GÁS NATURAL. SENAI - Alagoas. do Gás Natural em Alagoas. Elo das Empresas Instaladoras. GÁS Selo de Qualidade para Cadeia Produtiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GÁS NATURAL. SENAI - Alagoas. do Gás Natural em Alagoas. Elo das Empresas Instaladoras. GÁS Selo de Qualidade para Cadeia Produtiva"

Transcrição

1 GÁS NATURAL GÁS Selo de Qualidade para Cadeia Produtiva do Gás Natural em Alagoas Elo das Empresas Instaladoras 1 SENAI - Alagoas

2 Conselho Regional do SENAI José Carlos Lyra de Andrade Presidente Conselheiros Alberto Cabus Floriano Alves da Silva Júnior João da Silva Nogueira Neto Representantes da Indústria Ricardo Coelho de Barros Representante do Ministério do Trabalho Mário César Jucá Representante do Ministério da Educação Manuel Januário Filho Representante dos Trabalhadores na Indústria SENAI - Departamento Regional de Alagoas Marben Montenegro Loureiro Diretor Regional Aleandre de Caiado Castro Moraes Diretor de Operações Carlos Alberto Pacheco Paes Diretor de Desenvolvimento Marcelo de Souza Carvalho Diretor do CFP "Gustavo Paiva" Aleandre de Caiado Castro Moraes Coordenador do CEP "Napoleão Barbosa" Conselho Administrativo da ALGÁS Arnóbio Cavalcante Filho Presidente Conselheiros Gerson S.. M. da Fonseca Arnóbio Cavalcante Filho Sérgio Roberto Uchoa Dória Representantes do Estado de Alagoas Ricardo Antonio Cavalcanti Araújo Representante da GASPART Ricardo José Lourenço de Mello Representante da GASPETRO Gerson S.. M. da Fonseca Diretor Preside nte Antonio Carlos Mesquita Dória Diretor Técnico Comercial Carlos Romeu Gomes Paes aes Leme Diretor Administrativo Financeiro Missão da ALGÁS Atuar como provedor de possibilidades de integração energética com o uso de gás natural, provocando intervenções benéficas no desenvolvimento sustentável de Alagoas Selo de Qualidade Selo de Conselho Deliberativo do Sebrae/AL Maria Fernanda Quintella Brandão Vilela Presidente Gen. Nilton Moreira Rodrigues Diretor Superintendente Osvaldo Viégas Diretor Técnico Alejandro Luiz Pereira da Silva Diretor de Planejamento Maria de Fátima Vilar Torres Chefe De Gabinete Missão do SEBRAE Promover a competitividade e o desevolvimento sustentável das micro e pequenas empresas Missão do SENAI "Contribuir para o fortalecimento da indústria e o desenvolvimento pleno e sustentável do País, promovendo a educação para o trabalho e a cidadania, a assistência técnica e tecnológica, a produção e disseminação de informação e a adequação, geração e difusão de tecnologia". 2

3 GÁS NATURAL GÁS Selo de Qualidade para Cadeia Produtiva do Gás Natural em Alagoas Maceió SENAI - Alagoas

4 Selo de Qualidade Selo de Equipe Técnica Ademir Aiton de Oliveira - SENAI José Júlio Araújo Ramalho - SENAI Marcelo de Souza Carvalho - SENAI Elaboração do Documento Alessandra do Amparo da Silva - ALGÁS Ângela Maria Almeida Fernandes - ALGÁS Fabrício Manoel Oliveira Colombo - SENAI Pedro Carlos Pedrosa - ALGÁS Colaboração Eliton Elói Brandão de Freitas - SENAI Diagramação, Projeto Gráfico e Capa Pascale Malinconico - SENAI Normalização Bibliográfica 666 Propaganda Criação da marca do selo Ficha Catalográfica SENAI. AL. Selo de qualidade para cadeia produtiva do gás natural em Alagoas. Maceió, p. SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de Alagoas Av. Fernandes Lima, e 2 andares Farol - Casa da Indústria Maceió - AL Tel: (082) Fa: (082) Centro de Formação Profissional "Gustavo Paiva" Rua Pedro Américo, 18 Poço Maceió - AL Tel.: (082) Fa: (082) Centro de Treinamento "Napoleão Barbosa" Distrito Industrial Gov. Luiz Cavalcante Quadra 8 - Tabuleiro dos Martins Maceió - AL Tel: (082) Fa: (082)

5 GÁS NATURAL GÁS Sumário Apresentação Objetivos...7 Certificação pelo selo de qualidade...8 a) Documentação legal... 8 b) Diagnóstico e classificação da empresa... 8 c) Capacitação profissional d) Processo de avaliação de conformidade das empresas prestadoras de serviço de instalações de gases combustíveis e) Requisitos do sistema de qualificação de empresas instaladoras de gases combustíveis f) Processo de qualificaçào, desqualificação e controle do programa g) Atendimento ao cliente com segurança e qualidade Etapas para obtenção do selo de qualidade ª Etapa - Candidatura ª Etapa - Programa de preparação para a obtenção do selo de qualidade ª Etapa - Avaliação para obtenção do selo de qualidade ª Etapa - Manutenção do selo ª Etapa - Divulgação ª Etapa - Estrutura de gerenciamento do selo SENAI - Alagoas

6 Apresentação Selo de Qualidade Selo de A confiabilidade de produtos e serviços está diretamente ligada à qualidade de equipamentos, acessórios e à credibilidade das empresas eecutoras. A inserção maciça do GÁS NATURAL na economia nacional, seja no COMÉRCIO, na INDÚSTRIA, no setor AUTOMOBILÍSTICO ou na CONSTRUÇÃO CIVIL requer profissionais especialistas e empresas com procedimentos técnicos e tecnológicos que atendam aos requisitos de qualidade e segurança, contribuindo assim com a disseminação deste novo combustível e sua aplicabilidade nos setores produtivos da economia. Diante do eposto, o SENAI-AL, ALGÁS e SEBRAE-AL apresentam O SELO DE QUALIDADE DO GÁS NATURAL. Este selo é a consolidação dos requisitos de qualidade necessários para a ecelência na prestação de serviços neste seguimento. Essa iniciativa empresarial em qualificar o setor é uma ação pró-ativa, indicando aos consumidores, as empresas em conformidade com os requisitos de qualidade e segurança, uma vez que as "Empresas Informais" terão que se adequar diante desta nova realidade. Outra preocupação dos parceiros, SENAI, ALGÁS e SEBRAE é posicionar cada empresa dentro do conteto da Qualidade, de forma que, no futuro próimo estejam em condições de buscar a certificação pela norma ISO

7 GÁS NATURAL GÁS Objetivos A obtenção e a manutenção da qualidade dos produtos e serviços em uma organização, dependem de uma abordagem sistemática para a gestão da qualidade, visando assegurar que as necessidades dos clientes sejam amplamente atendidas. O Selo de Qualidade para empresas instaladoras de sistemas a GÁS NATURAL tem como objetivos principais: a) Melhorar o desempenho da organização, métodos, processos e pessoas, estabelecendo as condições e requisitos técnicos e de gestão, aplicáveis às empresas prestadoras de serviços de instalações de gás natural, com foco na satisfação dos seus clientes internos e eternos. b) Aumentar a participação no mercado através da melhoria da qualidade dos produtos e serviços, estabelecendo padrões de operação compatíveis com as necessidades das empresas distribuidoras de gás natural, com a utilização das regulamentações e normas técnicas vigentes no país. c) Capacitar o corpo técnico das empresas disseminando técnicas e tecnologias de ponta. d) Aumentar a confiabilidade da sociedade em geral na utilização do Gás Natural, garantindo a segurança dos usuários deste energético. e) Distinguir as empresas quanto à qualidade dos seus produtos e serviços, através de um monitoramento adequado do ponto de vista da normalização necessária para regulamentação das suas atividades. f) Promover a competitividade das empresas certificadas no mercado local, regional e nacional. 7 SENAI - Alagoas

8 Certificação pelo selo de qualidade Selo de Qualidade Selo de O Selo da Qualidade está baseado no atendimento ao seguinte conjunto de critérios: a) Documentação legal b) Diagnóstico e classificação das empresas c) Adequação da empresa ao grupo e nível de classificação d) Processo de auditoria eterna e) Parecer técnico da auditoria (conformidade/não conformidade) f) Processo de qualificação, desqualificação e controle do programa g) Atendimento ao cliente com segurança e qualidade a) Documentação legal Este critério eamina a situação da empresa em relação à apresentação da documentação legal necessária ao funcionamento da empresa, quais sejam: C.N.P.J. Inscrição Estadual, Taa de Localização. b) Diagnóstico e classificação da empresa Este critério eamina os aspectos relacionados às atividades eecutadas pela empresa, assim como suas instalações, equipamentos, ferramentas e instrumentos utilizados, que merecem atenção especial em função de seus aspectos de segurança, prioritariamente para o consumidor final. Para tanto, fica evidente a necessidade do estabelecimento de segmentação do setor prestador de serviços, de forma a permitir um ajuste preciso na adoção de requisitos compatíveis com as características das operações a serem realizadas por cada tipo de empresa. A verificação será feita através de Chek List (aneo) realizado pelo auditor do SENAI, seguindo os requisitos 6.3 e 6.4 da norma ISO 9001/2000. Estão sendo identificadas abaio a relação de grupos de serviços, concebidas em termos de atividades afins, assim como, o estabelecimento de requisitos em diversos níveis que pode permitir a adoção e enquadramento mais racional por parte do mercado com relação ao atendimento de suas necessidades por parte das empresas prestadoras de serviço. 8

9 GÁS NATURAL GÁS Grupo A B C D E F G Descrição Instalação de rede residencial Instalação de rede industrial Instalação de equipamentos de cocção Instalação de equipamentos de aquecimento residencial Instalação de equipamentos de aquecimento comercial e industrial Conversão de equipamentos Instalação de posto GNV Divisão A1 B1 B2 C1 D1 E1 E2 F1 F2 G1 Descrição Uma unidade autônoma Médio porte Grande porte Comercial e Residencial Geral Médio porte Grande porte Residencial e Comercial Industrial Geral Atividades/Eemplos/Critérios instalação interna de tubulação e acessórios realização de teste de estanqueidade volume gás = O a 20m 3 /h instalação interna de tubulação e acessórios realização de teste de estanqueidade volume gás = O a 40 m 3 /h idem B1 volume gás > 41 m 3 /h instalação, substituição e remoção dos equipamentos serviço de conversão de equipamentos reparo e ligação de equipamentos residenciais instalação, substituição e remoção dos equipamentos reparo e ligação de equipamentos residenciais instalação, substituição e remoção de equipamentos e serviços associados reparo e ligação de equipamentos industriais volume gás = O a 100 m 3 /h idem volume gás > 100 m 3 /h instalação de medidores conversão de equipamentos volume gás = a 100 m 3 /h volume gás > 100 m 3 /h Planejamento e eecução de obras H I Obras de rede de distribuição de gás Obras de cogeração H1 I1 Geral Geral Planejamento e eecução de obras Planejamento e eecução de obras 9 SENAI - Alagoas

10 Selo de Qualidade Selo de Está sendo adotada a seguinte estrutura de níveis, associados às respectivas estruturas de requisitos técnicos e de gestão. Nível I II III IV V Macro estrutura de requisitos compromisso de adesão ao programa regularização técnica, jurídica e ART obras atendimento aos níveis técnicos (nível I) atendimento aos níveis de qualidade (nível I) atendimento aos níveis de saúde e segurança (nível I) requisitos nível I regularidade jurídica atendimento aos níveis técnicos (nível II) atendimento aos níveis de gestão da qualidade (nível II) atendimento aos níveis de gestão de saúde e segurança (nível II) requisitos níve lii atendimento dos níveis técnicos completos atendimento dos níveis de gestão da qualidade completos (base ISO 9001) atendimento dos níveis de gestão de saúde e segurança (nível III) requisitos nível III atendimento dos níveis de gestão de saúde e segurança completo (base OHSAS 18001) atendimento dos níveis de gestão de meio ambiente completo (nível IV) requisitos nível IV atendimento dos níveis de gestão de meio ambiente completo (base ISO 14001) Atendimento às regulamentações e normalização O segmento vem se estruturando adequadamente do ponto de vista da normalização necessária para regulamentar as atividades. Méritos devem ser apresentados ao Comitê Brasileiro de Combustíveis, que têm monitorado um plano de ação consistente, ao menos nos últimos 8 anos, provendo a sociedade da regulamentação técnica mais essencial à atividade de utilização e distribuição dos gases combustíveis. A seguir, são consideradas as principais normas aplicáveis ao segmento em análise. Outros podem ser validados e incorporados quando do detalhamento dos requisitos técnicos, em função dos grupos de serviços considerados. 10

11 GÁS NATURAL GÁS NBR Data Título Adequação de ambientes residências para instalação de aparelhos que utilizam gás combustível. Instalações internas de gás natural (GN) - Projeto e eecução. Instalações internas para uso alternativo dos gases GN e GLP - Projeto e eecução. Sistemas para distribuição de gás combustível para redes enterradas - tubos e coneões de polietileno PE 80 e PE eecução de solda de topo. Sistemas para distribuição de gás combustível para redes enterradas - tubos e coneões de polietileno PE 80 e PE eecução de solda por eletrofusão. Emprego de cores para identificação de tubulações de gases industriais. c) Capacitação profissional O perfil setorial das empresas de serviços de instalação de gás, segue a regra da construção civil, o que não demanda considerações adicionais e vêm justificando as grandes iniciativas de mobilização para qualidade, incluindo a esfera governamental. Considerando tais premissas, o desenvolvimento de recursos humanos é fundamental para melhoria das condições de prestação de serviços. Não é o caso de só buscar o treinamento do menos qualificados, e fazê-los ascender e crescer tecnologicamente, mas também de dotar os líderes, mestres e gerentes desta capacidade de lidar com o ser humano. O objetivo do treinamento é dotar o treinando de conhecimentos como: operação e utilização dos equipamentos, processos eecutivos e do produto e sua finalidade, bem como o treinando deve estar dotado de um atitudinal que o faça ser capaz de detectar, analisar os problemas e tomar ações corretivas. Entende-se que, no mínimo, devem ser considerados os seguintes temas a serem abordados em treinamentos para capacitação das equipes das empresas. a) conceito de qualidade; b) trabalhos em equipes, técnicas de liderança; c) atitude para detectar, analisar e tomar ações corretivas; d) utilização de equipamentos de segurança; e) manutenção de veículos e equipamentos; f) instalação de materiais e equipamentos; g) planejamento e gerenciamento. SENAI - Alagoas 11

12 Selo de Qualidade Selo de Obviamente, além da capacitação técnica e do cumprimento de normas e regulamentos estatutários, há de se entender que características de gestão técnica devem ser permanentemente avaliadas, sempre sob um prisma de melhoria contínua das empresas. Entende-se que eistam aspectos básicos a serem desenvolvidos ou aprimorados pelas empresas, enfocando: a) organização e administração da empresa (planejamento); b) planejamento da obra e análise de contratos (projeto); c) equipamentos, procedimentos eecutivos e características finais dos produtos (eecução); d) manutenção (uso e operação); e) aquisição de insumos, controle de instrumentos de medição e atendimento aos clientes (usuários). A situação da empresa quanto à competência técnica e tecnológica de seus colaboradores na eecução de atividades específicas, será eaminada conforme requisitos 6.2, e da norma ISO 9001/2000. d) Processo de avaliação de conformidade das empresas prestadoras de serviço de instalações de gases combustíveis A velocidade com que devem se processar, num futuro bem próimo, as inovações tecnológicas tanto em serviços quanto em padrões de eecução, apontam para uma necessidade regulamentar mais dinâmica e ágil, na qual as alterações possam ser rápida e facilmente incorporadas. A saída que foi identificada aponta para a adoção de um sistema de requisitos, técnicos e gerenciais associados e complementares, voltado para qualidade, segurança e meio ambiente; que possam ser validados de forma totalmente confiável, aderentes às principais práticas e iniciativas de setores do mercado, bem como às regulamentações e diretrizes das esferas governamentais. 12

13 GÁS NATURAL GÁS A avaliação de conformidade das empresas, estará baseada numa seqüência de níveis com características e requisitos complementares, aplicáveis aos vários grupos pré-identificados por tipo de serviço. O estabelecimento de requisitos em diversos níveis pode permitir a adoção e o enquadramento mais racional por parte do mercado com relação ao atendimento de suas necessidades por parte das empresas prestadoras de serviço. Nas tabelas abaio, apresentam-se os temas básicos dos requisitos técnicos e de gestão a serem considerados no processo de avaliação de conformidade. 1.1 Requisitos específicos para desempenho técnico Ref Itens de Requisitos Adesão Responsabilidade Técnica Treinamento e capacitação de pessoas Organização e administração da empresa Planejamento da obra Eecução dos serviços Atendimento aos clientes Aquisição dos materiais e serviços Equipamentos, operação e manutenção Higiene e segurança do trabalho I II III IV V SENAI - Alagoas 13

14 Selo de Qualidade Selo de 1.2 Requisitos específicos para gestão da qualidade (base ISO 9001:2000) Ref Itens de Requisitos Sistema de gestão da qualidade - documentação Responsabilidade da direção - comprometimento e política Responsabilidade da direção - planejamento Responsabilidade da direção - responsabilidade, autoridade e comunicação Responsabilidade da direção - análise crítica Gestão de recursos - provisão Gestão de recursos - humanos Gestão de recursos - infra-estrutura Gestão de recursos - ambiente de trabalho Eecução da obra - planejamento Eecução da obra - processos relacionados ao cliente Eecução da obra - projeto e desenvolvimento Eecução da obra - aquisição Eecução da obra - operações de produção e fornecimento de serviço Eecução da obra - controle de dispositivos de medição e monitoramento Medição, análise e melhoria - satisfação do cliente Medição, análise e melhoria - auditoria interna Medição, análise e melhoria - medição e monitoramento de processos e produtos Medição, análise e melhoria - controle de produto não conforme Medição, análise e melhoria - análise de dados Medição, análise e melhoria - melhoria contínua, ação corretiva e preventiva I II III IV V 14

15 GÁS NATURAL GÁS 1.3 Requisitos para gestão de saúde e segurança (base OHSAS 18001) Ref Itens de Requisitos Sistema de gestão de saúde e segurança - política Planejamento - identificação, avaliação e controle de riscos Planejamento - requisitos legais e outros requisitos Planejamento - objetivos e metas Planejamento - programa de gestão ambiental - estrutura e responsabilidade - treinamento, conscientização e competência - consulta e comunicação - documentação e seu controle - controle operacional - preparação e atendimento às emergências Verificação - monitoramento e mensuração de desempenho Verificação - acidentes, incidentes, não conformidades, ações corretivas e preventivas Verificação - auditoria Verificação - registros e sua gestão Análise crítica pela direção I II III IV V 1.4 Requisitos para gestão de meio ambiente (base ISO 14001:1996) Ref Itens de Requisitos Sistema de gestão - política ambiental Planejamento - aspectos ambientais Planejamento - requisitos legais e outros requisitos Planejamento - objetivos e metas Planejamento - programa de gestão ambiental - estrutura e responsabilidade - treinamento, conscientização e competência - comunicação - documentação e seu controle - controle operacional - preparação e atendimento às emergências Verificação - monitoramento e medição Verificação - não conformidades e ações corretivas e preventivas Verificação - auditoria interna Verificação - registros e sua gestão Análise crítica I II III IV V SENAI - Alagoas 15

16 Selo de Qualidade Selo de e) Requisitos do sistema de qualificação de empresas instaladoras de gases combustíveis A - Requisitos específicos para desempenho técnico - nível I Ref Adesão Itens Responsabilidade técnica treinamento e capacitação de pessoas Eecução de serviços Atendimento a clientes Aquisição de materiais e serviços Equipamentos, operação e manutenção Higiene e segurança do trabalho Requisitos a empresa deverá assinar um Termo de Adesão ao Programa, comprometendo-se formalmente com seus objetivos e regras a empresa deve encaminhar semanalmente para a cia. de gás uma listagem com informações sobre os serviços eecutados a empresa deve cumprir com os termos do 'Acordo de Cooperação' para qualificação e requalificação anual. a empresa deverá possuir profissional devidamente habilitado e registrado (CREA) que independentemente de outras atribuições ou vínculos atue como responsável técnico pelos serviços prestados pela empresa a empresa deve cumprir os termos deste programa a empresa deve cumprir as normas e regulamentos legais aplicáveis, bem como especificações técnicas da cia. de gás, inerentes ao serviço prestado (ver referência de regulamentos técnicos em função do tipo de serviço) a empresa deve qualificar-se conforme definição de requisitos mínimos ou conforme definição da cia. de gás, assumindo as responsabilidades advindas desta qualificação em função dos tipos de serviços e níveis de qualificação. a empresa deve providenciar treinamento e capacitação dos colaboradores relativos ao conhecimento da operação e utilização dos equipamentos a empresa deverá demonstrar conhecimento e respeitar as normas e regulamentos legais vigentes na eecução dos serviços que fazem parte deste programa. a empresa deve garantir o serviço eecutado quanto ao material utilizado e mão de obra por no mínimo 90 dias, respeitando as disposições do código de proteção e defesa do consumidor a empresa deve verificar atendimento aos requisitos técnicos e as normas aplicáveis aos produtos e serviços adquiridos a empresa deve estabelecer uma relação quantitativa e qualitativa dos equipamentos a serem utilizados nos serviços prestados a empresa deve evidenciar conhecimento sobre aspectos de higiene do trabalho 16

17 GÁS NATURAL GÁS B. Requisitos para gestão da qualidade (base ISO 9001:2000) - nível I Rof Temas SGQ (documentação) RD (comprometimento e política) RD (planejamento) RD (responsabilidade e comunicação) Recursos (Provisão) Recursos (Humanos) Eecução da obra (processos relacionados ao cliente) Eecução da obra (aquisição) Eecução da obra (operações de produção e fornecimento de serviço) Requisitos a empresa deve possuir e manter atualizadas as normas de regulamentos legais aplicáveis, disponibilizando de forma controlada tais informações aos colaboradores envolvidos com a eecução dos serviços. a empresa deve manter controlados por no mínimo 1 ano os registros que evidenciem a comprovação de atendimento aos requisitos estabelecidos para o tipo de serviço, assegurando que os mesmos são legíveis e prontamente recuperáveis. a empresa deverá formalizar e divulgar seu compromisso com a política da qualidade e satisfação do cliente, de modo que todos os colaboradores dele compartilhem. não aplicável a empresa deve definir uma estrutura organizacional que estabeleça as responsabilidades e as autoridades a empresa deverá destinar recursos suficientes para aquisição e manutenção de equipamentos, capacitação e segurança de seus colaboradores a empresa deve assegurar que os profissionais envolvidos com a prestação do serviço são competentes (escolaridade, eperiência e treinamento/certificação) para a eecução das atividades designadas a empresa deve observar a recomendação da cia de gás de cursos específicos de formação, capacitação e certificação profissional a empresa deverá analisar as consultas feitas pelos clientes, assegurando que eista plena capacidade de eecução dos serviços dos cliente solicitados com relação à competência técnica o que os preços e prazos acordados sejam cumpridos. a empresa deve disponibilizar ao cliente serviços de assistência técnica (em garantia ou não), eecutado por pessoal competente, seguindo ao disposto nos demais requisitos aqui estabelecidos. a empresa deve assegurar a aquisição de materiais em conformidade com as normas e regulamentos legais e especificações aplicáveis. a empresa deve identificar adequadamente os registros gerados durante a eecução dos serviços permitindo sua pronta recuperação em caso de reclamação do cliente ou da cia. de gás (identificação e rastreabilidade); a empresa deve zelar pela manutenção das condições das ferramentas e peças utilizadas na prestação dos serviços; a empresa deve inspecionar e zelar pela adequação e manutenção das condições dos itens de propriedade do cliente, fornecidos para a eecução dos serviços, como: materiais, instalações e ambiente; a empresa deve formalizar a entrega do serviço, evidenciando as garantias contratuais aplicáveis, as verificações e inspeções realizadas para liberação do serviço, o aceite do cliente e a notificação a cia. de gás. SENAI - Alagoas 17

18 Selo de Qualidade Selo de Eecução da obra (controle de dispositivos e monitoramento) Medição, análise e melhoria (medição e monitoramento) Medição, análise e melhoria (controle de produto não conforme) Medição, análise e melhoria (melhoria contínua, ação corretiva e preventiva) a empresa deve assegurar que os equipamentos de medição utilizados no controle da qualidade dos serviços eecutados são e estão adequados ao uso, com relação à precisão e eatidão; a empresa deve submeter periodicamente os equipamentos de medição utilizados no controle da qualidade dos serviços eecutados a testes comparativos contra padrões aceitáveis. a empresa deve controlar a qualidade dos serviços eecutados respeitando as verificações e testes previstos nas normas legais e especificações aplicáveis da cia de gás. a empresa deve assegurar que qualquer ocorrência de não - conformidade durante ou após a prestação do serviço será prontamente tratada e solucionada, mantendo registros adequados do problema, causa, solução e autoridade responsável. a empresa deve atender prontamente às reclamações da cia de gás ou dos clientes implementando ações corretivas proporcionais à magnitude dos problemas para evitar sua recorrência. C. Requisitos para gestão de saúde e segurança (base OHSAS 18001) Ref Temas Planejamento identificação, avaliação Planejamento (requisitos legais e outros requisitos) (consulta e comunicação) Requisitos a empresa deve atender à legislação vigente em termos de Riscos Ambientais (PPRA) e Saúde Ocupacional (PCMSO) disponibilizando EPI's controle de riscos e EPC's adequados ao grau de risco envolvido com os serviços eecutados em conformidade com as normas e regulamentos legais e especificações aplicáveis da cia de gás. a empresa deve identificar as normas e regulamentos legais, bem como as especificações aplicáveis da cia de gás a empresa deve providenciar estrutura para comunicação imediata junto à cia de gás no caso de incidente ou acidente. 18

19 GÁS NATURAL GÁS Requisitos do sistema de qualificação de empresas instaladoras de gases combustíveis - nível II A - Requisitos específicos para desempenho técnico - nível II Ref Adesão Itens Responsabilidade técnica Treinamento e capacitação de pessoas Organização e administração da empresa Planejamento da obra Eecução de serviços Requisitos a empresa deverá assinar um Termo de Adesão ao Programa, comprometendo-se formalmente com seus objetivos e regras; a empresa deve encaminhar semanalmente para a cia de gás uma listagem com informações sobre os serviços eecutados; a empresa deve cumprir com os termos do 'Acordo de Cooperação' para qualificação e requalificação anual. a empresa deverá possuir profissional devidamente habilitado e registrado (CREA) que independentemente de outras atribuições ou vínculos atue como responsável técnico pelos serviços prestados pela empresa; a empresa deve cumprir os termos deste programa; a empresa deve cumprir as normas e regulamentos legais aplicáveis, bem como, especificações técnicas da cia de gás, inerentes ao serviço prestado (ver referência de regulamentos técnicos em função do tipo de serviço); a empresa deve qualificar-se conforme definição de requisitos mínimos ou conforme definição da cia de gás, assumindo as responsabilidades advindas desta qualificação em função dos tipos de serviços e níveis de qualificação. a empresa deve providenciar treinamento e capacitação dos colaboradores relativos ao conhecimento da operação e utilização dos equipamentos; a empresa deve providenciar treinamento específico para utilização dos equipamentos de segurança; a empresa deve providenciar treinamento especifico para manutenção da higiene pessoal e do local de trabalho. a empresa deve estabelecer um organograma com definições claras de responsabilidades; a empresa deve estabelecer e manter controles e registros sobre origem e destino de produtos. a empresa deve estabelecer procedimentos para garantir conhecimento prévio das condições locais da obra; a empresa deve estabelecer procedimentos para verificar a disponibilidade de equipamentos adequados para eecução dos serviços. a empresa deverá demonstrar conhecimentos e respeitar as normas e regulamentos legais vigentes na eecução dos serviços que fazem parte deste programa; a empresa deve providenciar registros de acompanhamento de eecução de forma a evidenciar o que havia sido previsto e a que foi eecutado. SENAI - Alagoas 19

20 Selo de Qualidade Selo de Atendimento ao cliente Aquisição de materiais e serviços Equipamentos, operação e manutenção Higiene e segurança do trabalho a empresa deve garantir o serviço eecutado quanto ao material utilizado e mão-deobra por no mínimo 90 dias, respeitando as disposições do código de proteção e defesa do consumidor; a empresa deve fornecer instruções de manutenção e cuidados durante a vida útil da instalação dos produtos; a empresa deve evidenciar cumprimento de cronogramas e prazos acordados com o cliente. a empresa deve garantir que pedidos de compras sejam estabelecidos com base em especificações técnicas; a empresa deve verificar atendimento aos requisitos técnicos e normas aplicáveis aos produtos e serviços adquiridos; a empresa deve estabelecer procedimentos para realização de controle de qualidade dos materiais recebidos. a empresa deve manter em estado de operacionalidade os equipamentos, seus acessórios e ferramentas; a empresa deve estabelecer uma relação quantitativa e qualitativa dos equipamentos a serem utilizados nos serviços prestados. a empresa deve evidenciar conhecimento sobre aspectos de higiene e segurança do trabalho; a empresa deve estabelecer instruções sobre segurança e utilização de EPI's para colaboradores e controles sobre seu uso específico. B. Requisitos para gestão da qualidade (base ISO 9001:2000) - nível II 20 Ref Temas SGQ (documentação) RD (comprometimento e política) RD (planejamento) RD (responsabilidade, autoridade e comunicação) Recursos (Provisão) Recursos (Humanos) Requisitos a empresa deve possuir e manter atualizadas as normas de regulamentos legais aplicáveis, disponibilizando de forma controlada tais informações aos colaboradores envolvidas com a eecução dos serviços; a empresa deve manter controlados por no mínimo 1 ano os registros que evidenciem comprovação de atendimento aos requisitos estabelecidos para o tipo de serviço, assegurando que os mesmos são legíveis e prontamente recuperáveis. a empresa deve formalizar e divulgar seu compromisso como a qualidade e satisfação do cliente, de modo que todos os colaboradores dele compartilhem. a empresa deve evidenciar o planejamento do sistema de gestão. a empresa deve definir sua estrutura de responsabilidades e autoridade. a empresa deverá destinar recursos suficientes para aquisição e manutenção de equipamentos, capacitação e segurança de seus colaboradores. a empresa deve assegurar que os profissionais envolvidos com a prestação do serviço são competentes (escolaridade, eperiência e treinamento 1(uma) certificação), para a eecução das atividades designadas; a empresa deve observar a recomendação da cia de gás de cursos específicos de formação, capacitação e certificação profissional.

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA.

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. Revisão maio 2015 Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 1 Nível Ingresso Documentos que deverão ser apresentados

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE 1 Agradecimentos e reflexões iniciais 2 Normas e Sistema de Gestão Integrado 3 Modelo de Excelência na Gestão 4 Interfaces

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 1 / 21 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1 REQUISITOS GERAIS... 4 4.2 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 001 / Outubro de 2009 CBC - Consultoria e Planejamento Ambiental Ltda. Rua Felicíssimo Antonio Pereira, 21-37, CEP 17045-015 Bauru SP Fone: (14) 3313 6332 www.cbcambiental.com.br

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO

Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO OBJETIVO GERAL ESTABELECER E IMPLEMENTAR UM MODO INTEGRADO PARA O DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DOS FORNECEDORES DAS PRINCIPAIS

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001:2008 ERRATA 1 Publicada em 11.09.2009 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ERRATA 1 Esta Errata 1 da ABNT NBR ISO 9001:2008 foi elaborada no Comitê Brasileiro da

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTAL ISO 9001:2008 + ISO 14001:2004

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTAL ISO 9001:2008 + ISO 14001:2004 ISO 91:28 + ISO 141:24 1. PROPÓSITO: Descrever o Sistema de Gestão da Qualidade e Ambiental (SGQA) da MONDIL MONTAGEM INDUSTRIAL, comprovando assim a sua plena adequação à norma NBR ISO 91:28 Sistemas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA...

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... MANUAL DA QUALIDADE Pág.: 1 de 21 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESCOPO E EXCLUSÕES DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1. Requisitos

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Manutenção e Reforma. Saiba as ações necessárias para atendimento às novas normas de modo a não implicar em suas garantias. Ricardo Santaliestra Pina

Manutenção e Reforma. Saiba as ações necessárias para atendimento às novas normas de modo a não implicar em suas garantias. Ricardo Santaliestra Pina Manutenção e Reforma Saiba as ações necessárias para atendimento às novas normas de modo a não implicar em suas garantias Ricardo Santaliestra Pina Norma ABNT NBR 5674 Manutenção Edificações Requisitos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings ALSHOP Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers São Paulo, 26 de julho de 2012 Marcelo Drügg

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica GOIÁS (SEAC-GO) Rua dos Bombeiros, Qd. 248, Lt. 12, 14 e 15 Parque Amazônia-Goiânia-GO CEP: 74835-210 CNPJ: 02.552.768/0001-01 Telefone: (62) 3218-5946 / 3218-5330 Pessoa de Contato: Rousilene Correa de

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais