HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO"

Transcrição

1 HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO ARYENNE KAROLYNNE DE OLIVEIRA 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, JOSÉ ARTHUR DE ABREU CAMASSA 3, FERNANDO YOITI KITAMURA KAWAMOTO 4, PAULA BAÊTA DA SILVA RIOS 5 RESUMO: Com o aumento da expectativa de vida dos cães e gatos, cresce também a incidência de doenças que são relacionadas com o avançar da idade. A manifestação de algumas neoplasias como o hemangiossarcoma (HSA), por exemplo, está fortemente ligada a idade avançada e também a algumas raças que são mais predispostas. A raça Pastor Alemão é considerada a mais acometida. Hemangiossarcoma é uma neoplasia maligna e é o segundo tipo histológico mais comum em cães. Origina-se nas células endoteliais dos vasos, por isso pode acometer qualquer tecido vascularizado, mas tem seu sítio primário e principal no baço. O HSA tem característica de apresentar grande malignidade e fazer focos de metástases devido à sua origem nas células dos vasos sanguíneos, o que torna rápida a disseminação das células tumorais por via hematógena. O diagnóstico é confirmado a partir do exame histopatológico por biópsia ou excisão do tumor, por punção aspirativa com agulha fina (PAAF) ou biópsia incisional. O tratamento é cirúrgico e pode ser associado à quimioterapia ou radioterapia. Palavras-chave: Hemangiossarcoma, Neoplasia, Baço, Cão. INTRODUÇÃO Hemangiossarcoma (HSA) é uma neoplasia maligna e é o segundo tipo histológico mais comum em cães (LAWALL, 2008). Origina-se nas células endoteliais dos vasos, por isso pode acometer qualquer tecido vascularizado (LAWALL et al., 2008; MAGALHÃES et al., 2007; FERRAZ et al.,2008), mas tem seu sítio primário e principal no baço. O HSA tem a maior prevalência em cães, fato que ressalta a importância de maior atenção nesse grupo quando comparado com as demais espécies, principalmente os cães com idade compreendida entre oito e 13 anos (FERRAZ et al.,2008) e de grande porte como, por exemplo, Pastor Alemão (FOSSUM, 2005; FERRAZ et al.,2008), Labrador Retriever, Golden Retriever e Boxer (FERRAZ et al., 2008). Destas raças, Pastor Alemão é a mais acometida (FOSSUM, 2005; FERRAZ et al.,2008). Quanto à predileção sexual, segundo Macwen (2001) e Schultheiss (2004) citados por (FERRAZ et al., 2008), parece haver maior incidência em machos. REFERENCIAL TEÓRICO A etiologia dos hemangiossarcomas ainda não é esclarecida, mas se acredita que em cães a exposição à luz ultravioleta está associada ao surgimento do HSA (FERRAZ et al., 2008). Os sinais clínicos variam bastante e dependem do local afetado. A manifestação mais grave é a morte súbita, que é causada por uma hemorragia intensa na cavidade abdominal ou torácica devido à ruptura do tumor (FERRAZ et al.,2008). Os sinais são bastante inespecíficos como, por exemplo, apatia, distensão do abdome, pulso e respiração aumentados, e mucosas hipocoradas (MAGALHÃES et al., 2007; FERRAZ et al.,2008; FOSSUM, 2005). Segundo (HAMER, 2004), os pacientes são direcionados ao centro veterinário com episódios de colapsos agudos e fraqueza, que são resultados da ruptura do tumor e hemorragia intraabdominal.

2 O baço é o órgão mais acometido e é o sítio primário da afecção; entretanto, fígado, coração e pele são também acometidos e podem ser sítios primários. Segundo (MACWEN, 2001), dois terços dos tumores de baço são HSA, sendo a neoplasia esplênica de maior importância. Por se tratar de uma neoplasia originada do endotélio vascular, pode, então, ocorrer em qualquer região vascularizada do corpo como pele, pulmões, rins, cavidade oral, músculos, ossos, bexiga urinária, etc (LAWALL et al., 2008; MAGALHÃES et al., 2007; FERRAZ et al.,2008). Da mesma forma que o HSA é a neoplasia esplênica mais comum, o HSA de átrio direito é a neoplasia cardíaca mais comum (MAGALHÃES et al., 2007; FERRAZ et al.,2008). Devido a isso é importante, antes de cada cirurgia, a realização de um ecocardiograma, já que é possível a existência de um HSA atrial concomitante com o esplênico (FOSSUM, 2005). O HSA tem característica de apresentar grande malignidade e fazer focos de metástases devido à sua origem nas células dos vasos sanguíneos, o que torna rápida a disseminação das células tumorais por via hematógena. Sendo assim, órgãos como pulmões, fígado, omento e mesentério recebam podem rapidamente receber células neoplásicas, tornando-se alvos de metástase (MAGALHÃES et al., 2007; FERRAZ et al.,2008). O hemangiossarcoma pode ser classificado de acordo com a extensão dos danos, com três graus de intensidade. No estágio 1, o HSA encontra-se confinado ao baço, no estágio 2 há ruptura esplênica com ou sem invasão linfática, e no estágio 3 já existe metástase linfática e em outras regiões (LAWALL et al., 2008). O diagnóstico é confirmado a partir do exame histopatológico por biópsia ou excisão do tumor, por punção aspirativa com agulha fina (PAAF) ou biópsia incisional (MAGALHÃES et al., 2007; FERRAZ et al., 2008; FOSSUM, 2005). O diagnóstico diferencial para HSA esplênico inclui leiomiossarcoma, linfoma, osteossarcoma, fibrossarcoma, lipossarcoma, mesenquimoma, sarcomas indiferenciados e histiocitoma fibroso maligno, ou até o hematoma esplênico não-neoplásico, hiperplasia nodular e hemangioma (FERRAZ et al., 2008; FOSSUM, 2005). Auxiliar ao diagnóstico e considerado um dado importante, verifica-se que 80% dos pacientes com HSA apresentam metástase em omento (FERRAZ et al., 2008). Para verificação de metástases, é fundamental a realização de exames de ultrassonografia e radiografia de abdome e tórax (FOSSUM, 2005), e o ecocardiograma para casos em que haja suspeita de envolvimento cardíaco (FOSSUM, 2005; FERRAZ et al., 2008). Os achados hematológicos são muito importantes para o diagnóstico e também para auxiliar no tratamento pré, trans e pós-cirúrgico. A hemorragia intracavitária pode levar a uma anemia regenerativa normocítica normocrômica e leucocitose neutrofílica, trombocitopenia e coagulação intravascular disseminada (FERRAZ et al., 2008). O tratamento é cirúrgico (LAWALL et al., 2008; FERRAZ et al.,2008; FOSSUM, 2005) e pode ser associado à quimioterapia ou radioterapia. Pode ser realizada esplenectomia total ou a excisão do tumor com margem de segurança de dois a três centímetros em todos os sentidos ao seu redor (FERRAZ et al., 2008). A quimioterapia é de grande importância como adjuvante ao tratamento, sendo recomendados protocolos a base de doxorrubicina, que é o agente mais ativo (LAWALL et al., 2008), podendo ser empregada separadamente ou associada ao sulfato de vincristina, prednisona e ciclofosfamida (LAWALL et al., 2008; FERRAZ et al.,2008). A doxorrubicina como agente único é administrada na dose de 30 mg/m² por via intravenosa a cada três semanas, no total de cinco aplicações (HAMMER, 2004), o mesmo autor também sugere a associação de doxorrubicina e ciclofosfamida no dia 1, na dose de 50 a 75 mg/m² por via oral, nos dias 3 e 6, protocolo que deve ser repetido a cada três semanas, com um total de cinco ciclos. Um terceiro protocolo, segundo o mesmo autor, foi a associação desses dois fármacos ao sulfato de vincristina, sendo que a ciclofosfamida sofre uma alteração da dose para 100 mg/m². Nesse caso, deve ser associada à doxorrubicina (30 mg/m² por via intravenosa) no dia 1 e ao sulfato de vincristina (0,7 mg/m² por via intravenosa) nos dias 8 e 15. O protocolo deve ser repetido no dia 22 e devem ser realizados de quatro a cinco ciclos. A sobrevida para o primeiro e para o terceiro protocolos é de 172

3 dias, já com o segundo protocolo é de 202 dias, sendo este considerado o protocolo mais efetivo (HAMMER, 2004)

4 MATERIAL E MÉTODOS Foi atendido no Setor de Cirurgia Veterinária do Hospital Veterinário da UFLA, um cão da raça Boxer de nove anos de idade e não castrado. À anamnese a proprietária relatou que o animal apresentava apatia há dois dias, episódios de vômito, polidipsia, apetite seletivo, normoúria, fezes apresentando consistência pastosa, e que estava ofegante e sem histórico de doenças anteriores. Ao exame clínico, a frequência cardíaca era de 120 batimentos cardíacos por minuto, pulso forte e coincidente, apresentava-se ofegante, as mucosas estavam normocoradas e o tempo de preenchimento capilar era menor que 2 segundos. Os linfonodos não estavam reativos. Ao exame físico dos sistemas cardiovascular e respiratório não havia alterações dignas de nota à auscultação, e à palpação abdominal foram observados esplenomegalia e hepatomegalia. Nos demais sistemas não foram observadas alterações dignas de nota. O paciente foi encaminhado ao Setor de Diagnóstico por Imagem para realização de ultrassonografia abdominal. Excetuando-se o baço, os órgãos abdominais estavam dentro dos padrões de normalidade. O baço foi descrito como de topografia habitual, contorno irregular, ecotextura de aspecto heterogêneo, dimensões aumentadas e ecogenicidade mista. Presença de formações circunscritas irregulares de ecogenicidade mista, heterogêneas, difusas pelo parênquima com diversos tamanhos, demonstrando a maior 6 cm de diâmetro. Não havia líquido livre em abdome e estômago e alças intestinais estavam dentro dos padrões ultrassonográficos normais. Ao exame radiográfico de tórax não havia presença de metástase pulmonar. O exame de eletrocardiograma sinalizava que o paciente estava apto a ser submetido aos procedimentos anestésico e cirúrgico. Conforme os exames hematológicos, o paciente apresentava trombocitopenia acentuada, leucopenia leve e havia aumento da fosfatase alcalina. Os diagnósticos prováveis eram de hemangioma ou hemangiossarcoma esplênico. Recomendou-se a realização de celiotomia exploratória, com possível esplenectomia associada. Durante o procedimento cirúrgico, notou-se a presença de coágulos próximos à região do baço, e esse órgão apresentava muitas formações. Algumas destas nodulações estavam rompidas, havendo extravasamento de sangue, o que seria a origem dos coágulos. Havia metástases em omento, mas os demais órgãos não apresentavam evidências de focos metastáticos. O baço encontrava-se com o tamanho muito aumentado e com significativa perda de sangue durante a manipulação cirúrgica. Realizou-se no período final da cirurgia uma transfusão sanguínea no paciente. Ao fim da cirurgia, o paciente encontrava-se relativamente estável. Prescreveu-se para o período pós-cirúrgico o antibiótico enrofloxacina 5 mg/kg SID por via oral, durante 7 dias, anti-inflamatório Meloxicam,1 mg/kg por via oral SID durante 5 dias, Cloridrato de Tramadol 4 mg/kg TID por via oral durante 5 dias. O baço, juntamente com massas e fragmentos de omento, foi encaminhado ao Setor de Patologia Veterinária para realização de exame histopatológico, confirmando-se o diagnóstico de hemangiossarcoma. Devido à idade avançada do animal, ao curto tempo previsto de sobrevida e à presença de outras neoplasias externas (mastocitoma escrotal), a proprietária optou por não realizar quimioterapia adjuvante. RESULTADOS E DISCUSSÃO O paciente descrito neste trabalho está em conformidade com as informações da literatura especializada, onde consta que a maior incidência de HSA é em cães, machos, com idade compreendida entre oito e 13 anos, havendo raças consideradas predispostas (FERRAZ et al., 2008). Segundo relatado por Ferraz et al. (2008), um dos achados hematológicos em casos de HSA é a leucocitose, o que não ocorreu no caso aqui relatado. Mas, conforme relatos desses autores, a trombocitopenia é esperada e, no caso deste trabalho, realmente estava presente e bem acentuada.

5 As informações da colhidas na anamnese e os sinais clínicos apresentados pelo paciente correspondem aos mencionados na literatura. Ferraz et al. (2008) e Magalhães et al., 2007, relataram que o omento é o maior foco de metástase, sendo esse o único foco metastático encontrado no paciente em questão. Conforme os estágios de diferenciação de HSA relatados por Lawall et al. (2008), o paciente do presente trabalho encontra-se entre o estágio 2, em que ocorre ruptura esplênica com ou sem invasão linfática, e o estágio 3, em que já existe metástase linfática e em outras regiões. CONCLUSÃO O HSA é uma neoplasia importante, com prognóstico reservado a desfavorável, que se diagnosticada a tempo pode evitar não só quadros mais graves, como ruptura do órgão, mas também de metástases. É possível associar o tratamento cirúrgico a modalidades como quimioterapia e radioterapia, o que tem proporcionado aumento da sobrevida, com melhora na sua qualidade, para os pacientes acometidos por essa afecção. REFERÊNCIAS FERRAZ, J. R. S. Hemangiossarcoma canino: revisão de literatura. Jornal Brasileiro de Ciência Animal, Campos Dos Goytacazes, p FOSSUM, T. W. Cirurgia de pequenos animais. 2ed. São Paulo: Roca, 2005, 1319 p. HAMMER, A.S.; COUTO, C.G.; FILPPI, J.; GETZY, D.; SHANK, K. Efficacy and toxicity of VAC chemotherapy (vincristine, doxorrubicin and cyclophosphamide) in dogs with hemangiosarcoma. J Vet Intern Med, v. 5, n. 3, p , LAWALL, T.; et al. Hemangiossarcoma em cães: Estudo de três casos clínico-cirúrgicos no Hospital Veterinário da Universidade Luterana do Brasil no ano de Disponível em: <http://www.sovergs.com.br/conbravet2008/anais/cd/resumos/r pdf>. Acesso em: 11 ago MACEWEN, E.G. Miscellaneous Tumors. In: WITHROW S. J.; MACEWEN E.G. Small Animal Clinical Oncology. Philadelphia: WB Saunders, p MAGALHÃES, F. J. R.; et al. Hemangiossarcoma esplênico em cão da raça cocker spaniel inglês: relato de caso. Disponível em: <http://www.eventosufrpe.com.br/jepex2009/cd/resumos/r pdf>. Acesso em: 14 ago

HEMANGIOSSARCOMA CAVITÁRIO EM CÃO RELATO DE CASO

HEMANGIOSSARCOMA CAVITÁRIO EM CÃO RELATO DE CASO 1 HEMANGIOSSARCOMA CAVITÁRIO EM CÃO RELATO DE CASO CYNTHIA PIRIZZOTTO SCARAMUCCI¹, VANESSA YURIKA MURAKAMI¹, ANALY RAMOS MENDES², GISELE FABRÍCIA MARTINS DOS REIS 3, PRISCILLA MACEDO DE SOUZA 4, RAQUEL

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Metástase de tumor venéreo transmissivo disseminado na pele de um cão: Relato de caso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Metástase de tumor venéreo transmissivo disseminado na pele de um cão: Relato de caso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Metástase de tumor venéreo transmissivo disseminado na pele de um cão: Relato de caso Catarina Rafaela Alves da Silva 1 ; Francisco Lima Silva 2

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO QUALITTAS/UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO QUALITTAS/UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO QUALITTAS/UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS HEMANGIOSSARCOMA CANINO: RELATO DE CASO ADAILTON DIOGO PAGGI Curitiba, PR, março 2011 ADAILTON

Leia mais

HEMANGIOSSARCOMA EM CÃO

HEMANGIOSSARCOMA EM CÃO 50 HEMANGIOSSARCOMA EM CÃO -Relato de casos- LUDMILA RODRIGUES MOROZ; AUGUSTO SCHWEIGERT Faculdade Integrado de Campo Mourão, Campus, Rodovia Br 158, km 207. Campo Mourão, PR, 87-300-970. e- mail: ludmila.moroz@grupointegrado.br

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL Curso: Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 NEOPLASIAS NOMENCLATURA - O critério

Leia mais

QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA NO TRATAMENTO DE MASTOCITOMA DE BOLSA ESCROTAL EM BOXER -RELATO DE CASO

QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA NO TRATAMENTO DE MASTOCITOMA DE BOLSA ESCROTAL EM BOXER -RELATO DE CASO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353 QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA NO TRATAMENTO DE MASTOCITOMA DE BOLSA ESCROTAL EM BOXER -RELATO DE CASO SANTOS, Luana Maria ROCHA, Jessé

Leia mais

XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br

XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br Caso 1 Paciente T. F. R. M., 56 anos, sexo feminino. História prévia: - Câncer de mama com metástase pleural. - Mastectomia

Leia mais

JBCA Jornal Brasileiro de Ciência Animal 2008 v. 1, n. 1, p. 35-48

JBCA Jornal Brasileiro de Ciência Animal 2008 v. 1, n. 1, p. 35-48 Hemangiossarcoma canino: revisão de literatura Canine hemangiosarcoma: literature review Hemangiosarcoma en el perro: revisión de literatura José Ricardo de Souza Ferraz 1 ; Marcello Rodrigues da Roza

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Metastatis (grego) Transferência, mudança de lugar Disseminação da doença Sinal de doença avançada Qual a via preferencial de metástase

Leia mais

21/05/2012 ENFERMIDADE DO BAÇO ENFERMIDADE DO BAÇO ENFERMIDADE DO BAÇO ENFERMIDADE DO BAÇO. Maior componente do sistema monocítico fagocitário

21/05/2012 ENFERMIDADE DO BAÇO ENFERMIDADE DO BAÇO ENFERMIDADE DO BAÇO ENFERMIDADE DO BAÇO. Maior componente do sistema monocítico fagocitário Maior componente do sistema monocítico fagocitário Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos Introdução Órgão muito bem estruturado Desempenha importantes funções Anatomia Está localizado no quadrante

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 CAIO FERNANDO GIMENEZ 1, TATIANE MORENO FERRARIAS 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1 1 Universidade

Leia mais

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA. 14 a 18 de outubro de 2013 PLASMOCITOMA EM CÃO: DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS TERAPÊUTICAS RELATO DE CASO

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA. 14 a 18 de outubro de 2013 PLASMOCITOMA EM CÃO: DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS TERAPÊUTICAS RELATO DE CASO PLASMOCITOMA EM CÃO: DIAGNÓSTICO E PERSPECTIVAS TERAPÊUTICAS RELATO DE CASO THAÍS GUIMARÃES MORATO ABREU 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, FLADEMIR WOUTERS 3, PAULA BAETA DA SILVA RIOS 4, ARYENNE KAROLINNE

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS MASTOCITOMA SUBCUTÂNEO EM CÃO RELATO DE CASO Karen Sandrin Rossi Florianópolis, dez. 2008. i KAREN SANDRIN ROSSI Aluna do Curso de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DE NEOPLASIAS DE PELE EM CÃES, NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM-PA, NO PERÍODO DE 2013 A 2014. RENZO BRITO LOBATO¹, ADRIANA MACIEL DE CASTRO CARDOSO¹, BRENO COSTA DE MACEDO¹, KARINA

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM MEDICINA VETERINÁRIA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM MEDICINA VETERINÁRIA 0 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEAG DEPARTAMENTO DE ESTUDOS AGRÁRIOS CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM MEDICINA

Leia mais

II Encontro de Formação OMV Oftalmologia/Cirurgia Oftalmológica ABORDAGEM ÀS NEOPLASIAS OCULARES A ENUCLEAÇÃO É SOLUÇÃO?

II Encontro de Formação OMV Oftalmologia/Cirurgia Oftalmológica ABORDAGEM ÀS NEOPLASIAS OCULARES A ENUCLEAÇÃO É SOLUÇÃO? II Encontro de Formação OMV Oftalmologia/Cirurgia Oftalmológica ABORDAGEM ÀS NEOPLASIAS OCULARES A ENUCLEAÇÃO É SOLUÇÃO? Esmeralda Delgado 1 1 CIISA, Departamento de Clínica, Faculdade de Medicina Veterinária,

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

CAMPANHA DE CASTRAÇÃO DOS ANIMAIS DO CANIL DA PREFEITURA MUNICIPAL

CAMPANHA DE CASTRAÇÃO DOS ANIMAIS DO CANIL DA PREFEITURA MUNICIPAL CAMPANHA DE CASTRAÇÃO DOS ANIMAIS DO CANIL DA PREFEITURA MUNICIPAL Liane Ziliotto (UNICENTRO) lianeziliotto@yahoo.com.br, Marcos Vinicius Tranquilim (UNICENTRO) - tranquiveter@hotmail.com, Helcya Mime

Leia mais

Adriano Nesrallah. Divisão de Urologia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Adriano Nesrallah. Divisão de Urologia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Adriano Nesrallah Divisão de Urologia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Anatomia do espaço retroperitoneal Limites: Anterior: Peritônio. Posterior: Fascia Transversal. Superior: 12 ª costela

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

Acesse as lâminas digitalizadas dos casos do fórum de lâminas no site: patologiadigital.no-ip.org/casecenter User: patologiaveterinaria Senha: 12345

Acesse as lâminas digitalizadas dos casos do fórum de lâminas no site: patologiadigital.no-ip.org/casecenter User: patologiaveterinaria Senha: 12345 Acesse as lâminas digitalizadas dos casos do fórum de lâminas no site: patologiadigital.no-ip.org/casecenter User: patologiaveterinaria Senha: 12345 #Caso 1 1. Identificação do animal: ovino, fêmea, dois

Leia mais

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo.

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. CÂNCER EM CRIANÇAS O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. O câncer é comum em crianças? Nos

Leia mais

ASPECTOS CLÍNICOS E FATORES PROGNÓSTICOS DO MELANOMA ORAL DE QUATRO CÃES (Clinical aspects and prognostic factors of the oral melanoma of four dogs)

ASPECTOS CLÍNICOS E FATORES PROGNÓSTICOS DO MELANOMA ORAL DE QUATRO CÃES (Clinical aspects and prognostic factors of the oral melanoma of four dogs) ASPECTOS CLÍNICOS E FATORES PROGNÓSTICOS DO MELANOMA ORAL DE QUATRO CÃES (Clinical aspects and prognostic factors of the oral melanoma of four dogs) Cristina Rauen RIBAS 1* ; Antonia Maria B. PRADO 1 ;

Leia mais

Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia

Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia TÍTULO Serviço de Diagnóstico por Imagem serviço de ultrassonografia e radiologia AUTORES NUNES, H.R. 1 ; BRAGATO, N. 2 ; PÁDUA, F.M.O².; BORGES, N.C.³. PALAVRAS-CHAVE Diagnóstico por imagem, exame complementar,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

1ª REUNIÃO DE CASOS. www.digimaxdiagnostico.com.br/

1ª REUNIÃO DE CASOS. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 1ª REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO 1 Feminino, 12 anos, queda há 3 dias e evoluindo com dor no joelho, caminha com dificuldade. T1 T2 T2 DIAGNÓSTICO? DIAGNÓSTICO Fratura Salter- Harris

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune. MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Leia mais

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Gerente de Produto 0peração Animais de Companhia- MERIAL Saúde Animal 2011 Trombopoiese Plaquetas são fragmentos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o conceito de humanizar a assistência ao paciente, julgue os itens a seguir. 41 A heteronomia do paciente, o cuidado do ser humano doente e a promoção de saúde visando apenas à cura da doença

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções.

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. Possuímos dois rins que têm cor vermelho-escura, forma de grão de feijão e medem cerca de 12 cm em uma pessoa adulta.localizam-se na parte posterior

Leia mais

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

INFORMAÇÕES AO PACIENTE FAULDVINCRI sulfato de vincristina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÃO Solução injetável com 1 mg de sulfato de vincristina. Embalagem contendo 5 frascos-ampola com

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Tipos de tumores cerebrais

Tipos de tumores cerebrais Tumores Cerebrais: entenda mais sobre os sintomas e tratamentos Os doutores Calil Darzé Neto e Rodrigo Adry explicam sobre os tipos de tumores cerebrais. CONTEÚDO HOMOLOGADO "Os tumores cerebrais, originados

Leia mais

Oncologia. Oncologia. Oncologia 16/8/2011 PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS. Patologia. Onkos tumor. Logia estudo

Oncologia. Oncologia. Oncologia 16/8/2011 PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS. Patologia. Onkos tumor. Logia estudo PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS Onkos tumor Logia estudo Oncologia - Estudo das neoplasias em toda sua extensão, investigando o processo patológico desordenado e incontrolável de proliferação

Leia mais

CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES - RELATO DE CASO.

CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES - RELATO DE CASO. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353 CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES - RELATO DE CASO. ROCHA, Jessé Ribeiro SANTOS, Luana Maria TRENTIN, Thays de Campos ROCHA, Fabio

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS CELULITE JUVENIL EM UM CANINO DA RAÇA BASSET HOUND - RELATO DE CASO Carolina Oliveira Araujo

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Espaço do Trauma CBC - SBAIT 03 DE AGOSTO DE 2015 (SEGUNDA FEIRA) Horário Programação 08:00 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 9:55 MESA REDONDA: Trauma

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO GIOVANNA PAULA ZANETTI FREIRE. HEMANGIOSSARCOMA CANINO Revisão de Literatura

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO GIOVANNA PAULA ZANETTI FREIRE. HEMANGIOSSARCOMA CANINO Revisão de Literatura UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO GIOVANNA PAULA ZANETTI FREIRE HEMANGIOSSARCOMA CANINO Revisão de Literatura CURITIBA PR 2009 GIOVANNA PAULA ZANETTI FREIRE HEMANGIOSSARCOMA CANINO Revisão de Literatura

Leia mais

Características epidemiológicas de sarcomas de tecidos moles caninos e felinos: levantamento de 30 anos

Características epidemiológicas de sarcomas de tecidos moles caninos e felinos: levantamento de 30 anos [T] Características epidemiológicas de sarcomas de tecidos moles caninos e felinos: levantamento de 30 anos [I] Epidemiological characteristics from canine and feline soft tissue sarcomas during a 30 year

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG BRAGATO, Nathália. 1 ; PÁDUA, Fernanda Maria Ozelim de 1 ; COSTA, Ana Paula Araújo.; SILVA,

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko NEOPLASIAS MSc. Isabela Brcko Proliferações locais de clones celulares cuja reprodução foge ao controle normal, e que tendem para um tipo de crescimento autônomo e progressivo, e para a perda de diferenciação

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS LEONEL, Rafael Alves Barbosa MATSUNO, Roldy Marcel Jorge SANTOS, Willian dos VERONEZI, Alfredo Henrique Martins COSTA, Diogo Rodrigo de Discentes do Curso de Medicina

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): ANA KARINA DA SILVA CAVALCANTE (KARINA@UFRB.EDU.BR) Vice- Coordenador (a): 2. Título do projeto: Ocorrência de

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes. MAPA AUDITÓRIO PARQUE TINGUI (280 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. ESPACO DO TRAUMA (SBAIT) SEGUNDA FEIRA 03 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA ANEMIAS SISTEMA HEMATOLÓGICO MEDULA ÓSSEA SANGUE LINFONODOS Volume: 7 a 10 % do peso corporal (cerca de 5 litros)

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

OCORRÊNCIA DE MÚLTIPLAS E DISTINTAS FORMAÇÕES CUTÂNEAS EM CÃO: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO ANATOMOPATOLÓGICO

OCORRÊNCIA DE MÚLTIPLAS E DISTINTAS FORMAÇÕES CUTÂNEAS EM CÃO: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO ANATOMOPATOLÓGICO OCORRÊNCIA DE MÚLTIPLAS E DISTINTAS FORMAÇÕES CUTÂNEAS EM CÃO: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO ANATOMOPATOLÓGICO JULIANA BRONDINO 1, LUCIANE DOS REIS MESQUITA 2, GUILHERME COUTINHO VIEIRA 3, LUIS GUILHERME

Leia mais

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências Leonardo Oliveira Moura Infecções pulmonares A radiografia simples é habitualmente o exame de imagem mais empregado, pelo seu menor custo e alta disponibilidade,

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. As doenças sexualmente transmissíveis que mais frequentemente se manifestam por úlcera genital têm como causa os seguintes agentes etiológicos, exceto:

Leia mais

HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO

HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO THAÍS GUIMARÃES MORATO ABREU 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, PAULA BAÊTA DA SILVA RIOS 3, LÍVIA DE PAULA COELHO

Leia mais

Neoplasias Cutâneas de Cães Diagnosticadas no Laboratório de Histopatologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro de 1995 a 2005

Neoplasias Cutâneas de Cães Diagnosticadas no Laboratório de Histopatologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro de 1995 a 2005 Neoplasias Cutâneas de Cães Diagnosticadas no Laboratório de Histopatologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro de 1995 a 2005 Tônia da Rocha e Silva 1 Ticiana do Nascimento França 2 Bernardo

Leia mais

Revista de Ciência Veterinária e Saúde Pública

Revista de Ciência Veterinária e Saúde Pública 45 Revista de Ciência Veterinária e Saúde Pública Rev. Ciên. Vet. Saúde Públ., v. 2, n. 1, p. 045-052, 2015 Sarcoma de injeção em felinos domésticos: Revisão de Literatura (Feline domestic injection-site

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ULTRA-SONOGRAFIA EM CÃES COM SUSPEITAS DE NEOPLASIAS DO SISTEMA DIGESTÓRIO (FÍGADO, INTESTINOS E PÂNCREAS)

UTILIZAÇÃO DA ULTRA-SONOGRAFIA EM CÃES COM SUSPEITAS DE NEOPLASIAS DO SISTEMA DIGESTÓRIO (FÍGADO, INTESTINOS E PÂNCREAS) TILDE RODRIGUES FROES UTILIZAÇÃO DA ULTRA-SONOGRAFIA EM CÃES COM SUSPEITAS DE NEOPLASIAS DO SISTEMA DIGESTÓRIO (FÍGADO, INTESTINOS E PÂNCREAS) São Paulo 2004 TILDE RODRIGUES FROES Utilização da ultra-sonografia

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. Dentre os cristais urinários relacionados a seguir, aquele que tem significado patológico, quando visto na microscopia de pequeno aumento, durante um exame

Leia mais

OCLUSÃO OU SUB - OCLUSÃO POR ÁSCARIS ACREDITE É MAIS COMUM QUE VOCÊ PENSA!

OCLUSÃO OU SUB - OCLUSÃO POR ÁSCARIS ACREDITE É MAIS COMUM QUE VOCÊ PENSA! OCLUSÃO OU SUB - OCLUSÃO POR ÁSCARIS ACREDITE É MAIS COMUM QUE VOCÊ PENSA! Tema: Semi-oclusão por àscaris Objetivos Definir e identificar sinais e sintomas da Semi-oclusão por áscaris. Formular plano assistencial

Leia mais

TRATAMENTO DE MELANOMA ORAL COM VISCUM ALBUM E SOLUÇÃO AQUOSA DE LÁTEX DE JANAÚBA (HIMATANTHUS DRASTICUS): RELATO DE CASO

TRATAMENTO DE MELANOMA ORAL COM VISCUM ALBUM E SOLUÇÃO AQUOSA DE LÁTEX DE JANAÚBA (HIMATANTHUS DRASTICUS): RELATO DE CASO 1 TRATAMENTO DE MELANOMA ORAL COM VISCUM ALBUM E SOLUÇÃO AQUOSA DE LÁTEX DE JANAÚBA (HIMATANTHUS DRASTICUS): RELATO DE CASO MARIA APARECIDA DE ALCÂNTARA¹, IOLANDA MARIA SARTORI OFENBOCK NASCIMENTO²; THIERRY

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

Câncer: Entendendo o Risco do Benzeno

Câncer: Entendendo o Risco do Benzeno Câncer: Entendendo o Risco do Benzeno Profa. Dra. Carmen Silvia Passos Lima Disciplina de Oncologia Clínica Departamento de Clínica Médica Faculdade de Ciências Médicas Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. ESQUISTOSSOMOSE CID 10: B 65 a B 65.9 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO

Leia mais

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145 NT 25/2012 Solicitante: João Martiniano Vieira Neto Juiz da 2ª Vara de Registros Públicos e Fazenda Pública Municipal de Juiz de Fora/MG Data: 26/11/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PERICÁDIO BOVINO NA HERNIORRAFIA PERINEAL EM CÃES RELATO DE DOIS CASOS

UTILIZAÇÃO DE PERICÁDIO BOVINO NA HERNIORRAFIA PERINEAL EM CÃES RELATO DE DOIS CASOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 UTILIZAÇÃO DE PERICÁDIO BOVINO NA HERNIORRAFIA PERINEAL EM CÃES RELATO DE DOIS CASOS Clarisse Guillem Cardoso¹, Danilo Roberto Custódio Marques², Thiago

Leia mais

INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA

INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA Marcela Nunes Liberati

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca da epidemiologia e das bases genéticas do câncer pediátrico, julgue os itens a seguir. 41 As leucemias e linfomas são os tumores malignos mais frequentes em lactentes, enquanto os sarcomas ósseo

Leia mais

Evorubicin. Evolabis Produtos Farmacêuticos Ltda. Pó Liofilizado Injetável 10 e 50mg

Evorubicin. Evolabis Produtos Farmacêuticos Ltda. Pó Liofilizado Injetável 10 e 50mg Evorubicin Evolabis Produtos Farmacêuticos Ltda. Pó Liofilizado Injetável 10 e 50mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Evorubicin cloridrato de doxorrubicina Evorubicin cloridrato de doxorrubicina APRESENTAÇÕES:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher.

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher. Cistos de Ovário Os ovários são dois pequenos órgãos, um em cada lado do útero. É normal o desenvolvimento de pequenos cistos (bolsas contendo líquidos) nos ovários. Estes cistos são inofensivos e na maioria

Leia mais

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO NOBEMBRO 2007 1 A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC) CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E CUSTO ELEVADO, PORTANTO

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia OROFARINGE Os tumores de cabeça e de pescoço totalizam 4,5% dos casos de diagnósticos de câncer. Uma importante fração dos tumores malignos da região da cabeça e pescoço se localiza primeiramente na orofaringe.

Leia mais

(Digestive lymphoma in domestic cat (Felis catus): Case report) RESUMO

(Digestive lymphoma in domestic cat (Felis catus): Case report) RESUMO Ciência Animal 23(1): 31-36, 2013 LINFOMA DIGESTIVO EM GATO DOMÉSTICO (Felis catus): RELATO DE CASO (Digestive lymphoma in domestic cat (Felis catus): Case report) Ivan Felismino Charas SANTOS *1,2, Maira

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de revenção do câncer

Leia mais

16-06-2016 1/2 Info Saude

16-06-2016 1/2 Info Saude 16-06-2016 1/2 Info Saude Doença de Hodgkin A doença de Hodgkin (linfoma de Hodgkin) é um tipo de linfoma que se caracteriza por possuir um tipo particular de célula cancerosa, chamada célula de Reed-Sternberg,

Leia mais

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza Patologia por imagem Abdome ProfºClaudio Souza Esplenomegalia Esplenomegalia ou megalosplenia é o aumento do volume do baço. O baço possui duas polpas que são constituídas por tecido mole, polpa branca

Leia mais