Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO"

Transcrição

1 Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010

2 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa a sucessão no Brasil, há que se conhecer primeiramente os diversos regime de bens do casamento. 1 REGIME DE BENS NO CASAMENTO O Código Civil lista quatro regimes de casamento, porém, tecnicamente, existem cinco tipos de regime de bens no Brasil, considerando que, inexplicavelmente, aqueles que obrigatoriamente devem se casar pelo regime da Separação de Bens são tratados diferentemente daqueles que convencionalmente casam por esse regime: Comunhão universal de bens, Comunhão parcial regime legal, Separação total de bens convencional, Separação total de bens obrigatória ou legal, Participação final nos aquestos. Além desses regimes o casal ainda pode estar unido por: União Estável, Concubinato. É importante conhecer, em cada uma dessas situações, quais são os bens que se comunicam (Bens Comuns) e os que não se comunicam (Bens Particulares), pois sua mensuração afetará sobremaneira o cálculo da sucessão. 1.1 Comunhão universal de bens Os nubentes que optarem se casar por esse regime precisam fazer pacto antenupcial. São Bens Comuns (aqueles que se comunicam): Comunicam-se todos os bens, presentes e futuros, Comunicam-se os frutos (rendimentos) do conjunto de bens, São Bens Particulares (aqueles que não se comunicam): 1

3 Os bens recebidos por doação ou herança com a cláusula de incomunicabilidade, Os bens gravados de fideicomisso (são os bens recebidos por herança com o compromisso de retransmiti-los a outrem) e os direitos do herdeiro fideicomissário, Os proventos do trabalho pessoal, Pensões, aposentadorias, Os bens de uso pessoal os livros e instrumentos de trabalho. As dívidas contraídas apenas por um dos cônjuges obrigam seus bens particulares e os comuns até o limite da meação. Os bens do outro cônjuge ficam obrigados na razão do proveito que houver auferido. (art. 3 da lei 4121/62) 1.2 Comunhão parcial de bens regime legal Não há necessidade de pacto antenupcial. São Bens Comuns (aqueles que se comunicam): Os bens adquiridos, a título oneroso, na constância do casamento, Os bens adquiridos por fato eventual, Os bens adquiridos por doação, herança ou legado em favor de ambos os cônjuges, Os frutos (rendimentos) dos bens comuns ou dos particulares, percebidos na constância do casamento, As benfeitorias em bens particulares de cada cônjuge, Os bens móveis, quando não se provar que foram adquiridos em data anterior ao casamento, São Bens Particulares (aqueles que não se comunicam): Os bens que cada cônjuge possuir ao casar, Os bens doados, herdados e os sub-rogados em seu lugar, Os bens adquiridos com recursos exclusivos ou sub-rogados em seu lugar, Os proventos do trabalho pessoal, Pensões, aposentadorias, Os bens de uso pessoal os livros e instrumentos de trabalho. 2

4 As obrigações anteriores ao casamento e as provenientes de atos ilícitos, não se comunicam. As dívidas contraídas apenas por um dos cônjuges, na vigência do casamento, obrigam seus bens particulares e os comuns até o limite da meação. Os bens do outro cônjuge ficam obrigados na razão do proveito que houver aferido. (art. 3 da lei 4121/62) 1.3 Separação de bens - convencional Os nubentes que optarem se casar por esse regime precisam fazer pacto antenupcial. Os bens não se comunicam permanecendo sob a administração exclusiva de cada um dos cônjuges. Não existem bens comuns, portanto, existem apenas bens particulares. As dívidas contraídas por um dos cônjuges não se comunicam. O cônjuge sobrevivo é herdeiro do cônjuge falecido, apesar de recentes decisões do STJ (equivocadas?) determinar que o cônjuge não é herdeiro. 1.4 Separação de bens obrigatória É uma imposição normativa para os que casam com mais de 70 anos, e aos que dependem de suprimento judicial e quando há causas suspensivas da celebração do casamento. Os bens particulares não se comunicam permanecendo sob a administração exclusiva de cada um dos cônjuges. Deve-se observar que em virtude de ser um regime de bens imposto pela legislação, entende-se que os bens adquiridos pelo esforço comum de ambos os cônjuges, são bens comuns, e portanto, comunicáveis. (súmula 377 STF Sociedade de fato), o que transforma esse regime em comunhão parcial! O cônjuge sobrevivo NÃO é herdeiro do cônjuge falecido, o que sob certo aspecto, dá margens à burla desse regime, pois um dos cônjuges pode doar metade de seu patrimônio ao outro consorte, sem que este tenha o dever de colacionar as doações no caso de falecimento do doador. 1.5 Participação final nos aquestos Os nubentes que optarem se casar por esse regime precisam fazer pacto antenupcial. 3

5 Enquanto vigente a sociedade conjugal, os bens não se comunicam permanecendo, como no regime de separação de bens, sob a administração exclusiva de cada um dos cônjuges. À época da dissolução da sociedade conjugal, por falecimento, separação ou divórcio, verificar-se-á a meação do cônjuge sobrevivente, à semelhança do regime de comunhão parcial de bens. São considerados bens comuns apenas aqueles adquiridos onerosamente durante o casamento. Não se comunicam os bens anteriores ao casamento, os sub-rogados, os recebidos por sucessão ou por liberalidade. As dívidas contraídas apenas por um dos cônjuges, na vigência do casamento, obrigam seus bens particulares e os comuns até o limite da meação. Os bens do outro cônjuge ficam obrigados na razão do proveito que houver aferido. 1.6 UNIÃO ESTÁVEL Questão interessante é a dos direitos sucessórios daqueles que vivem em União Estável, os companheiros ou conviventes. O Código Civil, ao regular a matéria, o fez em um único dispositivo, o artigo 1790, entre as disposições gerais do Capítulo destinado ao direito das sucessões, fora da ordem de vocação hereditária. Entretanto, mesmo assim, prevê o Diploma Legal, o direito do companheiro ou companheira, em participar da sucessão do outro quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável. Desta maneira, quanto a esses bens, o companheiro ou companheira terá direito à meação (50,0%) e participará como herdeiro dos outros 50,0% em concorrência com parentes do falecido até o quarto grau. Não havendo parentes sucessíveis terá direito à totalidade da herança. O código civil determina que a união estável é a convivência pública, contínua duradoura, estabelecida com o objetivo de constituição de família. (art.1723 CC) Não havendo contrato escrito, aplicam-se às relações patrimoniais, o regime da Comunhão Parcial de Bens. (art CC) A União Estável entre um homem e uma mulher é reconhecia como entidade familiar pela legislação pátria, configurada pela convivência pública, contínua e duradoura, estabelecida com o objetivo de constituição de família. Não é exigido Contrato escrito entre os conviventes, porém é aconselhável que ele exista. 4

6 O contrato de convivência não cria a União Estável, esta se verifica pelo comportamento dos parceiros, não pela vontade manifestada por escrito. A dissolução da União Estável deverá ser feita no juízo de família, através de Ação Declaratória de Reconhecimento e Dissolução de União Estável. A data do contrato de convivência permite estabelecer um marco inicial a partir do qual se presume o inicio da união. O contrato poderá ser celebrado a qualquer momento, antes ou após o início da união, quando então regulará situações pretéritas, atuais e futuras, e terá efeito retroativo. Havendo um contrato de convivência escrito, este autoriza os sujeitos de uma união estável regular os reflexos dessa relação, ou mais precisamente, afastar a incidência da presunção de condomínio. O contrato pode abranger a totalidade dos bens ou apenas parte deles. Poderá ser específico e incidir sobre determinados bens e não sobre outros. Poderão as partes, por exemplo, afastar o condomínio sobre participações acionárias mantendo-o sobre imóveis. O contrato poderá situar no tempo a participação de cada companheiro. Por exemplo: Bens anteriores ao contrato têm um destino, os posteriores, outro. A lei estabelece que os bens adquiridos na constância da sociedade conjugal pertencem a ambos os cônjuges. Para companheiros maiores de 70 anos é importante a existência de contrato escrito de convivência com a finalidade de afastar a presunção de condomínio, registrando a efetiva separação total de bens adquiridos durante a União Estável, o que suscitaria dúvidas na falta do pacto. Existirá maior segurança ao contrato de convivência quando realizado por instrumento público ou por instrumento particular levado a registro em Títulos e Documentos, com a presença de testemunhas. Muito embora não se estenda à União Estável a exigência de consentimento do companheiro (outorga uxória) é conveniente que este compareça em escrituras de compra e venda para evitar futuros litígios. A administração do patrimônio caberá àquele que se apresentar juridicamente como titular do bem ou direito. 1.7 CONCUBINATO As relações não eventuais entre homem e mulher, impedidos de casar, constituem concubinato. 5

7 Existem situações que regem as relações patrimoniais entre os companheiros que vivem em concubinato: a) O companheiro contribui efetiva e comprovadamente para a formação do patrimônio comum. Neste caso ele tem direito à meação desse patrimônio comum em razão existir uma sociedade de fato entre ambos. (Súmula 380 STF). b) O companheiro que não participa da formação do patrimônio comum não tem direito à meação, porém pode ter direito a uma reparação de acordo com o tempo e a intensidade desse relacionamento. Deve-se ter em mente que ante o princípio de que pode pedir reparação toda pessoa que demonstre ter sofrido um prejuízo, um companheiro privado de uma proteção patrimonial tem legitimidade para pleitear alimentos (pensão). 2 SUCESSÃO A sucessão de uma pessoa falecida opera-se da seguinte maneira: 2.1 Determinação do Acervo Hereditário O acervo hereditário de um indivíduo solteiro, viúvo, divorciado ou separado é composto da totalidade de seus bens. Sendo casado, deve-se apartar os bens particulares e a meação do cônjuge sobrevivente do patrimônio total do casal para se determinar o acervo hereditário. 6

8 Patrimônio do Casal Bens Particulares Bens Comuns Cônjuge Cônjuge falecido sobrevivente do cônjuge falecido Meação (50%) Meação (50%) Bens Particulares do cônjuge sobrevivente Acervo Hereditário Bens Particulares do cônjuge falecido + Meação Bens que serão partilhados Parte Legítima Parte Disponível (50%) (50%) Reservado aos herdeiros necessários Livre disposição através de testamento A meação do cônjuge sobrevivente e seus bens particulares não integram o acervo hereditário do falecido. Possuindo herdeiros necessários, uma pessoa não pode dispor livremente de seus bens. A lei garante a esses herdeiros, 50% de seu acervo hereditário é a chamada legítima. Os outros 50% são livremente partilhados via testamento ou doações em vida é a parte Disponível. Os herdeiros necessários são os descendentes, os ascendentes e o cônjuge. Os outros parentes até o quarto grau não são herdeiros necessários, podendo ser preteridos por disposição testamentária. A companheira da União Estável, também não é herdeira necessária, podendo sua herança, da mesma forma, ser preterida em testamento. Os graus de parentesco são medidos por geração, assim os pais são parentes de 1º grau, os irmãos de 2º grau, os sobrinho de 3º grau, os sobrinhos-netos de 4º grau. Após o quarto grau não há parentesco. O testamente deixado por um indivíduo somente pode referir-se aos bens da parte Disponível. A meação do cônjuge sobrevivente é definida de acordo com o regime de bens do casamento ou da união: 7

9 Regime do Casamento ou União Comunhão Universal de bens (art ss) Comunhão Parcial de bens (art ss) Separação Convencional de bens (art ss) Separação Obrigatória ou legal de bens (art. 1641) Participação final nos aquestos (art ss) União Estável (art ss) Concubinato (art. 1727) 50% dos bens comuns 50% dos bens comuns Não há meação Meação do cônjuge sobrevivente pelo esforço comum (sociedade de fato) súmula 377 STF onerosamente durante o casamento onerosamente na vigência da união estável pelo esforço comum súmula 380 STF 2.2 Partilha do Acervo Hereditário A partilha da Legítima é feita por classes de herdeiros seguindo ordem hierárquica estabelecida por lei. Não havendo testamento todo o acervo hereditário (legítima mais disponível) também será partilhado pela mesma ordem hierárquica estabelecida em lei. 1ª classe de herdeiros Os descendentes em concorrência com o cônjuge. (art. 1829, I) Os descendentes e o cônjuge ou companheiro são chamados em primeiro lugar para receber sua parte na herança. O cônjuge ou o companheiro, além de meeiros, também são herdeiros, dependendo do regime de casamento ou união. 1 1 Art : Somente é reconhecido direito sucessório ao cônjuge sobrevivente se, ao tempo da morte do outro, não estavam separados judicialmente, nem separados de fato há mais de dois anos, salvo prova, neste caso, de que essa convivência se tornara impossível sem culpa do sobrevivente. 8

10 Regime de Bens Meação do Cônjuge Herança do cônjuge Herança dos descendentes Comunhão Universal 50% dos bens Não herda. Herdam 50% dos bens comuns. Comunhão Parcial 50% dos bens comuns. Herda os bens particulares em concorrência com os descendentes (reserva de ¼ da herança se ascendente dos herdeiros que concorrer, art. 1832) Herdam os bens particulares em concorrência com o cônjuge e 50% dos bens comuns sem concorrência do cônjuge. Separação Convencional 2 Não há meação Não há bens comuns, somente bens particulares. Herda os bens particulares em concorrência com os descendentes (reserva de ¼ da herança se ascendente dos herdeiros que concorrer, art. 1832) Herdam os bens particulares em concorrência com o cônjuge. Separação Obrigatória (separação legal) 3 pelo esforço comum (sociedade de fato) súmula 377 STF Não Herda. Herdam 100% do acervo. Participação final nos aquestos onerosamente durante o casamento. Herda os bens particulares em concorrência com os descendentes (reserva de ¼ da herança se ascendente dos herdeiros que concorrer, art. 1832) Herdam os bens particulares em concorrência com o cônjuge e 50% dos bens comuns sem concorrência do cônjuge. União Estável 4 Concubinato 5 onerosamente na vigência da União Estável, caso outra proporção não estiver especificada no título aquisitivo do bem. pelo esforço comum. (súmula 380 STF) Herda em concorrência com descendentes 50% dos bens adquiridos onerosamente durante a união estável. Art. 1790, I e II Não Herda Herdam em concorrência com o convivente 50% dos bens adquiridos onerosamente durante a união estável, mais todo o acervo hereditário restante, sem concorrência do convivente. Herdam 100% do acervo. Art. 1832: Ao cônjuge herdeiro caberá quinhão igual aos descendentes do falecido, não podendo sua quota ser inferior a quarta parte da herança, se for ascendente dos herdeiros que concorrer. 2 Jurisprudência: Viúva casada com o autor da herança no regime de separação convencional de bens - Direito de sucessão legítima em concorrência com a filha do falecido - Inteligência do art , l, do Código Civil. Vedação que somente ocorre, entre outras causas, se o regime de casamento for o de separação obrigatória de bens - Recurso improvido. TJSP - 3." Câmara de Direito Privado - Agravo de Instrumento / Relator: Dês. Flávio Pinheiro - Data do julgamento: Votação: recurso improvido. 3 Súmula 377 STF: No regime de separação legal de bens, comunicam-se os adquiridos na constância do casamento. 4 Existe controvérsia doutrinária a respeito da participação do convivente na União Estável - Vide Anexo 6.2 Direito Sucessório Decorrente da União Estável, ao final do Capítulo. 5 Súmula 380 STF: Comprovada a existência de sociedade de fato entre os concubinos, é cabível sua dissolução judicial com a partilha do patrimônio adquirido pelo esforço comum. 9

11 Art. 1790, I e II: Na união estável se o convivente concorrer com descendentes só do autor da herança, tocar-lhe-á metade do que couber a cada um deles; caso contrário terá direito a uma quota equivalente à que por lei for atribuída ao(s) filhos(s). Situação curiosa se configurará no caso previsto no artigo CC entendendo ser possível reconhecer a União Estável na hipótese de pessoa casada, no papel, mas separada de fato. No caso, o convivente participará dos bens adquiridos na vigência da União Estável e a esposa dos demais, de acordo com seu regime de casamento. Observada a limitação do art CC. 6 2ª classe de herdeiros Os ascendentes em concorrência com o cônjuge. (art. 1829, II) Em não havendo descendentes, os ascendentes e o cônjuge ou companheiro são chamados para receber sua parte na herança. Também aqui, o cônjuge ou o companheiro além de meeiros, são herdeiros em concorrência com os ascendentes. 6 Jurisprudência: agravo de instrumento. alegação de carência de ação que se confunde com o mérito. impossibilidade de acolhimento liminar. TJRS A.I Des. Rui Portanova. O art , 1º, do novo código civil entende possível reconhecer a união estável na hipótese de pessoa casada (no papel) mas separada de fato. logo, não há falar liminarmente em acolhimento da alegação de carência de ação, se no mérito há fatos a serem investigados. agravo desprovido. 10

12 Regime de Bens Meação do Cônjuge Herança do cônjuge Herança dos ascendentes Comunhão Universal, Comunhão Parcial, Participação final nos aquestos. 50% dos bens comuns. Herda em concorrência com os ascendentes todo o acervo hereditário restante, composto de 50% dos bens comuns e 100% dos bens particulares. Art Herda em concorrência com o cônjuge todo o acervo hereditário restante, composto de 50% dos bens comuns e 100% dos bens particulares. Art Separação Convencional Não há meação. Herda em concorrência com os ascendentes todo o acervo hereditário. Art Herda em concorrência com o cônjuge todo o acervo hereditário. Art Separação Obrigatória pelo esforço comum (sociedade de fato) súmula 377 STF Herda em concorrência com os ascendentes todo o acervo hereditário restante, composto de 50% dos bens comuns e 100% dos bens particulares. Art Herda em concorrência com o cônjuge todo o acervo hereditário restante, composto de 50% dos bens comuns e 100% dos bens particulares. Art União Estável onerosamente na vigência da União Estável, caso outra proporção não estiver especificada no título aquisitivo do bem. Herda em concorrência com os ascendentes 1/3 do saldo dos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável. Art. 1790, III Herdam em concorrência com o convivente 2/3 do saldo dos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, mais todo o acervo hereditário restante, sem concorrência do convivente. Concubinato pelo esforço comum. Não Herda Herdam 100% do acervo hereditário. Art. 1837: Concorrendo com ascendente em primeiro grau (os pais do falecido), ao cônjuge tocará um terço da herança; caber-lhe-á metade desta se houver um só ascendente ou se maior aquele grau (avós do falecido). 3ª classe de herdeiros O cônjuge sobrevivente. (art. 1829, III) Em não havendo descendentes nem ascendentes, o cônjuge ou companheiro são chamados para receber sua parte na herança. Também aqui, o cônjuge ou o companheiro além de meeiros, são herdeiros. 11

13 Regime de Bens Meação do Cônjuge Herança do cônjuge Outros parentes sucessíveis até o quarto grau Comunhão Universal, 50% dos bens comuns. Herda todo o acervo Não herdam Comunhão Parcial, Participação final nos aquestos. Art Separação Convencional Não há meação. Herda todo o acervo Art Não herdam Separação Obrigatória 7 pelo esforço comum (sociedade de fato) súmula 377 STF Herda todo o acervo Art Não herdam União Estável 8 onerosamente na vigência da União Estável, caso outra proporção não estiver especificada no título aquisitivo do bem. Herda em concorrência com os outros parentes sucessíveis 1/3 do saldo dos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável. Art. 1790, III Herdam em concorrência com o convivente 2/3 do saldo dos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, mais todo o acervo hereditário restante, sem concorrência do convivente. (*) Concubinato pelo esforço comum. Não Herda Herdam todo acervo hereditário restante. (*) Na união estável, não havendo parentes sucessíveis até o quarto grau, o companheiro herda 100% do acervo hereditário do falecido. Porém, não sendo o companheiro herdeiro necessário, o testador pode dispor de seus bens, respeitando-se apenas a participação daquele no acervo. 4ª classe de herdeiros Os colaterais (art. 1829, IV) Na falta de descendentes, ascendente, cônjuge ou companheiro, são chamados a suceder os colaterais até o quarto grau. 7 Jurisprudência: A.I. n , Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Luiz Felipe Brasil Santos, Julgado em 13/08/2003 (...) inteligência dos arts. 1829, I e 1838, ambos do novo código civil brasileiro. O cônjuge supérstite casado sob o regime de separação obrigatória de bens só herda se não houver descendentes. Na falta de descendentes, herdará em concorrência com o ascendente. Em falta de descendentes e ascendentes, a sucessão é a ele deferida por inteiro. Rejeitaram as preliminares suscitadas pelo agravado, negando provimento ao recurso. Unânime. (segredo de justiça) 8 Jurisprudência: A.I. n DES. MARCUS FAVER - Julgamento: 16/03/ DECIMA OITAVA CAMARA CIVEL - TJRJ Inventário. Sucessão aberta após a vigência do novo Código Civil. Direito sucessório da companheira em concurso com irmãos do obituado. Inteligência do art. 1790, III da novel legislação. Direito a um terço da herança Inocorrência de inconstitucionalidade. Não há choque entre o Código e a Constituição na parte enfocada A norma do art º da Constituição Federal não equiparou a união estável ao casamento nem tão pouco dispôs sobre regras sucessórias. As disposições do Código Civil sobre tais questões podem ser consideradas injustas, mas não contêm eiva de inconstitucionalidade. Reconhecimento dos colaterais como herdeiros do "de cujus". Provimento do recurso. 12

14 5ª classe de herdeiros O Município Na falta parentes sucessíveis ou companheiro, a herança se devolve ao Município ou ao Distrito Federal. (art. 1844) 13

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS DIREITO CIVIL REGIME DE BENS 1 1. Princípios a) P. da autonomia da vontade (1.639); b) P. da garantia da ordem pública (1.640); c) P. da definitividade do regime (1.639); d) P. da vedação ao enriquecimento.

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões OBJETIVO Compreender as consequências da ordem de vocação hereditária. ROTEIRO! Da ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS 23 A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS Adrieli Aline Frias 1 Daniele Garcia 2 Niagara Sabrina 3 Ynaia Medina Long 4 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES Direito Civil Aula 3 Delegado Civil Sandro Gaspar Amaral DIREITO DAS SUCESSÕES PRINCÍPIO DE SAISINE (art. 1784, CC): transmissão da propriedade e da posse no exato momento da morte. NORMA VIGENTE (art.

Leia mais

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite A predominância de uma posição mais solidária entre os membros

Leia mais

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02:

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 07 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Regime de Bens: Separação de Bens - Consensual e Legal; Participação final nos aquestos. Dissolução

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL Zeno Veloso 1 No palco em que se desenrolam as relações jurídicas da sucessão legítima, um personagem ganhou papel de grande destaque, podendo-se afirmar que é

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL DE CASAIS DO MESMO SEXO Prefácio: A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecendo a união de casais do mesmo sexo e ofertando a esses o mesmo grau de legalidade

Leia mais

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado de Minas Gerais. Autor do Livro Direito de Família, publicado em 2005, pela Editora Atenas. Professor de Direito de Família e Sucessões na Unifenas,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº Dados Básicos Fonte: 70039973367 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/06/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:14/06/2011 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Porto Alegre Relator:

Leia mais

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal.

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 06 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão

Leia mais

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil 1. Intróito Inacio de Carvalho Neto Professor de Direito Civil da Unifoz, da Unipar, do CIES, da Escola do Ministério Público e da Escola da

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha EDUARDO MACHADO ROCHA Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões da Comarca de Dourados (MS). Pós-graduado - Especialização em Direito Processual Civil. Professor de Direito Civil na Unigran - Universidade

Leia mais

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado

Leia mais

I miii mil mil um um um mu um mi m

I miii mil mil um um um mu um mi m ACÓRDÃO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N I miii mil mil um um um mu um mi m *03071141* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 994.08.058146-0, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO DE DIREITO FAMÍLIA PONTO 1: SUCESSÃO PONTO 2: PRINCÍPIOS ORIENTADORES; SUCESSÃO LEGÍTIMA E TESTAMENTÁRIA, EXCLUSÃO DOS HERDEIROS; PONTO 3: ESPÉCIES DE HERDEIROS, CESSÃO DE DIREITOS;

Leia mais

Nº 70021504923 COMARCA DE PELOTAS ESTELA MARIA CIRNE MAGALHAES NOEMIA MARIA PINHEIRO CIRNE

Nº 70021504923 COMARCA DE PELOTAS ESTELA MARIA CIRNE MAGALHAES NOEMIA MARIA PINHEIRO CIRNE AGRAVO DE INSTRUMENTO. PARTILHA. REGIME DE BENS. INEXISTÊNCIA DE MEAÇÃO SOBRE BEM CLAUSULADO. REGIME DE SEPARAÇÃO TOTAL DE BENS. HERANÇA. CONCORRÊNCIA SUCESSÓRIA DO CÔNJUGE VIVO COM OS DESCENDENTES DO

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net 5 5.1. Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Os Negócios Jurídicos Da União Estável E Terceiros De Boa-fé Maíta Ponciano Os Casais que vivem união estável DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS DA UNIÃO ESTÁVEL E TERCEIROS DE BOA-FÉ. Desde

Leia mais

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Ano III nº 12 (I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Barbara Brentani Lameirão Roncolatto Luiz Henrique Cruz Azevedo 01. Em 7 de outubro de 2008,

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO SOBREVIVENTE DE ACORDO COM O CÓDIGO CIVIL DE 2002 CURITIBA 2014 DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO

Leia mais

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO COSTA PARECER Direito das Sucessões. Situação jurídica do companheiro ou companheira comparada com o status jurídico dos cônjuges. Constitucionalidade da distinção entre os

Leia mais

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros)

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) PREENCHER O FORMULÁRIO - MEMORIAL - DE CASAMENTO (MODELOS NAS FL 4, 5 E 6), ASSINAR E RECONHECER FIRMA DAS ASSINATURAS

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

Planejamento Sucessório. Bens localizados no Exterior

Planejamento Sucessório. Bens localizados no Exterior Planejamento Sucessório Bens localizados no Exterior Regras de Sucessão Parcela Legítima x Parcela Disponível 50% Legítima Obrigatoriamente dos Herdeiros Necessários 50% Disponível Pode dispor como desejar

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO Valéria Edith Carvalho de Oliveira 1 Sumário: 1 Introdução. 2 O direito sucessório do cônjuge separado de fato. 3. O direito sucessório do cônjuge separado

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá)

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) Altera o inciso I do art. 1.829 da Lei nº 10.406 de 10 de janeiro de 2002; tendo parecer da Comissão de Seguridade

Leia mais

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a que se pretende responder através deste estudo refere-se

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO TABELIÃO (PRESTADOR DE SERVIÇO PÚBLICO EM CARÁTER PRIVADO)... 5 1.3 NOVA LEI HOMENAGEIA

Leia mais

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Sucessão dos Descendentes (art. 1833, CC) É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Neto 1 Neto

Leia mais

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões 1) Que é herança jacente: a) Herança que não existe herdeiros, salvo o estado b) Herança que tem que ser dividida entre os pais e cônjuge c) Herança que tem que ser dividida entre irmãos d) Herança deixada

Leia mais

ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA Norberto Ungaretti Desembargador Aposentado Sob a denominação Da Ordem da Vocação Hereditária abrese o Capítulo I do Título dedicado pelo novo Código Civil à sucessão legítima

Leia mais

PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO

PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO Ricardo Lacaz Martins 20/03/2012 Sumário da aula 1. Objetivos a serem alcançados com o Planejamento Sucessório 2. Regime de bens e sucessão

Leia mais

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83 1 Noções introdutórias, 1 1.1 Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões, 1 1.2 Direito das sucessões no direito romano, 2 1.3 Ideia central do direito das sucessões, 4 1.4 Noção de herança,

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO.

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO. SUCESSÕES Direito das sucessões. Recurso especial. Inventário. De cujus que, após o falecimento de sua esposa, com quem tivera uma filha, vivia, em união estável, há mais de trinta anos, com sua companheira,

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável DIREITO DE FAMÍLIA Concubinato X União estável Concubinato Até a CF/88 nós tínhamos o chamado concubinato. E o que é concubinato? Pessoas que viviam como se casados fossem. Com a CF/88, art. 226, 3º1,

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva INVENTÁRIO Dois sentidos para o mesmo vocábulo: Liquidação do acervo hereditário (registro, descrição, catalogação dos bens). Procedimento especial

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA POSSIBILIDADE DO COMPANHEIRO SOBREVIVENTE SER MEEIRO E HERDEIRO QUANTO AOS BENS ADQUIRIDOS ONEROSAMENTE NA CONSTÂNCIA DA UNIÃO ESTÁVEL MARINGÁ PR 2013

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL REVISTA JURÍDICA da UniFil, Ano I - nº 1 105 A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL 1 Inacio de Carvalho Neto * RESUMO O presente artigo aborda as alterações ocorridas no âmbito do

Leia mais

1. DIREITO PATRIMONIAL DISPOSIÇÕES GERAIS.

1. DIREITO PATRIMONIAL DISPOSIÇÕES GERAIS. 1. DIREITO PATRIMONIAL DISPOSIÇÕES GERAIS. O direito patrimonial trata da relação de bens (interesse monetário) no direito de família. Essa é a conseqüência jurídica do casamento em relação ao patrimônio.

Leia mais

Aula 008 Da Sucessão Testamentária

Aula 008 Da Sucessão Testamentária Aula 008 Da Sucessão Testamentária 3.5 Disposições Testamentárias 3.5.1 Regras gerais 3.5.2 Espécies de disposições 3.5.2.1 Simples 3.5.2.2 Condicional 3.5.2.3 A Termo ou a prazo 3.5.2.4 Modal 3.5.2.5

Leia mais

Sucessão que segue as regras da lei quando: DIREITO DAS SUCESSÕES

Sucessão que segue as regras da lei quando: DIREITO DAS SUCESSÕES DIREITO DAS SUCESSÕES I. SUCESSÃO EM GERAL II. SUCESSÃO LEGÍTIMA III. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA IV. INVENTÁRIO E PARTILHA SUCESSÃO LEGÍTIMA 1. Conceito 2. Parentesco 3. Sucessão por direito próprio e por

Leia mais

Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial

Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial Ribeirão Preto/SP, 16 de outubro de 2013. Aos cuidados: Notários Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial Caríssimo, A atividade notarial é uma atividade indispensável à sociedade, onde o titular

Leia mais

Estatuto das Familias

Estatuto das Familias Estatuto das Familias Princípios: a dignidade da pessoa humana, a solidariedade familiar, a igualdade de gêneros, de filhos e das entidades familiares, a convivência familiar, o melhor interesse da criança

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.377.084 - MG (2013/0083914-0) RECORRENTE REPR. POR ADVOGADOS INTERES. : GERALDO SEBASTIÃO DA SILVA - ESPÓLIO : APARECIDA JOANA DA SILVA PAIVA - INVENTARIANTE : PAULO EDUARDO ALMEIDA

Leia mais

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade Fazer um testamento público 1Harmonia O testamento evita brigas de família e disputas patrimoniais entre os herdeiros acerca dos bens deixados pelo falecido. 2Tranquilidade O testamento pode ser utilizado

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS

DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS DIREITO DAS SUCESSÕES REGIME DE BENS Prof.Dicler Direito das Sucessões é o conjunto de normas que disciplinam a transferência do patrimônio (ativo e passivo créditos e débitos) de alguém, depois de sua

Leia mais

A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido

A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido Por Rodrigo Aita I INTRODUÇÃO Durante a vigência do Código Civil de 1916, até a entrada em vigor da Lei do Divórcio

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE Fernanda Garcia Escane Mestranda em Direito Civil comparado pela PUC/SP. Palestrante na Ordem dos Advogados do Brasil de Santo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.117.563 - SP (2009/0009726-0) RECORRENTE : SANDRA APARECIDA PENARIOL DUARTE ADVOGADOS : FRANCISCO CASSIANO TEIXEIRA E OUTRO(S) RENATO OLIVEIRA RAMOS RECORRIDO : ROSEMARI APARECIDA

Leia mais

Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias

Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias Maria Berenice Dias Advogada Ex-desembargadora do Tribunal de Justiça do RS Vice-Presidente Nacional do IBDFAM www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

HERANÇA. Danilo Santana

HERANÇA. Danilo Santana A RELAÇÃO HERANÇA Danilo Santana HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO A RELAÇÃO HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO HERANÇA Danilo Santana Advogado, graduado em Direito pela PUC-MG, membro efetivo

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões.

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões. No Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais são regis- trados os atos mais importantes da vida de uma pessoa, como o nascimento, o casamento e o óbito, além da emancipação, da interdição, da ausência

Leia mais

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 (Escrituras de Inventário, Separação e Divórcio) Antonio Carlos Parreira Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões de Varginha MG Art.

Leia mais

CONCEITO DE INVENTÁRIO

CONCEITO DE INVENTÁRIO DIREITO CIVIL Inventário e Partilha CONCEITO DE INVENTÁRIO Inventárioéoprocedimentojudicialatravésdoqual será realizado o levantamento dos bens, valores, dívidas e sucessores do autor da herança. OBJETIVO

Leia mais

COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS E SUAS IMPLICAÇÕES

COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS E SUAS IMPLICAÇÕES COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS E SUAS IMPLICAÇÕES Christiane Nascimento Gieseke SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO 2. REGIME DE BENS DO CASAMENTO 3. COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS 3.1- BENS EXCLUÍDOS DA COMUNHÃO 3.2- DÍVIDAS

Leia mais

Considerações sobre a administração e o regime de bens entre os cônjuges RÉNAN KFURI LOPES

Considerações sobre a administração e o regime de bens entre os cônjuges RÉNAN KFURI LOPES Considerações sobre a administração e o regime de bens entre os cônjuges RÉNAN KFURI LOPES Sumário: I-O Pacto Antenupcial - II-A Administração dos Bens do Casal - III- Os Regimes de Bens - III.1-Comunhão

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO GODOY, Nilza Tiemi Nagaoka RESUMO O Direito das Sucessões apresenta muitos aspectos polêmicos diante de lacunas deixadas pelo legislador.

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente Prof. Ms. Tatyane Karen da Silva Goes ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Falecendo a pessoa ab intestato, a herança

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 Adriana Goulart Spanholi 2 RESUMO: O presente artigo tem por objetivo demonstrar e analisar as mudanças trazidas no campo do direito sucessório, especialmente

Leia mais

4.5 Oposição das causas suspensivas. 5 Do processo de habilitação para o casamento. 5.1 Documentos exigidos. 5.2 Do processo de habilitação. 5.

4.5 Oposição das causas suspensivas. 5 Do processo de habilitação para o casamento. 5.1 Documentos exigidos. 5.2 Do processo de habilitação. 5. Disciplina: Direito Civil V Departamento: Direito Privado FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Docente Responsável: William Bedone Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 5º ano Objetivos: Finalizar

Leia mais

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões O conhecimento quando compartilhado é muito melhor, pois, todos são beneficiados com novas formas de enxergar o mundo Paulo Henrique 2015 1 DIREITO CIVIL 6 Conteúdo

Leia mais

Revista IOB de Direito de Família

Revista IOB de Direito de Família Revista IOB de Direito de Família. 51 Dez Jan/2009 Conselho Editorial Álvaro Villaça Azavedo Gustavo José Mendes Tepedino Priscila M. P. Correa da Fonseca Sérgio Resende de Barros Considerações Acerca

Leia mais

1959 Direito de Família e Sucessões Parte 1 Do Direito de Família 1. Família. Conceito. Família e sociedade. Suas diferentes formas. Constituição de 1946 a espeito. Direito de Família. 2. Esponsais. Breve

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações Maria Berenice Dias Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA DAR INÍCIO AO PROCESSO DE HABILITAÇÃO PARA CASAMENTO CIVIL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

INFORMAÇÕES PARA DAR INÍCIO AO PROCESSO DE HABILITAÇÃO PARA CASAMENTO CIVIL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS OFICIAL DE REGISTRO CIVILDAS PESSOAS NATURAIS DO 27º SUBDISTRITO TATUAPÉ Rua Coronel Luiz Americano, 228, Tatuapé São Paulo SP 100 metros da Estação Metrô Tatuapé e-mail: casamento@cartoriotatuape.com.br

Leia mais