Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório"

Transcrição

1 Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito Civil Faculdade de Direito da USP Diretora da Região Sudeste do IBDFAM

2 Perfil do Direito das Sucessões Transmissão da titularidade de direitos e obrigações que compunham o acervo de quem falece. Principais pressupostos: a morte, que põe fim à existência da pessoa natural; a vocação hereditária ria: instituída pelo falecido ou pela lei, no silêncio daquele. Profª Giselda Hironaka 2

3 Ordem da vocação hereditária ria A ordem de vocação hereditária ria é uma relação preferencial, estabelecida pela lei, das pessoas que são chamadas a suceder ao finado. A lei faz a escolha dos chamados a herdar, colocando-os na ordem preferencial que imagina ser a querida pelo falecido. Profª Giselda Hironaka 3

4 Sucessão legítima e ordem da vocação hereditária ria Art A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - aos descendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente, salvo se casado este com o falecido no regime da comunhão universal, ou no da separação obrigatória de bens (art , único); ou se, no regime da comunhão parcial, o autor da herança não houver deixado bens particulares; II - aos ascendentes, em concorrência com o cônjuge; III - ao cônjuge sobrevivente; IV - aos colaterais. Profª Giselda Hironaka 4

5 Parentesco consangüí üíneo: tipos e graus Linha reta consangüí üínea: Descendentes: filhos, netos, bisnetos, etc Ascendentes: pais, avós, bisavós, etc Linha colateral consangüí üínea: Os demais parentes: irmãos (2º grau), sobrinhos e tios (3º grau), primos (4º grau), tios-avós (4º grau) e sobrinhosnetos (4º grau). Profª Giselda Hironaka 5

6 Herdeiros Necessários Herdeiros necessários são aqueles que não podem ser afastados da sucessão pela simples vontade do falecido. Art São herdeiros necessários os descendentes, os ascendentes e o cônjuge. Profª Giselda Hironaka 6

7 Herdar por cabeça a e herdar por estirpe Os descendentes chamados a herdar podem ser de graus diversos (1º grau e 2º grau, por exemplo). Nessa hipótese, a sucessão se dará por cabeça e por estirpe. Por cabeça: aqueles que herdam pela sua própria vez de chamamento (ex: os filhos - 1º grau chamados a herdar) Por estirpe: aqueles que são chamados a herdar em lugar de descendente do autor da herança que antes deste tenha falecido (ex: os netos 2º grau filhos do filho prémorto). Profª Giselda Hironaka 7

8 Diferença a entre meação e herança Não se deve confundir meação com a herança! a! Meação é o direito de cada sócio da sociedade conjugal, consistente na metade dos bens que integram o patrimônio comum do casal. Esta metade ideal já pertencia a cada um deles, mesmo antes do falecimento do autor da herança. A metade que pertencia ao sobrevivente continua lhe pertencendo (mas não por força do deferimento sucessório). Herança é o patrimônio deixado pelo falecido. Pode consistir na meação que lhe pertencia em vida, somada a outros bens (particulares) que não integravam o patrimônio comum. Profª Giselda Hironaka 8

9 Regimes de bens do casamento Para o efeito de compreender melhor o endereçamento dos bens aos sucessores de quem falece, se este foi casado, convém mencionar os regimes de bens que regem o casamento, hoje: Regime da comunhão parcial de bens, Regime da comunhão universal de bens, Regime da separação obrigatória ria de bens, Regime da separação convencional de bens, Regime da comunhão final dos aqüestos estos. Profª Giselda Hironaka 9

10 Regime de bens na união estável Se quem falece, vivia em união estável, convém m compreender, para efeitos sucessórios, o que determina o Art. 1725: Na união estável, salvo contrato escrito entre os companheiros, aplica-se às relações patrimoniais, no que couber, o regime da comunhão parcial de bens. Profª Giselda Hironaka 10

11 O novo instituto da concorrência Concorrência é instituto novo, no direito sucessório brasileiro. Não esteve presente no anterior Código Civil. Herdeiro concorrente, entre nós, agora, é o cônjuge ou o companheiro sobreviventes, respeitados certos pressupostos legais. Na chamada hereditária ria dos descendentes e dos ascendentes poderão ser chamados para herdar concorrentemente conforme o caso o cônjuge ou o companheiro (arts. 1829, 1832 e 1790). Profª Giselda Hironaka 11

12 Concorrência do cônjuge Profª Giselda Hironaka 12

13 Concorrência do Cônjuge Pressupostos Regime de bens compatível com a concorrência (art , I). I Cônjuge não separado judicialmente, nem de fato (art ). Profª Giselda Hironaka 13

14 Concorrência do Cônjuge Disposição legal específica: Art.1832: Em concorrência com os descendentes (art.1829, inciso I) caberá ao cônjuge quinhão igual ao dos que sucederem por cabeça, não podendo a sua quota ser inferior à quarta parte da herança, se for ascendente dos herdeiros com que concorrer. Profª Giselda Hironaka 14

15 Aplicabilidade Quando o cônjuge sobrevivo concorre com um, dois ou três descendentes do falecido, sejam eles descendentes ou não do cônjuge sobrevivente. Assim: Profª Giselda Hironaka 15

16 Cônjuge concorrendo com 1 descendente (comum ou exclusivo) 1/2 1/2 Cônjuge Descendente Profª Giselda Hironaka 16

17 Cônjuge concorrendo com 2 descendentes ( (ambos comuns ou ambos exclusivos) 1/3 1/3 1/3 Cônjuge Descendente 1 Descendente 2 Profª Giselda Hironaka 17

18 Cônjuge concorrendo com 3 descendentes ( ou todos exclusivos) descendentes (todos comuns 1/4 1/4 1/4 1/4 Cônjuge Descendente 1 Descendente 2 Descendente 3 Profª Giselda Hironaka 18

19 Exceção: cônjuge concorrendo com 4 descendentes ou mais A partir desta hipótese, na qual o cônjuge concorre com 4 descendentes ou mais, garante-se se-lhe a reserva legal da quarta parte, sempre que ela se der com herdeiros do falecido, que sejam também m seus descendentes. Assim: Profª Giselda Hironaka 19

20 Cônjuge concorrendo com 4 descendentes (todos comuns) 3/16 1/4 3/16 3/16 3/16 Cônjuge Descendente 1 Descendente 2 Descendente 3 Descendente 4 Profª Giselda Hironaka 20

21 E assim sucessivamente: Mantém-se fixa a quota-parte (25%) do cônjuge sobrevivente e diminui-se, proporcionalmente, a quota-parte de cada um dos descendentes comuns. Profª Giselda Hironaka 21

22 Porém, jáj não será assim: Se o cônjuge concorrer com mais de três herdeiros exclusivos do falecido, situação em que não haverá a reserva da quarta parte. Assim: Profª Giselda Hironaka 22

23 Cônjuge concorrendo com 4 descendentes (todos exclusivos) 1/5 1/5 1/5 1/5 1/5 Cônjuge Descendente 1 Descendente 2 Descendente 3 Descendente 4 Profª Giselda Hironaka 23

24 O problema? O legislador não previu a comum hipótese de o de cujus ter deixado descendentes comuns e descendentes exclusivos, com os quais concorra o cônjuge sobrevivo. Profª Giselda Hironaka 24

25 Haverá solução? Deve, ou não, ser resguardada a quarta parte a favor do cônjuge concorrente? Os possíveis caminhos hermenêuticos, à busca de solução: Profª Giselda Hironaka 25

26 1ª hipótese Considerar todos os descendentes como comuns: resguarda-se se a quarta parte. Problema prático e real: os herdeiros exclusivos do autor da herança sentirse-ão lesados na medida em que sua quota será menor do que aquela que receberiam, se não fossem equiparados aos herdeiros comuns. Profª Giselda Hironaka 26

27 5 descendentes comuns, 4 descendentes exclusivos,, supondo o monte partível igual a 900 1/12 1/12 1/12 1/12 1/12 1/12 1/4 1/12 1/12 1/12 1 Trim. 2 Trim. 3 Trim. 4 Trim. Cônjuge Descendente 1 Descendente 2 Descendente 3 Descendente 4 Descendente 5 Descendente 6 Descendente 7 Descendente 8 Descendente 9 Profª Giselda Hironaka 27

28 2ª hipótese Considerar todos os descendentes como exclusivos: não se resguarda a quarta parte. Problema prático e real: o cônjuge sobrevivo sentir-se-á lesado na medida em que sua quota será menor do que a que receberia, se os herdeiros fossem todos considerados descendentes comuns. Profª Giselda Hironaka 28

29 5 descendentes comuns, 4 descendentes exclusivos,, supondo o monte partível igual a 900 1/10 1/10 1/10 1/10 1/10 1/10 1/10 1/10 1/10 1/10 Cônjuge Descendente 1 Descendente 2 Descendente 3 Descendente 4 Descendente 5 Descendente 6 Descendente 7 Descendente 8 Descendente 9 Profª Giselda Hironaka 29

30 3ª hipótese Divisão do monte partível, proporcionalmente, segundo o nº de herdeiros comuns e segundo o nº de herdeiros exclusivos. Assim: Profª Giselda Hironaka 30

31 5 descendentes comuns, 4 descendentes exclusivos,, supondo o monte partível igual a 900. Comuns Exclusivos Profª Giselda Hironaka 31

32 Partilha do sub-monte comum (5/9 do monte total = 500) com reserva da quarta parte Trim. 2 Trim. 3 Trim. 4 Trim. Cônjuge Descendente 1 Descendente 2 Descendente 3 Descendente 4 Descendente 5 Profª Giselda Hironaka 32

33 Partilha do sub-monte exclusivo (4/9 do monte total = 400) sem reserva da quarta parte Cônjuge Descendente 6 Descendente 7 Descendente 8 Descendente 9 Profª Giselda Hironaka 33

34 Consolidando as quotas havidas em cada um dos sub-montes Cônjuge: = 205 Descendentes comuns: 75 Descendentes exclusivos: 80 Profª Giselda Hironaka 34

35 Quais as imperfeições desta 3ª 3 solução ão? O cônjuge sobrevivente recebeu 41/180 avos, o que equivale a 22,77777%... Os filhos recebem quotas desiguais, o que desatende ao art e aos ditames constitucionais. Profª Giselda Hironaka 35

36 Concorrência do companheiro ou convivente. Profª Giselda Hironaka 36

37 Concorrência do Companheiro Pressupostos Concorre apenas em relação aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável (art. 1790, caput). Profª Giselda Hironaka 37

38 Concorrência do Companheiro Disposição legal específica: Art : A companheira ou o companheiro participará na sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável vel, nas condições seguintes: I - se concorrer com filhos comuns, terá direito a uma quota equivalente à que por lei for atribuída ao filho; II - se concorrer com descendentes sós do autor da herança, tocar-lhe-á a metade do que couber a cada um daqueles; [...] Profª Giselda Hironaka 38

39 Companheiro concorrendo com um filho comum com um filho comum 1/2 1/2 Companheiro Filho 1 Profª Giselda Hironaka 39

40 Companheiro concorrendo com um descendente exclusivo 1/3 2/3 Companheiro Descendente 1 Profª Giselda Hironaka 40

41 Companheiro concorrendo com 2 filhos comuns 1/3 1/3 1/3 Companheiro Filho 1 Filho 2 Profª Giselda Hironaka 41

42 Companheiro concorrendo com 2 descendentes exclusivos 1/5 2/5 2/5 Companheiro Descendente 1 Descendente 2 Profª Giselda Hironaka 42

43 O problema? O legislador não previu a comum hipótese de o de cujus ter deixado descendentes comuns e descendentes exclusivos, com os quais concorra o companheiro sobrevivo. Profª Giselda Hironaka 43

44 Haverá solução? SIM, aplicando-se a teoria matemática tica da ponderação ão,, obedecendo à determinação legal, e levando em consideração o número n de filhos, em cada hipótese (comuns e exclusivos), sempre ponderadamente (e não proporcionalmente). Profª Giselda Hironaka 44

45 FÓRMULA ALGÉBRICA DE PONDERAÇÃO X = 2(F + S). H 2(F + S) 2 + 2F + S C = 2F + S. X 2(F+S) Profª Giselda Hironaka 45

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Sucessão dos Descendentes (art. 1833, CC) É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Neto 1 Neto

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões OBJETIVO Compreender as consequências da ordem de vocação hereditária. ROTEIRO! Da ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa

Leia mais

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL SUCESSÃO DO CÔNJUGE NO NOVO CÓDIGO CIVIL Zeno Veloso 1 No palco em que se desenrolam as relações jurídicas da sucessão legítima, um personagem ganhou papel de grande destaque, podendo-se afirmar que é

Leia mais

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil 1. Intróito Inacio de Carvalho Neto Professor de Direito Civil da Unifoz, da Unipar, do CIES, da Escola do Ministério Público e da Escola da

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA Norberto Ungaretti Desembargador Aposentado Sob a denominação Da Ordem da Vocação Hereditária abrese o Capítulo I do Título dedicado pelo novo Código Civil à sucessão legítima

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES Direito Civil Aula 3 Delegado Civil Sandro Gaspar Amaral DIREITO DAS SUCESSÕES PRINCÍPIO DE SAISINE (art. 1784, CC): transmissão da propriedade e da posse no exato momento da morte. NORMA VIGENTE (art.

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO Valéria Edith Carvalho de Oliveira 1 Sumário: 1 Introdução. 2 O direito sucessório do cônjuge separado de fato. 3. O direito sucessório do cônjuge separado

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE Fernanda Garcia Escane Mestranda em Direito Civil comparado pela PUC/SP. Palestrante na Ordem dos Advogados do Brasil de Santo

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a que se pretende responder através deste estudo refere-se

Leia mais

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO COSTA PARECER Direito das Sucessões. Situação jurídica do companheiro ou companheira comparada com o status jurídico dos cônjuges. Constitucionalidade da distinção entre os

Leia mais

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 Adriana Goulart Spanholi 2 RESUMO: O presente artigo tem por objetivo demonstrar e analisar as mudanças trazidas no campo do direito sucessório, especialmente

Leia mais

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO

SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO SUCESSÃO: ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO GODOY, Nilza Tiemi Nagaoka RESUMO O Direito das Sucessões apresenta muitos aspectos polêmicos diante de lacunas deixadas pelo legislador.

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado de Minas Gerais. Autor do Livro Direito de Família, publicado em 2005, pela Editora Atenas. Professor de Direito de Família e Sucessões na Unifenas,

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL REVISTA JURÍDICA da UniFil, Ano I - nº 1 105 A SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL 1 Inacio de Carvalho Neto * RESUMO O presente artigo aborda as alterações ocorridas no âmbito do

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões 1) Que é herança jacente: a) Herança que não existe herdeiros, salvo o estado b) Herança que tem que ser dividida entre os pais e cônjuge c) Herança que tem que ser dividida entre irmãos d) Herança deixada

Leia mais

DA SUCESSÃO LEGÍTIMA 1. INTRODUÇÃO: CONCEITO E HIPÓTESES DE CABIMENTO DA SUCESSÃO LEGÍTIMA

DA SUCESSÃO LEGÍTIMA 1. INTRODUÇÃO: CONCEITO E HIPÓTESES DE CABIMENTO DA SUCESSÃO LEGÍTIMA 1 DA SUCESSÃO LEGÍTIMA Márcia Maria Menin 1 1. INTRODUÇÃO: CONCEITO E HIPÓTESES DE CABIMENTO DA SUCESSÃO LEGÍTIMA Caracteriza-se como legítima a sucessão deferida pela lei através da ordem de vocação hereditária,

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO DE DIREITO FAMÍLIA PONTO 1: SUCESSÃO PONTO 2: PRINCÍPIOS ORIENTADORES; SUCESSÃO LEGÍTIMA E TESTAMENTÁRIA, EXCLUSÃO DOS HERDEIROS; PONTO 3: ESPÉCIES DE HERDEIROS, CESSÃO DE DIREITOS;

Leia mais

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado

Leia mais

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões O conhecimento quando compartilhado é muito melhor, pois, todos são beneficiados com novas formas de enxergar o mundo Paulo Henrique 2015 1 DIREITO CIVIL 6 Conteúdo

Leia mais

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Ano III nº 12 (I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Barbara Brentani Lameirão Roncolatto Luiz Henrique Cruz Azevedo 01. Em 7 de outubro de 2008,

Leia mais

A SUCESSÃO NO CASAMENTO E NA UNIÃO ESTÁVEL

A SUCESSÃO NO CASAMENTO E NA UNIÃO ESTÁVEL A SUCESSÃO NO CASAMENTO E NA UNIÃO ESTÁVEL Prof. Dr. Francisco José Cahali CASAMENTO: Convocação p/a Concorrência CC, art. 1829, I: CÔNJUGE HERDA concorrendo CÔNJUGE NÃO HERDA Comunhão parcial com bens

Leia mais

A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS

A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS A SUCESSÃO HEREDITÁRIA DOS CÔNJUGES E DOS COMPANHEIROS: SUA ORIGEM, EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL, INOVAÇÕES E DISCUSSÕES DOUTRINÁRIAS Ana Cláudia Pirajá Bandeira * Maria Paula Fratti ** Samanta Maria Lima

Leia mais

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha EDUARDO MACHADO ROCHA Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões da Comarca de Dourados (MS). Pós-graduado - Especialização em Direito Processual Civil. Professor de Direito Civil na Unigran - Universidade

Leia mais

Direito Civil. Sucessão em Geral. Professora Alessandra Vieira.

Direito Civil. Sucessão em Geral. Professora Alessandra Vieira. Direito Civil Sucessão em Geral Professora Alessandra Vieira www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Aula Civil XX DO DIREITO SUCESSÓRIO Considerações Gerais: A abertura da sucessão se dá no exato instante

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO TABELIÃO (PRESTADOR DE SERVIÇO PÚBLICO EM CARÁTER PRIVADO)... 5 1.3 NOVA LEI HOMENAGEIA

Leia mais

ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVII CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA MARIA CRISTINA FALAVINHA RAMOS REGIO

ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVII CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA MARIA CRISTINA FALAVINHA RAMOS REGIO ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO PARANÁ XXVII CURSO DE PREPARAÇÃO À MAGISTRATURA NÚCLEO CURITIBA MARIA CRISTINA FALAVINHA RAMOS REGIO RESERVA DA QUARTA PARTE DA HERANÇA AO CÔNJUGE SOBREVIVENTE CURITIBA

Leia mais

A Reforma do Código Civil Repercussões na Administração Pública e no Controle Externo De 07 a 11 de abril de 2003

A Reforma do Código Civil Repercussões na Administração Pública e no Controle Externo De 07 a 11 de abril de 2003 A Reforma do Código Civil Repercussões na Administração Pública e no Controle Externo De 07 a 11 de abril de 2003 10/04 DIREITO DAS SUCESSÕES DIREITO DE HERANÇA SUCESSÃO LEGITIMA E TESTAMENTÁRIA Dr. Euclides

Leia mais

Direito de Família. Consuelo Huebra

Direito de Família. Consuelo Huebra Direito de Família Consuelo Huebra Casamento A lei só admite o casamento civil, mas o casamento religioso pode produzir efeitos civis na forma dos arts.1515 e 1516, C.C. Parentesco Natural pessoas que

Leia mais

Revista IOB de Direito de Família

Revista IOB de Direito de Família Revista IOB de Direito de Família. 51 Dez Jan/2009 Conselho Editorial Álvaro Villaça Azavedo Gustavo José Mendes Tepedino Priscila M. P. Correa da Fonseca Sérgio Resende de Barros Considerações Acerca

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA

DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA DA ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA A ordem de vocação hereditária, por sua vez, vem a ser a ordem sucessória, ou seja, o rol das pessoas que podem suceder. No Código Civil

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO SOBREVIVENTE DE ACORDO COM O CÓDIGO CIVIL DE 2002 CURITIBA 2014 DENILSE APARECIDA FERREIRA CAMARGO

Leia mais

133 DIREITO DAS SUCESSÕES PROFª JULIANA GONTIJO

133 DIREITO DAS SUCESSÕES PROFª JULIANA GONTIJO 133 UNIDADE X SUCESSÃO LEGÍTIMA... 135 1. Introdução... 135 1.1 Regras da Sucessão Legítima... 135 2. Ordem de Vocação Hereditária... 136 2.2 Direito de Sucessão do Nascituro... 139 3. Herdeiros Necessários...

Leia mais

Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias

Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias Casar ou não casar? Dúvidas sobre questões sucessórias Maria Berenice Dias Advogada Ex-desembargadora do Tribunal de Justiça do RS Vice-Presidente Nacional do IBDFAM www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br

Leia mais

Planejamento Sucessório. Bens localizados no Exterior

Planejamento Sucessório. Bens localizados no Exterior Planejamento Sucessório Bens localizados no Exterior Regras de Sucessão Parcela Legítima x Parcela Disponível 50% Legítima Obrigatoriamente dos Herdeiros Necessários 50% Disponível Pode dispor como desejar

Leia mais

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente Prof. Ms. Tatyane Karen da Silva Goes ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Falecendo a pessoa ab intestato, a herança

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA POSSIBILIDADE DO COMPANHEIRO SOBREVIVENTE SER MEEIRO E HERDEIRO QUANTO AOS BENS ADQUIRIDOS ONEROSAMENTE NA CONSTÂNCIA DA UNIÃO ESTÁVEL MARINGÁ PR 2013

Leia mais

Declaração de Espólio

Declaração de Espólio SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Conceito de Espólio 3. Declarações de Espólio 3.1. Declaração inicial 3.2. Declarações intermediárias 3.3. Declaração final 4. Declaração de Bens 5. Prazo para Apresentação

Leia mais

A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NA UNIÃO ESTÁVEL, NÃO HAVENDO PARENTES SUCESSÍVEIS

A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NA UNIÃO ESTÁVEL, NÃO HAVENDO PARENTES SUCESSÍVEIS A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NA UNIÃO ESTÁVEL, NÃO HAVENDO PARENTES SUCESSÍVEIS KAYLER AMADOR LAUAR MELUCCI VIEIRA BERNHAUSS, 1 JUMARA APARECIDA HONÓRIO RODRIGUES 2 DESEMBARGADOR ANTÔNIO BELIZÁRIO DE LACERDA

Leia mais

A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO

A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS ANA CAROLINA DE CARVALHO LOPES GOUVÊA A SUCESSÃO DO COMPANHEIRO Brasília 2009 ANA CAROLINA DE CARVALHO LOPES GOUVÊA A SUCESSÃO

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

XXXVII ENCONTRO NACIONAL DO IRIB NATAL / RN 13 a 17 de setembro de 2010 TEMA VII TÓPICOS DE DIREITO HEREDITÁRIO E O REGISTRO DE IMÓVEIS

XXXVII ENCONTRO NACIONAL DO IRIB NATAL / RN 13 a 17 de setembro de 2010 TEMA VII TÓPICOS DE DIREITO HEREDITÁRIO E O REGISTRO DE IMÓVEIS XXXVII ENCONTRO NACIONAL DO IRIB NATAL / RN 13 a 17 de setembro de 2010 TEMA VII TÓPICOS DE DIREITO HEREDITÁRIO E O REGISTRO DE IMÓVEIS MARIO PAZUTTI MEZZARI Registrador de Imóveis Código Civil Artigo

Leia mais

Direito das Sucessões Parte II. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte II. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte II Abertura da Sucessão Momento da morte do de cujus, devidamente comprovada. Com a abertura da sucessão os herdeiros, legítimos ou testamentários, adquirem, de imediato, a

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva INVENTÁRIO Dois sentidos para o mesmo vocábulo: Liquidação do acervo hereditário (registro, descrição, catalogação dos bens). Procedimento especial

Leia mais

Sucessão legítima no Novo Código Civil

Sucessão legítima no Novo Código Civil Sucessão legítima no Novo Código Civil GUSTAVO RENE NICOLAU Advogado em São Paulo, Mestrando pela Faculdade de Direito da USP, Professor de Direito Civil da FAAP, do curso preparatório PRIMA e dos cursos

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790)

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) Abril de 2013. José Fernando Simão Companheiros: São aqueles que vivem em união estável. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre homem e mulher,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama)

PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.908, DE 2012 (Do Sr. Takayama) Dá nova redação aos arts. 544, 1.561, 1.723, 1.789, 1.797, 1.829, 1.830, 1.831, 1.832, 1.836, 1.837, 1.838, 1.839, 1.845, 1.846

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AI no RECURSO ESPECIAL Nº 1.135.354 - PB (2009/0160051-5) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO : MARIA JAYDETH MIRANDA : ROBERTO COSTA DE LUNA FREIRE E OUTRO(S) : ONALDO LINS DE

Leia mais

QUESTÕES CONTROVERTIDAS DA SUCESSÃO LEGÍTIMA DOS COMPANHEIROS NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

QUESTÕES CONTROVERTIDAS DA SUCESSÃO LEGÍTIMA DOS COMPANHEIROS NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO QUESTÕES CONTROVERTIDAS DA SUCESSÃO LEGÍTIMA DOS COMPANHEIROS NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Fernanda Ruppenthal Egewarth 1 Denise Schmitt Siqueira Garcia 2 RESUMO O presente artigo trata da sucessão

Leia mais

Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial

Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial Ribeirão Preto/SP, 16 de outubro de 2013. Aos cuidados: Notários Referente: Planejamento Sucessório e Patrimonial Caríssimo, A atividade notarial é uma atividade indispensável à sociedade, onde o titular

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

As Partes na Escritura de Inventário e Partilha Reinaldo Velloso dos Santos

As Partes na Escritura de Inventário e Partilha Reinaldo Velloso dos Santos As Partes na Escritura de Inventário e Partilha Reinaldo Velloso dos Santos Versão digital do artigo, publicado originalmente em 2008 na obra Separação, Divórcio e Inventário em Cartório: Aspectos Jurídicos

Leia mais

DECISÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO EMENTA PROCESSO: 012.2002.000179-3/002

DECISÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO EMENTA PROCESSO: 012.2002.000179-3/002 Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Romero Marcelo da Fonseca Oliveira AGRAVO DE INSTRUMENTO PROCESSO: 012.2002.000179-3/002 ORIGEM: Comarca de Caiçara. RELATOR: Des. Romero

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

CONSTITUCIONALIDADE DO DIREITO SUCESSÓRIO DO COMPANHEIRO À LUZ DO PRINCÍPIO DA ISONOMIA

CONSTITUCIONALIDADE DO DIREITO SUCESSÓRIO DO COMPANHEIRO À LUZ DO PRINCÍPIO DA ISONOMIA Centro Universitário de Brasília UniCEUB Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais FAJUS GABRIELA QUEIROZ CARDOSO CONSTITUCIONALIDADE DO DIREITO SUCESSÓRIO DO COMPANHEIRO À LUZ DO PRINCÍPIO DA ISONOMIA

Leia mais

ASPECTOS SUCESSÓRIOS DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA

ASPECTOS SUCESSÓRIOS DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA ASPECTOS SUCESSÓRIOS DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA Rodrigo Toscano de Brito Doutor e Mestre em Direito Civil pela PUC-SP. Professor de Direito Civil da UFPB e UNIPÊ. Membro da Diretoria Nacional do IBDFAM.

Leia mais

. CURSO: DIREITO Turma: DISCIPLINA: Direito Civil VII Profª Ms. Tatyane Karen VALOR: 6 H/A NOTA: ALUNO(A):

. CURSO: DIREITO Turma: DISCIPLINA: Direito Civil VII Profª Ms. Tatyane Karen VALOR: 6 H/A NOTA: ALUNO(A): . CURSO: DIREITO Turma: DISCIPLINA: Direito Civil VII Profª Ms. Tatyane Karen Data: / / VALOR: 6 H/A NOTA: ALUNO(A): Questão 1 ( VUNESP - 2011 - TJ-SP Juiz) Assinale a alternativa correta. a) Na falta

Leia mais

CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros

CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros 3a AULA: DIREITO DAS SUCESSÕES: Do direito das Sucessões (artigos 1.784 a 1.828 do Código Civil). Sucessão

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite A predominância de uma posição mais solidária entre os membros

Leia mais

PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO

PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO ASPECTOS DO DIREITO CIVIL E TRIBUTÁRIO Ricardo Lacaz Martins 20/03/2012 Sumário da aula 1. Objetivos a serem alcançados com o Planejamento Sucessório 2. Regime de bens e sucessão

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá)

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) Altera o inciso I do art. 1.829 da Lei nº 10.406 de 10 de janeiro de 2002; tendo parecer da Comissão de Seguridade

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.117.563 - SP (2009/0009726-0) RECORRENTE : SANDRA APARECIDA PENARIOL DUARTE ADVOGADOS : FRANCISCO CASSIANO TEIXEIRA E OUTRO(S) RENATO OLIVEIRA RAMOS RECORRIDO : ROSEMARI APARECIDA

Leia mais

Direitos das Sucessões

Direitos das Sucessões Há 4 títulos do capítulo das sucessões: Sucessões em geral: aplicada a qualquer hipótese; Sucessão Legítima: prevista em lei; Sucessão testamentária: disposições de vontade; Inventário e partilha: regras

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO COMPANHEIRO À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO COMPANHEIRO À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO O DIREITO SUCESSÓRIO DO COMPANHEIRO À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Mailda Pereira Mângia 1 Resumo: Com a promulgação do Novo Código Civil Brasileiro, o direito sucessório sofreu significativas alterações,

Leia mais

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO CIVIL: FAMÍLIA E SUCESSÕES PROF.ª CARLA CARVALHO

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO CIVIL: FAMÍLIA E SUCESSÕES PROF.ª CARLA CARVALHO XXII EXAME DE ORDEM DIREITO CIVIL: FAMÍLIA E SUCESSÕES PROF.ª CARLA CARVALHO XXII EXAME DE ORDEM DIREITO DE FAMÍLIA Temas recorrentes FAMÍLIA casamento; regime de bens partilha Alteração SUCESSÕES vocação

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Direito. Elizete Maria da Conceição Rodrigues

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Direito. Elizete Maria da Conceição Rodrigues FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Direito Elizete Maria da Conceição Rodrigues A SUCESSÃO DO CÔNJUGE CASADO NO REGIME DE COMUNHÃO UNIVERSAL E PARCIAL DE BENS EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES: uma

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

EXERCÍCIOS SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA

EXERCÍCIOS SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA Universidade do Sul de Santa Catarina Unidade Ilha Centro Curso: Direito Disciplina: Direito das Sucessões Professor: MSc. Patrícia Fontanella Acadêmico (a): EXERCÍCIOS SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA 01. (MP/SC

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DOS CÔNJUGES. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO SUCESSÓRIO DOS CÔNJUGES. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO SUCESSÓRIO DOS CÔNJUGES http://patriciafontanella.adv.br Herdeiros Necessários Ascendentes, descendentes e cônjuge, de acordo com o art. 1845. O legislador fez uma escolha política: quis, como

Leia mais

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações Maria Berenice Dias Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família

Leia mais

AS FORMAS DE EXCLUSÃO DO HERDEIRO NECESSÁRIO E O FENÔMENO DA COMORIÊNCIA NO DIREITO SUCESSÓRIO BRASILEIRO

AS FORMAS DE EXCLUSÃO DO HERDEIRO NECESSÁRIO E O FENÔMENO DA COMORIÊNCIA NO DIREITO SUCESSÓRIO BRASILEIRO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, POLÍTICAS E SOCIAIS - CEJURPS CURSO DE DIREITO AS FORMAS DE EXCLUSÃO DO HERDEIRO NECESSÁRIO E O FENÔMENO DA COMORIÊNCIA NO DIREITO SUCESSÓRIO

Leia mais

duas fases anteriores, dá-se a aquisição, onde o herdeiro torna-se titular das relações jurídicas que têm por objeto o patrimônio do extinto.

duas fases anteriores, dá-se a aquisição, onde o herdeiro torna-se titular das relações jurídicas que têm por objeto o patrimônio do extinto. Direito das Sucessões 1 - Conceito No aspecto subjetivo, implica a continuação de uma pessoa em relação jurídica que cessou para o anterior sujeito e continua em outro. É a capacidade para suceder; no

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net 5 5.1. Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela

Leia mais

OS 7 Pecados Capitais do Novo Direito Sucessório Euclides de Oliveira (SP)

OS 7 Pecados Capitais do Novo Direito Sucessório Euclides de Oliveira (SP) OS 7 Pecados Capitais do Novo Direito Sucessório Euclides de Oliveira (SP) 1. REVIRAVOLTA NA FORMA DA SUCESSÃO LEGÍTIMA Saudosos tempos, aqueles do Código Civil de 1916, quando reinava paz e sossego na

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.377.084 - MG (2013/0083914-0) RECORRENTE REPR. POR ADVOGADOS INTERES. : GERALDO SEBASTIÃO DA SILVA - ESPÓLIO : APARECIDA JOANA DA SILVA PAIVA - INVENTARIANTE : PAULO EDUARDO ALMEIDA

Leia mais

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO SUCESSÃO DO COMPANHEIRO NO ATUAL ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Valéria Silva Galdino * SUMÁRIO: 1. Intróito; 2. Sucessão do companheiro no novo Código Civil brasileiro; 3. Conclusões; Bibliografia. RESUMO:

Leia mais

SUCESSÃO CONCORRENCIAL NO ÂMBITO DO CASAMENTO. Carlos Eduardo de Andrade Maia

SUCESSÃO CONCORRENCIAL NO ÂMBITO DO CASAMENTO. Carlos Eduardo de Andrade Maia SUCESSÃO CONCORRENCIAL NO ÂMBITO DO CASAMENTO Carlos Eduardo de Andrade Maia SUCESSÃO CONCORRENCIAL NO ÂMBITO DO CASAMENTO Carlos Eduardo de Andrade Maia Advogado sócio do escritório Cruz e Maia - Advocacia

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS SUCESSÕES

QUESTÕES OBJETIVAS SUCESSÕES QUESTÕES OBJETIVAS SUCESSÕES 1. Heitor, solteiro e pai de dois filhos também solteiros (Roberto, com trinta anos de idade, e Leonardo, com vinte e oito anos de idade), vem a falecer, sem deixar testamento.

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO

DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO Direito das sucessões é o conjunto de princípios e normas que regem a transferência da herança, ou do legado, ao herdeiro ou legatário, em razão da morte de alguém. O direito

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais