Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências"

Transcrição

1 Roteiro para uso do banco de dados do SINAN Online Dengue para análise de completitude e inconsistências O Sistema de Informação de Agravos de Notificação Online (SINAN Online) tem por objetivo a notificação dos casos de dengue em tempo real, permitindo a análise de maneira oportuna, assim como o desencadeamento de ações em todos os níveis de gestão. O acesso ao SINAN Online para notificação de casos de dengue está disponível no site Para o acesso, é necessário o cadastro prévio (orientações descritas na Nota Técnica 001/2014 DIVE/SES/SC, disponível no site da DIVE item dengue notas técnicas) 1. A utilização do SINAN Online requer apenas um computador com acesso à internet, não havendo necessidade de instalação prévia como ocorre com o SINAN Net. Como os dados são alimentados e transmitidos em tempo real, não é necessário o envio de lotes. O SINAN Online funciona de forma semelhante ao SINAN Net. Uma característica importante e que gera dúvidas é o fluxo de retorno. O ícone fluxo de retorno é marcado automaticamente pelo sistema a partir da metade do prazo oportuno ou pelo próprio usuário antes da metade do prazo oportuno do agravo. Acontece em registros cujo local de notificação difere do local de residência, da mesma forma como ocorre no SINAN Net. A diferença é que no SINAN Online a ficha que foi digitada pelo município de notificação pode ser visualizada pelo município de residência, porém, não é possível alterá-la até que ela seja habilitada pelo fluxo de retorno. Destaca-se que a ficha sempre irá para o município de residência, cabendo a este a sua alteração final. O SINAN Online é uma ferramenta imprescindível para acompanhar a situação epidemiológica. No entanto, para que isso ocorra, ele precisa ser alimentado com qualidade e de forma oportuna. Sendo assim, todas as Vigilâncias Epidemiológicas (VE) em nível estadual, regional e municipal precisam utilizar desta ferramenta a fim de não somente conhecer as notificações dos casos de dengue, mas também planejar ações de promoção da saúde, elencar prioridades, organizar ações em áreas mais acometidas, entre outras estratégias. Com o intuito de melhor qualificar as ações das VE e ampliar o conhecimento sobre o SINAN Online, elaboramos um roteiro básico de como trabalhar com o banco de dados deste sistema. Ainda há uma breve explicação dos principais campos da ficha de notificação/investigação de dengue que geram inconsistências no banco. 1

2 1. Etapas para solicitar arquivo dbf no SINAN Online e trabalhar no Tabwin e Excel Antes de trabalhar com os dados no Tabwin, é necessário a criação de uma pasta com todos os arquivos de conversão (*.CNV) e definição (*.DEF) no Tabwin. Os arquivos de definição contêm as informações necessárias para identificar quais variáveis estarão disponíveis no painel de controle apresentado pelo Tabwin, de modo a possibilitar a tabulação dos dados do respectivo banco. Nos arquivos de conversão estão as categorias de cada variável do banco de dados e respectivos códigos de identificação. Para isso, primeiro crie uma pasta chamada SINAN Online dentro da pasta Meus Documentos; Acesse o SINAN Online; Na página inicial há os arquivos mencionados (conforme figura abaixo). Clique e peça para extrair nessa pasta que foi criada. Há ainda as tabelas com os códigos referentes aos Páises, UF, Municípios e Ocupações que precisam ser solicitadas e adicionadas na pasta SINAN Online Base DBF, conforme figura abaixo:

3 Essas tabelas também podem ser abertas diretamente no Excel, da mesma forma que o arquivo dbf. Exportação da base de dados dbf: a) Clicar no menu Exportação Solicitar exportação de base de dados em dbf. Selecionar as variáveis que você deseja trabalhar. Exemplo: período de notificação semana epidemiológica; ano 2015; semana inicial 01; semana final 52; Notificação ou residência; clicar em exportar os dados de identificação do paciente, clicar em solicitar (figura abaixo).

4 b) Aparecerá um número que corresponde a sua solicitação. c) Novamente vá até o menu Exportação Consultar exportações em dbf. d) Aparecerá um arquivo para você baixar clique e aparecerá um 2º arquivo dentro de uma pasta do tipo.zip. Clicar nesse arquivo e no botão Extrair (figura abaixo). e) Extrair para a pasta SINAN Online Base DBF. f) Abrir o Tabwin clicar em Arquivo Executar tabulação selecionar a pasta SINAN Online Base DBF DengueNETON Abre DEF.

5 g) Em algumas situações, ao chegar à tela que permite escolher os campos para realizar a tabulação, a pasta do SINAN Online Base DBF selecionada na tela de início do Tabwin não aparece (conforme figura abaixo). Assim, basta clicar no ícone que tem uma pasta amarela e procurar novamente a pasta e clicar no arquivo que você solicitou no SINAN Online. h) Para obter os dados atualizados, será necessário refazer esse caminho, visto que o arquivo contém os dados dos casos até a data em que é solicitada a exportação. i) O próximo passo é tabular. Lembre-se que toda tabela possui linhas e colunas e as seleções disponíveis são os detalhes que se quer e que estarão embutidos na tabela.

6 Então, antes de escolher as variáveis, pense na tabela que você deseja obter, por exemplo: Linha: semana epidemiológica de início de sintomas; Clique na caixa Suprimir linhas e colunas zeradas, se desejar que tudo que for zerado não apareça na tabela; Coluna: classificação; Incremento: frequência; Seleções disponíveis: Ano epidemiológico de sintomas Se desejar salvar essa seleção e utilizá-lo em uma planilha de Excel, clique em Salvar registros, selecionando os campos da ficha que lhe interessam. Ou ainda, você pode salvar a tabela que fez em: Arquivo salvar como. Seleciona o arquivo do SINAN que você quer trabalhar (DENGON 2015.DBF), conforme figura abaixo.

7 j) Abaixo, segue um exemplo de uma planilha que foi salva em Excel. Foram selecionados os principais campos, destacado com cores e utilizado filtro na primeira linha. Filtro: k) A descrição de cada campo da ficha de dengue no SINAN, bem como a sua abreviatura que aparece no arquivo Excel, está disponível no dicionário de dados (Menu principal do SINAN Online). Da mesma forma que se retira o dbf do banco inteiro, pode-se solicitar o arquivo dbf somente das notificações duplas. Essa solicitação ocorre no mesmo menu (figura abaixo). A duplicidade de registros para agravos agudos é uma inconsistência do banco e precisa ser alterada. Devemos distinguir duas situações que podem ocorrer com os casos de dengue. Primeiro, o registro pode estar duplo quando um paciente de dengue foi notificado duas vezes e tem a mesma data de início dos sintomas, portanto, é o mesmo caso. Nessa

8 situação, deve-se complementar a 1ª ficha (que apresenta a data de notificação mais recente) com as informações da 2ª ficha, e esta última deve ser excluída. Outra situação é quando o caso de dengue contraiu a doença mais de uma vez em momentos diferentes. Esse registro duplo é importante e não deve ser excluído do banco. Nesse caso, se você desejar que esse registro não esteja aparente quando você realizar as consultas basta utilizar o comando Não Listar, que está disponível no módulo Duplicidade. Outra funcionalidade do SINAN Online é a possibilidade de gerar relatórios específicos. No menu principal Arquivo Manual de Operação há a descrição de cada relatório. Seguem destacadas essas funcionalidades:

9 2. Como interpretar os campos da ficha e principais inconsistências Como citado anteriormente, cada campo da ficha de notificação/investigação está descrita no dicionário de dados. No entanto, a sua interpretação requer conhecimento acerca da doença. Abaixo estão descritas as principais inconsistências encontradas nas fichas de notificação/investigação. A inconsistência é um erro no preenchimento/digitação da ficha, gerando dificuldades na sua interpretação. INCONSISTÊNCIA Nº 1 Digitação da notificação nos sistemas - SINAN NET e ONLINE: Desde 1º de janeiro de 2014 (considerando a data dos primeiros sintomas) os casos de dengue são digitados exclusivamente no SINAN Online. Os casos que estão digitados no SINAN Net a partir de 1º de janeiro de 2014 devem ser excluídos do SINAN Net e digitados no SINAN Online. O SINAN Online consegue manter no banco tanto fichas do SINAN Net quanto do SINAN Online, no entanto, caso seja necessário realizar alterações nas fichas de notificação/investigação, a mesma deve ocorrer no sistema onde a ficha foi digitada. INCONSISTÊNCIA Nº 2 Classificação antiga de dengue (campo 44) nº 1, 2, 3, 4: Substituir pela nova classificação (nº 10, 11 e 12), vigente desde janeiro de (Maiores informações podem ser obtidas na Nota Técnica 01/2014 DIVE/SES/SC).

10 Para obter a listagem com casos que apresentam essa inconsistência, o Tabwin pode ser utilizado: Linha: município de residência; Coluna: classificação; Se desejar, pode suprimir as linhas e colunas zeradas; Seleções disponíveis: ano epidemiológico dos sintomas, escolhe o ano em categorias selecionadas Segue: INCONSISTÊNCIA Nº 3 Classificado como caso de dengue com sinais de alarme/grave sem informações que o sustentem: Adicionar no campo Observações adicionais sinais e sintomas que confirmem essa classificação. A tabulação da inconsistência nº 2 pode ser utilizada aqui para listar esses casos. Casos assim devem ser imediatamente notificados, por telefone, à GERSA de sua abrangência. INCONSISTÊNCIA Nº 4 Teste Negativo para dengue, porém classificado como caso de dengue: Verificar os campos 33 e 34 (IgM)/ 35 e 36 (NS1) versus campo 44 (classificação). Resultado negativo, o caso é descartado deve ser classificado como nº 5. Caso descartado não é necessário preencher os campos referentes ao Local Provável de Infecção (LPI) e evolução do caso. Observação: avaliar em conjunto os resultados de IgM e NS1, período oportuno de coleta para considerar os resultados obtidos. INCONSISTÊNCIA Nº 5 Utilização errônea do critério clínico-epidemiológico: Campo 45 Critério de confirmação/descarte. Segundo o Protocolo de manejo de casos suspeitos de dengue no estado de Santa Catarina, a confirmação do caso de dengue por critério clínico-epidemiológico será utilizada somente se:

11 Caso confirmado de dengue: É todo caso suspeito de dengue confirmado laboratorialmente por sorologia IgM, detecção de NS1, isolamento viral, PCR ou imunohistoquímica. Em uma área até então sem transmissão, a confirmação dos primeiros casos deve ocorrer por critério laboratorial. Se a transmissão na área se mantiver por no mínimo 2 semanas consecutivas, a confirmação passa a ser realizada por critério clínico-epidemiológico. Nestas situações, 10% dos casos notificados devem realizar a coleta para confirmação laboratorial e monitoramento da circulação viral 2. Casos que não se enquadrem nessa situação devem ter sua amostra colhida e enviada ao Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN) de Santa Catarina. Assim, o critério para confirmação deve ser laboratorial. Alguns casos importados de dengue podem ser fechados por esse critério, desde que a investigação indique que o caso esteve nas duas semanas que antecederam o início dos sintomas em área com transmissão estabelecida de dengue e que a clínica não indique outro diagnóstico diferencial. Nessas situações a GERSA/DIVE deve ser consultada. INCONSISTÊNCIA Nº 6 Não preenchimento do Local Provável de Infecção (LPI) em casos classificados como dengue: Campo 46. Todo caso que foi confirmado como dengue precisa ter seu LPI informado/preenchido. Seguem as características de cada caso: Caso autóctone: significa que ele contraiu dengue dentro do município de residência. Preencher com os dados do município de residência; Caso importado: significa que ele pegou dengue fora do seu município de residência. Nas informações sobre o LPI, digita-se o estado e quando possível determinar, o município de infecção; Caso indeterminado: significa que o paciente esteve em vários lugares onde há transmissão de dengue, não sendo possível determinar o LPI. Se o caso for indeterminado, as informações de deslocamentos devem ser digitadas no campo Observações Adicionais da ficha do SINAN Online. Essa informação é fundamental para caracterizar o caso como indeterminado, autóctone ou importado. Nota: Todos os casos que sejam confirmados e tenham como LPI o estado de Santa Catarina devem ter além da Unidade de Federação (UF) preenchida os campos de município e bairro de infecção. 2

12 INCONSISTÊNCIA Nº 7 Preenchimento do Local Provável de Infecção (LPI) em casos descartados/inconclusivos de dengue: Nos casos descartados não há infecção, portanto o campo LPI não deve ser preenchido. Da mesma forma, os casos ainda não concluídos não devem ter essa informação preenchida até o fechamento do caso. Em ambas as situações, os campos referentes ao LPI devem ficar em branco. Exemplo de inconsistência no SINAN Online: caso classificado como inconclusivo e LPI autóctone do município de residência (SC) Ainda resgatando o exemplo acima, o caso ficou inconclusivo porque não foi possível realizar a coleta. Nesses casos, verifica-se com a investigação - epidemiológica e ambiental - a possibilidade de descartar ou confirmar o caso pelo critério clínicoepidemiológico, ou seja, associar as informações referentes à clínica e as questões referentes à epidemiologia (PESSOA-TEMPO-LUGAR), destacando: Quais foram os sintomas apresentados? Houve outras suspeitas? Continua a suspeita de dengue? Se possível, verificar nos prontuários o diagnóstico/suspeitas que ainda persistem; Reside em que local? Foram detectados focos de Aedes aegypti? É área infestada? Existe grande circulação de pessoas?, etc. Frequentou quais localidades nos 14 dias anteriores ao início dos sintomas? Outras pessoas próximas apresentaram sintomatologia semelhante? Esteve em locais onde está ocorrendo transmissão de dengue?

13 Os casos que foram descartados para dengue com diagnóstico de outra doença/agravo poderão ter o critério clínico-epidemiológico preenchido, porém, nas observações adicionais deverá constar o diagnóstico que o descartou. Nota: O sistema atribui o nº 8: Inconclusivo automaticamente no campo 44 (classificação) em todas as fichas de dengue em que o digitador não preencheu esse campo até o 60º dia após a data de digitação da notificação (encerramento oportuno 3 ). Mesmo assim, é possível retornar a ficha para modificar/ acrescentar informações. INCONSISTÊNCIA Nº 8 Caso de dengue com erro ou ausência do preenchimento no campo 41 sorotipo de dengue: Todos os casos confirmados de dengue autóctones que tiveram sua amostra encaminhada ao Laboratório de Referência para realização de Isolamento viral (campos 37 e 38) e/ou RT-PCR (Transcriptase Reversa - Reação de Cadeia de Polimerase) (campos 39 e 40) devem ter o campo 41 preenchido com o sorotipo detectado. INCONSISTÊNCIA Nº 9 Caso de dengue relacionado ao trabalho: É todo caso de dengue que contraiu dengue em decorrência do trabalho. Exemplo: laboratório de virologia de dengue, onde a pessoa trabalha diretamente com a manipulação do vírus da dengue e pode se contaminar com o mesmo. Caminhoneiros com dengue não devem ter a doença relacionada ao trabalho, uma vez que qualquer pessoa que tem um deslocamento para uma área com transmissão pode contrair a doença, independente do motivo desse deslocamento. INCONSISTÊNCIA Nº 10 Caso descartado para dengue, porém preenchido o campo evolução: Todos os casos descartados de dengue não devem ter o campo Evolução (53) preenchido. Segue a interpretação de cada tipo de evolução: Cura: quando o caso confirmado de dengue evoluiu para cura. Se a ficha remete a um caso de dengue então ele só pode estar curado se realmente 3 O encerramento oportuno da notificação de dengue é de 60 dias. Essa oportunidade é utilizada como indicador de acompanhamento pelo Ministério da Saúde. A manutenção do repasse dos recursos do Componente de Vigilância em Saúde está condicionada à alimentação regular do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN).

14 contraiu o vírus da doença. Se o caso é descartado, esse campo deve ficar em branco ou ignorado; Óbito por dengue: quando o caso confirmado de dengue evoluiu para óbito. Todos os casos de óbitos por dengue devem ser notificados e investigados imediatamente, além do diagnóstico laboratorial confirmando o caso; Óbito por outras causas: quando um caso confirmado de dengue foi a óbito por outro motivo. Exemplo: caso de dengue que sofreu um acidente de trânsito e foi a óbito devido ao acidente e não a dengue; Óbito em investigação: é quando o caso ainda está sob investigação, ou seja, a suspeita de dengue ainda permanece. O caso ainda é inconclusivo. Assim que se concluir o caso é necessário alterar esse campo. Ignorado: quando a evolução do caso foi ignorada. Os casos descartados de dengue podem ser preenchidos com esse campo. 3. Recomendações finais 4. Contatos Divulgar aos profissionais de saúde as informações referentes ao uso correto do SINAN Online. Avaliar mensalmente os registros duplicados no sistema. Avaliar mensalmente o banco de dados em relação à consistência e completitude dos dados. - DIVE: (48) GEZOO/DIVE - Programa de Controle da Dengue: (48) /7493 Informação e Análise de Dados - DIVE/SINAN: (48) / Referências bibliográficas 1- SANTA CATARINA.. Gerência de Zoonoses e Entomologia. Manejo de casos suspeitos de Dengue no Estado de Santa Catarina. Florianópolis, SC, p BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Informática do. Processo de Documentação de Sistemas.

15 SINAN Online: Manual de Operação: edição 2.0. Brasília, DF, Série A: Normas e Manuais Técnicos, p Florianópolis, 12 de janeiro de Programa de Controle da Dengue Gerência de Vigilância de Zoonoses e Entomologia DIVE/SUV/SES/SC

NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014

NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014 ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014 Assunto: Orienta

Leia mais

COMO GERAR UM ARQUIVO NÃO IDENTIFICADO NO TABWIN

COMO GERAR UM ARQUIVO NÃO IDENTIFICADO NO TABWIN O programa TabWin pode ser utilizado para calcular indicadores epidemiológicos e operacionais da tuberculose bem como para análise da qualidade da base de dados do Sinan. O usuário deve ter a versão atualizada

Leia mais

Nome do campo Campo Tipo Categoria Descrição Características DBF Campo obrigatório 31-Data da Investigação

Nome do campo Campo Tipo Categoria Descrição Características DBF Campo obrigatório 31-Data da Investigação MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18 MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013 Página 1 de 18 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL DEFINIÇÃO O Gal é um sistema informatizado desenvolvido para os laboratórios de Saúde

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Versão 1.0.7 Página 1 de 70 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Usuário

Leia mais

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Última Atualização: 08/01/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances VI Prorrogação

Leia mais

1223o TUTORIAL INVENTÁRIO. Realização: DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO EQUIPE DE DOCUMENTAÇÃO

1223o TUTORIAL INVENTÁRIO. Realização: DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO EQUIPE DE DOCUMENTAÇÃO 1223o TUTORIAL INVENTÁRIO Realização: DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO EQUIPE DE DOCUMENTAÇÃO TUTORIAL INVENTÁRIO O inventário é um procedimento operacional/contábil que deve ser feito sempre que solicitado

Leia mais

MÓDULO 3 Cadastros básicos

MÓDULO 3 Cadastros básicos MÓDULO 3 Cadastros básicos Agora que você já conhece o SCAWEB, demonstraremos como realizar os cadastros básicos do HÓRUS. Inicialmente, você precisará acessar o HÓRUS com o email e senha cadastrados no

Leia mais

FLUXO PARA ACOMPANHAMENTO, ENCERRAMENTO E DIGITAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE

FLUXO PARA ACOMPANHAMENTO, ENCERRAMENTO E DIGITAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Instalação, configuração e primeiros passos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Preparar inicialização das

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DOMINIO ATENDIMENTO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DOMINIO ATENDIMENTO Rua Afonso Arrechea, 240, Santo Ant. do Sudoeste - PR Tel 46 3563-1518 Fax 46 3563-3780 contato@diferencialcontabil.cnt.br www.diferencialcontabil.cnt.br MANUAL DE UTILIZAÇÃO DOMINIO ATENDIMENTO VERSÃO

Leia mais

INFORME TÉCNICO Nº 04: INSTRUÇÕES PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO MÓDULO GRUPO GESTOR DO SISTEMA BPC NA ESCOLA

INFORME TÉCNICO Nº 04: INSTRUÇÕES PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO MÓDULO GRUPO GESTOR DO SISTEMA BPC NA ESCOLA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS COORDENAÇÃO GERAL DE ACOMPANHAMENTO DE BENEFICIÁRIOS INFORME TÉCNICO

Leia mais

Manual de Conciliação Bancária

Manual de Conciliação Bancária Manual de Conciliação Bancária Índice Conciliação Bancária... 2 O módulo de Conciliação Bancária no SIGEF... 3 Conciliação Bancária Extrato Bancário... 5 Fazendo a Conciliação Bancária Extrato Bancário...

Leia mais

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc.

Arquivos de definição: aidsw.def (aids adulto) e aidscw.def (aids criança) Base de dados: Iaids.DBF (aids adulto) e Iaidsc. AIDS Para construir série histórica de alguns indicadores epidemiológicos e operacionais referentes a casos de aids adulto e criança anteriores ao ano de 2007, incluídos no SinanW, deve-se utilizar os

Leia mais

Prestador de Serviços

Prestador de Serviços Copyright 2014 - ControleNaNet Conteúdo A Ficha de Serviços...3 Os Recibos... 5 Como imprimir?... 6 As Listagens...7 Clientes... 9 Consulta...9 Inclusão... 11 Alteração... 12 Exclusão... 13 Serviços...

Leia mais

Programa de Controle da Dengue/SC

Programa de Controle da Dengue/SC Programa de Controle da Dengue/SC Estratégia operacional de prevenção e controle da dengue para municípios não infestados por Aedes aegypti, infestados por Aedes aegypti sem circulação viral e infestados

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Programa AMG Manual de Operação Conteúdo 1. Sumário 3 2. Programa

Leia mais

1. REGISTRO DE PROJETOS

1. REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Nesta aplicação será feito o registro dos projetos/ ações de extensão, informando os dados iniciais do projeto, as classificações cabíveis, os participantes, a definição da região

Leia mais

SISTEMA PARA ACOMPANHAMENTO DE CASOS DE DENGUE

SISTEMA PARA ACOMPANHAMENTO DE CASOS DE DENGUE SISTEMA PARA ACOMPANHAMENTO DE CASOS DE DENGUE Este visualizador funciona melhor nos navegadores Mozilla Firefox e Google Chrome (o funcionamento não é completo no Internet Explorer), portanto dê preferencia

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema GOVERNO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO A SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, 730, 5 andar CEP:

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Índice Página PROGRAMAS ACADÊMICOS E PROFISSIONAIS OFERECIDOS POR UM MESMO DEPARTAMENTO...2 PROPOSTA DE PROGRAMA...2 COMO COPIAR E COLAR...2 CADASTRO DOCENTE...2 ATIVIDADE DOCENTE...2

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0)

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0) Parte:Manual Atualização: OriginalPágina 1 Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária () Instalação Se houver alguma versão do FireBird Instalada na máquina desinstale antes de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Manual do Moodle- Sala virtual UNIFAP MACAPÁ-AP 2012 S U M Á R I O 1 Tela de Login...3 2 Tela Meus

Leia mais

MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5

MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5 MANUAL DE GABINETES SAJ/SG5 Seção de Implantação de Sistemas Divisão de Sistemas Judiciais de Segundo Grau Diretoria de Tecnologia da Informação DTI/TJSC suporte: saj2grau@tjsc.jus.br Índice: Página 1.

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 Versão Preliminar 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4 1.1 Apresentação...4 1.2 Organização e uso do manual...4 1.3 Dúvidas e canais de atendimento...4 2 VISÃO GERAL

Leia mais

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier isupplier Revisão 01 Setembro 2011 Sumário 1 Acesso ao portal isupplier... 03 2 Home Funções da Tela Inicial... 05 3 Ordens de Compra Consultar Ordens de Compra... 07 4 Entregas Consultar Entregas... 13

Leia mais

SINAN Dificuldades Elencadas pelas DIRES Das 12 DIRES (38% do total) que responderam o questionário dentro do prazo estabelecido

SINAN Dificuldades Elencadas pelas DIRES Das 12 DIRES (38% do total) que responderam o questionário dentro do prazo estabelecido Dificuldades Elencadas pelas DIRES Das 12 DIRES (38% do total) que responderam o questionário dentro do prazo estabelecido (3ª,4ª,6ª,8ª,10ª,13ª,14ª,15ª,20ª,21ª e 24ª) + 09 DIRES (5ª,9ª,11ª,16ª,17ª,26ª,27ª,29ª,31ª)

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

Dengue, Chikungunya e Zika

Dengue, Chikungunya e Zika SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DA PARAÍBA GERENCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Dengue, Chikungunya e Zika Nº 01/2016 Situação epidemiológica De 01 a 25 de janeiro de 2016 ( 4ª* semana epidemiológica

Leia mais

MOODLE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

MOODLE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Carmen Mathias Agosto - 2009 I. CADASTRO 1. Acessar o site de treinamento (teste): http://moodle_course.unifra.br/ 2. Faça o login, clicando em acesso no lado direito superior da tela: 3. Coloque seu nome

Leia mais

TUTORIAL ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

TUTORIAL ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS TUTORIAL ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS Brasília/DF Agosto/2015 3 4 Sumário 1 Menu Cadastro.... 8 1.1 Cadastro de Entidade... 9 1.2 Cadastro de Atividade... 10 1.3 Cadastro de Participante... 15 2 Menu Execução...

Leia mais

SISTEMA AGHOS. Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas

SISTEMA AGHOS. Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas AGHOS - GESTÃO E REGULAÇÃO ASSISTENCIAL E FINANCEIRA DE SAÚDE MÓDULO DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL DE CONSULTAS ESPECIALIZADAS ESPECIALIZADAS Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas SISTEMA

Leia mais

Espaço do Coordenador

Espaço do Coordenador Espaço do Coordenador Guia de utilização Versão 2.5 PARTE 6: Pedidos de pessoal 2 SUMÁRIO 8.4 PEDIDOS DE PESSOAL... 6 8.4.1 CLT... 7 8.4.2 ESTAGIÁRIO... 17 8.4.3 AUTÔNOMO... 26 8.4.4 VALE ALIMENTAÇÃO/REFEIÇÃO...

Leia mais

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE ORDEM CASOS DE DENGUE DA REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 EM 2015 (Período: 10/08/2015 à 10/11/2015) MUNICÍPIO ABERTO SOROLOGIA EXAME NS1 ISOLAMENTO VIRAL CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO REALIZADO NÃO REALIZADO NÃO

Leia mais

PARTE I ACESSO AO MÓDULO ON-LINE GERAÇÃO DE LISTAGENS DIGITAÇÃO DE FICHAS COM A SÍNTESE DA INVESTIGAÇÃO

PARTE I ACESSO AO MÓDULO ON-LINE GERAÇÃO DE LISTAGENS DIGITAÇÃO DE FICHAS COM A SÍNTESE DA INVESTIGAÇÃO INSTRUÇÕES DO MÓDULO DE INVESTIGAÇÃO DE ÓBITO INFANTIL PARTE I ACESSO AO MÓDULO ON-LINE GERAÇÃO DE LISTAGENS DIGITAÇÃO DE FICHAS COM A SÍNTESE DA INVESTIGAÇÃO Este módulo encontra-se na página do SIM Federal,

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO MYSUITE

MANUAL DE ACESSO AO MYSUITE MANUAL DE ACESSO AO MYSUITE A Ferramenta de Atendimento Online MySuite é a nova forma de atendimento utilizada pela Gerpos. Por meio dela, é possível solicitar atendimentos do Suporte Técnico e de outros

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO SISTEMA DE PAGAMENTO ONLINE. Versão: 01.08

MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO SISTEMA DE PAGAMENTO ONLINE. Versão: 01.08 MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO SISTEMA DE PAGAMENTO ONLINE Versão: 01.08 Índice Instalação do Sistema...03 Tela inicial do Sistema...10 Módulos...11 Conteúdo do Menu Arquivo...11 Finalizar...11 Inclusão

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo:

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: GUIA DE ORIENTAÇÃO 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: 1.1 - ACESSAR O SITE DA PREFEITURA: 1.2 - CLICAR NA OPÇÃO: SERVIÇOS >> NOTA FISCAAL ELETRÔNICA 1.3 - Aguarde carregar

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso Supervisão de Informática Departamento de Desenvolvimento Sistema Declaração On Line. Declaração On Line

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso Supervisão de Informática Departamento de Desenvolvimento Sistema Declaração On Line. Declaração On Line Declaração On Line Manual de Apoio à Utilização do Sistema Manual do Usuário Versão 1.0 INTRODUÇÃO... 4 AUTENTICANDO-SE NO SISTEMA... 4 EM CASO DE ESQUECIMENTO DA SENHA... 5 ALTERANDO A SENHA DE ACESSO

Leia mais

MANUAL MOODLE - PROFESSORES

MANUAL MOODLE - PROFESSORES MANUAL MOODLE - PROFESSORES VERSÃO 2.5 Faculdades Projeção FACULDADE PROJEÇÃO Prof. Oswaldo Luiz Saenger Presidente Prof.ª Catarina Fontoura Costa Diretora Geral das Unidades Educacionais Prof. José Sérgio

Leia mais

REGISTRO DE PROJETOS

REGISTRO DE PROJETOS REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Esta aplicação tem o objetivo de realizar o Registro de Projetos da Instituição. É possível, incluir, alterar ou excluir essas informações. 1.1. Acessando a

Leia mais

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015 Monitor de Comercialização Ofertante MT 43-1-00015-0 Última Atualização 12/11/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Como inserir subitens V Emissão de Relatórios VI

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Versão 1.2.3 27 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

Treinamento Sistema Folha Union Módulo II

Treinamento Sistema Folha Union Módulo II Folha Union> Cadastros> Empresas Treinamento Sistema Folha Union Módulo II FOLHA DE PAGAMENTO MÓDULO II - CADASTROS Cadastre as empresas (Condomínios) ou importe os dados utilizando o código do cadastro

Leia mais

Com a implantação do Módulo de Vacina, a população soteropolitana receberá vários benefícios que facilitarão a VIDA de todos nós.

Com a implantação do Módulo de Vacina, a população soteropolitana receberá vários benefícios que facilitarão a VIDA de todos nós. O Módulo de Vacina será um divisor de águas dentro da SMS do Salvador. Com a implantação do módulo, as salas de vacinas serão informatizadas, como também alguns de seus processos serão automatizados. Permitirá

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 2.4.1 Manual do Usuário

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 2.4.1 Manual do Usuário Missão: Participar das ações de vigilância em saúde, realizando análises laboratoriais com qualidade, coordenando a Rede Estadual de Laboratórios e gerando informações para a melhoria da Saúde Pública.

Leia mais

Manual de Orientação GCT Gestão de Contratação. Secretaria de Estado da Fazenda Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Versão 0.

Manual de Orientação GCT Gestão de Contratação. Secretaria de Estado da Fazenda Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Versão 0. Manual de Orientação GCT Gestão de Contratação Versão 0.1 SUMÁRIO 1. CATÁLOGO DE MATERIAIS E SERVIÇOS...3 1.1. CONSULTA AO CATÁLOGO POR DIGITAÇÃO...5 1.2. CONSULTA AO CATÁLOGO POR LISTAGEM...8 2. CATÁLOGO

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

CADASTRO DE OBRAS E PROJETOS DE ENGENHARIA

CADASTRO DE OBRAS E PROJETOS DE ENGENHARIA CADASTRO DE OBRAS E PROJETOS DE ENGENHARIA SET 2014 2 INTRODUÇÃO Este manual objetiva orientar os servidores no processo do cadastro de projetos no Sistema Channel para viabilizar o acompanhamento físico-financeiro

Leia mais

Manual das planilhas de Obras v2.5

Manual das planilhas de Obras v2.5 Manual das planilhas de Obras v2.5 Detalhamento dos principais tópicos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Gerando previsão de custos da obra (Módulo

Leia mais

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa P OW ERPOI NT 1 INTRODUÇÃO... 3 1. Iniciando o PowerPoint... 3 2. Assistente de AutoConteúdo... 4 3. Modelo... 5 4. Iniciar uma apresentação em branco... 6 5. Modo de Exibição... 6 6. Slide Mestre... 7

Leia mais

Manual de utilização do Sistema de Informação em Ciência e Tecnologia - SISC&T. Perfil: consultor ad-hoc Avaliação do projeto PPSUS

Manual de utilização do Sistema de Informação em Ciência e Tecnologia - SISC&T. Perfil: consultor ad-hoc Avaliação do projeto PPSUS Ministério da Saúde Manual de utilização do Sistema de Informação em Ciência e Tecnologia - SISC&T Perfil: consultor ad-hoc Avaliação do projeto PPSUS Brasília, 28 de abril de 2009 Índice: Informações

Leia mais

Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos (Parte 1)

Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos (Parte 1) Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos () Março - 2014 Índice Título do documento 1. Auditoria de Movimentos (ECM) Introdução:... 3 2. Grupos de Usuário (ECM):... 3 3. Colaboradores... 4 4. Configuração

Leia mais

Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais.

Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais. Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais. 1 Ao final deste tópico, você estará apto a: Explicar as opções disponibilizadas com o recurso Múltiplas filiais. Definir as configurações necessárias para trabalhar

Leia mais

1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE

1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE 2 1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE ATENDIMENTO... 6 4 - A TELA AGENDA... 7 4.1 - TIPOS

Leia mais

Escritório Virtual - Apresentação. Acesso ao Portal do Escritório Virtual

Escritório Virtual - Apresentação. Acesso ao Portal do Escritório Virtual Página2 Escritório Virtual - Apresentação O escritório Virtual visa uma aproximação entre o escritório e seus clientes, possibilitando encurtar caminhos para envio e recebimento de arquivos e informações

Leia mais

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências

Leia mais

PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O COORDENADOR PLANO DE TRABALHO PROVAB

PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O COORDENADOR PLANO DE TRABALHO PROVAB PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O COORDENADOR PLANO DE TRABALHO PROVAB Brasília/DF, 14 março de 2016. 1 APRESENTAÇÃO Prezado(a) Coordenador(a) participante do PROVAB:

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PROGRAMAS COM CURSOS ACADÊMICO E PROFISSIONAL... 2 PROPOSTA DE PROGRAMA... 2 COMO COPIAR E COLAR... 2 INSTALAÇÃO DAS VERSÕES ANTERIORES DO COLETA DE DADOS:... 2 EXCLUSÃO DE UMA

Leia mais

Manual Fácil 1 DOWNLOAD E INSTALAÇÃO. 1. Como faço o download do Jimbo Mobile?

Manual Fácil 1 DOWNLOAD E INSTALAÇÃO. 1. Como faço o download do Jimbo Mobile? Seja bem-vindo(a) ao Manual Fácil Jimbo. O jeito mais simples de você aprender a usar o nosso software gratuito. Com esse passo a passo você fica sabendo como acrescentar despesas, alterar lançamentos,

Leia mais

MANUAL PRÁTICO TABWIN

MANUAL PRÁTICO TABWIN MANUAL PRÁTICO TABWIN TUBERCULOSE JANEIRO 2012 Salvador-BA Índice Sumário EXECUTAR TABULAÇÃO... 2 Procedimento 1 - Para tabular dados... 4 Procedimento 2 Para salvar tabela no tabwin... 4 Procedimento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO - SEED

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO - SEED SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO - SEED Sistema Obras Online Módulo Pedido Julho - 2013 Secretaria da Educação do Paraná Av. Água Verde, 2140 - Vila Isabel 80240-900 - Curitiba - PR 41 3340-1500 e Superintendência

Leia mais

Manual de utilização do CRD

Manual de utilização do CRD Sistema de Controle de Remessa de Documentos Manual de utilização do CRD Versão 1.0.0 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Requisitos técnicos... 3 3 Cadastro... 4

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Treinamento - Union Web

Treinamento - Union Web Inserindo formulário de acesso ao sistema no seu site: Para que seus condôminos tenham acesso ao sistema será necessária a inserção do formulário de entrada no seu site, veja com o programador do seu site

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO DE SOLICITAÇÃO DE FORMULÁRIOS (SASF) USUÁRIOS MUNICIPAIS VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

I - Cronograma de implantação do patch 4.2.0.0 para UF, regionais, municípios e estabelecimentos de saúde.

I - Cronograma de implantação do patch 4.2.0.0 para UF, regionais, municípios e estabelecimentos de saúde. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 NOTA TÉCNICA N.º 01/2011 GT-SINAN/CIEVS/DEVEP/SVS/MS Assunto: Liberação

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO Acesse o site www.teubilhete.com.br, selecione a opção Teu Online, e clique no botão, preencha o formulário com os dados de sua empresa. Reúna duas vias impressas do Contrato

Leia mais

MANUAL DO. USUÁRIO DOCAD FORMULÁRIO ELETRÔNICO

MANUAL DO. USUÁRIO DOCAD FORMULÁRIO ELETRÔNICO MANUAL DO. USUÁRIO DOCAD FORMULÁRIO ELETRÔNICO 1. Informações Gerais 2. Atualização de Novas Versões do Programa Gerador do Formulário Eletrônico do DOCAD 3. Acesso ao Formulário Eletrônico do DOCAD 4.

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO GUIA DO USUÁRIO

GUIA DO USUÁRIO GUIA DO USUÁRIO GUIA DO USUÁRIO www.accountcontabilidade.com.br 1 SUMÁRIO Acessando o sistema 04 Atalhos 05 Importando Exercícios Eletrônicos 06 Apresentação dos Exercícios Eletrônicos 07 Procedimentos para resolver exercícios

Leia mais

PROCEDIMENTO DO CLIENTE

PROCEDIMENTO DO CLIENTE PROCEDIMENTO DO CLIENTE Título: Manual da Loja Virtual. Objetivo: Como anunciar produtos e acompanhar as vendas. Onde: Empresa Quem: Cliente Quando: Início Através deste manual, veremos como anunciar e

Leia mais

Manual Acesso aos Pedidos Oi

Manual Acesso aos Pedidos Oi Manual Acesso aos Pedidos Oi 1. Acessando o Portal ME Acesse o site. Na parte superior direita, insira seus respectivos Login e Senha de acesso. Caso tenha sido notificado sobre a existência de um processo

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

MÓDULO DE DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS DECORE MANUAL Versão 2.0

MÓDULO DE DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS DECORE MANUAL Versão 2.0 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE MÓDULO DE DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS DECORE MANUAL Versão 2.0 Spiderware Consultoria em Informática Rua Mayrink Veiga, 11 / 804 Rio de Janeiro RJ CEP 20090-050 Tel. 0 (XX)

Leia mais

Sistema Eletrônico de Informações - Notificação de ato de concentração ordinário 1

Sistema Eletrônico de Informações - Notificação de ato de concentração ordinário 1 Sistema Eletrônico de Informações - Notificação de ato de concentração ordinário 1 Sistema Eletrônico de Informações Guia para notificação de atos de concentração 2 Notificação Eletrônica de Ato de Concentração

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

Wordpress - Designtec. Manual básico de gerenciamento Práticas de Geografia

Wordpress - Designtec. Manual básico de gerenciamento Práticas de Geografia Wordpress - Designtec Manual básico de gerenciamento Práticas de Geografia 1 Índice Acessando o painel administrativo... 3 Gerenciamento de edições... 3 Gerenciamento de artigos... 3 Publicando mídias...

Leia mais

SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS

SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS SANTA MARIA FATECIENS 2008 Este manual tem por finalidade apresentar as especificações detalhadas da aplicação de Cadastro de Funcionários,

Leia mais

Themis Serviços On Line - Publicações

Themis Serviços On Line - Publicações Nome do documento Guia do Usuário Themis Serviços On Line - Publicações Sumário Introdução:... 3 1 - Cadastro dos Usuários do Themis Serviços On Line:... 3 2 - Acesso ao Sistema Themis Serviços On Line:...

Leia mais

TUTORIAL DE USO DO BUSINESS INTELLIGENCE (BI) PARA O HÓRUS-ESPECIALIZADO

TUTORIAL DE USO DO BUSINESS INTELLIGENCE (BI) PARA O HÓRUS-ESPECIALIZADO MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica Coordenação Geral do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica TUTORIAL

Leia mais

Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site.

Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site. Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site. Atenção: Os dados que aparecem nas imagens abaixo, são meramente ilustrativos, naturalmente os dados que devem ser visualizados,

Leia mais

Freedom Software. Sistema de Representação. Freedom Software Sistema de Representação Página 1

Freedom Software. Sistema de Representação. Freedom Software Sistema de Representação Página 1 Freedom Software Sistema de Representação Freedom Software Sistema de Representação Página 1 FREEVENDMOBILE (Sistema de Vendas Mó vel) Sumário INSTALAÇÃO:... 3 O SISTEMA... 7 MENU E BARRAS DO SISTEMA...

Leia mais

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Versão Fevereiro/2013 Índice PCS - Módulo de Prestação de Contas...3 Acesso ao Módulo PCS...3 1. Contas financeiras...5 1.1. Cadastro de

Leia mais

Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX

Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX 2011 Equipe Documentação Astra AstraLab 27/10/2011 Sumário Registro

Leia mais

MANUAL SICCL SQL SRTVS 701 Bloco O Ed. MultiEmpresarial Sala 804 Brasília/DF CEP 70340-000 Fone/Fax: (061) 3212-6700 E-mail: implanta@conselhos.com.

MANUAL SICCL SQL SRTVS 701 Bloco O Ed. MultiEmpresarial Sala 804 Brasília/DF CEP 70340-000 Fone/Fax: (061) 3212-6700 E-mail: implanta@conselhos.com. MANUAL SICCL SQL ÍNDICE ACESSANDO O SISTEMA SG - COMPRAS E CONTRATOS... 3 ATENDENDO SOLICITAÇÕES DE ITENS E SERVIÇOS... 5 VERIFICANDO A DISPONIBILIDADE DE RECURSOS... 7 ATENDER SOLICITAÇÕES COM PROCESSO

Leia mais

PROCESSO DE LICITAÇÃO E COMPRA DIRETA DO SISTEMA DE GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS GMS

PROCESSO DE LICITAÇÃO E COMPRA DIRETA DO SISTEMA DE GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS GMS PROCESSO DE LICITAÇÃO E COMPRA DIRETA DO SISTEMA DE GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS GMS Este manual não tem a pretensão de esgotar as dúvidas acerca dos procedimentos de compras de materiais e/ou serviços

Leia mais

ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO. 04 2 ACESSO. 05 3 CONSULTA DE PROTOCOLO. 07 4 PROTOCOLOS PENDENTES. 08 5 CONFIRMAÇÃO DE RECEBIMENTO. 09 6 ANDAMENTO DE PROTOCOLO

ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO. 04 2 ACESSO. 05 3 CONSULTA DE PROTOCOLO. 07 4 PROTOCOLOS PENDENTES. 08 5 CONFIRMAÇÃO DE RECEBIMENTO. 09 6 ANDAMENTO DE PROTOCOLO ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 04 2 ACESSO... 05 3 CONSULTA DE PROTOCOLO... 07 4 PROTOCOLOS PENDENTES... 08 5 CONFIRMAÇÃO DE RECEBIMENTO... 09 6 ANDAMENTO DE PROTOCOLO... 10 1 INTRODUÇÃO SISTEMA DE CONTROLE DE

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Manual de Utilização Envio de arquivos RPS. Versão 2.1

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Manual de Utilização Envio de arquivos RPS. Versão 2.1 NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Manual de Utilização Envio de arquivos RPS Versão 2.1 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. LAYOUT DO ARQUIVO... 4 3. TRANSMITINDO O ARQUIVO... 5 4. CONSULTANDO

Leia mais

Resposta penhora Online. Passo 1: Acesse ao site www.oficioeletronico.com.br Passo 2: Clique em "Autenticação com certificado digital"

Resposta penhora Online. Passo 1: Acesse ao site www.oficioeletronico.com.br Passo 2: Clique em Autenticação com certificado digital Resposta penhora Online Passo 1: Acesse ao site www.oficioeletronico.com.br Passo 2: Clique em "Autenticação com certificado digital" 1 Passo 3: Clique em "Autenticar. Deve constar o nome do usuário do

Leia mais

MANUAL - CONTABILIDADE

MANUAL - CONTABILIDADE MANUAL - CONTABILIDADE MANUAL - TABELAS CONTÁBEIS E ORÇAMENTÁRIAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. MÓDULO CONTABILIDADE...4 2.1. PLANO CONTÁBIL...4 2.2. BOLETIM CONTÁBIL...4 2.2.1. Lançamentos Contábeis...5

Leia mais

COINF. Roteiro de Treinamento 0800Net. Versões e Revisões deste Documento. Índice. 1. Nome do Projeto. 2. Roteiro. Roteiro Treinamento Solicitante

COINF. Roteiro de Treinamento 0800Net. Versões e Revisões deste Documento. Índice. 1. Nome do Projeto. 2. Roteiro. Roteiro Treinamento Solicitante Versões e Revisões deste Documento Data Comentário FEV/2009 Roteiro Treinamento Solicitante Autor Índice 1. Nome do Projeto...1 2. Roteiro...1 Entrando no sistema...1 Menu de Opções Meu Cadastro...2 Tela

Leia mais

Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações

Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações Versão 6 Objetivo do Manual Orientar sobre os procedimentos necessários para comunicação à SEFA da ocorrência de infrações à legislação do Programa

Leia mais

Neo Solutions Manual do usuário Net Contábil. Índice

Neo Solutions Manual do usuário Net Contábil. Índice Manual Neo Fatura 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Configurando o software para importar dados de clientes... 3 3. Importando o cadastro de clientes... 4 4. Cadastro de Bancos... 5 5. Cadastro de Conta Correntes...

Leia mais

Sistemas Corporativos da USP (Web)

Sistemas Corporativos da USP (Web) Sistemas Corporativos da USP (Web) O sistema de estágios remunerados da USP é fruto da colaboração das seguintes áreas da Reitoria da Universidade de São Paulo: Departamento de Recursos Humanos, Departamento

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA O ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO ESTADO DE SANTA CATARINA

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA O ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA O ENFRENTAMENTO DA DENGUE NO ESTADO DE SANTA CATARINA Outubro/2015

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESAU DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVEP GERÊNCIA DE AGRAVOS DE TRANSMISSÃO RESPIRAT, SEXUAL, VIG DO ÓBITO E SIST DE INFORMAÇÃO E - GATRSVOSI NÚCLEO

Leia mais

Mantis. Solicitando suporte. Manual do Cliente

Mantis. Solicitando suporte. Manual do Cliente Mantis Solicitando suporte Manual do Cliente Telefones: 3355-1594, 3350-6917, 4053 9165 - WWW.intelidata.inf.br Página 1 2012 Sumário USANDO O MANTIS PARA SOLICITAR SUPORTE... 3 Tela de Login... 3 Minha

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS GT-SINAN AGRAVO: LEISHIMANIOSE VISCERAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO

Leia mais