Direito das Sucessões

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito das Sucessões"

Transcrição

1 Direito das Sucessões

2 OBJETIVO Compreender as consequências da ordem de vocação hereditária.

3 ROTEIRO! Da ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação hereditária do Código de 2002! Sucessão dos descendentes

4 Sucessão legítima! Ordem de vocação hereditária A ordem de vocação hereditária (ou sucessória) está basicamente disposta em dois artigos: e Para que se possa melhor compreender a ordem de vocação hereditária do Código de 2002, se faz necessário conhecer primeiramente a ordem de vocação do Código de 1916

5 Sucessão legítima! Ordem de vocação hereditária O Código de 1916 tratava da ordem de vocação hereditária em seu artigo 1.603

6 Sucessão legítima Ordem da vocação hereditária CC 1916: Art A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - Aos descendentes. II - Aos ascendentes. III - Ao cônjuge sobrevivente. IV - Aos colaterais. V - aos Municípios, ao Distrito Federal ou à União.

7 Sucessão legítima Ordem da vocação hereditária CC 1916: Deve-se observar, portanto, que no Código antigo, originariamente, a ordem era descendentes, ascendentes, cônjuge supérstite. Na sequencia colaterais até o 4º e, finalizando, a Fazenda Pública se não houvesse colaterais.

8 Sucessão legítima Ordem da vocação hereditária CC 1916 Posteriormente, em 1996, a lei acrescentou, ao lado do cônjuge, o companheiro. Pelo exposto, deve-se notar que o cônjuge ou o companheiro somente receberiam a herança na falta de descendentes ou ascendentes!

9 Sucessão legítima Ordem da vocação hereditária CC 1916: Para piorar a situação do cônjuge/ companheiro sobrevivente, não era incomum que o de cujus não tivesse pelo menos um descendente ou ascendente vivo no momento de sua morte. Assim, muitas vezes o cônjuge/ companheiro sobrevivente acabavam por não herdar nada do falecido.

10 Sucessão legítima Ordem da vocação hereditária CC 1916: Percebendo este desequilíbrio na distribuição de bens causa mortis, o legislador resolveu compensar esta situação: caso o de cujus deixasse descendentes ou ascendentes, o cônjuge/companheiro ficaria com o usufruto vidual (usufruto decorrente de viuvez).

11 Sucessão legítima Ordem da vocação hereditária CC 1916: O prof. Cristiano Chaves destaca que o usufruto vidual não ocasionava maiores problemas na sociedade brasileira. Porém, com a adoção do divórcio em nosso regime jurídico em 1977, o usufruto vidual começou a ser fonte de conflitos familiares.

12 Sucessão legítima Ordem da vocação hereditária CC 1916: Não era incomum que a pessoa divorciada se casasse novamente. Desta forma, se viesse a falecer e tivesse filhos do casamento anterior, estes filhos seriam seus herdeiros.

13 Sucessão legítima Ordem da vocação hereditária CC 1916: Assim, por vezes, acontecia de os bens dos descendentes ficarem em regime usufruto para uma pessoa que não era seu pai ou sua mãe! Percebendo então que o usufruto vidual muitas vezes acabava por ser uma fonte de problemas, o legislador resolveu extinguir este instituto do direito das sucessões.

14 Sucessão legítima Porém, voltou-se a um problema inicial: como diminuir a injustiça para com o cônjuge (companheiro), que dificilmente herdaria bens do de cujus?

15 ROTEIRO! Ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação hereditária do Código de 2002

16 Sucessão legítima! Nova ordem de vocação hereditária No Código Civil de 2002, o legislador procurou corrigir as distorções do Código anterior, permitindo que o cônjuge concorresse com os descendentes e os ascendentes.

17 Sucessão legítima Art A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - aos descendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente, salvo se casado este com o falecido no regime da comunhão universal, ou no da separação obrigatória de bens (art , parágrafo único); ou se, no regime da comunhão parcial, o autor da herança não houver deixado bens particulares;

18 Sucessão legítima Art A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: (...) II - aos ascendentes, em concorrência com o cônjuge III - ao cônjuge sobrevivente; IV - aos colaterais.

19 Sucessão legítima! Nova ordem de vocação hereditária Observando-se a nova ordem instituída pelo legislador em 2002, percebe-se que a mesma ficou assim: a) descendentes, em concorrência com o cônjuge/companheiro; b) ascendentes, em concorrência com o cônjuge/ companheiro

20 Sucessão legítima! Nova ordem de vocação hereditária c) cônjuge/ d) colaterais/ companheiro e) companheiro

21 Sucessão legítima Art A companheira ou o companheiro participará da sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, nas condições seguintes: I - se concorrer com filhos comuns, terá direito a uma quota equivalente à que por lei for atribuída ao filho; II - se concorrer com descendentes só do autor da herança, tocar-lhe-á a metade do que couber a cada um daqueles;

22 Sucessão legítima Art A companheira ou o companheiro participará da sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, nas condições seguintes: (...) III - se concorrer com outros parentes sucessíveis, terá direito a um terço da herança; IV - não havendo parentes sucessíveis, terá direito à totalidade da herança.

23 ROTEIRO! Ordem de vocação hereditária! Sucessão do descendente! Sucessão do ascendente! Sucessão do cônjuge! Sucessão do colateral! Sucessão do companheiro

24 Sucessão legítima! Direito sucessório dos descendentes Em face da CF/88 (art. 227, 6o), do ECA (art. 20), e do próprio CC/02 (art ), não mais subsistem as desigualdades entre filhos consanguíneos e adotivos, legítimos e ilegítimos que estavam no Código de 1916

25 Sucessão legítima! Direito sucessório dos descendentes Hoje, todos herdam em igualdade de condições. Mesmo aqueles os adotados pelo sistema do diploma revogado, têm preferencia em relação aos ascendentes. Da mesma forma ocorrerá com os filhos consanguíneos havidos fora do casamento.

26 Sucessão legítima! Direito sucessório dos descendentes Outra alteração inserida pelo CC/02 foi a modificação na ordem de vocação hereditária, com a inclusão do cônjuge como herdeiro necessário, concorrendo com os descendentes e ascendentes (antes era excluído por estas classes).

27 Sucessão legítima! Direito sucessório dos descendentes Atentar que o cônjuge sobrevivente permanece em terceiro lugar na referida ordem, mas passa a concorrer em igualdade de condições com os descendentes do falecido, salvo quando já tenha direito à meação em face do regime de bens do casamento.

28 Sucessão legítima! Direito sucessório dos descendentes Ao cônjuge será assegurado o direito real de habitação, qualquer que seja o regime de bens, porém não mais faz jus ao usufruto vidual, em razão da concorrência à herança com os descendentes e ascendentes.

29 Sucessão do descendente! Direito sucessório dos descendentes A sucessão do descendente no Código de 02 se baseia em dois princípios básicos: a) Principio da igualdade dos filhos: Independentemente da origem todo descendente tem o mesmo direito hereditário.

30 Sucessão do descendente! Direito sucessório dos descendentes A sucessão do descendente no Código de 02 se baseia em dois princípios básicos: b) a presença do descendente mais próximo afasta o mais remoto: se tem filho, não prossegue para o neto. Se tem neto não vai ao bisneto, etc.

31 Sucessão do descendente Art Entre os descendentes, os em grau mais próximo excluem os mais remotos, salvo o direito de representação.

32 Sucessão do descendente Porém esta regra tem exceção: Apesar de ter uma ordem preferencial na sucessão do descente, a lei traz exceções: a) indignidade. b) deserdação c) pré-morte

33 Sucessão do descendente Como nestes casos pode haver sucessão por representação ou por estirpe: poderá ocorrer sucessão de neto concorrendo com filho. (no geral: sucessão por direito próprio)

34 ROTEIRO! Ordem de vocação hereditária! Sucessão do descendente! Sucessão do ascendente! Sucessão do cônjuge! Sucessão do colateral! Sucessão do companheiro

35 Sucessão do ascendente! Direito sucessório dos descendentes A sucessão do ascendente no Código de 02 se baseia em três regras básicos: a) igualdade entre os ascendentes b) a presença do ascendente mais próximo afastará o mais remoto (a presença de pai afasta a do avô). c) a sucessão do ascendente é dividida em 2 linhas: materna e paterna

36 Sucessão do ascendente Art Na falta de descendentes, são chamados à sucessão os ascendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente. 1o Na classe dos ascendentes, o grau mais próximo exclui o mais remoto, sem distinção de linhas. 2o Havendo igualdade em grau e diversidade em linha, os ascendentes da linha paterna herdam a metade, cabendo a outra aos da linha materna.

37 Sucessão do ascendente E se um dos ascendentes for declarado indigno? Os avós serão chamados no lugar dele? Não! O outro ascendente acresce a sua parte! Caso Suzane: Ela foi declarada indigna. seus avós receberiam? Não! Lembrar que não há sucessão por representação na classe dos ascendentes.

38 Sucessão do ascendente Exemplos práticos:! Uma pessoa faleceu e deixou uma herança de R$ Não deixou descendentes. Se deixou pai e mãe vivos, quanto caberia para cada um na herança? R.: R$ 500 para cada linha

39 Sucessão do ascendente Exemplos práticos: E se deixou vivos somente o pai e os avós maternos, como será dividido? R.: R$ 1000 para o pai (o mais próximo afasta o mais remoto. acresce a parte do outro).

40 Sucessão do ascendente Se não deixou pai e nem mãe, mas ainda possuía os dois avós paternos e somente a avó materna? Como será feita a divisão? 1/3 para cada?. Não! A divisão não é pelo número de ascendentes, mas em linhas. a linha materna fica com 50% e a paterna com 50%. Não havendo um dos ascendentes naquela linha o outro acresce sua parte.

41 ROTEIRO! Ordem de vocação hereditária! Sucessão do descendente! Sucessão do ascendente! Sucessão do cônjuge! Sucessão do colateral! Sucessão do companheiro

42 Sucessão do Cônjuge! Direito sucessório do cônjuge Como apresentado anteriormente, o Código Civil trata da sucessão no cônjuge nos artigos a e do companheiro no art O cônjuge pode ter três combinações sucessórias:

43 Sucessão do Cônjuge! Direito sucessório do cônjuge a) concorrendo com descendente; b) concorrendo com o ascendente c) herda sozinho.

44 descendente ascendente sozinho colaterais conjuge depende Regime de bens: 3 listados independe Regime de bens Tudo - Bens particulares % igualdade min ¼* Todos os bens % 1/3 1/2 companhei ro Somente sobre os bens comuns Concorrendo: igualdade se descendentes comuns Somente sobre os bens comuns 1/3 pula! Somente sobre os bens comuns 1/3 Hibrido =1/2

45 Sucessão do Cônjuge! a) concorrendo com descendente; Neste caso, o direito sucessório do cônjuge: a) depende do regime de bens; b) incide somente sobre os bens particulares do de cujus:

46 Sucessão do Cônjuge! a) concorrendo com descendente; Se o cônjuge for casado em um destes três regimes apontados no código ele não terá direito a herança: a) comunhão universal; b) comunhão parcial sem bens particulares; c) separação obrigatória de bens.

47 Sucessão do Cônjuge! a) concorrendo com descendente; Isto se dá porque o direito a herança concorrendo com descendentes se dá somente sobre os bens particulares do de cujus. Exemplos: A casou em regime de comunhão parcial com B. Antes de casar A tinha uma casa. Depois o casal adquiriu um apartamento. A faleceu deixando 2 filhos e o cônjuge. Qual o direito sucessório neste caso?

48 Sucessão do Cônjuge! a) concorrendo com descendente; Sobre o apartamento B terá meação (50%), sendo que os 50% restantes do apto, será dividido pelos descendentes. A casa será dividida de forma igual pelos descendentes e o cônjuge. Conclusão: na concorrência do cônjuge com o descendente: Onde há meação não há herança e vice versa.

49 Sucessão do Cônjuge! a) concorrendo com descendente; Porém uma questão se discute atualmente na doutrina a respeito da sucessão de quem casou no regime de separação convencional. Pergunta: Quem casa no regime de separação convencional quer comunicar algum bem com seu cônjuge?

50 Sucessão do Cônjuge! a) concorrendo com descendente; Exemplo: Uma pessoa divorciada, com dois filhos, resolve se casar novamente. Procura um advogado, expondo sua preocupação a respeito do direito ao patrimônio de seus filhos. O advogado a orienta, então, a casar no regime de separação de bens. Após o casamento ela vem a falecer sem constituir novo patrimônio.

51 Sucessão do Cônjuge! a) concorrendo com descendente; Pergunta: a/o viúva(o) herda alguma coisa? Sim! O legislador se descuidou e não excluiu do direito sucessório o cônjuge casado em regime de separação convencional.

52 Sucessão do Cônjuge Segundo o prof. Cristiano Chaves é uma violação ao principio da autonomia privada. Neste caso, morrendo um dos cônjuges, ainda que o de cujus tenha escolhido o regime de separação de bens, o cônjuge sobrevivente vai dividir o patrimônio com os filhos do de cujus. O STJ já tem precedente no REsp /MS. neste resp o STJ excluiu o direito a herança de quem é casado no regime de separação convencional.

53 Sucessão do Cônjuge! a) concorrendo com descendente; Resumindo: a concorrência do cônjuge com descendente: depende do regime de bens (3 regimes excluídos*), e será somente sobre os bens particulares do de cujus. Falta abordar o percentual sobre os bens particulares: é o mesmo do descendente.

54 Sucessão do Cônjuge! a) concorrendo com descendente; Ou seja o cônjuge entra como mais uma cabeça. Porém, Código concede ao cônjuge uma garantia: o cônjuge terá garantia de um percentual mínimo de ¼ se ele for ascendente do ascendente com que estiver concorrendo.

55 Sucessão do Cônjuge Art Em concorrência com os descendentes (art , inciso I) caberá ao cônjuge quinhão igual ao dos que sucederem por cabeça, não podendo a sua quota ser inferior à quarta parte da herança, se for ascendente dos herdeiros com que concorrer.

56 Sucessão do Cônjuge! a) concorrendo com descendente; Qual o efeito prático desta regra? Ex.: De cujus falece deixando cônjuge e 5 filhos.! Se o cônjuge for o ascendente destes filhos: ¼ cônjuge e outros ¾ divididos pelos 5.! Se não for ascendente: 1/6 para cada um.

57 Sucessão do Cônjuge E se ocorrer a chamada concorrência com descendência híbrida (filhos do cônjuge e filhos de outra pessoa)?

58 Sucessão do Cônjuge No caso de concorrência hibrida (pelo menos um dos filhos não é comum ao casal) o CC não estabeleceu critério. Na doutrina prevalece o entendimento de que todo privilégio deve ter interpretação restritiva. Ou seja, só há garantia do mínio de ¼ se todos descendentes forem comuns ao mesmo ascendente.

59 Sucessão do Cônjuge! b) concorrendo com ascendente; No caso do cônjuge concorrendo com os ascendente o direito sucessório: a) independe do regime de bens, b) incide sobre todos os bens particulares c) percentual = 50% deste todo restante. Salvo se concorrer com pai e mãe do de cujus. Aí fica um terço

60 Sucessão do Cônjuge Art Concorrendo com ascendente em primeiro grau, ao cônjuge tocará um terço da herança; caber-lhe-á a metade desta se houver um só ascendente, ou se maior for aquele grau.

61 Sucessão do Cônjuge! b) concorrendo com ascendente; Exemplo: A casou em regime de comunhão parcial com B. Antes de casar A tinha uma casa. Depois o casal adquiriu um apartamento. A faleceu não deixando filhos, restando ainda seus dois pais vivos e o cônjuge. Qual o direito sucessório neste caso?

62 Sucessão do Cônjuge! b) concorrendo com ascendente; Sobre o apartamento B terá meação (50%), sendo que os 50% restantes do apto, será somado aos bens particulares. O restante será então dividida de forma igual pelos ascendentes e o cônjuge? Não, receberá 1/3 do restante*, pois está concorrendo com dois ascendentes de 1º grau

63 Sucessão do Cônjuge Art Concorrendo com ascendente em primeiro grau, ao cônjuge tocará um terço da herança; caber-lhe-á a metade desta se houver um só ascendente, ou se maior for aquele grau.

64 Sucessão do Cônjuge Assim, o cônjuge terá direito à meação de acordo com regime de bens Concorrendo com descendentes, haverá divisão do patrimônio não comum, resguardado a reserva de ¼ se os descendentes forem seus filhos. Concorrendo com os ascendentes, terá direito à 1/2 ou 1/3 do patrimônio não comum, a depender da concorrência

65 Sucessão do Cônjuge O legislador concedeu, ainda, ao cônjuge sobrevivente o direito real de habitação. Consequências? O direito real de habitação neste caso é vitalício e incondicionado. Se ele quiser pode casar de novo e continuar morando ali, independentemente do fato dos herdeiros quiserem ou precisarem do imóvel.

66 Sucessão do Cônjuge Art Quando o uso consistir no direito de habitar gratuitamente casa alheia, o titular deste direito não a pode alugar, nem emprestar, mas simplesmente ocupá-la com sua família.

67 Sucessão do Cônjuge Art Ao cônjuge sobrevivente, qualquer que seja o regime de bens, será assegurado, sem prejuízo da participação que lhe caiba na herança, o direito real de habitação relativamente ao imóvel destinado à residência da família, desde que seja o único daquela natureza a inventariar.

68 Sucessão do Cônjuge Ex.: um cara com 3 filhos de outro casamento, casa de novo. Só possui um imóvel. Falece. A viúva não tem direito aos bens ou só parte deles, mas fica com o direito de habitação, mesmo que tenha, eventualmente um imóvel próprio. É a critica de CCh apresenta: o dir de habitação deveria ser concedido pelo juiz tendo em vista o caso concreto, para quem demonstrar que precisa

69 Sucessão do Cônjuge c) cônjuge sozinho Porém, este direito à herança cessará:. pelo divórcio;. separação judicial, e. separação de fato a mais de 2 anos. * Crítica: se o cônjuge sobrevivente estiver separado de fato a mais de 2 anos.

70 Sucessão do Cônjuge Art Somente é reconhecido direito sucessório ao cônjuge sobrevivente se, ao tempo da morte do outro, não estavam separados judicialmente, nem separados de fato há mais de dois anos, salvo prova, neste caso, de que essa convivência se tornara impossível sem culpa do sobrevivente.

71 Sucessão do Cônjuge! c) cônjuge sozinho o legislador instituiu a possibilidade de que o cônjuge separado de fato a mais de 2 anos possa recuperar a capacidade sucessória se provar que a separação se deu por culpa do de cujus. É o que a doutrina passou a chamar de culpa mortuária. O de cujus não pode se defender.

72 Sucessão do Cônjuge! c) cônjuge sozinho O entendimento da doutrina e jurisprudência é de que basta a separação de fato, independente de prazo, para cessar o direito à herança.

73 Sucessão do Cônjuge! c) cônjuge sozinho Se o de cujus não deixou nem descendentes e nem ascendentes, aí o cônjuge recebe todo patrimônio independente do regime de bens.

74 Sucessão do Cônjuge Art Em falta de descendentes e ascendentes, será deferida a sucessão por inteiro ao cônjuge sobrevivente

75 ROTEIRO! Consequências da ordem de vocação hereditária! Sucessão do descendente! Sucessão do ascendente! Sucessão do cônjuge! Sucessão do colateral! Sucessão do companheiro

76 Sucessão do Cônjuge Art Se não houver cônjuge sobrevivente, nas condições estabelecidas no art , serão chamados a suceder os colaterais até o quarto grau

77 Sucessão do Cônjuge Art Na classe dos colaterais, os mais próximos excluem os mais remotos, salvo o direito de representação concedido aos filhos de irmãos

78 Sucessão do Cônjuge! Sucessão dos colaterais Se for o caso de a herança ser deferida aos colaterais, os mais próximos são convocados, no caso, os irmãos, salvo o direito de representação concedido a seus filhos. Assim, por exemplo, se o falecido tem três irmãos vivos, e um quarto irmão, que faleceu antes, e deixou dois filhos, a herança será dividida em quatro partes iguais.

79 Sucessão do Cônjuge Mas os irmãos podem ser bilaterais (ou germanos) e unilaterais. Irmãos bilaterais são os filhos da mesma mãe e mesmo pai. Irmãos unilaterais são os que têm o mesmo pai e mães diferentes, ou o contrário. O legislador estipulou procedimentos diferentes nestes casos

80 Sucessão do Cônjuge Art Concorrendo à herança do falecido irmãos bilaterais com irmãos unilaterais, cada um destes herdará metade do que cada um daqueles herdar.

81 Sucessão do Cônjuge Assim, morrendo alguém e deixando dois irmãos, sendo que um deles bilateral e o segundo unilateral, a partilha será desigual. Falecendo alguém nesta situação, sem descendentes, sem ascendentes e cônjuge, quanto herdaria cada irmão?

82 ROTEIRO! Consequências da ordem de vocação hereditária! Sucessão do descendente! Sucessão do ascendente! Sucessão do cônjuge! Sucessão do colateral! Sucessão do companheiro

83 Sucessão do Companheiro Prevista no art , a sucessão do companheiro obedece a seguinte premissa: a) O direito sucessório do companheiro sobrevivente incide nos bens adquiridos onerosamente na constância da união estável;

84 Sucessão do Companheiro Prevista no art , a sucessão do companheiro obedece a seguinte premissa: a) O direito sucessório do companheiro sobrevivente incide somente nos bens adquiridos onerosamente na constância da união estável;

85 Sucessão do Companheiro Art A companheira ou o companheiro participará da sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, nas condições seguintes: I - se concorrer com filhos comuns, terá direito a uma quota equivalente à que por lei for atribuída ao filho; II - se concorrer com descendentes só do autor da herança, tocar-lhe-á a metade do que couber a cada um daqueles;

86 Sucessão do Companheiro Art A companheira ou o companheiro participará da sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, nas condições seguintes: (...) III - se concorrer com outros parentes sucessíveis, terá direito a um terço da herança; IV - não havendo parentes sucessíveis, terá direito à totalidade da herança.

87 Sucessão do Companheiro A disposição do CC a respeito da sucessão do companheiro é alvo de inúmeras críticas por parte da doutrina, devido a supostas inconstucionalidades. a) Meação: curiosamente sobre estes bens, o companheiro já teria direito a 50%; b) Direito sucessório: sobre os bens comuns, o companheiro tira a meação (50%). Sobre os bens comuns restantes, concorre a herança.

88 Sucessão do Companheiro Assim, em uma primeira análise, o companheiro estaria levando vantagem sucessória em relação ao cônjuge, pois este, que retirada sua meação, não concorre a divisão dos 50% restantes. Em contrapartida, sobre os bens particulares do de cujus o companheiro não tem direito a nada!

89 Sucessão do Companheiro Assim, friamente analisando, se uma pessoa vai se unir a outra pessoa, cabe observar: a) se o outro tem patrimônio e pouca probabilidade de adquirir mais: melhor casar; b) se o outro não tem patrimônio nenhum, mas grande probabilidade de adquirir na constância da união: melhor união estável

90 Sucessão do Companheiro Em suas aulas, o prof. Cristiano Chaves apresenta exemplo de um empresário muito rico em Salvador, que se divorciou e iniciou união estável, mas adquiriu uma doença degenerativa. Pois bem, durante o período de convivência não adquiriu mais nada. A companheira abandonou emprego para cuidar dele, etc. Veio a morte do companheiro e ela não herdou nada!

91 Sucessão do Companheiro Vista a regra geral a respeito da sucessão do companheiro, cabe verificar como se procederá em caso de concorrencia com os parentes do de cujus

92 Sucessão do Companheiro! Concorrência com os descendentes O companheiro tem direito à herança somente sobre os bens comuns. Os bens particulares vão direto para os descendentes. Tem direito ao mesmo percentual sobre os bens comuns, porém sem a garantia de 1/4;

93 Sucessão do Companheiro! Concorrência com os descendentes Porém o companheiro somente terá direito ao mesmo percentual se ele for ascendente do descendente a que ele estiver concorrendo. Se não for, só terá direito a metade do que aquele tiver direito;

94 Sucessão do Companheiro! Concorrência com os descendentes Ex.: pessoa vivendo em união estável morreu deixando um filho. Deixou bens comuns e particulares. Como será a divisão sucessória? a) Os bens particulares vão direto par ao filho; b) Dos bens comuns, tirar a meação (50%) para o companheiro sobrevivente;

95 Sucessão do Companheiro! Concorrência com os descendentes a) Dos 50% restantes dos bens comuns, analisar: o filho do de cujus é também filho do companheiro sobrevivente: a) sim = 50% para cada. b) Não? O companheiro terá direito à metade da quota que couber ao descendente (1/3 x 2/3)

96 Sucessão do Companheiro Ex.: dois filhos. Como será a divisão sucessória? a) Dos 50% restantes dos bens comuns, analisar a situação dos filhos. também filhos do companheiro sobrevivente? a) sim = 1/3 para cada. b) Não? O companheiro terá direito à metade da quota que couber aos descendentes (2/5 cada filho e 1/5 companheiro)

97 Sucessão do Companheiro! Concorrência com os ascendentes Se estivéssemos tratando da concorrência do ascendente com o cônjuge, o mesmo estaria concorrendo e forma igual. Concorrendo com ascendente o companheiro terá direito somente aos bens comuns e no percentual de 1/3; Assim todos os bens particulares e 2/3 dos bens comuns vão para os ascendentes.

98 Sucessão do Companheiro Art (...) III - se concorrer com outros parentes sucessíveis, terá direito a um terço da herança; IV - não havendo parentes sucessíveis, terá direito à totalidade da herança.

99 Sucessão do Companheiro! Concorrência com os colaterais Diferentemente do cônjuge que herda antes dos colaterais a ordem da sucessão do companheiro prevê em terceiro lugar o ascendente em concorrência com o cônjuge.

100 Sucessão do Companheiro! Concorrência com os colaterais Concorrendo com os colaterais o companheiro terá direito somente aos bens comuns e no percentual de 1/3; Assim todos os bens particulares e 2/3 dos bens comuns vão para os colaterais até o 4º grau (primo, sobrinho neto, tio avô, etc.)

101 Sucessão do Companheiro! Sem concorrência com parentes Por último, se o de cujus não deixar descendente, ascendente e nem colateral de 4º, o companheiro receberá a totalidade da herança*.

102 Sucessão do Companheiro! Sem concorrência com parentes Porém, neste caso, há quem defenda que o companheiro só terá direito à totalidade dos bens comuns*. Os bens particulares seriam destinados á Fazenda Pública. Lembrando que a Fazenda não é herdeira, mas receberia os bens em procedimento de herança jacente / vacante.

103 Sucessão do Companheiro! Sem concorrência com parentes Quem defende este posicionamento se fixa ao caput do art : Art A companheira ou o companheiro participará da sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, nas condições seguintes: (...)

104 Sucessão do Companheiro! Sem concorrência com parentes Cristiano Chaves, defendendo que o inciso IV deve ser interpretado isoladamente do caput, para que se tenha a real noção da intenção do legislador: IV - não havendo parentes sucessíveis, terá direito à totalidade da herança

105 Sucessão do Companheiro! Sem concorrência com parentes Assim, por entender que o conceito de herança implica em todos os bens, e não somente àqueles adquiridos onerosamente na constância da união, os bens iriam todos para o companheiro sobrevivente.

106 Sucessão do Companheiro! Direito real de habitação E o direito real de habitação? O companheiro sobrevivente tem o mesmo direito que o cônjuge? Não! Como o CC não dispôs a respeito, deve-se procurar a legislação a respeito do companheiro.

107 Sucessão do Companheiro Lei 9.278, art. 7º (...) Parágrafo único. Dissolvida a união estável por morte de um dos conviventes, o sobrevivente terá direito real de habitação, enquanto viver ou não constituir nova união ou casamento, relativamente ao imóvel destinado à residência da família.

108 Sucessão do Companheiro Assim, percebe-se que no caso do companheiro o direito real de habitação também é vitalício, porém condicionado: Em caso de novo casamento/ união estável, cessa o direito real de habitação

109 Sucessão do Companheiro! Sem concorrência com parentes Ex.: sucessão do companheiro em união estável no AM.

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Sucessão dos Descendentes (art. 1833, CC) É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Neto 1 Neto

Leia mais

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL Zeno Veloso 1 No palco em que se desenrolam as relações jurídicas da sucessão legítima, um personagem ganhou papel de grande destaque, podendo-se afirmar que é

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA Norberto Ungaretti Desembargador Aposentado Sob a denominação Da Ordem da Vocação Hereditária abrese o Capítulo I do Título dedicado pelo novo Código Civil à sucessão legítima

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões 1) Que é herança jacente: a) Herança que não existe herdeiros, salvo o estado b) Herança que tem que ser dividida entre os pais e cônjuge c) Herança que tem que ser dividida entre irmãos d) Herança deixada

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil 1. Intróito Inacio de Carvalho Neto Professor de Direito Civil da Unifoz, da Unipar, do CIES, da Escola do Ministério Público e da Escola da

Leia mais

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado de Minas Gerais. Autor do Livro Direito de Família, publicado em 2005, pela Editora Atenas. Professor de Direito de Família e Sucessões na Unifenas,

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa

Leia mais

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO COSTA PARECER Direito das Sucessões. Situação jurídica do companheiro ou companheira comparada com o status jurídico dos cônjuges. Constitucionalidade da distinção entre os

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL REVISTA JURÍDICA da UniFil, Ano I - nº 1 105 A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL 1 Inacio de Carvalho Neto * RESUMO O presente artigo aborda as alterações ocorridas no âmbito do

Leia mais

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha EDUARDO MACHADO ROCHA Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões da Comarca de Dourados (MS). Pós-graduado - Especialização em Direito Processual Civil. Professor de Direito Civil na Unigran - Universidade

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES Direito Civil Aula 3 Delegado Civil Sandro Gaspar Amaral DIREITO DAS SUCESSÕES PRINCÍPIO DE SAISINE (art. 1784, CC): transmissão da propriedade e da posse no exato momento da morte. NORMA VIGENTE (art.

Leia mais

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 Adriana Goulart Spanholi 2 RESUMO: O presente artigo tem por objetivo demonstrar e analisar as mudanças trazidas no campo do direito sucessório, especialmente

Leia mais

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões O conhecimento quando compartilhado é muito melhor, pois, todos são beneficiados com novas formas de enxergar o mundo Paulo Henrique 2015 1 DIREITO CIVIL 6 Conteúdo

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO Valéria Edith Carvalho de Oliveira 1 Sumário: 1 Introdução. 2 O direito sucessório do cônjuge separado de fato. 3. O direito sucessório do cônjuge separado

Leia mais

A Reforma do Código Civil Repercussões na Administração Pública e no Controle Externo De 07 a 11 de abril de 2003

A Reforma do Código Civil Repercussões na Administração Pública e no Controle Externo De 07 a 11 de abril de 2003 A Reforma do Código Civil Repercussões na Administração Pública e no Controle Externo De 07 a 11 de abril de 2003 10/04 DIREITO DAS SUCESSÕES DIREITO DE HERANÇA SUCESSÃO LEGITIMA E TESTAMENTÁRIA Dr. Euclides

Leia mais

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO DE DIREITO FAMÍLIA PONTO 1: SUCESSÃO PONTO 2: PRINCÍPIOS ORIENTADORES; SUCESSÃO LEGÍTIMA E TESTAMENTÁRIA, EXCLUSÃO DOS HERDEIROS; PONTO 3: ESPÉCIES DE HERDEIROS, CESSÃO DE DIREITOS;

Leia mais

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a que se pretende responder através deste estudo refere-se

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama)

PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama) Dá nova redação aos arts. 544, 1.561, 1.723, 1.789, 1.797, 1.829, 1.830, 1.831, 1.832, 1.836, 1.837, 1.838, 1.839, 1.845, 1.846

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO GODOY, Nilza Tiemi Nagaoka RESUMO O Direito das Sucessões apresenta muitos aspectos polêmicos diante de lacunas deixadas pelo legislador.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA POSSIBILIDADE DO COMPANHEIRO SOBREVIVENTE SER MEEIRO E HERDEIRO QUANTO AOS BENS ADQUIRIDOS ONEROSAMENTE NA CONSTÂNCIA DA UNIÃO ESTÁVEL MARINGÁ PR 2013

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO TABELIÃO (PRESTADOR DE SERVIÇO PÚBLICO EM CARÁTER PRIVADO)... 5 1.3 NOVA LEI HOMENAGEIA

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO SOBREVIVENTE DE ACORDO COM O CÓDIGO CIVIL DE 2002 CURITIBA 2014 DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

DA SUCESSÃO LEGÍTIMA 1. INTRODUÇÃO: CONCEITO E HIPÓTESES DE CABIMENTO DA SUCESSÃO LEGÍTIMA

DA SUCESSÃO LEGÍTIMA 1. INTRODUÇÃO: CONCEITO E HIPÓTESES DE CABIMENTO DA SUCESSÃO LEGÍTIMA 1 DA SUCESSÃO LEGÍTIMA Márcia Maria Menin 1 1. INTRODUÇÃO: CONCEITO E HIPÓTESES DE CABIMENTO DA SUCESSÃO LEGÍTIMA Caracteriza-se como legítima a sucessão deferida pela lei através da ordem de vocação hereditária,

Leia mais

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Ano III nº 12 (I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Barbara Brentani Lameirão Roncolatto Luiz Henrique Cruz Azevedo 01. Em 7 de outubro de 2008,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE Fernanda Garcia Escane Mestranda em Direito Civil comparado pela PUC/SP. Palestrante na Ordem dos Advogados do Brasil de Santo

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83 1 Noções introdutórias, 1 1.1 Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões, 1 1.2 Direito das sucessões no direito romano, 2 1.3 Ideia central do direito das sucessões, 4 1.4 Noção de herança,

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

Direito das Sucessões Parte II. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte II. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte II Abertura da Sucessão Momento da morte do de cujus, devidamente comprovada. Com a abertura da sucessão os herdeiros, legítimos ou testamentários, adquirem, de imediato, a

Leia mais

A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS

A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS Ana Cláudia Pirajá Bandeira * Maria Paula Fratti ** Samanta Maria Lima

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros

CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros 3a AULA: DIREITO DAS SUCESSÕES: Do direito das Sucessões (artigos 1.784 a 1.828 do Código Civil). Sucessão

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790)

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) Abril de 2013. José Fernando Simão Companheiros: São aqueles que vivem em união estável. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre homem e mulher,

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO.

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO. SUCESSÕES Direito das sucessões. Recurso especial. Inventário. De cujus que, após o falecimento de sua esposa, com quem tivera uma filha, vivia, em união estável, há mais de trinta anos, com sua companheira,

Leia mais

Direitos das Sucessões

Direitos das Sucessões Há 4 títulos do capítulo das sucessões: Sucessões em geral: aplicada a qualquer hipótese; Sucessão Legítima: prevista em lei; Sucessão testamentária: disposições de vontade; Inventário e partilha: regras

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS SUCESSÕES

QUESTÕES OBJETIVAS SUCESSÕES QUESTÕES OBJETIVAS SUCESSÕES 1. Heitor, solteiro e pai de dois filhos também solteiros (Roberto, com trinta anos de idade, e Leonardo, com vinte e oito anos de idade), vem a falecer, sem deixar testamento.

Leia mais

Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias

Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias Maria Berenice Dias Advogada Ex-desembargadora do Tribunal de Justiça do RS Vice-Presidente Nacional do IBDFAM www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br

Leia mais

EXERCÍCIOS SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA

EXERCÍCIOS SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA Universidade do Sul de Santa Catarina Unidade Ilha Centro Curso: Direito Disciplina: Direito das Sucessões Professor: MSc. Patrícia Fontanella Acadêmico (a): EXERCÍCIOS SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA 01. (MP/SC

Leia mais

Revista IOB de Direito de Família

Revista IOB de Direito de Família Revista IOB de Direito de Família. 51 Dez Jan/2009 Conselho Editorial Álvaro Villaça Azavedo Gustavo José Mendes Tepedino Priscila M. P. Correa da Fonseca Sérgio Resende de Barros Considerações Acerca

Leia mais

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite A predominância de uma posição mais solidária entre os membros

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.377.084 - MG (2013/0083914-0) RECORRENTE REPR. POR ADVOGADOS INTERES. : GERALDO SEBASTIÃO DA SILVA - ESPÓLIO : APARECIDA JOANA DA SILVA PAIVA - INVENTARIANTE : PAULO EDUARDO ALMEIDA

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

A SUCESSÃO NO CASAMENTO E NA UNIÃO ESTÁVEL

A SUCESSÃO NO CASAMENTO E NA UNIÃO ESTÁVEL A SUCESSÃO NO CASAMENTO E NA UNIÃO ESTÁVEL Prof. Dr. Francisco José Cahali CASAMENTO: Convocação p/a Concorrência CC, art. 1829, I: CÔNJUGE HERDA concorrendo CÔNJUGE NÃO HERDA Comunhão parcial com bens

Leia mais

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente Prof. Ms. Tatyane Karen da Silva Goes ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Falecendo a pessoa ab intestato, a herança

Leia mais

XXXVII ENCONTRO NACIONAL DO IRIB NATAL / RN 13 a 17 de setembro de 2010 TEMA VII TÓPICOS DE DIREITO HEREDITÁRIO E O REGISTRO DE IMÓVEIS

XXXVII ENCONTRO NACIONAL DO IRIB NATAL / RN 13 a 17 de setembro de 2010 TEMA VII TÓPICOS DE DIREITO HEREDITÁRIO E O REGISTRO DE IMÓVEIS XXXVII ENCONTRO NACIONAL DO IRIB NATAL / RN 13 a 17 de setembro de 2010 TEMA VII TÓPICOS DE DIREITO HEREDITÁRIO E O REGISTRO DE IMÓVEIS MARIO PAZUTTI MEZZARI Registrador de Imóveis Código Civil Artigo

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

. CURSO: DIREITO Turma: DISCIPLINA: Direito Civil VII Profª Ms. Tatyane Karen VALOR: 6 H/A NOTA: ALUNO(A):

. CURSO: DIREITO Turma: DISCIPLINA: Direito Civil VII Profª Ms. Tatyane Karen VALOR: 6 H/A NOTA: ALUNO(A): . CURSO: DIREITO Turma: DISCIPLINA: Direito Civil VII Profª Ms. Tatyane Karen Data: / / VALOR: 6 H/A NOTA: ALUNO(A): Questão 1 ( VUNESP - 2011 - TJ-SP Juiz) Assinale a alternativa correta. a) Na falta

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial

Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial Ribeirão Preto/SP, 16 de outubro de 2013. Aos cuidados: Notários Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial Caríssimo, A atividade notarial é uma atividade indispensável à sociedade, onde o titular

Leia mais

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Leia mais

133 DIREITO DAS SUCESSÕES PROFª JULIANA GONTIJO

133 DIREITO DAS SUCESSÕES PROFª JULIANA GONTIJO 133 UNIDADE X SUCESSÃO LEGÍTIMA... 135 1. Introdução... 135 1.1 Regras da Sucessão Legítima... 135 2. Ordem de Vocação Hereditária... 136 2.2 Direito de Sucessão do Nascituro... 139 3. Herdeiros Necessários...

Leia mais

Direito de Família. Consuelo Huebra

Direito de Família. Consuelo Huebra Direito de Família Consuelo Huebra Casamento A lei só admite o casamento civil, mas o casamento religioso pode produzir efeitos civis na forma dos arts.1515 e 1516, C.C. Parentesco Natural pessoas que

Leia mais

A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido

A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido Por Rodrigo Aita I INTRODUÇÃO Durante a vigência do Código Civil de 1916, até a entrada em vigor da Lei do Divórcio

Leia mais

Artigo - Pontos críticos da Sucessão dos Companheiros no Novo Código Civil - Por Verônica Ribeiro

Artigo - Pontos críticos da Sucessão dos Companheiros no Novo Código Civil - Por Verônica Ribeiro Artigo - Pontos críticos da Sucessão dos Companheiros no Novo Código Civil - Por Verônica Ribeiro Pontos críticos da Sucessão dos Companheiros no Novo Código Civil frente às Leis 8.971/94 e 9.278/96 Por:

Leia mais

Direito Civil. Sucessão em Geral. Professora Alessandra Vieira.

Direito Civil. Sucessão em Geral. Professora Alessandra Vieira. Direito Civil Sucessão em Geral Professora Alessandra Vieira www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Aula Civil XX DO DIREITO SUCESSÓRIO Considerações Gerais: A abertura da sucessão se dá no exato instante

Leia mais

DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA A ordem de vocação hereditária, por sua vez, vem a ser a ordem sucessória, ou seja, o rol das pessoas que podem suceder. No Código Civil

Leia mais

QUESTÕES CONTROVERTIDAS DA SUCESSÃO LEGÍTIMA DOS COMPANHEIROS NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

QUESTÕES CONTROVERTIDAS DA SUCESSÃO LEGÍTIMA DOS COMPANHEIROS NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO QUESTÕES CONTROVERTIDAS DA SUCESSÃO LEGÍTIMA DOS COMPANHEIROS NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Fernanda Ruppenthal Egewarth 1 Denise Schmitt Siqueira Garcia 2 RESUMO O presente artigo trata da sucessão

Leia mais

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Valéria Silva Galdino * SUMÁRIO: 1. Intróito; 2. Sucessão do companheiro no novo Código Civil brasileiro; 3. Conclusões; Bibliografia. RESUMO:

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVII CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA MARIA CRISTINA FALAVINHA RAMOS REGIO

ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVII CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA MARIA CRISTINA FALAVINHA RAMOS REGIO ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVII CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA MARIA CRISTINA FALAVINHA RAMOS REGIO RESERVA DA QUARTA PARTE DA HERANÇA AO CÔNJUGE SOBREVIVENTE CURITIBA

Leia mais

Planejamento Sucessório. Bens localizados no Exterior

Planejamento Sucessório. Bens localizados no Exterior Planejamento Sucessório Bens localizados no Exterior Regras de Sucessão Parcela Legítima x Parcela Disponível 50% Legítima Obrigatoriamente dos Herdeiros Necessários 50% Disponível Pode dispor como desejar

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.204.347 - DF (2010/0141637-8) RECORRENTE RECORRIDO : FLÁVIA LETÍCIA TREVISANI FAUSTINI GALLETTI : CRISTIAN FETTER MOLD E OUTRO(S) : RITA DE CASSIA TAARES DE LUNA FAUSTINI : LUIZ HUMBERTO

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS

DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS Prof.Dicler Direito das Sucessões é o conjunto de normas que disciplinam a transferência do patrimônio (ativo e passivo créditos e débitos) de alguém, depois de sua

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO

DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO Direito das sucessões é o conjunto de princípios e normas que regem a transferência da herança, ou do legado, ao herdeiro ou legatário, em razão da morte de alguém. O direito

Leia mais

~ ~ McTODO SÃO PAULO

~ ~ McTODO SÃO PAULO Flávio Tartuce :C I.. 'r1'i Direito das Sucessões B. a edição revista, atualizada e ampliada *** ~ ~ McTODO SÃO PAULO ~~::;'S 1: STJ00100365 A EDITORA Mt::TODO se responsabiliza pelos vlcios do produto

Leia mais

Exame de Direito das Sucessões. 18 de junho de 2014. I (17 valores) Em 2008, C é condenado pelo crime de homicídio doloso de seu irmão D.

Exame de Direito das Sucessões. 18 de junho de 2014. I (17 valores) Em 2008, C é condenado pelo crime de homicídio doloso de seu irmão D. Exame de Direito das Sucessões 18 de junho de 2014 I (17 valores) A é casado com B, tendo o casal três filhos, C, D e E. B tem ainda um filho, F, de um anterior casamento. C é casado com G e tem uma filha

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net 5 5.1. Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações Maria Berenice Dias Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família

Leia mais

duas fases anteriores, dá-se a aquisição, onde o herdeiro torna-se titular das relações jurídicas que têm por objeto o patrimônio do extinto.

duas fases anteriores, dá-se a aquisição, onde o herdeiro torna-se titular das relações jurídicas que têm por objeto o patrimônio do extinto. Direito das Sucessões 1 - Conceito No aspecto subjetivo, implica a continuação de uma pessoa em relação jurídica que cessou para o anterior sujeito e continua em outro. É a capacidade para suceder; no

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá)

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) Altera o inciso I do art. 1.829 da Lei nº 10.406 de 10 de janeiro de 2002; tendo parecer da Comissão de Seguridade

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.117.563 - SP (2009/0009726-0) RECORRENTE : SANDRA APARECIDA PENARIOL DUARTE ADVOGADOS : FRANCISCO CASSIANO TEIXEIRA E OUTRO(S) RENATO OLIVEIRA RAMOS RECORRIDO : ROSEMARI APARECIDA

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões Eduardo Domingues 12/02 A matéria é dividida em quatro partes. Primeiro temos a sucessão em geral traz uma série regras que permeiam todo o conteúdo que será tratado nesta disciplina.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE DIREITO SAMANTA DOS SANTOS ZANETTA

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE DIREITO SAMANTA DOS SANTOS ZANETTA UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE DIREITO SAMANTA DOS SANTOS ZANETTA O DIREITO À HERANÇA NA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HOMÓLOGA PÓSTUMA: NO ESTUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE O PRINCÍPIO DA

Leia mais

Conceito: é a relação afetiva ou amorosa entre homem e mulher, não adulterina ou incestuosa, com estabilidade e durabilidade, vivendo ou não sob o

Conceito: é a relação afetiva ou amorosa entre homem e mulher, não adulterina ou incestuosa, com estabilidade e durabilidade, vivendo ou não sob o União Estável Conceito: é a relação afetiva ou amorosa entre homem e mulher, não adulterina ou incestuosa, com estabilidade e durabilidade, vivendo ou não sob o mesmo teto, com o objetivo de constituir

Leia mais