Projecto Educação Para a Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto Educação Para a Saúde"

Transcrição

1 AGRUPAMENTO VERTICAL FERNANDO CASIMIRO Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Introdução Projecto Educação Para a Saúde No seguimento do Ofício-Circular nº 69 de 20 de Outubro de 2006 procedente do Ministério da Educação, que regulamenta a implementação do projecto Educação para a Saúde e de acordo com o Projecto Educativo do Agrupamento, são definidas como áreas prioritárias de intervenção: - Alimentação e actividade física; - Consumo de substâncias psicoactivas; - Sexualidade; - Infecções sexualmente transmissíveis, designadamente VIH-Sida; - Violência em meio escolar. A Educação Sexual é parte integrante e obrigatória da Educação para a Saúde. De acordo com: As conclusões do Relatório Preliminar de 31 de Outubro de 2005 do GTES; O Despacho nº 25995/2005 (2ª série) da Ministra da Educação; O Despacho do SEE de 27 de Setembro; Os programas em vigor; A actual reorganização curricular, que inclui as áreas curriculares não disciplinares (ACND). 1. Objectivos Gerais - Ajudar os jovens e adolescentes a fazerem escolhas informadas; - Fomentar hábitos de vida saudável; - Criar situações potencialmente construtivas no sentido do desenvolvimento de competências capazes de favorecer o equilíbrio e o bem-estar futuro dos jovens e adolescentes; 1

2 - Compreender que a saúde e qualidade de vida implicam uma relação connosco, com os outros e com o ambiente; - Assumir uma atitude crítica face aos comportamentos que comprometem o equilíbrio do organismo; - Proporcionar aos Pais e Encarregados de Educação sessões informativas que os ajudem a gerir e solucionar possíveis problemas. 2. Estratégias de Implementação a) Incluir as temáticas de intervenção - nas áreas curriculares não disciplinares (Área-Projecto, e Formação Cívica). b) Interacção e inter-colaboração com - Coordenadores de Ciclo; - Departamentos Disciplinares; - Conselhos de Turma. c) Criação de parcerias - Câmara Municipal de Rio Maior; - Centro de Saúde de Rio Maior; - Associação de Pais e Encarregados de Educação. d) Criação de uma Equipa de Trabalho: (1 tempo semanal para cada elemento que integra a equipa) - Dinamização das articulações necessárias; - Análise, discussão e planificação de actividades; - Contactos vários. 3. Bases do Projecto problemas identificados na Escola 1. Início da vida sexual dos adolescentes cada vez mais precoce; 2. Défice ao nível do desenvolvimento afectivo; 3. Baixo grau de esclarecimento/conhecimento sobre contracepção; 2

3 4. Falta de esclarecimento sobre doenças sexualmente transmissíveis (especialmente SIDA e Hepatite B); 5. Défice de noções básicas de saúde; 6. Falta de regras alimentares básicas; 7. Aumento do número de alunos que consomem substâncias ilícitas e que usa e abusa do tabaco e do álcool, em idades cada vez mais precoces; 8. Falta de respeito e tolerância para com os outros; 9. Pouco envolvimento dos Encarregados de Educação em todos os problemas anteriormente focados. 4. OBJECTIVOS DO PROJECTO/ÁREAS DE INTERVENÇÃO - Alimentação e actividade física - Reconhecer as consequências de uma má alimentação (obesidade, anorexia, diabetes, doenças cardiovasculares, etc.). - Conhecer as regras básicas de uma alimentação saudável. - Reconhecer a importância da prática de exercício físico na promoção da saúde. - Consciencializar para a necessidade de praticar regras básicas de higiene. - Sexualidade - Reconhecer a sexualidade como uma das dimensões mais sensíveis da personalidade humana. - Reconhecer os riscos associados ao início de uma vida sexual. - Prevenir a gravidez antes de tempo e doenças através da contracepção e do uso do preservativo. - Dar a conhecer os meios de recurso em caso de gravidez. - Iniciar o estudo da sexualidade no 1º ciclo. - Consumo de substâncias psicoactivas - Tomar consciência dos problemas que podem advir com o consumo de drogas lícitas e ilícitas. 3

4 - Violência em meio escolar - Tomar consciência dos problemas que podem advir devido à falta de tolerância/respeito para com os outros. Segundo o Grupo de trabalho para a Educação Sexual - GTES, a Sexualidade é uma área de trabalho obrigatório, devendo cada turma realizar uma sessão mensal na área específica da sexualidade; No contexto nacional actual, os objectivos mínimos nesta área devem, entre os 6º e 9º anos: - Compreender a fisiologia geral da reprodução humana. - Compreender o ciclo menstrual e ovulatório. - Compreender a sexualidade como uma das componentes mais sensíveis da pessoa, no contexto de um projecto de vida que integre valores (ex: afectos, ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética. - Compreender a prevalência, uso e acessibilidade dos métodos contraceptivos e conhecer, sumariamente, os mecanismos de acção e tolerância (efeitos secundários). - Compreender a epidemiologia e prevalência das principais IST em Portugal e no mundo (incluindo infecção por VIH/Vírus da Imunodeficiência Humana, VPH2/Vírus do Papiloma Humano - e suas consequências) bem como os métodos de prevenção. - Conhecer as taxas e tendências de maternidade na adolescência e compreender o respectivo significado. - Conhecer as taxas e tendências das interrupções voluntárias de gravidez, as suas sequelas e respectivo significado. No contexto educativo actual, os objectivos mínimos nesta área contemplam da seguinte forma os três ciclos: 4

5 PRIMEIRO CICLO (1º ao 4º Ano) - Noção de corpo; - O corpo em harmonia com a natureza; - Noção de família; - Diferenças entre rapazes e raparigas; - Protecção do corpo e noção dos limites, dizendo não às aproximações abusivas, e dando disso conhecimento à família e/ou professor(a); SEGUNDO CICLO (5º e 6º Ano) - Puberdade: aspectos biológicos e emocionais; - O corpo em transformação; - Caracteres sexuais secundários, normalidade, importância e frequência das suas variantes bio-psicológicas (heterocronia); - Diversidade e tolerância; - Sexualidade e género; - Reprodução humana e crescimento; - Contracepção e planeamento familiar. TERCEIRO CICLO (7º,8º e 9º Ano) 7º e 8º ANO - Compreender a fisiologia geral da reprodução humana; - Compreender o ciclo éstrico; - Compreender a sexualidade como uma das componentes mais sensíveis da pessoa humana, no contexto de um projecto de vida que integre valores (ex. afectos, ternura, crescimento e maturidade emocional, capacidade de lidar com frustrações, compromissos, abstinência voluntária) e uma dimensão ética; - Compreender a prevalência, uso e acessibilidade dos métodos contraceptivos e conhecer, sumariamente, os seus efeitos secundários; - Compreender a epidemiologia e prevalência das principais infecções sexualmente transmitidas em Portugal e no mundo exemplo do VPH (vírus do papiloma humano), suas consequências e prevenção; 5

6 - Saber como se protege o seu próprio corpo, prevenindo a violência e o abuso físico sexual e comportamentos sexuais de risco, dizendo não a pressões emocionais e sexuais. 8º e 9º ANO - Conhecer as taxas e tendências nacionais da maternidade em geral e da adolescência em particular, e compreender o seu significado; - Conhecer as taxas e tendências das interrupções voluntárias da gravidez, suas sequelas e respectivo significado; - Compreender a noção de parentalidade no quadro de uma saúde sexual e reprodutiva saudável e responsável. As indicações sugeridas são apenas orientações gerais. Podem e devem ser adaptadas pela escola e por cada professor(a) justamente em função das idades, de circunstâncias locais que o justifiquem e das necessidades específicas dos adolescentes. Actividades previstas: a) Comemoração do dia Mundial Alimentação - Dia da fruta, sumos naturais e sandes saudáveis; - Festival das sopas. - Realização de jogos relacionados com a temática da alimentação b) Sessões de esclarecimento para Encarregados de Educação no âmbito das áreas de intervenção consideradas prioritárias. c) MEXE-TE - Realização de actividades físicas periódicas. Avaliação: - Relatório de actividades (final ano lectivo). 6

7 d) Dinamizar actividades para os dias comemorativos: Datas Comemoração 16 de Outubro Dia Mundial da Alimentação 17 de Novembro Dia Mundial do Não Fumador 1 de Dezembro Dia Mundial da Sida 11 de Fevereiro Dia Mundial do Doente 7 de Abril Dia Mundial da Saúde 8 de Abril Dia Mundial da Luta contra o cancro 17 de Abril Dia Mundial da Hemofilia 29 de Maio Dia Mundial da Energia 31 de Maio Dia Mundial Sem Tabaco EBI Fernando C. P. Silva, Setembro de 2009 A Coordenadora O Director 7

8 8

Planificação das Atividades do Projeto de Educação para a Saúde

Planificação das Atividades do Projeto de Educação para a Saúde Planificação das Atividades do Projeto de Educação para a Saúde 1 - Educação Alimentar gerais - Ausência do hábito de tomar o pequenoalmoço. - Consequências de uma alimentação desequilibrada. - Sensibilizar

Leia mais

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 2009/2010 Índice ÍNDICE... 1 1. IDENTIFICAÇÃO... 2 2. FUNDAMENTAÇÃO... 2 3. FINALIDADES/OBJECTIVOS... 3 4. ESTRATÉGIA OPERATIVA/METODOLOGIA... 3 4.1. PÚBLICO-ALVO... 3 4.2.

Leia mais

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa.

Crescer Saudável. Promover e proteger a saúde e prevenir a doença na comunidade educativa. Administração Regional de Saúde do Alentejo, IP Centro de Saúde de Montemor-o-Novo Crescer Saudável O Programa de Educação para a Saúde Crescer Saudável surge no âmbito do Programa Nacional de Saúde r

Leia mais

Atividades do Projeto Educação para a Saúde

Atividades do Projeto Educação para a Saúde Atividades do Projeto Educação para a Saúde A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que a saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, não consistindo somente numa ausência de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

Projeto Promoção e Educação para a Saúde - PES

Projeto Promoção e Educação para a Saúde - PES Projeto - Promoção e Educação para a Saúde 015/016 Projeto Promoção e Educação para a Saúde - Índice 1. Preâmbulo... 3. Identificação da Equipa... 3 3. Finalidades do Projeto... 3 4. Metodologia... 4 5.

Leia mais

Promoção da Educação para a Saúde - +Saúde EDUCAÇÃO SEXUAL

Promoção da Educação para a Saúde - +Saúde EDUCAÇÃO SEXUAL EDUCAÇÃO SEXUAL Distribuição de conteúdos Curriculares, tempos letivos e disciplinas intervenientes.º Ciclo 7.º Dimensão ética da sexualidade humana. Compreensão da sexualidade como uma das componentes

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 09/13 INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 09/13 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A par do trabalho de transmissão de conhecimentos organizados em disciplinas, a escola deve, também, educar para os valores, promover a saúde, a formação e a participação cívica dos alunos,

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES. Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional Nº 18/2000/A de 8 de Agosto Planeamento Familiar e Educação Afectivo-sexual No quadro normativo nacional, aplicável à Região Autónoma

Leia mais

2011/2013. Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck)

2011/2013. Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) 2011/2013 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) Índice Introdução... 2 Caracterização... 4 Objectivos do Projecto... 4 Metodologia... 5 Identificação

Leia mais

(Inquérito Nacional Sobre Saúde Reprodutiva e Comportamento Sexual dos Jovens e ADolescentes)

(Inquérito Nacional Sobre Saúde Reprodutiva e Comportamento Sexual dos Jovens e ADolescentes) INJAD (Inquérito Nacional Sobre Saúde Reprodutiva e Comportamento Sexual dos Jovens e ADolescentes) OBJECTIVOS DO INJAD Proporcionar informação sobre saúde reprodutiva dos jovens e adolescentes que seja

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011. A Coordenadora: Maria José Castro Inácio. Ano Lectivo 201o/2011 1

Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011. A Coordenadora: Maria José Castro Inácio. Ano Lectivo 201o/2011 1 Agrupamento Vertical de Escolas de Marco de Canaveses 2010/2011 A Coordenadora: Maria José Castro Inácio Ano Lectivo 201o/2011 1 Pode não passar de uma banalidade de senso comum, mas nem por isso é menos

Leia mais

Plano de acção. Outubro 2011

Plano de acção. Outubro 2011 Plano de acção Outubro 2011 Ano Lectivo 2011/2012 PÁGINA - 2 INTRODUÇÃO A legislação em vigor determina que o Projecto Educativo da Escola (PEE) deve incluir temáticas relacionadas com a Promoção e Educação

Leia mais

JOVENS PROMOTORES DE SAÚDE

JOVENS PROMOTORES DE SAÚDE AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO JOVENS PROMOTORES DE SAÚDE Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz e Fernanda Cunha Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivos Gerais e Específicos

Leia mais

PARA UMA ESCOLA PROMOTORA DA CIDADANIA E DA SAÚDE

PARA UMA ESCOLA PROMOTORA DA CIDADANIA E DA SAÚDE PARA UMA ESCOLA PROMOTORA DA CIDADANIA E DA SAÚDE Apresentação da APF A Associação para o Planeamento da Família (APF) é uma IPSS com Finalidades de Saúde, criada em 1967 e que tem como missão Contribuir

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

2013/2017 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck)

2013/2017 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) 2013/2017 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) Índice Introdução... 2 Caracterização... 4 Objetivos do Projecto... 4 Metodologia... 5 Identificação

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

Projecto PES - Educação Sexual 2010-2011 /2011-2012. Agrupamento Vertical de Escolas nº2 de Elvas. Projecto PES. Educação Sexual

Projecto PES - Educação Sexual 2010-2011 /2011-2012. Agrupamento Vertical de Escolas nº2 de Elvas. Projecto PES. Educação Sexual Projecto PES Educação Sexual Ano Lectivo 2010-2011 / 2011-2012 Índice PREÂMBULO...3 Enquadramento Legal...4 OBJECTIVOS GERAIS...6 LOCAL DE REALIZAÇÃO DO PROJECTO...6 PLANIFICAÇÕES...7 PLANIFICAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

*B08023049E* Data: 07-03-2008

*B08023049E* Data: 07-03-2008 *B08023049E* C I R C U L A R Nº B08023049E Data: 07-03-2008 Serviço de Origem: DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSUNTOS JURÍDICOS E CONTENCIOSO ENVIADA PARA: Inspecção Geral da Educação Direcções Gerais Direcções

Leia mais

Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva

Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 2013/14 A Coordenadora: Maria do Castelo Nunes da Costa INTRODUÇÃO A Saúde é um fator essencial da vida humana. Segundo

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação. Plano de Trabalho

Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação. Plano de Trabalho Plano de Trabalho 2013/2014 Índice ntrodução... 2 Finalidade do projeto... 3 Objetivos do projeto... 3 Áreas temáticas de... 3 Objetivos por área temática... 4 ntervenientes... 4 Atividades... 5 Avaliação...

Leia mais

Projeto: Promoção e Educação para a Saúde

Projeto: Promoção e Educação para a Saúde Projeto: Promoção e Educação para a Saúde Plano Anual de Atividades No âmbito do projeto Promoção e Educação para a Saúde realizar-se-ão diversas actividades, entre as quais se destacam: Exposições temáticas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

Competências Parentais

Competências Parentais ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Competências Parentais Autor: Inês Eugénio Título: Competências Parentais Coordenação da Mala Formativa: Graça Pinto,

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

Calendarização da Avaliação de Desempenho Docente Educadores e Professores dos Quadros - Anos Lectivos: 2007/2009

Calendarização da Avaliação de Desempenho Docente Educadores e Professores dos Quadros - Anos Lectivos: 2007/2009 Calendarização da Avaliação de Desempenho Docente Educadores e Professores dos Quadros - Anos Lectivos: 2007/2009 Desenvolvimento da Avaliação Intervenientes Calendarização Observações Definição dos Objectivos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s Regulamento Interno Serviço de Educação Especial 1 Artigo 1.º Definição 1.1. O Presente documento define e regula o funcionamento e a missão

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais

(Quatro anos depois) 1998-2002. Promoção da Saúde Oral nos Jovens, Janeiro 2006 OS ADOLESCENTES PORTUGUESES AVENTURA SOCIAL & SAÚDE 1987-2006

(Quatro anos depois) 1998-2002. Promoção da Saúde Oral nos Jovens, Janeiro 2006 OS ADOLESCENTES PORTUGUESES AVENTURA SOCIAL & SAÚDE 1987-2006 (Quatro anos depois) 1998-2002 Margarida Gaspar de Matos, *Faculdade de Motricidade Humana. ** CMDT/ Instituto de Higiéne e Medicina Tropical Promoção da Saúde Oral nos Jovens, Janeiro 2006 1987-2006 Parceiros

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Prevalência e Incidência do Excesso de Peso e Obesidade e suas Determinantes nos alunos do EJAF

Prevalência e Incidência do Excesso de Peso e Obesidade e suas Determinantes nos alunos do EJAF EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Comemoração do Dia Mundial de Alimentação Chás de Honra para Pais e Filhos Prevalência e Incidência do Excesso de Peso e Obesidade e suas Determinantes nos alunos do EJAF Arruda

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Sampaio

Agrupamento de Escolas de Sampaio Agrupamento de Escolas de Sampaio Projeto de Educação para a Saúde 2014/2015 Índice 1. Prioridades...3 1.1. Educação Alimentar e Atividade Física. 3 1.2. Prevenção dos Comportamentos Aditivos e Dependências....4

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS PROFESSOR JOÃO DE MEIRA CONCURSO: CRESCER SAUDÁVEL

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS PROFESSOR JOÃO DE MEIRA CONCURSO: CRESCER SAUDÁVEL AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS PROFESSOR JOÃO DE MEIRA CONCURSO: CRESCER SAUDÁVEL INTRODUÇÃO: O concurso Crescer Saudável pretende premiar trabalhos desenvolvidos pelos alunos do agrupamento na área de

Leia mais

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira A Educação Financeira nas Escolas: O Referencial de Educação Financeira e a formação de docentes 5ª Conferência Internacional de Educação Financeira Perspetivas e reflexões: por uma cidadania ativa Educação

Leia mais

2010/2011 Plano Anual de Actividades

2010/2011 Plano Anual de Actividades 2010/2011 Plano Anual de Actividades Cristiana Fonseca Departamento de Educação para a Saúde 01-07-2010 2 Plano Anual de Actividades Introdução Quando em 1948 a Organização Mundial de Saúde definiu a saúde

Leia mais

Plano Anual Saúde Escolar

Plano Anual Saúde Escolar Escola Básica e Secundária de Velas Plano Anual Saúde Escolar 2015- Equipa de Saúde Escolar INTRODUÇÃO A Escola Básica e Secundária de Velas, através da Equipa de Saúde Escolar e conjuntamente com o Centro

Leia mais

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2008/2009 ANEXO III 2008/2009

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2008/2009 ANEXO III 2008/2009 Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2008/2009 ANEXO III 2008/2009 ÍNDICE Pág. INTRODUÇÃO........ 3 OBJECTIVOS........ 4 ACTIVIDADES/ESTRATÉGIAS...... 4 MATERIAL........ 5 RECURSOS HUMANOS.......

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAT

REGULAMENTO INTERNO DO CAT REGULAMENTO MISERICÓRDIA DA FREGUESIA DE SANGALHOS INTERNO DO CAT CAPITULO I Norma I Natureza do Estabelecimento Tipo de Estabelecimento: Centro de Acolhimento Temporário de Crianças e Jovens em Risco

Leia mais

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses No Marco Sabemos Mais Sobre @ Doenças Sexualmente Transmissíveis / Métodos Contracetivos (SMS@DST) Dia iagnóstico de Situação na Escola Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses Realizado pela: ASSOCIAÇÃO

Leia mais

MAPA DE PESSOAL / ANO DE 2012

MAPA DE PESSOAL / ANO DE 2012 MUNICÍPIO DE CARRAZEDA DE ANSIÃES MAPA DE PESSOAL / ANO DE 202 Atribuições / a criar Artigo º do Decreto-lei n.º 93/200, de 20 de Abril Director de Departamento 2 (a) Artigo º do Decreto-lei n.º 93/200,

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE. Ano Letivo 2012/2013 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANIFICAÇÃO ANUAL CIÊNCIAS NATURAIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE. Ano Letivo 2012/2013 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANIFICAÇÃO ANUAL CIÊNCIAS NATURAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE Ano Letivo 2012/2013 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANIFICAÇÃO ANUAL CIÊNCIAS NATURAIS 9º ANO As Docentes Responsáveis: 1º Periodo Unidade

Leia mais

Formulário de Candidatura Nº de entrada /2015

Formulário de Candidatura Nº de entrada /2015 Formulário de Candidatura Nº de entrada /2015 INFORMAÇÃO GERAL Antes de começar a preencher o presente formulário de candidatura, por favor leia o regulamento do CONCURSO CUIDAR 15, disponível no sítio

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Ano Letivo 2015/2016

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Ano Letivo 2015/2016 Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Ano Letivo 2015/2016 Proposta de Projetos/Atividades/Estratégias para o PAA Projeto de Educação para a Saúde (P.E.S.) Com a realização das atividades pretendemos:

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Despacho Conjunto n.º 891/99 No domínio da intervenção precoce para crianças com deficiência ou em risco de atraso grave de desenvolvimento,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS 2014/2015 PROJETO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS 2014/2015 PROJETO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS 20142015 PROJETO Crescer Saudável Responsáveis do Projeto de Educação para a Saúde: Professoras - Ana Paula Lucas Ferreira e Regina Vieira Pires Página 1 1. Descrição

Leia mais

Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio

Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio Primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro, que define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio Avaliação efectuada pelo Coordenador e Departamento de ducação special Grelha de Avaliação da Observação da Aula Avaliado: Avaliador: Disciplina/Área Data / / A Preparação e organização das actividades

Leia mais

14-07-2011 05/11 ASSUNTO: CONSTITUIÇÂO DE TURMAS 2011-2012 C/CONHECIMENTO A: REMETIDO A: Transmitido via E-mail Institucional...

14-07-2011 05/11 ASSUNTO: CONSTITUIÇÂO DE TURMAS 2011-2012 C/CONHECIMENTO A: REMETIDO A: Transmitido via E-mail Institucional... DATA: NÚMERO: 14-07-2011 05/11 C/CONHECIMENTO A: REMETIDO A: SG Secretaria-Geral do Ministério da Educação... GGF Gabinete de Gestão Financeira... DGIDC Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular...

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO COORDENADORA: CARLA GASPAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO COORDENADORA: CARLA GASPAR COORDENADORA: CARLA GASPAR PROJECTOS DE ÂMBITO NACIONAL COORD. SOFIA DE JESUS COORD. FÁTIMA FERRAZ COORD. DOLORES LEITE (3º ciclo) COORD. ERNESTINA PINHEIRO COORD. Mª MANUEL MONTEIRO (Pré-Escolar) PROJECTOS

Leia mais

CONCLUSÕES. 2. Funcionamento do Núcleo de Educação Especial

CONCLUSÕES. 2. Funcionamento do Núcleo de Educação Especial CONCLUSÕES Analisados os documentos considerados necessários, ouvidos docentes, encarregado de educação e órgão de administração e gestão, e após a observação directa dos apoios prestados, concluiu-se

Leia mais

JOGOS TRADICIONAIS. Alunos das Esc. do 1º Ciclo do Ensino Básico. População idosa. Elementos que integram os clubes desportivos do Município

JOGOS TRADICIONAIS. Alunos das Esc. do 1º Ciclo do Ensino Básico. População idosa. Elementos que integram os clubes desportivos do Município Alunos das Esc. do 1º Ciclo do Ensino Básico População idosa Elementos que integram os clubes desportivos do Município JOGOS TRADICIONAIS Projecto de dinamização de jogos tradicionais. Promove a prática

Leia mais

CONCURSO. A nossa escola pela não violência

CONCURSO. A nossa escola pela não violência CONCURSO A nossa escola pela não violência O concurso A nossa escola pela não violência pretende premiar produtos e acções de sensibilização produzidos por alunos e alunas do 3º Ciclo do Ensino Básico

Leia mais

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino Básico Relatório-Síntese Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ÉVORA CÓDIGO 135537 CONCELHO DE ÉVORA DELEGAÇÃO REGIONAL

Leia mais

Comissões de Protecção de Crianças as e Jovens. Carregal do Sal

Comissões de Protecção de Crianças as e Jovens. Carregal do Sal Comissões de Protecção de Crianças as e Jovens Carregal do Sal 1 1 Enquadramento Inicial A criança Direitos Legislação 2 A criança a como sujeito de direito Para além m dos direitos humanos reconhecidos

Leia mais

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS ESTATUTO DO ALUNO DIREITOS E DEVERES - LEI 39/2010, DE 2 DE SETEMBRO Artigo 7.º Responsabilidade dos alunos 1. Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento,

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010 8.2 Do requerimento devem constar os seguintes elementos: a) Identificação completa (nome, filiação, naturalidade, data de nascimento,

Leia mais

2011 2012 AÇÃO DE FORMAÇÃO ARTE FLORAL

2011 2012 AÇÃO DE FORMAÇÃO ARTE FLORAL PLANO DE AÇÃO ANUAL 2012 dezembro de 2011 a junho 2012 AÇÃO DE FORMAÇÃO ARTE FLORAL Público-alvo: Beneficiários Do Rendimento Social de Inserção Nº de Participantes: 16 Horário: 9h00-17h30 Contacto: 249

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

GÉNERO NO CONTEXTO DO SISTEMA EDUCATIVO EM ANGOLA (2º Forum Lusófono de Mulheres em Postos de Decisão) Francisca Espírito Santo 15 de Julho de 2002

GÉNERO NO CONTEXTO DO SISTEMA EDUCATIVO EM ANGOLA (2º Forum Lusófono de Mulheres em Postos de Decisão) Francisca Espírito Santo 15 de Julho de 2002 GÉNERO NO CONTEXTO DO SISTEMA EDUCATIVO EM ANGOLA (2º Forum Lusófono de Mulheres em Postos de Decisão) Francisca Espírito Santo 15 de Julho de 2002 1 Caracterização da situação A educação é um direito

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL * * * Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE GRELHA DE OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO PESSOAL DOCENTE (Decreto Regulamentar Nº 2/2008, de 10 de Janeiro) Identificação

Leia mais

PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES

PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES 2012/2013 PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES Pré-Escolar 1. Sempre que um educador falte por um período de curta duração, os alunos na componente curricular serão assegurados pela Assistente Operacional

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

PORTEFÓLIO. Escola Secundária José Saramago - Mafra

PORTEFÓLIO. Escola Secundária José Saramago - Mafra PORTEFÓLIO Ana Lúcia Reis Ferreira Cardoso ana.ferreiracardoso1@sapo.pt 917606856 Mafra Membro Efetivo da Ordem dos Psicólogos nº. 5347 Certificado de Competências Pedagógicas de Formador EXPERIÊ CIA PROFISSIO

Leia mais

Objectivos e Actividades

Objectivos e Actividades Objectivos e Actividades O que é a CPCJ? De acordo com o artºº, n.º da Lei n.º47/ 99 de de Setembro: A Comissão de Protecção de Crianças e Jovens é uma instituição oficial não judiciária, com autonomia

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL ASSISTENTE DE ACÇÃO EDUCATIVA (M/F)

PERFIL PROFISSIONAL ASSISTENTE DE ACÇÃO EDUCATIVA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL ASSISTENTE DE ACÇÃO EDUCATIVA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL Assistente de Acção Educativa Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - SERVIÇOS DE APOIO A CRIANÇAS

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16 (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) Os alunos com Necessidades Educativas Especiais, de caráter permanente, a beneficiar de Medidas

Leia mais

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências.

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências. O assunto que hoje trago a este Parlamento Luta Contra as Toxicodependências - não é de fácil abordagem, mas é de interesse relevante para a Região. No mundo em que vivemos existem problemas de ordem vária

Leia mais