DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA ALFA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA ALFA"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA ALFA Acadêmico: XXXXXXXXXXXX Professora orientadora: Donária Coelho Duarte, Dra. GURUPI TO MAIO, 2009

2 2 XXXXXXXXXXXXXX DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA EMPRESA ALFA Relatório organizacional apresentado ao Centro Universitário UNIRG, como requisito parcial para a disciplina Estágio Supervisionado I. Orientador: Professora. Adm. Donária Coelho Duarte, Dra. GURUPI TO MAIO, 2009

3 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTO DA PESQUISA TÉCNICAS DE PESQUISA ANÁLISE DE DADOS CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE AMBIENTE INTERNO Aspectos estratégicos Aspectos financeiros Aspectos mercadológicos Aspectos de recursos humanos Aspectos de produção Aspectos de prestação de serviços AMBIENTE EXTERNO CONCLUSÃO SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA REFERÊNCIAS...46 ANEXO A Organograma da ALFA ANEXO B - Fluxograma de atividades de produção da ALFA...51 ANEXO C- Fluxograma de atividades do controle de qualidade...52

4 4 1 INTRODUÇÃO O respectivo trabalho apresentado ao curso de Administração do Centro Universitário Unirg na disciplina de Estágio Supervisionado I tem como objetivo diagnosticar e descrever as atividades realizadas no dia-a-dia da empresa ALFA. O Estágio Supervisionado I é de grande importância para a experiência do acadêmico, pois o mesmo permite associar o que se aprende em sala com a prática vivenciada na empresa, consiste ainda numa análise cuidadosa envolvendo supervisão, revisão e correção sistemática do plano elaborado. Trabalhar este relatorio é uma forma de mostrar ao academico a importância que a administração tem dentro de uma organização, e mostrará também que hoje planejar estratégicamente é o melhor caminho para alcancar os resultados esperados. A ALFA presta serviços e produz fármacos e cosméticos manipulados, sendo esta uma área que necessita de uma administração minuciosa, pois requer um cuidado muito grande por se tratar da saúde humana com o objetivo de obter uma lucratividade trabalhando os padrões de qualidade satisfazendo o consumidor final e seus colaboradores. Neste serão apresentados os procedimentos metodológicos, delineamento da pesquisa, as técnicas de pesquisa, análise de dados e a caracterização da organização, o ambiente interno os aspectos estratégicos, financeiros e mercadológicos da empresa. Após identificar a empresa foram analisados os procedimentos metodológicos, enfatizando quais os melhores caminhos e métodos para realização da pesquisa, e como aproveitar as informações adquiridas da melhor forma possível. Foi explorado também o ambiente interno da empresa com seus respectivos departamento e funções delegadas a cada funcionário, analisando os aspectos estratégicos, financeiro e mercadológico da organização. Nos aspectos estratégicos foram analisadas quais as estratégias desenvolvidas para alcançar os objetivos e metas da empresa. Na área de finanças determinaremos também os meios que são utilizados e seus respectivos funcionamentos para análise da situação econômica financeira da empresa. Por fim, será abordada a importância dos aspectos mercadológicos dentro e fora da empresa, com a elaboração do plano de marketing analisando seus produtos, preços, necessidades dos clientes, distribuição e promoção.

5 5 Concluindo, a primeira parte do trabalho serão relatadas as conclusões obtidas com o diagnóstico organizacional do ambiente da empresa com seus respectivos departamentos e a maneira de administrá-la, revendo e oferecendo sugestões para melhorar ou até mesmo implantar algumas estratégias. Para realização deste é indispensável o auxílio de livros, e do conhecimento e experiência de um orientador, espera-se que o acadêmico tenha esclarecido e diagnosticado o funcionamento da empresa estagiada e que ele tenha conseguido por em prática os conhecimentos adquiridos ao decorrer do curso, enfatizando que a prática é ainda a melhor forma de aprender. Para relatar métodos os quais foram utilizados para elaboração do trabalho, em seguida serão abordados os procedimentos metodológicos, delineamento da pesquisa, técnicas de pesquisa e análise dos dados.

6 6 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Para elaboração da pesquisa são utilizados métodos e técnicas que conduzem a maneira que a mesma deve ser elaborada auxiliando na coleta das informações, organizandoas e determinando como foram feitas as análises dos dados. A seguir será determinado o delineamento da pesquisa as técnicas e análise de dados. 2.1 DELINEAMENTO DA PESQUISA Buscando analisar o ambiente e a maneira a qual a empresa realiza suas atividades o delineamento da pesquisa mostra como foi feito a coleta das informações. Usando o método indutivo que, segundo Oliveira (2004, p.59), a indução se converte em princípio lógico independente, incapaz de ser inferido da experiência ou de outros princípios lógicos, e que a ciência se torna impossível sem ele. Procurou-se questionar todas as tarefas existentes e o modo como às quais são conduzidas e o comportamento dos colaboradores, detectando as falhas e ajudando a solucioná-las fazendo jus aos objetivos da empresa. A pesquisa pode ser determinada também como sendo exploratória e descritiva. Quanto à pesquisa exploratória, de acordo com Cervo e Bervian (2002, p. 69), o estudo exploratório, é normalmente o passo inicial no processo de pesquisa pela experiência e um auxílio que traz a formulação de hipóteses significativas para posteriores pesquisas. Sendo ela também uma pesquisa descritiva, Cervo e Bervian (2002, p.66), dizem sucintamente a pesquisa descritiva observa, registra, analisa e correlaciona fatos ou fenômenos (variáveis) sem manipulá-los. Conforme os conceitos citados para desenvolver esse diagnóstico exploárou-se cada departamento através de pesquisas realizadas com os colaboradores e os sócios da empresa. Determinando o delineamento da pesquisa em seguida será abordada as técnicas utilizadas.

7 7 2.2 TÉCNICAS DE PESQUISA Neste trabalho foram utilizadas várias técnicas de pesquisa como bibliográficas, entrevista e observação sistêmica. É de suma importância descrever as técnicas que foram utilizadas para realizar a pesquisa pelo fato da existência de várias, e que há variabilidade de acordo com cada autor. Segundo Cervo e Bervian (2002, p.26), pode ser chamados de técnicas aqueles procedimentos científicos utilizados por uma ciência determinada no quadro das pesquisas próprias desta ciência. Para desenvolvimento do trabalho foram utilizadas pesquisas bibliográficas que possibilitam uma definição clara de cada assunto abordado e auxilia no desenvolvimento da pesquisa. Sobre pesquisa bibliográfica, Oliveira (2004, p.119) relata tem por finalidade conhecer as diferentes formas de contribuição científica que se realizaram sobre determinado assunto ou fenômeno. Outra técnica de pesquisa utilizada foi a de entrevista. A mesma foram aplicadas com os sócios proprietários, com a gerente e os funcionários e seus departamentos. Tendo como auxílio um roteiro de entrevista. Marconi e Lakatos (2002, p 92), afirmam que, a entrevista é um procedimento utilizado na investigação social, para a coleta de dados ou para ajudar no diagnóstico ou no tratamento de um problema social. A técnica de observação sistêmica consiste em uma observação estruturada planejada e controlada. Para realização da mesma foi utilizado um roteiro de entrevista, aplicado pela orientadora, sendo essa observação realizada individualmente não havendo maiores participações do observador no ambiente mantendo melhor objetividade. Cervo e Bervian (2002, p. 27), afirmam observar é aplicar atentamente os sentidos físicos a um objeto, para dele adquirir um conhecimento claro e preciso. Diz ainda que: observação sistemática: também chamada observação estruturada, planejada ou controlada, tem como característica básica o planejamento prévio e a utilização de anotações, de controle de tempo, e da periodicidade, recorrendo também ao uso de recursos técnicos, mecânicos e eletrônicos. (CERVO, BERVIAN, 2002, p.28). Concluindo as técnicas utilizadas mostraremos a seguir como foram analisados os dados coletados.

8 8 2.3 ANÁLISE DE DADOS Após a coleta dos dados, serão agora analisados determinando o objetivo de descrever o ambiente organizacional. Neste trabalho não se tem a intenção de analisar os dados estatísticos sendo os mesmos apenas dados descritivos visando uma análise qualitativa da empresa. Oliveira (2004, p. 119), diz que: As pesquisas que se utilizam da abordagem qualitativa possuem a facilidade de poder descrever a complexidade de uma determinada hipótese ou problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos experimentados por grupos sociais, apresentar contribuição no processo de mudança, criação ou formação de opinião de determinado grupo e permitir, em maior grau de profundidade, a interpretação das particularidades ou atitudes dos indivíduos. Foram coletadas todas as informações possíveis que a empresa pode disponibilizar desde dados que informam sobre sua criação aos dias atuais. Possibilitando realizar um histórico da empresa como um todo principalmente analisando seus métodos, estratégias e as dificuldades de executá-los. Serão expostas em seguida a caracterização da organização e o meio ambiente colocando em destaque seus atributos organizacionais.

9 9 3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE A ALFA está no mercado de gurupi há três anos, procurando satisfazer as necessidades dos seus clientes com seus produtos e serviços determinados e sempre aperfeiçoando as práticas e seus colaboradores. A empresa tem como Razão Social: Arte Farma com Varejo de Produtos Farmacêuticos Ltda. Localizada na Av. Goiás entre ruas 7 e 8 nº Centro, cujo CNPJ: / , Fone: (063) , representada pela proprietária Juliana Nascente Guedes Marinho. 3.1 AMBIENTE INTERNO E no ambiente interno que analisamos todas as oportunidades e ameaças que a empresa esta sujeita a vivenciar assim como suas estratégias. Na pesquisa poderá ser vista como os funcionamentos da empresa tem a levado a garantir a sobrevivência diante dos seus concorrentes. Assim foram analisados os diversos departamentos e estratégias da empresa também financeiro e mercadológico. O trabalho será iniciado analisando os as aspectos estratégicos da empresa sua história, seus objetivos, sua missão entre outros que veremos a seguir Aspectos estratégicos A ALFA é uma empresa que atua no mercado farmacêutico magistral há 25 anos, utilizando um sistema de franquia que já fornece seus produtos/serviços em várias lojas espalhadas pelo Brasil. Tudo começou em 1983, rendeu frutos e hoje conta com várias unidades pelo Brasil. Com 25 anos de história a ALFA soube responder aos desafios da modernização e atender, a altura, as crescentes exigências tecnológicas, obtendo resultados eficazes e realizando um trabalho harmônico com a classe médica. A trilogia entre paciente-médico-farmácia de manipulação, aliada a atenção farmacêutica de alto padrão, garantem a excelência na qualidade dos produtos, serviços e a satisfação dos clientes. (ALFA, 2009 a).

10 10 Em maio de 1983 foi inaugurada a primeira loja da ALFA em Goiânia-GO; em setembro de 1991 no Distrito Federal; em março de 1996 foi inaugurada em Anápolis-GO sendo esta a primeira franquia, e uma em Palmas-TO; em setembro de 2002 mais uma loja em São Miguel do Araguaia-GO; em julho de 2003 uma em Jataí - GO e uma em Redenção - PA em outubro; em 2005 Franquia na cidade de Minaçu-GO e uma em Paraupebas-PA; em 2006 é a vez de Gurupi-TO receber uma franquia; em 2007 franquia em Acreúna e Itaporanga-GO e em Xinguara-PA; em 2008 em Araguaína; e em 2009 na cidade de São Luiz de Montes Belos-GO. (ALFA, 2009 b). Em Gurupi sua instalação estava planejada desde 2005 e de acordo com a regularização perante o órgão competente foi inaugurada no dia 14 de março de 2006, com cinco colaboradores assim surgia a ALFA. Após dois anos vieram à necessidade de se fazer algumas mudanças na estrutura física da empresa então foi construída uma nova instalação com maior comodidade e conforto para seus colaboradores e clientes, ao término da estrutura, mudaram no dia 28 de dezembro de Hoje a ALFA conta com a colaboração de nove funcionários em busca do mesmo objetivo. Atuando no comércio farmacêutico de manipulação de fitoterápicos e cosmético bem como revenda de produtos industrializados para estética corporal e facial a empresa tem como público-alvo, pessoas que necessitam de produtos personalizados de acordo com a suas necessidades. Segundo Las Casas (2001, p.53), para desenvolver uma estratégia, é necessário determinar um público-alvo. Quem a empresa quer atingir? Homens, mulheres ou crianças? Classe A, B, C ou D? A ALFA possui um planejamento estratégico formalizado, pois o mesmo é estabelecido e aprovado pela matriz localizada em Goiânia e adaptados a realidade de Gurupi, trimestralmente esses planos são revisados e/ou implementados para a melhoria continua da organização. Segundo Thompson Junior e Strickland III (2000, p. 33), plano estratégico é uma declaração que delineia a missão de uma organização e seu rumo futuro, suas metas de desempenho de curto prazo e de longo prazo e sua estratégia. Todos os colaboradores são informados a respeito do planejamento estratégico (mudanças e/ou implementações) e a cada três meses é agendada uma reunião onde os colaboradores são informados das mudanças ou inovação das mesmas, estando cientes e de acordo, fazem valer essas informações em busca melhoria continua. Definir a missão da empresa é uma forma de mostrar a razão de sua existência, por

11 11 tanto a mesma tem o propósito de atender as necessidades dos seus consumidores, fornecendo produtos e serviços de qualidade, procurando obter um lucro adequado e necessário para o crescimento da organização. Conforme Kotler (1998, p.76), a declaração de missão da empresa atua como uma mão invisível que orienta funcionários geograficamente dispersos a trabalhar independentemente e, todavia, coletivamente para realizar as metas da organização. Os valores estabelecidos pela empresa se preocupam em concretizar como ela realiza seus negócios, respeitando a cultura corporativa e os padrões éticos, assim absorvendo um impacto positivo no sucesso das estratégias de longo prazo. A empresa estagiada e seus respectivos valores são: 1. Ética; 2. Moral; 3. A farmácia como posto avançado de saúde pública na luta pela preservação da saúde; 4. O respeito pelo ser humano na sua individualidade. (ALFA, 2009 c). De acordo com Thompson Junior e Strichland III (2000, p. 390), as declarações de valores servem de pedra fundamental para a formação da cultura; o código de ética serve para o desenvolvimento da consciência corporativa. Outro ponto de grande importância para a empresa é a definição de uma visão. Segundo Thompson Junior e Strichland III (2000, p. 36), a visão estratégica fornece um quadro em perspectiva de o que somos o que fazemos e para onde vamos. Ela não deixa nenhuma dúvida sobre o rumo de longo prazo da organização pra onde a gerência pretende conduzir a empresa. A empresa possui também uma visão estabelecida e formalizada: Ser referencial em manipulação de medicamentos e cosméticos agregando tecnologia e estratégias para melhorar a longevidade do ser humano desenvolvendo campanhas de linha social e expansão de novas formas personalizadas de atendimento. (ALFA, 2009 d). A visão mostra estratégias de longo prazo e o rumo que a empresa deve seguir para alcançá-las de maneira eficaz. A Framogral possui essas estratégias definidas pela matriz localizada em Goiânia e adaptadas na vivência da organização em Gurupi. A empresa estabelece uma política e procedimento a serem seguidos por seus colaboradores como cumprimentos de horários uso de uniformes, segurança e higiene. Segundo Oliveira (2002, p.78), política da empresa é a definição de delegação, faixa de valores ou quantidades limites de abrangências das estratégias e ações para a consecução dos objetivos.

12 12 Todos os funcionários têm um horário a ser seguido e respeitado; os funcionários possuem uniformes devendo mantê-los sempre limpos e bem cuidados; na área de produção os homens deverão está sempre com os cabelos curtos e a barba feita, e para as mulheres não se podem usar unhas grandes com o uso de esmalte e acessórios como brincos, colares, anéis, etc. O uso de equipamentos de proteção individual é obrigatório, é empresa preocupando-se com a saúde e segurança dos seus colaboradores. Todos trabalham em sistema de equipe em busca do objetivo principal que é oferecer qualidade agregada nos seus produtos e no atendimento aos seus clientes. Instruir um funcionário ou resumir a empresa como um todo verbalmente sobre o seu funcionamento e as diversas áreas da empresa dificulta a compreensão dos colaboradores e dos demais que ficam desinformados das funções dos diversos departamentos. Segundo Oliveira (2006, p.43), organograma é a representação gráfica de determinados aspectos da estrutura organizacional. Para melhor visualizar a organização da empresa de um modo geral, a administração criou um organograma clássico que permite um rápido entendimento de uma forma nada complexa dos diversos departamentos e suas respectivas funções, observadas no apêndice A: Somente, que se uma estrutura organizacional for bem definida e detalhada, que será possível alcançar os objetivos planejados nas estratégias, interligando as atividades das várias unidades da empresa. De acordo com Silva (2002, p. 16), a estrutura organizacional é definida como um sistema de suporte de relacionamentos consistentes entre as varias posições dentro e uma organização. Já Thompson Junior e Strickland III (2000, p. 1), dizem que a estratégia da empresa consiste do conjunto de mudanças competitivas e abordagens comerciais que os gerentes executam para atingir o melhor desempenho da empresa. Conforme estabelecido, a empresa procurou adequar cada estratégia ao seu devido departamento e cada um seguindo os procedimentos adequados visando o alcance dos objetivos, os quais foram definidos no planejamento estratégico. Como já se viu, às estratégias são minuciosamente planejadas, discutidas, estudadas e implantadas com a finalidade de encontrar os melhores caminhos para alcançar os objetivos da empresa. Uma vez que bem definidas as políticas e estratégias, se sabe o que esperar de cada departamento que compõem a empresa. Las Casas (2001, p. 86), diz que os objetivos representam tudo aquilo que queremos

13 13 atingir. E possível atingir os objetivos por meio de táticas e estratégias incluídas no plano. De acordo com o conceito citado, a empresa apresenta seus objetivos principais: maximizar a parceria com fornecedores; satisfação total dos nossos clientes; melhor qualidade dos produtos manipulados e no atendimento ao público; maior margem de lucro; maior credibilidade; relacionamento mais forte com os clientes; menor custo que os concorrente porem produtos de melhor qualidade, e maiores oportunidades de expansão. Todos os funcionários são claramente informados dos objetivos, de uma visão geral e conforme o departamento que trabalham e recebem instruções sobre os objetivos de cada um e como deve ser realizados para concretizá-los. Conhecendo todos os objetivos da empresa os colaboradores são treinados, preparados e motivados a executar suas obrigações com eficiência e eficácia, satisfazendo as necessidades dos seus clientes e da empresa. Para a execução dos objetivos, são disponibilizados todos os recursos necessários os quais a gerência fica responsável por não permitir que haja falhas que venham a comprometer a estratégia implantada. Em uma empresa com fins lucrativos a principal meta é ganhar dinheiro, visto que o lucro é a condição essencial para a sobrevivência da mesma, o que garante sua continuidade perante o mercado competitivo, a motivação dos colaboradores, permitindo agregar valor aos produtos e a tecnologia adquirida. Costa (2005, p. 200), relata que metas são valores quantitativos a serem atingidos num certo momento preestabelecido. As metas da empresa são estipuladas todo mês, para determiná-las, os proprietários fazem uma comparação do mês atual com o mês do ano anterior, podendo assim, serem aprovadas. Todo mês a meta tem que ser alcançada pelos vendedores garantindo assim um adicional ao salário, essa também é uma forma de motivá-los e trazer benefícios para empresa. As metas são planejadas pelos proprietários em reuniões com a gerência, determinando e desenvolvendo regras operacionais para chegar a um senso comum e, por fim, em um resultado esperado. As principais metas da empresa são: 1. Aumentar as vendas em 30% dentro de 6 meses; 2. Produzir mais de 2000 fórmulas dentro de 24 meses; 3. Reduzir os custos operacionais em ate 40% dentro de 3 meses. Segundo os sócios proprietários os passos tem que ser dados um de cada vez. Eles querem que a empresa continue como está, mas futuramente fazem plano para serem uma farmácia magistral modelo, e referência em Gurupi, pois as empresas contem todos os meios e

14 14 recursos para tanto. A respeito da tecnologia adquirida a empresa utiliza um software exclusivo para farmácias de manipulação cujo nome é Formula Certa o mesmo utilizado pela matriz e outras franquias. Localizada em São Paulo, a Alternate é uma empresa especializada em desenvolver sistemas de informação necessária para melhor administração da empresa. Segundo Oliveira (2006, p. 69), sistema de informação é o processo de transformação de dados em informações. O sistema implantado é de grande importância para a empresa auxiliando nas áreas de finanças, RH, mercadologia, produção e serviços. Na área financeira auxilia com ferramentas de automação de orçamentos e vendas; terminal de caixa; emissor de cupom fiscal e transferência eletrônica entre fundo, mapas e livros e fluxo de caixa. Na área de RH com a ferramenta produtividade de funcionários. Na área mercadológica com a ferramenta controle de convênio. Na área de Produtos com a ferramenta pesagem monitorada e controle de qualidade de estoque; gerenciador de etiquetas (rótulos, mala direta para clientes e médicos) e na área de serviços com a ferramenta relatórios gerenciais. O sistema de informação passa por manutenção a cada seis meses e sempre que e constatado algum problema no software a empresa responsável é comunicada para reparações. O sistema é disponibilizado para toda empresa, constando três computadores para as vendas, um na diretoria, um na gerência, um na sala de conferência e um no controle de qualidade. Assim, auxiliando na organização com maior facilidade e agilidade que um sistema pode nos proporcionar. Além das vantagens de tornar o processo administrativo eficiente, um sistema de informação traz uma série de benefícios pra uma organização, como redução dos custos das operações, melhora a produtividade, agiliza os serviços prestados aos clientes e à tomada das decisões, a comunicação entre os departamentos e melhora adaptação da empresa para enfrentar situações imprevistas. Uma vez que instalada a empresa não necessita ter gastos com equipamentos de valor relevante, mas caso precise os sócios são quem identifica a necessidade, pesquisa e efetua a compra por meio de financiamentos, de recursos da empresa ou até do capital próprio caso necessitar. Para se ter uma visão geral da situação da empresa é preciso analisar seus pontos fortes e pontos fracos as oportunidades e ameaças, sendo os pontos fortes e fracos uma análise interna e as oportunidades e ameaças uma visão externa, ou seja, o que acontece no mercado, essas análises recebem o nome de análise Swot.

15 15 Las Casas (2001, p. 68), diz que pontos fortes são todos os fatores que apresentam vantagem competitiva da empresa em relação aos concorrentes ou ao exercício de qualquer atividade. A empresa preocupa-se em atingir o máximo em qualidade na satisfação dos clientes, determinando seus pontos fortes como: Tecnologia superior; profissionais treinados; conforto e comodidade; estrutura física; nome forte; vantagens de preços em relação aos concorrentes: fornecedores qualificados; matérias-primas de qualidade. Já os pontos fracos de uma empresa nem sempre a torna vulnerável frente aos seus concorrentes depende do seu peso no mercado, do mesmo modo que eles podem ser fatais podem também ser facilmente resolvidos. De acordo com Thompson Junior e Strickland III (2000, p. 125), um ponto fraco é algo que a empresa não tem ou não faz muito bem (em comparação as outras) ou uma condição que a coloca em desvantagem. Assim como toda organização, a empresa também possui seus pontos fracos, cabe a gerência avaliá-los e elaborar uma estratégia para minimizá-los. A empresa tem estudado algumas estratégias que possam minimizar os pontos fracos aqui mencionados, para essa tarefa, foi designada a gerente geral pra buscar respostas e soluções para executá-las. Os principais pontos fracos da empresa são: gerência não capacitada; funcionários desmotivados; linha de produtos estreita; divulgação do nome da empresa; participação no mercado. Preocupando-se com meio ambiente e a preservação do planeta, a ALFA promove varias ações que trazem benefícios para a sociedade e pra ela mesma. De acordo com Silva (2002, p. 71) A responsabilidade social da organização ou responsabilidade social corporativa é a obrigação que uma organização tem de agir de maneira que sirva tanto os interesses próprios como os interesses da sociedade. Hoje uma das maiores preocupações das empresas é incentivar a sociedade a preservar o meio ambiente. Algumas ações desenvolvidas pela empresa. (ALFA 2009, e): Com a preocupação com o meio ambiente, todos nossos frascos são reciclados para o hospital do câncer e/ou instituições de caridade; campanhas pela coleta seletiva de lixo; monitorando o descarte de resíduos; utilização de sacolas plásticas biodegradáveis; distribuição de mudas para o plantio de novas árvores, incentivo de sacolas e de tecidos de algodão.

16 16 Preocupando-se com meio ambiente e a preservação do planeta, a ALFA executa essas ações trazendo benefícios para a sociedade e o meio em que elas vivem. A empresa busca manter um ótimo relacionamento com os stakeholderes, um alto nível de satisfação com seus funcionários o que os leva trabalharem motivados em buscar inovações e melhoria contínua, assim criando um relacionamento dinâmico entre os diversos grupos de stakeholderes. Analisado e descrito o ambiente interno, em seguida iremos relatar sobre os aspectos financeiros da ALFA, demonstrativos financeiros, auditoria interna, processo orçamentário, planos de conta, planejamento fiscal e tributário, despesas e investimentos, fluxo de caixa, capital de giro e gerenciamento das fontes de recursos Aspectos financeiros Auxiliando nas decisões do administrador, os aspectos financeiros têm a finalidade de mostrar como a vida econômica e financeira da empresa esta sendo organizada, os demonstrativos contábeis, os fluxos de caixa, as provisões de vendas e tudo que afeta financeiramente a empresa. Do ponto de vista de Gitman (2002, p. 4), podemos definir finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Na empresa concedente a pessoa responsável pelas finanças é o contador, que auxilia os sócios nas tomadas de decisões correspondentes, são enviados dados de informações para que os mesmos sejam devidamente formalizados pelo responsável. A empresa possui uma conta-reserva onde são depositadas partes do lucro para eventuais compras ou até mesmo algo pré-determinado. Para resolver situações não planejadas a empresa utiliza dos limites bancários, segundo os sócios essa é uma forma fácil e prática de pagamento. Com o método adotado pela empresa, a mesma tem conseguido atingir suas metas e o objetivos planejados. Em situações as quais precisarão de uma alta quantia de recursos, recorrem-se aos bancos ou financiadoras que possibilitem uma melhor forma de prazos de pagamentos. De acordo com Hoji (2003, p. 112), as principais fontes de financimento são onerosas, pois geram encargos financeiros, tais como empréstimos e financiamentos bancários e parcelamento de impostos vencidos. Por tanto, pode se concluir que as estratégias financeiras são condizentes com as estratégias gerais, visto que tem atendido a necessidades da empresa. Para não haver

17 17 imprevistos, a administração sempre revisa suas estratégias para que a mesma atinja seus objetivos e metas as quais foram planejadas. O relatório anual é considerado o mais abrangente, pois relatam um quadro das demonstrações financeiras básicas com demonstrações de resultado, fluxo de caixa, o balanço patrimonial e a demonstração de lucros retidos. As empresas costumam enviar relatórios contábeis trimestralmente, é menos detalhada que os anuais mais são muito utilizados pelas empresas de pequeno porte. Os custos da empresa como gastos com energia, água, aluguel, materiais descartáveis entre outros são bem elevados porem a mesma tem conseguido obter resultados positivos que garantem sua continuidade. Os sócios participam da analise dos demonstrativos, a empresa envia os registros das demonstrações contábeis para o contador a cada três meses que analisa e conclui a situação da empresa. Do ponto de vista de Braga (1995, p. 37): Os demonstrativos financeiros orientam o processo decisório ou refletem os planos da empresa. Assim, temos demonstrações que apresentam apenas dados históricos, outras que traduzem os efeitos de novas decisões através de dados projetados para o futuro e aquelas que comparam as projeções com o que foi efetivamente realizado. Todas as contas precisam ser registradas e controladas para que não possa afetar a situação do patrimônio da empresa. Na empresa estagiada o contador é responsável também pelo plano de contas que lhe é enviado todos os meses, que em seguida remete um relatório sobre a situação da empresa para os sócios. Segundo Fabretti (2005, p.82), pode-se exemplificar com um plano de contas simples de uma empresa industrial e comercial, que permita a visualização das classificações dos grupos e subgrupos [...]. A auditoria interna é realizada por um colaborador ou servidor nomeado pela diretoria como RD (representante da direção) no caso da empresa foi nomeada a gerente, o mesma recebe treinamento específico de auditoria interna. Passado um ano sem que a empresa não realize uma auditoria o mesmo não estará qualificado, tendo assim que participar de uma auditoria interna como ouvinte.

18 18 Franco e Marra (2001, p. 28): A técnica de procedimentos específicos que lhes são peculiares, aplicados no exame de registros e documentos, inspeções, e na obtenção de informações e confirmações, relacionados com o controle do patrimônio de uma entidade objetiva obter elementos de convicção que permitam julgar se os registros contábeis foram efetuados de acordo com os princípios fundamentais e normas de Contabilidade e se as demonstrações contábeis deles decorrentes refletem adequadamente a situação econômica-financeira do patrimônio, os resultados do período administrativo examinado e as demais situações nelas demonstradas. Ao realizar a auditoria interna, observa-se o numero de não conformidades: até quinze não conformidades por departamento, acompanhamento normal; a cima de quinze não conformidades avalia-se em reunião de análise crítica. Segundo Franco e Marra (2001, p. 219), auditoria interna e aquela exercida por funcionários da própria empresa em caráter permanente. No mínimo uma vez ao ano deve ser reavaliada toda a documentação, feita pela gerência ou pela equipe de auditoria interna. As reuniões de auditoria interna são realizadas a cada seis meses sendo intercaladas pela auditoria externa a cada três meses. Já a auditoria externa e realizada por representantes determinados pela matriz; e por ser certificada pelo ISO 9001 de qualidade, representantes da certificadora fazem auditorias para aprovar se estão sendo seguidos os procedimentos adequados. Sendo estas não remuneradas pela empresa. Segundo Gil (2001, p. 277), ISO é uma organização não governamental sediada em Genebra, responsável pela elaboração e aplicação dos Standards internacionais de qualidade. De acordo Franco e Marra (2001, p. 218), auditoria externa e aquela realizada por profissionais liberal, auditor independente sem vinculo de emprego com a entidade auditada e que poderá ser para auditoria permanente ou eventual. Sendo uma empresa de pequeno porte, o planejamento orçamentário é analisado por base nas despesas não computadas nos custos, ou seja, as despesas necessárias às atividades da empresa, como materiais de escritório, comunicações, produtos e serviços, salários do pessoal, comissões de venda e outras despesas necessária para realização das atividades. Esse processo é controlado pelo contador por meio dos relatórios a ele enviado e executado pelos sócios de acordo com as necessidades da empresa.

19 19 Segundo Gitman (2002, p. 288), processo orçamentário é o processo que consiste em avaliar e selecionar investimentos a longo prazo, que sejam coerentes com o objetivo da empresa de maximizar a riqueza de seus proprietários. Os pagamentos devido à empresa são realizados por telefone ou pela equipe de entregas (responsável também pelo departamento de cobranças). Outros departamentos também executam esse sistema, sendo esse de caráter exclusivo do departamento de cobrança/ou entregas. As aplicações financeiras são feitas em contas correntes de liquidez imediata, disponíveis para saques ou outro uso que a empresa pretenda, sendo elas administradas pelos sócios em contato com banco por telefone ou pela internet. O planejamento fiscal e tributário é baseado nas cotas e as vendas do mês, por ser uma empresa optante pelo SIMPLES seus impostos não tem uma variação significativa, portanto o percentual não sofre muitas alterações. Os planejamentos fiscais e tributários são realizados pelo contador e enviados aos sócios para os devidos fins. Segundo Frabretti (2005, p. 32), o estudo feito preventivamente, ou seja, antes da realização do fato administrativo, pesquisando-se seus efeitos jurídicos e econômicos, essas alternativas legais menos onerosas, denomina-se planejamento tributário. Ao efetuar uma venda, os produtos adquiridos pelo cliente só poderão ser vendidos a prazo no cheque, à vista, ou no cartão de crédito à vista ou parcelado. O caixa tem que ser fechado e conferido a cada final do dia. A empresa define um planejamento financeiro das metas de despesas pra cada departamento sendo estas estabelecidas e informadas aos colaboradores, com o objetivo de fazê-las serem cumpridas. Fabretti (2005, p. 43) conceitua despesas como: são aqueles em que há uma saída de valor do patrimônio sem que entre outro para compensá-lo. Com os investimentos, são feitas reuniões entre sócios e gerentes para se tomar as decisões, depois repassadas aos funcionários. Mattos (1999, p. 183) afirma que Esse grupo permanente é constituído de direitos e bens de caráter permanente sobre os quais a empresa exerce domínio sem pretensão de vendêlos. Esses ativos não participam dos processos produtivos da empresa. Para efetuarem compras de valor os sócios decidem entre si, logo em seguida, repassa as informações da decisão, do benefício que trará e importância de realizar tal compra.

20 20 O fluxo de caixa identifica os fatores que afetaram a vida financeira da empresa num determinado período. Ele mostra para o empresário as diversas movimentações que foram realizadas ao longo do tempo de uma forma detalhada. Segundo Hoji (2003, p. 79), fluxo de caixa é um esquema que representa as saídas de caixa ao longo do tempo. Em fluxo de caixa deve existir pelo menos uma saída e pelo menos uma entrada (ou vice-versa). Aos finais do dia é fechado o caixa constando todas as entradas e saídas das vendas pelas vendedoras, o processo é feito manuscrito depois entregue aos sócios para conferencia e enviada todo fim de mês para o contador. O fluxo de caixa da empresa juntamente com as demais demonstrações é elaborado pelo contador que juntamente com os sócios definem o andamento da empresa. A empresa identifica e sabe da importância do capital de giro e como ele ajuda a não acumular dívidas ou empréstimos que diminua a renda do negócio em acordo. Quando necessário o capital de giro é uma das opções da empresa sendo disponibilizado por linha de crédito junto ao banco. De acordo Hoji (2003, p. 109), capital de giro: é conhecido também como capital circulante e corresponde aos recursos aplicados em próprio nome da a entender, o capital de giro fica girando dentro da empresa e a cada vez que sofre transformação em seu estado patrimonial produz reflexo na contabilidade. As principais fontes de recursos da empresa são as agências bancárias, as quais os sócios procuram recorrer para adquirirem empréstimos, financiamentos, propostas de contas e outros serviços que ajudem na administração financeira da empresa. Hoji (2003, p. 112) diz que: Algumas fontes são geradas pelas próprias operações, tais como duplicatas a pagar aos fornecedores, impostos a recolher, salários e encargos sociais a pagar. As principais fontes de financiamento são onerosas pois geram encargos financeiros tais como empréstimos e financiamentos bancários e parcelamento de impostos vencidos. O próximo tópico será abordado sobre os aspectos mercadológicos e as principais estratégias que abrange toda a àrea de marketing da empresa como produto, preço, distribuição, vendas.

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL

FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL 1. OBJETIVOS Proporcionar aos discentes conhecimentos teóricos e práticos acerca da gestão empresarial com intuito de

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 1 Índice Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 A Empresa Informações sobre a empresa, farmacêuticas responsáveis, instalações, diferenciais

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Pessoa física que deseja constituir um negócio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado)

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 14 (Nova) -->Início Confirmado:05/07/2013 Mercados dinâmicos têm imposto desafios crescentes para as empresas:

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Finanças e Governança Corporativa Desenvolver conhecimentos e habilidades que possibilitem ao profissional dominar os conteúdos

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais