SABRINA OLIVEIRA DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SABRINA OLIVEIRA DA SILVA"

Transcrição

1 SABRINA OLIVEIRA DA SILVA A LOGÍSTICA DE IMPORTAÇÃO NO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CARGAS CONSOLIDADAS DA CHINA PARA SANTA CATARINA ATRAVÉS DO PORTO DE ITAJAÍ E NAVEGANTES Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí (SC) 2008

2 SABRINA OLIVEIRA DA SILVA A LOGÍSTICA DE IMPORTAÇÃO NO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CARGAS CONSOLIDADAS DA CHINA PARA SANTA CATARINA ATRAVÉS DO PORTO DE ITAJAÍ E NAVEGANTES Trabalho de conclusão de curso apresentado para estágio supervisionado do curso de Administração do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior, orientado pelo Prof. Leodir Senger. Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí (SC) 2008

3 A LOGÍSTICA DE IMPORTAÇÃO NO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CARGAS CONSOLIDADAS DA CHINA PARA SANTA CATARINA ATRAVÉS DO PORTO DE ITAJAÍ E NAVEGANTES Este trabalho de conclusão de curso foi julgado aprovado para a obtenção do grau de Bacharel em Administração do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior IFES Itajaí, 06 de novembro de Prof. Wilson Reginatto Jr. Coordenador de estágios Banca Examinadora Prof. Leodir Senger Orientador Prof. Rodrigo Rodrigues Rossi Avaliador Prof. Otávio G. C. do Espírito Santo Avaliador

4 EQUIPE TÉCNICA Estagiária Sabrina Oliveira da Silva Coordenador de estágio Professor Wilson Reginatto Junior Orientador de conteúdo Professor Leodir Senger Orientador de Metodologia Professor Marcelo Soares Supervisora de Campo Patrícia Kirschnik

5 Dedico este trabalho primeiramente a minha mãe Edneuza, pelo amor, dedicação, apoio e compreensão, em todos os momentos desta e de outras caminhadas. Em especial, ao meu grande incentivador Rafael, pelos momentos de motivação, paciência, amizade e muito amor. Com a graça de Deus, vencemos mais esta de muitas batalhas que ainda virão! A vocês dois, pessoas tão fundamentais na minha vida, muito obrigada.

6 Finda esta jornada, agradeço a Deus cuja luz e fortaleza guiou-me na busca do saber. Aos meus pais mestres das primeiras lições e meu irmão pelo amor, apoio e compreensão, por representarem meu esteio, meu passado e meu futuro e por terem contribuído no processo de minha formação. Ao meu eterno amor Rafael, pela incansável tarefa de motivar e incentivar nos momentos mais difíceis e pela vibração de cada etapa alcançada. Também agradeço ao meu mestre Leodir Senger, que oportunizou-me conhecer o quão divino é o dom de ensinar, e o quão compensador é aprender... Estendo a minha imensa gratidão a todos os colegas da empresa Schenker, onde recebi o apoio fundamental para execução deste trabalho, palavras de estímulo e votos de confiança. Lembro enfim, de todas as pessoas que participaram de alguma forma deste trabalho, ressaltando que, sobretudo, foram colaboradores imprescindíveis do meu aprimoramento como ser humano. A todos, agradeço de coração.

7 RESUMO O trabalho disserta sobre logística de importação no transporte internacional de cargas consolidadas. Seu objetivo maior é apresentar a cadeia logística que a empresa Schenker utiliza na importação de cargas oriundas da República Popular da China para o Brasil, especificamente para o estado de Santa Catarina. A logística é hoje o eixo fundamental nas operações de transporte de mercadorias, sendo desta forma inviável sua realização sem a eficácia das empresas prestadoras deste serviço. A pesquisa relata as vantagens do embarque de cargas consolidadas e propõe estratégias a fim de tornar a organização estudada mais competitiva no mercado. A metodologia utilizada quanto ao tipo de pesquisa foi à qualitativa, para a viabilização da mesma, a bibliográfica e observação diária e constante dos processos realizados durante o período de estágio. Quanto aos fins, a pesquisa ocorreu de forma descritiva explicativa. PALAVRAS-CHAVE: logística internacional; carga consolidada; importação.

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Histórico da Empresa Questão Problema Justificativa do Problema Quanto à importância Quanto à oportunidade Quanto à viabilidade OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Comércio Internacional A Logística e a sua importância Competência Logística Missão da Logística Logística Empresarial e o Transporte Modalidades de Transporte Transporte Aéreo Transporte Ferroviário Transporte Rodoviário Transporte Hidroviário Transporte Marítimo Contêineres Transporte Dutoviário Infra-Estrutura Portuária Unitização/Consolidação de Carga Contratação de Frete Internacional Compra e Venda no Comércio Exterior 41

9 3.7 O processo de Importação As Importações Brasileiras Pesquisa de Mercado Internacional para Importação República Popular da China O Relacionamento entre o Brasil e a República Popular da China METODOLOGIA Caracterização da Pesquisa Quanto a sua natureza Quanto aos objetivos Quando aos procedimentos Campo de Observação Instrumentos de Coletas de Dados Etapas de Investigação RESULTADOS O Serviço de Consolidação Schenker na Importação O Procedimento Logístico no decorrer do Embarque Consolidado Embarques consolidados e suas vantagens Embarques consolidados para Itajaí Problemas encontrados e estratégia logística CONCLUSÃO REFERÊNCIAS 68 ANEXOS 71

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Comparativo entre as modalidades de transporte 34 Tabela 2 - Balança Comercial Brasileira 50

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Organograma Schenker Brasil 13 Figura 2 - Organograma Schenker Filial de Itajaí 14 Figura 3 - Distribuição da modalidade de transporte no Brasil 35 Figura 4 - Principais portos brasileiros 36 Figura 5 - Porto de Itajaí 37 Figura 6 - Porto de Navegantes 38 Figura 7 - Incoterms: Transferência responsabilidade do vendedor ao comprador 43 Figura 8 - Mapa da China 48 Figura 9 - Frota de caminhões própria 58 Figura 10 - Armazém da Schenker em Xangai 58 Figura 11 - Consolidação de cargas 60 Figura 12 - Percentual de Importações Schenker China x Itajaí 62

12 11 1. INTRODUÇÃO O comércio exterior, na maioria dos países, é realizado por uma pequena parte das empresas, em geral são aquelas que se enquadram na categoria de grandes empresas. Isso porque a complexidade dos negócios internacionais requer uma organização mais sofisticada, estruturada e estratégica, capaz de arcar com os gastos e investimentos bem mais elevados, que aqueles costumeiros do comércio doméstico. Um componente importante na diferença entre comércio internacional e o comércio interno é a dimensão que se apresenta naquele do âmbito externo. Esse ramo de atividade cria a necessidade de se fazer um estudo investigatório dos mercados para determinar seus comportamentos, o que deve ser realizado anteriormente à decisão de inserir-se nesse tipo negócio, se realmente a empresa pretende atuar com um bom grau de eficiência nas transações internacionais. No contexto da América Latina, o Brasil foi um dos poucos países, nos últimos quatro anos, que realmente deslanchou na área de exportação; porém, muito aquém de suas reais possibilidades. Seguindo o mesmo horizonte, o grande avanço da modernização do comércio exterior brasileiro, especificamente na atividade importadora que se esboçou na Era Collor, o Brasil hoje está inserido no contexto dos países que também importam em grande quantidade produtos oriundos da Ásia, particularmente da República Popular da China. Porém, poucas áreas de atividade sofreram alterações tão profundas em curto espaço de tempo quando a atividade logística e de comércio exterior. A República da China, por exemplo, se tornou na atualidade um dos principais exportadores de produtos populares e eletro-eletrônicos para o Brasil, esses produtos são umas das grandes oportunidades de inserir-se no mercado de consumo. Entender e investigar a importância de tornar mais competitivo o serviço de transporte internacional da China através da logística da Schenker, para o estado de Santa Catarina e identificar quais os atuais procedimentos adotados pela empresa, relacionados às importações, são algumas das pretensões deste trabalho, tendo em

13 12 vista o grande volume de carga para o estado e principalmente para as cidades portuárias de Itajaí e Navegantes, que serão a localização chave desta análise. Os clientes esperam serviços de qualidade total, mas principalmente no que diz respeito a alternativas para redução de custos, por isso a relevante importância deste trabalho de pesquisa, ele irá expor determinadas opções para que a empresa possa competir com seus maiores concorrentes e ser um top de mercado na região, como vem fazendo nas diversas localidades que opera na seara mundial. O levantamento das informações pertinentes à importação de cargas através da consolidação inicia-se a partir da execução deste trabalho, descrevendo as principais noções sobre o comércio exterior internacional e sua logística. Objetiva-se também, com todos os conhecimentos pertinentes à importação marítima, fortalecer os conhecimentos dos acadêmicos, no que tange aos principais conceitos necessários para as práticas do comércio exterior. 1.1 Histórico da Empresa A Schenker Logistics foi fundada em 1872 em Viena, na Áustria pelo Sr. Gottfried Schenker, e até os dias atuais mantém o nome do seu fundador. Desde a sua fundação a Schenker se destaca no cenário de logística como sendo uma empresa pioneira no seu segmento. Durante muitos anos a Schenker se modificou e se desenvolveu internacionalmente, criando um conglomerado de empresas com o objetivo de ser o provedor logístico internacional com capacidade para oferecer toda a gama de soluções para seus clientes. Em 1973 a Schenker iniciou suas atividades no Brasil, conhecida hoje como Schenker do Brasil Transportes Internacionais, para atender a demanda de serviços de logística internacional no país. A posição de destaque alcançada pela Schenker Brasil ao longo dos anos, deve-se ao fato de que a empresa sabe reconhecer os requisitos de cada tipo de transporte exigido pelos seus clientes, e baseado nesta individualidade estabelece procedimentos específicos para atender tais exigências.

14 13 Seguindo o posicionamento de qualidade do grupo DB Deutsche Bahn (nome da ferrovia alemã qual a empresa é proprietária) no mundo, a filial da DB Schenker do Brasil foi uma das primeiras empresas do segmento a obter a certificação ISO 9002 (International Standards Organization - Organização internacional de normas) no ano de 1996 e foi pioneira na obtenção do certificado na versão ISO 9001:2000, garantindo a qualidade e eficiência dos serviços prestados globalmente. A Schenker é um dos lideres de mercado como provedor de serviços de logística, e oferece suporte para o segmento industrial no comércio internacional de mercadorias - com transporte terrestre na Europa, transporte aéreo e marítimo no mundo global e todos os serviços relacionados à logística. Possui funcionários distribuídos em escritórios presentes em todos os grandes centros econômicos do mundo com uma receita de oito bilhões de euros por ano No Brasil a matriz é sediada na cidade de São Paulo, onde é estruturada de forma sólida e altamente controlada pelo presidente da empresa no Brasil, diretores e gerentes de cada serviço, conforme figura 1 abaixo. Figura 1 Organograma Schenker Brasil Fonte: Manual da Qualidade Schenker do Brasil Transportes Internacionais Ltda.

15 14 No estado de Santa Catarina sua primeira filial foi inaugurada em 2007 na cidade portuária de Itajaí, que hoje conta com 16 (dezesseis) funcionários, atuando nas áreas de transporte aéreo e marítimo, além de serviços agregados como seguro internacional e desembaraço aduaneiro em escala global. A figura 2 mostrada a seguir, apresenta o organograma da filial de Itajaí atualmente, que se encontra em constante crescimento. Figura 2 Organograma Schenker Filial de Itajaí Fonte: Manual da Qualidade Schenker do Brasil Transportes Internacionais Ltda. Atualmente, devido a grande competitividade em todos os setores empresariais, especialmente no setor de comércio exterior, onde a concorrência é cada vez maior, as empresas precisam ter a visão que caminhe para o alto nível de serviço. Dentro desta realidade a empresa Schenker do Brasil tem como visão se posicionar como a melhor escolha na parceria logística integrada. Indo de encontro com as necessidades do mercado que é cada vez mais exigente, a empresa tem como missão oferecer aos seus clientes todos os serviços logísticos a partir de uma única fonte.

16 Questão-Problema O comércio entre as nações é quase tão velho quanto o próprio hábito de trocar riquezas, é uma atividade atraente para todo empresário que visa expandir seus negócios. O Comércio Exterior é tão importante, ou melhor, tão necessário e participativo no contexto mundial, que seria impossível imaginar o mundo sem ele, as relações internacionais são como uma mola mestra de abertura do país ao mundo globalizado dos negócios. As empresas que prestam o serviço freight forwarding (agente de carga) em diferentes modais, e neste caso no modal marítimo, necessitam ter estrutura para atender a grande demanda, essa necessidade abrange desde a coleta da mercadoria, armazenagem, preparação para embarque, monitoramento, nacionalização da carga no destino até ela ser entregue no local determinado pelo importador. Além da estrutura precisam oferecer aos seus clientes opções diferenciadas no que se refere a redução de tempo de custo. Os fretes aplicados hoje são basicamente baseados, no valor da mercadoria, no peso e dimensões da carga, na distância entre um país ao outro, origem e destino, no tipo de equipamento que será utilizado e também no valor do combustível que o navio irá consumir, todos esses fatores somados compõem o custo que e o agente de carga arcará apenas para transportar a carga de seu cliente de um ponto a outro. Com base nessas informações, algumas questões podem ser lançadas com a finalidade de pesquisar de forma mais aprofundada quais são os maiores problemas enfrentados pela Schenker e quais as oportunidades que podem ser identificadas. Quais as alternativas para a Schenker tornar mais competitivo o serviço de importação marítima da China para Santa Catarina? Eis a questão que pode identificar alguns pontos a serem reavaliados pela organização na qual esse trabalho será aplicado.

17 Justificativa do Problema de Pesquisa Quanto à importância O Brasil vive hoje um paradoxo. Por um lado, depois de muita incerteza e certo pessimismo, a equipe econômica do governo conseguiu reverter o quadro, o empresariado acreditou em mudanças e a economia voltou a crescer, superando as mais otimistas previsões. Por outro lado, o aquecimento esbarra na histórica falta de infra-estrutura logística. Esta pesquisa de pesquisa vem de encontro a esta situação, onde se pretende analisar as questões da infra-estrutura de transportes internacionais e o que vem sendo feito quanto a sua modernização. Esta análise será importante para que a empresa possa avaliar melhor o serviço que vem prestando e o que ainda falta se consolidar no estado, especialmente porque o estado catarinense hoje possui a sétima maior economia do Brasil e ocupando também o sétimo lugar no ranking nacional dos estados exportadores Quanto à oportunidade A China hoje desfruta o terceiro lugar no ranking dos países que mais movimentam o comércio internacional de cargas, apesar das barreiras que a maioria dos países enfrentam para inserir seus produtos em novos mercado, as expectativas são positivas para os próximos anos, nessa linha o Brasil está entre os parceiros que fazem parte desse crescimento econômico e de comércio exterior da China. Isto pontuado, as organizações precisam se adaptar a esta realidade e ter boas opções para que o cliente não tenha duvida quanto ao custo benefício e não necessite fazer cotações com outros agentes de carga, fazendo comparações de custo / benefício. Todas essas informações quando bem administradas podem servir de ponte,

18 17 que liga o objetivo a uma realidade, ou seja, posicionar o agente como a melhor escolha na parceria da logística integrada Quanto à viabilidade A importância desse trabalho estende-se às importações marítimas da China para Santa Catarina, especificamente para Itajaí. A viabilidade desse trabalho está associada ao atendimento das necessidades que a empresa foco do estudo possui quanto ao oferecer um serviço diferenciado, ou seja, oferecer o serviço de consolidação de cargas na importação. A ausência desta opção ocasiona perda nos negócios, falhas nos compromissos, retrabalho e aumento dos custos. O trabalho irá propor sugestões de melhorias, tendo em vista a otimização e melhoria nos fretes de importação, proporcionando ganhos para o agente Schenker e para seus clientes. Além disso, outros fatores que comprovam sua viabilidade são a facilidade com que se pode obter acesso aos dados para a pesquisa e a total ausência de custos para a empresa que se beneficiará destas informações. O presente trabalho será desenvolvido através de pesquisas em materiais e publicações voltadas a área de transporte e logística, normas de comércio exterior e pesquisa na Internet. Será desenvolvido ainda levantamento de dados através de entrevistas junto ao responsável pela coordenação comercial da filial de Itajaí, com o objetivo de buscar maior número de informações para melhor conhecimento dos procedimentos adotados pela Schenker Brasil.

19 18 2. OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral Objetiva-se nesta pesquisa destacar a importância e a necessidade do gerenciamento de cargas consolidadas oriundas da China, por meio do transporte marítimo para o estado de Santa Catarina através do porto de Itajaí e porto de Navegantes. 2.2 Objetivos Específicos Apresentar a logística utilizada para o embarque de cargas consolidadas oriundas da China; Verificar as vantagens proporcionadas por um embarque de cargas consolidadas na importação; Apontar estratégias logísticas que possam ser utilizadas para diminuição de tempo e custo no transporte marítimo;

20 19 3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo será desenvolvida a fundamentação teórica da pesquisa, a qual servirá de base para este trabalho. 3.1 Comércio internacional O comércio teve seu início com a prática do escambo sistema de trocas, onde produtos eram trocados por outros, já que a moeda foi introduzida somente no século VIII a.c., pelos gregos. Com o desenvolvimento do comércio por via marítima promovido pelos fenícios, este sofreu grande avanço por permitir a formação de rotas comerciais e, consequentemente, dar origem aos grandes descobrimentos e às trocas internacionais a partir do conhecimento de produtos típicos de diversas regiões do mundo. No século XVIII acontece a Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra e caracterizada por transformações econômicas que culminaram no desenvolvimento industrial, onde houve invenção de máquinas de fiação e tecelagem, algumas a vapor e, principalmente, a aplicação de novos métodos e técnicas organizacionais. Nesta época os meios de transporte também sofreram grandes avanços, como: introdução do navio a vapor no tráfego marítimo, construção de estradas de ferro, construção e/ou melhoria das instalações portuárias, provocando incremento no comércio interno e internacional. A Revolução Industrial, infelizmente, não trouxe somente conseqüências positivas. A superprodução um efeito negativo tornou necessária a busca por novos mercados, desencadeando a I Guerra Mundial, período caracterizado por disputa e desorientação do comércio. Passado o conflito, inúmeras tentativas foram feitas para que se pudesse retomar as atividades comerciais iniciadas antes da guerra, porém com a queda

21 20 incontrolável dos preços e a falência de muitas empresas, todas as iniciativas fracassaram e se deu início a maior crise econômica: a crise de A Crise de 1929 resultou em altos índices de desemprego, falência de bancos, queda nas exportações, entre outros fatores que fizeram com que o comércio regredisse ao estágio em que se encontrava antes das significativas revoluções que ocorreram no mundo. O desenvolvimento mundial foi retomado somente após a II Guerra Mundial. Até final dos anos 80, a economia das nações estava baseada na expansão do comércio, indo contra práticas protecionistas. No final dos anos 80 e na década de 90, época marcada por profundos avanços tecnológicos, trazendo um novo termo para conviver em nosso meio: a globalização. A globalização produziu efeitos reais em toda a sociedade, fazendo com que todas as áreas se tornassem internacionalizadas. Casella e Mercadante (1998) citam que diante do fenômeno da globalização das economias mundiais, o comércio internacional passou a ocupar um lugar de destaque, no contexto de cada país, contribuindo, indiscutivelmente, para o aumento da interdependência entre os povos, pois cada vez mais, somos obrigados a importar e exportar na busca da satisfação das nossas necessidades e desejos de consumo. Os primeiros avanços tecnológicos ocorreram na comunicação e na informática, possibilitando acesso a novas culturas e produtos, incentivando a realização de transações comerciais entre países. Em 1994, com o final do governo Collor e Itamar Franco, que havia promovido uma sensível abertura à economia, com políticas próprias de Comércio Exterior, houve um incremento nas negociações internacionais, nos portos brasileiros e na criação ou atualização dos órgãos que regulam esta atividade. Apesar de grande abertura que o Brasil teve a partir de 1990 quando as empresas puderam importar máquinas, equipamentos, insumos e bens de capital com reduções e até isenções tarifárias, além de participarem do MERCOSUL e de outros acordos internacionais através da globalização há de se entender que nossos governantes sempre procuram adotar uma política de comércio exterior que não prejudique a indústria nacional e ao mesmo tempo não fique à margem do comércio internacional, razão pela qual tanto a tarifa aduaneira, quanto as normas do Banco Central do Brasil sofrem alterações constantes. (LUDOVICO, 2000, p.27).

22 21 O comércio internacional é uma constante fonte de recursos para países e empresas. Uma das principais razões para seu surgimento sustenta-se na necessidade de adquirir produtos e serviços que, em virtude de diferenças climáticas, tecnológicas e habilidades, não podem ser produzidas em seu próprio país. As relações comerciais internacionais apresentam-se como um elo que vincula as convivências de direito internacional com a economia internacional. Os estudos sobre o comércio internacional estavam limitados a ser uma parte da economia internacional. Com a globalização, este passa a ter uma personalidade própria, e ser estudado dentro de um contexto mercadológico. Segundo Maluf (2000, p. 23), o comércio internacional pode ser conceituado como, o intercâmbio de bens e serviços entre países, resultante das especializações na divisão internacional do trabalho e das vantagens comparativas dos países. As trocas internacionais funcionam como uma alternativa para os Estados satisfazerem suas necessidades, manterem a paz social e gerarem novas riquezas. Dentre os benefícios de intercâmbio mundial, pode-se destacar: - equilíbrio da balança de pagamentos; - diversificação de mercados; - fonte de recursos; - acesso a novas tecnologias; - oferta de empregos, em decorrência ao aumento de produção/produtividade; - desenvolvimento social do País. A percepção da importância da interação com outras economias tem aumentado de forma gradual, mas constante, nas últimas décadas, seja pelo crescimento dos fluxos de comércio internacional, seja pela crescente interação financeira em nível global que tem se acelerado nos últimos anos.

23 A Logística e sua importância É considerado como início da logística a época marcada pela I Guerra Mundial, onde houve a utilização de uma variedade de armas, diversos campos de batalha e envolvimento de grande número de pessoas, tornando fundamental a presença do suporte logístico de guerra. De acordo com Rodrigues (2001, p. 95), a primeira tentativa de definir logística foi feita pelo Barão Antoine Henri de Jomini (1779/1869), General de exército francês sob comando de Napoleão Bonaparte, que em seu Compêndio a Arte da Guerra, a ela se referiu como a arte de movimentar exércitos. Na II Guerra Mundial, a logística adquiriu grande importância por indicar a necessidade de planejamento das operações, assumindo papel decisivo nas batalhas. Rodrigues (2001, p. 95) afirma que as Forças Armadas aliadas compreenderam que Logística abrangia todas as atividades relativas à provisão e administração de materiais, pessoal e instalações, além da obtenção e prestação de serviços de apoio. A logística é singular, ou seja, não pára! Ela ocorre em todo o mundo, 24 horas por dia. A logística existe desde o início das civilizações, porém não constitui uma novidade no mundo moderno. No entanto, tornou-se há pouco tempo uma das áreas mais desafiadoras e interessantes da administração nos setores públicos e privados. A arte de administrar de forma estratégica e integrada, planejando, implementando e coordenando o fluxo e armazenagem de matérias-primas, peças e produtos acabados, assim como, as informações relativas a estas atividades, desde o ponto de aquisição até o distribuidor final, ao custo correto, no menor tempo possível, atendendo às necessidades do cliente, são funções logísticas básicas para o mercado atual e competitivo. Para Bowersox e Closs (2001, p. 19), O objetivo da logística é tornar disponíveis produtos e serviços no local onde são necessários, no momento em que são desejados. As empresas que conseguem desfrutar da competência logística de classe mundial ganham vantagem competitiva, proporcionando aos seus clientes um serviço superior, ou seja, de melhor qualidade.

24 Competência Logística As expectativas ligadas à competência logística estão diretamente ligadas ao posicionamento estratégico da empresa. Todas as organizações devem realizar as suas atividades a fim de atingir os objetivos básicos, nesse mesmo entendimento pode-se afirmar que o nível de importância dado à logística em sentido estratégico, depende da maneira como a empresa empenha-se a tornar-se competitiva. Segundo Bowersox e Closs (2001, p.19), competência logística decorre de uma avaliação relativa da capacidade de uma empresa para fornecer ao cliente um serviço competitivamente superior ao menor custo total possível. De acordo com essa afirmação, entende-se que é de extrema importância que os gestores de logística da empresa tenham uma visão sobre como um desempenho logístico excepcional ou competitivamente superior pode se tornar à base da estratégica da empresa. A globalização, a mudança no comportamento dos consumidores, a redução do ciclo de vida dos produtos e o enfraquecimento das marcas exigem que as organizações adquiram e desenvolvam novas competências para conquistar e manter clientes. Ampliam-se as dimensões da competitividade, a qual deixa de ser regional para ser global. A concorrência passa a acontecer entre cadeias produtivas e não mais entre empresas isoladas. Nesse contexto, as vantagens e diferenciais competitivos são cada vez mais efêmeros. Rapidez e flexibilidade deixam de ser apenas um discurso e tornam-se obrigatórias Missão da Logística É o esforço integrado para criar valor para o cliente pelo menor custo total possível. A logística existe para satisfazer as necessidades dos clientes, facilitando as operações relevantes de produção e marketing. Do ponto de vista estratégico a

25 24 logística procura atingir uma qualidade predefinida de serviço ao cliente por meio de uma competência operacional que representa o estado da arte. (BROWERSOX e CLOSS, 2001, p.19) Nada faz sentido se as expectativas do cliente não forem totalmente correspondidas Logística empresarial e o Transporte Entende-se transporte o ato de conduzir, levar de um lugar para outras pessoas ou cargas. O transporte é visto como um instrumento inquestionavelmente essencial para qualquer economia, desde as economias primitivas até as complexas do mundo atual. Tendo em vista a evolução mundial global, comparando os tempos embrionários à era da globalização, nota-se cada dia mais a tendência para a unificação do mercado, com uma economia globalizada. Segundo Maia (2004, p. 75) com a criação da Organização Mundial do Comércio (OMC), as barreiras ao livre comércio estão sendo gradativamente eliminadas. Com isso, dia-a-dia, o mundo vai-se transformando num só mercado, o mercado global. O transporte de cargas compreende o translado de mercadorias e a sua necessidade está diretamente ligada às relações de comércio e a globalização. Os avanços em transporte deram ao homem e as empresas acesso à modernidade. Para Ballou (1993, p.113) Basta comparar as economias de uma nação desenvolvida e de outra em desenvolvimento para enxergar o papel do transporte na criação de alto nível de atividade na economia. O transporte adquire cada vez mais uma importância significativa no comércio internacional, influenciando de forma incisiva no custo dos produtos exportados e importados, tornando-se assim um fator determinante na competição global.

26 25 Sabe-se que o transporte, por tudo que envolve, representa uma parcela substancial do custo logístico, influindo de forma significativa na competitividade dos produtos vendidos e constituindo, portanto, um fator a ser considerado nos planos de marketing internacional, já que seus custos podem, em muitos casos, fazer com que se tornem inviáveis as operações de comércio exterior (VIEIRA, 2002, p.13). Até poucas décadas atrás, a maioria das organizações focava suas atenções sobre as atividades de produção, marketing e finanças, considerando a importância da venda para dar continuidade à produção. Porém após a revolução tecnológica nos anos 70 aumentando os custos de distribuição e o barateamento dos sistemas informatizados nos anos 80, o processo de globalização da economia e o conseqüente acirramento do ambiente competitivo, combinado com os rápidos avanços nas telecomunicações nos anos 90, fizeram com que a logística tomasse, gradualmente, um papel cada vez mais importante dentro das organizações. Ballou (1993, p.113), define a logística empresarial, ou seja, a logística sob o ponto de vista de uma empresa, como sendo: Todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como os fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável. Porém para Rodrigues (2002, p.124): Logística é o conjunto de atividades direcionadas a agregar valor, otimizando o fluxo de matérias, desde a fonte produtora até o consumidor final, garantindo o suprimento na quantidade certa, de maneira adequada, assegurando sua integridade, a um custo razoável, no menor tempo possível e atendendo a todas as necessidades do cliente. Com base nessas definições, pode-se dizer que a logística é parte fundamental em qualquer empresa. A logística bem administrada e aplicada é fonte para agregação de valor ao cliente; interação e satisfação ao cliente; comunicação de distribuição;

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade II Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos Administração de Suprimentos Objetivos da Unidade Analisar os principais conceitos sobre: A medição do desempenho na cadeia de suprimentos

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni Unidade II LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Termos comerciais internacionais: Incoterms 2000 São regras que limitam os direitos e as obrigações de compradores e vendedores no

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados Logística Movimentação de materiais na cadeia de suprimentos Para que a matéria-prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material,

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

MBA em Administração e Logística

MBA em Administração e Logística MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 Prof. Albino Mileski Jr. Olá! Você quer saber mais sobre a distribuição física na logística? Assista ao vídeo a seguir. Distribuição

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 13 Logística de transferência de petróleo INTRODUÇÃO Logística Colocar-se o produto certo, no local correto, no momento adequado e ao menor preço possível, desde as fontes de

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

O PAPEL DO OPERADOR LOGÍSTICO O PROCESSO DE AGREGAR VALOR AO CLIE TE ESTUDO DE CASO DA FASSI A

O PAPEL DO OPERADOR LOGÍSTICO O PROCESSO DE AGREGAR VALOR AO CLIE TE ESTUDO DE CASO DA FASSI A O PAPEL DO OPERADOR LOGÍSTICO O PROCESSO DE AGREGAR VALOR AO CLIE TE ESTUDO DE CASO DA FASSI A Thames Richard Silva Dissertação de Mestrado em Gestão de Negócios, Programa de Pós-Graduação em Gestão de

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado.

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado. Hamburg Süd encerra 2014 com faturamento de 5,2 bilhões de euros Empresa movimentou, juntamente com a subsidiária Aliança, cerca de 3,4 milhões de contêineres, um aumento de 2% em relação ao período anterior

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA

DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA DHL OCEAN DIRECT (FCL) A CONFIABILIDADE QUE VOCÊ EXIGE A FLEXIBILIDADE QUE VOCÊ PRECISA POR QUE ESCOLHER O DHL OCEAN DIRECT (FCL) EXPERIÊNCIA EM LOGÍSTICA PARA NEGÓCIOS DE TODOS OS TAMANHOS Nossa experiência

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo.

Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo. Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo. O CLIENTE EM PRIMEIRO LUGAR Nossos clientes são tão exclusivos quanto os nossos serviços. Por isto, a O. Lisboa é grande o suficiente para

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

Função: Planejamento e Operação de Transportes

Função: Planejamento e Operação de Transportes MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM LOGÍSTICA III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES Função: Planejamento e Operação de Transportes 1. Avaliar a infraestrutura dos sistemas de

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

LOGÍSTICA CONFIÁVEL PARA A INDÚSTRIA EÓLICA. Segue

LOGÍSTICA CONFIÁVEL PARA A INDÚSTRIA EÓLICA. Segue LOGÍSTICA CONFIÁVEL PARA A INDÚSTRIA EÓLICA Segue Conteúdo Nós compreendemos NÓS COMPREENDEMOS SUAS EXIGÊNCIAS Nós compreendemos Você está em uma posição invejável. Crescendo em média 25% ao ano ao longo

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário

ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! No encontro passado você conheceu as particularidades e características

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA DÉCADA DE 70 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO DÉCADA DE 80 SISTEMA INTEGRADO DÉCADAS DE 90 / 00 SERVIÇO

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de Andrade Pereira Prof. Wilson Kuster Versão 2015 TRANSPORTE

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística?

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística? Relembrando...O Que é Logística? Logística e Distribuição A atividade de Transporte 1 2 Conceito Formal de Logística Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística é o processo de planejar,

Leia mais

ENCONTRO 6 Transporte Multimodal

ENCONTRO 6 Transporte Multimodal ENCONTRO 6 Transporte Multimodal ENCONTRO 6 Transporte Multimodal TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! No encontro passado você conheceu os serviços dos Correios Brasileiros, aquilo que pode ser

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Outubro, 2013 UTi Provedor de Soluções Logísticas Financeiro

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais

A Logística Internacional e Comércio Exterior Brasileiro: Modais de Transporte, Fluxos Logísticos e Custos Envolvidos.

A Logística Internacional e Comércio Exterior Brasileiro: Modais de Transporte, Fluxos Logísticos e Custos Envolvidos. A Logística Internacional e Comércio Exterior Brasileiro: Modais de Transporte, Fluxos Logísticos e Custos Envolvidos. Reginaldo da Silva Souza reginaldo-vga@hotmail.com UNIS-MG/FACECA Genivaldo da Silva

Leia mais

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DOS ATRASOS DOS TRENS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA-MINAS

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DOS ATRASOS DOS TRENS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA-MINAS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Unidade: Transporte Multimodal Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Transporte Multimodal O transporte multimodal se caracteriza pela utilização de mais de um modal de transporte entre a origem e o

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO TRANSPORTE TRANSPORTE EM LOGÍSTICA É a movimentação de produtos entre regiões geográficas ou área de comércio, elevando o

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc.

d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc. 1 AV Cálculo de Fretes As tarifas são condicionadas a: a) Fatores de preço de mercadoria, tais como: tipo de embalagem, peso, volume, densidade, perecibilidade, periculosidade, facilidade de acomodação,

Leia mais

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir Transportes Diamante Uma nova forma de pensar e agir por Wagner Rodrigo Weber e Jacir Adolfo Erthal Wagner Rodrigo Weber Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela UNIFAE - Centro Universitário; Administrador,

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais