A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA PRÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA PRÁTICA"

Transcrição

1 A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA PRÁTICA

2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA É UMA DAS MODALIDADES DE SUJEIÇÃO PASSIVA TRIBUTÁRIA; ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA PREVISTAS NO CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL; NÃO SERÃO ANALISADAS AS HIPÓTESES DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ( SUJEIÇÃO PASSIVA INDIRETA POR SUBSTITUIÇÃO, SUBSTITUTO LEGAL TRIBUTÁRIO, DESTINATÁRIO LEGAL TRIBUTÁRIO ); VISÃO DA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA: EXECUÇÃO FISCAL, RECURSOS E DEFESAS CABÍVEIS E ORIENTAÇÕES DO PODER JUDICIÁRIO SOBRE O ASSUNTO.

3 O CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL A SUJEIÇÃO PASSIVA TRIBUTÁRIA É TRATADA NO CAPÍTULO IV SUJEITO PASSIVO NOS ARTIGOS 121, 122 E 123 DO CTN Capítulo IV SUJEITO PASSIVO Seção I Disposições Gerais Art Sujeito passivo da obrigação principal é a pessoa obrigada ao pagamento de tributo ou penalidade tributária. Parágrafo único. O sujeito passivo da obrigação diz-se: I contribuinte, quando tenha relação pessoal e direta com a situação que constitua o respectivo fato gerador; II responsável, quando, sem revestir a condição de contribuinte, sua obrigação decorra de disposição de lei.

4 O CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA É TRATADA NO CAPÍTULO V RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NOS ARTIGOS 128 A 138 DO CTN Capítulo V RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA Seção I Disposição Geral Art Sem prejuízo do disposto neste Capítulo, a lei pode atribuir de modo expresso a responsabilidade pelo crédito tributário a terceira pessoa, vinculada ao fato gerador da respectiva obrigação, excluindo a responsabilidade do contribuinte ou atribuindo-a a este em caráter supletivo do cumprimento total ou parcial da referida obrigação.

5 O CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL Seção II - Responsabilidade de Sucessores - Arts. 128 a 133 Aquisição de propriedade, domínio útil e a posse de bens imóveis; Aquisição ou remição de bens; Falecimento de pessoa na transferência patrimonial; Alienações societárias (fusão, cisão ou incorporação e aquisição de fundo de comércio ou estabelecimento comercial). Seção III - Responsabilidade de Terceiros - Arts. 134 e 135 Pais, tutores, administradores de bens de terceiros, inventariante e síndico, bem como tabeliães, sócios na liquidação de sociedade na impossibilidade de exigência do cumprimento da obrigação tributária pelo contribuinte, pelos atos em que intervierem ou pelas omissões - solidariedade; mandatários, prepostos, diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas sujeição do próprio patrimônio à satisfação da obrigação tributária quando de atos com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos resultar dano ao erário.

6 O CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL Contribuinte Aquele que guarda relação direta e pessoal com o fato jurídico tributário Substituição Sujeição Passiva Tributária Responsável Terceiro vinculado indiretamente ao fato jurídico tributário e responde integralmente pelo crédito tributário Sucessão Responsabilidade de Terceiro Responsabilidade por Infrações

7 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS NECESSÁRIAS TODAS AS HIPÓTESES DE RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA PREVISTAS NO CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL PRESSUPÕEM O INADIMPLEMENTO/CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA POR AQUELE QUE É O SUJEITO PASSIVO TRIBUTÁRIO ORIGINAL: O CONTRIBUINTE; É NESSE SENTIDO QUE MUITOS DEFENDEM A SUBSIDIARIEDADE DA RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA; OU SEJA: SÓ É POSSÍVEL EXIGIR O CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA PELO RESPONSÁVEL SE O RECEBIMENTO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO PELO DEVEDOR ORIGINÁRIO FOI FRUSTRADO (FEITAS AS DEVIDAS RESSALVAS); A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA SURGE, PORTANTO, QUANDO VERIFICADOS ATOS CONCRETOS TENDENTES AO RECEBIMENTO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO, UMA VEZ JÁ EXISTENTE O SEU INADIMPLEMENTO ASPECTOS PRÁTICOS

8 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS NECESSÁRIAS OS EFEITOS CONCRETOS DA RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA SÃO VERIFICADOS NO MOMENTO DA EXECUÇÃO FORÇADA PARA O RECEBIMENTO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO RELAÇÃO DE NATUREZA PROCESSUAL; O PROCESSO EM SUA DIVISÃO CLÁSSICA PODE SER DE: COGNIÇÃO; CAUTELAR E EXECUTIVO; NO PROCESSO EXECUTIVO PARTE-SE DE CERTEZA, SEGURANÇA E IDENTIDADE QUANTO À OBRIGAÇÃO A SER CUMPRIDA (TÍTULO EXECUTIVO) E, POR ISTO, A SATISFAÇÃO DO CRÉDITO OCORRE DE FORMA COMPULSÓRIA EM RELAÇÃO AO DEVEDOR, MESMO QUE CONTRA SUA VONTADE. CONSEQÜÊNCIAS

9 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS NECESSÁRIAS A COBRANÇA DA DÍVIDA FISCAL SE DÁ ATRAVÉS DE UM PROCEDIMENTO ESPECÍFICO CONSUBSTANCIADO EM UMA FASE ADMINISTRATIVA DE APURAÇÃO E CONSTRUÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO, RESULTANDO NA CERTDIÃO DE DÍVIDA ATIVA TÍTULO EXECUTIVO EXTRAJUDICIAL QUE VIABILIZARÁ A COBRANÇA ATRAVÉS DE UMA FASE JUDICIAL; MUNIDO DO TÍTULO EXECUTIVO O FISCO PODE PROMOVER A COBRANÇA DE SEU DIREITO CREDITÓRIO ATRAVÉS DO AJUIZAMENTO DE UMA AÇÃO DE EXECUÇÃO FISCAL; A AÇÃO DE EXECUÇÃO FISCAL É TIPO DE PROCESSO EXECUTIVO; OU SEJA, PORQUE PAUTADO NA CERTEZA, SEGURANÇA E IDENTIFICAÇÃO CORRETA DO DIREITO CREDITÓRIO (CDA) E, PORTANTO, DISPENSA ANÁLISES DE MAIOR COMPLEXIDADES SOBRE A DÍVIDA E O DEVEDOR.

10 MAS QUAL A IMPORTÂNCIA DISTO PARA A COMPREENSÃO DA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA?

11 PORQUE AS RELAÇÕES PROCESSUAIS DE COBRANÇA JUDICIAL DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO PODEM SER OBJETIVAS OU SUBJETIVAS.

12 RESPONSABILIDADE NA AQUISIÇÃO DE BENS IMÓVEIS Art Os créditos tributários relativos a impostos cujo fato gerador seja a propriedade, o domínio útil ou a posse de bens imóveis, e bem assim os relativos a taxas pela prestação de serviços referentes a tais bens, ou a contribuições de melhoria, sub-rogam-se na pessoa dos respectivos adquirentes, salvo quando conste do título a prova de sua quitação. Parágrafo único. No caso de arrematação em hasta pública, a sub-rogação ocorre sobre o respectivo preço. VERIFICA-SE REGRA DE RESPONSABILIDADE OBJETIVA ADQUIRIU IMÓVEL OCORRE A RESPONSABILIDADE; APLICA-SE, ESPECIFICAMENTE, AOS CASOS DE TRIBUTOS, MULTAS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA, RELACIONADOS AO BEM IMÓVEL ALIENADO.

13 RESPONSABILIDADE NA AQUISIÇÃO DE BENS IMÓVEIS Responsabilidade não ocorre se o adquirente do bem imóvel fizer constar do título de transferência da propriedade a quitação dos débitos cujo fato gerador seja a propriedade, domínio útil ou posse do bem imóvel. Exigir do vendedor do imóvel a prova da quitação de todos os tributos, não só o IPTU, mas também, ausência de multas, taxas e contribuições de melhorias que possam onerar o imóvel; O STF adota uma interpretação restritiva da exceção prevista no Parágrafo único somente a hasta pública, não comportando equiparações a outras modalidades de vendas judiciais (ex.: venda por propostas); DÚVIDAS PRÁTICAS: adjudicação do imóvel e a aquisição por uma das modalidades extraordinárias de alienações previstas na legislação de falência e recuperações estão protegidas pela disposição do Parágrafo único do art. 130 do CTN?

14 RESPONSABILIDADE NA FUSÃO, INCORPORAÇÃO E CISÃO DE PESSOA JURÍDICA Art A pessoa jurídica de direito privado que resultar de fusão, transformação ou incorporação de outra em outra é responsável pelos tributos devidos até a data do ato pelas pessoas jurídicas de direito privado fusionadas, transformadas ou incorporadas. Parágrafo único. O disposto neste artigo aplica-se aos casos de extinção de pessoas jurídicas de direito privado, quando a exploração da respectiva atividade seja continuada por qualquer sócio remanescente, ou seu espólio, sob a mesma ou outra razão social, ou sob firma individual. VERIFICA-SE REGRA DE RESPONSABILIDADE OBJETIVA EM OCORRENDO A FUSÃO, INCORPORAÇÃO OU CISÃO OCORRE A RESPONSABILIDADE, DESDE QUE APÓS A OPERAÇÃO HAJA A EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA CINDIDA, FUSIONADA OU INCORPORADA.

15 RESPONSABILIDADE NA FUSÃO, INCORPORAÇÃO E CISÃO DE PESSOA JURÍDICA O disposto no Parágrafo único do artigo 132 implica na lógica de que após a operação de fusão, cisão ou incorporação o recebimento do crédito tributário da pessoa jurídica que, originalmente, estava vinculada ao nascimento de tais tributos fica impossível sob o ponto de vista físico e jurídico, sendo, portanto, indispensável para a responsabilidade a extinção da pessoa jurídica cindida, fusionada ou incorporada; Adicionalmente, deverá haver a continuidade da atividade empresarial por qualquer sócio ou espólio, na pessoa jurídica resultante da cisão, fusão, incorporação ou transformação.

16 RESPONSABILIDADE AQUISIÇÃO DE FUNDO DE COMÉRCIO OU ESTABELECIMENTO COMERCIAL Art A pessoa natural ou jurídica de direito privado que adquirir de outra, por qualquer título, fundo de comércio ou estabelecimento comercial, industrial ou profissional, e continuar a respectiva exploração, sob a mesma ou outra razão social ou sob firma ou nome individual, responde pelos tributos, relativos ao fundo ou estabelecimento adquirido, devidos até a data do ato: I integralmente, se o alienante cessar a exploração do comércio, indústria ou atividade; II subsidiariamente com o alienante, se este prosseguir na exploração ou iniciar dentro de 6(seis) meses, a contar da data da alienação, nova atividade no mesmo ou em outro ramo de comércio, indústria ou profissão. VERIFICA-SE REGRA DE RESPONSABILIDADE OBJETIVA EM OCORRENDO A AQUISIÇÃO DO FUNDO DE COMÉRCIO OU ESTABELECIMENTO OCORRE A RESPONSABILIDADE DO ADQUIRENTE.

17 RESPONSABILIDADE AQUISIÇÃO DE FUNDO DE COMÉRCIO OU ESTABELECIMENTO COMERCIAL Nos termos dos incisos antecedentes a responsabilidade é integral caso o alienante cesse a atividade; isto porque em havendo a descontinuidade da atividade empresarial por parte dos alienantes e sendo a fonte de riqueza transferida a terceira pessoa, esta responderá pelos créditos tributários em razão do desaparecimento daquele que, na origem, deu causa ao surgimento dos tributos; Caso o alienante continuar desenvolvendo suas atividades, por lógica, a regra de responsabilidade só poderá produzir seus efeitos em relação ao adquirente do fundo de comércio ou estabelecimento comercial, após o exaurimento do patrimônio do devedor originário, porque a justificativa para a aplicação da regra de sucessão é de que no caso de esvaziamento da capacidade econômica do alienante ocorreria nítida situação de fraude em relação ao Fisco que, pela transferência patrimonial, ficaria impossibilitado de receber o crédito tributário do devedor originário.

18 RESPONSABILIDADE AQUISIÇÃO DE FUNDO DE COMÉRCIO OU ESTABELECIMENTO COMERCIAL 1 O disposto no caput deste artigo não se aplica na hipótese de alienação judicial: I em processo de falência; II de filial ou unidade produtiva isolada, em processo de recuperação judicial. Tal dispositivo foi acrescentado pela Lei Complementar nº 118/2005, visando adequar o dispositivo da legislação tributária à nova realidade jurídica inaugurada com a veiculação da Lei nº , de 9 de fevereiro de 2005 LRF; Não se vislumbra a possibilidade da alienação integral de bens do ativo ou, ainda, do fundo de comércio ou do estabelecimento comercial como um todo (matriz e filiais) na recuperação judicial ; Exceção à exceção: (i) vínculo societário entre o devedor/alienante e o adquirente; (ii) existência de vínculo familiar entre os sócios da empresa devedora/alienante e as pessoas físicas ou os sócios das pessoas jurídicas adquirentes e (iii) qualificação do adquirente como sendo agente do devedor/alienante.

19 RESPONSABILIDADE DE TERCEIROS Art São pessoalmente responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos: (...) III os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado. VERIFICA-SE REGRA DE RESPONSABILIDADE SUBJETIVA SÓ HAVERÁ A RESPONSABILIDADE PESSOAL DE TERCEIROS SE VERIFICADA A INTENÇÃO DOLOSA EM CAUSAR DANO AO ERÁRIO PELA PRÁTICA DE ATOS COM EXCESSO DE PODERES OU INFRAÇÃO DE LEI, CONTRATO SOCIAL OU ESTATUTOS. CONSEQÜÊNCIAS PRÁTICAS

20 RESPONSABILIDADE DE TERCEIROS ESTES TERCEIROS SÓ PODERIAM SER EXECUTADOS SE HOUVESSE DEMONSTRAÇÃO DA PRÁTICA DOS ATOS ESPECIFICADOS NO ART. 135 DO CTN; ISTO PORQUE A RESPONSABILIDADE NÃO É OBJETIVA, MAS SIM, SUBJETIVA REQUER ANÁLISE DA INTENÇÃO DA PESSOA; NA PRATICA: VERIFICA-SE DIFICULDADE DOS MAGISTRADOS DE PRIMEIRA INSTÂNCIA EM COMPREENDER AS DISTINÇÕES ENTRE OS TIPOS DE RESPONSABILIDADE EXISTENTE E A EVOLUÇÃO DA TEORIA SOBRE O ASSUNTO; GRANDE MAIORIA DOS PEDIDOS FORMULADOS PELAS PROCURADORIAS (FORMULÁRIOS PADRÃO, DESPACHOS PRONTOS, QUADROS PARA APENAS ASSINALAR PROVIDÊNCIAS) NÃO OBSERVAM A DETERMINAÇÃO LEGAL; INCLUSÃO INDEVIDA DE PESSOAS NO PÓLO PASSIVO DE DEMANDAS EXECUTIVAS AUSÊNCIA DE ANÁLISES SOBRE A LEGITIMIDADE DA COBRANÇA TÍTULO EXECUTIVO - CONSTRIÇÃO PATRIMONIAL E ÔNUS FINANCEIROS PARA VIABILIZAR A DEFESA.

21 INSTRUMENTOS DE DEFESA EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE: AUSÊNCIA DE ÔNUS FINANCEIRO OU CONSTRIÇÃO PATRIMONIAL NECESSIDADE DE PROVAS CONTUNDENTES E PRÉ-CONSTITUÍDAS MAIOR PROBLEMA COMO PROVAR A AUSÊNCIA DE PRÁTICA DE UM ATO? EMBARGOS À EXECUÇÃO: PRESSUPÕE PRÉVIA GARANTIA DO JUÍZO (NOMEAÇÃO DE BEM À PENHORA, DEPÓSITO DE DINHEIRO, FIANÇA) AMPLA DILAÇÃO E POSSIBILIDADE DE PROVAS MAIOR PROBLEMA COMO PROVAR A AUSÊNCIA DE PRÁTICA DE UM ATO?

22 ORIENTAÇÃO JURISPRUDENCIAL ESTAR O RESPONSÁVEL INDICADO NA CDA: O ÔNUS PROBATÓRIO (OBRIGAÇÃO/DEVER DE PRODUZIR AS PROVAS DAS ALEGAÇÕES NOS AUTOS) É DA PARTE EXECUTADA/RESPONSÁVEL PRESUNÇÃO DE CERTEZA E LIQUIDEZ DA CDA (TÍTULO EXECUTIVO) - OPÇÃO PELA EXCEÇÃO OU PELOS EMBARGOS? NÃO ESTAR O RESPONSÁVEL INDICADO NA CDA: O ÔNUS PROBATÓRIO É DO FISCO. PARA SOLICITAR O REDIRECIONAMENTO, OU SEJA, VOLTAR O PROCESSO EXECUTIVO CONTRA UM TERCEIRO PRECISAM ESTAR COMPROVADOS NOS AUTOS OS REQUISITOS DO ART. 135 (ELEMENTO SUBJETIVO) OPÇÃO PELA EXCEÇÃO OU PELOS EMBARGOS?

23 DIFICULDADES A SEREM ENFRENTADAS ESTAR CIENTE DE QUE A EXISTÊNCIA DE PROVAS É O ELEMENTO DIFERENICAL ENTRE O SUCESSO E O INSUCESSO NO DESFECHO DO CASO; CONSIDERAR ARQUIVO DE DOCUMENTOS, REGISTRO DE DECISÕES ADMINISTRATIVAS E CORRETA INCLUSÃO DAS QUALIFICAÇÕES E ATRIBUIÇÕES DOS ADMINISTRADORES NOS REGISTROS DA JUNTA COMERCIAL; PONDERAR A ESTRATÉGIA DE DEFESA COM BASE EM QUESITOS FINANCEIROS E TAMBÉM PROCESSUAIS NECESSIDADE DE PRODUÇÃO DE PROVAS, OU NÃO? PACIÊNCIA SÃO POUCAS AS DECISÕES DE PRIMEIRA INSTÂNCIA FAVORÁVEIS E HÁ MUITA DIVERGÊNCIA NA JURISPRUDÊNCIA NO ÂMBITO DOS TRIBUNAIS REGIONAIS FEDERAIS E TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS; PROBABILIDADE DE REVERSÃO DE DECISÃO DESFAVORÁVEL APENAS NO ÂMBITO DO STJ.

24 BOA SORTE! Marcia Harue Ishige de Freitas De Vivo, Whitaker, Castro e Gonçalves Advogados Rua Dr. Renato Paes de Barros, º andar São Paulo SP Brasil Central/Main: + 55 (11) Fax: + 55 (11)

Prof. Alexandre Lugon LEI FATO GERADOR DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO

Prof. Alexandre Lugon LEI FATO GERADOR DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO UNIDADE IV OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI FATO GERADOR SUJEITO ATIVO SUJEITO PASSIVO DEVER JURÍDICO = PRESTAÇÃO Obrigação Trib Principal Prestação DE DAR: TRIBUTO SANÇÃO DO ATO ILÍCITO PENALIDADE PECUNIÁRIA

Leia mais

Responsabilidade Tributária: Na Sucessão Empresarial, na Dissolução Irregular e na Substituição Tributária. Marcelo Campos

Responsabilidade Tributária: Na Sucessão Empresarial, na Dissolução Irregular e na Substituição Tributária. Marcelo Campos Responsabilidade Tributária: Na Sucessão Empresarial, na Dissolução Irregular e na Substituição Tributária Marcelo Campos Responsabilidade Tributária Art. 121. Sujeito passivo da obrigação principal é

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO C006 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C006042 Responsabilidade Tributária. Exceção de pré-executividade. Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS.

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

TESTES SOBRE RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

TESTES SOBRE RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA TESTES SOBRE RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA Caros Alunos da TURMA INTENSIVO 2: este é mais um simulado do nosso projeto de estudo. Ele versa sobre a Responsabilidade Tributária. O material anexo contém importantes

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 19 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 15 Data 28 de junho de 2013 Origem COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE CADASTRO (COCAD) Assunto: Imposto sobre a Propriedade Territorial

Leia mais

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

Estado do Acre DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 4.971 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012. Publicado no DOE nº 10.952 de 21-12-2012.. Alterado pelos Decretos nºs 5.089/2013, 6.287/2013, 7.299, 8.251/2014, 1.490/2015, 2.301/2015, 2.884/2015 e 3.472/2015..

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 013, DE 21 DE MAIO DE 2002.

LEI COMPLEMENTAR Nº 013, DE 21 DE MAIO DE 2002. LEI COMPLEMENTAR Nº 013, DE 21 DE MAIO DE 2002. DISPÕE SOBRE A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RELATICA AO ISSQN IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA. A CAMARA MUNICIPAL DE ANAPOLIS aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A sociedade empresária XYZ Ltda., citada em execução fiscal promovida pelo município para a cobrança de crédito tributário de ISSQN, realizou depósito integral e

Leia mais

Legislação e tributação comercial

Legislação e tributação comercial 6. CRÉDITO TRIBUTÁRIO 6.1 Conceito Na terminologia adotada pelo CTN, crédito tributário e obrigação tributária não se confundem. O crédito decorre da obrigação e tem a mesma natureza desta (CTN, 139).

Leia mais

Responsabilidade Tributária: dissolução irregular, subsidiariedade, solidariedade e substituição tributária

Responsabilidade Tributária: dissolução irregular, subsidiariedade, solidariedade e substituição tributária Responsabilidade Tributária: dissolução irregular, subsidiariedade, solidariedade e substituição tributária Pós-Doutora pela Universidade de Lisboa; Doutora pela PUC/SP; Mestre pela UFC; Professora Graduação

Leia mais

FATO GERADOR. Conceito - É o fato, o conjunto de fatos a que o legislador vincula o nascimento da obrigação jurídica de pagar um tributo determinado.

FATO GERADOR. Conceito - É o fato, o conjunto de fatos a que o legislador vincula o nascimento da obrigação jurídica de pagar um tributo determinado. Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 14 FATO GERADOR Conceito - É o fato, o conjunto de fatos a que o legislador vincula o nascimento da obrigação jurídica de pagar um tributo

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br Associação Brasileira de Engenharia Industrial ABEMI Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL Orientador Empresarial Débitos Previdenciários Municípios Parcelamento Normatização INSTRUÇÃO NORMATIVA SRP 10/2005 DOU:

Leia mais

Concentração dos Atos na Matrícula Análise da Lei 13.097/2015

Concentração dos Atos na Matrícula Análise da Lei 13.097/2015 Concentração dos Atos na Matrícula Análise da Lei 13.097/2015 Objetivos da Lei Dar maior segurança jurídica aos negócios imobiliários em geral Aquisição de imóveis e operações de financiamento / concessão

Leia mais

PROPOSTAS PARA VOTAÇÃO PLENÁRIA

PROPOSTAS PARA VOTAÇÃO PLENÁRIA 1º CICLO DE DEBATES DE DIREITO MATERIAL E PROCESSUAL DO TRT DA 17ª REGIÃO PROPOSTAS PARA VOTAÇÃO PLENÁRIA EJUD TRT 17ª REGIÃO PROPOSTAS DE DIREITO PROCESSUAL 2 Proposta nº 01: Autor: Juiz Roque Messias

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI AGRTE : JOSE MENDONCA BEZERRA ADV/PROC : MÁRCIO FAM GONDIM E OUTROS AGRDO : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE ORIGEM : 22ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. FATO GERADOR e OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. Curso Online Intensivo OAB/FGV - V Exame Unificado

OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. FATO GERADOR e OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. Curso Online Intensivo OAB/FGV - V Exame Unificado Curso Online Intensivo OAB/FGV - V Exame Unificado Direito Tributário Aula 07 Professor Claudio Carneiro Fato Gerador Classificação do Fato Gerador Elementos do Fato Gerador Integral Relação Jurídica Tributária

Leia mais

Lei 12.846/13 Lei Anticorrupção - Aplicação para casos tributários. Camila Abrunhosa Tapias ctapias@tozzinifreire.com.

Lei 12.846/13 Lei Anticorrupção - Aplicação para casos tributários. Camila Abrunhosa Tapias ctapias@tozzinifreire.com. Lei 12.846/13 Lei Anticorrupção - Aplicação para casos tributários Camila Abrunhosa Tapias ctapias@tozzinifreire.com.br Setembro, 2013 Introdução Nova Lei Anticorrupção se estende aos ilícitos tributários?

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL

PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Litisconsórcio na Seara Laboral PONTO 2: Sucessão Trabalhista PONTO 3: Terceirização 1. LITISCONSÓRCIO NA SEARA LABORAL 1.1 FORMAÇÃO DE LITISCONSÓRCIO PASSIVO FACULTATIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

Espelho Tributário Peça

Espelho Tributário Peça Espelho Tributário Peça Cabível o mandado de segurança com pedido de liminar, ante o abuso de poder da autoridade coatora. Cabível igualmente ação anulatória com pedido de antecipação de tutela. Lei 12016/09.

Leia mais

A Necessidade da Racionalização da Execução Fiscal

A Necessidade da Racionalização da Execução Fiscal A Necessidade da Racionalização da Execução Fiscal Luís Inácio Lucena Adams Advogado-Geral da União São Paulo Maio/2015 Análise do Cenário Estudo do IPEA em parceria com o CNJ (2011) demonstra que o tempo

Leia mais

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL:

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: Nos termos do art. 20 do Regulamento do Concurso para Ingresso na Carreira do Ministério Público, na correção da prova escrita levar-se-á em conta o saber

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

OAB EXTENSIVO FINAL DE SEMANA Disciplina: Direito Empresarial Prof.ª Elisabete Vido Data: 05.12.2009 Aula nº. 05

OAB EXTENSIVO FINAL DE SEMANA Disciplina: Direito Empresarial Prof.ª Elisabete Vido Data: 05.12.2009 Aula nº. 05 OAB EXTENSIVO FINAL DE SEMANA Disciplina: Direito Empresarial Prof.ª Elisabete Vido Data: 05.12.2009 Aula nº. 05 TEMAS TRATADOS EM AULA I FALÊNCIA (Lei 11.101/05) 1) Legitimidade Passiva (Art. 1º e 2º

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES A FUNDAÇÃO MATUTU certificada pelo Ministério da Justiça como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP, institui o presente Regulamento

Leia mais

LEI N 3.818, DE 20 DE MARÇO DE 1967

LEI N 3.818, DE 20 DE MARÇO DE 1967 LEI N 3.818, DE 20 DE MARÇO DE 1967 Publicada no DOE (Pa) de 31.03.67. Alterada pela Lei 4.313/69. Vide Lei 5.002/81, que fixa alíquotas para o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis e de Direitos

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Deve-se propor ação anulatória de débito fiscal, em nome da empresa, contra o município de Rio do Sul SC, ao argumento de decadência do período (competência) compreendido entre janeiro

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS RECOM Regulamentação Orientador Empresarial DECRETO nº 7.319/2010 DOU: 29.09.2010 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação

Leia mais

Efeitos da sucessão no Direito Tributário. Os efeitos da sucessão estão regulados no art. 133 do CTN nos seguintes termos:

Efeitos da sucessão no Direito Tributário. Os efeitos da sucessão estão regulados no art. 133 do CTN nos seguintes termos: Efeitos da sucessão no Direito Tributário Kiyoshi Harada Os efeitos da sucessão estão regulados no art. 133 do CTN nos seguintes termos: Art. 133. A pessoa natural ou jurídica de direito privado que adquirir

Leia mais

Novo Código de Processo Civil e a antiga Medida Cautelar de Antecipação de Garantia

Novo Código de Processo Civil e a antiga Medida Cautelar de Antecipação de Garantia Novo Código de Processo Civil e a antiga Medida Cautelar de Antecipação de Garantia Por Vinicius Jucá Alves e Christiane Alves Alvarenga, respectivamente, sócio e associada de TozziniFreire Advogados Em

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9416, DE 14 DE MAIO DE 2014. Institui o Programa de Parcelamento Incentivado - PPI e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha

Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha Simulado Super Receita 2013 Direito Tributário Simulado Rafael Saldanha 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01 - (ESAF/2012) Analise as proposições a seguir e

Leia mais

COMEMORAÇÃO DO DIA DO CONTADOR

COMEMORAÇÃO DO DIA DO CONTADOR COMEMORAÇÃO DO DIA DO CONTADOR 1 DECRETO-LEI Nº 9295/46, ALTERADO PELA LEI 12.249/2010 Art. 6º São atribuições do Conselho Federal de Contabilidade:... f) regular acerca dos princípios contábeis, do Exame

Leia mais

DECRETO N 28.662, DE 08 DE MARÇO DE 2007

DECRETO N 28.662, DE 08 DE MARÇO DE 2007 ESTADO DO CEARÁ DECRETO N 28.662, DE 08 DE MARÇO DE 2007 * Publicado no DOE em 12/03/2007. REGULAMENTA O ART.25 DA LEI COMPLEMENTAR Nº58, DE 31 DE MARÇO DE 2006 (DOE-CE DE 31.03.2006), QUE DISPÕE SOBRE

Leia mais

\PROVIMENTO Nº 110. Seção 11 Escrituras Públicas de Inventários, Separações, Divórcios e Partilha de bens

\PROVIMENTO Nº 110. Seção 11 Escrituras Públicas de Inventários, Separações, Divórcios e Partilha de bens \PROVIMENTO Nº 110 O Desembargador LEONARDO LUSTOSA, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO: a) a Lei nº 11.441/07 que alterou o CPC, possibilitando

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DENATRAN Nº 01, de 09 de dezembro de 2003.

INSTRUÇÃO NORMATIVA DENATRAN Nº 01, de 09 de dezembro de 2003. INSTRUÇÃO NORMATIVA DENATRAN Nº 01, de 09 de dezembro de 2003. Estabelece orientações e procedimentos a serem adotados na celebração de Contratos, Convênios, Termos de Cooperação, Acordos de Cooperação

Leia mais

www.dfpc.eb.mil.br/index.php/legislacao/61

www.dfpc.eb.mil.br/index.php/legislacao/61 PORTARIA N o 004 - D Log, DE 08 DE MARÇO DE 2001. Aprova as Normas que Regulam as Atividades dos Atiradores. O CHEFE DO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO, no uso das atribuições previstas no inciso XV do art. 27

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica do Município, e

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica do Município, e DECRETO Nº 063/2013-GP. Regulamenta e implementa a Lei Complementar Federal n 123 de 14 de Dezembro de 2006 e a Lei Geral Municipal da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte n 216, de 18 de dezembro

Leia mais

DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA PESSOA JURÍDICA INFRAÇÃO À LEI MEIOS DE PROVA. Paulo Ricardo de Souza Cardoso

DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA PESSOA JURÍDICA INFRAÇÃO À LEI MEIOS DE PROVA. Paulo Ricardo de Souza Cardoso DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA PESSOA JURÍDICA INFRAÇÃO À LEI MEIOS DE PROVA Paulo Ricardo de Souza Cardoso MATRIZ LEGAL: ü Art. 135 do CTN (Lei no 5.172/1966) ü Art. 158 da Lei das S/A (Lei no 6.404/1976) ü

Leia mais

Anexos 4. 0 Substituição Tributária

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4.8 Substituição Tributária nas Operações Interestaduais com Energia Elétrica não destinada à Comercialização ou à Industrialização Anexo 4.8 DA SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU Nº 02/2014 Versão: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal Nº 075/2014 Unidade Responsável: Procuradoria Geral. I - FINALIDADE: A presente Instrução

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 1.645/2006, 25 DE AGOSTO DE 2006.

LEI COMPLEMENTAR N 1.645/2006, 25 DE AGOSTO DE 2006. LEI COMPLEMENTAR N 1.645/2006, 25 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o Sistema Tributário Municipal de Bueno Brandão e dá outras providências correlatas A CÂMARA MUNICIPAL DE BUENO BRANDÃO, ESTADO DE MINAS

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br TRIBUTO - CONCEITO 1. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Na atividade de cobrança do tributo a autoridade administrativa pode, em determinadas circunstâncias, deixar de aplicar a lei. 2. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Segundo

Leia mais

PAEBT. Programa de Administração Empresarial Bancário e Tributário SLOGAN: SEU PATRIMÔNIO PROTEGIDO COM LEGALIDADE E SEGURANÇA 01.

PAEBT. Programa de Administração Empresarial Bancário e Tributário SLOGAN: SEU PATRIMÔNIO PROTEGIDO COM LEGALIDADE E SEGURANÇA 01. PAEBT Programa de Administração Empresarial Bancário e Tributário SLOGAN: SEU PATRIMÔNIO PROTEGIDO COM LEGALIDADE E SEGURANÇA 01. DEFINIÇÃO: 01.1. O PAEBT é um programa que vem sendo aplicado com muito

Leia mais

REGULAMENTAÇÕES E SITUAÇÕES ESPECIAIS TEXTOS LEGAIS ESPECÍFICOS

REGULAMENTAÇÕES E SITUAÇÕES ESPECIAIS TEXTOS LEGAIS ESPECÍFICOS CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ - MATO GROSSO. Dispõe sobre o Sistema Tributário do Município de Cuiabá - MT. Lei Complementar nº 043 de 23 de dezembro 1997. Publicado na Gazeta Municipal nº 374

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13 LEI N. 3.177, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. PUBLICADO NO DOE Nº 2297, DE 11.09.13 Consolidada, alterada pela Lei nº: 3250, de 19.11.13 DOE n. 2343, de 19.11.13 Autoriza o Poder Executivo a realizar a compensação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO Assunto : Consulta PARECER Nº. 195/2007/GETRI/CRE/SEFIN EMENTA: consulta alteração de termo de depositário de mercadorias e bens competência primária do auditor fiscal autuante. O Gerente de Tributação

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei no 5.869,

Leia mais

CIRCULAR N 3.084. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009.

CIRCULAR N 3.084. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009. CIRCULAR N 3.084 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009. Dispõe sobre obrigação financeira, recursos não procurados, adiantamento a fornecedores, agregação de despesas e encerramento

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI COMPLEMENTAR N. 298, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Altera a Lei Complementar n. 114, de 30 de dezembro de 2002, que Dispõe acerca do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores - IPVA. O GOVERNADOR

Leia mais

FRAUDE PRATICADA PELA PARTE NO MOMENTO DA IDENTIFICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO NA REALIZAÇÃO DOS ATOS NOTARIAIS

FRAUDE PRATICADA PELA PARTE NO MOMENTO DA IDENTIFICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO NA REALIZAÇÃO DOS ATOS NOTARIAIS CENÁRIO ATUAL DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO NOTÁRIO (LEI 8.935/94) FRAUDE PRATICADA PELA PARTE NO MOMENTO DA IDENTIFICAÇÃO E REPRESENTAÇÃO NA REALIZAÇÃO DOS ATOS NOTARIAIS RODRIGO TOSCANO DE BRITO COMO

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho.

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista: 1.1. Quais os princípios que regem

Leia mais

A grosso modo a ideia é boa e já foi implantada em vários países com sucesso. Assim, por exemplo: Portugal, França, Itália.

A grosso modo a ideia é boa e já foi implantada em vários países com sucesso. Assim, por exemplo: Portugal, França, Itália. EIRELI Eireli, embora possa parecer, não é nome de uma artista de cinema ou televisão. E i re li é abreviação da expressão empresa individual de responsabilidade limitada e, como deve constar após a denominação

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO Assunto : Consulta sobre operações interestaduais de vendas para empresas de construção civil. PARECER Nº 015/05/GETRI/CRE/SEFIN O contribuinte que faz a consulta é empresa que comercializa produtos betuminosos,

Leia mais

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES]

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES] ... ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS...(nome da Sociedade)... [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Deve-se propor ação renovatória, com fulcro no art. 51 e ss. da Lei n.º 8.245/1991. Foro competente: Vara Cível de Goianésia GO, conforme dispõe o art. 58, II, da Lei n.º 8.245/1991:

Leia mais

CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR : LEGISLAÇÃO ADUANEIRA REGIMES ADUANEIROS

CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR : LEGISLAÇÃO ADUANEIRA REGIMES ADUANEIROS 1. CONCEITOS Regime é um conjunto de regras que estabelecem certa conduta obrigatória. É método, sistema ou forma de governo. Logo, chamamos de regime aduaneiro ao tratamento tributário e administrativo

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho (Não dispensa a consulta do Diário da República) REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho CAPÍTULO I Suporte e processo de registo SECÇÃO I Suportes de registo Artigo 1.º Instrumentos

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA TOMADA DE PREÇOS N 003/2013 PROCESSO Nº 013/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I DO OBJETO 1.1 Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de reserva, emissão, marcação, remarcação, endosso

Leia mais

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências.

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. (Publicada no DJ-e nº 187/2010, em 11/10/2010, pág. 4-6) RESOLUÇÃO Nº 121, DE 5 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição

Leia mais

Falência e Recuperação Judicial e Extrajudicial da Sociedade Empresária

Falência e Recuperação Judicial e Extrajudicial da Sociedade Empresária Falência e Recuperação Judicial e Extrajudicial da Sociedade Empresária Palestrantes: José Augusto S. Figueira Miguel Manente março de 2016 Falência e Recuperação Judicial e Extrajudicial da Sociedade

Leia mais

AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA. Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011

AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA. Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011 AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011 Para conceituarmos restrição judicial, há de se definir restrição, que é limitação imposta ao

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

LEI ORDINÁRIA Nº 1.448, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1966. Institui o Código Tributário do Município de Uberlândia. Prefeitura de Uberlândia Maio 2011

LEI ORDINÁRIA Nº 1.448, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1966. Institui o Código Tributário do Município de Uberlândia. Prefeitura de Uberlândia Maio 2011 1 LEI ORDINÁRIA Nº 1.448, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1966. Institui o Código Tributário do Município de Uberlândia Prefeitura de Uberlândia Maio 2011 2 Alterada pelas Leis Ordinárias nºs: 1.490, de 06/04/67;

Leia mais

INSCRIÇÃO ESTADUAL 2ª ETAPA Últimas Alterações

INSCRIÇÃO ESTADUAL 2ª ETAPA Últimas Alterações ICMS - PARANÁ INSCRIÇÃO ESTADUAL 2ª ETAPA Últimas Alterações CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. DILIGENCIA FISCAL 3. CONCESSÃO DE APENAS UMA INSCRIÇÃO 4. COMPETÊNCIA DECISÓRIA 5. RESPONSABILIDADE DA AGENCIA DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO N. 17.466, DE 08 DE JANEIRO DE 2013. DOE N. 2131, DE 08 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o artigo 3º, inciso VII, da Lei Complementar n. 620, de 21 de junho de 2011. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO Nº 8.407 DE 18/12/2014 REGULAMENTA O CADASTRAMENTO DE PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS NA DIVISÃO DE CADASTRO DE FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS DICAD, SETOR INTEGRANTE DA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Intercâmbio Nova Sistemática de Contabilização

Intercâmbio Nova Sistemática de Contabilização Nova Sistemática de Contabilização Impactos financeiros, contábeis, operacionais e fiscais Lycia Braz Moreira (lycia@fblaw.com.br) Assessoria Jurídica Unimed Federação Rio Definição O que é Intercâmbio?

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. O CONGRESSO

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Empresarial

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Empresarial VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Empresarial Peça O examinando deverá demonstrar conhecimento acerca do direito societário, notadamente da disciplina da responsabilidade civil dos administradores

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS INSTRUÇÃO SUSEP N.º 79, DE 28 DE MARÇO DE 2016.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS INSTRUÇÃO SUSEP N.º 79, DE 28 DE MARÇO DE 2016. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS INSTRUÇÃO SUSEP N.º 79, DE 28 DE MARÇO DE 2016. Dispõe sobre o uso do certificado digital no âmbito da Superintendência de Seguros Privados Susep. O SUPERINTENDENTE

Leia mais

DECRETO Nº 4.131, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005.

DECRETO Nº 4.131, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. DECRETO Nº 4.131, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Regulamenta o art. 70, da lei 1800/90, estabelece normas para implantação e operacionalização da Declaração Mensal de Serviços DMS e dá outras providências.

Leia mais

INSS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO MAJORAÇÃO EFEITOS NO TEMPO (I)LEGALIDADE E (IN)CONSTITUCIONALIDADE LEI 12254 (15.06.2010 DOU 16.06.

INSS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO MAJORAÇÃO EFEITOS NO TEMPO (I)LEGALIDADE E (IN)CONSTITUCIONALIDADE LEI 12254 (15.06.2010 DOU 16.06. FRANCO ADVOGADOS ASSOCIIADOS E CONSULTORES 1 ADONILSON FRANCO AL. SANTOS Nº 1470, 4º ANDAR - CJS. 407/408/409 JARDINS SÃO PAULO (SP) ASMAHAN ALESSANDRA JAROUCHE CEP 01418-100 PABX: (11) 3266-8592 JOICE

Leia mais

O consulente não juntou outros documentos aos autos.

O consulente não juntou outros documentos aos autos. PROCESSO Nº : 24.482-1/2015 INTERESSADO : PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA SANTA HELENA ASSUNTO : CONSULTA RELATOR : CONSELHEIRO JOSÉ CARLOS NOVELLI PARECER Nº : 072/2015 Excelentíssimo Senhor Conselheiro:

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 6 DE AGOSTO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

Sugestões de Alteração aos Projetos de Lei n os. 4.605/09 e 4.953/09

Sugestões de Alteração aos Projetos de Lei n os. 4.605/09 e 4.953/09 Sugestões de Alteração aos Projetos de Lei n os. 4.605/09 e 4.953/09 A SITUAÇÂO ATUAL Art. 985-A. A empresa individual de responsabilidade limitada será constituída por um único sócio, pessoa natural,

Leia mais

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta a Lei Complementar nº. 92/07 de 13 de Dezembro de 2007, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) - que altera o sistema

Leia mais

DECRETO Nº 12.069, DE 13 DE JANEIRO DE 2010.

DECRETO Nº 12.069, DE 13 DE JANEIRO DE 2010. 1 DECRETO Nº 12.069, DE 13 DE JANEIRO DE 2010. INSTITUI E REGULAMENTA A DECLARAÇÃO MENSAL DE SERVIÇO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS - DMS-IF E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito do Município de Uberlândia,

Leia mais

A COBRANÇA DE MULTAS DE TRÂNSITO EM ABERTO POR MEIO DE INSCRIÇÃO NA DÍVIDA ATIVA DO MUNICÍPIO E POR OUTRAS FORMAS ADMINISTRATIVAS E EXTRAJUDICIAIS.

A COBRANÇA DE MULTAS DE TRÂNSITO EM ABERTO POR MEIO DE INSCRIÇÃO NA DÍVIDA ATIVA DO MUNICÍPIO E POR OUTRAS FORMAS ADMINISTRATIVAS E EXTRAJUDICIAIS. A COBRANÇA DE MULTAS DE TRÂNSITO EM ABERTO POR MEIO DE INSCRIÇÃO NA DÍVIDA ATIVA DO MUNICÍPIO E POR OUTRAS FORMAS ADMINISTRATIVAS E EXTRAJUDICIAIS. Eliel Rodrigues Marins 1 ; Rodolfo Marincek Neto 1 ;

Leia mais

1. CABIMENTO DAS PEÇAS.

1. CABIMENTO DAS PEÇAS. 1. CABIMENTO DAS PEÇAS. Após o Nascimento do Tributo, mas antes do lançamento: Ação Declaratória de Inexistência da relação jurídica tributária; Mandado de Segurança Preventivo. Após a notificação do contribuinte

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 4 Data 20 de agosto de 2012 Processo 15504.722162/2011 60 Interessado ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROVEDORES DE INTERNET E OPERADORES DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Processo Administrativo Fiscal PAF

Processo Administrativo Fiscal PAF Processo Administrativo Fiscal PAF Ivan Luís Bertevello www.macedosoaresebertevello.adv.br OBJETIVO O Processo Administrativo Fiscal (PAF) objetiva solucionar os conflitos surgidos entre os contribuintes

Leia mais

BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1. OBJETIVOS DO PLANO BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1.1. Os objetivos do Plano de Opção de Compra de Ações da BR Malls Participações S.A. ( Companhia

Leia mais

ADITIVO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007

ADITIVO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 ADITIVO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 O Presidente da Fundação de Apoio à Universidade Federal de São João del-rei FAUF e o Prefeito Municipal de Ibirité, Antonio Pinheiro Júnior, faz saber

Leia mais

Sociedades. Feedback aula anterior: 26/10/2010

Sociedades. Feedback aula anterior: 26/10/2010 Prof. Thiago Gomes Sociedades Feedback aula anterior: Quais são os tipos societários que uma sociedade pode adotar? Adoção de tipo societário na sociedade simples/empresária Sociedade em nome coletivo

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR ELMO VAZ BASTOS DE MATOS, PRESIDENTE DA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA CODEVASF.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR ELMO VAZ BASTOS DE MATOS, PRESIDENTE DA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA CODEVASF. ILUSTRÍSSIMO SENHOR ELMO VAZ BASTOS DE MATOS, PRESIDENTE DA COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA CODEVASF. PROCESSO Nº 59500.000938/2014-45 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 27/2014

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TRADIÇÃO, EXPERIÊNCIA E OUSADIA DE QUEM É PIONEIRO Data: 23/03/2010 Estudo dirigido Curso: DIREITO Disciplina: DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO II Professora: ILZA MARIA

Leia mais

Preliminarmente à inscrição em dívida ativa, é necessário, sob pena de nulidade, a constituição do crédito tributário através do lançamento.

Preliminarmente à inscrição em dívida ativa, é necessário, sob pena de nulidade, a constituição do crédito tributário através do lançamento. A intimação do contribuinte por edital e o protesto da dívida tributária à luz da A constituição da dívida ativa tributária e não tributária do Município pressupõe a inscrição do crédito tributário e não

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.722/15/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000025988-07 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.722/15/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000025988-07 Impugnação: 40. Acórdão: 21.722/15/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000025988-07 Impugnação: 40.010137950-31 Impugnante: Coobrigado: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Tarcísio Resende Júnior CPF: 960.571.736-00 Tarcísio Resende

Leia mais

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS Gladimir Adriani Poletto Poletto & Possamai Sociedade de Advogados SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO II. ESTRUTURA

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PARTE GERAL PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Disserte sobre os Direitos da Personalidade abordando os seguintes aspectos: I - a

Leia mais

Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil

Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Março de 2013 Ana Carolina Saba Utimati ( PEP ) Em 27 de dezembro de 2012, foi publicado o Decreto nº 58.811, que instituiu o Programa Especial de Parcelamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 A DIRETORIA EXECUTIVA DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA APO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso XIV do Parágrafo Segundo da Cláusula Décima Quinta

Leia mais