iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses"

Transcrição

1 No Marco Sabemos Mais Doenças Sexualmente Transmissíveis / Métodos Contracetivos Dia iagnóstico de Situação na Escola Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses Realizado pela: ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE - SEMEAR O AMANHÃ Com o apoio da: Porto, Fevereiro de 2013

2 ÍNDICE 0 INTRODUÇÃO ENQUADRAMENTO SELECÇÃO DA POPULAÇÃO A CARACTERIZAR CONSTRUÇÃO DO INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS COLHEITA E TRATAMENTO DE DADOS RESUMO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS IDENTIFICADOS CONCLUSÃO Página 2 de 29

3 0 INTRODUÇÃO O Projecto Saber Mais Doenças Sexualmente Transmissíveis baseia-se na abordagem das temáticas da prevenção dos comportamentos sexuais de risco que conduzem à Gravidez Indesejada na Adolescência e às Doenças Sexualmente Transmissíveis. O projecto está a ser desenvolvido na escola Secundária com 3º ciclo do Marco de Canaveses, respeitando a relação pedagógica dos docentes com os alunos, com o envolvimento da família e restante comunidade educativa, sensibilizado e reforçando a promoção de estilos de vida saudáveis, contribuindo assim para a promoção e protecção da saúde destas comunidades. Com este documento pretendemos descrever os passos que seguimos durante a elaboração da 1ª fase do nosso projecto, bem como as actividades por nós desenvolvidas, nomeadamente Definição a população a estudar; Construção do instrumento de colheita de dados Caracterização da população; Identificação dos principais problemas que afectam essa população. Este relatório está organizado segundo uma sequência lógica do nosso percurso no âmbito deste projecto de promoção da saúde e é constituído por uma pequena fundamentação teórica no âmbito do Planeamento de Saúde. Segue-se a descrição da metodologia por nós utilizada, desde a construção do instrumento de colheita de dados, a sua aplicação e principais resultados obtidos. Página 3 de 29

4 1 ENQUADRAMENTO O Planeamento em Saúde é um processo que permite a identificação de problemas de saúde a partir de um diagnóstico de situação. O planeamento em saúde procura, em última análise, um estado de saúde, através da sua promoção, prevenção de doenças, cura e reabilitação, incluindo mudanças no comportamento das populações, tal como o planeamento na educação procura um estado de conhecimento, através de um processo de ensino/aprendizagem, incluindo mudanças no comportamento. Pretende-se com o planeamento de saúde, enquanto mudança programada, (cf. Giraldes e Imperatori 1 ), modificar conscientemente a situação do sector, o que o classifica, do ponto de vista sociológico, como uma mudança social programada. Ao nível em que nos encontramos e atendendo à duração temporal deste projecto (1 ano), o nosso trabalho enquadra-se no planeamento operacional, característico de níveis inferiores da organização, tendo este como objecto os meios, os recursos disponíveis na área e a organização de actividades. O Diagnóstico de Situação, (cf. Giraldes & Imperatori 2 ), é o primeiro passo no processo de planeamento, devendo corresponder às necessidades da população. A concordância entre diagnóstico e necessidades determinará a pertinência do Projecto, esteja este vocacionado para a resolução ou minimização de problemas de saúde ou para a optimização ou aumento da eficiência dos Serviços prestadores de cuidados. 1 IMPERATORI, Emílio & GIRALDES Maria do Rosário (1993) METODOLOGIA DO PLANEAMENTO DA SAÚDE, Lisboa, 3ed., pág 23, 24 2 Ibidem, pág 43 Página 4 de 29

5 2 SELECÇÃO DA POPULAÇÃO A CARACTERIZAR Atendendo à natureza deste projecto, apesar de limitado pela sua curta duração (1 ano) e aos recursos disponíveis, inicialmente pensamos que não seria possível, de todo, fazer um estudo de toda a população desta escola. Contudo, com a colaboração do professor coordenador da Educação para a Saúde (Prof. Luís Silva) e os respetivos diretores de todas as turmas, foi possível entregar questionários aos cerca de 1500 alunos envolvidos no projecto. Um dos fatores que tem uma influência preponderante no sucesso de qualquer plano é o envolvimento de todos, desde o início do projecto, nomeadamente na definição de objectivos. Assim, para que todos sintam esse envolvimento e co-responsabilização, consideramos fundamental que as suas opiniões sejam tidas em conta e que conhecem o plano, procurando envolver e manter a par de todo o nosso trabalho os profissionais que directamente estão implicados na consecução do nosso projecto, nomeadamente: O Conselho executivo da Escola; O professor coordenador da Educação para a Saúde; Os diretores de turma; O diretor do Centro de Saúde de Marco de Canaveses; Os serviços de educação da Câmara de Marco de Canaveses. Página 5 de 29

6 3 CONSTRUÇÃO DO INSTRUMENTO DE COLHEITA DE DADOS Elaboramos o instrumento de colheita de dados (ANEXO I), baseados nos relatórios da OMS preconizados actualmente em diversos estudos, nomeadamente pela Direção Geral de Saúde. Genericamente, o questionário divide-se em 2 áreas: Caracterização dos jovens e da sua família; Questionário sobre Sexualidade, que aborda diversas temáticas: o Hábitos, Crenças e Opiniões sobre sexualidade; o Conhecimentos sobre Métodos Contraceptivos; o Conhecimento das Doenças Sexualmente Transmissíveis; o Teste Diagnóstico que servirá de Avaliação no final do projecto. As ações a desenvolver neste projecto de intervenção comunitária, visam tentar minimizar os problemas encontrados, promovendo a educação para a saúde, valorizando os recursos existentes na escola, nomeadamente os recursos humanos, sendo que estes representam uma mais-valia e uma forma potencial de dar continuidade ao nosso trabalho. Assim, procuramos com este trabalho identificar prioridades de intervenção para desenvolver um trabalho que nos permita melhorar os indicadores de saúde na óptica da rentabilização dos recursos existentes. Nos próximos pontos descreveremos sumariamente cada uma das variáveis e a sua pertinência na discussão dos resultados. Página 6 de 29

7 4 - COLHEITA E TRATAMENTO DE DADOS A colheita de dados foi realizada através dos questionários, distribuídos pelo Professor coordenador para a Saúde a todos os diretores de turma, que por sua vez os distribuíram pelos alunos. Os questionários foram aplicados à turma, na sala de aula, preenchidos voluntariamente e foram recolhidos de modo anónimo. Foi obtido o consentimento do Conselho Executivo da Escola para todo este processo. No tratamento dos dados, foi utilizado o programa informático SPSS, do qual utilizamos apenas a estatística descritiva. Deste tratamento estatístico emergiram vários problemas de saúde, em cada uma das áreas incluídas no questionário, sendo o passo seguinte o estabelecimento de prioridades. Uma vez que a população escolar deve participar activamente na concepção e implementação das actividades, a fim de que estas sejam exactamente adaptadas às necessidades e prioridades a nível das escolas, achamos por bem envolver todas as entidades na definição de prioridades. De seguida passamos à apresentação dos dados mais significativos da amostra. Página 7 de 29

8 Caracterização da amostra Neste ponto pretendemos descrever o género, a idade, o tipo de família e o estatuto socioeconómico destes jovens (n=1348). QUADRO 1 ANO DE ESCOLARIDADE No QUADRO 1 encontra-se a distribuição (em percentagem) dos 1348 jovens que responderam ao questionário. Página 8 de 29

9 QUADRO 2 GÉNERO No que diz respeito ao género (QUADRO 2), responderam ao questionário 738 raparigas (54,7%) e 610 rapazes (45,3%) Página 9 de 29

10 QUADRO 3 IDADE Verificamos que a maioria da população inquirida (54,6%) tem 15 anos (19,4%); 16 anos (20%) e 17 anos (15,2%). (QUADRO 3). Página 10 de 29

11 QUADRO 4 TIPOS DE FAMÍLIA DOS JOVENS Observamos que a maioria (59,4%) coabita com famílias de pais e irmãos ; em seguida com os pais (17,6%). Contudo, realçamos que muitos jovens não coabitam na família dita tradicional, sendo que 13,3% coabita apenas com o pai ou com a mãe e os restantes (9,7%) noutras situações identificadas (famílias alargadas, com avós, tios, etc.). Página 11 de 29

12 QUADRO 5 DESEMPREGO NOS FAMILIARES QUE COABITAM COM OS JOVENS Pela observação do QUADRO 5, verificamos que em 39,2% da nossa amostra existem pelo menos um familiar (que coabita com o jovem), que está desempregado. Página 12 de 29

13 QUADRO 6 NÍVEL SOCIO-ECONOMICO Como se pode observar no Quadro 6, a maioria dos jovens inquiridos (58,4%) pertence a um estrato socioeconómico médio-baixo (37,2%) e baixo (21,2%). Página 13 de 29

14 QUESTIONÁRIO SOBRE SEXUALIDADE Nesta parte do relatório iremos apresentar as frequências de respostas dadas pelos participantes a cada uma das perguntas e respetivas alíneas do questionário. CRENÇAS E ATITUDES 1. ACHAS QUE A MAIORIA DOS JOVENS DA TUA IDADE JÁ TEVE RELAÇÕES SEXUAIS? (n=1348) SIM 39.7 NÃO 21.8 NÃO SEI 38.5 A maioria dos participantes acha que os jovens da mesma idade já iniciaram a sua atividade sexual (39.7%). 2. COM QUE IDADE É QUE ACHAS QUE OS OUTROS JOVENS TIVERAM A SUA 1ª RELAÇÃO SEXUAL? (n=1348) 11 ANOS OU MENOS ANOS ANOS OU MAIS 89.2 De facto, uma larga maioria acha que a actividade sexual dos outros jovens se inicia a partir dos 14 anos ou mais. Página 14 de 29

15 3. ACHAS QUE OS JOVENS INICIAM A SUA ACTIVIDADE SEXUAL PORQUE: (n=1348) Querem experimentar SIM 88.4 NÃO 2.4 NÃO SEI 9.2 Estão apaixonados SIM 56.1 NÃO 17.4 NÃO SEI 26.5 Já namoram há muito tempo SIM 55.7 NÃO 19.2 NÃO SEI 25.1 Por insistência do parceiro SIM 36.5 NÃO 23.6 NÃO SEI 39.9 Para provar o seu amor SIM 35.5 NÃO 33.9 NÃO SEI 30.5 Porque os amigos já iniciaram SIM 47.5 NÃO 23.8 NÃO SEI 28.7 Quando questionados sobre alguns motivos para iniciar a actividade sexual, a maioria das respostas indica-nos, por ordem decrescente: Querem experimentar (88.4%); Estão apaixonados (56.1%); Já namoram há muito tempo (55.7%); Porque os amigos já iniciaram (47.5%); Para provar o seu amor (35.5%); Página 15 de 29

16 4. ACHAS IMPORTANTE USAR PRESERVATIVO PARA (n=1348) Evitar a gravidez SIM 98.0 NÃO 1.2 NÃO SEI 0.8 Evitar o HIV/SIDA SIM 96.8 NÃO 1.2 NÃO SEI 2.0 Evitar DST s SIM 96.0 NÃO 1.2 NÃO SEI 2.0 Outra razão SIM 26.5 NÃO 16.6 NÃO SEI 56.9 Sobre a importância do uso do preservativo, a grande maioria concorda que é importante, pois pode: Evitar a gravidez ; ou Evitar DST e o HIV/SIDA. Página 16 de 29

17 5. RELATIVAMENTE AO PRESERVATIVO, SENTES-TE À VONTADE PARA (n=1348) Conversar com o parceiro sobre o uso do preservativo SIM 62.1 NÃO 13.1 NÃO SEI 24.8 Convencer o parceiro a usar o preservativo SIM 69.1 NÃO 10.3 NÃO SEI 20.6 Recusar ter relações sem o preservativo SIM 62.1 NÃO 18.7 NÃO SEI 19.2 Recusar ter relações se não quiseres SIM 77.6 NÃO 7.6 NÃO SEI 14.8 Ir ao Centro de Saúde buscar preservativos SIM 41.3 NÃO 30.8 NÃO SEI 27.9 Ir à farmácia comprar preservativos SIM 53.5 NÃO 21.0 NÃO SEI 25.5 Falar com os teus pais sobre o seu uso SIM 36.7 NÃO 34.9 NÃO SEI 28.3 Relativamente à temática do preservativo, a maioria dos jovens refere que SIM em todas as situações apresentadas. Contudo uma percentagem importante ainda não está à vontade para ir ao Centro de Saúde ou à Farmácia buscar ou comprar preservativos, bem como falar com os pais sobre o seu uso. Página 17 de 29

18 COMPORTAMENTOS 6. TU JÁ TIVESTE RELAÇÕES SEXUAIS? (n=1209) SIM 18.8 NÃO 81.2 Como se pode verificar na tabela anterior, a maioria dos jovens ainda não iniciou a sua atividade sexual. 6.a COM QUE IDADE É QUE TIVESTE A TUA 1ª RELAÇÃO SEXUAL? (n=227) 11 ANOS OU MENOS ANOS ANOS OU MAIS 81.5 Com efeito, dos 227 jovens que dizem ter iniciado a sua atividade sexual, a maioria (81.5%) iniciou-a a partir dos 14 anos. 6.b QUE MÉTODO CONTRACEPTIVO USASTE NA TUA ÚLTIMA RELAÇÃO SEXUAL? (n=227) NÃO USEI NENHUM / COITO INTERROMPIDO 14.5 PÍLULA 8.8 PRESERVATIVO 76.7 A maioria dos jovens (76.7%) que já iniciou a sua atividade sexual refere ter usado o preservativo na sua última relação sexual. Página 18 de 29

19 6.c ALGUMA VEZ TIVESTE RELAÇÕES SOB EFEITO DE ÁLCOOL OU DROGAS? (n=227) SIM 24.7 NÃO 75.3 A maioria dos jovens que iniciou a atividade sexual nunca teve relações sob o efeito de álcool ou drogas, contudo 56 jovens referem que essa situação já aconteceu. 6.d ALGUMA VEZ TIVESTE RELAÇÕES COM ALGUÉM 10 ANOS MAIS VELHO QUE TU? (n=227) SIM 18.1 NÃO 81.9 A maioria dos jovens que iniciou a atividade sexual nunca teve relações com indivíduos 10 anos mais velhos. De realçar que este tipo de situação ocorreu com 41 jovens. 6.e NOS ÚLTIMOS 12 MESES TIVESTE RELAÇÕES SEXUAIS COM? (n=227) TOTAIS % 1 PARCEIRO 77.1 MAIS DO QUE 1 PARCEIRO 22.9 Nos últimos 12 meses a maioria dos jovens teve relações apenas com 1 parceiro. Página 19 de 29

20 6.f JÁ FOSTE EXAMINADO POR UM TÉCNICO DE SAÚDE, A QUEM DISSESTE QUE ÉS SEXUALMENTE ACTIVO? (n=227) TOTAIS % NÃO 73.6 MÉDICO 16.7 ENFERMEIRO 6.6 OUTROS 3.1 A maioria dos jovens que iniciou a sua atividade sexual, ainda não foi observada/encaminhada por nenhum técnico de saúde. CONHECIMENTOS 7. ACHAS QUE A EDUCAÇÃO SEXUAL SERVE PARA (n=1348) Prevenir a gravidez SIM 67.1 NÃO 21.1 NÃO SEI 11.8 Tirar dúvidas SIM 93.0 NÃO 2.2 NÃO SEI 4.8 Evitar doenças SIM 77.8 NÃO 11.0 NÃO SEI 11.2 Ajudar a encontrar parceiros SIM 12.5 NÃO 72.5 NÃO SEI 15.0 Quando questionados sobre a importância da Educação sexual nas escolas, referem, respectivamente: Tirar dúvidas ; Evitar doenças ; e Prevenir a gravidez. Página 20 de 29

21 8. QUEM ESCOLHES PARA FALAR SOBRE SEXUALIDADE: (n=1348) Amigos SIM 74.1 NÃO 15.7 NÃO SEI 10.2 Pais SIM 39.9 NÃO 38.9 NÃO SEI 21.2 Professores SIM 12.8 NÃO 64.5 NÃO SEI 22.7 Profissionais de Saúde SIM 29.3 NÃO 48.3 NÃO SEI 22.4 A maioria destes jovens refere que escolhe os Amigos para falar sobre Sexualidade. Em seguida aparecem os Pais como indivíduos privilegiados para discutir a temática da sexualidade, se bem que uma percentagem significativa não considera esta opção. No que diz respeito aos Profissionais de saúde a maioria dos jovens não considera esta possibilidade para falar sobre sexualidade. Por fim, os Professores não surgem como opção para a maioria dos jovens para abordar a temática da sexualidade. Página 21 de 29

22 9. QUAL É A TUA FONTE DE INFORMAÇÃO SOBRE AS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST)? (n=1348) TV SIM 73.3 NÃO 20.7 NÃO SEI 6.0 Internet SIM 77.4 NÃO 17.4 NÃO SEI 5.2 Amigos SIM 53.1 NÃO 35.1 NÃO SEI 11.8 Literatura SIM 24.2 NÃO 62.7 NÃO SEI 13.1 Profissionais de saúde SIM 58.9 NÃO 29.5 NÃO SEI 11.6 Os jovens referem como principais fontes de informação sobre as DST: a Internet ; a TV ; e os Profissionais de Saúde. Página 22 de 29

23 10. ACHAS QUE UMA PESSOA PODE CONTRAIR UMA DOENÇA SEXUALMENTE TRANMISSÍVEL A PARTIR DE (n=1348) Tosse ou espirro SIM 14.2 NÃO 70.8 NÃO SEI 15.0 Mãe (durante a gravidez) SIM 62.1 NÃO 20.1 NÃO SEI 17.8 Abraço SIM 4.8 NÃO 82.4 NÃO SEI 12.8 Chávena do café SIM 17.2 NÃO 61.5 NÃO SEI 21.3 Relação sexual desprotegida SIM 93.8 NÃO 1.6 NÃO SEI 4.6 Transfusão de sangue SIM 77.0 NÃO 8.6 NÃO SEI 14.4 Sobre as vias de transmissão de DST, a maioria refere a relação sexual desprotegida e a transfusão de sangue como as formas de contrair DST, contudo ainda existem jovens que acham que as DST podem ser transmitidas através da Tosse ou Espirro, de um Abraço ou de um Chávena de café. Página 23 de 29

24 11. ASSINALA DUAS (2) FORMAS DE PREVENIR AS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS a. Abstinência Sexual b. Pílula c. Preservativo d. Coito interrompido e. Pílula do dia seguinte (n=1348) RESPOSTAS CORRECTAS 47.9 RESPOSTAS ERRADAS 52.8 A maioria dos jovens teve respostas erradas pois não conseguiram assinalar 2 formas de evitar DST. De salientar que muitos destes jovens têm a crença de que as pílulas podem evitar DST. 12. ASSINALA TRÊS (3) DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS: a. Sífilis; b. Herpes genital; c. Hepatite B d. SIDA; e. Tétano (n=1348) RESPOSTAS CORRECTAS 2.6 RESPOSTAS ERRADAS 97.4 A grande maioria não conseguiu assinalar nas opções possíveis 3 DST, com efeito, apesar de não haver dificuldades em escolher a SIDA como uma opção correta, foram raros os jovens que conseguiram identificar as restantes. Página 24 de 29

25 13. ACHAS-TE SUFICIENTEMENTE INFORMADO SOBRE OS SEGUINTES MÉTODOS CONTRACEPTIVOS? (n=1348) Contraceção hormonal SIM 41.2 NÃO 31.9 NÃO SEI 26.9 Preservativo SIM 90.0 NÃO 3.8 NÃO SEI 6.2 DIU (Dispositivo Intra-Uterino SIM 48.7 NÃO 30.3 NÃO SEI 21.0 Diafragma SIM 47.8 NÃO 29.4 NÃO SEI 22.8 Espermicida SIM 47.5 NÃO 29.9 NÃO SEI 22.6 Contraceção cirúrgica SIM 47.9 NÃO 27.5 NÃO SEI 24.6 Contraceção de emergência SIM 40.9 NÃO 33.5 NÃO SEI 25.6 Métodos naturais SIM 59.1 NÃO 24.4 NÃO SEI 16.5 Cerca de metade dos jovens afirma estar suficientemente informado acerca de métodos contracetivos. Excluindo o preservativo, existe uma parte significativa de jovens que não se considera suficientemente informado acerca do tema. Página 25 de 29

26 Foi aplicado um teste de diagnóstico de conhecimentos sobre a temática da sexualidade que continha 22 questões de resposta Verdadeiro/Falso. Na tabela seguinte pode-se verificar a percentagem de respostas corretas dadas pelos alunos: TESTE DIAGNÓSTICO DE CONHECIMENTOS 7º ANO 73 % 8º ANO 74 % 9º ANO 82 % 10º ANO 80 % 11º ANO 83 % 12º ANO 83 % Por fim, foi dada a oportunidade aos alunos de sugerirem actividades/temáticas que achariam interessantes para as aulas de educação sexual. Há que referir que a maioria dos alunos não fez qualquer sugestão. De seguida apresentamos um conjunto de observações feitas pelos alunos: SUGESTÕES DE ACTIVIDADES/TEMÁTICAS DOS ALUNOS Demonstrações de colocação de preservativo Formas de evitar DST Como evitar a gravidez indesejada Saber usar métodos contraceptivos Que alterações vão sofrer o corpo Conhecer os nossos sentimentos Cuidados a ter durante uma relação sexual Perigos/consequências das relações sexuais desprotegidas Idade de início da actividade sexual Explicar a influência das hormonas Abusos sexuais na adolescência Abuso de substâncias que levam a relações não consentidas Formas de adquirir métodos anticoncepcionais Página 26 de 29

27 5 RESUMO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS IDENTIFICADOS 3º Ciclo e Secundário Participaram 1348 jovens Amostra São 738 raparigas (54,7%) e 610 rapazes (45,3%) Têm entre 11 e 20 anos e a maioria da população (54,6%) tem 15 anos (19,4%), 16 anos (20%) e 17 anos (15,2%) A maioria (77%) coabita com os pais (17,6%) e pais e irmãos (59,4%). Jovem e sua família 13,3% coabita apenas com o pai ou com a mãe e os restantes (9,7%) noutras situações identificadas. Em 39,2% da nossa amostra existem pelo menos um familiar (que coabita com o jovem), que está desempregado. A maioria (58,4%.) pertence a um estrato socioeconómico baixo (21,2%) e médio-baixo (37,2%). Página 27 de 29

28 RESUMO DA LISTA DE PROBLEMAS CRENÇAS ATITUDES E CONHECIMENTOS 40% acha que a maioria dos jovens da sua idade já iniciou a sua actividade sexual 36 a 48% consideram motivos para iniciar a atividade sexual: a insistência do parceiro; dar uma prova de amor; ou porque os amigos já iniciaram 74% escolhe os amigos para falar sobre sexualidade Apenas 13% refere escolher os professores para falar sobre sexualidade 53 a 77% demonstra preferência por fontes de informação pouco credíveis/seguras 30% não considera os profissionais de saúde como um fonte de informação sobre as DST Apenas 41% a 48% diz saber o que são Métodos Contracetivos 5 a 17% acha que as DST se transmitem por tosse/espirro, abraços ou chávenas de café 52% acha que tomar a pílula previne as DST 98% não conseguiu assinalar 3 DST em 4 opções possíveis: sífilis, hepatite B, herpes genital e SIDA COMPORTAMENTOS 19% refere ter iniciado a actividade sexual Destes, 15% não usou nenhum método contraceptivo na última relação sexual 25% assume já ter tido relações sobre o efeito de álcool ou drogas 18% refere que tiveram relações com um parceiro 10 anos mais velho 74% nunca foi observado/acompanhado por um técnico de saúde desde que iniciou a atividade sexual Página 28 de 29

29 6 CONCLUSÃO Procuramos com este trabalho apresentar à comunidade escolar da Escola Secundária com 3º Ciclo de Marco de Canaveses, bem como aos restantes parceiros deste projecto, um retrato acerca de alguns aspectos da vida destes jovens. Os problemas aqui identificados não serão diferentes daqueles que poderíamos encontrar em qualquer outra comunidade escolar, contudo, são alguns e existem nesta comunidade. Esta recolha de informação pretende sustentar um trabalho que nos parece necessário, pois acreditamos que a nossa intervenção ao nível da promoção da informação e do conhecimento acerca das Doenças Sexualmente Transmissíveis e dos Métodos Contraceptivos é necessária e justificada. Tendo em conta a ausência de uma cultura que valoriza a recolha sistemática de dados, tentamos obter informação pertinente para o planeamento dos serviços de saúde. Há também que salientar o tempo que os profissionais de saúde da associação investiram na construção deste instrumento de colheita de dados e a criar condições para a sua aplicação e na obtenção de colaboração das partes envolvidas, pois acreditamos que terá o seu reconhecimento e apoio para a resolução dos problemas identificados. Apesar de conhecermos de antemão estas dificuldades, não abdicamos das metas por nós inicialmente traçadas, uma vez que sabemos que este diagnóstico de situação será útil, para futuras intervenções. Desta forma, com a continuidade deste projecto, pretendemos fixar este objectivo e atingi-lo de forma mais estruturada e pertinente. Página 29 de 29

(Inquérito Nacional Sobre Saúde Reprodutiva e Comportamento Sexual dos Jovens e ADolescentes)

(Inquérito Nacional Sobre Saúde Reprodutiva e Comportamento Sexual dos Jovens e ADolescentes) INJAD (Inquérito Nacional Sobre Saúde Reprodutiva e Comportamento Sexual dos Jovens e ADolescentes) OBJECTIVOS DO INJAD Proporcionar informação sobre saúde reprodutiva dos jovens e adolescentes que seja

Leia mais

Estudo quantitativo. Fevereiro 2012. Em parceria com

Estudo quantitativo. Fevereiro 2012. Em parceria com Estudo quantitativo Duarte Vilar Fevereiro 2012 Em parceria com CARACTERIZAÇÃO GERAL CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA 40 35 44,6 Masculino 30 25 55,0 Feminino 20 15 10 5 0 19 E MENOS 20-29 MAIS DE 30 35,0 30,0

Leia mais

Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!*

Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!* Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!* SANTOS, Jessica Suriano dos 1 ; ANJOS, Antônio Carlos dos 2 ; RIBEIRO, Álvaro Sebastião Teixeira 3 Palavras-chave: Educação Sexual; Doenças Sexualmente Transmissíveis;

Leia mais

Educação sexual no contexto escolar em Portugal: dando voz aos alunos

Educação sexual no contexto escolar em Portugal: dando voz aos alunos Educação sexual no contexto escolar em Portugal: dando voz aos alunos Autor(es): Margarida Gaspar de Matos (1) Daniel Sampaio (2) & Equipa do Projecto Aventura Social (3) (1) Faculdade de Motricidade Humana/UTL;

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto Planeamento Familiar e Educação Afectivo-sexual No quadro normativo nacional, aplicável à Região Autónoma

Leia mais

Manual do facilitador

Manual do facilitador Manual do facilitador Introdução Este manual faz parte do esforço para institucionalizar o sistema de informação de uma maneira coordenada a fim de que as informações possam ser de acesso de todos que

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 2009/2010 Índice ÍNDICE... 1 1. IDENTIFICAÇÃO... 2 2. FUNDAMENTAÇÃO... 2 3. FINALIDADES/OBJECTIVOS... 3 4. ESTRATÉGIA OPERATIVA/METODOLOGIA... 3 4.1. PÚBLICO-ALVO... 3 4.2.

Leia mais

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Vírus do Herpes

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Vírus do Herpes Este módulo tem por objectivo ensinar aos alunos o modo como a actividade sexual pode levar à transmissão de micróbios e doenças. O Capítulo 2.3, Infecções Sexualmente Transmissíveis, ensina aos alunos

Leia mais

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa.

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa. Administração Regional de Saúde do Alentejo, IP Centro de Saúde de Montemor-o-Novo Crescer Saudável O Programa de Educação para a Saúde Crescer Saudável surge no âmbito do Programa Nacional de Saúde r

Leia mais

1[ ] Muito baixo 2[ ] Baixo 3[ ] Médio 4[ ] Alto 5[ ] Muito alto

1[ ] Muito baixo 2[ ] Baixo 3[ ] Médio 4[ ] Alto 5[ ] Muito alto QUESTIONÁRIO Anexo 1 Este questionário destina-se à realização de um trabalho de investigação na área da educação sendo garantido o total anonimato, confidencialidade e protecção dos seus dados. Se concordar

Leia mais

PARA UMA ESCOLA PROMOTORA DA CIDADANIA E DA SAÚDE

PARA UMA ESCOLA PROMOTORA DA CIDADANIA E DA SAÚDE PARA UMA ESCOLA PROMOTORA DA CIDADANIA E DA SAÚDE Apresentação da APF A Associação para o Planeamento da Família (APF) é uma IPSS com Finalidades de Saúde, criada em 1967 e que tem como missão Contribuir

Leia mais

Agradecimentos (por ordem alfabética):

Agradecimentos (por ordem alfabética): Agradecimentos (por ordem alfabética): Alexandra Esteves (ECAV/UTAD) Alexandra Sanfins (FMV/ULHT) Américo Dias (ESE/IPPorto) Ana Allen Gomes (DCE/UAveiro) Ângela Maia (EP/Uminho) Célia Alves (ESPAB, Sines)

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de análise sociológica na área da Sociologia da Educação, não tem sido uma prática comum, não o tendo sido tão-pouco noutras

Leia mais

Ideias para o Reaproveitamento do Antigo Hotel. Estoril e da Piscina Municipal Estoril. Relatório da análise das opiniões recolhidas junto da

Ideias para o Reaproveitamento do Antigo Hotel. Estoril e da Piscina Municipal Estoril. Relatório da análise das opiniões recolhidas junto da Ideias para o Reaproveitamento do Antigo Hotel Estoril e da Piscina Municipal Estoril Relatório da análise das opiniões recolhidas junto da sociedade e do inquérito efectuado por telefone Apresentado pela:

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

CESOP. Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador:

CESOP. Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador: Inquérito n.º CESOP Saúde e Sexualidade Versão Masculina (V2) Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador: Chamo-me e trabalho para o Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade

Leia mais

Projecto Educação Para a Saúde

Projecto Educação Para a Saúde AGRUPAMENTO VERTICAL FERNANDO CASIMIRO Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Introdução Projecto Educação Para a Saúde No seguimento do Ofício-Circular nº 69 de 20 de Outubro de 2006 procedente do

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul

A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul 1 A importância do animador sociocultural na Escola Agrupamento de Escolas de Matosinhos Sul Margarida Soares (*) O Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul tem três animadores socioculturais afectos ao Projecto

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO Psicólogas do Externato Pré-Escolar Dra. Irene Lopes Cardoso 1º Ciclo - (1º e 2º anos) Dra. Irene Lopes Cardoso (3º e 4º anos) Dra. Manuela Pires

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Comunidade Educativa (GACE)

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Comunidade Educativa (GACE) Núcleos de Estudo Caderno de Apoio Núcleos de Estudo 1 Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir para sair daqui? [perguntou a Alice] Isso depende muito de para onde é que queres ir disse o Gato.

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Secção Autónoma de Ciências da Saúde 1. INTRODUÇÃO Em 2003 foi criado o Mestrado em Geriatria e Gerontologia, que se iniciou no

Leia mais

Anexo 1 Profissões Especificadas

Anexo 1 Profissões Especificadas Anexo 1 Profissões Especificadas Profissão N % Estudante Desempregada Trabalhadora-Estudante Psicóloga Enfermeira Engenheira Vendedora Professora Investigadora Jornalista Advogada Escriturária Assistente

Leia mais

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal Ordem dos Enfermeiros Rede de Jovens Enfermeiros Estudo sobre situação profissional dos jovens enfermeiros em Portugal Autores: Raul Fernandes (Coordenador) Beto Martins, Bruno Maurício, Daniela Matos,

Leia mais

O Agrupamento de escolas do concelho

O Agrupamento de escolas do concelho O Agrupamento de escolas do concelho de Campo Maior...... Agrupamento de Escolas de Campo Maior A missão do Agrupamento de Escolas de Campo Maior reside na promoção do sucesso educativo e na valorização

Leia mais

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa Este questionário contém perguntas sobre as tuas experiências e tipo de aprendizagem na disciplina de Ciências Naturais. Não há respostas correctas nem erradas, apenas as que correspondem à forma como

Leia mais

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA 1 CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ENQUADRAMENTO Um projecto de prevenção em saúde mental na área da primeira infância implica sempre uma união de esforços e um trabalho em conjunto

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Netsonda Network Research Travessa do Jasmim 10 1º Andar 1200-230 Lisboa Tel. 21.3429318 Fax 21.3429868 Estudo Número N de

Leia mais

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento Enquadramento Lei nº 39/2010, de 2 de Setembro «CAPÍTULO VI Mérito escolar Artigo 51.º -A Prémios de mérito 1 Para efeitos do disposto na alínea h) do artigo 13.º, o regulamento interno pode prever prémios

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011. A Coordenadora: Maria José Castro Inácio. Ano Lectivo 201o/2011 1

Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011. A Coordenadora: Maria José Castro Inácio. Ano Lectivo 201o/2011 1 Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011 A Coordenadora: Maria José Castro Inácio Ano Lectivo 201o/2011 1 Pode não passar de uma banalidade de senso comum, mas nem por isso é menos

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF

Leia mais

SEXUALIDADE &AFECTOS

SEXUALIDADE &AFECTOS SEXUALIDADE &AFECTOS UMA ENERGIA QUE NOS MOTIVA A PROCURAR AMOR, TERNURA, INTIMIDADE CONTACTO, (OMS) A necessidade de estarmos próximos de outras pessoas, de receber e dar carinho, amor, miminhos, beijinhos

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Neste capítulo visamos efectuar, em primeiro lugar, uma descrição clara e sucinta do conhecimento na área das atitudes dos alunos face à inclusão de alunos com deficiência e, em segundo lugar, definir

Leia mais

7º Ano 8º Ano 9º Ano. Ficha de avaliação

7º Ano 8º Ano 9º Ano. Ficha de avaliação 1. As principais diferenças entre as raparigas na infância e a adolescência são: Aumento das mamas, alargamento da anca e crescimento de pelos púbicos Aparecimento da menstruação, crescimento de pelos

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores Questionário Desenvolvimento Profissional dos Professores Com este questionário pretende-se contribuir para o conhecimento de algumas dimensões do desenvolvimento profissional dos professores portugueses,

Leia mais

Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas.

Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas. Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas. Manual elaborado pela equipa técnica do projeto MAIS JOVEM.

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Educação Básica sobre a ESEC 4 3.2. Opinião

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING

PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING BR/2007/PI/H/3 PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING Brasília 2007 PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING -

Leia mais

Gravidez precoce e a saúde da mulher. Geografia da Saúde Prof. Raul Borges Guimarães

Gravidez precoce e a saúde da mulher. Geografia da Saúde Prof. Raul Borges Guimarães Gravidez precoce e a saúde da mulher Geografia da Saúde Prof. Raul Borges Guimarães Gravidez indesejada? https://www.youtube.com/watch?v=fzg3mtvbhdu O que você acha desta charge? Essa imagem tem circulado

Leia mais

Fernandinho Domingos Sanca

Fernandinho Domingos Sanca COMÉRCIO ELECTRÓNICO E PAGAMENTO MEDIANTE CARTÃO DE CRÉDITO NO ORDENAMENTO JURÍDICO ESPANHOL: UMA PROPOSTA PARA A SUA IMPLEMENTAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO DA GUINÉ-BISSAU Fernandinho Domingos Sanca Dr.

Leia mais

Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens. Observatório do Endividamento dos Consumidores

Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens. Observatório do Endividamento dos Consumidores Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens Observatório do Endividamento dos Consumidores 2 Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens. 1. Considerações

Leia mais

Planificação das Atividades do Projeto de Educação para a Saúde

Planificação das Atividades do Projeto de Educação para a Saúde Planificação das Atividades do Projeto de Educação para a Saúde 1 - Educação Alimentar gerais - Ausência do hábito de tomar o pequenoalmoço. - Consequências de uma alimentação desequilibrada. - Sensibilizar

Leia mais

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas OBJECTVOS: Avaliar a capacidade do/a professor(a) de integrar esta abordagem nas actividades quotidianas. sso implicará igualmente uma descrição

Leia mais

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA 1 de Abril de 2004 População e Sociedade Educação e Formação 2003 (Dados provisórios) APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA No último ano, mais de um milhão e meio de indivíduos com 15 ou mais anos, ou seja, 18,7,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA Departamento do 1ºCiclo PLANO DE TURMA Ano Turma Plano de Turma 1º Ciclo Ano Letivo 20 /20 Índice Introdução 1. Caracterização da turma 1.1. Caracterização dos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas

Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas (16ª edição) REGULAMENTO Preâmbulo Encorajar mais pessoas a aprender mais línguas tem uma importância óbvia para a

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013 RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DO PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES RELATIVO A 2012/2013 1 - Enquadramento O presente relatório tem enquadramento legal no artigo 13.º alínea f, do Decreto -Lei nº 75/2008, de 22

Leia mais

Museus como plataformas para a inovação social:

Museus como plataformas para a inovação social: Museus como plataformas para a inovação social: Projecto-piloto educativo em espaços culturais Um projecto-piloto para jovens em situação de vulnerabilidade e exclusão social a desenvolver em colaboração

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha PSICOLOGIA APLICADA A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha Psicologia aplicada É impossível pensar em psicologia, sem pensar em intervenção, pois esta tem uma dimensão prática que

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Workshop1 Voluntariado na área social e humanitária nacional Dinamizadores: Vo.U Associação de Voluntariado Universitário

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Regulamentos CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Secção Permanente do Senado de 16 de Novembro de 2005 Exposição de Motivos O desenvolvimento de um projecto de qualidade educativa

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Metodologia do Ensino de Educação

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

A última relação sexual

A última relação sexual PARTE G QUESTIONÁRIO AUTO-PREENCHIDO (V1 - M) As próximas perguntas são sobre a sua vida sexual. É muito importante que responda, pois só assim poderemos ter informação sobre os hábitos sexuais da população

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO SABICHÕES - 2011/2012 INDICE

PROJECTO PEDAGÓGICO SABICHÕES - 2011/2012 INDICE PROJECTO PEDAGÓGICO SABICHÕES - 2011/2012 INDICE 1. Caracterização do grupo 2. Organização do Espaço e do Tempo 3. Tema e fundamentação teórica do projecto o Mundo dos animais em vias de extinção da sala

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

< Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB >

< Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB > Índice < Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB > Índice Índice... 2 Métodos Contraceptivos... 3 O que são?... 3 Métodos Reversíveis... 4 Métodos Contraceptivos Hormonais... 4 Pílula Contraceptiva...

Leia mais

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA

POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA POLÍTICA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE SOBRE HIV/SIDA PREÂMBULO A Universidade Católica de Moçambique, reconhecendo que o País enfrenta actualmente uma devastadora pandemia do HIV/SIDA; cumprindo

Leia mais

I n o v a J o v e n s C r i a t i v o s E m p r e e n d e d o r e s p a r a o s é c u l o X X I P á g i n a 1

I n o v a J o v e n s C r i a t i v o s E m p r e e n d e d o r e s p a r a o s é c u l o X X I P á g i n a 1 P á g i n a 1 Inova Jovens Criativos, Empreendedores para o Século XXI DGIDC Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular do Ministério da Educação e Ciência IPDJ Instituto Português do Desporto

Leia mais

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI 1 HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI Roberto Kennedy Gomes Franco, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB, e-mail: robertokennedy@unilab.edu.br

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância/Ensino Secundário Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil Turma [I] do 10º Ano de Escolaridade

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

Caderneta de Saúde do(a) Adolescente

Caderneta de Saúde do(a) Adolescente Caderneta de Saúde do(a) Adolescente Dentre as ações do Ministério da saúde da área técnica da saúde do adolescente e do jovem, encontra-se a Caderneta da Saúde do(a) Adolescente (2009). portalsaude.saude.gov.br

Leia mais

Questionário sobre a aplicação da Recomendação do Parlamento Europeu. 1. Quadro 1 instituições que gerem o património cinematográfico

Questionário sobre a aplicação da Recomendação do Parlamento Europeu. 1. Quadro 1 instituições que gerem o património cinematográfico Ref. Ares(2014)21497-08/01/2014 Questionário sobre a aplicação da Recomendação do Parlamento Europeu Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema, I.P. (CP-MC) 1. Quadro 1 instituições que gerem o património

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais