Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo"

Transcrição

1 Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

2 Objetivos do curso Este curso é dirigido a todos os profissionais que querem conhecer a metodologia de Controle Estatístico de Processo CEP para utilização nos processos produtivos de suas organizações, a fim de controlar e melhorar os processos. Durante este curso iremos aprender: Conceitos de qualidade, histórico do CEP Conceitos gerais e estatística básica, causas das variações Avaliação da capacidade dos sistemas de medição Ferramentas tradicionais da qualidade utilizadas para o CEP Conceitos básicos de probabilidade, distribuições estatísticas Avaliação da capabilidade do processo, índices Cp, Cpk, Pp e Ppk Gráficos de controle por variáveis e atributos Autocontrole, gráfico do farol Técnicas para análise de causas dos desvios Implementação do CEP

3 Programação do treinamento MÓDULO 1 MÓDULO 2 História do CEP, conceitos básicos de estatística, controle de qualidade, processos, variação e causas de variação, princípios e benefícios do CEP. A curva normal e gráficos de controle. MÓDULO 3 Cartas de controle por atributos. MÓDULO 4 Cartas de controle para variáveis. MÓDULO 5 Capacidade do processo e as 7 ferramentas da qualidades utilizadas para o CEP.

4 Módulo 1 História do CEP, conceitos básicos de estatística, controle de qualidade, processos, variação e causas de variação, princípios e benefícios do CEP

5 História O termo estatística surgiu da expressão em latim statisticum collegium palestra sobre os assuntos do estado, de onde surgiu a palavra em língua italiana statista, que significa "homem de estado", ou político, e a palavra alemã Statistik, designando a análise de dados sobre o estado. A palavra foi proposta pela primeira vez no século XVII, em latim, na Universidade de Lena. Aparece como vocábulo na Enciclopédia Britânica em 1797, e adquiriu um significado de coleta e classificação de dados no início do século XIX. As primeiras estatísticas foram realizadas para identificar como os bens do estado estavam distribuídos entre a população. O primeiro dado disponível sobre um levantamento estatístico foi referido por Heródoto, o qual diz que em 3050 A.C. se efetuou um estudo da riqueza da população do Egito com a intenção de averiguar quais recursos humanos e econômicos existiam para a construção das pirâmides. Hoje, todos os estados e a sociedade em geral usam e dependem da estatística, de modo que é usual o estado possuir um Instituto Nacional de Estatística. Hoje, a estatística é aplicada a estudos de demografia, economia, biologia, medicina, física, psicologia e meteorologia, e outros para a indústria, o comércio, a educação, etc, e de domínios aparentemente desligados como estrutura de linguagem e estudo de formas literárias.

6 História O americano Dr. Walter Shewhart ( ), do Bell Labs, na década de 1920 estudou os dados dos processos de seu laboratório e foi o primeiro a formalizar a distinção entre variação controlada e nãocontrolada, correspondente ao que chamamos de causas comuns e causas especiais. Ele desenvolveu uma ferramenta simples, mas poderosa, para separar esses dois tipos de causas, e a chamou de carta de controle. Desde esta época as cartas de controle têm sido usadas com sucesso numa grande variedade de situações de controle de processo.

7 Estatística A estatística é um ramo autônomo da matemática aplicada que utiliza teorias probabilísticas para explicar a freqüência da ocorrência de eventos, tanto em estudos observacionais quanto em experimentos. Tem por objetivo obter, organizar e analisar dados estatísticos a fim de descrever e explicá-los, além de determinar possíveis correlações e nexos-causais. Em outras palavras, a estatística procura modelar a aleatoriedade e a incerteza de forma a estimar ou possibilitar a previsão de fenômenos futuros, conforme o caso. Algumas práticas estatísticas incluem, por exemplo, o planejamento, a sumarização e a interpretação de observações. Por ser o objetivo da estatística a produção da melhor informação possível a partir dos dados disponíveis, alguns autores sugerem que a estatística é um ramo da teoria da decisão. A estatística é um dos ramos da matemática que se dedica à recolhimento, análise e interpretação de dados. Preocupa-se com os métodos de recolhimento, organização, resumo, apresentação e interpretação dos dados, assim como em tirar conclusões sobre as características das fontes de onde estes foram retirados para melhor compreender as situações.

8 O que é CEP? CEP significa CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO. CEP não se refere a uma técnica, algoritmo ou procedimento específico. CEP é uma filosofia de otimização relacionada à melhoria contínua do processo e que usa ferramentas estatísticas. O CEP tradicionalmente é uma ferramenta, com base estatística, de auxílio ao controle da qualidade nas etapas do processo, particularmente no caso de processos de produção repetitivos. Hoje, mais do que uma ferramenta estatística, o CEP é entendido como uma filosofia de gerenciamento, isto é, um conjunto de técnicas e habilidades originárias da estatística e da engenharia de produção que visam garantir a estabilidade e a melhoria contínua de um processo de produção. Em resumo, o CEP visa o controle e a melhoria do processo.

9 Princípios do CEP Pensar e decidir baseado em dados e fatos Separar a causa do efeito, identificar a causa fundamental dos problemas Reconhecer a existência da variabilidade na produção e administrá-la Priorizar (Pareto) Utilizar o ciclo de controle (PDCA: Plan, Do, Check, Act) visando à melhoria contínua do desempenho Definir o próximo processo/atividade/posto de trabalho como cliente do anterior Identificar não-conformidades o mais rápido possível e corrigí-las Educar, treinar e organizar os profissionais, visando uma administração participativa e o autocontrole.

10 O que é controle da qualidade? O controle da qualidade de um processo produtivo envolve a realização das seguintes etapas consecutivas: Definição de um padrão a ser atingido Inspeção (medir o que foi produzido e comparar com o padrão) Diagnóstico das não-conformidades (descrição do desvio entre o que foi produzido e o padrão) Identificação das causas das nãoconformidades/defeitos Ação corretiva para eliminação das causas Revisão dos padrões (produto ou processo), se aplicável

11 Visão de processos Insumos Produtos Fornecedor Serviços Clientes Entradas A B C Saídas Requisitos Tarefas e Recursos Satisfação

12 Visão funcional (vertical) de uma indústria PRESIDÊNCIA SUPERINTENDÊNCIA Informática Júridico/RH Diretoria Comercial Diretoria Industrial Diretoria Financeira Desenvolvimento e Criação Administração de Vendas Supervisão de Vendas Comércio Exterior Almoxarifado PCP Fiação Tecelagem Beneficiamento Gerência de Contabilidade Recursos financeiros Orçamentos e Custos Compras Controle de Qualidade Setor Técnico Manutenção Industrial Manutenção Elétrica

13 Visão processual de uma indústria têxtil A abordagem de processos cruza as fronteiras funcionais para focalizar o cliente Comercial Industrial Financeiro Desenvolvimento de produto Elaboração de propostas e vendas Planejamento Aquisição, recebimento, estoque Produção, armazenamento, expedição Contas a pagar, contas a receber, controles

14 Conceito de processo Interação Operação 1 Operação 2 Operação 3 Qualquer empresa, seja ela uma fábrica ou uma prestadora de serviços, é composta por vários processos que são interligados. As saídas de um processo são as entradas de outro e assim por diante. De uma forma macro qualquer organização inicia com as entradas de um cliente (especificações, prazos, desejos) e termina com suas saídas (produto concluído: produto fabricado dentro das especificações, serviço realizado conforme necessidades, etc.)

15 Mas por que controlar o processo? Porque do processo de produção podem resultar produtos não- conformes (defeituosos), ou a porcentagem de produtos defeituosos pode variar ao longo do tempo. O que causa produtos defeituosos é a existência de variação nos materiais, nas condições do equipamento, nos métodos de trabalho, na inspeção, nas condições da mão-de-obra, em outros insumos, etc. A variação que ocorre em um processo de produção pode ser desmembrada em duas componentes: uma de difícil controle, chamada variação aleatória, e outra chamada variação controlável. Assim a equação da variação total de um processo pode ser escrita como sendo: Variação total = variação aleatória + variação controlável Se as variações forem conhecidas, controladas e reduzidas, os índices de produtos defeituosos certamente se reduzirão. Esses dois tipos de variação exigem esforços e capacitação técnica e gerencial diferenciados para o seu controle.

16 Conceitos de variação Tudo na natureza possui variações, sejam pequenas ou grandes. As pessoas, por exemplo, têm uma cabeça, dois olhos, dois ouvidos, um nariz. Elas são muito semelhantes entre si, e ainda assim são muito diferentes. Nos processos para realização de produtos e serviços, e também nos próprios produtos e serviços, sempre há variações. Às vezes ela está na terceira ou quarta casa decimal, mas existe.

17 Fontes de variação do processo/produto Método Meios de medição Matéria prima EFEITO Máquina Mão-de-obra Meio ambiente Para analisar todas as possíveis fontes de variação de um processo ou produto utilizamos uma ferramenta denominada Diagrama de Causa e Efeito, ou Espinha de Peixe, onde analisamos os 6M (Método, Meios de medição, Matéria prima, Máquina, Mão-de-obra e Meio ambiente).

18 Método como fonte de variação de processo Devido ao método de trabalho muitas não-conformidades podem ocorrer em um processo. Para identificarmos se há uma causa de não-conformidade devido ao método de trabalho, devemos perguntar/investigar: Se os procedimentos estabelecidos estão formulados de forma coerente, simples e lógica Se na elaboração dos procedimentos foram consideradas as opiniões de quem os realiza no dia-a- dia Se foram investigados os procedimentos de trabalho documentados e as práticas realizadas Se existe divergência entre a documentação e a prática Se o sistema de operação atual é o melhor, e se foi feito um beckmarking com outras empresas de primeira linha Se há algum potencial de falha considerando o sistema de trabalho atual Matéria Meios de medição Método prima EFEITO Meio ambiente Mão- deobra Máquina

19 Matéria prima como fonte de variação de processo Quanto à matéria prima devemos perguntar/investigar: Qual a influência das matéria primas e/ou componentes no processo A variação de composição química pode ter influência no problema observado Há potencial de variação na matéria (composição, dureza, cor, textura, etc.) No caso de peças/componentes, quais são as tolerâncias admissíveis e quais as variações identificadas no recebimento/produção? Método Meios de medição Matéria prima EFEITO Máquina Mão-deobra Meio ambiente

20 Meio ambiente como fonte de variação de processo Quanto ao meio ambiente devemos avaliar os seguintes fatores: Quais são as influências do meio ambiente onde o processo está instalado? Uma temperatura/umidade mais elevada ou mais baixa pode influenciar na performance do processo? Dia e noite podem provocar diferenças no processo? O processo precisa de áreas limpas, controle de ESD, etc? O trabalho ocorre em áreas afastadas, no meio da floresta, por exemplo? Método Meios de medição Matéria prima EFEITO Máquina Mão-deobra Meio ambiente

21 Mão-de-obra como fonte de variação de processo Sendo a mão-de-obra a causa da falha, devemos avaliar os seguintes fatores: O operador tem a capacitação mínima para a operação? Qual a influência do operador no processo? Quais são os riscos do processo se operador falhar? Há diferença de capacitação entre os operadores? Qual o tempo entre a contratação e a realização das atividades? Método Meios de medição Matéria prima EFEITO Máquina Mão-deobra Meio ambiente

22 Máquina como fonte de variação de processo Neste potencial de falha devemos avaliar se a máquina possui potenciais de falha, como por exemplo: Folgas que influenciam no processo Folgas que influenciam na capabilidade do processo Se os componentes de um modo geral precisam ser reparados Se há um programa de manutenção preventivo efetivo Se o set up é complexo Método Meios de medição Matéria prima EFEITO Máquina Mão-deobra Meio ambiente

23 Meios de medição como fonte de variação de processo O objetivo desta análise é verificar o grau de adequação do sistema de medição através de duas fontes de variação: repetitividade e reprodutibilidade. Repetitividade: é a variação do método de avaliação, ou seja, é a variação dos valores observados encontrados por um mesmo inspetor/operador com um mesmo instrumento de medição e com as mesmas peças, assim geralmente vinculando estas variações ao equipamento ou procedimento de medição. Reprodutibilidade: é a variação entre operadores, ou seja, é a variação encontrada entre inspetores/operadores medindo as mesmas peças com o mesmo instrumento de medição. A combinação destes fatores é conhecido como ESTUDO DE R&R Método Meios de medição Matéria prima EFEITO Máquina Mão-deobra Meio ambiente

24 Sistema de medição O Estudo de R&R é obtido através de técnicas estatísticas e resulta em um determinado percentual, o qual significa qual é o erro do sistema de medição. Acima de 30% = Inaceitável, o sistema de medição precisa ser melhorado Entre 10% e 30% = Pode ser aceito, dependendo da importância Menor que 10% = Sistema de medição aceitável

25 Precisão do sistema de medição É o desvio-padrão de valores medidos na mesma peça, várias vezes, sob as mesmas condições de inspeção (ou seja: operador, instrumento, método, etc.) Quanto menor o desvio, mais precisa é a medida. σ Quanto mais preciso o sistema de medição, menor será a variabilidade dos valores observados σ Quanto menos preciso o sistema de medição, maior sua variabilidade

26 Exercícios Indique se é verdadeiro ou falso: 1 - ( ) O CEP tradicionalmente é uma ferramenta com base estatística, de auxílio ao controle da qualidade nas etapas do processo, particularmente no caso de processo de produção repetitivo. 2 - ( ) O americano Dr. Walter Shewhart, na década de 1940 estudou os dados dos processos de seu laboratório, e foi o primeiro a formalizar a distinção entre variação controlada e não-controlada, o que corresponde ao que chamamos de causas comuns e causas especiais. 3 - ( ) Para analisar todas as possíveis fontes de variação de processo utilizamos uma ferramenta denominada de Diagrama de Causa e Efeito, ou Espinha de Peixe, onde analisamos os 6M. 4 - ( ) Quanto menos preciso o sistema de medição, menor sua variabilidade. 5 - ( ) Reprodutibilidade é a variação do método de avaliação, ou seja, é a variação dos valores observados encontrados por um mesmo inspetor/operador com um mesmo instrumento de medição e com as mesmas peças, assim geralmente vinculando estas variações ao equipamento ou procedimento de medição. 6 - ( ) A variação é inerente ao ser humano e aquilo que ele produz. 7 - ( ) Sendo mão-de-obra a causa da falha, devemos avaliar vários fatores, entre eles o seguinte: o operador tem a capacitação mínima para a operação?

27 Resposta dos exercícios Indique se é verdadeiro ou falso: 1 - ( V ) O CEP tradicionalmente é uma ferramenta com base estatística, de auxílio ao controle da qualidade nas etapas do processo, particularmente no caso de processo de produção repetitivo. 2 - ( F ) O americano Dr. Walter Shewhart, na década de 1940 (de 1920) estudou os dados dos processos de seu laboratório, e foi o primeiro a formalizar a distinção entre variação controlada e não-controlada, o que corresponde ao que chamamos de causas comuns e causas especiais. 3 - ( V ) Para analisar todas as possíveis fontes de variação de processo utilizamos uma ferramenta denominada de Diagrama de Causa e Efeito, ou Espinha de Peixe, onde analisamos os 6M. 4 - ( F ) Quanto menos preciso o sistema de medição, menor (maior) sua variabilidade. 5 - ( F ) Reprodutibilidade (Repetitividade) é a variação do método de avaliação, ou seja, é a variação dos valores observados encontrados por um mesmo inspetor/operador com um mesmo instrumento de medição e com as mesmas peças, assim geralmente vinculando estas variações ao equipamento ou procedimento de medição. 6 - ( V ) A variação é inerente ao ser humano e aquilo que ele produz. 7 - ( V ) Sendo mão-de-obra a causa da falha, devemos avaliar vários fatores, entre eles o seguinte: o operador tem a capacitação mínima para a operação?

28 Fim do Módulo 1

Histórico. Controle Estatístico de Processo

Histórico. Controle Estatístico de Processo Histórico O CEP se destacou como ferramenta poderosa após ter sido intensamente utilizada pelo Japão após a Segunda Guerra Mundial. Após a recuperação deste país, através da obtenção de processos produtivos

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE PRODUTIVIDADE MELHORIA CONTÍNUA / KAIZEN CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceituar Melhoria Contínua e sua importância no contexto

Leia mais

CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP

CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP 1. INTRODUÇÃO Produções seriadas; Produções não-seriadas; Prestação de serviços. A) Processo com Interação de Insumos Definição de Processo: seqüência

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br Ferramentas da Qualidade Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br ABORDAGENS DA QUALIDADE ABORDAGENS DA QUALIDADE Desde que a Qualidade se tornou um atributo do processo produtivo, ela vem sendo

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Curso e-learning As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

PREPARANDO A IMPLANTAÇÃO

PREPARANDO A IMPLANTAÇÃO Início Revisão Crítica A P POLÍTICA AMBIENTAL Melhoria Contínua Verificação e Ação Corretiva C D Planejamento IMPLEMENTAÇÃO Início Revisão Crítica Planejamento A C Melhoria Contínua P D POLÍTICA AMBIENTAL.

Leia mais

Prof. Msc. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Msc. Fernando Oliveira Boechat Prof. Msc. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat 1 Controle de Processos: Objetivos Gerar as informações necessárias ao desenvolvimento dos novos produtos; Fornecer os subsídios necessários

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Aplicação da Carta de Farol no monitoramento de torque de parafusos numa linha de montagem: estudo de caso

Aplicação da Carta de Farol no monitoramento de torque de parafusos numa linha de montagem: estudo de caso Aplicação da Carta de Farol no monitoramento de torque de parafusos numa linha de montagem: estudo de caso Daniel Barcellos Mathias (PUCPR) dbmathias@bol.com.br Marcelo Giroto Rebelato (PUCPR) mgiroto@ccet.pucpr,.br

Leia mais

5 Considerações Finais e Recomendações

5 Considerações Finais e Recomendações Considerações Finais e Recomendações 132 5 Considerações Finais e Recomendações O controle estatístico de processos compõe-se essencialmente do monitoramento on line dos processos por gráficos de controle

Leia mais

Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos. Profa. Rejane Tubino

Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos. Profa. Rejane Tubino Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos Profa. Rejane Tubino Cartas de controle- CEP Aplicação: quando se necessitar verificar quanto de variabilidade do processo é devido à variação

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ Dayse Duarte Tenorio Diretoria Acadêmica de Eletrotécnica IFRN Campus Mossoró E-mail: dayse_tenoro_d@hotmail.com Lucas Duarte Almeida Departamento

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

Contextualização Histórica

Contextualização Histórica Contextualização Histórica Estudo de caso: Cervejaria Foi introduzido no Japão após a segunda guerra mundial, idealizado por Shewhart e divulgado por Deming, quem efetivamente o aplicou. Os fragmentos

Leia mais

Conceitos e Fundamentos de Gestão

Conceitos e Fundamentos de Gestão 2º/2015 Conceitos e Fundamentos de Gestão Valdecir J. De Lara Entrada (input) Processo Saída (output) Conceitos e definições sobre processos e produtos; Fundamentos da gestão; Importância da gestão baseada

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes.

Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes. Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes. Administração de Vendas Planejamento, direção e controle

Leia mais

3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

Termos Técnicos de Administração

Termos Técnicos de Administração Termos Técnicos de Administração É importante ter metas, mas também é fundamental planejar cuidadosamente cada passo para atingi-las. (Bernadinho) 0) Administrar é dirigir uma organização utilizando técnicas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 10 Tema: Gerenciamento

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso)

Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Gestão de Estoques em Materiais de uso Hospitalar: Análise de Modelo utilizado num Hospital Universitário Público (Estudo de Caso) Edimar Alves Barbosa (UFCG) eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. Ponto de Pedido PP = (D x TR) + ES Onde: D = Demanda do

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

Ferramenta de Gerenciamento

Ferramenta de Gerenciamento Ferramenta de Gerenciamento Yuri Franklin 1 Luis Fernando Nuss 2 yuri.fr@uol.com.br luisnuss@hotmail.com 1 Associação Educacional Dom Bosco (AEDB), Faculdade de Engenharia de Resende - Resende, RJ, Brasil

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº.

CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. Coordenador do Laboratório de Aspersão Térmica e Soldagem Especiais - LABATS Departamento de Engenharia Mecânica - DEMEC Universidade Federal do

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1 DC 5080 25/03/2010 Rev. 00 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 470 do Conselho Estadual de Educação de 24 de novembro

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS?

O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS? O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS? OBJETIVOS DA EMPRESA LUCRO? BEM ESTAR DA COLETIVIDADE? MISSÃO? VISÃO? O ORÇAMENTO E O ELEMENTO HUMANO O ORÇAMENTO E A TOMADA DE DECISÕES SLIDE 01 A INCERTEZA

Leia mais

Variabilidade do processo

Variabilidade do processo Variabilidade do processo Em todo processo é natural encontrar certa quantidade de variabilidade. Processo sob controle estatístico: variabilidade natural por causas aleatórias Processo fora de controle:

Leia mais

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR Júlio Miranda Pureza, Dr. Luiz Veriano O. Dalla Valentina, Dr. Gabriela Kunde Edel, Adm. Centro de Ciências Tecnológicas FEJ, Universidade

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1 GESTÃO Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1 GESTÃO DA QUALIDADE Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor Consumidor: qualidade é o grau em que o produto satisfaz as

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Amaury Bordallo Cruz (PEP/UFRJ) bordalo@ugf.br Elton Fernandes - (Coppe-UFRJ) - elton@pep.ufrj.br Solange Lima (PEP/UFRJ) solangelima@petrobras.com.br

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA Santos, Julio Cezar Jeronimo (1) Melo, Welerson dos Reis Amaral (2) RESUMO Este trabalho fornece informações genéricas sobre o conceito de paradas programadas,

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Introdução Qualidade de Software

Introdução Qualidade de Software Introdução Qualidade de Software Seis Sigma Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A gestão da qualidade total é hoje uma das principais estratégias competitivas para as mais diversas empresas

Leia mais

Gerenciamento do dia a dia

Gerenciamento do dia a dia CICLO DO PDCA Gerenciamento do dia a dia O Gerenciamento tem como premissa contribuir para melhorar cada vez mais os processos, permitindo que as lideranças e as equipes de trabalho realizem uma análise

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Mapeamento e Modelagem de Processos e o BPM (Business Process Management)

Mapeamento e Modelagem de Processos e o BPM (Business Process Management) Curso e-learning Mapeamento e Modelagem de Processos e o BPM (Business Process Management) Tempo passado Custo da Atividade Proporção Rejeitada Sim Duração da Atividades Compilar Informação Preparar Relatório

Leia mais

Manutenção Preditiva

Manutenção Preditiva Manutenção Preditiva MANUTENÇÃO PREDITIVA: BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. INTRODUÇÃO : A manutenção preditiva nã o substitui totalmente os métodos mais tradicionais de gerência de manutenção. Entretanto,

Leia mais

Assistentes Virtuais Inteligentes

Assistentes Virtuais Inteligentes Assistentes Virtuais Inteligentes Excelência e Redução de Custo Operacional WHITEPAPER OFERECEMOS RECORDAÇÕES E EXPERIÊNCIAS ENCANTADORAS We offer amazing memories and experiences Ofrecemos preciosos recuerdos

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

Administração e Finanças para Engenharia

Administração e Finanças para Engenharia Administração e Finanças para Engenharia CICLO PDCA Grupo: Rodrigo Filho, Suhaila Azanki, Tulio Marques, Thays Ferreira e Vinicius Soares. Ciclo PDCA Moen e Norman, autores da área da Qualidade, relatam

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução 1 Introdução Objetivo Este módulo ajudará os gerentes a identificarem as necessidades de informação, a definirem prioridades, e a determinarem que módulos do PAG APS serão mais úteis para eles. A planilha

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

A Solução mais simples para sua organização

A Solução mais simples para sua organização A Solução mais simples para sua organização Consultoria Sistemas de Gestão da Qualidade - ISO 9001 / ISO TS 16949 Sistema de Gestão Ambiental ISO 14001 OHSAS 18001 Acreditação ONA PALC Programa de Acreditação

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. INTRODUÇÃO : Nos últimos anos, têm-se discutido amplamente a gerência de manutenção preditiva. Tem-se definido uma variedade de técnicas que variam

Leia mais

11/02/2015 CONTROLE DE QUALIDADE GARANTIA DA QUALIDADE. O que é Qualidade? QUALIDADE EVOLUÇÃO DA QUALIDADE. Para o consumidor.

11/02/2015 CONTROLE DE QUALIDADE GARANTIA DA QUALIDADE. O que é Qualidade? QUALIDADE EVOLUÇÃO DA QUALIDADE. Para o consumidor. O que é Qualidade? CONTROLE DE QUALIDADE X GARANTIA DA QUALIDADE Para o consumidor Para o produto Definição difícil e subjetiva. Cada consumidor apresenta preferências pessoais. Qualidade adquire atributo

Leia mais

Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial. UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu

Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial. UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu O Cenário - Pesquisa do SEBRAE - Pesquisas das grandes CONSULTORIAS nos USA e em diversos

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PROCESSO N.º 23062.009173/2013-97 ASSUNTO: INTERESSADO: COMISSÃO: Ajuste do Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica da Unidade de Nepomuceno do CEFET-MG

Leia mais

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos.

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Tatiana Sakuyama Jorge Muniz Faculdade de Engenharia de Guaratingüetá - Unesp

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Obter um fluxo contínuo de suprimentos, a fim de atender aos programas de produção;

Obter um fluxo contínuo de suprimentos, a fim de atender aos programas de produção; Fascículo 7 A atividade de compras Não existe a área de suprimentos sem que exista a atividade de compras, que é fundamental para a gestão da área de materiais. Um bom volume de vendas e uma abordagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTANCIA PROJETO BÁSICO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE CONTEÚDO NA EAD CURSO PARA DOCENTES DA UFOP 2007 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

Projeto. Gerenciamento de Projeto de Software. Tópicos abordados. Características básicas de um projeto. Definição

Projeto. Gerenciamento de Projeto de Software. Tópicos abordados. Características básicas de um projeto. Definição Gerenciamento de Projeto de Software Tópicos abordados Atividades de gerenciamento Planejamento do projeto Cronograma do projeto Gerenciamento de riscos Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com

Leia mais

Oficina de Matemática Fundamental I

Oficina de Matemática Fundamental I SISTEMA DE NUMERAÇÃO E OPERAÇÕES NUMÉRICAS Oficina de Matemática Fundamental I André Luís Corte Brochi Professor das Faculdades COC Conteúdo Sistemas de numeração história da Matemática. Agrupamentos e

Leia mais

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Cristiano Marques de Oliveira 1 1 Delphi Automotive Systems

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

Exemplos de Exercícios da Cadeira Gestão de Projectos. Qualidade e Manutenção. Ano Lectivo 2006/2007

Exemplos de Exercícios da Cadeira Gestão de Projectos. Qualidade e Manutenção. Ano Lectivo 2006/2007 Exemplos de Exercícios da Cadeira Qualidade e Manutenção Ano Lectivo 2006/2007 1. Gestão da Qualidade 1.1 28 de Junho de 2000 (6 valores) Um fabricante de placas gráficas de computadores especificou que

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais

Leia mais

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Tutorial de Gerenciamento de Projetos Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Apresentação Erika Yamagishi Engenheira de Computação pela UNICAMP Consultora associada

Leia mais

Outras concentram-se em mercados específicos, tais como de produtos agrícolas, médicos e farmacêuticos ou automotivos;

Outras concentram-se em mercados específicos, tais como de produtos agrícolas, médicos e farmacêuticos ou automotivos; Diferentes empresas de pesquisa oferecem diferentes habilidades, experiências e instalações. Por essa razão, não existe uma única empresa que seja a mais apropriada para todos os tipos de problemas de

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO

Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO Cargos Classe B Auxiliar de Laboratório: desenvolver atividades auxiliares gerais de laboratório bem como, de áreas específicas, de acordo com as especialidades,

Leia mais

Uma Aplicação da Metodologia Seis Sigma em um Processo Industrial

Uma Aplicação da Metodologia Seis Sigma em um Processo Industrial 1 Uma Aplicação da Metodologia Seis Sigma em um Processo Industrial 1 Garcia, M. V. R. 2 Silva, M. F. C. 3 Ribeiro, J. A. J. 4 Arantes, J. F. R. ETEP Faculdades ETEP Faculdades ETEP Faculdades ETEP Faculdades

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos

Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Beatriz Simone Dockhorn (FAHOR) bd000684@fahor.com.br Eliane

Leia mais

O QUE É QUALIDADE. Profa. Flávia Guimarães

O QUE É QUALIDADE. Profa. Flávia Guimarães O QUE É QUALIDADE Profa. Flávia Guimarães Considerações iniciais O que você entende por qualidade? Qual a importância da gestão pela qualidade total e sua influência para a organização? Mas afinal, o que

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

O USO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE VISANDO A PADRONIZAÇÃO DO TAMANHO DA MASSA DA LASANHA PRODUZIDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA

O USO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE VISANDO A PADRONIZAÇÃO DO TAMANHO DA MASSA DA LASANHA PRODUZIDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA O USO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE VISANDO A PADRONIZAÇÃO DO TAMANHO DA MASSA DA LASANHA PRODUZIDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA Wherllyson Patricio Goncalves (UFCG) wherllyson@yahoo.com.br Suelyn Fabiana

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais