Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período"

Transcrição

1 Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

2 Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo Art A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - aos descendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente, salvo se casado este com o falecido no regime da comunhão universal, ou no da separação obrigatória de bens (art , parágrafo único); ou se, no regime da comunhão parcial, o autor da herança não houver deixado bens particulares; II - aos ascendentes, em concorrência com o cônjuge; III - ao cônjuge sobrevivente; IV - aos colaterais.

3 I - O cônjuge herda os bens deixados pelo falecido? Art Somente é reconhecido direito sucessório ao cônjuge sobrevivente se, ao tempo da morte do outro, não estavam separados judicialmente, nem separados de fato há mais de dois anos, salvo prova, neste caso, de que essa convivência se tornara impossível sem culpa do sobrevivente.

4 1 - Se o cônjuge sobrevivente estava separado judicialmente (até a EC nº 66 de 13/07/2010) ou divorciado, ao tempo da abertura da sucessão NÃO MAIS SUCEDERÁ. Caso haja processo de separação judicial ou de divórcio em curso e um dos cônjuges vier a falecer, o sobrevivente será herdeiro?

5 Pendente a ação dissolutória, a morte de um dos cônjuges torna prejudicada a lide, pondo fim ao processo. Sem sentença, há que se entender mantido o casamento e, por isso, o direito sucessório do cônjuge sobrevivente é preservado. A sentença no processo de separação ou divórcio só produz efeitos EX NUNC

6 2 O cônjuge não pode estar separado de fato há mais de dois anos, salvo prova, neste caso, de que essa convivência se tornara impossível sem culpa do sobrevivente. Criticas: a) Não se discute mais a culpa no Direito de Família. b) A análise da culpa se dará em litígio entre o cônjuge supérstite e os herdeiros do falecido Cônjuge supérstite = Cônjuge sobrevivente

7 c) Caberá ao cônjuge supérstite o ônus da prova que a convivência se tornou impossível, gerando a separação de fato não por sua culpa. Os fatos serão levantados e provados também contra a honra e moral do falecido, sem que este possa se defender. LESÃO AOS DIREITOS DA PERSONALIDADE DO MORTO. d) Excessiva estipulação do prazo de dois anos de ruptura da vida em comum, uma vez que bastava o prazo de um ano de separação de fato para a separação judicial sem culpa.

8 Caso o cônjuge supérstite não possua a condição de herdeiro, não estando legitimado a suceder, os bens do falecido passarão integralmente as demais classes de herdeiros. II Reconhecido o direito sucessório do cônjuge supérstite, deverão os herdeiros do falecido, com o cônjuge dividir os bens herdados?

9 O critério objetivo utilizado pelo legislador para saber se haverá a concorrência é o regime de bens do casamento. A lei tipifica quatro regimes: Comunhão parcial de bens Comunhão universal de bens Participação final nos aquestos Separação de bens

10 Quanto aos bens, estes podem ser particulares ou comuns. São bens comuns aqueles de propriedade tanto do marido quanto da esposa, dependendo do regime de bens adotado. São bens particulares aqueles que pertencerem a apenas um dos cônjuges, sem a participação do outro. Meação não se coincide com a herança

11 Regimes em que o cônjuge NÃO concorrerá com os descendentes. 1- Comunhão Universal de bens Havendo o cônjuge supérstite o direito a meação, excluído estará do direito a concorrência.

12 João casado com Maria pelo regime da comunhão universal de bens, falece e deixa uma casa e dois filhos. Há bens comuns? Quais? Há bens particulares? Quais? Há direito a meação pelo cônjuge supérstite? Em qual proporção? Há herança? Em qual proporção? A quem tocará a herança?

13 Exceções: Mesmo no regime de Comunhão Universal podem existir bens particulares. Art São excluídos da comunhão: I - os bens doados ou herdados com a cláusula de incomunicabilidade e os sub-rogados em seu lugar; II - os bens gravados de fideicomisso e o direito do herdeiro fideicomissário, antes de realizada a condição suspensiva; III - as dívidas anteriores ao casamento, salvo se provierem de despesas com seus aprestos, ou reverterem em proveito comum;

14 IV - as doações antenupciais feitas por um dos cônjuges ao outro com a cláusula de incomunicabilidade; V - Os bens referidos nos incisos V a VII do art Art Excluem-se da comunhão: V - os bens de uso pessoal, os livros e instrumentos de profissão; VI - os proventos do trabalho pessoal de cada cônjuge; VII - as pensões, meios-soldos, montepios e outras rendas semelhantes.

15 Se houver bem particular, apesar de o regime ser o da comunhão universal de bens, deverá haver concorrência sucessória. 2 Separação obrigatória de bens (art.1641 do CC) Súmula 377 do STF )03/04/1964) No regime de separação legal de bens, comunicam-se os adquiridos na constância do casamento.

16 Quais são os bens que se comunicam? Todos os bens ou somente os adquiridos a título oneroso (aquestos)? Somente os adquiridos a título oneroso. Há necessidade do esforço comum? Tanto os tribunais quantos os doutrinadores possuem entendimentos diversos.

17 3 Na comunhão parcial de bens, em que o falecido não deixa bens particulares. Se no regime da comunhão parcial de bens, o autor da herança não deixou bens particulares, os bens deixados são todos comuns e quanto a eles o sobrevivente já tem sua meação.

18 Regimes em que o cônjuge concorrerá com os descendentes. 1 Separação convencional de bens Não havendo meação haverá sucessão em concorrência com os descendente. Mesmo na separação convencional de bens a doutrina e a jurisprudência não é pacífica.

19 2- Na comunhão parcial em que o autor da herança deixou bens particulares Se o autor da herança deixou bens particulares, concorreria o cônjuge com os descendentes na totalidade da herança inclusive com a relação aos bens em que há meação ou apenas quanto aos bens particulares?

20 1ª Corrente: O cônjuge só concorre quanto aos bens particulares e não quanto àqueles em que já teria o direito à meação. (Flavio Monteiro de Barros, Zeno Veloso, Rodrigo da Cunha Pereira...)

21 João possui um apartamento adquirido no ano de 1990 e se casa com Maria no ano de 1995 pelo regime da comunhão parcial de bens. O casal tem dois filhos. Já casados, João adquire uma casa de praia em 2004 e falece em Há bens comuns? Quais? Há bens particulares? Quais? Há direito a meação pelo cônjuge supérstite? Em qual proporção? Há herança? Em qual proporção? A quem tocará a herança?

22 2ª Corrente: cônjuge concorre quanto aos bens particulares e comuns. (Maria Helena Diniz, Guilherme Calmon Nogueira da Gama...)

23 João possui um apartamento adquirido no ano de 1990 e se casa com Maria no ano de 1995 pelo regime da comunhão parcial de bens. O casal tem dois filhos. Já casados, João adquire uma casa de praia em 2004 e falece em Há bens comuns? Quais? Há bens particulares? Quais? Há direito a meação pelo cônjuge supérstite? Em qual proporção? Há herança? Em qual proporção? A quem tocará a herança?

24 3ª Corrente: A concorrência sucessória entre cônjuge e descendentes só ocorre com relação aos bens comuns e não com relação aos particulares. (Maria Berenice Dias)

25 João possui um apartamento adquirido no ano de 1990 e se casa com Maria no ano de 1995 pelo regime da comunhão parcial de bens. O casal tem dois filhos. Já casados, João adquire uma casa de praia em 2004 e falece em Há bens comuns? Quais? Há bens particulares? Quais? Há direito a meação pelo cônjuge superstite? Em qual proporção? Há herança? Em qual proporção? A quem tocará a herança?

26 3 Na participação final nos aquestos. Durante o casamento a administração dos bens é exclusiva de cada cônjuge, podendo dispor livremente de qualquer bem. No caso de dissolução da sociedade conjugal há participação dos cônjuges de acordo com a contribuição de cada um para a aquisição do patrimônio a título oneroso.

27 Se o falecido deixa apenas bens particulares, o cônjuge supérstite não terá direito a participação, apenas direito sucessório em concorrência com os descendente. Se todos os bens deixados pelo falecido forem aquestos, o cônjuge supérstite terá direito a participação sobre todos eles em decorrência do regime, mas não terá direito sucessório.

28 Se o falecido deixa aquestos e bens particulares, o cônjuge supérstite não terá direito sucessório sobre os aquestos, mas concorrerá com os descendentes quanto aos bens particulares.

29 III Reconhecido o direito sucessório do cônjuge supérstite, este dividirá os bens herdados com os descendentes do falecido conforme o regime de bens adotado no casamento. Qual o quinhão do cônjuge que concorre com os descendentes? Art Em concorrência com os descendentes (art , inciso I) caberá ao cônjuge quinhão igual ao dos que sucederem por cabeça, não podendo a sua quota ser inferior à quarta parte da herança, se for ascendente dos herdeiros com que concorrer.

30 Filiação comum o cônjuge supérstite é ascendente dos herdeiros com quem concorre. Filiação exclusiva - o cônjuge supérstite não é ascendente dos herdeiros com quem concorre. Filiação Hibrida há descendentes comuns e exclusivos

31 a) Cônjuge e um filho (comum ou não): 1/2 para o filho e 1/2 para o cônjuge b) Cônjuge e dois filhos (comuns ou não): 1/3 para cada filho e 1/3 para o cônjuge c) Cônjuge e três filhos (comuns ou não): 1/4 para cada filho e 1/4 para o cônjuge d) Cônjuge e quatro filhos comuns:1/4 para o cônjuge e ¾ a serem divididos entre os quatro filhos e) Cônjuge e quatro filhos só do falecido:1/5 para o cônjuge e 1/5 para cada filho.

32 A Falecido casado Cônjuge 1/3 B filho 1/3 C filho 1/3 D neto Nada recebe E neto Nada recebe F neto Nada recebe

33 A Falecido casado Cônjuge 1/3 B filho 1/3 C filho Pré-morto E neto 1/6 F neto 1/6

34 A falecido Cônjuge de A 25% ou 1/4 Filho B pré-morto Filho C pré-morto D neto 25% ou 1/4 E neto pré-morto F neto 25% ou 1/4 G bisneto 12,5% ou 1/8 H bisneto 12,5% ou 1/8

35 Filiação Hibrida nesta hipótese o cônjuge concorre com filhos comuns e exclusivos do autor da herança ao mesmo tempo. Na sucessão híbrida haveria ou não a reserva de ¼ da herança para o cônjuge?

36 1ª Corrente: No caso de filiação hibrida, há a reserva de ¼ da herança. (Posição minoritária - Silvio de Salvo Venosa, Francisco José Cahali...) Basta que haja um descendente comum para haver a reserva de ¼ do quinhão.

37 2ª Corrente: No caso de filiação hibrida, não há a reserva de ¼ da herança. (Posição Majoritária Maria Helena Diniz, Euclides de Oliveira, Maria Berenice Dias...) Esta corrente atende o princípio da igualdade jurídica entre os filhos Art da CR/88

38 3ª Corrente: Traz as teorias de sub-herança, buscando soluções matemáticas para o problema da concorrência do cônjuge na secessão hibrida.

39 Teoria de Eduardo de Oliveira Leite - Composição pela solução mista A, casado falece deixando 5 filhos, sendo três comuns e dois exclusivos e uma herança de R$ ,00. 1º Passo: Divisão da herança entre todos os filhos. R$20.000,00 a cada filho. 2º Passo: Divisão da herança em blocos. Bloco A filhos comuns R$60.000,00. Bloco B filhos exclusivos R$40.000,00 3º Passo: Sobre o valor de A há a reserva de ¼ para o cônjuge. Esta teoria não atende ao principio constitucional da igualdade jurídica dos filhos.

40 Teoria de Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka A, casado falece deixando 5 filhos, sendo três comuns e dois exclusivos e uma herança de R$ ,00. 1º Passo: Divisão da herança entre todos os filhos. R$20.000,00 a cada filho. 2º Passo: Divisão da herança em blocos. Bloco A filhos comuns R$60.000,00. Bloco B filhos exclusivos R$40.000,00 3º Passo: reserva-se ao cônjuge parte igual a que tocaria os filhos em casa bloco. Esta teoria não atende ao principio constitucional da igualdade jurídica dos filhos.

41 Teoria de Flávio Augusto Monteiro de Barros A, casado falece deixando 5 filhos, sendo três comuns e dois exclusivos e uma herança de R$ ,00. 1º Passo: Divide-se a herança pela soma dos herdeiros, filhos e cônjuge. 2º Passo: Subtrai-se da herança a parte dos filhos exclusivos. 3º Apura-se ¼ sobre a herança, sem a parte dos filhos exclusivos, encontrando o quinhão do cônjuge. 4º Passo: subtrai-se da herança a parte do cônjuge, dividendo o resultado pelo número de filhos. Esta teoria não atende ao principio constitucional da igualdade jurídica dos filhos.

42 Concorrência sucessória do cônjuge com os ascendentes. Considerando que o cônjuge preenche os requisitos previstos no art do CC e, portanto é herdeiro do falecido; e considerando ainda que o falecido não deixou descendentes, os ascendentes são chamados a suceder em concorrência com o cônjuge.

43 Quando haverá concorrência entre cônjuge e ascendentes? SEMPRE. O cônjuge concorre com os ascendentes do falecido qualquer que seja o regime de bens do casamento

44 João, casado pelo regime da comunhão universal de bens, falece e deixa como herdeiros apenas Maria, sua esposa e seus pais. Como fica a sucessão? João possui um apartamento adquirido no ano de 1990 e se casa com Maria no anos de 1995 pelo regime da comunhão parcial de bens. Já casados, João adquire uma casa de praia em 2004 e falece em João falece e deixa seus pais vivos. Como fazer o inventário de João sem levar em conta as frações dos quinhões? João, casado pelo regime da separação convencional e absoluta de bens, falece e deixa como herdeiros apenas Maria, sua esposa e seus pais. Como fazer o inventário de João sem levar em conta as frações dos quinhões?

45 Qual o quinhão que receberá o cônjuge do falecido se concorrer com os ascendentes? Art Concorrendo com ascendente em primeiro grau, ao cônjuge tocará um terço da herança; caberlhe-á a metade desta se houver um só ascendente, ou se maior for aquele grau.

46 Pai 1/3 da herança Mãe 1/3 da herança A falecido Cônjuge 1/3 da herança

47 Avô Avó Pai 1/2 da herança Mãe Pré-morta A falecido Cônjuge 1/2 da herança

48 Avô 12,5 ou 1/8 Avó 12,5 ou 1/8 Avô 12,5 ou 1/8 Avó 12,5 ou 1/8 Pai Pré-Morto Mãe Pré-morta A falecido Cônjuge 1/2 da herança

49 Avô 12,5 ou ¼ Avô 12,5 ou 1/8 Avó 12,5 ou 1/8 Pai Pré-Morto Mãe Pré-morta A falecido Cônjuge 1/2 da herança

50

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões OBJETIVO Compreender as consequências da ordem de vocação hereditária. ROTEIRO! Da ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE Fernanda Garcia Escane Mestranda em Direito Civil comparado pela PUC/SP. Palestrante na Ordem dos Advogados do Brasil de Santo

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Sucessão dos Descendentes (art. 1833, CC) É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Neto 1 Neto

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO Valéria Edith Carvalho de Oliveira 1 Sumário: 1 Introdução. 2 O direito sucessório do cônjuge separado de fato. 3. O direito sucessório do cônjuge separado

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO SOBREVIVENTE DE ACORDO COM O CÓDIGO CIVIL DE 2002 CURITIBA 2014 DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO

Leia mais

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a que se pretende responder através deste estudo refere-se

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL Zeno Veloso 1 No palco em que se desenrolam as relações jurídicas da sucessão legítima, um personagem ganhou papel de grande destaque, podendo-se afirmar que é

Leia mais

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite A predominância de uma posição mais solidária entre os membros

Leia mais

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO GODOY, Nilza Tiemi Nagaoka RESUMO O Direito das Sucessões apresenta muitos aspectos polêmicos diante de lacunas deixadas pelo legislador.

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 Adriana Goulart Spanholi 2 RESUMO: O presente artigo tem por objetivo demonstrar e analisar as mudanças trazidas no campo do direito sucessório, especialmente

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS DIREITO CIVIL REGIME DE BENS 1 1. Princípios a) P. da autonomia da vontade (1.639); b) P. da garantia da ordem pública (1.640); c) P. da definitividade do regime (1.639); d) P. da vedação ao enriquecimento.

Leia mais

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente Prof. Ms. Tatyane Karen da Silva Goes ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Falecendo a pessoa ab intestato, a herança

Leia mais

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil 1. Intróito Inacio de Carvalho Neto Professor de Direito Civil da Unifoz, da Unipar, do CIES, da Escola do Ministério Público e da Escola da

Leia mais

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal.

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 06 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão

Leia mais

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado de Minas Gerais. Autor do Livro Direito de Família, publicado em 2005, pela Editora Atenas. Professor de Direito de Família e Sucessões na Unifenas,

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha EDUARDO MACHADO ROCHA Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões da Comarca de Dourados (MS). Pós-graduado - Especialização em Direito Processual Civil. Professor de Direito Civil na Unigran - Universidade

Leia mais

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado

Leia mais

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO COSTA PARECER Direito das Sucessões. Situação jurídica do companheiro ou companheira comparada com o status jurídico dos cônjuges. Constitucionalidade da distinção entre os

Leia mais

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO DE DIREITO FAMÍLIA PONTO 1: SUCESSÃO PONTO 2: PRINCÍPIOS ORIENTADORES; SUCESSÃO LEGÍTIMA E TESTAMENTÁRIA, EXCLUSÃO DOS HERDEIROS; PONTO 3: ESPÉCIES DE HERDEIROS, CESSÃO DE DIREITOS;

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES Direito Civil Aula 3 Delegado Civil Sandro Gaspar Amaral DIREITO DAS SUCESSÕES PRINCÍPIO DE SAISINE (art. 1784, CC): transmissão da propriedade e da posse no exato momento da morte. NORMA VIGENTE (art.

Leia mais

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações Maria Berenice Dias Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família

Leia mais

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02:

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 07 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Regime de Bens: Separação de Bens - Consensual e Legal; Participação final nos aquestos. Dissolução

Leia mais

COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS E SUAS IMPLICAÇÕES

COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS E SUAS IMPLICAÇÕES COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS E SUAS IMPLICAÇÕES Christiane Nascimento Gieseke SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO 2. REGIME DE BENS DO CASAMENTO 3. COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS 3.1- BENS EXCLUÍDOS DA COMUNHÃO 3.2- DÍVIDAS

Leia mais

ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA Norberto Ungaretti Desembargador Aposentado Sob a denominação Da Ordem da Vocação Hereditária abrese o Capítulo I do Título dedicado pelo novo Código Civil à sucessão legítima

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL REVISTA JURÍDICA da UniFil, Ano I - nº 1 105 A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL 1 Inacio de Carvalho Neto * RESUMO O presente artigo aborda as alterações ocorridas no âmbito do

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões 1) Que é herança jacente: a) Herança que não existe herdeiros, salvo o estado b) Herança que tem que ser dividida entre os pais e cônjuge c) Herança que tem que ser dividida entre irmãos d) Herança deixada

Leia mais

Revista IOB de Direito de Família

Revista IOB de Direito de Família Revista IOB de Direito de Família. 51 Dez Jan/2009 Conselho Editorial Álvaro Villaça Azavedo Gustavo José Mendes Tepedino Priscila M. P. Correa da Fonseca Sérgio Resende de Barros Considerações Acerca

Leia mais

1. DIREITO PATRIMONIAL DISPOSIÇÕES GERAIS.

1. DIREITO PATRIMONIAL DISPOSIÇÕES GERAIS. 1. DIREITO PATRIMONIAL DISPOSIÇÕES GERAIS. O direito patrimonial trata da relação de bens (interesse monetário) no direito de família. Essa é a conseqüência jurídica do casamento em relação ao patrimônio.

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS Turma e Ano: Master A (2015) Matéria/Aula: Direito Civil Família e Sucessões Aula 07 Data: 12.03.2015 Professor: Andréa Amin Conteúdo: Regime da comunhão parcial de bens; Comunhão universal; Participação

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Ano III nº 12 (I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Barbara Brentani Lameirão Roncolatto Luiz Henrique Cruz Azevedo 01. Em 7 de outubro de 2008,

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS

DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS Prof.Dicler Direito das Sucessões é o conjunto de normas que disciplinam a transferência do patrimônio (ativo e passivo créditos e débitos) de alguém, depois de sua

Leia mais

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU: I Relatório e factos provados A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário facultativo por

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO CAROLINE FRANCISCONI ALANO

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO CAROLINE FRANCISCONI ALANO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO CAROLINE FRANCISCONI ALANO OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE CASADO PELO REGIME DA SEPARAÇÃO

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE CASADO NO REGIME DE PARTICIPAÇÃO FINAL NOS AQUESTOS. Autoria: Aline Alexsandra da Silva Reis 1

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE CASADO NO REGIME DE PARTICIPAÇÃO FINAL NOS AQUESTOS. Autoria: Aline Alexsandra da Silva Reis 1 INSS ELETRÔNICO 2176-9818 104 O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE CASADO NO REGIME DE PARTICIPAÇÃO FINAL NOS AQUESTOS Autoria: Aline Alexsandra da Silva Reis 1 Carlos Eduardo Ferreira Reis Aprovado para publicação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO Nº 0169/2013-CRF ITCD - OS 4347/2013 1ª URT RECURSO EX OFFICIO RECORRENTE SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS

A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS Ana Cláudia Pirajá Bandeira * Maria Paula Fratti ** Samanta Maria Lima

Leia mais

Considerações sobre a administração e o regime de bens entre os cônjuges RÉNAN KFURI LOPES

Considerações sobre a administração e o regime de bens entre os cônjuges RÉNAN KFURI LOPES Considerações sobre a administração e o regime de bens entre os cônjuges RÉNAN KFURI LOPES Sumário: I-O Pacto Antenupcial - II-A Administração dos Bens do Casal - III- Os Regimes de Bens - III.1-Comunhão

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA DAR INÍCIO AO PROCESSO DE HABILITAÇÃO PARA CASAMENTO CIVIL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

INFORMAÇÕES PARA DAR INÍCIO AO PROCESSO DE HABILITAÇÃO PARA CASAMENTO CIVIL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS OFICIAL DE REGISTRO CIVILDAS PESSOAS NATURAIS DO 27º SUBDISTRITO TATUAPÉ Rua Coronel Luiz Americano, 228, Tatuapé São Paulo SP 100 metros da Estação Metrô Tatuapé e-mail: casamento@cartoriotatuape.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA POSSIBILIDADE DO COMPANHEIRO SOBREVIVENTE SER MEEIRO E HERDEIRO QUANTO AOS BENS ADQUIRIDOS ONEROSAMENTE NA CONSTÂNCIA DA UNIÃO ESTÁVEL MARINGÁ PR 2013

Leia mais

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83 1 Noções introdutórias, 1 1.1 Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões, 1 1.2 Direito das sucessões no direito romano, 2 1.3 Ideia central do direito das sucessões, 4 1.4 Noção de herança,

Leia mais

ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVII CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA MARIA CRISTINA FALAVINHA RAMOS REGIO

ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVII CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA MARIA CRISTINA FALAVINHA RAMOS REGIO ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVII CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA MARIA CRISTINA FALAVINHA RAMOS REGIO RESERVA DA QUARTA PARTE DA HERANÇA AO CÔNJUGE SOBREVIVENTE CURITIBA

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

O novo direito sucessório brasileiro ROLF MADALENO

O novo direito sucessório brasileiro ROLF MADALENO O novo direito sucessório brasileiro ROLF MADALENO Sumário: 1.Sua desconexão com a Constituição Federal de 1988. 2. Inovações no Direito das Sucessões. 2.1. A extinção do usufruto vidual. 2.1.1. O direito

Leia mais

1959 Direito de Família e Sucessões Parte 1 Do Direito de Família 1. Família. Conceito. Família e sociedade. Suas diferentes formas. Constituição de 1946 a espeito. Direito de Família. 2. Esponsais. Breve

Leia mais

PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO

PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO Ricardo Lacaz Martins 20/03/2012 Sumário da aula 1. Objetivos a serem alcançados com o Planejamento Sucessório 2. Regime de bens e sucessão

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Direito. Elizete Maria da Conceição Rodrigues

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Direito. Elizete Maria da Conceição Rodrigues FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Direito Elizete Maria da Conceição Rodrigues A SUCESSÃO DO CÔNJUGE CASADO NO REGIME DE COMUNHÃO UNIVERSAL E PARCIAL DE BENS EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES: uma

Leia mais

A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido

A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido Por Rodrigo Aita I INTRODUÇÃO Durante a vigência do Código Civil de 1916, até a entrada em vigor da Lei do Divórcio

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

4.5 Oposição das causas suspensivas. 5 Do processo de habilitação para o casamento. 5.1 Documentos exigidos. 5.2 Do processo de habilitação. 5.

4.5 Oposição das causas suspensivas. 5 Do processo de habilitação para o casamento. 5.1 Documentos exigidos. 5.2 Do processo de habilitação. 5. Disciplina: Direito Civil V Departamento: Direito Privado FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Docente Responsável: William Bedone Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 5º ano Objetivos: Finalizar

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá)

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) Altera o inciso I do art. 1.829 da Lei nº 10.406 de 10 de janeiro de 2002; tendo parecer da Comissão de Seguridade

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama)

PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama) Dá nova redação aos arts. 544, 1.561, 1.723, 1.789, 1.797, 1.829, 1.830, 1.831, 1.832, 1.836, 1.837, 1.838, 1.839, 1.845, 1.846

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2013

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2013 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2013 Disciplina: Direito Civil V Departamento II Direito Privado Docente Responsável: Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 5º ano Objetivos: Terminar

Leia mais

Sucessão legítima no Novo Código Civil

Sucessão legítima no Novo Código Civil Sucessão legítima no Novo Código Civil GUSTAVO RENE NICOLAU Advogado em São Paulo, Mestrando pela Faculdade de Direito da USP, Professor de Direito Civil da FAAP, do curso preparatório PRIMA e dos cursos

Leia mais

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões O conhecimento quando compartilhado é muito melhor, pois, todos são beneficiados com novas formas de enxergar o mundo Paulo Henrique 2015 1 DIREITO CIVIL 6 Conteúdo

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva INVENTÁRIO Dois sentidos para o mesmo vocábulo: Liquidação do acervo hereditário (registro, descrição, catalogação dos bens). Procedimento especial

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

A SUCESSÃO NO CASAMENTO E NA UNIÃO ESTÁVEL

A SUCESSÃO NO CASAMENTO E NA UNIÃO ESTÁVEL A SUCESSÃO NO CASAMENTO E NA UNIÃO ESTÁVEL Prof. Dr. Francisco José Cahali CASAMENTO: Convocação p/a Concorrência CC, art. 1829, I: CÔNJUGE HERDA concorrendo CÔNJUGE NÃO HERDA Comunhão parcial com bens

Leia mais

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Valéria Silva Galdino * SUMÁRIO: 1. Intróito; 2. Sucessão do companheiro no novo Código Civil brasileiro; 3. Conclusões; Bibliografia. RESUMO:

Leia mais

Revista Brasileira de Direito Civil

Revista Brasileira de Direito Civil Revista Brasileira de Direito Civil ISSN 2358-6974 VOLUME 5 JUL/SET 2015 Doutrina Nacional / Ana Carla Harmatiuk Matos / Débora Simões da Silva / Ivana Pedreira Coelho / Judith Martins Costa /Paula Moura

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790)

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) Abril de 2013. José Fernando Simão Companheiros: São aqueles que vivem em união estável. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre homem e mulher,

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

1. SUCESSÃO DO CÔNJUGE

1. SUCESSÃO DO CÔNJUGE 1 1. SUCESSÃO DO CÔNJUGE 1.1 BREVE HISTÓRICO SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 - O cônjuge vinha, no direito anterior, colocado em terceiro lugar na ordem de vocação hereditária, após os descendentes e ascendentes.

Leia mais

I miii mil mil um um um mu um mi m

I miii mil mil um um um mu um mi m ACÓRDÃO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N I miii mil mil um um um mu um mi m *03071141* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 994.08.058146-0, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

Da Sucessão do Companheiro. O Polêmico Art. 1.790 Do CC e Suas Controvérsias Principais.

Da Sucessão do Companheiro. O Polêmico Art. 1.790 Do CC e Suas Controvérsias Principais. Da Sucessão do Companheiro. O Polêmico Art. 1.790 Do CC e Suas Controvérsias Principais. Autor: Flávio Tartuce Um dos dispositivos mais criticados e comentados da atual codificação privada é o relativo

Leia mais

Planejamento Sucessório. Bens localizados no Exterior

Planejamento Sucessório. Bens localizados no Exterior Planejamento Sucessório Bens localizados no Exterior Regras de Sucessão Parcela Legítima x Parcela Disponível 50% Legítima Obrigatoriamente dos Herdeiros Necessários 50% Disponível Pode dispor como desejar

Leia mais

A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NA UNIÃO ESTÁVEL, NÃO HAVENDO PARENTES SUCESSÍVEIS

A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NA UNIÃO ESTÁVEL, NÃO HAVENDO PARENTES SUCESSÍVEIS A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NA UNIÃO ESTÁVEL, NÃO HAVENDO PARENTES SUCESSÍVEIS KAYLER AMADOR LAUAR MELUCCI VIEIRA BERNHAUSS, 1 JUMARA APARECIDA HONÓRIO RODRIGUES 2 DESEMBARGADOR ANTÔNIO BELIZÁRIO DE LACERDA

Leia mais

IV. 1 DIREITO DE FAMÍLIA INTRODUÇÃO

IV. 1 DIREITO DE FAMÍLIA INTRODUÇÃO PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso: DIREITO Disciplina:

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO CIVIL VII 9º período: 3h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito de família. Parentesco. Alimentos. Filiação. Guarda, da tutela e da curatela. Casamento. União estável. Dissolução

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AI no RECURSO ESPECIAL Nº 1.135.354 - PB (2009/0160051-5) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO : MARIA JAYDETH MIRANDA : ROBERTO COSTA DE LUNA FREIRE E OUTRO(S) : ONALDO LINS DE

Leia mais

Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial

Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial Ribeirão Preto/SP, 16 de outubro de 2013. Aos cuidados: Notários Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial Caríssimo, A atividade notarial é uma atividade indispensável à sociedade, onde o titular

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net 5 5.1. Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela

Leia mais

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO doação Conceito: é negócio jurídico unilateral inter vivos, em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para

Leia mais

Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias

Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias Maria Berenice Dias Advogada Ex-desembargadora do Tribunal de Justiça do RS Vice-Presidente Nacional do IBDFAM www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br

Leia mais

DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA A ordem de vocação hereditária, por sua vez, vem a ser a ordem sucessória, ou seja, o rol das pessoas que podem suceder. No Código Civil

Leia mais

OS 7 Pecados Capitais do Novo Direito Sucessório Euclides de Oliveira (SP)

OS 7 Pecados Capitais do Novo Direito Sucessório Euclides de Oliveira (SP) OS 7 Pecados Capitais do Novo Direito Sucessório Euclides de Oliveira (SP) 1. REVIRAVOLTA NA FORMA DA SUCESSÃO LEGÍTIMA Saudosos tempos, aqueles do Código Civil de 1916, quando reinava paz e sossego na

Leia mais

Igor Ladeira dos Santos 1

Igor Ladeira dos Santos 1 LADEIRA, I. Análise Crítica sobre o artigo 1829 Análise Crítica Sobre o Artigo 1829 do Código Civil Brasileiro e suas Diversas Interpretações Critical Analysis Over the Article 1829 of the Brazilian Civil

Leia mais