RODÍZIO DO SISTEMA CANTAREIRA 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RODÍZIO DO SISTEMA CANTAREIRA 2014"

Transcrição

1 Unidade de Negócio de Produção de Água da Metropolitana MA Departamento de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento Operacional da Produção MAG Divisão de Planejamento Gestão e Desenvolvimento Operacional da Produção - MAGG Rua Nicolau Gagliardi, 313 Pinheiros São Paulo SP Tel.: (11) Fax: (11) RELATÓRIO DE GESTÃO MAGG 005/14 RODÍZIO DO SISTEMA CANTAREIRA 2014 Versão Síntese SÃO PAULO Janeiro / 2014

2 SUMÁRIO 1. OBJETIVO DESCRIÇÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Sistema Integrado O Sistema Produtor Cantareira HISTÓRICO OBJETO DO RODÍZIO PLANEJAMENTO DO RODÍZIO NO SISTEMA CANTAREIRA Premissas Adotadas Obtenção da Vazão de Produção com o Rodízio Alternativas Quadro Resumo IMPLEMENTAÇÃO DO RODÍZIO Início do Rodízio Esquema, Blocos e Horário das Manobras do Rodízio Execução e Controle das Manobras do Rodízio Responsabilidades Acompanhamento e Avaliação Áreas Envolvidas Avaliações Previstas AÇÕES OPERACIONAIS E GERENCIAIS Gestão dos Mananciais Produção de Água Tratada Operação do SAM Operação da Rede de Distribuição de Água Verificação e Adequação das Válvulas de Manobras Verificação da Logística da Operação Controle Sanitário Operação de Válvulas Redutoras de Pressão e Boosters Pesquisa de Vazamentos Reparo de Vazamentos Atendimento de Emergência Relações com os Clientes Suporte ao Atendimento Telefônico Atendimento Telefônico Contatos com o PROCON Contatos com os Clientes Especiais e Permissionárias Procedimentos Comerciais Contatos com a ARSESP AÇÕES INSTITUCIONAIS Informações à Imprensa e Campanhas de Conscientização da População Contatos com os Municípios Precauções de Caráter Jurídico CONSIDERAÇÕES FINAIS EQUIPE TÉCNICA Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 1 / 35

3 1. OBJETIVO Apresentar o plano elaborado pela SABESP para implementar o rodízio de água na área de abrangência do Sistema Cantareira. 2. DESCRIÇÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP 2.1. Sistema Integrado Para o abastecimento dos 20 milhões de habitantes da Região Metropolitana de São Paulo RMSP, a diretoria da SABESP opera diretamente em 33 dos 39 municípios, fornece água tratada por atacado para seis (Santo André, São Caetano do Sul, Mauá, Guarulho, Mogi das Cruzes e Diadema) e apenas um município é autônomo e isolado (Santa Isabel). O Sistema Integrado Metropolitano atende a 4 municípios operados diretamente pela Sabesp e seis municípios autônomos que recebem água tratada por atacado. A Sabesp opera também em nove municípios (Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba, Cajamar, Mairiporã, Guararema, Salesópolis, Biritiba-Mirim, São Lourenço da Serra e Juquitiba) através de sistemas isolados. O Sistema Integrado Metropolitano dispõe de nove sistemas produtores de água potável. Das nove estações de tratamento (ETAs) aos pontos de consumo, a água potável produzida é transportada e armazenada por meio de um integrado e complexo conjunto de tubos e reservatórios de grandes dimensões, denominado Sistema Adutor Metropolitano SAM, que dispõe de cerca de 1200 quilômetros de adutoras e 140 reservatórios setoriais. Esse imenso emaranhado de tubulações, estações elevatórias e reservatórios é operado dentro de especificações técnicas definidas em estudos e projetos de engenharia, sendo o fluxo contínuo de água a condição fundamental. A supervisão e o controle deste sistema são realizados a distância, de forma ininterrupta, pelo Centro de Controle da Operação CCO, o qual monitora cerca de três mil variáveis de operação tais como pressões, vazões, temperaturas, níveis de reservatórios, situação de bombas, etc. O mapa 1 mostra as áreas de influência dos sistemas produtores da RMSP. Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 2 / 35

4 Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 3 / 35

5 2.2. O Sistema Produtor Cantareira Maior sistema produtor da SABESP, o Sistema Cantareira é formado pela reversão de parte das águas das bacias dos rios Jaguarí-Jacareí, Cachoeira e Atibainha, formadores do Rio Piracicaba, além do Rio Juqueri, da Bacia do Alto Tietê. Esses mananciais disponibilizam água bruta para tratamento na ETA Guaraú, que produz, em sua capacidade nominal, 33 m³/s. O Cantareira é responsável pelo abastecimento de água dos municípios de Barueri (parte), Caieiras, Carapicuíba, Francisco Morato, Franco da Rocha, Guarulhos (parte), Osasco, São Caetano do Sul e São Paulo (parte). Para conduzir a água tratada na ETA Guaraú para os setores de abastecimentos de sua área de influência, o SAM dispõe de 6 grandes adutoras de água, denominadas alças de adução, a saber : Alça Guaraú / Moóca, com diâmetro de mm; Alça Leste, com diâmetros de a mm; Alça Guaraú / Lapa, com diâmetros de a mm; Alça Guaraú / Consolação, com diâmetro de mm; Alça Oeste, com diâmetros de a mm. Alça Guaraú / Jaraguá, com diâmetros de mm; A ETA Guaraú teve em 2013 uma produção média de 32,1 m³/s, sendo responsável pelo abastecimento de 8,8 milhões de habitantes da Região Metropolitana de São Paulo. Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 4 / 35

6 3. HISTÓRICO A condição de baixa reservação nos mananciais do Sistema Produtor Cantareira vista em 2013 se assemelha a estiagem de No caso específico da RMSP, e no que se refere ao abastecimento de água, a estiagem de 2013 atingiu de modo desigual os diversos mananciais, incidindo de forma especialmente severa sobre a bacia hidrográfica dos mananciais do Sistema Cantareira. A esses fatores adversos, do lado da disponibilidade de água, somavam-se os aumentos dos consumos, provocados pelas altas temperaturas, baixas umidades relativas e presença de céu descoberto. Em 2013, as estratégias adotadas para reduzir os riscos de esvaziamento dos reservatórios do Sistema Cantareira, garantindo em qualquer circunstância a perenidade do abastecimento da região, foram: Incentivo à redução do consumo nas áreas atendidas pelo Cantareira, por meio de campanhas publicitárias e divulgação na mídia do uso racional da água; Uso de modelos matemáticos para os mananciais da RMSP; Sistemática de acompanhamento hidro-meteorológico diário da bacia do Cantareira, para definição de regras operacionais de descargas a jusante das barragens compartilhada; O Sistema Guarapiranga também está no seu limite de captação, com base na sua outorga para retirada de água do manancial. Com isso uma ampliação do avanço do Sistema Alto Tietê sobre o Cantareira, tornou-se praticamente inviável em caráter perene, servindo apenas para manutenções temporárias. Todas as estratégias foram adotadas concomitantemente no intuito de evitar a adoção do rodízio, pelo constrangimento que esta solução causa à população. No entanto, o rodízio deve ser planejado face à situação crítica de armazenamento de água nos mananciais do Sistema Cantareira. Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 5 / 35

7 4. OBJETO DO RODÍZIO Reduzir a produção do Sistema Cantareira para evitar o colapso dos seus mananciais e, conseqüentemente, do abastecimento da RMSP, garantindo o atendimento eqüitativo da população e condições adequadas de saúde pública. 5. PLANEJAMENTO DO RODÍZIO NO SISTEMA CANTAREIRA 5.1. Premissas Adotadas No equacionamento do rodízio foram adotadas as seguintes premissas: Produção referencial no Sistema Cantareira de 32,1 m³/s, obtida pela produção média anual em 2013; Vazões dos setores de abastecimento obtidas pela média anual das vazões médias mensais do ano de 2013; A população atendida pelo Sistema Cantareira, de 8,8 milhões de habitantes, foi obtida baseado nos dados censitários de 2010 ajustada com a taxa de crescimento demográfico fornecido pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (SEADE) até o ano de 2012; O acréscimo anual de demanda na RMSP (crescimento vegetativo) não foi considerado; Considerada a soma da população total de todos os setores do Sistema Cantareira; Considerada a vazão dos setores abastecidos exclusivamente pelo Sistema Cantareira. Os setores nas zonas de flexibilidades foram adotados como sendo abastecidos pelos outros sistemas produtores. Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 6 / 35

8 5.2. Obtenção da Vazão de Produção com o Rodízio Alternativas O rodízio pode ser realizado com diferentes alternativas para a periodicidade da suspensão do abastecimento. Esta periodicidade é determinante para a vazão final a ser produzida pelo Sistema Cantareira, ou seja, define se o rodízio será mais brando ou mais severo. A escolha de uma das alternativas é função do valor necessário para evitar seu colapso no ano de 2014, conforme as avaliações de probabilidade definidas pela área de Hidrologia da SABESP. A taxa de efetividade, a priori, foi estimada em 45%. A tabela 5.1 apresenta as variáveis utilizadas nas alternativas de rodízio propostas para definição da vazão a ser produzida pelo Sistema Cantareira com a implantação do rodízio. Tabela 5.1 Dados Gerais do Sistema Nome da Variável Variável Valor Descrição Produção Referencial do Sistema Cantareira Q PRS Cantareira 32,1 m 3 /s Vazão média anual produzida pelo Sistema Cantareira em Vazão Fora do Rodízio Q Fora Rac 4,1 m³/s Vazão relativa a setores que não estarão em rodízio por deficiência de distribuição ou área com grande concentração de hospitais, e inclui também os setores com deficiência de adução. Vazão Racionada no Sistema Cantareira Q Rac Cantareira 28,0 m³/s Vazão do Sistema Cantareira de rodízio já excluídos os setores fora do rodízio, ou seja: Q Rac Cantareira = Q PRS Cantareira - Q Fora Rac Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 7 / 35

9 As tabelas a seguir mostram as alternativas possíveis para o rodízio do Sistema Cantareira, partindo de um esquema de rodízio mais brando até o mais severo. Tabela 5.2 Alternativa 1 - Esquema 72 x 24 ( 3x1, sem sobreposição) 72h com água x 24h sem água Nome da Variável Variável Valor Descrição período ciclo total 96 horas Número de Blocos Nº Blocos 4 blocos Número de agrupamentos de setores (blocos) a serem colocados em rodízio. É obtido pela soma das horas do período dividido pelo tempo de ciclo, ou seja: Nº Blocos = (72 hs + 24 hs)/24hs = 4 blocos Vazão por Bloco Q bloco 7,0 m 3 /s Vazão de cada bloco de rodízio: Q bloco = Q Rac Total / Nº Blocos Redução da Vazão Teórica R 24/96 25 % Porcentagem de redução de vazão em função da periodicidade escolhida: R 24/96 = Nº de horas sem água / ciclo total Taxa de Efetividade T efetiv 45% Esta Taxa é um fator de redução da eficiência do rodízio, devido à desvios da curva comportamental de consumo dos usuários (aumento elevado nas demandas durante a recuperação do sistema efeito caixa d água ), desvios pela necessidade de operação emergencial, desvios relativos ao tempo de execução de manobras e desvios relativos à falhas de equipamentos hidráulicos, descarte de água residencial armazenada na retomada do abastecimento. Taxa de Redução Real T real 11,25% T real = R 24/96 x T efetiv Vazão Economizada Q econ 3,15 m³/s Vazão reduzida com a implantação do rodízio: Q econ = Q Rac Total x T real Produção Cantareira Racionada Q Prod R. 29,0m³/s Produção do Sistema Cantareira com a implantação do rodízio: Q Prod.R.= Q PRSCantareira Q econ. Faixa de Variação da Taxa de Efetividade T efetiv 45%-59% Variação da taxa de efetividade em função da meta da máxima produção do Sistema Cantareira, ou seja, 28m 3 /s: T efetiv1 =(Q PRSCant. 28m 3 /s)/(q Rac Total x R 24/96) Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 8 / 35

10 Tabela 5.3 Alternativa 2 - Esquema 48 x 24 (2x1, sem sobreposição) 48h com água x 24h sem água Nome da Variável Variável Valor Descrição período ciclo total 72 horas Número de Blocos Nº Blocos 3 blocos Número de agrupamentos de setores (blocos) a serem colocados em rodízio. É obtido pela soma das horas do período dividido pelo tempo de ciclo, ou seja: Nº Blocos = (48 hs + 24 hs)/24hs = 3 blocos Vazão por Bloco Q bloco 9,3 m 3 /s Vazão de cada bloco de rodízio: Q bloco = Q Rac Total / Nº Blocos Redução da Vazão Teórica R 24/72 33 % Porcentagem de redução de vazão em função da periodicidade escolhida: R 24/72 = Nº de horas sem água / ciclo total Taxa de Efetividade T efetiv 45% Esta Taxa é um fator de redução da eficiência do rodízio, devido à desvios da curva comportamental de consumo dos usuários (aumento elevado nas demandas durante a recuperação do sistema efeito caixa d água ), desvios pela necessidade de operação emergencial, desvios relativos ao tempo de execução de manobras e desvios relativos à falhas de equipamentos hidráulicos, descarte de água residencial armazenada na retomada do abastecimento. Taxa de Redução Real T real 15% T real = R 24/72 x T efetiv Vazão Economizada Q econ 4,2 m³/s Vazão reduzida com a implantação do rodízio: Q econ = Q Rac Total x T real Produção Cantareira Racionada Q Prod R. 27,9 m³/s Produção do Sistema Cantareira com a implantação do rodízio: Q Prod.R.= Q PRSCantareira Q econ. Faixa de Variação da Taxa de Efetividade T efetiv 44%-45% Variação da taxa de efetividade em função da meta da máxima produção do Sistema Cantareira, ou seja, 28m 3 /s: T efetiv1 =(Q PRSCant. 28m 3 /s)/(q Rac Total x R 24/96) Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 9 / 35

11 Tabela 5.4 Alternativa 3 - Esquema 70 x 26 (3x1, sobreposição de 2 horas) 70h com água x 26h sem água Nome da Variável Variável Valor Descrição período ciclo total 96 horas Número de Blocos Nº Blocos 4 blocos Número de agrupamentos de setores (blocos) a serem colocados em rodízio. É obtido pela soma das horas do período dividido pelo tempo de ciclo, ou seja: Nº Blocos = (46 hs + 26 hs)/24hs = 3 blocos Vazão por Bloco Q bloco 7,0 m 3 /s Vazão de cada bloco de rodízio: Q bloco = Q Rac Total / Nº Blocos Redução da Vazão Teórica R 26/72 27% Porcentagem de redução de vazão em função da periodicidade escolhida: R 26/72 = Nº de horas sem água / ciclo total Taxa de Efetividade T efetiv 45% Esta Taxa é um fator de redução da eficiência do rodízio, devido à desvios da curva comportamental de consumo dos usuários (aumento elevado nas demandas durante a recuperação do sistema efeito caixa d água ), desvios pela necessidade de operação emergencial, desvios relativos ao tempo de execução de manobras e desvios relativos à falhas de equipamentos hidráulicos, descarte de água residencial armazenada na retomada do abastecimento. Taxa de Redução Real T real 12% T real = R 26/72 x T efetiv Vazão Economizada Q econ 3,4 m³/s Vazão reduzida com a implantação do rodízio: Q econ = Q Rac Total x T real Produção Cantareira Racionada Q Prod R. 28,7m³/s Produção do Sistema Cantareira com a implantação do rodízio: Q Prod.R.= Q PRSCantareira Q econ. Faixa de Variação da Taxa de Efetividade T efetiv 45%-54% Variação da taxa de efetividade em função da meta da máxima produção do Sistema Cantareira, ou seja, 28m 3 /s: T efetiv1 =(Q PRSCant. 28m 3 /s)/(q Rac Total x R 24/96) Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 10 / 35

12 5.3. Quadro Resumo As Tabelas 5.5 e 5.6 apresentam um quadro resumo do rodízio. Tabela 5.5 Quadro Resumo do Rodízio do Cantareira Principais informações sobre o Rodízio DADOS DEMOGRÁFICOS E DEMANDAS SETORES COLOCADOS EM RODÍZIO Quant. Vazão População Setores de Abastecimento de setores (l/s) (hab) Setores em rodízio Cantareira UNIDADES DE NEGÓCIO E PERMISSIONÁRIAS Vazão População Setores de Abastecimento (l/s) (hab) Setores em rodízio da MC Setores em rodízio da MN Setores em rodízio da MO Setores em rodízio da ML Setores em rodízio Permissionárias MUNICÍPIOS OPERADOS PELA SABESP Vazão População Setores de Abastecimento (l/s) (hab) Barueri Caieiras Carapicuíba Francisco Morato Franco da Rocha Osasco São Paulo MUNICÍPIOS NÃO OPERADOS PELA SABESP Vazão Setores de Abastecimento (l/s) População (hab) Guarulhos São Caetano SETORES FORA DO RODÍZIO Quant. Vazão População Setores de Abastecimento de setores (l/s) (hab) TOTAL FORA DO RODÍZIO UNIDADES DE NEGÓCIO E PERMISSIONÁRIAS Setores de Abastecimento Vazão População (l/s) (hab) MC MN MO Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 11 / 35

13 Tabela 5.6 Quadro Resumo de Alternativas de Rodízio do Cantareira Alternativas ALTERNATIVAS PARA O RODÍZIO Observação Nº de Blocos Vazão por Bloco Produção do Cantareira Faixa de Efetividade* (m 3 /s) (m 3 /s) (%) 72x24 Sem Sobreposição 4 7,0 29, x24 Sem Sobreposição 3 9,3 27, x26 Sobreposição de 2 horas 4 7,0 28, Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 12 / 35

14 Projeção 2014 da Produção Cantareira Com e Sem Rodízio 34,0 33,0 32,0 31,0 Vazão m³/s 30,0 29,0 28,0 27,0 26,0 25,0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Sem Rodízio 31,0 33,0 32,9 31,6 30,7 33,0 33,0 33,0 33,0 32,4 32,7 33,0 72x24 27,7 29,5 29,4 28,3 27,4 29,5 29,5 29,5 29,5 29,0 29,3 29,5 48x24 26,6 28,4 28,3 27,2 26,4 28,4 28,4 28,4 28,4 27,9 28,2 28,4 70x26 27,4 29,2 29,1 28,0 27,1 29,2 29,2 29,2 29,2 28,7 29,0 29,2 * Não considera a demanda decorrente do crescimento da população (Crescimento Vegetativo) Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 13 / 35

15 6. IMPLEMENTAÇÃO DO RODÍZIO 6.1. Início do Rodízio O início do rodízio será determinado pela Alta Gerência da SABESP, em função da avaliação técnica do comportamento atual e projetado do manancial, conforme as projeções de probabilidades da área de Hidrologia da SABESP. Assim que definida a data de início do rodízio, cada bloco deverá ser vinculado ao dia correspondente, para elaboração dos cronogramas de trabalho internos e para comunicação prévia à população e preparação dos folhetos explicativos. Em princípio, o Bloco 1 será o primeiro a sofrer o corte no abastecimento de água, vindo na seqüência os blocos 2 e 3, e assim por diante. É imprescindível que haja uma semana de prazo entre o anúncio público da adoção do rodízio e o seu início propriamente dito, para que a população possa ser adequadamente informada e para que haja mobilização das equipes de manobras de campo Esquema, Blocos e Horário das Manobras do Rodízio Entre os cenários de rodízio analisados, considera-se a melhor condição operacional o regime 2x1, que atinge a média de produção do Cantareira em 28 m³/s, com a divisão dos setores envolvidos em 3 blocos. Estima-se que os cortes alternados do abastecimento resultarão em 48 h com água e 24 h sem água. As manobras de abertura e fechamento deverão ser iniciadas às 9h. Prevê-se que todas as manobras de abertura e fechamento estejam concluídas até as 12h. Esta sistemática de manobras deverá oferecer uma sobreposição média estimada de três horas entre os blocos de rodízio, considerando a logística de manobras em campo. A tabela 6.1 mostra a distribuição dos setores nos três blocos de rodízio e também por alça de abastecimento e os mapas 2,3,4 e 5, ilustra esta distribuição setorial. Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 14 / 35

16 Tabela 6.1 Setores de Abastecimento por Bloco de Rodízio BLOCO 1 BLOCO 2 BLOCO 3 Nº Setores Vazões População Nº Setores Vazões População Nº Setores Vazões População SCOA médias UN SCOA médias UN SCO A médias UN (l/s) (hab) (l/s) (hab) (l/s) (hab) 18 Carrão MC 16 Setor V. Formosa (Anália MC 15 Vila Alpina ZB MC Franco e outra derivação) 30 Sumaré MC 27 Perdizes MC 16 Vila Formosa ZB MC 33 Moóca MC 176 Derivação Mirante -Mooca MC 34 Cambuci MC 37 Vila Romana MC 41 Pinheiros MC 40 Lapa MC 170 Derivação Sacomã MC 50 Jabaquara ZA/ZB MC 52 Sacomã ZA MC 19 Jardim Popular ML 51 Ipiranga MC 138 Cursino MC 20 Derivação Arthur Alvim ML 52 Sacomã ZM (Francisco Dias) MC 17 Cangaíba ML 3 Derivação Pq. Cantareira MN 14 Penha ML 318 Derivação Penha ML 28 Casa Verde MN 172 Derivação Horto MN 7 Tucuruvi MN 32 Santana (res sobras) MN 8 Edu Chaves MN 11 Vila Maria MN 116 Jaraguá MN 10 Vila Medeiros MN 26 V. Nova Cachoeirinha MN 118 Perús MN 42 Pirituba MN 31 Mirante MN Franco da Rocha MN 132 Francisco Morato ZA MN 35 Brasilândia MN Centro Francisco Morato-Jardim MN 152 Franco da Rocha MN 38 Freguesia do Ó MN Liliane 343 Derivação Santana MN 319 Derivação Vila Brasilândia MN 45 Vila Jaguara MN 58 Mutinga MO 206 Parque Anhaguera MN 119 Caieiras MN 59 Quitaúna MO 60 Vila Iracema ZA ,4 MO 121 Francisco Morato Centro MN 101 Carapicuíba-Centro MO 61 Bela Vista MO 165 Derivação Tremembé MN Jardim Tupã (Baixo Derivação Vila Nova MO 101 Carapicuíba ZA MO MN Cotia - Tupã) Cachoeirinha 139 Carapicuíba-Cohab MO 316 Derivação Tupã MO 46 Jaguaré ZA MO 71 SBC - Vila Gerty Perm. 102 Transferência ETA Baixo Cotia MO Jaguaré ZB MO (1) 98 Gopoúva 1/ Perm 128 Barueri-Tamboré MO 60 Vila Iracema ZB MO 73 Oswaldo Cruz Perm 146 Carapicuiba Vila Dirce MO 98 Gopoúva 2/ Perm 72 Santa Maria Perm 98 Gopoúva 3/ Perm TOTAL BLOCO TOTAL BLOCO TOTAL BLOCO Obs: - Os dados em vermelho referem-se aos setores com contribuição de vazão de outros sistemas e não foram considerados no calculo de vazão Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 15 / 35

17 Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 16 / 35

18 Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 17 / 35

19 Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 18 / 35

20 Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 19 / 35

21 Execução e Controle das Manobras do Rodízio As manobras serão executadas através de telecomandos do CCO, operações das equipes volantes vinculadas ao CCO e operações das áreas de manobras das Unidades de Negócio da M envolvidas. As manobras executadas, ocorrências operacionais e problemas de qualidade de água relevantes devem ser comunicadas imediatamente entre os principais agentes do processo: Divisão de Operação de Água das UNs, CODs, CCO e Central de Atendimento Telefônico - 195, além das áreas operacionais dos municípios de Guarulhos e São Caetano do Sul para posicionamento da situação e tomada ágil de decisão e, principalmente, informar bem o cliente no atendimento telefônico. Estas áreas têm funcionamento 24 h. O check list final da execução das manobras será feito pelo CCO. O fluxo apresentado a seguir, ilustra a interação entre as áreas operacionais para a execução e controle das manobras requeridas para a abertura e fechamento dos blocos de rodízio. Especial atenção deve ser dada às situações imprevistas, tais como incêndios, enchentes, arrebentamentos, ou outra situação emergencial que exija a restauração ou o corte do consumo em determinada área, bem como interação com o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil. As ocorrências emergenciais deverão, além das providências imediatas, ser registradas e enviadas a todas as áreas afins. A emissão deverá ser feita pela unidade sob sua responsabilidade. Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 20 / 35

22 Fluxo de Informações de Ocorrências Operacionais Horário Comercial CODs (MCEA/MNEA/ MLEA/MOEG) Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 21 / 35

23 Fluxo de Informações de Ocorrências Operacionais Fora do Horário Comercial CODs (MCEA/MNEA/M LEA/MOEG) Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 22 / 35

24 6.3. Responsabilidades O quadro a seguir apresenta os responsáveis pela coordenação do rodízio, em função das áreas de competência da SABESP (Coordenação Geral, coordenação na M e coordenações nas UNs). Tabela 6.2 Responsabilidades pela Coordenação do Rodízio Nível de Área Responsabilidade Responsável Telefone (11) Coordenação geral MAG Silvana Corsaro (11) ) Coordenação M MP Marcello X. Veiga (11) MCE Elide Patella 11) (11) MOE Rubens Alexandre Rodrigues (11) (11) Coordenação nas UNs MSE Agostinho de Jesus 11) (11) MNE Mario Alba Braghirohi (11) (11) MLE Nivaldo Rodrigues da Costa Jr (11) (11) Acompanhamento e Avaliação Áreas Envolvidas Haverá um grupo composto por representantes de cada área envolvida, com responsabilidades e prazos definidos para gerar e divulgar as informações requeridas para os acompanhamentos diário e mensal. As responsabilidades ficam assim definidas: MA: Informações sobre a situação dos mananciais, ETA Guaraú e Sistema Adutor Metropolitano, elaboração de boletim consolidado diário, avaliações semanais e mensais de eficiência e atendimento aos objetivos do rodízio; PC: Informações à imprensa, preparação de folhetos informativos e campanhas de racionalização de consumo de água; MP: Informações operacionais consolidadas, informações sistêmicas (SIGAO, CSI), dados do atendimento telefônico (195), preparação do relatório-síntese consolidado diário e elaboração dos estudos de avaliação mensal nos setores afetados; UNs: Informações relativas ao abastecimento, à qualidade da água e às emergências nas respectivas áreas de atuação, bem como avaliação semanal e mensal do andamento do rodízio em sua área de atuação; Municípios não-operados: Informações relativas ao abastecimento, à qualidade da água e às emergências nas respectivas áreas de atuação (Guarulhos e São Caetano do Sul). Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 23 / 35

25 Avaliações Previstas As avaliações do andamento do Rodízio do Sistema Cantareira serão feitas através do acompanhamento e análise de informações sistematizadas e atualizadas, de forma a subsidiar alterações de rumo e agregar base de dados sobre essa operação contingencial. As figuras a seguir ilustram os fluxos de informações diário e mensal. As avaliações dos resultados do rodízio serão feitas nos seguintes prazos: Diário: as ocorrências operacionais (problemas de manobras, dificuldades de recuperação, arrebentamentos de grandes proporções, falta de energia elétrica), problemas de qualidade de água, movimento no 195 (tempo de espera, tempo de atendimento, etc) ocorridas ao longo do dia devem ser registrados e passados ao MPI/MAG para consolidação em relatóriosíntese diário (até 9h), a ser encaminhado às gerências imediatas, às superintendências e à Alta Gerência. Semanal: além das avaliações cotidianas, o grupo de acompanhamento realizará reuniões semanais (às segundas-feiras) para avaliação geral do andamento do rodízio, com as conclusões registradas em ata e disponibilizadas à Alta Gerência. Após a execução de cada um dos primeiros cinco ciclos de blocos de rodízio, o MAG deverá emitir relatório de avaliação de eficiência do rodízio. As questões relativas a dificuldades operacionais ou de normalização do abastecimento deverão ser discutidas na esfera gerencial das unidades executoras da MA, MP e UNs. Mensal: avaliações sistêmicas relativas aos resultados do rodízio (macromedição, micromedição, faturamento, perdas e reclamações de falta d água, vazamentos e água suja) deverão ser preparadas pela MP e MA, em consonância com os resultados finais na Produção da ETA Guaraú e comportamento do manancial. Os resultados mais amplos do rodízio (indicadores, efetividade, manancial, etc) serão discutidos mensalmente pelo grupo de acompanhamento, que passará as informações à Alta Gerência. As informações deverão ser disponibilizadas, diariamente, na primeira hora da manhã no MPI. Este departamento e o MAG prepararão um relatório-síntese consolidado e informarão diariamente as gerências da SABESP (até as 9h). Nos finais de semana e feriados os plantonistas (UNs, CODs, CCO e 195) serão os responsáveis pelas informações e relatórios. Tais relatórios deverão ser passados a um plantonista do MPI e ao plantonista da engenharia do MAG (não presencial, via Internet), para acompanhamento. Relatório MAGG 005/14 Racionamento do Sistema Cantareira 2014 Janeiro/2014 Página : 24 / 35

Sistemas produtores capacidades

Sistemas produtores capacidades Sistemas produtores capacidades CAPACIDADES DE PRODUÇÃO ATUAIS SISTEMA INTEGRADO SISTEMA PRODUTOR Nominal Máxima (m³/s) (m³/s) Cantareira 33,0 35,0 Guarapiranga 14,0 15,0 Alto Tietê 10,0 12,0 Rio Claro

Leia mais

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água 2.6. Sistemas de Abastecimento de Água A RMSP está localizada na porção sudeste do estado de São Paulo e abrange 39 municípios. Destes, 33 são operados pela SABESP e 6 têm Administração Municipal. Do total

Leia mais

Uso de Serviços Públicos de Saúde

Uso de Serviços Públicos de Saúde Uso de Serviços Públicos de Saúde Metodologia Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. OBJETIVO GERAL Levantar junto à população da área em estudo

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

Sistemas de Abastecimento de Água

Sistemas de Abastecimento de Água Sistemas de Abastecimento de Água Palestrante: Silvana C.C.S. de Franco 09 de Fevereiro de 2011 Contexto Brasil e Estado de São Paulo 248.809 km 2 40,4 milhões de habitantes 645 municípios Macrometrópole:

Leia mais

ÁGUA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Airoldi Edison

ÁGUA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Airoldi Edison ÁGUA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Airoldi Edison Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Rua Costa Carvalho, 300 - Pinheiros - São Paulo - SP - CEP 05415-001 RESUMO O

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise O forte período de estiagem que assola a região é o tema desta edição especial do

Leia mais

AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA

AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA CENÁRIO GLOBAL A empresa do novo milênio está comprometida com a preservação dos recursos naturais respeitando sua capacidade de renovação. Tem como meta utilizar recursos

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA

INSTITUTO DE ENGENHARIA INSTITUTO DE ENGENHARIA DISCUSSÕES INTERNAS SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL E FUTURA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA MACROMETRÓPOLE PAULISTA. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES. AGOSTO 2014 RECURSOS HIDRICOS PARA A MACROMETROPOLE

Leia mais

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp O papel da SABESP no ciclo de vida da água Redução do volume produzido. Preservação e despoluição dos mananciais. Água de reúso Controle de Perdas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 037/COGUN/SEAE/MF Brasília, 05

Leia mais

Município: VARGEM COORD. UTM (km) Prazo USO RECURSO HÍDRICO N E MC (anos) Barramento Rio Jaguari 7.465,00 354,00 45º 10

Município: VARGEM COORD. UTM (km) Prazo USO RECURSO HÍDRICO N E MC (anos) Barramento Rio Jaguari 7.465,00 354,00 45º 10 PORTARIA DAEE N o 1213, DE 06 DE AGOSTO DE 2004 O SUPERINTENDENTE DO, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no artigo 11, incisos I e XVI do Decreto Estadual n o 52.636 de 03/02/71, e à vista

Leia mais

ZARA S EXPRESS TABELA DE PONTOS - SERVIÇOS AVULSOS MOTO FRETE FONE: 11 2606-9330 / NEXTEL: 11 94759-1121 /94707-8867 RÁDIO: 35*22*75829 / 35*1*28443

ZARA S EXPRESS TABELA DE PONTOS - SERVIÇOS AVULSOS MOTO FRETE FONE: 11 2606-9330 / NEXTEL: 11 94759-1121 /94707-8867 RÁDIO: 35*22*75829 / 35*1*28443 ZARA S EXPRESS TABELA DE PONTOS - SERVIÇOS AVULSOS MOTO FRETE FONE: 11 2606-9330 / NEXTEL: 11 94759-1121 /94707-8867 RÁDIO: 35*22*75829 / 35*1*28443 LOCALIDADES/REGIÃO SERVIÇO MÍNIMO LOCALIDADE CENTRO

Leia mais

SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML

SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML Sabesp a Partir de 1995 Reestruturação dos processos críticos para reduzir: Satisfação do cliente e qualidade de vida Aumento da qualidade dos serviços Custo Tempo

Leia mais

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Câmara dos Deputados 14 de Julho de 2015 Comissão Especial da Crise Hídrica O porque do colapso dos sistemas A Pergunta é: Precisávamos

Leia mais

Seminário Nacional AESBE 30 anos

Seminário Nacional AESBE 30 anos Experiências de Sucesso nas Empresas Estaduais de Saneamento TELEMETRIA 26/08/2015 Silvana Corsaro Candido da Silva de Franco, Gerente do Departamento de Planejamento, Gestão e Operação da Produção Seminário

Leia mais

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014 Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Contexto da renovação da outorga em 2004 ATORES REGIONAIS 1. Comitê PCJ 2. Consórcio PCJ 3. Conselho

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas Porto Alegre/RS 13 e 14 de julho de 2015 REDUÇÃO DE PERDAS SOB A PERSPECTIVA FINANCEIRA 01) Garantir

Leia mais

PLANO DE INVESTIMENTO

PLANO DE INVESTIMENTO SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo PLANO DE INVESTIMENTO PARA O MUNICÍPIO DE RIO GRANDE DA SERRA RELATÓRIO TÉCNICO ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA ESGOTAMENTO SANITÁRIO Maio / 2011

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP Sérgio Braga* Engenheiro Civil e Sanitarista Diretor do Departamento de Obras Cícero Felipe

Leia mais

Distribuição de Capital Social

Distribuição de Capital Social Sabesp - Unidade de Negócio Sul MS Agosto/2014 Distribuição de Capital Social Primeira empresa de saneamento e a única companhia listada na NYSE (Bolsa de Valores de Nova Iorque) a participar do Novo Mercado

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Categoria IGS - Inovação da Gestão em Saneamento Monitoramento à Distância de Pontos Críticos de Abastecimento de Água e de VRP s com a utilização da estrutura

Leia mais

Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP. Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp

Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP. Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp Região Metropolitana de São Paulo São Paulo 39 municípios - 20,1

Leia mais

Os trabalhadores diante da crise da a gua

Os trabalhadores diante da crise da a gua Os trabalhadores diante da crise da a gua Jorge Hori 1 O que os trabalhadores e os Sindicatos podem ou devem fazer diante da falta d'água? Em primeiro lugar é preciso entender a crise e seus diversos aspectos.

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

Roberto Abranches Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo

Roberto Abranches Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Programa de Reabilitação de Redes - MC Roberto Abranches Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Retrospectiva 2007 Veja Lula, como nunca antes na história deste país... Camilo Riani Edição

Leia mais

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Gestão de Recursos Hídricos REPLAN 14/12/09 Mesa Redonda Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Alternativas para a redução do consumo de água Alternativas para a redução do

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Complexo da Penitenciária Feminina de Santana

Gestão de Recursos Hídricos no Complexo da Penitenciária Feminina de Santana Gestão de Recursos Hídricos no Complexo da Penitenciária Feminina de Santana Autor Edson Geraldo Vitorino de Souza SABESP Superintendência de Gestão de Empreendimentos da Metropolitana Disponibilidade

Leia mais

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO PARAÍBA DO SUL ADENSAMENTO POPULACIONAL DA RMC COMITÊ DE

Leia mais

CON O TR T AT A O T : O C : SS 2 SS.2.

CON O TR T AT A O T : O C : SS 2 SS.2. : CONTRATO: CSS 2.213/03 Prestação de Serviços Técnicos Especializados de Engenharia para o desenvolvimento do Programa de Redução das Perdas Globais e Avaliação da Sua Eficiência e Viabilidade Econômica

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ BOLETIM DE MONITORAMENTO DOS RESERVATÓRIOS DO SISTEMA CANTAREIRA ANO 2012 BOLETIM DE MONITORAMENTO

Leia mais

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOSH NA RMSP - SABESP MAIO DE 2010 Gestão de Recursos Hídricos PANORAMA GLOBAL Aumento da população mundial: 1950 2,52 bilhões

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2014

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2014 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2014 Os contratos novos de aluguéis de casas e de apartamentos na capital paulista subiram em média 0,6% em novembro relativamente

Leia mais

Projeção de Demanda Sistema Cantareira. Diretoria Metropolitana - M Rua Nicolau Gagliardi, 313 Pinheiros São Paulo / SP

Projeção de Demanda Sistema Cantareira. Diretoria Metropolitana - M Rua Nicolau Gagliardi, 313 Pinheiros São Paulo / SP Projeção de Demanda Sistema Cantareira Diretoria Metropolitana - M Objetivo Este Relatório apresenta a proposta de vazões de transferência através do Túnel 5 do Sistema Cantareira - ponto de controle entre

Leia mais

DEPARTAMENTO DE AGUAS E ENERGIA ELETRICA 1 Rua Boa Vista, n. 170-110 andar - TeL 3293-8200 - CEP 01014-000 - São Paulo - SP

DEPARTAMENTO DE AGUAS E ENERGIA ELETRICA 1 Rua Boa Vista, n. 170-110 andar - TeL 3293-8200 - CEP 01014-000 - São Paulo - SP SECRETARIA DE ESTADO DE SANEAMENTO E RECURSOS HiDRICOS 1 Rua Boa Vista, n. 170-110 andar - TeL 3293-8200 - CEP 01014-000 - São Paulo - SP OficioISUPI0823I201 5 (Autos DAEE n. 51411, prov. 10) São Paulo,

Leia mais

ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Buenos Aires - 05/06/14

ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Buenos Aires - 05/06/14 ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Buenos Aires - 05/06/14 1 SISTEMA CANTAREIRA: LOCALIZAÇÃO 2 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Disponibilidade Hídrica = Regiões Áridas 7.900 km² (quase coincidente com a Bacia

Leia mais

Cenário atual da disponibilidade hídrica na RMSP e contribuições para inovação e uso racional da água.

Cenário atual da disponibilidade hídrica na RMSP e contribuições para inovação e uso racional da água. 28 de maio de 2014 Cenário atual da disponibilidade hídrica na RMSP e contribuições para inovação e uso racional da água. Edson Geraldo V. Souza - SABESP AGENDA SABESP ÁGUA NO PLANETA ADMINISTRAÇÃO DA

Leia mais

Relatório de Descrição da Prática de Gestão

Relatório de Descrição da Prática de Gestão Relatório de Descrição da Prática de Gestão 2 0 1 2 OC Superintendência Qualidade Polo Comunicação Depto Admin. e Financ. Depto Engenharia de Operação Depto Planej. Integ. e Rel. Com. UGR A UGR B UGR C

Leia mais

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Abril DE 2014 EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Em 2013, cresceu o número de diaristas e diminuiu o de mensalistas com e sem carteira de trabalho. Elevou-se o rendimento médio

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP. Crise Hídrica-Realidade e Reflexos. Setor Industrial. Priscila Rocha Especialista Ambiental- Fiesp

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP. Crise Hídrica-Realidade e Reflexos. Setor Industrial. Priscila Rocha Especialista Ambiental- Fiesp Crise Hídrica-Realidade e Reflexos Setor Industrial Priscila Rocha Especialista Ambiental- Fiesp O PROBLEMA NA RMSP DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP População RMSP : 20 milhões (50%) População

Leia mais

Relatório de notificações. Número 1 novembro de 2015

Relatório de notificações. Número 1 novembro de 2015 Sumário 3 Introdução 4 Capítulo 1 Notificações de falta de água no território nacional 5 Capítulo 2 Notificações de falta de água no Estado de São Paulo 12 Capítulo 3 Quem deve tomar conhecimento e adotar

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA

I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA Alex Orellana (1) Engenheiro de Produção Mecânica pelo Centro Universitário Nove de Julho. Pós-graduado

Leia mais

WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Nilzo Renê Fumes 1 ; Carlos Toshio Wada 2 Resumo - O desenvolvimento do visualizador do Sistema de Suporte a Decisões da Sabesp

Leia mais

Diretoria Metropolitana

Diretoria Metropolitana Diretoria Metropolitana Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp Diretoria Metropolitana Unidade de Negócio Sul MS Modelo de Contrato de Performance para Redução de Perdas Reais e

Leia mais

Plano de Investimento

Plano de Investimento SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Plano de Investimento Município de Diadema Relatório Técnico Abastecimento Público de Água e Esgotamento Sanitário Setembro / 2013 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013 Audiência Pública Piedade 20 de Junho de 2013 Objetivo do Encontro Audiência Pública sobre o Convênio com o Governo do Estado, Contrato de Programa com a Sabesp e Plano Municipal de Saneamento do município

Leia mais

EFEITOS DE ÓLEOS E GRAXAS PARA A TRATABILIDADE DE ESGOTOS E POLUIÇÃO DIFUSA

EFEITOS DE ÓLEOS E GRAXAS PARA A TRATABILIDADE DE ESGOTOS E POLUIÇÃO DIFUSA Diretoria Metropolitana - M Unidade de Negócio de Tratamento de Esgotos da Metropolitana - MT EFEITOS DE ÓLEOS E GRAXAS PARA A TRATABILIDADE DE ESGOTOS E POLUIÇÃO DIFUSA Óleos e Graxas Os óleos e graxas

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2013

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2013 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2013 As pessoas que procuraram moradias para alugar em agosto de 2013 encontraram locações com valores mais altos em relação

Leia mais

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Antônio Simões Teixeira Filho (1) Engenheiro Civil / Sanitarista pela Pontifícia Universidade

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. Conheça a Bacia do Alto Tietê Sistema de abastecimento de água

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. Conheça a Bacia do Alto Tietê Sistema de abastecimento de água Conheça a Bacia do Alto Tietê Sistema de abastecimento de água São Paulo, 2014 Sumário 1. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA... 3 1.1. Caracterização... 3 1.2. Sistema Integrado Metropolitano... 8 a) Sistema

Leia mais

DIA 04/05/2015 (SEGUNDA-FEIRA)

DIA 04/05/2015 (SEGUNDA-FEIRA) ROTEIRO DE ELEIÇÃO DE DELEGADOS SINDICAIS 2015/2016 DIA 04/05/2015 (SEGUNDA-FEIRA) 8h30 13h30 14h30 08h30 9h40 CDD PAULISTA CDD JARDIM AMÉRICA CDD ESTÁDIO AC CONSOLAÇÃO AC FREI CANECA AC PRAÇA DO CARMO

Leia mais

UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT. Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso

UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT. Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso José Luiz Salvadori Lorenzi Superintendente Abril/2008 PAUTA SABESP SOLUÇÕES AMBIENTAIS ÁGUA DE

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS"

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de de Água ABINEE TEC - Minas Gerais 2006 PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS" COPASA DIRETORIA METROPOLITANA AGOSTO / 2006

Leia mais

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL.

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA Nome dos Autores: Luiz Eduardo Mendes Divisão de Manutenção e Operação Cargo: Engenheiro Civil - Formação:

Leia mais

PESQUISA O USO E O CONSUMO DA ÁGUA NO ESTADO DE SÃO PAULO. www.cpdec.com.br

PESQUISA O USO E O CONSUMO DA ÁGUA NO ESTADO DE SÃO PAULO. www.cpdec.com.br PESQUISA O USO E O CONSUMO DA ÁGUA NO ESTADO DE SÃO PAULO Introdução A pesquisa O Uso e o Consumo da Água no Estado de São Paulo foi desenvolvida pelo, em parceria com o NEIT (Núcleo de Economia Industrial

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana Março / 2012 Mobilidade é o deslocamento de pessoas e bens nas cidades. É sustentável quando: Valoriza o deslocamento do pedestre. Proporciona mobilidade às

Leia mais

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Guilherme Resende Tavares (1) Graduado em Engenharia Ambiental pela Universidade Fumec. Antes de ingressar

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

CHAMADO À AÇÃO SOBRE A CRISE HÍDRICA:

CHAMADO À AÇÃO SOBRE A CRISE HÍDRICA: CHAMADO À AÇÃO SOBRE A CRISE HÍDRICA: POR UM PLANO DE EMERGÊNCIA PARA O ESTADO DE SP São Paulo, Fevereiro de 2015 ALIANÇA PELA ÁGUA A Aliança pela Água, rede formada por mais de 40 entidades da sociedade

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA TELEMETRIA NO SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO DA SABESP PARA MONITORAMENTO HIDROLÓGICO E OPERAÇÃO DOS MANANCIAIS DA RMSP

INTEGRAÇÃO DA TELEMETRIA NO SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO DA SABESP PARA MONITORAMENTO HIDROLÓGICO E OPERAÇÃO DOS MANANCIAIS DA RMSP INTEGRAÇÃO DA TELEMETRIA NO SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO DA SABESP PARA MONITORAMENTO HIDROLÓGICO E OPERAÇÃO DOS MANANCIAIS DA RMSP Nilzo Renê Fumes 1 *, Carlos Toshio Wada 2 Resumo O abastecimento público

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

O Plano para a Macrometrópole e a renovação da outorga do Sistema Cantareira

O Plano para a Macrometrópole e a renovação da outorga do Sistema Cantareira Departamento de Infraestrutura Diretoria de Saneamento Básico O Plano para a Macrometrópole e a renovação da outorga do Sistema Cantareira Hiroaki Makibara Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

Neam Sul - Núcleo de Educação Ambiental Sul

Neam Sul - Núcleo de Educação Ambiental Sul Seminário Socioambiental Água Fonte de Vida PURA Programa de Uso Racional da Água Unidade de Negócio Sul Sabesp Neam Sul - Núcleo de Educação Ambiental Sul Panorama Mundial - Escassez A SOBREVIVÊNCIA DA

Leia mais

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO OBJETIVOS PRINCIPAIS DA CONCESSÃO Redução das tarifas pagas pela INFRAERO e pelos concessionários;

Leia mais

Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento

Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento M. A. Braghiroli a, M. B. dos Santos b, D. Brega Filho c a. Sabesp, São Paulo,

Leia mais

I-026 - DATA LOGGER DE RUÍDO, UMA NOVA TECNOLOGIA NO PROCESSO DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS NÃO VISÍVEIS

I-026 - DATA LOGGER DE RUÍDO, UMA NOVA TECNOLOGIA NO PROCESSO DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS NÃO VISÍVEIS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina I-026 - DATA LOGGER DE RUÍDO, UMA NOVA TECNOLOGIA NO PROCESSO DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS

Leia mais

Fábio Marques dos Passos Analista de Gestão SABESP Brasil

Fábio Marques dos Passos Analista de Gestão SABESP Brasil Fábio Marques dos Passos Analista de Gestão SABESP Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL A Sabesp STATUS: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: L EMPREGADOS: 15.095 Fundada

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água Trabalho Definitivo Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados Tema: Abastecimento de Água Autores: Cristina Helena Fukuda, Emy Kikuchi, Cristiane Costrov da Silva, Ivanir Joaquim

Leia mais

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC CI-206 Adm. de TI & IT Prof. Antonio URBAN Referência: Plano de Contingência para Recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação Palavras-chave: Tecnologia de Informação, Tecnologia de Comunicação,

Leia mais

A DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

A DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO A DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO CAMILA CRISTINA PACHECO LOMBA (Mestranda em Geog. Humana - USP/Bolsista ANPUR/IPEA) camilageografia@yahoo.com.br RESUMO A Região Metropolitana

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE PLANO DE SEGURANÇA HÍDRICA DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE PLANO DE SEGURANÇA HÍDRICA DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE PLANO DE SEGURANÇA HÍDRICA DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS Autor 1 1 ;Marco Antonio dos Santos Co -Autor 2 Paulo Roberto S. Tinel Co-Autor 3 Lina Cabral Adani RESUMO

Leia mais

Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética ÍNDICE Visão Geral das Perdas na SABESP Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética Benefícios do Programa Visão Geral das

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Bacia Hidrográfica do Piracicaba, Capivari e Jundiaí Plano de Segurança da Água na SANASA Um Breve Histórico A SANASA sempre se preocupou

Leia mais

Relatório de Descrição da Prática de Gestão

Relatório de Descrição da Prática de Gestão Relatório de Descrição da Prática de Gestão 2 0 1 3 OC Superintendência Qualidade Polo Comunicação Depto Admin. e Financ. Depto Engenharia de Operação Depto Planej. Integ. e Rel. Com. UGR A UGR B UGR C

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra desafios e oportunidades

Leia mais

Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento

Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento As projeções populacionais até 2030 para os distritos da capital, realizadas pela Fundação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. 05 a 07 de Dezembro de 2013 Salvador- BA REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. Sérgio Ricardo dos Santos Silva (1) Engenheiro Civil,

Leia mais

AV. PAULISTA, 688 SÃO PAULO / SP CEP: 01310-909 TEL. (11) 3549-5500

AV. PAULISTA, 688 SÃO PAULO / SP CEP: 01310-909 TEL. (11) 3549-5500 ZONA SECCIONAL FISCAL Nº DISTRITO DISTRITOS Oeste Oeste Seccional Lapa Rua: Pio XI, 999 Alto da Lapa CEP: 05060-000 Tel.(11) 3834-0530 lapa@crosp.org.br Seccional Lapa Rua: Pio XI, 999 Alto da Lapa CEP:

Leia mais

VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário.

VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário. MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Sistema de Controle e Gerenciamento de intervenções em Rede de Distribuição De Água Gestão das Reclamações de Falta de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais