Um sistema SMS 1 simplificado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um sistema SMS 1 simplificado"

Transcrição

1 1 Introdução Um sistema SMS 1 simplificado Projecto de Redes de Computadores I /2008 LEIC IST, Tagus Park 10 de Setembro de 2007 Pretende-se com este projecto que os alunos implementem um sistema SMS simplificado (cliente e servidor), que permita a cada utilizador enviar e receber mensagens de texto a partir de uma aplicação a correr num pc. O sistema SMS simplificado é um serviço de troca de mensagens de texto entre utilizadores do sistema. Uma mensagem de texto enviada por um utilizador com destino a outro utilizador, é recebida pelo Service Center que procede à sua entrega. O destinatário da mensagem de texto ao recebê-la, notifica essa ocorrência ao Service Center através de uma message delivery report,. De seguida, o Service Center envia ao utilizador que emitiu a mensagem de texto, um relatório sobre o estado da mesma, se este tinha activado a opção de message status report. Os utilizadores podem: enviar (receber) mensagens de texto para (de) outros utilizadores; receber relatórios de submissão de mensagens do Service Center para a notificação de recepção de mensagens de texto que nele transitam; receber relatórios de entrega de mensagens do Service Center; se a opção de message status report estiver activada; receber mensagens de difusão provenientes do Service Center. O Service Center é encarregado de: receber mensagens de texto dos utilizadores e de proceder à sua imediata entrega aos respectivos destinatários se estiverem activos, caso contrário, as mensagens são armazenadas em filas para posterior entrega, logo assim que os seus destinatários estiverem disponíveis para as receber; receber relatórios de entrega dos utilizadores destinatários e enviá-los aos respectivos emissores que tenham activado a opção de message status report. enviar relatórios de submissão de mensagens de texto aos respectivos emissores; enviar mensagens de difusão para todos os utilizadores activos; O trabalho consiste na especificação do protocolo de comunicação a utilizar e na implementação de um sistema funcional. Uma vez que cada grupo define o seu protocolo, não é de esperar que se possa comunicar utilizando clientes realizados por grupos diferentes. 1 Acrónimo de Short Message Service. As especificações completas do SMS podem ser consultadas na página do 3GPP [www.3gpp.org] 1

2 A aplicação será desenvolvida utilizando a linguagem C e o sistema operativo GNU/Linux. Serão utilizadas como referência as máquinas do laboratório da cadeira, sendo os trabalhos avaliados nestas máquinas. 2 Funcionalidades a implementar O protocolo de comunicação deve ser desenhado de modo a fornecer as funcionalidades pretendidas para o sistema da maneira mais simples. Ao ligar a aplicação, esta comunicará com um servidor, o Service Center, a fim de assinalar a sua presença na rede. Quando um utilizador termina a aplicação, o servidor é notificado da sua saída da rede. Na eventualidade da aplicação não terminar ordeiramente, isto é, não notificou apropriadamente o Service Center, este deverá detectar e interpretar correctamente a situação. O tamanho máximo das mensagens do SMS simplificado encaminhadas entre um cliente (ou utilizador) e o Service Center é de 140 caracteres. No acto de envio, se a dimensão duma mensagem superar o máximo consentido, a mesma deve ser fragmentada em várias mensagens de tamanho adequado. A aplicação do cliente ao receber um conjunto de mensagens que constituem fragmentos, deve reconstruir correctamente a mensagem original. O protocolo e a aplicação devem ser desenvolvidos tendo em conta as seguintes restrições: A rede utilizada não é fiável. Sempre que o utilizador tiver de identificar o servidor com funções de Service Center poderá fazê-lo utilizando o endereço IP ou o nome DNS da máquina. O protocolo deve ser eficiente, evitando a troca de mensagens/informações desnecessárias. 3 Interface com o utilizador A aplicação a desenvolver deverá apresentar uma interface linha de texto comando. O número de argumentos da aplicação e a sua ordem é deixado ao cuidado de cada grupo, devendo estes ser no menor número possível de forma a cumprir os objectivos propostos. Ao ser chamada sem argumentos, a aplicação deve dar uma breve ajuda, indicando quais os argumentos que aceita, e sair. Ao arrancar com sucesso, a aplicação apresenta a linha de comando ao utilizador, na qual este pode inserir quatro comandos: criar_mensagem, caixa_entrada, itens_enviados, pedido_relatório e sair. A execução de cada comando deve resultar numa mensagem que esclareça o utilizador quanto ao sucesso, ou não, do comando emitido. Após a apresentação das mensagens de cada comando, o utilizador passa a poder introduzir o próximo comando. O comando criar_mensagem permite ao utilizador compor uma mensagem de texto. O comando caixa_entrada permite a visualização da lista das mensagens recebidas. 2

3 O comando itens_enviados mostra a lista das mensagens enviadas. O comando pedido_relatório permite a activação/desactivação da opção message status report para a recepção dum relatório que confirma entrega das mensagens de texto aos respectivos destinatários. O comando sair termina a aplicação ordeiramente. 4 Modelo de rede O projecto deve ser implementado considerando a existência de um servidor que implementa o Service Center ao qual todos os clientes se ligam para efectuarem trocas de mensagens de texto. 5 Recomendações O protocolo de comunicações é o ponto de partida para o desenvolvimento da aplicação. Esta não poderá fornecer serviços não suportados pelo protocolo e será tão complexa quanto for o protocolo que implementa. O procedimento recomendado é o de desenhar primeiro o protocolo de comunicação completo, formalizando a máquina de estados e o formato dos PDUs. A aplicação deverá poder ser compilada de forma a funcionar conforme descrito ou emitindo mensagens de debug que permitam acompanhar o seu funcionamento. As mensagens de debug, claras, em Português correcto (passível de ser analisado por terceiros), e em quantidades razoáveis, podem ser muito valiosas durante as apresentações e discussão. Após definir o protocolo que permitirá fornecer as funcionalidades pedidas, deverá começar por desenhar a arquitectura da aplicação, tendo em conta todas as operações que esta deverá desempenhar. O programa deve ser implementado através de um conjunto de módulos independentes, de funcionalidade bem definida, devendo-se evitar as variáveis globais sempre que possível. Também as estruturas de dados utilizadas e os mecanismos de sincronização escolhidos devem ser alvo de reflexão. Recomenda-se a interacção como corpo docente em todas as etapas do desenvolvimento, como forma de garantir que o trabalho desenvolvido corresponde ao que foi pedido. Recomenda-se a utilização de uma Makefile desde o início. Não só é facilitado o processo de desenvolvimento como é necessário entregar uma juntamente com o projecto. O programa ethereal pode ser de grande utilidade na análise das mensagens trocadas entre as várias entidades envolvidas, sendo uma valiosa ferramenta de debug. Para se ligar ao sistema SMS simplificado um cliente necessita de conhecer o servidor. Esta informação pode ser fornecida pelo utilizador ao lançar a aplicação. O teste da aplicação vai requerer a utilização simultânea de vários clientes. Como o número de máquinas disponíveis é reduzido, face ao número de grupos, deverá ser possível correr vários clientes na mesma máquina. Deve no entanto ser possível correr a aplicação em máquinas diferentes. 6 Calendarização De forma a possibilitar um maior acompanhamento do trabalho realizado pelos alunos, algumas das aulas práticas serão dedicadas à ao no projecto. 3

4 Calendarização aconselhada para o desenvolvimento do projecto: Período Etapa de desenvolvimento 24 a 28 de Setembro Identificação dos requisitos funcionais inerentes à gestão dos utilizadores e ao serviço de mensagens) 8 a 12 de Outubro Concepção da arquitectura do software dos componentes cliente e servidor 22 a 26 de Outubro Máquina de estados da gestão de utilizadores 29 de Outubro a 2 de Novembro Máquina de estados do serviço de mensagens Máquina de estado global 5 a 9 de Novembro Implementação da gestão de utilizadores 10 a 23 de Novembro Implementação do serviço de mensagens 3 a 7 de Dezembro Integração das implementações 10 a 14 de Dezembro Entrega do Projecto (código + relatório)-> Obrigatório! As datas para a realização das visualizações e discussões (que englobam toda a componente laboratorial) serão oportunamente comunicadas aos alunos na página da cadeira. Da aplicação será considerada a qualidade e legibilidade do código. A repetição desnecessária de código será registada de forma negativa. O código deverá ser acompanhado de uma Makefile que gere, por omissão, um executável de nome sms. Só serão avaliados projectos acompanhados por uma Makefile correcta. O método de entrega do código e relatório será oportunamente divulgado na página da cadeira. 6.1 Relatório Na entrega final, juntamente com os ficheiros do projecto, deverá ser fornecido um relatório sucinto, com um máximo de 8 páginas em tamanho 12, com a seguinte estrutura: Introdução - Objectivo do trabalho e estrutura do relatório. Protocolo desenvolvido - Especificação final do protocolo mencionando eventuais alterações feitas face à primeira versão. Protocolos de comunicação desenvolvidos (incluindo PDUs) e considerações relevantes: limitações existentes, escalabilidade, desempenho. Arquitectura da solução - O que foi realizado e o que ficou por fazer face ao enunciado. Diagrama de blocos. Implementação - Estruturas de dados e opções de implementação. Estrutura do código e ficheiros entregues. Testes - Descrição do plano de testes realizados para comprovar o correcto funcionamento da aplicação. Conclusões O relatório deve ser entregue em formato PDF. Não são aceites relatórios noutros formatos ou que não satisfaçam as regras de formatação. Na componente de avaliação do relatório será considerado, com igual peso: o conteúdo técnico a estrutura do relatório 4

5 a qualidade da escrita. 7 Referências [1] The Ethereal Network Analyzer - Sniffing the glue that holds the Internet together, [2] GNU C library manual, 5

Trabalho de laboratório sobre DHCP

Trabalho de laboratório sobre DHCP Trabalho de laboratório sobre DHCP Redes de Computadores I - 2005/2006 LEIC - Tagus Park Semana de 21 a 25 de Novembro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

Trabalho de laboratório sobre DNS

Trabalho de laboratório sobre DNS Trabalho de laboratório sobre DNS Redes de Computadores I - 2006/2007 LEIC - Tagus Park Semana de 2 a 6 de Outubro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0 Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Engenharia de Sistemas e Informática Sistemas Operativos - 2005/2006 Trabalho Prático v1.0 Introdução O presente trabalho prático visa

Leia mais

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Trabalho realizado pelos alunos: Grupo 17 Índice A Introdução...3 B Objectivos...3 C Especificações, Desenvolvimento e Testes...3 C.1 Especificações...3 C.2

Leia mais

Trabalho de laboratório sobre ARP

Trabalho de laboratório sobre ARP Trabalho de laboratório sobre ARP Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC - Tagus Park Semana de 3 a 7 de Dezembro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Redes de Computadores - 2º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 1 - Ethereal

Licenciatura em Eng.ª Informática Redes de Computadores - 2º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 1 - Ethereal 1. Objectivos do Trabalho Trabalho Nº 1 - Ethereal Tomar conhecimento com um analisador de pacotes o Ethereal Realizar capturas de pacotes e analisá-los o TCP / UDP o IP o Ethernet o HTTP / DNS 2. Ambiente

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N

TERMO DE REFERÊNCIA LOTE ITEM UN DESCRIÇÃO QUANTIDADE ENVIO DE MENSAGENS SHORT MESSAGE. no N TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ENVIO DE MENSAGENS SMS SHORT MESSAGE SERVICE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Responsável: Superintendência Central de Governança Eletrônica Objeto LOTE ITEM

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE

MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE Guardar o registo de impressão na rede Versão 0 POR Definições de notas Ao longo do Manual do utilizador, é utilizado o seguinte ícone: Notas sobre como enfrentar situações

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático

Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático Este trabalho pretende familiarizar os alunos com as redes de distribuição de conteúdos. Para tal terão de implementar diversos componentes

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados. Ficha de Laboratório nº 1

GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados. Ficha de Laboratório nº 1 GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados Ficha de Laboratório nº 1 Bruno Simões, Paulo Sousa, Fernando Vicente, Nuno Neves, Luís Rodrigues e Hugo Miranda DI-FCUL GU PRD 02 1 Março 2002 Departamento de Informática

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Laboratórios de Informática II LEI (1 o ano) Projecto Integrado. Ano Lectivo de 2006/07

Laboratórios de Informática II LEI (1 o ano) Projecto Integrado. Ano Lectivo de 2006/07 Laboratórios de Informática II LEI (1 o ano) Projecto Integrado Ano Lectivo de 2006/07 1 Objectivos Com este projecto integrado pretende-se sedimentar os conhecimentos introduzidos nas aulas teóricas de

Leia mais

Trabalho de laboratório sobre ARP

Trabalho de laboratório sobre ARP Trabalho de laboratório sobre ARP Redes de Computadores I - 2005/2006 LEIC - Tagus Park Semana de 5 a 9 de Dezembro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Primeiro Teste 21 de Outubro de 2006, 9:00H 10:30H Nome: Número:

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

COMPUTAÇÃO e PROGRAMAÇÃO

COMPUTAÇÃO e PROGRAMAÇÃO COMPUTAÇÃO e PROGRAMAÇÃO 2º Trabalho Ano lectivo 2009/2010 MEMec e LEAN Data e hora limite de entrega: 6 de Janeiro de 2010, até às 23h59m Entrega: Submissão electrónica, via Fénix (ver instruções na secção:

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006 UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão de NF-e

Manual de Credenciamento para Emissão de NF-e Manual de Credenciamento para Emissão de NF-e Versão 1.4 Agosto/2008 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Requisitos... 3 Credenciamento... 4 Fase de Homologação... 5 o Fase de Testes... 5 o Fase de Emissão

Leia mais

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP Departamento de Sistemas e Informática Licenciatura em Engenharia Informática Industrial Projecto ARC Ano Lectivo de 2006/2007 EDP Processamento das Leituras dos Contadores de Electricidade dos Consumidores

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO O Microsoft Business Solutions for Supply Chain Management Navision Business Notification ajudao a gerir a sua empresa mais facilmente e eficazmente. Pode identificar qualquer problema

Leia mais

Livro de Ponto Automático e Controlo de Assiduidade

Livro de Ponto Automático e Controlo de Assiduidade Instituto Superior Politécnico Gaya Disciplina de Seminário Engenharia Informática 2006/2007 cms@ispgaya.pt spss@ispgaya.pt Manual de administração e Controlo de Assiduidade Outubro de 2007 Índice Introdução...

Leia mais

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página 2002-02-27 Imediata AT CEGER/FCCN GA 2 1 de 11 Tipo: NORMA Revoga: Versão 1 Distribuição: Sítio do CEGER na Internet. Entidades referidas em IV. Palavras-chave: gov.pt. Registo de sub-domínios de gov.pt.

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

Projecto de Modelação, Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2008-09. Requisitos para a 3ª entrega do projecto.

Projecto de Modelação, Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2008-09. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. Departamento de Engenharia Informática Modelação, Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto Test O Matic 10 de Maio de 2009 1 Índice 1 Índice... 1 2 Sumário...

Leia mais

Manual CallCenter para a IPBrick

Manual CallCenter para a IPBrick Manual CallCenter para a IPBrick iportalmais 1 de Outubro de 2010 1 1 Introdução As empresas usam call centers como forma de interagir e de construir relações com os seus clientes. Consciente da importância

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão de NF-e

Manual de Credenciamento para Emissão de NF-e Manual de Credenciamento para Emissão de NF-e Versão 1.6 Abril/2011 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Requisitos... 3 Credenciamento... 4 Fase de Homologação... 5 o Fase de Testes... 5 o Fase de Emissão

Leia mais

Introdução... 2. Contratando o produto Link2NFe... 2. Assistente de configuração de emissor... 3. Configurações Avançadas do Emissor...

Introdução... 2. Contratando o produto Link2NFe... 2. Assistente de configuração de emissor... 3. Configurações Avançadas do Emissor... 0 Conteúdo Introdução... 2 Contratando o produto Link2NFe.... 2 Assistente de configuração de emissor.... 3 Configurações Avançadas do Emissor... 5 Conhecendo o Gerenciador de Recursos da Link2business....

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Teresa Maria Sá Ferreira Vazão Vasques LERCI LEIC Versão 3.0 Setembro de 2005 Conteúdo

Leia mais

Concurso de Ideias. Congresso Ibérico de Jovens Engenheiros

Concurso de Ideias. Congresso Ibérico de Jovens Engenheiros Congresso Ibérico de Jovens Engenheiros Braga, Maio 2012 REGULAMENTO O Prémio rege-se pelo presente regulamento, sendo o Júri soberano na sua interpretação, aplicação, e resolução de eventuais lacunas.

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP)

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Existem inúmeras ferramentas (software) baseadas em RdP que permitem desenvolver modelar e analisar sistema de RdP. Algumas

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows XP

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows XP TeamWork Manual do Utilizador Para Windows XP V3.2_XP Fevereiro 2008 ÍNDICE TeamWork Para que serve... 3 TeamWork Como instalar e configurar... 4 TeamWork Como utilizar... 4 Apoio para instalação e configuração.

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2007/2008 Requisitos para a 1 a entrega Loja Virtual 1 Introdução O enunciado base do projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software

Leia mais

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows Vista

TeamWork. Manual do Utilizador. Para Windows Vista TeamWork Manual do Utilizador Para Windows Vista V3.2_Vista Fevereiro 2008 ÍNDICE TeamWork Para que serve... 3 TeamWork Como instalar e configurar... 4 TeamWork Como utilizar... 4 Apoio para instalação

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas de Informação

Análise e Concepção de Sistemas de Informação Análise e Concepção de Sistemas de Informação Projecto Versão 2.0 amazon.com 2005-2006 1. Introdução O presente documento tem como objectivo apresentar o enunciado do projecto de ACSI 2005-2006. O projecto

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

Fábio Costa e Miguel Varela

Fábio Costa e Miguel Varela Sistema de Informação e Gestão dos Laboratórios do Departamento de Eng.ª Electrotécnica com Tecnologia RFID Projecto Final de Licenciatura em Eng. Electrotécnica e de Computadores Ramo de Electrónica e

Leia mais

Message Oriented Middleware (MOM)

Message Oriented Middleware (MOM) Message Oriented Middleware (MOM) March 24, 2010 Comunicação Assíncrona Problema: Nem sempre as entidades comunicantes estão disponíveis simultaneamente. Por exemplo, um servidor de submissão pode estar

Leia mais

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking Metro do Porto Projecto de Radio Trunking Esta solução providencia um sistema de rádio operacional, privado, que pode ser utilizada para comunicações de emergências, quer pelos condutores dos veículos,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 FEARSe Requisitos para a 1 a entrega 18 de Março de 2010 1 Introdução O projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 REDES DE COMPUTADORES I 007/008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1 Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 Pergunta: 1 1. Que tipo de Elemento de Rede é um Cliente? 1 Sistema Terminal ou Host Servidor 3 Encaminhador

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Guia de Rede 1 2 3 4 Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Leia este manual cuidadosamente antes de utilizar o equipamento e mantenha-o

Leia mais

Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI)

Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI) Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI) Resumo A Unidade Curricular (UC) de PI trata a componente de distribuição e actualização da UI em aplicações Web. Estudam-se

Leia mais

Guia de Instalação do "Google Cloud Print"

Guia de Instalação do Google Cloud Print Guia de Instalação do "Google Cloud Print" Versão A POR Definições de notas Ao longo deste manual do utilizador, é utilizado o estilo de nota seguinte: As Notas indicam o que fazer se ocorrerem determinadas

Leia mais

LEI Sistemas de Computação 2014/15. Níveis de Abstração. TPC4 e Guião laboratorial. Luís Paulo Santos e Alberto José Proença

LEI Sistemas de Computação 2014/15. Níveis de Abstração. TPC4 e Guião laboratorial. Luís Paulo Santos e Alberto José Proença LEI Sistemas de Computação 2014/15 Níveis de Abstração TPC4 e Guião laboratorial Luís Paulo Santos e Alberto José Proença ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Ficha de Trabalho Prático Nº1- Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP.

Ficha de Trabalho Prático Nº1- Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP. Universidade do Minho - Dep. to Informática MIECOM, 4º Ano - 2º Semestre, 2009/2010 Gestão de Redes Ficha de Trabalho Prático Nº1- Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP. Objectivos: Familiarização

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto em Contexto Empresarial I. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto em Contexto Empresarial I VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha - Vila Nova de

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores.

A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores. Descritivo completo dintranet 3 A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores. Benefícios Aumento da produtividade dos colaboradores da empresa;

Leia mais

An enterprise distributed system

An enterprise distributed system An enterprise distributed system 2º Trabalho Prático Tecnologias de Distribuição e Integração 4º Ano do Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação João Carlos Figueiredo Rodrigues Prudêncio

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO À APLICAÇÃO

DOCUMENTO DE APOIO À APLICAÇÃO DOCUMENTO DE APOIO À APLICAÇÃO CHEQUE PRINT Versão 1.0 de 01-01-2010 Um produto da empresa World Solutions Unip. Lda. Telefone +351 22 9720375 E-Mail: INTRODUÇÃO Este documento tem como finalidade servir

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006 EIC Engenharia de Informática e Comunicações Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Engenharia

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3 REFLEXÃO 3 Módulos 0771, 0773, 0774 e 0775 1/5 18-02-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0771 - Conexões de rede, 0773 - Rede local - instalação,

Leia mais

Rock In Rio - Lisboa

Rock In Rio - Lisboa Curso de Engenharia Informática Industrial Rock In Rio - Lisboa Elaborado por: Ano Lectivo: 2004/05 Tiago Costa N.º 4917 Turma: C Gustavo Graça Patrício N.º 4757 Turma: C Docente: Professora Maria Estalagem

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 1.0 Departamento de Segurança Privada Abril de 2012 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 1.0 (30 de abril

Leia mais

CCI.Courier. Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal. Manual de instruções. Referência: CCI.Courier v2.0

CCI.Courier. Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal. Manual de instruções. Referência: CCI.Courier v2.0 CCI.Courier Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal Manual de instruções Referência: CCI.Courier v2.0 Copyright 2014 Copyright by Competence Center ISOBUS e.v. Albert-Einstein-Str.

Leia mais

Programação III / Estruturas de Dados. Enunciado do Trabalho Prático

Programação III / Estruturas de Dados. Enunciado do Trabalho Prático Programação III / Estruturas de Dados Enunciado do Trabalho Prático 1. Objectivo Pretende-se implementar uma base de dados que sirva para ajudar uma agência de viagens a planear as viagens a realizar pelos

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Comunicação de Dados de Autenticação e Credenciais de Acesso para Resposta ao Inquérito

Comunicação de Dados de Autenticação e Credenciais de Acesso para Resposta ao Inquérito Mais informação Acesso ao Sistema de Transferência Electrónica de dados de Inquéritos (STEDI). Onde se acede ao sistema de entrega de Inquéritos? Deverá aceder ao sistema através do site do GEP www.gep.mtss.gov.pt

Leia mais

.Net Remoting Pizzaria

.Net Remoting Pizzaria .Net Remoting Pizzaria 1º Trabalho Prático Tecnologias de Distribuição e Integração 4º Ano do Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação João Carlos Figueiredo Rodrigues Prudêncio ei07111@fe.up.pt

Leia mais

Adenda ao Manual. Versão 3.96

Adenda ao Manual. Versão 3.96 Adenda ao Manual Versão 3.96 Aviso: A adenda ao manual da versão 3.96 do RESTUS Touchscreen não pode ser reproduzida e distribuída sem autorização da itbase SA. 1999 2011 itbase SA Todos os direitos reservados

Leia mais

Dispositivo Multifunções com Acesso Remoto (2 a -parte)

Dispositivo Multifunções com Acesso Remoto (2 a -parte) 2 o -Trabalho de Laboratório - ecos Sistemas Computacionais IST - 2008/2009 Dispositivo Multifunções com Acesso Remoto (2 a -parte) 1 Introdução Alguns sistemas embebidos são desenvolvidos sobre plataformas

Leia mais

Capítulo 1. Linguagens e processadores

Capítulo 1. Linguagens e processadores Capítulo 1. 1. Linguagens 1.1. Definição Definição : Uma linguagem L sobre um alfabeto, também designado com frequência por vocabulário, V, é um conjunto de frases, em que cada frase é uma sequência de

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Trabalho de laboratório sobre IP

Trabalho de laboratório sobre IP Trabalho de laboratório sobre IP Redes de Computadores I - 2006/2007 LEIC - Tagus Park Semana de 13 a 17 de Novembro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2014/2015 Enunciado da Primeira Parte do Projecto 1. Primeira Parte do Projecto ES Este enunciado descreve o trabalho a realizar

Leia mais

Sistemas Informáticos

Sistemas Informáticos Sistemas Informáticos Sistemas Distribuídos Eng.ª Sistemas de Informação Escola Superior de Tecnologia e Gestão - IPVC Ano Lectivo 2005-2006 1.º Semestre Gestão de Nomes 1 - Objectivos - Os nomes são fundamentais

Leia mais

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador VM Card Manuais do Utilizador Referência das Definições Web das Funções Avançadas 1 Introdução 2 Ecrãs 3 Definição de Arranque 4 Informações de Função Avançada 5 Instalar 6 Desinstalar 7 Ferramentas do

Leia mais

Meghan Desai Intel Corporation

Meghan Desai Intel Corporation A Intel e o respectivo logótipo são marcas ou marcas registadas da Intel Corporation ou das respectivas subsidiárias nos Estados Unidos e noutros países. *Outros nomes e marcas podem ser reivindicados

Leia mais

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010 COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE FCCN - Dezembro 2010 Rui Ribeiro colibri@fccn.pt Módulo COLIBRI Concebido por: José Coelho Universidade Aberta Apoiado por: Rui Ribeiro FCCN Vitor

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

Trabalho de Grupo Gestão de Projecto e Gestão de Processos de Negócio

Trabalho de Grupo Gestão de Projecto e Gestão de Processos de Negócio 1 Trabalho de Grupo Gestão de Projecto e Gestão de Processos de Negócio João Caixinha, 5946, Pedro Moreira, 10015, 2.º Ano (2011/2012) Resumo Este trabalho é composto por duas partes, uma elaborada no

Leia mais