Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo"

Transcrição

1 Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências

2 Logística Internacional CONCEITOS Logística Segundo o Council of Logistic Management, entidade americana, que possui milhares de associados em todo o mundo. Logística é o processo de planejar, implementar e controlar eficientemente, ao custo correto, o fluxo e armazenagem de matérias-primas, estoques durante a produção e produtos acabados. Além das informações relativas a estas atividades, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender aos requisitos do cliente".

3 Logística Internacional ESTRATÉGIAS Horizonte 3 Provedor de Soluções logísticas Horizonte 1 Provedor de serviços de transporte Horizonte 2 Gestor de transporte e serviços relacionados Movimentação Armazenagem Transporte Gerenciamento de toda a cadeia Transportar

4 Transporte Internacional Operações Logísticas e seus Tipos de Modais Estrutura de Custos

5 Transporte Internacional TIPOS DE MODAIS Ferroviário Rodoviário Aquaviário Aeroviário Dutoviário

6 Transporte Internacional TIPOS DE MODAIS O mapa dos modais mais utilizados no Brasil - Ferroviário: 20,86% - Rodoviário: 60,49 - Aquaviário: 13,86% - Dutoviário: 4,46% - Aeroviário: 0,33% 4,46% 0,33% 20,86% 13,86% 60,49% Ferroviário Rodoviário Aquaviário Dutoviário Aeroviário

7 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Ferroviário: Altos custos fixo em equipamentos, terminais, vias ferréas etc. Custo variável baixo. Características O transporte ferroviário é adequado para o transporte de mercadorias de baixo valor agregado e grandes quantidades tais como produtos agrícolas, derivados de petróleo, minérios de ferro, produtos siderúrgicos, fertilizantes, entre outros. Este modal não é tão ágil como o rodoviário no acesso as cargas uma vez que estas têm que ser levadas aos terminais ferroviários para embarque. Vantagens - Adequado para longas distâncias e grandes volumes de carga; - Baixo custo do transporte; - Baixo custo de infra-estrutura. Desvantagens - Diferença na largura das bitolas; - Menor flexibilidade no trajeto; - Necessidade maior de transbordo; - Tempo de viagem demorado e irregular; - Alta exposição a furtos.

8 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Rodoviário: Características Custos fixos baixos (rodovias estabelecidas e construídas com fundos públicos). Custo variável médio. Vantagens Adequado para curtas e médias distâncias; Simplicidade no atendimento das demandas e agilidade no acesso às cargas; Menor manuseio da carga e menor exigência de embalagem; O desembaraço na alfândega pode ser feito pela própria empresa Sistema Rodovia transportadora; dos Imigrantes Atua de forma complementar aos outros modais possibilitando a intermodalidade e a multimodalidade; Permite as vendas do tipo entrega porta a porta, trazendo maior comodidade para exportador e importador. Desvantagens Fretes mais altos em alguns casos; Menor capacidade de carga entre todos os outros modais; Menos competitivo para longas distâncias;

9 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Aquaviário Barcaças Custo fixo médio (navios, equipamentos e barcaças): Custo variável baixo (capacidade para transportar grande quantidades de toneladas). Redes Hidroviárias no Mundo: EUA Canadá EUROPA Rússia FRANÇA HOLANDA BÉLGICA ALEMANHA BRASIL km (cerca de 25% da carga) km (cerca de 25% da carga) km (cerca de 25% da carga) km (cerca de 25% da carga) km (cerca de 25% da carga) km (cerca de 30% da carga) maior que km (cerca de 2% da carga) Porto de São Simão

10 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Marítimo / Navios: Características O transporte marítimo é o modal mais utilizado no comércio internacional. No Brasil responde por mais de 90% do transporte internacional Possibilidade de navegação interior através de rios e lagos. Os portos desempenham um papel importante como elo de ligação entre os modais terrestres e marítimos. Tem uma função adicional de amortecer o impacto do fluxo de cargas no sistema viário local, através da armazenagem e da distribuição física. Vantagens - Maior capacidade de carga; - Carrega qualquer tipo de carga; - Menor custo de transporte. Desvantagens - Necessidade de transbordo nos portos; - Distância dos centros de produção; - Maior exigência de embalagens; - Menor flexibilidade nos serviços aliados a freqüentes congestionamentos nos portos. Categorias de Transporte - Cabotagem: navegação realizada entre portos ou pontos do território brasileiro, utilizando a via marítima ou entre esta e as vias navegáveis interiores ou portos internacionais (Mercosul). - Navegação Feeder: realizada em hidrovias interiores ou lagos, em percurso nacional. - Navegação de Longo Curso: realizada entre portos brasileiros e estrangeiros.

11 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Marítimo / Navios: Custo fixo médio (navios, equipamentos): Custo variável baixo (capacidade para transportar grande quantidades de toneladas). Navio Roll on Roll off Cargo Roro/Conteiner Navio Porta-conteineres IV geração TEU comprimento 347 m veloc 24,6 knots

12 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Marítimo / Navios: Custo fixo médio (navios, equipamentos e barcaças): Custa variável baixo (capacidade para transportar grande quantidades de toneladas. Navios Graneleiros Bulk carriers ore bulk oil - obo navio tanque - (granel líquido) navio graneleiro puro - (granel sólido) Roll-on roll-off (Transporta veiculos)

13 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Canal do Panamá É O Canal do Panamá localiza-se no país do mesmo nome. É um canal com 82 quilómetros de extensão, que corta o Panamá, ligando assim o Oceano Atlântico e o Oceano Pacífico.

14 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Canal do Panamá O canal possui dois grupos de eclusas no lado do Pacífico e um no do Atlântico. Extensão: 81.6 km (8 horas) Largura Superfície: m Profundidade mínima: m Início da construção: Início da operação: e passavam 5 navios por dia. Em 2001, passaram navios e carga movimentada: 200 milhões de tons.

15 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Canal do Panamá Neste último, as portas maciças de aço das eclusas triplas de Gatún têm 21 metros de altura e pesam 745 toneladas cada uma, mas são tão bem contrabalançadas que um motor de 30 kw é suficiente para abri-las e fechá-las.

16 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Canal de Suéz É um canal longo de 163 km que liga Port-Saïd, porto egípcio no Mar Mediterrâneo, a Suez, no Mar Vermelho. Ele permite às embarcações irem da Europa à Ásia sem terem que contornar a África pelo cabo da Boa Esperança. Antes da sua construção, as mercadorias tinham que ser transportadas por terra entre o Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho.

17 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Canal de Suéz Largura fundo: m Largura superfície: m Profundidade mínima: m Construção: ( Ferdilnand Marie de Lesseps ) Inicio: Término: Operação de embarcações de 150 mil tons

18 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Dutoviário: Custo fixo mais elevado (direito de acesso, construção, requisitos para controle das estações e capacidade de bombeamento. Custo variável mais baixo. Via: dutovia terminal: estações de bombeamento e de armazenamento velocidade de transporte: m/s fluxo contínuo (24 horas por dia) não tem volta vazia grande capacidade de transporte Produtos: fluídos em geral ou produtos (grandes demandas) TBG - Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil S.A. Localização: Sta Cruz de La Sierra (Bolívia) - Campinas (Brasil) Extensão: km (2.593 km Corumbá(MS) até Campinas (SP) Trecho Sul: Campinas (SP) - Porto Alegre (RS) Espessura: 32 e 24 (81,3-61,0 cm) Capacidade: 30 milhões m3 por dia Custo: US$ 2 bilhões (set dez 1998) Trecho Sul: mar 2000 (http://www.tbg.com.br)

19 Transporte Internacional ESTRUTURA DE CUSTOS PARA CADA MODAL Aeroviário: Custo fixo alto (aeronaves e manuseio e sistemas de cargas. Alto custo variável (combustível, mão-de-obra, manutenção etc). Vantagens É o transporte mais rápido; Não necessita embalagem mais reforçada (manuseio mais cuidadoso); Os aeroportos normalmente estão localizados mais próximos dos centros de produção; Possibilita redução de estoques via aplicação de procedimentos just in time. Desvantagens Menor capacidade de carga; Valor do frete mais elevado em relação aos outros modais.

20 Transporte Internacional Operações Logísticas Transporte Internacional e suas Tendências

21 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL INTERMODALIDADE A intermodalidade caracteriza-se pela emissão individual de documento de transporte para cada modal, bem como pela divisão de responsabilidade entre os transportadores. Container surgiu na década de 60 USA; Chegou ao Brasil pouco depois; Importante ferramenta de unitização e padronização; Redutor de avarias e de custos; Instrumento vital de viabilização comercial; Facilitador do transporte; Modal; Intermodal; Multimodal. A REVOLUÇÃO conteiner de 40pes

22 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL Qual a diferença entre transporte Intermodal e Multimodal? Resposta - A multimodalidade e a intermodalidade são operações que se realizam pela utilização de mais de um modal de transporte. Isto quer dizer transportar uma mercadoria do seu ponto de origem até a entrega no destino final por modalidades diferentes. A intermodalidade caracteriza-se pela emissão individual de documento de transporte para cada modal, bem como pela divisão de responsabilidade entre os transportadores.

23 Logística Internacional TIPOS DE CONTAINERES Dry Box (totalmente fechado): destinado a cargas secas; HC High Cubic (totalmente fechado): destinado a cargas secas; Bulk: semelhante ao Dry Box e adequado a granéis sólidos; Ventilated: semelhante ao Dry Box, com pequenas aberturas para ventilação; Reefer: Refrigerado, para cargas perecíveis; Open Top: Sem teto; Open Side: sem paredes laterais; Half Height: Open Top de meia altura; Flat Rack: contêiner plataforma; Thank: tanque.

24 Logística Internacional TIPOS DE CONTAINERES

25 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL PORTOS ESPECIALIZADOS Introdução PORTO DE SANTOS

26 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL NATUREZA DA CARGA TRANSPORTADA São analisadas as características da carga: perecibilidade, fragilidade, periculosidade, dimensões e pesos considerados especiais. A carga pode ser classificada basicamente em: a) Carga Geral; b) Carga a Granel; c) Carga Frigorificada; d) Carga Perigosa; e) Neo-granel.

27 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL EMBALAGEM Formas de Unitização Pré-lingagem (amarração ou cintamento) Paletização: Conteiner:

28 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL EMPILHADEIRAS

29 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL HUB PORTS PORTOS CONCENTRADORES O QUE É? Entende-se por hub port ou porto de transbordo aquele porto concentrador de cargas e de linhas de navegação para navios de grande porte. O termo decorre das estratégias de aumentar o tamanho dos navios, concentrar rotas e reduzir o número de escalas adotadas pelas principais companhias marítimas, notadamente a partir dos anos noventa. São portos, de atracação para navios de grande porte (Santos), onde descarregam seus conteineres e retornam para exterior. Configurando dois tipos de operação: Cabotagem Feeder (alimentadores)

30 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL Fortaleza Suape Maceió Operações Cabotagem: É a operação dos navios que atracam somente nos portos que pertence aos países do Mercosul. Salvador Vila Velha Santos São Francisco do Sul Buenos Aires Rio Grande Norte Sul

31 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL Operações Feeder (Alimentadores): É a operação dos navios que atracam somente nos portos brasileiros. Salvador Vila Velha Santos Rio de Janeiro Norte Sul

32 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL HUB PORTS PORTOS CONCENTRADORES VANTAGENS PARA O TRANSPORTADOR: Menor número de escalas Operações interestaduais Menores barreiras alfandegárias Mercados comuns áreas de livre comércio Operações internacionais Forte impulso à cabotagem Forte impulso ao feeder Desburocratização imperiosa Multimodalidade imprescindível!

33 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL HUB PORTS PORTOS CONCENTRADORES VANTAGENS PARA O TOMADOR DOS SERVIÇOS: Concentração no seu core business(principal negócio); Gestão unificada interlocução única; Redução de riscos e de custos; Ganho de competitividade Aumento de credibilidade; Melhoria do seu brand(marca); Acesso a novos mercados; Ganhos de escala com volumes do OTM; Outros.

34 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL OTM Operador de Transporte Multimodal O Operador de Transporte Multimodal é a pessoa jurídica contratada como principal para a realização do Transporte Multimodal de Cargas da origem até o destino, por meios próprios ou por intermédio de terceiros. Transporte Multimodal de Cargas é aquele que, regido por um único contrato, utiliza duas ou mais modalidades de transporte, desde a origem até o destino, e é executado sob a responsabilidade única de um Operador de Transporte Multimodal - OTM. Regulamentado desde 2000, somente a partir de 2005, as primeiras Habilitações, a atividade de OTM começa a se tornar realidade, mas ainda há alguns entraves a serem superados, como a questão do seguro e da cobrança do ICMS. O OTM é um dos principais elos do comércio globalizado, otimizando as Operações pela combinação dos modais mais adequados.

35 Logística Internacional TENDÊNCIAS DO TRANSPORTE INTERNACIONAL MODELO OPERACIONAL (ATUAL) Armador ( Y ) Empresa ( X ) Empresa ( Y ) Japão Marítimo Ferroviário Rodoviário Santos Udia Cat. MODELO OPERACIONAL OTM (FUTURO) Com ativos próprios ou de terceiros. OTM Armador ( Y ) Empresa ( X ) Empresa ( Y ) Japão Marítimo Ferroviário Rodoviário Santos Udia Cat.

36 Logística Internacional ESTUDO DE CASO: A Infra-Estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Unidade: Transporte Multimodal Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Transporte Multimodal O transporte multimodal se caracteriza pela utilização de mais de um modal de transporte entre a origem e o

Leia mais

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade II Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos Administração de Suprimentos Objetivos da Unidade Analisar os principais conceitos sobre: A medição do desempenho na cadeia de suprimentos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES Sistema de Tranporte Sob qualquer ponto de vista econômico, político e militar o transporte é,, inquestionavelmente, a indústria mais importante no mundo. Congresso

Leia mais

Recebeu vários prêmios com projetos de embalagens e soluções de transporte e armazenagem.

Recebeu vários prêmios com projetos de embalagens e soluções de transporte e armazenagem. Tecnôloga Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo (UNESP). Trabalha na área de logística e desenvolvimento de embalagens há 25 anos. Desenvolveu

Leia mais

ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário

ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! No encontro passado você conheceu as particularidades e características

Leia mais

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL São Paulo, 07 de abril de 2015 Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ Definição legal da navegação de cabotagem BAHIA Art. 2º, IX navegação de cabotagem: a realizada entre

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

Intermodalidade e Multimodalidade? Existem diferenças entre. Então qual a diferença?

Intermodalidade e Multimodalidade? Existem diferenças entre. Então qual a diferença? Intermodalidade e Multimodalidade Existem diferenças entre Intermodalidade e Multimodalidade? As duas não são irmãs como muitos acreditam, sendo apenas primas, pois embora partam de uma mesma matriz, tomam

Leia mais

TRANSPORTE INTERNACIONAL INTERNATIONAL TRANSPORT RESUMO

TRANSPORTE INTERNACIONAL INTERNATIONAL TRANSPORT RESUMO RESUMO O presente trabalho tem como objetivo abordar e analisar a logística no transporte internacional, sua importância para o mercado. Para tanto, trabalharemos com os quatros meios de transportes quando

Leia mais

CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA

CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA Roberto Portes Ribeiro (UFSM) robertor@smail.ufsm.br Fernando Fachin Pacheco (FAMES) fernando_f_p@hotmail.com

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso

Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso Nelson Carlini 26 de Agosto de 2015 Hidrovias Europa Movimentação e Matriz Modal Diferentemente do Brasil, as hidrovias na Europa são largamente

Leia mais

APIMEC SP. Mauro Dias Diretor Presidente e de Relações com Investidores. 8 de Agosto de 2007

APIMEC SP. Mauro Dias Diretor Presidente e de Relações com Investidores. 8 de Agosto de 2007 APIMEC SP Mauro Dias Diretor Presidente e de Relações com Investidores 8 de Agosto de 2007 1 Agenda A Log-In Logística Intermodal A Indústria Performance Estratégia 2 A Log-In Logística Intermodal 3 Único

Leia mais

As Dificuldades para o Transporte de Carga Geral na Cabotagem Brasileira

As Dificuldades para o Transporte de Carga Geral na Cabotagem Brasileira As Dificuldades para o Transporte de Carga Geral na Cabotagem Brasileira A matriz brasileira de transporte de cargas é distorcida quando comparada à de países com extensões e características geográficas

Leia mais

MCA Logística Internacional Your Logistics Provider

MCA Logística Internacional Your Logistics Provider Anytime...Anywhere... Dry 20' 6.058 2.438 2.591 5.919 2.340 2.380 2.286 2.278 33 Pesos (kg) 24.000 2.800 21.920 Carga geral não perecível de alta relação peso/volume. Flat Rack 20' 6.058 2.438 2.591 5.702

Leia mais

LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY. #QueroSerConferente

LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY. #QueroSerConferente LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY A C A D E M Y #QueroSerConferente O SETOR Exportações Brasileiras Em 2015 a produção agropecuária do Brasil atingiu um volume recorde, chegando a

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial ESALQ-Log

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial ESALQ-Log Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial ESALQ-Log Trabalho de Estagiário Júnior Gargalos Logísticos no Uso de Containeres

Leia mais

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL 64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL PALESTRA: DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA Painel - Um modelo institucional para a infraestrutura logística dentro

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

24º Fórum de Debates Brasilianas.org

24º Fórum de Debates Brasilianas.org Transportes 24º Fórum de Debates Brasilianas.org Os desafios da logística e infraestrutura Marcos regulatórios e entraves burocráticos Reginaldo Cardoso São Paulo, 30 de Maio de 2012 Deutsche Post - DHL

Leia mais

Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas. André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT

Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas. André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT Lei 9.611, de 19 de fevereiro de 1998 Art. 2º - Transporte Multimodal de Cargas é aquele

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados Logística Movimentação de materiais na cadeia de suprimentos Para que a matéria-prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material,

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística?

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística? Relembrando...O Que é Logística? Logística e Distribuição A atividade de Transporte 1 2 Conceito Formal de Logística Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística é o processo de planejar,

Leia mais

6. Estrutura de Custos Logísticos

6. Estrutura de Custos Logísticos 6. Estrutura de Custos Logísticos Os custos logísticos na atividade de distribuição de combustíveis líquidos no Brasil podem ser classificados como: custo de aquisição dos combustíveis suprimentos custo

Leia mais

Tabela Pública de Serviços. (vigência a partir de 16/01/2016 Valores expressos em Reais)

Tabela Pública de Serviços. (vigência a partir de 16/01/2016 Valores expressos em Reais) Tabela Pública de Serviços (vigência a partir de 16/01/2016 Valores expressos em Reais) Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 6 Serviços

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

SIMULAÇÃO DA UTILIZAÇAO DO MODAL MARÍTIMO DE CABOTAGEM COMO ALTERNATIVA AO MODAL RODOVIÁRIO

SIMULAÇÃO DA UTILIZAÇAO DO MODAL MARÍTIMO DE CABOTAGEM COMO ALTERNATIVA AO MODAL RODOVIÁRIO SIMULAÇÃO DA UTILIZAÇAO DO MODAL MARÍTIMO DE CABOTAGEM COMO ALTERNATIVA AO MODAL RODOVIÁRIO Filipe de Freitas Aguiar (UNIFEB) filipe.aguiar68@yahoo.com.br Gilberto Domingues Junior (UNIFEB) gilberto.domingues.junior@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Wallenius Wilhelmsen Logistics. Making a Multimodal Brazil

Wallenius Wilhelmsen Logistics. Making a Multimodal Brazil Wallenius Wilhelmsen Logistics Making a Multimodal Brazil Agenda This is Wallenius Wilhelmsen Logistics Multimodal in Brazil Trucking Rail Air Sea Future This is Wallenius Wilhelmsen Logistics A global

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE Plataforma Logística Multimodal de Salgueiro Espaço de concentração geográfica de organismos e empresas independentes, relacionadas com: Transporte de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

05/08/2015. Regras Internacionais de Comércio. Pagamentos Internacionais. Pagamentos Internacionais. Regras Internacionais de Comércio

05/08/2015. Regras Internacionais de Comércio. Pagamentos Internacionais. Pagamentos Internacionais. Regras Internacionais de Comércio Fundamentos do Comércio Internacional (3) Regras Internacionais de Comércio Internacionais Regras Internacionais de Comércio Fundamentos do Comércio Internacional (3) Embarque da Mercadoria Remessa de

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

ENCONTRO 6 Transporte Multimodal

ENCONTRO 6 Transporte Multimodal ENCONTRO 6 Transporte Multimodal ENCONTRO 6 Transporte Multimodal TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! No encontro passado você conheceu os serviços dos Correios Brasileiros, aquilo que pode ser

Leia mais

Gestão Estratégica do Transporte

Gestão Estratégica do Transporte Gestão Estratégica do Transporte SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos de Gestão Estratégica; 3. Abordagens da Gestão Estratégica de Transportes; 4. Operações Especiais de Transportes; 5. Conceitos

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

REDES DE TRANSPORTE E TELECOMUNICAÇÕES. Os diferentes modos de transporte e telecomunicações

REDES DE TRANSPORTE E TELECOMUNICAÇÕES. Os diferentes modos de transporte e telecomunicações REDES DE TRANSPORTE E TELECOMUNICAÇÕES Os diferentes modos de transporte e telecomunicações Redes de transporte e telecomunicações As redes de transporte são o conjunto das vias de comunicação (estradas,

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

O DESAFIO BRASILEIRO

O DESAFIO BRASILEIRO O DESAFIO BRASILEIRO 1 Principais desafios do comércio mundial para o Brasil O comércio global brasileiro por meio de contêineres principal motor para a globalização do país está crescendo cerca de 4%

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES TRANSPORTE NO BRASIL. Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES TRANSPORTE NO BRASIL. Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES 1 TRANSPORTE NO BRASIL Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006 2 1 ROTEIRO GERAL DA PALESTRA 1) Função Transporte e Eficiência; 2) Considerações

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232;

Leia mais

Modais de Transporte. Aula 2. Contextualização. Introdução. Características das Cargas. Instrumentalização. Prof. Luciano José Pires

Modais de Transporte. Aula 2. Contextualização. Introdução. Características das Cargas. Instrumentalização. Prof. Luciano José Pires Modais de Transporte Aula 2 Contextualização Prof. Luciano José Pires Introdução O enorme esforço para elevação da produtividade da fábrica pode ser comprometido pela ineficiência do transporte de abastecimento

Leia mais

TT- 046 2º SEMESTRE 2008

TT- 046 2º SEMESTRE 2008 UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT- 046 2º SEMESTRE 2008 1 CLASSIFICAÇÃO UNIVERSAL DAS CARGAS 2 CLASSIFICAÇÃO UNIVERSAL DAS CARGAS Na identificação das características da carga

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa.

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. - TABELA I - Proteção e Acesso ao Porto - TABELA II - Instalações de Acostagem

Leia mais

Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF

Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF Câmara Temática de Infraestrutura e Logística CTLOG 10 de junho de 2015 Brasília - DF André Mello Vice Presidente Executivo da ABAC Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem Junho/2015 Agenda Apresentação

Leia mais

A roda: a maior invenção tecnológica

A roda: a maior invenção tecnológica A roda: a maior invenção tecnológica A roda parece ter sido inventada, há cerca de 6000 anos, na Mesopotâmia. Foi uma invenção de importância extraordinária, não só porque promoveu uma revolução no campo

Leia mais

Papel Timbrado da Empresa TERMO DE RESPONSABILIDADE POR PERÍODO ESTENDIDO SOBRE DEVOLUÇÃO DE CONTAINER(S) RETIRADO(S)

Papel Timbrado da Empresa TERMO DE RESPONSABILIDADE POR PERÍODO ESTENDIDO SOBRE DEVOLUÇÃO DE CONTAINER(S) RETIRADO(S) Papel Timbrado da Empresa TERMO DE RESPONSABILIDADE POR PERÍODO ESTENDIDO SOBRE DEVOLUÇÃO DE CONTAINER(S) RETIRADO(S) À MAERSK LINE (ARMADOR) MAERSK BRASIL (BRASMAR) LTDA (AGENTE) Pelo presente TERMO DE

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS Vantagens: Possibilitam operações ininterruptas, mesmo sob intempéries Incrementam a produtividade Minimizam o tempo de movimentação

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE SUAPE

TARIFA DO PORTO DE SUAPE SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO TARIFA DO PORTO DE SUAPE Homologada pela RESOLUÇÃO Nº 4.091, DE 7 DE MAIO DE 2015 (D.O.U. de 08.05.15) TABELA 1 UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA MARÍTIMA (Taxas devidas

Leia mais

MTL/SAO 1 MTL/SAO, 16/06/2011 1

MTL/SAO 1 MTL/SAO, 16/06/2011 1 MTL/SAO MTL/SAO, 16/06/2011 11 JBSfoods Faz parte do grupo JBS Foi criada a partir da aquisição da Seara Transportes de Longo Percurso (abastecimento e Venda Direta). 10.000 / mês ou Primária 22 1 Qual

Leia mais

3 Descrição do Problema

3 Descrição do Problema 3 Descrição do Problema Este capítulo possui dois objetivos. O primeiro é apresentar as características das operações de transporte internacional de carga da empresa, desde o recebimento dos materiais

Leia mais

A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile

A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile Comparativo A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile Rufino Fernando Flores Cantillano* Goiabas em embalagens de feijoa: específicas para o transporte a longa distância A logística de

Leia mais

Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo

Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo. Panorama do setor Marítimo Modal indicado para distribuição de grandes cargas, com transferências de longas distâncias a baixo custo O TRANSPORTE DE CARGAS NO BRASIL de longo curso Há 30 anos a velocidade de cruzeiro era de 10 nós;

Leia mais

www.figwal.com.br Bem Vindos Florianópolis, 23/Junho/ 2010

www.figwal.com.br Bem Vindos Florianópolis, 23/Junho/ 2010 www.figwal.com.br Bem Vindos Florianópolis, 23/Junho/ 2010 Centenário 14 bis de Alberto Santos Dumont Antonov 225 Antonov 225 - Primeiro vôo promocional para GRU / Brasil em 10.12.2007 - o A380 precisa

Leia mais

O Terminal Desempenho Operacional. Financeiro Acessibilidade ao Porto Desenvolvimento de Negócios

O Terminal Desempenho Operacional. Financeiro Acessibilidade ao Porto Desenvolvimento de Negócios TECON Salvador O Terminal Desempenho Operacional Financeiro Acessibilidade ao Porto Desenvolvimento de Negócios TECON Salvador Antes da Expansão Sem os portêineres, o cais de Ligação era voltado para a

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

Plano Diretor DPZ 1997-2020

Plano Diretor DPZ 1997-2020 Plano Diretor DPZ 1997-2020 Plano diretor de desenvolvimento do Porto de Fortaleza A alternativa de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Fortaleza, a seguir apresentada, busca obter o atendimento às

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Autores Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig

Leia mais

Replanejando a rede logística nacional

Replanejando a rede logística nacional Replanejando a rede logística nacional Alexandre Linhares { Este trabalho foi submetido `a apreciação do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, formado no Governo de Luís Inácio Lula da Silva,

Leia mais

Fazendo a diferença para sempre fazer melhor

Fazendo a diferença para sempre fazer melhor II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO Desafios de Implantação e Gestão de um Porto Privado Uma experiência nacional e internacional Florianópolis, 4 de outubro de 2015 PATRÍCIO JUNIOR - Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR L O G Í S T I C A 1.1) Introdução As atividades de comércio e a necessidade de interação com outras localidades revelam a importância do transporte de mercadorias e pessoas no desenvolvimento de uma região.

Leia mais

2 Fundamentação Teórica 2.1 Definição de Logística

2 Fundamentação Teórica 2.1 Definição de Logística 19 2 Fundamentação Teórica 2.1 Definição de Logística Por diversos anos o conceito de logística esteve diretamente associado às atividades de distribuição, armazenagem e transporte. As organizações não

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

Visão geral das operações

Visão geral das operações Visão geral das operações 68 Ultrapar Relatório Anual 2007 Ultracargo Líder no segmento de logística para granéis especiais e com ativos posicionados nos principais portos e entroncamentos intermodais

Leia mais

Vistoria Básica para Confêrentes

Vistoria Básica para Confêrentes Vistoria Básica para Confêrentes Container Nos primórdios da navegação marítima, toda mercadoria era transportada em tonéis. O tonel, por ser uma embalagem resistente e de fácil manuseio, foi o sistema

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto:

TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto: INTERLIGAÇÃO DAS HIDROVIAS TIETÊ-PARANÁ E PARANÁ-PRATA COM A TRANSPOSIÇÃO DA REPRESA DE ITAIPU, MEDIANTE A CONSTRUÇÃO DE PORTOS INTERMODAIS E ESTRUTURAS COMPLEMENTARES

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

Identificação dos Custos Logísticos

Identificação dos Custos Logísticos Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade - Identificação dos Custos Logísticos MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Washington Luís Reis Revisão Textual: Profa. Esp.

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Gestão de Fretes 15/09/2011. O transporte no processo logístico. O Sistema de Transporte. Matriz de Transportes O TRANSPORTE

Gestão de Fretes 15/09/2011. O transporte no processo logístico. O Sistema de Transporte. Matriz de Transportes O TRANSPORTE Gestão de Fretes O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; 2. Tem papel fundamental na prestação do Serviço ao Cliente O transporte no processo logístico

Leia mais

d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc.

d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc. 1 AV Cálculo de Fretes As tarifas são condicionadas a: a) Fatores de preço de mercadoria, tais como: tipo de embalagem, peso, volume, densidade, perecibilidade, periculosidade, facilidade de acomodação,

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL Seminário: Terminais, Ferrovias e Contêineres Maio/2009 A Empresa Nossa Atuação Logística de Minério de Ferro Transporte, manuseio e armazenagem de minério de ferro e pelotas

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Professores: Sílvio dos Santos, Esp. Eunice Passaglia, Dra. AULA N 2: OS NAVIOS

Leia mais

RODOVIAS DE ACESSO AO MUNICÍPIO

RODOVIAS DE ACESSO AO MUNICÍPIO TRANSPORTES RODOVIAS A localização geográfica de Araxá é excepcional, colocando o município em ponto estratégico, entre SÃO PAULO e BELO HORIZONTE, centros essenciais em termos econômicos. Um bom sistema

Leia mais

Transporte Hidroviário Urbano

Transporte Hidroviário Urbano PHD 2537 Introdução Contexto atual No Brasil, o transporte rodoviário é responsável por 96,02% da movimentação de passageiros Necessidade de expansão da infra-estrutura devido ao crescimento das cidades

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2014 COOPERATIVA DE TRANSPORTES DE CARGAS E ANEXOS LTDA

TABELA DE PREÇOS 2014 COOPERATIVA DE TRANSPORTES DE CARGAS E ANEXOS LTDA TABELA DE PREÇOS 2014 COOPERATIVA DE TRANSPORTES DE CARGAS E ANEXOS LTDA CGC -MF SOB Nº 79.621.454/0001-30 - Nº Registro, 6.180 em 03 de março de 1960 Av. Coronel José Lobo 1711 - Bairro : Porto Cep83203-340

Leia mais

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Movimentação de Materiais 1.0 Movimentação de Materiais É a operação de deslocamento físico de materiais de um local para outro, dentro da instalação de armazenamento.

Leia mais

7 ALL América Latina Logística S.A.

7 ALL América Latina Logística S.A. 7 ALL América Latina Logística S.A. Este capítulo irá abordar as características operacionais da Empresa ALL América Latina Logística S.A., cujas principais atividades encontram-se na região do Sul de

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

O QUE É O HUB LOGÍSTICO? O que é o Hub Logístico? Uruguai Tradicional Reconhecido como produtor e exportador de alimentos. Por inserir-se num alto número de mercados. Por produtos de excelente qualidade.

Leia mais

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado.

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado. Hamburg Süd encerra 2014 com faturamento de 5,2 bilhões de euros Empresa movimentou, juntamente com a subsidiária Aliança, cerca de 3,4 milhões de contêineres, um aumento de 2% em relação ao período anterior

Leia mais

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Gizelle Coelho Netto (UnB) gizelle@producao.em.ufop.br Priscilla Cristina Cabral Ribeiro (DEPRO/UFOP-PPGEP/UFSCar) priscilla@dep.ufscar.br

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 6 Serviços para Contêineres de Exportação.... 9 Serviços para Contêineres

Leia mais

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL O Papel da ANTAQ no desenvolvimento da navegação interior brasileira FERNANDO FIALHO Diretor Geral Brasília Embaixada da Holanda, 30 de agosto de 2007 A ANTAQ É - Autarquia

Leia mais