A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido"

Transcrição

1 A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido Por Rodrigo Aita I INTRODUÇÃO Durante a vigência do Código Civil de 1916, até a entrada em vigor da Lei do Divórcio (Lei 6.515/77) o regime de bens legal (aquele conferido ao casamento em caso de ausência de pacto antenupcial) era o da comunhão universal de bens. Neste regime, a meação do cônjuge incide sobre todo o patrimônio do casal, seja superveniente ao casamento, seja pretérito a ele. Por conta desse maior alcance da meação, o cônjuge sobrevivente, na sucessão legítima, não tinha direitos hereditários sobre a meação do cônjuge falecido. A partir do ano de 1977, com a entrada em vigor da Lei do Divórcio, o regime legal de bens no casamento passou a ser a comunhão parcial de bens o que foi ratificado por ocasião do Novo Código Civil de 2002 (art ) e segue hodiernamente como a regra vigente. Destarte, quando os nubentes não fazem opção quanto ao regime de bens, presume-se que escolheram a comunhão parcial. Importante salientar que, ao optar pelo regime de bens do casamento, os nubentes não estão apenas disciplinando patrimonialmente suas relações durante a vida, mas essa escolha também tem consequências na posição que cada um ocupará na sucessão legítima do seu cônjuge. Nesta esteira, o artigo do Código Civil disciplina a ordem de vocação hereditária na sucessão legítima. A primeira posição dessa ordem é ocupada pelos em concorrência com o cônjuge sobrevivente, a depender do regime de bens do casamento: Art A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: 1

2 I - aos, em concorrência com o cônjuge sobrevivente, salvo se casado este com o falecido no regime da comunhão universal, ou no da separação obrigatória de bens (art , parágrafo único); ou se, no regime da comunhão parcial, o autor da herança não houver deixado bens particulares; Esse inciso suscitou inúmeras discussões doutrinárias, com reflexos na jurisprudência nacional, gerando precedentes divergentes nos diversos tribunais do País. A redação controvertida do dispositivo gera polêmicas infindáveis e talvez insuperáveis -, razão pela qual mais de um projeto de lei pretende a sua alteração. A preocupação do legislador foi evitar que, com o falecimento de uma pessoa, todos os seus bens passassem à propriedade dos e o(a) viúvo(a) restasse sem condições de sobrevivência. Deve-se ter em mente, porém, que o dispositivo foi concebido nas décadas de 1960 e 1970, tomando por base o modelo de família vigente na época, qual seja: extremamente sólida e baseada exclusivamente no casamento - que até então era, inclusive, indissolúvel. Basta lembrar que o Projeto de Código Civil era do ano de 1974, ao passo que a possibilidade de divórcio apenas surgiu em Pode-se afirmar, portanto, que, naquela época, não se imaginava que o casamento enfrentaria uma crise de efemeridade, nas próximas décadas. Não é novidade que estatisticamente, hoje, uma boa parte dos casamentos termina em divórcio. Em suma: hodiernamente, vivenciam-se as contradições da aplicação de uma disciplina jurídica concebida para uma sociedade de 40 anos atrás. Desse anacronismo, resultou verdadeira perplexidade por parte de todos. Enquanto os operadores do Direito discutem, tentando dar operabilidade ao ordenamento, as pessoas em geral indagam a seus advogados o que, de fato, ocorrerá com seus bens quando de sua morte. Procurando responder a esse questionamento, estabeleceram-se, primeiramente três correntes interpretativas distintas e, mais recentemente, a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça inaugurou uma quarta linha de entendimento. Ver-se-á cada uma dessas correntes a seguir. 2

3 II AS CORRENTES INTERPRETATIVAS 1ª CORRENTE: baseada no Enunciado 270 da III Jornada de Direito Civil O Conselho da Justiça Federal, por meio do seu Centro de Estudos Judiciários CEJ tem promovido, desde 2002, as conhecidas Jornadas de Direito Civil. Tais encontros têm por objetivo reunir magistrados, professores, representantes das diversas carreiras jurídicas e estudiosos do Direito Civil para o debate de temas sugeridos pelo Código Civil de 2002 e aprovar enunciados que representem o pensamento da maioria dos integrantes de cada uma das diversas comissões (Parte Geral, Direito das Obrigações, Direito das Coisas, Direito de Empresa, Responsabilidade Civil e Direito de Família e Sucessões). Entre 1º e 3 de dezembro de 2004, realizou-se a III Jornada de Direito Civil, a qual aprovou 133 novos enunciados (de números 138 até 271). Importante ressaltar que tais enunciados são um indicativo para interpretação do Código Civil e significam o entendimento majoritário das comissões temáticas constituídas. Na Comissão de Direito de Família e Sucessões, dentro outros, foi aprovado o seguinte enunciado: Enunciado 270 Art : O art , inc. I, só assegura ao cônjuge sobrevivente o direito de concorrência do autor da herança quando casados no regime da separação convencional de bens ou, se casados nos regimes da comunhão parcial ou participação final nos aqüestos, o falecido possuísse bens particulares, hipóteses em que a concorrência se restringe a tais bens, devendo os bens comuns (meação) ser partilhados exclusivamente entre os. Conjugando-se o teor literal do Código com a interpretação que lhe confere o enunciado acima, extrai-se o seguinte regramento para a sucessão legítima do cônjuge, quando concorre do de cujus: a) no caso de casamento pelo regime da comunhão universal de bens, o cônjuge supérstite não concorre na sucessão, haja vista ter recebido suficiente patrimônio com a meação, incidente sobre a totalidade do patrimônio do casal; 3

4 b) No casamento pela separação convencional de bens, o cônjuge sobrevivente herda em concorrência, para se evitar que eventualmente fique desamparado, já que não terá qualquer direito de meação; c) no casamento pela separação obrigatória, nas hipóteses impostas pelo art do Código civil, igualmente não há concorrência do cônjuge ; d) já na hipótese de casamento pelo regime de comunhão parcial, abrem-se duas possibilidades: d.1 caso o falecido tenha deixado bens particulares, o cônjuge sobrevivente participa da sucessão, porém apenas quanto a esses bens, excluindo-se aqueles adquiridos na constância do casamento, pois estes já foram objeto de meação. d.2 se não houver bens particulares e só bens comuns, o cônjuge não participa da sucessão, pois já recebeu o suficiente a título de meação (situação análoga ao caso de comunhão universal). Do regramento exposto, pode-se inferir o seguinte quadro esquemático: Regimes Meação Cônjuge herda bens particulares? Comunhão universal Comunhão parcial Sim Sim, em concurso obrigatória convencional Cônjuge herda bens comuns? Sim Não Não Não Não definido Não Não Não, em princípio Sim, em concurso Não há, em princípio, bens comuns 4

5 2ª CORRENTE: divergência quanto à comunhão parcial. Embora a primeira corrente tenha obtido êxito em aprovar o enunciado nº 270 enunciado, na III Jornada de Direito Civil, ao se consultar o universo de obras produzidas pelos civilistas brasileiros na atualidade, percebe-se que uma segunda corrente interpretativa tem voz tão expressiva quanto a primeira. Um ilustre exemplo é a professora Maria Helena Diniz 1, renomada civilista e docente da PUC-SP. Os partidários dessa corrente também separam, no casamento pela comunhão parcial, as hipóteses em que o falecido deixou ou não bens particulares. Caso o de cujus não os tenha deixado, o cônjuge sobrevivente não herda nada, reproduzindo o mesmo entendimento da primeira corrente. A diferença entre esta segunda corrente interpretativa e a primeira reside na hipótese em que o regime seja o da comunhão parcial e o falecido tenha deixado bens particulares. Neste caso, diferentemente da posição apontada no item anterior, os partidários da segunda corrente defendem que o cônjuge passa a ser herdeiro, não apenas dos bens particulares, mas de todo o acervo hereditário. Temos, portanto, a seguinte esquematização (pressupondo-se que o falecido tenha deixado bens particulares): Regimes Meação Cônjuge herda bens particulares? Comunhão universal Comunhão parcial Sim Sim, em concurso obrigatória convencional Cônjuge herda bens comuns? Sim Não Não Sim, em concurso Não definido Não Não Não, em princípio Sim, em concurso Sim, se os houver, em concurso com os 1 DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. V. 6: direito das sucessões. 20 ed. São Paulo: Saraiva, P. 124 e sgts. 5

6 3ª CORRENTE: interpretação invertida A terceira corrente interpretativa foi concebida pela doutrinadora e exdesembargadora do TJRS, Maria Berenice Dias 2. Segunda a eminente jurista gaúcha, deve-se ler o dispositivo do art. 1829, I, do CC de forma invertida ao preconizado pelas correntes anteriores: a sucessão do cônjuge casado pela comunhão parcial fica excluída na hipótese de o falecido ter deixado bens particulares. Assim, ao passo que os próceres das duas primeiras correntes defendem que o cônjuge sobrevivente, casado em regime de comunhão parcial de bens com o de cujus, somente assume a condição de herdeiro caso haja bens particulares, esta terceira linha de pensamento prescreve justamente o contrário: só há essa sucessão na hipótese em que ele não os deixou, concorrendo o cônjuge sobrevivente, na herança dos bens comuns. Eis o quadro: Regimes Meação Cônjuge herda bens particulares? Comunhão universal Comunhão parcial Sim Não há herança do cônjuge se houver bens particulares obrigatória convencional Cônjuge herda bens comuns? Sim Não Não Sim, em concurso Não definido Não Não Não, em princípio Sim, em concurso Sim, se os houver, em concurso com os 4ª CORRENTE: entendimento atual do STJ (REsp /MS) Com relação à separação de bens, em que pese a doutrina absolutamente predominante, por meio das três correntes expostas, posicione-se no sentido de que o cônjuge supérstite, casado pela separação convencional de bens, detenha a condição 2 Ponto Final Disponível em: <http://www.mariaberenicedias.com.br/site/content.php?cont_id=108&ispopup=true>, 6

7 de herdeiro necessário, concorrendo, o STJ entendeu de forma diversa. No dia 01 de dezembro de 2009, ao julgar o mérito do Recurso Especial nº /MS, de relatoria da Ministra Nancy Andrighi, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça inaugurou uma 4ª corrente, segundo a qual o cônjuge casado pelo regime da separação convencional de bens, via pacto antenupcial, fica excluído da sucessão do outro cônjuge em caso de concorrência. A tese da ilustre ministra relatora vem abalizada pelo ensinamento de Miguel Reale 3, supervisor da Comissão elaboradora do atual Código Civil segundo o qual a expressão separação obrigatória, contida no Art. 1829, I do Codex, é um gênero que contém duas espécies: separação legal (do art ) e separação convencional. Conclui o eminente jurista que, seja na separação legal, seja na separação convencional, o cônjuge não será herdeiro necessário da herança. No tocante à comunhão parcial de bens, a Colenda Terceira Turma do STJ, no precedente sub examine, entendeu que, se em vida os cônjuges optaram por comunicar apenas os bens adquiridos na constância do casamento, após a morte essa vontade deve ser respeitada, devendo o cônjuge sobrevivente concorrer apenas quanto aos bens comuns. Caso contrário, estar-se-ia, por conta do óbito, alterando o regime para a comunhão universal de bens, estendendo direitos ao cônjuge sobre os bens particulares do de cujus, contrariando a estipulação feita em vida. O mesmo raciocínio vale para a separação convencional de bens: após a morte, deve ser respeitado aquilo que os cônjuges pactuaram em vida. Se optaram por separar completamente seu patrimônio, tal opção deve ser mantida post mortem. Assim se posiciona a doutra Min. Nancy Andrighi: Por tudo isso, a melhor interpretação é aquela que prima pela valorização da vontade das partes na escolha do regime de bens, mantendo-a intacta, assim na vida como na morte dos cônjuges. Desse modo, preserva-se o regime da comunhão parcial de bens, de acordo com o postulado da autodeterminação, ao contemplar o cônjuge sobrevivente com 3 REALE, Miguel. Estudos preliminares do Código Civil. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, P

8 o direito à meação, além da concorrência hereditária sobre os bens comuns, haja ou não bens particulares, partilháveis, estes, unicamente entre os. [...] Dessa forma, não remanesce, para o cônjuge casado mediante separação de bens, direito à meação, salvo previsão diversa no pacto antenupcial, tampouco à concorrência sucessória, respeitando-se o regime de bens estipulado, que obriga as partes na vida e na morte. Nos dois casos, portanto, o cônjuge sobrevivente não é herdeiro necessário. A partir das considerações extraídas do voto da Min. Nancy Andrighi, inaugurou-se 4 uma quarta corrente de interpretação do art. 1829, I, do Código Civil, que pode ser resumida no seguinte quadro esquemático: Regimes Meação Cônjuge herda bens particulares? Comunhão Cônjuge herda bens comuns? Sim Não Não universal Comunhão parcial Sim Não Sim, em concurso Obrigatória (que pode ser legal ou convencional) Não Não Não 4 Importante frisar que tal posicionamento já havia sido adotado pelo STJ, em sua Quarta Turma, por ocasião do julgamento do REsp /RJ, que antecedeu o precedente analisado no presente estudo em apenas alguns dias (Data de Julgamento: 01/10/2009, ao passo que o REsp / MS foi julgado em 01/12/2009). Em que pese tal circunstância, foi no REsp que a matéria foi detidamente sistematizada. 8

9 III CONCLUSÃO Por todo o exposto, pode-se inferir que o critério utilizado pelo legislador para saber se haverá ou não concorrência do cônjuge do de cujus na partilha do acervo hereditário é o regime de bens adotado no casamento. Fixada essa premissa básica, os desdobramentos da aplicação do art , inciso I do Código Civil, cuja redação não é clara, geram controvérsias doutrinárias e diversas decisões conflitantes nos Tribunais. A doutrina majoritária, representada pela 1ª e pela 2ª correntes expostas, entende que o cônjuge casado pela separação convencional de bens é herdeiro necessário e concorre do de cujus. Neste sentido, também há precedentes do nosso Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (v.g. AC e AgRg ). Quando se trata da comunhão parcial de bens, a doutrina majoritária (1ª e 2ª correntes) é uníssona no sentido de que o cônjuge supérstite apenas herdará caso o de cujus tenha deixado bens particulares. O traço distintivo entre essas duas principais correntes doutrinárias se dá na medida em que a primeira corrente defende a concorrência do cônjuge herdeiros apenas quanto aos bens particulares do falecido, ao passo que a segunda entende que, existindo ao menos um bem particular, o cônjuge concorre herdeiros pela totalidade da herança (bens particulares e bens comuns). De outra banda, em que pese contrarie a interpretação literal do Código e esteja em sentido oposto à doutrina majoritária, o STJ (REsp /MS e REsp /RJ) tem entendido pela exclusão do cônjuge sobrevivente, casado no regime da separação convencional de bens, da concorrência hereditária do falecido. Quanto ao regime da comunhão parcial, a posição mais atual do STJ é no sentido de que, independentemente de o de cujus haver deixado bens particulares, o cônjuge supérstite concorre apenas quanto ao patrimônio comum, entendimento diametralmente oposto à doutrina amplamente majoritária. Percebe-se, portanto, um quadro de verdadeira instabilidade gerada pela má redação do artigo do Código Civil. Diante disso, a posição mais segura para os 9

10 operadores do Direito parece ser a adoção da 4ª corrente, em conformidade precedentes recentes do STJ. Cumpre advertir, todavia, que se trata de decisões de órgãos fracionários, carecendo ainda de manifestação do Órgão Especial do STJ, que reflita a posição institucional do Tribunal. A solução ideal certamente seria a superveniência de alteração legislativa, dando nova redação ao dispositivo e pondo fim a esse império da insegurança jurídica. IV BIBLIOGRAFIA BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº /MS. Rel. Des. Nancy Andrighi. Terceira Turma. Julgado em 01/12/2009. DJe 05/02/2010. BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial /RJ. Rel. Fernando Gonçalves. Quarta Turma. Julgado em 01/10/2009. DJe 11/002/2010. BRASIL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Agravo Regimental nº Rel. Des. Sérgio Fernando de Vasconcellos Chaves. Sétima Câmara Cível. Julgado em 17/07/2013. BRASIL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Apelação Cível nº Rel. Des. Rui portanova. Oitava Câmara Cível. Julgado em 11/10/2007. DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. V. 6: direito das sucessões. 20 ed. São Paulo: Saraiva, GAGLIANO, Pablo Stolze e PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil. Volume 6: direito de família as famílias em perspectiva constitucional. 3 ed. São Paulo: Saraiva,

11 NERY JUNIOR, Nelson e ANDRADE NERY, Rosa Maria. Código civil comentado. 8. ed. rev., ampl. e atual. até São Paulo: Revista dos Tribunais, SIMÃO, José Fernando e TARTUCE, Flávio. Direito Civil. V. 6: direito das sucessões. 3. Ed. São Paulo: Método,

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC

Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente. ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Material referente a sucessão do cônjuge em concorrência com o descendente Prof. Ms. Tatyane Karen da Silva Goes ORDEM DA VOCAÇÃO HEREDITÁRIA art. 1.829 a 1.844, CC Falecendo a pessoa ab intestato, a herança

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.117.563 - SP (2009/0009726-0) RECORRENTE : SANDRA APARECIDA PENARIOL DUARTE ADVOGADOS : FRANCISCO CASSIANO TEIXEIRA E OUTRO(S) RENATO OLIVEIRA RAMOS RECORRIDO : ROSEMARI APARECIDA

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite A predominância de uma posição mais solidária entre os membros

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000122590 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2196688-13.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que são agravantes CARLOS ROBERTO DE ARO

Leia mais

A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS

A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS Marcos Vinícius Monteiro de Oliveira Diogenis Bertolino Brotas e RESUMO O presente artigo pretende expor interpretação acerca da sucessão

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

I miii mil mil um um um mu um mi m

I miii mil mil um um um mu um mi m ACÓRDÃO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N I miii mil mil um um um mu um mi m *03071141* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 994.08.058146-0, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.377.084 - MG (2013/0083914-0) RECORRENTE REPR. POR ADVOGADOS INTERES. : GERALDO SEBASTIÃO DA SILVA - ESPÓLIO : APARECIDA JOANA DA SILVA PAIVA - INVENTARIANTE : PAULO EDUARDO ALMEIDA

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO.

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO. SUCESSÕES Direito das sucessões. Recurso especial. Inventário. De cujus que, após o falecimento de sua esposa, com quem tivera uma filha, vivia, em união estável, há mais de trinta anos, com sua companheira,

Leia mais

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito

Leia mais

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS 23 A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS Adrieli Aline Frias 1 Daniele Garcia 2 Niagara Sabrina 3 Ynaia Medina Long 4 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões OBJETIVO Compreender as consequências da ordem de vocação hereditária. ROTEIRO! Da ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO Valéria Edith Carvalho de Oliveira 1 Sumário: 1 Introdução. 2 O direito sucessório do cônjuge separado de fato. 3. O direito sucessório do cônjuge separado

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá)

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) Altera o inciso I do art. 1.829 da Lei nº 10.406 de 10 de janeiro de 2002; tendo parecer da Comissão de Seguridade

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE Fernanda Garcia Escane Mestranda em Direito Civil comparado pela PUC/SP. Palestrante na Ordem dos Advogados do Brasil de Santo

Leia mais

DO CÁLCULO DOS BENS COLACIONADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70061873899 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL

DO CÁLCULO DOS BENS COLACIONADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70061873899 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL 16 DO CÁLCULO DOS BENS COLACIONADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70061873899 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL Fabiana Daniele Carneiro 1 Jaqueline Naiane Gonçalves Torres 2 Patricia Fertonani 3

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.382.170 - SP (2013/0131197-7) RELATOR : MINISTRO MOURA RIBEIRO RECORRENTE : FLÁVIA MATARAZZO ADVOGADOS : FRANCISCO CLÁUDIO DE ALMEIDA SANTOS E OUTRO(S) JOSÉ BEN HUR DE ESCOBAR FERRAZ

Leia mais

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO COSTA PARECER Direito das Sucessões. Situação jurídica do companheiro ou companheira comparada com o status jurídico dos cônjuges. Constitucionalidade da distinção entre os

Leia mais

A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial

A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial Por Maria Angélica Jobim de Oliveira À luz do artigo 1.336, inciso I, do Código Civil,

Leia mais

Nº 70021504923 COMARCA DE PELOTAS ESTELA MARIA CIRNE MAGALHAES NOEMIA MARIA PINHEIRO CIRNE

Nº 70021504923 COMARCA DE PELOTAS ESTELA MARIA CIRNE MAGALHAES NOEMIA MARIA PINHEIRO CIRNE AGRAVO DE INSTRUMENTO. PARTILHA. REGIME DE BENS. INEXISTÊNCIA DE MEAÇÃO SOBRE BEM CLAUSULADO. REGIME DE SEPARAÇÃO TOTAL DE BENS. HERANÇA. CONCORRÊNCIA SUCESSÓRIA DO CÔNJUGE VIVO COM OS DESCENDENTES DO

Leia mais

PARECER. Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: II - aos ascendentes, em concorrência com o cônjuge;

PARECER. Art. 1.829. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: II - aos ascendentes, em concorrência com o cônjuge; 1 PARECER Código Civil de 2002. Direito de Sucessões. A Sucessão do Cônjuge supérstite relacionase com o regime de bens do casamento. Situação singular do viúvo(a) quando casado pelos regimes da comunhão

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Ano III nº 12 (I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Barbara Brentani Lameirão Roncolatto Luiz Henrique Cruz Azevedo 01. Em 7 de outubro de 2008,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.346.324 - SP (2011/0285110-6) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : T DA C F E OUTRO ADVOGADOS : CÉLIO DE MELO ALMADA NETO E OUTRO(S) PAULO ROSENTHAL E OUTRO(S) ADVOGADA

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações

O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações O inc. I do art. 1.829 do CC: algumas interrogações Maria Berenice Dias Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família

Leia mais

A NÃO RENOVAÇÃO DO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO

A NÃO RENOVAÇÃO DO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO A NÃO RENOVAÇÃO DO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO Voltaire Marensi César Lara Peixoto No Recurso Especial 1.356.725/RS, publicado em 12.06.2014, a Terceira Turma do egrégio Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR CONSULTA N 15/2015 CAOP CÍVEL. Objeto: Direito das Sucessões Pedido de Alvará Judicial para alienação de bem móvel (veículo) deixado por pessoa falecida Autor da herança casado sob o regime da comunhão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CELSO SHIGUEO OHARA POSSIBILIDADE DO COMPANHEIRO SOBREVIVENTE SER MEEIRO E HERDEIRO QUANTO AOS BENS ADQUIRIDOS ONEROSAMENTE NA CONSTÂNCIA DA UNIÃO ESTÁVEL MARINGÁ PR 2013

Leia mais

Tema : Concorrência Sucessória, aspectos práticos e o atual posicionamento dos tribunais superiores

Tema : Concorrência Sucessória, aspectos práticos e o atual posicionamento dos tribunais superiores aulas dia 11/09 ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DAS FAMÍLIAS E SUCESSÕES Tema: Concorrência Sucessória, aspectos práticos e o atual posicionamento dos tribunais superiores.

Leia mais

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado de Minas Gerais. Autor do Livro Direito de Família, publicado em 2005, pela Editora Atenas. Professor de Direito de Família e Sucessões na Unifenas,

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES Direito Civil Aula 3 Delegado Civil Sandro Gaspar Amaral DIREITO DAS SUCESSÕES PRINCÍPIO DE SAISINE (art. 1784, CC): transmissão da propriedade e da posse no exato momento da morte. NORMA VIGENTE (art.

Leia mais

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Sucessão dos Descendentes (art. 1833, CC) É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Neto 1 Neto

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DO ART. 1.829, I, DO CÓDIGO CIVIL DE 2002, NO TOCANTE AO REGIME DA COMUNHAO PARCIAL DE BENS. RESUMO

INTERPRETAÇÃO DO ART. 1.829, I, DO CÓDIGO CIVIL DE 2002, NO TOCANTE AO REGIME DA COMUNHAO PARCIAL DE BENS. RESUMO 30 INTERPRETAÇÃO DO ART. 1.829, I, DO CÓDIGO CIVIL DE 2002, NO TOCANTE AO REGIME DA COMUNHAO PARCIAL DE BENS. Maria da Glória Souza Lacerda Vera Carmem de Ávila Dutra RESUMO O presente artigo científico

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

DA SUCESSÃO NO DIREITO BRASILEIRO: DIREITOS DE HERDAR DO CASADO E DO COMPANHEIRO

DA SUCESSÃO NO DIREITO BRASILEIRO: DIREITOS DE HERDAR DO CASADO E DO COMPANHEIRO DA SUCESSÃO NO DIREITO BRASILEIRO: DIREITOS DE HERDAR DO CASADO E DO COMPANHEIRO Adriana Pereira Dantas Carvalho 1 Resumo: O presente artigo traz breves reflexões acerca da sucessão no Brasil, abordando

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a

ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a ORDEM DE VOCAÇÃO HEREDITÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL: OS DIREITOS SUCESSÓRIOS DO CÔNJUGE ALICE DE SOUZA BIRCHAL 1 - INTRODUÇÃO: A questão primordial a que se pretende responder através deste estudo refere-se

Leia mais

OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ

OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça Saudações Coordenadores: Des. Paulo Sérgio Fabião

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000726618 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1007380-59.2014.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante JOSÉ RIBEIRO, é apelado KOPLENO PRODUTOS

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO E RECURSO ADESIVO N. 2001997051712-0/001 Relator Des. José Di Lorenzo Serpa 1 Apelante Banco do Nordeste do Brasil

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA (Superior Tribunal de Justiça)

JURISPRUDÊNCIA (Superior Tribunal de Justiça) JURISPRUDÊNCIA (Superior Tribunal de Justiça) Direito civil Família e Sucessões Recurso especial Inventário e partilha Cônjuge sobrevivente casado pelo regime de separação convencional de bens, celebrado

Leia mais

Revista IOB de Direito de Família

Revista IOB de Direito de Família Revista IOB de Direito de Família. 51 Dez Jan/2009 Conselho Editorial Álvaro Villaça Azavedo Gustavo José Mendes Tepedino Priscila M. P. Correa da Fonseca Sérgio Resende de Barros Considerações Acerca

Leia mais

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº Dados Básicos Fonte: 70039973367 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/06/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:14/06/2011 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Porto Alegre Relator:

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Nº XXXXXXXXXXXXXX COMARCA DE CAXIAS DO SUL A C Ó R D Ã O

Nº XXXXXXXXXXXXXX COMARCA DE CAXIAS DO SUL A C Ó R D Ã O AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO DE ALIMENTOS MOVIDA PELA GENITORA, IDOSA, CONTRA UM DOS FILHOS. OBRIGAÇÃO ALIMENTAR EXCEPCIONALMENTE SOLIDÁRIA, POR FORÇA DO ART. 12 DO ESTATUTO DO IDOSO (LEI 10.741/03). LITISCONSÓRCIO

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DOS CÔNJUGES. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO SUCESSÓRIO DOS CÔNJUGES. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO SUCESSÓRIO DOS CÔNJUGES http://patriciafontanella.adv.br Herdeiros Necessários Ascendentes, descendentes e cônjuge, de acordo com o art. 1845. O legislador fez uma escolha política: quis, como

Leia mais

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1

O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 O DIREITO DAS SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 Adriana Goulart Spanholi 2 RESUMO: O presente artigo tem por objetivo demonstrar e analisar as mudanças trazidas no campo do direito sucessório, especialmente

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 Denúncia espontânea. Exclusão da multa moratória. Inexistência de distinção entre multa moratória e multa punitiva, visto que ambas são excluídas em caso de configuração

Leia mais

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO doação Conceito: é negócio jurídico unilateral inter vivos, em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

APELAÇÃO PROVIDA. Nº 70048017610 COMARCA DE ALVORADA L. G. L. APELANTE R. C. C. L. APELADO R. W. C. L. APELADO A C Ó R D Ã O

APELAÇÃO PROVIDA. Nº 70048017610 COMARCA DE ALVORADA L. G. L. APELANTE R. C. C. L. APELADO R. W. C. L. APELADO A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. ANULAÇÃO DE REGISTRO CIVIL. VÍCIO. LEGITIMIDADE ATIVA DO AVÔ REGISTRAL. DESCONSTITUIÇÃO DA SENTENÇA. PRECEDENTES DESTA CORTE E DO STJ. O pedido de anulação de registro civil de nascimento,

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL DE CASAIS DO MESMO SEXO Prefácio: A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecendo a união de casais do mesmo sexo e ofertando a esses o mesmo grau de legalidade

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

CONSULTA Nº 19/2010 PROTOCOLO 0068726/2010 CONSULENTE: ILMO. SR. ANTÔNIO DE SOUZA SOBRINHO OFICIAL DO CARTÓRIO DE PAZ E NOTAS DE GUIRATINGA/MT

CONSULTA Nº 19/2010 PROTOCOLO 0068726/2010 CONSULENTE: ILMO. SR. ANTÔNIO DE SOUZA SOBRINHO OFICIAL DO CARTÓRIO DE PAZ E NOTAS DE GUIRATINGA/MT CONSULTA Nº 19/2010 PROTOCOLO 0068726/2010 CONSULENTE: ILMO. SR. ANTÔNIO DE SOUZA SOBRINHO OFICIAL DO CARTÓRIO DE PAZ E NOTAS DE GUIRATINGA/MT PARECER Nº 416/2010 SENHOR CORREGEDOR: ANTÔNIO DE SOUZA SOBRINHO

Leia mais

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790)

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) Abril de 2013. José Fernando Simão Companheiros: São aqueles que vivem em união estável. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre homem e mulher,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROJETO DE PESQUISA SUBMETIDO AO INGRESSO NO GRUPO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROJETO DE PESQUISA SUBMETIDO AO INGRESSO NO GRUPO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROJETO DE PESQUISA SUBMETIDO AO INGRESSO NO GRUPO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REFLEXOS JURÍDICOS ACERCA DAS INOVAÇÕES NO DIVÓRCIO E SEPARAÇÃO OCASIONADAS PELA LEI 11.441/07

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

Prof. Dr. Francisco José Cahali

Prof. Dr. Francisco José Cahali SUCESSÃO DECORRENTE DA UNIÃO ESTÁVEL E DO CASAMENTO Sucessão decorrente da União Estável: 1) A polêmica da filiação híbrida 1.1) Afastando a companheira da participação na herança, na filiação híbrida

Leia mais

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Art. 1 - Salvo disposição contrária, a lei começa

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.204.347 - DF (2010/0141637-8) RECORRENTE RECORRIDO : FLÁVIA LETÍCIA TREVISANI FAUSTINI GALLETTI : CRISTIAN FETTER MOLD E OUTRO(S) : RITA DE CASSIA TAARES DE LUNA FAUSTINI : LUIZ HUMBERTO

Leia mais

A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO

A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO Moisés da Silva Advogado Pós-graduando em Direito Processual e em Direito do Estado 59 EXCERTOS Se a instituição financeira presta

Leia mais

HERANÇA. Danilo Santana

HERANÇA. Danilo Santana A RELAÇÃO HERANÇA Danilo Santana HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO A RELAÇÃO HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO HERANÇA Danilo Santana Advogado, graduado em Direito pela PUC-MG, membro efetivo

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.196.992 Tipo: Acórdão STJ Data de Julgamento: 06/08/2013 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:22/08/2013 Estado: Mato Grosso do Sul Cidade: Relator: Nancy Andrighi

Leia mais

Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Direito Sucessório do companheiro à luz do princípio da isonomia. Sarah Marujo de Andrade

Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Direito Sucessório do companheiro à luz do princípio da isonomia. Sarah Marujo de Andrade Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Direito Sucessório do companheiro à luz do princípio da isonomia Sarah Marujo de Andrade Rio de Janeiro 2014 SARAH MARUJO DE ANDRADE Direito Sucessório

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Direito. Elizete Maria da Conceição Rodrigues

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Direito. Elizete Maria da Conceição Rodrigues FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Direito Elizete Maria da Conceição Rodrigues A SUCESSÃO DO CÔNJUGE CASADO NO REGIME DE COMUNHÃO UNIVERSAL E PARCIAL DE BENS EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES: uma

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARIA DO CARMO ALVES

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARIA DO CARMO ALVES PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 504, de 2011, do Senador Humberto Costa, que altera o parágrafo único do art.

Leia mais

Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003)

Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003) Série Aperfeiçoamento de Magistrados 6 Judicialização da Saúde - Parte I 393 Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal.

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 06 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão

Leia mais

APELAÇÃO. UNIÃO ESTÁVEL. PARTILHA. DERAM PARCIAL PROVIMENTO. Nº 70050462951 COMARCA DE MONTENEGRO A C Ó R D Ã O

APELAÇÃO. UNIÃO ESTÁVEL. PARTILHA. DERAM PARCIAL PROVIMENTO. Nº 70050462951 COMARCA DE MONTENEGRO A C Ó R D Ã O APELAÇÃO. UNIÃO ESTÁVEL. PARTILHA. Não há como reconhecer sub-rogação, por alegada venda de bem exclusivo, quando não provado nem minimamente que um bem exclusivo foi vendido, ou que eventuais valores

Leia mais

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil

A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil A sucessão do cônjuge e do companheiro no novo código civil 1. Intróito Inacio de Carvalho Neto Professor de Direito Civil da Unifoz, da Unipar, do CIES, da Escola do Ministério Público e da Escola da

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000318446 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001766-40.2013.8.26.0291, da Comarca de Jaboticabal, em que é

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000316356 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0017283-12.2011.8.26.0047, da Comarca de Assis, em que é apelante EDUARDO BERNARDO RIBEIRO FILHO (JUSTIÇA GRATUITA),

Leia mais

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02:

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 07 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Regime de Bens: Separação de Bens - Consensual e Legal; Participação final nos aquestos. Dissolução

Leia mais

Da Sucessão do Companheiro. O Polêmico Art. 1.790 Do CC e Suas Controvérsias Principais.

Da Sucessão do Companheiro. O Polêmico Art. 1.790 Do CC e Suas Controvérsias Principais. Da Sucessão do Companheiro. O Polêmico Art. 1.790 Do CC e Suas Controvérsias Principais. Autor: Flávio Tartuce Um dos dispositivos mais criticados e comentados da atual codificação privada é o relativo

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

O DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CASADO EM SEPARAÇÃO CONVENCIONAL Lília Nascimento Portugal* 1 Introdução

O DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CASADO EM SEPARAÇÃO CONVENCIONAL Lília Nascimento Portugal* 1 Introdução O DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CASADO EM SEPARAÇÃO CONVENCIONAL Lília Nascimento Portugal* RESUMO: O presente trabalho trata sobre o direito de concorrência do cônjuge sobrevivente, outrora casado

Leia mais