Exemplos de Exercícios da Cadeira Gestão de Projectos. Qualidade e Manutenção. Ano Lectivo 2006/2007

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exemplos de Exercícios da Cadeira Gestão de Projectos. Qualidade e Manutenção. Ano Lectivo 2006/2007"

Transcrição

1 Exemplos de Exercícios da Cadeira Qualidade e Manutenção Ano Lectivo 2006/ Gestão da Qualidade de Junho de 2000 (6 valores) Um fabricante de placas gráficas de computadores especificou que a distância mínima entre dois pinos adjacentes de cada chip da memória é 1,5 ± 0,002. A perda devida à inutilização de um chip é de 600 u.m.. O fabricante mediu a distância entre pinos adjacentes em 20 chips de uma amostra aleatória e registou os seguintes valores: 1,500 1,501 1,499 1,501 1,500 1,500 1,500 1,499 1,500 1,501 1,501 1,500 1,499 1,499 1,500 1,501 1,499 1,501 1,501 1,500 a) Calcule a capacidade do processo (C pk ) b) Aplicando a função perda, calcule a perda expectável para um lote aceite pelas especificações com as seguintes características: 1,498: 0 unid.; 1,499: 830 unid.; 1,500: 70 unid.; 1,501: 730 unid.; 1,502: 270 unid de Junho de 2001 (2 valores) Os custos da qualidade são de três tipos: avaliação, falhas e prevenção. Qual deve ser a tendência de evolução relativa entre estes três tipos de custos? Porquê? (máximo 15 linhas) de Junho de 2001 (2 valores) A filosofia da Qualidade Total é composta por um conjunto amplo de ideias e atitudes. Seleccione um dos tópicos relevantes no contexto da Qualidade Total e descreva a sua importância na âmbito desta filosofia de gestão (máximo 15 linhas) de Julho de 2001 (1,5 valores) Comente a seguinte frase: As empresas certificadas segundo a norma ISO 9000 (1994) têm implementado uma filosofia de Qualidade Total e aplicam a Gestão para a Qualidade Total (TQM). (máximo 15 linhas) de Julho de 2001 (1,5 valores) O que entende por POKA-YOKE? Dê um exemplo de aplicação num produto e um exemplo de aplicação em produção. (máximo 15 linhas) de Julho de 2001 Admita que para um dado produto se efectua o controlo do processo por variáveis (valores de rugosidade superficial em µm). O controlo é efectuado periodicamente, retirando-se 5 amostras em cada período. De seguida apresentam-se os resultados de 25 períodos controlados, com os respectivos valores de cada amostra, gráfico X e histograma (de todas as amostras). Dos 25 períodos controlados infere-se que a média é de 24,21 µm, sendo o limite inferior de controlo 16 µm e o limite superior de controlo 32µm. A especificação deste produto tem como valor alvo 22 µm, sendo o produto aceite pelo cliente se a rugosidade superficial se situar no intervalo [0;50µm]. a) (1,5 valores) Comente a evolução do processo durante os 25 períodos, identificando fases de controlo, fases de fora de controlo e situações críticas (máximo 15 linhas). Questões de Exames - TQM 1/6

2 b) (1,5 valores) Comente o histograma, em termos da robustez do processo e satisfação do cliente (máximo 15 linhas) X1 25,4,5 18,8 26,1 15, ,7 26,3 18,5 27,1 30, ,1 26,6 30,3 26,7 27,5 20,4 13,9 33,1 31,9 17,2 11,9 30,6 27,9 X2 18,1 30, , ,4 25,3 19,7 19,3 21,5 14, , ,6 30, ,8 33,3 30, , ,2 15 X3 8,5 9,5 11,4 19,4 19,7 11, ,1 30,5 28,1 35,3 34,8 30, ,6 23,9 31, ,9 24, ,1 29,1 19,1 X4 26, ,6 15,8 27,8 19,6 26,3 28,6 33,8 17, ,5 8 27, ,2 30,3 24,1 21,8 32,3 23, X5 17,3 18,2 29,5 18,6 22,4 18,9 14,4 16,9 25,7 31,6 31,9 30,2 20,7 27,7 27,7 25, ,7 26,3 24, ,1 26,8 27,1 média 19,18 20,4 21,34 19,86 21,32 19,96 20,6 23,46 24,52 28,42 25,74 33,8 29,94 21,66 25,08 28,18 26,36 22,62 24,94 27,26 23,54 25,34 22,86 25,14 23, Média Nº de ocorrências Intervalos de Setembro de 2001 (1,5 valores) Considere o seguinte texto proferido por um responsável de uma empresa industrial: Na minha empresa está tudo sob controlo, uma vez que não tenho rejeitados. Todos os processos geram produtos dentro da especificação do cliente, portanto não necessito de acções de melhoria. Que comentários faz a esta frase e que conceitos tentará transmitir ao industrial. (máximo 15 linhas) de Setembro de 2001 (1,5 valores) Qual o objectivo da utilização de cartas de controlo (máximo 15 linhas) Junho 2002 a) Comente a seguinte frase: As empresas certificadas segundo a norma ISO 9000 (1994) têm implementado uma filosofia de Qualidade Total e aplicam a Gestão para a Qualidade Total (TQM). (máximo 15 linhas). b) Considere o seguinte texto proferido por um responsável de uma empresa industrial: Na minha empresa está tudo sob controlo, uma vez que não tenho rejeitados. Todos os processos geram produtos dentro da especificação do cliente, portanto não necessito de acções de melhoria. Que comentários faz a esta frase e que conceitos tentará transmitir ao industrial. (máximo 15 linhas) 1. de Julho 2002 a) O que entende por POKA-YOKE? Dê exemplos de casos utilizados em produção. ( linhas) b) Explique as vantagens de se analisarem lotes utilizando a Função de Perda de Taguchi. ( linhas). c) Refira resumidamente quais os objectivos da aplicação das ferramentas da qualidade (não é necessário descrevê-las) ( linhas). d) Comente a afirmação: Na minha empresa usamos sempre o alisamento exponencial duplo para calcularmos as previsões, porque fizemos um estudo há 5 anos e foi o que deu o melhor resultado ( linhas) de Junho 2004 Imagine-se director(a) industrial de uma grande empresa, a qual aplica há largos anos a gestão para a qualidade total com elevado sucesso. Uma das suas actividades de hoje é a de receber um engenheiro recém-licenciado que inicia a sua colaboração com a empresa. Ele vai integrar uma secção liderada por um engenheiro que é responsável por um grupo de Questões de Exames - TQM 2/6

3 20 operadores. Elabore um texto com o máximo de 15 linhas em que constem as principais ideias que pretende transmitir ao novo colaborador, nomeadamente o que dele espera e o que não espera. 2. Considere as três cartas de controlo seguintes: LES LES LES Dimensão medida Alvo LEI Dimensão medida Alvo LEI Dimensão medida Alvo LEI Tempo Tempo Tempo a) b) c) Para os três processos não têm existido produtos rejeitados. Num texto até 15 linhas compare o desempenho dos três processos, reflectindo sobre a eventual necessidade de acções de melhoria de Julho 2004 Um agente de compras realizou 3 consultas a 3 fornecedores para corpos de válvulas com um diâmetro de 3 ± 0,018 mm. Os 3 fornecedores indicaram que os seus processos estavam estatisticamente controlados e que forneceram registos desse controlo que evidenciavam uma distribuição normal com os seguintes dados: Fornecedor Média (mm) Desvio padrão (mm) 1 3 0, , ,99 0,003 Assumindo que todos os fornecedores propuseram o mesmo preço e a mesma responsabilidade de fornecimento, a que fornecedor deve adjudicar. Justifique de Julho de Imagine-se na função de director-geral de uma empresa que tem implementado a filosofia TQM. Contratou recentemente um director industrial, ao qual foi facilitado pela sua empresa uma formação intensiva em TQM. Pretende agora avaliar os conhecimentos deste, no sentido de verificar se valeu a pena a formação. Assim, formule uma pergunta de resposta múltipla sobre TQM, dando 3 opções de resposta em apenas uma delas é válida. 2. Considere que pretende seleccionar um processo de fabrico entre três alternativas de fornecedores distintos. Para isso presenciou a realização de 30 produtos com cada um dos processos, tendo solicitado o controlo dimensional dos mesmos. Os resultados estão presentes na seguinte tabela: Valor médio (mm) DP (mm),00 0,050 9,95 0,0 9,90 0,005 Sabendo que por especificações do cliente este produto tem como valor alvo mm e uma tolerância de %, qual dos processos seleccionaria. Esta informação é suficiente para a correcta comparação e selecção dos processos? Justifique. Questões de Exames - TQM 3/6

4 de Julho de 2005 Indique a resposta que considera correcta entre as várias opções indicadas para cada questão: 1. A certificação de uma empresa segundo a norma ISO 9000:2000 garante: Que a empresa certificada fornece produtos com qualidade. Que a empresa tem implementado um sistema de garantia da qualidade e que adopta estratégias TQM. Que a empresa não fornece produtos com defeitos. Que a empresa tem implementado um sistema de controlo de qualidade. 2. No início da implementação de uma filosofia TQM numa empresa ocorre: O aumento dos custos de prevenção e de avaliação e a diminuição dos custos de falhas. O aumento dos custos de avaliação, o aumento dos custos de falhas internas e a diminuição dos custos de falhas externas. A diminuição dos custos de falhas internas e externas e o aumento do custo com avaliação. Nenhum dos anteriores. 3. No âmbito do controlo estatístico do processo deve-se: Avaliar um processo em termos da sua capabilidade recorrendo aos gráficos de Shewart. Avaliar um processo através da verificação do cumprimento dos intervalos de especficação. Avaliar um processo estabelecendo, através de métodos estatísticos, o nível aceitável de defeituosos. Avaliar um processo em termos da sua capabilidade e estabilidade. 4. A função de perda de Taguchi é um método que: Permite traduzir em custo os desvios do lote em análise em relação ao valor alvo. Permite avaliar o tempo perdido na execução de uma determinada tarefa. Permite calcular de forma simples a perda originada por produtos defeituosos. Permite determinar uma função que estima a perda relacionada com os produtos defeituosos de Junho de 2006 Indique a resposta que considera correcta entre as várias opções indicadas para cada questão: (Cada resposta correcta tem a cotação de 1,5 valores; cada resposta incorrecta tem a cotação negativa de 0,5 valores (- 0,5)). Cotação total de 6 a - 2 valores. 1. Numa empresa que já tem aplicados os princípios de controlo de qualidade e que pretende implementar a filosofia TQM ocorre: O aumento dos custos de prevenção e de avaliação e a diminuição dos custos de falhas. O aumento dos custos de prevenção e a diminuição dos custos de falhas internas e de falhas externas e ainda a diminuição de custos com avaliação. A diminuição dos custos de falhas internas e externas e o aumento do custo com avaliação. A diminuição dos custos de falhas internas e o aumento do custo com avaliação e prevenção. 2. A função de perda de Taguchi é um método que: Permite traduzir em custo os desvios do lote em análise em relação ao valor alvo. Permite avaliar o tempo perdido na execução de uma determinada tarefa. Permite calcular de forma simples a perda originada por produtos defeituosos. Permite determinar uma função que estima a perda relacionada com os produtos defeituosos. Questões de Exames - TQM 4/6

5 3. Considere o processo cuja evolução está apresentada nos dois gráficos seguintes. Dos 25 períodos controlados inferese que a média é de 25,00 mm, o desvio padrão é de 6,81mm e o desvio padrão de 6,54 mm. A especificação deste produto tem como valor alvo 25 mm, sendo o produto aceite pelo cliente se se situar no intervalo [15;35 mm]. Relativamente a este processo assinale a afirmação correcta: O processo está controlado porque não apresenta pontos fora do limite de controlo. O processo é capaz mas apresenta várias instabilidades. O processo está centrado no valor alvo e estável e portanto pode considerar-se controlado. O processo é estável mas não é capaz. Média dos sub-grupos (mm) Amplitude dos sub-grupos (mm) Gráfico X 33,84 16, Nº do sub-grupo Gráfico R 32, Nº do sub-grupo 4. Para cumprir os requisitos do Método 6-Sigma o processo da alínea anterior: Deveria apresentar um desvio padrão de 1,66 mm mantendo a média de 25,00 mm. Deveria apresentar um desvio padrão cujo valor fosse 1/6 do intervalo de tolerância e cuja média estivesse centrada no valor alvo. Deveria apresentar um desvio padrão cujo valor fosse 1/12 do intervalo de tolerância qualquer que fosse o valor da média. Deveria apresentar um desvio padrão inferior a 1/12 do intervalo de tolerância qualquer que fosse o valor da média de Julho de 2006 Indique a resposta que considera correcta entre as várias opções indicadas para cada questão: (Cada resposta correcta tem a cotação de 1,5 valores; cada resposta incorrecta tem a cotação negativa de 0,5 valores (- 0,5)). Cotação total de 6 a - 2 valores. 1. Numa empresa que se certificou segundo a Norma ISO 9000:1994: Tem garantidamente aplicados os conceitos TQM e 6-Sigma. Necessita de investir em prevenção para atingir o TQM, o que originará o aumento dos custos relacionados com a qualidade. Necessita de investir em prevenção e avaliação para atingir o TQM, o que originará o aumento dos custos relacionados com a qualidade. Necessita de investir em prevenção para atingir o TQM, o que originará a redução dos custos relacionados com a qualidade. 2. As cartas de controlo são uma das 7 Ferramentas do TQM e constituem um instrumento simples de controlo do processo. São constituídas por 2 eixos (x-tempo e y-variável medida) e três linhas horizontais. Essas três linhas são: A média do processo e dois valores limite que o gestor do processo pretende que não sejam ultrapassados. Invariavelmente o valor alvo do processo e os limites de especificação do cliente. Questões de Exames - TQM 5/6

6 Invariavelmente a média do processo e os limites de controlo do processo definidos estatisticamente pelo método do Controlo Estatístico do Processo. Invariavelmente o valor alvo do processo e os limites de controlo do processo definidos estatisticamente pelo método do Controlo Estatístico do Processo. 3. Considere os dois processos representados pelos histogramas. O desvio padrão associado ao Processo 1 é de 7,5 e o do Processo 2 é 1,56. A especificação deste produto tem como valor alvo 25 mm, sendo o produto aceite pelo cliente se se situar no intervalo [15;35 mm]. Assinale a afirmação correcta: No âmbito do Controlo Estatístico do Processo (CEP), o Processo 1 é melhor que o Processo 2, porque a média está centrada no valor alvo. No âmbito do CEP, o Processo 2 é melhor que o Processo 1, porque é mais estável. No âmbito do CEP, o Processo 1 é melhor que o Processo 2, porque não apresenta rejeitados. No âmbito do CEP, o Processo 2 é melhor que o Processo 1, porque é mais capaz. Taxa de Ocorrência Processo 1 % 20% 40% 20% % Taxa de Ocorrência Processo 2 50% 50% Intervalos de medida Intervalos de medida 4. Sabendo que o custo de produção do produto anterior é de 0 : O Processo 1 apresentaria menor valor na Função de Perda que o Processo 2. Ambos os Processos apresentariam o mesmo valor na Função de Perda (0) porque não originam rejeitados. O Processo 2 apresentaria menor valor na Função de Perda porque a sua variabilidade é muito menor e o desvio em relação ao valor alvo é pequeno. Ambos os Processos apresentariam o mesmo valor na Função de Perda (12,5) porque os diferentes desvios padrão são compensados por diferentes médias. Questões de Exames - TQM 6/6

Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos. Profa. Rejane Tubino

Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos. Profa. Rejane Tubino Controle estatístico, manutenção e confiabilidade de processos Profa. Rejane Tubino Cartas de controle- CEP Aplicação: quando se necessitar verificar quanto de variabilidade do processo é devido à variação

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade João Seabra e Barros INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação, Departamento de Engenharia Energética e Controlo

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1 GESTÃO Gestão dos Processos e Operações: 8.2-Gestão da Qualidade DEG/AB 1 GESTÃO DA QUALIDADE Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor Consumidor: qualidade é o grau em que o produto satisfaz as

Leia mais

CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP

CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP CAPÍTULO 9 CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP 1. INTRODUÇÃO Produções seriadas; Produções não-seriadas; Prestação de serviços. A) Processo com Interação de Insumos Definição de Processo: seqüência

Leia mais

a) Suponha que na amostra de 20 declarações foram encontrados 15 com dados incorrectos. Construa um

a) Suponha que na amostra de 20 declarações foram encontrados 15 com dados incorrectos. Construa um Escola Superior de Tecnologia de Viseu Probabilidades e Estatística 2007/2008 Ficha nº 7 1. O director comercial de uma cadeia de lojas pretende comparar duas técnicas de vendas, A e B, para o mesmo produto.

Leia mais

CAPÍTULO 8 - DECISÃO: ELABORANDO A GESTÃO DE UM RECURSO NATURAL 68. Exercício: UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL

CAPÍTULO 8 - DECISÃO: ELABORANDO A GESTÃO DE UM RECURSO NATURAL 68. Exercício: UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL CAPÍTULO 8 - DECISÃO: ELABORANDO A GESTÃO DE UM RECURSO NATURAL 68 Exercício: UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL O seu objectivo neste exercício é implementar uma estratégia de colheita para uma população de palmeiras

Leia mais

Índice de Exercícios. Exercício 1.

Índice de Exercícios. Exercício 1. Índice de Exercícios Exercício 1...1 Exercício 2...2 Exercício 3...4 Exercício 4...7 Exercício 5. (Ficha de trabalho de Metrologia e Qualidade módulo 4)...8 Exercício 6. (Ficha de trabalho de Metrologia

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho PÁG. 1 DE 5 1. - OBJECTIVO Pretende-se definir: princípios básicos de adequados às actividades desenvolvidas pelas empresas do Grupo Santos e Vale visando prevenir os riscos profissionais e promover a

Leia mais

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução Capítulo 8 - Testes de hipóteses 8.1 Introdução Nos capítulos anteriores vimos como estimar um parâmetro desconhecido a partir de uma amostra (obtendo estimativas pontuais e intervalos de confiança para

Leia mais

MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES

MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES GUIÃO DE UTILIZAÇÃO FORMULÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES - 1 - INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Questões Prévias: 1. A Entidade Titular do Pedido de Financiamento deverá

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Centro de Formação de Associação de Escolas de. Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel. Acção de Formação

Centro de Formação de Associação de Escolas de. Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel. Acção de Formação Centro de Formação de Associação de Escolas de Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel Acção de Formação Geogebra - Uma visita aos programas de Matemática dos 2º e 3º Ciclos Relatório final Pedro José Marques

Leia mais

Palavras Chave: PPAP, comparação, melhoria contínua, seis sigma, Cpk mínimo, Ppk, ISO-9000, QS- 9000.

Palavras Chave: PPAP, comparação, melhoria contínua, seis sigma, Cpk mínimo, Ppk, ISO-9000, QS- 9000. Comparação do Cpk/Ppk para Melhoria Contínua e Conformidade PPAP Palavras Chave: PPAP, comparação, melhoria contínua, seis sigma, Cpk mínimo, Ppk, ISO-9000, QS- 9000. Sumário A melhoria contínua é um ponto

Leia mais

RESULTADOS. A consulta pública decorreu durante o mês de Setembro de 2010, durante o

RESULTADOS. A consulta pública decorreu durante o mês de Setembro de 2010, durante o MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Instituto da Água, I. P. Departamento de Monitorização e Sistemas de Informação do Domínio Hídrico Divisão de Qualidade da Água CONSULTA PÚBLICA DA

Leia mais

Variabilidade do processo

Variabilidade do processo Variabilidade do processo Em todo processo é natural encontrar certa quantidade de variabilidade. Processo sob controle estatístico: variabilidade natural por causas aleatórias Processo fora de controle:

Leia mais

Novos projectos do Governo dinamizam rastreabilidade

Novos projectos do Governo dinamizam rastreabilidade Novos projectos do Governo dinamizam rastreabilidade A identificação por radiofrequência é cada vez mais usada nas empresas portuguesas. A introdução de chips nas matrículas automóveis e o Cartão do Aluno

Leia mais

1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO. Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos

1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO. Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos 1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos Conceitos Objectivos/ Competências Agricultura controlada 3º Ciclo 8º Ano Geografia Território

Leia mais

MATERIAIS EM ENGENHARIA 2º Exame Ano lectivo 2013/2014 31 de Janeiro 11:30 horas

MATERIAIS EM ENGENHARIA 2º Exame Ano lectivo 2013/2014 31 de Janeiro 11:30 horas MATERIAIS EM ENGENHARIA º Exame Ano lectivo 013/014 31 de Janeiro 11:30 horas - Esta folha pode ser entregue juntamente com o exame. Aluno nº: Nome: - O EXAME É SEM CONSULTA. - NÃO É PERMITIDA A UTILIZAÇÃO

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade N.º 2089206 Maria da Luz Abreu N.º 2405797 Teodoto Silva N.º 2094306 Vitalina Cunha N.º 2010607 FERRAMENTAS DA QUALIDADE

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br Ferramentas da Qualidade Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br ABORDAGENS DA QUALIDADE ABORDAGENS DA QUALIDADE Desde que a Qualidade se tornou um atributo do processo produtivo, ela vem sendo

Leia mais

Guião de Entrevista a Aplicar ao Grupo 1 «Candidatos»

Guião de Entrevista a Aplicar ao Grupo 1 «Candidatos» Anexo III Tese de Mestrado: O e-learning nos Processos de RVCC de Nível Secundário Guião de Entrevista a Aplicar ao Grupo 1 «Candidatos» Tema Estudo O e-learning nos Processos de RVCC de Nível Secundário:

Leia mais

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica Plano da Qualidade Empreitada de Estrutura Metálica Obra: Decathlon - Matosinhos Centro de Custo: 09845 Cliente: Omnitrade / Maia & Maia Edição: 01 Data:14-04-2009 Elaborado: Aprovado: pág.. 1/15 ÍNDICE

Leia mais

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade Publicação Nº 4-13 Janeiro 2010 ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade PONTOS DE INTERESSE: Estrutura Metodologia de Implementação São notórias as crescentes exigências do mercado no que toca a questões de

Leia mais

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral «ÁREA DE PROJECTO COMO FAZER?» Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral Centro De Formação Penalva e Azurara Círculo de Estudos

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10 Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano ectivo 09/10 Duração da Actividade: 90 minutos Data: 04/ 12 / 09 Responda com clareza às questões

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Licenciatura em Engenharia de Comunicações Licenciatura em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores Investigação Operacional Exercícios de Métodos para Programação Linear Grupo de Optimização e

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções Spot Picker V 0.1 Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Lda Rua D. Luís de Noronha n.º 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel. (+351)

Leia mais

Implementação de Políticas de Segurança da Informação baseados na ISO 27001:2013

Implementação de Políticas de Segurança da Informação baseados na ISO 27001:2013 Implementação de Políticas de Segurança da Informação baseados na ISO 27001:2013 Orador: Engº Divaldo Sousa Agenda O que é a informação? Formato da informação. Importância da informação para as organizações.

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 RELATÓRIO FINAL 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO A publicação das normas ISO 24500 (ISO 24510, ISO 24511 e ISO 24512), que constituem o primeiro conjunto de normas

Leia mais

Madeira. Bens e serviços. Açores. Taxa Taxa intermédia. Observações / Legislação reduzida

Madeira. Bens e serviços. Açores. Taxa Taxa intermédia. Observações / Legislação reduzida F i s c a l i d a d e TOC 86 - Maio 2007 Para determinar a taxa aplicável nas operações relacionadas com as Regiões Autónomas são chamados os critérios constantes do artigo 6. do Código do IVA, por força

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Modelação e Identificação de Sistemas. Controlo. Ângelo Carmo - 1579 Luis Santos - 2717

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Modelação e Identificação de Sistemas. Controlo. Ângelo Carmo - 1579 Luis Santos - 2717 Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Curso de Licenciatura em Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação Modelação e Identificação de Sistemas Controlo Sistema de Transporte e Compactação de

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 1ºTeste Sumativo 1ºPeríodo Duração do Teste: 90 minutos Data: 07 / 11 / 08 Prof. Dulce Godinho

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Uma das áreas que tem merecido

Uma das áreas que tem merecido 36 Fiscalidade O actual enquadramento fiscal dos rendimentos derivados de prestações de serviços por parte de sociedades não residentes, bem como as formalidades a cumprir de forma a legitimar a aplicação

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA O objecto da estatística Ciência que dispõe de processos apropriados para recolher, organizar, classificar, apresentar e interpretar conjunto de dados. 13-03-2002 Margarida Pocinho

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Cristina Neto de Carvalho Gioconda Magalhães Data: 30 de Junho de 2007 Sílvia Cortês Duração: 2 horas e 30 minutos Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro EXAME

Leia mais

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos.

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos. Capítulo I 19 20 21 1 Introdução 1.1. Motivos que conduziram ao estudo Ser um matemático já não se define como aquele que conhece um conjunto de factos matemáticos, da mesma forma que ser poeta não é definido

Leia mais

2.ª Chamada de Gestão da Informação

2.ª Chamada de Gestão da Informação Classificação I II III IV V NOME: Prova cotada para 20,00 valores Exame Teste A 2.ª Chamada de N.º: Declaro que desisto. GRUPO I Tempo máximo recomendado: 20 minutos; Cotação: 2,0 valores (10 x 0,2 valores)

Leia mais

Actualização de dados da Declaração Ambiental

Actualização de dados da Declaração Ambiental Actualização de dados da Declaração Ambiental 2 0 0 5 G U I M A R Ã E S REG. Nº P-000014 Actualização de dados da Declaração Ambiental 2005 Índice 1. Política de Qualidade e Ambiente 4 2. Aspectos Gerais

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

Percentagem realizada do Taxa de execução. 5.00 Lar Residencial. conformes/ nº de Garantir a certificação da qualidade. 100.00 registos.

Percentagem realizada do Taxa de execução. 5.00 Lar Residencial. conformes/ nº de Garantir a certificação da qualidade. 100.00 registos. Lar Residencial DS.03.319 POLÍTICAS ANO: 2014 Política da qualidade A organização define, implementa e controla o seu compromisso com a satisfação das necessidades e expectativas legítimas dos clientes

Leia mais

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Esta Norma Interpretativa decorre da NCRF 12 - Imparidade de Activos. Sempre que na presente norma existam remissões

Leia mais

O desenvolvimento da Contabilidade está naturalmente ligado ao desenvolvimento económico

O desenvolvimento da Contabilidade está naturalmente ligado ao desenvolvimento económico INTRODUÇÃO 1. Desenvolvimento histórico O desenvolvimento da Contabilidade está naturalmente ligado ao desenvolvimento económico Alguns marcos de desenvolvimento: Séc. XV introdução das partidas dobradas

Leia mais

Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo

Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo Curso e-learning CEP Controle Estatístico de Processo Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos

Leia mais

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Impostos Diferidos Ano Lectivo 2010/2011

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Impostos Diferidos Ano Lectivo 2010/2011 CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Impostos Diferidos Ano Lectivo 2010/2011 Fevereiro 2011 EXERCÍCIO Nº 1 Ajustamento para Cobr. Duvidosas 1. A entidade Metálica, S.A. procede a ajustamentos por imparidade

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Fábrica 1 Fábrica 2 Fábrica 3 Mina 1 45 80 140 Mina 2 70 145 95

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Fábrica 1 Fábrica 2 Fábrica 3 Mina 1 45 80 140 Mina 2 70 145 95 Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Ano lectivo: 2008/2009; Curso: Economia Ficha de exercícios nº5: Problema de Transportes e Problema de Afectação. 1. Uma

Leia mais

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Artigo publicado na revista Lumiere Electric edição nº 166 Aplicações de investimentos dentro das empresas sempre são questionadas

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:256528-2012:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:256528-2012:text:pt:html 1/13 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:256528-2012:text:pt:html I-Ispra: Contrato-quadro com vista à prestação do serviço de manutenção para instrumentos de

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

para a Qualidade Certificação ISO 9001 na Área da Saúde Helder Lopes Julho de 2010 www.iqa.pt

para a Qualidade Certificação ISO 9001 na Área da Saúde Helder Lopes Julho de 2010 www.iqa.pt Sensibilização para a Qualidade Certificação ISO 9001 na Área da Saúde Helder Lopes Julho de 2010 www.iqa.pt Sumário Principais temas da apresentação 1 Dados estatísticos da certificação em Portugal e

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento Informática Disciplina Sistemas de Instrumentação Engenharia de Sistemas e 1 Ano Curso Ano 2º Semestre Informática º Lectivo Aulas TeóricoPráticas Ficha de Trabalho N.º5 2005/2006 Título Sistemas

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

Ferramentas de Análise (Estudo dos Métodos)

Ferramentas de Análise (Estudo dos Métodos) Ferramentas de Análise (Estudo dos Métodos) Gestão da Produção 7/ Paulo Peças Metodologias para suportar o TQM Metodologias para suportar o TQM Gestão para a Qualidade Total Gerir toda a organização, por

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado:

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado: Rodrigo Barata Página 2 de 14 Indice 1. Promulgação 3 2. Politica da Qualidade 3 3. Missão da Empresa 4 4. Campo de aplicação 4 4.1 Referências 4 5. Apresentação da Empresa Rodrigo Barata Unipessoal 5

Leia mais

8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. Ponto - 8.2.1 Princípios Contabilísticos. Ponto - 8.2.2 Comparabilidade das Contas

8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. Ponto - 8.2.1 Princípios Contabilísticos. Ponto - 8.2.2 Comparabilidade das Contas 8.2 - Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Nota Introdutória No âmbito dos anexos às demonstrações financeiras e em conformidade com o ponto 8.2 do Decreto-lei nº 54-A/99 de 22 de Fevereiro,

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DOS LEILÕES MANHEIM SALVADOS

CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DOS LEILÕES MANHEIM SALVADOS CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DOS LEILÕES MANHEIM SALVADOS 1. Introdução Por favor, leia atentamente este documento. Nele constam as condições destinadas a regular a participação, licitação e compra e venda de

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova de Exame Nacional de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova 835 2011 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS - EMPRESAS DO GRUPO METALCON -

REGULAMENTO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS - EMPRESAS DO GRUPO METALCON - REGULAMENTO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS - EMPRESAS DO GRUPO METALCON - 1 ÍNDICE 1. Enquadramento. 3 3. Princípios orientadores da Politica de Gestão de Recursos Humanos..... 4 A) Recrutamento..... 6 B)

Leia mais

Marcação CE Estruturas Metálicas. Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013

Marcação CE Estruturas Metálicas. Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013 Marcação CE Estruturas Metálicas Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013 Objectivos Apresentação da EN ISO 9606-1:2013; Definição das variáveis essenciais na certificação dos

Leia mais

Esclarecimentos #2 ao Programa de Qualificação

Esclarecimentos #2 ao Programa de Qualificação SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO DE EMPREITEIROS DA EDP DISTRIBUIÇÃO ENERGIA, S.A. (13/SQF/2013) Esclarecimentos #2 ao Programa de Qualificação 21.02.2014 1 2 Todas as empresas (individuais ou associadas) deverão

Leia mais

Rastreabilidade na Indústria Alimentar

Rastreabilidade na Indústria Alimentar Rastreabilidade na Indústria Alimentar Trabalho realizado por: Ana Rita Ferreira nº 3458 Liliana Oliveira nº 3460 Susana Eloy nº 3455 Contextualização do conceito de Rastreabilidade Perigos para a Saúde

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Controlo Orçamental 2007/2041(DEC) 5.2.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2006 (C6-0366/2007

Leia mais

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º.

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º. REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA Capítulo I Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas Artigo 1º (Objecto) O Presente Regulamento tem por objecto a fixação das condições de

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA INTEGRADO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA

PROCEDIMENTO DO SISTEMA INTEGRADO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA PROCEDIMENTO DO SISTEMA INTEGRADO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA PQAS 12 - E AUDITORIAS INTERNAS Cópia: Aprovação: Data: 11-04-2011 Página 2 de 8 ÍNDICE 1. OBJECTIVOS...2 2. ÂMBITO...2 3. SIGLAS, DEFINIÇÕES

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Jurídicos. 10.6.2005 PE 360.003v01-00

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Jurídicos. 10.6.2005 PE 360.003v01-00 PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão dos Assuntos Jurídicos 2009 10.6.2005 PE 360.003v01-00 ALTERAÇÕES 1-17 Projecto de recomendação para segunda leitura Michel Rocard Patenteabilidade das invenções

Leia mais

Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores

Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores 1 Princípios orientadores da recuperação extrajudicial de devedores O procedimento extrajudicial de recuperação de devedores permite que,

Leia mais

CIRCULAR DE 2011. Numa segunda parte chamaremos a atenção para alguns aspectos de índole contabilística. Aspectos de natureza fiscal

CIRCULAR DE 2011. Numa segunda parte chamaremos a atenção para alguns aspectos de índole contabilística. Aspectos de natureza fiscal CIRCULAR DE 2011 Das constantes alterações implementadas, tanto a nível fiscal como legal, através de circulares, fomos dando conhecimento, pelo menos, das que de uma forma directa ou indirectamente afectem

Leia mais

Gestão Gestão de Qualidade

Gestão Gestão de Qualidade Gestão Gestão de Qualidade Qualidade fator bastante objectivo difere de pessoa para pessoa e difere no tempo Consumidor grau em que o produto satisfaz as necessidades pelas quais foi adquirido Produtores

Leia mais

Exercícios - Enunciados

Exercícios - Enunciados Exercícios - Diagrama de Classes Transposição SQL Exercícios Diagrama de Classes (UML) Notas de Avaliações Agenda Contactos Gestão de Projectos Multibanco Vendedores Estatística de Vendas Rodoviária Metropolitano

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Relatório Resumo Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Fevereiro de 2009 Departamento de Qualidade e Comunicação sofia.viegas@apemeta.pt Índice: 2 1. Enquadramento 3 2. Avaliação da

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM Óbidos, Novembro 2008 Maria da Saudade de Oliveira Custódio Lopes SUMÁRIO DE APRESENTAÇÃO A Política de Qualidade para as Instituições de Saúde:

Leia mais

Artigo Março 2005 AC05102LIS/ENG Engenharia Preventiva Inspecção Periódica de Edifícios Luís Viegas Mendonça João de Sousa Rodolfo 2005 SpyBuilding

Artigo Março 2005 AC05102LIS/ENG Engenharia Preventiva Inspecção Periódica de Edifícios Luís Viegas Mendonça João de Sousa Rodolfo 2005 SpyBuilding Artigo Março 2005 AC05102LIS/ENG Engenharia Preventiva Inspecção Periódica de Edifícios Luís Viegas Mendonça João de Sousa Rodolfo Engenharia Preventiva Inspecção Periódica de Edifícios Luís Viegas Mendonça*

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

4. Princípios da Gestão da Qualidade

4. Princípios da Gestão da Qualidade FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Parte 1: Fundamentos de Gestão da Qualidade 4. Princípios da Gestão da Qualidade (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, jfaria@fe.up.pt

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

CIRCUITOS OSCILADORES

CIRCUITOS OSCILADORES Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial Laboratórios Integrados II IUITOS OSILADOES Trabalho Prático nº 1 Electrónica Industrial Laboratórios Integrados II 2005/2006 T.P. n º1 Índice

Leia mais

INE 7002 LISTA DE EXERCÍCIOS MODELOS PROBABILÍSTICOS

INE 7002 LISTA DE EXERCÍCIOS MODELOS PROBABILÍSTICOS Lista de Exercícios - Modelos Probabilísticos 1 INE 7002 LISTA DE EXERCÍCIOS MODELOS PROBABILÍSTICOS 35) Em um sistema de transmissão de dados existe uma probabilidade igual a 0,05 de um dado ser transmitido

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

Ano lectivo: 2013 / 2014

Ano lectivo: 2013 / 2014 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS, SOCIAIS E HUMANAS ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Ano lectivo: 2013 / 2014 Data: 12 de Junho de 2013 Duração: 2h00m LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

1/7 *UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR* (A classificação desta prova será publicada neste site)

1/7 *UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR* (A classificação desta prova será publicada neste site) Classificação: Valores *UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR* Dep. de Gestão e Economia Exame de 1.ª Chamada de Gestão da Informação Ano lectivo 2007-2008 Licenciatura em: Data: 2008-07-26 Gestão Docente: Francisco

Leia mais

8.1 - Datas associadas à execução física 8.2 - Datas associadas à execução financeira INVESTIMENTO TOTAL 0,00

8.1 - Datas associadas à execução física 8.2 - Datas associadas à execução financeira INVESTIMENTO TOTAL 0,00 5 - LOCALIZAÇÃO DO PROJECTO Ilha Concelho i) % Concelho % Concelho % i) Sempre que o Projecto abranja mais do que um Concelho, indicar qual o respectivo benefício (%). 6 - CARACTERIZAÇÃO DO PROJECTO (Descrição

Leia mais

Guia de bolso de técnicas de análise estatística

Guia de bolso de técnicas de análise estatística Guia de bolso de técnicas de análise estatística Guia de bolso de técnicas de análise estatística para uso em ferramentas de aperto Capítulo...Página 1. Introdução...4 2. Estatística básica...5 2.1 Variação...5

Leia mais

Dossiês Didácticos LUÍSA CANTO E CASTRO LOURA MARIA EUGÉNIA GRAÇA MARTINS

Dossiês Didácticos LUÍSA CANTO E CASTRO LOURA MARIA EUGÉNIA GRAÇA MARTINS www.alea.pt Dossiês Didácticos XIII Estatística Descritiva com Excel Complementos. LUÍSA CANTO E CASTRO LOURA MARIA EUGÉNIA GRAÇA MARTINS Departamento de Estatística e Investigação Operacional da Faculdade

Leia mais

Licenciatura em Comunicação Empresarial

Licenciatura em Comunicação Empresarial Resumo Este artigo tem como objectivo principal fazer uma breve análise da comunicação do pessoal-mix de uma organização, as vantagens de uma boa comunicação entre os mais variados sectores de actividade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

EXERCÍCIO Nº 1 RESOLUÇÃO

EXERCÍCIO Nº 1 RESOLUÇÃO EXERCÍCIO Nº 1 RESOLUÇÃO 1. Ajustamento de Transição Custo de Aquisição = 70.000 Quantia do Capital Próprio em 31/12/N-1 = 140.000 * 40% = 56.000 (demonstrações financeiras mais recentes) Ajustamento de

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30 Leia com atenção as seguinte intruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com

Leia mais

PROTECÇÃO ANTICORROSIVA DE ESTRUTURAS DE AÇO

PROTECÇÃO ANTICORROSIVA DE ESTRUTURAS DE AÇO PROTECÇÃO ANTICORROSIVA DE ESTRUTURAS DE AÇO 1. Introdução A parte 5 da norma EN ISO 12944 descreve os diferentes tipos de pintura, esquemas mais utilizados na protecção anticorrosiva de estruturas de

Leia mais