DIREITO CIVIL ALIMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO CIVIL ALIMENTOS"

Transcrição

1 DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015

2 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art , CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família. União estável é a relação pública, contínua e duradoura entre duas pessoas com o objetivo de constituir entidade familiar. Diversamente do casamento, que depende de solenidade para a sua constituição (celebração + registro), a união estável é um fato público e não depende de qualquer solenidade. Obs.: No estado de São Paulo, além da possibilidade de converter a união estável em casamento mediante registro (livro B), também é possível registrar a união estável (livro E). 2. Evolução histórica: Código Civil de 1916: não previa o instituto da união estável, que era tratada como concubinato. Concubinato puro era a relação entre pessoas não impedidas para o casamento (equivale atualmente à união estável). Concubinato impuro era a relação entre pessoas impedidas (equivale atualmente ao concubinato). Constituição Federal de 1988: inovou ao reconhecer a união estável como entidade familiar, mas não a equiparou ao casamento. Abriu a possibilidade de a união estável ser regulamentada por lei. Lei 8.971/94: ampliou os direitos do companheiro (sucessão, alimentos etc), instituiu o direito de usufruto ao companheiro sobrevivente (sobre a metade dos bens) exigia prazo mínimo de convivência de 5 anos ou a procriação para reconhecimento da união estável. Lei 9.278/96: retirou o prazo de 5 anos para o reconhecimento da união estável e a exigência de procriação. Possibilitou o reconhecimento da união estável em caso de

3 separação de fato. Estabeleceu presunção de que os bens adquiridos na constância na união estável são frutos do esforço comum. Estabeleceu a competência das varas da família para as ações referente à união estável. Instituiu a favor do companheiro o direito real de habitação. Código Civil de 2002: inovou ao regulamentar a união estável se comparado ao CC/1916. Inovou também ao estabelecer regras distintas a respeito da sucessão dos companheiros. Foi omisso quanto ao direito real de habitação dos companheiros. STF (ADI 4277/DF e ADPF 132/RJ): inovou ao reconhecer a união estável entre pessoas do mesmo sexo, deferindo todos os direitos e deveres da união estável entre pessoas de sexo diferente, inclusive a possibilidade de conversão em casamento. Dois meses depois, o STJ reconheceu a possibilidade de casamento entre pessoas do mesmo sexo (de forma direta ou por conversão da união estável). Em 2013, o CNJ baixou a Resolução 175 regulamentando o casamento e a união estável entre pessoas do mesmo sexo. 3. Requisitos para a caracterização da união estável: a) Publicidade: a relação deve ser pública, isto é, perante a sociedade. b) Continuidade: a relação deve ser ininterrupta (estável). c) Durabilidade: a relação deve ser duradoura, cabendo ao juiz reconhecer o conteúdo deste conceito jurídico indeterminado. Não tem cabimento exigir nos dias atuais prazo mínimo de 5 anos. d) Objetivo: estabelecer/constituir família. No namoro, há um simples objetivo/sonho de constituir família. Na união estável, o objetivo está sendo colocado em prática. Questão: A coabitação e a procriação são requisitos para o reconhecimento da união estável? A coabitação e a procriação são fortes indícios da união estável, mas não são considerados requisitos. Para alguns autores, são requisitos dispensáveis (elementos acidentais). Súmula 382, STF: A vida em comum sob o mesmo teto, more uxorio, não é indispensável à caracterização do concubinato. Questão: A exclusividade é um requisito para a caracterização da união estável? 1ª Corrente: defende que a exclusividade não é requisito e que ambas/todas as relações paralelas devem ser tratadas como uniões estáveis (Maria Berenice Dias). 2ª Corrente: defende que nenhuma das relações deve ser reconhecida como união estável (faltaria lealdade dentro das relações). Maria Helena Diniz. Esta é a orientação que tem prevalecido no STJ.

4 3ª Corrente: defende que a exclusividade é um requisito, mas deve ser reconhecida como união estável a primeira relação, e a posterior como concubinato ou aplicando as regras do casamento putativo (união estável putativa válida até o momento da ciência do concubino). Rolf Madaleno. Questão: Quem pode constituir união estável? A união estável pode ser constituída pelas pessoas que não estão impedidas de casar (solteiros, divorciados, viúvos ou casamento invalidado) e também pelos separados de fato e separados de direito/jurídica (judicial ou extrajudicial). Questão: O incapaz pode constituir união estável? Deve ser feita uma analogia ao casamento para responder essa indagação: em caso de incapacidade absoluta (excepcionado a menoridade art. 3º, I, CC) a união estável não pode ser reconhecida (ausência de discernimento). Em caso de incapacidade relativa, a união estável pode ser reconhecida. 4. Regime de Bens: Assim como ocorre no casamento, na união estável os companheiros, em regra, podem escolher o regime de bens que será aplicado. A escolha é feita mediante simples contrato de convivência que, diversamente do pacto antenupcial, independe de solenidade ou de registro. O contrato de convivência não depende de escritura pública e nem de registro para ser válido e eficaz entre os companheiros. Para ter eficácia perante terceiros, recomenda-se a escritura pública e/ou registro. Art , CC: Na união estável, salvo contrato escrito entre os companheiros, aplica-se às relações patrimoniais, no que couber, o regime de comunhão parcial de bens. Questão: Qual o sentido da expressão no que couber presente no artigo 1.725, CC? Na falta de contrato escrito, deve ser aplicado o regime da comunhão parcial de bens à união estável, mas o legislador restringiu os seus efeitos com a expressão no que couber - art , CC. Questão: É necessária a vênia do companheiro para a prática dos atos previstos no artigo 1.647, CC?

5 No STJ, tem prevalecido a orientação de que não deve ser exigida vênia do companheiro na prática dos atos previstos no art. 1647, CC (venda de bem imóvel, concessão de fiança ou de direito real de garantia etc). Questão: Causas suspensivas do casamento são aplicáveis à união estável? A doutrina majoritária defende que as causas suspensivas não devem ser aplicadas à união estável, entretanto há decisões do STJ reconhecendo a sua aplicabilidade. Também há decisão do STJ reconhecendo a imposição do regime da separação de bens a quem contrair união estável com mais de 70 anos (art. 1641, II, CC). Questão: Qual a diferença entre contrato de convivência e contrato de namoro? O contrato de namoro é celebrado com o objetivo de afastar o reconhecimento da união estável. Por representar fraude à lei imperativa, deve ser considerado NULO art. 166, CC. O contrato representa um exemplo de exercício inadmissível da autonomia privada. 5. Direito real de habitação: A orientação atual do STJ é no sentido de que o companheiro também te direito real de habitação. Enunciado 117, CJF: O direito real de habitação deve ser estendido ao companheiro, seja por não ter sido revogada a previsão da Lei 9.278/96, seja em razão da interpretação analógica do art , informado pelo art. 6º, caput, da CF/88. Alimentos: 1. Conceito: São prestações devidas a quem não consegue se manter com seu próprio patrimônio. Pode ter origem nas relações de parentesco ou no casamento ou união estável. Atenção: Durante a menoridade, o fundamento dos alimentos é o poder familiar (autoridade parental). Após, o fundamento é sempre o princípio da solidariedade familiar. É por essa razão que, mesmo após a maioridade dos filhos, não cessa automaticamente o dever alimentar. Se os pais desejarem parar de pagar os alimentos, devem ingressar com ação de exoneração do dever alimentar.

6 2. Classificação dos alimentos quanto à natureza ou extensão: 2.1. Alimentos civis (ou côngruos): são aqueles voltados a garantir a manutenção do padrão de vida do alimentando. Seu objetivo é manter o status quo ante. Em regra, são devidos alimentos civis na dissolução do casamento ou da união estável Alimentos naturais (indispensáveis ou necessários): são aqueles que devem garantir um mínimo indispensável para a sobrevivência digna do ser humano. Compreende alimentação, moradia, vestuário, saúde etc. Obs.: O cônjuge considerado culpado apenas pode pleitear alimentos necessários. Trata-se de uma sanção. Além disso, o cônjuge culpado somente pode pleitear alimentos do cônjuge inocente se não tiver parentes (ascendentes, descendentes ou colaterais de segundo grau irmãos) em condição de sustentá-lo. 3. Classificação dos alimentos quanto à finalidade ou determinação judicial: 3.1. Alimentos Definitivos (regulares): são aqueles de caráter permanente fixados por acordo homologado ou por sentença com trânsito em julgado. A expressão definitivo é utilizada apenas em contraposição a provisórios ou provisionais, pois toda decisão de alimentos pode ser revista no futuro Alimentos provisórios: são aqueles previstos no art. 4º, Lei de Alimentos (Lei 5.478/68) e que devem ser fixados pelo juiz de imediato quando do despacho da petição inicial da ação de alimentos que segue o rito especial. Se você tem prova pré-constituída (do parentesco, do casamento ou da união estável), você ingressa com a chamada ação de alimentos (que segue o rito especial) aqui temos os alimentos provisórios (dica para memorizar: provisórios têm registro = prova pré-constituída). Se você não tem prova pré-constituída, você tem que entrar com outra ação cumulada com o pedido de alimentos (exemplo: ação de investigação de paternidade cumulada com pedido de alimentos; ação de reconhecimento e dissolução de união estável cumulada com alimentos) segue o rito ordinário aqui temos os alimentos provisionais (dica para memorizar: provisionais não têm registro = não têm prova pré-constituída Alimentos Provisionais ( ad litem ou alimenta in litem ): são aqueles fixados provisoriamente em qualquer ação que não siga o rito especial da lei de alimentos. 4. Características da obrigação alimentar:

7 a) Transmissibilidade: art , CC. Apenas a obrigação alimentar é transmissível (morte). O direito a alimentos é intransmissível, pois é personalíssimo. Cuidado: é clássica a pegadinha confundindo a obrigação alimentar com o direito a alimentos! b) Divisibilidade: A obrigação alimentar é, em regra, divisível entre os responsáveis (pais, avós, filhos etc). Excepcionalmente, o legislador estabelece a solidariedade (exemplo: a favor do idoso Estatuto do Idoso). c) Reciprocidade: A obrigação alimentar é sempre recíproca entre os parentes e entre os cônjuges e companheiros. No direito brasileiro, não existe obrigação alimentar unilateral. Questão: Qual é a ordem do dever alimentar entre os parentes? 1º: os ascendentes (os mais próximos excluem os mais remotos); 2º: os descendentes (os mais próximos excluem os mais remotos); 3º: os colaterais de 2º grau irmãos (unilaterais ou bilaterais. Obrigação dobrada dos bilaterais). Atenção: O STJ tem decidido que o dever não pode ser estendido a outros colaterais de 3º ou 4º grau (tios, sobrinhos, primos, tio-avô e sobrinho-neto). Isso porque a obrigação alimentar só decorre de lei e não há previsão legal nesse sentido (a lei só prevê até o 2º grau). d) Mutabilidade: a qualquer momento, a obrigação alimentar pode ser alterada. 5. Características do direito a alimentos: a) Direito da personalidade: é direito da personalidade, pois protege a integridade do ser humano. Por essa razão, também é considerado um direito personalíssimo ( intuitu personae ). b) Intransmissível: não existe cessão nem sucessão de direito a alimentos. c) Incompensável: não pode ser objeto de compensação com outras dívidas. d) Irrenunciável: o entendimento do STJ é de que a irrenunciabilidade prevista no CC é restrita aos alimentos devidos em relação ao parentesco. Quanto ao casamento e a união estável, o entendimento é pela renunciabilidade. e) Imprescritibilidade: o direito a alimentos é imprescritível por ser direito da personalidade, isto significa que qualquer pessoa pode pedir alimentos em qualquer momento da vida (do presente para o futuro). Não existe direito a alimentos pretéritos. Contudo, após haver determinação de pagar os alimentos, os alimentos vencidos e não pagos prescrevem no prazo de dois anos (art. 206, 2º, CC) prescrição parcelar (conta do presente para o passado).

8 Questão: O que são alimentos transitórios? É uma nova orientação doutrinária e jurisprudencial no sentido de que os alimentos devidos em razão de casamento ou de união estável devem ser deferidos por um tempo até a outra parte ser inserida ou reinserida no mercado de trabalho. Apenas em caso de idade avançada ou de condições de saúde complexas é que os alimentos devem ser devidos de forma não transitória. Aos autores não referenciados, todos os direitos reservados.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável:

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável: 1 PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos 1. União estável: - Leis 8971/94 e 9278/96. - Lei 10.406/2002 e art. 1723 e seguintes. - Art. 226, 3 1, CF. União entre homem e mulher pública (notoriedade),

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável DIREITO DE FAMÍLIA Concubinato X União estável Concubinato Até a CF/88 nós tínhamos o chamado concubinato. E o que é concubinato? Pessoas que viviam como se casados fossem. Com a CF/88, art. 226, 3º1,

Leia mais

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Professora: MARIA LUIZA PÓVOA CRUZ DO CASAMENTO A Constituição Federal de 1.988 reconhece a família como base da sociedade e considera

Leia mais

Direito de Família. Consuelo Huebra

Direito de Família. Consuelo Huebra Direito de Família Consuelo Huebra Casamento A lei só admite o casamento civil, mas o casamento religioso pode produzir efeitos civis na forma dos arts.1515 e 1516, C.C. Parentesco Natural pessoas que

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

2- Princípio da Solidariedade Social:

2- Princípio da Solidariedade Social: Princípios do direito de família: CF 1 ): 1- Princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, III, É um dos fundamentos da República Federativa do Brasil (não é o objetivo, não confundir), significa

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 8. DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam.

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS 1. Quanto à fonte: a) Alimentos legais: fixados pela lei, fundamentados no direito de família, decorrentes do casamento, ou união estável ou da relação de parentesco

Leia mais

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil.

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil. AS IMPLICAÇÕES DOS IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS NA UNIÃO ESTÁVEL. Ana Elizabeth Lapa Wanderley Cavalcanti (advogada em São Paulo, mestre em Direito civil e doutoranda em Direito civil comparado pela PUC/SP,

Leia mais

DA DOAÇÃO. É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra

DA DOAÇÃO. É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra DAS VÁRIAS ESPÉCIES DE CONTRATO DA DOAÇÃO É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra Unilateral, porque envolve prestação de uma só das

Leia mais

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Leia mais

Usucapião. É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada. Tem como fundamento a função social da propriedade

Usucapião. É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada. Tem como fundamento a função social da propriedade Usucapião É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada Tem como fundamento a função social da propriedade!1 Requisitos da posse ad usucapionem Posse com intenção de dono (animus

Leia mais

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Sucessão dos Descendentes (art. 1833, CC) É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Neto 1 Neto

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Nota à 4ª edição... XXI Nota à 3ª edição... XXIII Prólogo... XXV

ÍNDICE GERAL. Nota à 4ª edição... XXI Nota à 3ª edição... XXIII Prólogo... XXV ÍNDICE GERAL Nota à 4ª edição................................................................... XXI Nota à 3ª edição................................................................... XXIII Prólogo.......................................................................

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL EFICÁCIA JURÍDICA Atualizado em 12/01/2016 NACIONALIDADE: ARTS. 12 E 13 CF88 A nacionalidade é o vínculo jurídico-civil que liga o indivíduo a um determinado território e é considerada

Leia mais

E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com

E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 1 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Marcelo Coimbra E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com Parte Geral do Direito

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO CIVIL I. Lei de Introdução às Normas de Direito Brasileiro... 002 II. Pessoas Naturais e Pessoas Jurídicas... 013 III. Domicílio e Bens... 025 IV. Dos Fatos Jurídicos... 030 V. Prescrição e Decadência...

Leia mais

Digite o título aqui. Informativo 17/2015

Digite o título aqui. Informativo 17/2015 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui Informativo 17/2015 PUBLICADA LEI QUE PROMOVE ALTERAÇÕES NOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Lei nº 13.135, de 17 de junho de 2015 - DOU de

Leia mais

1) CONCEITO 2) PRESSUPOSTOS 3) MODIFICAÇÕES TRAZIDAS PELO CC/02

1) CONCEITO 2) PRESSUPOSTOS 3) MODIFICAÇÕES TRAZIDAS PELO CC/02 1 ALIMENTOS ARTS. 1.694 A 1.710 1) CONCEITO Há diversidade de conceitos sobre a expressão alimentos, que em lato sensu corresponde ao direito de grande abrangência indo mesmo além da acepção fisiológica,

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02 TEMAS TRATADOS EM SALA ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARTE CIVIL 1) Objeto art. 2º do ECA: a) Criança = 12 anos incompletos. b) Adolescente = 12 e 18 anos. Atenção: Pode o ECA ser aplicado à

Leia mais

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau).

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau). 1 PONTO 1: Parentesco PONTO 2: Filiação PONTO 3: Bem de família PONTO 4: Tutela PONTO 5: Curatela 1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO SOBRE TUTELA E CURATELA 1

ESTUDO DIRIGIDO SOBRE TUTELA E CURATELA 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Campus Norte Curso: Direito Disciplina: Direito de Família Orientadora: MSc. Patrícia Fontanella Acadêmico: ESTUDO DIRIGIDO SOBRE TUTELA E CURATELA 1 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC 2014) QUESTÃO 54 Analise as seguintes assertivas sobre as causas de exclusão de ilicitude no Direito Civil: I. A legítima defesa de terceiro não atua como

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL:

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: Nos termos do art. 20 do Regulamento do Concurso para Ingresso na Carreira do Ministério Público, na correção da prova escrita levar-se-á em conta o saber

Leia mais

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC).

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC). 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8ºDIN-1 e 8º DIN-2 Data: 21/08/12 AULA 07 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 11. Herança Jacente e Vacante (arts. 1.819 a 1.823,

Leia mais

Direito Civil: parte geral. Prof. Thiago Caversan Antunes

Direito Civil: parte geral. Prof. Thiago Caversan Antunes Direito Civil: parte geral Prof. Thiago Caversan Antunes FEMPAR Londrina V Turma de Pós-Graduação Ano 2012 Parte Geral do Código Civil de 2002 - Das pessoas (art. 1º a 69); - Do domicílio (art. 70 a 78);

Leia mais

ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA

ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA Espécies de parentesco e contagem de graus Parentesco CÓDIGO CIVIL/2002,

Leia mais

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

Leia mais

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL Rénan Kfuri Lopes As alterações trazidas pelo novo Código Civil têm de ser constantemente analisadas e estudadas, para que possamos com elas nos familiarizar.

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 2. EMENTA 3. OBJETIVOS CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-39 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL V

1. IDENTIFICAÇÃO 2. EMENTA 3. OBJETIVOS CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-39 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL V 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-39 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL V CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Família: evolução

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A TRANSMISSIBILIDADE DA OBRIGAÇÃO ALIMENTAR E O NOVO CÓDIGO CIVIL Milena Bukowski 1. Introdução Essa matéria sempre foi objeto de controvérsias, motivo pelo qual é interessante desenvolver

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões.

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Para o autor do nosso livro-texto, o Direito de família consiste num complexo de normas que regulam a celebração do casamento e o reconhecimento

Leia mais

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE SUMÁRIO Capítulo 01 SOCIEDADES - CONSIDERAÇÕES GERAIS Capítulo 02 DA DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.1 DAS CAUSAS DE DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.2 DA DISSOLUÇÃO PARCIAL DA

Leia mais

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa.

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa. 1 TIPOS DE EMPRESAS A atividade econômica organizada produtiva pode ser exercida individualmente ou de forma coletiva, objetivando a partilha do resultado. Se a opção for a de Empresário Individual, o

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

DIREITO CIVIL Comentários Prova CETRO ISS/SP 2014 Prof. Lauro Escobar

DIREITO CIVIL Comentários Prova CETRO ISS/SP 2014 Prof. Lauro Escobar ISS/SP 2014) No que tange aos institutos da Prescrição e da Decadência, marque V para verdadeiro ou F para falso e, em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA. ( ) O princípio

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL HOMOAFETIVA

UNIÃO ESTÁVEL HOMOAFETIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos UNIÃO ESTÁVEL HOMOAFETIVA CAROLINA FRATARI FRANCISCHET 1 MARIA TEREZINHA TAVARES 2 RESUMO: A união homoafetiva

Leia mais

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos)

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) INTERPRETAÇÃO Boa-fé e usos do lugar CC113 Os negócios jurídicos devem

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (III) Propriedade

Leia mais

Classificação da pessoa jurídica quanto à estrutura interna:

Classificação da pessoa jurídica quanto à estrutura interna: Classificação da pessoa jurídica quanto à estrutura interna: São consideradas universitas personarum, quando forem uma associação de pessoas, atenderem aos fins e interesses dos sócios. (fins mutáveis)

Leia mais

Juizados Especiais. Aula 3 (05.03.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br.

Juizados Especiais. Aula 3 (05.03.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br. Juizados Especiais Aula 3 (05.03.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br Ementa da aula Competência em razão do objeto Competência territorial Competência de

Leia mais

RELAÇÕES DE PARENTESCO DA FILIAÇÃO

RELAÇÕES DE PARENTESCO DA FILIAÇÃO Cód. barras: STJ00095806 (2012) SUMÁRIO RELAÇÕES DE PARENTESCO DA FILIAÇÃO Definição... 1 Filhos concebidos na constância do casamento. Presunção... 1 Prova da impotência. Adultério da mulher... 2 Direito

Leia mais

CAPACIDADE MATRIMONIAL / IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS / CAUSAS SUSPENSIVAS DO CASAMENTO

CAPACIDADE MATRIMONIAL / IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS / CAUSAS SUSPENSIVAS DO CASAMENTO DIREITO DE FAMÍLIA PROFª. FERNANDA PONTES CAPACIDADE MATRIMONIAL / IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS / CAUSAS SUSPENSIVAS DO CASAMENTO 1.(RJ-33º) Com relação ao instituto do casamento, assinale a opção incorreta.

Leia mais

Bertoldo Mateus de Oliveira Filho. Sumário

Bertoldo Mateus de Oliveira Filho. Sumário Bertoldo Mateus de Oliveira Filho Sumário Capítulo 1 Alimentos 1.1 Nota introdutória...21 1.2 Alcance jurídico da expressão alimentos...23 1.3 Alimentos Características...26 1.3.1 Irrenunciabilidade...26

Leia mais

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA Sumário PARTE GERAL 1. LINDB, DAS PESSOAS, DOS BENS E DO NEGÓCIO JURÍDICO 1. Introdução (DL 4.657/1942 da LINDB) 2. Direito objetivo e subjetivo 3. Fontes do Direito 4. Lacuna da lei (art. 4.º da LINDB)

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ PLANO DE ENSINO Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Unidade Acadêmica de Letras, Ciências Humanas e Sociais Aplicada da Regional Jataí Curso: Direito Disciplina: Direito Civil VI Direito

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 06. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 06. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 06 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Direitos da Personalidade 2. Características (continuação):

Leia mais

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Casamento Casamento É a união permanente entre o homem e a mulher, de acordo com a lei, a fim de se reproduzirem, de se ajudarem mutuamente e de criarem os seus filhos. Washington de Barros Monteiro Capacidade

Leia mais

Regras de Aposentadorias e Pensões

Regras de Aposentadorias e Pensões Seguridade Social: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e

Leia mais

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 3 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da família, 7 1.5 Direito de família, 9 1.5.1

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE USUCAPIÃO

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE USUCAPIÃO NOÇÕES BÁSICAS SOBRE USUCAPIÃO Esp. Andrea M. L. Pasold O (ou A, como preferem muitos doutrinadores a também o novo código civil) usucapião é também chamado de prescrição aquisitiva, por ser um direito

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Direito

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Direito (A) - o afastamento do menor autorizado a se casar contra a vontade dos pais é medida que tem natureza acautelatória. (B) - o protesto contra alienação de bens destina-se a obstar a alienação imaginada

Leia mais

OS FILHOS E O DIVÓRCIO

OS FILHOS E O DIVÓRCIO OS FILHOS E O DIVÓRCIO Luís Otávio Sigaud Furquim Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Especialista em Administração; Pós-graduado em Gestão de Serviços Jurídicos, ambas

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DAS FAMÍLIAS E SUCESSÕES

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DAS FAMÍLIAS E SUCESSÕES Ementa aula 11 de julho de 2013. ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DAS FAMÍLIAS E SUCESSÕES Professora: Fernanda Karam de Chueiri Sanches Tema: Alimentos; Conceito;

Leia mais

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros)

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) PREENCHER O FORMULÁRIO - MEMORIAL - DE CASAMENTO (MODELOS NAS FL 4, 5 E 6), ASSINAR E RECONHECER FIRMA DAS ASSINATURAS

Leia mais

ASPECTOS SUCESSÓRIOS DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA

ASPECTOS SUCESSÓRIOS DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA ASPECTOS SUCESSÓRIOS DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA Rodrigo Toscano de Brito Doutor e Mestre em Direito Civil pela PUC-SP. Professor de Direito Civil da UFPB e UNIPÊ. Membro da Diretoria Nacional do IBDFAM.

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Prefácio...XXIII Nota do Autor...XXV PARTE 1 ESTUDO PRELIMINAR...1

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Prefácio...XXIII Nota do Autor...XXV PARTE 1 ESTUDO PRELIMINAR...1 ÍNDICE SISTEMÁTICO Prefácio...XXIII Nota do Autor...XXV PARTE 1 ESTUDO PRELIMINAR...1 CAPÍTULO 1 NOÇÃO GERAL DE FAMÍLIA...3 1. Conceito de Família...3 2. A Família Greco-Romana...8 3. Novas Diretrizes...13

Leia mais

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Civil (Parte Geral) / Aula 05 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: II) Ausência: Sucessão Definitiva. III)Capacidade: Espécies de Capacidade

Leia mais

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Decreto-lei nº 7.661, de 21 de junho de 1945 Lei de Falências revogado. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA DOS DANOS AUTÔNOMOS!!! 28/07/2015

DIREITO CIVIL TEORIA DOS DANOS AUTÔNOMOS!!! 28/07/2015 DIREITO CIVIL ESTÁCIO-CERS O Dano extrapatrimonial e a sua história Posição constitucional e contribuição jurisprudencial Prof Daniel Eduardo Branco Carnacchioni Tema: O Dano extrapatrimonial e a sua história

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Deve-se propor ação renovatória, com fulcro no art. 51 e ss. da Lei n.º 8.245/1991. Foro competente: Vara Cível de Goianésia GO, conforme dispõe o art. 58, II, da Lei n.º 8.245/1991:

Leia mais

I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas. 1- Contextualização legal e conceitos

I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas. 1- Contextualização legal e conceitos I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas 1- Contextualização legal e conceitos Os arts. 1521 e 1522 e os arts. 1523 e 1524 do vigente Código Civil Brasileiro tratam respectivamente dos impedimentos

Leia mais

A Usucapião Especial Urbana por Abandono do Lar Conjugal

A Usucapião Especial Urbana por Abandono do Lar Conjugal Assunto Especial - Doutrina Usucapião no Direito de Família A Usucapião Especial Urbana por Abandono do Lar Conjugal FLÁVIO TARTUCE Doutor em Direito Civil pela USP, Mestre em Direito Civil Comparado pela

Leia mais

PLANO DE ENSINO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

PLANO DE ENSINO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Instituição: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC Local: CUIABÁ - MT Faculdade: DIREITO Curso: DIREITO Disciplina: Direito de Família - Bioética Carga Horária: 60 horas

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões OBJETIVO Compreender as consequências da ordem de vocação hereditária. ROTEIRO! Da ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação

Leia mais

Fraude contra credores (continuação)

Fraude contra credores (continuação) Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 13 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Fraude contra credores (continuação) OBS1: Fraude

Leia mais

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES]

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES] ... ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS...(nome da Sociedade)... [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL VI Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

Alexander Perazo Direito Civil

Alexander Perazo Direito Civil Alexander Perazo Direito Civil Aulão EVP Receita Federal 1 - ( Prova: ESAF - 2009 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal - Prova 1 / Direito Civil / Lei de Introdução ao Código Civil; )

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. ATIVIDADE EMPRESARIAL X ATIVIDADE NÃO EMPRESARIAL O CC/02 adota

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO E AÇÃO DE DEPÓSITO 1 Parte I AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 2 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação

Leia mais

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt PESSOA NATURAL 1. Conceito: é o ser humano, considerado como sujeito de direitos e deveres. Tais direitos e deveres podem ser adquiridos após o início da PERSONALIDADE, ou seja, após o nascimento com vida

Leia mais

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02:

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 07 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Regime de Bens: Separação de Bens - Consensual e Legal; Participação final nos aquestos. Dissolução

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 286, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 286, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 286, DE 2014 Acrescenta o art. 63-A à Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências, para instituir

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

Guia de Procedimentos

Guia de Procedimentos Guia de Procedimentos Interdição e Inabilitação Versão Leitura Fácil e Pictogramas Índice 1. Introdução O que se pretende com este Guia 2. Linhas de Orientação De que é que trata o Guia de Procedimentos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015 Acrescenta o art. 799-A à Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), para dispor sobre a realização de exame de saúde previamente à contratação de

Leia mais

Responsabilidade Tributária. Dissolução Irregular como Infração à Lei. Prof. Marcus Lívio

Responsabilidade Tributária. Dissolução Irregular como Infração à Lei. Prof. Marcus Lívio Responsabilidade Tributária. Dissolução Irregular como Infração à Lei Prof. Marcus Lívio CTN Art. 135. São pessoalmente responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência

UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência Alguns Princípios do Direito de Família Dignidade da pessoa humana; Solidariedade familiar; Pluralidade de entidades familiares; Igualdade entre

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

A ESSÊNCIA DA CAPACIDADE PARA O DIREITO

A ESSÊNCIA DA CAPACIDADE PARA O DIREITO A ESSÊNCIA DA CAPACIDADE PARA O DIREITO Elton de Souza Moreira Jeanderson Resende de Souza Wesley Ferreira dos Reis SOUZA, G.N. de et al. A essência da capacidade para o direito. Jornal eletrônico da Faculdade

Leia mais

Casamento e União Estável

Casamento e União Estável Casamento e União Estável Profa. Loredana Gragnani Magalhães Professora de Práticas de Processo Civil e de Direito de Família e Sucessões Mestre em Direito Advogada Casamento: Capacidade matrimonial -

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: II somente perderão seus mandatos nos casos de:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: II somente perderão seus mandatos nos casos de: PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 Complementar Dispõe sobre a nomeação e demissão do Presidente e diretores do Banco Central do Brasil e sobre a organização de seu quadro funcional. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Aposentadorias por Tempo de Contribuição e por Idade do. Segurado com Deficiência

Aposentadorias por Tempo de Contribuição e por Idade do. Segurado com Deficiência Art. 70-A. A concessão da aposentadoria por tempo de contribuição ou por idade ao segurado que tenha reconhecido, em avaliação médica e funcional realizada por perícia própria do INSS, grau de deficiência

Leia mais

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira.

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. Temáticas: Casamento União estável: efeitos (Bina); Novas famílias

Leia mais