GAC: Governação, Auditoria e Controlo: que instrumentos nos faltam?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GAC: Governação, Auditoria e Controlo: que instrumentos nos faltam?"

Transcrição

1 GAC: Governação, Auditoria e Controlo: que instrumentos nos faltam? José Tribolet e Pedro Sousa Professores de Sistemas de Informação Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa. Lisboa, 8 Novembro November 2008 Prof. José Tribolet, 1

2 Agenda Part I GAC e Engenharia Empresarial 1. GAC porquê? 2. GAC o quê? 3. GAC quando? 4. GAC como? 5. Engenharia, Arquitectura e Governação Empresarial 6. Observabilidade, Controlabilidade e Enterprise Design Part II Instrumentos para a GAC SI/TI 7. Cartografia Empresarial 8. Vistas, Impactos, Riscos 9. Medidas a Tomar

3 Part I GAC e Engenharia Empresarial 13 November 2008 Prof. José Tribolet, 3

4 1. GAC porquê? Uma empresa é uma rede semântica de active servers, uns de carbono (pessoas) e outros de silício (computadores), transacionando em tempo real! 13 November 2008 Prof. José Tribolet, 4

5 1. GAC porquê? A empresa é aquilo que os seus active servers fazem. E o tudo o mais é treta! 13 November 2008 Prof. José Tribolet, 5

6 1. GAC porquê? A GAC existe para assegurar que as transacções em rede cumprem as finalidades subjacentes ao propósito da empresa e justificam a sua continuada existência. 13 November 2008 Prof. José Tribolet, 6

7 2. GAC o quê? GAC a execução transacional em rede. Quem ( que servidores), faz (que acções), sobre o quê (que recursos), com que efeitos (mudanças de estado), como (que transações), quando e porquê ( contextos, processos) 13 November 2008 Prof. José Tribolet, 7

8 3. GAC quando? Em operational run time! Sempre, continuamente. O tempo é uma variável invariante à acção humana. O relógio está sempre a correr! E hoje não flui mais em horas, minutos e segundos, à escala humana. Corre em Mhz! 13 November 2008 Prof. José Tribolet, 8

9 4. GAC como? Actuando em run-time, em paralelo com as operações de negócio, observando, verificando e invocando as instâncias de alto nível de Governação, sempre que necessário! 13 November 2008 Prof. José Tribolet, 9

10 5. Engenharia, Arquitectura e Governação Empresarial Está a emergir, neste Século XXI uma nova área de engenharia: A Engenharia Empresarial 13 November 2008 Prof. José Tribolet, 10

11 EE MANIFESTO (2011) Enterprises are essentially social systems, of which the elements are human beings in their role of social individual with authority and responsibility.

12 The emerging discipline of Enterprise Engineering Information Systems Sciences Organization Sciences Form Data Data Systems Engineering Content Intention Information, Communication Collaboration, Cooperation Information Systems Engineering Enterprise Engineering

13 EE MANIFESTO (2011) The operating principle of enterprises is that social individuals enter into and comply with commitments regarding the products or services that they create and deliver. These actions come in universal patterns, called transactions.

14 THE GSDP GSDP Generic Systems Development Process

15 What is Enterprise Ontology? Conceptually Enterprise Ontology is the understanding of an enterprise s construction and operation in a way that is independent of realization and implementation.

16 Organization Construction Diagram personal data library general CPB11 CPB12 CPB14 data data LIBRARY CA01 board CA02 aspirant member CA03 publi sher reduced fee approv al T03 membership T01 regis trati on T02 membership fee payment T08 book shipment A01 regis trar A09 stock controller A10 annual fee controller T09 stock control annual fee control T10 A04 loan creator A06 loan termi nator loan start T04 book return T05 loan end T06 return fine T07 pay ment CA04 member book ti tles CPB13 library data CPB12

17 What is Enterprise Ontology? Practically it is the highest-level constructional model of an enterprise, the implementation model being the lowest one.

18 What is Enterprise Ontology? Compared to its implementation model, the ontological model offers a reduction of complexity of well over 90%. Only by applying this notion of Enterprise Ontology can substantial strategic changes of enterprises be made intellectually manageable.

19 The ontological aspect models SYSTEM construction Construction Model CM C-WORLD statics & kinematics Process Model PM SM State Model P-WORLD statics & kinematics AM Action Model SYSTEM dynamics

20 The ontological aspect models Construction Model : regards the construction of the enterprise system, specified by transaction types, actor roles (plus initiator and executor links), and information banks (plus information links). Process Model : regards the state space and process space of the coordination world, specified by business events and (declarative) business rules. State Model : regards the state space and process space of the production world, specified by business objects, business facts, and (declarative) business rules. Action Model : regards the operation of the enterprise system, specified by imperative business rules.

21 The ontological aspect models

22 Enterprise Governance CPB17 CPB14 CPB16 CPB15 Enterprise Governance Business rule definition T01 A01 Business rule manager Business rule management T11 A11 Business rules provisioner run-time control T05 A04 Interceptor Observation of run-time session T04 CA04 CPB16 Model definition T02 A02 Model manager Model management T12 A12 Model provisioner A05 Run-time controller run-time access control T06 A06 User Access definition T03 A03 Access controller T13 Access management A13 Access provisioner T07 run-time business rule control A07 Business rules engine Run-time T08 access controller run-time ID control A08 UUID checker CPB18 CPB19 CPB15 CPB17

23 6. Observabilidade, Controlabilidade e Enterprise Design 13 November 2008 Prof. José Tribolet, 23

24 Dynamical Enterpise Control Uma empresa é um sistema com actuadores os seus servidores de carbono e de sílica interagindo em rede, em tempo real. Como qualquer sistema dinâmico, o seu controlo implica feedback. A partir das observações das varáveis observáveis, faz-se a actualização do modelo empresarial em execução e define-se a actuação controlada das variáveis controláveis.

25 Enterprise Design As empresas são artefactos artificiais, construídos pelos Homens. Têm desígnio! A GAC tem como objectivo assegurar a bondade dos desígnios, e da conformidade da sua execução. É imprescindível desenhar as empresas para serem observáveis e controláveis! É imperioso o recurso à Engenharia Empresarial!

26 Agenda Part I GAC e Engenharia Empresarial 1. GAC porquê? 2. GAC o quê? 3. GAC quando? 4. GAC como? 5. Engenharia, Arquitectura e Governação Empresarial 6. Observabilidade, Controlabilidade e Enterprise Design 7. Cartografia Empresarial 8. Vistas, Impactos, Riscos 9. Medidas a Tomar

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 -

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - Glossário BiSL Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - 1. Glossário de Terminologia Terminologia em Inglês Terminologia em Português BiSL processes Processos de BiSL Business data management

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

Engenharia de Ontologias Seminário UPON

Engenharia de Ontologias Seminário UPON Engenharia de Ontologias Seminário UPON Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias Bruno Nandolpho Machado Vinícius Soares Fonseca Professor: Ricardo de Almeida Falbo Agenda RUP Método UPON

Leia mais

Live Show Gerenciamento de Ambientes. Danilo Bordini (http://blogs.technet.com/dbordini ) Rodrigo Dias (http://blogs.technet.

Live Show Gerenciamento de Ambientes. Danilo Bordini (http://blogs.technet.com/dbordini ) Rodrigo Dias (http://blogs.technet. Live Show Gerenciamento de Ambientes Danilo Bordini (http://blogs.technet.com/dbordini ) Rodrigo Dias (http://blogs.technet.com/rodias) Live Show! Vocês são do Time! Período do Evento Final de Semana Durante

Leia mais

egovernment The Endless Frontier

egovernment The Endless Frontier CENTRO DE GESTÃO DA REDE INFORMÁTICA DO GOVERNO (Management Center for the Electronic Government Network) egovernment The Endless Frontier Alexandre Caldas 29 th June 2010 Summary VISION AND LEADERSHIP

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Planeamento Estratégico de Sistemas de Informação e Desenvolvimento de Software

Cadeira de Tecnologias de Informação. Planeamento Estratégico de Sistemas de Informação e Desenvolvimento de Software Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/2010 Planeamento Estratégico de Sistemas de Informação e Desenvolvimento de Software TI20009/2010_DS- 1 Tópicos 1. Plano Estratégico de Sistemas e

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

Exchange ou Office 365: Existe um Cenário Alternativo

Exchange ou Office 365: Existe um Cenário Alternativo Exchange ou Office 365: Existe um Cenário Alternativo Igor Ivanowsky System Engineer Agenda 1 EV.Cloud Visão Geral 2 Office 365 Visão Geral 3 Office 365 - GAPs 4 EV.cloud + Office 365 Copyright 2014 Symantec

Leia mais

IT Governance e ISO/IEC 20000. Susana Velez

IT Governance e ISO/IEC 20000. Susana Velez IT Governance e ISO/IEC 20000 Susana Velez Desafios de TI Manter TI disponível Entregar valor aos clientes Gerir os custos de TI Gerir a complexidade Alinhar TI com o negócio Garantir conformidade com

Leia mais

Computational viewpoint. Engineering Viewpoint

Computational viewpoint. Engineering Viewpoint Processamento Paralelo RM-ODP Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) 2007/0 - INF02799 RM-ODP Reference Model for Open Distributed Processing Contém conceitos para a especificação de sistemas

Leia mais

R/3 e SAP WAS. 8/28/2003 José Alves Marques. R/3 e SAP WAS(2)

R/3 e SAP WAS. 8/28/2003 José Alves Marques. R/3 e SAP WAS(2) R/3 e SAP WAS O R/3 é um ERP Enterprise Resource Planning Um ERP é o sistema empresarial que disponibiliza módulos para os processos de negócio - de uma empresa Um ERP permite aumentar a eficiência dos

Leia mais

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul Juliano Sulzbach Consultor de Vendas Oracle Regional Sul GUO-RS Oracle BPEL Process Manager Agenda Introdução Oracle BPEL Process Manager Rápida revisão Demonstrações Agenda Introdução Oracle BPEL Process

Leia mais

Microsoft Services Provider License Program

Microsoft Services Provider License Program Microsoft Services Provider License Program Agenda Programa SPLA Service Provider License Agreement O que é um Fornecedor de Serviços? O que são Serviços de Software? O que é o SPLA? O SPLA é a oferta

Leia mais

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425 CMDB no ITIL v3 Miguel Mira da Silva mms@ist.utl.pt 919.671.425 1 CMDB v2 Configuration Management IT components and the services provided with them are known as CI (Configuration Items) Hardware, software,

Leia mais

Conteúdo: Regulamentações de conformidade; CobiT; ITIL; Normas de Segurança da Informação (Família ISO 27000).

Conteúdo: Regulamentações de conformidade; CobiT; ITIL; Normas de Segurança da Informação (Família ISO 27000). Segurança em Redes de Computadores e Auditoria de Sistemas Emanuel Rebouças, MBA AGENDA AULA 4 & 5 Objetivo: Avaliar as melhores práticas do mercado na área de Segurança da Informação e como aplicá-las

Leia mais

SAP BASIS O curso completo abrange dois módulos:

SAP BASIS O curso completo abrange dois módulos: SAP BASIS O curso completo abrange dois módulos: - SAP FOUNDATIONS (40 horas EAD) - BASIS (40 horas presenciais), tendo como pré requisito o módulo SAP FOUNDATIONS * Conteúdo Módulo SAP FOUNDATIONS (40

Leia mais

Modelação dos mecanismos de controlo de acesso numa arquitectura empresarial

Modelação dos mecanismos de controlo de acesso numa arquitectura empresarial Modelação dos mecanismos de controlo de acesso numa arquitectura empresarial Tópicos de Investigação, MEIC, 27/01/2011 Ricardo Martins, 55391 Agenda Enquadramento e problema Objectivos e perguntas de investigação

Leia mais

João Matias. Managing Director Oracle Portugal

João Matias. Managing Director Oracle Portugal João Matias Managing Director Oracle Portugal Pontos de Partida. Para onde Vamos? Evolução. Estratégia. Desafios. A vida começa aos quarenta... Evolução O passado recente dos ambientes de IT Best of Breed

Leia mais

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing Mário Trinca Quando existem uma multiplicidade de Produtos / Serviços, oferecidos a diferentes segmentos de clientes, através de diversos canais de distribuição, em várias geografias, nunca é fácil responder

Leia mais

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS Ana Helena da Silva, MCI12017 Cristiana Coelho, MCI12013 2 SUMMARY 1. Introduction 2. The importance of IT in Organizations 3. Principles of Security 4. Information

Leia mais

Transações no Mundo SOA. Luciano Oliveira Solution Consultant

Transações no Mundo SOA. Luciano Oliveira Solution Consultant Transações no Mundo SOA Luciano Oliveira Solution Consultant Agenda Definição Através do Tempo Transações com Bancos Distribuídos Transações em SOA Compensação Coordenador Gerenciado vs. Não-Gerenciado

Leia mais

Elsa Cardoso, DCTI - ISCTE

Elsa Cardoso, DCTI - ISCTE Elsa Cardoso, DCTI - ISCTE 25 Maio 2004 elsa.cardoso@iscte.pt Sumário Perspectiva de Desenho do Sistema: Diagrama de classes numa perspectiva de Desenho: Estereótipos Relação de Dependência Relação de

Leia mais

SAP Business One, version for HANA. Ralph Oliveira

SAP Business One, version for HANA. Ralph Oliveira SAP Business One, version for HANA Ralph Oliveira Informação Certa Hora Certa O Que é BI?? Pessoa Certa Dados Informação O Que é BI?? Conhecimento Otimizar Processos Conhecer o Cliente O Que é BI?? Efetividade

Leia mais

A implementação de Sistemas de Gestão ISO27001 e ISO20000 Principais Etapas

A implementação de Sistemas de Gestão ISO27001 e ISO20000 Principais Etapas A implementação de Sistemas de Gestão ISO27001 e ISO20000 Principais Etapas Paulo Faroleiro ISO 20000 CC/LA, ISO 27001 CC/LA, CISA, CISM Certified Processes Auditor (BSI) Certified Project Manager C-Level

Leia mais

Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015

Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015 Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015 um Eixo Prioritário territorial EIXO PRIORITÁRIO 1: Promover as capacidades de inovação no Mediterrâneo para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000

Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000 Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000 1 Whoi am RESUME OF THE PRESENTER Coordenador de processos de Certificação na APCER Auditor ISO 9001 / ISO 27001 / ISO 20000 / SA 8000 Assessor Qweb e IQNET 9004

Leia mais

Modelo de privacidade formal para controle de acesso

Modelo de privacidade formal para controle de acesso Roteiro Modelo de Privacidade Formal para Controle de Acesso Aluno: David Oliveira Lorente Departamento de Computação Universidade Federal de São Carlos Privacidade e Personalização, 2007 Roteiro Roteiro

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

Prática em Laboratório N.04 Criando uma aplicação composta a partir de um serviço Web

Prática em Laboratório N.04 Criando uma aplicação composta a partir de um serviço Web Prática em Laboratório N.04 Criando uma aplicação composta a partir de um serviço Web O objetivo deste exercício é fornecer uma introdução a criação de uma aplicação composta de modo a ilustrar o processo

Leia mais

HP ajuda empresas a aumentar a eficiência da gestão de informação

HP ajuda empresas a aumentar a eficiência da gestão de informação HP ajuda empresas a aumentar a eficiência da gestão de informação Estudo indica que 70 por cento das empresas têm lacunas na abordagem holística à gestão de informação crítica para o seu negócio Lisboa,

Leia mais

Gestão de Processos de Negócio

<Insert Picture Here> Gestão de Processos de Negócio Gestão de Processos de Negócio Susana Santos Principal Sales Consultant Agenda Quais os Desafios Business Process Management Modelação Execução Interacção Humana Monitorização Resumo

Leia mais

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE. Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços de TI

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE. Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços de TI Pólo de Competitividade das Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica TICE.PT PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços

Leia mais

Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business

Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business Information economics Internet strategic positioning Price discrimination Versioning Price matching The future of B2C InformationManagement

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR Concurso com Previa Qualificação Convite para a Manifestação de Interesse

Leia mais

Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL

Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL Objectivos O objectivo deste curso é familiarizar os formandos com a utilização do software Geographic Resources

Leia mais

The Secure Cloud. Gerir o risco e entregar valor num mundo virtual. C l o u d C o m p u t i n g F ó r u m 2 0 11 S e t e m b r o 2 0 11

The Secure Cloud. Gerir o risco e entregar valor num mundo virtual. C l o u d C o m p u t i n g F ó r u m 2 0 11 S e t e m b r o 2 0 11 The Secure Cloud Gerir o risco e entregar valor num mundo virtual C l o u d C o m p u t i n g F ó r u m 2 0 11 S e t e m b r o 2 0 11 Agenda Novas dimensões de governo e gestão do SI Entender e endereçar

Leia mais

Sistema de Activos de Garantia dos Bancos Centrais

Sistema de Activos de Garantia dos Bancos Centrais Sistema de Activos de Garantia dos Bancos Centrais Lisboa 06.06.2011 Agenda Enquadramento Principais Funcionalidades Operational Day Estado actual do Projecto 2 Agenda Enquadramento Principais Funcionalidades

Leia mais

MODELOS DE REFERÊNCIA PARA BIBLIOTECAS: a experiência do SIBi/USP

MODELOS DE REFERÊNCIA PARA BIBLIOTECAS: a experiência do SIBi/USP MODELOS DE REFERÊNCIA PARA BIBLIOTECAS: a experiência do SIBi/USP Teresinha das Graças Coletta 1, Maria Helena Di Francisco 2, Fabio Muller Guerrini³, Thyerre de Castro Ramazzi 4 1 Mestrado, Escola de

Leia mais

and work, with work having a multiplication factor double). Relacionamento Comercial Internacional International Commercial Relationship

and work, with work having a multiplication factor double). Relacionamento Comercial Internacional International Commercial Relationship Sucesso é a união de três elementos: confiança, reciprocidade e trabalho, tendo o trabalho um fator duplo de multiplicação (success is basically the union of three elements: trust, reciprocity and work,

Leia mais

A Informação Classificada nos Sistemas Informáticos da Justiça: o segredo de justiça e a protecção dos sujeitos processuais

A Informação Classificada nos Sistemas Informáticos da Justiça: o segredo de justiça e a protecção dos sujeitos processuais A Informação Classificada nos Sistemas Informáticos da Justiça: o segredo de justiça e a protecção dos sujeitos processuais José Tribolet Professor Catedrático de Sistemas de Informação Instituto Superior

Leia mais

Prática em Laboratório N.04 (Parte 01) Criando uma aplicação composta a partir de um serviço Web

Prática em Laboratório N.04 (Parte 01) Criando uma aplicação composta a partir de um serviço Web Prática em Laboratório N.04 (Parte 01) Criando uma aplicação composta a partir de um serviço Web O objetivo deste exercício é fornecer uma introdução a criação de uma aplicação composta de modo a ilustrar

Leia mais

Page 1. Gestão da Mudança. Tópicos. Evolução das Organizações. As organizações COM FUTURO Network. As 5 Disciplinas (Peter M.

Page 1. Gestão da Mudança. Tópicos. Evolução das Organizações. As organizações COM FUTURO Network. As 5 Disciplinas (Peter M. Tópicos A evolução das organizações A Learning Organization as 5 disciplinas Mudança organizacional Reengenharia dos Processos de Negócio e Sistemas de Informação José Cruz Filipe JCFilipe 1 JCFilipe 2

Leia mais

Tema: Oracle Weblogic Administration 11g

Tema: Oracle Weblogic Administration 11g 3ª Edição 16 a 18 de Maio Angola Tema: Oracle Weblogic Administration 11g Orador: Gilberto Calunga Agenda Introdução Topologia do Servidor Weblogic 11g Domain Server Admin Server Managed Server Cluster

Leia mais

Agosto a Dezembro/2013 - Versão 2.0. Calendário HP Education Brasil

Agosto a Dezembro/2013 - Versão 2.0. Calendário HP Education Brasil Agosto a Dezembro/2013 - Versão 2.0 Calendário HP Education Brasil ITIL/ITSM HF421S ITIL v3 Foundation for IT Service Management 3 Dias 02 /Set HP Av. Tamboré, 74 -Tamboré - Barueri - SP - CEP 06460-000

Leia mais

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing

A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Marcello de Lima Azambuja A Cloud Computing Architecture for Large Scale Video Data Processing Dissertação de Mestrado Dissertation presented to the Postgraduate Program in Informatics of the Departamento

Leia mais

HP Insight Control. Pedro Giudice Management Ambassador - ESSN Presales

HP Insight Control. Pedro Giudice Management Ambassador - ESSN Presales HP Insight Control Pedro Giudice Management Ambassador - ESSN Presales Insight evolution 2008 2009 2010 2011-12 a la carte Simplificação Radical..através de qualquer painel Insight em tudo Dynamics Control

Leia mais

inlux Desvende o seu IT

inlux Desvende o seu IT inlux Desvende o seu IT Luís Ganhão Sales Consultant Manager Ask not what your Country can do for you Ask what you can do for your Country John F. Kennedy, Washington, 20 de Janeiro

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP 1 MIBs RMON No Linux os arquivos MIB são armazenados no diretório /usr/share/snmp/mibs. Cada arquivo MIB

Leia mais

A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a

A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a Transações A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a base de dados d servir várias clientes simultaneamente. Em SQL é possível definir explicitamente os limites de uma transação.

Leia mais

Caracterização dos servidores de email

Caracterização dos servidores de email Caracterização dos servidores de email Neste documento é feita a modulação de um servidor de email, com isto pretende-se descrever as principais funcionalidades e características que um servidor de email

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010 / 2011

Leia mais

Reorganização Dinâmica em Situações de Gestão de Crise. Resumo

Reorganização Dinâmica em Situações de Gestão de Crise. Resumo Reorganização Dinâmica em Situações de Gestão de Crise Sérgio Guerreiro Instituto de Sistemas e Robótica IST Torre Norte, Av. Rovisco Pais, 1, 1049-001 Lisboa, Portugal slguerreiro@clix.pt José Tribolet

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP Net-SNMP (http://www.net-snmp.org) é um conjunto de aplicações usado para implementar SNMPv1, SNMPv2 e SNMPv3.

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Computação Móvel 2007/2008

Computação Móvel 2007/2008 Computação Móvel 2007/2008 Tutorial 2 Criação de uma nova publicação de base de dados no SQL Server 2005 Standard Edition / Enterprise Edition / Developer Edition No computador cliente: 1. Estabelecer

Leia mais

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0 OVERVIEW DO EAMS Enterprise Architecture Management System 2.0 NETWORKS @arqcorp_br #eamsrio http://arquiteturacorporativa.wordpress.com/ WE MANAGE KNOWLEDGE, WITH YOU Arquitetura Empresarial Repositório

Leia mais

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão 3URFHVVRV(QJ GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão 3URFHVVRV(QJ GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão 3URFHVVRV(QJ GH5HTXLVLWRV Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville 1 Objectivos Introduzir a noção de processos e de modelos de processos

Leia mais

Amostras e guias de iniciação Versão 8 Edição 0. Guia de iniciação do Hiring Sample para o IBM Process Designer

Amostras e guias de iniciação Versão 8 Edição 0. Guia de iniciação do Hiring Sample para o IBM Process Designer Amostras e guias de iniciação Versão 8 Edição 0 Guia de iniciação do Hiring Sample para o IBM Process Designer ii Hiring Sample Os manuais em PDF e o Information Center Os manuais em PDF são fornecidos

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Engenharia de Requisitos Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br O Documento de Requisitos Introdução The requirements for a system are the descriptions

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular 6.2.1.1. Unidade curricular: Curricular Unit: Ficha de Unidade Curricular Comunicação Multimédia (Desenvolvimento) Multimedia Communication (Development) 6.2.1.2. Docente responsável e respectivas horas

Leia mais

A Agenda Empresarial da Inovação. Pedro Passos São Paulo - 4/2/2011

A Agenda Empresarial da Inovação. Pedro Passos São Paulo - 4/2/2011 A Agenda Empresarial da Inovação Pedro Passos São Paulo - 4/2/2011 A Agenda Empresarial da Inovação Temos uma oportunidade impar de moldar nosso futuro Ciclo de crescimento virtuoso, com melhoria do perfil

Leia mais

UBIQUITOUS COLLABORATION. http://www.trprocess.com

UBIQUITOUS COLLABORATION. http://www.trprocess.com UBIQUITOUS COLLABORATION http://www.trprocess.com Our Company TR PROCESS SMART PROCESS EXPERTS A expressão Smart Process Application, como utilizamos hoje, foi definida e utilizada em seus relatórios pelos

Leia mais

Testes de segurança. Conferência Código Seguro 25 Nov 2004. Dependable Technologies for Critical Systems

Testes de segurança. Conferência Código Seguro 25 Nov 2004. Dependable Technologies for Critical Systems Testes de segurança Conferência Código Seguro 25 Nov 2004 Dependable Technologies for Critical Systems Copyright Critical Software S.A. 1998-2004 All Rights Reserved. Agenda O que é segurança Tipo de segurança

Leia mais

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001 Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Agenda Introdução Desafio 1º passo Problemática ISO 27001 ISO 20000 Conclusões 2 Agenda Introdução

Leia mais

trigger insert, delete, update

trigger insert, delete, update 1 Um trigger é um conjunto de instruções SQL armazenadas no catalogo da BD Pertence a um grupo de stored programs do MySQL Executado quando um evento associado com uma tabela acontece: insert, delete,

Leia mais

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 New Standards for Business SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 Quem Somos A SCORE INNOVATION é uma empresa que tem como objecto social a prestação de serviços em consultoria,

Leia mais

Nova visão: Business Continuity Plan e gestão do risco operacional. Alexandre Canadas BP2S Location Manager Lisboa, 20 de Maio de 2008

Nova visão: Business Continuity Plan e gestão do risco operacional. Alexandre Canadas BP2S Location Manager Lisboa, 20 de Maio de 2008 Nova visão: Business Continuity Plan e gestão do risco operacional Alexandre Canadas BP2S Location Manager Lisboa, 20 de Maio de 2008 Agend Introdução De recuperação de actividade Dual Office Conclusão

Leia mais

PEDRO LENCASTRE BERNARDO CURRICULUM VITAE

PEDRO LENCASTRE BERNARDO CURRICULUM VITAE PEDRO LENCASTRE BERNARDO CURRICULUM VITAE Funções Actuais Na Performance for Leading Businesses: Gerente e Formador da Performance for Leading Businesses, Lda. Na Universidade Autónoma de Lisboa: Docente

Leia mais

18/04/2011 GTCON - Grupo Técnico de Consultores

18/04/2011 GTCON - Grupo Técnico de Consultores Sistema de Atendimento de Serviço (Tabebuia) Login: Senha: A cessar Empresa Produtos Serviços Clientes Parcerias Cases Nossos Diferenciais Trabalhe Conosco Contato Produtos - Profile Manager O Profile

Leia mais

Turismo Industrial. A problemática e tendências para o futuro

Turismo Industrial. A problemática e tendências para o futuro Turismo Industrial A problemática e tendências para o futuro Seminário Turismo Industrial e Desenvolvimento Local Turismo de Portugal - 30 Outubro 2013 Carlos Costa [ccosta@ua.pt] Universidade de Aveiro

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Maciaszek L.A. and Liong B.L. (2005), Practical Software Engineering Addison Wesley http://www.comp.mq.edu.au/books/pse/index.htm http://www.comp.lancs.ac.uk/computing/resources/ians/se7/index.ht

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações

Desenvolvimento de Aplicações FV-RAD (Field Values) A Practical Framework for Rapid Application Development Luís Filipe Ferreira 28 de Abril de 2008 Desenvolvimento de Aplicações User Interface - Console - Forms - Web - Mobile UI Logic

Leia mais

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório Primeiro Relatório 62473 Pedro Vasconcelos 63563 Francisco Ferreira 73440 Filipe Correia 74211 Carolina Ferreirinha 82665 Nkusu Quivuna Sumário Este documento é o primeiro relatório de um projeto de análise

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013. Carlos Souza & Cristina Silva

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013. Carlos Souza & Cristina Silva ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013 Carlos Souza & Cristina Silva Population: 10,6 million. According to INE (National Institute of Statistics) it is estimated that more than 2 million

Leia mais

Active Directory What s New. Windows Server 2008. Active Directory. Nuno Picado nuno.picado@rumos.pt NOVAS TECNOLOGIAS MICROSOFT

Active Directory What s New. Windows Server 2008. Active Directory. Nuno Picado nuno.picado@rumos.pt NOVAS TECNOLOGIAS MICROSOFT Active Directory What s New Windows Server 2008 Active Directory Nuno Picado nuno.picado@rumos.pt NOVAS TECNOLOGIAS MICROSOFT Evolução Active Directory Secure Branch-Office Improved Manageability & Administration

Leia mais

Isa Silveira Financial Solutions Manager

Isa Silveira Financial Solutions Manager Isa Silveira Financial Solutions Manager Agenda Cisco Capital: New way to do business easylease Low Rate Financing Let s Start Working Together Cisco Confidential 2 Locação Operacional - Financiamento

Leia mais

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTS OF MANAGEMENT SYSTEMS IN ENTERPRISE CONTEXT Gabriela Concolin Schimidt Centro Universitário Filadélfia UniFil Prof. Rodrigo Duarte Seabra

Leia mais

Programa de I&D ProjectIT

Programa de I&D ProjectIT Programa de I&D ProjectIT Abril de 2004 ProjectIT-MDD (XIS) ProjectIT- Requirements ProjectIT-Tests ProjectIT-Time ProjectIT-Workbenc Alberto Silva alberto.silva@acm.org Agenda Contexto Visão Geral sobre

Leia mais

> outsourcing > > consulting > > training > > engineering & systems integration > > business solutions > > payment solutions > Portugal

> outsourcing > > consulting > > training > > engineering & systems integration > > business solutions > > payment solutions > Portugal > outsourcing > > consulting > > training > > business solutions > > engineering & systems integration > > payment solutions > Portugal Há sempre um melhor caminho para cada empresa. Competências Outsourcing

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012 Universidade do Minho Escola de Engenharia UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13 11 de outubro 2012 1 2 2 courses offered in the first semestre: Métodos de Investigação em Engenharia

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Intelligrid A visão de Futuro do Sistema Elétrico

Intelligrid A visão de Futuro do Sistema Elétrico Intelligrid A visão de Futuro do Sistema Elétrico Petronio Spyer Prates Co-located with: Intelligrid Architecture Architecture for the Intelligent Electricity Grid of the Future Visão do Sistema de Potência

Leia mais

Cloud para o Brasil Cloud Services

Cloud para o Brasil Cloud Services Cloud para o Brasil Como as ofertas da Capgemini endereçam os principais pontos levantados pela pesquisa exclusiva We orchestrate your Cloud Services Current Market Situation with Cloud 2 Current Market

Leia mais

Review e dos Benefícios

Review e dos Benefícios Process Improvement Project: Customer Engagement Workflow Visão do Visio 2010 Sales Representative 1.1 Handle Request Status Inactive 2 2.1 Assess Technical Feasibility Status Inactive 3 2.2 Assess Financial

Leia mais

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking Agradecimentos A dissertação do Mestrado que adiante se apresenta resulta na concretização de um projecto que me parecia difícil mas não impossível de alcançar. Foram meses seguidos de trabalho de investigação,

Leia mais

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008 Alterações da norma OHSAS 18001:2007 Ricardo Teixeira Gestor de Cliente Coordenador Revisão da norma Objectivos da revisão danorma: Esclarecimento da 1.ª edição; Alinhamento com a ISO 14001; Melhoria da

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

company overview May 20, 2008

company overview May 20, 2008 1 company overview May 20, 2008 Desdobramento do Risco em Processos, Informação e Sistemas de Informação Link Consulting Pedro Sousa 2 A explicitação das A mensagem dependências entre Processos, Informação

Leia mais

O digital e as novas formas de, e para, aprender

O digital e as novas formas de, e para, aprender O digital e as novas formas de, e para,... O digital e as novas formas de, e para, aprender Luis Borges Gouveia lmbg@ufp.pt http://www.ufp.pt/~lmbg Universidade Fernando Pessoa Ficará tudo igual com o

Leia mais

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation DevOps Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013 1 O desenvolvedor O mundo mágico de operações Como o desenvolvedor vê operações Como operações vê uma nova release

Leia mais

Desafios e benefícios na implementação de modelos de segurança da informação. Aveiro, 19 de Março de 2009

Desafios e benefícios na implementação de modelos de segurança da informação. Aveiro, 19 de Março de 2009 Desafios e benefícios na implementação de modelos de segurança da informação Aveiro, 19 de Março de 2009 Agenda Porquê adoptar um modelo de Segurança da Informação Objectivo de um SGSI (*) Benefícios de

Leia mais

Microsoft TechDays 2007 - Lisboa

Microsoft TechDays 2007 - Lisboa INT006 Autarquias Digitais João Almeida e António Ribeiro joao.almeida@microsoft.com e aribeiro@microsoft.com Patrocinadores Agenda Autarquias Digitais Cenários Tecnologia Arquitectura Demonstração This

Leia mais

Fábio Rosato Professional Services Manager fabio.rosato@sensedia.com @frosato. confidential www.sensedia.com 1

Fábio Rosato Professional Services Manager fabio.rosato@sensedia.com @frosato. confidential www.sensedia.com 1 Fábio Rosato Professional Services Manager fabio.rosato@sensedia.com @frosato confidential www.sensedia.com 1 Sobrea Sensedia Nosso core é Arquitetura de TI: Serviços & Ferramentas Ajudamos empresas a

Leia mais

IBM Enterprise Content Management. Aumente a importância da informação para maximizar o seu valor de negócio

IBM Enterprise Content Management. Aumente a importância da informação para maximizar o seu valor de negócio Tome decisões de negócio inteligentes no momento mais crucial IBM Enterprise Content Management Aumente a importância da informação para maximizar o seu valor de negócio Tome decisões de negócio inteligentes

Leia mais

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle

Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle Accessing the contents of the Moodle Acessando o conteúdo do Moodle So that all the available files in the Moodle can be opened without problems, we recommend some software that will have to be installed

Leia mais

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Eduardo Alves de Oliveira eduaopec@yahoo.com.br SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Rua Pacheco Leão, 1235 - Fundos

Leia mais