Elsa Cardoso, DCTI - ISCTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elsa Cardoso, DCTI - ISCTE"

Transcrição

1 Elsa Cardoso, DCTI - ISCTE 25 Maio 2004

2 Sumário Perspectiva de Desenho do Sistema: Diagrama de classes numa perspectiva de Desenho: Estereótipos Relação de Dependência Relação de Realização Interfaces Conceitos UML Reutilização: 1. Interfaces para classes 2. Camadas (layers) no diagrama de classes 3. Pacotes Noção de Componente e Nó Diagramas de Componentes e de Instalação 2

3 Desenho do Sistema A fase de Desenho procura determinar COMO é que o sistema cumpre os requisitos - O diagrama de classes é refinado ao nível de Desenho REUTILIZAÇÃO Grande objectivo do desenvolvimento orientado por objectos, onde se procura produzir componentes reutilizáveis, que possam ser utilizados em diferentes aplicações, diminuindo os custos de desenvolvimento 3

4 Refinamento do Diagrama de Classes Conceitos UML 1. Estereótipo Mecanismo de extensibilidade que permite aumentar a flexibilidade das classes, através de uma subclassificação É possível criar novos estereótipos Os mais utilizados são: <<interface>> e <<control>> <<control>> ControloAc esso verificaacesso() <<Interface>> Gestão criar() apagar() ver() Classe com um conjunto de regras que controlam determinadas operações do sistema e que coordenam as interacções com as outras classes. ControloAcess o Gestão 4

5 Refinamento do Diagrama de Classes Conceitos UML 2. Noção de Dependência Utilizada quando uma classe recorre aos serviços disponibilizados por outra classe, numa relação de cliente/fornecedor de serviços Relação de Dependência Encomenda Funcionario bi nome morada Gestão numeroe data tipoencomenda criar() apagar() ver() A classe Funcionario depende (ou usa alguma funcionalidade) da classe Encomenda através da interface Gestão 5

6 Refinamento do Diagrama de Classes Conceitos UML 3. Noção de Realização Utilizada na modelação de um contrato entre uma classe que especifica o serviço e uma outra classe que garante a realização do serviço. Estabelece-se entre uma interface e uma classe ou entre uma interface e um componente. Mistura entre a relação de generalização e a de dependência (ver notação) Relação de Realização (forma expandida) Relação de Realização (forma simples) Funcionario bi nome morad a <<Interface>> Gestão Encomenda numeroe data ti poen comen da criar() apagar() ver() Funcionario bi nome morada Gestão Encomenda numeroe data tipoencomenda criar() apagar() ver() 6

7 Refinamento do Diagrama de Classes Conceitos UML 4. Interface Uma interface é um grupo de operações que são utilizadas para especificar um serviço. Este serviço funciona como um contrato entre a classe e os seus clientes Mecanismo para separação entre a vista externa e a vista interna de um determinado elemento usual nas linguagens de programação baseadas em objectos Uma interface é realizada (ou implementada) por uma ou mais classes, as quais prometem implementar todos os métodos nela especificados Conceito associado ao desenvolvimento de software baseado em componentes 7

8 Refinamento do Diagrama de Classes Conceitos UML 4. Interface benefícios ao nível da programação Captura de semelhanças entre classes não relacionadas sem forçar a criação de relações artificiais entre elas; Declaração de métodos que uma ou mais classes esperam implementar; Revelar a interface de programação de um objecto sem revelar a sua classe. I.e., um objecto pode ser visto de diferentes perspectivas (ou diferentes tipos) consoante as situações. 8

9 Refinamento do Diagrama de Classes Conceitos UML 4. Interface exemplo Funcionario bi nome morada Cliente bi : String nome : String mo rada : String pre Reg isto() <<Interface>> Gestão criar() apagar() ver() Encomenda numeroe : Long data : Date tipoencomenda : String valortotal : Long criar() apagar() ver() adicionaproduto() calculavalortotal() <<Interface>> Visualizar ver() Uma classe pode conter várias interfaces, fornecendo assim diferentes abstracções dos seus serviços, conforme o cliente. 9

10 Desenho do Sistema REUTILIZAÇÃO Algumas estratégias possíveis para, ao nível do Desenho, promover a reutilização: Interfaces para classes Camadas (layers) no diagrama de classes Pacotes 10

11 Camadas (layers) no Diagrama de Classes Reutilização Três camadas de serviços 1. Serviços de Interface ou User services fornece a interface do utilizador para apresentação e recolha de dados 2. Serviços de Negócio ou Business services engloba as classes que possuem as regras fundamentais do negócio 3. Serviços de Dados ou Data services permite manter, actualizar e aceder aos dados persistentes 11

12 Caso de Estudo: PhonePizza Ex. Diagrama de Classes com 3 níveis Serviços de Interface Serviços de Negócio Serviços de Dados <<user interface>> Ecrã Pré-registo <<user interface>> Ecrã Reservas <<user interface>> Ec rã Encomendas Controlo Acesso verificaacesso() Cliente {persistence=yes} bi nome morada pre-regist o() Enc omenda {pers ist ence=yes} numeroe data tipoencomenda criar() <<data connection>> SD_Cliente bi nome morada criar() apagar() consultar() actualizar() * <<data connection>> SD_Encomenda numeroe data tipoencomenda criar() apagar() consultar() actualizar() 1 efectua * 1 efectua 12

13 Pacotes organização de artefactos Reutilização Um pacote (package) em UML permite agrupar elementos de modelação (diagramas, classes, componentes, interfaces, etc) de um sistema de forma a que semântica ou estruturalmente faça sentido Gestão de Clientes Controlo de Acesso Vantagens: Gestão de Encomendas Encomendas Internet + FormEncomenda + FormCatalogo - Encomenda Gestão de Produt os (1) Facilita a gestão e procura de artefactos (2) Evita os conflitos de nomes (Ex: X::A é de Z::A) (3) Providencia um mecanismo de controlo de acessos (visibilidade) Pública: +, Privada: - e Protegida: # 13

14 Relações entre Pacotes Reutilização VISIBILIDADE Um elemento com Visibilidade Pública ( + ) pode ser usado/referenciado por qualquer outro elemento independentemente do local onde é definido Um elemento com Visibilidade Privada ( - ) pode ser usado/referenciado por elementos definidos no mesmo pacote Um elemento com Visibilidade Protegida ( # ) pode ser usado/referenciado por um elemento definido no mesmo pacote ou num outro pacote que seja uma especialização do primeiro Tipos de Relações entre Pacotes: Importação, Exportação e Generalização 14

15 Relações entre Pacotes Reutilização Relação de Exportação: Um pacote faz a exportação, por definição, de todos os seus elementos públicos. Isso não implica que um elemento definido noutro pacote possa aceder/referenciar um elemento exportado. Tem que existir explicitamente uma relação de importação entre os dois pacotes. Relação de Importação: É uma relação de dependência entre pacotes, especificando que o pacote base importa todos os elementos públicos definidos no pacote destino. Note-se que esta relação não é simétrica! Preferencialmente, os elementos exportados por cada pacote devem ser do tipo interface. 15

16 Relações entre Pacotes Reutilização Relação de Importação (exemplo) Gestão de Clientes Controlo de Acesso Gestão de Encomendas Gestão de Produtos 16

17 Relações entre Pacotes Reutilização Relação de Generalização: usada para a especificação de famílias ou hierarquias de pacotes, típicas em sistemas complexo (máximo 3 níveis!...) Gestão de Encomendas Encomendas Internet Encomendas Central Encomendas Telefone Encomendas Pizzaria HIERARQUIA DE PACOTES 17

18 Noção de Componente Noção Geral: Uma componente é uma entidade que possa ser reutilizada. [Silva2001] Exemplos: Conjunto de classes C++ (implementação) Conjunto de use cases (nível especificação de requisitos) Conjunto de diagramas de classes (nível de análise ou de desenho) Desde que tenham sido definidos de forma a serem reutilizáveis!... Definição [Silva, 2001] Uma componente é uma peça básica na implementação de um sistema. Consiste num conjunto de artefactos físicos em formato digital, como por exemplo: - ficheiros de código (fonte, binário ou executáveis) - ficheiros de documentos relativos ao negócio. 18

19 Noção de Componente Definição de Componente: [SCREEN, 1996] A component is any object or collection of objects that is a unit of construction and reuse. It has a purpose of existence, certain behaviour, interacts with the external world, and can be controlled. Definição [Nunes, 2003] Uma componente de software representa um módulo físico de código. Definição de Componente de Software: [Schmuller, 1999] A software component is a physical part of a system. It resides in a computer, not in the mind of the analyst. Examples: table, data files, executable, dynamic link library, document,... 19

20 Diagrama de Componentes Objectivo Os diagramas de Componentes utilizam-se para modelar a arquitectura de um sistema de software na perspectiva dos seus componentes digitais, explicitando as relações de dependência entre as várias componentes de software. Um diagrama de componentes representa apenas tipos de componentes, NUNCA instâncias de componentes. As instâncias de componentes devem ser representadas num diagrama de Instalação Controlo Acesso 20

21 Componentes e Classes Uma componente é uma implementação em software de uma classe. Uma classe representa uma abstracção de um conjunto de atributos e operações. Uma componente pode ser a implementação de várias classes. 21

22 Componentes e Interfaces Uma interface é um conjunto de operações que uma classe apresenta às outras classes. A interface que uma classe usa é a mesma interface que a respectiva implementação de software (a componente) usa. Em UML não há distinção de interfaces conceptuais e físicas. <<DLL>> ControloAcesso Internet 22

23 Tipos de Componentes Três Tipos de Componentes: Instalação, Trabalho e Execução Componentes de Instalação (Deployment Components): constituem a base dos sistemas executáveis (e.g., DLL, executáveis, classes Java) Componentes de Trabalho (Work Product Components): a partir dos quais são criados os componentes de instalação (e.g., ficheiros com código fonte, ficheiros de dados, documentos) Componentes de Execução (Execution Components): criados como resultado da execução de um sistema (e.g., processos, threads, agentes de software) apenas representadas nos Diagramas de Instalação (Deployment diagrams). 23

24 Estereótipos para Componentes <<document>> denota um documento <<executable>> denota um programa que possa ser executado num nó <<file>> denota um documento que contém código fonte ou dados <<library>> denota uma biblioteca dinâmica ou estática <<table>> denota uma tabela de uma base de dados 24

25 Diagrama de Componentes Um exemplo Considere a aplicação WinCOR desenvolvida sobre MS-Windows responsável pela gestão (entrada e saída) da correspondência de uma empresa. A aplicação consiste no seguinte conjunto de componentes de instalação (deployment components): wincor.exe ficheiro com o executável da aplicação pblib32.dll, sde32.dll, sdemdb32.dll bibliotecas com código binário com funcionalidades adicionais wincor.hlp ficheiro de ajuda da aplicação wincor.ini ficheiro de configuração da aplicação entrada.db, saida.db ficheiros/tabelas da base de dados de suporte Desenhe o Diagrama de Componentes desta aplicação, tendo em atenção que (1) o executável só pode correr se todos os restantes componentes tiverem sido instalados; e (2) o módulo sdemdb32.dll depende do módulo sde32.dll. 25

26 Diagrama de Componentes Um exemplo <<document>> wincor.hlp <<library>> pblib.dll <<document>> winc or.ini <<executable>> wincor.exe <<table>> entrada.db <<table>> saida.db <<library>> sde32.dll <<library>> sdem32db.dll 26

27 Noção de Nó Um nó é um objecto físico que representa um recurso de processamento. Os nós podem consistir em recursos computacionais (hardware), e recursos de processamento mecânico. Os nós podem ser representados como tipos e como instâncias. Instâncias de nós podem conter instâncias de objectos e de componentes. Nó (instância de nó) <<processor>> lisboa004: Kiosk <<device>> Monit or Nó (tipo de nó) 27

28 Noção de Nó Dois nós podem estar ligados através de relações de associação, que especificam a existência de caminhos de comunicação entre eles. As comunicações podem ser caracterizadas por um estereótipo, indicando o tipo de comunicação envolvido (e.g., o tipo de canal ou o tipo de rede). As propriedades dos nós são representadas por marcas com valores. Podem também ser definidos ícones para modelar diferentes tipos de recursos de processamento. Os nós podem ser classificados através de estereótipos, para representar com mais detalhe os recursos físicos: <<processor>> denota um nó que pode executar uma componente de software <<device>> denota um nó que não tem capacidade para executar componentes de software; e.g., uma impressora, um scanner, ou um monitor. 28

29 Diagrama de Instalação* (Deployment Diagram) * Também denominados Diagramas de Distribuição Objectivo Os diagramas de Instalação utilizam-se para descrever a arquitectura de um sistema de software em termos de hardware e a sua relação com os diferentes componentes (software) As componentes têm que ser executadas em algum recurso computacional que contenha memória e um processador. O Diagrama de Instalação define em que recursos os diferentes componentes estarão localizados e processados Servidor http Servidor Encomendas Cent ral Nó (tipo de nó) TCP/IP - XML Comunicação 29

30 Referências UML Metodologias e Ferramentas CASE Alberto Silva, Carlos Videira, Edições Centro Atlântico, Fundamental de UML, 2ª ed. Mauro Nunes, Henrique O Neill, FCA, 2003 UML in 24 Hours. Joseph Schuller, SAMS Macmillan Computer Publishing, 1999

UML Aula III Diagramas de Estado, Atividades, Componentes e Instalação

UML Aula III Diagramas de Estado, Atividades, Componentes e Instalação UML Aula III Diagramas de Estado, Atividades, Componentes e Instalação Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Diagrama de Estado Um diagrama de estados (statechart), também conhecido por

Leia mais

Capítulo 8 - UML MODELAÇÃO DA ARQUITECTURA

Capítulo 8 - UML MODELAÇÃO DA ARQUITECTURA Capítulo 8 - UML MODELAÇÃO DA ARQUITECTURA Tópicos Introdução Componentes e Nós Diagramas de Componentes Diagramas de Instalação Exercícios 8.1 Introdução Diagramas de arquitectura 1 descrevem aspectos

Leia mais

UML & Padrões Aula 4 1

UML & Padrões Aula 4 1 UML & Padrões Aula 4 1 UML & Padrões Aula 4 Diagramas Estruturais Profª Kelly Christine C. Silva UML O que vamos tratar: Diagramas UML Estruturais (Estáticos ) Diagrama de Pacotes Diagrama de Componentes

Leia mais

Fernando Brito e Abreu (fba@di.fct.unl.pt) Universidade Nova de Lisboa (http://www.unl.pt) QUASAR Research Group (http://ctp.di.fct.unl.

Fernando Brito e Abreu (fba@di.fct.unl.pt) Universidade Nova de Lisboa (http://www.unl.pt) QUASAR Research Group (http://ctp.di.fct.unl. Deployment Diagrams Fernando Brito e Abreu (fba@di.fct.unl.pt) Universidade Nova de Lisboa (http://www.unl.pt) QUASAR Research Group (http://ctp.di.fct.unl.pt/quasar) Diagramas de Instalação O seu objectivo

Leia mais

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências UML Visão Geral 1 Índice Introdução O que é a UML? Valor da UML Origens da UML Parceiros da UML Modelos e diagramas Elementos de modelação Diagramas Diagrama de casos de utilização Diagrama de classes

Leia mais

Gestão de projectos na Web

Gestão de projectos na Web Gestão de projectos na Web Relatório de desenho de alto nível Versão 1.0, 5 de Maio de 2003 Telmo Pedro Gomes Amaral (mee02013@fe.up.pt) (Grupo 15) Aplicações na Web Mestrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE PARTE 2 LINGUAGEM DE MODELAÇÃO UML CAP. 8 UML MODELAÇÃO DA ARQUITETURA Tópicos Conceito de Diagramas Físicos Fundamentos dos Diagramas de Componentes componentes interface quando

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

Unified Modeling Language. Diagramas de Implementação

Unified Modeling Language. Diagramas de Implementação Unified Modeling Language Diagramas de Implementação José Correia, Junho 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) Diagramas de implementação José Correia UML Diagramas de Implementação 2 Diagramas de

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais

Diagramas de Componentes

Diagramas de Componentes Diagramas de Componentes Components 1 Diagramas que suportam unidades de implementação O UML suporta dois diagramas para representar unidades de implementação: Vista de implementação Mostra a implementação

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE PARTE 2 LINGUAGEM DE MODELAÇÃO UML CAP. 6. UML MODELAÇÃO DA ESTRUTURA - DIAGRAMA DE CLASSES Tópicos Diagrama de Classes Perspetivas dos Diagramas de Classes Associações Atributos

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Computação

Tópicos em Engenharia de Computação Tópicos em Engenharia de Computação Introdução / Revisão UML e POO (JAVA) Prof. Ivan Prof. Zagari UML Linguagem Unificada. Não é metodologia, processo ou método. Versão atual 2.0 3 categorias de Diagramas

Leia mais

UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes

UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes Após ser definido o contexto da aplicação a ser gerada. Devemos pensar em detalhar o Diagrama de Classes com informações visando uma implementação Orientada

Leia mais

Desenho de Software. Desenho de Software 1

Desenho de Software. Desenho de Software 1 Desenho de Software Desenho de Software 1 Sumário Caracterização Conceitos fundamentais Desenho funcional e desenho OO Qualidades Desenho de Software 2 Bibliografia Pfleeger, Capítulo 6 Design the Modules

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas de Informação

Análise e Concepção de Sistemas de Informação Análise e Concepção de Sistemas de Informação UML Modelação de Dados Alberto Manuel Rodrigues da Silva Prof. DEI/IST/UTL Agenda Enquadramento e Problema Modelação de Dados em UML no Processo de Desenho

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

Unified Software Development Process

Unified Software Development Process 59/170 Unified Software Development Process Sumário Breve história do Unified Process O Unified Process O ciclo de vida do Unified Process O RUP (Rational Unified Process) 60/170 Breve História do Unified

Leia mais

O gerador terá que disponibilizar um factory que permita ao coordenador obter uma instância para o mesmo.

O gerador terá que disponibilizar um factory que permita ao coordenador obter uma instância para o mesmo. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Engenharia Informática e de Computadores Projecto e Seminário Proposta de Projecto Rapid Application Development Membros do Grupo 26657 Ricardo Neto 31923 Nuno

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

UML Visão Geral. Slides baseados em material disponibilizado pela Rational e adaptação da tradução de João P. Faria Univ. Do Porto.

UML Visão Geral. Slides baseados em material disponibilizado pela Rational e adaptação da tradução de João P. Faria Univ. Do Porto. UML Visão Geral Slides baseados em material disponibilizado pela Rational e adaptação da tradução de João P. Faria Univ. Do Porto. 1 Índice Introdução Diagramas O que é a UML? Diagrama de casos de uso

Leia mais

Arquitetura de Software

Arquitetura de Software Agenda de Software - Fundamentos e Tendências - Objetivos e Contexto de Software (A.S.) A.S. no Processo de Desenvolvimento Passado, Presente e Futuro Prof. Marco Fagundes mfagunde@tre-pa.gov.br 1 2 Objetivos

Leia mais

Aspectos técnicos do desenvolvimento baseado em componentes

Aspectos técnicos do desenvolvimento baseado em componentes Aspectos técnicos do desenvolvimento baseado em componentes Um novo processo de desenvolvimento O uso de componentes traz mudanças no processo de desenvolvimento Além de desenvolver um produto, queremos

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

O Processo de Desenvolvimento de Software

O Processo de Desenvolvimento de Software O Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos Contextualizar Análise e Projeto de software dentro de uma metodologia de desenvolvimento (um processo de desenvolvimento de software) Um processo de

Leia mais

Arquitetura de Software

Arquitetura de Software Arquitetura de Software Jair C Leite Arquitetura e Engenharia Qual o papel da arquitetura e da engenharia... Na construção civil edifícios, pontes, estradas, etc.? Na indústria automobilística? Na indústria

Leia mais

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language)

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language) Programação com Objectos Processamento de Dados I 3. UML (Unified Modeling Language) 1 Modelo UML Diagrama de classes Programação com Objectos / Processamento de Dados I 2 Modelo O desenvolvimento de programas

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Tipos de dados complexos e objectos Tipos de dados estruturados e herança em SQL Herança de tabelas Matrizes e multi-conjuntos em SQL Identidade de

Tipos de dados complexos e objectos Tipos de dados estruturados e herança em SQL Herança de tabelas Matrizes e multi-conjuntos em SQL Identidade de Capítulo 8: BDs Objecto-Relacional Tipos de dados complexos e objectos Tipos de dados estruturados e herança em SQL Herança de tabelas Matrizes e multi-conjuntos em SQL Identidade de Objectos e Referência

Leia mais

Referencial do Módulo B

Referencial do Módulo B 1 Referencial do Módulo B Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente um scanner; Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta; Reconhece os ícones

Leia mais

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Primeiro Teste 21 de Outubro de 2006, 9:00H 10:30H Nome: Número:

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

Modelo de Domínio vs Modelo da Aplicação

Modelo de Domínio vs Modelo da Aplicação 174 Modelo de Domínio vs Modelo da Aplicação O que é o modelo de domínio? Resposta: é antes de mais um glossário de projecto, porque Identifica os termos utilizados Representa as relações existentes entre

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

modelagem do negócio (processos e objetos do negócio) modelagem de requisitos alocados ao software modelagem da solução de software

modelagem do negócio (processos e objetos do negócio) modelagem de requisitos alocados ao software modelagem da solução de software POO com UML Java Uso da linguagem UML(Unified Modeling Language) A UML, ou Linguagem de Modelagem Unificada, é a junção das três mais conceituadas linguagens de modelagem orientados a objectos (Booch de

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Departamento de Informática Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos 1ª chamada, 9 de Janeiro de 2009 1º Semestre, 2009/2010 NOTAS: Leia com atenção cada questão antes de responder.

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. O ambiente Delphi suporta o desenvolvimento de aplicações orientadas a objetos por meio da linguagem Object

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Engenharia de Software. nelmarpg@yahoo.com.br

Processo de Desenvolvimento de Software. Engenharia de Software. nelmarpg@yahoo.com.br Processo de Desenvolvimento de Software nelmarpg@yahoo.com.br 1 Objetivos Contextualizar Análise e Projeto de software dentro de uma metodologia de desenvolvimento (um processo de desenvolvimento de software)

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

REFLEXÃO EM JAVA. INVERSÃO DE DEPENDÊNCIA FACTORY METHODS FACTORY CLASSES IoC, CONTAINERS e BEANS SPRING PARTE III

REFLEXÃO EM JAVA. INVERSÃO DE DEPENDÊNCIA FACTORY METHODS FACTORY CLASSES IoC, CONTAINERS e BEANS SPRING PARTE III REFLEXÃO EM JAVA INVERSÃO DE DEPENDÊNCIA FACTORY METHODS FACTORY CLASSES IoC, CONTAINERS e BEANS SPRING PARTE III ARQUITECTURAS DE SOFTWARE F. Mário Martins 2011 CLASS A partir de JAVA5 a classe java.lang.class

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet)

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) UML Felipe Denis M. de Oliveira Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) 1 Programação O que é UML? Por quê UML? Benefícios Diagramas Use Case Class State Interaction Sequence Collaboration Activity Physical

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas)

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas) ENIAC Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 1 Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 2 O transistor foi inventado em 1947

Leia mais

Projecto de Modelação, Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2008-09. Requisitos para a 3ª entrega do projecto.

Projecto de Modelação, Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2008-09. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. Departamento de Engenharia Informática Modelação, Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto Test O Matic 10 de Maio de 2009 1 Índice 1 Índice... 1 2 Sumário...

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

4. Exemplo de Levantamento de Classes...26. 3. Levantamento das Classes...24. 1. Conceito de Classe e Objeto... 15. 1. Modelo de Casos de Uso...

4. Exemplo de Levantamento de Classes...26. 3. Levantamento das Classes...24. 1. Conceito de Classe e Objeto... 15. 1. Modelo de Casos de Uso... Projeto de Software usando UML Sumário Capítulo I : Casos de Uso...3 1. Modelo de Casos de Uso... 3 2. Diagramas de Casos de Uso... 3 3. Exemplo... 9 4. Conclusão... 13 Capítulo II : Levantamento de Classes...15

Leia mais

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto 2.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Processo Unificado (RUP) Fundações do Modelo Objeto 2.2 Programação Orientada a Objetos: é um método de

Leia mais

Documento de Projeto de Software

Documento de Projeto de Software Documento de Projeto de Software Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 1.0 Responsável: Ricardo de Almeida Falbo 1. Introdução Este documento apresenta o documento de projeto (design) do sistema de

Leia mais

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes UML: Unified Modeling Language Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes Unified Modelling Language (UML) Não é uma linguagem de programação. Linguagem de modelagem visual utilizada para especificar,

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Figura 1 - O computador

Figura 1 - O computador Organização e arquitectura dum computador Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Representação da informação no computador... 4 3. Funcionamento básico dum computador... 5 4. Estrutura do processador...

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BPstat manual do utilizador Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Diagrama de Classe. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha. Engenharia de Software

Diagrama de Classe. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha. Engenharia de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Classe Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos Principais conceitos Paradigmas de Programação PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA X PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS Paradigma Programação estruturada Na programação estrutura

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE PARTE 2 LINGUAGEM DE MODELAÇÃO UML CAP. 4 UML VISÃO GERAL Tópicos Introdução Visão Histórica Tipos de Elementos Básicos Tipos de Relações Tipos de Diagramas Mecanismos Comuns TiposdeDados

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Introdução Projeto de Arquitetura (Cap 11 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Até agora, estudamos: Os

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Unified Process Sueleni Mendez Batista Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Processo de Desenvolvimento de Software 8O processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades e resultados

Leia mais

Um sistema SMS 1 simplificado

Um sistema SMS 1 simplificado 1 Introdução Um sistema SMS 1 simplificado Projecto de Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC IST, Tagus Park 10 de Setembro de 2007 Pretende-se com este projecto que os alunos implementem um sistema

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

ARQUITECTURAS DE SOFTWARE

ARQUITECTURAS DE SOFTWARE ARQUITECTURAS DE SOFTWARE AULAS Nº 8 e 9 7-21/12/2007 F. Mário Martins Case Studies: Ligação das partes Use Case Diagram Use Case Specification Passo 1: ---------- Passo 2: ---------- Passo 3: ----------

Leia mais

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma Índice Bases de Dados Pedro Quaresma Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2010/2011 1. Parte I Componente Teórica 1.1 Introdução 1.2 Modelo ER 1.3 Modelo Relacional 1.4 SQL 1.5 Integridade

Leia mais

exercícios - cap. 4 1

exercícios - cap. 4 1 1 1. Equipa de desenvolvimento, clientes e utilizadores trabalham em conjunto para especificar os requisitos de um sistema. Se o sistema depois de concluído falhar, causando prejuizo físico ou financeiro,

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

4.6. UML Diagramas de componentes

4.6. UML Diagramas de componentes Engenharia de Software 4.6. UML Diagramas de componentes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Componentes são partes, executáveis e substituíveis, (idealmente reutilizáveis) de um sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Diagrama de Classes. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Diagrama de Classes. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Diagrama de Classes Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 O que é? Diagrama mais utilizado da UML Representa os tipos (classes) de objetos de um

Leia mais

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental UML - Diagramas, Fases e Detalhes Resolvi juntar

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Tarciane Andrade. tarcianeandrade@gmail.com

Tarciane Andrade. tarcianeandrade@gmail.com Tarciane Andrade tarcianeandrade@gmail.com Contexto Análise Passando de casos de uso para diagramas de classes 2 Após a etapa de análise de requisitos, temos documentos de requisitos e os casos de uso

Leia mais