Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais."

Transcrição

1 Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Dissolução da sociedade e do vínculo conjugal: IV - divórcio O divórcio divide-se em: direto e indireto. Divórcio Direto: Foi introduzido pelo art. 226, 6º da CF, influenciado pela EC 66/10. Art. 226, 6º CF O casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio. (Redação dada Pela Emenda Constitucional nº 66, de 2010). Casamento Divórcio Direto O divórcio direto não exige motivação (não causal) nem separação anterior. Quando a CF/88 entrou em vigor, o divórcio direto exigia o período mínimo de 2 anos de separação de fato, o que refletia a perda da affectio maritalis. Com a EC 66, inspirada no princípio da dignidade da pessoa humana, na liberdade de autodeterminação e escolha da entidade familiar, não há mais o requisito temporal de 2 anos de separação de fato para fins de divórcio. A alteração trazida pela EC 66 tem aplicação imediata, atingindo também os casamentos celebrados antes da sua entrada em vigor, haja vista que não fere o ato jurídico perfeito, o direito adquirido ou a coisa julgada. Atualmente, o único pressuposto para o divórcio é o casamento válido, que poderá ser dissolvido por escritura pública (extrajudicial / consensual) ou pela sentença de divórcio. Em contrapartida, a solução para o casamento nulo será a ação declaratória de nulidade do casamento. O Ministério Público somente se manifesta na ação de divórcio se envolver interesse de incapaz (racionalização da atuação do MP).

2 O divórcio direto poderá ser judicial (consensual ou litigioso) ou extrajudicial (Lei /07). Divórcio Indireto: Exige uma separação pretérita. Divórcio = Casamento Separação Conversão da separação Indireto em divórcio O divórcio indireto é cabível quando houver uma ação de separação anterior. Majoritariamente, tem se entendido que não se exige mais o prazo de 1 ano de reflexão entre a separação e o divórcio. O termo inicial do prazo de 1 ano começava a contar a partir de qualquer decisão que separasse o casal, inclusive em caráter liminar ou ação cautelar como a separação de corpos. Antes da CF/88, também era necessário comprovar a inexistência de obrigação pendente da decisão de separação judicial, obrigando as partes a dar efetividade à decisão de separação. Atualmente, esses requisitos não se aplicam mais, sendo o divórcio um direito potestativo. Obs: Para aqueles que consideram que a separação não existe mais, subsistiria apenas a modalidade de divórcio direto. Há quem entenda que o divórcio não é via adequada quando também se pretende discutir questões quanto a guarda de filhos, visitação, nome, alimentos, etc., devendo ser discutidas em ação autônoma. Porém, em posição contrária (Tartuce), há quem defenda a possibilidade de cindir o pedido: divórcio - tutela antecipada / outras questões - continua em curso.

3 - UNIÃO ESTÁVEL - 1. Introdução: União Estável = casal vive a conjugalidade, muitas vezes possuindo prole, mas não tem a certidão de casamento. Somente a partir da CF/88 a união estável passou a ser tutelada pelo Estado como uma entidade familiar. Antes disso, ela existia somente no mundo dos fatos, posto que até a CF/88, o Estado assegurava a hegemonia da família matrimonializada. Sendo assim, quem não era casado, não tinha uma família legítima, mas tão somente família de fato, social ou afetiva, ou seja, não tinha uma família juridicamente reconhecida como família. Essas famílias constituídas à margem da lei eram ilegítimas também conhecidas como concubinárias. A família concubinária se dividia em: a) Família Concubinária Pura - não concorria com a família legítima, pois um de seus membros já estava separado de fato ou judicialmente. b) Família Concubinária Impura - concorre com a família legítima, sendo paralela ao casamento - "matriz e filial". Os filhos nascidos no âmbito dessa família ilegítima também eram considerados ilegítimos. No aspecto patrimonial, não havia direito a alimentos ou partilha de bens. Apenas na área previdenciária é que se passou a reconhecer alguns direitos, com a finalidade de amparar a dependência econômica da concubina, desde que comprovada a união há pelo menos 5 anos. Temos duas súmulas importantes sobre o tema, que eram aplicadas antes da CF/88. A partir da Súmula 380 STF, desde que comprovado o esforço comum para a formação do patrimônio, passou a ser permitido aos membros da sociedade de fato a partilha do patrimônio. A reparação econômica pelo término desta sociedade e a partilha do patrimônio deveria ser pleiteada no juízo cível (e não o de família), já que não era reconhecida como entidade familiar. A partilha do patrimônio não significava meação, sendo partilhado proporcionalmente ao que cada um contribuiu na formação do patrimônio. Por outro lado, aquelas mulheres concubinas que não conseguiam comprovar a sua contribuição para a formação do patrimônio, somente teriam direito a uma "indenização pelos serviços prestados".

4 Súmula 380 STF - Comprovada a existência de sociedade de fato entre os concubinos, é cabível a sua dissolução judicial, com a partilha do patrimônio adquirido pelo esforço comum. Já a Súmula 382 STF dispensa a convivência sob o mesmo teto para a caracterização do concubinato: Súmula 382 STF - A vida em comum sob o mesmo teto, "more uxorio", não é indispensável à caracterização do concubinato. Com a CF/88, os concubinos puros, que eram marginalizados, passam a ser reconhecidos pela lei como entidade familiar através da união estável. Destaca-se que ainda subsiste o concubinato - concubinato impuro, consubstanciado pela família paralela, concorrente com o casamento. A doutrina acrescenta a possibilidade de caracterização do concubinato impuro nos casos de concorrência com outra família legítima, como a união estável (analogia ao art CC). Há ainda autores que ampliam o rol de concubinato abrangendo também os casos em que há um impedimento para o reconhecimento da entidade familiar. A Súmula 380 do STF continua sendo aplicada nos casos em que não é possível o reconhecimento da entidade familiar. Também foi muito aplicada em relação às famílias homoafetivas até a mudança de paradigma, quando a homoafetividade passou a não mais impedir o reconhecimento da família formal. 2. Legislação: Diante disso, com a CF/88, a união estável passou a ser tão legítima quanto a família matrimonializada. a) Lei 8971/94: A Lei 8971/94 foi a 1ª lei a disciplinar a matéria: Lei 8971/94: Art. 1º A companheira comprovada de um homem solteiro, separado judicialmente, divorciado ou viúvo, que com ele viva há mais de cinco anos, ou dele tenha prole, poderá valer-se do disposto na Lei nº 5.478, de 25 de julho de 1968, enquanto não constituir nova união e desde que prove a necessidade. Parágrafo único. Igual direito e nas mesmas condições é reconhecido ao companheiro de mulher solteira, separada judicialmente, divorciada ou viúva. Art. 2º As pessoas referidas no artigo anterior participarão da sucessão do(a) companheiro(a) nas seguintes condições:

5 I - o(a) companheiro(a) sobrevivente terá direito enquanto não constituir nova união, ao usufruto de quarta parte dos bens do de cujos, se houver filhos ou comuns; II - o(a) companheiro(a) sobrevivente terá direito, enquanto não constituir nova união, ao usufruto da metade dos bens do de cujos, se não houver filhos, embora sobrevivam ascendentes; III - na falta de descendentes e de ascendentes, o(a) companheiro(a) sobrevivente terá direito à totalidade da herança. Art. 3º Quando os bens deixados pelo(a) autor(a) da herança resultarem de atividade em que haja colaboração do(a) companheiro, terá o sobrevivente direito à metade dos bens. Foi uma lei muito ruim, pois excluiu da união estável as famílias concubinárias puras formadas por pessoas separadas de fato, que continuavam concubinas. Somente poderiam constituir união estável aqueles separado judicialmente, solteiro, divorciado ou viúvo. Além disso, havia um requisito objetivo consistente no prazo mínimo de 5 anos. Esse prazo poderia ser reduzido se da união sobreviesse prole. Em contrapartida, no tocante ao direito sucessório, eram garantidos os mesmos direitos do cônjuge. b) Lei 9278/96: O legislador tentou criar um verdadeiro "estatuto da união estável", trazendo melhores contornos ao instituto. Essa lei vigorou até o CC/02. Os separados de fato também passaram a ser reconhecidos como companheiros. Ademais, não se exigia mais o prazo mínimo de 5 anos para o reconhecimento da união estável. A estabilidade e a duração da união para permitir o reconhecimento da união estável como entidade familiar deveria ser analisada pelo juiz no caso concreto. A lei conferiu alguns efeitos à união estável: Efeitos pessoais - assemelhando-se ao casamento; Efeitos patrimoniais - permitia a elaboração do pacto de convivência, que disciplinava as regras do patrimônio durante a união. Na ausência de pacto de convivência, presumia-se que os bens adquiridos durante a união estável eram comuns. No entanto, esta presunção era relativa, sendo possível prova em contrário a fim de que a partilha não se desse por meação. Obs: Essa presunção caracteriza um avanço para as mulheres, já que o marido é quem deveria comprovar que não houve esforço comum para a constituição do patrimônio. Caso contrário, o patrimônio era considerado comum.

6 Além disso, acrescentou mais um direito sucessório - direito real de habitação sobre o imóvel residencial do casal, desde que fosse o único daquela natureza a inventariar. Ainda, buscou dar aplicação à parte final do 3º do art. 226 da CF, no sentido de facilitar a conversão da união estável em casamento, ao permitir que o pedido de conversão fosse meramente administrativo. c) CC/02 (arts a 1272 CC): O CC/02 incorporou o grande parte do disposto na Lei 9278/96, modificando apenas o aspecto patrimonial, conferindo mais garantias e direitos aos companheiros. Nesse sentido, diante da ausência de pacto em sentido contrário, aplicar-se o regime da comunhão parcial de bens. Em relação ao direito sucessório, não há mais uma equiparação entre cônjuges e companheiros, sendo esta posição defendida pela ministra Nancy Andrighi no STJ. TÍTULO III DA UNIÃO ESTÁVEL Art É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família. 1 o A união estável não se constituirá se ocorrerem os impedimentos do art ; não se aplicando a incidência do inciso VI no caso de a pessoa casada se achar separada de fato ou judicialmente. 2 o As causas suspensivas do art não impedirão a caracterização da união estável. Art As relações pessoais entre os companheiros obedecerão aos deveres de lealdade, respeito e assistência, e de guarda, sustento e educação dos filhos. Art Na união estável, salvo contrato escrito entre os companheiros, aplica-se às relações patrimoniais, no que couber, o regime da comunhão parcial de bens. Art A união estável poderá converter-se em casamento, mediante pedido dos companheiros ao juiz e assento no Registro Civil. Art As relações não eventuais entre o homem e a mulher, impedidos de casar, constituem concubinato.

7 Requisitos da União Estável: Diversidade de sexo? Inicialmente, a diversidade de sexos era um pressuposto da união estável, assim como do casamento. Isso porque a CF prevê a facilitação da conversão da união estável em casamento e, como não era admitido o casamento entre iguais, também não poderia ser admitida a constituição da entidade familiar pela união estável. Entretanto, a exigência da diversidade de sexo foi contestada na ADI 4227 e na ADPF 132, sendo considerada inconstitucional. Por via de consequência, este entendimento também passou a ser aplicado em relação ao matrimônio, pois ao se permitir a conversão da união estável homoafetiva em casamento, não há mais porque se impedir a habilitação do casal homoafetivo para fins de casamento. Nesse sentido, o TJ/RJ tem reformado as decisões negativas do Registro Civil, assegurando a possibilidade de conversão da união estável homoafetiva em casamento, bem como a habilitação para o casamento. Convivência pública: É possível fazer um paralelo com o instituto da posse. A união estável visualmente é como um casamento, pois externa uma posse de estado de casado (fama, trato e até o nome). É necessário que o casal seja visto como uma unidade. Duradoura e contínua: "Duradoura" - Não há mais um critério objetivo da duração mínima para a caracterização da união estável. O aspecto temporal deverá ser analisado no caso concreto. "Contínua" - A união deverá ser ininterrupta, mas não impede que o casal dê um tempo. Apenas impede a caracterização da união estável quando o casal passa mais tempo separado do que junto. Objetivo de constituição de família Está implícito na caracterização dos demais elementos.

8 3. Natureza Jurídica: Ato fato - produzem efeitos pessoais e patrimoniais. Paulo Lobo - aponta a terminologia utilizada pelo legislador no 1º do art CC. A união estável é tratada no Código apenas nos planos da existência e eficácia, conferindo uma maior margem de liberdade aos companheiros. No âmbito da união estável, os impedimentos matrimoniais são analisados no plano existência e não da validade. 4. Efeitos: Efeitos Pessoais - deveres de lealdade, respeito, assistência, guarda, sustento e educação dos filhos (similar ao casamento). Os deveres da união estável são similares aos do casamento. A única diferença é que o legislador utilizou o termo "lealdade" ao invés de "fidelidade" empregada no casamento. Fidelidade é espécie do gênero lealdade. Não há que se falar em dissolução culposa da união estável, haja vista se tratar de uma família informal. Porém, nada impede que a quebra de um dever gere um dano, surgindo um ilícito danoso, passível de indenização a ser discutida no juízo cível (responsabilidade civil). Por outro lado, quando houver necessidade de partilha de bens, o pedido de indenização poderá ser efetuado na própria ação de dissolução da união estável. Observe-se que ainda não há um entendimento pacífico sobre a competência para o julgamento desse pedido de indenização - juízo cível ou de família. Efeitos Patrimoniais: a) Alimentos (art. 1694) b) Direito sucessório (art. 1790) c) Patrimônio adquirido durante a união estável (art. 1725) - salvo disposição em contrário no Pacto de Convivência, aplica-se o regime da comunhão parcial de bens. Assim como ocorre no casamento, na união estável também há uma liberdade de escolha do regime de bens, com exceção dos casos de imposição legal. Quanto à imposição do regime de separação de bens aos maiores de 70 anos, há divergência doutrinária sobre a aplicação extensiva à união estável. Maria Berenice é contrária, sob o argumento de que não seria cabível

9 uma interpretação extensiva a uma norma restritiva. Porém, grande parte da doutrina defende a aplicação extensiva, pois tal restrição significaria um desprestígio ao casamento.

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável DIREITO DE FAMÍLIA Concubinato X União estável Concubinato Até a CF/88 nós tínhamos o chamado concubinato. E o que é concubinato? Pessoas que viviam como se casados fossem. Com a CF/88, art. 226, 3º1,

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal.

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 06 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão

Leia mais

2- Princípio da Solidariedade Social:

2- Princípio da Solidariedade Social: Princípios do direito de família: CF 1 ): 1- Princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, III, É um dos fundamentos da República Federativa do Brasil (não é o objetivo, não confundir), significa

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 8. DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam.

Leia mais

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02:

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 07 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Regime de Bens: Separação de Bens - Consensual e Legal; Participação final nos aquestos. Dissolução

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões.

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Para o autor do nosso livro-texto, o Direito de família consiste num complexo de normas que regulam a celebração do casamento e o reconhecimento

Leia mais

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Professora: MARIA LUIZA PÓVOA CRUZ DO CASAMENTO A Constituição Federal de 1.988 reconhece a família como base da sociedade e considera

Leia mais

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS Livro... Folha... ESCRITURA PÚBLICA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL que fazem, como outorgantes e reciprocamente outorgados NOME e NOME,

Leia mais

PODER DE FAMÍLIA. * Aluna do 3º ano da Faculdade de Direito de Varginha. (2008) ** Professora Titular da Cadeira de Direito Processual Penal.

PODER DE FAMÍLIA. * Aluna do 3º ano da Faculdade de Direito de Varginha. (2008) ** Professora Titular da Cadeira de Direito Processual Penal. PODER DE FAMÍLIA Gislaine Aparecida Giorgetti da Silva Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A família que era protegida, para não ser desfeita, hoje já não é tão intocável, aquela família

Leia mais

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL Rénan Kfuri Lopes As alterações trazidas pelo novo Código Civil têm de ser constantemente analisadas e estudadas, para que possamos com elas nos familiarizar.

Leia mais

Divórcio e Separação por Escritura Pública: Possibilidade Quando Existem Filhos Menores ou Incapazes

Divórcio e Separação por Escritura Pública: Possibilidade Quando Existem Filhos Menores ou Incapazes 258 Divórcio e Separação por Escritura Pública: Possibilidade Quando Existem Filhos Menores ou Incapazes Victor Silva dos Passos Miranda 1 INTRODUÇÃO A Lei nº 11.441, publicada em 4 de janeiro de 2007,

Leia mais

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS Turma e Ano: Master A (2015) Matéria/Aula: Direito Civil Família e Sucessões Aula 06 Data: 12.03.2015 Professor: Andréa Amin Conteúdo: Regime de Bens: conceito; Pacto antenupcial; Mudança do regime de

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

Notas técnicas. Introdução

Notas técnicas. Introdução Notas técnicas Introdução As Estatísticas do Registro Civil são publicadas desde 1974 e fornecem um elenco de informações relativas aos fatos vitais, casamentos, separações e divórcios ocorridos no País.

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02 TEMAS TRATADOS EM SALA ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARTE CIVIL 1) Objeto art. 2º do ECA: a) Criança = 12 anos incompletos. b) Adolescente = 12 e 18 anos. Atenção: Pode o ECA ser aplicado à

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL HOMOAFETIVA

UNIÃO ESTÁVEL HOMOAFETIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos UNIÃO ESTÁVEL HOMOAFETIVA CAROLINA FRATARI FRANCISCHET 1 MARIA TEREZINHA TAVARES 2 RESUMO: A união homoafetiva

Leia mais

Casamento e União Estável

Casamento e União Estável Casamento e União Estável Profa. Loredana Gragnani Magalhães Professora de Práticas de Processo Civil e de Direito de Família e Sucessões Mestre em Direito Advogada Casamento: Capacidade matrimonial -

Leia mais

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira.

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. Temáticas: Casamento União estável: efeitos (Bina); Novas famílias

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS RESUMO

O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS RESUMO O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS Fábio Roberto Caldin 1 Rodrigo Pessoni Teófilo de Carvalho 1 Vinicius Leonam Pires Kusumota 1 Vitor Turci de Souza 1 RESUMO O

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência

UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência Alguns Princípios do Direito de Família Dignidade da pessoa humana; Solidariedade familiar; Pluralidade de entidades familiares; Igualdade entre

Leia mais

União estável e casamento homossexual. Renata Barbosa de Almeida

União estável e casamento homossexual. Renata Barbosa de Almeida União estável e casamento homossexual Renata Barbosa de Almeida 1 Da ignorância à relevância: o percurso do reconhecimento legal Família como casamento. Constituição matrimonial através do Direito. Impedimentos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 52.333 - SP (2005/0111505-0) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON SUSCITADO : JUÍZO FEDERAL DA 21A VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO EMENTA PROCESSUAL CIVIL CONFLITO

Leia mais

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS 1. Quanto à fonte: a) Alimentos legais: fixados pela lei, fundamentados no direito de família, decorrentes do casamento, ou união estável ou da relação de parentesco

Leia mais

Área Família e Sucessões

Área Família e Sucessões Área Família e Sucessões ÁREA FAMÍLIA E SUCESSÕES Descrição Abertura, Registro e Cumprimento de Testamento 51 Administração de Herança 7676 Sucessões 7673 Ação Civil Pública 65 Família 5626 DIREITO CIVIL

Leia mais

Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies.

Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 12 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies. Litisconsórcio (cont.) Litisconsortes

Leia mais

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil.

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil. AS IMPLICAÇÕES DOS IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS NA UNIÃO ESTÁVEL. Ana Elizabeth Lapa Wanderley Cavalcanti (advogada em São Paulo, mestre em Direito civil e doutoranda em Direito civil comparado pela PUC/SP,

Leia mais

O direito das sucessões no novo código civil brasileiro MARIA ARACY MENEZES DA COSTA

O direito das sucessões no novo código civil brasileiro MARIA ARACY MENEZES DA COSTA O direito das sucessões no novo código civil brasileiro MARIA ARACY MENEZES DA COSTA SINOPSE: I - Modificações do modelo sucessório no novo Código Civil Brasileiro. II - A sucessão do cônjuge e do companheiro.

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho.

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista: 1.1. Quais os princípios que regem

Leia mais

Usucapião. É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada. Tem como fundamento a função social da propriedade

Usucapião. É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada. Tem como fundamento a função social da propriedade Usucapião É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada Tem como fundamento a função social da propriedade!1 Requisitos da posse ad usucapionem Posse com intenção de dono (animus

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (III) Propriedade

Leia mais

Regras de Aposentadorias e Pensões

Regras de Aposentadorias e Pensões Seguridade Social: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

Direito de Família. Consuelo Huebra

Direito de Família. Consuelo Huebra Direito de Família Consuelo Huebra Casamento A lei só admite o casamento civil, mas o casamento religioso pode produzir efeitos civis na forma dos arts.1515 e 1516, C.C. Parentesco Natural pessoas que

Leia mais

DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1

DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1 DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1 DO INVENTÁRIO EXTRAJUDICIAL A lei 11.441/2007 alterou os dispositivos do CPC, possibilitando a realização de inventário, partilha, separação consensual e divórcio consensual por

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000726618 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1007380-59.2014.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante JOSÉ RIBEIRO, é apelado KOPLENO PRODUTOS

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PARTE GERAL PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Disserte sobre os Direitos da Personalidade abordando os seguintes aspectos: I - a

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 006 / 2007

ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 006 / 2007 ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 006 / 2007 institui as normas a serem observadas para lavratura de escrituras públicas de separação, divórcio, inventário e

Leia mais

RECOMENDAÇÃO nº 12/2009

RECOMENDAÇÃO nº 12/2009 RECOMENDAÇÃO nº 12/2009 Ementa: Ministério Público atuando na condição de Curador dos Registros Públicos. Recomendação ao Cartório de Registro Civil para devido cumprimento da Lei Federal nº 11.441/2007.

Leia mais

SENTENÇA ESTRANGEIRA DE DIVÓRCIO CONSENSUAL NÃO MAIS NECESSITA SER HOMOLOGADA PELO STJ APÓS NOVO CPC

SENTENÇA ESTRANGEIRA DE DIVÓRCIO CONSENSUAL NÃO MAIS NECESSITA SER HOMOLOGADA PELO STJ APÓS NOVO CPC SENTENÇA ESTRANGEIRA DE DIVÓRCIO CONSENSUAL NÃO MAIS NECESSITA SER HOMOLOGADA PELO STJ APÓS NOVO CPC INTRODUÇÃO *Letícia Franco Maculan Assumpção **Isabela Franco Maculan Assumpção O Novo Código de Processo

Leia mais

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA Sumário PARTE GERAL 1. LINDB, DAS PESSOAS, DOS BENS E DO NEGÓCIO JURÍDICO 1. Introdução (DL 4.657/1942 da LINDB) 2. Direito objetivo e subjetivo 3. Fontes do Direito 4. Lacuna da lei (art. 4.º da LINDB)

Leia mais

LEGITIMIDADE ATIVA das ASSOCIAÇÕES de SERVIDORES:

LEGITIMIDADE ATIVA das ASSOCIAÇÕES de SERVIDORES: LEGITIMIDADE ATIVA das ASSOCIAÇÕES de SERVIDORES: Representação ou Substituição?? ROGERIO FAVRETO XXV Convenção Nacional da ANFIP Maceió/AL, 24 de maio de 2015 ABORDAGEM Previsão constitucional Debate

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. O contrato de convivência. Patricia Vasques Coelho

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. O contrato de convivência. Patricia Vasques Coelho Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro O contrato de convivência Patricia Vasques Coelho Rio de Janeiro 2011 PATRICIA VASQUES COELHO O contrato de convivência Artigo Científico apresentado

Leia mais

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável:

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável: 1 PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos 1. União estável: - Leis 8971/94 e 9278/96. - Lei 10.406/2002 e art. 1723 e seguintes. - Art. 226, 3 1, CF. União entre homem e mulher pública (notoriedade),

Leia mais

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 3 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da família, 7 1.5 Direito de família, 9 1.5.1

Leia mais

A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS

A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS Marcos Vinícius Monteiro de Oliveira Diogenis Bertolino Brotas e RESUMO O presente artigo pretende expor interpretação acerca da sucessão

Leia mais

ANEXO I INSTITUI O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES DA AUTORIDADE PUBLICA OLÌMPICA

ANEXO I INSTITUI O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES DA AUTORIDADE PUBLICA OLÌMPICA Publicado no: Boletim de Serviço Especial nº 01, de 13 de janeiro de 2015 ANEXO I INSTITUI O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES DA AUTORIDADE PUBLICA OLÌMPICA DA FINALIDADE Art. 1º - Regulamentar

Leia mais

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

Leia mais

OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ

OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça Saudações Coordenadores: Des. Paulo Sérgio Fabião

Leia mais

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau).

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau). 1 PONTO 1: Parentesco PONTO 2: Filiação PONTO 3: Bem de família PONTO 4: Tutela PONTO 5: Curatela 1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 2. EMENTA 3. OBJETIVOS CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-39 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL V

1. IDENTIFICAÇÃO 2. EMENTA 3. OBJETIVOS CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-39 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL V 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-39 PERÍODO: 7º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL V CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Família: evolução

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação Supervisão: Habermann Editora Capa: Kaloã Tuckmantel Habermann Diagramação: Habermann Editora Dados Internacionais de Catalogação na Publicação Soluções Práticas do Dia a Dia do Advogado - Doutrina, Legislação,

Leia mais

I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas. 1- Contextualização legal e conceitos

I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas. 1- Contextualização legal e conceitos I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas 1- Contextualização legal e conceitos Os arts. 1521 e 1522 e os arts. 1523 e 1524 do vigente Código Civil Brasileiro tratam respectivamente dos impedimentos

Leia mais

Conteúdo: Pessoa Jurídica: Entes Despersonalizados; Desconsideração da Personalidade Jurídica. - PESSOA JURÍDICA -

Conteúdo: Pessoa Jurídica: Entes Despersonalizados; Desconsideração da Personalidade Jurídica. - PESSOA JURÍDICA - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 09 Professor: Rafael da Motta Conteúdo: Pessoa Jurídica: Entes Despersonalizados; Desconsideração da Personalidade Jurídica. - PESSOA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Deve-se propor ação anulatória de débito fiscal, em nome da empresa, contra o município de Rio do Sul SC, ao argumento de decadência do período (competência) compreendido entre janeiro

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

PARTILHA EXTRAJUDICIAL DE BENS: A possibilidade de partilha extrajudicial posterior ao divórcio judicial. Leandro Augusto Neves Corrêa 1

PARTILHA EXTRAJUDICIAL DE BENS: A possibilidade de partilha extrajudicial posterior ao divórcio judicial. Leandro Augusto Neves Corrêa 1 PARTILHA EXTRAJUDICIAL DE BENS: A possibilidade de partilha extrajudicial posterior ao divórcio judicial. Leandro Augusto Neves Corrêa 1 Com o advento da Lei 11.441/07 2, muitos foram os questionamentos

Leia mais

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE SUMÁRIO Capítulo 01 SOCIEDADES - CONSIDERAÇÕES GERAIS Capítulo 02 DA DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.1 DAS CAUSAS DE DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.2 DA DISSOLUÇÃO PARCIAL DA

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

CAPíTULO I Ações de Anulação de Casamento

CAPíTULO I Ações de Anulação de Casamento Sumário CAPíTULO I Ações de Anulação de Casamento 1. Legislação....................... 13 2. Doutrina... 14 2.1. Nulidade eanulabilidade do Casamento... 21 2.2. As Ações de Nulidade de Casamento...........................

Leia mais

Inventário e Partilha - Judicial e Extrajudicial

Inventário e Partilha - Judicial e Extrajudicial 185 Inventário e Partilha - Judicial e Extrajudicial Considerações e Análise Comparativa Luiz Claudio Silva Jardim Marinho 1 INTRODUÇÃO O presente estudo objetiva trazer algumas breves considerações sobre

Leia mais

SENTENÇA. 1004424-84.2015.8.26.0053 Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal L Fazenda Publica do Estado de São Paulo

SENTENÇA. 1004424-84.2015.8.26.0053 Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal L Fazenda Publica do Estado de São Paulo fls. 134 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: 1004424-84.2015.8.26.0053 Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal L Fazenda Publica do Estado de São Paulo Juiz(a) de Direito:

Leia mais

Estatuto das Familias

Estatuto das Familias Estatuto das Familias Princípios: a dignidade da pessoa humana, a solidariedade familiar, a igualdade de gêneros, de filhos e das entidades familiares, a convivência familiar, o melhor interesse da criança

Leia mais

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO O EXMO. SR. MINISTRO DIAS TOFFOLI: Ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pelo Procurador-Geral da República em face da Emenda

Leia mais

E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com

E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 1 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Marcelo Coimbra E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com Parte Geral do Direito

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO CIVIL I. Lei de Introdução às Normas de Direito Brasileiro... 002 II. Pessoas Naturais e Pessoas Jurídicas... 013 III. Domicílio e Bens... 025 IV. Dos Fatos Jurídicos... 030 V. Prescrição e Decadência...

Leia mais

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil LEI CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Parte Geral Livro I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR TURMA EXTENSIVA AOS SÁBADOS Disciplina: Direito Civil Professor: Cristiano Chaves Data: 12.12.2009 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CONTRATOS EM ESPÉCIE II Prof. Cristiano Chaves de Farias O CONTRATO DE DOAÇÃO

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC 2014) QUESTÃO 54 Analise as seguintes assertivas sobre as causas de exclusão de ilicitude no Direito Civil: I. A legítima defesa de terceiro não atua como

Leia mais

CAPACIDADE MATRIMONIAL / IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS / CAUSAS SUSPENSIVAS DO CASAMENTO

CAPACIDADE MATRIMONIAL / IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS / CAUSAS SUSPENSIVAS DO CASAMENTO DIREITO DE FAMÍLIA PROFª. FERNANDA PONTES CAPACIDADE MATRIMONIAL / IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS / CAUSAS SUSPENSIVAS DO CASAMENTO 1.(RJ-33º) Com relação ao instituto do casamento, assinale a opção incorreta.

Leia mais

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL:

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: Nos termos do art. 20 do Regulamento do Concurso para Ingresso na Carreira do Ministério Público, na correção da prova escrita levar-se-á em conta o saber

Leia mais

Constituição e Processo: direitos e garantias fundamentais de natureza processual.

Constituição e Processo: direitos e garantias fundamentais de natureza processual. PONTO Nº 01 Hermenêutica: interpretação, integração e aplicação do Direito do Trabalho. Métodos básicos de exegese. O papel da equidade. Eficácia das normas trabalhistas no tempo e no espaço. Revogação.

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

I) DIREITO INDIVIDUAL E COLETIVO DO TRABALHO

I) DIREITO INDIVIDUAL E COLETIVO DO TRABALHO PROGRAMA ESPECÍFICO DA PROVA ORAL XX CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEXTA REGIÃO I) DIREITO INDIVIDUAL E COLETIVO DO TRABALHO

Leia mais

Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada

Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada CRISTINA MOTTA PALHARES Advogada, Formada em Nutrição pela UERJ em 1977; formada em Direito pela UERJ em 1984; Especialista em Direito Processual

Leia mais

\PROVIMENTO Nº 110. Seção 11 Escrituras Públicas de Inventários, Separações, Divórcios e Partilha de bens

\PROVIMENTO Nº 110. Seção 11 Escrituras Públicas de Inventários, Separações, Divórcios e Partilha de bens \PROVIMENTO Nº 110 O Desembargador LEONARDO LUSTOSA, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO: a) a Lei nº 11.441/07 que alterou o CPC, possibilitando

Leia mais

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S PARECER Interessado: Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Goiás - SIPOL. SERVIDOR PÚBLICO. INGRESSO EM 2004. APOSENTADORIA. PARIDADE. INTEGRALIDADE DE PROVENTOS. IMPOSSIBILIDADE. RELATÓRIO Trata-se

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Nota à 4ª edição... XXI Nota à 3ª edição... XXIII Prólogo... XXV

ÍNDICE GERAL. Nota à 4ª edição... XXI Nota à 3ª edição... XXIII Prólogo... XXV ÍNDICE GERAL Nota à 4ª edição................................................................... XXI Nota à 3ª edição................................................................... XXIII Prólogo.......................................................................

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03 1. NOVAS REGRAS PARA OS SERVIDORES QUE INGRESSAREM NO SERVIÇO PÚBLICO APÓS A PROMULGAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA EC Nº 41/03. a) Principais Características. - fim da paridade

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no RECURSO ESPECIAL Nº 1.361.983 - SC (2013/0005447-1) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI ADVOGADOS : HELOISA BIRCKHOLZ RIBEIRO E OUTRO(S) WALTER LUIZ RIBEIRO E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS

Leia mais

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Civil (Parte Geral) / Aula 05 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: II) Ausência: Sucessão Definitiva. III)Capacidade: Espécies de Capacidade

Leia mais

OS PROCESSOS DA VARA DE FAMÍLIA E O ANTEPROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

OS PROCESSOS DA VARA DE FAMÍLIA E O ANTEPROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL OS PROCESSOS DA VARA DE FAMÍLIA E O ANTEPROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Denise Damo Comel Doutora em Direito. Juíza de Direito da 1ª Vara da Família e Anexos da Comarca de Ponta Grossa. Professora

Leia mais

CONTRATO DE NAMORO E A UNIÃO ESTÁVEL

CONTRATO DE NAMORO E A UNIÃO ESTÁVEL 72 CONTRATO DE NAMORO E A UNIÃO ESTÁVEL Leonardo Amaral Pinheiro da Silva Advogado. Mestre em Direito Constitucional (com enfoque no Direito de Família). Professor de Direito Civil na UNAMA- Universidade

Leia mais

Novo código perdeu a chance de aceitar união gay

Novo código perdeu a chance de aceitar união gay NOTÍCIAS domingo, dia 6 de setembro de 2009 Família fora da lei Novo código perdeu a chance de aceitar união gay POR GLÁUCIA MILÍCIO E ALINE PINHEIRO O Código Civil de 2002 trouxe importantes mudanças

Leia mais