BuscaLegis.ccj.ufsc.br

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BuscaLegis.ccj.ufsc.br"

Transcrição

1 BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Contratos de compra e venda Maíra Santos Antunes da Silva O contrato de Compra e Venda é a espécie mais importante de contratos.e o que mais possui regras quanto ao seu ato de celebração, além de ser a origem de quase todo o direito das Obrigações e do direito Comercial. O contrato de compra e venda é um contrato Bilateral através do qual o vendedor se obriga a transferir o domínio de uma coisa ao comprador mediante uma contraprestação de certo preço em dinheiro, assim, os contratantes obrigam-se reciprocamente. BREVE HISTÓRICO Antigamente não existia a compra e venda, mas as trocas,pois não havia uma moeda específica capaz de viabilizar a compra e venda. A descoberta do gado como fonte de pagamento (pecúnia) foi o início da evolução que precedeu a era dos metais que originou a moeda. E na seqüência surgiu o

2 dinheiro em papel que foi alavanca à existência do Contrato de compra e venda. CONCEITO È um contrato Bilateral através do qual uma parte entrega uma coisa a outra para receber uma contraprestação em Dinheiro (Art 481CC). Na compra e venda o bem sai da esfera de uma das partes a outra e o dinheiro também. Mister ressaltar que o contrato de compra e venda pode ter como objeto bens de toda natureza, sejam eles corpóreos (móveis e imóveis) ou incorpóreos( Ex: cessão de crédito.). A alienação de bens incorpóreos é denominada cessão. COMPRA E VENDA COISA < PREÇO a) transferência de domínio: tradição(art1.226) e registro(art e 1.245): Nos bens imóveis é necessário o registro para que o bem saia da esfera de uma parte para a outra, já nos bens móveis a celebração do contrato da compra e venda se dá com a tradição.

3 Dispõe o Art do CC, que a propriedade das coisas não se transfere pelos negócios jurídicos antes da tradição assim como Os direitos reais sobre imóveis constituídos,ou transmitidos por atos entre vivos,só se adquirem com o Registro no Cartório de Registro de Imóveis dos referidos títulos, salvo os casos expressos neste Código (art.1227) Desta forma, o contrato gera,para o vendedor, apenas uma obrigação de dar,ou seja, a de entregar (traditio) a coisa vendida, pois, unicamente a efetiva entrega do bem irá configurar a transferência do domínio. O indivíduo que possui o uso (utilização do bem)o gozo e a disponibilidade (Poder de alienar o Bem) da coisa tem o Domínio (propriedade e posse) do bem.. A posse só garante o Direito ao uso do bem,verbi gratia, o locatário. Quem tem a propriedade pode alienar, haja vista quem tem a posse e a propriedade tem o domínio total do bem. No contrato de Compra e venda no qual o vendedor já recebeu o pagamento do preço e convencionou entregá-lo no dia seguinte,caso ocorra qualquer desventura neste intervalo de tempo que antecede a tradição da coisa ao comprador a responsabilidade será do vendedor, já que o que configura o contrato de compra e venda é a entrega da coisa

4 ,além de ferir a tese de que a coisa perece para o dono (res perit domino). Até o momento da tradição os riscos da coisa correm por conta do alienante (art.492). b) a LICC-art 9º, 2o e Art. 17 No contrato de Compra e venda as regras e Leis utilizadas são do País. Nós utilizamos o Código Civil Brasileiro. Estabelece a Lei de introdução ao Código civil que: para qualificar e reger as obrigações,aplicar-se-á a lei do país em que se constituírem (art 9º) e que a obrigação resultante do contrato reputa-se constituída no lugar em que residir o proponente ( art 9º, 2º ). Podendo as partes, no entanto, avençar diferentemente,desde que a estipulação não ofenda a soberania nacional, a ordem pública e os bons costumes (art.17). c) Compra e Venda Civil e Mercantil -Compra e venda Civil (Art 481): è a compra e venda de tudo que não está circulando no Comércio.

5 -Compra e venda Mercantil: São Produtos que a fábrica produz e envolvem relações comerciais. Compra-se de um para vender a outrem, verifica-se portanto, a figura da revenda. -Compra e venda para consumo: Tudo que compramos como consumidores finais, ou seja, últimos, a receber o bem. Os bens de compra e venda para consumo são bens consumíveis, que são bens cuja utilização consiste na destruição do bem. A que o indivíduo é o consumidor final. O código de defesa do Consumidor regulamenta essa espécie de compra e venda. São partes da compra e venda para consumo a empresa vendedora e o adquirente destinatário final,sendo este representado pelo Código de Defesa do consumidor NATUREZA JURÌDICA E LOCALIZAÇÃO CLASSIFICATÒRIA DA COMPRA E VENDA A compra e venda é um negócio jurídico bilateral; Sinalagmático (porque existe obrigações mútuas) que tem natureza jurídica de contrato.

6 Classificação: é um negócio jurídico Bilateral ( porque se forma pelo consenso de vontades entre 2 ou mais partes); oneroso ( porque apresenta vantagem e interesse para ambas as partes,pois uma recebe o bem e a outra a contraprestação ou dinheiro); Consensual em regra (basta a vontade das partes para formalizar, solo consensu); pode ser tanto comutativo quanto aleatório, apesar de ser em regra comutativo( já que no contrato de compra e venda de imediato as partes tomam ciência do conteúdo das prestações recíprocas,ou seja,as partes podem tranquilamente antever as vantagens e os sacrifícios,que geralmente se equivalem) ; nominados ou típicos(porque vem descritos no código Civil). Todavia se for compra e venda de bem Imóvel será Solene, jamais consensual, pois a lei exige a escritura pública e o registro. ELEMENTOS DA COMPRA E VENDA Todo e qualquer contrato tem que apresentar os requisitos e pressupostos do Art 104 do CC (Agente capaz, objeto lícito,possível,determinado ou ao menos determinável e forma prescrita ou não defesa em lei),caso contrário será um negócio Jurídico nulo. O Contrato de compra e venda portanto além de ter que estar em observância com os elementos do Artigo 104 do código civil deverá conter necessariamente outros requisitos específicos à sua configuração,quais sejam: a) Consentimento

7 Só os Agentes capazes podem consentir,mas os incapazes genéricos do art 3º e 4º do Código Civil podem consentir caso sejam representados ou assistidos ou autorizados pelo juiz, pois passam a ter suas capacidades supridas. Assim o absolutamente incapaz deverá ser acompanhado de seu representante legal e o Relativamente incapaz deverá estar acompanhado de seu assistente, todavia, é ele próprio que irá consentir, assinar e fazer tudo que for necessário à formação do Negócio Jurídico, servindo o assistente apenas para confirmar suas decisões de forma a suprir sua incapacidade jurisdicional. Como diz Carlos Roberto Gonçalves: Portanto, não basta a capacidade genérica para os atos da vida civil. para vender exige-se também a capacidade específica para alienar,pois o cumprimento da obrigação de entregar a coisa pressupõe o poder de disposição do vendedor. No tocante ao comprador,basta a capacidade de obrigar-se A lei impõe algumas restrições específicas a celebração do contrato de Compra e venda devido a ausência de legitimação de algumas pessoas para agir, ou seja, elas possuem capacidade genérica para gerir todos os atos da vida civil,mas naquele caso específico lhe falta a autorização legal para agir, tornando anulável qualquer ato dessas pessoas em relação a questão específica prescrita em lei. Encontram-se estes impedimentos relatados nos Arts. 496,497,499,504,1647-I,etc.

8 Mister expor que o consentimento é vulnerável a defeitos e/ou Vícios,que são denominados de Vícios do consentimento. São eles o Erro, a Coação,O Dolo e a Lesão. È Comum pensar que a fraude e a simulação são vícios do consentimento, mas não o são, são vícios sociais. O consentimento deve ser livre e espontâneo para que produza efeitos no âmbito jurídico,sob pena de anulabilidade. O consentimento é portanto, uma limitação subjetiva ao poder de contratar. Importante observar, que embora os incapazes não possuam validade no seu consentimento,não tem sido exigido o requisito do consenso na compra e venda em se tratando de aquisição por estes de produtos de consumo pessoal no mercado. Ex: Compra de sorvete,doce, etc. b) Preço - Pagamento em dinheiro: O Preço é o segundo elemento essencial da compra e Venda.Sempre terá que ser fixado em dinheiro,pois o Contrato de compra e venda somente existe quando há a entrega do bem,esperando uma contraprestação em dinheiro ( Cédula, Moeda). Logo, a contraprestação diversa do dinheiro

9 propriamente dito não constitui Contrato de Compra e venda, mas contrato de outra espécie. Como exemplo prático temos o objeto do contrato que é pago com um outro bem ou coisa. Estes contratos não são de compra e venda já que inexiste a contraprestação em dinheiro,mas configura-se um contrato de Troca, já os contratos que possuem como contraprestação um serviço são chamados contratos inominados ou atípicos por não serem definidos em lei. O contrato de compra e venda possui regras específicas,assim se a contraprestação ou pagamento é um misto de coisa e dinheiro se prevalece o dinheiro como maior parte do pagamento será o contrato de compra e venda, ao revés se prevalece a coisa como pagamento o contrato será de troca. Vale ressaltar que o Dinheiro pode ser substituído por um título de crédito que consiste em uma representação de dinheiro ou pagamento. Sem a fixação do preço, a venda é considerada nula. César Fiúza:... o preço é que é o elemento que realmente caracteriza a compra e venda, diferenciando-a da troca. Deve ser sempre em dinheiro, pelo menos num primeiro momento. Admite-se, no entanto, a dação em pagamento, quando o preço em dinheiro é substituído por outra coisa. Também é admissível na compra e venda pagamento realizado em dinheiro e em algum outro bem, quando teremos obrigação cumulativa... Em outras palavras, a obrigação do comprador é a de pagar em dinheiro. O outro bem é apenas faculdade que lhe é proporcionada para facilitar o pagamento. - Características do preço O preço deverá ser certo, determinado ou ao menos determinável.

10 É preciso que se saiba exatamente o valor do preço ou ao menos que este seja determinável. A determinação do preço se faz no momento da manifestação da vontade,existem,todavia,exceções quais sejam: a) Quando houver fator de indexação que é o preço estabelecido em bolsa ou mercado de balcão. b) quando as partes nomearem árbitro,mandatário,para fixar preço. Esse mandato é irrevogável. O preço deverá ser real,ou seja, não pode dar ao bem um preço meramente fictício. O valor deverá ser de mercado;da bolsa de valores. Ex: vender um apartamento por R$ 2,00 constituirá doação. O preço deverá ser sério, não poderá ser um valor vil,demasiadamente baixo,para que não haja a presunção de Doação. Não pode haver na fixação do preço o Erro ou Lesão o que deve haver é o justo preço(o que se pauta no valor de mercado ou da bolsa). - Fixação( Art.486) A fixação é um exceção à determinação do preço, podendo este ser fixado de acordo com a taxa do mercado ou da bolsa de valores,em certo e determinado lugar. A fixação é uma das espécies de determinação futura do preço.

11 O que não se permite é a indeterminação absoluta,situação esta em que se deixa a taxação do preço ao livre arbítrio do comprador. Ocorrendo tal situação a cláusula de indeterminação se tornará nula(art. 489). Ex: comprar bois com o preço fixado no peso X a cotação do boi. o preço ser fixado pelo próprio vendedor. Assim se eu quero comprar 100kg de queijo coalho de jacobina,subtende-se que o preço será o dos queijos de jacobina mais as despesas da viagem. - Cotação (Art 488) - Arbítrio de Terceiro ( Art. 485) Ocorre quando as partes não combinam o preço e no contrato de compra e venda elegendo um terceiro que irá fixar o preço,ou seja, não há preço no contrato,mas há a estipulação do árbitro que irá fixar o preço de acordo com os costumes,com a oferta e a procura,etc. O terceiro escolhido pode se recusar a fixar o preço, situação em que o contrato de compra e venda não poderá ser concluído. Mas ainda que um terceiro se recuse a fixar o preço, o contrato permite a substituição de terceiro por outrem ( caso haja essa previsão no contrato, ocorrendo que não havendo tal previsão o contrato se extinguirá de imediato).

12 Art. 485: deixada ao arbítrio de terceiro,que os contratantes logo designarem ou prometerem designar. Se o terceiro não aceitar a incumbência,ficará sem efeito o contrato,salvo quando acordarem designar outra pessoa Neste artigo o que se observa é que a figura do terceiro age como mandatário dos contraentes,não se exigindo para este uma capacidade especial,já que este não será um avaliador da coisa,mas tão somente um árbitro escolhido pelos interessados. Observa-se neste contexto que a figura do terceiro não se confunde com a do avaliador que é um serventuário da justiça (legal). Com a fixação dos preços pelo árbitro, não poderão as partes impugnar o valor,apenas se este estiver fora da realidade. Diz Carlos Alberto Gonçalves: Se as partes expressamente convencionarem submeter-se ao apreço fixado por terceiro que escolherem,implicitamente renunciam ao direito de impugnar o laudo que este apresentar. Não têm o Direito de repudiar a sua estimativa,que se torna obrigatória. Todavia,o preço não poderá ser desarrazoado, contrário As legítimas expectativas dos contratantes ou em desarmonia coma s circunstâncias que devam ser levadas em conta. Embora a estimação feita pelo terceiro não possa ser reduzida, é ressalvado a qualquer dos contratantes o direito de demandar a nulidade do contrato por Dolo. O terceiro escolhido de comum acordo entre as partes levará em conta, ao fixar o preço, o valor atual da coisa,que é o contemporâneo da

13 estimativa e não o da data da celebração da avença,salvo estipulação dos contraentes em contrário. - Fixação em função de Índices ( Art. 487) O índice é um marcador de cálculo(taxas) da variação de preços e valores de determinados conjuntos de bens. Ex: Contrato de compra e venda de derivados de petróleo pode ter como parâmetro a variação do preço de petróleo no mercado nacional Caso as partes contraentes não deixarem expresso no contrato a definição do índice ou parâmetro que serão aplicáveis,fazendo referência apenas a sua atualização de valor ou a correção monetária em geral, competirá ao juiz defini-los dentre os que são calculados por entidades oficiais e que sejam mais pertinentes às finalidades do contrato. - Arbítrio do Preço por uma única parte ( ocorre nulidade neste caso) Art. 489 Não pode haver fixação por uma única parte, pois lesa o princípio da Autonomia da Vontade.

14 c) Coisa Conceito (Art.481) A coisa é o objeto da prestação do vendedor. O vocábulo coisa é substituído por Produto no direito do consumidor. O objeto da compra e venda há de ser um bem, não interessa se corpóreo ou incorpóreo, móvel ou imóvel, desde que seja suscetível de alienação. Deve ser bem no comércio; passível de ser vendido por um e adquirido por outro. Características: A coisa deve atender determinados requisitos,,quais sejam, - existência : è nula a venda de coisa inexistente,se contentando alei com a existência ao menos potencial da coisa. Ex: Safra futura, venda de Bezerro ainda não nascido de vaca prenhe (venda condicional). Ficará contudo sem efeito o contrato se a coisa não vier a existir,salvo se a intenção das partes era concluir contrato aleatório. Para definir se este tipo de contrato futuro é aleatório ou não o critério legal estabelecido é o da intenção das partes que será aferida pelo Juiz. Se este interpretar como comutativo o adquirente de coisa futura terá uma garantia maior contra os riscos da coisa não vir a existir,afastando o juiz através desta interpretação toda álea da futuridade.

15 -individuação : O objeto de compra terá de ser determinado,ou suscetível de determinação no momento da execução,já que o contrato gera uma obrigação de dar que incide sobre a coisa individuada.a coisa individuada pode ser específica (quando precisamente determinado ou genérica ( quando se sabe ao menos o gênero e a quantidade ) -disponibilidade: A coisa deve ser disponível, ou seja,não estar fora do comércio existem limitações a disponibilidade, desta forma são indisponíveis (inalienáveis) : Bens que trazem consigo as cláusulas de inalienabilidade (colocadas em testamento ou doações); Os Direitos personalíssimos. A disponibilidade alcança a coisa Litigiosa. Ex: Evicção; citação que apesar de tornar a coisa litigiosa não a torna inalienável, etc. EFEITOS DOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA: 1º) traz obrigações recíprocas a ambas as partes A obrigação de um corresponde ao direito do outro e vice versa, pois é um contrato bilateral oneroso. 2º) todo aquele que aliena o bem responde por vícios redibitórios e pela evicção

16 O bem deve ser adquirido através de um contrato oneroso. Antes da tradição a coisa perece com o dono. 3º) As partes respondem pelo risco art 492 do C.C Na compra e venda a coisa se transfere pelo consenso,independente da tradição, assim a regra de a coisa perece com o dono será substituída por uma outra que expressa que a coisa perecerá com o comprador. Enquanto, portanto, não ocorra a tradição a coisa é de responsabilidade do vendedor( do dono), suportando ele os riscos. Após a tradição suportará o comprador os riscos,pois o domínio só se transfere para o comprador com a tradição. Desse modo, se ocorre o perecimento da coisa em conseqüência de caso fortuito, antes de realizada a tradição o vendedor perde o direito de exigir o pagamento do preço da coisa e se o recebeu deverá restituí-lo. Contudo, ocorrendo caso fortuito ou força maior, estando a coisa à disposição do comprador quem responde pelo risco é o próprio. Ademais, estando a coisa em mora, à disposição do comprador, em caso de perda ou deterioração desta, responderá o comprador pelo risco. Ex: Se os Contraentes ajustam dia da tradição da coisa e o comprador não aparece,ficando este em mora, ocorrendo caso fortuito,perecendo a coisa na mão do vendedor, ainda assim,o comprador responde pelo dano. Mas se o alienante se irrita devido a mora do

17 devedor e atear fogo na coisa,ainda que em mora o comprador, responderá o alienante pela sua má-fé. Art 493, C.C.: Quando a venda for de coisa móvel o lugar para receber o bem é o da alienação Art 494, C.C. :( quando por ordem do comprador, a coisa é expedida para lugar diverso do ajustado,a partir do momento da entrega,o risco corre por conta de quem irá transportá-la). Desse modo, quando o risco correr por conta do comprador, fica ele obrigado a pagar o preço sem receber a coisa. Ex: O comprador se compromete a pegar a coisa, mas acontece imprevisto que o impossibilita a cumprir o combinado pessoalmente, de tal forma que envia um caminhão para pegar o bem em local diferente ao ajustado no contrato,ocorrendo qualquer problema no trajeto,pós tradição do bem, deverá ele se responsabilizar pelos riscos. ( caso em que a parte modifica a regra do contrato quanto ao local ajustado de entrega no contrato). Justificam a teoria do risco a teoria da tradição (a tradição inicia os efeitos), e o princípio da Relatividade( o contrato faz lei entre as partes). 4º) Podem o comprador e o alienante dividir as despesas das custas do registro. Art 490 do C.C

18 Dispõe referido artigo do Código Civil: salvo cláusula em contrário, ficarão as despesas de escritura e registro a cargo do comprador,e a cargo do vendedor as de tradição Em regra as custas do registro de compra e venda são do comprador.mas poderão se utiliza do princípio da autonomia da vontade e ajustarem outra solução, de forma que o vendedor fique com todos os ônus,quais sejam, os da tradição e os de escritura e registro. Ou ainda convencionar o pagamento das custas da tradição,entrega da coisa em loco do comprador, ao próprio. 5º)quando se tratar de compra à vista tem direito o alienante de segurar a coisa enquanto não for feito o pagamento e o comprador o preço enquanto não lhe for entregue a coisa. Art 491,C.C Salientar que esse direito de segurar a coisa ou o preço só se apresenta nas compras á vista. É o chamado DIREITO DE RETENÇÃO. Cabe ao comprador dar o primeiro passo pagando o preço,antes disso o vendedor não se obriga a entregar a coisa,podendo assim, retê-la ou ainda negar-se a assinar a escritura definitiva,até que o comprador cumpra a sua obrigação. Se a venda é a prazo,não é lícito ao alienante condicionar sua prestação à do comprador. Neste caso a tradição não depende do pagamento integral do preço,devendo o vendedor entregar a coisa e o comprador assumir a dívida, que deverá ser paga conforme as condições estabelecidas no contrato.

19 Se tratar de um comprador insolvente, poderá o vendedor pedir uma garantia, uma caução a este. IMPEDIMENTOS OU LIMITAÇÕES AO CONTRATO DE COMPRA E VENDA A capacidade é uma condição de validade do negócio jurídico. Devido a isto, o incapaz absoluto deverá ser representado e o relativamente incapaz deverá ser assistido,caso contrário o negócio de compra e venda será nulo. O agente tem que ser capaz de Administrar, então, a vida civil, o que não significa que o relativamente incapaz desta não participe, já que este é apenas assistido, ou seja, as decisões proferidas e a vontade é exclusiva dele na formação do negócio, mas a condição de validade desta só será suprida através da assistência de um maior competente para os atos da vida civil. Esses impedimentos ou limitações decorrem da falta de legitimação de determinadas pessoas em determinadas situações,devido a sua posição na relação jurídica,que não envolvem,portanto, a sua capacidade, pois são dotadas de pleno discernimento. Aqui os limitados e impedidos a rigor são capazes,diga-se, completamente capazes,mas a situação não permite o envolvimento

20 daquela pessoa naquele caso específico,limitando-a a agir naquela situação, ou sobre uma coisa determinada. São partes ilegítimas para figurar como vendedor: O ascendente O falido O condômino de coisa indivisível O marido sem outorga uxória,na venda de imóveis,e a mulher sem autorização do marido São partes ilegítimas para figurar como comprador: porque não podem comprar bens confiados à sua guarda e administração. Os tutores e curadores jamais poderão adquirir bens dos respectivos tutelados e curatelados, ainda que estejam em Hasta pública ou queiram pagar o preço justo. Tutores Curadores Testamenteiros( pessoa encarregada do testamento, é uma espécie de procurador do falecido) Administradores

21 Mandatários (encarregados da Administração ou alienação de certos bens) Venda de Ascendente para descendente- art 496 Art. 496 do C.C. É anulável a venda de Ascendente a Descendente,salvo se os outros descendentes e o cônjuge do alienante expressamente houverem consentido. ( obs: é anulável e não nulo). È proibida também a dação em pagamento de devedor a descendente,pois se trataria de alienação do bem. Poderá contudo ocorrer o instituto da troca,exigindo apenas o consentimento dos demais descendentes. lei não proíbe,todavia, a venda de descendente para ascendente, seja de bem móvel ou imóvel.

22 a) existem 2 teorias O dispositivo se refere a qualquer descendente( filho,neto,bisneto...): A lei não se refere apenas aos descendentes que se encontrem na posição de herdeiros,mas refere-se a todos os descendentes, ou seja, a toda linha vertical de sucessão. Descendente é apenas aquele que se encontra na qualidade de herdeiro: nesta vertente defendem a proibição apenas aos herdeiros imediatos. b) Finalidade da proibição Não pode acontecer tal situação pois poderá o ascendente (pai por exemplo) estar camuflando uma doação. Fingindo que recebeu o dinheiro do descendente (filho v.g.). A finalidade da lei é impedir a ocorrência de simulações fraudulentas,ou seja, doações inoficiosas disfarçadas de compra e venda. c) hipótese de um dos descendentes ser menor ou nascituro:

23 Se um dos descendentes é menor ou nascituro, cabe ao juiz nomear-lhe curador especial (Art do CC). d) consentimento do cônjuge Acontecendo a venda de ascendente para descendente, para que o negócio jurídico não seja anulável e produza efeitos os outros herdeiros e a esposa do ascendente alienante terão que ratificar,confirmar, anuir esta compra e venda, se se tratar de bem imóvel, pois se a coisa for móvel, o consentimento do cônjuge alienante não será necessário. Deverá ainda essa venda ser feita por instrumento público. ( o imóvel que possui valor correspondente a mais de 30 salários mínimos deverá ser feito por escritura pública). Obs: Por uma questão de celeridade e economia a escritura e as declarações de consentimento, na venda de ascendente para descendente, poderão ser feitas conjuntamente na escritura. Se a alienação for de bem móvel poderá ser feito por escritura particular. e) Inobservância do art. 486( anulabilidade): A venda realizada sem a devida observância do Art.496 do Código civil é anulável.

24 São legitimados a argüir a anulabilidade de venda os demais descendente e o cônjuge do vendedor( o companheiro por equiparação ao cônjuge também é legitimado). f) prazo decadencial de 2 anos para argüir anulabilidade- art. 179 Quando a lei não estabelecer prazo para a anulação de um ato, será este de dois anos, a contar da data da conclusão do ato. É este um prazo decadencial, próprio da natureza dos referentes a anulação do negócio jurídico. HIPÓTESE DE IMPEDIMENTOS DO ART 497 DO CC É proibido ainda a compra e venda entre cônjuges Art 499 do C.C, além dos proibidos absolutamente ainda que paguem preço justo como os tutores;curadores;testamenteiros e administradores ;servidores públicos ;serventuários e membros do poder judiciário e os leiloeiros e os seus prepostos. a) finalidade do dispositivo:

25 O dispositivo visa impedir o aproveitamento desleal da situação, na aquisição de bens confiados à sua gestão ou administração,pois se tal situação fosse permitida haveria, conflito entre o próprio interesse de realizar um bom negócio e o interesse a ela confiado de promover o melhor ao seu protegido de forma a impugnar na coisa objeto de alienação o mais elevado preço possível. b) proibição absoluta ainda que estas pessoas paguem o preço justo Enquanto estas pessoas estiverem no exercício do cargo, múnus ou função permanecerá a proibição. Tutores Curadores Testamenteiros Pessoa encarregada do testamento, é uma espécie de procurador do falecido,tem ele a obrigação de abrir o inventário e fazer valer a última vontade do falecido. Só fica proibido o testamenteiro estranho à sucessão. O testamenteiro herdeiro não é impedido, tem inclusive igualdade de condições relativa a herança perante os demais herdeiros. Administradores É o preposto. Servidores públicos São os agentes das autarquias e fundações públicas e os empregados das empresas de economia mista e empresas públicas. Sejam estaduais, municipais ou federais não poderão adquirir bens da administração

26 pública a qual estão ligados, ou seja, não são eles impedidos de adquirir bens da Adm. Pública em geral, mas apenas os do setor ao qual estão vinculados., servindo. Serventuários e membros do poder judiciário O juiz e todas as pessoas que trabalham no processo não poderão adquirir bens que estejam sob a sua jurisdição ou competência, na sua comarca.,até mesmo os em hasta pública. Podem adquirir, entretanto, ainda que em hasta pública os vinculados a outra comarca que não a sua. Leiloeiros e seus prepostos Leiloeiro é quem começa a arrematação, sejam eles públicos ou privados,devem evitar atitudes no exercício da sua função que beneficiem os interessados Obs: A cessão de crédito é uma modalidade de transmissão das obrigações. é alienar a alguém o direito de receber o crédito. A cessão é,portanto, um bem incorpóreo que se integra ao patrimônio de qualquer pessoa,podendo também ser objeto de alienação. COMPRA E VENDA ENTRE CÔNJUGES - ART 499 1ª situação: se o casal contraiu núpcias no regime da comunhão universal de bens.

27 Neste caso, tudo que o homem e a mulher possui se reúnem formando um único patrimônio, não existindo assim motivo para vender ao Cônjuge aquilo que já é de direito dos 2. Até mesmo porque o dinheiro necessário ao pagamento do bem é em comum aos dois. Não existiria lógica. 2ª situação : Comunhão parcial dos bens Os bens anteriores ao casamento não se comunicam, são independentes. Assim esses bens anteriores ao casamento poderão ser objeto de venda. 3ª situação: separação total de bens- não existe qualquer proibição quanto a alienação dos bens entre cônjuges nesse regime. Sequer é necessária em caso de alienação a parte estranha ao casamento de outorga conjugal, diferenciando-o dos demais regimes. O que não poderá o correr é a doação nesse regime de um cônjuge ao outro. CONDOMÍNIO EM COISA INDIVISÍVEL ART 504 Venda de bens que estão em condomínio. Existem dois tipos de condomínio :

28 Tradicional: o que tem como dono,proprietário mais de 2 pessoas,que serão co-proprietários,condôminos(co-domínio). Cada um tem uma porcentagem. Edilício: São os de Apartamentos, com a finalidade de ratear as despesas. A regra de alienação do edilício é diferente do tradicional, pois naquele cada um é dono de um unidade, é individual e indivisível, assim no edilício o condômino não precisa avisar que está alienando seu imóvel.,ou seja, não existe direito de preferência. a) requisitos: coisa indivisível tem que ser obrigatoriamente um bem indivisível(que não pode ser fracionado sem perder as características). Pois, se for divisível poderá ser alienando sem dar preferência a seus consortes. comunicação prévia aos outros condôminos Não poderá vender o bem a estranhos sem previamente avisar, seja por meio judicial ou extrajudicialmente, aos condôminos para que estes exerçam o direito de preferência. O condômino tem que avisar de sua intenção de alienar,pois se ele não cumpre essa regra do aviso prévio,o condômino que se sentir prejudicado poderá promover ação de preempção,ajuizando-a no prazo decadencial de 180 dias,contados da data que teve ciência da

29 alienação,e na qual efetuará o depósito do preço pago,havendo para si a parte, o bem que foi vendido a terceiro. Obs: se o bem for móvel é de 180 dias o prazo a partir da tradição, se imóvel a partir do registro. direito de preferência é o direito que assiste o condômino de ser previamente avisado da venda do bem, visando beneficiar este,caso tenha intuito de comprar o bem de forma que o condômino alienante deverá disponibilizar o bem pelo mesmo valor que o estranho ofereceu. O direito de preferência é exercida mediante o depósito do preço e é de natureza real,pois não se resolve em perdas e danos. Condôminos não exercerem preferência Entretanto, se o condômino não tiver condições de pagar o mesmo valor oferecido pelo estranho,estará liberado o alienante para vender a estranho. Ex: estranho oferece R$ ,00 e condômino oferece R$ ,00, o bem será liberado a ser vendido ao estranho. VENDAS ESPECIAIS Venda à vista de amostras art.484 Conceito de amostra:

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

Direito Civil III Contratos

Direito Civil III Contratos Direito Civil III Contratos Compra e Venda Art. 481 a 532 Prof. Andrei Brettas Grunwald 2011.1 1 Conceito Artigo 481 Pelo contrato de compra e venda, um dos contratantes se obriga a transferir o domínio

Leia mais

CONTRATOS (COMPRA E VENDA)

CONTRATOS (COMPRA E VENDA) CONTRATOS (COMPRA E VENDA) Professor Dicler COMPRA E VENDA Contrato de compra e venda é aquele pelo qual um dos contratantes t t se obriga bi a transferir o domínio de certa coisa, e, o outro, a pagar-lhe

Leia mais

Art. 482 A compra e venda, quando pura, considerar-se-á obrigatória e perfeita, desde que as partes acordarem no objeto e no preço.

Art. 482 A compra e venda, quando pura, considerar-se-á obrigatória e perfeita, desde que as partes acordarem no objeto e no preço. 1 - Noções Gerais do Contrato de Compra e Venda 1.1 - Definição 1.2 - Partes 1.3 - Elementos 1.4 - Requisitos Formais 1.5 - Requisitos Objetivos 1.6 - Requisitos Subjetivos 1.7 - Efeitos 1.8 - Cláusulas

Leia mais

Outubro/2011. Prof a. HELISIA GÓES. Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas

Outubro/2011. Prof a. HELISIA GÓES. Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas Contrato de Compra e Venda Outubro/2011 Prof a. HELISIA GÓES Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas Definição: é a troca de uma coisa por dinheiro

Leia mais

TÍTULO VI Das Várias Espécies de Contrato. CAPÍTULO I Da Compra e Venda. Seção I Disposições Gerais

TÍTULO VI Das Várias Espécies de Contrato. CAPÍTULO I Da Compra e Venda. Seção I Disposições Gerais TÍTULO VI Das Várias Espécies de Contrato CAPÍTULO I Da Compra e Venda Seção I Disposições Gerais Art. 481. Pelo contrato de compra e venda, um dos contratantes se obriga a transferir o domínio de certa

Leia mais

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação Direito Civil Contratos Aula 1 Exercícios Professora Consuelo Huebra EXERCÍCIO 1 Assinale a opção correta com relação aos contratos. a) O contrato preliminar gera uma obrigação de fazer, no entanto não

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Do contrato de troca ou permuta Maíra Santos Antunes da Silva Conceito Na permuta um dos contratantes promete uma coisa em troca de outra, ou seja, uma parte se obriga a dar uma

Leia mais

Lição 12. Contratos em Espécie

Lição 12. Contratos em Espécie Lição 12. Contratos em Espécie VENDA E COMPRA É o contrato no qual uma das partes se compromete a transferir o domínio ou propriedade de um bem para a outra parte, mediante pagamento em dinheiro. Assim,

Leia mais

Outubro/2010. Prof a. Esp. Helisia Góes

Outubro/2010. Prof a. Esp. Helisia Góes Contrato de Compra e Venda Outubro/2010 Prof a. Esp. Helisia Góes Definição: é a troca de uma coisa por dinheiro (VENOSA). É o negócio jurídico bilateral pelo qual uma das partes (vendedora) se obriga

Leia mais

MATERIAL DE APOIO CLÁUSULAS ESPECIAIS À COMPRA E VENDA. Da Retrovenda

MATERIAL DE APOIO CLÁUSULAS ESPECIAIS À COMPRA E VENDA. Da Retrovenda MATERIAL DE APOIO 1 CURSO INTENSIVO IELF PROF.: PABLO STOLZE GAGLIANO 1. Pacto de Retrovenda Base legal: CLÁUSULAS ESPECIAIS À COMPRA E VENDA Da Retrovenda Art. 505. O vendedor de coisa imóvel pode reservar-se

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares TÍTULO V Dos Contratos em Geral CAPÍTULO I Disposições Gerais Seção I Preliminares Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. Art. 422. Os contratantes

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA Para que você possa adquirir o seu imóvel com segurança, deve exigir do vendedor todos os documentos necessários, para que não seja surpreendido futuramente

Leia mais

1ª FASE - EXTENSIVO MATUTINO Disciplina: Direito Civil Prof.: Brunno Giancoli Data: 07/10/2008 Aula: 8/13

1ª FASE - EXTENSIVO MATUTINO Disciplina: Direito Civil Prof.: Brunno Giancoli Data: 07/10/2008 Aula: 8/13 TEMAS TRATADOS EM SALA Contrato de Compra e Venda - bilateral; - oneroso; - comutativo; - consensual; Elementos - preço, não pode ser fixado a livre arbítrio de uma das partes. - mercadoria. Restrições

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES Índice 1. Inadimplemento das Obrigações...4 1.1. Mora... 4 1.2. Das Perdas e Danos... 4 1.3. Juros moratórios ou juros

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

Prof a.: Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL III CONTRATOS Turmas: 5º DIV e 5º DIN Data: 24/09/10. Aula 09

Prof a.: Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL III CONTRATOS Turmas: 5º DIV e 5º DIN Data: 24/09/10. Aula 09 CURSO DE DIREITO - 2º SEMESTRE/2010 1 Prof a.: Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL III CONTRATOS Turmas: 5º DIV e 5º DIN Data: 24/09/10 Aula 09 DIREITO DOS CONTRATOS II - TEORIA GERAL DO DIREITO DOS

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

Graficamente temos o seguinte:

Graficamente temos o seguinte: DIREITOS REAIS DE GARANTIA 2- HIPOTECA - é um direito real de garantia que tem por objeto bens imóveis ou que a lei entende como hipotecáveis, pertencentes ao devedor ou a terceiro, e que, embora não entregues

Leia mais

DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito

DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito 1. Referência legal do assunto Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito DEPÓSITO O contrato de depósito importa na guarda temporária de um bem móvel pelo depositário até o momento em que o depositante

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR TURMA EXTENSIVA AOS SÁBADOS Disciplina: Direito Civil Professor: Cristiano Chaves Data: 12.12.2009 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CONTRATOS EM ESPÉCIE II Prof. Cristiano Chaves de Farias O CONTRATO DE DOAÇÃO

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009 Aula 3: Validades dos Atos, Vícios, Erro, Dolo, Coação, Estado de Perigo, Lesão, Fraude contra credores, Simulação, Efeitos dos Negócios Jurídicos, Condição, Termo, Encargo, Prescrição e Decadência. Validade

Leia mais

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima;

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima; Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 11 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: V- Transmissão das Obrigações: 1. Cessão de Crédito. V - Transmissão das Obrigações: 1. CESSÃO

Leia mais

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 7. Aceitação e Renúncia da Herança (arts. 1.804 a 1.813,

Leia mais

DOAÇÃO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 538 a 564 do CC. 2. Conceito e características da doação

DOAÇÃO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 538 a 564 do CC. 2. Conceito e características da doação 1. Referência legal do assunto Arts. 538 a 564 do CC. DOAÇÃO 2. Conceito e características da doação O art. 538 do CC define a doação como um contrato pelo qual uma pessoa, por liberalidade, transfere

Leia mais

2ª Fase Direito Civil

2ª Fase Direito Civil 2ª Fase Direito Civil Professor Fabio Alves fabio@ferreiraecamposadv.com CONTRATOS E CDC PRINCÍPIOS AUTONOMIA DA VONTADE PACTA SUNT SERVANDA BOA-FÉ OBJETIVA 1 Formação dos contratos Proposta e Aceitação

Leia mais

OAB 139º 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito Civil Professor Brunno Giancoli Data: 02/04/2009

OAB 139º 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito Civil Professor Brunno Giancoli Data: 02/04/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA OAB 139º 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito Civil Professor Brunno Giancoli Data: 02/04/2009 4ª Aula: Teoria Geral dos Contratos e Extinção Contratual, Espécies de Contrato.

Leia mais

E) 06. TOMANDO POR BASE AS

E) 06. TOMANDO POR BASE AS 01. Se alguém fizer seguro de vida, omitindo moléstia grave, e vier a falecer poucos meses depois, vindo a prejudicar a seguradora e a beneficiar os sucessores, ter-se-á a configuração de: A) dolo positivo.

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS. 1. Aquisição de Direitos

CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS. 1. Aquisição de Direitos CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS Disciplina: DIREITO CIVIL FATOS JURÍDICOS - 3º SEMESTRE Profª: ANA CLÁUDIA A. MOREIRA BITTAR DE DIREITOS AQUISIÇÃO,

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS É o ato de vontade que, por se conformar com os mandamentos da lei e a vocação do ordenamento jurídico, confere ao agente os efeitos por ele almejados. ELEMENTOS ESTRUTURAIS I -ESSENCIAIS

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo

EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo 1. Referência legal do assunto Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo EMPRÉSTIMO Negócio jurídico pelo qual uma pessoa entrega uma coisa a outra, de forma gratuita, obrigando-se esta a devolver

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

DIREITO CIVIL CONTRATOS Rosivaldo Russo

DIREITO CIVIL CONTRATOS Rosivaldo Russo DIREITO CIVIL CONTRATOS Rosivaldo Russo FORMAÇÃO DOS CONTRATOS Vontade contratual e consentimento das partes: a) CONCEITO: mais que mero elemento contratual, a vontade representa pressuposto à relação

Leia mais

1. Noções gerais: evolução social e o momento de formação do contrato de compra e venda (CC 482)

1. Noções gerais: evolução social e o momento de formação do contrato de compra e venda (CC 482) TURMA EXTENSIVA SEMANAL Disciplina: Direito Civil Professor: Cristiano Chaves Data: 15.12.2009 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CONTRATOS EM ESPÉCIE Prof. Cristiano Chaves de Farias O CONTRATO DE COMPRA E VENDA

Leia mais

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02 ANUÊNCIA PARA DOAÇÃO OU VENDA DE IMÓVEL ENTRE ASCENDENTE E DESCENDENTES Modelo 01 a quem confere poderes para o fim especial de, como interveniente na escritura de (doação, venda ) que seu(sua)(s) ( pai,

Leia mais

www.direitofacil.com axz v É ]âü w vé @ `öüv t cxä áátü DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO

www.direitofacil.com axz v É ]âü w vé @ `öüv t cxä áátü DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO 01 Quanto aos Negócios Jurídicos, podemos dizer que: a) são seus elementos essenciais: agente capaz, objeto lícito, possível determinado ou determinável, consentimento

Leia mais

Prescrição e decadência

Prescrição e decadência DIREITO CIVIL Professor Dicler A prescrição representa a perda da ação e da exceção (defesa) em razão do decurso de tempo. Tem como fundamento a paz social e a segurança jurídica que ficariam comprometidos

Leia mais

Que fazem entre si, de um lado a empresa..., na..., aqui representada. por..., brasileiro,

Que fazem entre si, de um lado a empresa..., na..., aqui representada. por..., brasileiro, 34) INSTRUMENTO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA Que fazem entre si, de um lado a empresa..., inscrita no CNPJ/MF sob nº...., com sede na..., aqui representada por..., brasileiro, maior, casado, administrador

Leia mais

Contrato de Empreitada. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Empreitada. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Empreitada Contrato de Empreitada Empreiteiro é a designação dada a um indivíduo ou empresa que contrata com outro indivíduo ou organização (o dono da obra) a realização de obras de construção,

Leia mais

Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04. E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça

Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04. E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Flex B ( 2014 ) Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça

Leia mais

MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL

MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Sugestão de Contrato de Promessa de Compra e Venda de Imóvel MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Pelo presente instrumento de promessa de compra e venda, de um lado como promitente

Leia mais

1. O que é procuração?

1. O que é procuração? Procuração Pública Plano de aula: 1. O que é procuração? 2. Forma Pública 3. Identidade e Capacidade 4. Pessoas Jurídicas 5. Poderes Gerais x Especiais 6. Ad judicia x Ad negotia 7. Substabelecimento 8.

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado de

Leia mais

Art. 243. A coisa incerta será indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade.

Art. 243. A coisa incerta será indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade. Código Civil Parte Especial - Arts. 233 a 303 PARTE ESPECIAL LIVRO I DO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES TÍTULO I DAS MODALIDADES DAS OBRIGAÇÕES CAPÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES DE DAR Seção I Das Obrigações de Dar Coisa

Leia mais

Usufruto e direitos reais de garantia

Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto O usufruto pode recair sobre todo o patrimônio do nu-proprietário ou sobre alguns bens, móveis ou imóveis, e abrange não apenas os bens em si mesmos, mas

Leia mais

2.013. Direito Civil IV. Rodrigo Barros Prof. Elke Brondi 2.013

2.013. Direito Civil IV. Rodrigo Barros Prof. Elke Brondi 2.013 2.013 Direito Civil IV Rodrigo Barros Prof. Elke Brondi 2.013 Inicio da aula 07/08/13 Contratos Parte Geral Personalidade Civil nascimento Nascimento Proteção - Direitos Animais Proteção Termino Morte

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Principais julgados do 1 o Semestre de 2013 Julgados

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL Bruno Henrique Andrade Alvarenga O presente trabalho se pauta no estudo dos artigos 757 a 802 do Código Civil, mais especificamente no tocante ao Contrato de Seguro.

Leia mais

PONTO 1: Contratos em Espécie 1. CONTRATOS EM ESPÉCIE

PONTO 1: Contratos em Espécie 1. CONTRATOS EM ESPÉCIE 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Contratos em Espécie 1. CONTRATOS EM ESPÉCIE Bibliografia: Flávio Tartuce; Comentários ao Novo Código Civil (organizado por Judith Martins Costa e Miguel Reale);

Leia mais

Em nossa visão a prova de Direito Civil para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (ESAF AFRFB/2012) não comporta qualquer possibilidade de anulação de questões. Foi bem objetiva, sendo que todas

Leia mais

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 PARTE GERAL DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º............. sem correspondência LIVRO I DAS PESSOAS TÍTULO I DA DIVISÃO DAS PESSOAS DAS PESSOAS

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

Índice Sistemático do Código Civil

Índice Sistemático do Código Civil 9 Índice Sistemático do Código Civil P A R T E G E R A L LIVRO I DAS PESSOAS Das Pessoas Naturais CAPÍTULO I - Da Personalidade e da Capacidade (arts. 1º ao 10) CAPÍTULO II - Dos Direitos da Personalidade

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS As Partes: CEDENTE ITAÚ UNIBANCO S.A., com sede em São Paulo -SP, na Praça Alfredo Egydio de Souza Aranha, nº 100 Torre Olavo Setubal,

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Compra e venda com reserva de domínio Raquel Abdo El Assad * Através da compra e venda com reserva de domínio, não se transfere a plena propriedade da coisa ao comprador, pois ao

Leia mais

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS DIREITO CIVIL REGIME DE BENS 1 1. Princípios a) P. da autonomia da vontade (1.639); b) P. da garantia da ordem pública (1.640); c) P. da definitividade do regime (1.639); d) P. da vedação ao enriquecimento.

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA. 1. Referência legal do assunto. Arts. 481 a 532 do CC. 2. Conceito e características da compra e venda

CONTRATO DE COMPRA E VENDA. 1. Referência legal do assunto. Arts. 481 a 532 do CC. 2. Conceito e características da compra e venda 1 CONTRATO DE COMPRA E VENDA 1. Referência legal do assunto Arts. 481 a 532 do CC. 2. Conceito e características da compra e venda A compra e venda é o mais importante dos contratos e a origem de quase

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O contrato sob o prisma da existência, da validade e da eficácia. Eduardo Monteiro de Castro Casassanta 1. Introdução. 2. O plano da existência. 3. O plano da validade. 4. O plano da eficácia. 5 Conclusão

Leia mais

O DECURSO DE TEMPO E SEUS EFEITOS JURÍDICOS

O DECURSO DE TEMPO E SEUS EFEITOS JURÍDICOS O DECURSO DE TEMPO E SEUS EFEITOS JURÍDICOS GUSTAVO GUSMÃO O DECURSO DE TEMPO E SEUS EFEITOS JURÍDICOS 1. INTRODUÇÃO Sabemos que os fatos jurídicos stricto sensu, como acontecimentos naturais (independentes

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Pactos Adjetos à Compra e Venda Alessandro Duleba G e n e r a l i d a d e s Instrumento essencial para a circulação de bens na economia moderna, o contrato de compra e venda tem

Leia mais

6. Tópicos Especiais em Obrigações. Tópicos Especiais em Direito Civil

6. Tópicos Especiais em Obrigações. Tópicos Especiais em Direito Civil 6. Tópicos Especiais em Obrigações Tópicos Especiais em Direito Civil Obrigações O professor Álvaro Villaça define a obrigação como a relação jurídica de caráter transitório que vai ser garantida pelo

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

RESUMO VII DOS CONTRATOS EM ESPÉCIE COMPRA E VENDA

RESUMO VII DOS CONTRATOS EM ESPÉCIE COMPRA E VENDA RESUMO VII DOS CONTRATOS EM ESPÉCIE COMPRA E VENDA 1- Introdução Numa fase primitiva da civilização, predominava a troca ou permuta de objetos. Com o passar dos anos, determinadas mercadorias passaram

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS As Partes: PROMITENTE VENDEDOR ITAÚ UNIBANCO S.A., com sede em São

Leia mais

Obs. Havendo recusa, deverá o devedor indenizar o credor (247) - tornando-se impossível o adimplemento da obrigação: - SEM - COM

Obs. Havendo recusa, deverá o devedor indenizar o credor (247) - tornando-se impossível o adimplemento da obrigação: - SEM - COM Obrigações Constituem elementos que regem as relações patrimoniais existentes entre pessoas, figurando de um lado o credor (sujeito ativo), que detém o direito de exigir o cumprimento da obrigação e de

Leia mais

DIREITO CIVIL. 1. Cláusula Penal:

DIREITO CIVIL. 1. Cláusula Penal: 1 PONTO 1: Cláusula Penal PONTO 2: Formação dos contratos PONTO 3: Arras PONTO 4: Extinção PONTO 5: Classificação dos contratos PONTO 6: Vícios redibitórios 1. Cláusula Penal: Estrutura da cláusula penal:

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS...

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO COMPRADOR QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... Rubens Leonardo Marin SECOVI / SP 11/05/2015 O problema:

Leia mais

Lição 5. Formação dos Contratos

Lição 5. Formação dos Contratos Lição 5. Formação dos Contratos Seção II Da Formação dos Contratos Art. 427. A proposta de contrato obriga o proponente, se o contrário não resultar dos termos dela, da natureza do negócio, ou das circunstâncias

Leia mais

- Cessão de Crédito, - Cessão de Débito, - Cessão de Contrato, ou Cessão de Posição Contratual.

- Cessão de Crédito, - Cessão de Débito, - Cessão de Contrato, ou Cessão de Posição Contratual. 3 - TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES As obrigações podem ser transmitidas por meio da cessão, a qual consiste na transferência negocial, a título oneroso ou gratuito, de uma posição na relação jurídica obrigacional,

Leia mais

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau).

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau). 1 PONTO 1: Parentesco PONTO 2: Filiação PONTO 3: Bem de família PONTO 4: Tutela PONTO 5: Curatela 1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral

Leia mais

DIREITO CIVIL CONTRATOS TIPOS Danilo D. Oyan

DIREITO CIVIL CONTRATOS TIPOS Danilo D. Oyan DIREITO CIVIL CONTRATOS TIPOS Danilo D. Oyan COMPRA E VENDA 481 a 532 Transferência de domínio, preço. TROCA OU PERMUTA 533 Contrato CONSENSUAL, BILATERAL, ONEROSO e COMUTATIVO. Não dinheiro e de valores

Leia mais

1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3

1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3 1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3 2 Compra e venda, 5 2.1 Conceito. Efeitos obrigacionais

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial

Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial 1. O menor com dezesseis anos, titular de estabelecimento empresarial mantido com economia própria, (A) poderá ser empresário se for emancipado. (B) poderá

Leia mais

CONDIÇÕES CONTRATUAIS GERAIS

CONDIÇÕES CONTRATUAIS GERAIS CONTRATO DE VENDA E COMPRA DE EQUIPAMENTO VENDEDORA A..., CNPJ/MF nº..., sediada em São Paulo SP, na Rua..., nº...,... (CEP...), representada pelo Sr...., RG nº... e inscrito no CPF/MF sob nº... OU representante

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

Destaca-se que as obrigações jurídicas, objeto do presente estudo, apresentam 3 elementos principais: sujeito, objeto e o vínculo jurídico.

Destaca-se que as obrigações jurídicas, objeto do presente estudo, apresentam 3 elementos principais: sujeito, objeto e o vínculo jurídico. 7. OBRIGAÇÕES A palavra obrigação pode assumir vários significados dependendo do contexto que estiver se referindo. Dessa forma, em sentido amplo, a obrigação é um dever, que pode estar ligado a uma acepção

Leia mais

COMPRA E VENDA Cláusulas especiais

COMPRA E VENDA Cláusulas especiais COMPRA E VENDA Cláusulas especiais 1) retrovenda; 2) venda a contento; 3) preempção; 4) reserva de domínio; e 5) venda sobre documentos. COMPRA E VENDA Cláusulas especiais Retrovenda é o direito que tem

Leia mais

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes.

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 13 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: 3- Classificação; 4 - Princípios. 3. Classificação: 3.1

Leia mais

DIREITO CONTRATUAL. Uma proposta de ensino aos acadêmicos de Direito. EDITORA LTr SÃO PAULO. 347.44(81) K39d

DIREITO CONTRATUAL. Uma proposta de ensino aos acadêmicos de Direito. EDITORA LTr SÃO PAULO. 347.44(81) K39d GILBERTO KERBER Professor e advogado. Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Curso de Graduação e de Pós-Graduação de Direito da Universidade Regional Integrada do

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL Por meio deste instrumento de contrato particular pelo qual: De um lado NOME PROPRIETÁRIO(OS), brasileiro, comerciário, solteiro, RG SSP/SP, CPF,

Leia mais

Dos contratos em geral

Dos contratos em geral Dos contratos em geral Disposições gerais As Disposições Gerais, constantes no Título V (dos Contratos em Geral) do Código Civil brasileiro (CC) consistem em cláusulas gerais aplicáveis a todo tipo de

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:...

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:... 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Incapacidade Superveniente PONTO 3: Sociedade Empresária 1. REGISTRO Para fazer o registro, a pessoa deve estar livre de qualquer impedimento ou proibição.

Leia mais

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro 1. Referência legal do assunto Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro SEGURO O seguro é uma operação pela qual, mediante o pagamento de uma pequena remuneração, uma pessoa, o segurado, se faz

Leia mais

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito das obrigações; Introdução; Divisão patrimonial; Distinção entre os direitos reais e pessoais; Direitos mistos; Obrigações propter

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

Direitos Reais De Garantia - introdução

Direitos Reais De Garantia - introdução Direitos Reais De Garantia - introdução Desde a Lei das XII Tábuas, o devedor respondia por suas dívidas com o próprio corpo ao credor (submetendo-se à escravidão, etc.) Com a evolução do direito, e, na

Leia mais