ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA"

Transcrição

1 ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA

2 Espécies de parentesco e contagem de graus

3 Parentesco CÓDIGO CIVIL/2002, art o parentesco é natural ou civil, conforme resulte de consangüinidade ou outra origem PARENTESCO NATURAL: MESMO SANGUE PARENTESCO CIVIL: OUTRA ORIGEM ADOÇÃO REPRODUÇÃO ASSISTIDA PARENTESCO SÓCIO-AFETIVO

4 Parentesco CÓDIGO CIVIL/2002, arts , e 1594 linha reta: ascendência e descendência graus são contados pelo número de gerações linha colateral: proveniência de um só tronco limitação ao 4º grau graus são contados pelo número de gerações subindo de um dos parentes até o ascendente comum e descendo até encontrar o outro parente

5 Parentesco

6 Parentesco por afinidade CÓDIGO CIVIL/2002, art casamento e união estável limitação aos ascendentes, descendentes e irmãos do cônjuge ou companheiro linha reta: não se extingue com a dissolução do casamento ou da união estável que o gerou v. Regina Beatriz Tavares da Silva: A moralização da união estável no novo Código Civil, in ww.ultimainstancia.uol.com.br, colunas, 11/11/04

7 CÓDIGO CIVIL/2002, art Filiação - Igualdade Os filhos, havidos ou não da relação de casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação reproduz o art. 227, 6º da Constituição Federal

8 Filiação oriunda do casamento

9 Filiação oriunda do casamento

10 Filiação no casamento - presunção da paternidade CÓDIGO CIVIL/2002, art nascimento após 180 dias do estabelecimento da convivência conjugal nascimento nos 300 dias após a dissolução da sociedade conjugal

11 Filiação no casamento - presunção da paternidade reprodução artificial homóloga após a morte

12 Filiação no casamento - presunção da paternidade reprodução artificial homóloga - embriões excendentários reprodução artificial heteróloga, com prévia autorização do marido

13 Filiação no casamento - presunção da paternidade CÓDIGO CIVIL/2002, art a prova da impotência para gerar do cônjuge ilide a presunção da paternidade

14 Filiação no casamento - presunção da paternidade CÓDIGO CIVIL, art não basta o adultério da mulher para ilidir a presunção legal da paternidade

15 Filiação no casamento - presunção da paternidade ação negatória da paternidade CÓDIGO CIVIL/2002, art Legitimidade: do marido se iniciada a ação pelo marido, que vem a falecer, a legitimidade passa a seus herdeiros

16 Filiação no casamento - presunção da paternidade ação negatória da paternidade CÓDIGO CIVIL/1916, arts. 340 e 341 Requisitos: - necessidade de prova de impossibilidade física de coabitação nos primeiros 121 dias, ou mais, dos trezentos anteriores ao nascimento do filho - separação legal dos cônjuges, sem convivência por algum dia sob o mesmo teto CÓDIGO CIVIL/2002 Requisitos revogados

17 Filiação no casamento - presunção da paternidade ação negatória da paternidade CÓDIGO CIVIL/1916, art. 178, 3º e 4º Prazo prescricional: dois meses, contados do nascimento, se era presente o marido, e de três meses, se o marido se achava ausente, ou lhe haviam ocultado o nascimento CÓDIGO CIVIL/2002, art.1601 Imprescritibilidade da ação negatória de paternidade

18 Filiação não oriunda do casamento

19 União estável Filiação não oriunda do casamento sem presunção da paternidade relação de fato que se faz e se desfaz no plano dos fatos mesmo com escritura pública de reconhecimento, se os companheiros se separarem no plano dos fatos, a união estará desfeita, independentemente de distrato Presunção da paternidade não se coaduna com uma relação de fato qualquer mulher poderia escolher o pai do seu filho, sem que tivesse qualquer relação com esse homem

20 Filiação não oriunda do casamento formas de reconhecimento Reconhecimento voluntário espontâneo Reconhecimento forçado sentença judicial

21 Filiação não oriunda do casamento reconhecimento voluntário CÓDIGO CIVIL/2002, art (Lei 8560/92, art. 1º, incisos I a IV) registro de nascimento escritura pública escrito particular testamento manifestação judicial

22 Filiação não oriunda do casamento reconhecimento voluntário CÓDIGO CIVIL/2002, art , parágrafo único reconhecimento pode preceder o nascimento do filho ou, até mesmo ser posterior ao falecimento do filho, se o filho deixar descendentes

23 Filiação não oriunda do casamento reconhecimento voluntário CÓDIGO CIVIL/2002, art reconhecimento de filho maior necessidade de consentimento do filho

24 Filiação não oriunda do casamento reconhecimento voluntário CÓDIGO CIVIL/2002, art reconhecimento de filho menor impugnabilidade do reconhecimento pelo filho após a maioridade - prazo de 4 anos PROJETO 6.960/2002 eliminação do prazo princípio da imprescritibilidade do direito ao reconhecimento da filiação se não pode impugnar, não poderá obter o reconhecimento da verdadeira relação de filiação

25 Filiação não oriunda do casamento reconhecimento voluntário Interpretação jurisprudencial STJ; Recurso Especial nº MG Relator Min. Antônio de Pádua Ribeiro; 25/02/2004 DIREITO CIVIL. INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE E ANULAÇÃO DE REGISTRO. DECADÊNCIA. NÃO CONFIGURAÇÃO, NO CASO. PRECEDENTES. CÓDIGO CIVIL, ARTS. 362 E 178, 9º, VI. LEI Nº 8.069/90, ART. 27. I - A decadência não atinge o direito do filho legítimo ou legitimado nem do filho natural de pleitear a investigação de paternidade e a anulação do registro, com base na falsidade deste. II - A regra que impõe ao perfilhado o prazo de quatro anos para impugnar o reconhecimento só é aplicável ao filho natural que visa a afastar a paternidade por mero ato de vontade, a fim de desconstituir o reconhecimento da filiação, sem buscar constituir nova relação.

26 Filiação não oriunda do casamento reconhecimento voluntário CÓDIGO CIVIL/2002, art irrevogabilidade do reconhecimento se feito em testamento, o reconhecimento vale mesmo que o testamento seja revogado CÓDIGO CIVIL/2002, art ineficácia de condição ou termo (inicial ou final)

27 Filiação não oriunda do casamento reconhecimento voluntário CÓDIGO CIVIL/2002, art filho reconhecido por ambos os genitores guarda quem melhor atender aos interesses do menor

28 Filiação não oriunda do casamento reconhecimento voluntário CÓDIGO CIVIL/2002, art filho reconhecido por por genitor casado não poderá residir no lar conjugal sem o consentimento do outro cônjuge

29 Paternidade sócio - afetiva

30 Paternidade sócio - afetiva

31 Código Civil/2002, art PARENTESCO O parentesco é natural ou civil, conforme resulte de consangüinidade ou outra origem se a expressão significasse apenas a adoção, o legislador teria repetido a regra do Código Civil anterior expressão aberta a interpretações significado: vínculo sócio-afetivo

32 VÍNCULOS SÓCIO-AFETIVOS Adoção - parentesco civil Reprodução heteróloga consentida - parentesco civil Com previsões legais expressas de parentesco

33 RELAÇÕES SÓCIO-AFETIVAS Adoção à brasileira - parentesco civil? Filho de criação - guarda - parentesco civil? Marido da mãe, que dela se separa, tendo criado e educado os seus filhos - desfazimento do vínculo de afinidade - parentesco civil? Sem previsões legais expressas de parentesco

34 ADOÇÃO À BRASILEIRA homem apaixonado pela mulher, registra como seu filho de outro homem casa-se com aquela mulher ou vive com ela união estável

35 ADOÇÃO À BRASILEIRA cria e educa o filho alheio como se fosse seu

36 ADOÇÃO À BRASILEIRA separa-se e promove ação negatória da paternidade e de anulação de registro civil

37 ADOÇÃO À BRASILEIRA razão da expressão: adoção à brasileira reconhecimento voluntário sem existência de vínculo biológico aproxima-se da paternidade adotiva

38 PATERNIDADE SÓCIO-AFETIVA Argumento favorável: filho não é descartável Requisitos: inexistência de vício de consentimento erro, coação e dolo tractatus e reputatio posse do estado de filho Fundamento legal: irrevogabilidade do reconhecimento do filho havido fora do casamento - Código Civil de 2002, art

39 PATERNIDADE SÓCIO-AFETIVA Argumentos contrários: quando o pai registral contesta a paternidade está negando o sentimento de afeto paternidade sócio afetiva somente pode existir se não houver insurgência fraude ao sistema legal sistema civil não prevê expressamente como forma de parentesco sistema penal veda expressamente

40 Pai pretendia: PATERNIDADE SÓCIO-AFETIVA contestar a paternidade anular o registro de nascimento feito na forma de adoção à brasileira Pedidos improcedentes: prevalência da paternidade sócio-afetiva sobre a paternidade biológica pai registral sabia que não era seu filho presunção: tractatus e reputatio - 4 anos de convivência TJRS, , Oitava Câmara Cível, j. 01/07/2004, Rel. Des. Rui Portanova

41 Filho pretendia: PATERNIDADE SÓCIO-AFETIVA anular o registro de nascimento feito na forma de adoção à brasileira investigar a paternidade do pai biológico já falecido Pedidos improcedentes: prevalência da paternidade sócio-afetiva sobre a paternidade biológica pai registral sabia que não era seu filho pai registral sempre tratou o autor como filho TJRS, , Oitava Câmara Cível, j. 22/04/2004, Rel. Des. José S. Trindade

42 Pai pretendia: negar a paternidade PATERNIDADE SÓCIO-AFETIVA anular o registro de nascimento feito na forma de adoção à brasileira Pedidos improcedentes: prevalência da paternidade sócio-afetiva sobre a paternidade biológica pai registral foi enganado - dolo materno!!!??? prova: tractatus e reputatio - 12 anos de convivência TJRS, , Sétima Câmara Cível, j. 01/07/2004, Rel. Des. Luiz Felipe Brasil Santos

43 Irmão pretendia: PATERNIDADE SÓCIO-AFETIVA anular o registro de nascimento da irmã, em relação a pai já falecido sob a alegação de falsidade, já que a demandada havia nascido antes do casamento dos pais do autor, tendo sido falsamente reconhecida pelo marido da mãe da ré Pedido improcedente: prevalência da paternidade sócio-afetiva sobre a paternidade biológica nenhum dos argumentos contrários à paternidade sócio-afetiva poderia ser utilizado TJPB, , Segunda Câmara Cível, j. 22/12/2003, Rel. Des. Antônio Elias de Queiroga

44 MATERNIDADE E PATERNIDADE SÓCIO-AFETIVAS Mãe biológica pretendia: investigar a maternidade e anular o registro de nascimento de menor, em relação à mãe e ao pai registrais sob a alegação de falsidade pai registral falecido no curso da lide Sentença: evidências da maternidade da autora - recusa dos réus de realizar DNA e idade dos réus na data do nascimento da menor Apelação: provimento para manter o registro de nascimento, sob o fundamento da maternidade e paternidade sócio-afetiva TJSP, /0-00 4ª Câmara de Direito Privado, j. 23/03/2006, Rel. Des. Francisco Loureiro

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Professora: MARIA LUIZA PÓVOA CRUZ DO CASAMENTO A Constituição Federal de 1.988 reconhece a família como base da sociedade e considera

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA RELAÇÕES DE PARENTESCO RELAÇÕES DE PARENTESCO PARENTESCO CONSANGUÏNEO EM LINHA COLATERAL, TRANSVERSAL OU OBLÍQUA

DIREITO DE FAMÍLIA RELAÇÕES DE PARENTESCO RELAÇÕES DE PARENTESCO PARENTESCO CONSANGUÏNEO EM LINHA COLATERAL, TRANSVERSAL OU OBLÍQUA DIREITO DE FAMÍLIA RELAÇÕES DE PARENTESCO Professor Dicler RELAÇÕES DE PARENTESCO Parentesco é o vínculo existente não só entre as pessoas que descendem umas das outras ou de um mesmo tronco familiar comum,

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02 TEMAS TRATADOS EM SALA ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARTE CIVIL 1) Objeto art. 2º do ECA: a) Criança = 12 anos incompletos. b) Adolescente = 12 e 18 anos. Atenção: Pode o ECA ser aplicado à

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.259.703 - MS (2011/0133977-8) RELATORA AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI : H A S B E OUTROS : LAÉRCIO ARRUDA GUILHEM E OUTRO(S) : S V S : JOSÉ PIRES DE ANDRADE

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO Carlos Roberto Gonçalves

DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO Carlos Roberto Gonçalves DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO Carlos Roberto Gonçalves As pessoas unem-se em um família em razão de vínculo conjugal, união estável, de parentesco por consangüinidade, outra origem, e da afinidade. Em sentido

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL Rénan Kfuri Lopes As alterações trazidas pelo novo Código Civil têm de ser constantemente analisadas e estudadas, para que possamos com elas nos familiarizar.

Leia mais

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau).

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau). 1 PONTO 1: Parentesco PONTO 2: Filiação PONTO 3: Bem de família PONTO 4: Tutela PONTO 5: Curatela 1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral

Leia mais

2- Princípio da Solidariedade Social:

2- Princípio da Solidariedade Social: Princípios do direito de família: CF 1 ): 1- Princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, III, É um dos fundamentos da República Federativa do Brasil (não é o objetivo, não confundir), significa

Leia mais

AULA 2. DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO ARTIGOS 1591 a 1595 - Código Civil

AULA 2. DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO ARTIGOS 1591 a 1595 - Código Civil AULA 2 DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO ARTIGOS 1591 a 1595 - Código Civil É Possível a pessoa, sob o amparo da lei, ter 03 sogras?!?! Resposta: Brincadeiras a parte, importante saber que a SOGRA é para sempre

Leia mais

Direito de Família. Consuelo Huebra

Direito de Família. Consuelo Huebra Direito de Família Consuelo Huebra Casamento A lei só admite o casamento civil, mas o casamento religioso pode produzir efeitos civis na forma dos arts.1515 e 1516, C.C. Parentesco Natural pessoas que

Leia mais

CRITÉRIOS DETERMINANTES DA RELAÇÃO DE

CRITÉRIOS DETERMINANTES DA RELAÇÃO DE CRITÉRIOS DETERMINANTES DA RELAÇÃO DE FILIAÇÃO NO DIREITO CONTEMPORÂNEO JULIETA LÍDIA LUNZ I. INTRODUÇÃO e parentesco no sentido amplo. Os integrantes de uma família são unidos por laços de consangüinidade

Leia mais

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável:

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável: 1 PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos 1. União estável: - Leis 8971/94 e 9278/96. - Lei 10.406/2002 e art. 1723 e seguintes. - Art. 226, 3 1, CF. União entre homem e mulher pública (notoriedade),

Leia mais

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Casamento Casamento É a união permanente entre o homem e a mulher, de acordo com a lei, a fim de se reproduzirem, de se ajudarem mutuamente e de criarem os seus filhos. Washington de Barros Monteiro Capacidade

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões.

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Para o autor do nosso livro-texto, o Direito de família consiste num complexo de normas que regulam a celebração do casamento e o reconhecimento

Leia mais

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Da Sra. Erika Kokay ) paternidade. Dispõe sobre a declaração unilateral de O Congresso Nacional decreta: paternidade. Art. 1º Esta lei dispõe sobre a declaração unilateral de

Leia mais

100 Art. 1.572: na separação, recomenda-se apreciação objetiva de fatos que tornem evidente a impossibilidade da vida em comum.

100 Art. 1.572: na separação, recomenda-se apreciação objetiva de fatos que tornem evidente a impossibilidade da vida em comum. DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES 97 Art. 25: no que tange à tutela especial da família, as regras do Código Civil que se referem apenas ao cônjuge devem ser estendidas à situação jurídica que envolve o companheirismo,

Leia mais

Partilha dos Bens: Pode ser posterior ao divórcio, pois o interesse pessoal prevalece sobre o patrimonial.

Partilha dos Bens: Pode ser posterior ao divórcio, pois o interesse pessoal prevalece sobre o patrimonial. 1. DIVÓRCIO O divórcio rompe o matrimônio, dissolvendo o vínculo conjugal. O divórcio é determinado pelo decurso do tempo, sendo que ele tem três diferenças em relação à separação: Dissolução do vínculo;

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

OS FILHOS E O DIVÓRCIO

OS FILHOS E O DIVÓRCIO OS FILHOS E O DIVÓRCIO Luís Otávio Sigaud Furquim Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Especialista em Administração; Pós-graduado em Gestão de Serviços Jurídicos, ambas

Leia mais

RELAÇÕES DE PARENTESCO DA FILIAÇÃO

RELAÇÕES DE PARENTESCO DA FILIAÇÃO Cód. barras: STJ00095806 (2012) SUMÁRIO RELAÇÕES DE PARENTESCO DA FILIAÇÃO Definição... 1 Filhos concebidos na constância do casamento. Presunção... 1 Prova da impotência. Adultério da mulher... 2 Direito

Leia mais

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC 2014) QUESTÃO 54 Analise as seguintes assertivas sobre as causas de exclusão de ilicitude no Direito Civil: I. A legítima defesa de terceiro não atua como

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte:

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte: DECISÃO RECLAMAÇÃO. CONSTITUCIONAL. ALEGADO DESCUMPRIMENTO DA SÚMULA VINCULANTE N. 10 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. RECLAMAÇÃO PROCEDENTE. Relatório 1. Reclamação, com pedido de antecipação de tutela, ajuizada

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Prevalência da Paternidade Socioafetiva nas Relações Sucessórias. Aline Figueirôa de Souza

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Prevalência da Paternidade Socioafetiva nas Relações Sucessórias. Aline Figueirôa de Souza Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Prevalência da Paternidade Socioafetiva nas Relações Sucessórias Aline Figueirôa de Souza Rio de Janeiro 2009 1 ALINE FIGUEIRÔA DE SOUZA Prevalência da

Leia mais

APELO DESPROVIDO. A C Ó R D Ã O. Vistos, relatados e discutidos os autos.

APELO DESPROVIDO. A C Ó R D Ã O. Vistos, relatados e discutidos os autos. APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE DIVÓRCIO. MANUTENÇÃO DO USO DO NOME DE CASADA. POSSIBILIDADE. 1. Já se encontra sedimentado o entendimento jurisprudencial de que não mais se verifica a culpa pela dissolução do

Leia mais

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO Artigo 1.º Alteração ao Código Civil Os artigos 1585.º, 1676.º, 1773.º, 1774.º, 1775.º, 1776.º, 1778.º, 1778.º-A,1779.º,

Leia mais

ASPECTOS SUCESSÓRIOS DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA

ASPECTOS SUCESSÓRIOS DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA ASPECTOS SUCESSÓRIOS DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA Rodrigo Toscano de Brito Doutor e Mestre em Direito Civil pela PUC-SP. Professor de Direito Civil da UFPB e UNIPÊ. Membro da Diretoria Nacional do IBDFAM.

Leia mais

ACÓRDÃO. Apelação nº 0007757-63.2005.8.26.0101, da Comarca de. Caçapava, em que são apelantes APARÍCIO GALDINO

ACÓRDÃO. Apelação nº 0007757-63.2005.8.26.0101, da Comarca de. Caçapava, em que são apelantes APARÍCIO GALDINO Registro: 2013.0000354804 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0007757-63.2005.8.26.0101, da Comarca de Caçapava, em que são apelantes APARÍCIO GALDINO SBRUZZI FILHO, MARCO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2012.0000400337 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0006422-26.2011.8.26.0286, da Comarca de Itu, em que são apelantes VIVIAN MEDINA GUARDIA e AUGUSTO BAZANELLI,

Leia mais

PROVIMENTO nº 58/2008-CGJ

PROVIMENTO nº 58/2008-CGJ PROVIMENTO nº 58/2008-CGJ Cuida dos esclarecimentos e procedimentos para autorização judicial de viagem a crianças e adolescentes. O Excelentíssimo Senhor Desembargador ORLANDO DE ALMEIDA PERRI, Corregedor-Geral

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE MÚLTIPLA FILIAÇÃO REGISTRAL NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

A POSSIBILIDADE DE MÚLTIPLA FILIAÇÃO REGISTRAL NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A POSSIBILIDADE DE MÚLTIPLA FILIAÇÃO REGISTRAL NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Segundo LÔBO (2008, p.57), a opção do legislador brasileiro pela paternidade socioafetiva está referida nos artigos 1.593,

Leia mais

A C Ó R D Ã O Nº 70034968032 COMARCA DE CAPÃO DA CANOA P.L.L... N.F.G.M... C.R.S... A.A.S.F... R.G.L... APELANTE APELANTE APELADO APELADO INTERESSADO

A C Ó R D Ã O Nº 70034968032 COMARCA DE CAPÃO DA CANOA P.L.L... N.F.G.M... C.R.S... A.A.S.F... R.G.L... APELANTE APELANTE APELADO APELADO INTERESSADO APELAÇÃO CÍVEL. ADOÇÃO. PAIS INCAPAZES. CABIMENTO. O pai do menino é interditado judicialmente, além de atualmente estar em tratamento contra a dependência química. A mãe da criança tem problemas mentais

Leia mais

PONTOS DO LIVRO DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO QUE FORAM OBJETO DE ATUALIZAÇÃO NA 6ª EDIÇÃO DA OBRA.

PONTOS DO LIVRO DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO QUE FORAM OBJETO DE ATUALIZAÇÃO NA 6ª EDIÇÃO DA OBRA. Nota à 6ª edição Nesta edição, concentramos nossa atenção na atualização do Capítulo 17 Ordem Social, em razão da recente promulgação pelo Congresso Nacional de duas emendas à Constituição Federal. A EC

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência

UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência UNIÃO ESTÁVEL E CONCUBINATO: a doutrina e jurisprudência Alguns Princípios do Direito de Família Dignidade da pessoa humana; Solidariedade familiar; Pluralidade de entidades familiares; Igualdade entre

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES P. O QUE É A PATERNIDADE? R. Paternidade significa ser um pai. A determinação da paternidade significa que uma pessoa foi determinada

Leia mais

A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania.

A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania. A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania. Silvio Maia da Silva Assessor do TJ-BA 21/03/2015 Atualmente surgem na cidade de Salvador

Leia mais

Professor Álvaro Villaça Azevedo Titular da Faculdade de Direito da USP

Professor Álvaro Villaça Azevedo Titular da Faculdade de Direito da USP Indicação nol2812011 SC-43812011 Comissão de Direito de Família AUTOR DA INDICAÇÃO: ADVOGADO MARCOS NUNES CILOS EMENTA PAI SOCIOAFETIVO: ART. 1.593 E 1.595, AMBOS DO CC/2002. NECESSIDADE DE ADEQUAÇÃO TÉCNICA

Leia mais

O direito das sucessões no novo código civil brasileiro MARIA ARACY MENEZES DA COSTA

O direito das sucessões no novo código civil brasileiro MARIA ARACY MENEZES DA COSTA O direito das sucessões no novo código civil brasileiro MARIA ARACY MENEZES DA COSTA SINOPSE: I - Modificações do modelo sucessório no novo Código Civil Brasileiro. II - A sucessão do cônjuge e do companheiro.

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Nota à 4ª edição... XXI Nota à 3ª edição... XXIII Prólogo... XXV

ÍNDICE GERAL. Nota à 4ª edição... XXI Nota à 3ª edição... XXIII Prólogo... XXV ÍNDICE GERAL Nota à 4ª edição................................................................... XXI Nota à 3ª edição................................................................... XXIII Prólogo.......................................................................

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO DIREITO DA FAMÍLIA E DAS SUCESSÕES DISCIPLINA DO 4 ANO DA LICENCIATURA EM DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA PLANO DE CURSO ANO LECTIVO DE 2014/2015 Regente: Vera Lúcia

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR DIREITOS DA PERSONALIDADE

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR DIREITOS DA PERSONALIDADE CURSO INTENSIVO I DE TRABALHO Disciplina: Direito Civil Prof. André Barros Material 04 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR DIREITOS DA PERSONALIDADE 1. CONCEITO 2. FUNDAMENTO DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE Art.

Leia mais

\PROVIMENTO Nº 110. Seção 11 Escrituras Públicas de Inventários, Separações, Divórcios e Partilha de bens

\PROVIMENTO Nº 110. Seção 11 Escrituras Públicas de Inventários, Separações, Divórcios e Partilha de bens \PROVIMENTO Nº 110 O Desembargador LEONARDO LUSTOSA, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO: a) a Lei nº 11.441/07 que alterou o CPC, possibilitando

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Adoção no Estatuto da Criança e do Adolescente e no Novo Código Civil Fábia Bevilaqua* Introdução O instituto da Adoção é uma modalidade artificial de filiação pela qual aceita-se

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

GEEF - Grupo de Estudos de Empresas Familiares Coordenação: Roberta Nioac Prado Encontro de 11.09.2012

GEEF - Grupo de Estudos de Empresas Familiares Coordenação: Roberta Nioac Prado Encontro de 11.09.2012 GEEF - Grupo de Estudos de Empresas Familiares Coordenação: Roberta Nioac Prado Encontro de 11.09.2012 Regina Beatriz Tavares da Silva www.reginabeatriz.com.br 1 Repercussões do direito de família e das

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Dois pais e uma mãe: É possível registrar? Rafael D'Ávila Barros Pereira * No dia 09/04/08, no capítulo da novela "Duas Caras", da Rede Globo, foi apresentada uma situação, se não

Leia mais

O VALOR DO QUINHÃO HEREDITÁRIO:

O VALOR DO QUINHÃO HEREDITÁRIO: 50 O VALOR DO QUINHÃO HEREDITÁRIO: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70015232226 PROFERIDO EM SEDE DE AGRAVO DE INSTRUMENTO JULGADO PELO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO GRANDE DO SUL André Leandro Polycarpo 1

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Fls. Órgão : 6ª TURMA CÍVEL Classe : AGRAVO REGIMENTAL NO(A) AGRAVO DE INSTRUMENTO N. Processo : 20140020315485AGI (0032073-68.2014.8.07.0000)

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.722/15/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000025988-07 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.722/15/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000025988-07 Impugnação: 40. Acórdão: 21.722/15/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000025988-07 Impugnação: 40.010137950-31 Impugnante: Coobrigado: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Tarcísio Resende Júnior CPF: 960.571.736-00 Tarcísio Resende

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE APELANTES J.B. D.S. e OUTRA APELADO J. F. A. S. RELATOR DESEMBARGADOR CARLOS ESCHER CÂMARA 4ª CÍVEL RELATÓRIO J. B. D. S. e sua esposa, qualificados

Leia mais

CAPACIDADE MATRIMONIAL / IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS / CAUSAS SUSPENSIVAS DO CASAMENTO

CAPACIDADE MATRIMONIAL / IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS / CAUSAS SUSPENSIVAS DO CASAMENTO DIREITO DE FAMÍLIA PROFª. FERNANDA PONTES CAPACIDADE MATRIMONIAL / IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS / CAUSAS SUSPENSIVAS DO CASAMENTO 1.(RJ-33º) Com relação ao instituto do casamento, assinale a opção incorreta.

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 867, DE 2011

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 867, DE 2011 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 867, DE 2011 Alterar os Capítulo V do Título I e o Capítulo X do Título III, ambos do Livro V, da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código

Leia mais

Nº 70013391461 COMARCA DE GUAÍBA

Nº 70013391461 COMARCA DE GUAÍBA ATO INFRACIONAL. AUDIÊNCIA DE APRESENTAÇÃO E OITIVA DOS REPRESENTADOS. AUSÊNCIA DE NOTIFICAÇÃO DOS PAIS OU RESPONSÁVEL. NULIDADE. A notificação dos pais ou responsável para comparecer à audiência de apresentação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável DIREITO DE FAMÍLIA Concubinato X União estável Concubinato Até a CF/88 nós tínhamos o chamado concubinato. E o que é concubinato? Pessoas que viviam como se casados fossem. Com a CF/88, art. 226, 3º1,

Leia mais

RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL/ DPU Disciplina: Direito Previdenciário Profª: Flávia Cristina Data: 25.02.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO MONITORIA

RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL/ DPU Disciplina: Direito Previdenciário Profª: Flávia Cristina Data: 25.02.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO MONITORIA RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL/ DPU Disciplina: Direito Previdenciário Profª: Flávia Cristina Data: 25.02.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Artigo Correlato 1.1 Repercussões da Lei nº

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 8. DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam.

Leia mais

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil.

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil. AS IMPLICAÇÕES DOS IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS NA UNIÃO ESTÁVEL. Ana Elizabeth Lapa Wanderley Cavalcanti (advogada em São Paulo, mestre em Direito civil e doutoranda em Direito civil comparado pela PUC/SP,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA. PROJETO DE LEI N o 2.747, DE 2008 (Apensos os Projetos de Lei 2.834/2008 e 3.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA. PROJETO DE LEI N o 2.747, DE 2008 (Apensos os Projetos de Lei 2.834/2008 e 3. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 2.747, DE 2008 (Apensos os Projetos de Lei 2.834/2008 e 3.220/2008) Cria mecanismos para coibir o abandono materno e dispõe sobre o

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Da Obrigação Dos Avós Da Legitimidade Passiva Thaís Lopes e Bernardo Alves* Importa colocar a obrigação dos avós no que tange ao complemento dos alimentos, com o fito de deixar claro

Leia mais

PONTO 1: Contrato Individual de Trabalho: 1. Conceito. 2. Sujeitos. 3. Características. 4. Requisitos.

PONTO 1: Contrato Individual de Trabalho: 1. Conceito. 2. Sujeitos. 3. Características. 4. Requisitos. 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Contrato Individual de Trabalho: 1. Conceito. 2. Sujeitos. 3. Características. 4. Requisitos. 1. Contrato Individual de Trabalho arts. 442 a 456 da CLT: 1. Conceito: É o

Leia mais

DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aulas 27/28 10 e 11/11/2015.

DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aulas 27/28 10 e 11/11/2015. DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aulas 27/28 10 e 11/11/2015. Introdução: Tão antigo quanto a troca, anterior a compra e venda. Transferência de Patrimônio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, no uso de suas atribuições

Leia mais

SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 19522/2009 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL. MARCO ANTONIO PEREIRA JÚLIO CÉSAR LOPES E OUTRA(s)

SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 19522/2009 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL. MARCO ANTONIO PEREIRA JÚLIO CÉSAR LOPES E OUTRA(s) APELANTE: APELADOS: MARCO ANTONIO PEREIRA JÚLIO CÉSAR LOPES E OUTRA(s) Número do Protocolo: 19522/2009 Data de Julgamento: 08-7-2009 EMENTA APELAÇÃO CÍVEL - PETIÇÃO DE HERANÇA - RENÚNCIA A HERANÇA CONCOMITANTE

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 20.514/14/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000017859-30 Impugnação: 40.010135173-41 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Daniel dos Santos Lauro CPF: 084.807.156-50 Karol Araújo Durço DF/Juiz

Leia mais

Curso de Especialização em DIREITO DA FAMÍLIA

Curso de Especialização em DIREITO DA FAMÍLIA Curso de Especialização em DIREITO DA FAMÍLIA ÁREA DO CONHECIMENTO: Direito. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em DIREITO DE FAMÍLIA. PERFIL PROFISSIONAL: O curso é destinado

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios GABINETE DO DESEMBARGADOR SANDOVAL OLIVEIRA E M E N T A A C Ó R D Ã O

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios GABINETE DO DESEMBARGADOR SANDOVAL OLIVEIRA E M E N T A A C Ó R D Ã O Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios GABINETE DO DESEMBARGADOR SANDOVAL OLIVEIRA Acórdão Nº 267.056 Órgão Classe Processo N. Apelante(s) Apelado(s) Relator Revisor

Leia mais

A Guarda Compartilhada

A Guarda Compartilhada A Guarda Compartilhada Maria Carolina Santos Massafera Aluna do curso de pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil na Fundação Aprender Varginha, em convênio com o Centro Universitário Newton Paiva.

Leia mais

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS Livro... Folha... ESCRITURA PÚBLICA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL que fazem, como outorgantes e reciprocamente outorgados NOME e NOME,

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

A Nova Lei de União Civil sem distinção de gênero, de Buenos Aires

A Nova Lei de União Civil sem distinção de gênero, de Buenos Aires A Nova Lei de União Civil sem distinção de gênero, de Buenos Aires Elsa Inés Dalmasso * Sumário 1. Introdução. 2. O texto da lei 1004 da Cidade Autônoma de Buenos Aires. 3. Principais diferenças com o

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.153.218 - SP (2009/0135019-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA PROCESSO CIVIL. REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL. CÓPIA DE PROCURAÇÃO. INSTRUMENTO PÚBLICO. PRESUNÇÃO DE VALIDADE.

Leia mais

CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros

CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros 3a AULA: DIREITO DAS SUCESSÕES: Do direito das Sucessões (artigos 1.784 a 1.828 do Código Civil). Sucessão

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0002479-12.2012.8.19.0043 Vara Única da Comarca de Piraí Apelante: Município de Piraí Apelada: Luíza dos Santos

Leia mais

Nº 70020383147 COMARCA DE CANOAS APELANTE;. M.F.B. P.S.M.N.S.S.. APELADO.

Nº 70020383147 COMARCA DE CANOAS APELANTE;. M.F.B. P.S.M.N.S.S.. APELADO. APELAÇÃO CÍVEL. REVISIONAL DE ALIMENTOS. CERCEAMENTO DE DEFESA. IMPOSSIBILIDADE FINANCEIRA. INOCORRÊNCIA. Não há falar em cerceamento de defesa quando o próprio recorrente dispensou a produção e outras

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Leia mais

Dados básicos. Ementa: Íntegra

Dados básicos. Ementa: Íntegra Dados básicos Acórdão TJSP Fonte: 0008410-52.2009.8.26.0642 Julgamento: 26/07/2011 Aprovação: Não Disponível Publicação: 27/07/2011 Estado: São Paulo Cidade: Ubatuba Relator: Beretta da Silveira Legislação:

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO SOBRE TUTELA E CURATELA 1

ESTUDO DIRIGIDO SOBRE TUTELA E CURATELA 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Campus Norte Curso: Direito Disciplina: Direito de Família Orientadora: MSc. Patrícia Fontanella Acadêmico: ESTUDO DIRIGIDO SOBRE TUTELA E CURATELA 1 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

APELAÇÃO PROVIDA. Nº 70048017610 COMARCA DE ALVORADA L. G. L. APELANTE R. C. C. L. APELADO R. W. C. L. APELADO A C Ó R D Ã O

APELAÇÃO PROVIDA. Nº 70048017610 COMARCA DE ALVORADA L. G. L. APELANTE R. C. C. L. APELADO R. W. C. L. APELADO A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. ANULAÇÃO DE REGISTRO CIVIL. VÍCIO. LEGITIMIDADE ATIVA DO AVÔ REGISTRAL. DESCONSTITUIÇÃO DA SENTENÇA. PRECEDENTES DESTA CORTE E DO STJ. O pedido de anulação de registro civil de nascimento,

Leia mais

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico NOVO CÓDIGO CIVIL Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Adoção do Nome Casamento Gratuito Adultério Casamento Religioso Autenticação Condômino Anti-Social Casamento Contratos

Leia mais

MATERIAL DE AULA DOS DOCUMENTOS. Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do processo.

MATERIAL DE AULA DOS DOCUMENTOS. Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do processo. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Documentos, Indícios e Busca e Apreensão. II) Legislação correlata DOS DOCUMENTOS Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000726618 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1007380-59.2014.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante JOSÉ RIBEIRO, é apelado KOPLENO PRODUTOS

Leia mais

ACÓRDÃO. ACORDAM os Desembargadores que integram a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de

ACÓRDÃO. ACORDAM os Desembargadores que integram a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº. 0208784-57.2012.8.19.0001 Apelante: SERGIO LUIZ DE LUCAS Apelado: SULAMERICA SEGUROS DE PESSOAS E PREVIDENCIA S.A. Relatora: DES. ELISABETE FILIZZOLA

Leia mais

Usucapião. É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada. Tem como fundamento a função social da propriedade

Usucapião. É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada. Tem como fundamento a função social da propriedade Usucapião É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada Tem como fundamento a função social da propriedade!1 Requisitos da posse ad usucapionem Posse com intenção de dono (animus

Leia mais

Nº XXXXXXXXXXXXXX COMARCA DE CAXIAS DO SUL A C Ó R D Ã O

Nº XXXXXXXXXXXXXX COMARCA DE CAXIAS DO SUL A C Ó R D Ã O AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO DE ALIMENTOS MOVIDA PELA GENITORA, IDOSA, CONTRA UM DOS FILHOS. OBRIGAÇÃO ALIMENTAR EXCEPCIONALMENTE SOLIDÁRIA, POR FORÇA DO ART. 12 DO ESTATUTO DO IDOSO (LEI 10.741/03). LITISCONSÓRCIO

Leia mais

I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas. 1- Contextualização legal e conceitos

I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas. 1- Contextualização legal e conceitos I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas 1- Contextualização legal e conceitos Os arts. 1521 e 1522 e os arts. 1523 e 1524 do vigente Código Civil Brasileiro tratam respectivamente dos impedimentos

Leia mais

PODER DE FAMÍLIA. * Aluna do 3º ano da Faculdade de Direito de Varginha. (2008) ** Professora Titular da Cadeira de Direito Processual Penal.

PODER DE FAMÍLIA. * Aluna do 3º ano da Faculdade de Direito de Varginha. (2008) ** Professora Titular da Cadeira de Direito Processual Penal. PODER DE FAMÍLIA Gislaine Aparecida Giorgetti da Silva Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A família que era protegida, para não ser desfeita, hoje já não é tão intocável, aquela família

Leia mais

- Recurso não provido.

- Recurso não provido. EMENTA: DIREITO DE FAMÍLIA - APELAÇÃO - AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE E EXTINÇÃO DE OBRIGAÇÃO ALIMENTAR - AUSÊNCIA DE VÍNCULO BIOLÓGICO - VÍNCULO SOCIO-AFETIVO EXISTENTE - PATERNIDADE NÃO AFASTADA - RECURSO

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

DERAM PROVIMENTO. Nº 70051143451 COMARCA DE SÃO LEOPOLDO A C Ó R D Ã O

DERAM PROVIMENTO. Nº 70051143451 COMARCA DE SÃO LEOPOLDO A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. DIVÓRCIO, ALIMENTOS, GUARDA, PARTILHA E VISITAS. ACORDO CELEBRADO EM AUDIÊNCIA. É nula de pleno direito a sentença de homologação de acordo de divórcio envolvendo alimentos, guarda, visitas

Leia mais

DA DOAÇÃO. É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra

DA DOAÇÃO. É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra DAS VÁRIAS ESPÉCIES DE CONTRATO DA DOAÇÃO É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra Unilateral, porque envolve prestação de uma só das

Leia mais

Juizados Especiais. Aula 3 (05.03.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br.

Juizados Especiais. Aula 3 (05.03.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br. Juizados Especiais Aula 3 (05.03.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br Ementa da aula Competência em razão do objeto Competência territorial Competência de

Leia mais