fosse indicado o responsável pelo preenchimento do questionário. Após o recebimento dos dados do responsável de cada Tribunal, foi enviada uma mensagem eletrônica contendo a senha individual e o link de acesso ao questionário eletrônico. Adotou-se para o desenvolvimento deste questionário o uso do software lime-survey, baseado em plataforma livre. É importante destacar que dos 33 (trinta e três) Tribunais pesquisados, 18 (dezoito) responderam ao ofício da Presidência enviando o nome do responsável pelo preenchimento do questionário e completaram a pesquisa, sendo que 15 (quinze) não atenderam ao Ofício (conforme Gráfico 1). Gráfico 1 Tribunais que participaram do levantamento. SIM 55% NÃO 45% SIM (18) NÃO (15) 23

24 Quadro 1 Relação dos Tribunais que participaram do levantamento. Responderam ao Questionário Tribunal de Contas do Estado do Paraná Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Estado de Goiás Tribunal de Contas do Distrito Federal Tribunal de Contas do Estado do Ceará Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Tribunal de Contas do Estado do Acre Não Responderam ao Questionário Tribunal de Contas do Estado da Bahia Tribunal de Contas do Estado da Paraiba Tribunal de Contas do Estado de Alagoas Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco Tribunal de Contas do Estado de Rorâima Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas do Estado de Sergipe Tribunal de Contas do Estado do Amapá Tribunal de Contas do Estado do Maranhão Tribunal de Contas do Estado do Pará Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro Tribunal de Contas do Estado do Rio G. do Norte Tribunal de Contas dos Municipios de Goias Tribunal de Contas dos Municípios de São Paulo Tribunal de Contas dos Municípios do Pará Ao final da coleta de informações, as respostas apresentadas nos questionários foram tabuladas e os resultados analisados e apresentados no capítulo 3 deste relatório. 24

25 3 RESULTADOS DO DIAGNÓSTICO

26

27 3. RESULTADOS DO DIAGNÓSTICO Esta etapa do relatório tem como objetivo apresentar o resultado do levantamento para cada sistema de informação pesquisado, segundo a metodologia definida pela equipe técnica, mediante a coleta e análise de dados e informações. Serão apresentados os gráficos e quadros que permitiram identificar quem possui o sistema informatizado, a possibilidade de cessão e qual arquitetura de TI predominante para cada sistema Esta Corte de Contas recebe dados dos Jurisdicionados por Sistema automatizado, referentes a Planejamento Governamental? Gráfico 2 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Planejamento Governamental. SIM 50% NÃO 50% SIM (9) NÃO (9) De acordo com o Gráfico 2, foi detectado que 50% dos Tribunais de Contas possuem sistema automatizado referente a Planejamento Governamental. Quadro 2 Tribunais que possuem sistema de Planejamento Governamental. Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Planejamento Governamental Tribunal de Contas do Estado de Mato G. do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Tribunal de Contas do Estado do Tocantins 27

28 De acordo com o levantamento, somente cinco dos Tribunais de Contas podem realizar a cessão do sistema automatizado referente a Planejamento Governamental. Quadro 3 Tribunais que podem ceder o sistema de Planejamento Governamental. Possibilidade de Cessão Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Espírito 3.2. Esta Corte de Contas recebe dados dos Jurisdicionados por sistema automatizado, referentes à Execução Orçamentária? Gráfico 3 Tribunais que possuem sistema automatizado referente à Execução Orçamentária. NÃO 6% SIM 94% SIM (17) NÃO (1) Gráfico 4 Tribunais que possuem sistema automatizado referente à Execução Orçamentária, de acordo com o Novo Plano de Contas. PLANO ANTIGO 35% NOVO PLANO DE CONTAS (11) PLANO DE CONTAS ANTIGO (6) NOVO PLANO 65% 28

29 De acordo com os Gráficos 3 e 4, detecta-se que 94% dos Tribunais de Contas possuem sistema automatizado referente à Execução Orçamentária, sendo que 65% destes Tribunais possuem o sistema já adotando o novo plano de contas aplicado ao setor público. Quadro 4 Relação dos Tribunais que possuem sistema de Execução Orçamentária. Execução Orçamentária Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Estado de Goiás Tribunal de Contas do Distrito Federal Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Tribunal de Contas do Estado do Acre De acordo com o levantamento, somente nove dos Tribunais de Contas podem realizar a cessão do sistema automatizado referente à Execução Orçamentária. Quadro 5 Tribunais que podem ceder o sistema de Execução Orçamentária. Possibilidade de Cessão Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Ceará 29

30 3.3. Esta Corte de Contas recebe dados dos Jurisdicionados por sistema automatizado, referentes à Contabilidade? Gráfico 5 Tribunais que possuem sistema automatizado referente à Contabilidade. NÃO 39% SIM 61% SIM (11) NÃO (7) Gráfico 6 Tribunais que possuem sistema de Contabilidade com novo plano de contas. PLANO DE CONTAS ANTIGO 55% NOVO PLANO DE CONTAS (5) PLANO DE CONTAS ANTIGO (6) NOVO PLANO DE CONTAS 45% De acordo com os Gráficos 5 e 6, detecta-se que 61% dos Tribunais de Contas possuem sistema automatizado referente à contabilidade, sendo que apenas 45% destes Tribunais possuem o sistema já adotando o novo plano de contas aplicado ao setor público. Quadro 6 Tribunais que possuem sistema de Contabilidade. Contabilidade Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Tocantins 30

31 De acordo com o levantamento, somente oito dos Tribunais de Contas podem realizar a cessão do sistema automatizado referente à Contabilidade. Quadro 7 Relação dos Tribunais que podem ceder o sistema de Contabilidade. Possibilidade de Cessão Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Ceará 3.4. Esta Corte de Contas recebe dados dos Jurisdicionados por sistema automatizado, referentes a Licitações? Gráfico 7 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Licitações. SIM 50% NÃO 50% SIM (9) NÃO (9) De acordo com o Gráfico 7, detecta-se que 50% dos Tribunais de Contas possuem sistema automatizado referente a Licitações. Quadro 8 Tribunais que possuem sistema de Licitações. Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Licitações Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Tocantins 31

32 De acordo com o levantamento, somente oito dos Tribunais de Contas podem realizar a cessão do sistema automatizado referente à Licitação. Quadro 9 Relação dos Tribunais que podem ceder o sistema de Licitação. Possibilidade de Cessão Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Tocantins 3.5. Esta Corte de Contas recebe dados dos Jurisdicionados por sistema automatizado, referentes a Contratos e Convênios? Gráfico 8 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Contratos e Convênios. SIM 44% NÃO 56% SIM (8) NÃO (10) De acordo com o Gráfico 8, foi detectado que 44% dos Tribunais de Contas possuem sistema automatizado referente a Contratos e Convênios. Quadro10 Tribunais que possuem sistema de Contratos e Convênios. Contratos e Convênios Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado do Ceará Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo 32

33 De acordo com o levantamento, somente sete dos Tribunais de Contas podem realizar a cessão do sistema automatizado referente a Contratos e Convênios. Quadro 11 Tribunais que podem ceder o sistema de Contratos e Convênios. Possibilidade de Cessão Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado do Ceará Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo 3.6. Esta Corte de Contas recebe dados dos Jurisdicionados por sistema automatizado, referentes a Atos de Pessoal? Gráfico 9 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Atos de Pessoal. SIM 61% NÃO 39% SIM (11) NÃO (7) De acordo com o Gráfico 9, nota-se que 61% dos Tribunais de Contas possuem sistema automatizado referente a Atos de Pessoal. Quadro 12 Tribunais que possuem sistema de Atos de Pessoal. Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Distrito Federal Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Atos de Pessoal Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Piauí 33

34 De acordo com o levantamento, denota-se que dez dos Tribunais de Contas podem realizar a cessão do sistema automatizado referente a Atos de Pessoal. Quadro 13 Tribunais que podem ceder o sistema de Atos de Pessoal. Possibilidade de Cessão Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Distrito Federal Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Ceará 3.7. Esta Corte de Contas recebe dados dos Jurisdicionados por sistema automatizado, referentes à Folha de Pagamento? Gráfico 10 Tribunais que possuem sistema automatizado referente à Folha de Pagamento. SIM 50% NÃO 50% SIM (9) NÃO (9) De acordo com o Gráfico 10, nota-se que 50% dos Tribunais de Contas possuem sistema automatizado referente à Folha de Pagamento. 34

35 Quadro 14 Relação dos Tribunais que possuem sistema de Folha de Pagamento. Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro Folha de Pagamento Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo Tribunal de Contas do Estado do Piauí De acordo com o levantamento, constata-se que oito dos Tribunais de Contas podem realizar a cessão do sistema automatizado referente à Folha de Pagamento Quadro 15 Tribunais que podem ceder o sistema de Folha de Pagamento. Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro Possibilidade de Cessão Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo Tribunal de Contas do Estado do Piauí 3.8. Esta Corte de Contas recebe dados dos Jurisdicionados por sistema automatizado, referentes à Gestão Fiscal (LRF)? Gráfico 11 Tribunais que possuem sistema automatizado referente à Gestão Fiscal. SIM 50% NÃO 50% SIM (9) NÃO (9) De acordo com o Gráfico 11, nota-se que 50% dos Tribunais de Contas possuem sistema automatizado referente à Gestão Fiscal (LRF). 35

36 Quadro 16 Relação dos Tribunais que possuem sistema de Gestão Fiscal (LRF). Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Planejamento Governamental Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito De acordo com o levantamento, existem oito dos Tribunais de Contas que podem realizar a cessão do sistema automatizado referente à Gestão Fiscal (LRF). Quadro 17 Relação dos Tribunais que podem ceder o sistema de Gestão Fiscal (LRF). Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Possibilidade de Cessão Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso 3.9. Esta Corte de Contas recebe dados dos Jurisdicionados por sistema automatizado, referentes a Obras? Gráfico 12 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Obras. SIM 56% NÃO 44% SIM (10) NÃO (8) De acordo com o Gráfico 20, nota-se que 56% dos Tribunais de Contas possuem sistema automatizado referente a Obras. 36

37 Quadro 18 Relação dos Tribunais que possuem sistema de Obras. Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado de Goiás Tribunal de Contas do Distrito Federal Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Obras Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Tribunal de Contas do Estado do Piauí De acordo com o levantamento, somente oito dos Tribunais de Contas podem realizar a cessão do sistema automatizado referente a Obras. Quadro 19 Tribunais que podem ceder o sistema de Obras. Tribunal de Contas do Distrito Federal Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Possibilidade de Cessão Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo Tribunal de Contas do Estado do Piauí Esta Corte de Contas recebe dados dos Jurisdicionados por sistema automatizado, referentes a Receitas? Gráfico 13 Tribunais que possuem sistema automatizado referente a Receitas. SIM 44% NÃO 56% SIM (8) NÃO (10) De acordo com o Gráfico 13, existem 44% dos Tribunais de Contas que possuem sistema automatizado referente a Receitas. 37

38 Quadro 20 Tribunais que possuem sistema de Receitas. Tribunal de Contas dos Municípios do Ceará Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Receitas Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Piauí Tribunal de Contas do Estado do Acre De acordo com o levantamento, somente seis dos Tribunais de Contas podem realizar a cessão do sistema automatizado referente a Receitas. Quadro 21 Tribunais que podem ceder o sistema de Receitas. Tribunal de Contas do Estado do Amazonas Tribunal de Contas do Estado de Rondônia Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Possibilidade de Cessão Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso Tribunal de Contas do Estado do Piauí 3.11 Consolidado de Sistemas de Controle Externo por Tribunal de Contas Gráfico 14 Quantidade de sistemas automatizados por Tribunais de Contas. TCM-BA TCE-MT TCE-ES TCM-CE TCE-RS TCE-PI TCE-AM TCE-RO TCE-MG TCE-SP TCE-MS TCE-CE TCE-TO TCM-RJ TC-DF TCE-AC TCE-GO TCE-PR Quantidade de Sistemas por Tribunal

39 De acordo com o Gráfico 14, os Tribunais de Contas que possuem mais sistemas informatizados de controle externo são: o Tribunal de Contas do Estado Espirito Santo, com oito sistemas; o Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia e o Tribunal de Contas do Estado do Mato Grosso, com dez sistemas cada Consolidado de quantidade de sistemas por área de Controle Externo Gráfico 15 Quantidade de sistemas automatizados por área de controle externo. Quantidade de sistemas por área de controle externo Receitas Licitações Contratos e Convênios Planejamento Governamental Gestão Fiscal (LRF) Folha de Pagamento Obras Atos de Pessoal Contabilidade Execução Orçamentária De acordo com o Gráfico 15, o sistema informatizado de controle externo na área de execução orçamentária é o mais utilizado nos Tribunais que participaram do levantamento, sendo disponibilizado em 17 Cortes de Contas. 39

40

41 4 CONCLUSÃO

42

43 4. CONCLUSÃO De acordo com as informações prestadas pelos Tribunais de Contas, conclui-se que somente dois Tribunais possuem sistemas informatizados contemplando as dez áreas de controle externo que foram pesquisadas: o Tribunal de Contas do Estado do Mato Grosso e o Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia. Além disto, existem sistemas informatizados para todas as dez áreas de controle externo que foram pesquisadas e que podem ser disponibilizadas pelos Tribunais de Contas, ou seja, podem ser cedidos para os demais Tribunais que não possuem o sistema. Apesar de não termos obtido informações da totalidade dos Tribunais de Contas, considera-se que o levantamento atingiu o seu objetivo, visto que foram pesquisados 55% dos Tribunais de Contas do País. Os dados coletados relativo à Arquitetura de TI das soluções, compostos por Identificação da Plataforma, Linguagens de Desenvolvimento, Arquitetura de Desenvolvimento, Ambiente de desenvolvimento integrado, Banco de Dados, Sistema Operacional e qual a forma de Transferência de Dados, podem subsidiar a escolha dos melhores sistemas a serem utilizados pelo IRB, tanto na informatização dos demais Tribunais de Contas quanto na criação da base nacional unificada de dados sobre controle externo. Os dados levantados possibilitarão um estudo mais detalhado visando verificar quais as melhores soluções disponibilizadas para servir como integrador das informações da base nacional de dados dos Tribunais de Contas. Dentre as próximas atividades, sugerimos ao IRB a criação de um projeto piloto, com uma base de dados nacional, contemplando o sistema de Execução Orçamentária, visto que este está presente na maioria dos Tribunais pesquisados. 43

44

45 5ANEXO

46

47 5. ANEXO ANEXO CÓPIA DO OFÍCIO CIRCULAR/IRB N.º 30/ GABPR DE 09/10/2010 DA PRESIDÊNCIA DO IRB 47

48

49 EQUIPE TÉCNICA A equipe técnica que participou da elaboração do diagnóstico foi composta pelos seguintes profissionais do Tribunal de Contas do Estado do Ceará: José Auriço Oliveira Analista de Controle Externo da 13ª ICE Raimir Holanda Filho Analista de Controle Externo da 13ª ICE Claudiane Maria Gomes de Lima Estagiária PROJETO GRÁFICO E EDITORAÇÃO Assessoria de Comunicação Social do Tribunal de Contas do Estado do Ceará

50

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2013 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2013 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2014 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2014 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

MÉTRICA DE AVALIAÇÃO DOS SÍTIOS E PORTAIS CORPORATIVOS DOS TRIBUNAIS DE CONTAS BRASILEIROS

MÉTRICA DE AVALIAÇÃO DOS SÍTIOS E PORTAIS CORPORATIVOS DOS TRIBUNAIS DE CONTAS BRASILEIROS MÉTRICA DE AVALIAÇÃO DOS SÍTIOS E PORTAIS CORPORATIVOS DOS TRIBUNAIS DE CONTAS BRASILEIROS Objetivo geral Avaliar os portais e sítios governamentais dos Tribunais de Contas brasileiros, baseando-se nos

Leia mais

46.051 46.051 S 3 1 90 0 100 46.051

46.051 46.051 S 3 1 90 0 100 46.051 UNIDADE : 14102 - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ACRE UNIDADE : 14105 - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA BAHIA 0570 GESTAO DO PROCESSO ELEITORAL 50.468 0570 GESTAO DO PROCESSO ELEITORAL 107.350 50.468 RES,

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n.º 229/2015-SIC/DIREX/DPF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

RELATÓRIO DO I FÓRUM DO PROMOEX BELO HORIZONTE, MG, 13 e 14 DE JULHO DE 2006.

RELATÓRIO DO I FÓRUM DO PROMOEX BELO HORIZONTE, MG, 13 e 14 DE JULHO DE 2006. RELATÓRIO DO I FÓRUM DO PROMOEX BELO HORIZONTE, MG, 13 e 14 DE JULHO DE 2006. Reunidos em Belo Horizonte, MG, nos dias 13 e 14 de julho de 2006, os técnicos designados pelos Tribunais de Contas e órgãos

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011

Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 1 Lançamento do Planejamento Estratégico Nacional Brasília, 09 de novembro de 2011 2 Planejamento Estratégico Nacional do

Leia mais

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA JOÃO ELOI OLENIKE GILBERTO LUIZ DO AMARAL LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL FERNANDO STEINBRUCH

Leia mais

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 1 de 30 16/11/2015 15:16 Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 Prezado(a) Como o OBJETIVO de apurar o nível de maturidade em governança da Justiça Federal, foi desenvolvido instrumento

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 ORGAO : 36000 - MINISTERIO DA SAUDE UNIDADE : 36211 - FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE ANEXO I CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 E G R M I F FUNC.

Leia mais

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime Objetivo : Identificar, reconhecer, dar visibilidade e estimular o trabalho de ONGs que contribuem, em articulação com as políticas públicas de educação e de assistência social, para a educação integral

Leia mais

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz

I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz I Fórum Nacional Conjunto Consad Conseplan - Confaz Avanços do trabalho desenvolvido no âmbito do Ciclo de Debates sobre Relações Público-Privadas e Compras Públicas Estaduais 13 de novembro de 2014 Relações

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO 1 ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO - O IPVA é o tributo estadual, cuja arrecadação é a segunda mais importante, depois do ICMS; - A estimativa de arrecadação de IPVA (Imposto

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1127/SETEC EDITAL Nº 03/2009 1. Perfil: ACOMPANHAMENTO DA GESTÃO EM PROJETOS - PERFIL I Ministério da Educação. Especialização na área de educação,

Leia mais

Dataprev - Concurso Publico 2014 Edital nº 01/2014

Dataprev - Concurso Publico 2014 Edital nº 01/2014 1 / 5 Dataprev Concurso Publico 2014 Edital nº 01/2014 Até o momento a Dataprev convocou os perfis abaixo especificados, nas seguintes localidades: TÉRMINO DA VALIDADE DO CONCURSO: 12/03/2017 Atualizado

Leia mais

EDUCAÇÃO EM GOIÁS. Secretária de Estado: Raquel Teixeira

EDUCAÇÃO EM GOIÁS. Secretária de Estado: Raquel Teixeira EDUCAÇÃO EM GOIÁS Secretária de Estado: Raquel Teixeira 1. Regulamentação de objetivos comuns de aprendizagem e sistema de avaliação SAEGO SISTEMA DE AVALIAÇÃO EDUCACIONAL 1. Regulamentação de objetivos

Leia mais

Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais dos Estados e do Distrito Federal

Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais dos Estados e do Distrito Federal Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais Termo de Cooperação Técnica celebrado entre as Procuradorias Gerais das Unidades Federais do Acre, Amazonas, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito

Leia mais

Transparência Pública. Controladoria-Geral da União - CGU

Transparência Pública. Controladoria-Geral da União - CGU Transparência Pública Controladoria-Geral da União - CGU Transparência Pública Edward L V Borba Coordenador-Geral de Cooperação Federativa e Controle Social edward.borba@cgu.gov.br Secretaria de Transparência

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho

Erradicação do Trabalho Infantil. Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Erradicação do Trabalho Infantil Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Fiscalização do Trabalho Estrutura do MTE para o Combate ao Trabalho Infantil a Serviço da Rede de Proteção à Infância.

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Portal TRILHAS em números

Portal TRILHAS em números Portal TRILHAS Portal TRILHAS em números Projeção dos Acessos Número de usuários cadastrados: 14.289 * - 20.381 acessos (duração aproximada de 15 minutos); - 12 páginas, em média, acessadas por visita.

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

Pactuação do processo de construção da Estratégia de Educação Permanente do Sisan para os próximos 4 anos. 9º Encontro Caisan 11/03/2015

Pactuação do processo de construção da Estratégia de Educação Permanente do Sisan para os próximos 4 anos. 9º Encontro Caisan 11/03/2015 Pactuação do processo de construção da Estratégia de Educação Permanente do Sisan para os próximos 4 anos 9º Encontro Caisan 11/03/2015 Contribuição das Conferências de SAN ao debate da educação e formação

Leia mais

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015 Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 1 A Ouvidoria do DNPM, órgão de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral, foi criada por meio do Decreto nº 7.9, de

Leia mais

O seu negócio, ao alcance da sua mão! Elaborado por TT Marketing

O seu negócio, ao alcance da sua mão! Elaborado por TT Marketing O seu negócio, ao alcance da sua mão! Um site que oferece espaço para outras empresas anunciarem seus produtos e serviços em todo território nacional, este é o Meu Guia.com. Nosso objetivo é estar sempre

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA ISSN 2319-0205 Edição: 01/14 COMÉRCIO VAREJISTA PARAENSE EM JANEIRO DE 2014 O Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (IDESP), com base nas informações

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES

RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES I ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO ENAFOR, 24 a 28 de outubro de 2005 160 participantes da CONTAG e de 26 Federações (incluindo FETADFE) Mote: Construindo uma Política Nacional

Leia mais

RELATÓRIO DA REUNIÃO DO COMITÊ GESTOR AGILIDADE QUALIDADE SISTEMATIZAÇÃO DAS VISITAS TÉCNICAS 23 e 24.07.2013 - SALVADOR/BA

RELATÓRIO DA REUNIÃO DO COMITÊ GESTOR AGILIDADE QUALIDADE SISTEMATIZAÇÃO DAS VISITAS TÉCNICAS 23 e 24.07.2013 - SALVADOR/BA RELATÓRIO DA REUNIÃO DO COMITÊ GESTOR AGILIDADE QUALIDADE SISTEMATIZAÇÃO DAS VISITAS TÉCNICAS 23 e 24.07.2013 - SALVADOR/BA 1. PARTICIPANTES DA REUNIÃO: Conselheiro Jaylson Campelo (presidente) TCE/PI

Leia mais

1 O presente estudo foi concluído em junho de 2011. 2

1 O presente estudo foi concluído em junho de 2011. 2 Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 14/2015 Subsídios à política salarial

Leia mais

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55 Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo...... 55 Distribuição relativa (%) de imigrantes bolivianos no Estado de São Paulo em 20 I O..._... 62 Distribuição relativa

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

RELATÓRIO DO III FÓRUM DO PROMOEX PROPOSTA DO PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO EM AUDITORIA OPERACIONAL

RELATÓRIO DO III FÓRUM DO PROMOEX PROPOSTA DO PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO EM AUDITORIA OPERACIONAL RELATÓRIO DO III FÓRUM DO PROMOEX PROPOSTA DO PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO EM AUDITORIA OPERACIONAL Recife, 28 e 29 de novembro de 2006 SUMÁRIO RELATÓRIO DO III FÓRUM DO PROMOEX 02 PROPOSTA DO PROGRAMA

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA REALIZAR A AUTOMATIZAÇÃO DA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ. SUMÁRIO Objetivo da contratação...2

Leia mais

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015

Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015. Videoconferências. Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 Pactuação de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Videoconferências Brasília-DF, 30 e 31 de março de 2015 PAUTA Orientações sobre o processo de pactuação para o ano de 2015; Abertura do

Leia mais

e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Associação e a cooperação Micro e Pequeno Empreendedorismo

e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Associação e a cooperação Micro e Pequeno Empreendedorismo e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Micro e Pequeno Empreendedorismo e renda Superintendência Nacional Estratégia Competitividade das MPE Micro e Pequeno Empreendedorismo

Leia mais

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22 IESUS Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS Anexo 1 Instrumentos do Sistema de Informação Hospitalar Laudo Médico para Emissão de AIH O Laudo Médico é o instrumento para solicitação

Leia mais

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Denise Mafra Gonçalves; Maria Cristina Abreu Martins de Lima;

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB 4 eixos de atuação da Rede OSB Licitações Cargos em Comissão Convênios Obras Processos Estoques Câmara Municipal 1- Gestão Pública 2- Educação

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: HISTÓRIA Coordenador: Raquel Glezer TRIÊNIO 2007-2010 2010 Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança Metodologia Seleção

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

Roteiro. SNAP Informática ISIS Consulta Processual Automatizada Módulos Robot Recorte Push Futuro do Isis

Roteiro. SNAP Informática ISIS Consulta Processual Automatizada Módulos Robot Recorte Push Futuro do Isis 1 Roteiro SNAP Informática ISIS Consulta Processual Automatizada Módulos Robot Recorte Push Futuro do Isis 2 SNAP Informática A SNAP Informática é especializada em consulta processual automatizada. Focada

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008)

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) 1 INTRODUÇÃO 1.1Compete à Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel atuar com publicidade na adoção das medidas necessárias para

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Abril a Junho/ 2010/ n 2 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Neste segundo boletim de 2010, são apresentados os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

do estado do Rio Grande do Sul lidera o ranking estadual com 221%, seguido por Minas Gerais na vice-liderança, com 179%.

do estado do Rio Grande do Sul lidera o ranking estadual com 221%, seguido por Minas Gerais na vice-liderança, com 179%. IBEF apoia reequilíbrio das dívidas dos estados e municípios com a União Pernambuco está em situação confortável se comparado a outros estados. Confira os números O Instituto Brasileiro de Executivos de

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T10

Apresentação de Resultados 4T10 Apresentação de Resultados 4T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Companhia Nacional de Abastecimento Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Data de referência: 31/03/2007 Relatório final Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da

Leia mais

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Consultor Sebrae Nacional PARCERIAS MPOG - Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão/SLTI CONSAD Conselho Nacional de Secretários

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB Rede OSB pelo Brasil Roraima Pará Piauí Tocantins Rondônia Goiás Mato Grosso D.Federal Minas Gerais Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Alagoas

Leia mais

QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI

QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI PESSOA JURÍDICA E PESSOA FÍSICA MARÇO/2015 Brasília - DF A KUSER S/A APRESENTA LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CORRETORES DE IMÓVEIS, IMOBILIÁRIAS E DEMAIS

Leia mais

COLÉGIO BRSILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE RELATÓRIO DE GESTÃO DIREÇÃO NACIONAL BIÊNIO 2007-2009 2009 Fernando Mascarenhas Presidente Dinah Vasconcellos Terra Vice-Presidente Yara Maria de Carvalho Diretora

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA4007 EDITAL Nº 3/2010 1. Perfil: no. 1 Sol e Praia 3. Qualificação educacional: Pós-graduação em turismo, geografia, educação ambiental, recreação

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais