DETERMINAÇÃO DE GLICERINA LIVRE E TOTAL EM BIODIESEL B100 CONFORME MÉTODOS OFICIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DETERMINAÇÃO DE GLICERINA LIVRE E TOTAL EM BIODIESEL B100 CONFORME MÉTODOS OFICIAIS"

Transcrição

1 DETERMINAÇÃO DE GLICERINA LIVRE E TOTAL EM BIODIESEL B100 CONFORME MÉTODOS OFICIAIS RESUMO Os conteúdos de glicerina livre e total no biodiesel B100 são indicadores da qualidade deste combustível. Níveis altos de glicerina e glicerídeos no biodiesel podem causar problemas de entupimento nos motores, além de diminuir a estabilidade deste produto durante o seu armazenamento. Os limites máximos de glicerina livre e total aceitos no biodiesel estão definidos em normas oficiais, que estabelecem a cromatografia a gás como o método a ser empregado na determinação dos conteúdos destas substâncias. Este trabalho apresenta os resultados obtidos na determinação de glicerina livre e total em amostras de biodiesel B100, segundo a norma EN 14105, com o cromatógrafo a gás TRACE GC Ultra e o amostrador automático TriPlus (Thermo Scientific). Fausto Munari, Daniela Cavagnino e Andrea Cadoppi Thermo Fisher Scientific, Milan, Italy Correspondência: Nova Analítica Imp. Exp. Ltda. R. Assungui, 432 CEP: São Paulo. SP Fone: (11) Fax: (11) Palavras-chave: biodiesel, cromatografia a gás, glicerina livre, glicerina total, injeção cold on-column SUMMARY Free and bonded glycerin contents are an indicator of the biodiesel quality. High levels of glycerin and glycerides can cause injector deposits, clogged fuelling systems and problems during storage. Maximum free and total glycerin contents in biodiesel B100 are specified in official standards that define the gas chromatography as the standard method for this analysis. This paper relates specifically to the use of the Thermo Scientific TRACE GC Ultra and TriPlus autosampler for use in the determination of free and total glycerin in biodiesel, according to EN Keywords: biodiesel, gas chromatography, free glycerin, total glycerin, cold oncolumn injection INTRODUÇÃO O interesse no biodiesel como um combustível alternativo tem crescido muito nos últimos anos, principalmente devido ao seu baixo impacto ambiental em comparação ao óleo diesel e por ser obtido a partir de fontes renováveis. Para ser comercializado, o biodiesel deve atender às especificações definidas em normas oficiais que indicam as características do produto a serem controladas e seus respectivos valores aceitos. O processo mais usual de produção de biodiesel é a transesterificação de óleos vegetais com metanol, cujo produto são os ésteres metílicos de ácidos graxos. Além dos ésteres metílicos desejados, o produto deste processo pode conter a matéria-prima não reagida (triglicerídeos) e metanol residual, além de traços de glicerina, um sub-produto separado do biodiesel durante o processo de fabricação, e traços de mono e diglicerídeos formados como intermediários da reação. A qualidade do biodiesel B100 é controlada, entre outras características, pelos seus conteúdos de glicerina livre e total, determinados segundo as normas EN e ASTM D6584 (1 e 2), que definem a análise da amostra por cromatografia em fase gasosa, após derivatização com N-metil-N-trimetilsilil-trifluoroacetamida (MSTFA). A calibração é feita pelo emprego de dois padrões internos: 1,2,4-Butanotriol para a glicerina e tricaprina para a 60

2 determinação de mono, di e triglicerídeos, respectivamente. O conteúdo de glicerina combinada na amostra, para determinação da glicerina total, é calculado pela aplicação de fatores de conversão médios aos mono, di e triglicerídeos. A amostra deve ser introduzida na coluna capilar através de um sistema de injeção capaz de transferir tanto os compostos voláteis quanto os menos voláteis, sem discriminação ou degradação. Este trabalho descreve um método gás cromatográfico para a determinação de glicerina livre e total em biodiesel B100, segundo a norma EN 14105, com o emprego de um cromatógrafo a gás TRACE GC Ultra e um amostrador automático TriPlus (Thermo Scientific). MATERIAIS E MÉTODOS Reagentes necessários N-metil-N-trimetilsilil-trifluoroacetamida (MSTFA) n-heptano Piridina 1,2,4-Butanotriol solução 1 mg/ml em piridina (padrão interno 1) 1,2,3-Tricaproilglicerol (tricaprina) solução 2,8 mg/ml em piridina (padrão interno 2) Materiais de referência: glicerina, mono, di e trioleína Mistura padrão de monoglicerídeos (monopalmitina, monoestearina e monooleína) Soluções de calibração Quatro soluções de calibração contendo glicerina, mono, di e trioleína, butanotriol (padrão interno 1) e tricaprina (padrão interno 2), diluídas em piridina nas concentrações especificadas na norma EN 14105, foram adquiridas da Sigma-Aldrich. Uma alíquota de 100 µl do reagente derivatizante (MSTFA) foi adicionada a cada solução de calibração. Os vials foram fechados e agitados vigorosamente por 15 min. Em seguida, 8 ml de n-heptano foram adicionados a cada vial. Após homogeneização, cada solução foi injetada no cromatógrafo a gás. Preparação da amostra De cada amostra de biodiesel a ser analisada, uma alíquota com cerca de 100 mg foi transferida para vial de 10 ml e pesada com precisão (± 0,1 mg). Em seguida, foram adicionados 80 µl do padrão interno 1, 100 µl do padrão interno 2 e 100 µl do derivatizante MSTFA. Os vials com amostra foram fechados e agitados vigorosamente por 15 min. Em seguida, 8 ml de n-heptano foram adicionados a cada vial e após homogeneização a amostra foi injetada no cromatógrafo a gás. Condições cromatográficas A análise de glicerina, mono, di e triglicerídeos por cromatografia a gás requer um sistema de injeção capaz de transferir tanto os compostos voláteis quanto os menos voláteis, sem discriminação ou degradação. Neste trabalho, o cromatógrafo a gás empregado foi um TRACE GC Ultra equipado com injetor cold on-column, detector de ionização em chama (FID), amostrador automático TriPlus e sistema de dados ChromQuest (Thermo Scientific). A coluna analítica empregada foi a TRACE TR-BioDiesel(G) (Thermo Scientific), apolar, com 10 m de comprimento, 0,32 mm de diâmetro interno e 0,1 μm de espessura de filme. Uma pré-coluna Figura 1. Esquema do sistema gás cromatográfico. 1: controle digital dos fluxos de gases; 2: injetor cold on-column; 3: pré-coluna; 4. restritor calibrado; 5: linha de gás de arraste auxiliar; 6: conector metálico em T, com purga de gás de arraste; 7: coluna analítica; 8: detector 61

3 com 1m x 0,53 mm d.i. foi conectada à coluna analítica por um conector metálico em T, de pequeno volume morto (Figura 1). Este conector foi desenvolvido para solucionar os problemas de vazamento encontrados com os conectores de vidro em temperaturas altas. O conector em T empregado não apresentou vazamentos nas condições de grandes e freqüentes variações de temperatura do forno. Uma purga contínua de gás de arraste para dentro da coluna analítica evita o alargamento das bandas cromatográficas no conector em T. RESULTADOS E DISCUSSÃO Curvas analíticas A análise das soluções de calibração com quatro componentes, em quatro concentrações diferentes, gerou quatro curvas analíticas: para glicerina, monooleína, dioleína e trioleína (Figura 2), respectivamente. Os coeficientes de correlação linear (r 2 ) encontrados superaram o valor 0,9 especificado na norma EN 14105, demonstrando a boa linearidade alcançada pela técnica de injeção cold on-column. Análises das amostras Em conformidade com a norma EN 14105, a quantidade de glicerina em cada amostra foi calculada através da equação da curva analítica da glicerina. De modo semelhante, as quantidades de mono, di e triglicerídeos foram calculadas através das equações das curvas analíticas da monooleína, dioleína e trioleína, respectivamente. A identificação dos picos de cada grupo de compostos pode ser feita pelo emprego dos tempos de retenção relativos, publicados na norma EN 14105, tomando o tempo de retenção do padrão interno 1 como referência para a glicerina e o tempo de retenção do padrão interno 2 como referência para os grupos de mono, di e triglicerídeos. Neste trabalho, porém, a identificação dos picos foi feita por comparação com os componentes conhecidos nas soluções padrão. A Figura 3a mostra um cromatograma típico de biodiesel, com a programação de temperatura do forno sobreposta. A figura 3b apresenta o cromatograma de uma mistura de calibração e a figura 3c a solução padrão de monoglicerídeos que é analisada para avaliar a Figura 2. Curvas analíticas para glicerina, monooleína, dioleína e trioleína 62

4 Figura 3. Cromatogramas de uma amostra de biodiesel, de uma solução de calibração e de uma solução padrão de monoglicerídeos 64

5 posição exata dos monoglicerídeos nas amostras desconhecidas e definir a janela exata deste grupo de compostos. O cálculo das áreas de todos os picos em cada janela de tempos de retenção foi feito automaticamente pelo programa ChromQuest. A Figura 4 oferece detalhes de cada grupo de compostos do cromatograma da amostra de biodiesel (Fig. 3). Avaliação de contaminação cruzada (carryover) Para avaliar o sistema de injeção on-column empregado, quanto ao efeito de contaminação cruzada, um cromatograma em branco foi obtido pela injeção apenas de solvente (Figura 5). Como este cromatograma foi obtido após uma seqüência de injeções de amostras reais de biodiesel, ele demonstra claramente a ausência do efeito de carryover. Além disso, esta avaliação mostra que a fração pesada da amostra elui completamente da coluna durante a análise. Avaliação da repetibilidade A repetibilidade foi calculada como a diferença absoluta entre dois resultados de análises independentes, obtidos através do mesmo método, com amostras idênticas, no mesmo laboratório, pelo mesmo operador, usando o mesmo equipamento, com um pequeno intervalo de tempo (definição extraída da norma EN 14105). Figura 4. Detalhes das janelas definidas para os diferentes grupos de compostos no cromatograma do biodiesel 65

6 min Figura 5. Cromatograma em branco obtido pela injeção de solvente após uma seqüência de injeções de amostras reais de biodiesel TRACE GC Ultra: Injetor Gás de arraste Cold On-column Helio, 3 ml/min por 12 min, elevado para 5 ml/min a 0,5 ml/min 2 FID 380 C Programação de temperatura do forno Amostrador automático TriPlus: Volume da seringa / comprimento da agulha Volume Injetado 80 C (1 min) a C/min, 180 C a C/min, 230 C a 365 C (4 10 C/min 10 μl / 80 mm Tabela 1. Condições operacionais do cromatógrafo a gás e do amostrador automático, usadas em todas as análises 1 μl % m/m (média de 2 análises) Repetibilidade Experimental (% m/m absoluta) Limites de Repetibilidade EN (%m/m absoluta) Glicerina Livre 0, ,0009 ± 0,0018 Monoglicerídeos 0,496-0,011 ± 0,063 Diglicerídeos 0,088-0,005 ± 0,0093 Triglicerídeos 0,050-0,0070 ± 0,0118 Glicerina Total 0,151-0,0030 ± 0,0144 Tabela 2. Resultados de análises de uma amostra de biodiesel 66

7 A Tabela 2 apresenta os resultados obtidos para uma das amostras de biodiesel analisadas. Para cada analito, os resultados superaram o desempenho mínimo exigido na norma EN 14105, como indicado na tabela. A repetição das duas análises em outros dias sucessivos gerou resultados semelhantes. CONCLUSÃO A determinação de glicerina livre e total em biodiesel B100, realizada com o cromatógrafo a gás TRACE GC Ultra configurado com injetor cold on-column, detector FID e amostrador automático TriPlus, atendeu as exigências de linearidade e precisão da norma EN O injetor cold on-column evitou a discriminação da fração pesada da amostra e eliminou os riscos de degradação dos componentes termolábeis como os triglicerídeos, garantindo excelente recuperação e integridade da amostra. A coluna específica TR-BIODIESEL(G) apresentou grande resistência mecânica nas condições de temperaturas bastante elevadas deste método, o que garante sua longa vida útil. O emprego de um conector metálico entre a pré-coluna e a coluna analítica, ao invés de um conector de vidro, garantiu uma conexão confiável e sem vazamentos, mesmo nas condições extremas de grandes e freqüentes variações de temperatura deste método. O emprego de uma pré-coluna sem fase estacionária é importante para evitar o efeito de sobrecarga da coluna analítica e sua contaminação. R e f e r ê n c i a s 1. EN 14105: Fat and oil derivatives Fatty Acid Methyl Esters (FAME) - Determination of free and total glycerol and mono-, di-, tri-glyceride content. 2. ASTM D6584: Standard Test Method for Determination of Free and Total Glycerin in B-100 Biodiesel Methyl Esters By Gas Chromatography *Artigo traduzido por Silvana Odete Pisani 67

Análise de Biodiesel por GC. conforme normas oficiais

Análise de Biodiesel por GC. conforme normas oficiais Análise de Biodiesel por GC conforme normas oficiais Sumário Especificações de qualidade do Biodiesel controladas por GC Métodos oficiais Condições cromatográficas previstas Instrumentação Thermo (GC)

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Análise de Álcoois Superiores, Acetaldeído, Acetato de Etila, Furfural e Contaminantes Orgânicos por Cromatografia Gasosa

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Análise de Álcoois Superiores, Acetaldeído, Acetato de Etila, Furfural e Contaminantes Orgânicos por Cromatografia Gasosa Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Zelita de Oliveira Lopes Brasil Colaboradora Análise crítica: Francisco Jairo R. Fonseca RT Substituto Aprovação: Francisco Jairo R. Fonseca RT Substituto

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de cafeína por CLAE

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de cafeína por CLAE Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Liliamarta Novato Colaboradora Análise crítica: Alessandra Pulcineli RQ Substituta Aprovação: Francisco Jairo R. Fonseca RT 1. Objetivo A cafeína

Leia mais

Determinação de Gases de Efeito Estufa com Sistema Automático de Injeção e Forno Auxiliar acoplado

Determinação de Gases de Efeito Estufa com Sistema Automático de Injeção e Forno Auxiliar acoplado Determinação de Gases de Efeito Estufa com Sistema Automático de Injeção e Forno Auxiliar acoplado Autores: Cristiane de Oliveira Silva, Henrique Franciscato Melo e Danilo Vinicius Pierone Nova Analítica,

Leia mais

Ensaio de Proficiência

Ensaio de Proficiência Ensaio de Proficiência Cromatografia de Íons - Variações de Cátions e Ânions - Bruno César Diniz Metrohm Pensalab bcd@metrohm.com.br IC - Ânions e Cátions Conteúdo Precisão X Exatidão Qualificação de Operação

Leia mais

A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002

A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002 A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002) 39. A exposição a pesticidas tem levado a um incremento no número de casos de intoxicação que, muitas vezes, não são

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

Cromatografia Gasosa. Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman. Thomson Learning; ISBN: 0030020786. Departamento de Química

Cromatografia Gasosa. Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman. Thomson Learning; ISBN: 0030020786. Departamento de Química Capítulo X-5 Cromatografia Gasosa Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman Thomson Learning; ISBN: 0030020786 1 Na cromatografia de fase gasosa (GC) a amostra é volatizada e injectada

Leia mais

QUI 102 Metodologia Analítica

QUI 102 Metodologia Analítica QUI 102 Metodologia Analítica 1 semestre 2011 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos Prática: DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, ÁCIDO SALICÍLICO, PARACETAMOL E CAFEÍNA EM MEDICAMENTOS POR HPLC DETERMINAÇÃO

Leia mais

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol 4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol OH SOCl 2 Cl + HCl + SO 2 C 11 H 22 O C 11 H 21 Cl (170.3) (119.0) (188.7) (36.5) (64.1) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

Determinação dos Ácidos Benzóico e Sórbico em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas por HPLC/DAD

Determinação dos Ácidos Benzóico e Sórbico em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas por HPLC/DAD Página 1 de 5 1 Escopo Determinação simultânea de conservantes (ácido sórbico e ácido benzóico) em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas, empregando a técnica de Cromatografia Líquida

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 5 Cromatografia a Gás Profa. Daniele Adão CROMATÓGRAFO CROMATOGRAMA Condição para utilização da CG Misturas cujos constituintes sejam VOLÁTEIS Para assim dissolverem-se, pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 42, DE 24.11.2004 DOU 9.12.2004 RET. DOU 19. 4.2005

RESOLUÇÃO ANP Nº 42, DE 24.11.2004 DOU 9.12.2004 RET. DOU 19. 4.2005 RESOLUÇÃO ANP Nº 42, DE 24.11.2004 DOU 9.12.2004 RET. DOU 19. 4.2005 O DIRETORGERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO ANP, em exercício, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria ANP

Leia mais

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE ALCOÓIS NA AGUARDENTE DE CANA-DE-AÇÚCAR PRODUZIDA ARTESANALMENTE NA REGIÃO DO CIRCUITO DAS ÁGUAS PAULISTA

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE ALCOÓIS NA AGUARDENTE DE CANA-DE-AÇÚCAR PRODUZIDA ARTESANALMENTE NA REGIÃO DO CIRCUITO DAS ÁGUAS PAULISTA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE ALCOÓIS NA AGUARDENTE DE CANA-DE-AÇÚCAR PRODUZIDA ARTESANALMENTE

Leia mais

Instituto de Química, Universidade de São Paulo USP, Cep 13560-970, São Carlos, SP, Brasil

Instituto de Química, Universidade de São Paulo USP, Cep 13560-970, São Carlos, SP, Brasil Scientia Chromatographica 2012; 4(2):111-124 Instituto Internacional de Cromatografia http://dx.doi.org/10.4322/sc.2012.009 ISSN 1984-4433 GC Determinação direta de mono, di e triglicerídeos em biodiesel:

Leia mais

OLIGOMERIZAÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA DURANTE O PROCESSO PRODUTIVO

OLIGOMERIZAÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA DURANTE O PROCESSO PRODUTIVO LIGMERIZAÇÃ D BIDIESEL DE MAMNA DURANTE PRCESS PRDUTIV José Antonio Vidal Vieira 1, Luiz Silvino Chinelatto Júnior, Sonia Cabral de Menezes, Rosana Cardoso Lopes Pereira, Flavio Cortinas Albuquerque, Felipe

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÓLEO DIESEL RODOVIÁRIO E MARÍTIMO POR TÉCNICAS CONVENCIONAIS E DESTILAÇÃO SIMULADA POR CROMATOGRAFIA GASOSA

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÓLEO DIESEL RODOVIÁRIO E MARÍTIMO POR TÉCNICAS CONVENCIONAIS E DESTILAÇÃO SIMULADA POR CROMATOGRAFIA GASOSA CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÓLEO DIESEL RODOVIÁRIO E MARÍTIMO POR TÉCNICAS CONVENCIONAIS E DESTILAÇÃO SIMULADA POR CROMATOGRAFIA GASOSA Camila Gisele Damasceno Peixoto 1 ; Yonara Luísa de Souza Costa

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de Carbamato de Etila em Bebidas Alcoólicas Destiladas por CG-EM

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de Carbamato de Etila em Bebidas Alcoólicas Destiladas por CG-EM Página: 1 de 9 Elaboração: Nome Função Assinatura Data Zelita de Oliveira Lopes Brasil RT substituta Adriana Cândida Faustino Nishi Colaboradora Análise crítica: Nélio Fleury Filho Colaborador Aprovação:

Leia mais

SEMINÁRIO BIODIESEL - RECIFE/PE Cromatografia Gasosa Aplicada à Caracterização de Biodiesel. Romão B.Beserra Jr. AGO/06

SEMINÁRIO BIODIESEL - RECIFE/PE Cromatografia Gasosa Aplicada à Caracterização de Biodiesel. Romão B.Beserra Jr. AGO/06 SEMINÁRIO BIODIESEL - RECIFE/PE Cromatografia Gasosa Aplicada à Caracterização de Biodiesel. Romão B.Beserra Jr. AGO/06 PerkinElmer Page 1 a pioneer in analytical measurements for more than 60 years PIONEIRA

Leia mais

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO Sinais obtidos por equipamentos e instrumentos devem ser calibrados para evitar erros nas medidas. Calibração, de acordo com o INMETRO, é o conjunto de operações que estabelece, sob

Leia mais

Metodologias Analíticas Aplicadas nas Análises de Biodiesel de Mamona

Metodologias Analíticas Aplicadas nas Análises de Biodiesel de Mamona Painel Setorial Biodiesel INMETRO Novembro de 2005 Metodologias Analíticas Aplicadas nas Análises de Biodiesel de Mamona Fátima Regina Dutra Faria PETROBRAS/CENPES/QUÍMICA fatima.dutra@petrobras.com.br

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Cromatógrafo Master GC DESCRIÇÃO Atualmente, o número de amostras a serem analisadas tem aumentado em níveis consideráveis, o que torna o processo um desafio

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA 2 1 6 Ed. Cap. 10 268-294 6 Ed. Cap. 6 Pg.209-219 6 Ed. Cap. 28 Pg.756-829 6 Ed. Cap. 21 Pg.483-501 3 Separação Química Princípios de uma separação. Uma mistura

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA Ana Carolina de Sousa Maia 1 ; Jonathan da Cunha Teixeira 2 ; Suzana Moreira de Lima

Leia mais

Thermo Scientific TRACE 1300 Series Cromatógrafos a Gás. avanços extraordinários produtividade maior e desempenho otimizado

Thermo Scientific TRACE 1300 Series Cromatógrafos a Gás. avanços extraordinários produtividade maior e desempenho otimizado Thermo Scientific TRACE 1300 Series Cromatógrafos a Gás avanços extraordinários produtividade maior e desempenho otimizado a produtividade que você precisa o desempenho que você quer A redução do custo

Leia mais

CLARUS 500 / HEADSPACE TURBO MATRIX 1. INTRODUÇÃO

CLARUS 500 / HEADSPACE TURBO MATRIX 1. INTRODUÇÃO 1/10 1. INTRODUÇÃO A Cromatografia em Fase Gasosa (CG) é um método usado frequentemente em bioquímica e em química analítica para separar, identificar e quantificar diferentes compostos. Para tanto, utiliza-se

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO SÓLIDO FORMADO EM BIODIESEL DE SEBO BOVINO

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO SÓLIDO FORMADO EM BIODIESEL DE SEBO BOVINO Quim. Nova, Vol. 35, No. 10, 1901-1906, 2012 CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUO SÓLIDO FORMADO EM BIODIESEL DE SEBO BOVINO Valter José Fernandes Júnior e Antonio de Sousa Araujo Instituto de Química, Universidade

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 81

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 81 Página 81 ESTUDO COMPARATIVO DE MODELOS ESTATÍSTICOS PARA REDUÇÃO DA VISCOSIDADE EM MISTURA DE BIODIESEIS DE MAMONA E SOJA, USANDO UMA METODOLOGIA DE SUPERFÍCIE DE RESPOSTA Fernanda Mansani da Silva 1

Leia mais

4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS)

4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS) 78 4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS) Os espectrômetros de massa constam de quatro partes básicas: um sistema de manipulação para introduzir a amostra desconhecida no equipamento;

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 8 Cromatografia Liquida de Alta Eficiência CLAE (Continuação) Profa. Daniele Adão - Solvente grau HPLC (alta pureza): impurezas presentes na FM

Leia mais

COMPOSIÇÂO QUÍMICA E ÁCIDOS GRAXOS EM CHIA (Salvia hispânica L.)

COMPOSIÇÂO QUÍMICA E ÁCIDOS GRAXOS EM CHIA (Salvia hispânica L.) COMPOSIÇÂO QUÍMICA E ÁCIDOS GRAXOS EM CHIA (Salvia hispânica L.) Beatriz Costa e Silva 1 ; Hevelyse Munise Celestino dos Santos 2 ; Paula Fernandes Montanher 1 ; Joana Schuelter Boeing 1 ; Jesuí Vergílio

Leia mais

CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA ANÁLISE DA CAFEÍNA EM BEBIDAS POR HPLC

CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA ANÁLISE DA CAFEÍNA EM BEBIDAS POR HPLC 1 CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA ANÁLISE DA CAFEÍNA EM BEBIDAS POR HPLC 1 - OBJECTIVO Pretende-se ilustrar a técnica de cromatografia líquida de alta eficiência (H.P.L.C.) aplicando-a na determinação

Leia mais

Cromatografia em Camada Delgada (CCD) ou Thin Layer Chromatography (TLC)

Cromatografia em Camada Delgada (CCD) ou Thin Layer Chromatography (TLC) Material disponível no site http://www.ufsm.br/larp Cromatografia em Camada Delgada (CCD) ou Thin Layer Chromatography (TLC) Prof. Renato Zanella (UFSM) A cromatografia em camada delgada é outra forma

Leia mais

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC)

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Informação técnica Denominação do sistema Componente

Leia mais

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos:

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3.1 Materiais: A Tabela 3.1 apresenta os equipamentos e materiais utilizados, suas características principais, fornecedores, e em quais procedimentos os

Leia mais

Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos. Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC

Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos. Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC 1 - Cromatografia Líquida História e Evolução Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC

Leia mais

GC - Cromatografia gás-líquido / sólido

GC - Cromatografia gás-líquido / sólido GC - Cromatografia gás-líquido / sólido Cromatografia gás-líquido separação de componentes de uma amostra por partilha entre uma fase móvel, gasosa, e uma fase estacionária, filme de líquido não volátil,

Leia mais

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE COLETA DE AMOSTRAS DE ALDEÍDOS NAS EMISSÕES VEICULARES VISANDO REDUÇÃO DO CONSUMO E DO DESCARTE DE ACETONITRILA

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE COLETA DE AMOSTRAS DE ALDEÍDOS NAS EMISSÕES VEICULARES VISANDO REDUÇÃO DO CONSUMO E DO DESCARTE DE ACETONITRILA MÉTODOS ALTERNATIVOS DE COLETA DE AMOSTRAS DE ALDEÍDOS NAS EMISSÕES VEICULARES VISANDO REDUÇÃO DO CONSUMO E DO DESCARTE DE ACETONITRILA Astor V. Silva Filho 1, Fernanda L. Carvalho 2 e Geraldo V. Bacci

Leia mais

INCORPORAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3 EM TILÁPIAS DO NILO (Oreochromis niloticus)

INCORPORAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3 EM TILÁPIAS DO NILO (Oreochromis niloticus) INCORPORAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3 EM TILÁPIAS DO NILO (Oreochromis niloticus) Beatriz Costa e Silva 1 ; Hevelyse Munise Celestino dos Santos 2 ; Paula Fernandes Montanher 1 ; Joana Schuelter Boeing

Leia mais

R E S U M O MOTIVAÇÃO

R E S U M O MOTIVAÇÃO R E S U M O Suzana Pedroza da Silva: Estudo Cinético da Transesterificação de Oleaginosas na Produção de Biodiesel. Doutorado em Engenharia Química. Orientador: Dsc. César Augusto Moraes de Abreu. Departamento

Leia mais

Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe. 58059-900, PB, Brasil.

Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe. 58059-900, PB, Brasil. Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe Pontes, A.S.G.C. 1 (IC), Vasconcelos, A.F.F. 1,2 (PQ); Bicudo, T.C. 1 (PQ) Santos, I.M.G. 1 (PQ);

Leia mais

4001 Transesterificação do óleo de mamona em ricinoleato de metila

4001 Transesterificação do óleo de mamona em ricinoleato de metila 4001 Transesterificação do óleo de mamona em ricinoleato de metila Classificação Tipos de reações e classes de substâncias. Reação do grupo carbonila de derivados do ácido carboxílico, trans-esterificação,

Leia mais

Aula 11. Prof. Rafael Sousa

Aula 11. Prof. Rafael Sousa Analítica V: Aula 11 Eletroforese capilar Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan EletroforeseCapilar(EC) TÉCNICA ELETROANALÍTICA HISTÓRICO

Leia mais

SISTEMA DE CROMATOGRAFIA LIQUIDA

SISTEMA DE CROMATOGRAFIA LIQUIDA SISTEMA DE CROMATOGRAFIA LIQUIDA Sistema de Cromatografia Líquida de Alta Eficiência MODULAR, compatível com cromatografia líquida convencional e ultra-rápida com alta resolução, composto por: Bomba de

Leia mais

Qualidade dos Combustíveis:

Qualidade dos Combustíveis: Qualidade dos Combustíveis: Desafios para a manutenção da qualidade Oswaldo Luiz de Mello Bonfanti Coordenador Nacional do Sistema de Garantia da Qualidade Gestor de Assistência Técnica Ribeirão Preto,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Carlo Cassiano Mazeto CURITIBA Agosto/2013 CARLO CASSIANO

Leia mais

Análise de amostras de alimentos mais produtiva com o Agilent ICP-MS 7700x

Análise de amostras de alimentos mais produtiva com o Agilent ICP-MS 7700x Análise de amostras de alimentos mais produtiva com o Agilent ICP-MS 77x Nota de aplicação Teste de alimentos Autores Sebastien Sannac, Jean Pierre Lener e Jerome Darrouzes Agilent Technologies Paris,

Leia mais

Cromatografia Líquida

Cromatografia Líquida Analítica V: Aula 10 Cromatografia Líquida ATENÇÃO À SEQUENCIA DAS PRÁTICAS: Para a Prática de 08/11 cada grupo deverá trazer: - um pacote de M&M (embalagem marrom, de 104 g) - um par de luvas de procedimento

Leia mais

Anais. Naviraí/MS - Brasil. Organização. Coordenação. Comitê Científico

Anais. Naviraí/MS - Brasil. Organização. Coordenação. Comitê Científico Organização Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Gerência da Unidade de Naviraí Coordenação do Curso de Química Coordenação do Curso de Tecnologia em Alimentos Coordenação Prof. Dr. Alberto Adriano

Leia mais

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS O ensaio de endotoxinas bacterianas (EEB) é um ensaio para detectar ou quantificar endotoxinas de bactérias gram negativas usando um lisado de amebócitos de caranguejo

Leia mais

3. Metodologia. 3.1. Materiais e Equipamentos. 3.1.1. Reagentes

3. Metodologia. 3.1. Materiais e Equipamentos. 3.1.1. Reagentes 65 3. Metodologia 3.1. Materiais e Equipamentos 3.1.1. Reagentes Os padrões de gás natural empregados foram fornecidos pelo Centro de Pesquisas da Petrobras e correspondem aos lotes 626529E e 621989E,

Leia mais

Lista de Exercícios Espectrometria de Absorção Molecular ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Espectrometria de Absorção Molecular ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Um estudante dissolveu devidamente, 0,519 g de amostra e diluiu para 50,0 ml. Em seguida, tratou uma alíquota

Leia mais

fase fixa (quer em coluna quer em superfície plana) pode ser um líquido depositado num suporte sólido inerte (GC)

fase fixa (quer em coluna quer em superfície plana) pode ser um líquido depositado num suporte sólido inerte (GC) Cromatografia Cromatografia técnica baseada nas diferenças de distribuição dos componentes a separar entre duas fases: uma fase móvel e uma fase estacionária. técnica em que os componentes duma mistura

Leia mais

Biocombustíveis. Instrumentação Analítica

Biocombustíveis. Instrumentação Analítica Instrumentação Analítica Biocombustíveis Soluções em Instrumentação Analítica para Biocombustíveis de acordo com as resoluções de Etanol e Biodiesel da ANP Soluções para Especificação de Biocombustíveis

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS

TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS Técnicas cromatográficas Termo cromatografia são atribuídos ao botânico Mikhael Tswett, em 1906. Chrom cor Graphe escrever Reed (Inglaterra) e Day (EUA) Petróleo Época Moderna

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: DETERMINAÇÃO DE AFLATOXINAS

FARMACOPEIA MERCOSUL: DETERMINAÇÃO DE AFLATOXINAS MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: DETERMINAÇÃO DE AFLATOXINAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo Mercado Comum.

Leia mais

ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO À TEMPERATURA, UTILIZANDO-SE UM VISCOSÍMETRO CAPILAR

ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO À TEMPERATURA, UTILIZANDO-SE UM VISCOSÍMETRO CAPILAR I CIMMEC 1º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 8 A 10 DE OUTUBRO DE 008 Rio de janeiro, Brasil ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO

Leia mais

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 39 4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 4.1 O Processo de absorção atômica A absorção de energia por átomos livres, gasosos, no estado fundamental, é a base da espectrometria

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: CROMATOGRAFIA

FARMACOPEIA MERCOSUL: CROMATOGRAFIA MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: CROMATOGRAFIA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO:

Leia mais

CROMATÓGRAFO A GÁS. Eis um orgulho, uma realidade, GERAÇÃO 8000 um produto brasileiro.

CROMATÓGRAFO A GÁS. Eis um orgulho, uma realidade, GERAÇÃO 8000 um produto brasileiro. COMATÓGAFO A GÁS DINÂMICO COMPLETO CONFIGUÁVEL GEAÇÃO 8000 PAA PAA SE SUA ÚNICO INOVADO MODENO 2 ANOS DE GAANTIA PEFEITO EM QUALQUE ÂNGULO O cromatógrafo a gás GEAÇÃO 8000, mostra-se inovador, moderno,

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Sugerencias para el uso de equipos de CLAE. Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis

Sugerencias para el uso de equipos de CLAE. Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis Sugerencias para el uso de equipos de CLAE Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO HPLC Injetor Bomba Reservatório Coluna Registrador

Leia mais

Produção de Biodiesel por Transesterificação do Óleo de Soja com Misturas de Metanol-Etanol

Produção de Biodiesel por Transesterificação do Óleo de Soja com Misturas de Metanol-Etanol Montagem e implantação de usina piloto de baixo custo para produção de biodiesel Produção de Biodiesel por Transesterificação do Óleo de Soja com Misturas de Metanol-Etanol Brandão, K. S. R. 1 (PG); Silva,

Leia mais

2008 Esterificação do ácido propiônico com 1-butanol via catálise ácida para a obtenção do éster propanoato de butila

2008 Esterificação do ácido propiônico com 1-butanol via catálise ácida para a obtenção do éster propanoato de butila 28 Esterificação do ácido propiônico com 1-butanol via catálise ácida para a obtenção do éster propanoato de butila Classificação Tipos de reações e classes de substâncias Reação de carbonila de ácidos

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 6 Cromatografia a Gás (continuação) Profa. Daniele Adão FASES ESTACIONÁRIAS Conceitos Gerais REGRA GERAL: a FE deve ter características tanto quanto possível próximas das dos

Leia mais

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA.

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 3.967, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

Determinação de Congêneres e Contaminantes Orgânicos por CG/FID em Bebidas Fermentadas, Destiladas e Alcoólicas Mistas

Determinação de Congêneres e Contaminantes Orgânicos por CG/FID em Bebidas Fermentadas, Destiladas e Alcoólicas Mistas Página: 1 de 6 1 Escopo Este método de ensaio visa a determinação por cromatografia gasosa com detecção por ionização de chama (CG/FID) dos analitos representativos dos parâmetros coeficiente de congêneres

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE DE CONVERSÃO DE ÓLEO DE GRÃOS DE CAFÉ DEFEITUOSOS E SADIOS EM BIODIESEL

ESTUDO DE VIABILIDADE DE CONVERSÃO DE ÓLEO DE GRÃOS DE CAFÉ DEFEITUOSOS E SADIOS EM BIODIESEL ESTUDO DE VIABILIDADE DE CONVERSÃO DE ÓLEO DE GRÃOS DE CAFÉ DEFEITUOSOS E SADIOS EM BIODIESEL Rodrigo Ribeiro da Silva CAMARGOS 1 E-mail: rodrigocamargos@terra.com.br, Adriana S. FRANCA 1, Leandro S. OLIVEIRA

Leia mais

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA Com a descoberta que o átomo possui estrutura; isto é, é composta de partículas menores tais como elétrons os quais são ordenados de acordo a critérios quânticos

Leia mais

Sistema LC/MS Agilent 6490 Triplo Quadrupolo com tecnologia ifunnel. Desempenho quantitativo ultra sensível. 5990-6301PTBR-hi 1 27/01/11 15.

Sistema LC/MS Agilent 6490 Triplo Quadrupolo com tecnologia ifunnel. Desempenho quantitativo ultra sensível. 5990-6301PTBR-hi 1 27/01/11 15. Sistema LC/MS Agilent 6490 Triplo Quadrupolo com tecnologia ifunnel Desempenho quantitativo ultra sensível 5990-6301PTBR-hi 1 27/01/11 15.43 Desempenho quantitativo sem comparações para as análises mais

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEOS RESIDUAIS NA CIDADE DE ITAÚNA PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL EM ESCALA PILOTO Etapa de planejamento e implementação

PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEOS RESIDUAIS NA CIDADE DE ITAÚNA PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL EM ESCALA PILOTO Etapa de planejamento e implementação PROGRAMA DE COLETA DE ÓLEOS RESIDUAIS NA CIDADE DE ITAÚNA PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL EM ESCALA PILOTO Etapa de planejamento e implementação Rosilene A. de Miranda, ICB / UIT, luanabiologa@yahoo.com.br

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO, e-mail: zeronaldo@ caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO, e-mail: zeronaldo@ caramuru.com Perfil de ácidos graxos em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a cromatografia gasosa 57 Marcelo Alvares de Oliveira 1 ; Irineu Lorini 1 ; José

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS CORRELAÇÃO ENTRE AS TÉCNICAS TERMOGRAVIMETRICA (TG) E CROMATOGRAFIA GASOSA ACOPLADA À ESPECTROMETRIA DE MASSAS (CG/EM) NA ANÁLISE DE COMBUSTÍVEIS. Marcelo

Leia mais

Introdução à LC/MS. Introdução

Introdução à LC/MS. Introdução Introdução à LC/MS Introdução n LC provém a separação, em fase líquida, de misturas complexas, porém dificilmente fornece a identificação positiva de componentes individuais. n MS é uma técnica que auxilia

Leia mais

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém sete questões, constituídas de itens e subitens, e é composto de dezesseis

Leia mais

3005 Síntese de 7,7-diclorobiciclo [4.1.0] heptano (7,7- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno

3005 Síntese de 7,7-diclorobiciclo [4.1.0] heptano (7,7- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno 00 Síntese de,-diclorobiciclo [..0] heptano (,- dicloronorcarano) a partir de ciclohexeno + CHCl NaOH tri-n-propylamine CCl + HCl C H 0 (8.) (9.) NaOH C 9 H N C H 0 Cl (0.0) (.) (.) (.) Classificação Tipos

Leia mais

METODO PARA A DETERMINACAO DE ÓXIDOS DE NITROGENIO EM CHAMINE

METODO PARA A DETERMINACAO DE ÓXIDOS DE NITROGENIO EM CHAMINE ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 0975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 9.341.583/0001-04 IE 8.846.190 Fone: (0xx1) 501-1998; Fax: (0xx1) 41-1354 www.energetica.ind.br METODO PARA A DETERMINACAO

Leia mais

O CROMATÓGRAFO mod. U-13 Construmaq São Carlos é configurado para analise de CH 4, CO 2, O 2 e N 2.

O CROMATÓGRAFO mod. U-13 Construmaq São Carlos é configurado para analise de CH 4, CO 2, O 2 e N 2. 1 O CROMATÓGRAFO mod. U-13 Construmaq São Carlos é configurado para analise de CH 4, CO 2, O 2 e N 2. É composto de 3 unidades: cromatógrafo (Fig. 1 ) ; caixa de controle mod. U-13b (Fig. 2 ) com eletrômetro

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE FRITURA: UMA ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL.

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE FRITURA: UMA ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL. PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE FRITURA: UMA ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL. M. A. C. BUMBA 1, R. K.OI 2 e H. YAMAMURA 3 1 Universidade Católica de Santos, Departamento de Engenharia de Produção 2 Universidade

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

SEPARAÇÃO CROMATOGRÁFICA

SEPARAÇÃO CROMATOGRÁFICA SEPRÇÃO CROMTOGRÁFIC CLSSIFICÇÃO DE MÉTODOS CROMTOGRÁFICOS EM COLUN Classificação geral Método específico Fase estacionária Tipo de equilíbrio mostra Fase móvel Cromatografia líquida (LC) (fase móvel:

Leia mais

L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS

L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS L IE Linha de produtos fabricados em material de alta transparência, em sala limpa escala 100,000, de acordo com as normas ISO 9001 e ISO 13485:2003/AC:2007, certificados como

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO CONTEÚDO EM ESTEROIDES LIVRES DE DIFERENTES ÓLEOS, GORDURAS E BIODIESEIS POR CROMATOGRAFIA GASOSA

ANÁLISE COMPARATIVA DO CONTEÚDO EM ESTEROIDES LIVRES DE DIFERENTES ÓLEOS, GORDURAS E BIODIESEIS POR CROMATOGRAFIA GASOSA http://dx.doi.org/10.5935/0100-4042.20150037 Quim. Nova, Vol. 38, No. 4, 498-505, 2015 ANÁLISE COMPARATIVA DO CONTEÚDO EM ESTEROIDES LIVRES DE DIFERENTES ÓLEOS, GORDURAS E BIODIESEIS POR CROMATOGRAFIA

Leia mais

Maria João Mendes Mendonça Barreira Departamento de Promoção da Saúde e Doenças Crónicas Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

Maria João Mendes Mendonça Barreira Departamento de Promoção da Saúde e Doenças Crónicas Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge. Quantificação de quatro imunossupressores por cromatografia líquida com detecção por espectrometria de massa tandem. Maria João Mendes Mendonça Barreira Departamento de Promoção da Saúde e Doenças Crónicas

Leia mais

Exame Prático 05 jul 2006 Gyeongsan, Korea

Exame Prático 05 jul 2006 Gyeongsan, Korea Chemistry for Life, Chemistry for better Life Exame Prático 05 jul 2006 Gyeongsan, Korea Generalidades - Você tem 5 horas para completar o exame. Administre bem o tempo. O experimento 1 (10 pontos) deve

Leia mais

Viscosímetro Stabinger SVM 3001

Viscosímetro Stabinger SVM 3001 Viscosímetro Stabinger SVM 3001 Mais expectativas Bem-vindo(a) à nova viscosimetria Medir a viscosidade de óleos e combustíveis tem tudo a ver com certeza e conformidade. Para isso, você possui duas alternativas:

Leia mais

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de fósforo de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O método se baseia na conversão do fósforo presente na amostra em ortofosfato.

Leia mais

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR Todo programa de monitoramento contínuo da qualidade do ar precisa de algum sistema que forneça uma garantia de que os valores medidos são válidos.

Leia mais

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF)

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) - CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) Técnica de identificação e separação de compostos orgânicos Aplicações: - Identificação de componentes de uma mistura - Acompanhamento da evolução de uma reação - Análise

Leia mais

Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5

Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5 Obtenção de benzeno a partir do gás natural utilizando catalisadores Fe-Mo/ZSM-5 L. P. MALLMANN 1 e O. W. P. LOPEZ 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Química E-mail

Leia mais

Agilent 1260 Infinity Soluções analíticas SFC. Desempenho de SFC muito melhor

Agilent 1260 Infinity Soluções analíticas SFC. Desempenho de SFC muito melhor Agilent 16 Infinity Soluções analíticas SFC Desempenho de SFC muito melhor SOLUÇÕES ANALÍTICAS SFC AGILENT 16 INFINITY DESEMPENHO DE SFC INFINITAMENTE MELHOR As soluções analíticas SFC Agilent 16 Infinity

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 78, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 78, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 78, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUESTÃO 01 Os valores das sucessivas energias de ionização de um átomo constituem uma evidência empírica da existência de níveis de energia. Os diagramas abaixo pretendem representar,

Leia mais

HPLC - Cromatografia líquida de alta eficiência

HPLC - Cromatografia líquida de alta eficiência HPLC - Cromatografia líquida de alta eficiência HPLC High Performance (pressure) Liquid Chromatography nas colunas de enchimemto o fluxo é baixo mesmo para granulometrias elevadas (150-200 µm) < granulometria

Leia mais

Determinação e Comparação da Composição de Misturas Gasosas de Gás Natural Comercializados como Padrões no Mercado Nacional.

Determinação e Comparação da Composição de Misturas Gasosas de Gás Natural Comercializados como Padrões no Mercado Nacional. III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Determinação e Comparação da Composição de Misturas Gasosas de Gás Natural Comercializados como Padrões no Mercado Nacional. Leandro Joaquim Rodrigues

Leia mais

3. Materiais e Métodos

3. Materiais e Métodos 59 3. Materiais e Métodos Os experimentos foram realizados nos Laboratórios de Metalurgia e Meio Ambiente do DEMa da Puc-Rio. 3.1. Equipamentos de medição 3.1.1. Carbono orgânico total (COT) Os métodos

Leia mais