Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS"

Transcrição

1 Turma e Ano: Master A (2015) Matéria/Aula: Direito Civil Família e Sucessões Aula 07 Data: Professor: Andréa Amin Conteúdo: Regime da comunhão parcial de bens; Comunhão universal; Participação final nos Aquestos e Separação convencional. Monitora: Carmen Shimabukuro REGIME DE BENS (continuação) Pode-se adotar o regime típico por meio do pacto antenupcial ou legal, não necessitando este de pacto. Pode-se mesclar um regime com o outro, desde que não haja vedação em lei como no caso do regime da separação obrigatória e desde que não insira clausulas que violem normas de ordem publica. Conteúdo dos regimes Vamos seguir a sequencia da lei começando pelo regime da comunhão parcial de bens. É o regime mais adotado, é o regime legal considerado mais justo pois permite a comunhão de aquestos enqto se vive em comunhão de vida. Qdo se casa por esse regime, forma-se três massas de bens: Bens particulares da mulher Bens particulares do marido Bens do casal são bens que se encontram em comunhão Isso não quer dizer que se tenham 3 patrimônios, pois cada pessoa tem só uma passa patrimonial principio da unicidade de patrimônio que é a regra. mas o patrimônio da mulher é formado pelos bens particulares e a meação. Bens esses que ficarão em comunhão e só se sabe o que esta na meação qdo houver a partilha. O mesmo para o marido. tanto é que se a mulher falece o seu patrimônio é formado pelos seus bens particulares e pela meação que lhe cabia. 1

2 A regra básica desse regime esta no art 1658, diz quais são os bens que estão compreendidos na massa dos bens comuns: Art No regime de comunhão parcial, comunicam-se os bens que sobrevierem ao casal, na constância do casamento, com as exceções dos artigos seguintes. No art 1659 diz que excluem da comunhão, logo são as massas particulares: Art Excluem-se da comunhão: I - os bens que cada cônjuge possuir ao casar, e os que lhe sobrevierem, na constância do casamento, por doação ou sucessão, e os sub-rogados em seu lugar; II - os bens adquiridos com valores exclusivamente pertencentes a um dos cônjuges em sub-rogação dos bens particulares; III - as obrigações anteriores ao casamento; IV - as obrigações provenientes de atos ilícitos, salvo reversão em proveito do casal; V - os bens de uso pessoal, os livros e instrumentos de profissão; VI - os proventos do trabalho pessoal de cada cônjuge; VII - as pensões, meios-soldos, montepios e outras rendas semelhantes. Inciso I e II tudo que tinha qdo se casa, chama-se bens presentes, ex tenho dois apartamentos antes de me casar e esses bens não se comunicarão. Se caso eu venda esses dois apartamentos na constância do casamento e comprar um novo apartamento de valor maior, mas como foi comprado com recursos formado pela venda daqueles dois apartamentos, esse novo bem sub-roga-se no anterior, logo não se comunica. Se por acaso vender um bem particular e deixou esses vls guardados e só depois comprei outro bem ou se por acaso deixar guardado no banco, e posteriormente o casamento acabar por qq motivo. Esse recurso tb se sub-roga no anterior, tb é considerado bem particular. Os bens recebidos por doação só para um dos cônjuges não se comunicam. Não se comunicam os bens recebidos a titulo de herança e tudo aquilo que compro 2

3 com esses vls esses novos bens sub-rogam-se no lugar dos anteriores. É a aplicação do principio da sub-rogação. Patrimônio é o cj de relações econômicas de uma pessoa, ativo e passivo. É a projecao econômica da personalidade. qual a natureza jurídica do patrimônio? É uma universalidade de direito. Ela tem uma tendência de se manter integra, inteira. Aplicase a universalidade do direito o principio da sub-rogação. Se tenho um patrimônio que é universalidade de direito e vendi um carro, por exemplo, e não comprei nenhum outro, com esse dinheiro do carro faço aplicação financeira, isso se sub-roga no lugar do carro. Suponha que tenha um patrimônio que é herança de pessoa falecida. Dentro desse bolo tenho um carro e esse bem vai perdendo o vl, então posso pedir ao juiz alvará para vender o carro. Imagine o bem particular da mulher e bem particular do marido e os bens comuns. A mulher tem um carro depois vendeu-o e fez aplicação financeira. Esse vl sub-roga-se no bem carro. Qdo vende um bem e adquire um imóvel, por exemplo, o ideal é constar isso na escritura publica de que aquele vl para aquisição do imóvel refere-se ao bem particular X, por exemplo, ou se ambos adquirem o imóvel, ie, esposa 60% com vls provenientes da venda de seu bem particular e o marido com 40% de vl do bem particular. Agora se não fizer isso pode-se usar das declarações de IR que prova que tal época vendeu o bem Y e adquiriu o imóvel X. Inciso III obrigações anteriores ao casamento, conjugado com o art 1661: Art São incomunicáveis os bens cuja aquisição tiver por título uma causa anterior ao casamento. As obrigações anteriores ao casamento são as dividas que contrai antes do casamento, essas não se misturam. Qdo se adquire um bem e a divida não quitada e será quitada ao longo do casamento. Ex comprei um apto financiado, dei um sinal e vou quita-la no curso do casamento. Pela literalidade do art 1661, o apto esta em meu nome e o financiamento foi feito em 20 anos. O fato é que normalmente se combina com o cônjuge que a mulher pague a prestação e o cônjuge paga outras despesas, condomínio. Isso na verdade, por conta do apto o outro está sobrecarregado as demais despesas que não o da prestação do financiamento, vls despendidos esses que poderias ser objeto de partilha entre os dois. Por isso a doutrina e jurisprudência entendem que os vls pagos ao longo do casamento seriam objeto de partilha, sob pena de haver enriquecimento sem causa de um em detrimento do outro. Por isso se faz uma conta de ajuste, abre-se um credito em favor da outra parte. A discussão que se tem, mas isso depende de juiz para juiz é que, por exemplo, no caso do imóvel, a mulher paga um determinado vl, ajudando o marido, e se o casamento não der certo, a mulher tem o direito referente a parte. O problema é 3

4 que pagou esse vl e o imóvel teve extrema valorização. Como se faz a partilha desse vl? É pelo vl pago corrigido monetariamente ou pelo vl de mercado desse bem? É questão tormentosa. Alguns decidem pelo vl monetário corrigido. Outros entendem que a seja pelo valor do mercado, aplica-se o principio que veda o enriquecimento sem causa. O juiz vai ponderar o tempo em que o casamentos durou, ex do casamento miojo, casaram-se hoje e daí 4 meses estão se separando, é um outro ponto que o juiz ponderará no momento de fixar qual o critério a ser utilizado na partilha. IV aqui rege a responsabilidade civil direta. Quem causou tem que pagar a indenização. Se o credor penhorar o imóvel do casal, o cônjuge não culpado tem que entrar com embargos de terceiro na execução. Exceção a regra: do se tem ato ilícito praticado que reverte em favor da família. Ex marido tem uma PJ e faz muitas falcatruas, emite notas frias, etc. O ilícito foi praticado pelo marido e a família tirou proveito pelos frutos produzidos pela PJ, nesse caso o bem da meação entra nessa eventual responsabilização. V- roupas, sapatos, bolsas, livros não entram na meação. Maria Berenice Dias diz que tem que analisar cada caso per si: instrumentos de profissão, por exemplo, suponha que no curso do casamento a mulher termina a faculdade de odontologia. O casal tem certos bens, vende-as e compra o imóvel onde monta o consultório odontológico, e na hora da separação a mulher avoca o inciso V. Mas esse vl foi retirado da reserva do casal, se a situação é essa, vl que demonstra que haverá enriquecimento sem causa, será caso, sim, de partilha desses bens. VI as verbas tem natureza alimentar, por isso não se comunica. Mas depois que transformar essa verba em riqueza, ex. A ganha 10 mil reais por mês, usa 5 mil e guarda 5 mil, no momento que guarda perdeu a natureza de verba alimentar, entra na partilha. Suponha um casal em que a mulher é econômica e o marido é gastador. Ela guarda os proventos do trabalho e ele torra tudo o que ganha. No caso de ruptura do casamento, a poupança será partilhada. Até mesmo os creditos que tem a receber, trabalhistas do passado, tb são partilhados. Suponha que A tenha um credito que surge ainda em casamento, e esse valor é pago após o termino do casamento, depois de anos, isso é um credito que vira poupança. Isso será partilhado, pois perde a natureza de alimentos. O que entra na comunhão? Art 1660 diz que: Art Entram na comunhão: I - os bens adquiridos na constância do casamento por título oneroso, ainda que só em nome de um dos cônjuges; 4

5 II - os bens adquiridos por fato eventual, com ou sem o concurso de trabalho ou despesa anterior; III - os bens adquiridos por doação, herança ou legado, em favor de ambos os cônjuges; IV - as benfeitorias em bens particulares de cada cônjuge; V - os frutos dos bens comuns, ou dos particulares de cada cônjuge, percebidos na constância do casamento, ou pendentes ao tempo de cessar a comunhão. Inciso I são os aquestos bens adquiridos na constância do casamento,mesmo que em nome de um só. Inciso II fulano ganhou moto no sorteio do mercado Guanabara. Esse bem entra nos aquestos. Ganhou bolada na mega Sena acumulada, tb entra nos aquestos. Inciso III tem que ser em favor dos dois. Inciso IV isso dá muito trabalho para a defensoria: fulano recebe de herança uma casinha de praia, o telhado está ruim e o marido custeia a reforma. Na hora da separação ele diz: lembra do telhado? Metade dessa benfeitoria é dele. Tem aqueles casos em que o sujeito constrói imóvel no terreno da sogra. Na hora de construir o casal banca. O bem principal solo é da sogra. São problemas práticos que surgem na defensoria e são ações que se arrastam por anos, pois pela lei o proprietário do solo deveria indenizar o casal, mas como não tem bens, essa discussão perdura por anos. Inciso V temos uma regra na parte geral do CC de que o acessório segue a sorte do principal, ex. X recebeu de herança 10 imóveis no trecho de Ipanema e Leblon. Em termos de aluguel esses 10 imóveis rendem em media 100 mil reais. esses 100 mil são do casal, o fruto produzido por esses bens particulares se comunicam, mas o bem principal não se comunica. Por isso o art 1647 diz que precisa da outorga do cônjuge para onerar ou alienar bens imóveis isso é pq os frutos produzidos formam muitas vezes a renda familiar. Por isso um cônjuge tem que fiscalizar os bens do outro cônjuge, aqui há o interesse em se garantir a outorga. Regime da Comunhão Universal A comunhão universal que era o antigo regime legal ele é assemelhado a essas três massas patrimoniais, só se faz uma redução. Os bens particulares são menores e os bens comuns ficam num patamar maior, via de regra. 5

6 O art 1667 diz: Art O regime de comunhão universal importa a comunicação de todos os bens presentes e futuros dos cônjuges e suas dívidas passivas, com as exceções do artigo seguinte. Na hora que se casa por esse regime todos os bens presentes automaticamente a metade deles passa a titularidade do outro cônjuge. Ex fulano tem 10 aptos e se casa pelo regime de comunhão universal, 5 desses aptos passa para o outro consorte. Toda a herança que venha a receber metade tb será do outro cônjuge. Tb é dividido o passivo. O que não se comunica? Art 1668: Art São excluídos da comunhão: I - os bens doados ou herdados com a cláusula de incomunicabilidade e os sub-rogados em seu lugar; II - os bens gravados de fideicomisso e o direito do herdeiro fideicomissário, antes de realizada a condição suspensiva; III - as dívidas anteriores ao casamento, salvo se provierem de despesas com seus aprestos, ou reverterem em proveito comum; IV - as doações antenupciais feitas por um dos cônjuges ao outro com a cláusula de incomunicabilidade; V - Os bens referidos nos incisos V a VII do art Inciso I qdo se quer doar algum bem a quem é casado pelo regime da comunhão universal e não quer que esse bem se comunique ao cônjuge do donatário, será necessário inserir a clausula de incomunicabilidade. Se quer onerar com essa clausula quer dizer que esse bem não pode se tornar alheio. Essa clausula compreende: incomunicabilidade e impenhorabilidade. Ex meu pai deixou um bem com essa clausula de incomunicabilidade. Esse bem não se comunica, mas posso alienar. Se compro outro bem com o dinheiro dessa alienação esse novo bem tb estará incomunicável, pois aquele bem se sub roga no lugar desse novo. Inciso II no direito sucessório temos o instituto do fideicomisso, tratado na sucessão testamentaria. O testador quer deixar um legado para alguém e depois quer que esse legado passe para outra pessoa. Quer que o primeiro destinatário use, frua do bem e ao final da vida ou ao final do prazo, esse legado passe par ao ultimo beneficiário, o que ficara definitivamente com o bem. Aqui temos a figura do testador ou fideicomitente. Ele deixa o legado para o fiduciário e coloca uma resolução no direito dele em relação ao destinatário dele que é o fideicomissário. Isso só vale para a parte disponível. A condição suspensiva funciona para o fideicomissário como 6

7 suspensiva e como resolutiva para o fiduciário. Se sou casada pelo regime da comunhão universal e sou fideicomissária o bem está no meu patrimônio. Suponha que o fideicomisso se consolidou e o bem vem para mim como bem comum pq acabou a situação de duvida. Inciso III dividas não se misturam, mas se houver reversão em proveito comum daí passa a ser do casal. Inciso IV ex dar um mimo para o cônjuge. Inciso V remete ao art 1559, V a VII que são os salários, pensões, etc não se comunicam. Aqui não tenho a mesma repetição que tinha no CC anterior que são as obrigações provenientes de ato ilícito. Assim no CC estão incluídas na comunhão. Ex marido atropela alguém na rua, logo a divida será do casal, se casado já sob a égide do CC. Carlos Roberto Gonçalves diz que a divida pode ser excluída aplicando a regra da responsabilidade civil. Logo para ele o outro cônjuge não culpável não suportara esse ônus, somente o cônjuge culpado é que responde. Sua posição é minoritária. Já Rolfo Madaleno diz que o regime é comunhão integral, logo comporta tanto ganhos como perdas. PARTICIPACAO FINAL NOS AQUESTOS É um regime novo, hibrido ou misto, pois envolve regras que são similares da separação e da comunhão parcial de bens. No curso do casamento se assemelha ao regime da separação de bens. Pode adquirir e alienar os bens sem a outorga do outro cônjuge, mas para isso no pacto tem que constar a desnecessidade da outorga. Qdo por acaso é dissolvida a sociedade conjugal é o momento de calcular os aquestos. Não é um regime de comunhão como são os outros, é um regime de conferencia. Temos aquestos, adquiridos. Como se calcula os aquestos? A primeira regra esta no art 1672: Art No regime de participação final nos aqüestos, cada cônjuge possui patrimônio próprio, consoante disposto no artigo seguinte, e lhe cabe, à época da dissolução da sociedade conjugal, direito à metade dos bens adquiridos pelo casal, a título oneroso, na constância do casamento. 7

8 Tudo eu o casal adquire a titulo oneroso vai ser dividido entre ambos. Os bens que formam o patrimônio são os bens presentes e todos aqueles adquiridos a qq titulo na constância do casamento. A administração dos bens é exclusiva de cada cônjuge. Caso o casal se separe ou dissolução da sociedade conjugal vai se apurar o aquesto. Temos o patrimônio próprio da mulher e patrimônio próprio do marido, teremos um sub total, depois abate-se desses bens os bens do art 1674: Art Sobrevindo a dissolução da sociedade conjugal, apurar-se-á o montante dos aqüestos, excluindo-se da soma dos patrimônios próprios: I - os bens anteriores ao casamento e os que em seu lugar se subrogaram; II - os que sobrevieram a cada cônjuge por sucessão ou liberalidade; III - as dívidas relativas a esses bens. Parágrafo único. Salvo prova em contrário, presumem-se adquiridos durante o casamento os bens móveis. O resultado final serão os aquestos. Esses aquestos é que serão partilhados. O que se partilha é o lucro, o ganho. Os cônjuges estão associados nos ganhos e dissociados nas perdas. Se durante o casamento um deles teve um revés, esse revés esse cônjuge terá que suportar. Mulher tem patrimônio próprio de 1 mil qdo termina é de 600. Houve aumento de 600. O marido tem direito a 300. Suponha que o patrimônio próprio do marido seja de 1000 e ele termina o casamento com patrimônio de O lucro dele foi de 400 e a mulher tem direito a 200. Fazendo a compensação, o marido vai ganhar 100, pois 300 com 200 se compensam. Se o marido fez doação (art 1675) sem autorização necessária do outro, esse vl a mulher pode somar no credito dela. Art 1676: Art Incorpora-se ao monte o valor dos bens alienados em detrimento da meação, se não houver preferência do cônjuge lesado, ou de seus herdeiros, de os reivindicar. Suponha que se chegue ao vl final, daí o valor será partilhado entre ambos. 8

9 Qdo um dos cônjuges falece, é tb o procedimento acima que é feito para apurar os aquestos. Esse regime é pouco utilizado. Nasceu na Alemanha e é visto como regime bom, pois permite a partilha de ganhos. No Brasil isso não pegou. REGIME DA SEPARACAO DE BENS Art Estipulada a separação de bens, estes permanecerão sob a administração exclusiva de cada um dos cônjuges, que os poderá livremente alienar ou gravar de ônus real. Art Ambos os cônjuges são obrigados a contribuir para as despesas do casal na proporção dos rendimentos de seu trabalho e de seus bens, salvo estipulação em contrário no pacto antenupcial. Esse regime é muito discriminado na época do CC passado e ate hj tem um ranço. É um regime simples. Só tem dois artigos sobre o tema. O art 1687 diz que pode alienar livremente pois nada se comunica. Mas isso não significa que não tenha que cooperar com o sustento da família. Cada um colabora proporcionalmente aos seus ganhos. Qdo o casal adquire bem na constância do casamento esse bem estará em condomínio. Comunhão não se sabe o que compõe a cota ideal, agora no condomínio se sabe. Ao termino do casamento, na comunhão se partilha e individualiza o que cabe a cada um; já no condomínio cada um tem seu patrimônio separado ainda que o bem esteja em condomínio, não precisa sentença de partilha qdo se tem o regime da separação absoluta de bens. A diferença desse regime com a separação legal de bens é que nesta se aplica a Sumula 377 do STF, pois aqui os bens adquiridos onerosamente no curso do casamento se comunicam. E no regime de separação convencional nada se comunica, permanece em condomínio. 9

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS DIREITO CIVIL REGIME DE BENS 1 1. Princípios a) P. da autonomia da vontade (1.639); b) P. da garantia da ordem pública (1.640); c) P. da definitividade do regime (1.639); d) P. da vedação ao enriquecimento.

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável DIREITO DE FAMÍLIA Concubinato X União estável Concubinato Até a CF/88 nós tínhamos o chamado concubinato. E o que é concubinato? Pessoas que viviam como se casados fossem. Com a CF/88, art. 226, 3º1,

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

Nº 70021504923 COMARCA DE PELOTAS ESTELA MARIA CIRNE MAGALHAES NOEMIA MARIA PINHEIRO CIRNE

Nº 70021504923 COMARCA DE PELOTAS ESTELA MARIA CIRNE MAGALHAES NOEMIA MARIA PINHEIRO CIRNE AGRAVO DE INSTRUMENTO. PARTILHA. REGIME DE BENS. INEXISTÊNCIA DE MEAÇÃO SOBRE BEM CLAUSULADO. REGIME DE SEPARAÇÃO TOTAL DE BENS. HERANÇA. CONCORRÊNCIA SUCESSÓRIA DO CÔNJUGE VIVO COM OS DESCENDENTES DO

Leia mais

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal.

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 06 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões.

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Para o autor do nosso livro-texto, o Direito de família consiste num complexo de normas que regulam a celebração do casamento e o reconhecimento

Leia mais

1. DIREITO PATRIMONIAL DISPOSIÇÕES GERAIS.

1. DIREITO PATRIMONIAL DISPOSIÇÕES GERAIS. 1. DIREITO PATRIMONIAL DISPOSIÇÕES GERAIS. O direito patrimonial trata da relação de bens (interesse monetário) no direito de família. Essa é a conseqüência jurídica do casamento em relação ao patrimônio.

Leia mais

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS Turma e Ano: Master A (2015) Matéria/Aula: Direito Civil Família e Sucessões Aula 06 Data: 12.03.2015 Professor: Andréa Amin Conteúdo: Regime de Bens: conceito; Pacto antenupcial; Mudança do regime de

Leia mais

DIREITO CIVIL Comentários Prova CETRO ISS/SP 2014 Prof. Lauro Escobar

DIREITO CIVIL Comentários Prova CETRO ISS/SP 2014 Prof. Lauro Escobar ISS/SP 2014) No que tange aos institutos da Prescrição e da Decadência, marque V para verdadeiro ou F para falso e, em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA. ( ) O princípio

Leia mais

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02:

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 07 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Regime de Bens: Separação de Bens - Consensual e Legal; Participação final nos aquestos. Dissolução

Leia mais

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS

ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS ANEXO 1 - MODELO DE ESCRITURA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL SEM PARTILHA DE BENS Livro... Folha... ESCRITURA PÚBLICA DE SEPARAÇÃO CONSENSUAL que fazem, como outorgantes e reciprocamente outorgados NOME e NOME,

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável:

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável: 1 PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos 1. União estável: - Leis 8971/94 e 9278/96. - Lei 10.406/2002 e art. 1723 e seguintes. - Art. 226, 3 1, CF. União entre homem e mulher pública (notoriedade),

Leia mais

2011 PERSPECTIVAS E ALTERNATIVAS PARA AS EMPRESAS DE T.I.

2011 PERSPECTIVAS E ALTERNATIVAS PARA AS EMPRESAS DE T.I. 2011 PERSPECTIVAS E ALTERNATIVAS PARA AS EMPRESAS DE T.I. REQUISITOS ESSENCIAIS Investimento Foco Especialização Segurança política Segurança jurídica Qualificação Informação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PLANEJAMENTO

Leia mais

Regime de bens e algumas absurdas incomunicabilidades

Regime de bens e algumas absurdas incomunicabilidades Regime de bens e algumas absurdas incomunicabilidades Maria Berenice Dias Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família

Leia mais

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC).

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC). 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8ºDIN-1 e 8º DIN-2 Data: 21/08/12 AULA 07 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 11. Herança Jacente e Vacante (arts. 1.819 a 1.823,

Leia mais

Direito de Família. Consuelo Huebra

Direito de Família. Consuelo Huebra Direito de Família Consuelo Huebra Casamento A lei só admite o casamento civil, mas o casamento religioso pode produzir efeitos civis na forma dos arts.1515 e 1516, C.C. Parentesco Natural pessoas que

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (III) Propriedade

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Tabelionato de Notas Professor: Leandro Correa

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Tabelionato de Notas Professor: Leandro Correa PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Tabelionato de Notas Professor: Leandro Correa 01 - Informe qual a competência exclusiva dos Tabeliães de Notas, quais as incompatibilidades e inacumulações previstas na lei que disciplina

Leia mais

Considerações sobre a administração e o regime de bens entre os cônjuges RÉNAN KFURI LOPES

Considerações sobre a administração e o regime de bens entre os cônjuges RÉNAN KFURI LOPES Considerações sobre a administração e o regime de bens entre os cônjuges RÉNAN KFURI LOPES Sumário: I-O Pacto Antenupcial - II-A Administração dos Bens do Casal - III- Os Regimes de Bens - III.1-Comunhão

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA DAR INÍCIO AO PROCESSO DE HABILITAÇÃO PARA CASAMENTO CIVIL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

INFORMAÇÕES PARA DAR INÍCIO AO PROCESSO DE HABILITAÇÃO PARA CASAMENTO CIVIL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS OFICIAL DE REGISTRO CIVILDAS PESSOAS NATURAIS DO 27º SUBDISTRITO TATUAPÉ Rua Coronel Luiz Americano, 228, Tatuapé São Paulo SP 100 metros da Estação Metrô Tatuapé e-mail: casamento@cartoriotatuape.com.br

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO Artigo 1.º Alteração ao Código Civil Os artigos 1585.º, 1676.º, 1773.º, 1774.º, 1775.º, 1776.º, 1778.º, 1778.º-A,1779.º,

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito

Leia mais

Direito de Acrescer: questões polêmicas sobre a sua incidência

Direito de Acrescer: questões polêmicas sobre a sua incidência Direito de Acrescer: questões polêmicas sobre a sua incidência Por João Pedro Lamana Paiva 17 abril 2009 06h35m O Registrador e Tabelião de Protesto dos Serviços de Registros Públicos de Sapucaia do Sul

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

O QUE CHECAR ANTES DE COMPRAR UM IMÓVEL EM LEILÃO

O QUE CHECAR ANTES DE COMPRAR UM IMÓVEL EM LEILÃO PROLEILOES.COM O QUE CHECAR ANTES DE COMPRAR UM IMÓVEL EM LEILÃO PONTOS PRINCIPAIS A SEREM VERIFICADOS ANTES DE COMPRAR UM IMÓVEL EM LEILÃO PARA EVITAR QUE OCORRAM IMPREVISTOS APÓS A ARREMATAÇÃO O que

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE-UNESC

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE-UNESC UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE-UNESC PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO ESTADO (MATERIAL E PROCESSUAL PREPARAÇÃO PARA MAGISTRATURA) VERLANE APARECIDA DE OLIVEIRA RÉUS POSSAMAI CONVENÇÃO

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE AÇÕES. (aprovado na Assembléia Geral Extraordinária da SER EDUCACIONAL S.A. realizada em 12 de agosto de 2013)

PLANO DE OPÇÃO DE AÇÕES. (aprovado na Assembléia Geral Extraordinária da SER EDUCACIONAL S.A. realizada em 12 de agosto de 2013) PLANO DE OPÇÃO DE AÇÕES (aprovado na Assembléia Geral Extraordinária da SER EDUCACIONAL S.A. realizada em 12 de agosto de 2013) 1. OBJETIVOS DO PLANO O Plano de Opção de Ações ( Plano ) tem por objeto

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

Leia mais

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros)

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) PREENCHER O FORMULÁRIO - MEMORIAL - DE CASAMENTO (MODELOS NAS FL 4, 5 E 6), ASSINAR E RECONHECER FIRMA DAS ASSINATURAS

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito Empresarial Prof. Elisabete Vido Data: 20.08.2009 Aula nº 01 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. ATIVIDADE EMPRESARIAL X ATIVIDADE NÃO EMPRESARIAL O CC/02 adota

Leia mais

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE:

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: 1. FULANO DE TAL, nacionalidade, naturalidade, estado civil (se casado indicar o regime de bens), categoria

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

Conseguimos te ajudar?

Conseguimos te ajudar? Controlar suas finanças deve ser um hábito. Não com o objetivo de restringir seus sonhos de consumo, mas sim de convidá-lo a planejar melhor a realização da cada um deles, gastando o seu dinheiro de maneira

Leia mais

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br

DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE. Marcos Puglisi de Assumpção marcos@aesadv.com.br DISSOLUÇÃO PARCIAL DA SOCIEDADE SUMÁRIO Capítulo 01 SOCIEDADES - CONSIDERAÇÕES GERAIS Capítulo 02 DA DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.1 DAS CAUSAS DE DISSOLUÇÃO DAS SOCIEDADES 02.2 DA DISSOLUÇÃO PARCIAL DA

Leia mais

A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS

A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS Marcos Vinícius Monteiro de Oliveira Diogenis Bertolino Brotas e RESUMO O presente artigo pretende expor interpretação acerca da sucessão

Leia mais

5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS. Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br

5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS. Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br 5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br Introdução Poupar versus investir É possível investir dinheiro nos mercados: Imobiliário Empresarial Financeiro Fatores a serem

Leia mais

Aula 008 Da Sucessão Testamentária

Aula 008 Da Sucessão Testamentária Aula 008 Da Sucessão Testamentária 3.5 Disposições Testamentárias 3.5.1 Regras gerais 3.5.2 Espécies de disposições 3.5.2.1 Simples 3.5.2.2 Condicional 3.5.2.3 A Termo ou a prazo 3.5.2.4 Modal 3.5.2.5

Leia mais

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia Tema: Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Índice 1. Síntese Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras 2. Simulado 3. Gabarito Aula 2 - Técnicas

Leia mais

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite A predominância de uma posição mais solidária entre os membros

Leia mais

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa.

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa. 1 TIPOS DE EMPRESAS A atividade econômica organizada produtiva pode ser exercida individualmente ou de forma coletiva, objetivando a partilha do resultado. Se a opção for a de Empresário Individual, o

Leia mais

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES]

[Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição da sociedade na OAB/ES] ... ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS...(nome da Sociedade)... [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ

Leia mais

2 PASSO: Depois de acessados um dos endereços acima, clique em Serviços Eletrônicos.

2 PASSO: Depois de acessados um dos endereços acima, clique em Serviços Eletrônicos. PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO TRANSMISSÃO POR ESCRITURA PÚBLICA 1 PASSO: Acesse o sistema ITCMD: 1) Clique no link ITCMD existente no Posto Fiscal Eletrônico, cujo endereço eletrônico é http://pfe.fazenda.sp.gov.br/

Leia mais

ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos.

ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos. Proc.º n.º C. N. 20/2009 SJC CT ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos. DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO PROBLEMA: O helpdesk do Balcão das Heranças e Divórcios com Partilha colocou

Leia mais

ETAPA DO CONHECIMENTO FINANCEIRO

ETAPA DO CONHECIMENTO FINANCEIRO 1 Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Curso de Administração DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO FINANCEIRA PROF. ELISSON DE ANDRADE TEXTO 2: ETAPA DO CONHECIMENTO FINANCEIRO Estrutura do texto 1

Leia mais

2- Princípio da Solidariedade Social:

2- Princípio da Solidariedade Social: Princípios do direito de família: CF 1 ): 1- Princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, III, É um dos fundamentos da República Federativa do Brasil (não é o objetivo, não confundir), significa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento SINERGIA é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

A grosso modo a ideia é boa e já foi implantada em vários países com sucesso. Assim, por exemplo: Portugal, França, Itália.

A grosso modo a ideia é boa e já foi implantada em vários países com sucesso. Assim, por exemplo: Portugal, França, Itália. EIRELI Eireli, embora possa parecer, não é nome de uma artista de cinema ou televisão. E i re li é abreviação da expressão empresa individual de responsabilidade limitada e, como deve constar após a denominação

Leia mais

Convenção de Condomínio. Diovani Santa Bárbara diovanisb@gmail.com

Convenção de Condomínio. Diovani Santa Bárbara diovanisb@gmail.com Convenção de Condomínio Diovani Santa Bárbara diovanisb@gmail.com Conceito A convenção de condomínio é documento escrito que A convenção de condomínio é documento escrito que estabelece as regras de convivência

Leia mais

Resumo. Para ser Comerciante (pessoa física) ou Sociedade Comercial (pessoa jurídica) era necessário ter:

Resumo. Para ser Comerciante (pessoa física) ou Sociedade Comercial (pessoa jurídica) era necessário ter: 1. Generalidades Resumo Antes do CC tínhamos o CCom de 1850 que era dividido em 3 partes: Parte Primeira: do Comércio em geral Parte Segunda: do Comércio Marítimo Parte Terceira: das Quebras (essa parte

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO "NOVO LEBLON"

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO NOVO LEBLON ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO "NOVO LEBLON" I - Denominação e Objetivo ARTIGO 1º - O Clube de Investimento Novo Leblon, doravante designado Clube é constituído por número limitado de membros

Leia mais

Julio Cesar Brandão. I - Introdução

Julio Cesar Brandão. I - Introdução DOAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A DOAÇÃO E AS CLÁUSULAS RESTRITIVAS DE INCOMUNICABILIDADE, INALIENABILIDADE E IMPENHORABILIDADE À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL Julio Cesar Brandão SUMÁRIO: I - Introdução.

Leia mais

DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aulas 27/28 10 e 11/11/2015.

DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aulas 27/28 10 e 11/11/2015. DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aulas 27/28 10 e 11/11/2015. Introdução: Tão antigo quanto a troca, anterior a compra e venda. Transferência de Patrimônio

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PRISCILA PARAIZO MARINHO VIEIRA O CONJUGE COMO HERDEIRO NO CODIGO CIVIL DE 2002

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PRISCILA PARAIZO MARINHO VIEIRA O CONJUGE COMO HERDEIRO NO CODIGO CIVIL DE 2002 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PRISCILA PARAIZO MARINHO VIEIRA O CONJUGE COMO HERDEIRO NO CODIGO CIVIL DE 2002 CURITIBA 2014 PRISCILA PARAIZO MARINHO VIEIRA O CONJUGE COMO HERDEIRO NO CODIGO CIVIL DE 2002

Leia mais

Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada.

Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada. ENTENDENDO A LÓGICA DA CONTABILIDADE I - OBJETIVO O objetivo fim deste projeto é ensinar Contabilidade para aqueles que querem e precisam aprender, fazer um concurso público, ou simplesmente, aumentar

Leia mais

\PROVIMENTO Nº 110. Seção 11 Escrituras Públicas de Inventários, Separações, Divórcios e Partilha de bens

\PROVIMENTO Nº 110. Seção 11 Escrituras Públicas de Inventários, Separações, Divórcios e Partilha de bens \PROVIMENTO Nº 110 O Desembargador LEONARDO LUSTOSA, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO: a) a Lei nº 11.441/07 que alterou o CPC, possibilitando

Leia mais

Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos anos. O que existe é um déficit atuarial.

Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos anos. O que existe é um déficit atuarial. PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O SABESPREV MAIS. 1. A Sabesprev está em dificuldades financeiras? Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos

Leia mais

1 Introdução Caros (futuros) colegas.

1 Introdução Caros (futuros) colegas. 1 INTRODUÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO DO TEMA...2 2.1 OBJETIVO DA DOAR...2 2.2 CONCEITO DE CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO CCL, ORIGENS E APLICAÇÕES...2 2.3 CONTEÚDO E ESTRUTURA DA DEMONSTRAÇÃO, CONFORME PREVISÃO

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA CÍVEIS FALIMENTARES, DE LIQUIDAÇÕES EXTRAJUDICIAIS, DAS FUNDAÇÕES E DO TERCEIRO SETOR CONSULTA N.º 28 CAOP Cível OBJETO: Licitude da alienação de bens imóveis de empresa na qual o sócio majoritário é casado sob o regime de comunhão universal de bens, sem a outorga do seu cônjuge virago

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

SEGURIDADE SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL PREVIDÊNCIA SOCIAL. Prof. Eduardo Tanaka CONCEITUAÇÃO

SEGURIDADE SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL SEGURIDADE SOCIAL PREVIDÊNCIA SOCIAL. Prof. Eduardo Tanaka CONCEITUAÇÃO DIREITO PREVIDENCIÁRIO Prof. Eduardo Tanaka CONCEITUAÇÃO 1 2 Conceituação: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO (MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.925 DE 14/10/1999)

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO (MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.925 DE 14/10/1999) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO (MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.925 DE 14/10/1999) JOAQUIM ANTONIO VIZEU PENALVA SANTOS Desembargador TJ/RJ 1. DEFINIÇÃO 1) É um título de crédito emitido por pessoa física ou jurídica

Leia mais

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau).

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau). 1 PONTO 1: Parentesco PONTO 2: Filiação PONTO 3: Bem de família PONTO 4: Tutela PONTO 5: Curatela 1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. CNPJ/MF N.º 49.669.856/0001-43 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. CNPJ/MF N.º 49.669.856/0001-43 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. CNPJ/MF N.º 49.669.856/0001-43 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra de Ações da Le Lis Blanc Deux Comércio e Confecções

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.357. Senhora Procuradora-Geral:

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.357. Senhora Procuradora-Geral: PARECER Nº 14.357 Condomínio. Venda da coisa comum. Preferência do condômino. Será alienada em leilão a coisa comum indivisível ou que, pela divisão, se tornar imprópria ao seu destino, verificada previamente

Leia mais

Qual seu nível de preocupação?

Qual seu nível de preocupação? FASE DIFÍCIL EXIGE ORGANIZAÇÃO E DISCIPLINA. Qual seu nível de preocupação? Faça o teste e veja se o descontrole financeiro está afetando seu desempenho no trabalho. www.serasaconsumidor.com.br/testes/teste-indicador-de-educacao-financeira/

Leia mais

Anexo I TECNISA S.A. CNPJ/MF N.º 07.731.304/0001-78 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

Anexo I TECNISA S.A. CNPJ/MF N.º 07.731.304/0001-78 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES Anexo I TECNISA S.A. CNPJ/MF N.º 07.731.304/0001-78 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra de Ações de Tecnisa S.A. ( Companhia ), aprovado pela Assembléia Geral Extraordinária

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES CONSÓRCIO DE IMÓVEIS GAZIN

DÚVIDAS FREQUENTES CONSÓRCIO DE IMÓVEIS GAZIN DÚVIDAS CONSÓRCIO DE IMÓVEIS 1. Posso adquirir mais de uma carta de crédito no consorcio de Imóveis? Sim, o consórcio lhe dá a possibilidade de adquirir mais de uma carta de crédito, mediante análise prévia,

Leia mais

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT-

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT- Pº R.P.135 e 136 /2009 SJC-CT- (Im)possibilidade legal de incluir a cláusula de reversão dos bens doados em contrato de partilha em vida. DELIBERAçÃO Relatório 1. Os presentes recursos hierárquicos vêm

Leia mais

Fraude contra credores (continuação)

Fraude contra credores (continuação) Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 13 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Fraude contra credores (continuação) OBS1: Fraude

Leia mais

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PEÇA PROFISSIONAL Márcia, vendedora domiciliada na cidade de São Paulo SP, alega ter engravidado após relacionamento amoroso exclusivo com Pedro, representante

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

COMPRA SEGURA LUA NOVA

COMPRA SEGURA LUA NOVA COMPRA SEGURA LUA NOVA ALGUMAS COISAS QUE VOCÊ DEVE SABER ANTES DE COMPRAR UM IMÓVEL SELECIONANDO UM IMÓVEL É importante levar em consideração alguns pontos na hora da escolha do seu imóvel. O primeiro,

Leia mais

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos)

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) INTERPRETAÇÃO Boa-fé e usos do lugar CC113 Os negócios jurídicos devem

Leia mais

PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 17, DE 15 DE FEVEREIRO DE 1989.

PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 17, DE 15 DE FEVEREIRO DE 1989. 1. INTRODUÇÃO EMENTA: Procedimentos a serem observados pelas companhias abertas e auditores independentes na elaboração e publicação das demonstrações financeiras, do relatório da administração e do parecer

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro I Curso Planejamento e Educação Financeira Uma parceria Órama e Dinheirama. Planejamento Financeiro Por Sandra Blanco Consultora de Investimentos da Órama, mais de anos de mercado,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2228, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. PUBLICADA NO DOE Nº1396, DE 28.12.09 Altera, acrescenta e revoga dispositivos da Lei nº 959, de 28 de dezembro de 2000. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA: Faço

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO CIVIL I. Lei de Introdução às Normas de Direito Brasileiro... 002 II. Pessoas Naturais e Pessoas Jurídicas... 013 III. Domicílio e Bens... 025 IV. Dos Fatos Jurídicos... 030 V. Prescrição e Decadência...

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES P. O QUE É A PATERNIDADE? R. Paternidade significa ser um pai. A determinação da paternidade significa que uma pessoa foi determinada

Leia mais

http://www.comoorganizarcasamento.com

http://www.comoorganizarcasamento.com Como Planejar seu Casamento Sem Stress Copyright 2014 Este e- book é protegido pela Lei dos Direitos Autorais (Lei 9.610/98), é proibida a reprodução do livro por meio eletrônico ou impresso. O e- book

Leia mais

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL Rénan Kfuri Lopes As alterações trazidas pelo novo Código Civil têm de ser constantemente analisadas e estudadas, para que possamos com elas nos familiarizar.

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

DIRF 2011. Secretaria da Receita Federal do Brasil

DIRF 2011. Secretaria da Receita Federal do Brasil DIRF 2011 O que é a DIRF? É a Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte feita pela FONTE PAGADORA, destinada a informar à Secretaria da Receita Federal o valor do Imposto de Renda retido na fonte,

Leia mais

Sociedades. Feedback aula anterior: 26/10/2010

Sociedades. Feedback aula anterior: 26/10/2010 Prof. Thiago Gomes Sociedades Feedback aula anterior: Quais são os tipos societários que uma sociedade pode adotar? Adoção de tipo societário na sociedade simples/empresária Sociedade em nome coletivo

Leia mais