FACULDADE DE SÂO VICENTE - UNIBR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE SÂO VICENTE - UNIBR"

Transcrição

1 FACULDADE DE SÂO VICENTE - UNIBR PEDAGOGIA 6ºA RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIOS U.M.E.I MARIA PATRICIA e E.E EMIDIO JOSÉ PINHEIRO VANESSA DA SILVA SANTOS DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROF. Orientador (a): ELAINE TRINDADE SÃO VICENTE DEZEMBRO/2013

2 FACULDADE DE SÃO VICENTE - UNIBR VANESSA DA SILVA SANTOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Trabalho apresentado à Disciplina do Estágio Supervisionado, do curso de graduação de Pedagogia, como requisito parcial para obtenção da nota. Orientador (a): Prof.ª ELAINE TRINDADE SÃO VICENTE 2013

3 FACULDADE DE SÃO VICENTE - UNIBR VANESSA DA SILVA SANTOS FOLHA DE APROVAÇÃO Trabalho apresentado à Disciplina do Estágio Supervisionado, do curso de graduação de Pedagogia, como requisito parcial para obtenção da nota. Orientador (a): Prof.ª ELAINE TRINDADE: SÃO VICENTE 2013

4 SUMARIO Introdução... 5 Dados de Identificação da Escola de Educação Infantil... 6 História da Unidade... 7 Estrutura Física e Organizacional da Escola... 8 Concepção de Educação Adotada pela Escola... 9 Caracterização da Unidade Atividade de Docência da Educação Infantil HISTORIA da Unidade do Ensino Fundamental...16 Estrutura Física e Organizacional Caracterizações da Unidade Escolar Atividades de Docência do Ensino Fundamental Considerações Finais Referências Bibliográficas

5 Introdução Venho por meio de este relatório apresentar as observações feitas por mim vivenciada na Unidade de Ensino do Município de Santos, SP, U.M. E Maria Patrícia. Tendo por finalidade registrar a prática da ação docente, bem como, observar procedimentos, metodologias e elaboração dos conteúdos e recursos didáticos para a aplicação das atividades pedagógicas no processo de ensino e aprendizagem dos alunos da Educação Infantil.Na busca do aperfeiçoamento e interação da teoria com a prática, aspecto tão importante para qualquer tipo de profissional, em especial o professor. Sendo que para Antunes: Um bom educador infantil é, antes de tudo, um excelente profissional.ser afetivo, carinhoso, atento, alegre e que adore trabalhar com crianças são atributos desejáveis, mas não podem esconder a essência do profissionalismo e, portanto, do pleno domínio de saberes inerentes a trabalho que faz.(antunes, 2010, p.98) Em primeiro momento realizei o estágio na Unidade Municipal de Educação Prof. Maria Patrícia uma das Unidades infantil de período integral do Município de Santos, localizado no Estado de São Paulo, na Avenida Martins Fontes, n 225, no bairro do Valongo. Na ocasião observei a sala de aula do nível maternal II (crianças de 3 aos 4 anos de idade, desde o dia 01/08/2012 ao 05/12/2012, de segunda-feira a sexta-feira das 07h00 ao 12h00, com a participação no nível maternal II e atividades realizadas com o auxílio aos professores e regência de classe no mesmo nível. 5

6 1. Dados de Identificação da Escola de Educação Infantil UME MARIA PATRÍCIA Endereço: Avenida Martins Fontes, n 225 VALONGO Santos/SP Telefone (13) mpatricia- Curso: Educação Infantil Nível I,II E Pré Escola Período: Integral Funcionamento: 07h00 as 18h00min Diretora: Norma Batista de Oliveira Órgãos Auxiliares da Escola: APM Associação de Pais e Mestres Direção do Conselho Tutelar, Policlínicas do Bairro, Equipe Administrativa e Equipe Pedagógica. 6

7 1.1 Histórias da Unidade A Unidade Municipal de Ensino Maria Patrícia foi inaugurada em 24 de fevereiro de A Unidade Escolar recebeu esse nome em homenagem à parteira MARIA PATRÍCIA, que nasceu em Santos, por volta de Filha do Sr. Patrício e da Sra. Joana, negros forros, casou-se com o Sr. Levino Antônio Fogaça, em Teve três filhos: João Antônio, Maria Benevinda e Geraldina. Em seu ofício de parteira, não fazia da profissão mercantilismo, mas sim, puro sacerdócio. Quase todos os filhos das pessoas mais qualificadas da cidade, nasceram de suas mãos. Maria Patrícia foi uma mulher do povo que resplandeceu na vida social da cidade. A firmeza de caráter e a fina inteligência ampliaram-lhe a fama do valor profissional. Maria Patrícia morreu no dia 18 de novembro de

8 1.2. Estrutura Física e Organizacional da Escola Trata-se de uma Unidade Pública com sede própria que passou recentemente por uma reforma de porte médio no ano vigente, tendo algumas alterações na planta, sendo considerada uma unidade de porte pequeno, possui boa estrutura física para melhor atendimento com 108 alunos durante o período do integral, o8 salas de aulas com banheiros adaptados de acordo com a faixa etária das crianças, sala de professores, 02 banheiros, uma sala de direção, 1 sala para Coordenadora Pedagógica, 1 sala da Orientadora Educacional,1 sala de vídeo,1 sala de Informática e área livre com Horta, pátio com Parquinhos e brinquedos ( casa da boneca), tanque de areia, pátio coberto para eventos e atividades extraclasse e exposição, refeitório com mesas e cadeiras( cada sala possui a mesa/cadeira de acordo com a cor da sua sala).1 cozinha (com dispensa)e 1 lavanderia (cobertores e colchões). As salas são amplas, com janelas grandes de vidro transparentes portas de madeira com grade, armários para armazenagem do material pedagógico dos alunos e pertences das professoras, colchonetes, banheiro com lavatórios e chuveiros, cabides para dependurar roupas e toalhas dos mesmos, para serem utilizados entre as outras salas. Devido a reforma do pátio no ano vigente do estágio realizado, não foi possível evitar alguns transtornos, relativos a acomodação dos infantes, sendo assim necessário permanecer em outro por um pequeno período sem realizar atividades no pátio. 8

9 1.3. Concepção de Educação Adotada pela Escola Mediante o entendimento que obtive sobre o PPP (Projeto Político Pedagógico) da Unidade, a creche Maria Patrícia,procura promover por meio das atividades lúdicas e pedagógicas com as crianças desde pequenas, a importância da formação da cidadania, da inserção social, comunitária e a participação efetiva na sociedade, religiosa e política em suas práticas educativas, tornando-se um espaço de trocas e experiências(espaço multicultural) de construção na busca do conhecimento com a finalidade de proporcionar a formação permanente de crianças para o seu pleno desenvolvimento no âmbito afetivo, cognitivo e motor. Baseando-se em Galvão (1995, p.49), A afetividade, o ato motor e a inteligência são campos funcionais entre os quais se atribui atividade infantil. Visto que, a criança se desenvolve cercada de tais fatores é imprescindível para o educador como salienta Nicolau (1986) fazer observações, pois, sendo que: Na pré-escola, o melhor instrumento para orientar, acompanhar e avaliar o desempenho infantil parece-nos ser a observação. (NICOLAU, 1986.p.290) Compreendo que é a prática recorrente para os docentes da creche, observar ás crianças nos seus mais diversos momentos de interação e aprendizagem enquanto brincam, aprendem, fantasiam, sonham elas se desenvolvem em todos os aspectos psicológicos, afetivo, motor e biológico. Observam-nas enquanto se alimentam, correm, dançam, dormem, brincam, interagem com seus pares, professores, funcionários da unidade, pais ou qualquer outra pessoa do seu contexto social. 9

10 1.4. Caracterização da Unidade Escolar. Obsevei que a Proposta Pedagógica da creche é elaborada com a participação do corpo docente e educadoras do desenvolvimento infantil e demais profissionais da educação e comunidade juntamente com a participação dos pais.a comunidade é convidada á participar para que as diferenças da realidade local sejam identificadas com o propósito solucionar os problemas diagnosticados de forma democrática valorizada. Notando que para o planejamento das ações pedagógicas os horários são articulados de maneira que atenda a rotina das atividades selecionadas diárias da unidade. Percebe-se que a prática educativa pedagógica é registrada diariamente no Diário de Classe e semanalmente no Portfólio com atividades selecionadas em consonância com o conteúdo que está sendo trabalhado ou por projetos, e assim é feito registro das ações dos projetos de sala de aula e da escola: e a avaliação do planejamento é realizada ao final de cada fator importante na aprendizagem das crianças que pude observar, faz parte do PPP) Projeto Político Pedagógico da escola que essa heterogeneidade também faz parte da constituição das famílias que tem seus filhos na Unidade de Ensino. A maioria das crianças vivem com seus pais, alguns com avós e outros com tios ou tias: em certas ocasiões. Em sua maioria ainda nãoi possuem a paternidade reconhecida, esse fator impulsionam oito as mães ou responsáveis a assumirem o papel de chefe da família, ficando, ás vezes, restando para segundo plano o cuidado de higiene pessoal e saúde coletiva relacionada á criança. Segundo o Projeto Político Pedagógico da escola é preciso que a comunidade seja participativa e envolvida ao entorno do que ocorre com a demanda das reais necessidades da Instituição Escolar. Ponto positivo esse que valoriza a participação dos responsáveis na elaboração do planejamento escolar do processo de ensino-aprendizagem das crianças. 10

11 Um ponto negativo foi perceber a falta de interesse de algumas famílias em valorizar a escola, sendo uma continuidade do seu lar, é o que muitas vezes dificulta o trabalho do docente realizado pelos envolvidos no ambiente escolar.é visto como o lugar apenas de atendimento assistencialista, e por fim descaracterizando-a como instituição de ensino, não levando em conta a responsabilidade que devem assumir perante seus pupilos ATVIDADES de Docência da Educação Infantil O trabalho que realizei como estagiária possibilitou compreender a fusão entre a teoria e a prática, não havendo dicotomia de um agir sem a complementação do outro, como estudei na disciplina de Psicologia da Educação e também em Desenvolvimento da Prática Pessoal, tendo como fundamentação as concepções pedagógicas apresentadas como Piaget, Vygotsky e Paulo Freire. Em alguns momentos realizei atividades como contação de história em que a Professora Regente oportunizou a experiência de vivenciar essa prática educativa, nesse momento consegui identificar a importância da disciplina de Didática nas Séries Iniciais pela Professora Claudia Pereira em Contação de histórias e a forma como estar atenta aos combinados para a turma e assim manter um ambiente harmonioso para que os pequenos aprendam desde já a importância de se manter em silêncio para uma qualidade melhor do aprendizado em sala de aula Também presenciei a hora da entrada e saída das crianças, elas são trazidas pelos seus responsáveis até a porta e as professoras fazem o acolhimento. Por meio de roda de conversa com músicas instrumentais. As atividades no decorrer da rotina são organizadas na creche de modo que possibilita o desenvolvimento psíquico, físico,emocional e 11

12 psicológico das crianças,com a finalidade de desenvolver como 9 -sujeito que brinca, aprende, inventa para ser inseridos na sociedade que vivem, com direitos á formação integral em todos os seus aspectos. Vivenciei a experiência de auxiliar na hora do banho que ocorrem normalmente em horários alternados um dia de manhã e o outro á tarde, e assim segue por todo o ano letivo, salvo é claro se ocorrer algum imprevisto. Observei que na creche ás crianças pequenas tem prioridade, o primeiro horário das refeições é voltado para o berçário, que atende ás crianças de 6meses a (um) ano de idade, e assim sucessivamente. Também vivenciei a oportunidade de auxiliar na alimentação das crianças, pois eles são alimentados pelas professoras e educadoras do desenvolvimento infantil, visto que não possuem condições para fazê-lo sem auxilio. Porém, com crianças acima de 3 anos de idade as Professoras e educadoras orientam na alimentação incentivando por meio de música, picando, juntado, separando e auxiliando de maneira em que os pequenos ganham mais autonomia para se alimentar e aprendem a viver através da socialização com outras crianças. Após o almoço retornamos a sala de aula para realizar o momento da escovação, orientei algumas crianças para ida ao banheiro e a organização para a hora do soninho. A companhei o momento do soninho para que ás crianças não sofram qualquer tipo de problema de ordem física ou metabólica, podendo prestar socorro imediato se por acaso, aconteça alguma alteração na rotina do sono. Contemplei na Educação Infantil a utilização é comum de roda de conversa em várias situações, fato este que a mantém como um ritual de comunhão e pertencimento ao grupo descrito por (Nicolau, 1986). Além de ser uma estratégia didática, ás crianças sentem-se pertencentes ao grupo valorizando assim, o aspecto afetivo da relação de interação professor-aluno, aluno-aluno, fator que contribuem também para desenvolver a habilidade argumentativa na oralidade. 12

13 Quando estive em frente a regência da sala de aula, oportunizei alguns momentos de troca de experiência nas rodas de conversa. Outro momento bastante significativo foi durante as rodas de leitura e hora do conto, na qual pude compartilhar com ás crianças histórias clássicas que fizeram parte do meu imaginário infantil. A história é um valioso recurso pedagógico. O educador precisa ser o melhor e o mais empolgante narrador. Ao educar cabe dinamizar a sua forma de contar histórias. Tanto quanto possível, deverá ser tão vivido esse processo que fará com que a criança. 1986, p ). Penetra na história e nas suas personagens. (Nicolau, Sentei-me com as crianças solicitei que pudessem sentar-se também, orientei elas a cruzarem as pernas, como costumam fazer os índios, Prontamente o meu pedido foi atendido é claro com um pouco de tumulto, pois todos querem sentar-se perto da professora. Esse momento da rotina em que irão ouvir histórias e compartilhar vivencias mais próximas uns dos outros, foi ao meu ver enriquecedor, pois ás crianças podiam tanto falar, quanto escutar é claro que tivemos que fazer um combinado anteriormente para que todos pudessem participar,consegui manter o silêncio para aguardar o momento de interagir a confabulação,ou seja, a arte de contar histórias, instigar o imaginário dos pequenos.. É interessante atentei para as reações das crianças que são as mais inusitadas possíveis. Elas atentam aos relatos, sobre fatos ocorridos em casa. No horário do parque, e até mesmo o que está acontecendo naquele momento não perde nenhum detalhe até quem beliscou quem? O sapato do colega que está desamarrado, ou outro assunto, ainda que alguns não demonstrem sequência das ideias com clareza para os relatos. Entretanto, nota-se que as interrupções são constantes e todos acreditam que aquilo que tem pra relatar é de extrema urgência. Para que todos pudessem participar foram necessárias intervenções por parte da educadora 13

14 que possibilitasse a interação de todos. Os pequenos poderiam falar no momento adequado, bastando esperar sua vez.. Após a leitura feita por mim ou uma indagação dirigida aos outros.também aprendi na disciplina de Literatura nas séries iniciais como o Professor(a), deve manter a observação nos momentos da roda de história,pois todos querem se sentir importantes e ouvidos crianças são extremamente inteligentes e observadoras. Sempre que possível, o educador deve participar da atividade com seus alunos, demonstrando prazer, pois, tal atitude lhe possibilitará maior intimidade, fazendo com que seja encarado pelas crianças como um companheiro.(nicolau, 1986, p.179) Contudo, ao vivenciar na escola de educação infantil como se dá o processo de construção do conhecimento, compreendo que não existe um fragmento cabeça-corpo e cognição - afeto como pensam alguns educadores. Tenho aprendido durante este estágio que a proposta pedagógica da educação infantil tem por base teórica a concepção de Vygotsky e wallon, sua aprendizagem está no foco do sócio-interacionismo, no qual a credita-se que a criança nasce com condições para interagir com outros indivíduos mais - experientes seus pais, outros familiares, os educadores e outras crianças.o estágio é sem dúvida a mola propulsora para um grande aprendizado para a formação do futuro docente. Tendo em vista obsevado como se dá a prática educativa no pleno exercício da atividade docente entende-se que, o real sentindo de ser professor, é torna-se um profissional comprometido com a integração de seus alunos em sua totalidade, portanto deve haver por parte do educador um desempenho em garantir o pleno desenvolvimento de suas competências e habilidades para atuar de forma consciente na sociedade que vivem como cidadãos sócio- crítico participativo. 14

15 Por fim, na disciplina da Organização do Trabalho Escolar a Professora Solange Padilha tem nos orientado sobre a necessidade do trabalho coletivo da equipe docente, alunos, comunidade e sociedade sempre com o foco no processo de ensino aprendizagem dos alunos nas escolas. No entanto, os pais e a comunidade escolar, são convidados a participar da proposta pedagógica, do conselho de classe, sendo esse atuante e benéfico para o bom andamento da Unidade Escolar, ainda que os responsáveis não atuem de forma mais efetiva. Consegui visualizar por meio da disciplina PPP (Projeto Político Pedagógico), a necessidade de o Gestor compartilhar com a comunidade sobre as decisões que devem ser trabalhadas para encontrar possíveis soluções, com o objetivo de garantir a aprendizagem dos alunos mesmo na Educação Infantil. Portanto, eu pude observar uma grande harmonia entre a equipe docente, fator esse determinante que facilita a realização do trabalho pedagógico proposto pela equipe técnica, a gestão escolar de qualidade se dá num movimento dialético de interesses em comuns, ou seja, alcançar o objetivo maior na escola preocupando se com o aprendizado dos alunos, o foco deve estar sempre no processo de ensino-aprendizagem dos alunos. Constatei que as atividades realizadas no estágio foram importantes para a formação do curso de Pedagogia e na construção de minha futura postura como Docente. No entanto, os pais e a comunidade escolar, são convidados a participar da proposta pedagógica, do conselho de classe, sendo esse atuante e benéfico para o bom andamento da Unidade Escolar, ainda que os responsáveis não atuem de forma mais efetiva. 15

16 1.1 HISTORIA da Unidade do Ensino Fundamental A Unidade Estadual Escolar recebeu o nome de Prof José Emídio Pinheiro em homenagem a um Padre que vivia neste Bairro na Cidade de Guarujá por ensinar gratuitamente em uma Igreja Católica a comunidade mais carente, e assim após sua morte por pneumonia, recebeu esta Homenagem do Prefeito da Cidade na época de Em seu ofício de padre dedicou parte de sua vida a fé serviço carismáticos, aos mais necessitados, embora tivesse sua formação em Filosofia, preferiu seguir a sua vocação de Padre. A Unidade Estadual de Ensino Prof. Emídio José Pinheiro, localizada na Rua Doutor Carlos Nerhing, n 1293, no Bairro da Vila Santa Rosa na Cidade do Guarujá, atende atualmente cerca de 700 alunos entre o período Matutino e Vespertino, sendo de Ensino Fundamental com crianças na faixa etária de 6 ( seis) aos 11 (onze) anos de idade. 16

17 1.2 Estrutura Física e Organizacional Trata-se de uma Unidade Estadual com sede que pertence ao Governo do Estado de São Paulo, passou o ano passado por uma reforma que recebeu uma boa verba pela qualidade do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Brasileira) que avalia a qualidade de ensino da aprendizagem dos alunos e de toda equipe escolar, incluindo os professores, funcionários, alunos e comunidade local. É uma escola de porte médio que atende cerca de 700 alunos do período matutino e vespertino no horário de funcionamento das 07h00min às 18h00min, sendo composta por 10 salas de aulas de manhã do 3, 4 e 5 ano e a tarde também possui alunos de 1 e 2 ano também com o mesmo número de crianças. A escola possui uma secretária com 3 auxiliar escriturários, a sala da Gestora que é dividida entre a Coordenadora Pedagógica Lígia, Assistente de Direção Carla Galvão e pela Diretora Tânia, cada sala de aula tem cantinho de Leitura, armários, 6 janelas e ar-condicionador em todas as salas e tem 2 lousas, cortinas, é um ambiente bem arejado e mantém se sempre limpos pelos serventes da Unidade Escolar, possui 8 banheiros sendo 4 para os meninos e 4 para as meninas, um banheiro para os professores separado uma sala de Professor, sala de vídeo e de informática, pátio coberto com mesas e bancos para as refeições dos pequenos e uma quadra sem cobertura para aas aulas de Educação Física, possui professores de Arte, Informática e Educação Física, no ensino do Estado para os 1 e 2 anos só é lecionado as disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática. 17

18 1.3 Caracterizações da Unidade Escolar Observei que a Proposta Pedagógica da escola é elaborada com a participação do corpo docente, discente e também com a participação da comunidade local. Sempre quando a necessidade da gestora tomar alguma decisão referente ao Projeto Político Pedagógico da Unidade de Ensino é realizada no primeiro momento uma reunião com os professores para fazer um levantamento sobre as principais dificuldades encontradas e as possíveis soluções a serem encontradas com a participação de todos os sujeitos envolvidos. Neste relatório, serão expostos conceitos das disciplinas que estudamos até o momento presente, associando com o tema proposto. Ao vivenciar a prática pedagógica na Instituição de Ensino E.E.Prof. Emídio José Pinheiro, no Município de Guarujá, percebeu-se que a Disciplina de Linguagem Oral e Escrita serve como parâmetro para orientar a forma de identificar como ocorre o processo de ensinoaprendizagem da leitura e escrita nas séries iniciais do Ensino Fundamental. Notei que ao adentrar na sala de aula do 2 ano C, na qual estou atuando como AP (Aluno Pesquisador), com a finalidade de entender e acompanhar de perto esse processo dinâmico de interação e troca de experiências caracterizadas por um cenário tão rico e heterogêneo que é o ambiente escolar. Quando adentrei na sala de aula com crianças na faixa etária entre (7) sete e (8) oito anos, conversei com a Professora Lilian, sobre seus alunos, ao observar como alguns alunos se comportam diante da dificuldade da leitura e da escrita, percebo o quanto é importante que o Educador procure buscar relatar a experiência em sala de aula no estágio, pois ao escrever o futuro docente realiza a ação e reflexão - ação sobre a postura que pretende construir junto ao processo de sua atuação no estágio por meio da práxis. 18

19 1.4 Atividades de Docência do Ensino Fundamental O trabalho que realizei como AP (Aluno Pesquisador) possibilitou a minha descoberta de sair do olhar ingênuo para ter um olhar investigativo, conceber de perto como funciona o processo de ensino e aprendizagem que devem perpassar além dos muros das escolas, afinal essa tarefa é árdua, porque exige um saber e um saber-fazer que instiga a procura constante de aprender e compreender o real sentido de ser professor e a importância do estágio para a preparação do futuro docente para atuar na Instituição de Ensino, sentindo mais seguro em sua atuação pedagógica no processo educativo. É necessário ser estimulado pelos estudos, reflexões e, especialmente, pela presença muito próxima de nosso professor (a), como amigo (a) inspirador (a) que conduz e ilumina o nosso fazer pedagógico. Vivenciei momentos de auxiliar alunos com dificuldades de leitura e escrita e de cálculo nas séries do 2 ano C especificamente, atendo uma turma de 12 alunos que há uma resistência na construção da escrita do escrever e ler, mas com o auxilio da Professora Regente Atual Carmen que tem me dado suporte pedagógico para me ajudar nesta fase tão importante tanto para os alunos quanto para a minha formação pedagógica como futura Professora de Ensino Fundamental e das séries inicias. Enquanto educadores envolvidos num processo naturalmente estético (...) outro ponto que faz da educação um momento artístico é exatamente como ela é, também, um ato de conhecimento. Conhecer para mim é algo de belo! Na verdade em que conhecer é desvendar um objeto, chama-o para a vida, e até mesmo lhe confere uma nova vida. Isto é uma tarefa artística, porque nosso conhecimento tem qualidade de dar vida, criando e animando os objetos enquanto os estudamos (...). Assim, a educação é simultaneamente uma determinada teoria do conhecimento posta em prática, um ato político e um ato estético. 19

20 Essas três dimensões estão sempre juntas momentos simultâneos da teoria e da prática, da arte e da política, o ato de conhecer a um só tempo criando e recriando, enquanto forma os alunos que estão conhecendo (Freire, 1987: ). O comportamento de Educador- educando se dá num processo de constante diálogo e interação a todo o momento na sala de aula. É por meio dessa relação dialógica que compreendemos a relevância do papel que o Educador representa na sociedade. Vivenciamos a experiência que existe entre a teoria e prática, pois, o aprendizado é um processo doloroso e intencional para preparar o educando (futuro docente), a atuar com compromisso na construção de sua formação como Docente. Conseguimos analisar, por meio das observações feitas no estágio o grau complexo de inserir informações e transformar em conhecimento, o aluno não é um objeto vazio, mas um protagonista de sua própria aprendizagem e, isso requer uma preparação maior na formação do docente. É um desafio entanto, que teremos pela frente exercer o papel de mediador e introduzir aos alunos a fazer uso da leitura e da escrita. Logo, assim criando condições para o desenvolvimento das habilidades nas práticas sociais que circulam na sociedade em que vivem, como exemplo, oferecer gêneros textuais para o uso de situações diversas (bilhetes, , receita culinária, carta, tirinha de jornal, etc.). Decodificou-se que o PPP (Projeto Político e Pedagógico), constitui elementos importantes pertinentes na elaboração na prática docente, entre a teoria e a prática que permeia na escola. Esses elementos constitutivos são norteados pelos princípios, objetivos, procedimentos, caracterização da unidade de ensino, avaliação e a gestão escolar, que deve ser fundamentada pela Lei da LDB 9.394/96 da Educação Brasileira, que estabelece como parâmetro nacional curricular uma escola pública de qualidade que ofereça um ensino voltado por uma escola cidadã, democrática, autônoma e participativa. Entretanto, ao vivenciar esta etapa tão rica da aquisição da leitura e da escrita dos alunos, percebo o quanto é essencial para o Educador estar comprometido com a sua Profissão, pois, ao ensinar também se aprende quem ensina e aprende ao também ao ensinar. Logo, tem sido um privilégio participar ativamente da construção desse processo. 20

21 Considerações Finais Ao construir este relatório de estágio percebo o quanto é importante esta etapa do processo de ensino e aprendizagem, pois consigo entender melhor a relação da teoria e a prática como elementos indissociáveis na verdade uma não existe sem a outra. Participar das atividades nas escolas contribuiu de forma significativa para a construção de minha formação docente como futuro Educadora. Entretanto, se faz necessário compreender que o estágio é uma das possibilidades da formação continuada que conduzirá a novos rumos para auxiliar na postura que terei diante do mundo e para com os meus alunos. FREIRE, sem educação não há transformação... (1997). 21

22 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTUNES, Celso. A CRIANÇA: RECADOS E CUIDADOS. 18. Ed. Petrópolis. Vozes, ALMEIDA, Ana Rita Silva. A emoção na sala de aula. 8. Ed. Campinas, Papiros, NICOLAU, Marieta Machado. A Educação préescolar: Fundamento de Didática/2. Ed. Marieta Lúcia Machado Nicolau- 2 ed. São Paulo: Ática,

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA EXPERIENCIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA EXPERIENCIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Capa FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EAD UNIDADE PEDAGÓGICA DE SALVADOR CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA EXPERIENCIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Salvador Bahia 2010 Folha de Rosto

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

Centro Educacional Pró-Hope

Centro Educacional Pró-Hope Centro Educacional Pró-Hope A escola da Casa Hope As pessoas que são atendidas pela Instituição sofrem com a carência financeira, a doença e o afastamento da rede familiar e social de apoio. Tudo isso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Maracaju 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão PELOZO, Rita de Cássia Borguetti Docente da FAHU/ACEG RESUMO: O presente trabalho procura evidenciar a importância

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin

JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin Quem não se lembra do tempo de escola? Das canções infantis? Das brincadeiras de criança? Dos jogos daquele

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) 06 e 07/04/2010 CONVERSAREMOS SOBRE: Planejamento e RCN: Oralidade na Educação

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Como mediador o educador da primeira infância tem nas suas ações o motivador de sua conduta, para tanto ele deve:

Como mediador o educador da primeira infância tem nas suas ações o motivador de sua conduta, para tanto ele deve: 18. O papel do profissional na ação educativa da creche Segundo o RCNEI (1998), o profissional da educação infantil trabalha questões de naturezas diversas, abrangendo desde cuidados básicos essenciais

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal Homologado em 13/12/2010, DODF nº 236 de 14/12/2010, pág. 36 Portaria nº 231 de 15/12/2010, DODF nº 239 de 17/12/2010, pág. 7 PARECER Nº 284/2010-CEDF Processo nº 460.000894/2009 Interessado: Centro de

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA JOÃO PAULO M. DE SOUZA MÔNICA SANTOS RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO RECIFE

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Vivência da docência em instituições de Educação Infantil. Articulação do conhecimento teórico à prática pedagógica. Vivência das rotinas de cuidado e educação na Educação Infantil. Planejamento

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Faculdade de Alta Floresta - FAF

Faculdade de Alta Floresta - FAF JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin Quem não se lembra do tempo de escola? Das canções infantis? Das brincadeiras de criança? Dos jogos daquele

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Ética e Cidadania Organizacional Eixo Tecnológico: Segurança

Leia mais

A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas

A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas Linha de Pesquisa: LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) Área de Concentração:

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA

CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA RELATÓRIO ANUAL 2010 SORRI-BRASIL Rua Benito Juarez, 70 - Vila Mariana 04018-060 - São Paulo - SP (0xx11) 5082-3502 sorribrasil@sorri.org.br

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTACIO DE SÁ. Prática de Ensino e Estágio Supervisionado em Docência dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

UNIVERSIDADE ESTACIO DE SÁ. Prática de Ensino e Estágio Supervisionado em Docência dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental UNIVERSIDADE ESTACIO DE SÁ Prática de Ensino e Estágio Supervisionado em Docência dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental CLAUDIA CRISTINA BRITTES DE MENEZES Mat: 2010.02.00650-3 Rio de Janeiro, 2012 UNIVERSIDADE

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Anais do I Seminário PIBID/FPA 2014. FPA. Vol I, nº 1. São Paulo, 2014. 1 A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Uma proposta pedagógica de ensino de artes visuais

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO

ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO 1.JUSTIFICATIVA O Projeto Escola Leitora: um caminho a ser construído, elaborado e desenvolvido coletivamente desde 2013 em todas as modalidades de ensino que

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Apresentação do Professor. Educação Infantil: Procedimentos. Teleaula 1. Ementa. Organização da Disciplina. Contextualização.

Apresentação do Professor. Educação Infantil: Procedimentos. Teleaula 1. Ementa. Organização da Disciplina. Contextualização. Educação Infantil: Procedimentos Teleaula 1 Prof. Me. Mônica Caetano da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Apresentação do Professor Pedagogia (PUCPr) Especialização em Psicopedagogia

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais