Serialização e Rastreabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serialização e Rastreabilidade"

Transcrição

1 Serialização e Rastreabilidade Uma Visão de Valor kpmg.com/br

2 ALÉM DE COMBATER AS Seguindo uma tendência mundial, o Brasil está regulamentando ações de controle e rastreabilidade dos medicamentos através da RDC 54. CRESCENTES AMEAÇAS À SEGURANÇA DE PACIENTES Em função da responsabilidade de garantir e zelar pela manutenção e qualidade, segurança e eficácia dos produtos até o consumidor CAUSADAS POR PRODUTOS final, assim como de evitar riscos e efeitos adversos à saúde, as FARMACÊUTICOS FALSIFICADOS, empresas titulares de registro, fabricantes ou importadoras, têm ADULTERADOS E DESVIADOS, a responsabilidade de adotar mecanismos e procedimentos que atendam a Resolução da Diretoria Colegiada RDC No. 54, de 10 AS NOVAS DETERMINAÇÕES DE de Dezembro de CONTROLE E RASTREABILIDADE Este documento fornece uma visão geral das necessidades de PODEM TRAZER BENEFÍCIOS serialização e rastreabilidade de produtos farmacêuticos, assim SIGNIFICATIVOS PARA A CADEIA DE como oportunidades de geração de valor para as empresas VALOR FARMACÊUTICA. que compõe a cadeia de valor farmacêutica. As determinações globais para serializar medicamentos exigem preparação dos fabricantes Medicamentos falsificados, adulterados e desviados representam uma ameaça significativa para a segurança dos pacientes. No entanto, apesar dos esforços realizados até agora pelas autoridades policiais, indústria e comunidade de profissionais de saúde, o problema vem crescendo a um ritmo alarmante. Algumas estimativas preveem que as vendas mundiais de medicamentos controlados falsificados ultrapassarão US$ 200 bilhões em 2015, e embora seja impossível saber o valor da receita com precisão, a escala do problema é, sem dúvida, enorme. Mundialmente, essas ameaças à segurança dos pacientes promoveram ações das agências regulatórias responsáveis. Existente As determinações regulatórias em mais de 40 mercados atualmente exigem ou exigirão que cada unidade vendável seja identificada com um número de série único, que geralmente é não-sequencial/pseudorandomizado. A codificação do número de série é realizada utilizando um código bidimensional chamado de matriz de dados e/ou com o código de barras linear mais convencional. Embora a maioria dos países esteja utilizando normas de codificação e dados de organizações internacionais como a ISO e GS1, as especificações técnicas variam de acordo com cada país. Isso significa desafios adicionais para obter uma harmonização, interoperabilidade e economia na manutenção e suporte das soluções implementadas. Em monitoramento (esperado) Implementação

3 Em muitos mercados, assim como será no Brasil, além da exigência de que cada caixa contenha um código físico serializado, cada um deles também terá de ser monitorado sistematicamente conforme a propriedade é transferida. Isso estabelece uma cadeia de controle completa para cada caixa comercializável, da primeira venda pelo fabricante (ou titular da autorização de comercialização), passando por cada elo da cadeia de suprimentos e, finalmente, até o hospital/farmácia entregar o medicamento ao paciente. A implementação de soluções de serialização e rastreabilidade terá amplos impactos no setor de Life Science. Primeiramente, as empresas farmacêuticas e de biotecnologia, bem como importadores de medicamento necessitarão de investimentos em tecnologia, processos e infraestrutura, desde a saída da produção, armazenamento e distribuição na planta, assim como controlar e armazenar informações de todos os elos da cadeia, como operadores logísticos, transportadores, distribuidores, varejistas, hospitais e entidades públicas de saúde. Assim, cada participante da cadeia precisará estar preparado para associar os números de série dos produtos com as transações de envio e recebimento. Isso é necessário para manter o fluxo de informações em toda a cadeia de distribuição. Finalmente, no futuro, as farmácias e os profissionais de saúde deverão ter de implementar controles automatizados dos pedidos médicos e respectivos usuários/pacientes para dar suporte às iniciativas de saúde pública, tais como rastreamento de eventos adversos e gestão de recalls. Esses requisitos podem ser impulsionados de forma mais rápida pelas demandas do mercado e dos consumidores, como por exemplo, digitalização do leito do paciente no hospital e gestão de inventário/faturamento automatizado, e não por meio de requisitos regulamentares adicionais. Escopo da Rastreabilidade no Brasil Redes de Drogarias ~10 Farmácia de Redes ~ Clínicas ~ Consultórios ~ Distribuidores ~300 Estabelecimentos/ Cooperativas etc. ~5.000 Produtores Externos Fabricantes e importadores ~400 Fabricantes públicos ~22 Farmácias Independentes ~ Instituições Filantrópicas ~2.000 Hospitais privados ~4.643* Paciente 27 Centros Estaduais Estabelecimentos Públicos de Saúde ~ ~5.000 Centros Municipais Ministério da Saúde Salas de Vacinação ~ *Fonte: CNES, fevereiro/15 Hospitais públicos ~1.990*

4 Custos e benefícios da serialização e rastreabilidade O cálculo dos custos e benefícios de um investimento em uma solução que possibilita a rastreabilidade dos medicamentos deve incluir mais do que o cumprimento básico e a capacidade de continuar a comercialização sem penalidades ou multas. A integração de dados de produtos serializados nos principais eventos internos e externos da cadeia de suprimentos oferece valor potencial para os fabricantes e potencialmente justificando o montante investido. Ter o controle dos produtos às transações de vendas e distribuição permitirá diversos benefícios, desde um melhor controle e contabilização de dados precisos passando por redução de custos e capital de giro, e até o aumento de vendas, algo que anteriormente não era possível ou prático. A lista a seguir descreve em maiores detalhes estas áreas de oportunidade: 1 Controles financeiros Preço de venda bonificações uso: monitoramento e conciliação via número de série atrelados aos pedidos de venda. Autenticação dos produtos devolvidos com cálculo preciso de crédito de impostos com base no número de série atrelados aos pedidos de venda. 2 Gestão de estoque e garantia de qualidade Visibilidade da cadeia de abastecimento e planejamento integrado gerando redução de estoques. Gestão dos estoques dos clientes (VMI - Vendor Managed Inventory), melhorando o nível de serviço. Gestão e comunicação de recalls: escopo e acompanhamento da situação. Gestão do giro de estoques/data de vencimento/ quarentena. 3 Gestão de vendas Visibilidade da disponibilidade dos produtos no varejo e possibilidade de atuação em tempo real. Base para estratégia e campanhas de vendas. Estratégia de distribuição. Maior controle e efetividade dos representantes de vendas. Apesar das propostas de valor potenciais, a serialização e rastreabilidade são iniciativas organizacionais complexas e desafiadoras que incluem o planejamento, desenho e implementação, operação e manutenção dos componentes da solução de rastreabilidade de uma maneira econômica. As atualizações dos sistemas e infraestrutura de TI são consideráveis e complexas ao gerenciar mudanças no cadastro padrão de produtos, rotulagem e acondicionamento, integração com empresas embaladoras e de distribuição externa. Além disso, outros desafios e incertezas devem ser considerados, tais como: Entendimento da regulamentação vigente. Adversidade de riscos em uma organização. Inconsistência nas tecnologias dos fornecedores. Falta de recursos experientes suficientes nesta área. A implementação deve ser equilibrada com outras iniciativas e lançamentos de produtos concorrentes. Em última análise, tanto as ameaças quanto as oportunidades, apresentadas com determinações regulatórias globais exigindo a serialização e rastreabilidade, podem ser classificadas nas quatro dimensões a seguir: 1. Estratégia 2. Processos 3. Tecnologia 4. Pessoas

5 AS DESCRIÇÕES A SEGUIR RESUMEM OS PRINCIPAIS IMPACTOS E CONSIDERAÇÕES NESTAS DIMENSÕES: ESTRATÉGIA Conforme apontado anteriormente, a implementação de um processo de rastreabilidade pode trazer diversas oportunidades para as empresas que devem ser medidas para definição clara do valor esperado por essa iniciativa. Assim, algumas definições estratégicas devem ser tomadas: Definição da abrangência de implementação. Business case das frentes de implementação. Roadmap e planejamento de implantação. PROCESSOS As iniciativas de serialização e rastreabilidade requerem que as funções de negócio e garantia da qualidade modifiquem os processos, políticas e procedimentos existentes. Isso muitas vezes resulta em conjuntos de tecnologia novos ou atualizados necessários para as linhas de embalagens e centros de distribuição, como os seguintes: Equipamentos de impressão/marcação de códigos de barras exclusivos (Matriz de Dados 1D, 2D). Estações de inspeção visual (câmera) para verificar se os códigos de barras/rótulos são impressos de forma precisa e com a qualidade adequada. Controles de automação para inspeção, esteira transportadora/triagem e estações de ejeção. Dispositivos portáteis de rádio frequência (RF) com scanners integrados para o processamento de transações. Os impactos de processos não são resultados somente da tecnologia dos equipamentos. As áreas funcionais, como Garantia da Qualidade, Cadeia de Suprimentos e Atendimento a Clientes devem melhorar os processos existentes com base em dados adicionais que devem ser gerenciados e controlados. Além dos processos diretamente ligados ao atendimento à regulamentação, estruturar os processos de gestão de estoque, controles financeiros e vendas é fundamental para agregar valor à empresa. TECNOLOGIA Obter um intercâmbio de dados interoperável e continuidade de negócios nos sistemas de ERP de várias organizações apresenta desafios no que tange à serialização e rastreabilidade de produtos. A infraestrutura e protocolos de TI são necessários para o seguinte: Armazenar números de série em um repositório seguro na empresa e/ou no sistema em nuvem. Manter e controlar os dados de serialização coletados e armazenados. Recuperar os números de série de um repositório, conforme necessário e apropriado. Transmitir dados relevantes de parceiros da cadeia de suprimentos ou sistemas de agências regulatórias. As informações de dados de serialização e atividades envolvidas com números de série exigem uma colaboração eficaz entre todas as partes interessadas e fornecedores de soluções. Além dos requisitos técnicos para atendimento da norma, outros requisitos funcionais para atender os processos de gestão de estoques, VMI (Vendor Managed Invetory), planejamento e comercial também devem ser levados em consideração. O desempenho da rede também deve ser considerado e projetado cuidadosamente. O sucesso da serialização depende da integridade e segurança dos dados para o rastreamento de produtos, o que em última análise depende da velocidade e confiabilidade do sistema. PESSOAS Em uma organização, as partes interessadas envolvidas na implementação de capacidades de serialização poderão incluir, mas não estão limitadas ao seguinte: Assuntos regulatórios Garantia da qualidade Cadeia de suprimentos Tecnologia da Informação Projeto gráfico/dos rótulos Engenharia e operações de embalagens Vendas Distribuição Atacadista Atendimento ao cliente Proteção/Marketing da Marca De fato, a implementação de soluções de serialização e rastreabilidade em toda a empresa representa uma mudança organizacional substancial. Há muitas questões que exigem atenção que não existiam na organização anteriormente: Quem é responsável pelos dados de serialização? Quem precisa acessá-los e por quê? Quem administra os números de série e como você os obtém? Quem é responsável por manter a organização atualizada no que diz respeito às mudanças regulatórias? Iniciativas de gestão de mudanças eficazes, incluindo adaptação, planejamento, colaboração e comunicação entre essas funções são fatores críticos de sucesso.

6 Prática de Life Science da KPMG A KPMG reconhece as complexidades que as empresas de Life Science enfrentam conforme o mundo move-se em direção à serialização e rastreabilidade de medicamentos. Nossa equipe internacionalmente experiente oferece aos clientes as vantagens do profundo entendimento da indústria, compreensão das lições aprendidas, e conhecimento das tecnologias e processos comprovados necessários para possibilitar a melhor forma de trabalhar com serialização e rastreabilidade no país e internacionalmente. A KPMG está bem preparada para avaliar a prontidão, desenvolver e projetar processos de negócio, gerenciar a mudança, ajudar na seleção de fornecedores, implementar boas práticas e prestar ajuda de assessoria para as operações, manutenção e suporte em andamento. Especificamente no que se refere às iniciativas de serialização e rastreabilidade, a KPMG pode ajudar nas seguintes áreas: Estratégia e planejamento Modelagem de processos de negócio Arquitetura e integração de boas práticas empresariais Gestão e governança da implementação Planejamento e operação da Cadeia de Suprimentos Gestão de programas e projetos Avaliações técnicas (empresa, local e linha) Definição de requisitos de negócio e de sistemas Serviços de testes e qualificação de sistemas Gestão da integração e estratégia de fluxo de dados Monitoramento e conformidade regulatória Avaliações de fornecedores

7 Resumo das exigências da rastreabilidade de medicamentos no Brasil A Anvisa, por meio da Resolução da Diretoria Colegiada - RDC No. 54, de 10 de Dezembro de 2013, estabelece os seguintes e principais requerimentos quanto ao rastreamento de medicamentos: Sistema de identificação exclusivo 1) As empresas detentoras de registro junto à Anvisa serão responsáveis pela formação, geração e aposição do Identificador Único de Medicamento - IUM nas embalagens de todos os medicamentos comercializados e distribuídos no país. 2) Os prestadores de serviço sejam eles detentores de registro (fabricantes e importadores), atacadistas (distribuidores), varejistas (farmácias e drogarias), transportadores, bem como os estabelecimentos compradores, unidades de dispensação de serviços públicos e privados de saúde serão identificados através do registro das movimentações ao longo da cadeia, por meio de CNPJ. 3) As embalagens secundárias de todos os medicamentos, incluindo as embalagens múltiplas, embalagens secundárias para fracionados e embalagens hospitalares, devem conter os mecanismos de identificação estabelecidos nesta norma e que possibilitem o rastreamento do produto desde a fabricação até a sua entrada no estabelecimento que realiza a dispensação. Tecnologia de captura e transmissão eletrônica de dados e do IUM 4) Fica definido o código de barras bidimensional (Datamatrix) como a tecnologia de captura, armazenamento e transmissão eletrônica de dados necessários ao rastreamento de medicamentos no Brasil, pertinentes ao controle a ser realizado no âmbito do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos, para garantir suporte, automação e visibilidade ao rastreamento de medicamentos e a integração entre sistemas de informação. 5) A aposição, inscrição ou inclusão do código de barras bidimensional (Datamatrix) nas embalagens de comercialização de medicamentos fica a cargo das empresas detentoras de registro de medicamentos, conforme regulamentos e normas técnicas específicas vigentes. 6) A disposição do código de barras bidimensional (Datamatrix) nas embalagens não deverá prejudicar a disponibilização das demais informações previstas na legislação vigente para rotulagem de medicamentos. Sistemas de informação 7) Para fins de controle sanitário, todas as movimentações das unidades de comercialização e distribuição de medicamentos deverão ser registradas e armazenadas pelos participantes da cadeia de produtos farmacêuticos em seus sistemas de informação. 8) O período durante o qual os dados devem ser mantidos e disponíveis nos sistemas informatizados de que trata esta norma é de no mínimo 1 (um) ano após a expiração do prazo de validade do medicamento. 9) As empresas detentoras de registro de medicamento deverão manter banco de dados com registro de todas as movimentações do IUM na cadeia dos produtos farmacêuticos até a entrada na unidade de dispensação. 10) As empresas distribuidoras de medicamentos deverão manter fluxo em tempo real de informações e armazenar em banco de dados informações mínimas, as quais deverão estar relacionadas a cada Identificador Único de Medicamento (IUM) movimentado. 11) As empresas varejistas (farmácias e drogarias), os estabelecimentos compradores e as unidades de dispensação de medicamentos deverão manter fluxo em tempo real de informações e armazenar em banco de dados as informações mínimas, as quais deverão estar relacionadas a cada Identificador Único de Medicamento (IUM) movimentado. 12) Os sistemas informatizados utilizados para o fluxo e armazenamento das informações sanitárias no SNCM devem assegurar o sigilo, a integridade, a interoperabilidade, a autenticidade e a disponibilidade dos dados e informações, de modo a viabilizar a execução das ações de fiscalização, controle e monitoramento. 13) As informações deverão ser disponibilizadas aos órgãos do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, nos padrões de transmissão e condições a serem estabelecidos em Ato Normativo próprio da Anvisa. Interface do sistema nacional de gerenciamento de produtos controlados - SNGPC com o sistema nacional de controle de medicamentos 14) O SNCM de que trata a RDC no. 54 aplicar-se-á nas classes de medicamentos sujeitas ao regime do SNGPC até o consumidor final.

8 Contato Leonardo Augusto Giusti Sócio Tel: (11) Fernando Aguirre Sócio Tel: (11) Sandro Silva Sócio Tel: (11) Marcio Ikemori Sócio Tel: (11) kpmg.com/br / kpmgbrasil App KPMG Brasil disponível em ios e Android App KPMG Publicações disponível em ios e Android 2015 KPMG Consultoria Ltda., uma sociedade simples brasileira, de responsabilidade limitada, e firma-membro da rede KPMG de firmas-membro independentes e afiliadas à KPMG International Cooperative ( KPMG International ), uma entidade suíça. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. O nome KPMG, o logotipo e cutting through complexity são marcas registradas ou comerciais da KPMG International Todas as informações apresentadas neste documento são de natureza genérica e não têm por finalidade abordar as circunstâncias de uma pessoa ou entidade específica. Embora tenhamos nos empenhado em prestar informações precisas e atualizadas, não há garantia de sua exatidão na data em que forem recebidas nem de que tal exatidão permanecerá no futuro. Essas informações não devem servir de base para se empreenderem ações sem orientação profissional qualificada, precedida de um exame minucioso da situação em pauta.

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre

Leia mais

RASTREAMENTO DE MEDICAMENTOS

RASTREAMENTO DE MEDICAMENTOS RASTREAMENTO DE MEDICAMENTOS COORDENAÇÃO DO GRUPO DE TRABALHO PORTARIAS Nº 255/2011 E Nº 535/2011 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO 40ª Reunião Ordinária do Conselho Consultivo Anvisa Brasília, 13 de junho de 2013

Leia mais

Rastreabilidade de medicamentos Sua empresa está preparada?

Rastreabilidade de medicamentos Sua empresa está preparada? www.pwc.com.br Rastreabilidade de medicamentos Sua empresa está preparada? Entenda os impactos da nova regulamentação para a sua empresa e como a PwC pode ajudá-lo. O que é? 1 Brasil. Anvisa - Agência

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Coordenação do Comitê Gestor da Implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos SNCM Portaria nº 176, de 10/02/2014 NOTA TÉCNICA Nº 01/2015 Considerando

Leia mais

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 Logística Curso Formação de Auditores para a Cadeia Industrial Farmacêutica 2 Sobre o Docente Programação SONJA HELENA MADEIRA MACEDO Graduada em Farmácia-Bioquímica

Leia mais

Life Sciences Cyber Security

Life Sciences Cyber Security Life Sciences Cyber Security Março de 2015 kpmg.com/br 2X ORGANIZAÇÕES DE SAÚDE RELATAM PERDA DE DADOS E INCIDENTES DE ROUBO A DUAS VEZES A TAXA DE OUTRAS INDÚSTRIAS Fonte: Verizon s 2014 Data Breach Investigations

Leia mais

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Hospital Israelita Albert Einstein Abril 2015 Requisitos para rastreabilidade Códigos de barras em todos os produtos

Leia mais

Rastreabilidade e Autenticidade de. Ricardo Yugue

Rastreabilidade e Autenticidade de. Ricardo Yugue Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos Ricardo Yugue O Conceito de Rastreabilidade Rastreabilidade éa capacidade de recuperação do histórico, da aplicação ou da localização de uma entidade (ou

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº, DE 2015 (Do Senador Valdir Raupp)

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº, DE 2015 (Do Senador Valdir Raupp) PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº, DE 2015 (Do Senador Valdir Raupp) Susta a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 54, de 10 de dezembro de 2013, e a Instrução Normativa (IN) nº 06, de 18 de agosto

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária e a regulação e controle sanitário de medicamentos no Brasil

Agência Nacional de Vigilância Sanitária e a regulação e controle sanitário de medicamentos no Brasil Agência Nacional de Vigilância Sanitária e a regulação e controle sanitário de medicamentos no Brasil Global GS1 Healthcare Conference São Paulo, 16 de março de 2010 Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 276, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 276, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 276, DE 2015 Altera a Lei nº 11.903, de 14 de janeiro de 2009, para aumentar os prazos de implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Regras de Rastreabilidade de Medicamentos

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Regras de Rastreabilidade de Medicamentos Regras de Rastreabilidade de Medicamentos 05/05/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 9 5. Informações

Leia mais

TAX. esocial. kpmg.com/br

TAX. esocial. kpmg.com/br TAX esocial kpmg.com/br 1 esocial O que é o esocial? O Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas esocial é um projeto desenvolvido pelo Governo Federal,

Leia mais

Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos

Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT - SENADO FEDERAL Assunto: Instruir o PLS 521/2007 Sen. Valdir Raupp Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos Consulta Pública nº 08, de 04/03/2008 DOU de 05/03/08 Histórico

Leia mais

Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade

Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade Qual o benefício que a etiqueta trará para o cidadão? A etiqueta de segurança lançada pela Anvisa trará duas grandes novidades: garantir que o medicamento é

Leia mais

Saúde no Brasil. Mudanças da regulamentação resultam em oportunidades de investimentos no setor de saúde no Brasil

Saúde no Brasil. Mudanças da regulamentação resultam em oportunidades de investimentos no setor de saúde no Brasil Saúde no Brasil Mudanças da regulamentação resultam em oportunidades de investimentos no setor de saúde no Brasil Veja o que os profissionais da área da saúde têm a dizer sobre isso 2015 kpmg.com/br Emenda

Leia mais

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC Ferramenta informatizada para captura de dados e geração de informação, a cerca da prescrição, dispensação e consumo

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br Conteúdo: legislação sanitária Professor (a): Paulo Nogueira Mini currículo: Fiscal Sanitário Municipal de Nível Superior da Vigilância Sanitária Municipal de Belo Horizonte. Biólogo

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate KPMG no Brasil Building, Construction & Real Estate FINANCIAL SERVICES kpmg.com/br Quem somos Constituída na Suíça e com sede em Amsterdã, a KPMG International Cooperative (KPMG International) é uma rede

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 22, DE 29 DE ABRIL DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 22, DE 29 DE ABRIL DE 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 22, DE 29 DE ABRIL DE 2014 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados - SNGPC, revoga a Resolução

Leia mais

Cyber Security. Segurança em Sistemas de Controle Industrial (ICS / SCADA) Security University 2014. kpmg.com/br/cyber

Cyber Security. Segurança em Sistemas de Controle Industrial (ICS / SCADA) Security University 2014. kpmg.com/br/cyber Cyber Security Security University 2014 Segurança em Sistemas de Controle Industrial (ICS / SCADA) kpmg.com/br/cyber Sistema de Controle Industrial (ICS) é um termo geral que engloba diversos tipos de

Leia mais

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X T E C N O L O G I A D A I N F O R M A Ç Ã O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X PROCESSOS E

Leia mais

Sistema de Rastreamento e Autenticidade 11 junho 2008

Sistema de Rastreamento e Autenticidade 11 junho 2008 Sistema de Rastreamento e Autenticidade 11 junho 2008 Quem Somos Fundado em 2003, o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO é uma organização sem fins lucrativos que congrega entidades empresariais

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

ENTREVISTA COM Marília Coelho Cunha, Gerente-Geral de Inspeção de Medicamentos e Produtos da Anvisa

ENTREVISTA COM Marília Coelho Cunha, Gerente-Geral de Inspeção de Medicamentos e Produtos da Anvisa Por medicamentos seguros Anvisa lança etiqueta de segurança, com o objetivo de combater a falsificação e outras irregularidades envolvendo os medicamentos. Há uma luz amarela e não é de hoje sinalizando

Leia mais

TAX CONTROVERSY. Assessoria completa e integrada na prevenção, no gerenciamento e na resolução de riscos e litígios tributários. kpmg.

TAX CONTROVERSY. Assessoria completa e integrada na prevenção, no gerenciamento e na resolução de riscos e litígios tributários. kpmg. TAX CONTROVERSY Assessoria completa e integrada na prevenção, no gerenciamento e na resolução de riscos e litígios tributários kpmg.com/br Tax Controversy Questões tributárias no Brasil são muito importantes

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 18 DE AGOSTO DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 18 DE AGOSTO DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 18 DE AGOSTO DE 2014 Dispõe sobre a

Leia mais

Centro de Excelência de Cidades. Construindo novas cidades para um novo mundo. kpmg.com/br

Centro de Excelência de Cidades. Construindo novas cidades para um novo mundo. kpmg.com/br Centro de Excelência de Cidades Construindo novas cidades para um novo mundo kpmg.com/br O ser humano habita o planeta, mas VIVE NA CIDADE Estamos enfrentando novos tempos, que determinam novos termos

Leia mais

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade?

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Meio acadêmico Sustentabilidade Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Além do maior foco na cadeia de valor e na materialidade, a quarta geração (G4)

Leia mais

Grupo de Maternidades Santa Joana

Grupo de Maternidades Santa Joana Eleita em 2009 a Melhor Maternidade do Brasil; 61 anos de história; Grupo de Maternidades Santa Joana Acreditação ONA (Organização Nacional de Acreditação) Nível 3; Mais de 1500 funcionários; 191 leitos;

Leia mais

Pesquisa Ambiente Regulatório 2015. kpmg.com/br

Pesquisa Ambiente Regulatório 2015. kpmg.com/br Pesquisa Ambiente Regulatório 2015 kpmg.com/br Sobre a Pesquisa Sumário Executivo O Ambiente Regulatório no Brasil - 2015 O ambiente regulatório no Brasil é marcado por contínuas transformações de exigências

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News Regulatory Practice Insurance News Julho/Agosto de 2014 SUSEP Nota Técnica Atuarial de Carteira Circular SUSEP 493, de 08.08.2014 Nota Técnica Atuarial de Carteira para Início de Operação em Ramo(s) de

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Regulatory Practice Insurance News Janeiro 2014 SUSEP Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Esta Circular dispõe sobre instruções complementares necessárias à execução

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Você está preparado para a EFD-Reinf?

Você está preparado para a EFD-Reinf? Você está preparado para a EFD-Reinf? Tax kpmg.com/br 2 EDF - Reinf Introdução O que é a EFD-Reinf? A Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Informações da Contribuição Previdenciária Substituída

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Gerenciamento de ativos de software - SAM

Gerenciamento de ativos de software - SAM ADVISORY Gerenciamento de ativos de software - SAM Serviços de Compliance de Contratos (CCS) kpmg.com/br Gerenciando ativos de software de forma eficaz O Gerenciamento de Ativos de Software Software Asset

Leia mais

RASTREABILIDADE. * Lei nº. 11.903 14 / 01 / 2009. *Instrução Normativa nº11, 29/ 10 / 2010. * NF-e versão 2.0, a partir de 31 / 03 / 2011

RASTREABILIDADE. * Lei nº. 11.903 14 / 01 / 2009. *Instrução Normativa nº11, 29/ 10 / 2010. * NF-e versão 2.0, a partir de 31 / 03 / 2011 RASTREABILIDADE. * Lei nº. 11.903 14 / 01 / 2009 *Instrução Normativa nº11, 29/ 10 / 2010 * NF-e versão 2.0, a partir de 31 / 03 / 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, 29 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre a tecnologia,

Leia mais

Art. 3º As empresas produtoras ficam obrigadas a informar, em cada unidade produzida para a venda final:

Art. 3º As empresas produtoras ficam obrigadas a informar, em cada unidade produzida para a venda final: Portaria n.º 802, de 08 de outubro de 1998(*) D.O. 7/4/1999 O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde no uso das atribuições que lhe são conferidas pelos dispositivos legais vigentes:

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Quiz Interativo: Dificuldades e receios das empresas

Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Quiz Interativo: Dificuldades e receios das empresas IMPOSTOS INDIRETOS Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Quiz Interativo: Dificuldades e receios das empresas tax As empresas sempre conviveram com a preocupação de manter organizadas as suas

Leia mais

Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi*

Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi* Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi* Existem diversas atividades fundamentais desempenhadas pelas empresas no cumprimento de sua missão, sempre com o objetivo de agregar de

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010 Perguntas e Respostas (atualizada em 27/01/2011) 1. De que trata a RDC 44/2010? Esta resolução estabelece novos mecanismos para a prescrição e o controle da dispensação de medicamentos antimicrobianos.

Leia mais

RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS

RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS Não reproduza sem os devidos créditos! PLÁGIO É CRIME! RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS Farmacêutica Daiane Lima de Oliveira Serviço de Farmácia SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS DOSE UNITÁRIA Cinco

Leia mais

Copa do Mundo no Brasil

Copa do Mundo no Brasil Copa do Mundo no Brasil Oportunidades para todos kpmg.com.br Estádio Jornalista Mário Filho Maracanã, Rio de Janeiro - RJ Copa do Mundo no Brasil Uma Copa do Mundo de sucesso pode ser construída a partir

Leia mais

Resultados da pesquisa

Resultados da pesquisa Resultados da pesquisa Promoção de saúde no Brasil, nossos hospitais relatam a realidade de 2014 Divulgação oficial dos resultados 29 de janeiro de 2015. 1 O que motivou a pesquisa? Nossos clientes e colegas

Leia mais

Identificação Única de Dispositivos Médicos. (Unique Device Identification UDI) Rafael Gomes Fernandes

Identificação Única de Dispositivos Médicos. (Unique Device Identification UDI) Rafael Gomes Fernandes Identificação Única de Dispositivos Médicos (Unique Device Identification UDI) Rafael Gomes Fernandes Apresentação e atualização - UDI System (ANVISA) Rafael Gomes Fernandes Agenda 1. Introdução 2. Construção

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate Building, Construction & Real Estate Uma abordagem integrada para o investimento imobiliário Financial Services kpmg.com/br Como podemos ajudar Com uma equipe focada no setor de Real Estate, a KPMG no

Leia mais

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015 Ivo Bucaresky Diretor ANVISA CONBRAFARMA Agosto de 2015 1 PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO Diretrizes: Fortalecimento da capacidade institucional para gestão em regulação Melhoria da

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos AUDITORIA GOVERNAMENTAL Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos KPMG no Mundo A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory presente

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

Programação para 2011

Programação para 2011 Visadoc Assessoria em Vigilância Sanitária e Regulatória Curso de Assuntos Regulatórios e Registro de Produtos - Aplicados à Vigilância Sanitária Por que participar? O Curso de Assuntos Regulatórios e

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Planejamento Tributário O debate sobre a carga tributária brasileira é incessante desde os tempos em que esta não ultrapassava 25% do PIB nacional.

Leia mais

Sistemas Informatizados. Alfonso Izarra

Sistemas Informatizados. Alfonso Izarra Sistemas Informatizados Alfonso Izarra Objetivo Salientar da importância de utilizar Sistemas Informatizados que atendam os Requisitos do Negócio e das Partes Impactadas Sistemas de Informação Por que?

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas CONTABILIDADE EM DESTAQUE Outubro de 2015 Edição: 001/15 Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas Esta edição da Contabilidade em Destaque tem como objetivo explicar mais profundamente

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

COMO PROCEDER PARA COMERCIALIZAR MEDICAMENTOS CONTROLADOS

COMO PROCEDER PARA COMERCIALIZAR MEDICAMENTOS CONTROLADOS COMO PROCEDER PARA COMERCIALIZAR MEDICAMENTOS CONTROLADOS SNGPC Controle informatizado da Portaria 344/1998 Com o objetivo de facilitar o controle dos medicamentos pertencentes à Portaria 344/MS 1998,

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações:

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações: 1 de 6 Site: http://www.solucaosistemas.com.br Gerado pela Solução Sistemas - Fonte: Anvisa Acesse o Portal do Perguntas Freqüentes atualizado em 19/04/2013 Funcionalidades do SNGPC 1. Como fazer o inventário

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010 1. De que trata a RDC 44/2010? Esta resolução estabelece novos mecanismos para a prescrição e o controle da dispensação de medicamentos antimicrobianos. As novas regras estabelecem adequações de embalagem

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 9 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

Guia de apoio à codificação de medicamentos

Guia de apoio à codificação de medicamentos Guia de apoio à codificação de medicamentos Para atender à RDC 54/2013 (Versão 2) Apoio: Introdução... 3 Benefícios esperados... 3 Aplicações... 4 Embalagem secundária:... 4 Identificação: GTIN Codificação:

Leia mais

Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde

Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde Atualização de Requisitos para Regularização de Produtos REGULAMENTO TÉCNICO DE PRODUTOS PARA CADASTRO DE PRODUTOS PARA SAÚDE RDC 40/2015 GEMAT

Leia mais

Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS

Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Sumário Parte I - Cadastro... 3 Parte II - Dúvidas frequentes... 6 1. Como fazer o inventário no SNGPC?... 6 2. A

Leia mais

COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO BRASIL

COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO BRASIL COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO BRASIL Antônio Carlos da Costa Bezerra ANVISA - BRASIL VII EAMI - Cancun / México M - 15 a 17 de Outubro de 2008 Lei nº. 9.782,

Leia mais

Advisory FORENSIC NO BRASIL. Forensic. kpmg.com/br

Advisory FORENSIC NO BRASIL. Forensic. kpmg.com/br 1 Advisory FORENSIC NO BRASIL Forensic kpmg.com/br 2 A área de Forensic da KPMG no Brasil oferece serviços completos de assessoria em investigação, compliance, gerenciamento de riscos e suporte técnico

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

A implementação da Diretiva Falsificados. Dispositivos de Segurança

A implementação da Diretiva Falsificados. Dispositivos de Segurança A implementação da Diretiva Falsificados Dispositivos de Segurança Helder Mota Filipe Vice-Presidente do Conselho Directivo INFARMED I. P. Ciclo de Conferências APIFARMA 3 julho CCB A Importância da Rastreabilidade

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 10 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Registro de Produtos. Circular SUSEP 466, de 21.05.2013 Sistema de Registro Eletrônico de Produtos

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Registro de Produtos. Circular SUSEP 466, de 21.05.2013 Sistema de Registro Eletrônico de Produtos Regulatory Practice Insurance News Maio 2013 SUSEP Registro de Produtos Circular SUSEP 466, de 21.05.2013 Sistema de Registro Eletrônico de Produtos Altera a Circular SUSEP 438/12, que dispõe sobre o sistema

Leia mais

Programa de Rotulagem

Programa de Rotulagem Programa de Rotulagem O rótulo é a identidade do alimento O rótulo identifica o produto, a sua quantidade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência da lei que deve ser cumprida

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

5. Práticas de SCM na GSK

5. Práticas de SCM na GSK 5. Práticas de SCM na GSK Desde a fusão em 2001, a GSK estima que obteve cerca de 1 bilhão em economias relacionadas à racionalização da sua rede de suprimentos e das atividades de SCM. Além das economias

Leia mais

LIFE SCIENCES NO BRASIL

LIFE SCIENCES NO BRASIL LIFE SCIENCES NO BRASIL L IFE S CIENCES NO B R A presença da iniciativa privada no setor da saúde é cada vez mais relevante para a indústria de medicamentos e para as áreas de assistência à saúde, serviços

Leia mais

Pesquisa de Auditoria Interna

Pesquisa de Auditoria Interna Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 1 Pesquisa de Auditoria Interna IARCS kpmg.com/br 2 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS PREFÁCIO A Auditoria Interna tem sido considerada nas companhias como sua

Leia mais

1.2. Escrituração de medicamentos e insumos farmacêuticos. 1.2.2. Arquivos XML sem movimentações. 1.2.2.1. Medicamentos vencidos

1.2. Escrituração de medicamentos e insumos farmacêuticos. 1.2.2. Arquivos XML sem movimentações. 1.2.2.1. Medicamentos vencidos Atualizado: 25 / 10 / 2013 FAQ AI 1. Escrituração e movimentação dos arquivos XML no SNGPC 1.1. Programa interno do estabelecimento 1.1.1. Alteração do software 1.2. Escrituração de medicamentos e insumos

Leia mais

O que esperar do gerenciamento de riscos É hora de agir CUTTING THROUGH COMPLEXITY. As oito prioridades em gerenciamento de risco para os executivos

O que esperar do gerenciamento de riscos É hora de agir CUTTING THROUGH COMPLEXITY. As oito prioridades em gerenciamento de risco para os executivos CUTTING THROUGH COMPLEXITY O que esperar do gerenciamento de riscos É hora de agir As oito prioridades em gerenciamento de risco para os executivos kpmg.com/br Em colaboração com a EIU - Economist Intelligence

Leia mais

TECNOLOGIA A FAVOR DO SETOR. Abrangência: Atacadistas e distribuidores associados da ABAD.

TECNOLOGIA A FAVOR DO SETOR. Abrangência: Atacadistas e distribuidores associados da ABAD. TECNOLOGIA A FAVOR DO SETOR Abrangência: Atacadistas e distribuidores associados da ABAD. Objetivo: Saber o nível de automação dos atacadistas e distribuidores bem como os padrões utilizados Empresário

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica

Curso Intensivo. Logística Farmacêutica Curso Intensivo Logística Farmacêutica O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual de aprendizagem que visa a capacitação profissional objetivando

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência RFID RFID - Identificação por Radiofreqüência Sistema de Identificação por Radio Frequência O que é RFID? Objetivo e utilidade similares ao código de barras; Composto por 3 elementos: Uma antena; Um leitor;

Leia mais

BACEN. Recolhimento compulsório Circular 3.712, de 24.07.2014 Recolhimento compulsório sobre recursos à vista e a prazo

BACEN. Recolhimento compulsório Circular 3.712, de 24.07.2014 Recolhimento compulsório sobre recursos à vista e a prazo Regulatory Practice News Julho 2014 BACEN Recolhimento compulsório Circular 3.712, de 24.07.2014 Recolhimento compulsório sobre recursos à vista e a prazo Altera a Circular 3.622/12, que dispõe sobre o

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2

GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2 Quem é a GS1 Como gerar seu Código de Barras Produtos e Soluções GS1 GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 1 GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2 Quem é a GS1 GS1 Brasil A GS1 Brasil Associação Brasileira

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe conferem

Leia mais

Novos Negócios Farma

Novos Negócios Farma Novos Negócios Farma *Estudos Pré-Clínicos no Brasil: atual cenário e oportunidades *P&D de Novas Moléculas no Brasil *Parcerias ICTs & Empresas: barreiras e oportunidades *Oportunidades e desafios do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 Padrões do Sistema GS1 Habilitando a visibilidade da cadeia de valor. Identificação

Leia mais

Audiência Pública PLS 521 de 04/09/2007. Brasília, 11 de junho de 2008 Lauro D. Moretto

Audiência Pública PLS 521 de 04/09/2007. Brasília, 11 de junho de 2008 Lauro D. Moretto Brasília, 11 de junho de 2008 Lauro D. Moretto 1 1. Objeto da Audiência Pública Instruir o PLS 521 de 2007 de autoria do Senador Valdir Raupp, que altera a Lei nº 6360 de 23.09.1976, que dispõe sobre a

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais